MANUAL DEFINITIVO SOBRE RÁDIOS DIGITAIS E EQUIPAMENTOS PROFISSIONAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DEFINITIVO SOBRE RÁDIOS DIGITAIS E EQUIPAMENTOS PROFISSIONAIS"

Transcrição

1 MANUAL DEFINITIVO SOBRE RÁDIOS DIGITAIS E EQUIPAMENTOS PROFISSIONAIS Manual licenciado para os participantes do grupo TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO FACEBOOK https://www.facebook.com/groups/catvbrasil/ V1.2 Jan/2014

2 Apresentação A decisão de criar este manual é preencher uma lacuna no mercado dos pequenos e médios provedores sobre o tema de rádios digitais. Há vários aspectos que mudam quando vamos trabalhar com estes equipamentos, pois a maioria dos técnicos são acostumados com equipamentos em frequências de 2.4GHz ou 5.8GHz. Este manual explicativo vem de encontro desta necessidade e o principal objetivo deste material é informar e também responder as principais dúvidas que existem em nosso mercado. Dedico esta pequena obra a todos os participantes e amigos do grupo TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO no FACEBOOK (https://www.facebook.com/groups/catvbrasil/).

3 Definição Quando falamos de enlaces profissionais, há várias definições atribuídas aos equipamentos sendo as mais comuns: rádio licenciado, rádio dedicado, rádio profissional, rádio micro-ondas, etc... Muitos profissionais usam estas definições e em alguns momentos chegam a confundir estes termos, mas afinal de contas o que algumas delas significam? O termo, micro-ondas significa que o equipamento trabalha em uma frequência de 1Ghz podendo chegar a mais de 40GHz. O termo, profissional define que o equipamento em si é construído com materiais e componentes de alta qualidade (na maioria das vezes), proporcionando uma durabilidade e qualidade superiores frente a outros equipamentos. Normalmente proporcionam SLA na faixa de 99,99%.

4 O termo, licenciado significa que este equipamento requer uma licença de uso concedida pela ANATEL. Os canais são registrados na base de dados da Anatel e a base fica disponível para todos acessarem. Pode ser escolhido canais que não estão sendo usados por outros, desta forma foge-se das interferências. A Anatel não permite o uso de canais não registrados e pode lacrar equipamentos sem licença de uso de frequência. Licença de frequência é diferente de homologação de equipamentos. Normalmente os rádios licenciados possuem homologação da Anatel e são feitas diretamente pelo fabricante ou seu representante no país. As frequências livres e utilizadas no seu estado e município, podem ser consultadas em: 965

5 Vantagens A principal vantagem dos rádios digitais, sem dúvida é a capacidade (througtput). Rádios digitais são equipamentos do tipo FDD (frequency division duplex) onde o TX e o RX operam simultaneamente em frequências diferentes. Isso proporciona througtput full duplex sem perda de desempenho com aumento da distância. Para efeitos de comparação, equipamentos mikrotik e ubiquiti são equipamentos do tipo TDD (time division duplex), onde o TX e RX operam alternadamente na mesma frequência.

6 Quando falamos de throughtput full duplex, significa que teremos a mesma capacidade de upload e download não compartilhado, então um rádio com 350mb de capacidade possui 350mb para download + 350mb para upload real. Conforme já falado, os equipamentos são mais robustos, tem maior durabilidade e alta disponibilidade. O unidade interna dos rádios (veremos mais a frente) normalmente é compatível com todas as unidades externas da mesma marca. Radio digitais não são vendidos com antenas, cabos e retificadores. Estes são normalmente vendidos separadamente. Se oferecem em conjunto, o valor está embutido no total da compra.

7 Desvantagens Pagamento da taxa da Anatel PPDUR para uso do canal de frequência (+-R$ 400,00 adesão + +-R$ 100,00 anual); A maioria dos modelos trabalham com liberação de funcionalidade (por exemplo, mais banda, agregação, etc) por licenças de uso e normalmente não são baratas. Trabalham com voltagem de -48v o que requer a aplicação de fontes retificadoras (falaremos mais a frente). São um pouco mais complicados para instalar e configurar (nenhum bicho de sete cabeças) Requer maior atenção na instalação, iniciando pela infra estrutura (se a torre suporta, etc;).

8 Hardware (visão geral) Roteador

9 Família CERAGON Frequência de trabalho: 6GHz a 23GHz Capacidade: através de licenciamento, iniciando em 10MB até 400MB Possui conector para alarmes (db9), interface de fibra SPF, porta giga e fast. O único módulo de expansão disponível é um slot na frente do equipamento.

10 Família HUAWEI Frequência de trabalho: 6GHz a 23GHz Capacidade: até 365MB por enlace Totalmente modular, podendo ser conectado placas adicionais expandindo a capacidade do equipamento RTN910 (2 enlaces), RTN950 (6 enlaces) e RTN980 (16 enlaces) RTN910 RTN950 RTN980

11 Família ASGA Frequência de trabalho: 2.2GHz Capacidade: até 100MB Distância: Mais de 100KM NLOS (suporta enlaces sem visada ou com visada obstruída)

12 ANTENAS Fabricadas de acordo com a frequência (2.2GHz, 6GHz...23GHz) São vendidas por tamanho (0,30cm; 0,60cm; 0,90cm; 1.2m, 1.8m, 2.4m, 3.0m, 3.6m) Já possuem radome shield incorporado na antena Média de preços (preço médio / jan 2014) Antena 30cm simples: +-850,00 Antena 60cm simples: ,00 Antena 90cm simples: ,00 Antena 120cm simples: ,00 Antena 180cm simples: ,00 Antena 240cm - simples: ,00 Fabricantes Antena 30cm dupla: ,00 Antena 60cm dupla: ,00 Antena 90cm dupla: ,00 Antena 120cm dupla: ,00 Antena 180cm dupla: ,00 Antena 240cm - dupla: ,00

13 ANTENAS

14 DISTÂNCIAS MÉDIAS OUTRAS FREQUÊNCIAS 6GHz - aprox. 100 Km 7,5GHz - aprox. 85 Km 8 GHz - aprox. 85 Km 8,5GHz - aprox. 70 Km 15GHz aprox. 30 Km

15 FLANGES As flanges são padrões de conexão para ligações do conector da antenas e da ODU As principais flanges são mostradas na figura abaixo:

16 FLEXTWISTER ou GUIA DE ONDAS Utilizado para ligar as ODU em antenas sem acoplamento direto ou dupla polarização Possui perda media em DB/m Deve ser adquirido de acordo com a frequência das antenas e ODU Deve ser adquirido de acordo com o tipo de flange da antena e da ODU

17 ACOPLADOR / HIBRIDA Principal função é acoplar mais de 1 IDU em antenas simples polarização Utilizado para fazer o esquema 1+1 (redundância), 2+0 e 4+0 em antenas simples polarização

18 ODU ODU Outdoor Unit Unidade do rádio digital que fica instalada na torre e faz a amplificação do sinal transmitido e modulação na frequência alta (faixa de GHz); Recebe a frequência IF da IDU; Nos equipamentos da Ericsson, são chamadas de RAU.

19 IDU IDU Indoor unit Unidade do rádio digital que fica instalada dentro do container, rack ou do microshelter; Trabalha com licenças liberando novas funcionalidades ou maior capacidade Nos modelos da Huawei e Ericsson a IDU é um gabinete modular (magazine), onde é possível instalar placas de diversos tipos (RIF, fibra, ethernet, e1, etc...) Normalmente é compatível com a ODU de qualquer frequência (sendo do mesmo modelo)

20 CABO IF Cabo de 50 ohms com baixa perda Temos os modelos tradicionais: RGC213, LMR400, LMR600, CELLFLEX, ETC... Baixa perda devido a frequência IF (intermediary frequency) na faixa média de 350MHz Suporta longas distâncias e baixas perdas Existem cabos não pressurizados e pressurizados

21 JUMPER É um cabo mais fino e flexível de 50 ohms Serve para ligar o cabo IF no rádio evitando danificar o conector do rádio Possui um conector fêmea/macho de acordo com o rádio Mesma função do pigtail que utilizamos nos rádios da MikroTik

22 KIT DE ATERRAMENTO Os kits de aterramento têm por finalidade drenar a energia de uma descarga, induzida nos cabos coaxiais, para o sistema de aterramento do site. O kit fica em contato direto com o condutor externo do cabo coaxial e faz com que parte da descarga elétrica seja desviada para o terra, facilitando o trabalho dos protetores coaxiais que protegem o equipamento de RF.

23 PADRONIZAÇÃO DO CABO FI

24 PADRONIZAÇÃO DO ISOLAMENTO DO CABO FI Braçadeira de Nylon

25 PADRONIZAÇÃO DOS TERMINAIS ELÉTRICOS Usar alicate para terminais (vendido em lojas de materiais elétricos) Usar os terminais de acordo com os cabos que serão utilizados Existem terminais com buraco duplos e simples

26 FONTE RETIFICADORA Fonte de alimentação profissional para equipamentos de telecomunicações Normalmente padronizada em -48v e/ou 24v Diversas amperagens: 1A a mais de 400A de capacidade Existem modelos com entrada de baterias (função nobreak) e sem entrada de baterias Pode ser ligado a distribuidores DC para suportar diversos equipamentos Há modelos gerenciáveis que monitoram diversos parâmetros, redundantes, etc...

27 LICENCIAMENTOS Rádios Profissionais trabalham com licenciamento. Estes licenciamentos liberam funcionalidade ou fazem upgrade de capacidade por exemplo. Normalmente as licenças não expiram. Em alguns casos é possível adquirir o equipamento com licença demo onde esta libera uma baixa capacidade para realização de testes. Na Ceragon há vários tipos de licenças, o licenciamento é por IDU (multiplique por 2 IDU): TABELA CERAGON IP-10 IDU ACM Enabled (modulação adaptativa) terminal IMP Software 408,37 IP-10 IDU Capacity 50Mbps (capacidade inicial para equipamentos novos) terminal IMP Software 653,40 IP-10 IDU Metro Switch Enabled terminal IMP Software 490,05 IP-10 IDU Enhanced Compression Enabled (Somente para IDU R3) terminal IMP Software 525,05 SW license: Cap Upg Mbps terminal IMP Software 1.143,44 SW license: Cap Upg Mbps terminal IMP Software 1.619,87 SW license: Cap Upg Mbps terminal IMP Software 2.001,02 SW license: Cap Upg Mbps terminal IMP Software 2.668,03 SW license: Cap Upg 50-All terminal IMP Software 3.239,75 *JAN/2014

28 MODULAÇÃO ADAPTATIVA (ACM) A capacidade de alterar dinamicamente entre os vários esquemas de modulação definidos pelo padrão, é uma das mais interessantes características da camada física do Basicamente, a definição da modulação a ser adotada é realizada pelo requisito de taxa de transferência do usuário e pela relação sinal-ruído do enlace. Condições de propagação severas ou enlaces muito longos, requerem esquema de modulação de menos níveis, mais robusto, portanto. Nesse caso, em detrimento de taxa de transmissão, é garantida uma comunicação estável a taxas mais baixas. Esquema BPSK ou QPSK é típico. Quando altas taxas são necessárias e as condições de propagação são favoráveis, usualmente enlaces de curta a média distâncias, esquemas de modulação de alta eficiência espectral são empregados, para garantir taxas elevadas de transmissão. Sempre adquira licenças ou rádios com modulação adaptativa.

29 INSTALAÇÃO KIT básico de ferramentas para instalação de sites e rádios digitais. Há itens que foram considerados para realizar a padronização da documentação também.

30 PORTA RSSI Em telecomunicações, a porta RSSI (received signal strenght indicador indicador de intensidade do sinal recebido) faz a medição da potência recebida pelo radio digital. Em outras palavras, através de um multímetro digital é possível realizar o alinhamento do enlace, apenas com os parâmetros de leitura desta porta. Normalmente o conector é do tipo BNC, porém é possível conectar o multímetro diretamente no conector se não tiver o cabo disponível. Ajustar a escala do multímetro para até 20VDC e comparar com a tabela abaixo (quanto maior a voltagem, melhor o sinal): PORTA RSSI Vende no Mercado Livre R$ 20,00 em média

31 ALINHAMENTO DAS ANTENAS As antenas possuem parafusos para ajuste da longitude/latitude e inclinação Não precisa de notebook Fazer o planejamento prévio com link budget, google maps, gps, etc... Usar suportes e ferramentas apropriadas Usar EPI ASSISTA APARTIR DO MINUTO 15:30

32 CONFIGURAÇÃO Alguns rádios são configurados por linha de comando por SSH/Telnet Alguns rádios precisam de um programa proprietário para habilitar a interface web (Huawei) Rádios da Ceragon possui a interface web habilitada Normalmente possuem vários parâmetros. Em alguns modelos que trabalham com magazine é necessário habilitar cada placa que é adicionada. Não esquecer de consultar os datasheet dos equipamentos Quando possível ou se aplicável solicitar os manuais e softwares de configuração dos rádios digitais Interface Ceragon Interface Huawei

33 INFRAESTRUTURA DE INSTALAÇÃO Trabalhar com infra estrutura apropriada para telecomunicações Não usar suportes e acessórios adaptados, os equipamentos licenciados são mais pesados e robustos e podem cair da torre e inutilizar o equipamento Lembre-se: Equipamento barato = dor de cabeça futura!

34 RACK OUTDOOR / MINI-SHELTER Existem vários modelos, porém alguns são vendidos como shelter ou racks outdoor, mas na verdade são caixas similares a caixas de comando elétricos com ventiladores; Os bons modelos são pesados e construídos com chama de aço reforçado, antivandaslismo e full outdoor. Alguns modelos possuem retificador incorporado, compartimento de baterias, alarmes (abertura de porta, fumaça, inundação, etc...), proteções e muito mais! HUAWEI APM30H+IBBS200D+SKID Alta eficiência com baixo custo. Melhor custo x benefício da categoria

35 CHECK LIST BÁSICO PARA COMPRA DE ENLACE PROFISSIONAL EQUIPAMENTOS MÍNIMOS: 1 PAR DE IDU 1 PAR DE ODU 1 PAR DE ANTENAS 1 PAR DE FONTES RETIFICADORES 2 CABOS IF (COM TAMANHO NECESSÁRIO PARA LIGAR AS ODU+IDU PARA CADA LADO) OUTROS: DEPENDENDO DO RADIO É NECESSÁRIO ADQUIRIR AS PLACAS IF (HUAWEI) DEPENDENDO DO PROJETO É NECESSÁRIO USAR FLEX TWISTER ENTRE A ODU E ANTENA CONSIDERAR TODO SISTEMA DE ATERRAMENTO, INCLUSIVE DO CABO IF CONSIDERAR AS BATERIAS PARA A FONTE RETIFICADORA CONSIDERAR TODO MATERIAL DE ACABAMENTO CONSIDERAR OS SUPORTES POLIMONT OU BASES PARA INSTALAÇÃO DAS ANTENAS CONSIDERAÇÕES: CONSIDERAR TRABALHAR COM TORRES AUTOPORTANTE DIMENCIONANDO O EAV DE ACORDO COM O TAMANHO DAS ANTENAS CONSIDERAR TRABALHAR COM MINI-SHELTER, PARA PROTEÇÃO TOTAL DOS EQUIPAMENTOS, INCLUSIVE CONTRA O FATO DE VANDALISMO E FURTO CONSIDERAR INSTALAÇÃO DE ALARMES REMOTOS (ALARME DE ABERTURA DE PORTAS, INUNDAÇÃO, ETC...) E SISTEMAS DE CFTV DIGITAL COM GRAVAÇÃO REMOTA

36 CHECK LIST BÁSICO PARA INSTALAÇÃO EXTERNO: MONTAR E INSTALAR A INFRAESTRUTURA PARA A ANTENA INSTALAR A ANTENA + ACESSÓRIOS + ODU INSTALAR O CABO DE FI E FAZER O CORRETO ISOLAMENTO INTERNO: INSTALAR A IDU NO RACK E ENERGIA INSTALAR O JUMPER INSTALAR O CABO FI REALIZAR O ATERRAMENTO DO CABO FI E DA IDU CONFIGURAÇÃO: CONFIGURAR O SOFTWARE EM AMBAS IDU ALINHAMENTO DA ANTENA: REALIZAR O ALINHAMENTO ATRAVÉS DA PORTA RSSI COM MULTÍMETRO APERTAR TODOS OS SUPORTES E VERIFICAR TODA A INSTALAÇÃO DOCUMENTAÇÃO: DOCUMENTAR TODO OS PROCEDIMENTOS, INCLUSIVE SALVA O SCRIPT DE CONFIGURAÇÃO, ANOTAR OS PONTOS GPS, RETIRAR FOTOS E ETC... ESCREVER O DOCUMENTO AS BUILT DE CADA SITE

37 Gostou? Achou alguma correção ou mesmo alguma sugestão? Entre em contato comigo! Consultoria, venda de equipamentos e muito mais! DAVID MARCONY CATVBRASIL FUNDADOR DO GRUPO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PS: Alguns fragmentos desta obra, foram retirados de artigos e sites de fabricantes. desde 2011

Rádios Licenciados. O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel.

Rádios Licenciados. O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel. Rádios Licenciados O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel. Qual é a vantagem: 1 Os canais em uso são registrados pela Anatel e a base de

Leia mais

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL Broadband Wireless Access -Visualização da linha de produtos BreezeACCESS VL- Solução completa ponto multiponto para comunicação Wireless em ambiente que não tenha linda de visada direta, utiliza a faixa

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-200

Descritivo Técnico AirMux-200 Multiplexador Wireless Broadband -Visualização da unidade indoor IDU e unidade outdoor ODU com antena integrada- Principais Características Rádio e multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-400

Descritivo Técnico AirMux-400 Multiplexador Wireless Broadband Principais Características Rádio e Multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1 e Ethernet; Opera na faixa de 2.3 a 2.5 Ghz e de 4.8 a 6 Ghz; Tecnologia do radio:

Leia mais

DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS. Especificações Técnicas. Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00.

DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS. Especificações Técnicas. Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00. COMPANHIA ESTADUAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS Especificações Técnicas Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00.058 Cod.

Leia mais

Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless!

Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless! Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless! AirWIRE é um dispositivo versátil para interconexão de equipamentos através de uma rede wireless de alta velocidade

Leia mais

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS 802.11n + NV2 TDMA Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS Nicola Sanchez Engenheiro de Telecomunicações Mikrotik Certified Trainer CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL MIKROTIK CENTRO DE

Leia mais

WLAN WIRELESS STATION. Manual do usuário MAIT0078R00

WLAN WIRELESS STATION. Manual do usuário MAIT0078R00 WIRELESS STATION MAIT0078R00 Manual do usuário 8 1 Especificações Técnicas PQPL-24XX CPE Proeletronic Frequência Ganho VSWR Relação Frente/costa OE/OH Polarização cruzada Impedância PQPL-2412 PQPL-2417

Leia mais

Guia do Usuário. PCtel E1

Guia do Usuário. PCtel E1 Guia do Usuário PCtel E1 Conteúdo Conhecendo o Produto...05 Instalação Física...08 Módulo Supervidor...10 Política de Garantia...12 Aspectos gerais Conhecendo o produto A Pctel desenvolveu uma plataforma

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP 26430 - INST.FED.DE EDUC.,CIENC.E TEC.S.PERNAMBUCANO 158149 - INST.FED.EDUC.CIENC.E TEC.SERTãO PERNAMBUCANO RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - EQUIPAMENTO

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014

RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014 Sabará, 11 de setembro de 2014 RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014 A Prefeitura Municipal de Sabará, por meio da Secretaria Municipal de Administração, resolve, por questões administrativas, retificar

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410. Revisão C

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410. Revisão C ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410 Revisão C SUPERINTENDÊNCIA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA - TI GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

PROJETO DE ENLACE RADIO COMUNICAÇÃO DIGITAL

PROJETO DE ENLACE RADIO COMUNICAÇÃO DIGITAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE LOGÍSTICA E FINANÇAS DIVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA PROJETO DE ENLACE RADIO COMUNICAÇÃO DIGITAL FLORIANÓPOLIS JULHO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25, FASE COM SISTEMA IRRADIANTE

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25, FASE COM SISTEMA IRRADIANTE ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25, FASE COM SISTEMA IRRADIANTE COMPOSIÇÃO DA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25 A estação repetidora digital P25 será composta pelos seguintes equipamentos:

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

1 de 6 25/08/2015 10:22

1 de 6 25/08/2015 10:22 1 de 6 25/08/2015 10:22 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano Termo de Adjudicação

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

HS/SM. Sistema de Rádio Microondas de Montagem Dividida. Características do Produto

HS/SM. Sistema de Rádio Microondas de Montagem Dividida. Características do Produto HS/SM Sistema de Rádio Microondas de Montagem Dividida Hardware Available configurations Default 155 Mbps @ 128 QAM 28 MHz Ch BW Option 310 Mbps @ 128 QAM 56 MHz Ch BW Full Duplex TX + RX 1 + 0 Half Duplex

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Curso Técnico em Informática SUMÁRIO PLACAS DE EXPANSÃO... 3 PLACAS DE VÍDEO... 3 Conectores de Vídeo... 4 PLACAS DE SOM... 6 Canais de Áudio... 7 Resolução das Placas de Som...

Leia mais

extras SOLO Estação Radio Base TETRA

extras SOLO Estação Radio Base TETRA Geyschlaegergasse 14, A-1150 Vienna, Austria, Europe +43/786 12 86-0 extras SOLO Estação Radio Base TETRA Utilidade Pública Indústria Governo Aeroportos Portos Transporte Segurança Pública 3T Communications

Leia mais

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED Aplicações imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, uso interno, para cabeamento horizontal ou secundário, em salas de telecomunicações (cross-connect)

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

GUIA DO CLIENTE VETTI INSTALANDO SEU KIT A-HD

GUIA DO CLIENTE VETTI INSTALANDO SEU KIT A-HD GUIA DO CLIENTE VETTI INSTALANDO SEU KIT A-HD Conteúdo 1. Apresentação... 2 1.1. Opções de Gravação... 2 2. Instalação da câmera... 2 3. Instalando e Configurando CMS VETTI... 3 3.1. Instalando o CMS VETTI...

Leia mais

KIT PROVEDOR COMPACT - MONTAGEM CONFIGURAÇÃO BÁSICA

KIT PROVEDOR COMPACT - MONTAGEM CONFIGURAÇÃO BÁSICA KIT PROVEDOR COMPACT - MONTAGEM CONFIGURAÇÃO BÁSICA 1 Parabéns, você acaba de adquirir o equipamento mais avançado e de melhor relação custo/ benefício do mercado para compartilhamento de Internet via

Leia mais

INTRODUÇÃO... 2 TRANSMISSÃO DE SINAL DE VÍDEO SOBRE CABO UTP... 3 TIPOS DE CONVERSORES DE VÍDEO (BALUNS)... 3 DÚVIDAS FREQUENTES...

INTRODUÇÃO... 2 TRANSMISSÃO DE SINAL DE VÍDEO SOBRE CABO UTP... 3 TIPOS DE CONVERSORES DE VÍDEO (BALUNS)... 3 DÚVIDAS FREQUENTES... INTRODUÇÃO... 2 TRANSMISSÃO DE SINAL DE VÍDEO SOBRE CABO UTP... 3 TIPOS DE CONVERSORES DE VÍDEO (BALUNS)... 3 PASSIVOS... 3 ATIVOS... 3 BALUN ATIVO COM PASSIVO... 4 DIAGRAMA DE INSTALAÇÃO... 4 DISTÂNCIAS

Leia mais

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas Página: 2 / 5 Telemetria para Medição de Consumo Introdução Este documento apresenta as características técnicas da solução de telemetria do consumo de água, gás e energia (e outros medidores com saída

Leia mais

Agregação de enlace ethernet e balanceamento de carga

Agregação de enlace ethernet e balanceamento de carga Agregação de enlace ethernet e balanceamento de carga Sobre LAG na terminologia ethernet: Agregação de enlace (link aggregation), balanceamento de carga (load balancing), ligação de enlace (link bonding)

Leia mais

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc Sumário: 1. Pré-requisitos de instalação física e lógica do Sisloc... 3 Servidores de Dados... 3 Servidores de Aplicação (Terminal Service)... 3

Leia mais

Manual do Usuário. Antena Painel Outdoor 65-806 a 960MHz - 17 dbi Downtilt Ajustável ANT040009

Manual do Usuário. Antena Painel Outdoor 65-806 a 960MHz - 17 dbi Downtilt Ajustável ANT040009 Manual do Usuário Antena Painel Outdoor 65-806 a 960MHz - 17 i Downtilt Ajustável ANT040009 Este Manual Aplica- se Somente ao Produto que o Acompanha Índice Pag. 1 - Informações Gerais...2 1.1 - Apresentação...2

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas Antenas Parabólicas Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possui um alto ganho. Uma antena receptora de satélites de 3 metros de diâmetro, por exemplo, tem um ganho de 33dB, ou seja,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Profº Alexsandro M. Carneiro alexsandro@ucdb.br Bacharelado em Sistemas de Informação AULA 06 Bacharelado em Sistemas de Informação UCBD SG - 2005 Tópicos Abordados Camada Física:

Leia mais

Alarme Conteúdo Detalhado:

Alarme Conteúdo Detalhado: 1 PRÉ REQUISITO: Alarme Conteúdo Detalhado: Ter interesse e disponibilidade para aprender conceitos teóricos e práticos em sistemas de alarme com ou sem monitoramento, cerca elétrica e sensores IVA (barreira

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

OLIVEIRA BRUNO RELATÓRIO TÉCNICO

OLIVEIRA BRUNO RELATÓRIO TÉCNICO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática PAOLA OLIVEIRA BRUNO RELATÓRIO TÉCNICO

Leia mais

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do SISLOC

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do SISLOC Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do SISLOC Sumário Pré-Requisitos de Instalação Física e Lógica do SISLOC...3 Servidores de Dados...3 Servidores de Aplicação (Terminal Service)...3 Estações

Leia mais

Orientações para implantação e uso de redes sem fio

Orientações para implantação e uso de redes sem fio Orientações para implantação e uso de redes sem fio Define requisitos e orientações técnicas para implantação e uso de redes sem fio na Universidade Estadual de Campinas. I. Introdução Este documento apresenta

Leia mais

Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo

Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo Outras apostilas em: www.projetoderedes.com.br Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo Redes Wireless estão em franco crescimento. Novas redes são implementadas, com soluções mais rápidas, abrangentes

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

Manual de Instalação IREC100 1.5

Manual de Instalação IREC100 1.5 Manual de Instalação IREC100 1.5 Este documento consiste em 16 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Julho de 2009. Impresso no Brasil. Sujeito a alterações técnicas. A reprodução

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO

Leia mais

Guia DFEE-500 para sistema operacional Windows XP

Guia DFEE-500 para sistema operacional Windows XP Guia DFEE-500 para sistema operacional Windows XP O Express Fast Net x5 Kit da D-Link permitirá que você conecte seu escritório em rede (até 5 usuários) para compartilhar recursos, arquivos e dispositivos,

Leia mais

Balanceado X Não-Balanceado

Balanceado X Não-Balanceado Page 1 of 5 Balanceado X Não-Balanceado Informação técnica para usuários de produtos de áudio profissional da Yamaha Conexões não-balanceadas empregam dois condutores: um no potencial do aterramento e

Leia mais

Link Budget. TE155-Redes de Acesso sem Fios

Link Budget. TE155-Redes de Acesso sem Fios Cálculo de perdas e ganhos nas instalações físicas Link Budget ( Contabilidade do Link) Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br

Leia mais

OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA

OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA MANUAL DO USUÁRIO OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA JUL / 05 OPT-700 VERSÃO 1 TM FOUNDATION O P T 7 0 0 M P smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem

Leia mais

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital Sistema de rádio bidirecional digital profissional Mude para digital Por que o rádio bidirecional digital? Mais capacidade do sistema Melhor Produtividade Excelente desempenho em comunicações bidirecionais

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP.

Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP. Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP. VANTAGENS DAS SOLUÇÕES DE VIGILÂNCIA DIGITAL IP É verdade que o custo de aquisição das câmeras digitais IP, é maior que o custo de aquisição das câmeras

Leia mais

GUIA DO CLIENTE VETTI INSTALANDO SEU KIT IP-Onvif 720P

GUIA DO CLIENTE VETTI INSTALANDO SEU KIT IP-Onvif 720P GUIA DO CLIENTE VETTI INSTALANDO SEU KIT IP-Onvif 720P Conteúdo 1. Apresentação... Erro! Indicador não definido. 1.1. Opções de Gravação... Erro! Indicador não definido. 2. Instalação da câmera IP-Onvif

Leia mais

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá 1. ALTA RESOLUÇÃO Câmeras baseadas em IP não estão restritas à baixa resolução das câmeras

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO CENTRAIS DE ALARMES O presente memorial tem por objetivo descrever as instalações do sistema de proteção

Leia mais

REDE FAST. Descrição:

REDE FAST. Descrição: REDE FAST Desenvolvido com o propósito de inovar o sistema de rede cabeada UTP tradicional que trabalha com tensão em toda a extensão do backbone, para uma solução que é alimentada pelo sistema de POE

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Manual do Usuário. ccntelecom.com.br

Manual do Usuário. ccntelecom.com.br Manual do Usuário ccntelecom.com.br PD-FIBER (1 Gbps, 7 Ramais/Clientes) O PD-FIBER é um equipamento constituído de uma placa que concentra alguns produtos já conceituados da CCN Telecom, de forma a reduzir

Leia mais

- SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ENXOVAL HOSPITALAR - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS

- SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ENXOVAL HOSPITALAR - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS - SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ENXOVAL HOSPITALAR - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS I - Aspectos gerais: 1. Sistema eletrônico para gestão e rastreamento do enxoval hospitalar, composto por etiquetas dotadas

Leia mais

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência Pregão Conjunto nº 27/2007 VIDEOCONFERÊNCIA ANEXO I Termo de Referência Índice 1. Objetivo...3 2. Requisitos técnicos e funcionais...3 2.1.

Leia mais

Aula 5 Infraestrutura Elétrica

Aula 5 Infraestrutura Elétrica Aula 5 Infraestrutura Elétrica Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Ruído Elétrico Os problemas de energia elétrica são as maiores causas de defeitos no hardware das redes de computadores e conseqüente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 6

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 6 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 6 Índice 1. MEIOS FÍSICOS DE TRANSMISSÃO (PAR TRANÇADO)...3 1.1 Cabo coaxial... 3 2 1. MEIOS FÍSICOS DE TRANSMISSÃO (PAR TRANÇADO) Em um projeto de redes,

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

SpinCom Telecom & Informática

SpinCom Telecom & Informática Rastreador GPS/GSM modelo Com as fortes demandas por segurança e gestão de frota, a SpinCom, acaba de lançar o rastreador GPS/GSM modelo. O rastreador é indicado para aplicações de rastreamento de automóveis,

Leia mais

CGW-PX1 Gateway SIP GSM

CGW-PX1 Gateway SIP GSM Interface de conexão SIP entre PABX e rede Celular Interconecte seu PABX ou Switch SIP com a rede celular GSM O gateway CGW-PX1 é um dispositivo que interconecta seu PABX ou switch de voz com as redes

Leia mais

Microwave Wireless Telecom www.microwavetec.com.br

Microwave Wireless Telecom www.microwavetec.com.br Agenda Discussão sobre os padrões Wi-Fi Mikrotik Wireless Tools Throughput real do padrão Wi-Fi Redes PTP e PTMP Nstreme x CSMA/CA Nstreme2 Wi-Fi 802.11 a,b,g,n Padrões desenvolvidos para redes locais

Leia mais

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo.

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Desafios da vigilância por vídeo hoje O mercado de vigilância por vídeo está crescendo, impulsionado por preocupações de segurança

Leia mais

Expansores de transmissão por Ethernet via cabo de cobre

Expansores de transmissão por Ethernet via cabo de cobre Expansores de transmissão por Ethernet via cabo de cobre Transmissão por Ethernet via cabo coaxial ou cabo Cat5 existente CopperLine é uma tecnologia avançada e exclusiva que expande redes de transmissão

Leia mais

Plano Plurianual da Distribuição. Turn Key 1. Dados e Informações para Projeto sobre as. SE S Esmeraldas e Jaboticatubas

Plano Plurianual da Distribuição. Turn Key 1. Dados e Informações para Projeto sobre as. SE S Esmeraldas e Jaboticatubas Doc. TC 00267/2009 SUPERINTENDÊNCIA DE TELECOMUNICAÇÕES GERÊNCIA DE MANUTENÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES Plano Plurianual da Distribuição Turn Key 1 Dados e Informações para Projeto sobre

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA

GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA 5dBi BIVOLT Roteador Wireless 150 Mbps GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA CÓD.: 6813-0 1. Introdução: O Roteador Wireless 150 Mbps, modelo GWR-110 é um dispositivo que combina redes com/sem fio e foi projetado

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 6 Cabeamento Residencial Cabeamento residencial Sistema que integra os serviços de telecomunicações em uma residência: Rede local de computadores, acesso à internet, controle

Leia mais

Controle Remoto AFT-RCT-TRM6

Controle Remoto AFT-RCT-TRM6 Folha 01 de 08 Agência Nacional de Telecomunicações 1636-14-5663 7898911715990 PRODUTO NACIONAL APLICAÇÃO O C o n t r o l e R e m o t o A l f a t r o n i c A F T - R C T - TRM6(Transmissor e Receptor)

Leia mais

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos)

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos.

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

WirelessHART Manager

WirelessHART Manager Descrição do Produto O uso de tecnologias de comunicação de dados sem fio em sistemas de automação industrial é uma tendência em crescente expansão. As vantagens do uso de tecnologia sem fio são inúmeras

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

Montagem de cabo coaxial digital

Montagem de cabo coaxial digital Montagem de cabo coaxial digital No Módulo 2 de nosso curso discutimos as vantagens e desvantagens de técnicas de montagem utilizando solda ou processo de crimpagem. Na ocasião, todos os presentes puderam

Leia mais

STATUS CHECK. Visão Geral do Produto

STATUS CHECK. Visão Geral do Produto STATUS CHECK Visão Geral do Produto Soluções em Monitoramento da Condição Sistema StatusCheck 2.4GHz 2 Visão Geral do Sistema StatusCheck : O Status Check monitora os parâmetros de vibração e temperatura

Leia mais

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos)

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2)

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) A largura de banda,, em termos gerais, indica a quantidade máxima de dados que podem trafegar no meio em um determinado momento. É medida em bps (bits

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez Advanced Wireless Networks Overview & Configuration Workshop by Nicola Sanchez Microwave Wireless Telecom - Brasil Distribuidor Mikrotik no Brasil Fornecedor de Soluções em Redes Wireless Consultoria e

Leia mais

REDE CABEADA CFTV MANUAL DO USUÁRIO

REDE CABEADA CFTV MANUAL DO USUÁRIO REDE CABEADA CFTV MANUAL DO USUÁRIO Sumário Página 4: Quadro completo Disjuntores Transformador isolador Protetor elétrico Fonte primária VT CFTV Funcionalidades Baterias Página 6: Ponto de distribuição

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira Cabo Coaxial COMPOSTO POR: Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

Linhas de transmissão

Linhas de transmissão Linhas de transmissão 1 - Introdução Linha de transmissão é um termo genérico utilizado para referenciar qualquer tipo de meio físico construído para transmissões de sinais elétricos ou óticos. No setor

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

DESEMBALANDO A IPCAM SECURE300R

DESEMBALANDO A IPCAM SECURE300R Símbolo para Coleta Separada nos Países Europeus Este símbolo indica que este produto deve ser coletado separadamente. O que segue se aplica somente a usuários em países da Europa: Este produto está designado

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO A presente licitação tem como objeto a contratação de empresa, especializada e devidamente autorizada pela ANATEL - Agência Nacional de Telecomunicações, prestadora

Leia mais

Parte II: Projeto Executivo de Implantação

Parte II: Projeto Executivo de Implantação Parte II: Projeto Executivo de Implantação IMPLANTAÇÃO DE CLUSTER PARA ATENDIMENTO À REDE INTELIG COM SOLUÇÃO MOTOROLA/CANOPY REVISÃO DO DOCUMENTO: DATA DA REVISÃO RESPONSÁVEL REVISÃO 7/02/ Gleice Guimarães

Leia mais

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio Transmissor de áudio e vídeo sem fio Manual de operação Índice I. Introdução... 1 II. Informações de segurança... 1 III. Especificações... 1 IV. Instruções de instalação... 2 1. Opções de posicionamento...

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PQWS-5817M

MANUAL DE INSTRUÇÕES PQWS-5817M MANUAL DE INSTRUÇÕES PQWS-5817M Parabéns, você acaba de fazer uma excelente escolha adquirindo um produto com a qualidade e a garantia PROELETRONIC. Esta CPE emprega tecnologia de ponta em hardware e software

Leia mais