E01 MEDIDAS DE TENSÃO E CORRENTE COM O MULTÍMETRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E01 MEDIDAS DE TENSÃO E CORRENTE COM O MULTÍMETRO"

Transcrição

1 E01 MEDIDAS DE TENSÃO E CORRENTE COM O MULTÍMETRO OBJETIVOS 1) Medidas de resistência e tensão em corrente continua e corrente alternada com um multímetro digital; 2) Medidas de corrente continua e alternada utilizando um multímetro digital. MATERIAIS A figura 1 apresenta as fotografias com os respectivos nomes dos equipamentos e materiais que serão utilizados nesta experiência. Multímetro Digital Minipa Fonte variável 0 10 Vcc 0-10 Vca Gerador de Função Pilhas Secas Transformador 110/6 Volts Resistores Quadro de conexões Fios Multímetro analógico Figura 1: Materiais necessários para a realização desta experiência. ATENÇÃO PARA OS SEGUINTES AVISOS: 1) Antes de realizarem os procedimentos experimentais, é OBRIGATÓRIO que vocês leiam a introdução do presente roteiro; 2) Todos os resultados (teórico e/ou experimental) apresentados no relatório devem OBRIGATÓRIAMENTE conter: Seus respectivos desvios e/ou incertezas, quando gráfico colocar barra de erro; Discussão apresentando comparações entre valores teóricos (esperados) e valores experimentais (medidos), comparações entre diferentes métodos de obtenção, possíveis fontes de erros, etc; Conclusões.

2 INTRODUÇÃO Amperímetros, voltímetros e ohmímetros são instrumentos fundamentais em medidas elétricas. Estes instrumentos podem ser analógicos ou digitais. Além disso, podem ser conjugados em apenas um equipamento, quando é denominado multímetro. Nesta pratica vamos aprender a usar um multímetro digital (veja Figura ) e nas práticas posteriores vamos aprender também a operar multímetros analógicos e sensores que podem ser conectados a um computador pela interface Science Workshop 500 da PASCO. Funcionamento Básico do Voltímetro, do Amperímetro e do Ohmímetro Um grande número de instrumentos de medidas elétricas utiliza um galvanômetro como dispositivo básico de medida e de leitura. Um tipo de galvanômetro muito usado é o de quadro móvel chamado galvanômetro de, cujas partes estão esquematicamente desenhadas na Figura 2. Figura 2: Galvanometro de. Neste galvanômetro, a corrente elétrica passa pelas molas de suspensão e circula pela bobina, que se acha enrolada num quadro móvel. A passagem da corrente elétrica através da bobina, colocada num campo magnético de um imã permanente, faz aparecer forças que atuam sobre a mesma e que se traduzem por um binário. Tal binário gira a bobina e o ponteiro, solidário à mesma, até uma posição em que o momento do binário defletor é contrabalançado pelo momento das forças restauradoras das molas helicoidais acopladas à bobina. O momento magnético defletor é proporcional à corrente que circula pela bobina móvel. O núcleo cilíndrico de ferro, colocado no centro da bobina móvel, faz com que as linhas de campo magnético sejam radiais e perpendiculares à corrente pela bobina.

3 Note que o galvanômetro exige, para seu funcionamento, a passagem de corrente pela bobina. A partir de galvanômetros constroem-se amperímetros e voltímetros e ohmímetros. Faremos aqui uma breve descrição dos princípios básicos de funcionamento destes equipamentos analógicos, ou seja, baseados em galvanômetros. O principio básico para os equipamentos digitais são idênticos aos equipamentos analógicos, porém neste caso o galvanômetro é substituído por um circuito eletrônico relativamente complexo. O Voltímetro é um instrumento que mede a diferença de potencial (tensão ou voltagem) entre dois pontos de um circuito elétrico. A medida será ideal se o instrumento tiver resistência interna infinita, isto é, se ele constituir de um CIRCUITO ABERTO entre os pontos do circuito em que se encontra instalado, pois somente nesta condição é que as correntes e tensões do circuito não serão alteradas pelo instrumento. O Amperímetro é um dispositivo que mede correntes elétricas. A medida será ideal se o instrumento não tiver resistência interna, isto é, se ele constituir um CURTO CIRCUITO entre os pontos do circuito em que se encontra instalado, pois somente nesta condição é que as correntes e tensões do circuito não serão alteradas pelo medidor. Deve-se, no entanto, observar que na prática não existe instrumentos ideais, e para que o instrumento responda à grandeza que se deseja medir, é necessário que o sistema medido forneça ao medidor a energia necessária para medir o sinal em questão. No caso dos instrumentos analógicos necessita-se de tal energia para deslocar suas partes móveis como bobina, ponteiro e outras. No caso de instrumentos digitais esta energia é necessária para alimentar os circuitos eletrônicos de medida. O processo de medida, portanto, provoca uma perturbação na grandeza avaliada. Convém notar que isto não ocorre apenas com circuitos elétricos, isto ocorre sempre que efetuamos uma medida em um sistema independente da sua natureza. Ou seja, é impossível fazer uma medida sobre um sistema sem que o mesmo seja perturbado. Uma vez que não se pode evitar a modificação introduzida pelo instrumento de medida, procura-se minimizá-la. Na Figura 3 apresentamos um esquema básico de um voltímetro comum que utiliza um galvanômetro tipo quadro móvel. Através de uma chave seletora, o galvanômetro é posto em série com resistores internos convenientemente dimensionados denominados resistências multiplicadoras permitindo desse modo, que se varie a escala de leitura de tensão. Figura 3: Voltímetro construído a partir de galvanômetro de resistência interna. O amperímetro comum, esquematizado na Figura 4, utiliza igualmente um galvanômetro tipo quadro móvel, somente que a chave seletora, neste caso, põe em paralelo

4 com o galvanômetro, resistores convenientemente dimensionados denominados (do inglês significa colocar uma parte em paralelo com outra) permitindo desse modo que se varie a escala de leitura de corrente. Figura 4: Amperímetro construído a partir de um galvanômetro. O Ohmímetro comum, esquematizado na Figura 5, utiliza um galvanômetro de quadro móvel como voltímetro de resistência interna elevada. Desprezando a corrente drenada pelo voltímetro a queda de tensão em R é aproximadamente a leitura. Ou seja,. A lei das tensões de Kirchhoff no laço formado por, e é dada por: v + Ri+ Ri= 0 1.1" s d mas, a corrente # é dada por, VR V i= 1.2" R R e, portanto, o valor da resistência desconhecida é dado por: vs Rd = R 1.3" V 1 Colocando as pontas de prova em curto verificamos o valor da tensão da bateria. Os ohmímetros analógicos usam um resistor ajustável $ para fazer o ajuste da escala. Em cada escala selecionada colocam-se as pontas de prova em curto, o valor de. igual à leitura máxima do voltímetro e a escala é graduada em ohms, em relação a esse valor máximo. È importante notar que segundo a equação para obtenção de, a escala é não linear e também é inversa ao valor de, ou seja, quanto maior, menor a leitura. Como não existem voltímetros ideais, os ohmímetros práticos possuem circuitos para compensar essa aproximação, porém o princípio básico de funcionamento do mesmo não é alterado. Um mesmo instrumento pode ser combinado com chaves comutadoras e circuitos para executar as funções de voltímetro, amperímetro e ohmímetro. É o conhecido multímetro, de amplo uso em equipamentos eletrônicos.

5 R v R Rd V + v s Figura 5: Circuito básico do ohmímetro. A leitura ou indicação de um medidor está sujeita a erros sistemáticos e a incertezas acidentais. 1 Erros sistemáticos: a- Absolutos: mau ajuste de zero, ponteiro dobrado; b- Relativos ou percentuais: imã enfraquecido, resistência alterada. 2 Incertezas acidentais: a- Absolutas: paralaxe, atrito mecânico, desbalanço do sistema móvel; b- Relativas: variação de resistência com a temperatura, alteração do campo magnético devido à proximidade de ferros, etc. Em princípio, os erros sistemáticos podem ser reduzidos a valores desprezíveis por aferição com um padrão. As incertezas acidentais são de difícil eliminação porque variam de leitura para leitura. Por exemplo, o efeito do atrito mecânico depende do sentido do último movimento do ponteiro e é, portanto, aleatório. O resíduo dos erros sistemáticos e as incertezas são somados a incerteza total. As parcelas absolutas da incerteza total têm importância relativamente maior nas leituras baixas, sendo desejável utilizar medidor na escala adequada, ou seja, a que permite leitura acima de meia escala.. Multímetro Digital Alguns cuidados são fundamentais na operação com o multímetro. Todos eles devem ser seguidos à risca para não inutilizar o aparelho... Observe sempre a posição da chave seletora giratória. Ela deverá estar indicando o tipo de medida que você quer realizar.

6 ..' As pontas de prova deverão estar corretamente instaladas. Uma das pontas de prova deverá estar ligada à entrada COM (de comum) e deverá ser conectada a um neutro, negativo ou num ponto de potencial mais baixo que a outra ponta. A outra ponta de prova deverá estar ligada na opção desejada, ou seja: '( A, para medidas de correntes na faixa de Amperes, *AC AC, para medidas de corrente na faixa de mili Ampéres V, Ω, Hz,, para medidas de voltagem, resistência, frequência e teste de diodos, respectivamente. Figura 6: Multímetro digital Minipa. ATENÇÃO: Observe que a chave seletora giratória deverá estar apontando para uma posição de acordo com essa ponta de prova...- Cuidado especial deve ser tomado ao medirmos correntes. A resistência interna nessa função é muito baixa e, portanto NUNCA deverá ser conectado sem antes analisar o circuito e estimar o valor da corrente. Em especial, NUNCA deverá ser ligado diretamente aos terminais de uma fonte, (mesmo que seja uma pilha), mas sempre com uma resistência em série de valor conveniente. Qualquer descuido nesse caso causará no mínimo a queima do fusível interno e muito provavelmente a queima do aparelho, tornando-o impossível de ser recuperado.... Especial cuidado deverá ser observado na posição de medida de corrente em */. Nesta opção, nosso multímetro admite apenas correntes da ordem de mili-amperes ". es superiores causarão, no mínimo, a queima do fusível interno.

7 .' Leitura do código de cores de resistores. Antes de medirmos as resistências, vamos aprender como ler o código de cores, através do qual o fabricante informa o valor nominal das resistências. Identifique cada um dos resistores R Ω, R Ω e R Ω do conjunto de resistores fornecido, usando o código de cores apresentado na Figura 7. " 9" Figura 7: " Tabela de código de cores para resistores, 9" como medir a resistência a partir do código de cores para resistor com 3 barras de cores e :" exemplo de leitura de resistores utilizando o código de cores. :"

8 .- MEDIDA DE RESISTÊNCIA COM MULTÍMETRO. Para medirmos resistências o meio mais rápido é utilizando o multímetro. CUIDADOS: Sempre que for utilizar um multímetro, tenha certeza de estar usando: a) Função correta (se ele está preparado para medir aquilo que desejamos medir). b) Escala conveniente (se o que vamos medir não vai "estourar" a escala porque o fundo de escala é muito pequeno ou se não é demasiadamente grande para uma boa leitura). LEMBRE SEMPRE: Qualquer descuido poderá produzir danos IRREPARÁVEIS; Tenha sempre o cuidado de usar a polaridade correta; Nunca altere a função do multímetro com o mesmo conectado a um circuito... MEDIDAS DE TENSÃO CONTÍNUA (; << ou ; =< ) E TENSÃO ALTERNADA (; <> ou ; >< ) CUIDADOS: Sempre que usar um MULTÍMETRO na função de voltímetro verifique se ele está ajustado para corrente contínua?? ; 5" ou alternada?/ ou /? ;~" de acordo com o que pretende medir. O modelo Minipa ET-2082C possui um botão no alto à direita indicado que permite mudar de um tipo para outro. Note que em corrente alternada aparecerá no lado esquerdo do display a indicação /?, porém em corrente contínua não haverá nenhuma indicação. Use sempre a POLARIDADE CORRETA isto é, o terminal negativo COM " deverá estar ligado num potencial inferior ao qual está ligado o terminal positivo V, Ω, Hz, E ". Escolha da escala adequada para a leitura: Quando se conhece o valor máximo da tensão a ser medida a escolha é óbvia. Quando não se conhece o valor máximo, devemos colocar a chave seletora na posição de maior fundo de escala e ir reduzindo até a escala conveniente. Desligue sempre a fonte de tensão ou corrente antes de modificar o circuito.

9 .F Utilização do Gerador de Funções. Este equipamento é capaz de fornecer tensões com diferentes formas de ondas (senoidal, triangular e quadrada) A seguir apresentaremos resumidamente as instruções para sua utilização. 1- Ligue o gerador de funções (botão na parte traseira do aparelho). 2- Ajuste o botão DADJ de forma que a marca branca fique bem no meio de Min e Max (isto é, apontando verticalmente para cima). Ajuste de simetria da onda. 3- Observe se algum dos botões ATT está pressionado. Se estiver, aperte o para que fique inativo isto é, para fora. Este botão atenua em 90% a intensidade do sinal. 4- Aperte o botão WAVE e veja se o dígito mais significativo (mais à esquerda) está marcando 1. Caso contrário aperte seguidamente até que ele marque 1 que indica onda senoidal. Esse dígito indica a forma de onda segundo a tabela abaixo. 1 Senoidal 2 Quadrada 3 Triangular 5- O botão RANGE é utilizado para escolher a faixa de frequência do sinal conforme tabela abaixo. A indicação e mostrada no digito menos significativo (mais à direita do primeiro display do equipamento). Para mudar o seu valor apenas pressione o botão Range até obter o número que corresponda à faixa de freqüência desejada. O ajuste a frequência desejada é obtido girando o botão de ajuste de frequência FADJ. Indicação Faixa 1 0,2 IJ a 2 IJ 2 2 IJ a 20 IJ 3 20 IJ a 200 IJ IJ a 2 6IJ 5 2 6IJ a 20 6IJ 6 206IJ a 200 6IJ 7 200IJ a 2 LIJ 6- Após ajustar a frequência desejada pressione o botão RUN para os dados ajustados sejam efetivados. 7- O ajuste a amplitude do sinal, tensão pico a pico ( MM entre 0 e 10 MM ) é obtida através do botão AADJ.. Utilização da Fonte de Tensão Continua??" e Alternada /?" Variável 1- Antes de ligar a fonte de tensão, certifique-se SEMPRE que o botão de ajuste de tensão esteja na sua posição de mínimo, ou seja, todo voltado para a esquerda. Esta fonte possui uma capacidade de corrente relativamente elevada (5A ou mais), o

10 suficiente para QUEIMAR componentes e equipamentos eletrônicos que não tiverem corretamente ligados a ela. 2- Só ajuste o valor da tensão (girar para a direita) após ter certeza de que o seu circuito e/ou o multímetro estejam corretamente montado e/ou ajustados para a função e escala adequada, respectivamente. 3- Após a utilização da fonte, antes de desligá-la, o botão de ajuste de tensão deverá ser colocado novamente na posição de mínima tensão (todo voltado para a esquerda). Nunca forçar o botão de ajuste nos seus extremos (mínimo e máximo), pois isto pode danificar a fonte. ' PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS OBSERVAÇÂO: Antes de qualquer medida, certifique que a função e a escala do multímetro foram ajustadas adequadamente. Caso contrário, o multímetro será danificado. '. Medidas de resistência e tensão. '.. Tabele, usando código de cores, os valores das resistências. Com esses valores calcule e tabele também a resistência total de cada um dos circuitos da Figura 8. Figura 8: Associação de resistores a serem realizadas nesta experiência (a) série; (b) paralelo e (c) série e paralelo. '..' Coloque a chave seletora do multímetro apontando para a região marcada com Ω, uma ponta de prova em COM ", e a outra em Q Ω RS E". Meça e tabele a resistência de cada um dos resistores T 5 UΩ, T ' 5 --(Ω e T - 5 ((Ω do conjunto de resistores fornecido. '..- Monte em sequência os circuitos da Figura 8 no quadro de conexões. Meça e tabele para cada caso as resistências totais das associações usando o multímetro.

11 '... Monte em sequência os circuitos da Figura 9 e meça com o multímetro as tensões indicadas e tabele os valores encontrados. Figura 9: Circuito para a determinação das tensões (força eletromotriz - FEMs) nas pilhas secas. " Uma pilha; 9" duas pilhas em série e :" duas pilhas em paralelo. CUIDADO! Certifique-se que a função voltímetro do multímetro está ajustada para AC. Medida das tensões de uma fonte CD variável '..F Meça o valor máximo e mínimo da tensão alternada da fonte de tensão ajustável. Para isto, meça as tensões nos bornes indicados com ( V,F Q CD da fonte. O ajuste de tensão de sempre ser feito lentamente girando o botão no sentido horário. Medida das tensões CD na saída de um transformador '.. Conecte o transformador fornecido à rede elétrica. Meça e anote a tensão (AC) de saída. Medida das tensões de saída do gerador de funções '..V Meça a tensão AC máxima e mínima do gerador ajustado em onda senoidal com frequência de 60IJ. - Medidas de correntes elcom o multímetro Medida de corrente contínua -. Identifique os resistores T 5 WΩ, T ' 5 -YΩ e T - 5 'VΩ usando o código de cores conforme o item.. Meça e anote na tabela 3.1 o valor das suas resistências utilizando um multímetro na escala conveniente.

12 Figura 10: Associação de resistores para a medida da corrente contínua a serem realizadas nesta experiência " série; 9" paralelo e :" série e paralelo. A corrente deve ser medida nos pontos marcados com 1, 2 e 3. -.' Para as associações, 9 e : da Figura 10, calcule a intensidade de corrente em cada um dos pontos indicados supondo uma tensão de 2,0V [[. Complete a tabela 3.2. Estes cálculos permitem calcular a potência dissipada e saber se os resistores utilizados comportam tais potências, assim como auxiliar na escolha da escala do amperímetro a fim de evitar a avaria dos mesmos. Inicialmente, usando o multímetro analógico ajuste a fonte de tensão AC/DC (CA/CC) para fornecer uma tensão contínua de 2,0 V [[. No multímetro digital, estabeleça a escala conveniente (seletor giratório apontando para \A e tipo de corrente ajustado para dc através do botão AC/DC). -.- Monte e meça as correntes nos circuitos da Figura 10. Complete a tabela 3.2. ATENÇÃO! Use o multímetro analógico para ajustar eventual variação da tensão após conectar a fonte ao circuito. -.. Nos casos dos circuitos 9 e : da Figura 10 faça os cálculos com os valores nominais e depois verifique se as medidas realizadas satisfazem a relação # 4 5 # 7 E # 2. Medida de corrente alternada Ajuste a fonte de tensão para fornecer uma tensão de 2,0 V ][. -.F Meça e tabele as correntes nos pontos indicados nos circuitos, 9 e : da Figura 11, conforme feito para o caso de corrente contínua. Complete a tabela 3.3.

13 Não se esqueça de selecionar AC através do botão AC/DC e também de verificar se a tensão fornecida pela fonte não variou. Figura 11. Associação de resistores para a medida da corrente alternada a serem realizadas nesta experiência " série, 9" paralelo e :" série e paralelo. A corrente deve ser medida nos pontos marcados com 1, 2 e Nos casos dos circuitos 9 e : da Figura 11 faça os cálculos com os valores nominais e depois verifique se as medidas realizadas satisfazem a relação # 4 5 # 7 E # 2. Tabela 3.1 es nominais e experimentais das resistências utilizadas no experimento. Resistência Nominal Ω" Experimental Ω" T T ' T - Tabela 3.2 es nominais e experimentais das correntes contínuas obtidas nos pontos indicados dos circuitos da Figura 4. Pontos indicados nos circuitos Nominal circuito > Experimental Nominal Corrente circuito d Experimental Nominal circuito < Experimental

14 Tabela 3.3 es nominais e experimentais das correntes alternadas nos obtidas nos pontos indicados dos circuitos da Figura 5. Pontos indicados nos circuitos Nominal circuito > Experimental Nominal Corrente circuito d Experimental Nominal circuito < Experimental ATENÇÃO! APÓS O TÉRMINO DO EXPERIMENTO: Retirar todos os arquivos gravados no computador do Lab.; Desligar todos os equipamentos; Deixar a bancada em ordem e limpa. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS: 1. Albert Malvino e David J. Bates. Eletrônica Volume 1, 7 a Edição. McGraw-Hill Interamericana do Brasil Ltda, São Paulo, SP, H. Moysés Nussenzveig, Curso de Física Básica 3 - Eletromagnetismo. 1 a edição, Editora Edgard Blucher, São Paulo, SP, Antonio M. V. Cipelli e Waldir J. Sandrini. Teoria e Desenvolvimento de Projetos de Circuitos Eletrônicos, 6ª Edição, Editora Érica, São Paulo, SP, 1982.

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros nstrumentos de Medidas Elétricas Nesta prática vamos estudar o princípios de funcionamentos de instrumentos de medidas elétrica, em particular, voltímetros, amperímetros e ohmímetros. Sempre que surgir

Leia mais

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS 1.1 OBJETIVOS Familiarização com instrumentos de medidas e circuitos elétricos. Utilização do multímetro nas funções: voltímetro, amperímetro e ohmímetro. Avaliação dos

Leia mais

MEASUREMENTS Medidas. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1102A

MEASUREMENTS Medidas. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1102A MEASUREMENTS Medidas M-1102A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 Conteúdo 1. Experiência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Física Experimental III - Medidas Elétricas Objetivo O objetivo desta prática é aprender a fazer medições de resistência, tensão

Leia mais

Física Experimental B Turma G

Física Experimental B Turma G Grupo de Supercondutividade e Magnetismo Física Experimental B Turma G Prof. Dr. Maycon Motta São Carlos-SP, Brasil, 2015 Prof. Dr. Maycon Motta E-mail: m.motta@df.ufscar.br Site: www.gsm.ufscar.br/mmotta

Leia mais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.4 - Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Tensão

Leia mais

Galvanômetro - voltímetro, amperímetro e ohmímetro

Galvanômetro - voltímetro, amperímetro e ohmímetro Galvanômetro - voltímetro, amperímetro e ohmímetro O galvanômetro é um aparelho que indica, através de um ponteiro, quando uma corrente elétrica de baixa intensidade passa através dele, ou seja, é um micro

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE FUNÇÕES MODELO GV-2002

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE FUNÇÕES MODELO GV-2002 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE FUNÇÕES MODELO GV-2002 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do gerador ÍNDICE 1. Introdução... 01 2. Regras de segurança... 02

Leia mais

Prof. Jener Toscano Lins e Silva

Prof. Jener Toscano Lins e Silva Prof. Jener Toscano Lins e Silva *É de fundamental importância a completa leitura do manual e a obediência às instruções, para evitar possíveis danos ao multímetro, ao equipamento sob teste ou choque elétrico

Leia mais

Incerteza. Geralmente não conseguimos obter um valor exato para a medida de uma grandeza física. Medidas Elétricas

Incerteza. Geralmente não conseguimos obter um valor exato para a medida de uma grandeza física. Medidas Elétricas Incerteza Geralmente não conseguimos obter um valor exato para a medida de uma grandeza física. Medidas Elétricas TE215 Laboratório de Eletrônica I Engenharia Elétrica Fatores que influenciam o processo

Leia mais

MAN 006A-08-12 Uso do Alicate Amperímetro

MAN 006A-08-12 Uso do Alicate Amperímetro MAN 006A-08-12 Uso do Alicate Amperímetro Geração: equipe técnica Metalfrio. Revisão: Alexandre Mendes, Fernando Madalena, Gustavo Brotones e Rafael Atílio. http://treinamento.metalfrio.com.br treinamento@metalfrio.com.br

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos

Laboratório de Circuitos Elétricos Laboratório de Circuitos Elétricos 3ª série Mesa Laboratório de Física Prof. Reinaldo / Monaliza Data / / Objetivos Observar o funcionamento dos circuitos elétricos em série e em paralelo, fazendo medidas

Leia mais

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC.

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. I - MULTÍMETRO O multímetro, também denominado multiteste, é um equipamento versátil, capaz de desempenhar 3 funções básicas distintas, selecionadas

Leia mais

ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1

ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Engenharia Ambiental Prof. Marcio Kimpara data: ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1 Resistores e Tensão Alternada Senoidal Objetivos: Familiarização com os osciloscópios

Leia mais

EXPERIÊNCIA 1 MEDIDA DE CORRENTE E DIFERENÇA DE POTENCIAL

EXPERIÊNCIA 1 MEDIDA DE CORRENTE E DIFERENÇA DE POTENCIAL EXPERIÊNCIA 1 MEDIDA DE CORRENTE E DIFERENÇA DE POTENCIAL I - OBJETIVO: Mostrar os princípios básicos da instrumentação para medidas da corrente e diferença de potencial. II - PARTE TEÓRICA: INTRODUÇÃO:

Leia mais

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA Eletrônica Básica AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES

Leia mais

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 1

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 1 Introdução Teórica: Aula 1 Fontes de Tensão e Resistores Materiais condutores Os materiais condutores caracterizam- se por possuírem elétrons que estão sujeitos a pequenas forças de atração de seu núcleo,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 34 4.4 Experimento 4: Capacitância, capacitores e circuitos RC 4.4.1 Objetivos Fundamentar o conceito de capacitância e capacitor; Realizar leituras dos valores de capacitância de capacitores; Associar

Leia mais

1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores

1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores 1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores 1. Objetivos Ler o valor nominal de cada resistor por meio do código de cores; Determinar a máxima potência dissipada pelo resistor por meio de suas

Leia mais

Física Experimental II. Instrumentos de Medida

Física Experimental II. Instrumentos de Medida Física Experimental II Instrumentos de Medida Conceitos Básicos I 1. Corrente Elétrica: chamamos de corrente elétrica qualquer movimento de cargas de um ponto a outro. Quando o movimento de cargas se dá

Leia mais

Fig. 2.2 - Painel do multímetro com a função ohmímetro em destaque.

Fig. 2.2 - Painel do multímetro com a função ohmímetro em destaque. 2 MULTÍMETRO 2.1 - Objetivos Aprender a manusear o multímetro na realização de medidas de tensões e correntes elétricas, contínuas e alternadas, bem como medir resistências elétricas. 2.2 - Introdução

Leia mais

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Disciplinas: Física III (ENG 06034) Fundamentos de Física III (ENG 10079) Física Experimental II ( DQF 10441) Depto Química e Física

Leia mais

Laboratório de Física Experimental I

Laboratório de Física Experimental I Laboratório de Física Experimental I Centro Universitário de Vila Velha Multímetro e Fonte DC Laboratório de Física Prof. Rudson R. Alves 2012 2/10 Sumário Multímetro Minipa ET-1001...3 TERMINAIS (1)...3

Leia mais

Exercícios Leis de Kirchhoff

Exercícios Leis de Kirchhoff Exercícios Leis de Kirchhoff 1-Sobre o esquema a seguir, sabe-se que i 1 = 2A;U AB = 6V; R 2 = 2 Ω e R 3 = 10 Ω. Então, a tensão entre C e D, em volts, vale: a) 10 b) 20 c) 30 d) 40 e) 50 Os valores medidos

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA TLHO PÁTCO DETEMNÇÃO D ESSTÊNC NTEN DE UM PLH Objectivo Este trabalho compreende as seguintes partes: comparação entre as resistências internas de dois voltímetros, um analógico e um digital; medida da

Leia mais

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente OBJETIVOS 9 contínua NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA Familiarizar-se com o multímetro, realizando medidas de corrente, tensão e resistência. INTRODUÇÃO Corrente elétrica FÍSICA ELETRICIDADE: CIRCUITOS

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 VERIFICAÇÃO FUNCIONAL Esta rápida verificação deve ser executada para comprovar se o instrumento está funcionando corretamente. Ligue o instrumento

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO. Aula 6

INSTRUMENTAÇÃO. Aula 6 INSTRUMENTAÇÃO Aula 6 1 2 CLASSIFICAÇÃO DOS ERROS DE MEDIÇÃO ERRO Falta de precisão Erro grosseiro Tendência (Bias) Engano Mau uso do equipamento Gafe Erros aleatórios Erros sistemáticos Resolução Histerese

Leia mais

CIRCUITOS ELÉCTRICOS

CIRCUITOS ELÉCTRICOS CICUITOS ELÉCTICOS. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Conceito de resistência interna de um aparelho.. INTODUÇÃO O multímetro digital que vai utilizar pode realizar

Leia mais

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 2

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 2 Introdução Teórica Aula 2: Lei de Ohm e Associação de Resistores Georg Simon Ohm Georg Simon Ohm (789-854) foi um físico e matemático alemão. Entre 826 e 827, Ohm desenvolveu a primeira teoria matemática

Leia mais

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico Amplificador Operacional Básico Eng.: Roberto Bairros dos Santos. Um empreendimento Bairros Projetos didáticos www.bairrospd.kit.net Este artigo descreve como identificar o amplificador operacional, mostra

Leia mais

Introdução a Circuitos de Corrente Contínua

Introdução a Circuitos de Corrente Contínua Nesta prática vamos nos familiarizar com os componentes e instrumentos que serão utilizados durante o curso. Também faremos a verificação experimental da Lei de Ohm e discutiremos alguns casos em que ela

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III 1. OBJETIVOS CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR a) Levantar, em um circuito RC, curvas de tensão no resistor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

Aula 05. Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I

Aula 05. Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I Aula 05 Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I Circuito Elétrico Básico e suas componentes. \ Resistores em Série Em uma associação de resistores em série, a corrente elétrica ( contínua)

Leia mais

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO TRABALHO PRÁTICO MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO Objectivo Este trabalho tem como objectivo a familiarização com alguns dos equipamentos e técnicas de medida

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 SEMICONDUCTOR III Semiconductor III Semicondutor III M-1105A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE- PARTE - 1

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE- PARTE - 1 QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE- PARTE - 1 QUESTÕES DE SIMPLES ESCOLHA - PARTE 1 PRÓXIMA => QUESTÃO 1 a. ( ) Fonte de corrente alternada. b. ( ) Fonte de tensão contínua. c. ( ) Fonte de corrente

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-1500

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-1500 MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-1500 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do aparelho ÍNDICE 1. Introdução...01 2. Especificações...02 2.1. Gerais...02

Leia mais

MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO

MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO Capa Industria e Comércio Ltda MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 01 2. DESCRIÇÃO DOS PAINÉIS... 01 3. DESCRIÇÃO ELÉTRICA... 02 4. ESPECIFICAÇÕES.... 02 5. INSTALAÇÃO...

Leia mais

>>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA

>>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA 1 APOSTILAS Venda >>>Expressa MULTÍMETRO >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA 2 MULTÍMETRO O multitester ou multímetro é o aparelho

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 CURSO: TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Leia mais

As leituras no voltímetro V e no amperímetro A, ambos ideais, são, respectivamente,

As leituras no voltímetro V e no amperímetro A, ambos ideais, são, respectivamente, 1. (Espcex (Aman) 015) Em um circuito elétrico, representado no desenho abaixo, o valor da força eletromotriz (fem) do gerador ideal é E 1,5 V, e os valores das resistências dos resistores ôhmicos são

Leia mais

Medidas elétricas I O Amperímetro

Medidas elétricas I O Amperímetro Medidas elétricas I O Amperímetro Na disciplina Laboratório de Ciências vocês conheceram quatro fenômenos provocados pela passagem de corrente elétrica num condutor: a) transferência de energia térmica,

Leia mais

As figuras a seguir mostram como conectar o instrumento corretamente ao circuito para fazer as medidas de tensão nos resistores.

As figuras a seguir mostram como conectar o instrumento corretamente ao circuito para fazer as medidas de tensão nos resistores. EXPERÊNCA CRCUTOS EM CORRENTE CONTNUA NTRODUÇÃO TEÓRCA. O MULTÍMETRO O multímetro é um instrumento com múltiplas funções utilizado frequentemente nas bancadas de trabalho em eletrônica. Permite medir tensões

Leia mais

Aluno Matrícula 4º período - º semestre de 200

Aluno Matrícula 4º período - º semestre de 200 UNIVRSIDD DO STDO DO RIO D JNIRO FCULDD D NGNHRI DPRTNTO D NGNHRI LTRIC 3º RLTÓRIO D LTRICIDD II Circuitos com energia elétrica contínua. polaridade luno atrícula º período - º semestre de 200 ÍNDIC: -

Leia mais

Leia atentamente este manual antes de usar o Multímetro

Leia atentamente este manual antes de usar o Multímetro MULTÍMETRO DIGITAL EM369 Leia atentamente este manual antes de usar o Multímetro GARANTIA Este aparelho de medição está coberto de garantia sobre possíveis defeitos de fabricação e de funcionamento durante

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MODELO SK-20 rev. 01/2006

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MODELO SK-20 rev. 01/2006 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MODELO SK-20 rev. 01/2006 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF NOME: TURMA: DATA: / / OBJETIVOS: Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Conhecer os tipos de

Leia mais

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA EXPEÊNA 8 ANSFOMADOES, UOS EM OENE AENADA E FAO DE POÊNA 1 NODUÇÃO O transformador é um dispositivo elétrico que permite modificar a amplitude de tensões e correntes onsiste basicamente de duas bobinas

Leia mais

Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro

Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro 1 INTRODUÇÃO A interferência sonora consiste em um recebimento de duas ou mais ondas de fontes diferentes. Neste caso, teremos uma região do espaço na

Leia mais

Usar o Multímetro O Multímetro:

Usar o Multímetro O Multímetro: Usar o Multímetro Usar um multímetro é algo muito importante para quem trabalha em informática, na área da electrotecnia e electrónica, é um aparelho que nos permite fazer medições de grandezas eléctricas.

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA TLHO PÁTCO Nº 5 DTMNÇÃO D SSTÊNC NTN D UM PLH Objectivo - ste trabalho compreende as seguintes partes: comparação entre as resistências internas de dois voltímetros, um analógico e um digital; medida da

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE DIGITAL AC/DC TRUE RMS MODELO AD-7920

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE DIGITAL AC/DC TRUE RMS MODELO AD-7920 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE DIGITAL AC/DC TRUE RMS MODELO AD-7920 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...2

Leia mais

EXPERIÊNCIA 1 RESISTORES E ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

EXPERIÊNCIA 1 RESISTORES E ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES EXPEIÊNCIA 1 ESISTOES E ASSOCIAÇÃO DE ESISTOES 1 INTODUÇÃO TEÓICA Os resistores são componentes básicos dos circuitos eletro-eletrônicos utilizados nos trechos dos circuitos onde se deseja oferecer uma

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS MODELO: HMCCR-100

MANUAL DE OPERAÇÃO CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS MODELO: HMCCR-100 MANUAL DE OPERAÇÃO CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS MODELO: HIGHMED SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DE MEDIÇÃO LTDA Av Vila Ema, 3863 Conj 4 Vila Ema São Paulo SP CEP: 032.81-001 PABX: (11) 2717-7760 Email: vendas@highmed.com.br

Leia mais

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é ver como filtros de freqüência utilizados em eletrônica podem ser construídos a partir de um circuito RC. 2. MATERIAL

Leia mais

Exercícios Eletrodinâmica

Exercícios Eletrodinâmica Exercícios Eletrodinâmica 01-Um gerador elétrico tem potência total 0,6 kw, quando percorrido por uma corrente de intensidade igual a 50 A. Qual a sua força eletromotriz. a) 30.000 V b) 100 V c) 120 V

Leia mais

Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito

Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito (Unicamp-999 Um técnico em eletricidade notou que a lâmpada que ele havia retirado do almoxarifado tinha seus valores nominais (valores impressos

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES 1. RESUMO Verificação das relações entre tensões e correntes no circuito primário e secundário de um transformador ideal. Realização da experiência do

Leia mais

Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC)

Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC) Introdução teórica aula 5: Osciloscópio e Gerador de Sinais Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC) Ao final do século XIX o sistema de distribuição de energia Edison (Edison General Electric)

Leia mais

AULA LÂMPADA SÉRIE - VOLTÍMETRO E AMPERÍMETRO REVISÃO DOS CONCEITOS DE TENSÃO E CORRENTE APOSTILA ELÉTRICA PARA ELETRÔNICA

AULA LÂMPADA SÉRIE - VOLTÍMETRO E AMPERÍMETRO REVISÃO DOS CONCEITOS DE TENSÃO E CORRENTE APOSTILA ELÉTRICA PARA ELETRÔNICA APOSTILA ELÉTRICA PARA AULA 16 LÂMPADA SÉRIE - OLTÍMETRO E AMPERÍMETRO REISÃO DOS CONCEITOS DE TENSÃO E CORRENTE As diversas combinações da lâmpada série Um circuito prático para montar uma lâmpada série

Leia mais

Como utilizar um multímetro digital

Como utilizar um multímetro digital 1 Como utilizar um multímetro digital Um multímetro digital oferece a facilidade de mostrar diretamente em seu visor, que chamamos de display de cristal líquido, ou simplesmente display, o valor numérico

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1600

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1600 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1600 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. REGRAS DE SEGURANÇA...3

Leia mais

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Circuitos Elétricos 1º parte Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Introdução Um circuito elétrico é constituido de interconexão de vários

Leia mais

Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando

Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Disciplina de Eletricidade e Eletrónica Módulo 1 Corrente Contínua Trabalho Prático nº 2 Verificação da lei de Ohm Trabalho realizado por:

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Eletrônica Em um circuito ressonante LC paralelo (bobina em paralelo com capacitor fixo), quando se introduz na bobina um núcleo de ferrita, o que ocorre com a freqüência

Leia mais

LEI DE OHM LEI DE OHM. Se quisermos calcular o valor da resistência, basta dividir a tensão pela corrente.

LEI DE OHM LEI DE OHM. Se quisermos calcular o valor da resistência, basta dividir a tensão pela corrente. 1 LEI DE OHM A LEI DE OHM é baseada em três grandezas, já vistas anteriormente: a Tensão, a corrente e a resistência. Com o auxílio dessa lei, pode-se calcular o valor de uma dessas grandezas, desde que

Leia mais

CURSO DE APROFUNDAMENTO FÍSICA ENSINO MÉDIO

CURSO DE APROFUNDAMENTO FÍSICA ENSINO MÉDIO CURSO DE APROFUNDAMENTO FÍSICA ENSINO MÉDIO Prof. Cazuza 1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: Considere nula a resistência elétrica

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE ÁUDIO MODELO GA-1001

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE ÁUDIO MODELO GA-1001 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE ÁUDIO MODELO GA-1001 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do gerador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA... 1 3.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1000

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1000 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento =1= ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 CAPACITOR O capacitor é um dispositivo utilizado nos circuitos elétricos que apresenta um comportamento em corrente

Leia mais

Guia do Usuário. Modelo 380363 Testador de Isolamento / Megômetro

Guia do Usuário. Modelo 380363 Testador de Isolamento / Megômetro Guia do Usuário Modelo 380363 Testador de Isolamento / Megômetro Introdução Parabéns pela sua compra do Testador de Isolamento/Megômetro da Extech. O Modelo 380363 fornece três faixas de teste além de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ. CCN / Departamento de Física. Física Experimental III Componentes, circuitos e símbolos Prática 1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ. CCN / Departamento de Física. Física Experimental III Componentes, circuitos e símbolos Prática 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ. CCN / Departamento de Física. Física Experimental III Componentes, circuitos e símbolos Prática 1 Objetivos a Compreender os conceitos de tensão, corrente e resistência.

Leia mais

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo:

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: LEO - MEBiom Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: Aprender a medir tensões e correntes eléctricas com um osciloscópio e um multímetro digital

Leia mais

3 a fase Prova Experimental

3 a fase Prova Experimental 3 a fase Prova Experimental Prova para alunos do 1º ano LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 01) Esta prova destina-se exclusivamente a alunos do 1º ano do ensino médio. 02) O Caderno de Resoluções possui

Leia mais

Gerador de funções e osciloscópio

Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 2.1 Material Osciloscópio digital; Gerador de funções. 2.2 Introdução Na aula anterior utilizamos instrumentos de medida (amperímetro e voltímetro) e fontes

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas 1. Experimento 1 Geradores Elétricos 1.1. Objetivos Determinar, experimentalmente, a resistência interna, a força eletromotriz e a corrente de curto-circuito de

Leia mais

Experimento 1 Medidas Elétricas

Experimento 1 Medidas Elétricas _ Procedimento 1 Medida de resistência Experimento 1 Medidas Elétricas Código de R teórico R/R teórico R R medida1 R medida2 *Desvio **Desvio cores rel. Desvio * Desvio = ValorMedido ValorTeórico

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO DIGITAL UT-30B LOUD

MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO DIGITAL UT-30B LOUD MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO DIGITAL UT-30B LOUD ÍNDICE A. Introdução B. Informações de segurança C. Símbolos elétricos internacionais D. Características E. Especificações F. Painel de operação G. Como

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: ELETRÔNICA BÁSICA e ELETRICIDADE GERAL Professores: Vinícius Secchin de Melo Wallas Gusmão Thomaz Roteiro para experiências de laboratório

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório UNIERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório AULA 03 MEDIDAS DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA 1 INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores teve-se como

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔMETRO ANALÓGICO SK-1000

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔMETRO ANALÓGICO SK-1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔMETRO ANALÓGICO SK-1000 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA... 1 3. ESPECIFICAÇÕES...

Leia mais

Associação de Resistores

Associação de Resistores Associação de Resistores 1. (Pucrj 2013) No circuito mostrado na figura, a diferença de potencial entre os pontos B e A vale, em Volts: a) 3,0 b) 1,0 c) 2,0 d) 4,5 e) 0,75 2. (Uerj 2011) Observe a representação

Leia mais

1 Exercícios Pré-Laboratório

1 Exercícios Pré-Laboratório 1 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY 6.071: Introdução ao Laboratório de Eletrônica Laboratório 1: Equipamentos de Laboratório e Redes de Resistores 1 Exercícios Pré-Laboratório 2º Trimestre de 2002

Leia mais

3 Resistores Lei de ohms

3 Resistores Lei de ohms Resistores 3 Lei de ohms O resistor é um componente eletrônico usado para oferecer resistência a passagem dos elétrons em um circuito. Os resistores mais comuns são os resistores de carbono também chamados

Leia mais

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP PUC ENGENHARIA Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP Prof. Dr. Marcello Bellodi 2 a versão - 2005 ÍNDICE 1 a Experiência: "Amplificador Push-Pull Classe B"...01 2 a Experiência: "Curvas

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

INDICE GUIA PRÁTICO DE UTILIZAÇÃO MULTÍMETRO GUIA PRÁTICO DE UTILIZAÇÃO MULTÍMETRO 1 - TERMOS DE USO DESTE GUIA:

INDICE GUIA PRÁTICO DE UTILIZAÇÃO MULTÍMETRO GUIA PRÁTICO DE UTILIZAÇÃO MULTÍMETRO 1 - TERMOS DE USO DESTE GUIA: 1 - TERMOS DE USO DESTE GUIA: INDICE 1 - TERMOS DE USO DESTE GUIA 2 INTRODUÇÃO 3 MULTÍMETRO ANALÓGICO 4 MULTÍMETRO DIGITAL 5 ALICATE AMPERIMETRO 6 LEITURA DE TENSÃO 7 LEITURA DE RESISTÊNCIA 8 LEITURA DE

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO IK-1000

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO IK-1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO IK-1000 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. Introdução...01 2. Regras de segurança...01

Leia mais

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência.

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência. Ano lectivo: 200-20 Medição de Tensões e Correntes Eléctricas. Leis de Ohm e de Kirchhoff. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Medição de grandezas AC e DC. Conceito de

Leia mais

Autores. Prof. Ms. Jackson de Oliveira Prof. Ms. José Ferreira Neto Prof. Dr. José Humberto de Araújo. Revisão: Prof. Dr. Mário Pereira da Silva

Autores. Prof. Ms. Jackson de Oliveira Prof. Ms. José Ferreira Neto Prof. Dr. José Humberto de Araújo. Revisão: Prof. Dr. Mário Pereira da Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA TEÓRICA E EXPERIMENTAL LABORATÓRIO DE FÍSICA EXPERIMENTAL II Autores Prof. Ms. Jackson de Oliveira Prof. Ms.

Leia mais

MULTÍMETRO DIGITAL DE BANCADA ITMD -100

MULTÍMETRO DIGITAL DE BANCADA ITMD -100 MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO DIGITAL DE BANCADA ITMD -100 1. GERAL Este multímetro é um instrumento de alto desempenho, com display de 4½ dígitos para medições de voltagem DC e AC, corrente DC e AC,

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos SEMICONDUCTOR I Semiconductor I Semicondutor I M-1104A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

E.2 Instrumentos e técnicas de medida II

E.2 Instrumentos e técnicas de medida II E.2 Instrumentos e técnicas de medida II E.2.1 Preparação O osciloscópio é um elemento essencial na gama de instrumentos de medida utilizados em laboratórios de electrónica. A função essencial do osciloscópio

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC MEDIDAS ELÉTRIC AS MANUAL DO PROFESSOR Manual

Leia mais