info Secil de Engenharia Civil vai para Rui Furtado Magazine de informação da Ordem dos Engenheiros REGIÃO NORTE TRIMESTRAL JAN.FEV.MAR.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "info Secil de Engenharia Civil vai para Rui Furtado Magazine de informação da Ordem dos Engenheiros REGIÃO NORTE TRIMESTRAL JAN.FEV.MAR."

Transcrição

1 info TRIMESTRAL JAN.FEV.MAR Nº 7 2 Magazine de informação da Ordem dos Engenheiros REGIÃO NORTE Secil de Engenharia Civil vai para Rui Furtado

2 info editorial Gerardo Saraiva de Menezes Presidente do Conselho Directivo da Região Norte O prémio Secil de Engenharia Civil 2005, que é o destaque deste número da INFO, é um dos vários prémios que têm vindo a distinguir alguns engenheiros da região Norte. Estes prémios são a expressão do reconhecimento, nacional e internacional, do mérito e da excelência dos engenheiros que, na nossa região, investigam, ensinam, projectam ou implementam soluções de Engenharia orientadas à satisfação das necessidades da comunidade. Haverá, pois, que potenciar estes eventos, utilizando-os como veículos privilegiados de divulgação da boa qualidade da Engenharia que aqui se desenvolve. A excelência do desempenho destes engenheiros deve impor ao Estado e à Ordem uma séria reflexão sobre a intervenção que lhes cabe ter na promoção das boas práticas de Engenharia. Do Estado seria legítimo esperarmos equilíbrio e parcimónia no licenciamento de escolas de Engenharia, eventualmente coragem para impor a reorganização da oferta existente, exigência na qualificação profissional dos seus Quadros Técnicos, rigor e justiça na contratação dos serviços de Engenharia e atenção na definição do enquadramento legal do exercício da actividade. Da Ordem dos Engenheiros esperar-se-á atenção permanente à evolução do mercado, participação activa no debate associado à definição do enquadramento legal do exercício da actividade, intervenção atenta em matéria de deontologia e disciplina e a promoção e divulgação de um serviço de qualificação profissional eficiente e justo, assente em regras claras e conhecidas de todos, capaz de ser reconhecido pelo mercado como elemento diferenciador do potencial de intervenção de cada um. Incorporar no sistema os colegas que mais se distinguem no exercício da sua profissão seria, com certeza, a forma mais célere de dar a visibilidade necessária ao sistema. Num momento em que estamos ainda longe de alcançar os desideratos referidos, o mérito dos colegas galardoados tem redobrado valor, devendo por isso ser-lhes reconhecido. índice Noticias Destaque Entrevista Vida Associativa 26 Disciplina Parecer 30 Perfil Jovem Engenharia 31 no Mundo Lazer Ficha Técnica Agenda Propriedade: Ordem dos Engenheiros Região Norte. Director: Luís Ramos Conselho Editorial: Gerardo Saraiva de Menezes, Luís Leite Ramos, Fernando Almeida Santos, Maria Teresa Ponce Leão, António Machado e Moura, Joaquim Ferreira Guedes, José Alberto Gonçalves, Aristides Guedes Coelho, Hipólito Campos de Sousa, José Ribeiro Pinto, Francisco Antunes Malcata, António Fontainhas Fernandes, João da Gama Amaral, Carlos Vaz Ribeiro, Fernando Junqueira Martins, Luís Martins Marinheiro, Eduardo Paiva Rodrigues, Paulo Pinto Rodrigues, António Rodrigues da Cruz, Maria da Conceição Baixinho. Redacção: Ana Ferreira (edição), Liliana Marques, Natércia Ribeiro e Sónia Resende. Paginação: Paulo Raimundo. Grafismo, Pré-impressão e Impressão: QuidNovi. Praceta D. Nuno Álvares Pereira, 20 4º DQ Matosinhos. Tel Publicação trimestral: Jan/Fev/Março n.º 7/2006. Preço: 2,00 euros. Tiragem: exemplares. ICS: Depósito legal: /89. Contactos Ordem dos Engenheiros Região Norte Jorge Basílio, secretário-geral da Ordem dos Engenheiros Região Norte Sede: Rua Rodrigues Sampaio, Porto. Tel Fax Delegação de Braga: Largo de S. Paulo, Braga. Tel Fax Delegação de Bragança: Av. Sá Carneiro, 155/1º/Fracção AL. Edifício Celas Bragança. Tel Delegação de Viana do Castelo: Av. Luís de Camões, 28/1º/sala Viana do Castelo. Tel Delegação de Vila Real: Av. 1º de Maio, 74/1º dir Vila Real. Tel

3 Página 4 NOTÍCIAS info Saúde no ISEP Informática Aplicada à Saúde foi o tema da conferência realizada no dia 23 de Novembro de 2005, no Departamento de Engenharia Informática do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP). A iniciativa contou com profissionais provenientes de várias áreas e instituições. Rui Gomes, director de Informática e Sistemas no Hospital São Sebastião, explicou que são cada vez mais os profissionais requisitados para trabalhar ao nível da informatização. Altamiro da Costa Pereira, director do Serviço de Bioestatística e Informática Médica da FMUP, apesar de encontrar desvantagens no uso de sistemas informáticos, considera que nestes meios há um fácil acesso à informação, o que facilita bastante o trabalho dos médicos. Por sua vez, Carlos Ribeiro, coordenador do Gabinete de Informática da Administração Regional de Saúde do Norte, deu a conhecer números do sector da Saúde no Norte de Portugal. Segundo esses dados, a cidade do Porto é de todas a mais bem servida em número de médicos, apresentando 3,1 clínicos por 1000 habitantes. O distrito de Vila Real é o que apresenta resultados mais carenciados: 1,6 médicos por 1000 habitantes. Contudo, Carlos Ribeiro afirmou que os meios mais desfavorecidos começam a ser compensados através da telemedicina. António Costa, do Departamento de Engenharia Informática do ISEP, marcou o final da conferência, dando a conhecer a criação de uma pósgraduação em Informática Aplicada à Saúde. O curso, numa fase inicial, terá 15 vagas e será leccionado no ISEP. Sessão de encerramento do 20º aniversário do INESC no Porto Daniel Bessa e Pedro Guedes de Oliveira foram os convidados da sessão de encerramento das comemorações dos 20 anos de actividade do INESC no Porto, as quais tiveram lugar no dia 16 de Dezembro de No discurso de abertura, o presidente do INESC Porto, José Manuel Mendonça, manifestou o seu contentamento com o progresso do Instituto nos seus 20 anos de actividade no Porto: "Estas duas décadas foram marcadas por uma atitude de inovação, abertura ao exterior e uma demonstração da competência e da capacidade de intervenção na sociedade de um certo modelo de organização da relação Universidade-empresa. O modelo INESC, sim, mas, sem quaisquer complexos, um modelo INESC à moda do Porto ". O professor Pedro Guedes de Oliveira, que foi presidente do INESC Porto desde a sua fundação até Julho de 2005, e o economista Daniel Bessa abordaram o papel que o INESC Porto desempenha no relacionamento da Universidade com o tecido económico e com as instituições, projectando os desafios para os próximos anos. Pedro Guedes de Oliveira esclareceu que encarava a sessão não como o encerramento dos 20 anos do INESC Porto, mas como a abertura da terceira década. Em certa medida temos de nos reinventar para continuarmos a poder ser uma alavanca de mudança, atraindo e motivando os universitários, voltando

4 info NOTÍCIAS Página 5 a pressionar para que a universidade compreenda as ameaças que vai enfrentar e, perante elas, se inquiete, se movimente e se transforme, alertou o ex-presidente do INESC Porto. Depois das palestras teve lugar um momento musical, a cargo do grupo Camerata Senza Misura e Convidados, que homenageou Pedro Guedes de Oliveira com a peça "Passacaglia Intrinsecamente Mutante", da autoria de Carlos Guedes. Visivelmente emocionado, o professor recebeu a partitura das mãos do próprio compositor. Assim, todos os engenheiros inscritos na OE portuguesa passam a poder inscrever-se directamente na associação de Moçambique, através de uma declaração da entidade portuguesa, sem terem de se submeter aos critérios de admissão à Ordem local. Mariano Gago no INESC Porto No âmbito da Semana da Ciência e Tecnologia, Mariano Gago, ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, visitou, no dia 23 de Novembro de 2005, o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores do Porto (INESC). Presente pela primeira vez nas novas instalações do INESC Porto, no campus da Faculdade de Engenharia do Porto, o ministro visitou todos os departamentos e ouviu atentamente explicações acerca dos projectos desenvolvidos. Segundo as palavras de Mariano Gago, o INESC, que comemora 20 anos de actividade no Porto, "é uma grande instituição de investigação nacional, uma referência na sua área. É assim desde há muitos anos e hoje especializou-se, diversificou-se e internacionalizou-se. A internacionalização do INESC Porto talvez seja, nos últimos anos, uma das suas características fundamentais". No fim da visita, numa sessão exposta em inglês, o ministro dedicou alguns minutos a ouvir os estudantes de pósgraduação da instituição, oriundos de vários países, que falaram dos obstáculos que tiveram de enfrentar para a obtenção ou renovação de vistos junto das embaixadas para poderem trabalhar e estudar em Portugal. Engenheiros portugueses vão poder exercer profissão em Moçambique Os engenheiros portugueses vão poder exercer mais facilmente a sua actividade profissional em Moçambique, em resultado de um acordo estabelecido entre a Ordem dos Engenheiros (OE) portuguesa e a sua congénere daquele país.

5 Página 6 NOTÍCIAS info Novos membros da Academia da Engenharia No dia 13 de Dezembro de 2005, a Academia da Engenharia comemorou, no Centro Cultural de Belém, o seu décimo aniversário. Na cerimónia foram admitidos novos membros. António Carmona Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Alberto de Brito Pina, vice-presidente do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), Carlos Pimenta, professor catedrático da Faculdade de Economia do Porto, João Bento, administrador da Brisa, Mariano Gago, ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Luís António Aires Barros, coordenador científico da Universidade Técnica de Lisboa, e Natércia Rego Cabral, presidente do Conselho Superior de Obras Públicas e Transportes, são alguns dos novos membros. IMOPPI reforça segurança dos alvarás O Instituto dos Mercados de Obras Públicas e Particulares do Imobiliário (IMOPPI) começou a emitir, desde Janeiro, os alvarás de construção com novas características tipográficas que incorporam elementos adicionais de segurança. Os novos formulários serão elaborados pela Imprensa Nacional Casa da Moeda, assegurando todas as garantias de segurança e fiabilidade. O procedimento de emissão e envio de alvarás também sofre alterações, passando os dados destinados à personalização de cada alvará a ser enviados por via electrónica para a INCM. As comunicações de dados para a impressão dos alvarás realizam-se através de uma ligação segura (VPN - Virtual Private Network), criada entre as duas entidades. Novos materiais de construção A manutenção de temperaturas constantes e a poupança de energia são algumas das vantagens da nova tecnologia desenvolvida em parceria pela Micropolis e pela Universidade do Minho. O desenvolvimento de cápsulas microscópicas com a capacidade de se agarrarem aos tecidos para que estes fiquem impermeáveis à temperatura está na origem do processo agora aplicado aos materiais de construção. Os Phase Change Materials (PCM) têm a capacidade de absorver ou libertar grandes quantidades de energia de acordo com o seu estado físico. A equipa de investigadores conseguiu que as micropcm, utilizadas em argamassa de gesso, alcançassem uma consistência adequada. De momento, os efeitos térmicos continuam a ser testados neste projecto piloto. Inquérito nacional A Ordem dos Engenheiros (OE) levou a cabo,entre Abril e Setembro de 2005, um inquérito nacional que teve como objectivo determinar o perfil dos seus membros e das suas necessidades. A maior percentagem dos inquiridos reside na região de Lisboa (44,1%), tem entre 40 e 49 anos (30,3%), apenas possui licenciatura (77,3%) e está ligada à construção civil (32,5%). Um dos pontos a ter em atenção é a baixa percentagem de desemprego entre os associados deste organismo, com 1,5%, enquanto que com 70,1% situa-se o trabalhador por conta de outrem no sector privado e com 28,1% o trabalhador por conta de outrem no sector público. 15,4% dos inquiridos têm como principal área de actividade o projecto, logo a seguir, com 14%, a administração ou gestão. Quanto ao exercício de segundas actividades a maior percentagem é de respostas não dadas e 21,2% referem a área de projecto. Outros dados a ter em consideração são os valores relacionados com a importância de ser membro desta associação (5,9 numa escala de 1 a 10, em que 1 significa nada importante e 10 muito importante ), sendo que o motivo com quase maioria da percentagem foi a imposição profissional (49,2%). A OE irá publicar em livro os resultados deste inquérito.

6

7 Página 8 DESTAQUE info Estádio Municipal de Braga Um estádio de emoções Uma pedreira deu lugar em Braga a um dos estádios construídos para receber em Portugal o Campeonato da Europa de Futebol em Para a maioria dos portugueses é considerado como o mais inovador e mais bonito dos estádios. A Secil foi mais longe e considerou o projecto da autoria do arquitecto Souto Moura a melhor obra arquitectónica do ano de No ano seguinte, distinguiu o projecto de estrutura do engenheiro Rui Furtado, que coordenou a equipa da AFAconsult, com o Prémio Secil Engenharia Civil. Pela primeira vez, a mesma obra foi contemplada com as duas categorias do prémio bienal Secil, o que traduz a sua imponência em comparação com outros estádios e obras em geral construídas nos dois últimos anos em Portugal. Trinta mil lugares, mais de 50 mil horas de trabalho e 15 Para Rui Furtado (à direita), Carlos Quinaz (ao centro) e Renato Bastos (à esquerda) o Estádio Municipal de Braga é, até agora, a construção das suas vidas. milhões de euros de construção são alguns números que retratam a grande dimensão do Estádio Municipal de Braga. Um projecto que desde o início colocou desafios constantes aos intervenientes. O primeiro foi encaixar o estádio numa pedreira. Rui Furtado, Carlos Quinaz, coordenador-geral do processo, e Renato Bastos, responsável pela acompanhamento da cobertura, em entrevista, falaram do projecto, das alterações, das maiores dificuldades e tentaram identificar qual foi o maior desafio da construção. A este encontro apenas faltaram dois intervenientes que também

8 info DESTAQUE Página 9 Textos de Ana Ferreira. Fotos de Alfredo Pinto assumiram um papel muito importante no desenrolar da obra, Rui Oliveira e Pedro Moás. O Estádio de Braga foi um desafio do princípio até ao fim, começou por confessar Rui Furtado, explicando que, quando o arquitecto Souto Moura teve a ideia do estádio encravado na montanha, tive inicialmente um raciocínio muito típico de engenheiro: vamos fazer isto direitinho, com estudos técnicos. Mas, muito rapidamente, percebi que não podia ser nada daquilo, porque todo o processo tinha de ser feito de uma forma completamente diferente por causa dos prazos e, portanto, logo aí foi preciso ter um raciocínio de gestão de risco muito concreto. O primeiro foi que tínhamos de escavar metros cúbicos de saibro e rocha num prazo curto. A empreitada da escavação tinha de arrancar antes de termos todas as garantias. Carlos Quinaz concorda que, primeiro, o maior desafio foi a escavação. Eram números a que não estávamos habituados, por um lado era preciso rapidez, por outro um grande cuidado, pois a mínima falha da escavação podia comprometer as aspirações que se tinham para aquele espaço, justifica o engenheiro, que ainda complementa: Em determinada fase havia vários projectos de grande dimensão a decorrer ao mesmo tempo com a obra. Por exemplo, quando começou a escavação, teve de se lançar uma empreitada de contenção à posteriori, pois ninguém suspeitava que viessem a aparecer alguns imprevistos. Se olhar para as duas grandes paredes laterais do estádio elas estão todas estabelecidas artificialmente, tendo cabos por todo o lado. Em simultâneo estava a decorrer o processo de elevação do estádio, que em boa verdade era um projecto único. Por sua vez, a cobertura foi o grande e o único desafio de Renato Bastos. Uma empreitada de grau de exigência máximo, visto ser o elemento mais visível, composto por cabos full locked coil aos pares, afastados 3,75m entre si, sobre os quais se apoiam duas lajes de betão que cobrem as duas bancadas do estádio. Lembro-me de um episódio no início da cobertura, quando fiz com o engenheiro Pedro Pacheco os primeiros desenhos e a primeira conta de merceeiro e de termos ficamos assustados. A partir de aí foram só facilidades. A primeira conta é a prior, recorda o engenheiro. Antes de pôr as mãos à obra, a equipa sabia que o primeiro passo a dar era fazer um projecto de uma cobertura única no mundo, o que de facto foi conseguido não só pelo seu vão de 202m, mas também pelos cabos serem livres na zona central. Para se erguer a cobertura foram realizados ensaios em túnel de vento, em três países, a quatro escalas diferentes, nos quais estiveram envolvidas muitas entidades, como explica Renato Bastos: É um exemplo de que não se consegue, apenas recorrendo a computadores, prever e dimensionar aquele tipo. Temos que voltar aos modelos físicos, aos ensaios em modelo reduzido de túnel de vento e estudar o comportamento das peças em modelo reduzido como se fazia no século XX. A seguir à cobertura, a bancada poente foi o elemento mais complexo, por diversos problemas colocados: montantes ancorados em rocha e em saibro, funcionamento de conjunto da estrutura com o solo, compatibilização do funcionamento estrutural das estruturas com rigidezes muito distintas e fundações sobre banquetas instáveis. As dificuldades foram, porém, ultrapassadas com as soluções que pareceram à equipa ser as mais adequadas. Como decorreram vários projectos de grande dimensão em

9 Página 10 DESTAQUE info Estádio Municipal de Braga simultâneo, não se pode apontar um desafio único, mas sim vários, cujas decisões eram sempre condicionadas. Na verdade é um projecto de risco do princípio até ao fim. Estávamos sempre conscientes que podíamos voltar para trás, reconhece Rui Furtado. Outro factor a destacar na construção do estádio de Braga foi a relação de cumplicidade entre Engenharia e Arquitectura que existiu em todas as fases deste processo de risco e que foi sendo descoberta e aproveitada. Para mim, o maior fascínio de todo o processo foi a interligação fortíssima, que resulta também da sobriedade do arquitecto Souto Moura do ponto de vista da arquitectura, que, portanto, toma decisões por sensibilidade, refere Rui Furtado, que faz questão de salientar que tem de haver uma confiança e uma amizade muito grandes, porque normalmente os arquitectos mentem aos engenheiros e os engenheiros mentem aos arquitectos. Todos os riscos foram compreendidos e assumidos duplamente. Carlos Quinaz acrescenta que qualquer desenho, qualquer dimensão, qualquer peça foram discutidos com o arquitecto, o que é um processo pouco habitual. O diferente e o bonito deste processo, para o coordenador da equipa da AFAconsult, foi trabalhar como uma verdadeira equipa, o que é raro hoje em dia. Aquele projecto teve de nascer como uma coisa una, e, portanto, a concepção de tudo o que fazíamos envolvia todas as especialidades, unindo-se toda a gente. Os três engenheiros apontam que talvez esse tenha sido o maior desafio na construção do estádio. Como reconheceram, foram muitas as dificuldades e as zangas, mas todos estavam unidos por um objectivo comum: construir um estádio com transcendências, como diz em tom de graça Rui Furtado. O engenheiro comenta entusiasticamente que se espantou com a capacidade de união por parte de todos, salientando que houve um factor humano enorme na construção do estádio. Essa parte para mim é a que difere este projecto dos outros todos. Todos os projectos têm dificuldade técnicas, maiores ou menores, e este também tem muitas e diferentes, mas o que lá está não é resultado de uma competência técnica fantástica, é mais do que isso. É resultado de um objectivo comum. Por todos estes motivos, para o coordenador da equipa da AFAconsult esta é a obra da sua vida, até ao momento, tendo-lhe deixado marcas muito profundas. Aguarda agora um próximo desafio, mas os três engenheiros são unânimes na afirmação: Não vai haver um segundo estádio!.

10 info DESTAQUE Página 11 Prémio Secil 2005 A engenharia civil é uma das áreas em que os portugueses se distinguem, onde a sua contribuição é relevante para a Humanidade. Tal como a Arquitectura. Dois domínios que elegemos para desempenhar a parte que nos cabe nessa tarefa. E que, no momento em que se assinalam 10 anos sobre a criação do Prémio Secil de Engenharia Civil, simbolicamente se evidenciam a sua enorme complementariedade, ao ser corporizada na mesma obra, o novo Estádio de Braga, a atribuição deste prémio, depois de ter sido eleita para o Prémio Secil de Arquitectura em 2004, salientou o presidente do Conselho de Administração da Secil, Pedro Queiroz Pereira, na cerimónia de entrega dos prémios Secil 2005, realizada no Centro Cultural de Belém, a 11 de Janeiro de Este prémio tem como objectivo incentivar e promover o reconhecimento público da qualidade de obras efectuadas por portugueses, recorrendo ao cimento, o material que é o cerne da actividade da Secil. Artur Ravara, presidente do júri do Prémio Secil Engenharia, justificou a decisão de atribuição deste prémio ao Estádio de Braga por se distinguir pela diversidade e complexidade dos problemas postos aos seus autores, em particular no que diz respeito à cobertura e à bancada poente. O presidente do júri acrescentou: A obra premiada constitui uma solução relevante, em íntima ligação com a sua expressão arquitectónica, contribuindo para a prossecução dos seus principais objectivos rigor, leveza e simplicidade formal. Em resposta, o coordenador do projecto vencedor, Rui Furtado, afirmou que os anos da construção do Estádio de Braga foram os quatro anos mais intensos da minha vida. Foi um projecto com risco, rigor e exigência sem limites. É uma história de paixão e ainda hoje me arrepio quando o visito. Esta obra tinha, sobretudo, que encantar, era esse o nosso objectivo. Curiosamente, no ano de 2003, o prémio foi entregue à Região Norte, nas mãos de João Pires da Fonseca, pelo seu trabalho no Viaduto da Avenida Marginal do Parque da Cidade do Porto. Além da Secil promover dois prémios bienais que se destinam à Arquitectura (nos anos pares) e à Engenharia Civil (nos anos ímpares), atribui os prémios anuais Universidades de Arquitectura e de Engenharia Civil. Este ano o Prémio Secil Universidades 2005 de Engenharia Civil destinou-se a três trabalhos: um da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, referente a um projecto de execução de um pavilhão de Verão para a Serpentine Gallery em Londres, cuja estrutura é executada em madeira lamelada colada; o segundo do Instituto Superior Técnico, dizendo respeito a modelação e a análise do comportamento sísmico de um edifício característico em termos estruturais (tipo galioleiro ), no qual se implementa uma solução de reforço sísmico recorrendo a dissipadores viscosos; e o terceiro para a Universidade da Beira Interior, apresentando a análise estrutural da Igreja de Norte- Dame du Raincy, evidenciando o estudo da cobertura. Pude contactar com a qualidade de todos os trabalhos a concurso, sendo este prémio um estímulo a estes jovens que vão passar a integrar este mundo pluridisciplinar da Engenharia. Começam agora uma vida aliciante, mas cheia de responsabilidades, afirmou José Manuel Ferreira Lemos, presidente do júri deste prémio. A cerimónia de entrega dos prémios Secil contou com a presença do ministro das Obras Públicas e dos Transportes, Mário Lino Correia, do pai dos prémios Secil, Mário Valadas, do bastonário da Ordem dos Engenheiros, Fernando Santo, da presidente da Ordem dos Arquitectos, Helena Roseta, e do presidente do Júri Prémio Secil Universidades Arquitectura, Samuel Torres de Carvalho.

11 Página 12 DESTAQUE info Estádio Municipal de Braga Engenharia e Arquitectura: as duas faces da mesma moeda Este texto é um segundo, é aquilo que agora vejo, passados dois anos depois da obra. Escrever deve ser um projecto, não é contar episódios, emoções, factos; é fixar um olhar num sítio é obra própria nossa (1). Escrever sobre o Projecto de Engenharia do Estádio não é falar da gravidade, da anulação dos momentos, da tracção e da compressão. Escrever não é falar da empatia entre duas disciplinas, a Arquitectura e a Engenharia, que foram sempre uma só, mas de um projecto de vida e não sobre a vida de um projecto. Durante três anos engenheiros e arquitectos propuseram-se alterar o lugar de uma pedreira, para que aquele sítio, que era para nós o mundo todo, pudesse ficar melhor. Durante dias e noites, semanas, fins-de-semana, desenhámos maquetas, viajámos, ensaiámos, confirmámos e anulou-se a gravidade. Dias e noites trabalhámos à tracção e à compressão para que esta obra pudesse existir. Hoje, quando vemos os exercícios de desenho das crianças nas escolas, representando o Estádio, pensamos que aquele sítio é mais lugar e as pedras que insistem em mexer-se e teimam em não calar-se ficaram domesticadas. Como dizia o Poeta (1) é preciso outorgar a natureza às nossas violações. Hoje, com a colaboração da Engenharia, com aquele betão natural, saído do corte artificial da pedra, pensamos que aquele mundo ali ficou mais natural é obra própria nossa (1) Eduardo Souto Moura, Porto, 16 de Maio de 2005 (1) Herberto Hélder

12 info ENTREVISTA Página 13 Rui Furtado, engenheiro civil Rui Furtado, o senhor engenheiro civil O edifício da Sede da Vodafone no Parque das Nações, o Pavilhão de Portugal na Expo 98, a Casa da Música e vários projectos internacionais integram o vasto currículo do engenheiro Rui Furtado, membro associado da AFAconsult, sediada no Porto. Vários prémios já fazem parte do seu percurso. Soma-se agora o Secil de Engenharia Civil É chegado o momento de passar os olhos pelo estado da Engenharia Civil em Portugal. Iniciou carreira, em 1982, como projectista de estruturas. Quando acabei o curso, fui para a EFANOR, na altura estava a construir três fábricas. Logo no início, tive a sorte de começar a trabalhar numa coisa que é muito importante: fazer projecto e fiscalização ao mesmo tempo. É importantíssimo para o projecto a experiência da obra. Uma pessoa percebe o que está a fazer e para que é que aquilo serve. Depois a empresa faliu e eu e o meu sócio formámos a AFA. Logo começámos com dois projectos: a Escola Superior de Biotecnologia e o Continente de Matosinhos. Dentro da empresa fiz um pouco de tudo, a nível de projecto e de fiscalização. A partir de então a Engenharia passou a ser uma necessidade? Convenço-me cada vez mais que podia ter sido qualquer coisa. Nunca vi na Engenharia uma vocação. Sinto que gosto muito daquilo que faço, mas que gostaria de qualquer coisa que fizesse. Perguntaram-me uma vez se gostaria de ter sido arquitecto e respondi que não. Não porque não goste, pois fascina-me, mas acima de tudo não sinto ter as características necessárias. Adoro a Arquitectura vendo-a como engenheiro. A gestão e a performance das empresas também penso que me fascina. Quais são as suas principais motivações? Uma das mais importantes motivações é conseguir manter una esta equipa, que fomos formando ao longo dos anos, e desenvolver-se permanentemente. É uma das minhas grandes motivações como pessoa. Acho que temos uma equipa fantástica, com muito boas características. Do ponto de vista do projecto, tenho uma perspectiva abrangente: acho que a Engenharia existe para contribuir para algo que é mais do que a própria Engenharia. Quando fazemos Engenharia, temos de pensar para que é que aquilo serve e qual o objectivo da nossa contribuição. Isto é um pouco a filosofia que tenho desenvolvido ao longo dos tempos e daí que reconheça na Arquitectura uma componente muito importante. Isto no campo dos edifícios, onde tenho mais experiência. Sobre as pontes também tenho uma perspectiva, que é muito discutida e polémica e normalmente os engenheiros ficam zangados comigo. Tem a ver com o facto de que cada um deve fazer o que sabe fazer. A maior parte do que vemos é feito e desenhado Rui Furtado: Acho que a Engenharia existe para contribuir para algo que é mais do que a própria Engenharia por engenheiros, mas estes não nasceram necessariamente para desenhar. Os engenheiros são bons para calcular, para inventar, mas para o resultado final não serão as pessoas mais indicadas para fazê-lo. Esta é uma das discussões que tenho relativamente às pontes. Acho que há génios na Engenharia, como Edgar Cardoso. Qualquer ponte dele foi magistralmente desenhada. É melhor do que 90% dos arquitectos, mas a média dos engenheiros não têm essa felicidade. Acho que há lugar para uma colaboração muito interessante com os arquitectos. Temos, aqui para o Douro, os projectos das duas novas travessias sobre o rio, em colaboração com o arquitecto Siza Vieira, nos quais a contribuição dele em termos de desenho e de integração é absolutamente fantástica.

13 Página 14 ENTREVISTA info Texto de Ana Ferreira Fotos de Alfredo Pinto Está de acordo com a opinião de que se atribui mais importância à Arquitectura do que à Engenharia? Isso é uma evidência, mas não me choca nada, porque o reconhecimento público é das coisas que as pessoas entendem e a beleza entende-se. Os grandes engenheiros que são conhecidos não o são devido à sua faceta de engenheiro, mas pela de arquitecto. É evidente que os arquitectos mexem muito mais com o nosso dia-a-dia, sobretudo na cidade. É normal que até os Media se interessem mais pela Arquitectura. Acho que isso resulta de uma realidade contra a qual não se pode fazer muito. Qual é a sua opinião sobre o trabalho dos engenheiros nos dias de hoje? O que é facto é que os engenheiros por não serem conhecidos estão sujeitos a uma pressão, especialmente em termos de honorários, que a maioria das vezes não lhes permite fazer o trabalho com a qualidade que todos gostariam. Mas isso também se nota na Arquitectura. Esse é um aspecto que deve ser regulamentado, de uma forma mais eficaz, porque as consequências deste regime são péssimas para a profissão e para os resultados. O problema já não se coloca na questão do estímulo. Hoje em dia, os honorários são tão apertados que as pessoas têm de fazer aquilo com pouco dinheiro e depressa e depressa e bem não há quem. Esse é um dos grandes problemas que encontro neste momento em Portugal. Há outros problemas em relação à profissão de Engenharia em Portugal: o mercado, a crise económica reflecte-se em mais consequências na profissão e os desafios que se colocam são pequenos. Mas, se formos buscar o historial da nossa profissão, descobrimos que o facto do nosso mercado ser pequeno, e que esteve parado muito anos, levou a que se perdesse a tradição de uma classe de grande Engenharia que existiu há 40 ou 50 anos atrás. Por exemplo, em relação aos comboios. Por outro lado, sendo um mercado pequeno e pouco competitivo, limita-nos muito. A Expo 98 foi uma lufada de ar fresco. Não só em termos de Engenharia, mas também de arquitectura, pois permitiu abrir perspectivas que depois foram sendo desenvolvidas. Quanto ao Decreto 73/73? Acho muito importante numa perspectiva cívica e civil. É preciso realmente atribuir responsabilidades às pessoas. Hoje em dia há uma série de profissões que não existiam em 1973 e que têm de ser regulamentadas, mas também acho importantes muitas outras leis e enquadramentos das profissões para defesa desta actividade e da sociedade. Considero que é importante o decreto, mas numa certa altura tornou-se uma peça de batalha entre a Ordem dos Engenheiros e a Ordem dos Arquitectos. Se o mercado for maduro, é o próprio que exige que um projecto seja de um arquitecto. Outro factor muito importante, é que deve ser definido por lei a atribuição de responsabilidades a cada interveniente do processo de construção. Considera que actualmente a formação curricular académica coaduna-se com as exigências profissionais? Não é só um problema da Engenharia. Os programas curriculares coadunam-se com as necessidades actuais. Acho que do ponto de vista de conhecimentos técnicos são bastante bons, mas o problema é de formação de base, da formação intrínseca das pessoas. Acho que se perdeu por completo, que existia e que hoje não existe de maneira nenhuma, a responsabilização e a exigência. As pessoas não estão habituadas a exigir delas e a serem responsabilizadas e é um problema geral que vem desde a escola primária. As pessoas não estão habitadas a viver com a arbitrariedade. A vida nem sempre é como nós gostamos e temos de saber viver com isso. Os miúdos não estão habituados a ser contrariados, a exigir-se deles. Há uma política de facilitismo total. E isso foi trazido para as faculdades, o que me parece muito mau. Até porque o mundo que está aí é de uma concorrência global desenfreada, com gente que está habitada a passar por tudo. Se os nosso jovens vão tentar concorrer dentro deste ambiente, não auguro grandes sucessos.

14

15 Página 16 VIDA ASSOCIATIVA info Dia Nacional do Engenheiro em Bragança O recanto nordeste transmontano de Bragança recebeu nos dias 18 e de 19 de Novembro mais de 250 engenheiros em comemoração do Dia Nacional do Engenheiro Obedecendo a um esquema de alternância entre as três regiões do país, no ano de 2005 coube à Ordem dos Engenheiros-Região Norte (OERN) apresentar a proposta de local para acolher o encontro, a qual foi aceite pelo Conselho Directivo Nacional (CDN). Aliás, sabe-se já que a edição do próximo ano realizar-se-á no Algarve. Como explicou Gerardo Saraiva de Menezes, presidente do Conselho Directivo da Ordem dos Engenheiros - Região Norte (CDOERN): O facto do Dia Nacional se realizar este ano em Bragança é resultado de uma proposta da direcção da OERN. A nossa ideia é descentralizar as acções da Ordem, chegar aos sítios mais afastados, onde as coisas são mais difíceis, as pessoas têm mais imaginação e mais capacidade de superação das dificuldades. Bragança é uma cidade de referência e um bom exemplo de como no interior, apesar das dificuldades e das costas voltadas dos centros de decisão, se conseguem fazer coisas bonitas e promover aquilo que é intrinsecamente nosso. Gerardo Saraiva afirmou ainda que o Dia Nacional tendo dado início às comemorações na véspera, serve para distinguir colegas com currículos mais relevantes e para os mais novos que apresentam melhores trabalhos nos estágios. É um dia fundamentalmente de convívio, embora também tenha integrada nas comemorações uma assembleia magna, na qual normalmente se discutem assuntos de interesse para a Ordem. Os colegas podem livremente colocar os temas que entendam. A recepção, realizada a 18 de Novembro de 2005 nos Paços do Concelho, deu início à programação do Dia Nacional do Engenheiro. Esta contou com a presença de Conceição Baixinho, delegada distrital da OE, e de Jorge Nunes, presidente da Câmara Municipal de Bragança, os quais deram as boas-vindas aos engenheiros com a apresentação de um vídeo sobre Bragança. Conceição Baixinho considera que às vezes Bragança parece ser esquecida por estar distante e que este encontro além de contribuir para o turismo da região, é importante para os engenheiros aqui sediados porque dá um sinal de descentralização, um sinal da importância da nossa região. Por sua vez, Jorge Nunes considera que é uma atitude positiva com a Ordem a olhar para o território no seu todo, percebendo que também tem engenheiros em Bragança, ao contrário daquilo que acontece muitas vezes com o Governo que pensa que Bragança não faz parte do território nacional. Nesta perspectiva a Ordem marcou a sua diferença, estando na capital de distrito mais afastada de Lisboa. Isso é positivo, porque permite aos seus associados conhecerem uma parte do território, que é a mais bonita do país em termos ambientais e patrimoniais. Para nós é uma oportunidade para promover o território, o conhecimento da economia, da actividade, da Arquitectura e da Engenharia desta cidade. O presidente reforça a ideia de que o Governo esqueceu-se de Bragança há décadas. Esta é uma boa forma de conhecer Bragança. Uma parte dos participantes no encontro não conhece Bragança e seguramente vai ficar impressionada pela positiva relativamente a esta parte do país. E, com esse melhor conhecimento, também podem ajudar a influenciar a nível político. Temos consciência de que as grandes decisões também se fazem com o pequeno trabalho, como um trabalho de formigas. Após a cerimónia na Câmara Municipal de Bragança, as actividades integraram

16 info VIDA ASSOCIATIVA Página 17 a inauguração da exposição fotográfica 100 obras de engenharia civil no século XX em Portugal no Centro Cultural Municipal e uma sessão-debate sob o tema O papel dos engenheiros na gestão municipal realizada à noite no Hotel Turismo São Lázaro. Jorge Nunes e Leitão Borges, ambos engenheiros e presidentes das câmaras de Bragança e Resende, respectivamente, e o engenheiro Joaquim Poças Martins, docente da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, foram os palestrantes dessa sessão, que foi moderada pelo engenheiro Hipólito de Sousa, membro do Colégio de Engenharia Civil da OERN. Foi unânime a opinião dos intervenientes quanto às grandes responsabilidades e exigências dos engenheiros nos munícipios. Tenho visto os engenheiros a fazer mais advocacia e menos engenharia do ponto de vista legislativo nacional. Tem de se lidar com processos complexos de construção de obras, afirmou Jorge Nunes, o qual ainda reforçou que tem defendido junto da Associação Nacional dos Municípios a elaboração de um código de procedimentos autárquicos. Leitão Borges referiu a existência dos 256 procedimentos na administração pública para que o empreendimento de obra pública esteja correcto do ponto de vista legal e os 280 diplomas que se relacionam com o acto de projectar uma obra, concluindo que não temos outra alternativa se não reforçar o nosso grau de formação. Foi também consensual a ideia de que a Ordem dos Engenheiros (OE) devia ter um papel mais interventivo e nesse sentido o bastonário expressou a sua vontade de realizar em 2006 o primeiro encontro de engenheiros que trabalham em câmaras municipais. Sessão solene no teatro municipal A visita ao Parque Natural de Montesinho ou a visita ao centro histórico de Bragança marcaram o arranque da programação do dia 19 de Novembro. A tarde ficou marcada pela assembleia magna, na qual se debateram os problemas da Ordem, e pela sessão solene decorridas no Teatro Municipal. Após os discursos de Conceição Baixinho e de Gerardo Saraiva de Menezes, realizou-se durante a sessão solene a entrega de prémios aos melhores estágios de 2005 por especialidade. Queirós Saldanha foi o estágiário, em representação dos seus colegas vencedores, que agradeceu o prémio. Este jovem, licenciado pela Universidade de Trás-os-Montes em Engenharia Civil, não foi o único da Região Norte a ser chamado como melhor estagiário de 2005, em diferentes áreas: Sandra Monteiro (agronómica), Nuno Patrão, (electrotécnia), Ana Ferrer (geográfica), Nuno Martins (geológica e de minas), Rui Simões (mecânica) e Jorge Silva (metalúrgica e materiais). Após um momento musical, os presentes aplaudiram as homenagens aos engenheiros com mais de 50 anos de inscrição na OE e aos engenheiros outorgados com o nível de qualificação profissional de membro sénior e com o título de especialista, aos engenheiros outorgados com o nível de qualificação profissional de membro conselheiro. A sessão ainda ficou marcada pela conferência proferida por Ângelo Ludgero Marques sobre A Engenharia no Futuro da Economia, um tema que classificou como complicado, visto as empresas portuguesas estarem obrigadas a tomar rumos rápidos a nível de mercados e de tecnologia. As empresas têm de viver em mudanças permanentes e ter estruturas flexíveis, sendo que o papel dos engenheiros é o de garantir o desenvolvimento técnico e tecnológico das empresas, referiu. Além disso, na sua opinião tem de existir uma maior proximidade entre as escolas e as empresas: Apostar na formação em Engenharia no ensino superior, inserir os

17 Página 18 VIDA ASSOCIATIVA info alunos nas empresas, sendo necessário haver quadros internos capazes de os receber. Ludgero Marques ainda afirmou que a Engenharia vai ter futuro em Portugal, onde a indústria vai ter um papel importante a nível económico e tecnológico. Para isso, é preciso apostar na formação dos alunos e no fomento das empresas, que passa pela internacionalização e pelo desenvolvimento técnico e tecnológico. A sessão foi encerrada com o lançamento do livro A Importância da Engenharia na Competitividade XV Congresso da OE e o discurso do bastonário. Para Fernando Santo há um desânimo actual dos engenheiros, mas fez questão de lembrar que, se por um lado, quando o país se desenvolve mal, os engenheiros estão mal, por outro lado, não há nada no país que se possa desenvolver sem a Engenharia. Quanto ao facto deste encontro ter sido realizado em Bragança comentou: Às vezes até se exerce mais Engenharia fora das grandes cidades, pois essas têm quase tudo resolvido. Um cidadão de Bragança provavelmente percebe melhor o papel de Engenharia do que alguém que está no meio de uma cidade e que está a falar ao telemóvel, que abre a torneira e tem água, e não se lembra que por detrás de tudo aqui há uma actividade de Engenharia que foi desenvolvida. Todas estas benfeitorias a que temos acesso, e sobretudo os jovens, não fazem uma correlação entre o ter e o não ter. A programação do Dia Nacional do Engenheiro 2005 chegou ao fim com um jantar-convívio no Hotel Turismo São Lázaro. Tertúlias científicas Alguns temas científicos que marcam a agenda da actualidade têm sido debatidos em ambiente tertuliano no Teatro de Vila Real, com o apoio dos colégios da Região Norte de Engenharia Agronómica e do Ambiente da Ordem dos Engenheiros. Este ciclo de debates tem envolvido a comunidade e os profissionais do sector na discussão de temas que preocupam os cidadãos no domínio da gestão da água, da qualidade do ar e da gestão de resíduos de diferente proveniência. Esta iniciativa tem como epicentro os centros de investigação da Universidade de Trásos-Montes e Alto Douro (UTAD), em particular, os Centros de Estudos Tecnológicos, do Ambiente e da Vida (CETAV) e o Centro de Estudos de Gestão dos Ecossistemas (CEGE), tendo merecido também o apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia. O painel que integra os temas destas tertúlias científicas é constituído por nomes de reconhecido mérito no panorama científico nacional. O debate do primeiro tema sobre a água decorreu no dia 2 de Novembro e estiveram presentes os professores Adriano Bordalo e Sá, da Universidade do Porto, e Rui Cortes, da UTAD, e o administrador da empresa Águas de Trás-os-Montes Alexandre Chaves, estando a moderação a cargo do coordenador do Colégio Regional, Fontaínhas Fernandes. No dia 28 de Novembro decorreu a discussão do segundo tema sobre a problemática dos resíduos com a participação da professora Graça Martinho, da Universidade Nova de Lisboa, de Paulo Praç,a da empresa Resíduos do Nordeste e do engenheiro Paulo Noronha, da Associação de Municípios. A terceira tertúlia abordou a questão do ar, integrando o painel Carlos Borrego, professor da Universidade de Aveiro, e Pedro Mata, com a moderação da investigadora da UTAD, Margarida Correia Marques. OERN na Concreta A Ordem dos Engenheiros - Região Norte (OERN) participou na Concreta, realizada entre os dias 26 e 30 de Outubro de 2005, na Exponor, em Leça da Palmeira. Organizada pela Exponor Feira Internacional do Porto, em colaboração com a APCMC Associação Portuguesa

18 info VIDA ASSOCIATIVA Página 19 dos Comerciantes de Materiais de Construção, a Concreta é uma das feiras mais representativas que se realizam em Portugal. Foram muitos os profissionais que se deslocaram ao evento para conhecerem as novas mostras dos sectores da Construção, Obras Públicas, Ambiente, Mecânica, entre outras vertentes de Engenharia. De acordo com o engenheiro Machado e Moura são várias as razões da OERN em participar na feira, realçando que, perante um evento de tal importância, existe a oportunidade de contactar com os meios e profissionais de maior reputação. Este é já um local privilegiado para o lançamento de novos produtos e serviços e, dado o elevado número de visitantes, Machado e Moura afirma que é sempre uma boa ocasião para a OERN dar a conhecer as suas actividades. Além disso, é possível conhecer publicações e o preenchimento de impressos para eventuais candidaturas para a OERN. Durante a Concreta esteve patente um programa de actividades paralelas dividido pelos diferentes dias. No dia 26 realizou-se o Dia do Comerciante com uma discussão sobre os Aspectos Práticos da Aplicação da Directiva sobre Produtos da Construção e as Oportunidades e os Desafios da Reabilitação. No dia seguinte tiveram lugar seminários subordinados aos temas Conflitos em Direito das Empreitadas e Estacas-Pranchas de Aço em Obras Portuárias. Já no dia 28 deu-se destaque à conferência sobre Domótica Gestão Inteligente de Espaços e Eficiência na Engenharia de Edifícios. Por fim, no dia 29 realizou-se um seminário que teve como tema Conhecer Antes de Intervir: Inspecções e Ensaios com Vista à Reabilitação Estrutural de Edifícios Antigos. XV Congresso de Zootecnia De 2 a 5 de Novembro realizou-se, na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), o XV Congresso e o I Ibero-americano de Zootecnia. A responsabilidade desta iniciativa foi da Associação Portuguesa de Engenheiros Zootécnicos e mereceu o apoio da Ordem dos Engenheiros (OE). O tema central deste encontro foi a investigação e o desenvolvimento em ciência animal, tendo sido repartido por 15 sessões temáticas, em que estiveram presentes oradores convidados de reconhecidas competências científicas e técnicas. Este congresso integrou ainda as III Jornadas Internacionais de Cunicultura e diversos workshops sobre assuntos da actualidade, designadamente Segurança Alimentar, Diagnóstico da Gestação em Ruminantes, Zootecnia nos trópicos e Novas Tecnologias em Melhoramento Animal. No último dia de trabalhos, o Colégio Regional de Engenharia Agronómica da OE apoiou uma sessão que analisou o ensino e a empregabilidade no sector agrário. Durante esta sessão o engenheiro Fontaínhas Fernandes, coordenador do colégio, traçou uma perspectiva sobre a Reforma de Bolonha e as suas implicações nos cursos do sector agrário, tendo apontado algumas pistas de ordenamento do ensino no sector agrário em Portugal. Foi analisado este assunto no espaço iberoamericano, contando com a presença na discussão de representantes de universidades brasileiras e do presidente da Associação Brasileira de Zootecnistas. Esta sessão reuniu docentes, investigadores e agentes empregadores da área, tendo estado presentes representantes de diversas empresas privadas e de instituições com interesse na ciência animal, que se debruçaram sobre as questões da empregabilidade. Durante o congresso foram estabelecidos alguns protocolos de cooperação celebrados entre a UTAD e as empresas do sector, uma iniciativa

19 Página 20 VIDA ASSOCIATIVA info que foi estimulada pela APEZ. Encontros de Viticultura e Enologia Viticultura e Enologia foi o tema do encontro realizado na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro nos dias 18 e 19 de Novembro. O evento contou com o apoio do Colégio de Engenharia Agronómica da Ordem do Engenheiros-Região Norte, tendo estado presentes de cerca de 300 profissionais do sector agrário, em particular, da Enologia e da Viticultura. O programa deste encontro integrou um vasto conjunto de comunicações distribuídas por diversas sessões, onde foram equacionados os principais temas da actualidade, designadamente sobre o domínio da melhoria e da implementação de novas técnicas no sector vitivinícola, a evolução da viticultura numa perspectiva de responsabilidade ambiental, a problemática dos vinhos em diferentes regiões e os processos enológicos. A experiência empresarial, o marketing, a análise de projectos de investigação em curso, a inovação e a aplicação de novas tecnologias foram outras das questões que mereceram a preocupação dos participantes. Ruído na Invicta No dia 30 de Novembro de 2005 realizou-se, na sede da Ordem dos Engenheiros - Região Norte (OERN), o II Ciclo de Palestras Estado do Ambiente na Região Norte subordinado ao tema O Ruído Instrumentos de Gestão. O objectivo do encontro foi discutir aspectos relevantes sobre o ruído, bem como a sua exposição em locais de destaque da cidade do Porto. Além da presença de profissionais de renome, fizeram parte da assistência muitos estudantes. O engenheiro Pedro Pombeiro, chefe de Divisão do Gabinete de Ambiente da Câmara Municipal do Porto (CMP), abordou a implementação do regulamento geral de ruído no Município do Porto. Por sua vez, Rui Calejo, do Laboratório de Acústica da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), apresentou algumas soluções para combater a poluição do ruído e deu a conhecer, através de mapas de ruído, artérias que contam com decibéis desproporcionados em pleno centro da Cidade Invicta. Para que os presentes sentissem de perto o ruído que se faz sentir na Via de Cintura Interna (VCI), na Avenida da Boavista e no Bairro de São Tomé o som das colunas e do microfone foi elevado de forma substancial. A VCI foi a zona a registar valores mais altos, entre 80 e 85 decibéis, quando o máximo aceitável é de 65. Já o Bairro de São Tomé registou valores entre 40 e 45 decibéis. Luís Conde, do Laboratório de Acústica e Vibrações Lda, versando sobre A Aplicação de Mapas de Ruído em Planos de Pormenor, explicou que existem mapas de conflitos, ou seja, o som não é o mesmo durante as 24 horas, sendo o panorama diferente de dia e à noite. Realçou ainda que os mapas de ruído são uma ferramenta poderosa a ter em conta no Plano Director Municipal (PDM). Quanto aos desafios da Refer, o engenheiro João Sarmento adiantou que até 2008 serão tomadas medidas de redução de ruído para os grandes eixos ferroviários. Delegação de Braga comemora 2º aniversário A Delegação de Braga da Ordem dos Engenheiros (OE) comemorou o segundo ano de abertura da sua sede distrital de Braga, no dia 5 de Dezembro de Na pequena cerimónia de comemoração homenageou-se José Vieira, o primeiro delegado distrital, tendo-se colocado uma fotografia deste professor e engenheiro na sala de reuniões. Para a cerimónia foram convidados os membros do Conselho Directivo da Região Norte da Ordem dos Engenheiros (CDRN), delegados de Braga e a equipa de trabalho que foi responsável pelo projecto de construção do edifício, destacando-se os engenheiros Alberto Fernandes e Luís Macedo. O delegado distrital, o engenheiro Paulo Rodrigues, abriu a cerimónia, enaltecendo o excelente trabalho que foi desenvolvido por José Vieira, o delegado de então. Após o descerramento da bandeira da OE, seguiu-se uma intervenção de José Vieira, que complementou as palavras do actual delegado distrital, focando dificuldades e as actividades desenvolvidas na época, e mostrou-se particularmente satisfeito pelo resultado do esforço que a delegação fez na altura para que o actual projecto fosse conseguido.

20 info VIDA ASSOCIATIVA Página 21 No final desta intervenção, Paulo Rodrigues ofereceu uma salva de prata em nome da delegação distrital. Houve ainda lugar para uma pequena intervenção do presidente do CDRNda Ordem, Gerardo Saraiva de Menezes, que leu uma carta do engenheiro Fernando Almeida Santos e depois elogiou o trabalho do homenageado. A cerimónia prosseguiu com um jantar volante. 3º Encontro de Engenharia Civil Norte de Portugal Galiza políticos, quadros de topo da administração pública, decisores de grandes empresas e concessionárias, bem como de investigadores e docentes universitários. A sua realização tem ocorrido alternadamente no Norte de Portugal e na Galiza, com um formato que assenta em conferências de oradores convidados, portugueses e espanhóis, complementadas com períodos de discussão. Para além das sessões de trabalho, um complemento social cuidado tem contribuído para fomentar a aproximação e a troca de experiências bilaterais. Em 2006, cabe ao Colégio Regional português a responsabilidade de organizar o encontro. Com o tema a água, este encontro decorrerá no Porto, na Fundação Cupertino de Miranda, a 25 e 26 de Maio. No âmbito da organização deste evento, teve lugar no passado dia 13 de Janeiro, em Viana do Castelo, mais uma reunião das comissões científica e organizadora. Falar da relevância do tema é quase desnecessário, numa altura em que se generaliza a consciência social de que a água, nas suas várias formas, é um recurso, cuja gestão racional vai ser decisiva no futuro. Mas nos planos estratégicos, de articulação bilateral e técnico, há muito a discutir sobre a água, possibilidades de utilização, gestão racional e riscos. Assim, este terceiro encontro elegeu como temas principais: Água e a Energia, Água Como Recurso, incluindo águas superficiais e subterrâneas, estuários, problemas de segurança e reservas, Fenómenos Extremos e Poluição e Regimes de Utilização da Água. Sobre cada um destes temas existirão conferências de especialistas de ambos os países, bem como um espaço para discussão em mesasredondas alargadas, fazendo deste evento um momento de excelência para a reflexão de todos quantos, de uma forma ou de outra, estão envolvidos nesta problemática ou simplesmente se preocupam com os temas vitais do desenvolvimento da nossa comunidade. Desde 2001, o Colégio Regional de Engenharia Civil da Região Norte da Ordem dos Engenheiros e o Colégio de Caminos, Canales y Puertos da Galiza Demarcacion de Galícia têm vindo a organizar eventos intitulados Encontros de Engenharia Civil Norte de Portugal- Galiza, sobre temas actuais de interesse estratégico para o desenvolvimento bilateral, e, em geral, com enfoques que ultrapassam a estrita dimensão regional. Estes encontros, que traduzem o empenhamento do Conselho Regional do Colégio e da Direcção da Região Norte da Ordem dos Engenheiros no debate e desenho de soluções que visem o desenvolvimento integrado desta euroregião, têm contado com a presença de

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

12CNG CONGREssO NaCiONal de GEOtECNia GUIMArães 2010

12CNG CONGREssO NaCiONal de GEOtECNia GUIMArães 2010 26 A 29 de abril. GUIMARãES 2010 geotecnia e desenvolvimento sustentável Convite A Sociedade Portuguesa de Geotecnia (SPG) e o Departamento de Engenharia Civil da Universidade do Minho (DEC-UM) têm a honra

Leia mais

Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020

Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020 Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020 08 Abril 2015 Há quase três décadas que Portugal recebe fundos europeus, mas o próximo quadro comunitário de apoio está a merecer uma

Leia mais

IPAM reforça no Porto. Pdg. 76. Por M." João Vieira Pinto

IPAM reforça no Porto. Pdg. 76. Por M. João Vieira Pinto IPAM reforça no Porto Pdg. 76 Por M." João Vieira Pinto IPAM reforça no Porto Afirma-se como lhe Marketing School e ambiciona ser a referência do ensino nesta área. Por isso, ejá a partir do próximo ano,

Leia mais

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento Índice Pág *09 Como participar Pág *10 Calendário Pág *11 Os resultados Pág *12 Júri Pág *13 Regulamento Pág *01 Introdução Pág *02 Um programa alargado de intervenção Pág *05 Viver de Consciência Leve

Leia mais

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Cidade de Guimarães Faixas Etárias do Concelho 65 ou mais 24-64 anos 15-24 anos 0-14 anos 0 20000 40000 60000 80000 100000 População do Concelho 159.576

Leia mais

VIDA E ACTIVIDADES DO INSTITUTO (IUDPS)

VIDA E ACTIVIDADES DO INSTITUTO (IUDPS) VIDA E ACTIVIDADES DO INSTITUTO (IUDPS) ESTÁGIOS CURRICULARES Os Estágios Curriculares no ano lectivo 2001/2002 Ao longo do ano lectivo de 2001/2002, a Comissão Coordenadora dos Estágios desenvolveu mais

Leia mais

IISEMANA 13 DE ABRIL / 15H00 SESSÃO DE ABERTURA DA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA

IISEMANA 13 DE ABRIL / 15H00 SESSÃO DE ABERTURA DA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA INSTITUTO DA CONSTRUÇÃO E DO IMOBILIÁRIO IISEMANA DARE- ABILITAÇÃO ASSIMFOI URBANA 13 DE ABRIL / 15H00 SESSÃO DE ABERTURA DA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA C o n f e r ê n c i a s E x p o s i

Leia mais

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Ação Piloto para a Regeneração Urbana Avenida da Liberdade, Braga Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Cientes da importância de promover uma intervenção capaz de revitalizar o centro histórico

Leia mais

especiais por ano, garantindo a máxima capacidade de transporte para jogos de futebol, concertos e outras celebrações de massas.

especiais por ano, garantindo a máxima capacidade de transporte para jogos de futebol, concertos e outras celebrações de massas. O Metro do Porto O Metro é um sistema de transportes públicos da Área Metropolitana do Porto e combina uma rede ferroviária subterrânea, no centro da cidade, com linhas à superfície em meio urbano e diversos

Leia mais

7.ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ARQUITECTURAS

7.ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ARQUITECTURAS UMA INICIATIVA INTEGRADA NA: URBAVERDE FEIRA DAS CIDADES SUSTENTÁVEIS ª 7.ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ARQUITECTURAS ARRENDAMENTO E REABILITAÇÃO: DINAMIZAR O MERCADO, REGENERAR A CIDADE 12 de Abril de

Leia mais

Jornadas de Educação Pelo Desporto 1

Jornadas de Educação Pelo Desporto 1 Jornadas de Educação Pelo Desporto 1 Jornadas de Educação Pelo Desporto As Jornadas de Educação Pelo Desporto alinham-se com os objetivos gerais do Diálogo Estruturado na área da juventude, uma vez que

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República Continuarei a percorrer o País, de Norte a Sul, a apelar à união de esforços, a levar uma palavra de esperança e a mostrar bons exemplos de resposta à crise. Discurso de Sua Excelência o Presidente da

Leia mais

I Prémio. II Concurso A. ÂMBITO E CONCORRENTES

I Prémio. II Concurso A. ÂMBITO E CONCORRENTES I Prémio 1. O Prémio Secil Universidades 2014, atribuído através do «Concurso Arquitectura», tem como objectivo incentivar a qualidade do trabalho de jovens oriundos das Escolas de Arquitectura Portuguesas

Leia mais

VAMOS PROCURAR A ARQUITETURA 2ª Edição I ESPAÇOS PÚBLICOS

VAMOS PROCURAR A ARQUITETURA 2ª Edição I ESPAÇOS PÚBLICOS VAMOS PROCURAR A ARQUITETURA 2ª Edição I ESPAÇOS PÚBLICOS A Secção Regional do Norte da Ordem dos Arquitectos (OASRN) convida todas as Instituições de Ensino da Região Norte, a participar na 2ª edição

Leia mais

TESTEMUNHOS SUMÁRIO. de Voluntários destacam importância da ajuda ao Próximo. Boletim Informativo n.º 24. Setembro 2011

TESTEMUNHOS SUMÁRIO. de Voluntários destacam importância da ajuda ao Próximo. Boletim Informativo n.º 24. Setembro 2011 Boletim Informativo n.º 24 Setembro 2011 SUMÁRIO TESTEMUNHOS de Voluntários destacam importância da ajuda ao Próximo Pequenas histórias de pessoas comuns que fazem coisas extraordinárias em prol dos outros,

Leia mais

>>>>>>>>>>>>>>>> passeio fotográfico. as nossas cidades retratadas por crianças

>>>>>>>>>>>>>>>> passeio fotográfico. as nossas cidades retratadas por crianças >>>>>>>>>>>>>>>> passeio fotográfico as nossas cidades retratadas por crianças ----------------------------------------------------------- departamento de promoção da arquitectura educação pela arquitectura

Leia mais

Senhor Ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Senhor Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia,

Senhor Ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Senhor Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, ATO DE POSSE, 9 DE AGOSTO 2013 Emídio Gomes Presidente da CCDR-N Senhor Ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Senhor Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Senhor Secretário

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES EXTRA-CURRICULARES FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES ANO LECTIVO 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES EXTRA-CURRICULARES FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES ANO LECTIVO 2010/2011 UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES EXTRA-CURRICULARES FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES ANO LECTIVO 2010/2011 NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS NA ARQUITECTURA SUSTENTÁVEL CONFERÊNCIA DA

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

Seminário A Qualidade nas Intervenções de Conservação, Reabilitação e Valorização das Casas Antigas

Seminário A Qualidade nas Intervenções de Conservação, Reabilitação e Valorização das Casas Antigas Seminário A Qualidade nas Intervenções de Conservação, Reabilitação e Valorização das Casas Antigas Data: Sábado, 14 de Novembro de 2009, 14h00 18h30 Local: Palácio dos Marqueses de Fronteira, em Lisboa

Leia mais

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP 2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015 Sessão de Abertura António Saraiva, Presidente da CIP Bom Dia, Senhoras e Senhores Embaixadores, Senhores Representantes

Leia mais

A Participação Cívica dos Jovens

A Participação Cívica dos Jovens A Participação Cívica dos Jovens 2 Parlamento dos Jovens 2009 Nos dias 25 e 26 de Maio de 2009, realizou-se em Lisboa, no Palácio de São Bento, a Sessão Nacional do Parlamento dos Jovens 2009 do Ensino

Leia mais

APCP Newsletter. Verão de 2011. Editorial. Call for papers: VI Congresso da Associação Portuguesa de Ciência Política. Lisboa, 1 a 3 de Março de 2012

APCP Newsletter. Verão de 2011. Editorial. Call for papers: VI Congresso da Associação Portuguesa de Ciência Política. Lisboa, 1 a 3 de Março de 2012 APCP Newsletter Editorial A APCP lança agora, pela primeira vez, a sua Newsletter. Será distribuída em formato digital e também em papel, uma vez por ano. É mais uma forma de tornar públicas as actividades

Leia mais

Colégio de Arquitectos Urbanistas: novas responsabilidades, novos caminhos? Professor Mário C. Moutinho. Membro da OA nº 1452

Colégio de Arquitectos Urbanistas: novas responsabilidades, novos caminhos? Professor Mário C. Moutinho. Membro da OA nº 1452 1 Colégio de Arquitectos Urbanistas: novas responsabilidades, novos caminhos? Professor Mário C. Moutinho. Membro da OA nº 1452 2.º Congresso da Ordem dos Arquitectos, Guimarães 27, 28 e 29 de Novembro

Leia mais

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas.

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas. Doc 5. Proposta de Projecto de Lei Sobre a Profissão, a Prática e a Formação do Urbanista A necessidade de implementar uma política consistente de Ordenamento do Território e Urbanismo, tem determinado

Leia mais

ORDEM DOS ARQUITECTOS - CONSELHO DIRECTIVO NACIONAL PLANO DE ACTIVIDADES 2006 APROVADO NO CDN DE 16/02/2006

ORDEM DOS ARQUITECTOS - CONSELHO DIRECTIVO NACIONAL PLANO DE ACTIVIDADES 2006 APROVADO NO CDN DE 16/02/2006 Pág. 1/15 01. DEFESA DA ARQUITECTURA E DO TERRITÓRIO 01.01 DIREITO À ARQUITECTURA 01.01.01 INICIATIVA LEGISLATIVA - REVOGAÇÃO DO DECRETO 73/73 HR 01.01.01.01 - Apresentação na AR HR concluido 01.01.01.02

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Dossier de Recortes de Imprensa

Dossier de Recortes de Imprensa Dossier de Recortes de Imprensa Data: 04/04/2006 Publicação: publico.pt Link: http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1290265 Vencedor do Prémio Fernando Távora anunciado no mesmo dia A mão de Eduardo

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE IDEIAS CIDADES CRIATIVAS, REFLEXÃO SOBRE O FUTURO DAS CIDADES PORTUGUESAS

REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE IDEIAS CIDADES CRIATIVAS, REFLEXÃO SOBRE O FUTURO DAS CIDADES PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE IDEIAS CIDADES CRIATIVAS, REFLEXÃO SOBRE O FUTURO DAS CIDADES PORTUGUESAS Dirigido aos alunos do 12.º ano da área curricular não disciplinar de Área de Projecto - 1.ª

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

PROGRAMA. w w w. l e s u t a d. c o m

PROGRAMA. w w w. l e s u t a d. c o m PROGRAMA w w w. l e s u t a d. c o m PROGRAMA 22 Setembro 09h00 Recepção dos Convidados e Participantes 09h30 Sessão de Abertura - Magnífico Reitor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD)

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004 APD- DELEGAÇÃO LOCAL DE MEM MARTINS RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004 INTRODUÇÃO O ano de 2004 ficou marcado por alguns acontecimentos relevantes, sinal de que, apesar do passar dos anos, a Delegação

Leia mais

NEWSLETTER COMISSÃO DE COMBATE À PROCURADORIA ILÍCITA REUNIÕES DA INTERDELEGAÇÕES. Delegação de Vila Franca de Xira da Ordem dos Advogados

NEWSLETTER COMISSÃO DE COMBATE À PROCURADORIA ILÍCITA REUNIÕES DA INTERDELEGAÇÕES. Delegação de Vila Franca de Xira da Ordem dos Advogados Delegação de Vila Franca de Xira da Ordem dos Advogados 01-01-2014 Edição 3, Janeiro 2013/Janeiro 2014 NEWSLETTER COMISSÃO DE COMBATE À PROCURADORIA ILÍCITA A Comissão de Combate à Procuradoria Ilícita

Leia mais

Regulamento 2015. 1. Objectivo. 2. Elegibilidade

Regulamento 2015. 1. Objectivo. 2. Elegibilidade Regulamento 2015 1. Objectivo Prémio Empreendedorismo e Inovação Crédito Agrícola 2015 é um concurso que resulta da conjugação de esforços e vontades do Crédito Agrícola, aqui representado pela Caixa Central

Leia mais

Uma conversa entre empresas e professores - os desafios da empregabilidade

Uma conversa entre empresas e professores - os desafios da empregabilidade Uma conversa entre empresas e professores - os desafios da empregabilidade No passado dia 15 de Novembro, a Share Associação para a Partilha de Conhecimento e a Faculdade de Ciências da Universidade de

Leia mais

III ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA CPLP (AP CPLP) PARLAMENTO NACIONAL DE TIMOR-LESTE. Díli, Timor-leste. 20 a 23 de Setembro de 2011

III ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA CPLP (AP CPLP) PARLAMENTO NACIONAL DE TIMOR-LESTE. Díli, Timor-leste. 20 a 23 de Setembro de 2011 III ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA CPLP (AP CPLP) PARLAMENTO NACIONAL DE TIMOR-LESTE Díli, Timor-leste 20 a 23 de Setembro de 2011 1 Enquadramento Teve lugar, em Díli (República Democrática de Timor - Leste),

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

Declaração de Princípios.

Declaração de Princípios. POR UMA NOVA ANTRAM MAIS FORTE E INTERVENTIVA Regular o Mercado Fortalecer as Empresas Modernizando e Qualificando o Sector Reforçar o apoio aos associados. Programa eleitoral da Lista A Candidata aos

Leia mais

Acta da Assembleia Geral Ordinária da Federação Portuguesa de Bridge de 27 de Novembro de 2011

Acta da Assembleia Geral Ordinária da Federação Portuguesa de Bridge de 27 de Novembro de 2011 1 FPB Instituição de Utilidade Pública Acta da Assembleia Geral Ordinária da Federação Portuguesa de Bridge de 27 de Novembro de 2011 Pelas 15 horas e 30 minutos do dia 27 de Novembro de 2011, numa sala

Leia mais

ÍNDICE: Novembro de 2009

ÍNDICE: Novembro de 2009 ÍNDICE: 1. Início Ano Lectivo 2. Portugal Tecnológico 3. Gripe A Plano Contingência 4. Espaço de Leitura 5. Sonangol 6. Novos Órgãos Sociais da ETLA 7. Medalha de Mérito Concelho de Santiago do Cacém 8.

Leia mais

Formação em Gestão de Fundos de Investimento Imobiliário 2009. 28 e 29 de Outubro Hotel Trópico, Luanda

Formação em Gestão de Fundos de Investimento Imobiliário 2009. 28 e 29 de Outubro Hotel Trópico, Luanda Formação em Gestão de Fundos de Investimento Imobiliário 2009 28 e 29 de Outubro Hotel Trópico, Luanda Formação em Gestão de Fundos Imobiliários A formação em Gestão de Fundos de Investimento Imobiliário

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA

2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA 2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA Gestão Inteligente e Competitividade 15 de Setembro 2011 Museu da Carris Conheça as estratégias nacionais e internacionais para uma gestão eficiente da mobilidade urbana

Leia mais

mais PAIXÃO mais ACÇÃO mais ENERGIA mais VANTAGENS mais ACP

mais PAIXÃO mais ACÇÃO mais ENERGIA mais VANTAGENS mais ACP PAIXÃO mais ACÇÃO mais ENERGIA mais VANTAGENS mais ACP VOTE CARLOS BARBOSA 2011/2015 ÓRGÃOS SOCIAIS DIRECÇÃO PRESIDENTE Carlos de Alpoim Vieira Barbosa, sócio 14294 Miguel António Igrejas Horta e Costa

Leia mais

Due Diligence Aspectos Práticos

Due Diligence Aspectos Práticos Due Diligence Aspectos Práticos Foi tendo em conta os aspectos práticos do tema que o Dr. Ivo Renato Moreira de Faria Oliveira apresentou o trabalho sobre o Due Diligence Financeiro no Contexto de uma

Leia mais

VINTE E OITO ANOS DE HISTÓRIA

VINTE E OITO ANOS DE HISTÓRIA CAPA VINTE E OITO ANOS DE HISTÓRIA Uma região Uma cidade Muitas vontades Alfredo da Silva 1987-1990 Luis Filipe 1991-1996 Luis Veiga 1997-2002 João Fernandes Antunes 2003-2008 Jorge Martins 2009-2011 Vitor

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março As escolas superiores de enfermagem e de tecnologia da saúde são estabelecimentos de ensino politécnico dotados de personalidade jurídica e de

Leia mais

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são:

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Operadores financeiros que prestam às instituições bancárias as garantias que lhes permitem disponibilizar às PME empréstimos em condições mais favoráveis. Ao partilhar

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

com nove mil participantes

com nove mil participantes 12 Notícias eventual Novas funções para os TOC na Internet 01Formação com nove mil participantes De acordo com o Plano de Actividades para 2006, realizou-se nos meses de Junho e Julho o segundo ciclo de

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SENHOR MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SENHOR MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SENHOR MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino por ocasião do Encerramento do Seminário AS NOVAS PERSPECTIVAS NA CONTRATAÇÃO PÚBLICA promovido

Leia mais

Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA.

Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA. CIP FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA UM NOVO PASSO Seminário 16 de abril de 2012 Intervenção do Presidente da CIP Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA.

Leia mais

BOLSAS SOCIAIS EPIS - ESCOLAS DE FUTURO Regulamento para bolsas sociais 2014

BOLSAS SOCIAIS EPIS - ESCOLAS DE FUTURO Regulamento para bolsas sociais 2014 BOLSAS SOCIAIS EPIS - ESCOLAS DE FUTURO Regulamento para bolsas sociais 2014 14 de Julho 2014 1 A Associação EPIS Empresários Pela Inclusão Social foi criada em 2006 por empresários e gestores portugueses,

Leia mais

I Prémio. II Concurso A. ÂMBITO E CONCORRENTES

I Prémio. II Concurso A. ÂMBITO E CONCORRENTES I Prémio 1. O Prémio Secil Universidades 2014, atribuído através do «Concurso Engenharia Civil», tem como objectivo incentivar a qualidade do trabalho de jovens oriundos das Escolas de Engenharia Civil

Leia mais

BOLSAS SOCIAIS EPIS - ESCOLAS DE FUTURO Regulamento para bolsas sociais 2015

BOLSAS SOCIAIS EPIS - ESCOLAS DE FUTURO Regulamento para bolsas sociais 2015 BOLSAS SOCIAIS EPIS - ESCOLAS DE FUTURO Regulamento para bolsas sociais 2015 21 de Julho 2015 1 A Associação EPIS Empresários Pela Inclusão Social foi criada em 2006 por empresários e gestores portugueses,

Leia mais

APDSI quer renovar agenda da e-inclusão

APDSI quer renovar agenda da e-inclusão e-inclusão Um desafio para Portugal APDSI quer renovar agenda da e-inclusão Lisboa, 13 de Abril de 2007 A preocupação perante a info-exclusão e os desafios que se colocam à sociedade portuguesa deu o mote

Leia mais

Uma faculdade centrada nas pessoas, na investigação e no ensino

Uma faculdade centrada nas pessoas, na investigação e no ensino Magnífico Reitor, Senhoras Vice-Reitoras, Senhores Vice-Reitores Caras/os Colegas, Amigos, Estudantes e Funcionários Minhas Senhoras e Meus Senhores Regresso, hoje, a este espaço da Reitoria da Universidade

Leia mais

EDITORIAL OUTUBRO 2015. Serviço de Medicina Intensiva tem novas instalações 2. ULS Nordeste é das melhores do país 3

EDITORIAL OUTUBRO 2015. Serviço de Medicina Intensiva tem novas instalações 2. ULS Nordeste é das melhores do país 3 Serviço de Medicina Intensiva tem novas instalações 2 ULS Nordeste é das melhores do país 3 1,2 milhões de euros para investimentos 3 Sessões musicais na Unidade de Cuidados Paliativos 4 UCC de Mirandela

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

Quase metade dos cursos superiores impedidos de aumentar vagas

Quase metade dos cursos superiores impedidos de aumentar vagas Pág: 6 ID: 59471903 28-05-2015 Quase metade dos cursos superiores impedidos de aumentar vagas Área: 26,00 x 31,31 cm² Corte: 1 de 5 estaque Cursos superiores e mercado de trabalho Superior 45% dos cursos

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

ORDEM DOS BIÓLOGOS REGULAMENTO. Atribuição de Títulos de Especialista em Ambiente. Introdução

ORDEM DOS BIÓLOGOS REGULAMENTO. Atribuição de Títulos de Especialista em Ambiente. Introdução ORDEM DOS BIÓLOGOS REGULAMENTO da Atribuição de Títulos de Especialista em Ambiente Introdução A pressão que tem vindo a ser exercida no ambiente como resultado de diversas acções humanas e a necessidade

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

--- DATA DA REUNIÃO: Vinte de abril de dois mil e doze. -------------------------------

--- DATA DA REUNIÃO: Vinte de abril de dois mil e doze. ------------------------------- REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA AT A N º 1 0 /2012 - ABRIL --- DATA DA REUNIÃO: Vinte de abril de dois mil e doze. ------------------------------- --- LOCAL DA REUNIÃO:

Leia mais

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitetura

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitetura Ação Piloto para a Regeneração Urbana Avenida da Liberdade, Braga Concurso de Ideias Profissionais de Arquitetura Cientes da importância de promover uma intervenção capaz de revitalizar o centro histórico

Leia mais

Índice 3.1 3.2 6.1 7.1 10. 11. 11.1 12. 1/19

Índice 3.1 3.2 6.1 7.1 10. 11. 11.1 12. 1/19 MEDIA KIT 2015 Índice 1. Perfil Editorial...2 2. Distribuição e Perfil do Leitor...3 3. Iniciativas e Eventos...4 3.1 Prémios Almofariz...5 3.2 Formação Farmácia Distribuição Farma Sessions...6 4. Protocolos

Leia mais

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Outubro de 2009 Agenda EM DESTAQUE Estágios e Suplemento ao Diploma- uma aposta no futuro! Índice Nota Editorial Eventos/Notícias Na Primeira Pessoa Manz

Leia mais

GESTÃO DE AUTARQUIAS. Direcção e Coordenação Científica: Prof. Doutor Vítor da Conceição Gonçalves PÓS-GRADUAÇÃO/ISEG

GESTÃO DE AUTARQUIAS. Direcção e Coordenação Científica: Prof. Doutor Vítor da Conceição Gonçalves PÓS-GRADUAÇÃO/ISEG GESTÃO DE AUTARQUIAS Direcção e Coordenação Científica: Prof. Doutor Vítor da Conceição Gonçalves PÓS-GRADUAÇÃO/ISEG Pós-Graduação // Gestão de Autarquias PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE AUTARQUIAS NATUREZA

Leia mais

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda.

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Rua Alfredo da Silva, 11B 1300-040 Lisboa Tlf. +351 213 619 380 Fax. +351 213 619 399 profico@profico.pt www.profico.pt INDICE 1. DESCRIÇÃO GERAL DA PROFICO...

Leia mais

ASSEMBLEIA-GERAL APROVOU O PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO 2011

ASSEMBLEIA-GERAL APROVOU O PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO 2011 ASSEMBLEIA-GERAL APROVOU O PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO 2011 A Assembleia-Geral da Agência de Energia do Porto aprovou, por unanimidade, o Plano de Actividades e Orçamento para 2011 na reunião que

Leia mais

ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE BELMONTE, REALIZADA NO DIA 16 DE JANEIRO DE DOIS MIL E QUINZE

ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE BELMONTE, REALIZADA NO DIA 16 DE JANEIRO DE DOIS MIL E QUINZE 16-01-2015 1 Acta número um ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE BELMONTE, REALIZADA NO DIA 16 DE JANEIRO DE DOIS MIL E QUINZE Aos dezasseis dias do mês de Janeiro do ano dois mil e quinze,

Leia mais

4, 5 e 6/Novembro/2010 Curia Palace Hotel Curia, Portugal

4, 5 e 6/Novembro/2010 Curia Palace Hotel Curia, Portugal 4, 5 e 6/Novembro/2010 Curia Palace Hotel Curia, Portugal Objectivo: O Congresso de Inovação na Construção Sustentável (CINCOS 10), é um evento organizado pela Plataforma para a Construção Sustentável,

Leia mais

COMÉRCIO, TURISMO E ARRENDAMENTO OS DÍNAMOS DA REABILITAÇÃO URBANA

COMÉRCIO, TURISMO E ARRENDAMENTO OS DÍNAMOS DA REABILITAÇÃO URBANA COMÉRCIO, TURISMO E ARRENDAMENTO OS DÍNAMOS DA REABILITAÇÃO URBANA 23 de Outubro 14h30 Comércio, Turismo e Arrendamento. Os Dínamos da Reabilitação Urbana VIVERA REABI LITAÇÃO DE 23 A 25 OUTUBRO 2014 BRAGA

Leia mais

Caderno Sistemas Totobola II

Caderno Sistemas Totobola II J rnal 1X2 1X2 INTERNET - http://www.jornal1x2.com SEMANÁRIO DO APOSTADOR Director: Joaquim Rosa da Silva Director-adjunto: Rui Santos ANO XXXIV - EDIÇÃO ESPECIAL Caderno Sistemas Totobola II Condicionados

Leia mais

Regime de constituição e de direitos e deveres das associações de pais e de encarregados de educação Decreto-Lei n.º 372/90 de 27 de Novembro

Regime de constituição e de direitos e deveres das associações de pais e de encarregados de educação Decreto-Lei n.º 372/90 de 27 de Novembro Regime de constituição e de direitos e deveres das associações de pais e de encarregados de educação Decreto-Lei n.º 372/90 de 27 de Novembro A Lei n.º 7/77, de 1 de Fevereiro, bem como a legislação que

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO (Natureza) A Fundação Vodafone Portugal, adiante designada abreviadamente por Fundação, é uma instituição de direito

Leia mais

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão.

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Projecto Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Tempo de escassa encomenda e recursos económicos e consequentemente de alteração de paradigmas sociais e profissionais.

Leia mais

EPULMÃO. Nota de Abertura. Maio 2012 - Nº 05. Boletim informativo 05 - MAIO 2012 1

EPULMÃO. Nota de Abertura. Maio 2012 - Nº 05. Boletim informativo 05 - MAIO 2012 1 Boletim informativo Maio 2012 - Nº 05 Nota de Abertura Por Teles de Araújo Em Maio, entre as atividades da Fundação, devemos destacar a existência dum novo espaço em Lisboa que abre perspectivas para um

Leia mais

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Fortunato Lamego, 10 de Junho de 2015 Senhor Presidente

Leia mais

TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA 2010 CONCURSO E EXPOSIÇÃO UNIVERSIDADES COVA DA MOURA

TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA 2010 CONCURSO E EXPOSIÇÃO UNIVERSIDADES COVA DA MOURA TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA 2010 CONCURSO E EXPOSIÇÃO UNIVERSIDADES COVA DA MOURA Uma iniciativa da Trienal de Arquitectura de Lisboa com o apoio de Comissão de Bairro do Alto da Cova da Moura 1

Leia mais

Praça José Fontana, 4-5º 1050-129 Lisboa T 213 156 200 808 202 922 microcredito@microcredito.com.pt

Praça José Fontana, 4-5º 1050-129 Lisboa T 213 156 200 808 202 922 microcredito@microcredito.com.pt Praça José Fontana, 4-5º 1050-129 Lisboa T 213 156 200 808 202 922 microcredito@microcredito.com.pt Com o Apoio : 2014 RELATÓRIO Notas introdutórias O ano de 2014 foi um ano marcado por uma recuperação

Leia mais

No pavilhão 2, com 108 stands, estavam representadas as regiões de turismo, câmaras municipais, associações e juntas de turismo, para além de hotéis,

No pavilhão 2, com 108 stands, estavam representadas as regiões de turismo, câmaras municipais, associações e juntas de turismo, para além de hotéis, VIII Legislatura II Sessão Plenária Horta, 26 de Janeiro de 2005 Grupo Parlamentar do Partido Socialista Deputada Ana Isabel Moniz Assunto: Bolsa de Turismo de Lisboa Senhor Presidente da Assembleia, Senhoras

Leia mais

Regulamento do Prémio Municipal de Recuperação do Património de Montemor-o-Velho (1ª alteração)

Regulamento do Prémio Municipal de Recuperação do Património de Montemor-o-Velho (1ª alteração) Regulamento do Prémio Municipal de Recuperação do Património de Montemor-o-Velho () PREÂMBULO A Câmara Municipal de Montemor-o-Velho tem vindo a desenvolver esforços consideráveis na requalificação dos

Leia mais

REGULAMENTO GERAL COMISSÃO ORGANIZADORA PATROCINADOR DE OURO CO-FINANCIAMENTO PATROCINADOR DE PRATA

REGULAMENTO GERAL COMISSÃO ORGANIZADORA PATROCINADOR DE OURO CO-FINANCIAMENTO PATROCINADOR DE PRATA REGULAMENTO GERAL COMISSÃO ORGANIZADORA PATROCINADOR DE OURO CO-FINANCIAMENTO PATROCINADOR DE PRATA PNAM REGULAMENTO GERAL VALORES E NORMAS REGULAMENTARES GERAIS DO 1. ORIGEM, OBJETIVOS E PERIODICIDADE

Leia mais

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto.

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto. Boa tarde a todos, para quem não me conhece sou o Ricardo Aragão Pinto, e serei o Presidente do Concelho Fiscal desta nobre Fundação. Antes de mais, queria agradecer a todos por terem vindo. É uma honra

Leia mais

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores,

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Boa tarde Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Deixem-me dizer-vos que é para mim uma honra participar, na

Leia mais

Prémio Secil Universidades Engenharia Civil 2009 Regulamento Ordem dos Engenheiros Av. Sidónio Pais, 4-E / 1050-212 Lisboa Telef: 21 313 26 00 / Fax: 21 313 26 72 E-mail: colegios@ordemdosengenheiros.pt

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Sociedade da Informação coloca novos desafios ao consumidor

Sociedade da Informação coloca novos desafios ao consumidor Sociedade da Informação coloca novos desafios ao consumidor Lisboa, 20 de Junho Comércio electrónico, segurança dos dados pessoais, regulação e mecanismos de protecção foram alguns dos temas discutidos

Leia mais

Habitar Portugal 2009/2011

Habitar Portugal 2009/2011 Habitar Portugal 2009/2011 A Exposição Habitar Portugal constitui uma das mais importantes mostras de arquitetura no nosso País. Organizada pela Ordem dos Arquitectos, apresenta um amplo conjunto de obras

Leia mais

http://www.construir.pt/2015/04/14/arquitecto-nuno-teotonio-pereira-recebe-premiouniversidade-de-lisboa/

http://www.construir.pt/2015/04/14/arquitecto-nuno-teotonio-pereira-recebe-premiouniversidade-de-lisboa/ Construir.pt ID: 58821467 15-04-2015 Visitas diárias: 532 Âmbito: Outros Assuntos OCS: Construir.pt Arquitecto Nuno Teotónio Pereira recebe Prémio Universidade de Lisboa http://www.construir.pt/2015/04/14/arquitecto-nuno-teotonio-pereira-recebe-premiouniversidade-de-lisboa/

Leia mais

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas Psicologia organizacional A Psicologia Organizacional, inicialmente

Leia mais

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica Prémio Inovação em Intervenção Psicológica ABRIL 2015 Índice 03 05 11 1. Programa OPP Inovação em Intervenção Psicológica 1.1. Prémio Inovação em Intervenção Psicológica 1.2. Summer Camp - Inovação em

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 QUEM SOMOS FUNDEC APRESENTAÇÃO HISTÓRIA OBJECTIVOS A

Leia mais

«Concurso Jovem Agricultor Português»

«Concurso Jovem Agricultor Português» «Concurso Jovem Agricultor Português» Como já é tradição, desde há muito, que a Caixa não descura a intenção de apoiar e estimular a economia nacional, assim como outras áreas de interesse, mostrando com

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais