CATÁLOGO DE CURSOS 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CATÁLOGO DE CURSOS 2012"

Transcrição

1 Faculdade de Engenharia São Paulo - FESP CATÁLOGO DE CURSOS 2012 Em cumprimento a Portaria n.º 971, de 22 de agosto de 1997 do Ministério da Educação e do Desporto

2 ÍNDICE Histórico da FESP 3-4 Relação dos Dirigentes da Instituição 5 Estruturas Curriculares 6-14 Relação Nominal do Corpo Docente da FESP Infra-Estrutura Reconhecimento dos Cursos 55 Edital do Processo Seletivo

3 INTRODUÇÃO HISTÓRICO DA FESP A Sociedade Educacional São Paulo SESP, mantenedora da Faculdade de Engenharia São Paulo FESP, foi autorizada no ano de 1974, pelo então CFE, Conselho Federal de Educação, a criar os cursos de Engenharia Civil e Engenharia Elétrica, modalidade Eletrônica. Em 1975, a FESP realizou o seu primeiro Vestibular, registrando pioneirismo nos cursos noturnos de Engenharia em nossa Capital. Em 1979, ambos os cursos foram reconhecidos, através do Decreto nº No mesmo ano, a FESP foi autorizada a implantar o curso de Complementação de Estudos, destinado aos formandos pela Faculdade de Tecnologia da Universidade Mackenzie, que, dessa forma, puderam se formar Engenheiros Plenos. No ano de 1984, o CFE autorizou a FESP a implantar o Curso Superior de Tecnologia em Construção Civil, modalidade Estruturas Metálicas, reconhecido em 1991, através da Portaria nº Tendo em vista a explosiva evolução científica e tecnológica ocorrida nas décadas anteriores, e a necessidade de assimilar as tendências do mercado globalizado, a FESP implementou reformas curriculares em 2001 e Nesta última, conforme a grade horária publicada no Diário Oficial da União de 02/09/09 a carga horária dos Cursos de Engenharia Civil e Engenharia Elétrica, Mod. Eletrônica, com duração de 5 anos, tanto no período diurno quanto no período noturno, foi fixada em horas. 3

4 A SESP mantém, ainda, o CPTESP - Centro de Pesquisas Tecnológicas São Paulo, destinado ao desenvolvimento de projetos de pesquisa e o CIEFESP - Conselho de Integração Empresa Escola, que auxilia no processo de obtenção de estágio aos alunos da FESP, uma das faculdades mais requisitadas neste sentido.. A SESP DESENVOLVE AINDA SUAS ATIVIDADES ATRAVÉS DO CONSELHO INTEGRAÇÃO EMPRESA/ FESP É um órgão de representação comunitária da Faculdade de Engenharia São Paulo (FESP), instituído pela Sociedade Educacional São Paulo (SESP), tendo por finalidade promover articulação entre as Empresas e a FESP no sentido de incentivar o Estágio e a colocação profissional de nosso Corpo Discente. Objetiva levar o aluno a adquirir experiência no campo profissional e inseri-lo no mercado de trabalho que futuramente irá recebê-lo como Engenheiro. A FESP passou a atuar gradativamente no campo de estágio no ano de Com o passar do tempo, a Instituição foi se firmando e as próprias Empresas passaram a procurar a Escola. Os estágios remunerados têm permitido que nossos alunos terminem os seus estudos com uma experiência profissional de elevada qualidade. 4

5 RELAÇÃO DOS DIRIGENTES DA INSTITUIÇÃO RELAÇÃO DOS DIRIGENTES DA INSTITUIÇÃO, DOS COORDENADORES DE CURSOS E PROGRAMAS, SUA TITULAÇÃO E OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E REGIME DE TRABALHO: Dirigente Cargo Titulação Guilherme Gaspar Silva Dias Diretor Geral Qualificação Profissional Especialista Engenheiro José Maria C. Barros Vice-Diretor Doutor Engenheiro Maria Ângela Gaspar Silva Dias Secretaria Geral Graduada Administradora de Empresa Antonio Rodrigues Martins Coordenador Geral Doutor Engenheiro Plínio F. S. Rodrigues José Maria C. Barros José Nagib M. Filho Mariângela de A. G. Jorge Coordenador Curso Eng. Elétrica Coordenador Curso Eng. Civil Coordenador Curso de Tecnologia Coordenadora Acadêmica Doutor Doutor Graduado Mestre Engenheiro Engenheiro Engenheiro Antropóloga Regime de Trabalho Integral 40 horas Parcial 17 horas Integral 40 horas Parcial 37 horas Parcial 31horas Parcial 17 horas Parcial 27 horas Parcial 23 horas 5

6 ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL A estrutura curricular prevê horas-aula para todo o curso, assim distribuídas: Tabela 1 Composição da carga horária. Formação Carga Horária Básica 1140 Geral 210 Profissional 1920 Outras Atividades - (TCC, Estágio Supervisionado e Ativ. Complementares) 765 Total 4035 A carga horária, acima especificada, está distribuída, ao longo dos cursos diurno e noturno (5 anos), conforme estabelecido no quadro-resumo a seguir. Tabela 2 Carga Horária Anual. Ano Carga Horária 1 o o o o o 750 Outras Atividades - (TCC, Estágio Supervisionado e Ativ. Complementares) 765 Total 4035 A distribuição da carga horária pelas várias disciplinas obedece ao indicado na Tabela 3. 6

7 5o Ano 4o Ano 3o Ano 2o Ano 1o Ano Tabela 3 Cursos Diurno e Noturno: Carga Horária Anual por disciplina. Ano Disciplinas Código C/H CAT Matéria Cálculo diferencial e integral I BM Matemática Física geral I BF Física Desenho técnico BD Expressão gráfica Álg. linear, vetores e geom. Analítica BM Matemática Metodologia do trabalho científico GH Ciências humanas Eletricidade BE Eletricidade Processamento de dados BP Proces. de dados Probabilidade e estatística BM Matemática Cálculo numérico BM Matemática Mecânica geral BG Mecânica Cálculo diferencial e integral II BM Matemática Física geral II BF Física Fenômenos de transporte BT Fen. de transporte Instalações elétricas CI Eletricidade Estabilidade das construções I CE Teoria das estruturas Química BQ Química Resistência dos materiais BR Resist. dos materiais Topografia CT Topografia Hidrologia aplicada CH Hidrologia Materiais de construção CM Mater. de construção Hidráulica CH Hidráulica Mecânica dos solos e fundações I CS Mecânica dos solos Estradas e transportes I CT Transportes Ciências do ambiente GC Ciências humanas Construção de edifícios CC Sistemas estruturais Estabilidade das construções II CE Teoria das estruturas Mecânica dos solos e fundações II CS Mecânica dos solos Estruturas de concreto I CE Sistemas estruturais Instalações hidráulicas e sanitárias CI Saneamento básico Saneamento CH Saneamento básico Engenharia legal GH Ciências humanas Economia e Administração GEA 60 5 Econ. e Administração Estradas e transportes II CT Transportes Estruturas metálicas e de madeira CE Sistemas estruturais Estruturas de concreto II CE Sistemas estruturais Planejamento de obras e urbanismo CC Construção civil Estágio supervisionado CO Trabalho de conclusão de curso CO Optativas Pontes, barragens e gdes. Estruturas OE Sistemas estruturais Portos, rios e canais OH Hidráulica Aeroportos OT Transportes Libras LIBR 60 Ciências Humanas Cumprimento do Estágio Supervisionado 400 Preparação do Trab. de Conclusão de Curso 200 Atividades Complementares CAC

8 CURSO DE ENGENHARIA CIVIL O curso de Engenharia Civil da FESP tem por objetivo formar profissionais capazes de compreender, planejar, analisar, projetar e construir edificações nas suas mais diversas formas: residências, edifícios, pontes, barragens, estradas, portos, aeroportos, reservatórios e obras de saneamento. Para tanto, o currículo da FESP é permanentemente atualizado, objetivando fornecer o máximo em novas tecnologias e uma abordagem completa da profissão, abrangendo o aspecto técnico e científico, bem como o econômico, administrativo, legal e ambiental. A qualificação dos professores da FESP tem sido uma preocupação constante, de modo que a valorização dos mesmos está baseada no aprimoramento profissional e didático. A FESP propicia um amplo apoio ao aluno, num ambiente interativo e motivador, com a participação efetiva de professores, coordenadores, monitores e auxiliares de ensino e da administração. Dentro dessa filosofia, destacam-se: Planejamento técnico-didático; Acompanhamento acadêmico pelos professores, auxiliares de ensino e monitores; Sistema de nivelamento dos alunos ingressantes; Estágio supervisionado com acompanhamento. 8

9 ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA A estrutura curricular prevê 4035 horas-aula para todo o curso, assim distribuídas: Tabela 1- Composição de carga horária. Formação Carga Horária Básica 1140 Geral 210 Profissional 1920 Outras Atividades - (TCC, Estágio Supervisionado e Ativ. Complementares) 765 Total 4035 A carga horária, acima especificada, está distribuída, ao longo dos cursos diurno e noturno (5 anos), conforme estabelecido no quadro-resumo a seguir. Ano Tabela 2 Carga Horária Anual. Carga Horária 1 o o o o o 690 Outras Atividades - (TCC, Estágio Supervisionado e Ativ. Complementares) 765 Total 4035 A distribuição da carga horária pelas várias disciplinas obedece ao especificado na tabela 3. 9

10 5o Ano 4o Ano 3o A10no 2o Ano 1o Ano Tabela 3 Cursos Diurno e Noturno: Carga Horária Anual por disciplina. Ano Disciplinas Código C/H CAT Matéria Cálculo diferencial e integral I BM Matemática Física geral I BF Física Desenho técnico BD Expressão gráfica Álg. linear, vetores e geom. analítica BM Matemática Metodologia do trabalho científico GH Ciências humanas Eletricidade BE Eletricidade Materiais elétricos e processos EL Materiais elétricos Processamento de dados BP Proces. de dados Cálculo numérico BM Matemática Instalações elétricas EI Eletricidade Probabilidade e estatística BM Matemática Cálculo diferencial e integral II BM Matemática Circuitos elétricos I EC Circuitos elétricos Física geral II BF Física Fenômenos de transporte BT Fen. de transporte Mecânica geral BG Mecânica Química BQ Química Cálculo diferencial e integral III BM Matemática Eletromagnetismo I EM Eletromagnetismo Circuitos digitais I ED Eletrônica Conversão de energia EN Conversão de energia Circuitos elétricos II EC Circuitos elétricos Dispositivos e circuitos eletrônicos I ET Eletrônica Medidas Elétricas EC Circuitos elétricos Ciências do ambiente GC Ciências do ambiente Resistência dos materiais BR Resist. dos materiais Análise de sistemas elétricos ES Controle e servomec. Princípios de comunicação EP Telecomunicações Eletromagnetismo II EM Eletromagnetismo Dispositivos e Circuitos Eletrônicos II ET Eletrônica Máquinas e Equipamentos Conversão EN Conversão de energia Eletrônica aplicada EA Eletrônica Circuitos digitais II ED Eletrônica Economia e Administração GEA 60 5 Econ. e Adm. Microondas e Antenas EM Telecomunicações Engenharia legal GH Ciências humanas Sist. de Controle e Servomecanismos ES Controle e servomec Eletrônica Industrial EE Eletrônica Sistemas de Comunicação EP Telecomunicações Estágio supervisionado EQ Trabalho de Conclusão de Curso EQ Optativas Rádio e telefonia OP Telecomunicações Redes de comunicação OP Telecomunicações Projetos de equipamentos eletrônicos OT Eletrônica Libras LIBR 60 Ciências Humanas Cumprimento do Estágio Supervisionado 400 Preparação do Trabalho de Conc. de Curso 200 Atividades Complementares CAC

11 CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA O curso de Engenharia Elétrica, Modalidade Eletrônica, tem por objetivo formar profissionais capazes de compreender, planejar, analisar, projetar equipamentos eletrônico, sistemas de comunicação, computadores e sistemas de automação e controle, assim como desenvolver novas tecnologias e preparar o profissional para administrar e implantar projeto de engenharia. Para tanto, o currículo da FESP é permanentemente atualizado, de maneira a fornecer o máximo em novas tecnologias e uma abordagem completa da profissão, abrangendo o aspecto técnico e científico, bem como o econômico, administrativo, legal e ambiental. A qualificação dos professores da FESP tem sido uma preocupação constante, de modo que a valorização dos mesmos está baseada no aprimoramento profissional e didático. A FESP propicia um amplo apoio ao aluno, num ambiente interativo e motivador, com a participação efetiva de professores, coordenadores, monitores e auxiliares de ensino e da administração. Dentro dessa filosofia, destacam-se: Planejamento técnico-didático; Acompanhamento acadêmico pelos professores, auxiliares de ensino e monitores; Sistema de nivelamento dos alunos ingressantes; Estágio supervisionado com acompanhamento. 11

12 ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE TECNOLOGIA A estrutura curricular prevê horas para todo o curso, assim distribuídas: Tabela 1 Composição da carga horária Formação Carga Horária Básica 576 Geral 180 Profissional 1728 Outras Atividades (Estágio Supervisionado e Atividades Complementares) 552 Total 3036 A carga horária, acima especificada, está distribuída, ao longo do curso noturno (3 anos), conforme estabelecido nos quadros-resumo a seguir. Tabela 2 Carga Horária Anual. Ano Carga Horária 1 o o o 792 Outras Atividades (Estágio Supervisionado e Atividades Complementares) 552 Total

13 Tabela 3: Carga horária anual por disciplina. Disciplinas Código Horas CAT Matéria Metodologia do trabalho Científico T Ciências humanas Física Aplicada T Física Desenho técnico T Expressão gráfica Matemática I T Matemática Materiais de Construção T Materiais de Construção Máquinas e Ferramentas T Máq.e Ferramentas Estática e Resistência dos Materiais T Resist. dos Materiais Topografia T Topografia Eletricidade Aplicada T Eletricidade Matemática II T Matemática Desenho de Estruturas Metálicas T Sistemas Estruturais Organização Industrial e Administração T Administração Fundações T Mecânica dos solos Instalações Hidráulicas T Hidráulica Relações Humanas e Direito Trabalhista T Direito Instalações Elétricas T Eletricidade Estruturas T Sistemas Estruturais Técnicas de Fabricação e Montagem T Sistemas estruturais Estágio Supervisionado T Trabalho de Conclusão de Curso T Atividades Complementares 72 Cumprimento do Estágio Supervisionado 480 Língua Brasileira de Sinais Libras (Optativa) OL Ciências Humanas 13

14 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO CIVIL: MODALIDADE ESTRUTURAS METÁLICAS O aumento do uso de vigas de aço, coberturas e estruturas metálicas em diversos tipos de edificações comerciais, industriais e residências, bem como em torres e postes metálicos para a eletro técnica e telecomunicações, impôs a um aumento na demanda por especialistas da área. Surgiu assim a necessidade de tecnólogos de nível superior para calcular e projetar tais obras, fabricar as peças necessárias e acompanhar a execução das obras de montagem. O curso, único existente em nosso país, objetiva formar Tecnólogos com formação superior, capazes de executar projetos, supervisionando a fabricação e a montagem de estruturas para a construção civil. Trata-se, portanto, de curso com características próprias e que dá ênfase aos aspectos práticos e específicos do setor a que está voltado. Desejando, o aluno poderá, ao concluir o curso e mediante processo seletivo, prosseguir os seus estudos na própria FESP, obtendo então o título de Engenheiro Civil. A FESP propicia um amplo apoio ao aluno, num ambiente interativo e motivador, com a participação efetiva de professores, coordenadores, monitores e auxiliares de ensino e da administração. Dentro dessa filosofia, destacam-se: Planejamento técnico-didático; Acompanhamento acadêmico pelos professores, auxiliares de ensino e monitores; Sistema de nivelamento dos alunos ingressantes; Estágio supervisionado com acompanhamento. 14

15 II - RELAÇÃO NOMINAL DO CORPO DOCENTE DA FESP RELAÇÃO NOMINAL DO CORPO DOCENTE DA FESP, ÁREA DE CONHECIMENTO, TITULAÇÃO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E REGIME DE TRABALHO DOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL, ELÉTRICA E ESTRUTURAS METÁLICAS: NOME DO DOCENTE TITULAÇÃO ÁREA DE CONHECIMENTO DA TITULAÇÃO QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL REGIM E DE TRAB. Adriana Lúcia Silva Domingues Especialista Perícias de Engenharia e Avaliação Engenheira Civil 18h Alexandre Belmonte Siphone Especialista Direito Advogado 5h Alfonso Pappalardo Jr. Doutor Engenharia de Estruturas Engenheiro Civil 12h Américo Akira Uechi Especialista Projeto de Estruturas Engenheiro Civil 40h Angela Hum Tchemra Doutora Engenharia Elétrica Engenheira Elétrica 12h Antonio Caramico Graduado Química Químico 4h Antonio Rodrigues Martins Doutor Engenharia de Estruturas Engenheiro Civil 32h Augusto Martins dos Santos Mestre Engenharia Engenheiro Civil 6h Bruno Sestokas Filho Mestre Ciências Físico 6h Carlos Alberto G. Pegollo Mestre Ciências Engenheiro Elétrico 8h Carlos Satoshi Aoki Graduado Engenharia Eletrônica Engenheiro Elétrico 20h Creso Franco Peixoto Mestre Engenharia de Transportes Engenheiro Civil 10h Eduardo Antonio Serrano Mestre Engenharia de Produção Engenheiro Civil 8h Eduardo Silva Lisboa Mestre Engenharia Mecânica Engenheiro Mecânico 10h Eduardo Tadeu L. de Toledo Graduado Engenharia Elétrica Engenheiro Elétrico 4h Elias Rodrigues de Moura Graduado Engenharia Elétrica Engenheiro Elétrico 4h 15

16 NOME DO DOCENTE TITULAÇÃO ÁREA DE CONHECIMENTO DA TITULAÇÃO QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL REGIME DE TRABALHO Eliete Satie N. Pastana Graduada Química Química 16h Elizabeth Montefusco Lopes Mestre Engenharia Civil Engenheira Civil 8h Emilio Celso Pastorelo Miranda Graduado Engenharia Civil Engenheiro Civil 10h Engles Anastácio Finotti Mestre Física Físico 40h Geraldo L. Pereira Fontana Mestre Riscos em Industrias Químicas Químico 6h Gilson José Francischetti Graduado Automação e Controle Engenheiro Elétrico 6h Heitor César Riogi Haga Doutor Engenharia Civil Engenheiro Civil 4h Heládio de Castro Winz Mestre Engenharia de Solos Engenheiro Civil 22h Hélvio Fregolente Jr. Mestre Sistemas de Potência Engenheiro Elétrico 28h João Alberto de Abreu Vendramini Graduado Engenharia Civil Engenheiro Civil 04h João Bustamante Mestre Telecomunicação Engenheiro Elétrico 25h João Dias de Toledo Arruda Neto Doutor Ressonâncias gigantes de quadrupolo elétrico na fotofissao do 236U e 238U Físico 34h João Ruffin Leme de Godoy Doutor Biologia Biólogo 8h José Gabriel F. Simões Graduado Engenharia Mecânica Engenheiro Mecânico 12 José Maria Bonato Graduado Engenharia Elétrica Engenheiro Elétrico 36h José Maria de Camargo Barros Doutor Engenharia de Solos Engenharia Civil 12h José Nagib Miziara Filho Especialista Projeto de Estruturas Engenharia Civil 27h Marco Aurélio Luqueze Mestre Engenharia Elétrica Engenheiro Elétrico 12h Maria Aparecida Oliveira Graduada Matemática Matemática 30h 16

17 NOME DO DOCENTE Mariangela de A. Góes Jorge TITULAÇÃO ÁREA DE CONHECIMENTO DA TITULAÇÃO QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL REGIME DE TRABALHO Mestre Ciências Sociais Antropóloga 23h Massimo Argento Graduado Engenharia Elétrica Engenheiro Elétrico 14h Miua Tanaka Mestre Matemática Matemática 12h Noboru Minei Doutor Engenharia Civil Engenheiro Civil 13h Noriyoshi Kakuda Graduado Engenharia Industrial Modalidade Metalúrgico Engenheiro Metalúrgico 8h Orlando Monezi Jr. Mestre Engenharia Civil Engenheiro Civil 8h Paulo César Nunes de Aquino Especialista Paulo Brocheto Jr. Graduado Sistema Digital Engenheiro Elétrico 6h Paulo Takashi Nakayama Doutor Engenharia Hidráulica Engenheiro Civil 17h Plínio F. S. Rodrigues Doutor Sistema Eletrônico Engenheiro Elétrico 31h Ricardo Paulo Brzozowski Mestre Dispositivos e Sistema Eletrônico Engenheiro Elétrico 4h Sérgio Shimura Doutor Sistemas Eletrônicos Engenheiro Elétrico 10h Simão Copeliovitch Mestre Ciências Engenheiro Elétrico 14h Simão Priszkulnik Mestre Engenharia Civil Engenheiro Civil 8h Teodoro M. de Amorim Filho Mestre Eletrônica Industrial Engenheiro Elétrico 18h Turíbio Silveira Neto Graduado Ciências Econômica Economista 8h Waldecyr Pereira da Silva Graduado Engenharia Civil Engenharia Civil 14h 17

18 III - DESCRIÇÃO DA BIBLIOTECA QUANTO AO SEU ACERVO DE LIVROS E PERIÓDICOS, POR ÁREA DE CONHECIMENTO, POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO, ÁREA FÍSICA DISPONÍVEL E FORMAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO. 18

19 DESCRIÇÃO DA BIBLIOTECA Os serviços da Biblioteca são dirigidos por uma Bibliotecária habilitada em Biblioteconomia, 3 (três) auxiliares e seu funcionamento obedece às normas baixadas pela Diretoria da Instituição. Acesso à Biblioteca e Horário de Atendimento A Biblioteca é de acesso aos usuários e destina-se especialmente ao corpo docente, discente e funcionários da Instituição, podendo entretanto ser utilizada com acesso restrito a consulta, por ex-alunos. ESPAÇO FÍSICO E FUNCIONAMENTO ESPAÇO FÍSICO TIPO DO ESPAÇO ÁREA EM M² HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO (seg. à sab.) MANHÃ TARDE NOITE INÍCIO FIM INÍCIO FIM INÍCIO FIM Salas individuais de estudo 171,25 07:30 12:00 12:00 18:00 18:00 22:30 Salas para leitura e trabalhos em grupo 56,55 07:30 12:00 12:00 18:00 18:00 22:30 Destinado aos serviços de biblioteca 87,92 07:30 12:00 12:00 18:00 18:00 22:30 AOS SÁBADOS 08:00 12:00 12:00 17:00 19

20 Endereço: Av. Nove de Julho, Jardim Europa CEP: São Paulo-SP -Tel R/ 237 Nota: Situações não previstas nesse regulamento serão resolvidas pela coordenação. Política de Informatização O sistema de informação é composto pelo gerenciador educacional WAE, da empresa WISE, acessando uma base de dados controlada via MS-SQL, estando na versão O acervo está totalmente informatizado, possibilitando a recuperação da informação. Organização do Acervo A Biblioteca é organizada seguindo os princípios da Biblioteconomia, através do sistema de classificação CDD Classificação Decimal de Dewey 21.ed., com utilização da tabela Cutter. Infra-estrutura A Biblioteca possui a seguinte estrutura administrativa: Serviço de aquisição e processamento técnico; Serviço de referência; Serviço de pesquisa e auxilio ao usuário. Facilidades para Acesso à Informações (Acesso a Internet, Consulta ao acervo, Bases de Dados,) através do site: A Biblioteca conta com Quatorze (14) micros exclusivos para uso dos alunos, conectados à Internet e rede Wi-FI (sem fio) para até 63 conexões simultâneas. A Biblioteca foi planejada para disponibilizar à comunidade acadêmica, facilidade às atividades de consulta, pesquisa e estudo individual ou em grupo. Projetada em ambiente agradável de acordo com as normas de segurança. Considerada apoio necessário no processo educativo da Instituição, ela oferece os seguintes serviços: Catalogação na fonte; (auxílio da Ficha Catalográfica na elaboração dos TCC s) Consulta local; Consulta a base de dados;( gratuitas) Auxilio de referências bibliográficas (ABNT); Empréstimo domiciliar; Empréstimo entre bibliotecas; (EEB); Exposições; Levantamento bibliográfico; Reserva de volumes; Serviço de comutação bibliográfica nacional e internacional (COMUT); Tratamento e difusão da informação. 20

21 Também são encontrados nessas instalações os murais que promovem informações de eventos, cursos, reportagens de interesse geral e específicas, visando prestar serviços informacionais aos usuários. O acervo da Biblioteca é composto por fontes de informação em diversos suportes: Livros; Obras de Referência; Manuais; Apostilas; Fitas de Vídeo; CD-Rom; Catálogos; Folhetos; TCC (Trabalho de Conclusão de Curso); Normas Técnicas; Teses; Dissertações; e Periódicos. ACERVO LIVROS PERIÓDICOS POR TÍTULO ÁREA TÍTULOS EXEMPLARES NACIONAIS ESTRANGEIROS Ciências Agrárias Ciências Biológicas Ciências da Saúde Ciências Exatas e da Terra Ciências Humanas Ciências Sociais Aplicadas Engenharias Lingüística, Letras e Artes TOTAL Acesso à informação Acervo: Seguindo padrões da Internet, permite aos usuários consultarem todos os títulos da Biblioteca de forma interativa. As consultas podem ser feitas por nome de autor, sobrenome de autor, assunto e título da obra, permitindo também consultas por palavras chave. COMUT ( Comutação Bibliográfica) Programa que permite a toda comunidade acadêmica a obtenção de cópias de documentos técnico-científicos, como periódicos, 21

22 teses, anais de congressos, relatórios técnicos e partes de documentos disponíveis em bibliotecas de outras instituições. Mantém intercâmbio com outras bibliotecas através de formulário, o EEB (Empréstimo entre Bibliotecas) na FESP/FAP ou entre Instituições parceiras, tem a finalidade de estimular a pesquisa facilitando o acesso ao acervo de outras Instituições. Os alunos possuem acesso a pesquisas nas Bases de Dados Nacionais e Internacionais, de livre acesso, como IBICT (Base de Dados Brasileiras na Internet), ERIC (Education Resources Information Center), UNESDOC, BBD, IDHL, ProLEI, entre outras. O Regimento Interno da Biblioteca orienta o usuário quanto a sua utilização: Empréstimo: É feito mediante apresentação da carteira de identificação acadêmica e/ou documento com foto; é individual e intransferível, ficando o usuário responsável pela conservação e integridade das obras em seu poder. Dispõe sobre quantidade, prazos e valores de multa dos materiais bibliográficos em atraso. A Direção do Sistema de Biblioteca da Faculdade de Engenharia São Paulo FESP/FAP, tendo em vista o disposto o Regulamento do Sistema de Biblioteca, expede a seguinte Resolução: EMPRÉSTIMO DOCIMICILIAR TIPO DE MATERIAL QTD PRAZO PARA EMPRÉSTIMO (Dias) MULTA POR ATRASO LIVROS 03 Alunos/Funcionários 7 Professores/Coordenadores - 14 R$ 3,00 R$ 0,00 Fitas de vídeo, CD- Rom, 03 Alunos/Funcionários 3 Professores/Coordenadores - 7 R$ 3,00 R$ 0,00 Apostila 01 Manual 01 Alunos/Funcionários 3 Professores/Coordenadores - 7 Alunos/Funcionários - 3 Professores/Coordenadores - 7 R$ 3,00 R$ 0,00 R$ 3,00 R$ 0,00 Para usuários impossibilitados, com problemas de saúde, e/outros, poderá retirar o material da Biblioteca através de um portador, mediante autorização por escrito, acompanhado do atestado médico e documento de identificação do aluno. 22

23 EMPRÉSTIMO DOCIMICILIAR ESPECIAL TIPO DE MATERIAL QTD PRAZO PARA EMPRÉSTIMO (Dias) MULTA POR ATRASO Livros 03 Alunos/Funcionários 7 Professores/Coordenadores 14 R$ 3,00 R$ 0,00 Fitas de vídeo, CD-Rom, 03 Alunos/Funcionários 3 Professores/Coordenadores 7 R$ 3,00 R$ 0,00 Apostila 01 Manual 01 Alunos/Funcionários 3 Professores/Coordenadores 7 Alunos/Funcionários 3 Professores/Coordenadores 7 R$ 3,00 R$ 0,00 R$ 3,00 R$ 0,00 Obras de consulta local poderão ser emprestadas e devolvidas impreterivelmente no mesmo dia, antes do fechamento da Biblioteca. EMPRÉSTIMO LOCAL TIPO DE MATERIAL QTD PRAZO PARA EMPRÉSTIMO (Dias) MULTA POR ATRASO Livros de Referência 01 Alunos/Funcionários 00 R$ 5,00 Professores/Coordenadores 00 R$ 0,00 Periódicos, Catálogos, Referências, Folhetos e separatas, TCC, Teses, Dissertações. 01 Alunos/Funcionários 00 Professores/Coordenadores 00 R$ 5,00 R$ 0,00 Chave do volumes guarda- 01 Alunos 00 R$ 5,00 23

24 No período de férias o empréstimo será diferenciado. O usuário deverá consultar as atendentes da Biblioteca para se informar quanto ao procedimento etc. Empréstimo entre Bibliotecas (externas) Bibliotecas Conveniadas com a FESP: É feito mediante preenchimento de formulário de cadastramento; - A responsabilidade pela transação é da biblioteca solicitante, ficando o usuário responsável pela retirada e devolução da obra e também em caso de atraso deste material, ficará suspenso na Biblioteca da FESP até a devolução do material para a outra instituição; (usuário terá que apresentar o comprovante de devolução da outra Instituição para a FESP). Obs.: O empréstimo entre bibliotecas cooperantes depende da disponibilidade de obra, bem como do seu estado de conservação do número de exemplares da biblioteca depositária. Penalidades Obras em atraso: são contadas por material/dias corridos, o aluno ficará responsável pelo pagamento da multa e suspenso até a quitação. Para a retirada da suspensão terá que ser apresentado o comprovante do pagamento. Obras Extraviadas: Em caso de perda ou dano, o usuário deverá restituir à Biblioteca com outro exemplar da mesma obra, de edição igual ou atualizada; Para publicações não mais editadas a restituição será feita através de uma outra obra indicada pela Biblioteca. Observação: O afastamento do aluno no processo de cancelamento ou trancamento de matrícula do seu curso, não isenta as multas existentes na Biblioteca, em caso de retorno. Obras furtadas: O aluno deverá restituir o mesmo título igual ou atualizada e ficará somente isento da multa, mediante ao boletim de ocorrência. Renovação É necessário apresentação do material e documento de identificação com foto. A obra poderá ser renovada por 3 vezes consecutivas, caso não tenha solicitação de reserva e também não poderá estar com a data de devolução vencida. 24

25 A renovação é apenas efetuada pessoalmente no balcão de atendimento junto com o material. Reserva Será feita quando todos os exemplares da obra solicitada estiverem emprestadas. O leitor não poderá estar de posse do mesmo título. Quanto a disponibilidade do livro reservado, o leitor deverá verificar diariamente nos terminais de auto-atendimento e ele terá 24 horas para fazer a retirada do mesmo. Após esse prazo, a reserva será automaticamente cancela. Internet - Biblioteca. As reservas são feitas on-line. Na impossibilidade, ligar ou dirigir-se à Perfil da equipe técnico-administrativa responsável pelos serviços da Biblioteca. Funcionário Maria Silvia Costa Bibliotecária Sarah Batista Palma Assistente de Biblioteca Formação Graduada em Biblioteconomia, Pós Graduação em Ciência da Informação. Ensino Superior Incompleto Cursando Estudando 3º ano Engenharia Elétrica Talita Alves Pereira Auxiliar de Biblioteca Ensino Superior Incompleto Estudando 1º ano Engenharia Civil Tatiane Siqueira Anunciação Auxiliar de Biblioteca Ensino Superior Incompleto Estudando 2º ano Engenharia Elétrica 25

26 IV - DESCRIÇÃO DOS LABORATÓRIOS INSTALADOS, POR ÁREA DE CONHECIMENTO A QUE SE DESTINAM ÁREA FÍSICA DISPONÍVEL E EQUIPAMENTOS INSTALADOS. Laboratório de Informática e Engenharia DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO BÁSICA Área de conhecimento: Engenharia / Tecnologia Área física: 511 m 2 Equipamentos: - 99 Microcomputadores Dell, (Configuração: Processador CORE 2 DUO, Memória RAM 4G, HD 160G, gravador e leitor de DVD) - 5 computadores para salas de Aulas com Lousas Hetchtech - 50 licenças de uso para Office licenças de uso para Proteus VSM for PIC licenças de uso para Proteus VSM for 80C51-74 Bluelab clássico para laboratório de informática BXP para laboratório de Informática - 5 Lousas Hetchtech, 5 canetas, 5 cabos USB, 5 pilhas AA e 5 CDs com Software Interactive( conectadas a microcomputadores) - 5 Projetores EPSON Modelo POWERLIFE 77 c ANSI LUMENS- RES.XGA 1024 x 768 Contraste 400:1- Bivolt 110/220V - 5 Suportes para projetores - 5 Lâmpadas para projetores EPSON POWERLIFE 77c- cód. P/N V 13HO10L41-6 Projetores Dell DLP 1409X09X Dell DLP 1409X microcomputadores( configuração: Processador CORE 2 DUO, Memória RAM 2 g< HD 160 G, Gravador e leitor de DVD) monitores de LCD Tela plana 19 26

Laboratório de Ensino de Matemática

Laboratório de Ensino de Matemática LABORATÓRIOS ESPECÍFICOS Laboratório de Ensino de Matemática Equipamentos Descrição da sala Computador Calculadoras gráficas 10 Mesas com 20 bancos 02 Carteiras 20 Mesa com cadeira para o professor Quadro

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ ANEXO I RELAÇÃO DO MATERIAL PARA REVITALIZAÇÃO DOS LABORATORIOS DE CIENCIAS em favor da EEEP JOAQUIM NOGUEIRA, NE: 15.134, Valor Limite: R$5.580,88 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS DOS MATERIAIS ITEM DESCRITIVO

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00033/2014-000

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00033/2014-000 26267 - UNIVERSIDADE FED DA INTEGR LATINO-AMERICANA 58658 - UNIVERSIDADE FED. DA INTEGR. LATINO-AMERICANA RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00033/20-000 - Itens da Licitação - APARELHO ENSAIOS FÍSICOS

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico EIXO TECNOLÓGICO: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico EIXO TECNOLÓGICO: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Padronização do tipo e quantidade necessária de instalações e equipamentos dos laboratórios das habilitações profissionais EIXO TECNOLÓGICO: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO

Leia mais

MANUAL INTERNO DA BIBLIOTECA

MANUAL INTERNO DA BIBLIOTECA As Bibliotecas da Universidade Braz Cubas são destinadas ao Corpo Docente, Discente e aos funcionários administrativos. As Bibliotecas utilizam o sistema Informatizado Pergamum, onde o aluno tem a comodidade

Leia mais

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO Atualmente a FIBRA encontra-se em novas instalações contando com 33 salas de aula climatizadas, com instalações de equipamentos de multimídia, auditório climatizado com

Leia mais

M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O. Prof. Agamenon Roberto

M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O. Prof. Agamenon Roberto M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O Prof. Agamenon Roberto Prof. Agamenon Roberto MATERIAS DE LABORATÓRIO 2 TUBO DE ENSAIO: Tubo de vidro fechado em uma das extremidades, empregado para fazer reações

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA ESTRUTURA BIBLIOTECA FESVV

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA ESTRUTURA BIBLIOTECA FESVV FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA ESTRUTURA BIBLIOTECA FESVV VILA VELHA 2010 1. BIBLIOTECAS DA FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ ESPÍRITO SANTO As Bibliotecas da Faculdade Estácio de Sá Espírito Santo, seguem

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO Objetivo: Explicação das normas básicas de segurança no laboratório. Aula teórica com retroprojetor, transparências e demonstração de algumas

Leia mais

1. Biblioteca. 2. Infra-Estrutura. 2.1 Espaço físico

1. Biblioteca. 2. Infra-Estrutura. 2.1 Espaço físico Biblioteca UPIS 1 SUMÁRIO 1. Biblioteca... 3 2. Infra-Estrutura... 3 2.1 Espaço físico... 3 Campus I... 3 Instalações para estudos individuais... 3 Instalações para estudos em grupo... 3 3. Acervo Bibliográfico...

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Art. 1º A Biblioteca da Faculdade de Tecnologia e Negócios será regida pelo presente Regulamento.

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Art. 1º A Biblioteca da Faculdade de Tecnologia e Negócios será regida pelo presente Regulamento. REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Art. 1º A Biblioteca da Faculdade de Tecnologia e Negócios será regida pelo presente Regulamento. CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. º A biblioteca é uma unidade subordinada,

Leia mais

ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO

ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO Lembre-se que o microscópio utilizado em nosso laboratório possui uma entrada especial para uma câmera de vídeo. Parte Mecânica: Base ou Pé: Placa de apoio do microscópio

Leia mais

CEAD BIBLIOTECA FACULDADES SÃO JOSÉ

CEAD BIBLIOTECA FACULDADES SÃO JOSÉ CEAD BIBLIOTECA FACULDADES SÃO JOSÉ Gerencia a informação e o conhecimento; Organiza, conserva e dissemina todo tipo de informação; Importante fonte de apoio bibliográfico e não bibliográfico para formação

Leia mais

Capítulo I. Da Finalidade

Capítulo I. Da Finalidade Dispõe sobre o Regulamento do Serviço de Circulação do Sistema de Bibliotecas (SiBi), da Universidade Federal do Paraná (UFPR) aprovado em Reunião de Chefias em 26 de fevereiro de 2015. Capítulo I Da Finalidade

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA FAIT

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA FAIT REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA FAIT 0 SUMÁRIO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 02 TÍTULO II DOS USUÁRIOS... 02 TÍTULO III DO FUNCIONAMENTO... 02

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO BIBLIOTECA. Socioambiental & Sustentabilidade

GUIA DO USUÁRIO BIBLIOTECA. Socioambiental & Sustentabilidade GUIA DO USUÁRIO BIBLIOTECA Socioambiental & Sustentabilidade APRESENTAÇÃO A Biblioteca Nossa Senhora das Mercês Itpac Porto do Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos ITPAC-PORTO proporciona suporte

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 MANUAL DO USUÁRIO Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 Rio de Janeiro INPI/CEDIN 2014 BIBLIOTECA DO INPI Vinculada ao Centro de Disseminação da Informação Tecnológica (CEDIN),

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

LISTA DE PREÇOS - PROMOCIONAL 2011 PLATAFORMA TIPO JACK MODELO

LISTA DE PREÇOS - PROMOCIONAL 2011 PLATAFORMA TIPO JACK MODELO Página 1 PLATAFORMA TIPO JACK PLATAFORMA TIPO JACK LATÃO E COM PINTURA EPÓXI LARGURA ELEVAÇÃO 069-1 10 cm 10 cm 17 cm 069-2 15 cm 12 cm 25 cm 069-3 15 cm 15 cm 25 cm 069-4 20 cm 16 cm 35 cm 069-5 20 cm

Leia mais

BIBLIOTECA FESPSP REGULAMENTO. São Paulo

BIBLIOTECA FESPSP REGULAMENTO. São Paulo BIBLIOTECA FESPSP REGULAMENTO São Paulo 2015 REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS DA FESPSP I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO 3 II USUÁRIOS 3 III DO ACERVO 4 IV DO PRAZO DE EMPRÉSTIMO E QUANTIDADES DE VOLUMES 5

Leia mais

Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira

Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira Bibliotecária Juliana Ribeiro de Campos Solla CRB-8 201/2013 Provisório Horário de Atendimento de segunda a sexta-feira das 8:00 h às 12:00 h e das 17:00 h às 21:00

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº 23502.000008.2014-24

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

Laboratórios do Curso de Arquitetura

Laboratórios do Curso de Arquitetura - Descrição do Laboratório Áreas de Conhecimento: Arquitetura e Engenharia Civil Laboratório de Ensaios (Bloco V) Sala nº Esse laboratório é utilizado pelos alunos de Arquitetura e Engenharia Civil, bem

Leia mais

Regulamento da Rede de Bibliotecas Ceuma

Regulamento da Rede de Bibliotecas Ceuma UNIVERSIDADE CEUMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO REDE DE BIBLIOTECAS UNICEUMA BIBLIOTECA PRESIDENTE JOSÉ SARNEY Regulamento da Rede de Bibliotecas Ceuma 2014 Normatizar procedimentos padrão para a disponibilização

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE MINAS GERAIS - FAMIG DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE MINAS GERAIS - FAMIG DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE MINAS GERAIS - FAMIG DOS OBJETIVOS Art. 1º. A Biblioteca tem por objetivos gerais: 1º. Coletar, organizar e difundir a documentação bibliográfica necessária aos programas

Leia mais

SCIELO, BIREME, PERIODICOS CAPES, PUBMED, MEDLINE, DOAJ,

SCIELO, BIREME, PERIODICOS CAPES, PUBMED, MEDLINE, DOAJ, Apresentação: BIBLIOTECA DAS FIO A Biblioteca/FIO é um setor das Faculdades Integradas de Ourinhos (FIO) que possui no seu acervo obras de várias áreas do conhecimento, com a finalidade de dar suporte

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DO TURNO NOTURNO PARA TURMAS A PARTIR DE JULHO DE 2013

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DO TURNO NOTURNO PARA TURMAS A PARTIR DE JULHO DE 2013 ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DO TURNO NOTURNO PARA TURMAS A PARTIR DE JULHO DE 2013 Curso de Bacharelado em Engenharia Elétrica Vagas no Vestibular: 40 (quarenta) regime semestral

Leia mais

Descrição e dimensões dos itens elétricos

Descrição e dimensões dos itens elétricos Descrição e dimensões dos itens elétricos Item 2 2.1 Condutivímetro (Kit 01 Química - Compostos Iônicos) Lâmpada miniatura rosca. Voltagem 6 volts. Corrente 150 ma à 250 ma Diâmetro 9,5 mm e altura 22

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL FACULDADE DE ENGENHARIA SÃO PAULO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL FACULDADE DE ENGENHARIA SÃO PAULO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL FACULDADE DE ENGENHARIA SÃO PAULO FESP 2006-2010 Índice Apresentação 3 Dados Da Mantenedora, Da Mantida E Dos Cursos 4 1. Perfil Institucional 5 1.1. Breve Histórico

Leia mais

De: Luis Alberto Katz Data: Janeiro 17 2007 Número: PA1906

De: Luis Alberto Katz Data: Janeiro 17 2007 Número: PA1906 ANÚNCIO DE PRODUTO De: Luis Alberto Katz Data: Janeiro 17 2007 Número: PA1906 Fluke 345 Alicate de medição de qualidade de energia Apresentamos o alicate de medição de qualidade de energia mais avançado

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP ESTRUTURA

SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP ESTRUTURA SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP ESTRUTURA Sala de Aula A instituição disponibiliza equipadas com todos os recursos multimídias necessários, que são estes: Projetor

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DO INTERIOR PAULISTA FAIP

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DO INTERIOR PAULISTA FAIP REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DO INTERIOR PAULISTA FAIP SUMÁRIO DESCRIÇÃO PÁGINA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 02 TÍTULO II DOS USUÁRIOS 02 TÍTULO III DO FUNCIONAMENTO

Leia mais

PLANILHA DE PROPOSTA

PLANILHA DE PROPOSTA 0001 012186 INVERSOR DE FREQUENCIA 144 AMPERES / 220 VCA Inversor de freqüência para aplicação em motor elétrico trifásico com corrente nominal de serviço 140A, tensão nominal 220V, temperatura de funcionamento

Leia mais

Apresentação. Como usar a Biblioteca

Apresentação. Como usar a Biblioteca Apresentação A Biblioteca FAAP, constituída pela Biblioteca Central e Salas de Leitura localizadas nas unidades de Ribeirão Preto, São José dos Campos e Centro de Excelência, tem por finalidade fornecer

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional INTERESSADO: Centro de Estudos e Pesquisas em Eletrônica Profissional e Informática Ltda CEPEP EMENTA: Reconhece o Curso Técnico em Redes de Computadores Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação, ofertado

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico:

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: O Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial da Faculdade Sul Fluminense FASF, tendo como Entidade Mantenedora o Instituto

Leia mais

Quadros Afortec. LOUSA DIGITAL MULTIMÍDIA QUADROS AFORTEC (LDM-AFT105p)

Quadros Afortec. LOUSA DIGITAL MULTIMÍDIA QUADROS AFORTEC (LDM-AFT105p) LOUSA DIGITAL MULTIMÍDIA QUADROS AFORTEC (LDM-AFT105p) A Lousa Digital Multimídia é um sistema desenvolvido para Escolas, Empresas, e Órgãos do Governamentais que precisam de uma solução prática contendo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

REGULAMENTO POLÍTICA DE FUNCIONAMENTO, ESTRUTURA E ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO SUDESTE GOIANO

REGULAMENTO POLÍTICA DE FUNCIONAMENTO, ESTRUTURA E ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO SUDESTE GOIANO REGULAMENTO POLÍTICA DE FUNCIONAMENTO, ESTRUTURA E ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO SUDESTE GOIANO 1. Apresentação Na Faculdade do Sudeste Goiano a biblioteca tem sido alvo de constante atenção, seu

Leia mais

SINERGIA SISTEMA DE ENSINO LTDA FACULDADE SINERGIA Portaria Recredenciamento MEC nº 1.424 D.O.U, de 10/10/2011.

SINERGIA SISTEMA DE ENSINO LTDA FACULDADE SINERGIA Portaria Recredenciamento MEC nº 1.424 D.O.U, de 10/10/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º O laboratório de Informática constitui-se em espaço de apoio técnico pedagógico da Faculdade Sinergia. Art. 2º O Laboratório

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UCB

REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UCB REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UCB 1. INTRODUÇÃO O Sistema de Bibliotecas da UCB possui um acervo com mais de 200.000 volumes possibilitando o acesso dos usuários aos livros, sistemas de consulta,

Leia mais

3) Erlenmeyer Devido ao gargalo estreito é usado para agitar soluções e dissolver substâncias.

3) Erlenmeyer Devido ao gargalo estreito é usado para agitar soluções e dissolver substâncias. VIDRARIAS E MATERIAIS DIVERSOS DE LABORATÓRIO Professora: Juliana Rovere 1) Béquer É usado para dissolver substâncias, efetuar reações e aquecer líquidos sobre tela de amianto, pois é feito de vidro pyrex,

Leia mais

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014.

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014. CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas

Leia mais

Principal material de laboratório e a sua função Balão de Erlenmeyer/matrás Gobelé/copo Balão de fundo plano Proveta Balão volumétrico Caixa de Petri Kitasato Balão de destilação Vidro de relógio Tubos

Leia mais

Regulamento das Bibliotecas

Regulamento das Bibliotecas Regulamento das Bibliotecas Agosto 2009 1 SUMÁRIO 1. Do objetivo... 3 2. Dos usuários... 3 3. Da movimentação do acervo... 3 4. Das modalidades de empréstimo... 3 5. Do serviço de empréstimo... 3 6. Dos

Leia mais

PARECER CEE/PE Nº 81/2011-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM 20/06/2011 I RELATÓRIO:

PARECER CEE/PE Nº 81/2011-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM 20/06/2011 I RELATÓRIO: INTERESSADA: ESCOLA POLITÉCNICA DE PERNAMBUCO - POLI ASSUNTO: RENOVAÇÃO DE RECONHECIMENTO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES RELATOR: CONSELHEIRO ARNALDO CARLOS DE MENDONÇA PROCESSO

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA A Biblioteca da ESIC - Business & Marketing School tem por objetivo principal reunir informações necessárias ao aprimoramento profissional, educacional e pessoal, preparando-as

Leia mais

MATERIAIS DE LABORATÓRIO QUÍMICO

MATERIAIS DE LABORATÓRIO QUÍMICO UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR (UCSAL) MATERIAIS DE LABORATÓRIO QUÍMICO VIDRARIAS ALMOFARIZ COM PISTILO Usado na trituração e pulverização de sólidos. BALÃO DE FUNDO CHATO Utilizado como recipiente

Leia mais

Recepção de Calouros. Lavras-MG 1º semestre/2015

Recepção de Calouros. Lavras-MG 1º semestre/2015 Recepção de Calouros Lavras-MG 1º semestre/2015 Contatos: (35) 3829-1174/1181 www.biblioteca.ufla.br biblioteca@reitoria.ufla.br informacao@biblioteca.ufla.br www.facebook.com/biblioteca.ufla.br HORÁRIOS

Leia mais

Regulamento Interno das Bibliotecas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Erechim

Regulamento Interno das Bibliotecas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Erechim Regulamento Interno das Bibliotecas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Erechim Capítulo I DA ESTRUTURA E DA FINALIDADE Art. 1º Este regulamento disciplina o funcionamento

Leia mais

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014 São Paulo 2015 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZAÇÕES... 3 2.1 Acervo... 3 2.2 Plano de atualização e expansão do acervo... 3 2.3 Divulgação...

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 017/2014, de 23 de outubro de 2014

RESOLUÇÃO CONSEPE 017/2014, de 23 de outubro de 2014 RESOLUÇÃO CONSEPE 017/2014, de 23 de outubro de 2014 Dispõe sobre a utilização da Biblioteca Comunitária do Centro Universitário Central Paulista (UNICEP) e Regulamenta os Prodecimentos. O Diretor Geral,

Leia mais

Art. 2º. A Biblioteca oferece aos seus usuários salas de estudo em grupo, cabines de estudo individuais e terminais de consulta e pesquisa.

Art. 2º. A Biblioteca oferece aos seus usuários salas de estudo em grupo, cabines de estudo individuais e terminais de consulta e pesquisa. REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CECÍLIA MEIRELES FACULDADE METROPOLITANA Este regulamento visa estabelecer padrões e normas referentes ao funcionamento da Biblioteca Cecília Meireles da Faculdade Metropolitana,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR (Currículo 2006.2) Agosto de 2010 Hodiernamente não mais se concebe que a formação do futuro profissional

Leia mais

VIDRARIAS VIDRARIAS OUTROS EQUIPAMENTOS ALMOFARIZ COM PISTILO BALÃO DE FUNDO CHATO. Usado na trituração e pulverização de sólidos.

VIDRARIAS VIDRARIAS OUTROS EQUIPAMENTOS ALMOFARIZ COM PISTILO BALÃO DE FUNDO CHATO. Usado na trituração e pulverização de sólidos. VIDRARIAS ALMOFARIZ COM PISTILO BALÃO DE FUNDO CHATO BALÃO DE FUNDO REDONDO BALÃO VOLUMÉTRICO BECKER BURETA CADINHO CÁPSULA DE PORCELANA CONDENSADOR DESSECADOR ERLENMEYER FUNIL DE BUCHNER FUNIL DE DECANTAÇÃO

Leia mais

Recepção de Calouros. Lavras-MG 2º semestre/2014

Recepção de Calouros. Lavras-MG 2º semestre/2014 Recepção de Calouros Lavras-MG 2º semestre/2014 Contatos: (35) 3829-1174/1181 HORÁRIOS DE ATENDIMENTO De segunda a sexta-feira 07h15 às 21h45. Aos sábados 07h15 às 12h45. Qualquer alteração no horário

Leia mais

NORMAS DA BIBLIOTECA

NORMAS DA BIBLIOTECA NORMAS DE PROCEDIMENTO: NORMAS DA BIBLIOTECA Aluno(a); professor(a); funcionário(a); estagiário(a); funcionário(a) terceirizado. 1. Do atendimento: 1.1 Horário período letivo 1.1.1 De 2ª a 6ª-feira: das

Leia mais

REGULAMENTO UNIFICADO DAS BIBLIOTECAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO UNIFICADO DAS BIBLIOTECAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO DIRETORIA DE GESTÃO E APOIO AO ENSINO REGULAMENTO UNIFICADO DAS BIBLIOTECAS

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

www.keelautomacao.com.br Linha KSDX Solução em processamento CNC

www.keelautomacao.com.br Linha KSDX Solução em processamento CNC Linha KSDX Solução em processamento CNC Automatize a produção de sua empresa Instalada em Tubarão, SC, a KEEL atua na fabricação de equipamentos para Corte, Solda e Sistemas (CNC). Fundada em 2002, a empresa

Leia mais

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406 INFRA-ESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA As salas de aula da FACULDADE BARRETOS estão aparelhadas para turmas de até 60 (sessenta) alunos, oferecendo todas as condições necessárias para possibilitar o melhor

Leia mais

REGULAMENTO I. FINALIDADE

REGULAMENTO I. FINALIDADE REGULAMENTO I. FINALIDADE Art. 1º As Bibliotecas do Centro Universitário Assunção UNIFAI, dispõe de 2 unidades distribuídas no Ipiranga e na Vila Mariana. Para melhor atender a todos que delas usufruem,

Leia mais

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA Central de Coleta e Armazenamento de Dados (Especificação) A Central de Coleta e Armazenamento de Dados deverá apresentar as seguintes características: 1. Receber, de forma contínua,

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS - SISBAM REGULAMENTO

SISTEMA DE BIBLIOTECAS - SISBAM REGULAMENTO 1 Art.1 CAPÍTULO I - NATUREZA E FINALIDADE O Sistema de Bibliotecas da Anhembi Morumbi - SISBAM, órgão vinculado à Pró-reitoria Acadêmica reportando-se à Diretoria de Planejamento e Suporte Acadêmico,

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU CAMPUS ITAPERUNA CURSO DE DIREITO LABORATÓRIOS

UNIVERSIDADE IGUAÇU CAMPUS ITAPERUNA CURSO DE DIREITO LABORATÓRIOS LABORATÓRIOS ITAPERUNA, Julho/2015 ESTRUTURA DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA ASSOCIADOS AO 1 INTRODUÇÃO Os laboratórios que servem ao curso de Direito têm como objetivo oferecer treinamento prático, auxílio

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA FAM

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA FAM Capítulo I NATUREZA E FINALIDADE Art.1º As Bibliotecas da Faculdade das Américas, Campus Augusta e Campus Paulista, são de Acesso livre, tem por finalidade oferecer suporte aos programas de ensino, pesquisa

Leia mais

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 ORGANOGRAMA DA EDUCAÇÃO PROCESSOS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR PARA QUE AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO TENHAM SEUS CURSOS APROVADOS E REGULAMENTADOS, É NECESSÁRIO

Leia mais

LABORATÓRIO DE MATERIAIS E REVESTIMENTOS

LABORATÓRIO DE MATERIAIS E REVESTIMENTOS LABORATÓRIO DE MATERIAIS E REVESTIMENTOS 1. Descrição Física Este espaço se configura o ambiente ideal para a realização de aplicações práticas de materiais e revestimentos, bem como trabalhos artesanais,

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 092/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 092/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 092/2015 Altera a Deliberação CONSEP Nº 275/2014, que altera o Currículo do Curso de Engenharia Civil para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade

Leia mais

BIBLIOTECA CENTRAL. Estrutura física

BIBLIOTECA CENTRAL. Estrutura física BIBLIOTECA CENTRAL A missão da Biblioteca Central Prof. Eurico Back - UNESC é promover com qualidade a recuperação de informações bibliográficas, com enfoque no desenvolvimento das atividades de ensino,

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO

RELATÓRIO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO RELATÓRIO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO 1 Objetivo 2 Organograma 3 Horário de Funcionamento 4 Acervo 4.1 Total do AcervoInformatização do Acervo 4.2 Informatização do Acervo 4.3 Atualização e Expansão do Acervo

Leia mais

REGULAMENTO PARA ACESSO E USO DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

REGULAMENTO PARA ACESSO E USO DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO REGULAMENTO PARA ACESSO E USO DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO São Paulo 2014 CONSULTA E EMPRÉSTIMO DO MATERIAL BIBLIOGRÁFICO DAS FINALIDADES Art. 1º -

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIT ITAPEVA, 2015 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE

Leia mais

Biblioteca Mercedes Silva Pinto. Manual da Biblioteca. Aprenda a utilizar os recursos da Biblioteca Visite-a sempre e aproveite o acervo disponível

Biblioteca Mercedes Silva Pinto. Manual da Biblioteca. Aprenda a utilizar os recursos da Biblioteca Visite-a sempre e aproveite o acervo disponível Biblioteca Mercedes Silva Pinto Manual da Biblioteca Aprenda a utilizar os recursos da Biblioteca Visite-a sempre e aproveite o acervo disponível REGULAMENTO COMPLETO DA BIBLIOTECA I. Regulamento do Uso

Leia mais

Equipamento para Ensaio de Redução sob Carga RUL e Colagem Automatizado

Equipamento para Ensaio de Redução sob Carga RUL e Colagem Automatizado Equipamento para Ensaio de Redução sob Carga RUL e Colagem Automatizado O Equipamento para Ensaio de Redução sob Carga RUL e Colagem AN3230 foi desenvolvido para a realização de ensaios de pelotas de minério

Leia mais

LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÕES E PLANTA DIDÁTICA

LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÕES E PLANTA DIDÁTICA LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÕES E PLANTA DIDÁTICA 1. Descrição Física O laboratório deve dispor de estrutura mínima de uma área igual ou superior a 58m2; com pé direito de 3,5m, piso em material isolante, resistente

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos cursos, das áreas de Graduação,

Leia mais

UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS. Versão Preliminar

UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS. Versão Preliminar UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS Versão Preliminar MANUAL 2002 1 Manual editado pela Área de Planejamento da Biblioteca Central da Unicamp. UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

Normas de Funcionamento da Biblioteca. Horário de atendimento: segunda a sexta: 07:30h às 22:30h / sábado: de 8:00h às 12:00h das 14:00h às 18:00h

Normas de Funcionamento da Biblioteca. Horário de atendimento: segunda a sexta: 07:30h às 22:30h / sábado: de 8:00h às 12:00h das 14:00h às 18:00h Normas de Funcionamento da Biblioteca Horário de atendimento: segunda a sexta: 07:30h às 22:30h / sábado: de 8:00h às 12:00h das 14:00h às 18:00h Inscrição de Usuários: Para inscrever-se na Biblioteca

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DO ENSINO SUPERIOR - DEPES COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UERGS (SiBi)

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UERGS (SiBi) SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UERGS (SiBi) ATRIBUIÇÕES ANALISTAS: BIBLIOTECÁRIOS - Catalogar e classificar documentos; - Orientar a normalização de trabalhos técnicos e/ou publicações editadas pela Universidade;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA Cássia Regina Batista Clarissa Kellermann de Moraes Ivan Mário da Silveira Márcia Dietrich Santiago Proposta

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA CIVIL MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Civil do CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTACIO RADIAL DE SÃO PAULO tem por missão graduar Engenheiros Civis

Leia mais

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR Coletor automático de dados (datalogger) e sensores elétricos Disciplina ACA 221 Instrumentos Meteorológicos e Métodos de Observação Humberto Ribeiro da Rocha, Helber Freitas, Eduardo Gomes apoio à Aula

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA BELÉM PA 2015 1 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos

Leia mais

L A B O R A T Ó R I O S D I D Á T I C O S

L A B O R A T Ó R I O S D I D Á T I C O S O desenvolvimento de cada atividade prática dá-se com auxílio de apostilas de atividades práticas, manuais dos equipamentos e de segurança e tutoria, além do professor da disciplina e de um técnico em

Leia mais

3. DAS INSTALAÇÕES E DA INFRA-ESTRUTURA

3. DAS INSTALAÇÕES E DA INFRA-ESTRUTURA Regulamento Interno da Biblioteca do Instituto J. Andrade 1. MISSÃO A biblioteca tem como missão atender às necessidades da comunidade acadêmica do Instituto J. Andrade, em suas atividades de estudo, ensino,

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos cursos, das áreas de Graduação,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

Av. Nove de Julho, 5.520 01406-200. Jardim Europa São Paulo SP. Fone 3061 5022

Av. Nove de Julho, 5.520 01406-200. Jardim Europa São Paulo SP. Fone 3061 5022 Engenharia FESP Tecnologia Administração Av. Nove de Julho, 5.520 01406-200 Jardim Europa São Paulo SP Fone 3061 5022 w w w.fesp.br fesp@sesp.edu.br Manual do Aluno 2015 Os Cursos Administração Reconhecido

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO

EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO (principais vidrarias) ALMOFARIZ COM PISTILO Usado na trituração e pulverização de sólidos. BALÃO DE FUNDO CHATO Fundo Chato Utilizado como recipiente para conter líquidos ou

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DISPOSIÇÕES gerais CAPITULO I DA COMPETÊNCIA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DISPOSIÇÕES gerais CAPITULO I DA COMPETÊNCIA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DISPOSIÇÕES gerais CAPITULO I DA COMPETÊNCIA Art. 1º. Compete a Biblioteca da Faculdade do Vale do Ipojuca (Favip) planejar, preparar, organizar e controlar todas as atividades

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais