ESTÁGIO CURRICULAR I E II SUPORTE TÉCNICO EM TI APLICADO A UMA REDE CORPORATIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTÁGIO CURRICULAR I E II SUPORTE TÉCNICO EM TI APLICADO A UMA REDE CORPORATIVA"

Transcrição

1 RENAN CORREA LEANDRO ESTÁGIO CURRICULAR I E II SUPORTE TÉCNICO EM TI APLICADO A UMA REDE CORPORATIVA EMPRESA: ARM TELECOMUNICAÇÕES E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LTDA SETOR: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SUPERVISOR: OSNI VIEL ORIENTADOR: JACKSON MALLMANN CURSO DE TECNOLÓGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC JOINVILLE SANTA CATARINA - BRASIL NOVEMBRO/2010

2 ii APROVADO EM 29/11/2010 Professor Jackson Mallmann Titulação: Bacharel em Ciência da Computação Professor Orientador Professor Rafael Rodrigues Obelheiro Titulação: Doutor em Engenharia Elétrica Professor Alexandre Takahashi Albert Titulação: Mestre em Ciência da Computação Osni Viel Supervisor da CONCEDENTE

3 iii Carimbo da Empresa UNIDADE CONCEDENTE Razão Social: ARM Telecomunicações e Serviços de Engenharia LTDA CGC/MF: / Endereço: Rua Prudente de Moraes, 175 Bairro: Santo Antonio CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: Atividade Principal: Suporte Técnico Pleno em TI Supervisor: Osni Viel Cargo: Analista de Suporte de Rede DADOS DO ESTÁGIO Área de atuação: Rede de Computadores e Hardware Departamento de atuação: Setor de Tecnologia da Informação Fone: Horário do estágio: 09:00 as 17:00 Total de horas: 240 H Período: 26/07/2010 a 17/09/2010 Título do Estágio: Instalação, suporte e aperfeiçoamento de rede corporativa Período: 26/07/2010 a 17/09/2010 Carga horária: 240 H. AVALIAÇÃO FINAL DO ESTÁGIO I e II PELO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS Representada pelo Professor Orientador: Jackson Mallmann CONCEITO FINAL DO ESTÁGIO I E II Excelente (9,1 a 10) Muito Bom (8,1 a 9,0) Bom (7,1 a 8,0) Regular (5,0 a 7,0) Reprovado (0,0 a 4,9) NOTA ETG I (Média do Processo) NOTA ETG II (Média do Processo) Rubrica do Professor da Disciplina Joinville / /

4 iv Nome do Estagiário: Renan Correa Leandro QUADRO I AVALIAÇÃO NOS ASPECTOS PROFISSIONAIS QUALIDADE DO TRABALHO: Considerando o possível. ENGENHOSIDADE: Capacidade de sugerir, projetar, executar modificações ou inovações. CONHECIMENTO: Demonstrado no desenvolvimento das atividades programadas. CUMPRIMENTO DAS TAREFAS: Considerar o volume de atividades dentro do padrão razoável. ESPÍRITO INQUISITIVO: Disposição demonstrada para aprender. INICIATIVA: No desenvolvimento das atividades. SOMA Pontos QUADRO II AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS HUMANOS ASSIDUIDADE: Cumprimento do horário e ausência de faltas. DISCIPLINA: Observância das normas internas da Empresa. SOCIABILIDADE: Facilidade de se integrar com os outros no ambiente de trabalho. COOPERAÇÃO: Disposição para cooperar com os demais para atender as atividades. SENSO DE RESPONSABILIDADE: Zelo pelo material, equipamentos e bens da empresa. SOMA Pontos PONTUAÇÃO PARA O QUADRO I E II Sofrível - 1 ponto, Regular - 2 pontos, Bom - 3 pontos, Muito Bom - 4 pontos, Excelente - 5 pontos LIMITES PARA CONCEITUAÇÃO AVALIAÇÃO FINAL Pontos De 57 a SOFRÍVEL SOMA do Quadro I multiplicada por 7 De 102 a REGULAR SOMA do Quadro II multiplicada por 3 De 148 a BOM SOMA TOTAL De 195 a MUITO BOM De 241 a EXCELENTE Nome da Empresa: ARM Telecomunicações e Serviços de Engenharia LTDA Representada pelo Supervisor: Osni Viel CONCEITO CONFORME SOMA TOTAL Rubrica do Supervisor da Empresa Local: Joinville Data: 29/11/10 Carimbo da Empresa

5 v UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - FEJ PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR I E II ESTAGIÁRIO Nome: Renan Correa Leandro Matrícula: Endereço: Rua Dário Amaro Corrêia, 261 Bairro: Paranaguamirim CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: Regularmente matriculado no semestre: 5º Curso: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Formatura Semestre/Ano: 01/2011 UNIDADE CONCEDENTE Razão Social: ARM Telecomunicações e Serviços de Engenharia LTDA CGC/MF: / Endereço: Rua Prudente de Moraes, 175 Bairro: Santo Antonio CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: Atividade Principal: Suporte Técnico Pleno em TI Supervisor: Osni Viel Cargo: Analista de Suporte de Rede DADOS DO ESTÁGIO Área de atuação: Rede de Computadores e Hardware Departamento de atuação: Setor de Tecnologia da Informação Fone: Horário do estágio: 11:00 as 17:00 Total de horas: 240 H Período: 26/07/2010 a 17/09/2010 Nome do Professor Orientador: Jackson Mallmann Departamento: DCC Disciplina(s) simultânea(s) com o estágio Quantas: Seis Quais: DIR-SI DIREITO APLICADO REC REDES DE COMPUTADORES GPR GERÊNCIA DE PROJETOS PES-SI PESQUISA OPERACIONAL MCI METODOLOGIA CIENTÍFICA TES09 JAVA AVANÇADO II

6 vi OBJETIVO GERAL Realizar atividades na área de suporte técnico em TI para uma infraestrutura de rede corporativa nas cidades da macro área Norte. ATIVIDADES OBJETIVO ESPECÍFICO HORAS Levantamento da Fazer o levantamento da estrutura atual, 15 estrutura atual da rede e das estações de trabalho onde serão conhecidos os pontos fracos e fortes para futuras melhorias. Planejamento da nova estrutura da TI Planejamento das políticas de bom uso da tecnologia Implementação de novos servidores Correção de problemas no cabeamento conforme o planejamento Configurações das estações de trabalho Implementação das políticas de segurança Planejar como será a nova estrutura da rede e as melhorias a serem implantadas em servidores, estações de trabalho, cabeamento e serviços de impressão. Planejar políticas para melhorar a segurança da rede, bom uso do hardware e das impressoras disponíveis, bem como agilizar os processos de atendimento da Tecnologia da Informação (TI). Configurar servidores de firewall onde não há essa segurança implementada e realizar controle de tráfego WEB. Executar a reestruturação proposta para o cabeamento de rede lógica. Configurar as estações de trabalho de acordo com a política de segurança e a nova estrutura da rede, bem como realizar as atualizações necessárias. Executar o plano das políticas de segurança e bom uso da tecnologia e treinamento de usuários Manutenção da estrutura e correção de problemas Rubrica do Professor Orientador Rubrica do Comitê de Estágios Efetuar atendimento técnico aos usuários da empresa, suporte à problemas e erros na infraestrutura Rubrica do Coordenador de Estágios Rubrica do Supervisor da Empresa 45 Data: Data: Data: Data: Carimbo da Empresa

7 vii CRONOGRAMA FÍSICO E REAL HORAS / ATIVIDADES I - Levantamento da estrutura atual da rede e das estações de trabalho II - Planejamento da nova estrutura da TI III - Planejamento das políticas de bom uso da tecnologia IV - Implementação de novos servidores V Correção de problemas no cabeamento conforme o planejamento VI - Configurações das estações de trabalho VII - Implementação das políticas de segurança VIII - Manutenção da estrutura e correção de problemas Planejado Realizado

8 Primeiramente a Deus e à Virgem Maria: minha sustentação. À meus Pais e minha noiva que estiveram ao meu lado me encorajando e dando todo o amor que precisei.

9 ix AGRADECIMENTOS Existiram muitas pessoas que tornaram possível este trabalho, dentre eles, gostaria de destacar meus Pais, que deram todas as condições para que eu pudesse realizar esse estudo, minha noiva Gabrielle que foi minha companheira tanto nos momentos bons quanto difíceis. Além deles, também foram muito importantes a empresa ARM Telecomunicações e Serviços de Engenharia Ltda que deu todo o apoio necessário para o desenvolvimento do estágio, bem como, todos os meus colegas de trabalho. Agradeço em especial ao Técnico de Segurança do Trabalho, Eduardo Salvador, ao Gerente de TI, Luiz Mendes, ao meu coordenador de TI na região Sul do país, Tibério Peixoto Nascimento e ao supervisor do estágio, Osni Viel, que me possibilitaram realizar um bom estudo sobre a estrutura. Todos me apoiaram nas minhas dúvidas e necessidades. Ademais, gostaria de lembrar do orgulho que tenho em realizar essa atividade como aluno da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), bem como elogiar o bom trabalho de meu orientador Prof. Jackson Mallmann, e externar minha profunda gratidão pelos Professores e colegas de classe que me acompanharam pelos quase dois anos e meio que estou graduando. E ainda, nesse momento em que me aproximo da conclusão da graduação, tenho o sentimento de que foi uma grande honra partilhar conhecimentos com todas essas pessoas de grande valor.

10 x SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS...XI RESUMO...XII INTRODUÇÃO OBJETIVOS Geral Específicos Justificativa ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO A EMPRESA HISTÓRICO VISÃO MISSÃO DESENVOLVIMENTO LEVANTAMENTO DA ESTRUTURA INICIAL DA REDE E DAS ESTAÇÕES DE TRABALHO PLANEJAMENTO PARA A NOVA ESTRUTURA DE REDE PLANEJAMENTO DAS POLÍTICAS DE SEGURANÇA INSTALANDO NOVOS SERVIDORES E ACESSO À INTERNET EFETUANDO CORREÇÕES NO CABEAMENTO DO HACK CENTRAL CONFIGURAÇÕES DAS ESTAÇÕES DE TRABALHO E IMPRESSORAS MANUTENÇÃO DA ESTRUTURA E CORREÇÃO DE PROBLEMAS...17 CONSIDERAÇÕES FINAIS...19 GLOSSÁRIO...XX REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...XXIII

11 xi LISTA DE FIGURAS Figura 1 Estrutura inicial da rede. Figura 2 Estrutura planejada. Figura 3 Rack central da rede antes da atividade. Figura 4 Rack central da rede após a atividade. Figura 5 Sistema RM Help Desk.

12 xii RESUMO O presente relatório tem o objetivo de descrever as atividades realizadas no estágio curricular obrigatório no período de 26/07/10 à 17/09/10. Com os conhecimentos adquiridos no curso de Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas (TADS) foi verificado os pontos fortes e fracos da estrutura de rede e hardware/software da ARM Telecomunicações e Serviços de Engenharia Ltda (nome fantasia RM Telecom) na cidade de Joinville. Propôs-se melhorias e aperfeiçoamento dos serviços de TI para os usuários.

13 1 INTRODUÇÃO O presente relatório tem por objetivo apresentar as atividades que foram realizadas durante o período de estágio na RM Telecom, uma empresa de alcance nacional. O trabalho foi direcionado para sua filial na cidade de Joinville, onde atua na manutenção da planta externa da sua parceira Oi/Telemar (OI). A partir disso, todas as tarefas foram divididas de acordo com o planejado e com o intuito de implantar melhorias na infraestrutura de Tecnologia da Informação (TI) que dá suporte às atividades administrativas e operacionais OBJETIVOS Geral Realizar atividades na área de suporte técnico em TI para uma infraestrutura de rede corporativa nas cidades da macro área Norte Específicos Dentro do objetivo geral, estabeleceram-se os pontos específicos que serão objetos de estudo. São eles: 1. Fazer o levantamento da estrutura atual da rede e das estações de trabalho; 2. Planejamento da nova estrutura de TI; 3. Planejamento das políticas de bom uso da tecnologia; 4. Implementação de novos servidores; 5. Correção de problemas no cabeamento conforme o planejamento; 6. Implementação das políticas de segurança; 7. Configuração das estações de trabalho; 8. Manutenção da estrutura e correção de problemas.

14 Justificativa A RM presa pela qualidade dos serviços prestados e está expandindo sua abrangência para o Sul e Sudeste do Brasil. Mediante o uso de tecnologias, uma estrutura de TI que dê suporte para seus colaboradores realizarem as atividades de forma eficiente e segura torna-se imprescindível ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO O presente relatório está subdivido em quatro capítulos. O primeiro capítulo contempla o objetivo geral, os objetivos específicos e a organização do trabalho. No segundo capítulo apresenta-se a empresa onde foi realizado o estágio. No terceiro capítulo abordam-se as atividades desenvolvidas durante o estágio de forma detalhada e descrevem-se as ferramentas utilizadas. No quarto capítulo apresenta-se as considerações finais.

15 3 2. A EMPRESA 2.1. HISTÓRICO A RM iniciou suas atividades no ano de 1993 com o nome RM Engenharia, onde provia serviços na construção civil na cidade de Fortaleza/CE. Iniciou nas telecomunicações quando houve a privatização do setor por meio de uma parceria com a OI, prestando serviços de manutenção e implantação de rede externa em parte da planta de telefonia fixa e pública (RM 2010). Nos anos seguintes, começou a atuar em outros estados do Nordeste brasileiro, assumindo toda a planta externa dos serviços de fibra ótica e banda larga, além da telefonia fixa e em 2008, a empresa também passou a trabalhar no segmento de energia elétrica e no final do mesmo ano, conforme a página da RM (2010), houve a promoção de uma reestruturação societária criando uma holding - a RM Soluções em Infraestrutura que é composto pela RM Telecom e a RM Energia. Em 2009, a RM passou a atuar em Roraima e Amazonas e expandiu os serviços de Energia com parceria feita com a Coelce (Companhia Energética do Ceará) e no começo de 2010, a empresa passou a prestar serviços de Planta Externa (rede de acesso e voz, banda larga, comunicação de dados e fibra ótica) para a OI nos estados do Amapá, Pará, Sergipe, Bahia, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul (RM 2010). Após essa mudança, a RM se tornou uma das maiores prestadoras de serviço do Brasil, com cerca de 10 mil colaboradores VISÃO Ser a melhor prestadora de serviços e de soluções em Energia e Telecom, oferecendo aos seus clientes: parceria, gestão, resultados e inovação (RM 2010).

16 MISSÃO Oferecer serviços de energia e de telecom para o desenvolvimento, por várias gerações, dos clientes, dos empregados, dos acionistas e da sociedade (RM 2010). 2.4 PRINCIPAIS CLIENTES No sul do país, a RM possui como parceira a empresa OI, na qual é sua prestadora de serviços de planta externa.

17 5 3. DESENVOLVIMENTO Neste Capítulo aborda-se os aspectos encontrados no início do estágio com um detalhamento de sua infraestrutura, bem como a análise de seus pontos positivos e negativos. Esta é a base da fundamentação de todas as propostas de melhorias na rede de computadores, no hardware e no software utilizados LEVANTAMENTO DA ESTRUTURA INICIAL DA REDE E DAS ESTAÇÕES DE TRABALHO Ao iniciar as atividades, foi verificada na RM uma estrutura de redes composta por vários servidores. Entre eles, um Linux Suse com firewall de borda, que segundo SCHRODER (2009) é um servidor que pode fornecer segurança e compartilhar conexão com a Internet para uma LAN (Local Area Network) completa. Este servidor não era revisado há algum tempo e mereceu atenção especial. Também há no local um servidor de arquivos com sistema operacional Linux Suse que não possui rotina de backup. A empresa também dispunha de dois circuitos de dados Frame-Relay que, conforme CYCLADES (2003), é uma técnica de comutação de pacotes baseada em um conjunto de protocolos especificados pelo ITU-T (UN agency for information and communication technologies). Um dos circuitos provia o serviço de IP (Internet Protocol) fixo na Internet prestador de acesso à WEB e o outro permitia comunicação com a rede privada da OI, possibilitando o acesso aos seus aplicativos e servidores. Essa comunicação era bastante estável, mas pertencia à antiga parceira da OI que havia alugado os circuitos durante um prazo de seis meses, por isso, a implantação de uma nova tecnologia de comunicação era necessária. A empresa passou por uma mudança de base operacional muito brusca no mês de maio desse ano, por isso, montou sua estrutura rapidamente. Por causa disso, o rack central tinha cabeamento desorganizado e os equipamentos estavam mal dispostos, o que ocasionava muitos problemas todas as vezes que era necessário uma alteração ou modificação nele. O parque de informática dispunha de impressoras jato de tinta e matricial. Os microcomputadores utilizavam o sistema operacional Windows 2000 Professional que, conforme a MICROSOFT (2010), teve seu suporte descontinuado em 13/07/2010, não

18 6 possuindo mais atualizações de segurança. A consequência de negligenciar esse fato seria riscos de perda e/ou roubo de informações, panes nos computadores, rede lenta e com isso, muito tempo perdido. Figura 1 Estrutura inicial da rede. Todos os usuários possuem uma pasta particular dentro do servidor de arquivos, que é composto por um processador Celeron D 2.13Ghz (Giga Hertz) com 512MB de memória RAM (Randon Access Memory) e um disco rígido de 80GB (Gigabytes), além do já citado sistema operacional Linux Suse. O servidor de firewall era composto por um CPU (Central Processing Unit) Athlon XP 2300+, 512MB de memória RAM e 40GB de disco rígido, além de possuir duas placas de rede e roteamento configurado dentro do software através do aplicativo Iptables. Esse servidor também fornecia o serviço de DHCP (Dinamic Host Configuration Protocol) que conforme STATO (2004) serve para passar informações de endereço IP para as máquinas clientes. Esse serviço era fornecido a uma rede composta de 20 computadores.

19 7 Conforme CYCLADES (2003), estação de trabalho é um PC (Personal Computer desktop ou notebook), do qual seus usuários têm acesso, quando necessário, a arquivos e aplicações no servidor e executam tarefas locais. Na RM, as estações de trabalho tinham bastantes variações entre CPU's Celeron, Athlon e Duron com 256MB ou 512MB de memória RAM e não mais de 40GB de disco rígido. Todas não possuíam antivírus e suas configurações não apresentavam um padrão de softwares instalados. A topologia da rede é estrela, conforme demonstra a Figura 1. O cabeamento utilizado é UTP (Unshielded Twisted Pair) com conectorização RJ-45 (Registered Jack 45) e o rack possui um patch panel e dois switches de marca 3COM em cascata. Dentro desse rack, os cabos estão dispostos de forma um tanto desorganizada, sendo que, a qualquer movimento dentro dele, a rede toda poderia ficar inativa. A TI por sua vez, não possuía um sistema integrado que gerenciasse as ocorrências vindas dos usuários, bem como não possuía nenhum tipo de rotina de manutenção preventiva. Da mesma forma, os usuários não tinham consciência acerca do bom uso dos equipamentos disponibilizados, utilizando-os para download de pirataria em geral, jogos e acesso à páginas de Youtube, Orkut e afins. Diante desses fatos identificou-se os seguintes pontos a serem corrigidos na estrutura da rede encontrada: 1. Firewall pouco confiável contra ataques de intrusos; 2. Servidor de arquivos não possui sistema de backup; 3. Acesso à Internet pertence a terceiros; 4. Não há controle de tráfego WEB; 5. Computadores possuem sistema operacional antigo e não possuem antivírus; 6. Estrutura de cabeamento no rack central está extremamente desorganizada; 7. Não há rotinas de manutenção preventiva e controle de ocorrências por parte da TI; 8. Não há conscientização dos usuários acerca do bom uso das tecnologias e das políticas de segurança da empresa que já a regem em nível Brasil; 9. Impressoras ineficazes para a demanda de trabalho PLANEJAMENTO PARA A NOVA ESTRUTURA DE REDE A partir do levantamento dos pontos a serem corrigidos, efetuou-se um planejamento das melhorias que podem ser implementadas. Levando em consideração

20 8 as vulnerabilidades encontradas, buscou-se dentro do orçamento disponível, realizar mudanças que tornem essa rede mais segura, ágil e eficiente na troca das informações. A RM passou por um grande processo de reformulação do seu quadro de funcionários e implantou uma política de locação de notebooks, onde os colaboradores trabalham com seus equipamentos particulares e recebem um valor por isso. Dessa forma, muitos itens de hardware foram devolvidos a TI e assim, os micros que tinham um hardware muito obsoleto poderiam ser substituídos e descartados. Através da instalação de duas impressoras laser, atende-se a demanda na base de Joinville. Será feito uma rotina de controle de páginas impressas, substituição de toners e abertura de chamados para problemas decorrentes do uso delas. Optou-se primeiramente em trabalhar nas estações de trabalho, pois elas poderiam conter perigos escondidos (malwares em geral). Percebeu-se que o ideal é que todos os microcomputadores deveriam seguir um padrão de sistema e teriam rotinas de manutenção preventiva. Esse padrão incluía a utilização do sistema operacional Windows XP, antivírus gratuito, porém utilizar o melhor na atualidade conforme sites especializados e BrOffice que é um conjunto de aplicativos similar ao Microsoft Office, mas que pode ser utilizado gratuitamente, tendo em vista a redução dos gastos na adequação. Estabeleceu-se que nenhum microcomputador na RM teria menos de 512MB de memória RAM ou CPU inferior a 1.8Ghz para que os usuários pudessem ter um desempenho razoável nas suas atividades, sendo que as tarefas mais críticas seriam executadas em um micro mais potente. Essa alteração de hardware seria efetuada com os equipamentos devolvidos a TI, reaproveitando os equipamentos antigos que poderiam atender a demanda. A rede da RM de Joinville não está integrada com o resto do país, com isso, a TI planejou um novo modelo de redes que possa interligar todas as bases do Brasil. Assim, optou-se num Frame-Relay utilizando o protocolo MPLS (Multiprotocol Label Switching), que conforme CISCO (2010), esse protocolo possibilita organizações e provedores de serviço a construir a próxima geração de redes inteligentes que oferecem uma grande variedade de funções avançadas em uma única infraestrutura. Com o MPLS, a RM de Joinville também poderá ter acesso a todos os aplicativos disponibilizados pela parceira OI e fará o acesso à Internet. Nesse quadro, o novo servidor de firewall ficará centralizado na cidade de Florianópolis, enquanto em Joinville, ficará a cargo da TI local a administração de um servidor proxy que conforme STATO (2004) tem várias funções que, se trabalhadas em conjunto com firewall,

21 9 podem trazer ótimos resultados em relação ao controle e segurança de acesso à Internet. A primeira função do proxy será efetuar um cache de páginas visitadas dito por STATO (2004) que é um depósito dos sites acessados pela rede, o que diminuirá o número de acessos no link de Internet da empresa e melhorará o seu desempenho. A segunda função dele serão as políticas de controle de acesso que farão a proibição de acesso a páginas de Internet que não estejam alinhadas com os interesses comerciais da RM. O servidor de arquivos deverá ser revisado para que possa guardar as informações de negócio com mais segurança. Cada usuário receberá um espaço no servidor com pastas particulares de acesso com login e senha. Haverá também uma pasta pública para os arquivos que podem ser compartilhados dentre todos. Rotinas de backup diárias, semanais e mensais também serão implantadas através de instalação de unidades de disco externas. O serviço de DHCP da rede ficará em outro servidor interno. À medida em que a estrutura é colocada no ar, o rack central que organizará todos esses servidores e os switches da rede será readequado, com o cabeamento preso por fitas plásticas, bem como será organizado com relação à disposição do seu cabeamento. Figura 2 Estrutura planejada

22 PLANEJAMENTO DAS POLÍTICAS DE SEGURANÇA A informação que circula dentro de uma rede certamente é um bem extremamente valioso e deve estar disponível apenas a quem ela compete. Como afirma SILVA (2010), elaborar e garantir critérios que protejam estas informações contra fraudes, roubos ou vazamentos nas empresas são responsabilidades e habilidades dos gestores e analistas de segurança da informação. Por isso, tanto o setor de TI quanto os coordenadores e supervisores devem estar alinhados com essa política. Com isso, após toda estrutura ficar pronta, a TI precisará conscientizar os usuários sobre as políticas da empresa sobre o bom uso da tecnologia e também efetuará rotinas para mantê-la num bom padrão de funcionalidade, tal qual, verificação do software antivírus das máquinas e execução de softwares capazes de limpar os registros do sistema operacional. Também planeja-se implantar um sistema integrado de abertura de chamados baseado no ITIL (Information Technology Infrastructure Library) que é a abordagem mais aceita para o gerenciamento de serviços de TI do mundo (ITIL 2010). O ITIL fornece um conjunto coerente de melhores práticas, elaborado a partir dos setores público e privado a nível internacional. Utilizando essa ferramenta a TI conseguirá tratar todas as ocorrências de forma correta e ter uma solução em tempo hábil. Para as rotinas de backup do servidor de arquivos, o ideal, conforme RIBEIRO (2010) é se fazer uma execução de backup completo durante a madrugada de domingo, realizar um backup diferencial nas segundas e terças-feiras, respectivamente, um backup incremental as quartas-feiras e por fim, um backup diferencial diário nas quintas, sextas e sábados. Pelas limitações de hardware disponível, Convencionou-se que as últimas cinco cópias completas ficarão armazenadas na unidade de HD externo e as demais serão excluídas pelo sistema. Todos os funcionários da RM serão envolvidos diretamente no processo de implantação das novas políticas de segurança. Dessa forma, todos serão instruídos para que alguns cuidados sejam tomados no uso dos equipamentos de informática, tais como: Não usar os computadores para fins pessoais, tais como, baixar fotos, vídeos, música ou qualquer outro software que não esteja dentro dos padrões definidos;

23 11 Usar o correio eletrônico apenas para atividades relacionadas ao trabalho, evitando-se a passagem de correntes, fotos pessoais, vídeos, música, bem como, externar informações confidenciais da RM; Não fornecer senha para terceiros, pois ela é de uso particular e de responsabilidade única do usuário a quem ela pertence; Deixar o sistema operacional bloqueado com senha ao sair da frente da estação de trabalho; Em caso de incidentes ou problemas, entrar em contato com a TI através do sistema de chamados INSTALANDO NOVOS SERVIDORES E ACESSO À INTERNET Primeiramente efetuou-se a retirada dos antigos circuitos de dados que faziam a conexão com a Internet. Após recebermos o aval da coordenação de TI, acerca do funcionamento do firewall em Florianópolis, iniciou-se a referida atividade. Para tanto, a equipe do setor de comunicação de dados da empresa fez a instalação do modem e configurou o novo roteador MPLS. Dessa forma, retirou-se os circuitos terceirizados e então foi desativado o antigo servidor de firewall da RM. Após a instalação do novo circuito, a TI colocou em funcionamento o novo servidor DHCP, tendo em vista que a organização de endereçamento recebida foi a seguinte: Endereço de rede: ; Máscara de sub-rede padrão: ; Endereço de broadcast: ; Endereço do roteador MPLS: ; Escopo de endereços para a LAN: até ; O hardware utilizado para esta tarefa foi um microcomputador (que havia sido devolvido à TI) com processador Athlon XP 2Ghz, com 256MB de memória RAM e 40GB de disco rígido, executando um sistema operacional Linux Ubuntu 8.04 de licença gratuita. O aplicativo que utilizou-se é o DHCP 3 que conforme MORIMOTO (2010), nas distribuições derivadas do Debian, o pacote correspondente ao servidor

24 12 DHCP e se chama dhcp3-server e pode ser instalado via apt-get. Conforme o UBUNTU (2008) essa é a ferramenta de download de atualizações nessa versão do Linux. Realizamos os seguintes passos para a configuração: 1º) Abrir uma sessão no terminal de texto com o comando CTRL+ALT+F1; 2º) Digitar a senha do usuário usado para logon; 3º) Digitar sudo su- para digitar a senha do root (equivalente ao administrador do Windows); 4º) Verificar o acesso à Internet, se estiver certo, efetuar o comando apt-get install dhcp3-server, isso irá baixar os pacotes pertencentes à aplicação do DHCP; 5º) Configurar a placa de rede do servidor para IP fixo que esteja na mesma sub-rede do roteador com a edição do arquivo de configurações através do comando vim /etc/network/interfaces e depois pressionando a tecla INSERT para inserir as seguintes linhas: auto eth0 iface eth0 inet static address netmask gateway network broadcast º) Depois editar o arquivo de configuração do DHCP com o comando vim /etc/dhcp3/dhcpd.conf ; 7º) Com os mesmos procedimentos de edição de arquivo do passo 5, insere-se as seguintes linhas de comando: ddns-update-style none; default-lease-time 600; max-lease-time 7200; authoritative; subnet netmask { range ; option routers ; option domain-name-servers , ; option broadcast-address ; }

25 13 Obs.: dessa maneira, o DHCP irá distribuir IP's para a rede na faixa que compreende os finais 66 até o 90, ficando reservados os finais 91,92,93,94 para o próprio servidor DCHP, para as duas impressoras e para o servidor de arquivos, respectivamente. 9º) Reiniciar o serviço DHCP com o comando /etc/init.d/dhcp3-server restart dessa forma o servidor passa a funcionar e distribuir endereçamentos IP para a rede; Substituiu-se o endereçamento IP do servidor de arquivos para integrá-lo à nova rede. Até o fechamento desse relatório ainda não haviam sido feitas alterações nesse servidor devido à ausência de verba para tal investimento (precisa-se realizar a compra do dispositivo de backup), bem como, há muita requisição no uso desse servidor que mesmo estando com uma configuração de sistema com baixa qualidade, ainda pode prover o serviço necessário de armazenamento. Em breve, o planejamento será cumprido com relação a esse equipamento sendo configurado sob um sistema operacional Linux Ubuntu, usando-se a aplicação SAMBA que conforme SCHRODER (2009) cria um ótimo servidor de arquivos e impressão para LANs mistas Windows/Linux EFETUANDO CORREÇÕES NO CABEAMENTO DO HACK CENTRAL Nessa atividade realiza-se a correção do rack central da rede com a organização do cabeamento. Nele ficam alojados os servidores, o circuito de dados MPLS da RM, bem como, recebe todo o cabeamento que vai para os pontos de rede. Para uma melhorar organização colocou-se mais um patch panel recebendo o cabeamento que estava conectado diretamente aos switches. Após essa movimentação, incluiu-se dois separadores de cabo para que fosse ligado através de patch cords os pontos de rede do patch panel aos switches. Importante salientar que o local disponibilizado para o rack é extremamente estreito e apertado. Portanto, o pouco espaço foi um fator que impossibilitou uma foto mais detalhada e um melhor resultado que será demonstrado no antes/depois das figuras à seguir.

26 Figura 3 Rack central da rede antes da atividade 14

27 15 Figura 4 Rack central da rede após a atividade 3.6. CONFIGURAÇÕES DAS ESTAÇÕES DE TRABALHO E IMPRESSORAS Nessa atividade cumpriu-se a programação de se padronizarem todas as estações de trabalho com um único sistema operacional, bem como softwares antivírus e aplicativos pertinentes à atividade da RM. Também realizado a instalação das novas impressoras laser monocromáticas contratadas junto a um outsourcing.

28 16 Devido à reutilização de microcomputadores devolvidos, conseguiu-se que nenhuma estação de trabalho tenha menos de 512MB de memória RAM, sendo que os usuários com atividades críticas, tais como, almoxarifado e projetos, possuem máquinas com 1GB de memória RAM. Os processadores Duron foram desativados, ficando apenas processadores Celeron, Athlon e Pentium IV. O sistema operacional eleito foi o Windows XP que é utilizado em outras bases da RM e mantém a produtividade dos usuários devido aos sistemas da parceira Oi/Telemar serem baseados na solução Microsoft. Elegeu-se o BrOffice versão 3 como solução para edição de texto, planilha eletrônica e apresentação de slides. Conforme sua página BROFFICE (2010), essa suíte é uma coleção de programas de escritório totalmente sem custos e que é utilizada por milhões de brasileiros. Sua vantagem é conseguir realizar gratuitamente grande parte das atividades, onde seria necessário o uso de ferramentas do Microsoft Office que possui licenciamento pago. O antivírus padrão é o Avast 5. Sua escolha foi feita devido ao fato da empresa não poder investir momentaneamente em soluções pagas e que conforme INFO (2010) é a melhor solução grátis no ramo. Os demais aplicativos eleitos conforme a necessidade foram os seguintes: Foxit Reader (leitor de PDF): é um leitor gratuito que exige pouco processamento para carregar os arquivos nas estações de trabalho; Iceows (compactador de arquivos): aplicativo gratuito que compacta e descompacta arquivos em formatos zip, rar e ice. O motivo da escolha foi o fato da OI só permitir tráfego de arquivos com anexos em extensão ice; Outlook Express (cliente de s): em função de sua facilidade de sua manutenção e backup de informações; Com relação às impressoras, foram instaladas uma multifuncional Kyocera KM e uma impressora Kyocera FS-2020D. A primeira realiza o serviço de impressão para toda a sala de administração e serviços de scanner e fotocópia para a empresa, possuindo um volume médio de duas mil e quinhentas impressões por mês. Sua interface de rede foi configurada com o IP Na sala dos supervisores, foi instalada a impressora Kyocera FS-2020D que gera um volume de cerca de duas mil impressões por mês, apresentando um bom desempenho e economia de toner. Foi configurada com o IP

29 IMPLEMENTANDO AS POLÍTICAS DE SEGURANÇA Parte da tecnologia planejada ainda não foi implementada devido a falta de recursos no momento. Contudo, até o fim desse ano, planeja-se implantar as rotinas de backup no servidor de arquivos e também um outro servidor que será baseado no sistema operacional Windows Server Esse sistema proverá os serviços de controlador de domínio e proxy. Com isso, ficará centralizado todo o controle do uso dos sistemas operacionais da empresa em diretivas de segurança colocadas no servidor e o proxy impedirá acessos à páginas não autorizadas. As rotinas de manutenção preventiva serão implantadas logo após a implementação desse servidor. Visando também um melhor uso de todos os equipamentos de informática já disponibilizados pela RM, os usuários receberam algumas instruções sobre como utilizá-los durante suas atividades. Foram repassadas as diretrizes de segurança, a política interna e o documento de procedimentos que devem ser seguidos por todos os colaboradores. Isso trará uma significativa melhora na proteção de toda informação que circula dentro da rede da empresa MANUTENÇÃO DA ESTRUTURA E CORREÇÃO DE PROBLEMAS Ao fim dessas atividades, começamos a dar suporte aos problemas de rotina do dia a dia de cada usuário. As maiores dúvidas foram com relação ao uso dos documentos de texto e planilhas do BrOffice, visto que há uma cultura muito forte no uso do produto da empresa Microsoft. Para auxiliar no controle dessas ocorrências, a TI Corporativa (que fica situada na cidade de Fortaleza/CE) implantou um sistema de controle de chamados denominado RM Help Desk. Baseado no software opensource Ocomon, o sistema de chamados permite a todos os usuários da RM relatar ocorrências aos setores de TI que abrangem as TI's estaduais, o suporte aos sistemas WEB, o suporte aos sistemas TOTVS Microsiga e ao suporte da infraestrutura corporativa que provê suporte ao servidor de s, controlador de domínio e comunicador interno. O sistema permite o registro fazer anotações sobre o andamento do chamado e encaminha as respostas das finalizações para o usuário. Após a abertura do chamado, o sistema encaminha um para a área responsável por atender a ocorrência, que dentro de um prazos recomendados pelo ITIL

30 18 (varia conforme o tipo de ocorrência) deve iniciar o atendimento, identificar, corrigir o problema e fechar o chamado. O RM Help Desk também permite que o analista responsável faça anotações e notifique o usuário de evoluções no chamado e fornece indicadores de desempenho para cada TI. Figura 5 Sistema RM Help Desk

ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE

ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE FERNANDO RODRIGO NASCIMENTO GUSE i ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE EMPRESA: Globalmind Serviços em Tecnologia da Informação LTDA. SETOR: Infra Estrutura SUPERVISOR:

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers DHCP Podemos configurar a rede de um cliente para obter IP dinamicamente ou configurar um IP estático. Encontramos configuração dinâmica em modems de banda larga, redes Wi-Fi etc, pois é mais prático para

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Organização de arquivos e pastas

Organização de arquivos e pastas Organização de arquivos e pastas Pasta compara-se a uma gaveta de arquivo. É um contêiner no qual é possível armazenar arquivos. As pastas podem conter diversas subpastas. Definir a melhor forma de armazenamento

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

Centro de Inclusão Digital

Centro de Inclusão Digital Câmara Municipal de Ribeirão Preto Ishida TI Agradecimento CODERP (Amarildo e Jeová) GITEC (Todos) Interlegis ;-) LTPS LTPS Linux Terminal Server Project http://en.wikipedia.org/wiki/linux_terminal_server_project

Leia mais

GUIA DE MELHORES PRATICAS NA AREA DE TI

GUIA DE MELHORES PRATICAS NA AREA DE TI GUIA DE MELHORES PRATICAS NA AREA DE TI Ambiente Windows Small Business Rev 10501 DATA : 5 / 07/ 2007 Pag : 1 de7 1) Servidores a) Hardware o Servidor Alocado em Rack Fechado em ambiente reservado e refrigerado

Leia mais

DHCP. Administração de Redes de Computadores Prof.ª Juliana Camilo 6080822 Ângelo, Bryan, Carlos, Vinícius

DHCP. Administração de Redes de Computadores Prof.ª Juliana Camilo 6080822 Ângelo, Bryan, Carlos, Vinícius DHCP Administração de Redes de Computadores Prof.ª Juliana Camilo 6080822 Ângelo, Bryan, Carlos, Vinícius Histórico O termo DHCP significa Dynamic Host Configuration Protocol Começou a se tornar popular

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática

Tópicos Especiais em Informática Tópicos Especiais em Informática DCHP Prof. Ms.-Eng. Igor Sousa Faculdade Lourenço Filho 5 de novembro de 2014 igorvolt@gmail.com (FLF) Tópicos Especiais em Informática 5 de novembro de 2014 1 / 14 Introdução

Leia mais

Criando um Servidor Proxy com o SQUID. Roitier Campos

Criando um Servidor Proxy com o SQUID. Roitier Campos Criando um Servidor Proxy com o SQUID Roitier Campos Roteiro Redes de Computadores e Internet Arquitetura Cliente/Servidor e Serviços Básicos de Comunicação Componentes do Servidor e Configuração da VM

Leia mais

Redes de Computadores Aula 01

Redes de Computadores Aula 01 No Caderno Responda as Questões abaixo 1 O que significa o termo Rede? 2 Porque utilizar um Ambiente de Rede? 3 Defina LAN. 4 Defina WAN. 5 O que eu preciso para Montar uma Rede? 6 - O que eu posso compartilhar

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 LIGANDO MICROS EM REDE Copyright 2007, Laércio Vasconcelos Computação LTDA DIREITOS AUTORAIS Este livro possui registro

Leia mais

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede WebZine Manager Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.0 Data: 10 de Setembro de 2012 Identificador do documento: WebZine Manager Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: SoftSolut,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES TEXTOS DE REFORÇO Michel da Rocha Fragoso 2010 2 Saudações Olá, meus caros alunos. Esta é uma série de textos de reforço de minha autoria sobre o nosso próximo módulo a ser estudado

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática Aula 06 Redes de Computadores francielsamorim@yahoo.com.br 1- Introdução As redes de computadores atualmente constituem uma infraestrutura de comunicação indispensável. Estão

Leia mais

Aula 2 Servidor DHCP. 2.1 dhcp

Aula 2 Servidor DHCP. 2.1 dhcp Aula 2 Servidor DHCP 2.1 dhcp DHCP é abreviação de Dynamic Host Configuration Protocol Protocolo de Configuração de Host (computadores) Dinâmico.Em uma rede baseada no protocolo TCP/IP, todo computador

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

ANEXO TR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO TR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANEXO TR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL REQUISITOS MÍNIMOS DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DOS PROFISSIONAIS QUE DEVERÃO COMPOR AS EQUIPES TÉCNICAS PREVISTAS NESSA CONTRATAÇÃO PARA AMBOS OS LOTES. QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ÊNFASE EM ENGENHARIA DE SOFTWARE ARTHUR HENRIQUE DO PRADO FRANQUELO ALLAN ESTEVAM DE SOUZA CARLOS

Leia mais

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do SISLOC

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do SISLOC Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do SISLOC Sumário Pré-Requisitos de Instalação Física e Lógica do SISLOC...3 Servidores de Dados...3 Servidores de Aplicação (Terminal Service)...3 Estações

Leia mais

GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA

GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA GERENCIAMENTO DE PROJETOS PRONIM, IMPLANTAÇÃO SQL SERVER GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA Cliente GOVBR, UEM-MARINGA / Prefeitura Municipal de PEROLA Data 10/09/2015 Versão 1.0 Objeto:

Leia mais

OBJETIVOS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 PLANTA A 5 PLANTA B 6 DISTRIBUIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS RACKS 7

OBJETIVOS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 PLANTA A 5 PLANTA B 6 DISTRIBUIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS RACKS 7 ÍNDICES OBJETIVOS 1 JUSTIFICATIVAS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 SEGURANÇA - INTERNET 1 SISTEMA OPERACIONAL 2 PROTOCOLO TCP/IP 2 INTRANET 2 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 ESTAÇÕES 2 MICROS 3 IMPRESSORAS 3 PLANTA

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

ESPECIFICANDO ITENS DO SUPORTE

ESPECIFICANDO ITENS DO SUPORTE ESPECIFICANDO ITENS DO SUPORTE RUA DO BOM PASTOR, 47; Sala 202; IPUTINGA RECIFE - PE CEP: 50670-260 - CNPJ: 14.668.041/0001-65 Fone: +55 (81) 3048-5649 / +55 (81) 4102-0316 Fax: +55 (81) 3048-5649 Email:

Leia mais

ANEXO II PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER

ANEXO II PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER 1. FORMAÇÃO, CONHECIMENTO E HABILIDADES EXIGIDAS 1.1. PERFIL DE TÉCNICO EM INFORMÁTICA: 1.1.1.DESCRIÇÃO DO PERFIL: O profissional desempenhará

Leia mais

SANTOS, BRUNA VIANA, ISMAEL SPITZER RELATÓRIO FINAL DE PROJETO

SANTOS, BRUNA VIANA, ISMAEL SPITZER RELATÓRIO FINAL DE PROJETO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática ANDRESSA SANTOS, BRUNA VIANA, ISMAEL

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 ÍNDICE Capítulo 1: Iniciando em redes Redes domésticas...3 Redes corporativas...5 Servidor...5 Cliente...6 Estação de

Leia mais

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE Documento de Projeto Lógico e Físico Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição Localização 1.0 20/OUT/2010

Leia mais

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc Sumário: 1. Pré-requisitos de instalação física e lógica do Sisloc... 3 Servidores de Dados... 3 Servidores de Aplicação (Terminal Service)... 3

Leia mais

PADRÃO DE INFRAESTRUTURA DE TECNOLOGIA PARA PRESTADORES DA UNIMED RIO VERDE

PADRÃO DE INFRAESTRUTURA DE TECNOLOGIA PARA PRESTADORES DA UNIMED RIO VERDE PADRÃO DE INFRAESTRUTURA DE TECNOLOGIA PARA PRESTADORES DA UNIMED RIO VERDE Versão 1.0 Data: 09/12/2013 Desenvolvido por: - TI Unimed Rio Verde 1 ÍNDICE 1. Objetivo... 4 2. Requsitos de Infraestrutura

Leia mais

PORTARIA Nº 7876. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que lhe confere a Legislação vigente,

PORTARIA Nº 7876. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que lhe confere a Legislação vigente, PORTARIA Nº 7876 Dispõe sobre a Norma PSI/N.0001 - Utilização da Estação de Trabalho, nos termos dos arts. 20 e 24, da Resolução nº 041/2010-SPDE. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que

Leia mais

Tutorial configurando o dhcp no ubuntu ou debian.

Tutorial configurando o dhcp no ubuntu ou debian. Tutorial configurando o dhcp no ubuntu ou debian. Pré requisitos para pratica desse tutorial. Saber utilizar maquina virtual no virtual Box ou vmware. Saber instalar ubuntu ou debian na maquina virtual.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Agrarias

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Agrarias ATIBUIÇÕES DO SETOR DE INFORMÁTICA Segue abaixo as atribuições atualizadas da Comissão de Informática do SETOR AGRÁRIAS: 1. Manter e verificar os equipamentos de informática ligados ao campus, bem como,

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede)

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede) FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Descrição Autor 1.0 03/10/2011 Primeira Edição

Leia mais

ASSISTÊNCIA BB PROTEÇÃO MÓDULO INFORMÁTICA Manual do Associado

ASSISTÊNCIA BB PROTEÇÃO MÓDULO INFORMÁTICA Manual do Associado ASSISTÊNCIA BB PROTEÇÃO MÓDULO INFORMÁTICA Manual do Associado OS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA SÃO PRESTADOS PELA BRASIL ASSISTÊNCIA S.A., CNPJ: 68.181.221/0001-47 ASSISTÊNCIA BB PROTEÇÃO Ao necessitar de algum

Leia mais

Configurando um servidor DHCP

Configurando um servidor DHCP Configurando um servidor DHCP OBS.: Esse documento retrata uma configuração em uma rede do tipo rede local (192.168.xx.xx), onde existe um servidor contendo duas interfaces de rede, eth0 e eth1. Hoje em

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

FACULDADE CENECISTA DE CAPIVARI BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE CENECISTA DE CAPIVARI BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE CENECISTA DE CAPIVARI BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Relatório de Estágio Supervisionado Capivari SP 2010 FACULDADE CENECISTA DE CAPIVARI BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Relatório

Leia mais

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Apresentação Portfólio de Serviços e Produtos da WebMaster Soluções. Com ele colocamos à sua disposição a Tecnologia que podemos implementar em sua empresa.

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Introdução a microinformática William S. Rodrigues HARDWARE BÁSICO O hardware é a parte física do computador. Em complemento ao hardware, o software é a parte lógica, ou seja,

Leia mais

Edital 012/PROAD/SGP/2012

Edital 012/PROAD/SGP/2012 Edital 012/PROAD/SGP/2012 Nome do Candidato Número de Inscrição - Assinatura do Candidato Secretaria de Articulação e Relações Institucionais Gerência de Exames e Concursos I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac-RS FATEC Senac Pelotas Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática

Faculdade de Tecnologia Senac-RS FATEC Senac Pelotas Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática Faculdade de Tecnologia Senac-RS FATEC Senac Pelotas Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática EMILENE RIBEIRO CARDOSO SILVEIRA, SABRINE IEPSEN WESTPHAL, GUILHERME

Leia mais

Segurança em Redes e Sistemas Operacionais

Segurança em Redes e Sistemas Operacionais Segurança em Redes e Sistemas Operacionais Segurança - ale.garcia.aguado@gmail.com 1 Agenda Preparação do Ambiente Como é o Ambiente em que vamos trabalhar? Visão Macro Passos... Segurança - ale.garcia.aguado@gmail.com

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

ASSISTÊNCIA HELP DESK REMOTO Manual do Associado OS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA SÃO PRESTADOS PELA USS SOLUÇÕES GERENCIADAS S.A. CNPJ: 01.979.

ASSISTÊNCIA HELP DESK REMOTO Manual do Associado OS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA SÃO PRESTADOS PELA USS SOLUÇÕES GERENCIADAS S.A. CNPJ: 01.979. ASSISTÊNCIA HELP DESK REMOTO Manual do Associado OS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA SÃO PRESTADOS PELA USS SOLUÇÕES GERENCIADAS S.A. CNPJ: 01.979.936/0001-79 ASSISTÊNCIA HELP DESK REMOTO Ao necessitar de algum

Leia mais

SIAFRO Módulo de Devolução 1.0

SIAFRO Módulo de Devolução 1.0 Conteúdo do Manual. Introdução. Capítulo Requisitos. Capítulo Instalação 4. Capítulo Configuração 5. Capítulo 4 Cadastro de Devolução 6. Capítulo 5 Relatório 7. Capítulo 6 Backup 8. Capítulo 7 Atualização

Leia mais

Planejamento Estratégico para as PMEs. Tecnologia da Informação a Serviço das PMEs

Planejamento Estratégico para as PMEs. Tecnologia da Informação a Serviço das PMEs Planejamento Estratégico para as PMEs Tecnologia da Informação a Serviço das PMEs Maio/2007 Rio Quente- Goiás Nivaldo Cleto Na era da tecnologia da informação, o mercado exige um empresário dinamicamente

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR GERENCIA DE REDES DE COMPUTADORES 4º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Alunos: Erik de Oliveira, Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João

Leia mais

Revisão 7 Junho de 2007

Revisão 7 Junho de 2007 Revisão 7 Junho de 2007 1/5 CONTEÚDO 1. Introdução 2. Configuração do Computador 3. Reativar a Conexão com a Internet 4. Configuração da Conta de Correio Eletrônico 5. Política Anti-Spam 6. Segurança do

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Serviços de informática. Prefeitura Municipal de Vitória das Missões-RS

TERMO DE REFERÊNCIA. Serviços de informática. Prefeitura Municipal de Vitória das Missões-RS TERMO DE REFERÊNCIA Serviços de informática Prefeitura Municipal de Vitória das Missões-RS 1 I VISITA IN LOCO No dia 24 de junho de 2014 na sede da Prefeitura Municipal de Vitória das Missões-RS realizamos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia da Informação Núcleo de Segurança da Informação Revisão: 00 Vigência:20/04/2012 Classificação:

Leia mais

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO Revisão: Seg, 21 de Março de 2011 www.sneplivre.com.br Índice 1. Instalação...4 1.1. Pré Requisitos...4 1.2. Na Prática...4 1.2.1. Download...4

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES FAQ PERGUNTAS FREQUENTES 1 SUMÁRIO SUMÁRIO...2 1.Quais são as características do Programa?...4 2.Quais são os pré-requisitos para instalação do Sigep Web?...4 3.Como obter o aplicativo para instalação?...4

Leia mais

Disciplina: Informática Introdução à Microinformática (1/3) Carga-Horária: 23 h (30 h/a)

Disciplina: Informática Introdução à Microinformática (1/3) Carga-Horária: 23 h (30 h/a) Disciplina: Informática Introdução à Microinformática (1/3) Carga-Horária: 23 h (30 h/a) Mostrar a evolução do computador ao longo da história; Propiciar ao aluno conhecimentos básicos sobre os computadores

Leia mais

Soluções em Segurança

Soluções em Segurança Desafios das empresas no que se refere a segurança da infraestrutura de TI Dificuldade de entender os riscos aos quais a empresa está exposta na internet Risco de problemas gerados por ameaças externas

Leia mais

Impressão digital Sistema de eleição SisElege. Projeto Lógico de Rede

Impressão digital Sistema de eleição SisElege. Projeto Lógico de Rede Sistema de eleição SisElege Projeto Lógico de Rede Brasilia DF 25/10/2014 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição Localização 1.0 27/SET/2010 Grupo 3 Versão Inicial www.siselege.com.br 1.1 28/SET/2010

Leia mais

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO Criado por: Flavio Henrique Somensi flavio@opens.com.br Revisão: qui, 25 de abril de 2013 www.sneplivre.com.br Índice 1. Instalação...4

Leia mais

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Perguntas Técnicas Frequentes Segurança do Código CLARiSUITE Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Visão geral Segurança, integridade e estabilidade da infraestrutura de TI são as principais preocupações

Leia mais

SYSLOG - Sistema de Logística

SYSLOG - Sistema de Logística Integrantes (Grupo 3) Douglas Antony (Gerente) Bruno Sout Erika Nascimento Horácio Grangeiro Isaque Jerônimo Paulo Roriz Rodrigo Lima Versão:01.00 Data:18/05/2011 Identificador do documento:lr Versão do

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Conceitos básicos sobre redes

Conceitos básicos sobre redes Capítulo 1 Conceitos básicos sobre redes Topologias de redes Colisão Clientes e servidores Redes ponto-a-ponto e clienteservidor Compartilhamentos Outras aplicações Cabos de rede Velocidades Os capítulos

Leia mais

Manual de Resoluções de Problemas de Hardware e do Sistema Operacional Linux nos Computadores do Beija-Flor

Manual de Resoluções de Problemas de Hardware e do Sistema Operacional Linux nos Computadores do Beija-Flor Manual de Resoluções de Problemas de Hardware e do Sistema Operacional Linux nos Computadores do Beija-Flor 1 1. Introdução. O objetivo desta documentação é ajudar o leitor a identificar os problemas físicos,

Leia mais

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica 1. Arquitetura da Aplicação 1.1. O Banco Postal utiliza uma arquitetura cliente/servidor WEB em n camadas: 1.1.1. Camada de Apresentação estações de atendimento, nas

Leia mais

Manual de Instalação SNEP 3 Asterisk 13

Manual de Instalação SNEP 3 Asterisk 13 Manual de Instalação SNEP 3 Asterisk 13 2015 Autoria: Flávio Henrique Somensi Baseado na versão 3.0-betha-rc2 por OpenS Tecnologia LTDA. Rua dos Cisnes, 541 Pedra Branca CEP 88137-300 - Palhoça - SC www.opens.com.br

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz Tecnologia da Informação Prof. Esp. Lucas Cruz Software A utilização comercial da informática nas empresas iniciou-se por volta dos anos 1960. O software era um item menos dispendioso que o hardware, e

Leia mais

TUTORIAL INSTALAÇÃO DA ROTINA 2075 NO LINUX

TUTORIAL INSTALAÇÃO DA ROTINA 2075 NO LINUX Apresentação O departamento de varejo da PC Sistemas inovou seu produto de frente de caixa, permitindo seu funcionamento no sistema operacional do Linux com a distribuição Ubuntu. O cliente poderá usar

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR I E II INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO DE UMA REDE CORPORATIVA

ESTÁGIO CURRICULAR I E II INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO DE UMA REDE CORPORATIVA GEISON SILVEIRA ESTÁGIO CURRICULAR I E II INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO DE UMA REDE CORPORATIVA EMPRESA: ADAL COM. DE EQUIP. DE INFORMÁTICA SETOR: ADMINISTRAÇÃO DE REDES SUPERVISOR: SANDERLEI SILVEIRA ORIENTADOR:

Leia mais

Instalação e manutenção de equipamentos Identificador Tarefa Atividades Instalar, desinstalar e configurar equipamento de telecomunicações.

Instalação e manutenção de equipamentos Identificador Tarefa Atividades Instalar, desinstalar e configurar equipamento de telecomunicações. Instalação e manutenção de equipamentos IMEQ010 Instalar, desinstalar e configurar equipamento de telecomunicações. Instalar e desinstalar fisicamente equipamento de telecomunicações; Realizar a configuração

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06 Prof. Fábio Diniz Na aula anterior ERP Enterprise Resource Planning Objetivos e Benefícios ERP Histórico e Integração dos Sistemas

Leia mais

GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR I SUPORTE TI HOSPITALAR

GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR I SUPORTE TI HOSPITALAR GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR I SUPORTE TI HOSPITALAR EMPRESA: TRÍPLICE CONSULTORIA E SERVIÇOS LTDA. SETOR: INFORMÁTICA SUPERVISOR: RONALDO GUIZARDI ORIENTADOR: VILSON VIEIRA CURSO DE BACHARELADO EM

Leia mais

Comandos importantes Virtual Box Linux Compartilhamento

Comandos importantes Virtual Box Linux Compartilhamento Comandos importantes Virtual Box Linux Compartilhamento 1º passo - Acessar Virtual Box plataforma criada dispositivos pasta compartilhadas clicar no botão + no canto direito escolher destino ( Desktop)

Leia mais

Otimização da prestação de serviços e minimização de indisponibilidade através do uso de sistemas Linux customizados. Resumo

Otimização da prestação de serviços e minimização de indisponibilidade através do uso de sistemas Linux customizados. Resumo Otimização da prestação de serviços e minimização de indisponibilidade através do uso de sistemas Linux customizados Andre Luiz Ferreira Szczypior Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas

Leia mais

SCHILLER, NATIELE SIMON, NELSON RODRIGUES. RELATÓRIO FINAL DE PROJETO PROGETO INTERDICIPLINAR

SCHILLER, NATIELE SIMON, NELSON RODRIGUES. RELATÓRIO FINAL DE PROJETO PROGETO INTERDICIPLINAR 1 Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática GABRIEL SCHILLER, NATIELE SIMON,

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

gladiador INTERNET CONTROLADA

gladiador INTERNET CONTROLADA gladiador INTERNET CONTROLADA funcionalidades do sistema gladiador sistema Gerenciamento de usuários, gerenciamento de discos, data e hora do sistema, backup gladiador. Estações de Trabalho Mapeamento

Leia mais

Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança.

Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança. Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança. Net View & Panda Managed Office Protection É fato, tanto pequenas e médias e grandes empresas enfrentam os mesmos riscos

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL Secretaria Municipal de Educação SME Coordenadoria de Tecnologia da Informação e Comunicação CTIC Núcleo de Tecnologia Municipal NTM CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL Amauri Soares de Brito Mário Ângelo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

1. P03 Dispositivos de Acesso. Configuração Mínima de Softwares para Estações de Trabalho P03.001

1. P03 Dispositivos de Acesso. Configuração Mínima de Softwares para Estações de Trabalho P03.001 1. IDENTIFICAÇÃO Padrão Segmento Código P03.001 Revisão v. 2014 2. PUBLICAÇÃO Órgão IplanRio Diretoria DOP Diretoria de Operações Setor GSA - Gerência de Suporte e Atendimento 1 de 6 epingrio@iplanrio.rio.rj.gov.br

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13 1-13 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com. Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.br 1-15 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior,

Leia mais

abilitisoft Ltda. PatriMo Soft Acordo de Nível Operacional - ANO

abilitisoft Ltda. PatriMo Soft Acordo de Nível Operacional - ANO abilitisoft Ltda. PatriMo Soft Acordo de Nível Operacional - ANO OBJETIVO: O Acordo de Nível Operacional, é um acordo entre equipes de TI internas, para que o provedor possa entregar o requisito estabelecido

Leia mais

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves Conceitos Básicos de Informática Antônio Maurício Medeiros Alves Objetivo do Material Esse material tem como objetivo apresentar alguns conceitos básicos de informática, para que os alunos possam se familiarizar

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação REDE DE COMPUTADORES Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) 1 Apresentação Conhecendo os alunos Conceitos básicos de redes O que é uma rede local Porque usar uma rede local 2 Como surgiram

Leia mais

NORMA ATENDIMENTO AOS USUÁRIOS DE T.I.

NORMA ATENDIMENTO AOS USUÁRIOS DE T.I. ATENDIMENTO AOS USUÁRIOS DE T.I. Data: 17 de dezembro de 2009 Pág. 1 de 8 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. INTRODUÇÃO 3 2. FINALIDADE 3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4. ATENDIMENTO AOS USUÁRIOS DE T.I. 4 4.1. Diretrizes:

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

Assinale a alternativa que apresenta as fórmulas CORRETAS para calcular E4 e D6, respectivamente:

Assinale a alternativa que apresenta as fórmulas CORRETAS para calcular E4 e D6, respectivamente: ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO 6 INFORMÁTICA QUESTÕES DE 21 A 40 21. Dentre as alternativas abaixo, assinale a que apresenta CORRETAMENTE ferramentas existentes em softwares de escritório (BrOffice ou Microsoft

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Winconnection 6. Internet Gateway

Winconnection 6. Internet Gateway Winconnection 6 Internet Gateway Descrição Geral O Winconnection 6 é um gateway de acesso à internet desenvolvido dentro da filosofia UTM (Unified Threat Management). Assim centraliza as configurações

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais