Medição de um Multímetro Digital 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Medição de um Multímetro Digital 2013"

Transcrição

1 Ensaio de Aptidão Medição de um Multímetro Digital 2013 Programa de Execução

2 Índice 1. Introdução Objetivos Entidades Envolvidas e Funções Procedimento Regras de Realização Descrição da Amostra para Ensaio Transporte Seguro Manuseamento do Equipamento Procedimento de Medição Incerteza de Medição Resultados Preenchimento e Envio de Resultados Exclusões Correção dos Resultados Tratamento Estatístico Avaliação de Desempenho Conteúdo do Relatório Final Regras de Confidencialidade Calendário Reclamações e Sugestões Custos Fontes de Custo Custos de Participação Considerações Finais Referências Registo de Alterações Anexos Ficha de Inscrição /16

3 1. Introdução Os Ensaios de Aptidão nacionais têm como objetivo avaliar as capacidades de medição e calibração dos laboratórios nacionais, estruturando assim a cadeia hierarquizada de padrões. O Laboratório de Medidas Elétricas do Laboratório Nacional de Metrologia (LNM) do IPQ, em cooperação com a RELACRE, identificou vários ensaios no domínio da Eletricidade, a realizar em 2013, em que se inclui o presente Ensaio de Aptidão. 2. Objetivos O principal objetivo deste Ensaio de Aptidão consiste na demonstração da equivalência dos resultados e dos procedimentos de medição utilizados pelos diferentes laboratórios nacionais, acreditados ou não, para a realização da calibração no domínio das grandezas contínuas (tensão, resistência e corrente) e alternadas (tensão e corrente). O LME do IPQ atuará como Entidade Técnica Responsável nesta comparação, efetuando a caracterização do equipamento circulante e as medições de referência, o protocolo de medição, a receção dos resultados dos laboratórios participantes, bem como a respetiva avaliação e a emissão do relatório técnico. 3. Entidades Envolvidas e Funções O Ensaio de Aptidão envolve as seguintes entidades: Entidades Promotoras: RELACRE e IPQ Coordenação do Ensaio de Aptidão: Gestão e Organização: Cláudia Silva RELACRE Responsabilidade Técnica: Isabel Godinho/Luís Ribeiro LME/IPQ Tratamento Estatístico: Isabel Godinho/Luís Ribeiro LME/IPQ Laboratórios participantes 4. Procedimento 4.1 Regras de Realização Para a realização do Ensaio de Aptidão, será seguida a seguinte metodologia: a) O equipamento circulante será transferido entre os Laboratórios Participantes, de acordo com um programa de participação sequencial e mediante um planeamento a efetuar pela RELACRE; b) As medições serão efetuadas nas instalações do Laboratório Participante, de acordo com o seu procedimento, seja ele acreditado ou a acreditar; c) Cada laboratório dispõe, no máximo, de 9 dias úteis para a realização das medições e deverá considerar o 10.º dia útil para o transporte do equipamento até ao Laboratório seguinte; 3/16

4 d) A RELACRE será responsável pelo transporte do equipamento circulante entre os Laboratórios Participantes. 4.2 Descrição da Amostra para Ensaio Será utilizado como equipamento circulante um Multímetro Digital de 8½ dígitos, da marca Agilent, modelo 3458A, n.º de série MY Transporte Para efeitos de transporte, o equipamento circulante será acondicionado/embalado em caixa própria fornecida pelo Laboratório de Referência (LME/IPQ). Após a utilização do equipamento, cada Laboratório Participante obriga-se a proceder à sua embalagem na caixa fornecida, para posterior transporte, e é responsável pela sua segurança durante a permanência deste nas suas instalações. A RELACRE procurará garantir as adequadas condições de transporte entre Laboratórios Participantes e/ou Laboratório de Referência. 4.4 Seguro O seguro para eventuais perdas ou danos que o equipamento circulante possa sofrer durante o seu transporte será assegurado pela RELACRE. A RELACRE e o IPQ não se responsabilizam por quaisquer danos que possam ocorrer aquando do manuseamento do equipamento pelo laboratório, os quais deverão ser assumidos pela entidade em que tal situação anómala ocorra. É da responsabilidade de cada Laboratório Participante a contratação do seguro que considere adequado à cobertura de perdas ou danos que possam ocorrer durante o período de realização da calibração e a permanência do equipamento nas suas instalações. 4.5 Manuseamento do Equipamento Após a receção da embalagem pelo laboratório participante, o equipamento circulante deve ser inspecionado para verificação da existência de quaisquer danos. Qualquer estrago observado deve ser comunicado de imediato ao à RELACRE e ao IPQ e, para efeitos de conhecimento e de tomada de decisão, se aplicável. A RELACRE e o IPQ deverão ser sempre informados por logo que o equipamento circulante seja rececionado, utilizando o modelo do Anexo 2. 4/16

5 4.6 Procedimento de Medição O método de medição a utilizar por cada um dos Laboratórios Participantes deverá ser o que é habitualmente utilizado para a calibração dos seus padrões de referência e ao nível das suas melhores capacidades de medição. Deverá ser utilizado o painel frontal do equipamento circulante (figura 1). Figura 1 Painel frontal do multímetro digital Agilent, modelo 3458A. O equipamento circulante deverá ser utilizado para a medição das grandezas e pontos indicados na Tabela 1, à temperatura ambiente de 23 C. Deverá ser sempre selecionado o intervalo de medição mais adequado para cada caso. Deverão ser respeitadas as seguintes operações preliminares: Realizar uma inspeção visual ao equipamento circulante aquando da sua receção, de modo a detetar qualquer anomalia no seu transporte; Enviar devidamente preenchido o Anexo 2 Confirmação da receção do equipamento circulante para a RELACRE; Respeitar um período de pelo menos 4 horas de aquecimento após a ligação do equipamento circulante à rede de alimentação (230 V 50 Hz); Verificar o correto estado de funcionamento do equipamento circulante através da realização da operação interna de self-test pela sequência de teclas [ blue ] -» [ TEST ]. Qualquer mensagem diferente de SELF TEST PASSED deverá ser de imediato reportada ao Laboratório de referência; Proceder à realização das medições, nos pontos e com as condições de configuração definidos na tabela 1, indicando os erros determinados e respetivas incertezas associadas; Durante o período de permanência do equipamento nas instalações do laboratório, deverá ser realizado uma vez o procedimento completo de Auto Calibração: [ ACAL ] -» ALL [ ENTER ]. De modo a possibilitar a melhor comparação dos resultados e a determinar os respetivos graus de equivalência, solicita-se que todos os participantes utilizem as condições de medição indicadas na tabela 1. Para facilitar o manuseamento do equipamento circulante, foi selecionada a condição que resulta do estado de POWER ON / RESET, para todas as medições, exceto no que respeita aos tempos de integração, tendo sido programadas as seguintes teclas de função, para conveniência dos participantes: 5/16

6 f0 MATH NULL ON f1 MATH OFF f2 NPLC 100; NDIG 8 f3 SETAVC SYNC Grandeza Tensão DC Tensão AC Synchronous Corrente DC Corrente AC Resistência DC 4 fios, OCOMP ON, AZERO ON Configuração RESET Seleção da grandeza NPLC 100 NDIGS máx. p/ cada intervalo medição MANUAL RANGE Intervalo de medição Ponto de medição 100 mv 100 mv 10 V 10 V 10 V 3 V Hz 10 V 10 V khz 1 ma 1 ma 100 ma 100 ma 10 ma 10 ma - 50 Hz 10 ma 10 ma - 1 khz k 10 k Tabela 1 Grandezas e pontos de medição. Salienta-se, no entanto, que a utilização de outras parametrizações adicionais a utilizar para cada uma das funções de medida, bem como os respetivos tempos de estabilização, deverão estar de acordo com os procedimentos de cada participante de modo a atingir as melhores incertezas pretendidas. Não deverão ser utilizadas quaisquer outras parametrizações, nomeadamente a utilização de filtros. A função MATH NULL ON deverá ser apenas utilizada para as grandezas contínuas. O Laboratório de Referência executará a caracterização e calibração do Padrão-viajante no início e no fim da circulação. Se o número de Laboratórios Participantes for maior do que 6, o Padrão deverá ser submetido a calibração intermédia. 4.7 Incerteza de Medição A determinação da incerteza da medição deve ser efetuada de acordo com a metodologia do documentos Guide to the Expression of Uncertainty in Measurement (GUM) - Evaluation of measurement data, Joint Committee for Guides in Metrology, JCGM 100, /16

7 5. Resultados 5.1 Preenchimento e Envio de Resultados A emissão dos resultados por cada Laboratório Participante deverá ser realizada em conformidade com a metodologia utilizada no âmbito da sua Acreditação e dar origem ao respetivo Certificado de Calibração. A descrição sucinta do método de medição e dos padrões de referência utilizados, bem como a síntese dos resultados e a avaliação da incerteza de medição devem ser registados utilizando o Anexo 3 - Resultados da Medição do Multímetro Digital. O Quadro 3 deste Anexo (Estimativa da Incerteza de Medição), deverá indicar explicitamente as componentes da incerteza, associadas às grandezas de entrada para o modelo de medição utilizado, incluindo as componentes aleatórias e sistemáticas, bem como as componentes associadas a correções e valores atribuídos a padrões e/ou instrumentação de medição. O Laboratório Participante deverá enviar a Estimativa da Incerteza de Medição para cada ponto de medição. O Anexo 3 será disponibilizado a todos os Laboratórios Participantes, em formato Excel, de modo a facilitar o seu preenchimento. Os Laboratórios Participantes deverão enviar o Anexo 3 e o Certificado de Calibração emitido, no prazo máximo de 2 semanas após a realização das medições para a RELACRE Paralelamente, o Laboratório Participante deverá enviar também para a RELACRE, por correio, uma versão IMPRESSA e VALIDADA do Certificado. Não haverá discussão dos valores apresentados pelos diferentes Laboratórios Participantes antes do final do ensaio de aptidão, exceto em caso de discrepância significativa e relevante em relação aos valores de referência. Neste último caso, o laboratório será contactado. 5.2 Exclusões Os prazos de envio de resultados deverão ser respeitados, contudo nos casos em que os resultados sejam enviados fora do prazo estipulado, sem aviso prévio à RELACRE, não será garantida a inclusão dos mesmos no relatório final. 5.3 Correção dos Resultados Apenas serão aceites correções de resultados desde que feitas por escrito e dentro do prazo para envio de resultados. 6. Tratamento Estatístico 6.1 Avaliação de Desempenho A avaliação da conformidade e do desempenho dos laboratórios participantes será determinada através da determinação do erro normalizado E n : 7/16

8 E n V U Lab 2 Lab V Re f U 2 Re f sendo: V Ref = Valor de Referência; V Lab = Valor do Laboratório Participante; U Ref = Incerteza expandida do Laboratório de Referência; U Lab = Incerteza expandida do Laboratório Participante. Os resultados obtidos são considerados Satisfatórios para E n 1,0 e Insatisfatórios para E n > 1, Conteúdo do Relatório Final O Relatório Final contemplará, entre outra informação: A descrição e a caracterização do equipamento circulante; Uma tabela com a indicação do esquema de circulação utilizado; Uma tabela com os resultados obtidos pelos laboratórios participantes, bem como o valor de referência atribuído e respetivas incertezas de medição; A representação gráfica dos valores dos laboratórios participantes (codificados) e do valor de referência e respetivas incertezas de medição; A representação do erro normalizado de cada laboratório participante E n ; Conclusões. No mês seguinte à conclusão da circulação e calibração final do equipamento circulante, será disponibilizada, a todos os Laboratórios Participantes, a primeira versão do Relatório Final (Draft) para comentários. Após a receção de possíveis comentários, durante um prazo máximo de duas semanas, será convocada uma reunião para a análise e discussão do Relatório e agendamento de novos ensaios e metodologias de suporte. Após esta reunião o LME/IPQ elaborará o Relatório Final. 7. Regras de Confidencialidade Para assegurar que os resultados de cada participante são apenas conhecidos pelo próprio, será atribuído, pela RELACRE, um código alfanumérico que acompanhará o Relatório. A divulgação pública dos códigos apenas será permitida com o acordo escrito de todos os participantes e organizadores. O laboratório deverá assinalar com uma cruz na respetiva Ficha de Inscrição de que não autoriza, a cedência do código ao IPAC, por parte da RELACRE. Caso contrário a RELACRE reserva-se ao direito de ceder o código do laboratório participante ao IPAC sempre que este o solicite. 8/16

9 8. Calendário Como orientação, junta-se em anexo o Calendário de suporte ao planeamento do Ensaio de Aptidão, onde estão definidas as fases, responsabilidades e os períodos estabelecidos para cada uma das fases (Anexo 1). 9. Reclamações e Sugestões É política das entidades organizadoras promover a melhoria contínua dos seus serviços, visando contribuir para a melhoria técnica dos Laboratórios Participantes. Deste modo, incentiva-se o envio de comentários e/ou sugestões de melhoria. A RELACRE compromete-se também a prestar a devida atenção a qualquer insatisfação ou reclamação que lhe seja dirigida, a qual será analisada atempadamente e originará uma resposta a enviar no prazo de um mês após a sua receção. 10. Custos 10.1 Fontes de Custo As fontes de custo são: Gestão Técnica e Administrativa do projeto; Preparação e calibração do equipamento circulante; Gestão e análise estatística dos resultados e elaboração do relatório Final; Despesas de transporte do equipamento circulante, incluindo o respetivo seguro; Reunião Final Custos de Participação A inscrição no ensaio deve ser feita através do preenchimento da Ficha de Inscrição em anexo (Anexo 4). Deverão ser seguidas/cumpridas as seguintes condições: As inscrições só são consideradas válidas mediante o pagamento prévio à data da realização do Ensaio. As inscrições e desistências devem ser efetuada por escrito, via fax. No caso de se verificar a existência de dívidas em atraso, a inscrição poderá ainda ficar condicionada até que se verifique o pagamento das mesmas. A RELACRE reserva-se o direito de cancelar ou adiar a realização do ensaio, caso o número de inscritos seja insuficiente. Em caso de desistência fora do prazo ou não entrega dos resultados, haverá lugar a uma retenção de 40% do preço de inscrição em compensação das despesas administrativas efetuada e prejuízos sofridos por cancelamento de última hora. 9/16

10 Por motivos de logística interna agradecemos que os prazos de Inscrição especificados sejam cumpridos, sob pena de penalização de uma faturação adicional de 25,00 euros, em compensação das despesas administrativas e prejuízos sofridos por inscrição fora do prazo. É obrigatório o envio em anexo da requisição ou nota de encomenda sempre que aplicável. Cada laboratório participante deve ser responsável pelos próprios custos de medição. Em caso de interrupção do Ensaio de Aptidão por avaria do equipamento padrão originada ou por uso inadequado, ainda que involuntário, ou por qualquer outro motivo alheio aos participantes ou entidades organizadoras, não haverá lugar a reembolso aos participantes nem serão assumidos quaisquer custos adicionais aos inicialmente previstos pelas entidades organizadoras. Caso as entidades organizadoras optem pela repetição do exercício, serão da exclusiva responsabilidade dos participantes todos os custos implicados. 11. Considerações Finais Caso necessário, e por acordo entre as entidades envolvidas, este Programa de Execução pode ser modificado e/ou mais específico nos ensaios posteriores. 12. Referências Evaluation of measurement data Guide to the Expression of Uncertainty in Measurement (GUM), Joint Committee for Guides in Metrology, BIPM - JCGM 100, 2008; ISO/IEC 17043:2010 Conformity assessment - General requirements for proficiency testing; ISO 13528:2005 Statistical methods for use in proficiency testing by interlaboratory comparisons. NP EN ISO/IEC 17025:2005 Requisitos gerais de competência para laboratórios de ensaio e calibração; 13. Registo de Alterações Edição Data Revisão ª Edição do Programa de Execução de Ensaios de Aptidão de Medição de um Multímetro Digital ª Edição do Programa de Execução de Ensaios de Aptidão de Medição de um Multímetro Digital Atualização do Calendário Medição de um Multímetro Digital Atualização /Clarificação da parametrização de medida. 10/16

11 14. Anexos Anexo 1 Calendário Anexo 2 Confirmação da Receção Anexo 3 Resultados da Medição Anexo 4 Ficha de Inscrição 11/16

12 Anexo 1 Calendário Medição de um Multímetro Digital 2013 Ação Caracterização Inicial do Multímetro Digital Responsabilidade novembro dezembro a março março abril a junho julho agosto setembro Semanas LME/IPQ Realização das Medições pelos laboratórios (*) Caracterização Intermédia do Multímetro Digital Realização das Medições pelos laboratórios (*) LABORATÓRIOS LME/IPQ LABORATÓRIOS Envio de Resultados LABORATÓRIOS Caracterização Final do Multímetro Digital / Análise Estatística LME/IPQ Envio do Relatório Draft RELACRE Receção dos Comentários ao Draft Discussão de Resultados e Elaboração do Relatório Final RELACRE e LME/IPQ RELACRE, LME/IPQ E LABORATÓRIOS (*) Após conclusão do prazo limite de inscrição, os Laboratórios serão informados do período em que vão realizar as medições. Nota: Este calendário poderá sofrer alterações, em função do número de participantes inscritos, sendo garantida a sua atualização. 12/16

13 Anexo 2 Confirmação da Receção Multímetro Digital 2013 To: Isabel Godinho / Luís Ribeiro Instituto Português da Qualidade Rua António Gião, 2 To: Raquel Candeias RELACRE Rua Filipe Folque, nº 2, 6º Dto CAPARICA Lisboa Tel.: Tel: Fax: Fax: ou De: ( ) (Laboratório participante) Confirmamos a receção do padrão-viajante correspondente ao Ensaio de Aptidão de Medição de um Multímetro Digital em (data) Após inspeção visual: Não se regista qualquer outro dano. Devem ser assinalados os seguintes danos: Data: Assinatura:... 13/16

14 Anexo 3 Resultados da Medição de um Multímetro Digital 2013 Laboratório Participante: N.º de Acreditação: Data da Calibração: Resultados: Usar o Quadro 1 Breve descrição do método de medição utilizado, identificando os respetivos Padrões de Referência (designação, características, rastreabilidade) no Quadro 2: Breve descrição da metodologia usada na determinação da incerteza expandida: Identificação das principais componentes de incerteza consideradas: Usar Quadro 3, para cada intervalo de medição. Data: Técnico Responsável: 14/16

15 Anexo 3 (Continuação) Grandeza Configuração Intervalo de Medição Ponto de Medição Quadro 1 N.º Medições Leitura U* MIA* Obs. Tensão DC 100 mv 100 mv 10 V 10 V Tensão AC 10 V 3 V Hz 10 V khz Corrente DC 1 ma 1 ma 100 ma 100 ma Corrente AC 10 ma 10 ma - 50 Hz 10 ma - 1 khz Resistência k 10 k - Erro apresentado pelo equipamento em calibração U - Incerteza de medição determinada MIA - Melhor incerteza acreditada Quadro 2 Padrão de Referência Marca Modelo Rastreabilidade Fonte de incerteza Estimativa do Valor Processo de avaliação Quadro 3 Estimativa da Incerteza de Medição Tipo de avaliação (A ou B) / Distribuição) Incertezapadrão u(x i ) Coef. sensibilidade (c i ) Componente quadrática (c i.u(x i )) 2 N.º de graus de liberdade i Incerteza-padrão combinada, u c (y) = Fator de expansão k = Incerteza expandida, U = eff = Data:. Técnico Responsável:... 15/16

16 Anexo 4- Ficha de Inscrição Ensaio de Aptidão: Medição de um Multímetro Digital 2013 Dados Entidade: Nome: Responsável Ensaio: Morada: Telefone: Fax: Dados para a Emissão da Fatura: Designação/Nome: Nº contribuinte: Morada: Cheque emitido à ordem da RELACRE Transf. Bancária ( ) Inscrição: Enviar para o fax Data de Limite de Inscrição Data de Limite de Desistência 17 de julho de de julho de 2013 Associados RELACRE 500,00 + IVA (à taxa legal em vigor) Não Associados RELACRE 590,00 + IVA (à taxa legal em vigor) Condições de Inscrição: As inscrições só são consideradas válidas mediante o pagamento prévio à data da realização do Ensaio. As inscrições e desistências devem ser efetuada por escrito, via fax. No caso de se verificar a existência de dívidas em atraso, a inscrição poderá ainda ficar condicionada até que se verifique o pagamento das mesmas. A RELACRE reserva-se o direito de cancelar ou adiar a realização do ensaio, caso o número de inscritos seja insuficiente. Em caso de desistência fora do prazo ou não entrega dos resultados, haverá lugar a uma retenção de 40% do preço de inscrição em compensação das despesas administrativas efetuada e prejuízos sofridos por cancelamento de última hora. Por motivos de logística interna agradecemos que os prazos de Inscrição especificados sejam cumpridos, sob pena de penalização de uma faturação adicional de 25,00 euros, em compensação das despesas administrativas e prejuízos sofridos por inscrição fora do prazo. É obrigatório o envio em anexo da requisição ou nota de encomenda sempre que aplicável. Responsável pelo Ensaio: Não autorizo a cedência do código do meu laboratório ao IPAC Departamento/Direção Nome/Assinatura Data 16/16

Ensaio de Aptidão. Calibração de uma Micropipeta Variável 2014. Programa de Execução. Ref: EAp/CL-MIC/1-2014 Ed: 01 Data: 2014-07-03

Ensaio de Aptidão. Calibração de uma Micropipeta Variável 2014. Programa de Execução. Ref: EAp/CL-MIC/1-2014 Ed: 01 Data: 2014-07-03 Ensaio de Aptidão Calibração de uma Micropipeta Variável 2014 Programa de Execução Índice 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Entidades Envolvidas e Funções... 3 4. Procedimento... 3 4.1 Regras de

Leia mais

Emissões Gasosas 2014

Emissões Gasosas 2014 Ensaio de Aptidão Emissões Gasosas 2014 Misturas Gasosas de Propano em Nitrogénio Programa de Execução Índice 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Entidades Envolvidas e Funções... 3 4. Procedimento...

Leia mais

Ensaio de Aptidão. Ensaios Não Destrutivos. Partículas Magnéticas Medição de Espessuras. Programa de Execução

Ensaio de Aptidão. Ensaios Não Destrutivos. Partículas Magnéticas Medição de Espessuras. Programa de Execução Ensaio de Aptidão Ensaios Não Destrutivos Partículas Magnéticas Medição de Espessuras 2015 Programa de Execução Índice 1 Introdução... 3 2 Objetivos... 3 3 Entidades Envolvidas e Funções... 3 4 Procedimento...

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS...

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS... COMPARAÇÃO ENTRE ORGANISMOS EM INSPEÇÃO: ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS, MEDIÇÕES DE ESPESSURA POR ULTRASSOM Programa PEP REDE 1406 Rodada 012/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 30/03/2015) SUMÁRIO

Leia mais

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE GRANDEZA: MEDIÇÃO DE TENSÃO CONTÍNUA E ALTERNADA, CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA E RESISTÊNCIA ELÉTRICA Revisão

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA Apoio: Programa PEP REDE 1505 Rodada 047/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 31/08/2015)

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO Programa PEP REDE 1401 Rodada 021/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) F.PEP-4.6-003,

Leia mais

(Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015)

(Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS ELÉTRICOS E ÓPTICOS: LÂMPADAS Apoio: Programa PEP REDE 1503 Rodada 036/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) F.PEP-4.6-003, rev. 002 Origem:

Leia mais

Ficha de Inscrição Ensaio de Aptidão - Materiais de Construção AGREGADOS Agregado Fino Balastro e Pó de Britagem

Ficha de Inscrição Ensaio de Aptidão - Materiais de Construção AGREGADOS Agregado Fino Balastro e Pó de Britagem AGREGADOS Agregado Fino Balastro e Pó de Britagem Cheque emitido à ordem da Transferência Bancária (0018 0001 00200880936 34) Agregado Fino Não 120,00 + IVA (23%) 170,00 + IVA (23%) Balastro Não 120,00

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 01-15 de abril de 2013 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA Revisão 00-11 de outubro 2011 Fol. 1 de 11 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES

Leia mais

Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9

Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9 Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9 4º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: VOLUME E MASSA ESPECÍFICA Revisão 02 de 04-set-2009 Q SETTING

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA ÁREA DE ELETRICIDADE NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 02 30 de OUTUBRO de 2015

Leia mais

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre Plano de Formação - 2011 Form + Lab 2 Semestre Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização e formação dos seus colaboradores dando resposta

Leia mais

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 00-24 de novembro de 2014 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

Ensaio de Aptidão. Águas Residuais 2016. Efluentes Tratados/ Efluentes Não Tratados/ Lixiviados. Ref.: EAp/AR/2016 Ed.: 01 Data: 2016-04-04

Ensaio de Aptidão. Águas Residuais 2016. Efluentes Tratados/ Efluentes Não Tratados/ Lixiviados. Ref.: EAp/AR/2016 Ed.: 01 Data: 2016-04-04 Ensaio de Aptidão Águas Residuais 2016 Efluentes Tratados/ Efluentes Não Tratados/ Lixiviados 1. Introdução Este Programa de Ensaios de Aptidão de Águas Residuais 2016, consiste na determinação de um conjunto

Leia mais

1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE

1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE GRANDEZA: TENSÃO CONTÍNUA E ALTERNADA, CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA E RESISTÊNCIA ELÉTRICA PROCESSO CERTIFICADO ISO

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 6º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA 2011 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ELETRICIDADE. GRANDEZA: CORRENTE ALTERNADA 60 Hz

RELATÓRIO FINAL DO 6º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA 2011 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ELETRICIDADE. GRANDEZA: CORRENTE ALTERNADA 60 Hz RELATÓRIO FINAL DO 6º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA 2011 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ELETRICIDADE GRANDEZA: CORRENTE ALTERNADA 60 Hz PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO

RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-00 Relatório do PEP 008/010

Leia mais

PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO

PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO Revisão 01 24 de julho de 2015 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

F.PEP-4.6-003, rev. 002 Proc. de Origem: P.PEP 4.8 PEP REDE 1402 Rodada 002/2015 Página 1 de 13

F.PEP-4.6-003, rev. 002 Proc. de Origem: P.PEP 4.8 PEP REDE 1402 Rodada 002/2015 Página 1 de 13 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS BIOLÓGICOS: ÁREA DE SAÚDE ANIMAL, DIAGNÓSTICO DE ANEMIA INFECCIOSA EQUINA Programa PEP REDE 1402 Rodada 002/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado 05/03/2015)

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS BIOLÓGICOS: ÁREA DE SAÚDE ANIMAL, DIAGNÓSTICO DE ANEMIA INFECCIOSA EQUINA

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS BIOLÓGICOS: ÁREA DE SAÚDE ANIMAL, DIAGNÓSTICO DE ANEMIA INFECCIOSA EQUINA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS BIOLÓGICOS: ÁREA DE SAÚDE ANIMAL, DIAGNÓSTICO DE ANEMIA INFECCIOSA EQUINA Programa PEP REDE 1302 Rodada 019/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado 20/08/2015)

Leia mais

Última atualização: 17/08/2015. Apoio:

Última atualização: 17/08/2015. Apoio: ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE COMPARAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA

RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE SAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-200 Relatório do PEP 004/2010

Leia mais

ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL - REQUISITOS E

ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL - REQUISITOS E ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL - REQUISITOS E MAIS VALIAS Lisboa, 21 de Maio de 2013 Experiência do Laboratório de Ensaios APEB Acreditação Flexível Intermédia João André jandre@apeb.pt 1 Outubro 2012 Entrega da

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Formação

Regulamento do Núcleo de Formação Regulamento do Núcleo de Formação 2013 1.Nota Introdutória Qualquer processo de formação com qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que permitam garantir desempenhos de excelência

Leia mais

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO CALIBRAÇÕES REALIZADAS NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 03 11 de NOVEMBRO de 2014

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO O presente Regulamento pretende enquadrar as principais regras e linhas de orientação pelas quais se rege a atividade formativa da LEXSEGUR, de forma a garantir

Leia mais

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE COMPARAÇÃO

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO EM MASSA ESPECÍFICA MEDIÇÕES REALIZADAS NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 00 02 de

Leia mais

Procedimento Específico. Gestão dos Dispositivos de Monitorização e Medição. Validado: Jaime Quendera Data: 2006-01-11. Responsável da Qualidade

Procedimento Específico. Gestão dos Dispositivos de Monitorização e Medição. Validado: Jaime Quendera Data: 2006-01-11. Responsável da Qualidade Elaborado: 2006-01-11 Validado: 2006-01-11 Pág. 1 de 5 Aprovado: 2006-01-11 Documento: Título: Código: Produzido por: Aprovado por: Descrição Sumária: Gestão dos Dispositivos PE-QL-14 (Data de Aprovação)

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) -

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) - CAPÍTULO I ENQUADRAMENTO 1. O presente Regulamento é aplicável às Acções de Formação promovidas pela SIPRP

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS E ENSAIOS QUÍMICOS:

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS E ENSAIOS QUÍMICOS: COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS E ENSAIOS QUÍMICOS: Áreas de Metalurgia, Produtos Metálicos, Máquinas e Equipamentos Apoio: Programa PEP REDE 1405 Rodada 010/2015 (Instruções aos Participantes,

Leia mais

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 15 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 1 2 6.1.6-b inclusão: repetibilidade de 0,1% (zero virgula um por cento); 6.1.7 inclusão: Desvio padrão

Leia mais

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE COMPARAÇÃO

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO 3. CRITÉRIOS

Leia mais

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE PRESSÃO FORA DAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 02 22 de Novembro de 2013

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2014/2015 MOD04 rev11

PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2014/2015 MOD04 rev11 ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE COMPARAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 2º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VOLUME

RELATÓRIO FINAL DO 2º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VOLUME RELATÓRIO FINAL DO 2º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VOLUME PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-200 Relatório do PEP

Leia mais

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Página 2 de 12 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO...

Leia mais

Programa de Ensaio de Proficiência Determinação da Concentração de Sedimentos em Suspensão

Programa de Ensaio de Proficiência Determinação da Concentração de Sedimentos em Suspensão Programa de Ensaio de Proficiência Determinação da Concentração de Sedimentos em Suspensão Protocolo de Participação 2013 1ª Rodada Registro RMMG nº 364/2013 Revisão 00 de 06/09/2013 RMMG.PEP SED 006-00

Leia mais

Roteiro para aulas de calibração com manômetros Analógicos

Roteiro para aulas de calibração com manômetros Analógicos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Curso Técnico em Automação Industrial Roteiro para aulas de calibração com manômetros Analógicos Rio Grande, setembro

Leia mais

O serviço Elaboramos propostas de formação de acordo com as reais necessidades dos laboratórios, sugerindo os seguintes temas:

O serviço Elaboramos propostas de formação de acordo com as reais necessidades dos laboratórios, sugerindo os seguintes temas: Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização dos seus colaboradores e na resposta às necessidades do Sistema de Gestão da Qualidade. Recorrendo

Leia mais

Comparação Interlaboratorial com Termopar tipo K de -40 a 300 C

Comparação Interlaboratorial com Termopar tipo K de -40 a 300 C Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Protocolo de Comparação n.º 001/2008 (Dimci/Dicep)

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA Alysson Andrade Amorim Luiz Soares Júnior Universidade Federal do Ceará, Centro de Tecnologia, Departamento de Engenharia Mecânica,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO

RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-00 SUMÁRIO

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Aspectos técnicos relacionados à

Aspectos técnicos relacionados à II Workshop de Acreditação de Produtores de Materiais de Referência e de Provedores de Ensaios de Proficiência Aspectos técnicos relacionados à norma ISO 13528:2005 Roberto Gonçalves Junqueira Professor

Leia mais

Regulamento de Funcionamento da Formação. Disposições Gerais da Prestação de Serviços no âmbito da Formação

Regulamento de Funcionamento da Formação. Disposições Gerais da Prestação de Serviços no âmbito da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação Disposições Gerais da Prestação de Serviços no âmbito da Formação Agosto 2013 Índice Pág. Introdução. 3 Objetivo... 3 Inscrição nos cursos de formação 3 Condições

Leia mais

ENSAIO DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PARA ANÁLISE GRANULOMÉTRICA : Uma Aplicação Prática

ENSAIO DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PARA ANÁLISE GRANULOMÉTRICA : Uma Aplicação Prática ENSAIO DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PARA ANÁLISE GRANULOMÉTRICA : Uma Aplicação Prática 1 Conceição Fonseca, Alice Oliveira, Rui Lucas - CTCV FÓRUM SPQ EXPO EXPONOR 26 de Setembro de 2013 1. RESUMO

Leia mais

Condições Gerais de Venda da IMPORTINOX, LDA.

Condições Gerais de Venda da IMPORTINOX, LDA. Condições Gerais de Venda da IMPORTINOX, LDA. 1. Encomendas 1.1 Qualquer encomenda só poderá ser considerada se for formalizada por escrito. 1.2 A formalização da encomenda pelo Cliente implica o reconhecimento

Leia mais

www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Distribuição, S.A.

www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Distribuição, S.A. www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Distribuição, S.A. Janeiro 2014 Enquadramento A promoção da melhoria contínua da qualidade de serviço no âmbito

Leia mais

REGULAMENTO PONTOS TELEMÓVEL

REGULAMENTO PONTOS TELEMÓVEL REGULAMENTO PONTOS TELEMÓVEL Para qualquer esclarecimento complementar, contacte a linha de Pontos (12096* ou 808 2 12096**), uma Loja MEO***, ou envie o seu pedido por escrito para o MEO Serviços de Comunicações

Leia mais

REGULAMENTO DE PREÇOS ÍNDICE ALTERAÇÕES

REGULAMENTO DE PREÇOS ÍNDICE ALTERAÇÕES ÍNDICE 1 Objetivo e campo de aplicação Definições 3 Referências bibliográficas 4 Introdução 5 Disposições gerais 6 Tabela de Preços para Acreditação de Laboratórios 7 Tabela de Preços para Acreditação

Leia mais

Proficiência. www.gruposaas.com.br

Proficiência. www.gruposaas.com.br Proficiência www.gruposaas.com.br Programa de Proficiência Página 2 de 9 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 BENEFÍCIOS DO PROGRAMA... 3 3 CONFIDENCIALIDADE... 3 4 ENVIO DOS RESULTADOS... 4 5 ORIGENS DE AMOSTRA...

Leia mais

PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA EM BIODIESEL

PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA EM BIODIESEL ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE ENSAIOS

Leia mais

Ensaios de Proficiência

Ensaios de Proficiência Ensaios de Proficiência Xerém, 01 de Junho de 2007 Thiago de Oliveira Araujo Pesquisador Labin - Dquim Introdução A ISO Guia 43 Preparo das amostras Análise dos dados Conclusões Sumário Introdução Conceitos

Leia mais

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL EXPRESSÃO A INCERTEZA NA MEIÇÃO A UREZA BRINELL Sueli Fischer Beckert Instituto Superior de Tecnologia IST, Centro de Mecânica de Precisão de Joinville CMPJ sueli@sociesc.com.br Joinville, SC, Brasil Luciana

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO A Quatro Educativo, na pessoa de Paulo Sérgio da Silva Vieira, tem sede na Rua do Barreiro nº 5, Casal da Estortiga, 2495-102 Santa Catarina da Serra.

Leia mais

CURSO MICROSOFT OUTLOOK

CURSO MICROSOFT OUTLOOK CURSO MICROSOFT OUTLOOK ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris Academy Microsoft

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS. Consultores Associados de Organizações e Informática, Lda

CATÁLOGO DE SERVIÇOS. Consultores Associados de Organizações e Informática, Lda CATÁLOGO DE SERVIÇOS Consultores Associados de Organizações e Informática, Lda ÍNDICE ÍNDICE 2 HISTÓRICO DE ALTERAÇÕES 2 1 INTRODUÇÃO 3 2 A CASO 4 2.1 Apresentação 4 2.2 Visão, Missão e Valores 4 3 SERVIÇOS

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

LNDnet. Lançamento de notas pelos docentes. Portal académico

LNDnet. Lançamento de notas pelos docentes. Portal académico LNDnet Lançamento de notas pelos docentes Portal académico A base para elaboração do presente manual foi o manual da Digitalis (SIGES.11.0.0 Manual de Utilizador) ao no qual foram registada as adaptações

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre, residente em com o número de contribuinte, adiante designado(a) abreviadamente por Produtor; e EDP Serviço Universal, S.A., com sede

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO ENQUALAB-28 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 9 a 2 de junho de 28, São Paulo, Brasil CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM

Leia mais

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Porto AICEP (Rua António Bessa Leite, 1430-2.º andar)

Leia mais

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Nasario de S.F. Duarte Jr. (São Paulo, SP) Resumo: o objetivo deste artigo é ressaltar a importância de se estabelecer um sistema de

Leia mais

Campanha de Verão Daikin 2015 1 de Junho a 31 de Agosto

Campanha de Verão Daikin 2015 1 de Junho a 31 de Agosto Campanha de Verão Daikin 2015 1 de Junho a 31 de Agosto Garantia de 5 anos Equipamento de Ar Condicionado Split Daikin EMURA PROMOTOR A presente campanha de verão, que promove a Garantia de 5 anos, para

Leia mais

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS Dossier informativo - Cimentos LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS INTRODUÇÃO Qualquer entidade legalmente estabelecida, nacional ou estrangeira, pode solicitar ao LNEC a certificação

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO Índice 1. Âmbito de Aplicação 2. Competência Organizativa 3. Política e Estratégia da Entidade 4. Responsabilidades

Leia mais

ACORDO DE FORMAÇÃO DO INSTRUTOR PROGRAMAS LES MILLS

ACORDO DE FORMAÇÃO DO INSTRUTOR PROGRAMAS LES MILLS ACORDO DE FORMAÇÃO DO INSTRUTOR PROGRAMAS LES MILLS PRESSUPOSTOS 1. A Manz Produções tem direitos exclusivos sobre as rotinas de exercícios e músicas da Les Mills, em Portugal, (referidos como rotinas

Leia mais

MICROSOFT EXCEL AVANÇADO

MICROSOFT EXCEL AVANÇADO CURSO MICROSOFT EXCEL AVANÇADO MACROS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris Academy

Leia mais

Ficha de Inscrição. Ação. *Nacionalidade País de Origem: NIF* *Morada *Código Postal - *Telefone Telemóvel Fax. E-mail Nível de Escolaridade.

Ficha de Inscrição. Ação. *Nacionalidade País de Origem: NIF* *Morada *Código Postal - *Telefone Telemóvel Fax. E-mail Nível de Escolaridade. Ficha de Inscrição Ação *Nome completo *Sexo Masculino Feminino *Naturalidade Distrito: Concelho: *Nacionalidade País de Origem: NIF* *BI CC N.º *Data Validade BI / CC / / *Data de Nascimento / / *Morada

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA ÁREA DIMENSIONAL NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 01 05 de MAIO de 2015 Vide alterações

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE PROMULGAÇÃO DO MANUAL DA QUALIDADE. 2ª edição O PRESENTE MANUAL DA QUALIDADE DESCREVE O SISTEMA

MANUAL DA QUALIDADE PROMULGAÇÃO DO MANUAL DA QUALIDADE. 2ª edição O PRESENTE MANUAL DA QUALIDADE DESCREVE O SISTEMA Pág. 1/18 PROMULGAÇÃO DO 2ª edição O PRESENTE DESCREVE O SISTEMA DE GESTÃO IMPLEMENTADO NO LABORATÓRIO VETERINÁRIO DE MONTEMOR-O-NOVO, INCLUINDO AS POLÍTICAS E PROCEDIMENTOS DESTE SISTEMA, EM CUMPRIMENTO

Leia mais

UNIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS DE CONTAGEM

UNIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS DE CONTAGEM ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 441 27 de abril de 2012 Página 2 de 13 ÍNDICE Registo das revisões... 4 1. Objectivo... 5 2. Âmbito... 5 3. Referências... 5 3.1. Externas... 5 3.2. Internas... 5 4. Definições

Leia mais

Termos e Condições Voo à Europa

Termos e Condições Voo à Europa Termos e Condições Voo à Europa 1. A presente oferta é válida para residentes em Portugal, maiores de 18 anos. Não pode ser usada conjuntamente com qualquer outra oferta promocional das entidades envolvidas

Leia mais

GUIA PARA A APLICAÇÃO DA ISO/IEC 17020 ÍNDICE ALTERAÇÕES

GUIA PARA A APLICAÇÃO DA ISO/IEC 17020 ÍNDICE ALTERAÇÕES GUIA PARA A ÍNDICE 1 Introdução 2 2 Guia para a :2012 3 Introdução 3 Termos e definições 3 Requisitos gerais Imparcialidade e independência 4 Requisitos de estrutura Requisitos administrativos 4 Requisitos

Leia mais

Análise Crítica de Certificados de Calibração

Análise Crítica de Certificados de Calibração Análise Crítica de Certificados de Calibração João Carlos Antunes de Souza Ana Cristina D. M. Follador Chefe da Divisão Chefe do de Núcleo Acreditação de Avaliação de Laboratórios- de Laboratórios DICLA/CGCRE/INMETRO

Leia mais

Guia 8 DETERMINAÇÃO INCERTEZA CALIBRAÇÃO DE MASSAS. Associação de Laboratórios Acreditados de Portugal

Guia 8 DETERMINAÇÃO INCERTEZA CALIBRAÇÃO DE MASSAS. Associação de Laboratórios Acreditados de Portugal Guia 8 DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DA CALIBRAÇÃO DE MASSAS Associação de Laboratórios Acreditados de Portugal FICHA TÉCNICA TÍTULO: Guia RELACRE 8 DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DA CALIBRAÇÃO DE MASSAS EDIÇÃO:

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DOS RESULTADOS NO SISTEMA ON-LINE

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DOS RESULTADOS NO SISTEMA ON-LINE RM 80 MANUAL DE INSTRUÇÃO SOFTWARE PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REVISÃO: 02 AGO/2013 MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DOS RESULTADOS NO SISTEMA ON-LINE PROGRAMAS DE COMPARAÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO 1. FORMAÇÃO INTER-EMPRESAS 2 1.1 Requisitos de acesso e formas de inscrição 2 1.2 Confirmações e cancelamentos dos cursos 4 2. FORMAÇÃO INTRA EMPRESA 5 3. FUNCIONAMENTO

Leia mais

PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA EM CROMATOGRAFIA IÔNICA - ÂNIONS -

PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA EM CROMATOGRAFIA IÔNICA - ÂNIONS - ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE ENSAIOS

Leia mais

Calendário CBNA 2015 Envio de Trabalhos Científicos

Calendário CBNA 2015 Envio de Trabalhos Científicos Calendário CBNA 2015 Envio de Trabalhos Científicos Evento - Data envio do trabalho comprovação da inscrição do 1º autor resposta sobre aceitação ou recusa do trabalho Tema dos Trabalhos XIV CONGRESSO

Leia mais

Norma ISO 9001:2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos; Manual da Qualidade.

Norma ISO 9001:2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos; Manual da Qualidade. 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo estabelecer as linhas gerais pelas quais se regem os cursos de formação desenvolvidos pelo ISEP FORGLOBE, bem como descrever as atividades e o funcionamento

Leia mais

Programas de Ensaio de Proficiência. Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência

Programas de Ensaio de Proficiência. Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência Programas de Ensaio de Proficiência Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência Evolução da Organização de Ensaios de Proficiência 1984:

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR FÉRIAS DA LIPOR 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar, realiza atividades de promoção e organização

Leia mais

Calibração de Equipamentos

Calibração de Equipamentos Vídeo Conferência Calibração de Equipamentos Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná Junho/2014 Diferença entre calibração e a verificação metrológica Calibração Estabelece o erro de medição e

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre, com sede em, com o capital social de ( Euros), matriculada na Conservatória do Registo Comercial de, com o número de matrícula e

Leia mais

DATA LOGGERS USB PARA REGISTO DE TEMPERATURA E HUMIDADE

DATA LOGGERS USB PARA REGISTO DE TEMPERATURA E HUMIDADE DATA LOGGERS USB PARA REGISTO DE TEMPERATURA E HUMIDADE AVISO PRÉVIO A partir de 1 de Janeiro de 2014 os data loggers deixam de ser fornecidos com CD-ROM com software. O software continua a ser gratuito

Leia mais

CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore

CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore A Junta de Freguesia de Silvares em parceria com a Comissão Representativa do Movimento Associativo da Freguesia

Leia mais

EMPRESA CERTIFICADA ISO 9001:2008. RELATÓRIO DE 2015 MOD01 rev13 APOIO:

EMPRESA CERTIFICADA ISO 9001:2008. RELATÓRIO DE 2015 MOD01 rev13 APOIO: ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- RELATÓRIO DO PROGRAMA

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2015 MOD04 rev11

PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2015 MOD04 rev11 ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA PILOTO DE ENSAIO

Leia mais

A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria Newton Bastos Vendas Técnicas Presys Instrumentos e Sistemas Ltda * Alguns Questionamentos * Você sabe como está a Gerenciamento das

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA Objeto e Âmbito de Aplicação As presentes Condições Gerais de Venda aplicam-se a quaisquer transações de natureza comercial realizadas diretamente com a ENACO. A compra de qualquer

Leia mais