DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL"

Transcrição

1 CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA EVENTO: Seminário N : 1155/07 DATA: 13/08/2007 INÍCIO: 9h32min TÉRMINO: 12h48min DURAÇÃO: 3h16min TEMPO DE GRAVAÇÃO: 3h16min PÁGINAS: 52 QUARTOS: 40 DEPOENTE/CONVIDADO - QUALIFICAÇÃO STEPHEN HEYNEMAN - Professor de Política Internacional da Universidade de Vanderbilt, dos Estados Unidos da América. CHONG JAE LEE - Presidente do Korea Education Development Institute, da Coréia. SUMÁRIO: Painéis Visão geral das reformas educativas: características comuns aos sistemas educacionais eficientes e A reforma educativa da Coréia, do Ciclo de Seminários Internacionais Educação no Século XXI: Modelos de Sucesso. OBSERVAÇÕES Há oradores não identificados. Há intervenção fora do microfone. Inaudível. Houve exposição em inglês, com tradução simultânea.

2 O SR. APRESENTADOR (David Rayol) - Senhoras e senhores, dentro de poucos instantes, estaremos dando início à solenidade de abertura dos Seminários Internacionais sobre Educação. Gostaríamos de solicitar a todos que ocupem seus lugares. Também solicitamos aos portadores de aparelho celular que façam a gentileza de desligá-los ou de configurá-los para o perfil silencioso. Recordamos que é proibido fumar nas dependências deste recinto. Muito obrigado. Autoridades presentes, senhoras e senhores, bom-dia. Tem início neste momento a solenidade de abertura do Ciclo de Seminários Internacionais Educação no Século XXI, Modelos de Sucesso, promovido pela Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados, em parceria com o Sistema CNC/SESC/SENAC Confederação Nacional do Comércio, Serviço Social do Comércio e Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial, com o apoio técnico do Instituto Alfa e Beto IAB. Senhoras e senhores, neste instante são convidadas a compor a Mesa de Honra as seguintes autoridades: o Exmo. Sr. Deputado Arlindo Chinaglia, Presidente da Câmara dos Deputados (palmas); o Exmo. Sr. Fernando Haddad, Ministro de Estado da Educação (palmas); o Exmo. Sr. Deputado Gastão Vieira, Presidente da Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados (palmas); o Exmo. Sr. Senador Adelmir Santana, Vice- Presidente do Serviço CNC e Presidente do Conselho Deliberativo do SEBRAE (palmas); o Exmo. Sr. Vincent Defourny, Embaixador da UNESCO no Brasil (palmas); a Exma. Sra. Maria Auxiliadora Seabra Rezende, Presidente do Conselho dos Secretários Estaduais de Educação CONSEDE (palmas); o Sr. Professor João Batista Araújo e Oliveira, Presidente do Instituto Alfa e Beto IAB. (Palmas.) Convidamos os ilustres componentes da Mesa a ocuparem seus lugares. Senhoras e senhores, informamos que este seminário está sendo transmitido ao vivo pela TV Câmara, em Brasília, em UHF pelo canal 27, pelo canal 28 da Sky Net, e pelo canal 14 da Net, pelo canal 235 da Direct TV, e canal 16 da Tecsat; pela Rádio Câmara, em Brasília, na freqüência modulada 96,9 megahertz. 2

3 Fruto de bem-sucedida parceria entre o Sistema CNC/SESC/SENAC e a Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados, originou-se o projeto de criação de 3 seminários internacionais, a serem realizados no ano de 2007 na Câmara dos Deputados. Hoje, realiza-se o primeiro sobre reforma educativa. O segundo, programado para o dia 17 de setembro, sobre ensino médio diversificado. E o terceiro, educação infantil, no dia 15 de outubro. O objetivo deste seminário sobre reforma educativa é identificar nas experiências de vários países as variáveis comuns às políticas educacionais que produzem bons resultados, bem como as variáveis críticas dos processos de mudança nos países emergentes e as lições aplicáveis à reforma da educação do Brasil. Senhoras e senhores, neste momento, abrindo esta solenidade, fará uso da palavra o Exmo. Sr. Deputado Gastão Vieira, Presidente da Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados. (Palmas.) O SR. PRESIDENTE (Deputado Gastão Vieira) - Bom-dia a todos e a todas. Exmo. Sr. Presidente da Câmara dos Deputados, Deputado Arlindo Chinaglia; Exmo. Sr. Ministro da Educação, Fernando Haddad, que muito nos honra com sua presença, por intermédio de quem eu cumprimento também todos os técnicos, superintendentes e diretores do Ministério da Educação, das Universidades Federais e das instituições públicas que se fazem aqui representadas; Sra. Presidenta do CONSED, honra-nos muito a senhora ter aceito o nosso convite, porque os secretários estaduais de educação constituem um alvo preferencial das conseqüências que esperamos deste seminário; Sr. Senador Adelmir, que aqui representa a CNC, velho parceiro, amigo e companheiro nessa nossa luta em benefício da educação brasileira; Sr. representante da UNESCO no Brasil; meus colegas Deputados da Comissão de Educação; e aqueles que, atendendo a nosso convite, mesmo não sendo membros da Comissão, estão presentes a este evento nesta segunda-feira; Senhores Prefeitos, senhores secretários municipais de educação, senhoras secretárias municipais de educação, senhores especialistas. Um abraço carinhoso àqueles que se deslocaram do meu Maranhão par comparecerem a este evento; minhas senhoras e meus senhores. 3

4 Antes de mais nada, Sr. Presidente, quero agradecer a V.Exa. o seu apoio para a realização desta série de seminários. Sua presença neste dia reforça, perante a Nação brasileira, a minha convicção de que está chegando ao Brasil a hora da educação. Muito obrigado, Sr. Presidente. Aproveito para agradecer também acaba de chegar aqui ao ex- Presidente desta Casa, Deputado João Paulo Cunha, que criou condições para que realizássemos, em 2003, o primeiro seminário internacional, quando discutimos a questão da alfabetização de crianças neste País. É hora de educação. É hora de reforma. Sinto que nos estamos aproximando do momento de tomar em nossas mãos a responsabilidade por definir o futuro educacional deste País. Já temos dados suficientes para saber o que está ocorrendo nas escolas e nos sistemas educacionais. De diagnósticos, já basta. Começamos a sentir na sociedade reconhecimento da necessidade de superarmos a crise da qualidade da educação brasileira. Para tanto, foi e é notável a contribuição de S.Exa., o Ministro Fernando Haddad, que, ao reconhecer de público que o estado educacional do Brasil não era o adequado nem o esperado, lançou uma série de ações que, indo no caminho correto, com certeza, traz a todos nós a necessidade de participar desse chamamento. O boletim da escola, batizado pelo Ministro de IDEB, está aí para quem quiser ver. Também se nota, em alguns círculos de maior poder de influência, a inquietação com o estado de calamidade da Educação. Até a imprensa, embora de forma ainda muito tímida, começa a tratar de maneira mais adequada algumas das importantes questões da Educação no País. É nesse clima e nesse contexto que organizamos esta série de seminários. E este primeiro, de modo particular, é um brado de alerta desta Casa, do Poder Legislativo brasileiro, a todos quantos nos sentimos responsáveis pelos rumos da Educação no Brasil. Este seminário não trará respostas, mas espero que todos saiam daqui com uma pergunta: Com base no que deu certo nos países onde a Educação dá certo, será que o Brasil não pode possuir uma proposta de reforma da Educação capaz de nos colocar, dentro de 20 a 30 anos, ao nível dos países mais avançados? 4

5 O desenho deste seminário foi cuidadosamente elaborado para trazer ao Brasil informações e reflexões atualizadas, fundamentadas e confiáveis da discussão, da sua organização. Os Deputados da Comissão de Educação, independentemente de partido, de posições doutrinárias, de origem e de experiência no trato da questão educacional, todos de consenso, os temas e a importância daquilo que aqui deveríamos discutir. Os conferencistas presentes não vieram aqui para nos dar lições sobre o que devemos fazer nem para apresentar modelos a serem copiados. O nosso objetivo é aproveitar, das experiências deles e nós mesmos saibamos tirar lições sobre por que as reformas educativas deram certo em outros países em tão curto espaço de tempo. Com isso, teremos melhores condições de refletir sobre os rumos da educação em nosso País. Permitam-me sintetizar, brevemente, o que vamos percorrer neste dia. Inicialmente, o Dr. Stephen Heyneman, que se encontra no plenário, compartilhará sua experiência e conhecimento direto de dezenas, quase uma centena, de países e nos fornecerá um quadro de referência. Ele nos apresentará critérios que nos permitam avaliar o que seja uma reforma educacional exitosa. E certamente vai nos brindar com exemplos e provocações que não quero antecipar. Antes de falar do nosso segundo convidado, quero falar do orgulho e da satisfação de contarmos, no nosso plenário, com o Senador Cristovam Buarque, Presidente da Comissão de Educação do Senado, nosso parceiro, companheiro nessa luta no Poder Legislativo pela educação brasileira. Seja muito bem-vindo, Senador Cristovam! Em seguida, ainda na parte da manhã, teremos o Dr. Chong Jae Lee, da Universidade Nacional da Coréia do Sul, que nos traçará um vasto panorama desses 50 anos de reformas e avanços na educação coreana, e apresentará, tenho a mais absoluta certeza, questões interessantes sobre o processo dessa reforma. Veremos como a educação é causa e conseqüência do extraordinário desenvolvimento econômico daquele País. Veremos que não se trata apenas de um país que conseguiu alcançar excelentes níveis de qualidade no ensino, mas que conseguiu esses níveis privilegiando a busca da eqüidade e da igualdade de oportunidades. 5

6 Na parte da tarde, ouviremos a Profa. Ayne Hayland, que aqui se encontra, e discorrerá sobre a evolução, mais do que revolução educacional em seu pequeno País, a Irlanda. Trata-se de um País pequeno, embora venha experimentando vertiginoso desenvolvimento econômico, também acompanhado, como no caso da Coréia, de impressionantes melhoras na educação. Há diferenças marcantes entre esse caso e o da Coréia. E são essas diferenças que nos podem ajudar a entender melhor o que é constante e o que é variável numa reforma educativa. A pequena dimensão da Irlanda, para a nossa perspectiva continental do Brasil, também deve servir de base de comparação para tantos Estados brasileiros pensarem em suas reformas educativas. Finalmente, ouviremos o caso do Chile. E aí há surpresas que não quero antecipar, cujo anúncio deixarei para o experiente Prof. Simon Schwartzman, que se encontra presente. O Chile é comumente apresentado como modelo de reforma educativa na América Latina. Tendo em vista as lições que queremos tirar deste caso e que podem ser muitos úteis e considerando as similaridades culturais e históricas com esse País, optamos por convidar um pesquisador brasileiro, mas que também é profundo conhecedor do Chile, para nos oferecer uma reflexão sobre essa importante experiência. Ao final dos trabalhos, os coordenadores da mesas, que serão sempre Parlamentares, e o Prof. João Batista de Oliveira, co-responsável pela concepção e organização desse seminário, ajudar-nos-ão a organizar as idéias apresentadas, de forma que possamos, todos nós, avançar em nossas reflexões. Antes de concluir, gostaria de aproveitar esta oportunidade para registrar alguns agradecimentos, em meu nome e dos Deputados que compõem a Comissão da Educação. Primeiramente, aos conferencistas, especialmente aos estrangeiros, e também ao Prof. Simon Schwartzman. Sejam bem-vindos ao Brasil, à Câmara dos Deputados e à comunidade de educadores que aqui vieram para ouvi-los e aprender com a sua valiosa experiência! Agradeço a todos. Gostaria de agradecer, de forma especial, imposta pelo cotidiano, pela convivência, por tudo aquilo que fizemos nos últimos 2 meses para organizar esse seminário, aos Deputados e aos técnicos da Comissão de Educação. Quero 6

7 agradecer a todos, de forma muito especial, por intermédio do Dr. João Vicente Abreu Neto, que se dedicou inteiramente para que este seminário chegasse hoje com o êxito que já estamos antecipando. Agradeço à Iracema e a todos os funcionários que, de forma dedicada, repito, organizaram este evento. Mas quero agradecer, de modo particular, ao Presidente da CNC, Dr. Antônio Oliveira Santos, pela decidida e decisiva contribuição da Confederação Nacional do Comércio, que aportou não apenas recursos financeiros, essenciais para viabilizar este evento, mas também envolveu toda a sua competência técnica e seus recursos institucionais para que este dia acontecesse. Registro o apoio permanente do Dr. Roberto Veloso e das equipes técnicas da CNC de Brasília e do Rio de Janeiro por essa indispensável colaboração, mais do que colaboração, por esta compreensão de que precisamos, juntos, criar caminhos para lutar pela melhoria da educação brasileira. Quero registrar, com prazer, a presença de todos aqueles Srs. Parlamentares, repito, que aqui estão neste dia. Em meu nome, apresento a saudação, também, a todos os Deputados Federais, Estaduais e Prefeitos presentes. E é com especial alegria que registro e agradeço pela presença aos Secretários do MEC, aos quais já referi; aos Secretários Estaduais de Educação aqui representados pela Presidenta do CONSED; aos Secretários Municipais e à UNDIME; à Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação; ao SINPRO, do Distrito Federal; ao SINEP, do Distrito Federal, e aos professores, pesquisadores e estudantes universitários. Finalmente, quero registrar um agradecimento pessoal, e permitam-me fazêlo neste momento. Agradeço a todas as crianças, aos professores, aos diretores, àqueles que fazem a Educação no meu Estado, o Maranhão. Foi ali que praticamente consolidei a minha dedicação à causa educacional, lidando com pessoas pobres, num Estado pobre em que todas as dificuldades são crescentes. Mas é ali que me realimento de que esta, realmente, é a grande causa que todos nós devemos abraçar. A cada uma dessas pessoas, que contribuíram com o seu voto para que aqui eu estivesse, eu dedico este seminário, a compreensão de que nada mais fácil do que cumprir o papel de um Parlamentar responsável, diante de uma população que dele muito espera. 7

8 Muito obrigado a todos. (Palmas.) O SR. APRESENTADOR (David Rayol) - Senhoras e senhores, neste momento fará uso da palavra o Exmo. Sr. Vice-Presidente do Sistema CNC e Presidente do Conselho Deliberativo do SEBRAE, Senador Adelmir Santana. O SR. SENADOR ADELMIR SANTANA - Bom-dia a todos. Saúdo a Mesa, na pessoa do Presidente da Câmara, Deputado Arlindo Chinaglia, e todos os presentes, Senadores, Deputados, Prefeitos, Governador. Vejo aqui o Governador do Piauí, Sr. Wellington Dias, meus senhores e minhas senhoras, gostaria apenas dizer que, para o Sistema CNC/SESC/SENAC, que vem mantendo constantes parcerias com a Comissão de Educação, com a Comissão de Turismo, com a Comissão de Turismo e Desenvolvimento do Senado, é sempre um prazer estar próximo e patrocinando eventos como esse. Todos nós temos consciência das dívidas sociais que temos com o País, notadamente na área da educação. É do nosso interesse que esse assunto seja amplamente discutido e, por isso, mesmo estamos promovendo esse encontro, juntamente com o Presidente da Comissão de Educação da Câmara. Quero, portanto, dizer da minha alegria por estar representando esse sistema nesta manhã, em nome do nosso Presidente, Antônio de Oliveira Santos. Temos a honra de estar juntos com o Poder Legislativo, com a Comissão de Educação, com o Poder Executivo na pessoa do Ministro Haddad, discutindo essas questões, questões essas que também são preocupações do nosso sistema. Espero, portanto, que todos nós tenhamos o melhor proveito das conferências que serão realizadas aqui, dos exemplos de outros países que, certamente, em grande parte, poderão ser aplicados em nosso País. Parabéns a todos pelo evento e sucesso. (Palmas.) O SR. APRESENTADOR (David Rayol) - Com a devida permissão dos componentes, convidamos para tomar assento à Mesa de Honra, o Exmo. Sr. Governador do Estado do Piauí, Sr. Wellington Dias. (Palmas.) Queremos registrar e agradecer pela presença da Sra. Diretora de Educação Profissional do SENAC nacional, Lea Viveiros de Castro. Senhoras e senhores, neste momento anunciamos o pronunciamento do Exmo. Sr. Fernando Haddad, Ministro de Estado da Educação. (Palmas.) 8

9 O SR. MINISTRO FERNANDO HADDAD - Muito bom-dia a todos e a todas. Em primeiro lugar, quero saudar os educadores presentes, os estudantes universitários, os dirigentes educacionais, os membros da Mesa, na pessoa do Presidente da Câmara dos Deputados, Deputado Arlindo Chinaglia; os organizadores deste evento, na pessoa do Presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, Deputado Gastão Vieira, e compartilhar com S.Exa. a esperança de que possamos estar vivendo um momento novo na educação brasileira. Digo isso porque sinto, sinceramente, que a sociedade vai despertando para a causa da educação com mais energia, com mais vigor, com mais intensidade. E nós, do Ministério da Educação, não acreditamos que possamos resolver administrativamente as graves questões educacionais brasileiras. Entendemos que a questão da educação passa por decisões políticas importantes, a questão da avaliação, a questão do financiamento, a questão da gestão educacional, da valorização dos professores, mas que o conjunto de decisões administrativas e políticas não será suficiente para a superação da nossa dívida educacional. Para isso, temos que contar, mais do que vontade política dos dirigentes, mas com a mobilização da sociedade, com a incorporação da educação como valor, antes de mais nada. Deputado Gastão vieira, se me permite a referência, o Plano de Desenvolvimento da Educação foi lançado em março deste ano, e as medidas foram encaminhadas ao Congresso Nacional em abril deste ano. Aproveito a oportunidade para agradecer à Comissão de Educação a diligência com que se tem debruçado sobre os projetos. Tem alterado positivamente e aprovado os projetos em ritmo muito intenso, o que demonstra um grande compromisso com o País. Tenho observado que, nesta caminhada que fazemos pelo País, visitando Estado por Estado da Federação, na presença de todos os Secretários Municipais Secretários Estaduais de Educação, dos Prefeitos e dos Governadores e Governadoras de Estado, a radiografia feita em 2005, chamada Prova Brasil, que nos ajudou na combinação de desempenho com o fluxo escolar, dá publicidade ao Índice de Desenvolvimento da Educação Básica de cada escola, de cada sistema e 9

10 de todo o País, e fixa pela primeira vez na nossa história metas de qualidade, não apenas metas de quantidade. Isso tem, de certa maneira, sensibilizado não apenas a classe política, que tem interesse imediato em mostrar serviço na área educacional, mas também os dirigentes e o magistério, que percebe uma oportunidade única de levar sua bandeira às diversas regiões do País. Isso nos enche de esperança, no sentido de iniciar um caminho de recuperação da qualidade da educação básica, com vistas a fazer com que o País possa freqüentar, nos exames internacionais, uma posição mais adequada e mais condizente com o seu potencial natural e humano. Como os senhores sabem, o Plano de Desenvolvimento da Educação procura, por meio de mais de 40 ações, dar respostas a vários problemas da educação brasileira. Ele vai da Bolsa de Iniciação à Docência, para o fortalecimento das nossas licenciaturas presenciais, até a bolsas de Pós-Doutorado, para manter em território nacional os doutores recém-formados, enquanto aguardam a realização de concurso público ou uma colocação em uma instituição particular ou em um instituto de pesquisa. Ele vai do apoio à educação infantil, por meio do Pró-Infância, até à diversificação do ensino médio, que hoje vive uma crise aguda. Enfim, ele passa por todas essas questões. É evidente que uma coisa é anunciar um plano de ação. Temos o orgulho de ter feito isso no primeiro trimestre do segundo mandato do Presidente da República. Logo no primeiro trimestre, em março, dissemos ao País qual seria nosso plano de trabalho para todo o mandato, o que significa dizer que o plano ganha em estabilidade, independentemente de quem o conduz. Ganha igualmente do ponto de vista de uma perspectiva não apenas para este mandato, mas também de médio e longo prazos, uma vez que as metas de qualidade foram estabelecidas para 2021, com metas intermediárias a cada 2 anos, que poderão ser monitoradas e acompanhadas por todo o País, sobretudo pelas famílias dos educandos, que vão poder associar-se à escola pública e promover a qualidade do ensino. Contudo, repito, uma coisa é o anúncio de um plano, outra coisa é sua execução, que depende do Ministério da Educação que evidentemente não abre mão de suas responsabilidades, do convencimento de gestores municipais e 10

11 estaduais em torno dessa mesma causa e da repercussão na ponta do desejo expresso em cada ação do PDE. Queremos justamente sensibilizar as pessoas, independentemente de sua perspectiva educacional. Sabemos que sempre haverá divergências em relação ao que deve ser feito na educação, mas uma coisa pode e deve unir-nos: a causa em si, o desejo de oferecer aos brasileiros e às brasileiras educação pública de qualidade, da educação infantil à educação superior. Portanto, sinto que vivemos o momento em que se pode resgatar a dívida histórica que temos para com o povo brasileiro. Não é simples o equacionamento de uma área tão complexa quanto a educação. Embora devamos respeitar a experiência internacional, temos de levar em consideração as idiossincrasias da nossa formação nacional, que é única, eu diria. Ainda convivemos com o fardo histórico exclusivo e muito pesado da escravidão, do patrimonialismo do Estado, do reacionarismo religioso. Tudo isso permeou a nossa formação e serviu de elemento contraproducente a uma educação republicana, a uma educação de qualidade para todos. Vamos vencer gradualmente esse desafio, no entanto vamos fazê-lo mudando a cultura, as mentalidades. Isso não será feito por meio apenas de decisões administrativas, mas também por intermédio do envolvimento de toda a sociedade, porque, se há algo que pode fazer a educação mudar radicalmente, esse elemento é a sua incorporação como valor social. Enquanto ela não for incorporada como um valor social e, portanto, como um valor de todos, não será apenas pelo desejo e compromisso dos educadores estes, sim, têm um compromisso de vida com a educação que a educação vai alterar-se. As famílias precisam ser sensibilizadas, a classe política precisa ser sensibilizada. Na condição de educador, digo que nós, educadores, responderemos a esse desejo da sociedade. Contudo, é preciso incorporar a educação como valor. Eu não conheço nenhuma experiência que tivesse obtido êxito na área de educação que não tenha sido precedida de uma mudança cultural, de uma mudança profunda do olhar sobre a educação por parte de toda a sociedade. Sempre gosto de fazer uma comparação, uma analogia com a causa democrática, com a qual a educação está intimamente relacionada. Não há 11

12 democracia onde a sociedade não tenha incorporado a própria democracia como um valor. Não é possível, como se diz, implantar a democracia em um país. A democracia vem da base, do desejo de cada indivíduo de se expressar como cidadão que pertence a uma comunidade política. O mesmo vale para a educação. Não há educação de cima para baixo. Ela é uma construção social e coletiva que tem de ser feita com generosidade, com espírito republicano, com espírito de parceria e em regime de colaboração, no caso de um país federativo como o Brasil. Eu desejo muito sucesso a este seminário. Aguardamos ansiosos, nós todos do Ministério, pelos resultados. No que depender de nós, do Ministério da Educação, todas as sugestões, recomendações e críticas que possam ajudar no aperfeiçoamento de nosso trabalho serão imensamente bem recebidas. Muito obrigado. (Palmas.) O SR. APRESENTADOR (David Rayol) - Senhoras e senhores, neste momento, para que se pronuncie e, em seguida, declare encerrada esta abertura solene, fará uso da palavra o Exmo. Sr. Presidente da Câmara dos Deputados, Deputado Arlindo Chinaglia. O SR. PRESIDENTE DA CÂMARA DOS DEPUTADOS (Arlindo Chinaglia) - Bom-dia a todos os presentes. Cumprimento o Exmo. Sr. Ministro da Educação, Fernando Haddad; o Exmo. Sr. Deputado Gastão Vieira, Presidente da Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados; o Exmo. Sr. Vincent Defourny, Embaixador da UNESCO no Brasil, o Exmo. Senador Adelmir Santana, Vice-Presidente do Sistema CNS e Presidente do Conselho Deliberativo do SEBRAE; a Exma. Sra. Maria Auxiliadora Seabra Rezende, Presidente do CONSED; o Exmo. Sr. João Batista Araújo e Oliveira, Presidente do Instituto Alfa e Beto; o Exmo. Sr. Governador do Piauí, Wellington Dias; os Exmos. Sras. e Srs. Deputados, as demais autoridades presentes. Como os senhores vêem, tenho em mãos discurso preparado pela Assessoria, mas, em que pese à qualidade do trabalho realizado, sinto-me motivado a falar de improviso, diria imprudentemente. Mas vou seguir esse caminho. Já foram feitas, no período republicano brasileiro, 11 reformas educacionais. Ouvi o Ministro elaborar corretamente o conceito de que democracia se constrói. 12

13 Interpretei que não há modelos. Ainda e é de minha responsabilidade que haja fios condutores universais, como o próprio voto universal, temos o dever, no Brasil, de identificar o leito básico que deu certo ou que criou condições em outros países, porque se é verdade e é a importância da participação da sociedade para a transformação cultural do Brasil, para que se reflita na educação, isso provocou em mim a lembrança de um livro que li há muito tempo sobre Lenin, que conduziu a revolução russa e dizia que é fácil tomar o poder, o difícil é mudar a cultura. Digo isso provocativamente aos educadores presentes, para lhes dizer que a mudança cultural, da mesma maneira que é instrumento para transformar a educação, naturalmente também pode ser transformada pela educação, numa relação dialética. E o sistema educacional brasileiro, é verdade, vem se esforçando e vem conseguindo fazer a inclusão social. Mas não é menos verdade que é parte dessa avaliação o fato de que a escola no Brasil, às vezes sutilmente, corrobora, consolida as diferentes camadas sociais, até porque eqüidade não se traduz apenas em acesso universal, que ainda não existe. Se há uma maioria, comparativamente a outros períodos da história, que consegue ter acesso à escola pública, também é verdade que não consegue ter acesso a uma escola de qualidade. E aí se consolidam as divisões sociais em nosso País. Portanto, temos alguns desafios: fazer avançar o acesso ao ensino público e, ao mesmo tempo, dar qualidade a ele, para que a eqüidade de fato seja realidade. Como dar qualidade à escola, se os professores de hoje e respeitosamente faço o registro talvez tenham sido vítimas de um processo insuficiente quando ainda estavam aprendendo e apreendendo nas escolas do Brasil? Como dar qualidade à escola, se ainda, pelo menos até onde sei, estamos aqui? E agradeço as palavras ao Ministro, que registrou que na Câmara dos Deputados e, de resto, no Congresso Nacional, creio, temos conseguido debater e votar em tempo hábil o que vem do Executivo. E faço o registro de quem não é da área sou da área de saúde. Ainda não temos um programa de educação continuada para os mestres, até porque grande parcela deles labutam para, por meio de sucessivas tarefas e/ou empregos, conseguir remuneração que lhes dê a própria dignidade familiar do ponto de vista financeiro. 13

14 Há um terceiro ponto que quero registrar, provocativamente. Incomoda-me muito quando se absolutiza a questão da educação, até porque, se é difícil fazer mudanças estruturais e, como aqui destacado pelo Ministro, culturais, como apresentar para aqueles que têm dificuldades presentes apenas um futuro supostamente sorridente? Ou seja, ao defendermos uma escola de qualidade e constatarmos que ela muitas vezes depende do trabalho de gerações, este é o desafio: o que fazer imediatamente para que tenhamos essa relação? Mais uma vez cito o Ministro, inclusive para orientar minha reflexão e dar aqui alguma coerência. Com que metas trabalhar? A avaliação dará as respostas a isso. Tenho, pela experiência na área de saúde, verdadeiro pavor dos métodos desenvolvidos nos últimos anos no que diz respeito à avaliação, que pegava o aluno depois de ter se formado para fazer o julgamento de algo irrecuperável, já que a escola deveria ser avaliada muito mais intensamente, porque os alunos, uma vez formados, não têm como recuperar o mau ensino ministrado. Tenho mais um quarto ponto que quero, por minha exclusiva responsabilidade, perguntar aos mestres e àqueles que vêm de outros países e que enriquecem este debate, e tentaremos aprender com eles: há projeto de desenvolvimento educacional eficaz que não esteja vinculado a um processo de desenvolvimento nacional? No Brasil, 65% dos alunos vivem em áreas em que talvez não conseguirão empregos daqui a alguns anos, até porque, não sei exatamente como está agora. O nível de desemprego para quem tem curso universitário chega a ser maior do que para aqueles que não têm. Será que não temos um sistema desequilibrado? Quero, então, cumprimentar o Ministro. Um segmento, creio, entre outros me merece o aplauso: as escolas técnicas federais, que evoluíram, serão 152; agora, num plano de expansão, mais 150. Parece-me que esse é um esforço não só para formar técnicos na condição entre aspas de subcidadãos, porque retiraram do currículo matérias de ciências humanas, e há reposição curricular desses cursos, mas quem sabe para dar oportunidade não para aquela escola para os outros, como era dito aqui pela elite brasileira, quando se tratava das escolas técnicas. Não! Mas, quem sabe, os cursos técnicos, inclusive superiores, mereçam uma reflexão sobre seu papel, 14

15 principalmente quando, após a ditadura militar, esta é a primeira vez que o Estado faz um planejamento para investir 502 bilhões de reais em infra-estrutura. Por tudo isso, quero cumprimentar todos os presentes. Fiz questão até de me expor, e tomem isso não como a fala do Presidente da Câmara dos Deputados, mas de um Deputado que não se dedica a essa temática. Quando me dediquei, era militante de sindicato fui Presidente do Sindicato dos Médicos e da CUT e convivia com vários que lutavam e lutam para melhorar as condições de trabalho dos profissionais da área da educação. Portanto, quero dizer mais uma vez da importância de seminários como este e cumprimentar o Deputado Gastão Vieira e todos os integrantes da Comissão por esse esforço continuado. Encerro, na condição de Presidente da Câmara dos Deputados: nós temos de sair deste papel tradicional, dada a correlação de forças que existe entre os Poderes, situação em que nós somos, eu diria, estimulados, cobrados, a decidir sobre aquilo que foi formulado, notadamente pelo Executivo. Isso é bom, porém insuficiente. Então, espero que deste seminário a Comissão de Educação consiga apresentar para a Câmara um plano de prioridades para a educação, para que nós, o conjunto da Câmara dos Deputados, possamos pressionar para representar o povo brasileiro por uma melhor educação em nosso País. Mais uma vez, meus agradecimentos e cumprimentos a todos. Um abraço a todos. (Palmas.) O SR. APRESENTADOR (David Rayol) - Senhoras e senhores, concluído o pronunciamento do Exmo. Sr. Presidente da Câmara dos Deputados, neste momento defaz-se a Mesa de Honra. Solicitamos a todos que permaneçam em seus lugares, pois, logo após o deslocamento das autoridades que compuseram a Mesa, iniciaremos os trabalhos técnicos desta manhã. Muito obrigado. (Pausa prolongada.) Senhoras e senhores, cumprindo a programação deste seminário internacional, teremos neste momento a primeira palestra, Visão Geral das Reformas Educativas - Características Comuns aos Sistemas Educacionais 15

16 Eficientes, a ser proferida pelo Professor Doutor Stephen Heyneman, da Universidade de Vanderbilt, Estados Unidos. Para coordenar esta atividade, convido o Exmo. Sr. Deputado Gastão Vieira, que já se encontra à mesa. Com a palavra o Sr. Coordenador. O SR. PRESIDENTE (Deputado Gastão Vieira) - Vamos dar início aos nossos trabalhos, convidando o nosso palestrante para tomar assento à mesa. A tradução simultânea será feita pelo canal 4. Antes de iniciar e rapidamente vamos fazê-lo, quero anunciar a presença neste plenário dos Deputados Eliene Lima, Ariosto Holanda, Rita Camata, Nilmar Ruiz, João Paulo Cunha, Átila Lira, Dr. Ubiali e Carlos Abicalil. O SR. STEPHEN HEYNEMAN (Exposição em inglês. Tradução simultânea.) - Bom-dia a todos. Como eu vou falar em inglês, quero ter certeza de que estão ouvindo a tradução em português. Estão ouvindo? (Pausa.) Ótimo. Independentemente do que possam imaginar, o Ministro da Educação e eu não coordenamos as nossas falas. Entretanto, o que vão ouvir de mim se encaixa bastante com o que o Ministro já falou. Eu vou oferecer uma visão geral das reformas educativas e as características comuns aos sistemas educacionais eficientes. Da maneira como vejo, tenho 3 responsabilidades hoje. A primeira é explicar os critérios necessários para avaliar uma reforma de sucesso na educação e prestar atenção especial na forma como sabemos que um país implementou uma reforma de maneira eficiente. A segunda responsabilidade é mencionar os países que implementaram reformas educativas eficientes e também chamar a atenção para as características em comum dessas reformas. Finalmente, espero identificar algumas lições desses países, que podem ser úteis para outros países. O que é uma reforma educativa? A primeira tarefa, que é identificar os critérios necessários para avaliar a reforma educativa, depende de que todos nós tenhamos uma compreensão clara do que significa uma reforma educativa. Talvez possamos começar a definir reforma educativa declarando o que ela não é. Reforma educativa não significa melhoria da educação. Todos os sistemas de 16

17 educação, de Malawai até o México, estão melhorando. Os manuais são atualizados e modernizados constantemente, os livros; os salários dos professores aumentam; os currículos são revisados. Tudo isso são melhorias importantes, mas nenhuma delas é indicativa de uma reforma educativa. A reforma educativa e é aí que eu digo a mesma coisa que o Ministro disse pode ser identificada quando a mudança exige um desafio às estruturas tradicionais, ou à filosofia, ou à governança. Reforma educativa é interessante para todos nós, não porque aconteça todo dia, mas porque não acontece todo dia. Reforma educativa é uma coisa rara, porque é difícil negociar com o público. Os efeitos da reforma educativa são interessantes para nós, porque, por definição, envolvem as nossas hipóteses e crenças pessoais sobre idéias e experiências para nossas crianças. E porque qualquer mudança proposta envolve risco. A reforma educativa pode afetar um sistema inteiro, como sistemas primários ou secundários, ou pode envolver partes desse sistema, como a governança ou as finanças. Neste seminário, vamos nos concentrar nos esforços nacionais que envolvem aspectos amplos do sistema educacional. Eu diria que toda reforma educativa envolve risco. Quando as reformas fracassam, os Governos podem cair, apenas por recomendar uma reforma que pode ser percebida como uma ameaça aos acertos administrativos atuais. Vamos pensar no exemplo das revoltas em Paris, quando o Governo da França recomendou as matrículas na educação superior. Mas os motivos pelos quais a reforma educativa envolve riscos são óbvios para todos. O futuro de nossas crianças depende de sua navegação pelo sistema de educação. Se o sistema mudar, as chances de sucesso para nossas crianças podem mudar também. A reforma pode tornar o seu sucesso mais difícil, em vez de menos difícil. E quando quer que as chances para o sucesso de nossas crianças fiquem mais difícil, mesmo que isso aconteça apenas nas nossas percepções, em uma democracia, o retorno para o Governo e os oficiais eleitos pode ser imediato. Quais são os tipos de reforma educativa? Há 2 tipos. É importante para todos nós compreender suas diferenças e mantê-los separados. 17

18 O primeiro tipo é quando você tem uma mudança consciente de melhorias com base em suprimentos para uma melhoria com base na demanda, ou quando existe uma mudança na direção oposta: de melhorias com base na demanda para melhorias com base no suprimento. Melhorias com base em suprimentos existem quando se acrescentam novos recursos. São típicas de sistemas escolares sob condições normais. Melhorias com base na demanda ocorrem quando privilégios ou recursos podem ser retidos até que um progresso adequado seja efetivado. Isso é menos típico, mas esse tipo de reforma está se tornando cada vez mais comum no mundo todo. Reformas com base na demanda usam a competição e a falta para encorajar a motivação. Sistemas de voucher são usados para aumentar o que é chamado de resposta do suprimento das escolas ou dos professores, respondendo às necessidades de seus pupilos e de suas famílias, que a escola teme que possam partir, se não estiverem satisfeitos. É a mudança da base de suprimento para a base de demanda que envolve a reforma. Existem diversos exemplos. Tanto o Reino Unido quanto os Estados Unidos mudaram da distribuição de orçamentos escolares com igualdade para a recompensa das escolas por seu desempenho. O propósito foi motivar as escolas a se administrarem com mais propósito e mais vigor. Essa mudança envolveu um desafio a tradições de diversas espécies e foi um risco político. Mas também tivemos mudanças na outra direção. A Suécia mudou de exames de seleção acadêmicos padronizados para universidades para testes preparados por professores dentro das salas de aula. E então voltaram, quando as provas escritas pelos professores mostraram ser problemáticas. E agora, novamente, eles têm provas com base em autoridades centrais. Mas vocês vão ouvir, mais tarde, sobre o exemplo da Irlanda. A Irlanda eliminou os testes para selecionar estudos e alunos para entrar em escolas especializadas, incluindo as secundárias, eliminando os incentivos dos primeiros anos para evitar entrar em um trilho vocacional. Os irlandeses sentiram, acho que corretamente, que segregar os estudos em trilhas escolares secundárias, na verdade, estava providenciando incentivos perniciosos, porque são um desafio à filosofia. 18

19 Na Europa da década de 50, costumava-se testar todas as crianças com 11 anos ou 13 anos. E esse teste determinava para sempre o futuro da criança. Isso era visto como uma coisa justa e eficiente. Os soviéticos também faziam isso. Mas não se prestava atenção ao fato de que, com 13 anos, colocava-se um teto no futuro ocupacional da pessoa, o que tendia a gerar ressentimento e cinismo. Na Europa de hoje é o próprio aluno que escolhe a especialização na escola secundária. E não importa o que ele escolhe. Isso não corta a oportunidade de estudar numa universidade. Em alguns casos, como na Irlanda ou na Finlândia, essa escolha pode significar aumento na educação vocacional. Mas essa expansão tem base na demanda verdadeira e não foi estabelecida anteriormente por planejadores com hipóteses fixas sobre a porcentagem da população e que porcentagem da população deve seguir para a educação superior. Em cada caso, na Irlanda, na Suécia, nos Estados Unidos ou no Reino Unido, as mudanças foram reformas legítimas, porque todas envolviam um desafio radical a estruturas tradicionais, filosofias tradicionais ou padrões de governo tradicionais. Existe uma característica adicional desse primeiro tipo de reforma: todas as reformas foram feitas de forma consciente, depois de muitos debates e muito esforço. Isso não ocorre com o segundo tipo de reforma. O segundo tipo de reforma educacional ocorre quando os desafios a estruturas tradicionais, ou filosofia, ou governança não ocorrem como resultado de uma escolha consciente ou de debates e sim como uma resposta a uma pressão extrema de fora do sistema, uma força majoritária. Em cada uma das repúblicas da antiga União Soviética, por exemplo, onde eu trabalhei, o currículo teve de ser completamente modificado, por causa da mudança de um mercado de trabalho administrado para um mercado aberto, no qual estudantes graduados não recebiam trabalhos. As reformas educacionais tinham uma importância profunda e envolveram desafios majoritários muito importantes às tradições. Mas eram inevitáveis. Talvez pudessem ser atrasados, mas não poderiam ser evitados. De maneira semelhante, as salas de aula, agora, são gerenciadas por autoridades no nível escolar, nos países nórdicos da Europa. E por quê? Porque 19

20 percebeu-se que toda boa pedagogia tinha de ser decidida no nível da sala de aula, pelo professor da sala de aula, e monitorada pelo diretor da escola. A pedagogia moderna é complexa demais e envolve objetivos divergentes demais e fontes diferentes de informação para ser ditada e monitorada por uma autoridade central. Portanto, a administração escolar se tornou quase universal em sociedades que antes eram tradicionalmente organizadas de maneira central e controladas de maneira central. O antigo sistema soviético de organizar currículos acabou. Então, é uma força maior, por assim dizer. Esses são exemplos de reformas importantes, guiadas por influências exógenas, sobre as quais o sistema escolar e a sociedade têm pouco controle ou nenhum controle. Quando a zona econômica européia se torna uma força, causando a reforma educacional por toda a Europa, a influência do comércio globalizado é uma força maior para muitas partes do mundo, incluindo o Brasil. Países que deixam de aperfeiçoar a sua eficiência educacional ou a qualidade educacional podem perder espaço na competição da vantagem comparativa. Como podemos saber quando um país implementou uma reforma de sucesso? Existem 2 características, que podemos procurar ao identificar uma reforma de sucesso. Uma característica é estabelecida anteriormente à reforma. A outra é uma característica estabelecida posteriormente, depois que a reforma teve início. Como todas as reformas exigem um desafio à tradição, as reformas de sucesso exigem um consenso em relação à necessidade de mudança. Isso aqui é uma coisa muito importante. O consenso não precisa incluir a reforma em si e sim a necessidade de reforma, para que haja mudança radical. No meu país, os Estados Unidos, existem debates acalorados sobre escolhas de escola, pagamentos por mérito e muitas outras mudanças sugeridas. Esses debates vão continuar. Mas não existe debate sobre a necessidade de modificar radicalmente os sistemas escolares urbanos. Existe um consenso amplo, por todos os grupos sociais e partidos políticos, de que os sistemas escolares urbanos, nos Estados Unidos, estão fracassando. 20

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social O tempo e a espera Ministro fala de projetos em andamento e ações do governo para a área educacional Entrevista do ministro publicada na Revista Educação no dia 26 de maio de 2004. Tarso Genro é considerado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 29 Discurso na cerimónia de premiação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 41 Discurso na cerimónia de celebração

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 100 Discurso na cerimónia do dia

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

Pronunciamento do Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado Chefe da Casa Civil da Presidência da República, Antonio Palocci Filho

Pronunciamento do Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado Chefe da Casa Civil da Presidência da República, Antonio Palocci Filho Pronunciamento do Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado Chefe da Casa Civil da Presidência da República, Antonio Palocci Filho Brasília, 02/01/2011 (Saudações e agradecimentos)... Senhoras e senhores,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Lançamento da Campanha Contra a Poliomielite

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 65 Discurso na solenidade do Dia

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores.

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. Aqui, a gente tem uma apresentação muito importante, e

Leia mais

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida Estrutura e Funcionamento da Educação Básica Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida Pauta da aula: (02-30) Educação Especial; Princípios da educação nacional; Análise dos dados referentes à Educação no Brasil;

Leia mais

05/12/2006. Discurso do Presidente da República

05/12/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, no encerramento da 20ª Reunião Ordinária do Pleno Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Palácio do Planalto, 05 de dezembro de 2006 Eu acho que não cabe discurso aqui,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso na solenidade de abertura

Leia mais

22/05/2006. Discurso do Presidente da República

22/05/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de assinatura de protocolos de intenções no âmbito do Programa Saneamento para Todos Palácio do Planalto, 22 de maio de 2006 Primeiro, os números que estão no

Leia mais

Brasília, 5 de agosto de 2003

Brasília, 5 de agosto de 2003 1 Brasília, 5 de agosto de 2003 Pronunciamento da reitora Wrana Maria Panizzi, presidente da Andifes, em reunião dos dirigentes com o sr. presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Senhor Presidente

Leia mais

CANDIDATO BANCADO PELOS PAIS

CANDIDATO BANCADO PELOS PAIS CANDIDATO BANCADO PELOS PAIS Desânimo total Acho que minhas forças estão indo abaixo, ando meio desmotivado!!!! Não quero desanimar, mas os fatores externos estão superando minha motivação... cobrança

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 97 Discurso no banquete oferece/do

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

Precisamos fortalecer cada vez mais nossa profissão. Através dos conselhos e de uma nova regulamentação!

Precisamos fortalecer cada vez mais nossa profissão. Através dos conselhos e de uma nova regulamentação! Resultado da pesquisa feita no dia 10/03/2014, através do Site do Conselho Regional de Relações Públicas 4ª Região, a respeito da Lei 6601/13. Foi disponibilizado uma enquete, com a seguinte pergunta:

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

02/12/2004. Discurso do Presidente da República

02/12/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de entrega do Prêmio Finep e sanção da Lei de Inovação de Incentivo à Pesquisa Tecnológica Palácio do Planalto, 02 de dezembro de 2004 Meus companheiros ministros,

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 25 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Agradeço aos conselheiros que representam todos os Associados do Estado, o que faço na pessoa do Conselheiro Decano, João Álfaro Soto.

Agradeço aos conselheiros que representam todos os Associados do Estado, o que faço na pessoa do Conselheiro Decano, João Álfaro Soto. Agradecimentos: Cumpre-me inicialmente agradecer a toda Diretoria Executiva, especialmente ao Teruo, por confiarem no meu trabalho e me darem toda a autonomia necessária para fazer o melhor que fui capaz

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 38 Discurso na cerimónia do V Encontro

Leia mais

A medida da lei de cotas para o ensino superior

A medida da lei de cotas para o ensino superior Versão 2, 1/12/2008 A medida da lei de cotas para o ensino superior Simon Schwartzman Qual o verdadeiro alcance da lei de cotas para o ensino superior aprovada pelo Congresso Nacional no Dia da Consciência

Leia mais

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Guia Fundamental para Gestão de Qualidade em Serviços Objetivo Capacitar os participantes a interpretarem os requisitos da Norma ISO 9001:2008, relacionados aos

Leia mais

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL 2013 1. IDENTIFICAÇÃO GRUPO DE EDUCAÇÃO FISCAL ESTADUAL DE GOIÁS GEFE/GO 2. APRESENTAÇÃO O curso a distância de Disseminadores de Educação Fiscal constitui

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de assinatura

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 40 Discurso no encontro com representantes

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

24/04/2007. Presidência da República Secretaria de Comunicação Social Discurso do Presidente da República

24/04/2007. Presidência da República Secretaria de Comunicação Social Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de assinatura dos atos normativos do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) Palácio do Planalto, 24 de abril de 2007 Excelentíssimo senador Renan Calheiros,

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

Senhor Embaixador dos Estados Unidos da América, Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Administração da Oeiras International School,

Senhor Embaixador dos Estados Unidos da América, Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Administração da Oeiras International School, Senhor Embaixador dos Estados Unidos da América, Excelência, Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Administração da Oeiras International School, Exma. Senhora Directora da Oeiras International School,

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COMISSÃO EXTERNA - CONFERÊNCIA MUNDIAL ÁFRICA DO SUL EVENTO: Reunião ordinária N : 001197/00 DATA:

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

"O MEC não pretende abraçar todo o sistema"

O MEC não pretende abraçar todo o sistema "O MEC não pretende abraçar todo o sistema" Data: 30/11/2008 Veículo: O Globo Editoria: Boa Chance Ministro diz que governo não vai regular MBAs e que empresas já mantêm certo controle sobre a qualidade

Leia mais

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fúlvia Rosemberg: analisa ações de inclusão e apresenta programa voltado para a formação de novas lideranças

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso no encerramento do Fórum

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca ANUNCIO DE MUDANÇAS NO SISTEMA FINANCEIRO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 94 Discurso na solenidade em homenagem

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil A OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) divulgou nesta terça-feira os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

Mesa Redonda: PNE pra Valer!

Mesa Redonda: PNE pra Valer! Mesa Redonda: PNE pra Valer! Construindo o futuro ou reeditando o passado? Um esboço comparativo entre a Lei 10.172/2001 e o PL 8035/2010 Idevaldo da Silva Bodião Faculdade de Educação da UFC Comitê Ceará

Leia mais

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 Consulta oriunda da Gerência da Educação Básica da FIEMG com pedido de orientações de ordem prática para cumprimento da Lei Federal nº 11.114,

Leia mais

Discurso do Ministro de Estado da Educação do Brasil, Fernando Haddad

Discurso do Ministro de Estado da Educação do Brasil, Fernando Haddad Discurso do Ministro de Estado da Educação do Brasil, Fernando Haddad Debate sobre Política Geral da 34 a. Conferência Geral da UNESCO Paris, Unesco, Sessão Plenária, 18 de outubro de 2007 Senhor Presidente,

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO MANUAL DO JOVEM DEPUTADO Edição 2014-2015 Este manual procura expor, de forma simplificada, as regras do programa Parlamento dos Jovens que estão detalhadas no Regimento. Se tiveres dúvidas ou quiseres

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

www.poderdocoachingemgrupos.com.br

www.poderdocoachingemgrupos.com.br Pesquisa de Mercado A condução de pesquisas de mercado é uma das atividades mais eficazes e importantes que você pode fazer quando você estiver projetando seu coaching em grupo. Você vai se surpreender

Leia mais

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Neide Santos neide@ime.uerj.br 2º Seminário de Pesquisa em EAD Experiências e reflexões sobre as relações entre o ensino presencial e a distância

Leia mais

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE.

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE. CARTA DE RECIFE O Fórum Nacional de Conselhos Estaduais de Educação realizou em Recife, no período de 16 a 18 de setembro a Reunião Plenária da Região Nordeste, com a participação dos Conselhos Estaduais

Leia mais

Balanço SEMESTRAL da Gestão (Fev/Agosto 2012) Secretaria de Articulação Institucional e Ações Temáticas/SPM

Balanço SEMESTRAL da Gestão (Fev/Agosto 2012) Secretaria de Articulação Institucional e Ações Temáticas/SPM 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 ANEXO II ATA DA 10ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA MULHER REALIZADA NOS DIAS 04 E 05 DE SETEMBRO

Leia mais

Ministro Timerman, Ministro Patriota, Secretário Geral Marcuzzo, distintos. A Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais

Ministro Timerman, Ministro Patriota, Secretário Geral Marcuzzo, distintos. A Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais TRADUÇÃO (Fornecida pela DIGAN-MRECIC) Ministro Timerman, Ministro Patriota, Secretário Geral Marcuzzo, distintos convidados, senhoras e senhores: É para mim uma grande honra dirigir-me, hoje, aos senhores.

Leia mais

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R 8 DICAS ESSENCIAIS PARA ESCOLHER SUA CORRETORA W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R Aviso Importante O autor não tem nenhum vínculo com as pessoas, instituições financeiras e produtos, citados, utilizando-os

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

Jairo Martins da Silva. FOTOs: divulgação

Jairo Martins da Silva. FOTOs: divulgação Jairo Martins da Silva FOTOs: divulgação E N T R E V I S T A Disseminando qualidade e cultura Superintendente-geral da Fundação Nacional da Qualidade, Jairo Martins da Silva fala sobre o desafio da qualidade

Leia mais

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

Autor: Marcelo Maia http://infoempreendedorismo.com

Autor: Marcelo Maia http://infoempreendedorismo.com Nesse ebook você irá aprender como gerar uma renda mesmo que do zero rapidamente na internet, se você já tem um produto irá aprender como aumentar suas vendas agora mesmo de forma garantida. Crie um sistema

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 106 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da fábrica da Dell no Brasil

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da fábrica da Dell no Brasil Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da fábrica da Dell no Brasil Hortolândia-SP, 14 de maio de 2007 Excelentíssimo deputado Arlindo Chinaglia, presidente

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais