Técnico em. Administração. Simone Savarego organização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Técnico em. Administração. Simone Savarego organização"

Transcrição

1 Técnico em Administração Simone Savarego organização

2 Informática Aula 9 Exercícios para fixação OFICINA PRÁTICA 1. Digite o texto a seguir para a realização do exercício: Título: Apresente um amigo Escreva um texto com no máximo 10 linhas e a seguinte formatação: linhas 1 e 2: negrito; linhas 3 e 4: sombra, itálico; linhas 5 e 6: cor azul, tamanho 12, negrito e sombra; linhas 7 a 9: cor verde, tamanho 15, fonte Verdana, negrito; linha 10: sublinhado, tamanho 18, centralizado. 2. Digite um texto ou copie um da internet e formate-o conforme as instruções a seguir: Formate o texto com primeira linha = 2 cm. Formate o espaçamento entre linhas do texto com 1,5. Insira um cabeçalho no texto com o seguinte conteúdo: (Seu nome completo Curso de Word). Insira um WordArt no final do texto com seu nome. Insira número de página centralizado no documento. Insira uma borda com sombra em todo o documento. Capitule a primeira letra do texto. 3. Insira a seguinte tabela no final do texto dentro da borda: adquiridas. Para facilitar o trabalho, deve-se criar a carta com o recurso de Mala Direta e, para torná-la mais destacável, deve-se utilizar o WordArt. A carta deve conter: Título: PARABÉNS!!! O título deve ser criado no WordArt e formatado como você desejar. Texto: abaixo do título, digite o seguinte texto (respeite os espaços solicitados): Caro(a) amigo(a) [[ digite aqui 3 espaços ]], seu nome foi listado em nossos computadores como um cliente em fase de quitação das parcelas de seu consórcio. Gostaríamos de agradecer mais uma vez a sua preferência e dizer-lhe que você terá as melhores opções disponíveis para o mercado de motocicletas. << pressione 3 vezes a tecla Enter para deixar 2 linhas em branco >> Consta em nossos arquivos que faltam somente [[ digite aqui 3 espaços ]] parcela(s) para a quitação total de seu carnê, e com isso, nós da [[invente um nome]] temos o prazer de lhe apresentar as opções que estão ao seu inteiro dispor. Veja a tabela abaixo: [[ Crie esta frase no Word Art, mas, atenção, deixe-a menor que o título ]] Tabela válida até [[ digite aqui 3 espaços ]] Moto Valor Diferença dividida em até Carro Ano Marca Valor Corsa 2000 Chevrolet R$ ,00 Gol 2002 Volkswagen R$ ,00 Uno 2004 Fiat R$ ,00 Centralize a primeira linha da tabela. Coloque um sombreamento cinza na primeira linha da tabela criada. Coloque as letras da segunda linha na cor verde. Coloque na última linha um sombreamento na cor amarela, coloque as letras em negrito, itálico e na fonte de letra que desejar. 4. Imagine que você é um funcionário de uma revendedora de motocicletas. Siga as instruções a seguir: Todos os clientes que estão em fase de quitação do consórcio devem receber uma carta com a descrição das motos que podem ser Ligue já para o telefone e faça sua escolha! Formate-a como desejar. Dica: faça com que o texto ocupe toda a página, para evitar muitos espaços brancos. Isso melhora sua estética. Salve o texto na Área de Trabalho de seu computador como CARTA DE QUITAÇÃO. Utilizando o recurso de Mala Direta, crie um arquivo com a seguinte estrutura: Campos: Nome Parcelas Validade. Nome da origem dos dados: Clientes de quitação. Cadastre as informações adiante: 26

3 Estatística Aula 5 Exercícios de amostragem OFICINA PRÁTICA 1. Em um jogo de futebol compareceram espectadores. No final do jogo, 520 espectadores foram consultados sobre questões de segurança do estádio. Responda: a) Quantos elementos possui o universo estatístico (população)? b) Quantos elementos compõem a amostra? c) Para que o resultado da pesquisa represente a opinião geral, como você acha que deve ser a escolha da amostra? 2. Identifique a variável e alguns de seus possíveis valores nas questões seguintes: a) Qual é a sua idade? b) Qual é a sua altura? c) Quantos aparelhos de TV há em sua casa? d) Você prefere que gênero de música? e) Qual é a sua cor predileta? f) Qual é o seu gasto por mês no supermercado? 3. Considerando o exercício anterior, diga qual é o tipo de variável de cada um dos itens da questão Uma agência de turismo realizou uma pesquisa para sondar as preferências de seus clientes. Analise algumas das questões formuladas e indique em cada uma qual é a variável, seu tipo e pelo menos dois de seus valores. a) Em que mês você prefere viajar? b) Quantos dias você pretende viajar? c) Que Estado do Brasil você gostaria de conhecer? d) Qual a quantia máxima que você pretende gastar? e) Você prefere viajar por qual meio de transporte? f) Quantas pessoas você levará na viagem? g) Que categoria de hotel você prefere? h) Qual forma de pagamento você prefere? 5. Uma agência imobiliária tem clientes cadastrados e resolveu consultar 350 deles sobre algumas preferências na compra de um imóvel. Entre as questões formuladas estão: a) Que tipo de imóvel você prefere: casa ou apartamento? b) Quantos dormitórios deve ter o imóvel que você pretende comprar? c) No caso da compra de um apartamento, em que andar você prefere? d) Qual o valor máximo que você pretende pagar por um imóvel? Responda: a) Qual é o universo nessa pesquisa? b) Nessa pesquisa foi utilizada uma amostra? c) Qual é a variável em cada uma das quatro questões formuladas? Dê seu tipo e pelo menos dois de seus valores. 6. Uma empresa apresenta o seguinte quadro relativo aos seus funcionários. Obter uma amostra proporcional estratificada de 40 funcionários. Setor Nível educacional Total Amostra Até 2 o grau Técnico Superior Total Até 2 o grau Técnico Superior Produção Administração Manutenção Outros Total 40 SUAS ANOTAÇÕES 54

4 Gráfico de Linha Os gráficos de linha são utilizados principalmente para acompanhamento de uma situação, de modo que se possa comparar também ocorrências, desempenhos, cotações etc. Exemplo 1 Uma fábrica de roupas registrou o número de vendas da saia Fru-fru durante 6 meses e obteve os seguintes resultados: Vendas da saia Fru-fru Meses Quantidade Janeiro 30 Fevereiro 45 Março 80 Abril 10 Maio 25 Junho 30 Essas informações podem ser representadas no gráfico de linhas: Jan Fev Mar Abr Maio Jun Série1 Exemplo 2 Três candidatos estão concorrendo a uma vaga na empresa Mirandolina S/A. O supervisor que ficou responsável pelos candidatos anotou as médias dos resultados obtidos por eles em 6 meses: Desempenho Meses Candidatos a b c Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Pode-se fazer o gráfico de linha para representar esta situação: 35 B A C A B C Jan Fev Mar Abr Maio Jun Gráfico de Barras/Colunas Os gráficos de barras ou colunas são utilizados para representar pesquisas quantitativas e comparações. Há duas opções para sua representação: quando se utilizam retângulos horizontais: são chamados de gráficos de barras; quando se utilizam retângulos verticais: são chamados de gráficos de colunas. Exemplo 1 Os dados a seguir mostram a área devastada da Floresta Amazônica nos anos discriminados: Devastação da Floresta Amazônica Anos Área (km 2 ) Pode-se representar a situação em um gráfico de colunas: Exemplo 2 Uma empresa investigou as principais reivindicações de seus funcionários e obteve as seguintes informações: Reivindicações Itens Quantidade Melhor salário 30 Melhores equipamentos 15 Mais benefícios 45 Qualificação 10 Refeitório 10 57

5 Gestão e Normalização Aulas 12 e 13 Departamentalização OFICINA TEÓRICA A empresa é um organismo extremamente complexo, com áreas distintas e interdependentes. A organização de uma empresa implica na definição de maneira clara das funções e características de cada área para que suas rotinas possam ser desenvolvidas de forma racional e eficiente. Essa definição segue o princípio organizacional da especialização tanto funcional como organizacional. Tal especialização dos órgãos da empresa é denominada departamentalização. A departamentalização abre um leque de diversas possibilidades. A divisão dos setores segue critérios de rotinas análogas, porém estes podem ser definidos por competência, aspectos físicos e geográficos, especificidades de equipamentos, aspectos ambientais, entre outros. As divisões mais utilizadas são determinadas pelos tipos de produtos e serviços, região geográfica, consumidores, processos, projetos e função. Dois fatores diversos são ponderados para se determinar o critério: o fator de diferenciação, em que as rotinas antagônicas são separadas determinando proveitos com a especialização, e o fator de integração, pelo qual, para usufruir do processo de coordenação, as atividades são arranjadas de forma a se integrarem, mesmo que difiram. Funções Na departamentalização por funções, a divisão é determinada pelas características funcionais destacadas no desempenho das rotinas de trabalho, sendo o agrupamento efetuado por funções análogas. Neste modelo se vê a distinção dos setores por semelhança de funções, conforme propõe o organograma a seguir: Diretoria administrativa Presidência Diretoria comercial Diretoria de produção Figura Modelo de distinção dos setores a partir da semelhança de funções. A diretoria administrativa desenvolve toda a parte burocrática da empresa (os recursos humanos, o departamento financeiro, entre outros); a diretoria comercial encarrega -se da venda dos produtos; e a diretoria de produção cuida dos processos de transformação para a fabricação dos bens e desenvolvimento dos serviços. Todas as diretorias possuem funções semelhantes, porém neste modelo a distribuição é bastante clara; sabendo -se a profissão de alguém é possível prever, com razoável chance de acerto, em qual diretoria estará trabalhando. Produtos Existem organizações que trabalham com um leque extenso de famílias distintas de produtos. Nessas condições, é comum encontrar a departamentalização por produtos. Sendo os processos de produção, controles de qualidade e até a forma de transporte muito distintos de um produto para o outro, fica bastante prejudicado o uso da departamentalização por funções. Processos A departamentalização por processos visa otimizar as divisões de trabalho dentro de um mesmo processo produtivo. Isso se dá em virtude da utilização de máquinas e equipamentos distribuídos no setor fabril. A linha de produção pode ser dividida pelas fases de produção, a exemplo de corte, usinagem, solda, pintura etc. Consumidor Empresas de grande porte podem se utilizar deste sistema de departamentalização, visando à qualidade do atendimento ao cliente. Geralmente utilizada na área comercial e de marketing, essa separação pode ocorrer com as equipes em diferentes regiões geográficas. São considerados, por exemplo: perfil do consumidor, porte do cliente, tipo de constituição (governo, ONGs, empresas privadas etc.), entre outros. Projetos Este tipo de departamentalização baseia -se em processos por tempo determinado. Os agrupamentos funcionais são constituídos de forma a atender às demandas das operações daquele projeto em especial, e, assim que ele termina, as equipes se desfazem e retornam às suas posições de origem. Organogramas A representação gráfica de sistemas e estruturas hierárquicas de uma determinada organização ou departamento é denominada organograma. Ela permite que se visualize a distribuição departamental da empresa, com seus diversos cargos e funções, além das ligações entre eles. O organograma é uma ferramenta utilizada para a visualização de informações que facilitam a compreensão da estrutura organizacional. A Figura mostra um organograma bastante simples porém, pode -se encontrar alguns extremamente complexos. 97

6 Segurança no Trabalho Aulas 14 e 15 Definição de brigada de incêndio OFICINA TEÓRICA A brigada de combate a incêndio é formada por um grupo de funcionários da empresa. Essas pessoas devem ser treinadas e preparadas para situações de risco, habilitadas para manusear e operar a qualquer momento os dispositivos de combate a incêndio existentes na empresa, dentro dos padrões técnicos básicos essenciais e atuar com ações rápidas, principalmente quando ocorrer um início de incêndio. A função da brigada é combater incêndio. Cada componente da brigada deve conhecer não só as técnicas de salvamento em situações de incêndio, mas também deve ter treinamento específico para operações de salvamento. Teoria do Fogo Fogo O fogo é um processo químico de transformação, também chamado combustão, dos materiais combustíveis e inflamáveis, que se forem sólidos ou líquidos, serão primeiramente transformados em gases, para se combinarem com o comburente, que ativado por uma fonte de calor, inicia a transformação química gerando mais calor e desenvolvendo uma reação em cadeia. O produto desta transformação é o calor e luz. (Seito, 2008) Incêndio Incêndio é todo fogo não controlado pelo homem e que tenha a tendência de se alastrar e de destruir. Para que haja uma combustão ou incêndio devem estar presentes três elementos: comburente (oxigênio); combustível; calor. Para que haja fogo é necessário que esses três elementos estejam presentes em quantidades proporcionais e equilibradas. Faltando um deles, não haverá fogo. Comburente Comburente é o gás que mantém a combustão. O comburente mais conhecido é o oxigênio, que encontra -se na atmosfera a uma concentração de 21%. Em concentração abaixo de 16% de oxigênio no ar não existe combustão. O fogo, em ambiente rico em comburente, terá suas chamas aumentadas, desprenderá mais luz e gerará maior quantidade de calor. Combustível é o elemento que alimenta o fogo e serve como campo para sua propagação. Onde houver combustível, o fogo caminhará por ele, aumentando ou diminuindo sua faixa de ação. Os combustíveis podem ser sólidos, líquidos e gasosos, sendo necessário que os sólidos e líquidos sejam primeiro transformados em gases pela ação do calor, a fim de se combinarem com o comburente e formarem, dessa maneira, uma substância inflamável. Todo material possui certas propriedades que o diferenciam dos outros em relação ao nível de combustibilidade; dependendo da temperatura a que estiver submetido, liberará maior ou menor quantidade de vapores. Calor Calor são todas as fontes de energia caloríficas capazes de inflamar ou provocar o aumento de temperatura dos combustíveis, assim como: chama: fósforo, tocha de balão, velas etc.; brasa: fagulhas de chaminé, fogueiras etc.; eletricidade: centelhas elétricas, aquecimento etc.; mecânica: atrito, fricção, compressão etc.; química: água na cal, no potássio, no magnésio etc. A brigada também deve ter conhecimento pleno de: classes de incêndio; métodos de extinção de fogo; agentes extintores; equipamentos de combate a incêndio. OFICINA PRÁTICA Ar Calor 1. Com os equipamentos disponíveis, demonstre: como utilizar os hidrantes de parede; como usar os aparelhos extintores. Fogo SUAS ANOTAÇÕES Combustível Figura Triângulo de fogo. 123

7 Técnico em Enfermagem Andréa Porto Dirce Laplaca Viana organização

8 Cálculo de Medicamentos Aula 2 Interações medicamentosas OFICINA TEÓRICA A interação medicamentosa ocorre quando uma droga altera o efeito de outras. O estudo a respeito das interações entre os medicamentos tem recebido, a cada dia, mais atenção, proporcionando grande desenvolvimento nessa área; porém, as informações sobre esse assunto ainda são insuficientes. Essa temática tem grande relevância, porque seu conhecimento resulta em uma maior eficácia terapêutica, principalmente nos tratamentos longos e nos quais há uso simultâneo de dois ou mais fármacos. De forma geral, uma droga pode aumentar ou diminuir o efeito de outras, ou alterar a maneira pela qual uma substância é absorvida e metabolizada pelo organismo, ou eliminada dele (Potter e Perry, 1996). Uma interação entre drogas nem sempre é indesejável. Em determinadas situações, o médico poderá prescrever uma combinação de fármacos para criar uma interação que traga benefícios terapêuticos. INCOMPATIBILIDADE ENTRE MEDICAMENTOS No ambiente hospitalar, é comum a administração de dois ou mais medicamentos no mesmo horário. Assim, é necessário conhecer a compatibilidade entre eles para não causar alterações nos efeitos. Deve-se fazer as consultas sobre todos os medicamentos a serem administrados em um dicionário farmacêutico ou obter orientações com um profissional da área. Isso é importante, pois, na consulta a um medicamento A, pode haver a informação de incompatibilidade com B, e em consulta a B, essa informação pode não estar contida. Administração de Medicamentos Incompatíveis entre si Sempre que for necessária a administração de medicamentos incompatíveis entre si, no mesmo horário ou pela mesma via de acesso, devem ser tomados os seguintes cuidados: 1. Preparar os medicamentos separadamente e não misturá-los. 2. Administrá-los separadamente e, após a administração do primeiro, lavar a via de acesso com soro fisiológico ou soro glicosado. 3. Aguardar dez minutos para a administração do segundo medicamento, se possível. Observações No caso de administração de medicamentos incompatíveis de modo contínuo, interrompa a medicação contínua durante a administração do segundo medicamento. Em seguida, lave a via de acesso, administrando 10 a 20 ml de soro fisiológico ou soro glicosado, antes que o primeiro medicamento torne a ser infundido. A medicação com o mesmo princípio ativo pode correr de modo contínuo em uma mesma via, como no caso das drogas vasoativas (dopamina, dobutamina e norepinefrina, por exemplo) e das drogas analgésicas e sedativas (como midazolam e fentanila). Para a infusão de drogas incompatíveis, escolha outra via de acesso e não interrompa a infusão sem ordem médica. SUAS ANOTAÇÕES 13

9 Tabela Elegibilidade para cuidados paliativos % Deambulação 100 Completa 90 Completa 80 Completa 70 Reduzida Reduzida Sentado (maior parte do tempo) Na cama grande parte do tempo) Atividade diária e evidência da doença Atividade normal Sem evidência de doença Atividade normal Baixa evidência de doença Atividade normal (com esforço) Baixa evidência de doença Incapaz de atividade Baixa evidência de doença Incapaz de realizar atividades Significativa evidência de doença Incapaz de realizar atividades Evidência de doença extensa Incapacidade de realizar qualquer atividade Evidência de doença extensa Autocuidado Ingestão Nível de consciência Completo Normal Completo Completo Normal Completo Completo Normal Completo Completo Auxílio ocasional Auxílio considerável Auxílio quase total Normal ou reduzida Normal ou reduzida Normal ou reduzida Normal ou reduzida Completo Completo ou confuso Completo ou sonolento ou confuso Completo ou sonolento ou confuso 30 Acamado (não levanta) Incapacidade de realizar qualquer atividade Evidência de doença extensa Auxílio completo (dependência total) Reduzida Completo ou sonolento ou confuso Acamado (não levanta) Acamado (não levanta) Incapacidade de realizar qualquer atividade Evidência de doença extensa Incapacidade de realizar qualquer atividade Evidência de doença extensa Auxílio completo (dependência total) Auxílio completo (dependência total) Pequenas porções Não ingere Completo ou sonolento ou confuso Sonolento ou coma Fonte: Harlos M, Woelk C. Guideline for estimating length of survival in Palliative Patients. Em palliative.info. Traduzido e adaptado por Neto, Tabela Escore de Lansky % Avaliação de desempenho 100 Totalmente ativa e normal 90 Pequena restrição em atividade física 80 Ativa, porém se cansa mais rapidamente 70 Maior restrição nas atividades recreativas e menor tempo gasto nessas atividades 60 Levanta-se e anda, mas brinca ativamente o mínimo; brinca em repouso 50 Veste-se, mas permanece deitada a maior parte do tempo, sem brincar ativamente, mas é capaz de participar de todas as atividades e de jogos em repouso 40 Permanece a maior parte do tempo na cama; brinca em repouso 30 Na cama, necessita de auxílio, mesmo para brincar em repouso 20 Frequentemente dormindo; o ato de brincar está totalmente restrito a jogos muito passivos 10 Não brinca; não sai da cama 0 Não responde Fonte: Manual de Cuidados Paliativos. São Paulo: Conselho Regional do Estado de São Paulo, Terminalidade A fase final da vida não é um processo fácil, mas realizar manejos adequados e pontuais prepara, da melhor maneira possível, o paciente e a família para os eventos futuros e prevê suas novas necessidades, ajudando-os a diminuir a ansiedade e o medo. Além disso, aumenta a competência e a confiança no cuidado nos últimos dias, o que cria lembranças melhores e prepara para a perda inevitável. Aprender a reconhecer a proximidade da morte é importante não só para quem recebe o cuidado, mas também para a equipe que fornece o aten- 58

10 Neonatologia Aula 19 Controle de infecção no berçário OFICINA TEÓRICA 1. Higiene das mãos: antes e após os procedimentos, entre um bebê e outro e sempre que entrar na unidade. 2. Esterilização de mamadeiras. 3. Evitar aglomeração nos berçários, limitando o número de recém-nascidos em cada sala. Nunca colocar mais de uma criança em cada incubadora. Cada incubadora deve ocupar uma área de 2,5 a 2,8 m Isolamento de todos os RN com infecções cutâneas, gastrintestinais, respiratórias ou processos febris. 5. A entrada de estranhos deverá ser restrita, estimular apenas a entrada da mãe e do pai. 6. Profilaxia das infecções de origem manual lavagem cuidadosa das mãos e antebraço antes da entrada na unidade, antes e após o manuseio de cada RN. 7. Profilaxia das infecções de origem aérea climatização e filtração do ar. 8. Limpeza terminal e constante da unidade e dos materiais como berço, incubadora, aparelho de fototerapia, respiradores. 9. Troca de filtros de ar das incubadoras a cada 60 dias. Cuidados de Enfermagem ao Recém- -Nascido Grave Assistência de enfermagem imediata 1. Conferir a identificação. 2. Pesar. 3. Colocar em incubadora aquecida. 4. Manter oxigenação de acordo com a orientação médica. 5. Fazer a higiene. 6. Realizar o curativo umbilical. 7. Monitorar FC, FR e temperatura. 8. Fazer a lavagem gástrica. 9. Instalar oxímetro de pulso, se necessário. 10. Puncionar veia periférica para administração de soro e medicamentos prescritos. 11. Preparar material e auxiliar em cateterismo umbilical, passagem de PICC (cateter central de inserção periférica) ou venodissecação. 12. Instalar controle de diurese. Assistência de enfermagem mediata 1. Controle e manutenção da temperatura corporal: incubadora com paredes duplas. 2. Observação constante dos parâmetros cardiorrespiratórios: bradicardia; apneia e/ou taquidispneia; respiração superficial. 3. Atenção para sinais de hipoglicemia e hipocalcemia: tremores; sudorese; hipoatividade; palidez. 4. Controles hídrico e eletrolítico: infusões; perdas; edemas; hidratação; pesos. 5. Observação dos níveis de oxigenação: ventilação mecânica; capuz de oxigênio; oxigênio com bandeira vermelha na posição horizontal ou vertical. 6. Manutenção de cateteres, quando presentes: curativos; observação de hiperemia, sangramento ou secreções. 7. Uso de técnicas rigorosamente assépticas. 8. Cuidados com alimentação: jejum nas primeiras horas; água glicosada, se prescrita; leite materno ou específico a cada 2-3 horas: y via oral > 34 semanas; y SOG < 34 semanas; y transição SOG e VO a partir de 34 semanas; y RN com pesos < g ou enterocolite necrosante. 9. Nutrição parental: via venosa preferencialmente central; soluções glicoproteicas; técnica asséptica; controle de peso, glicosúria, balanço de perdas e infusões; observar sinais de infecção e trombose da veia cava superior. 10. Realizar exames de rotina: USG crânio; fundo de olho; radiografia de ossos longos. SUAS ANOTAÇÕES 207

11 Centro Cirúrgico e Centro de Material Esterilizado Aulas 8 e 9 Paramentação cirúrgica OFICINA PRÁTICA A paramentação do cirurgião, do assistente e do instrumentador é um processo específico e padronizado, que envolve as técnicas de degermar as mãos, vestir avental ou opa esterilizados e calçar as luvas. Colocação de Avental Cirúrgico É importante ter completo controle do avental e conhecer quais partes devem permanecer estéreis e quais poderão ser tocadas. Enluvamento Enluvamento é a técnica de colocar luvas estéreis; pode ser feito pelo método fechado, que oferece menor possibilidade de contaminação, ou pelo método aberto. C A D B E Figura (A a E) Colocação do avental cirúrgico. SUAS ANOTAÇÕES 273

12 Centro Cirúrgico e Centro de Material Esterilizado Aula 19 Instrumentos cirúrgicos Abaixador de Língua Figura Bruenings. Figura Balfour. Abridor de Boca Figura Mclvor. Figura Balfour. Afastador Figura Gosset. Figura Volkmann. 308

13 Técnico em Mecatrônica Eletrônica Eletrotécnica Adriano Henrique Fava Gerson Antonio Pessotto Simone Savarego organização

14 Eletricidade Básica Aula 1 Introdução ao estudo da eletricidade OFICINA TEÓRICA Física A palavra Física vem do grego physiké e significa natureza. Portanto, Física é a ciência que estuda a natureza e seus fenômenos através de conceitos lógicos e formulação matemática. Com a evolução do conhecimento, desenvolveram -se outras ciências que também estudam a natureza, como, por exemplo, a Geologia e a Biologia. Classicamente, a Física se divide em mecânica, acústica, óptica, termologia, eletricidade e magnetismo. Com o aprofundamento dos estudos, verificou -se que as duas últimas divisões estavam interligadas, dando origem ao eletromagnetismo. Eletromagnetismo É uma das mais importantes interações que acontecem na natureza. A maioria das forças que atuam em escala macroscópica é de origem eletromagnética. Por motivos pedagógicos, para facilitar o entendimento dos fenômenos estudados, o eletromagnetismo é dividido em eletricidade e magnetismo. Eletricidade É a parte da Física que estuda os fenômenos causados por interações de cargas elétricas. O estudo das cargas elétricas em repouso é denominado eletrostática, e o estudo das cargas elétricas em movimento, eletrodinâmica. Magnetismo É a parte da Física que estuda os campos magnéticos, sejam eles gerados por ímãs permanentes, pela Terra ou por correntes elétricas. Eletrostática Eletrostática, como já visto, estuda os fenômenos causados por interações de cargas elétricas em repouso. No ensino médio, tanto em Química quanto em Física, estuda -se o átomo. Os alunos aprendem que o termo átomo, que vem do grego e significa não divisível (a = não; e tomo = divisão), representa a menor parte que caracteriza um determinado elemento químico. No entanto, o átomo ainda é subdividido em partículas mais elementares, denominadas: próton, nêutron e elétron. A Figura representa o átomo segundo o modelo de Rutherford (Ernest Rutherford, ). Figura Modelo atômico de Rutherford. Carga elementar (e) É a menor porção de carga elétrica que se pode obter. Experimentos mostraram que a carga elétrica de um elétron é numericamente igual à do próton, que é a própria carga elementar. Historicamente, foi convencionado que o elétron tem carga negativa, e o próton, carga positiva. O valor absoluto da carga elementar é expresso por: e = 1,602 x C (Coulomb). Quantidade de carga elétrica (Q) Na natureza, observa -se que a carga elétrica é uma grandeza física quantizada, ou seja, o valor da quantidade de carga de um corpo é sempre um múltiplo da carga elementar. Portanto, não existe na natureza a carga de meio elétron. Dessa forma, a quantidade de carga elétrica pode ser representada pela expressão: Q = n. e. Observação: n é um número inteiro positivo. O sinal de Q depende se em determinado corpo está sobrando elétrons (Q < 0) ou se está faltando elétrons (Q > 0). Conservação da carga elétrica Por definição, em um sistema isolado, quando dois corpos interagem, a quantidade de carga elétrica perdida por um dos corpos tem que ser igual à quantidade de carga recebida pelo outro corpo. Como consequência, tem -se: Princípio da conservação das cargas elétricas: em um sistema isolado, a soma algébrica das cargas elétricas, sejam elas positivas ou negativas, é uma constante, ou seja, a carga total do sistema é conservada. Condutores e isolantes elétricos (dielétricos) Na natureza, sob determinadas condições, existem materiais que resistem mais ou menos ao movimento de cargas elétricas. Os que resis- 10

15 Eletricidade Básica Aula 4 Lei de Coulomb OFICINA TEÓRICA Carga Elétrica Puntiforme Por definição, não são levadas em consideração as dimensões do corpo que contém uma carga Q. Ou seja, é como se a carga estivesse localizada em um ponto. Campo elétrico gerado por uma carga puntiforme (E) Observa -se experimentalmente que uma carga elétrica puntiforme cria um campo elétrico ao seu redor, o qual apresenta propriedades vetoriais. Medidas mostram que a intensidade do campo depende diretamente do valor da carga elétrica. Quando se distancia da carga elétrica, observa -se que o campo varia de modo inversamente proporcional ao quadrado da distância. A constante de proporcionalidade k é denominada constante dielétrica do meio. Matematicamente, o módulo do campo é dado por: E = k.q Sendo: E = módulo do campo elétrico [N/C] (Newton por Coulomb) k = N.m 2 /C 2 (no vácuo) Q = carga elétrica [C] d = distância [m] Graficamente, o campo elétrico pode ser representado por linhas radiais centradas na carga puntiforme. Por convenção, uma carga positiva produz linhas divergentes, ou seja, que saem da carga elétrica, e uma carga negativa produz linhas convergentes, ou ainda, que se aproximam da carga elétrica. d 2 Figura Linhas de campo (ou linhas de força) para duas cargas puntiformes. Lei de Coulomb Quando uma carga de prova q se aproxima do campo elétrico produzido por uma carga Q, observa -se que atua sobre ela uma força elétrica, que pode ser atrativa ou repulsiva, dependendo dos sinais das cargas elétricas. Quando a intensidade da força elétrica (F) é medida, observa -se que esta é diretamente proporcional ao produto do campo elétrico da carga Q pelo valor da carga de prova q, ou seja: F = E.q ou ainda F = k.q.q A expressão dada representa a Lei de Coulomb, sendo: F = força elétrica (coulombiana) [N] E = módulo do campo elétrico [N/C] k = 9 x 10 9 N.m 2 /C 2 (no vácuo) Q e q = carga elétrica [C] d = distância [m] A seguir, esquema que representa as grandezas anteriormente descritas. Lembrete: pela 3 a Lei de Newton, as forças que atuam em Q e q têm a mesma intensidade, a mesma direção e sentidos opostos. d 2 Q q -F F d Figura Força de repulsão entre partículas de mesma carga. Figura Linhas radiais de cargas puntiformes negativa e positiva. OFICINA PRÁTICA 1. Trace os gráficos das linhas de força para duas cargas puntiformes de mesmo sinal: positivas; negativas. 15

16 Eletricidade Básica Aula 15 Medidores elétricos oficina prática Experiência 1: ligações de resistores em paralelo Objetivo Verificar, experimentalmente, o comportamento da tensão (U), corrente elétrica (i) e resistência equivalente (Req) em resistores ligados em paralelo num circuito elétrico simples. Material experimental Multímetro analógico ou digital. fmultímetro f alicate. fcabos f banana. Utilizar na bancada de elétrica: f fsoquetes de porcelana. f flâmpadas incandescentes (220 V), sendo duas com potências de 50 W e mais duas com potências diferentes. f flâmpada dicroica (50 W). f fdisjuntor de entrada (220 V). Procedimento 1. Certifique -se que o disjuntor de entrada esteja desligado. 2. Interligue, em paralelo, os dois soquetes e a lâmpada dicroica utilizando os cabos banana. Lembrete: na ligação em paralelo, para interligar duas lâmpadas, utilizamos os bornes de mesma cor. 3. Conecte o disjuntor ao circuito. 4. Rosqueie as duas lâmpadas incandescentes de 50 W nos soquetes. 5. Ligue o disjuntor de entrada. 6. Meça a tensão e a corrente elétrica total do circuito e em cada lâmpada. 7. Preencha a tabela a seguir obtendo o valor da resistência elétrica pela lei de Ohm: Total L1 L2 L3 U (V) I (A) R (Ω) 8. Refaça a experiência para lâmpadas de potências diferentes. 9. Preencha a tabela a seguir obtendo o valor da resistência elétrica pela lei de Ohm: Total L1 L2 L3 Atividades U (V) I (A) R (Ω) 1. Faça uma comparação entre os resultados obtidos nas duas tabelas do circuito em paralelo. 2. O que acontece, visualmente, se ligarmos apenas duas lâmpadas no circuito em paralelo? Explique o fato. Experiência 2: ligações de resistores em série Objetivo Verificar, experimentalmente, o comportamento da tensão (U), corrente elétrica (i) e resistência equivalente (R eq ) em resistores ligados em série num circuito elétrico simples. Material experimental f fmultímetro analógico ou digital. fmultímetro f alicate. fcabos f banana. Utilizar na bancada de elétrica: f fsoquetes de porcelana. f flâmpadas incandescentes (220 V), sendo duas com potências de 50 W e mais duas com potências diferentes. f flâmpada dicroica (50 W). f fdisjuntor de entrada (220 V). Procedimento 1. Verifique se o disjuntor de entrada está desligado. 2. Interligue, em série, os dois soquetes e a lâmpada dicroica utilizando os cabos banana. Lembrete: na ligação em série, para interligar duas lâmpadas, utilizamos os bornes de cores diferentes. 3. Conecte o disjuntor ao circuito. 4. Rosqueie as duas lâmpadas incandescentes de 50 W nos soquetes. 5. Ligue o disjuntor de entrada. 6. Meça a tensão e a corrente elétrica total do circuito e em cada lâmpada. 28

17 Máquinas Elétricas Aula 6 Geradores elétricos CA OFICINA TEÓRICA Corrente Alternada (CA) Como visto anteriormente, ao colocar uma espira condutora na presença de um campo magnético, a variação do fluxo magnético com o tempo gera uma f.e.m. e, consequentemente, uma corrente elétrica que transita pela espira. Quando o campo magnético for constante, a variação do fluxo magnético tem que ser diretamente proporcional à variação da área da superfície da espira que está submetida ao campo. Portanto, quando a superfície da espira estiver na posição perpendicular às linhas de campo, ocorre um fluxo máximo e, consequentemente, a f.e.m. será máxima também. No caso extremo, quando a superfície da espira estiver na posição paralela às linhas de campo, tem -se um fluxo nulo e, consequentemente, a f.e.m. será nula também. O que interessa, aqui, é a variação da área da superfície de uma espira quando ela gira na presença de um campo magnético constante, como mostra o esquema a seguir. Observando o esquema apresentado, pode -se verificar que o valor de e varia entre um valor máximo e máx e um mínimo e mín = e máx, passando pelo valor e = 0. Matematicamente, a curva que descreve a variação de e com o tempo é representada pela função seno, como se descreve: e = e máx. sen wt Aplicando a Primeira Lei de Ohm, a expressão para a corrente alternada é definida por: i = i máx. sen wt Sendo: e = força eletromotriz [V] w = 2p / T = 2p f = velocidade angular da espira [rad/s] T = período de rotação da espira [s] f f = frequência de rotação da espira [Hz] t = tempo [s] i = intensidade da corrente elétrica [A] Gerador de Corrente Alternada (Gerador CA) Gerador CA Monofásico A característica fundamental de um gerador elétrico é transformar energia mecânica em energia elétrica. A base de um gerador CA, ou alternador, é constituída por duas partes: o estator e o rotor. Estator: é a parte estática do gerador, confeccionado por material ferromagnético e contém um circuito elétrico que recebe uma corrente contínua (CC) que gera um campo magnético intenso e uniforme. Condutores paralelos às linhas de força f.e.m. mínima positiva Rotação Sentido no fluxo de corrente I N N N N N (A) S (B) (C) (D) S S (E) S S f.e.m. Condutores cortando as linhas do campo no sentido perpendicular. F.e.m. máxima positiva Uma altemância (0 180 o ) Condutores cortando campo na perpendicular F.e.m. máxima negativa ( o ) ZERO Um ciclo Uma alternância Figura Forma de onda da corrente alternada. 97

18 Simbologia do contator NA NA 7. Qual a categoria de serviço para um contator que deve acionar um motor trifásico que tenha como sistema de partida uma reversão? 8. Faça uma pesquisa em catálogos de diversos fabricantes e modelos de contatores e chaves fim de curso. NA SUAS ANOTAÇÕES NF A1 A2 Figura Esquema representando um contator. Tabela Símbologias do contator Componentes Esquemas A1 Bobina A2 Contatos auxiliares NA -K Contatos auxiliares NF -K Contatos principais OFICINA TEÓRICA 1. Explique como funciona uma chave fim de curso. 2. Cite duas aplicações para chaves fim de curso. 3. Explique como funciona um contator. 4. Quais são as vantagens da utilização de um contator? 5. Faça o símbolo de um contato normalmente aberto (NA), de um normalmente fechado (NF), da bobina e dos contatos principais de um contator. 6. Cite três partes construtivas de um contator. 143

19 Técnico em Radiologia Anderson Fernandes Moraes organização

20 Técnicas Radiológicas II Aula 14 Incidências de membros inferiores OFICINA TEÓRICA Tornozelo em Estresse AP (Inversão e Eversão) Posição: paciente em decúbito dorsal, membro inferior estendido ao longo da mesa. Apoiar o calcâneo sobre o chassi. Preferencialmente, o médico especialista deve realizar manobras de inversão e eversão durante a exposição de raios X. Centralizar e alinhar o tornozelo sobre a metade do chassi. RC: perpendicular na vertical, incidindo no centro da articulação do tornozelo (entre os maléolos). Dfofi: 1 m. Chassi: 18 x 24 cm transversal dividido. Bucky: sem bucky. HD: fratura ou luxação da articulação tibiofibular e ruptura de ligamento. Tíbia Fíbula Maléolo medial Maléolo lateral Tíbia Fíbula Maléolo medial Maléolo lateral Figura Na face posterior do tornozelo no chassi serão realizadas duas exposições: uma com rotação interna e outra com rotação externa. SUAS ANOTAÇÕES 22

Medicina. Prova Discursiva. Caderno de Prova. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! 16/12/2012

Medicina. Prova Discursiva. Caderno de Prova. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! 16/12/2012 Prova Discursiva Medicina 16/12/2012 Caderno de Prova Este caderno, com 16 páginas numeradas sequencialmente, contém 5 questões de Biologia e 5 questões de Química. A Classificação Periódica dos Elementos

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Módulo: Tabela Periódica Atividade: Estudo da Tabela Periódica e Distribuição Eletrônica de Linus Pauling

Módulo: Tabela Periódica Atividade: Estudo da Tabela Periódica e Distribuição Eletrônica de Linus Pauling Guia do Professor Módulo: Tabela Periódica Atividade: Estudo da Tabela Periódica e Distribuição Eletrônica de Linus Pauling I Introdução A atividade Distribuição Eletrônica favorece o desenvolvimento de

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores)

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes C, diamante C, grafite Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes TEV: rede 3D de ligações covalentes C, diamante (sp

Leia mais

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Física e Química A Versão Teste Intermédio Física e Química A Versão Duração do Teste: 90 minutos 30.05.01 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de março Na folha de

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 1 1 1 H 1, 00 2 3 4 2 Li 6, 94 Be 9, 01 11 12 3 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 4 K 39, 10 Ca 40, 08 37 38 5 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 6 Cs 132, 91 Ba 137, 33 87 88 7 Fr Ra 223, 02 226, 03 CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA

Leia mais

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir:

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar, escrever

Leia mais

CURSOS Ciências Habilitação em Química e Química Industrial. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo.

CURSOS Ciências Habilitação em Química e Química Industrial. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. PROCESSO SELETIVO 2003/2 QUÍMICA CURSOS Ciências Habilitação em Química e Química Industrial Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. 1. 2. 3. 4. Esta prova

Leia mais

Gabarito - Química - Grupo A

Gabarito - Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor A estrutura dos compostos orgânicos começou a ser desvendada nos meados do séc. XIX, com os estudos de ouper e Kekulé, referentes ao comportamento químico do

Leia mais

Lista exercícios N1 Química Geral Tabela Periódica, distribuição eletrônica e ligações químicas.

Lista exercícios N1 Química Geral Tabela Periódica, distribuição eletrônica e ligações químicas. 1 Parte I - Considere as informações abaixo: Lista exercícios N1 Química Geral Tabela Periódica, distribuição eletrônica e ligações químicas. Núcleo: Prótons e nêutrons. Eletrosfera: elétrons Os átomos

Leia mais

Lista de Exercício de Química - N o 6

Lista de Exercício de Química - N o 6 Lista de Exercício de Química - N o 6 Profa. Marcia Margarete Meier 1) Arranje em ordem crescente de energia, os seguintes tipos de fótons de radiação eletromagnética: raios X, luz visível, radiação ultravioleta,

Leia mais

AULA 02: TABELA PERIÓDICA

AULA 02: TABELA PERIÓDICA AULA 02: TABELA PERIÓDICA 1. INTRODUÇÃO A Tabela Periódica é, efetivamente, um instrumento organizador de conhecimentos sobre os elementos químicos, onde estes estão ordenados por ordem crescente de número

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS EXERCÍCIOS Questão 01) O correto uso da tabela periódica permite determinar os elementos químicos a partir de algumas de suas características. Recorra a tabela periódica

Leia mais

2015.1 VESTIBULAR. Medicina. Prova Discursiva 02/11/2014

2015.1 VESTIBULAR. Medicina. Prova Discursiva 02/11/2014 VESTIBULAR 2015.1 Universidade Severino Sombra - USS Prova Discursiva Medicina 02/11/2014 Este caderno, com 16 páginas numeradas, contém 5 questões de Biologia e 5 questões de Química. A Classificação

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe A H,0 Li 7,0 Na 2,0 9 K 9,0 7 Rb 85,5 55 Cs,0 87 Fr (22) 2 2A Be 9,0 2 Mg 2,0 20 Ca 0,0 8 Sr 88,0 56 Ba 7,0 88 Ra (226) Elementos de Transição B B 5B 6B 7B 8B B 2B 5 6 7 A A 5A 6A 7A 78,5 8,0 8,0 86,0

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 10.03.2010

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 10.03.2010 Teste Intermédio de Física e Química A Teste Intermédio Física e Química A Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 10.03.2010 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na folha de

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Química Coordenação de Pós-graduação

Universidade Federal de Goiás Instituto de Química Coordenação de Pós-graduação Universidade Federal de Goiás Instituto de Química Coordenação de Pós-graduação EXAME DE SELEÇÃO DO MESTRADO EM QUÍMICA 2013/1 IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Número de Inscrição: INSTRUÇÕES IMPROTANTES: -

Leia mais

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável Arames Barras chatas Bobinas Cantoneiras Chapas Discos Perfis Buchas Tubos Tubos de cobre para refrigeração Vergalhões, redondos, sextavados e

Leia mais

O Átomo. a + thomos = sem divisão

O Átomo. a + thomos = sem divisão O Átomo 1. O nome átomo tem origem na Grécia Antiga no sec. V a.c. Os pensadores antigos falavam da existência de partículas invisíveis e indivisíveis que formariam toda matéria. a + thomos = sem divisão

Leia mais

Vestibular2014 MEDICINA. Prova Discursiva 17/11/2013

Vestibular2014 MEDICINA. Prova Discursiva 17/11/2013 Universidade Severino Sombra - USS Vestibular2014 Prova Discursiva MEDICINA 17/11/2013 Este caderno, com 16 páginas numeradas, contém 5 questões de Biologia e 5 questões de Química. A Classificação Periódica

Leia mais

Processo Seletivo 2009-1

Processo Seletivo 2009-1 Processo Seletivo 2009-1 GRUP 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GIÁS PRÓ-REITRIA DE GRADUAÇÃ CENTR DE SELEÇÃ Química SÓ ABRA QUAND AUTRIZAD 1. Após autorização, verifique se este caderno está completo ou se contém

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO CURSO DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA QUÍMICA E BIOLÓGICA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO CURSO DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA QUÍMICA E BIOLÓGICA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Página 1 de 12 Provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do ensino superior para titulares de Diploma de Especialização Tecnológica, Decreto-Lei n.º 113/2014, de

Leia mais

Lista 1 Atomística e tabela periódica

Lista 1 Atomística e tabela periódica Lista 1 Atomística e tabela periódica 1. (Ufrn 2013) A Lei Periódica e sua representação gráfica, a Tabela Periódica, são dois conhecimentos essenciais para a química e para os químicos. D. Mendeleev (1834-1907),

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

003. Ciências da Natureza e Matemática

003. Ciências da Natureza e Matemática VESTIBULAR 2013 Prova de Conhecimentos Específicos e Redação 16.12.2012 Assinatura do candidato 003. Ciências da Natureza e Matemática (Questões 13-24) Confira seus dados impressos neste caderno. Assine

Leia mais

Aulas Particulares on-line

Aulas Particulares on-line QUÍMICA PRÉ-VESTIBULAR LIVRO DO PROFESSOR 2006-2008 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor dos direitos autorais.

Leia mais

CONCEITO DE GEOQUÍMICA

CONCEITO DE GEOQUÍMICA UNIVERSIDADE FEDEREAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA GEOQUÍMICA GC 012 CONCEITO DE GEOQUÍMICA Profa. Dra. Eleonora Maria Gouvea Vasconcellos Introdução distribuição dos elementos químicos controlada

Leia mais

Próton Nêutron Elétron

Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron Número de prótons: 54 2 Nome do elemento: BORO BERÍLIO HÉLIO Esta Os quantidade diferentes tipos de prótons de átomos recebe (elementos o nome químicos) de

Leia mais

Introdução Radioproteção

Introdução Radioproteção Introdução à Física das Radiações e Radioproteção Bete Figueiredo betefig@cnen.gov.br Estrutura do Átomo Núcleo: prótons e nêutrons Eletrosfera : elétrons Z Nome Símbolo Z Nome Símbolo 82 chumbo Pb 87

Leia mais

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2 OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

PUC - Rio VESTIBULAR 2015

PUC - Rio VESTIBULAR 2015 PUC - Rio VESTIBULAR 201 2 o DIA MANHÃ GRUPO 2 Outubro / 2014 PROVAS OBJETIVAS DE FÍSICA, DE MATEMÁTICA E DE QUÍMICA PROVAS DISCURSIVAS DE GEOGRAFIA E DE HISTÓRIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Leia mais

Tabel e a l P rió dica

Tabel e a l P rió dica Tabela Periódica Desenvolvimento histórico da Tabela Periódica Dmitri Mendeleev (1834-1907 ) Escreveu em fichas separadas as propriedades (estado físico, massa, etc) dos elementos químicos. Enquanto arruma

Leia mais

Capítulo II Classificação Periódica

Capítulo II Classificação Periódica 2.1. A história da tabela periódica Um pré-requisito necessário para construção da tabela periódica, foi a descoberta individual dos elementos químicos. Embora os elementos, tais como ouro (Au), prata

Leia mais

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Pontos em que a expedição da UnB participou do processo de coleta de água e sedimento entre os dias

Leia mais

MEDICINA. Prova Discursiva 01/06/2014. Instruções. Informações Gerais. Boa prova!

MEDICINA. Prova Discursiva 01/06/2014. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! Universidade Severino Sombra - USS Vestibular2014.2 Prova Discursiva MEDICINA 01/06/2014 Este caderno, com dezesseis páginas numeradas, contém cinco questões de Biologia e cinco questões de Química. A

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução A função do sistema respiratório é facilitar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas,

Leia mais

Energias de ionização (ev) 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª X 5,4 75,6 122,4 Y 13,6 35,2 54,9 77,4 113,9 138,1 739,1 871,1

Energias de ionização (ev) 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª X 5,4 75,6 122,4 Y 13,6 35,2 54,9 77,4 113,9 138,1 739,1 871,1 1. (Cefet MG 2014) Na tabela a seguir, estão representadas as energias de ionização de dois elementos X e Y pertencentes ao segundo período do quadro periódico. Elementos Energias de ionização (ev) 1ª

Leia mais

São os mais numeroso entre os elementos. Todos os elementos dos blocos s, d e f da

São os mais numeroso entre os elementos. Todos os elementos dos blocos s, d e f da OS METAIS INTRODUÇÃO São os mais numeroso entre os elementos Todos os elementos dos blocos s, d e f da tabela periódica são metais Alguns elementos do bloco p também são metais: Alumínio, Gálio, Tálio,

Leia mais

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL ESQUELETO AXIAL Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. Vamos estudar o esqueleto que forma o eixo do corpo iniciando o estudo da CABEÇA óssea que se divide em

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

BIOLOGIA/QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. COLE AQUI A ETIQUETA

BIOLOGIA/QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. COLE AQUI A ETIQUETA 2 a Etapa BIOLOGIA/QUÍMICA SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Leia atentamente o CARTAZ sobre ELIMINAÇÃO AUTOMÁTICA, afixado na parede da sala, à sua frente, e as instruções

Leia mais

Circuitos de Corrente Contínua

Circuitos de Corrente Contínua Circuitos de Corrente Contínua Conceitos básicos de eletricidade Fundamentos de Eletrostática Potencial, Diferença de Potencial, Corrente Tipos de Materiais Circuito Elétrico Resistores 1 Circuitos de

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Introdução O termo respiração pode ser entendido como a união do oxigênio com o alimento (substâncias dissolvidas) nas células e a liberação de energia, calor, gás carbônico e água.

Leia mais

PUC - RIO - 2014 Rio VESTIBULAR 2014 PROVAS OBJETIVAS DE FÍSICA E DE QUÍMICA PROVAS DISCURSIVAS DE GEOGRAFIA, DE HISTÓRIA E DE MATEMÁTICA

PUC - RIO - 2014 Rio VESTIBULAR 2014 PROVAS OBJETIVAS DE FÍSICA E DE QUÍMICA PROVAS DISCURSIVAS DE GEOGRAFIA, DE HISTÓRIA E DE MATEMÁTICA PUC - RIO - 2014 Rio VESTIBULAR 2014 2 o DIA TARDE GRUPO 4 Outubro / 2013 PROVAS OBJETIVAS DE FÍSICA E DE QUÍMICA PROVAS DISCURSIVAS DE GEOGRAFIA, DE HISTÓRIA E DE MATEMÁTICA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES E RESPECTIVOS ESPAÇOS PARA RESPOSTAS. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES E RESPECTIVOS ESPAÇOS PARA RESPOSTAS. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES E RESPECTIVOS ESPAÇOS PARA RESPOSTAS. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS A correção de cada questão será restrita somente ao que estiver registrado no espaço

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FÍSICA 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Provas contém seis questões, constituídas de itens e subitens,

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade Eletricidade é uma palavra derivada do grego élektron, que significa âmbar. Resina vegetal fossilizada Ao ser atritado com um pedaço

Leia mais

CURSO Eletroeletrônica - DATA / / Eletromagnetismo. Indução eletromagnética

CURSO Eletroeletrônica - DATA / / Eletromagnetismo. Indução eletromagnética 1 de 9 CURSO Eletroeletrônica - DATA / / COMPONENTE ALUNO DOCENTE Eletromagnetismo Prof. Romeu Corradi Júnior [www.corradi.junior.nom.br] RA: Assunto: Resumo com comentários Eletromagnetismo Indução eletromagnética

Leia mais

Aula de Véspera - Inv-2008

Aula de Véspera - Inv-2008 01. Um projétil foi lançado no vácuo formando um ângulo θ com a horizontal, conforme figura abaixo. Com base nesta figura, analise as afirmações abaixo: (001) Para ângulos complementares teremos o mesmo

Leia mais

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciência e Tecnologia Laboratório de Ciências Químicas Química Geral I Experimento 3 Tendências Periódicas 1 - OBJETIVOS Relacionar a reatividade química

Leia mais

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B.

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B. 04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A e m B, sendo m A < m B, afirma-se que 01. Um patrulheiro, viajando em um carro dotado de radar a uma

Leia mais

Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história CORPOS ELETRIZADOS E NEUTROS CARGA ELÉTRICA

Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história CORPOS ELETRIZADOS E NEUTROS CARGA ELÉTRICA Um pouco de história O conhecimento de eletricidade data de antes de Cristo ~ 600 a.c. Ambar, quando atritado, armazena eletricidade William Gilbert em 1600 conseguiu eletrizar muitas substâncias diferentes

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

PROJETO SOLOS DE MINAS

PROJETO SOLOS DE MINAS PROJETO SOLOS DE MINAS Liliana Adriana Nappi Mateus Fundação Estadual do Meio Ambiente Walter Antônio Pereira Abraão Universidade Federal de Viçosa 15-04-2015 Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

Lista de Eletrostática da UFPE e UPE

Lista de Eletrostática da UFPE e UPE Lista de Eletrostática da UFPE e UPE 1. (Ufpe 1996) Duas pequenas esferas carregadas repelem-se mutuamente com uma força de 1 N quando separadas por 40 cm. Qual o valor em Newtons da força elétrica repulsiva

Leia mais

2015.2 VESTIBULAR. Medicina. Prova Discursiva 31/05/2015

2015.2 VESTIBULAR. Medicina. Prova Discursiva 31/05/2015 VESTIBULAR 2015.2 Universidade Severino Sombra - USS Prova Discursiva Medicina 31/05/2015 Este caderno, com 16 páginas numeradas, contém 5 questões de Biologia e 5 questões de Química. A Classificação

Leia mais

Primeira lista de física para o segundo ano 1)

Primeira lista de física para o segundo ano 1) Primeira lista de física para o segundo ano 1) Dois espelhos planos verticais formam um ângulo de 120º, conforme a figura. Um observador está no ponto A. Quantas imagens de si mesmo ele verá? a) 4 b) 2

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA)

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) 1. (Fuvest) O plutônio ( Pu) é usado para a produção direta de energia elétrica em veículos espaciais. Isso é realizado em um gerador que possui

Leia mais

Física: Eletromagnetismo

Física: Eletromagnetismo Física: Eletromagnetismo Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof. Alex Regis Questão 01 Está(ão) correta(s): Considere as afirmações a seguir a respeito de ímãs. I. Convencionou-se

Leia mais

RECUPERAÇÃO TURMAS: 2º ANO FÍSICA

RECUPERAÇÃO TURMAS: 2º ANO FÍSICA RECUPERAÇÃO TURMAS: 2º ANO Professor: XERXES DATA: 22 / 11 / 2015 RECUPERAÇÃO FINAL FORÇA ELÉTRICA (LEI DE COULOMB) FÍSICA Para todas as questões, considere a constante eletrostática no vácuo igual a 9.10

Leia mais

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL INTRODUÇÃO A Anatomia da região cervical, divide-se em duas partes, coluna vertebral segmento cervical e ou pescoço. Esta região pode ser bem estudada pelos métodos

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 Teoria atômica básica e leis ponderais Evolução dos modelos atômicos Modelo atômico atual 1 Módulo 2 Números quânticos; Distribuição eletrônica Paramagnetismo,

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório SISTEMA RESPIRATÓRIO O sistema respiratório humano é constituído por um par de pulmões e por vários órgãos

Leia mais

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron:

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: Equação de Estado de Van der Waals Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: P i V i = nrt em que colocamos

Leia mais

003. Ciências da Natureza e Matemática (Questões 13-24)

003. Ciências da Natureza e Matemática (Questões 13-24) VESTIBULAR MEIO DE ANO 2012 Prova de Conhecimentos Específicos e Redação 23.06.2012 Assinatura do candidato 003. Ciências da Natureza e Matemática (Questões 13-24) Confira seus dados impressos neste caderno.

Leia mais

Química A Intensivo V. 1

Química A Intensivo V. 1 1 Química A Intensivo V. 1 Exercícios 01) 10 01. Incorreta. O modelo atômico de Dalton não prevê a existência de elétrons. 02. Correta. Segundo Dalton, os átomos eram indestrutíveis e, durante uma reação

Leia mais

A Lei de Ohm estabelece uma relação entre as grandezas elétricas: tensão ( V ), corrente ( I ) e resistência ( R ) em um circuito.

A Lei de Ohm estabelece uma relação entre as grandezas elétricas: tensão ( V ), corrente ( I ) e resistência ( R ) em um circuito. Página 1 de 25 1ª Lei de Ohm Embora os conhecimentos sobre eletricidade tenham sido ampliados, a Lei de Ohm continua sendo uma lei básica da eletricidade e eletrônica, por isso conhecê-la é fundamental

Leia mais

Química A Intensivo V. 1

Química A Intensivo V. 1 Química A Intensivo V. 1 Exercícios 01)A A ideia apresentada na alternativa A, além de algo impossível, não estava incluída na teoria de Dalton que afirmava que átomos iguais pertenciam ao mesmo elemento

Leia mais

Valores eternos. MATÉRIA. PROFESSOR(A) Hermann ---- ---- 1. Para a associação da figura, a resistência equivalente entre os terminais A e B é igual a:

Valores eternos. MATÉRIA. PROFESSOR(A) Hermann ---- ---- 1. Para a associação da figura, a resistência equivalente entre os terminais A e B é igual a: Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA Física III PROFESSOR(A) Hermann ANO SEMESTRE DATA 3º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Para a associação da figura, a resistência

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa A. alternativa B

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa A. alternativa B Questão 46 Na figura, são dados os vetores a, bec. Sendo u a unidade de medida do módulo desses vetores, pode-se afirmar que o vetor d = = a b + c tem módulo a) 2u, e sua orientação é vertical, para cima.

Leia mais

2 1. Alternativa Correta: (b) Extensão, massa, inércia,

2 1. Alternativa Correta: (b) Extensão, massa, inércia, MÓDULO 4 CIÊNCIAS FUNDAMENTAL MÓDULO 4 Questões Comentadas Ensino Fundamental 1 Ciências 2 1. Alternativa Correta: (b) Extensão, massa, inércia, impenetrabilidade, compressibilidade, elasticidade, divisibilidade

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

FÍSICA. Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração desta prova: TRÊS HORAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FAÇA LETRA LEGÍVEL

FÍSICA. Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração desta prova: TRÊS HORAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FAÇA LETRA LEGÍVEL FÍSICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este caderno contém oito questões, constituídas de itens e subitens, abrangendo um total de doze páginas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO 2º DIA GRUPO 2 SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO 2º DIA GRUPO 2 SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO CADERNO DE QUESTÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO 2º DIA 07/06/2010 Biologia Química Redação SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

Leia mais

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR LIGAÇÕES QUÍMICAS 5 TEORIA CORPUSCULAR 1 INTRODUÇÃO O fato de os gases nobres existirem na natureza como átomos isolados, levou os cientistas KOSSEL e LEWIS a elaborar um modelo para as ligações químicas.

Leia mais

ATIVIDADES EM QUÍMICA Recuperação paralela de conteúdos

ATIVIDADES EM QUÍMICA Recuperação paralela de conteúdos Nova Friburgo, de de 2014. Aluno (a): Gabarito Professor(a): ATIVIDADES EM QUÍMICA Recuperação paralela de conteúdos Nº: Turma:100 Assuntos: Estrutura atômica; Tabela Periódica; Propriedades periódicas;

Leia mais

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente OBJETIVOS 9 contínua NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA Familiarizar-se com o multímetro, realizando medidas de corrente, tensão e resistência. INTRODUÇÃO Corrente elétrica FÍSICA ELETRICIDADE: CIRCUITOS

Leia mais

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO DEFINIÇÃO DO FOGO O FOGO É UMA REAÇÃO QUIMICA QUE LIBERA LUZ E CALOR. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO 193 QUAL É O NUMERO DO CORPO DE BOMBEIROS?

Leia mais

FÍSICA. a) Newton por metro cúbico. b) Joule por metro quadrado. c) Watt por metro cúbico. d) Newton por metro quadrado. e) Joule por metro cúbico.

FÍSICA. a) Newton por metro cúbico. b) Joule por metro quadrado. c) Watt por metro cúbico. d) Newton por metro quadrado. e) Joule por metro cúbico. FÍSICA 13 A palavra pressão é utilizada em muitas áreas do conhecimento. Particularmente, ela está presente no estudo dos fluidos, da termodinâmica, etc. Em Física, no entanto, ela não é uma grandeza fundamental,

Leia mais

Questão 57. Questão 58. alternativa D. alternativa C. seu mostrador deverá indicar, para esse mesmo objeto, o valor de

Questão 57. Questão 58. alternativa D. alternativa C. seu mostrador deverá indicar, para esse mesmo objeto, o valor de OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor 10 m/s ; para a massa específica

Leia mais

APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA

APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA Prof. Andryos da Silva Lemes Esta apostila é destinada

Leia mais

Aula 9-1 Materiais Magnéticos. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 9

Aula 9-1 Materiais Magnéticos. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 9 Aula 9-1 Materiais Magnéticos Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 9 Propriedades Magnéticas dos Materiais Pierre Curie mostrou que as propriedades magnéticas da matéria mudam a

Leia mais

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas)

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) III. RAIOS-X 1. HISTÓRICO Meados do séc. XIX - Maxwell: previu a existência

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ INTRODUCÃO Nossas células necessitam, para exercerem suas funções, de um suprimento contínuo de oxigênio para que, num processo químico de respiração celular, possam gerar a energia necessária para seu

Leia mais

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo:

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: SISTEMA RESPIRATÓRIO Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: Respiração é definida como a absorção do oxigênio pelo organismo, com liberação subseqüente de energia para o trabalho, calor e a

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando a interdependência das várias áreas de conhecimento dentro da Física, julgue os itens a seguir. 61 A temperatura de um cubo de gelo a 0 ºC, ao ser colocado em um

Leia mais

Disciplina: Eletricidade Básica. Prof. Flávio Ribeiro

Disciplina: Eletricidade Básica. Prof. Flávio Ribeiro 1 Disciplina: Eletricidade Básica Prof. Flávio Ribeiro Princípios básicos de Eletricidade : A eletricidade é a forma de energia mais utilizada na sociedade atual. Transformada facilmente em outros tipos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 34 4.4 Experimento 4: Capacitância, capacitores e circuitos RC 4.4.1 Objetivos Fundamentar o conceito de capacitância e capacitor; Realizar leituras dos valores de capacitância de capacitores; Associar

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

Medidas elétricas I O Amperímetro

Medidas elétricas I O Amperímetro Medidas elétricas I O Amperímetro Na disciplina Laboratório de Ciências vocês conheceram quatro fenômenos provocados pela passagem de corrente elétrica num condutor: a) transferência de energia térmica,

Leia mais

A ESTRUTURA ATÔMICA REPRESENTAÇÃO

A ESTRUTURA ATÔMICA REPRESENTAÇÃO A ESTRUTURA ATÔMICA O modelo nuclear admite que o átomo é formado por uma região central extremamente pequena, o núcleo, em torno do qual giram diminutas partículas, constituindo uma outra região, a eletrosfera.

Leia mais