Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Alojamento Local (AL) do Município do Crato

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Alojamento Local (AL) do Município do Crato"

Transcrição

1 Índice CAPÍTULO I - Disposições gerais Artigo 1.º - Lei Habilitante Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Tipologia e unidades de alojamento Artigo 4.º - Regime aplicável CAPÍTULO II - Instalação e funcionamento Artigo 5.º - Procedimentos de instalação Artigo 6.º - Título Artigo 7.º - Caducidade do registo Artigo 8.º - Renovação do registo Artigo 9.º - Alteração da entidade exploradora ou cessação da exploração Artigo 10.º - Designação dos estabelecimentos Artigo 11.º - Publicidade Artigo 12.º - Período de funcionamento Artigo 13.º - Informações Artigo 14.º - Condições de Funcionamento Artigo 15.º - Inspeções CAPÍTULO III - Requisitos gerais comuns ao AL Artigo 16.º - Requisitos Artigo 17º - Capacidade e acesso Artigo 18º - Requisitos de higiene Artigo 19.º - Requisitos de segurança Artigo 20.º - Livro de reclamações Artigo 21.º - Responsável Artigo 22.º - Registo de hóspedes Artigo 23.º - Funcionamento Artigo 24.º - Equipamento mínimo dos quartos Artigo 25º - Zonas de estar Artigo 26.º - Cozinha Artigo 27º - Zonas de refeições CAPÍTULO IV - Estabelecimentos de hospedagem Artigo 28.º - Denominação Artigo 29º - Edifícios para estabelecimentos de hospedagem Página 1 de 19

2 Artigo 30º - Receção ou portaria Artigo 31º - Serviço de pequeno-almoço ou de refeições Artigo 32º - Roupas Artigo 33º - Zonas de serviço Artigo 34º - Instalações sanitárias Artigo 35º - Estabelecimentos complementares Artigo 36º - Estacionamento automóvel Artigo 37º - Acessibilidades CAPÍTULO V - Disposições complementares Artigo 38º - Disposições interiores das unidades de alojamento CAPÍTULO VI - Disposições Transitórias Artigo 39º - Processos em curso Artigo 40º - Estabelecimentos existentes Artigo 41º - Taxas CAPÍTULO VII - Fiscalização e sanções Artigo 42º - Fiscalização Artigo 43º - Contraordenações Artigo 44º - Sanções acessórias Artigo 45º - Competência sancionatória Artigo 46º - Embargo e demolição Artigo 47º - Normas supletivas Artigo 48º - Entrada em vigor Nota justificativa Tendo presente o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos aprovado pelo D.L. 39/2008 de 7de março, alterado e republicado pelo D.L. 228/2009 de 14 de setembro, foi definido o novo Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos (RJET), o qual veio dar cumprimento a uma das medidas do programa de simplificação administrativa e legislativa SIMPLEX O RJET introduziu alterações significativas nas tipologias de alojamento existentes e no sistema de classificação, que se passou a basear-se num sistema de requisitos mínimos obrigatórios para cada categoria. O atual regime jurídico dos empreendimentos turísticos, tal como o anterior, não contempla conceitos como Hostel, Estalagem, Surf Camp, Albergaria entre outros. Assim, caso o empreendimento não reúna Página 2 de 19

3 os requisitos constantes da Portaria n.º 327/2008 de 7 de março, para ser classificado como empreendimento turístico, deverá registar-se como alojamento local, nos termos da alínea b) do n.º 2 do artigo 2º e do artigo 3º do RJET, ficando ainda obrigado a cumprir os requisitos estabelecidos na portaria n.º 517/2008 de 25 de junho, uma vez que só estes podem prestar serviços de alojamento temporário. Considerando o preceituado na alínea d) do n.º 2 do artigo 22º do RJET, o nº 6 do artigo 5º da Portaria 517/2008 de 25/06 e a declaração de retificação n.º 45/2008 de 22 agosto, que regula os requisitos mínimos a observar pelos estabelecimentos de alojamento local, as Câmaras Municipais podem fixar requisitos de instalação e funcionamento para além dos previstos na referida portaria. Neste contexto, o município de Crato, cria o presente regulamento, como forma de regular e garantir os níveis de serviço mínimos no que se refere aos estabelecimentos de alojamento local com especial relevância sobre a tipologia de estabelecimento de hospedagem fixando os requisitos adicionais de instalação e funcionamento. Assim, nos termos dos artigos 112.º e 241.º da Constituição da República Portuguesa e tendo por base a alínea a) n.º 2 do artigo 53.º da Lei n.º 169/99 de 18 de Setembro, na redação dada pela Lei n.º 5 -A/2002 de 11 de Janeiro, é elaborado o presente Projeto de Regulamento que, depois de ser apreciado pelo órgão executivo, será submetido a inquérito público, nos termos e para os efeitos previstos no artigo 118.º do Código de Procedimento Administrativo. No âmbito da consulta pública supra referida, serão, ainda, consultadas as seguintes entidades: 1- DECO-ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR; 2 - GUARDA NACIONAL REPUBLICANA; 3 - JUNTAS DE FREGUESIA DO CONCELHO DO CRATO; 4 - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE MUNICÍPIOS PORTUGUESES; 5 - REGIÃO DE TURISMO DO ALENTEJO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Lei Habilitante O presente regulamento é aprovado ao abrigo do disposto no n.º 8 do artigo 112.º e artigo 241.º, ambos da Constituição da República Portuguesa, em conjunto com a alínea a) do n.º 6 do artigo 64.º, e alínea a) do n.º 2 do artigo 53.º da Lei n.169/99, de 18 de setembro, na redação que lhe foi conferida pela Lei n.º 5- A/2002, de 11 de janeiro, no Decreto-Lei n.º 39/2008 de 7 de março, alterado e republicado pelo D.L. n.º 228/2009 de 14 de setembro e no Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de abril. Página 3 de 19

4 Artigo 2.º Objetivo 1 O presente regulamento estabelece o regime de instalação, exploração e funcionamento de todos os estabelecimentos de Alojamento Local (adiante designado por AL) no Município de Crato. 2 Presume-se existir prestação de serviços de alojamento local (alojamento temporário) mediante remuneração, quando um imóvel ou fração deste, esteja mobilado e equipado e sejam oferecidos ao público em geral, além de dormida, serviços de limpeza e receção, por períodos inferiores a 30 dias. 3 Apenas os estabelecimentos de alojamento local registados no Município de Crato podem ser comercializados para fins turísticos, não podendo, contudo, utilizar a qualificação de turismo e/ou turístico, nem qualquer sistema de classificação, conforme o disposto na alínea b) do número 2 do artigo 2º e artigo 3º do RJET. Artigo 3.º Tipologia e unidades de alojamento 1 Consideram-se estabelecimentos de alojamento local nos termos do n.º 1 do artigo 3º do RJET e do artigo 2º da portaria n.º 517/2008 de 25 de junho, as moradias, os apartamentos e os estabelecimentos de hospedagem que, dispondo de autorização de utilização, prestem serviços de alojamento temporário, mediante remuneração, mas não reúnam os requisitos para serem considerados empreendimentos turísticos. 2 Os estabelecimentos previstos no número anterior podem ser definidos da seguinte forma: a) Moradia: estabelecimento de alojamento local cuja unidade de alojamento é constituída por um edifício autónomo, de carácter unifamiliar. b) Apartamento: estabelecimento de alojamento local cuja unidade de alojamento é constituída por uma fração autónoma de edifício. c) Estabelecimento de hospedagem: estabelecimento de alojamento local cujas unidades de alojamento são constituídas por quartos. 3 Uma unidade de alojamento é um espaço delimitado destinado ao uso exclusivo e privativo do utente do estabelecimento. Artigo 4.º Regime aplicável 1 Todos os processos relativos a edifícios destinados à instalação e funcionamento dos estabelecimentos de alojamento local obedecem ao Regime Jurídico da Urbanização e Edificação (RJUE) - D.L. n.º 555/99 de 16 de dezembro republicado pelo D.L. n.º 26/2010 de 30 de março - Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos (RJET) -D.L. n.º 39/2008 de 7 de Março, alterado e republicado pelo D.L. n.º 228/2009 de 14 de setembro -, Portaria n.º 517/2008 de 25 de junho, Portaria 1087/2010 de 22 de outubro, Portaria nº138 de 14 de maio, Regulamento Geral das Edificações Urbanas (RGEU) -D.L. n.º de 7 de agosto de 1951 e ao presente Regulamento Municipal de Alojamento Local (RMAL). Página 4 de 19

5 2 Os projetos de AL estão ainda sujeitos à aplicação do disposto do Decreto-Lei n.º 220/2008 de 12 de novembro relativamente à segurança contra riscos de incêndios e Decreto-Lei n.º 163/2006 de 8 de agosto que define as condições e normas técnicas sobre acessibilidades. 3 Os novos edifícios que tenham por objetivo o AL estão igualmente sujeitos a respeitar o disposto nos diversos Planos Municipais de Ordenamento do Território (PMOT's) em vigor no Município. CAPÍTULO II Instalação e funcionamento Artigo 5.º Procedimentos de instalação 1 A mera comunicação prévia para registo de estabelecimentos de alojamento local dirigida ao presidente da câmara municipal é instruída com os seguintes elementos: a) Documento comprovativo da legitimidade do requerente; b) Termo de responsabilidade, passado por técnico habilitado, em como as instalações eléctricas, de gás e termoacumuladores cumprem as normas legais em vigor; c) Planta do imóvel a indicar quais as unidades de alojamento a afectar à actividade pretendida d) Nome e número de identificação fiscal do titular do estabelecimento, nomeadamente para consulta em linha da caderneta predial urbana referente ao imóvel em causa. 2 Quando o estabelecimento tenha capacidade para 50 ou mais pessoas, para além dos documentos referidos no número anterior, a mera comunicação prévia deve ainda ser instruída com o projeto de segurança contra riscos de incêndio, bem como termo de responsabilidade do seu autor em como o sistema de segurança contra riscos de incêndio implementado se encontra de acordo com o projeto. 3 A mera apresentação da comunicação prévia prevista no n.º1 e respetivo comprovativo de entrega constituem título válido de abertura ao público. 4 A câmara municipal poderá realizar, a qualquer momento, vistorias para verificação do cumprimento dos requisitos necessários, sendo a primeira vistoria preferencialmente realizada no prazo de 60 dias após a apresentação da comunicação referida no número anterior. 5 Em caso de incumprimento, o registo é cancelado e o estabelecimento encerrado, sem prejuízo da possibilidade de nova mera comunicação prévia para novo registo, uma vez cumpridos os requisitos necessários. 6 A mera comunicação prévia é realizada através do balcão único eletrónico dos serviços previsto no artigo 6.º do Decreto -Lei n.º 92/2010, de 26 de julho. 7 A tramitação do procedimento de mera comunicação prévia no balcão único eletrónico dos serviços é regulada pela portaria referida no n.º 2 do artigo 44.º do Decreto -Lei n.º 92/2010, de 26 de julho.» Página 5 de 19

6 Artigo 6.º Título 1 A mera apresentação da comunicação prévia prevista no n.º1 e respetivo comprovativo de entrega constituem título válido de abertura ao público. 2 Qualquer importância devida ao Município não poderá ser devolvida pelo facto de o título ser recusado. Artigo 7.º Caducidade do registo O registo do estabelecimento de Alojamento Local caduca se: i. Não for renovado no prazo de 4 anos a contar da data de apresentação inicial ou sucessivas renovações na Câmara Municipal; ii. Não iniciar o seu funcionamento no prazo de 1 ano a contar da data referida no número anterior; iii. Mantiver encerrada a atividade por período superior a 1 ano; iv. For dada utilização diferente ao edifício da prevista no registo apresentado na Câmara Municipal; v. Forem efetuadas obras no estabelecimento nos termos das operações urbanísticas sujeitas a controlo prévio no âmbito do RJUE; vi. For alterado o proprietário ou a entidade exploradora ou cessado a exploração sem que tenha sido comunicado à Câmara Municipal de acordo como disposto no artigo 9º; vii. Não for cumprido os requisitos descritos no presente regulamento. Artigo 8.º Renovação do registo Para os efeitos de renovação do registo, o responsável pela atividade da AL deve solicitar à Câmara Municipal, nos três meses anteriores à caducidade, uma vistoria. Artigo 9.º Alteração da entidade exploradora ou cessação da exploração 1 A alteração da entidade exploradora deverá ser instruída de acordo com o artigo 5º. 2 Para manter atualizado o cadastro, a cessação da exploração também deve ser comunicada por mera comunicação prévia através do balcão eletrónico. Artigo 10.º Designação dos estabelecimentos 1 Os estabelecimentos de alojamento local não podem usar designações iguais ou, por qualquer forma, semelhantes a outros já existentes no município ou em relação aos quais já foi requerido o título, que possam induzir em erro ou ser suscetíveis de confusão. Página 6 de 19

7 2 A competência para aprovar a designação dos estabelecimentos é da Câmara Municipal, podendo ser delegada no Presidente da Câmara. 3 Para os efeitos referidos no número anterior, a comunicação prévia deverá mencionar o nome a atribuir ao estabelecimento. Artigo 11.º Publicidade Os estabelecimentos de alojamento local devem obedecer aos requisitos previstos no artigo 8º da Portaria n.º 517/2008 de 25 de junho abaixo transcritos e cumulativamente com os seguintes: 1 A publicidade, documentação comercial e merchandising dos estabelecimentos de alojamento local deve indicar o respetivo nome, seguido da expressão «alojamento local» ou a abreviatura AL. 2 Em toda a publicidade, correspondência, documentação e, de um modo geral, em toda a atividade externa do estabelecimento não podem ser sugeridas características que este não possua, sendo obrigatória a referência à tipologia aprovada. 3 Em todos os estabelecimentos, o proprietário ou a entidade exploradora terão que afixar, no exterior, junto ao acesso principal, uma placa identificativa, fornecida pelo Município de Crato conforme o artigo 9º da Portaria 517/2008 de 25/06 e a declaração de retificação n.º 45/2008 de 22 agosto. 4 A publicidade/divulgação da atividade, só poderá ocorrer após a admissão do registo do título. 5 Para efeitos de publicidade da atividade, o proprietário ou a entidade exploradora fica sujeita a cumprir o regulamento municipal para a publicidade, exceto a placa de AL referida no número anterior. 6 A Câmara Municipal, poderá a pedido do proprietário ou entidade exploradora, proceder à publicitação do AL no Portal do Município ou ainda em publicações da sua responsabilidade. Artigo 12.º Período de funcionamento 1 Os estabelecimentos de alojamento local podem estabelecer livremente os seus períodos de funcionamento. 2 O período de funcionamento deve ser devidamente publicitado e afixado em local visível ao público do exterior ou interior do estabelecimento. 3 O período de funcionamento dos estabelecimentos de alojamento local deve ser comunicado à Câmara Municipal quando requerido o registo do mesmo. Artigo 13.º Informações As entidades exploradoras ou os proprietários devem prestar aos utentes informação sobre as normas de funcionamento do estabelecimento de alojamento local. Página 7 de 19

8 Artigo 14.º Condições de Funcionamento 1 A informação afixada em todos os locais de uso individual ou comum deve estar, pelo menos, em língua portuguesa e numa outra língua oficial de um dos Estados Membros da União Europeia. 2 O disposto no número anterior aplica-se a toda a documentação entregue aos utentes do estabelecimento. Artigo 15.º Inspeções 1 Os responsáveis pela exploração devem facultar às entidades fiscalizadoras o acesso a todas as instalações do estabelecimento de alojamento local, bem como facultar os documentos justificadamente solicitados. 2 Nos casos de unidades de alojamento ocupadas, a inspeção referida no número anterior não pode efetuar-se sem que o respetivo utente esteja presente e autorize o acesso. 3 Poderão ocorrer fiscalizações por entidades externas ao Município com jurisdição própria para aqueles atos. CAPÍTULO III Requisitos gerais comuns ao AL Artigo 16.º Requisitos 1 Os estabelecimentos de alojamento local devem obedecer aos requisitos previstos no artigo 5º da Portaria n.º 517/2008 de 25 de junho abaixo transcritos: a) Estar instalados em edifícios bem conservados no exterior e no interior; b) Estar ligados à rede pública de abastecimento de água ou dotados de um sistema privativo de abastecimento de água com origem devidamente controlada; c) Estar ligados à rede pública de esgotos ou dotados de fossas sépticas dimensionadas para a capacidade máxima do estabelecimento, ou outro sistema de tratamento de efluentes; d) Estar dotados de água corrente quente e fria; e) Estar ligados à rede pública de energia elétrica ou ser abastecido por qualquer outro sistema de produção energética que garanta permanência contínua do uso energético para aquela atividade; f) Dispor de mobiliário, equipamentos e utensílios cómodos, resistentes, de fácil limpeza e mantidos em perfeito estado de conservação e higiene; g) Todas as dependências comuns colocadas à disposição dos utentes, nomeadamente, salas de estar, salas de refeições, cozinhas, copas, átrios ou outras, devem apresentar-se sempre arrumadas e limpas; Página 8 de 19

9 h) Quando uma moradia ou apartamento possua título de utilização, pretendendo-se que venha a ser registado como AL, será utilizado o critério de número de compartimentos (quartos) e tipo de fogo descritos no n.º 1 do artigo 66º do RGEU e/ou de acordo com o título emitido; i) Quando se trate de um estabelecimento de hospedagem com título de utilização ou a construir, será utilizado o critério do número de quartos nos termos do artigo 35º. 2 As unidades de alojamento dos estabelecimentos de alojamento local devem: a) Ter uma janela ou sacada com comunicação direta para o exterior que assegure as adequadas condições de ventilação e arejamento; b) Dispor de um sistema que permita vedar a entrada de luz exterior; c) Dispor de portas equipadas com um sistema de segurança que assegure a privacidade dos utentes; 3 As moradias e apartamentos devem dispor, no mínimo, de uma instalação sanitária por cada três quartos, dotada de lavatório, retrete e banheira ou chuveiro, espelho e suporte de toalhas. 4 As instalações sanitárias dos apartamentos e moradias devem dispor de um sistema de segurança que garanta privacidade dos utentes. 5 Não serão admitidas instalações sanitárias em comunicação direta para a cozinha, copa e salas. 6 As instalações sanitárias deverão ser dotadas de ventilação direta com o exterior ou ventilação forçada em contínua renovação do ar. 7 As unidades de alojamento descritas na alínea a) do n.º 2 devem ser insonorizadas, não sendo admitido quartos com janelas do tipo velux com abertura pelo teto ou empena. Artigo 17º Capacidade e acesso Os estabelecimentos de alojamento local devem obedecer aos requisitos previstos no artigo 4º da Portaria n.º 517/2008 de 25 de junho abaixo transcritos: 1 A capacidade dos estabelecimentos de alojamento local é determinada pelo correspondente número e tipo de camas fixas (individuais, duplas) instaladas nas unidades de alojamento. 2 Nas unidades de alojamento podem ser instaladas camas suplementares convertíveis ou amovíveis desde que não excedam o número de camas fixas. 3 A capacidade máxima dos estabelecimentos de AL será fixada pelo número e tipo de camas por quarto, a inscrever no título de registo, que ao ser afixado em local visível aos utilizadores, determinará a capacidade máxima daquele AL, não sendo permitido camas fixas adicionais, temporárias ou definitivas, sob pena de cessação da atividade. 4 As camas fixas instaladas nos quartos poderão ser simples (individuais) e duplos (beliche) ou de casal, com exceção dos estabelecimentos de hospedagem os quais poderão admitir camas em quarto triplo ou camarata, cumprindo com os pressupostos descritos no capitulo V. Página 9 de 19

10 5 A capacidade do quarto poderá exceder o previsto nos números anteriores, no máximo de uma cama suplementar. As camas suplementares, convertíveis ou amovíveis, não contam para a capacidade do estabelecimento, devendo ser admitidas com uma utilização pontual e não definitiva. 6 A capacidade do AL corresponderá à tipologia que deu origem à licença de utilização nos termos das alíneas h) e i) do número 1 do artigo anterior. 7 O acesso aos estabelecimentos de AL é livre a clientes que exibam a sua identificação, na medida da capacidade do estabelecimento, salvo o disposto nas alíneas seguintes: a) Pode ser recusado o acesso ou a permanência no estabelecimento a quem perturbe o seu funcionamento normal, designadamente, por: i) Não utilizar os serviços nele prestados; ii) Se recusar a cumprir as normas de funcionamento internas do estabelecimento, desde que estas se encontrem devidamente publicitadas; iii) Alojar indevidamente terceiros; iv) Penetrar nas áreas de serviço do estabelecimento ou área não afeta ao uso de AL; b) Pode, ainda, ser recusado o acesso, desde que devidamente publicitada tal restrição, nas áreas afetas à exploração, às pessoas que se façam acompanhar por animais, salvo pelas exceções previstas por lei habilitante. Artigo 18º Requisitos de higiene Os estabelecimentos de alojamento local devem obedecer aos requisitos previstos no artigo 6º da Portaria n.º 517/2008 de 25 de junho abaixo transcritos: 1 Os estabelecimentos de alojamento local devem reunir sempre condições de higiene e limpeza. 2 Os serviços de arrumação e limpeza da unidade de alojamento, bem como a mudança de toalhas e de roupa de cama, devem ter lugar, no mínimo, uma vez por semana e sempre que exista uma alteração de utente. 3 As zonas comuns interiores, quando existam, nomeadamente salas de estar, salas de refeições, cozinhas, copas, átrios ou outras, devem apresentar-se em condições de higiene e limpeza e estar devidamente arrumadas. 4 Os espaços exteriores, individualizados ou em comum, devem apresentar-se em condições de higiene e limpeza. 5 Os acessos aos edifícios devem igualmente apresentar-se em condições de higiene e limpeza. Artigo 19.º Requisitos de segurança Os estabelecimentos de alojamento local devem obedecer aos requisitos previstos no artigo 7º da Portaria n.º 517/2008 de 25 de junho abaixo transcritos: Página 10 de 19

11 1 Os estabelecimentos de alojamento local devem observar as regras gerais de segurança contra riscos de incêndio previstos em legislação especial e os requisitos referidos nos números seguintes. 2 Os estabelecimentos de alojamento local com capacidade inferior a 50 pessoas devem dispor de: a) Extintores e mantas de incêndios acessíveis e em quantidade adequada ao número de unidades de alojamento; b) Equipamento de primeiros socorros; c) Manual de instruções de todos os eletrodomésticos existentes nas unidades de alojamento ou, na falta dos mesmos, informação sobre o respetivo funcionamento e manuseamento; d) Indicação do número nacional de emergência (112); e) Número de telefone para contactar o explorador do estabelecimento quando não exista receção; f) Número de telefone da corporação de bombeiros local; g) Número de telefone da ASAE que supervisiona a região onde se situa; h) Outros números de telefone relevantes, como o do Centro de Saúde local, GNR, Bombeiro, etc.. 3 Os estabelecimentos de alojamento local com capacidade para 50 ou mais pessoas devem dispor, para além dos requisitos previstos nas alíneas b) a d) do número anterior, de um sistema de segurança contra riscos de incêndio, de acordo com o projeto apresentado, e de telefone móvel ou fixo com ligação à rede exterior. Artigo 20.º Livro de reclamações Os estabelecimentos de alojamento local devem obedecer aos requisitos previstos no artigo 10º da Portaria n.º 517/2008 de 25 de junho abaixo transcritos: 1 Os estabelecimentos de alojamento local devem dispor de Livro de Reclamações nos termos e condições estabelecidos pelo Decreto-Lei n.º 156/2005, de 15 de setembro, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei nº 371/2007 de 6 de novembro. 2 O original da folha de reclamação deve ser enviado à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), entidade competente para fiscalizar e instruir os processos de contraordenação previstos no decreto-lei referido no número anterior. 3 É necessário um livro de reclamações por cada registo de Alojamento Local, independentemente de pertencer ao mesmo proprietário, ou entidade exploradora. Artigo 21.º Responsável 1 Em todos os estabelecimentos de alojamento local deve existir um responsável, que fale corretamente a língua portuguesa, a quem cabe zelar pelo seu bom funcionamento, assim como assegurar o cumprimento do disposto na legislação aplicável e no presente regulamento e que responderá perante as autoridades envolvidas no processo. 2 O título de registo do AL deve referir a identificação do responsável para aquele AL. Página 11 de 19

12 Artigo 22.º Registo de hóspedes 1 Deverá efetuar-se o registo de hóspedes por inscrição do nome completo, número de bilhete de identidade/cartão do cidadão, passaporte ou similar, residência habitual, bem como da data e da hora de entrada e de saída. 2 O registo de hóspedes é efetuado em suporte idóneo, mantido e prontamente facultado à entidade fiscalizadora que o solicite, sem prejuízo do disposto na lei que regula a proteção de dados pessoais. 3 Deverá também ser feita a comunicação do alojamento de estrangeiros, nos termos do artigo 16.º da Lei n.º 23/2007, de 4 de julho, que define as condições e procedimentos de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros do território português. Artigo 23.º Funcionamento 1 Os estabelecimentos de alojamento local devem estar abertos ao público durante o período indicado no título de registo que acompanha o requerimento previsto na Portaria n.º 517/2008, de 25 de junho, com vista à realização do registo do estabelecimento de hospedagem. 2 A atividade de AL pode ocorrer durante todo o ano ou apenas em períodos sazonais, devendo contudo, respeitar o articulado do artigo 7º. 3 Em caso de alteração dos períodos de funcionamento, o proprietário ou responsável tem que ser comunicado o facto à Câmara Municipal no prazo máximo de 10 dias após essa alteração ocorrer. Artigo 24.º Equipamento mínimo dos quartos Os quartos nas unidades de alojamento local devem ser acessíveis, permitindo a circulação no seu interior e estão obrigados a possuir o seguinte equipamento mínimo: a) Cama(s) com o mínimo de 0,90 X 2,00m quando individuais ou beliches e 1,40 X 2,00m quando casal; b) Roupeiro ou solução equivalente; c) Cabides; d) Cadeira ou sofá; e) Mesa(s) de cabeceira ou solução de apoio equivalente; f) Luz(es) de cabeceira; g) Mínimo de uma tomada de eletricidade. Artigo 25º Zonas de estar Os estabelecimentos de alojamento local podem dispor de zonas de estar. Quando existam devem respeitar os seguintes requisitos mínimos: Página 12 de 19

13 a) Sofá e cadeiras; b) Mesa ou outros elementos que se mostrem adequados; c) Iluminação elétrica; d) Televisão ou qualquer outro meio audiovisual. Artigo 26.º Cozinha Os estabelecimentos de alojamento local podem dispor de cozinha para uso dos hóspedes. Quando existam devem estar dotadas dos seguintes requisitos mínimos: a) Água corrente quente e fria; b) Lava-louça simples ou com cuba dupla; c) Fogão ou placa e exaustor de fumos; d) Forno ou micro-ondas; e) Frigorífico; f) Loiças e utensílios de cozinha adequados ao ato de cozinhar; g) Talheres e pratos em número suficiente e adequados ao número máximo de utentes previstos para aquele AL; h) Armários para víveres; i) Máquina de lavar loiça; j) Mesa(s) com cadeiras ou bancos; l) A dispensa de algum dos requisitos anteriormente descritos, carece de justificação que poderá não ser aceite. Artigo 27º Zonas de refeições Os estabelecimentos de alojamento local com zona de refeições para uso dos hóspedes devem dispor dos requisitos referidos nas alíneas a) a d) e j) do número anterior caso não exista cozinha. CAPÍTULO IV Estabelecimentos de hospedagem Artigo 28.º Denominação Os estabelecimentos de hospedagem poderão usar uma das seguintes denominações para fins comerciais: 1 Hostel; 2 Hospedaria ou Casa de hóspedes; 3 Albergue ou Albergaria; 4 Surf Camp; Página 13 de 19

14 5 Residencial; 6 Estalagem; 7 Outra que vier a ser aprovada por deliberação de Câmara ou por órgão com competência delegada; 8 A denominação anteriormente descrita será completada com nome identificativo do AL, nos termos do n.º 1 do artigo 11º, como por exemplo Albergaria do Crato Alojamento Local ou Residencial O Recanto AL. Artigo 29º Edifícios para estabelecimentos de hospedagem 1 Os estabelecimentos de hospedagem devem preferencialmente integrar edifícios já existentes, podendo os mesmos sofrer obras de adaptação nos termos do RJUE e restante legislação, assim como devem cumprir o preceituado descrito no presente regulamento. 2 É admitido a construção de novos edifícios para estabelecimentos de hospedagem, ficando os mesmos condicionados a cumprir toda a legislação urbanística, nomeadamente RJUE, RMUE e presente regulamento. 3 Os novos edifícios ficam condicionados aos índices definidos para o local constantes nos PMOT's, para efeitos de construção habitacional. 4 É admitido que novos edifícios sejam implantados em lotes resultantes de operações de loteamento ou planos pormenor quando nos mesmos estejam previstos estabelecimentos de hospedagem, ficando condicionado aos índices das operações urbanísticas daí resultantes e normalmente descritas em regulamento próprio da referida operação. Terão igualmente que cumprir outros parâmetros urbanísticos inscritos nas operações de loteamento ou no plano de pormenor quando existam como por exemplo afastamentos, devendo com eles conformar-se. 5 A instrução do processo no âmbito do controlo prévio ao abrigo do RJUE, inicia-se por requerimento a descrever a operação urbanística para fins de estabelecimento de hospedagem nos termos do presente regulamento, referindo que o objetivo final é o registo de AL, que, após aprovado, licenciado e emitido título de utilização, carece de registo para a atividade de alojamento local. 6 Quando um estabelecimento de hospedagem possua 8 ou mais quartos ou quando a sua capacidade admita 15 ou mais utentes, deverá prever uma receção ou portaria, serviço de pequeno-almoço ou de refeições, roupas, zonas de serviço. Artigo 30º Receção ou portaria 1 Os estabelecimentos de hospedagem quando disponham de uma receção ou portaria, esta deve estar identificada podendo o serviço de atendimento ser feito automática ou presencialmente. 2 A receção ou portaria deve prestar os seguintes serviços: a) Registo de entradas e saídas de hóspedes; Página 14 de 19

15 b) Receção, guarda e entrega aos utentes de correspondência e de outros objetos que lhes sejam destinados; c) Anotações e transmissão aos utentes destinatários das mensagens que lhes forem dirigidas durante a sua ausência; d) Guarda das chaves das unidades de alojamento; e) Disponibilização do livro de reclamações quando solicitado; 3 Na receção ou portaria devem ser colocadas, em local visível, as informações respeitantes ao funcionamento do estabelecimento, designadamente sobre serviços que o mesmo preste e os respetivos preços, assim como o título original de registo de AL na Câmara Municipal. Artigo 31º Serviço de pequeno-almoço ou de refeições 1 Os estabelecimentos de hospedagem estão dispensados de servir refeições salvo o previsto no ponto 6 do artigo 29º. 2 No caso de estes estabelecimentos servirem pequenos-almoços aos hóspedes devem dispor de uma cozinha/copa e uma sala para o efeito, que observarão, com as necessárias adaptações, o previsto no artigo 26º, devendo ser dado cumprimento às disposições gerais relativas à higiene dos géneros alimentícios, sem prejuízo do cumprimento de outros requisitos impostos por legislação específica aplicável a determinadas categorias de produtos. 3 Sempre que os estabelecimentos de hospedagem sirvam refeições principais, devem cumprir as normas estabelecidas na legislação vigente sobre a matéria, nomeadamente restauração. 4 Em caso algum será permitido qualquer tipo de confeção de alimentos nos quartos ou em outras dependências não licenciadas para o efeito. Artigo 32º Roupas 1 Nos estabelecimentos de hospedagem que optem pelo tratamento das roupas, deve existir uma dependência ou espaço, destinado à lavagem, secagem e tratamento de roupas. 2 Os estabelecimentos podem entregar o tratamento de roupas a terceiros, mas estas deverão estar em perfeito estado de conservação e serão mudadas com a frequência mínima semanal ou quando se verifique a saída e entrada de hóspedes. 3 A entidade exploradora da atividade pode encarregar-se do tratamento da roupa particular dos hóspedes, devendo este tipo de serviço estar tabelado e os preços publicitados em cada quarto, bem como na receção e no espaço destinado ao tratamento de roupas. Artigo 33º Zonas de serviço Página 15 de 19

16 Os estabelecimentos de hospedagem devem possuir área destinada ao pessoal quando disponham de recursos humanos para aquela atividade, que deve ser composta, no mínimo, por instalações sanitárias e vestiários nos termos das prescrições mínimas de higiene, segurança e saúde nos locais de trabalho. Artigo 34º Instalações sanitárias As instalações sanitárias devem dispor, por cada 6 hóspedes, no mínimo de uma instalação sanitária dotada de lavatório, retrete e banheira ou chuveiro, espelho e suporte de toalhas, podendo estar ser individualizada ou em conjunto e por sexos. Artigo 35º Estabelecimentos complementares 1 Nos estabelecimentos de alojamento local podem ser complementados com a instalação de estabelecimentos comerciais e de restauração e/ou bebidas. 2 O disposto no número anterior não dispensa o cumprimento dos requisitos específicos relativos a instalações e funcionamento previstos na demais legislação e regulamentação aplicável à atividade. 3 Sem prejuízo do disposto no número anterior, a atividade de AL é permitida funcionar em todas as suas frações desde que devidamente registadas, independentemente das restantes atividades complementares encontrarem-se encerradas ou em funcionamento. Artigo 36º Estacionamento automóvel 1 Os estabelecimentos de hospedagem devem garantir o estacionamento em espaço privado, expecto quando existam infraestruturas públicas que possam suprimir as áreas mínimas necessárias a essa função. 2 A utilização de espaços públicos não pode impedir ou suprimir lugares de estacionamento destinado ao público em geral ou a outros estabelecimentos ou equipamentos que se sirvam desses espaços. 3 Para efeitos de cálculo de número de estacionamentos, o valor mínimo admitido é de 1 lugar por cada quarto individual ou de casal/duplo e 1 lugar por cada 5 hóspedes nos estabelecimentos de hospedagem. Artigo 37º Acessibilidades A alteração de uso, reabilitação, reconstrução, ampliação de edifícios e novas edificações com o fim de estabelecimentos de hospedagem deve obedecer ao articulado do Decreto-Lei n.º 163/2006 de 8 de agosto. CAPÍTULO V Disposições complementares Página 16 de 19

17 Artigo 38º Disposições interiores das unidades de alojamento 1 As unidades de alojamento devem dispor de tipologia, áreas e alturas mínimas, de acordo com a capacidade de utilização das mesmas. 2 Quando se trate de edificações mais antigas e atendendo há época de construção, será atribuído a tipologia dos quartos nos termos do presente artigo e confirmadas em vistoria a realizar pelo município. 3 Os quartos das unidades de alojamento a que se refere o número anterior e quando existam novas edificações de estabelecimentos de hospedagem, devem dispor de áreas mínimas de acordo com a capacidade de utilização que seguidamente se descreve: a) Quarto individual 7,5 m 2 b) Quarto casal ou duplo 10,5 m 2 c) Quarto triplo ou superior 12 m 2 e) Quarto com beliche(s) consoante os casos, quando a capacidade dos quartos admitam a utilização de beliches e mais de três hóspedes, acresce às áreas descritas nas alíneas b) e c) o valor de 5m 2 por cada beliche. 4 Os beliches devem ter uma altura livre acima do colchão no mínimo de 1m. 5 Considera-se beliche um conjunto de 2 camas sobrepostas. 6 Os estabelecimentos de hospedagem que disponham de sala(s), estão obrigados a cumprir as seguintes áreas mínimas: Área mínima da sala: 12m 2 até 10 utentes Acresce a área de 5m 2 por cada 10 utentes acima da área mínima. Exemplo de sala para 12 utentes:12m 2 + 5m 2 = 17m2; a sala terá que ser calculada com uma área mínima de 17m 2. CAPÍTULO VI Disposições Transitórias Artigo 39º Processos em curso 1 As normas transitórias encontram-se previstas no artigo 11º da Portaria n.º 517/2008, de 25 de junho e são aqui reproduzidas: Os estabelecimentos de hospedagem licenciados pelas câmaras municipais previstos no n.º 8 do artigo 75.º do Decreto-Lei n.º 39/2008, bem como os estabelecimentos hoteleiros que não venham a reunir os requisitos previstos na Portaria n.º 327/2008, de 28 de abril, e pretendam a reconversão em estabelecimentos de alojamento local são dispensados do requisito previsto no n.º 3 do artigo 5.º da presente portaria. 2 Aos processos de licenciamento em curso à data de entrada em vigor do presente regulamento aplicam-se as normas constantes no mesmo. Página 17 de 19

18 Artigo 40º Estabelecimentos existentes 1 Os estabelecimentos existentes e em funcionamento antes da entrada em vigor do presente regulamento devem satisfazer os requisitos previstos no mesmo quando da renovação do título já atribuído. 2 Aos títulos de registo já atribuídos, aplicar-se-á os prazos previstos na alínea a) do artigo 6º, contados a partir da data que o mesmo foi atribuído. 3 Os estabelecimentos que não reuniram condições para obter títulos turísticos nos termos dos números 4, 5 e 7 do artigo 75º do RJET e que tenham transitado para a figura de AL, ficam obrigados a cumprir o presente regulamento no prazo previsto na alínea a) do artigo 6º, contados a partir de 01 de janeiro de O disposto no número anterior aplica-se igualmente às condições estabelecidas no número 10 do artigo 75º do RJET. Artigo 41º Taxas 1 As taxas associadas ao AL serão aplicadas por cada registo requerido. 2 As taxas refletem vários momentos, nomeadamente, entrada do pedido, vistoria e registo definitivo. A junção de elementos será igualmente taxada nos termos da tabela correspondente ao ato. 3 A placa identificativa da atividade de AL será paga separadamente. 4 As taxas a cobrar no âmbito do presente regulamento encontram-se previstas no Regulamento Municipal de Taxas e Licenças do Crato. CAPÍTULO VII Fiscalização e sanções Artigo 42º Fiscalização Para além no disposto no artigo 66.º do RJET, é competência da Câmara Municipal de Crato verificar a existência de atividade de alojamento local sem o respetivo título emitido pelo Município, podendo esta ser verificada in loco, por via da internet, por qualquer tipo de publicidade ou por qualquer outro meio de comunicação, bem como por violação do presente regulamento. Artigo 43º Contraordenações 1 As contraordenações a aplicar para o AL, encontram-se previstas no artigo 67º do RJET. 2 Para além do disposto no número anterior, o não cumprimento pelo estabelecimento de alojamento local dos requisitos previstos no presente regulamento constituem contraordenações. Página 18 de 19

19 3 As contraordenações previstas no número anterior são punidas com coima de 150 a 2500, no caso de pessoa singular, e de 500 a 5000, no caso de pessoa coletiva. Artigo 44º Sanções acessórias 1 As sanções a aplicar para o AL, encontram-se previstas no artigo 68º do RJET. 2 Para além do disposto no número anterior, o não cumprimento pelo estabelecido de alojamento local dos requisitos previstos no presente regulamento podem ser aplicadas sanções de suspensão, por um período até dois anos, do exercício da atividade diretamente relacionada com a infração praticada. Artigo 45º Competência sancionatória Sem prejuízo das regras de competência estabelecidas no artigo 67º e seguintes do RJET, bem como no presente regulamento, a competência para determinar a instauração dos processos de contraordenação, para designar o instrutor, para aplicar as coimas e determinar a aplicação de sanções acessórias, pertence ao Presidente da Câmara Municipal, podendo ser delegada nos vereadores. Artigo 46º Embargo e demolição O embargo e demolição a aplicar para o AL, encontram-se previstos no artigo 72º do RJET. Artigo 47º Normas supletivas Em tudo o que não estiver disposto no presente regulamento aplicar-se-ão as disposições referidas como legislação habilitante e ainda toda a legislação aplicável nesta matéria. Artigo 48º Entrada em vigor O presente regulamento entra em vigor um dia após a sua publicação. Página 19 de 19

REGULAMENTO MUNICIPAL ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PUBLICADO ATRAVÉS DE EDITAL EM 28 DE ABRIL DE 2011

REGULAMENTO MUNICIPAL ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PUBLICADO ATRAVÉS DE EDITAL EM 28 DE ABRIL DE 2011 REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL APROVADO EM REUNIÃO DE CÂMARA MUNICIPAL DE 06 DE ABRIL DE 2011 APROVADO EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 21 DE ABRIL DE 2011 PUBLICADO ATRAVÉS DE

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PREÂMBULO O Decreto-lei nº 39/2008, de 7 de Março, aprovou o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-Lei n.º 39/08, de 7 de março, alterado e republicado pelo Decreto-Lei n.º 228/09, de 14 de setembro, consagra

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Índice PREÂMBULO... 3 CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 Artigo 1º - Norma habilitante... 4 Artigo

Leia mais

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Preâmbulo O novo Regime Jurídico de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Empreendimentos Turísticos, aprovado

Leia mais

Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Alojamento Local do Município de Vendas Novas

Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Alojamento Local do Município de Vendas Novas Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Alojamento Local do Município de Vendas Novas (Aprovado em Reunião de Câmara no dia xx de xx de 2014 e em Sessão de Assembleia no dia xx de xx de 2014) ÍNDICE

Leia mais

II- CONDIÇÃO PRÉVIA DE INSTALAÇÃO AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

II- CONDIÇÃO PRÉVIA DE INSTALAÇÃO AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO I- REQUISITOS PARA OS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1- Todos os estabelecimentos de hospedagem a instalar no Concelho de Sesimbra estão sujeitos aos requisitos previstos na Portaria

Leia mais

Câmara Municipal de Arraiolos

Câmara Municipal de Arraiolos Regulamento de Instalação e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Preâmbulo O Decreto-Lei nº. 167/97, de 4 de Julho estabelece o novo regime jurídico aplicável á instalação e funcionamento dos

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO

MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota justificativa O Decreto Lei nº 167/97, de 4 de Julho, aprovou o regime jurídico de instalação e do funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Tudo o que Precisa Saber 1 Definição Enquadramento Requisitos 4 Legislação 5 Fiscalização Procedimentos Definição ALOJAMENTO LOCAL Denominações Consideram-se

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Preâmbulo O Decreto-Lei nº 167/97, de 04 de Julho ( com a alteração e redacção dada pelo Decreto-Lei nº 305/99, de 06 de Agosto

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Preâmbulo

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Preâmbulo REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Preâmbulo O Decreto - Lei n. 167 / 97, de 4 de Julho, veio introduzir grandes inovações no processo de licenciamento de empreendimentos

Leia mais

REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de Agosto, alterado pelo Decreto Lei n.º 63/2015, de 23 de Abril FIGURA DO ALOJAMENTO LOCAL A figura

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V I E I R A D O M I N H O 4850-527 VIEIRA DO MINHO

M U N I C Í P I O D E V I E I R A D O M I N H O 4850-527 VIEIRA DO MINHO REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Preâmbulo O Decreto-Lei nº 167/97, de 04 de Julho ( com a alteração e redacção dada pelo Decreto-Lei nº 305/99, de 06 de Agosto

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A.

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A. REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A. O Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, no seu artigo 79.º estipula que é da competência

Leia mais

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL)

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Decreto-Lei nº 128/2014, de 29 de agosto OBJETIVOS Alojamento Local como categoria autónoma Eficiência Simplificação Redução

Leia mais

Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco. Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL)

Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco. Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Decreto-Lei nº 128/2014, de 29 de agosto, alterado pelo Decreto-Lei nº63/2015, de 23 abril OBJETIVOS

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM CAPÍTULO 1 AMBITO Artigo 1º. Estabelecimentos de Hospedagem São considerados estabelecimentos de hospedagem, aqueles que não

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO MUNICIPAL DOS REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março - que aprova o novo regime jurídico da

Leia mais

Regulamento Municipal de Instalação e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Preâmbulo

Regulamento Municipal de Instalação e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Preâmbulo Regulamento Municipal de Instalação e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, alterado pelo Decreto-Lei n.º 305/99, de 6 de Agosto, e pelo Decreto-Lei

Leia mais

CAPÍTULO II REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO SECÇÃO I REGIME GERAL

CAPÍTULO II REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO SECÇÃO I REGIME GERAL ÍNDICE REMISSIVO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Objecto Artigo 2º- Definições Artigo 3º - Âmbito de Aplicação CAPÍTULO II REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO SECÇÃO I REGIME GERAL Artigo

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM E ALOJAMENTOS PARTICULARES NOTA INTRODUTÓRIA

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM E ALOJAMENTOS PARTICULARES NOTA INTRODUTÓRIA NOTA INTRODUTÓRIA O D.L. n.º 167/97 de 4 de Julho atribui competências às câmaras municipais para licenciar a instalação dos empreendimentos turísticos, sendo os processos regulados pelo regime jurídico

Leia mais

Ministério d DL 205/2014 2014.05.19

Ministério d DL 205/2014 2014.05.19 DL 205/2014 2014.05.19 A figura do alojamento local foi criada pelo -Lei 39/2008, de 7 de março, para permitir a prestação de serviços de alojamento temporário em estabelecimentos que não reunissem os

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota Justificativa Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, alterado pelo Decreto Lei n.º 305/99, de 6

Leia mais

Alojamento Local no Município de Albufeira

Alojamento Local no Município de Albufeira Sessão de Esclarecimento Ricardo Sena/Dinis Alves Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística Agenda Enquadramento Ponto de Situação Procedimentos Requisitos Enquadramento Noção de Estabelecimentos

Leia mais

E D I T A L. D i s c u s s ã o P ú b l i c a. Projecto de Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Hospedagem e Alojamentos Particulares

E D I T A L. D i s c u s s ã o P ú b l i c a. Projecto de Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Hospedagem e Alojamentos Particulares E D I T A L D i s c u s s ã o P ú b l i c a Projecto de Regulamento Municipal de Estabelecimentos de Hospedagem e Alojamentos Particulares Paulo Jorge Simões Júlio, Presidente da Câmara Municipal de Penela,

Leia mais

Regulamento de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem PREÂMBULO

Regulamento de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem PREÂMBULO Regulamento de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem PREÂMBULO O Decreto-Lei nº 167/97, de 4 de Julho, e ulteriores alterações, diploma no qual se encontra regulado

Leia mais

Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Nota justificativa

Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Nota justificativa 1 Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Projecto de Regulamento de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Nota justificativa a) Designação - Projecto

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM A Câmara Municipal de Óbidos, sob proposta do seu Presidente, no uso das competências que lhe são conferidas por

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DO ALOJAMENTO LOCAL DECRETO-LEI 128/2014, 29 DE AGOSTO

NOVO REGIME JURÍDICO DO ALOJAMENTO LOCAL DECRETO-LEI 128/2014, 29 DE AGOSTO NOVO REGIME JURÍDICO DO ALOJAMENTO LOCAL DECRETO-LEI 128/2014, 29 DE AGOSTO Revoga: A Portaria 517/2008, de 25 de Junho, alterada pela Portaria 138/2012, de 14 de Maio; O artigo 3º Alínea d) do nº 2 do

Leia mais

PREÂMBULO CAPÍTULO I ÂMBITO

PREÂMBULO CAPÍTULO I ÂMBITO INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM PREÂMBULO O Decreto-Lei nº 167/97, de 4 de Julho, alterado pelo Decreto-Lei nº 305/99, de 6 de Agosto, e pelo Decreto-Lei nº 55/2002 de 11

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOUTIM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM APROVADO PELA CÂMARA MUNICIPAL EM 28/05/2003 APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL EM

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM NOTA JUSTIFICATIVA Com a entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, alterado pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO MUNICIPAL DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM (Aprovado na 3ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 10 de Fevereiro de 2004, com as rectificações introduzidas à alínea k) do ponto

Leia mais

Regulamento Municipal de instalação, exploração e funcionamento dos Estabelecimentos de Alojamento Local

Regulamento Municipal de instalação, exploração e funcionamento dos Estabelecimentos de Alojamento Local Regulamento Municipal de instalação, exploração e funcionamento dos Estabelecimentos de Alojamento Local Preâmbulo A Portaria nº 138/2012, de 14 de maio, veio proceder à adaptação do regime do alojamento

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL Regulamento da Instalação, Exploração e Funcionamento dos estabelecimentos de Hospedagem designados por Hospedarias, Casas de Hóspedes e por Quartos Particulares O

Leia mais

Nota Introdutória. Capítulo I Disposições Gerais

Nota Introdutória. Capítulo I Disposições Gerais Nota Introdutória De acordo com o Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, com as alterações introduzidas pelo Decreto- Lei n.º 305/99, de 6 de Agosto e pelo Decreto-Lei n.º 55/2002, de 11 de Março, que

Leia mais

Regulamento sobre. Estabelecimentos de Hospedagem e. Alojamento Local

Regulamento sobre. Estabelecimentos de Hospedagem e. Alojamento Local . Município de Montalegre Câmara Municipal Regulamento sobre Estabelecimentos de Hospedagem e Alojamento Local Anexo: Regulamento Anexo: I Anexo: II Regulamento sobre Estabelecimentos de Hospedagem e Alojamento

Leia mais

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos;

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos; O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL Empreendimentos Turísticos CAE 55111 a 55119, 55121

Leia mais

FAQ's. Perguntas Frequentes Alojamento Local

FAQ's. Perguntas Frequentes Alojamento Local FAQ's Perguntas Frequentes Alojamento Local Estou a pensar abrir um estabelecimento de Alojamento Local e quero saber o que preciso de fazer para o licenciar? Qualquer estabelecimento de Alojamento Local

Leia mais

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice Índice GUIAS TÉCNICOS Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local Estabelecimentos de Alojamento Local - Enquadramento - Tenho um imóvel que pretendo explorar como alojamento local, o que

Leia mais

Projecto de Regulamento de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem

Projecto de Regulamento de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem REGULAMENTO DE INTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ETABELECIMENTO DE HOPEDAGEM Projecto de Regulamento de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Nota justificativa

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota Justificativa Com a entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho e suas alterações introduzidas pelo Decreto-Lei

Leia mais

APÊNDICE N.º 155 II SÉRIE N.º 282 6 de Dezembro de 2002

APÊNDICE N.º 155 II SÉRIE N.º 282 6 de Dezembro de 2002 70 APÊNDICE N.º 155 II SÉRIE N.º 282 6 de Dezembro de 2002 ANEXO I Aviso n.º 9998/2002 (2.ª série) AP. António Jorge Nunes, presidente da Câmara Municipal de Bragança: Torna público, no uso da competência

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM 2001 Nota Justificativa O decreto-lei n.º 167/97, de 4 de Julho, com as alterações introduzidas pelo decreto-lei 305/99 de 6

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Assembleia Legislativa Decreto Legislativo Regional n.º 12/2009/M Adapta à Região Autónoma da Madeira o Decreto -Lei

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL 1252 Diário da República, 1.ª série N.º 42 2 de março de 2015 ANEXO Montantes dos apoios a atribuir à «Manutenção e recuperação de galerias ripícolas» (a que se refere o n.º 1 do artigo 13.º) Escalões

Leia mais

19752 Diário da República, 2.ª série N.º 118 21 de junho de 2013

19752 Diário da República, 2.ª série N.º 118 21 de junho de 2013 19752 Diário da República, 2.ª série N.º 118 21 de junho de 2013 MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ Aviso n.º 7994/2013 Em cumprimento do disposto na alínea b), do n.º 1, do artigo 37.º, da Lei n.º 12 -A/2008,

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DA ECONOMIA. Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de agosto

Legislação MINISTÉRIO DA ECONOMIA. Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de agosto Legislação Diploma Decreto-Lei n.º 128/2014, 29/08 Estado: Vigente Resumo: Aprova o regime jurídico da exploração dos estabelecimentos de alojamento local. Publicação: Diário da República n.º 166, Série

Leia mais

MUNICÍPIO DA NAZARÉ CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DOS ALOJAMENTOS PARTICULARES NOTA JUSTIFICATIVA

MUNICÍPIO DA NAZARÉ CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DOS ALOJAMENTOS PARTICULARES NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DOS ALOJAMENTOS PARTICULARES NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-Lei nº 167/97, de 4 de Julho, na redacção que lhe foi dada pelo Decreto-Lei nº 305/99, de 6 de Agosto, e pelo Decreto-Lei nº 55/2002,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO MUNICIPAL DE HOSPEDAGEM 2 Nota Justificativa Com a publicação da Lei n.º 53-E/2006, de 29 de Dezembro, as relações jurídico-tributárias geradoras da obrigação de pagamento de taxas às autarquias locais foram objecto de uma importante

Leia mais

são reduzidos os requisitos de acesso; são eliminadas obrigações de prestação de serviços;

são reduzidos os requisitos de acesso; são eliminadas obrigações de prestação de serviços; O REGIME LEGAL DO ALOJAMENTO LOCAL Por Sandra Neves, Advogada A figura do alojamento local surgiu em 2008, com o DL n.º 39/2008, de 7 de Março, que aprovou o regime jurídico de instalação, exploração e

Leia mais

Versão consolidada do Regime Jurídico da Exploração dos Estabelecimentos de Alojamento Local Não dispensa a consulta dos documentos oficiais que

Versão consolidada do Regime Jurídico da Exploração dos Estabelecimentos de Alojamento Local Não dispensa a consulta dos documentos oficiais que REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 128/2014, DE 29 DE AGOSTO ALTERADO/A PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - janeiro de 2015 Índice Índice... 3

Leia mais

SESSÃO DE ESCLARECIMENTO L LICENCIAMENTO ZERO DE SERVIÇOS DIRETIVA ERO E ERVIÇOS

SESSÃO DE ESCLARECIMENTO L LICENCIAMENTO ZERO DE SERVIÇOS DIRETIVA ERO E ERVIÇOS SESSÃO DE ESCLARECIMENTO L LICENCIAMENTO ZERO ERO E D DIRETIVA DE SERVIÇOS ERVIÇOS 2014 OBJETIVOS Compreender a novidade regulamentar associado à Diretiva de Serviços e à Iniciativa Licenciamento Zero;

Leia mais

Regulamento do Horário de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município da Nazaré

Regulamento do Horário de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município da Nazaré Regulamento do Horário de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município da Nazaré Preâmbulo O Regulamento dos Horários de Funcionamento de Abertura e Encerramento

Leia mais

Título: Regime jurídico da exploração dos estabelecimentos de alojamento local

Título: Regime jurídico da exploração dos estabelecimentos de alojamento local Título: Regime jurídico da exploração dos estabelecimentos de alojamento local Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas: 23 páginas Formato: PDF (Portable

Leia mais

CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática

CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática CONFERÊNCIA Novo Regime do Alojamento Local implicações e aplicação na prática Local: Sala da Assembleia Municipal da Câmara

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALMODÔVAR

CÂMARA MUNICIPAL DE ALMODÔVAR 4 Quadro actual Quadro proposto Escalões Obs. Número de lugares Número de lugares Grupo de pessoal Nível Carreira Categoria 1 2 3 4 5 6 7 8 Providos Vagos Total Providos Vagos Total Pessoal auxiliar Auxiliar

Leia mais

Para poderem funcionar / estar abertos ao público, todos os Estabelecimento devem

Para poderem funcionar / estar abertos ao público, todos os Estabelecimento devem Nos termos definidos no art.º 5.º do Decreto-Lei n.º 234/2007, de 19 de Junho, O DECRETO REGULAMENTAR N.º 20/2008, de 27 de Novembro, VEIO ESTABELECER QUAIS OS REQUISITOS ESPECÍFICOS RELATIVOS ÀS INSTALAÇÕES,

Leia mais

CAE Rev_3: 56101/107 e 56301/305 ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS

CAE Rev_3: 56101/107 e 56301/305 ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 56101/107 e 56301/305 ESTABELECIMENTOS

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 241 14 de Dezembro de 2007 36139 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA COMBA DÃO. CAPÍTULO II Licenciamento

Diário da República, 2.ª série N.º 241 14 de Dezembro de 2007 36139 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA COMBA DÃO. CAPÍTULO II Licenciamento Diário da República, 2.ª série N.º 241 14 de Dezembro de 2007 36139 Não serão consideradas as reclamações apresentadas fora do prazo acima estabelecido. Para constar se publica o presente e outros de igual

Leia mais

MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1

MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1 MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1 Nota Justificativa A simplificação do exercício de atividades decorrente da publicação e entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de abril

Leia mais

APÊNDICE N.º 8 II SÉRIE N.º 13 16 de Janeiro de 2003 CÂMARA MUNICIPAL DE CASTELO DE PAIVA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTELO DE VIDE

APÊNDICE N.º 8 II SÉRIE N.º 13 16 de Janeiro de 2003 CÂMARA MUNICIPAL DE CASTELO DE PAIVA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTELO DE VIDE 24 to celebrado com o trabalhador Paulo Jorge Trindade Reis, com a categoria de auxiliar de serviços gerais (do grupo de pessoal auxiliar), índice 123, escalão 1, ao abrigo do artigo 5.º do Decreto- -Lei

Leia mais

concentração num único diploma e conciliação com os princípios decorrentes da Lei nº 60/2007, de 4 de Setembro

concentração num único diploma e conciliação com os princípios decorrentes da Lei nº 60/2007, de 4 de Setembro NOVO REGIME JURÍDICO DOS EMPREENDIMENTOS Í TURÍSTICOS (RJET) 1 Objectivos principais: Simplificação Responsabilização Qualificação ç da oferta 2 Simplificação Simplificação legislativa concentração num

Leia mais

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL:

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 55202 TURISMO NO ESPAÇO RURAL NOÇÃO:

Leia mais

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE S. TEOTÓNIO

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE S. TEOTÓNIO REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE S. TEOTÓNIO Órgão Executivo, Em de 2014 Órgão Deliberativo, Em de 2014 Regulamento de Licenciamento de Atividades Diversas Prêmbulo Com

Leia mais

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice Índice GUIAS TÉCNICOS Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local Estabelecimentos de Alojamento Local - Enquadramento - Tenho um imóvel que pretendo explorar como alojamento local, o que

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS. Nota Justificativa

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS. Nota Justificativa REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS Nota Justificativa O Regulamento dos Períodos de Abertura e Funcionamento dos Estabelecimentos de Venda ao Público e

Leia mais

Fórum Jurídico. Novembro 2014 Direito Imobiliário INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7

Fórum Jurídico. Novembro 2014 Direito Imobiliário INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7 Novembro 2014 Direito Imobiliário A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

Legalização e reclassificação de empreendimentos turísticos e legalização de empresas de animação turística

Legalização e reclassificação de empreendimentos turísticos e legalização de empresas de animação turística SEMINÁRIO Legalização e reclassificação de empreendimentos turísticos e legalização de empresas de animação turística Vila Real, 15 de Dezembro de 2011 O Novo Regime Jurídico da Instalação, Exploração

Leia mais

RECONVERSÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS

RECONVERSÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS RECONVERSÃO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS Câmara Municipal de Sines Sines, 27 de Setembro de 2010 1 Objectivos principais do novo RJET: Simplificação Responsabilização Qualificação da oferta 2 Simplificação

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O novo regime jurídico dos espectáculos de natureza artística e não artística, tendo transferido

Leia mais

5482 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 192 18-8-1999 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DA ECONOMIA

5482 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 192 18-8-1999 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DA ECONOMIA 5482 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 192 18-8-1999 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Portaria n. o 667/99 de 18 de Agosto Manda o Governo, pelo Ministro da Justiça, ao abrigo do disposto nos artigos 5. o e 7. o

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS (NRJET) Turismo do Alentejo, ERT

NOVO REGIME JURÍDICO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS (NRJET) Turismo do Alentejo, ERT NOVO REGIME JURÍDICO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS (NRJET) Objectivos principais: Simplificação Responsabilização Qualificação da oferta Simplificação Simplificação legislativa concentração num único

Leia mais

Projeto Regulamento dos Horários

Projeto Regulamento dos Horários Projeto de Regulamento dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos de Venda ao Público e de Prestação de Serviços, de Restauração ou de Bebidas no Município de Grândola Nota Justificativa O Regulamento

Leia mais

FUNCHAL. CAE Rev_3: 56301 - CAFÉS CAE Rev_3: 56303 PASTELARIAS DEFINIÇÃO:

FUNCHAL. CAE Rev_3: 56301 - CAFÉS CAE Rev_3: 56303 PASTELARIAS DEFINIÇÃO: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 56301 - CAFÉS CAE Rev_3: 56303 PASTELARIAS

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DEFUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO CONCELHO DE PINHEL

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DEFUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO CONCELHO DE PINHEL REGULAMENTO MUNICIPAL DOS HORÁRIOS DEFUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO CONCELHO DE PINHEL Junho 2013 PREÂMBULO O Regulamento Municipal sobre Regime de Horários

Leia mais

Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local

Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local A Autoridade Tributária e Aduaneira divulgou no passado dia 19, o ofíciocirculado n.º 20.180, contendo instruções sobre o enquadramento jurídicotributário

Leia mais

Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços da área do Município de Penela

Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços da área do Município de Penela Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços da área do Município de Penela Preâmbulo O Regulamento dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos

Leia mais

Artigo 1.º. Alterações. Os artigos 1.º, 2.º, 3.º, 4.º, 5.º e 6.º passam a ter a seguinte redação: «Artigo 1.º [...]

Artigo 1.º. Alterações. Os artigos 1.º, 2.º, 3.º, 4.º, 5.º e 6.º passam a ter a seguinte redação: «Artigo 1.º [...] Alteração ao Regulamento dos Períodos de Abertura e Funcionamento dos Estabelecimentos de Venda ao Público e de Prestação de Serviços do Concelho de Viana do Alentejo Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 48/2011,

Leia mais

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 287/XII Regula o regime de acesso e exercício da atividade profissional de cadastro predial, em conformidade com a disciplina da Lei n.º 9/2009, de 4 de março, e do Decreto-Lei n.º 92/2010,

Leia mais

ARTIGO 1º Âmbito O presente Regulamento define as condições de candidatura, avaliação e distinção dos

ARTIGO 1º Âmbito O presente Regulamento define as condições de candidatura, avaliação e distinção dos REGULAMENTO ENQUADRAMENTO O mais recente diploma legal que estabelece o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos - Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março,

Leia mais

REGULAMENTO DAS FEIRAS URBANAS DE ARTESANATO, COLECIONISMO E ANTIGUIDADES. Preâmbulo

REGULAMENTO DAS FEIRAS URBANAS DE ARTESANATO, COLECIONISMO E ANTIGUIDADES. Preâmbulo REGULAMENTO DAS FEIRAS URBANAS DE ARTESANATO, COLECIONISMO E ANTIGUIDADES Preâmbulo A realização das feiras urbanas, como aquelas a que respeita o objeto do presente regulamento é já uma realidade em todo

Leia mais

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016 Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016 Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de agosto, alterado pelo Decreto-Lei n.º 63/2015, de 23 abril OBJETIVOS Alojamento

Leia mais

APÊNDICE N.º 22 II SÉRIE N.º 42 19 de Fevereiro de 2001 CÂMARA MUNICIPAL DE MONFORTE CÂMARA MUNICIPAL DE MONTEMOR-O-NOVO.

APÊNDICE N.º 22 II SÉRIE N.º 42 19 de Fevereiro de 2001 CÂMARA MUNICIPAL DE MONFORTE CÂMARA MUNICIPAL DE MONTEMOR-O-NOVO. APÊNDICE N.º 22 II SÉRIE N.º 42 19 de Fevereiro de 2001 71 A constituição deste depósito foi autorizada pela deliberação (do órgão colegial, família...) de... (dia) de... (mês) de... (ano), conforme se

Leia mais

Restauração & Bebidas. guia prático

Restauração & Bebidas. guia prático Restauração & Bebidas guia prático este guia Apresenta os licenciamentos e alvarás necessários ao evento de vida TER UM NEGÓCIO, cuja actividade específica é a área de Restauração e/ou Bebidas, que diz

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO NOTA JUSTIFICATIVA A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens tem apresentado um aumento significativo nos últimos tempos.

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

REGULAMENTO PARA VENDA HABITAÇÕES MUNICIPAIS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO, POR SORTEIO

REGULAMENTO PARA VENDA HABITAÇÕES MUNICIPAIS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO, POR SORTEIO REGULAMENTO PARA VENDA DE HABITAÇÕES MUNICIPAIS A, ATRAVÉS DE CONCURSO, POR SORTEIO REGULAMENTO PARA VENDA DE HABITAÇÕES MUNICIPAIS A, ATRAVÉS DE CONCURSO, POR SORTEIO PREÂMBULO No quadro das ações e planos

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 1. O Regulamento referente à compensação pela não

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS (Aprovado na 24ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 16 de Dezembro de 2003, na 2ª Reunião da 5ª Sessão Ordinária

Leia mais

Regulamento Municipal sobre Instalação. Recintos de Espectáculos e Divertimentos Públicos. CAPÍTULO I Fundamentação legal

Regulamento Municipal sobre Instalação. Recintos de Espectáculos e Divertimentos Públicos. CAPÍTULO I Fundamentação legal Regulamento Municipal sobre Instalação e Funcionamento de Recintos de Espectáculos e Divertimentos Públicos Preâmbulo O Decreto Lei n.º 315/95, de 28 de Novembro, e o Decreto Regulamentar n.º 34/95, de

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA REAL

MUNICÍPIO DE VILA REAL MUNICÍPIO DE VILA REAL PROJETO DE ALTERAÇÕES REGULAMENTARES DIVERSAS PREÂMBULO Com a publicação Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de abril, que simplifica o regime de exercício de diversas atividades económicas

Leia mais

S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 54/2012 de 15 de Maio de 2012

S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 54/2012 de 15 de Maio de 2012 S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 54/2012 de 15 de Maio de 2012 Ao abrigo dos artigos 5.º, n.º 2, 17.º, n.ºs 8 e 9, e 35.º, n.º 1, do Decreto Legislativo Regional n.º 7/2012/A, de 1 de março, manda o Governo

Leia mais

4928 Diário da República, 1.ª série N.º 176 12 de setembro de 2014

4928 Diário da República, 1.ª série N.º 176 12 de setembro de 2014 4928 Diário da República, 1.ª série N.º 176 12 de setembro de 2014 b) Experiência profissional Até 3 anos 1 ponto. 3 a 6 anos 2 pontos. 6 a 9 anos 3 pontos. 10 ou mais anos 4 pontos. c) Formação escolar

Leia mais

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 13/93, de 15 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA

MINISTÉRIO DA ECONOMIA N. o 60 12 de Março de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I ÉRIE-B 2169 protecção da maternidade e da paternidade ou da lei sindical.» 5. o On. o 4don. o 52. o da Portaria n. o 1098/99, de 21 de Dezembro, passa

Leia mais