UMA INVESTIGAÇÃO, À LUZ DE BOURDIEU, DE RAZÕES QUE LEVAM ADULTOS A ESTUDAR INGLÊS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA INVESTIGAÇÃO, À LUZ DE BOURDIEU, DE RAZÕES QUE LEVAM ADULTOS A ESTUDAR INGLÊS"

Transcrição

1 UMA INVESTIGAÇÃO, À LUZ DE BOURDIEU, DE RAZÕES QUE LEVAM ADULTOS A ESTUDAR INGLÊS Resumo CORDEIRO, Rita de Cássia da Silveira Universidade Regional de Blumenau Eixo Temático: Cultura, Currículo e Saberes Agência Financiadora: FAPESC Este trabalho apresenta, de maneira parcial, uma pesquisa de mestrado em andamento, cujo foco é a análise, pelo prisma sociológico de Pierre Bourdieu, das razões que levam indivíduos adultos a se decidirem pelo estudo de Inglês como Língua Estrangeira (ILE). Nosso objetivo principal é contribuir com pesquisas em educação que abordem o estudo de Inglês e seu valor na sociedade, bem como propor uma reflexão a indivíduos que estejam em busca do domínio desse idioma. A metodologia escolhida para a obtenção de dados foi o uso de questionário on line pelo sistema Google. Tratando-se de uma pesquisa de caráter qualitativo, o questionário elaborado, além de perguntas fechadas, apresentava perguntas abertas, a fim de possibilitar a manifestação de idéias e opiniões por parte dos entrevistados, o que traz mais possibilidades de expansão das análises. As razões apresentadas pelos indivíduos pesquisados apontaram para uma maior valorização do Inglês e, por isso, uma necessidade de incluí-lo em suas estratégias de formação pessoal. Além disso, elas também acenam para o fato de que essas pessoas estão em busca de ampliar seu conhecimento de mundo e aumentar seu grau de satisfação pessoal e profissional. Sendo o universo de pesquisa composto por alunos adultos, parte-se do pressuposto de que suas escolhas são decidias pelos próprios indivíduos, ainda que influenciadas por outros fatores. Os conceitos de capital cultural, em todos os seus tipos, e violência simbólica são perfeitamente compreendidos pela situação aqui apresentada. Embora a pesquisa não esteja concluída, é possível perceber a legitimação da língua (capital simbólico) de um grupo dominante, fazendo com que outros grupos incorporem a aquisição do capital cultural daquele grupo aos seus valores simbólicos. Palavras-chave: Aluno Adulto. Capital Cultural. Língua Inglesa. Violência Simbólica. Introdução Este trabalho é um recorte de nossa pesquisa, ainda em andamento, pelo Programa de Pós-Graduação Mestrado em Educação da Universidade Regional de Blumenau, na linha Educação, Cultura e Dinâmicas Sociais. A investigação, de caráter qualitativo, tem o objetivo de compreender as razões que levam um indivíduo adulto a buscar o estudo de Inglês

2 7080 como Língua Estrangeira, em suas estratégias de formação pessoal, buscando uma formação que vá além daquela ofertada pelas grades curriculares das escolas 1, a fim de se tornarem usuários fluentes do idioma. Na busca pelo domínio do Inglês, um grande número de pessoas incorpora o seu estudo contínuo as suas estratégias de formação pessoal e profissional, tanto para si quanto para seus familiares. É especialmente peculiar o fato de que, mesmo após terem concluído sua educação básica, muitos indivíduos adultos buscam continuar seus estudos de Inglês, paralelamente a, ou após, sua formação profissional. Isso se torna ainda mais evidente, se levamos em conta que essa atitude não se repete com a mesma intensidade em relação a outros idiomas, nem mesmo o idioma materno. Embora o governo brasileiro incentive o estudo de Inglês como Língua Estrangeira, incluindo-o como disciplina nas grades curriculares do país, é crescente o número de pessoas que buscam intercâmbios culturais, acadêmicos e profissionais, em países onde o Inglês é a língua oficial. Além disso, o aumento da oferta de certificados internacionais de proficiência no idioma pode ser considerado um indicador de que não existe apenas o interesse em conhecer o idioma, mas também em dominá-lo da maneira mais fluente possível. Dessa forma, faz-se necessário o aprofundamento de estudos que busquem discutir não apenas a língua em si ou as metodologias para o seu ensino, mas também o valor atribuído ao seu estudo. Além de contribuir para a ampliação dessas pesquisas, este trabalho também propõe, aos indivíduos adultos interessados em dominar a Língua Inglesa, uma reflexão sobre o papel e o valor do estudo desse idioma em suas estratégias de formação pessoal. Pelos motivos aqui expostos, três questionamentos nos norteiam nessa busca: Que razões levam um indivíduo adulto a procurar o estudo e o domínio de Inglês como língua estrangeira? De que forma essa atitude se incorpora nas suas estratégias formativas? Que valor dá o adulto a esse aprendizado? Em se tratando de uma investigação qualitativa em educação, de cunho sociológico, buscamos em Quivy (1992), em seu Manual de Investigação em Ciências Sociais, orientações que nos auxiliassem a escolher a ferramenta mais condizente com as necessidades da pesquisa. Decidimo-nos pelo questionário, com perguntas fechadas e abertas, as quais foram inseridas no mecanismo de formulários Google, o que facilitou o acesso dos indivíduos 1 Refere-se, aqui, aos cursos e escolas livres estabelecidos, especificamente, para o ensino da Língua Inglesa e para a certificação dos falantes não nativos, de acordo com sua proficiência no idioma.

3 7081 pesquisados à ferramenta, e buscamos reduzir as limitações apontadas pelo autor, para pesquisas desse tipo. A superficialidade das respostas [...] não permitem a análise de certos processos [...]. Por conseguinte, os resultados apresentam-se muitas vezes como simples descrições, desprovidas de elementos de compreensão penetrantes. [...] A individualização dos entrevistados, que são considerados independentemente das suas redes de relações sociais. [...] Para que o método seja digno de confiança devem ser preenchidas várias condições: rigor na escolha da amostra, formulação clara e unívoca das perguntas, correspondência entre o universo de referência das perguntas e o universo de referência do entrevistado, atmosfera de confiança no momento da administração do questionário, honestidade e consciência profissional dos entrevistadores. (QUIVY, 1992). Sendo assim, elaboramos as perguntas de maneira a evitar sua incompreensão por parte dos indivíduos pesquisados ou gerar superficialidade e generalização de ideias nas respostas. Também procuramos adequar ao máximo as perguntas à pesquisa desenvolvida, estabelecendo, para isso, dimensões de orientação para uma identificação mais detalhada dos indicadores de pesquisa: DIMENSÃO CIENTÍFICO-CULTURAL aquisição de novos conhecimentos; comunicação com outros indivíduos de diferentes culturas; viagens; jogos de videogame; uso de programas de computadores; leitura e produção de variados gêneros textuais; compreensão de letras de música; compreensão de filmes em versão original; DIMENSÃO ECONÔMICO-PROFISSIONAL ascensão na carreira; melhores ganhos financeiros; negociações no exterior; desenvolvimento e implantação de novos projetos; DIMENSÃO DE CARÁTER PESSOAL cuidados com a saúde; melhoria da autoestima; relacionamentos, habitus adquirido no convívio familiar. Os aspectos considerados indicadores das razões de alunos adultos, em suas estratégias, para decidirem-se pelo estudo de Inglês foram: as mudanças nas vidas dos indivíduos pesquisados (as concretas e as almejadas); a aplicação da língua inglesa em suas vidas; o grau de validade atribuído por esses indivíduos ao aprendizado da língua.

4 7082 Evitamos deixar os questionamentos muito fechados, o que comprometeria o caráter qualitativo da análise, pois não daria espaço para que os indivíduos pesquisados expressassem suas visões particulares em relação à escolha pelo estudo de Inglês. Pensando na possível necessidade de aprofundamento das informações obtidas, o que é apontado por Quivy (1992), quando ele se refere a um método complementar para a investigação por questionário, incluímos um item para saber quais indivíduos se oporiam a uma posterior entrevista, caso necessário. A superficialidade das respostas [...] não permitem a análise de certos processos [...].Tomadas em si mesmas, as respostas de cada indivíduo particular podem, no entanto, ser consultadas para constituir uma selecção de entrevistados típicos, com vista a análises posteriores mais aprofundadas. (QUIVY, 1992). Após o ensaio piloto, enviamos por o link que permitia acesso ao questionário e obtivemos, até a data de elaboração deste artigo, cinquenta e uma amostras. Desenvolvimento Entendendo o aporte teórico A base teórica utilizada ao longo deste estudo está na obra de Pierre Bourdieu e em outras obras relacionadas à valorização do estudo de Inglês como língua estrangeira, que também buscaram as idéias desse pesquisador para fundamentação de suas análises. As discussões e reflexões que Bourdieu fez sobre valores culturais legitimados e seus conceitos de capital cultural, violência simbólica, e estratégia são fundamentais para nos auxiliar a compreender a maior valorização dada ao estudo do Inglês, pelos indivíduos pesquisados. Não podemos deixar de reconhecer que as línguas são, em nossa sociedade, um bem simbólico. É o próprio BOURDIEU (1987:148) quem diz que o conhecimento de diferentes línguas estrangeiras traz lucros e materiais simbólicos diversificados [...]. Também, a ideia de capital simbólico é bastante clara. Quando BOURDIEU (1990) define que este é a forma das diferentes espécies de capital, quando percebidas e reconhecidas como legítimas (p.154), não temos dúvida de que as línguas estrangeiras são bens simbólicos. Afinal, o seu conhecimento é capital cultural. Reconhecido como legítimo, transforma-se em capital simbólico. (PRADO, 1995, p.12)

5 7083 No Brasil, várias pesquisas foram realizadas sobre o papel do estudo de língua estrangeira nas estratégias educativas. No entanto, o foco dessas pesquisas está voltado para as estratégias familiares daqueles que são levados a buscar o estudo de uma língua estrangeira. A pesquisadora Maria Alice Nogueira da UFMG possui o maior número de trabalhos no país que abordam esse tema. A internacionalização na educação, as escolhas por intercâmbios, as estratégias familiares, as escolas internacionais no Brasil, etc. são algumas das temáticas pesquisadas pela professora e seus trabalhos utilizam, entre outros, as ideias e conceitos desenvolvidos por Pierre Bourdieu. Paralelamente ao sociólogo francês, outros autores que abordam o estudo da língua inglesa como segunda língua ou língua estrangeira, também servem de aporte a esta investigação. Queremos destacar aqui uma pesquisa desenvolvida em Hong Kong, por John Flowerdew, da Universidade de Leeds, Reino Unido, e Lindsay Miller da City University de Hong Kong. Nesse trabalho, os pesquisadores examinaram a questão da relação entre estrutura social e estratégias individuais, abordando a decisão de três alunos de engenharia que decidiram investir no estudo de Inglês. English is identified as an important form of cultural capital, which to a considerable extent determines the development of the three individuals, each of whom comes from a modest family background. [ ] An important figure in developing a contextual view of language is Bourdieu. For Bourdieu, differences in linguistic repertoires can be related to social background. (FLOWERDEW & MILLER, 2008) Segundo os pesquisadores, Bourdieu foi uma figura importante para a contextualização do ponto de vista da linguagem, ou capital linguístico, como capital cultural e sua relação com o papel social e a formação dos indivíduos pesquisados. Eles destacam o fato de que o conceito de capital linguístico vai além do conhecimento de vocabulário e estruturas gramaticais. Ele está intimamente relacionado ao uso da língua, `a habilidade de produzir expressões apropriadas, de maneira apropriada em um dado contexto social. Para os autores, sem acesso a determinados meios sociais, os indivíduos tornam-se incapazes de adquirir o capital linguístico apropriado. Bourdieu (1973) used the term cultural capital to refer to those attributes which are acquired through membership of a particular social class or group. An important aspect of cultural capital is linguistic capital. What is at stake with the concept of linguistic capital is not simply access to the grammar of the language, but rather

6 7084 language use, the ability to produce the appropriate expression in an appropriate way in a given social context. People who do not have access to particular social milieux are unable to acquire the appropriate linguistic capital. (FLOWERDEW & MILLER, 2008) O conceito de capital cultural surgiu na França, durante a tentativa de Bourdieu de explicar como a produção simbólica de certas classes torna-se legítima, estruturando a dominação de uns grupos sobre os outros (Bourdieu, 1992). Para o autor, essa situação de legitimação dos bens simbólicos de um grupo em detrimento dos de outro explicaria o pior desempenho social (escolar, econômico, etc.) dos grupos dominados. Ou seja, o conceito serve para descrever os diferenciais de poder na luta entre diferentes grupos sociais. Essa luta, descrita pelo autor, configura uma disputa na qual os sistemas simbólicos (ou cultura) de um determinado grupo torna-se dominante numa dada configuração social, permitindo que os grupos em situação privilegiada imponham sua cultura sobre grupos em situação social desfavorecida. A essa imposição legitimada e encarada como um fato natural pela maioria dos membros de um grupo social, o pensador dá o nome de violência simbólica. Nas palavras de Bourdieu, numa formação social determinada, a cultura legítima, isto é, a cultura dotada de uma legitimidade dominante, não é outra coisa que o arbitrário cultural dominante (Bourdieu apud Almeida, 2007, p.47). Por arbitrário, o autor compreende aquilo que depende do resultado da luta entre os grupos. Ou seja, nas ideias do autor francês, toda dominação é reconhecida como legítima e, ao mesmo tempo, oculta o arbitrário (o resultado da luta de forças que a torna dominante) de sua legitimidade. O espaço social constante no pensamento de Bourdieu é um espaço de lutas, no qual as estruturas simbólicas têm importância fundamental na ordenação dos elementos presentes nesse espaço. A imposição das significações de um grupo sobre as de outro, definindo as primeiras como legítimas, constitui, para o autor, uma violência simbólica, na qual a força da imposição estabelecida dissimula as outras relações de força presentes em sua base e às quais ela acrescenta sua própria força. Segundo o pensador: Todo poder de violência simbólica, isto é, todo poder que chega a impor significações e a impô-las como legítimas, dissimulando as relações de força que estão na base de sua força, acrescenta sua própria força, isto é, propriamente simbólica, a essas relações de força. (BOURDIEU, 1992, p.19)

7 7085 Do nosso ponto de vista, essa abordagem, feita por Bourdieu, serve para explicar a ascensão da língua inglesa à condição de língua mundial. Para o autor David Crystal, responsável pela obra English as a Global Language (Crystal, 2003), a explicação para a permanência do inglês como língua mundial nos dias atuais deve-se a dois movimentos decisivos que modificaram a realidade social em todos os seus aspectos e contribuíram para a formação do mundo ocidental capitalista. O primeiro é a Revolução Industrial, ocorrida na Inglaterra nos séculos XVIII-XIX, que gerou uma consequente expansão da coroa britânica, devido ao seu poderio econômico, disseminando sua cultura e língua em várias partes do mundo, com um extenso alcance geográfico, influenciando povos das mais variadas origens e etnias. O segundo fato é o poderio político e militar alcançado pelos Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial país, este, inicialmente formado por colonizadores oriundos da Grã-Bretanha que, devido à influência econômica e cultural resultante, acabou solidificando a língua inglesa na posição de língua padrão para as comunicações internacionais, posto anteriormente ocupado pelo francês. Mais recentemente, com quase 70% de falantes nativos da língua nascidos na América, além da liderança econômica e política exercida pelos Estados Unidos, um avanço ainda maior do domínio da língua inglesa teve como alavanca o desenvolvimento tecnológico, principalmente aquele ligado à área computacional. A criação de programas e sistemas variados, desenvolvidos em sua maioria por empresas americanas - como a Microsoft de Bill Gates - e o surgimento da rede mundial, creditado ao engenheiro britânico Timothy John Berners-Lee, projetaram a Língua Inglesa ainda mais, já que essas ferramentas se tornaram indispensáveis em todas as áreas de atuação humana, tanto no campo intelectual quanto no profissional. A respeito dessa primazia da língua inglesa sobre as outras línguas, o professor brasileiro, Ricardo Schütz (2009), em seu site 2, afirma que há estimativas de que 85% das publicações científicas do mundo, 75% de toda comunicação internacional por escrito, 80% da informação armazenada em todos os computadores do mundo e 90% do conteúdo da Internet são em inglês. 2 Ricardo Schütz, empresário brasileiro, dono e professor de uma escola de inglês no Rio Grande do Sul, publica textos apenas no site English Made in Brazil (www.sk.com.br), pelo qual é responsável. Maiores informações encontram-se nas referências deste trabalho.

8 7086 Obviamente, tendo se tornado um grupo social de prestígio mundial, ao mesmo tempo temido e respeitado por outros grupos, principalmente do ponto de vista político e econômico, os ingleses e americanos passam a impor seu idioma nas relações políticas, econômicas, científicas e culturais. Fazendo parte da cultura (um sistema simbólico) dos grupos que se tornaram dominantes na configuração social das relações internacionais, o Inglês é o idioma mais estudado como língua estrangeira por nativos de outras línguas, não sendo diferente no Brasil. Na busca por explicar a desigualdade no desempenho escolar das crianças da sociedade francesa, nos meados do século XX, Bourdieu rompe com o senso comum de que sucesso ou fracasso no campo escolar é apenas fruto de aptidões humanas naturais. Ainda, e talvez principalmente, o autor rompe com a Teoria do Capital Humano, desenvolvida por Theodore Schultz, ganhador do Prêmio Nobel em Economia em 1968, para quem a educação é o pressuposto do desenvolvimento econômico, bem como do desenvolvimento do indivíduo, que, ao educar-se, estaria valorizando a si próprio, na mesma lógica em que se valoriza o capital (Saviani, 2006). Essa teoria desloca para o âmbito individual os problemas da inserção social, do emprego e do desempenho profissional e faz da educação um valor econômico, equiparando capital e trabalho e legitimando a ideia de que os investimentos em educação devem obedecer aos critérios de investimento capitalista, pois considera a educação o fator econômico essencial para qualquer desenvolvimento (Saviani, 2006). A ruptura de Bourdieu mostra que a teoria de Schultz dissimula, nas palavras do pensador francês, o mais oculto e determinante socialmente dos investimentos educativos, a saber, a transmissão doméstica do capital cultural (Bourdieu,1996, p.73, grifo no original). O autor também declara que, a seu ver, o que é conhecido por dom ou aptidão nada mais é que fruto desse mesmo tipo de investimento. Analogamente ao conceito de capital desenvolvido por Marx, o capital cultural pode ser adquirido, acumulado e transmitido. Sendo assim, Bourdieu define três estados para esse tipo de capital: o estado incorporado, o objetivado e o institucionalizado. O estado incorporado é aquele no qual o capital cultural se tornou parte integrante das ações e pensamentos do indivíduo (ser), isto é, quando ele se torna parte do habitus individual, conceito esse que será trabalhado mais adiante. Para que essa realidade se fizesse presente, aquele que detém o capital cultural no estado incorporado investiu o que tem de mais pessoal: seu tempo. Por essa razão, o capital

9 7087 cultural nesse estado não pode ser transmitido diretamente e sua aquisição dá-se de uma maneira imperceptível ao indivíduo, ou seja, de forma inconsciente e disfarçadamente: [...] é por intermédio do tempo necessário à aquisição que se estabelece a ligação entre o capital econômico e o capital cultural, [...] ficando o tempo livre máximo a serviço do capital cultural máximo [...]. Além disso, [...] o tempo durante o qual determinado indivíduo pode prolongar seu empreendimento de aquisição depende do tempo livre que sua família pode lhe assegurar, ou seja, do tempo liberado da necessidade econômica que é a condição da acumulação inicial (tempo que pode ser avaliado como tempo em que se deixa de ganhar). (BOURDIEU, 2006, p.76) Além disso, o capital cultural no estado incorporado mantém suas condições originais de aquisição, não pode ser acumulado além das capacidades daquele que o detém e acaba com a morte do seu portador. A transmissibilidade do capital cultural dá-se no estado objetivado deste. Explicando: o capital cultural no estado objetivado pode se apresentar em suportes materiais, como livros, viagens, obras de arte, etc. e pode ser tão bem transmitido quanto o capital econômico. No entanto, algumas propriedades do capital cultural no estado objetivado dependem da relação com o estado incorporado. Por exemplo, Bourdieu mostra que o ato de se deter uma coleção de quadros não significa que aquele que a detém vá usufruí-la; portanto, os benefícios que o agente detentor terá desse capital objetivado está diretamente ligado ao domínio que tem sobre ele, ou seja, ao seu capital cultural incorporado Por fim, o estado institucionalizado do capital cultural é dado por uma certidão de competência, ou seja, um diploma. Desse modo, esse documento dá ao seu detentor uma garantia de valor do capital cultural instituída, convencionada, juridicamente aceita e constante, neutralizando os limites biológicos daquele que a detém. Todos que possuam diploma de bacharel em Direito terão o mesmo valor socialmente, independentemente de sua idade, e concorrerão aos mesmos postos nos grupos sociais aos quais pertencem. Consequentemente, também estarão garantindo o valor em dinheiro do seu capital, ou seja, convertendo o capital cultural em capital econômico. A capacidade de se comunicar em Língua Inglesa faz com que falantes nativos de outros idiomas tenham a possibilidade de se inserir nos grupos com maior poder de ação na sociedade. Por esse motivo, a exigência do domínio de Inglês como língua estrangeira está presente em todos os campos de ação, seja nas instituições de ensino, nos ambientes sociais diversos e no mercado de trabalho. Nos meios de maior projeção social, o uso fluente da

10 7088 Língua Inglesa pelos seus membros é esperado por todos, independentemente da língua nativa de cada um. Os indivíduos buscam, além de dominar o idioma, uma comprovação de sua habilidade, através de certificados emitidos por instituições renomadas. Instituições de todos os tipos, em vários países no mundo, inclusive onde o Inglês não é primeira língua, exigem algum tipo certificação internacional, em nível Intermediário ou superior, quando recebem candidaturas de possíveis estudantes ou colaboradores cujo idioma nativo não seja o Inglês. As razões e a análise Com base nas observações feitas ao longo de nossa carreira e de acordo com as dimensões de orientação expostas na introdução deste artigo, apresentamos aos entrevistados algumas razões que poderiam estar entre as que geralmente impulsionam adultos ao estudo de Inglês. Deixamos, também, uma opção para que os indivíduos pesquisados incluíssem ali qualquer outra razão que tiveram para se decidir por estudar Inglês e que não houvesse sido contemplada no questionamento. A Tabela 1 apresenta essas razões e a porcentagem de entrevistados que assinalaram cada uma delas, de um total de 51. É importante ressaltar que, como cada pessoa poderia assinalar quantas razões desejasse, a totalização dos percentuais supera 100%. Tabela 1 Razões sugeridas e assinaladas Que razões levaram você a estudar inglês? Escolhida por (x) entrevistados % Relativo Tem curiosidade pela língua 27 55% Gosta da língua 28 57% Deseja comunicar-se com pessoas em outros países 36 73% É uma forma de investir na sua carreira 38 78% Tem interesse por notícias estrangeiras 9 18% Gosta de filmes e programas de tv em inglês 27 55% Deseja viajar 36 73% Quer conhecer novos lugares e culturas 33 67% Quer compreender as músicas em inglês 30 61% Gosta de cantar em inglês 16 33% Deseja ser capaz de ler um texto científico sem traduzir 36 73% Precisa viajar frequentemente a negócios 0 0% Faz ou deseja fazer amizade com pessoas de outros países 17 35% Precisa escrever textos em inglês para sua carreira profissional / acadêmica 21 43% Sentia-se mal ou incomodado(a) por não se comunicar em outro idioma 18 37%

11 7089 Quer ler poemas e romances em língua inglesa 8 16% Deseja trabalhar no exterior 13 27% Quer participar de intercâmbios 13 27% Tem interesse em estudar no exterior 26 53% Acredita que esse tipo de conhecimento lhe confere status 12 24% Outra 4 8% Fonte: Dados organizados pela(s) autor(as), com base nos questionamentos realizados As razões apontadas exclusivamente por quatro entrevistados foram: a necessidade de conhecimento do idioma considerado universal atualmente, o gosto por ler livros em inglês, achar fascinante para alguém ser capaz de comunicar-se em mais de uma língua e necessidade na área profissional. Quando solicitados a avaliar as razões escolhidas, destacando as que tiveram maior grau de importância na decisão pelo estudo de inglês, os entrevistados apontaram com maior frequência as opções mostradas na Tabela 2. A solicitação introdutória para essa etapa foi: Dentre as razões escolhidas acima por você, assinale a(s) que teve (tiveram) maior grau de importância na sua decisão pelo estudo de Inglês. Tabela 2 Razões que tiveram mais importância na decisão pelo estudo de Inglês Razões selecionadas Assinalada por (x) entrevistados % Relativo Deseja comunicar-se com pessoas em outros países 28 55% É uma forma de investir na sua carreira 33 65% Deseja viajar 31 61% Quer conhecer novos lugares e culturas 28 55% Deseja ser capaz de ler um texto científico sem traduzir 30 59% Tem interesse em estudar no exterior 21 41% Fonte: Dados organizados pela(s) autor(as), com base nos questionamentos realizados Solicitamos aos entrevistados que avaliassem a validade do estudo de Inglês para sua formação profissional, pessoal e cultural. Em relação à formação profissional, 89% dos entrevistados consideraram o estudo de Inglês muito válido (67%) ou válido (22%). Muitas justificativas apresentadas por eles remetiam à exigência do idioma na área em que atuavam, entre elas a tecnológica, científica, administrativa e a acadêmica, além da universalização do idioma na divulgação de informações. No aspecto cultural, 93% consideraram o estudo de Inglês muito válido (71%) ou válido (22%), justificando suas escolhas pelo desejo de viajar, conhecer outras culturas, ampliar sua percepção de mundo e tornarem-se indivíduos globalizados. Quanto à formação pessoal, 94 % acreditam que esse estudo é muito válido

12 7090 (69%) ou válido (25%) por permitir contato com pessoas de vários lugares, ser uma aquisição que não pode ser tirada e promover possibilidade de crescimento e satisfação pessoal. Por fim, pedimos que os indivíduos mencionassem mudanças em sua vida, provocadas pelo conhecimento de Inglês. Todos os comentários refletiram uma atitude positiva dessas pessoas em relação ao presente ou a planos futuros. Muitos disseram sentir-se mais capazes e declararam o desejo de aventurar-se em novas experiências que antes não eram possíveis pela falta de conhecimento do idioma. Confrontando as manifestações dos entrevistados em relação ao estudo de Inglês na vida adulta com os conceitos desenvolvidos por Bourdieu para a violência simbólica e o capital cultural, em seus diferentes tipos, percebe-se o valor inegável da Língua Inglesa para essas pessoas e a maneira sutil como a violência simbólica se estabelece, através da legitimação desse capital. A certeza de que a aquisição desse capital lhes trará maior satisfação em diversos campos de suas vidas, leva esses indivíduos a investirem no aprendizado desse idioma. Suas principais razões estão voltadas aos aspectos de conhecimento de mundo e aquisição de valores simbólicos. Ainda quando ligadas a questões profissionais, que geram a possibilidade de obtenção de capital financeiro, a questão cultural, de conhecimento de mundo e obtenção de informações, aparece em primeiro lugar. Desse modo, pode-se afirmar que a Língua Inglesa é, para os adultos do mundo moderno, um valioso capital cultural a ser adquirido e não faltam razões a esses indivíduos, para buscar obtê-lo da melhor maneira possível, pois ele representa a possibilidade de obtenção de outros tipos de bens simbólicos. Considerações Finais Este trabalho teve por objetivo trazer à tona a discussão sobre a valorização do estudo de Inglês como língua estrangeira por alunos adultos, pelo ponto de vista das estruturas de dominação apresentadas pelo sociólogo Pierre Bourdieu e seus conceitos de capital cultural e violência simbólica. Abordamos esses conceitos, fazendo uma breve análise de como o Inglês tornou-se um idioma dominante mundialmente. Por meio de questionário on line, levantamos informações a fim de investigar as razões de adultos que se decidiram a estudar esse idioma estrangeiro. Com base nos dados coletados, foi possível perceber que as razões que nortearam a escolha desses indivíduos pelo estudo do idioma estão relacionadas a aspectos específicos de sua formação pessoal e profissional, caracterizando o que Bourdieu define como capital

13 7091 cultural. Estando a pesquisa ainda em construção, acreditamos que ainda existam diversos pontos que deverão ser explorados e discutidos. No entanto, também cremos que os dados aqui apresentados já dão inteligibilidade e validade a esse tipo de pesquisa, tanto para os profissionais do ensino de Inglês quanto para aqueles que buscam o estudo desse idioma. REFERÊNCIAS ALMEIDA, A. M. F. A noção de capital cultural é útil para se pensar o Brasil? In: PAIXÃO, Lea Pinheiro e ZAGO, Nadir (orgs.). Sociologia da Educação Pesquisa e realidade brasileira. Petrópolis: Vozes, BOURDIEU, P. Escritos de Educação. Seleção, organização, introdução e notas Maria Alice Nogueira, Afrânio Catani. 8.ed. Petrópolis : Vozes, BOURDIEU, P. A Economia das Trocas Linguisticas: os que falam querem dizer. Tradução Sergio Miceli [e outros]. São Paulo: EDUSP, BOURDIEU, P. A Reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Tradução Reynaldo Bairão. Rio de Janeiro : Francisco Alves, CRYSTAL, D. English as a Global Language. Cambridge: CUP, FLOWERDEW, J.& Miller, L. Social Structure and Individual Agency in Second Language Learning: Evidence from Three Life Histories. In: Critical Inquiry in Language Studies. Londres: Routledge, : 4, Disponível em <http://dx.doi.org/ / >. Acesso em 31 jul PRADO, C. L. Línguas Estrangeiras No Mercado De Bens Simbólicos: Um Estudo nos Centros de Línguas da Rede Municipal de Ensino de Belo Horizonte f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, QUIVY, R. & CAMPENHOUDT, L.V. Manual de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva, SAVIANI, D. et. al. Teoria do Capital Humano. In: SAVIANI, D. et. al. Navegando na História da Educação Brasileira. Campinas: Graf. FE: HISTEDBR, Disponível em < do_capital_humano.htm>. Acesso em 29 set SCHÜTZ, R. O Inglês como Língua Internacional. In: English Made in Brazil. Online. 3 de junho de Disponível em <http://www.sk.com.br/sk-ingl.html>. Acesso em 29 set

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica O BOM PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA E A SUA RELAÇÃO COM OS MÉTODOS DE ENSINO Ângela Cristina de Jesus Jancitsky 1 ; Marília Moreira de Souza 1 ; Pollyanna Morais Espíndola 2 ; Ms. Marcelo da Silva Pericoli

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 OLIVEIRA, Vinícius. O. 2 MACIEL, Adriana. M. N. RESUMO: O

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Referência: CHAGURI, J. P. A Importância do Ensino da Língua Inglesa nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental. In: O

Leia mais

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo 1 O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU Suellen Celina Vitcov Ribeiro IE/UFMT shuribeiro@hotmail.com Juliana Assis da Cruz IE/UFMT- juliassis2010@yahoo.com.br Resumo Este

Leia mais

INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO

INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO Adriana Recla Pós-graduada em Língua Inglesa e Língua Portuguesa Professora da Faculdade de Aracruz - UNIARACRUZ Professora

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10

Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10 1 Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10 LÍNGUAS ESTRANGEIRAS Relatório analítico do processo de seleção de trabalhos Selecionadora: Sandra Baumel Durazzo Com a crescente intergração dos diferentes

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE Marrine Oliveira Sousa (UFG) Tatiana Diello Borges (UFG) marrine_@hotmail.com tatiana.diello@gmail.com 1. Introdução No exterior,

Leia mais

OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO?

OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO? OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO? Ewerton Felix da Silva Antônio Fernandes Dias Júnior Cristiane Vieira Falcão Maria Glayce Kelly Oliveira

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

Motivação para aprender línguas

Motivação para aprender línguas RESENHA: QUERER É PODER? MOTIVAÇÃO, IDENTIDADE E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Gisele da Cruz Rosa 1 O artigo Querer é poder? Motivação, identidade e aprendizagem de língua estrangeira, escrito por

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL Ferreira, Aparecida de Jesus Unioeste/Cascavel A língua Inglesa sem dúvida é, hoje, a língua mais falada e utilizada no mundo como língua

Leia mais

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames.

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames. C U R S O S ESPECIAIS I n s t i t u t o C e r v a n t e s d e B r a s i l i a CURSOS ESPECIAIS O Instituto Cervantes de Brasília dispõe de uma ampla oferta de cursos especiais para se adaptar as necessidades

Leia mais

------------------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------------------ POR QUE É QUE A GENTE É ASSIM? Eng. ------------------------------------------------------------------------------------ É batata! Toda vez que, numa conversa qualquer, o assunto "comportamento no mercado"

Leia mais

O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública

O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública 1 O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública Resumo Carla Fabiana Graetz Orientador Prof. Dr. Eduardo Pinto e Silva Mestrado Linha de Pesquisa:

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO IFPR ENGLISH STEPS: CRIANÇAS DA VILA MATILDE APRENDENDO A LÍNGUA INGLESA

RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO IFPR ENGLISH STEPS: CRIANÇAS DA VILA MATILDE APRENDENDO A LÍNGUA INGLESA RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO IFPR ENGLISH STEPS: CRIANÇAS DA VILA MATILDE APRENDENDO A LÍNGUA INGLESA Resumo Simara Cristiane Braatz 1 - IFPR Câmpus Irati Grupo de Trabalho Formação de

Leia mais

8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi

8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi 8.00.00.00-2 LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES 8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi Curso de Letras Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Arte

Leia mais

Novos textos no ensino da Geografia

Novos textos no ensino da Geografia Novos textos no ensino da Geografia Renata de Souza Ribeiro (UERJ/ FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/ FFP) Resumo Este texto relata a experiência desenvolvida no curso Pré-vestibular Comunitário Cidadania

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

PROPOSTA DE PARCERIA WIZARD E Aspuv

PROPOSTA DE PARCERIA WIZARD E Aspuv PROPOSTA DE PARCERIA WIZARD E Aspuv Viçosa Agosto 2015 APRESENTAÇÃO A Wizard Idiomas é a maior rede de franquias no segmento de ensino de idiomas do Brasil. Os dados são da Associação Brasileira de Franchising

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES Dione Nunes Franciscato 1 ;

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado.

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Vanessa Ferreira da Silveira Professora Orientadora Ileizi Fiorelli Silva Resumo: Neste texto pretendo discutir a separação entre Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

Desigualdades sociais vs desempenho em matemática sob a ótica de Pierre Bourdieu 1

Desigualdades sociais vs desempenho em matemática sob a ótica de Pierre Bourdieu 1 Desigualdades sociais vs desempenho em matemática sob a ótica de Pierre Bourdieu 1 Stella Maris Lemos Nunes 2 Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais Brasil stellamaris2007@gmail.com

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

ASPECTOS PSICOSSOCIAIS DA APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA NO ENSINO FUNDAMENTAL

ASPECTOS PSICOSSOCIAIS DA APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA NO ENSINO FUNDAMENTAL ASPECTOS PSICOSSOCIAIS DA APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA NO ENSINO FUNDAMENTAL Fernanda Lourdes de Carvalho Gomes Lustosa (UFPI) Luís Carlos Sales (UFPI) GT 13 Educação e Representações Sociais O processo

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA Cristiane Toffanello Mestranda UniRitter/Laureate International Universities Cristoffi@hotmail.com SOCIOLINGUÍSTICA

Leia mais

A Constituição das desigualdades

A Constituição das desigualdades Introdução Muitos estudos, especialmente na área da sociologia da educação, têm demonstrado que os projetos de democratização das sociedades modernas enfrentam dificuldades relacionadas à efetivação dos

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar Angélica Fernanda Rossi-USC-Pedagogia.angelicafrossi@gmail.com Caroline Silvério-USC-Pedagogia kakarol_2009@hotmail.com

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA INGLESA: UM OLHAR SOBRE SUAS PRÁTICAS DOCENTES

Leia mais

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira Gedeon Santos de Medeiros Gerley Machado de Oliveira 1. Introdução A escolha de determinadas experiências de aprendizagem em qualquer contexto educacional,

Leia mais

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO INTEGRAL Retirado e adaptado de: LEITE, L. H. A., MIRANDA, S. A. e CARVALHO, L. D. Educação Integral e Integrada: Módulo

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES CAMBRIDGE ENGLISH E UNOi

PERGUNTAS FREQUENTES CAMBRIDGE ENGLISH E UNOi PERGUNTAS FREQUENTES CAMBRIDGE ENGLISH E UNOi ANTES DO EXAME O que é a parceria entre UNOi e Cambridge English? Por que eu devo prestar os exames Cambridge English? Quais são os exames? O que é o Placement

Leia mais

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf 1 Sumário Introdução...04 Passo 1...04 Passo 2...05 Passo 3...05 É possível Aprender Inglês Rápido?...07 O Sonho da Fórmula Mágica...07 Como Posso Aprender Inglês Rápido?...09 Porque isto Acontece?...11

Leia mais

A LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: INVESTIGANDO AS REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS SOBRE O INGLÊS

A LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: INVESTIGANDO AS REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS SOBRE O INGLÊS A LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: INVESTIGANDO AS REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS SOBRE O INGLÊS Resumo Pauliana Duarte Oliveira IFG 1 Grupo de trabalho: Cultura,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CURSO DE INGLÊS ONLINE PARA SERVIDORES

CURSO DE INGLÊS ONLINE PARA SERVIDORES GUIA DO ALUNO CURSO DE INGLÊS ONLINE PARA SERVIDORES Versão autoinstrucional 1 SUMÁRIO CONHEÇA O CURSO DE INGLÊS ONLINE PARA SERVIDORES... 3 OBJETIVOS DO CURSO... 3 ORGANIZAÇÃO DO CURSO... 3 HABILIDADES

Leia mais

RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner

RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner Introdução Histórico Inteligência Múltipla X Educação Avaliação A Pluralidades das Inteligências INTRODUÇÃO A principal idéia

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

CONCEPÇÕES DE ALUNOS DO NÍVEL MÉDIO SOBRE O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS

CONCEPÇÕES DE ALUNOS DO NÍVEL MÉDIO SOBRE O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS CONCEPÇÕES DE ALUNOS DO NÍVEL MÉDIO SOBRE O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS Larisse Carvalho Oliveira; Tiago Alves Nunes; Jorge Luis Queiroz Carvalho. Universidade Federal do Ceará larisse_carvalhodeoliveira@hotmail.com

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

1. Referencial e objeto de avaliação INFORMAÇÃO Nº 2 /2015-2016

1. Referencial e objeto de avaliação INFORMAÇÃO Nº 2 /2015-2016 INFORMAÇÃO Nº 2 /2015-2016 O presente documento refere-se à Inglês 9.º ano (PET), a aplicar aos alunos do 9.º ano de escolaridade em 2016. Encontra-se disponível, para consulta, no site do iave.pt, na

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

Daniel Fernando Rodrigues 1. Introdução

Daniel Fernando Rodrigues 1. Introdução O PERFIL DE ALUNOS DE LÍNGUA INGLESA INGRESSANTES NO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS: DELIMITANDO EXPECTATIVAS E METAS PARA A COMPETÊNCIA 1 RESUMO: Este artigo apresenta o perfil dos alunos de inglês de

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

A ABORDAGEM DE QUESTÕES AMBIENTAIS NAS AULAS DE INGLÊS DO NONO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

A ABORDAGEM DE QUESTÕES AMBIENTAIS NAS AULAS DE INGLÊS DO NONO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL A ABORDAGEM DE QUESTÕES AMBIENTAIS NAS AULAS DE INGLÊS DO NONO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Rafaela Alves Melo RESUMO O presente projeto buscou investigar a presença de temas que envolvem questões ambientais

Leia mais

AS PROPRIEDADES CULTURAIS E O INGRESSO NA UNIVERSIDADE ESTRATÉGIA FAMILIAR E REPRODUÇÃO SOCIAL

AS PROPRIEDADES CULTURAIS E O INGRESSO NA UNIVERSIDADE ESTRATÉGIA FAMILIAR E REPRODUÇÃO SOCIAL 1 AS PROPRIEDADES CULTURAIS E O INGRESSO NA UNIVERSIDADE ESTRATÉGIA FAMILIAR E REPRODUÇÃO SOCIAL Guiomar de Oliveira Passos (UFPI) GT 17 Educação, Sociedade e Cultura. Introdução Este trabalho expõe os

Leia mais

Cidadania e Política: Leituras do Brasil Atual. O reconhecimento da Língua de Sinais: Surgimento de uma nova profissão.

Cidadania e Política: Leituras do Brasil Atual. O reconhecimento da Língua de Sinais: Surgimento de uma nova profissão. Cidadania e Política: Leituras do Brasil Atual. O reconhecimento da Língua de Sinais: Surgimento de uma nova profissão. Dayse Garcia Miranda 1 Historicamente, a surdez foi estigmatizada, vista como uma

Leia mais

EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA

EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA Msc. Nádia Estima de Castro nadia.castro@acad.pucrs.br +55 51 92388146 Doutoranda em Educação da Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

PRINCIPAIS MOTIVAÇÕES DOS ALUNOS DESCENDENTES DE JAPONESES NO APRENDIZADO DA LÍNGUA JAPONESA

PRINCIPAIS MOTIVAÇÕES DOS ALUNOS DESCENDENTES DE JAPONESES NO APRENDIZADO DA LÍNGUA JAPONESA 1226 PRINCIPAIS MOTIVAÇÕES DOS ALUNOS DESCENDENTES DE JAPONESES NO APRENDIZADO DA LÍNGUA JAPONESA Clara Yoshiko Hori Takigawa 1, Mitiko Hori 2 1 Engenharia de Produção FEPP UNOESTE. 2 Especialização em

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL

ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL É muito comum ler em notas de jornais, revistas, internet sobre as classes sociais, geralmente são classificadas da seguinte maneira: classe A, B, C, D, E. No mês de julho de 2008,

Leia mais

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira.

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Precisa falar inglês no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Aprender um novo idioma é se sentir como uma criança novamente: faltam palavras para se expressar e a insegurança

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) INGLÊS INTERMEDIÁRIO Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de Ensino Vicente

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online?

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? Edgar Marcucci Reis 1 Jéssica Naiara dos Santos Batista 2 Resumo: O artigo apresenta uma visão sobre os ambientes online encontrados

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Ana Rita Bernardo Leitão Mestre em Língua e Cultura Portuguesa, área de PLE/L2 Cientes do apelo que se impõe

Leia mais

O DISCURSO SOBRE A OBRIGAÇÃO EM APRENDER UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA

O DISCURSO SOBRE A OBRIGAÇÃO EM APRENDER UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA O DISCURSO SOBRE A OBRIGAÇÃO EM APRENDER UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA ROGERIA DE AGUIAR (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ). Resumo Este trabalho tem por objetivo verficar, em uma perspectiva da Análise do Discurso

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Renata de Souza Ribeiro (UERJ/FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/FFP) Eixo: Fazendo escola com múltiplas linguagens Resumo Este texto relata

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Edda Curi Resumo Os Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática dos Ensinos Fundamental e Médio enfatizam como um critério essencial para

Leia mais

O ensino de língua inglesa para crianças

O ensino de língua inglesa para crianças O ensino de língua inglesa para crianças Débora Leffa Dimer 1 Adriana Soares 2 Resumo: No presente artigo, iremos analisar como ocorre o aprendizado de uma língua estrangeira, no caso, a Língua Inglesa,

Leia mais

Aula 03. o ato de ler. Leitura e conhecimento. Os poemas. Caríssimo aluno,

Aula 03. o ato de ler. Leitura e conhecimento. Os poemas. Caríssimo aluno, Aula 03 o ato de ler Caríssimo aluno, A leitura é componente fundamental do processo de aprendizagem, pois está relacionada a todas as disciplinas de seu curso. Convidamos você para fazermos algumas reflexões

Leia mais

Manual do aluno. Curso Master

Manual do aluno. Curso Master Manual do aluno Curso Master Sumário A escola... 3 Inglês por nível... 3 Material Didático Interchange Fourth Edition... 4 Série complementar pós-interchange:... 5 Metodologia do curso Master:... 5 Em

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF)

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF) RELAÇÕES DICOTÔMICAS NO ENSINO DE INGLÊS EM CURSOS DE IDIOMAS: as implicaturas da (de)formação do professor de línguas que atua nesse contexto de ensinoaprendizagem de língua estrangeira Carlos Fabiano

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA E O ENSINO DE FÍSICA NOS CURSOS TÉCNICOS

ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA E O ENSINO DE FÍSICA NOS CURSOS TÉCNICOS ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA E O ENSINO DE FÍSICA NOS CURSOS TÉCNICOS Marlene Santos Socorro Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica PPGECT Universidade Federal de Santa Catarina UFSC

Leia mais

FORMAÇÃO BÁSICA EM INTERPRETAÇÃO DE CONFERÊNCIA

FORMAÇÃO BÁSICA EM INTERPRETAÇÃO DE CONFERÊNCIA FORMAÇÃO BÁSICA EM INTERPRETAÇÃO DE CONFERÊNCIA Programa desenvolvido em módulos de forma que, ao final de cada módulo, o aluno acumule o conhecimento básico essencial sobre uma área da interpretação e

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA Catya Marques Agostinho de Araujo Amanda Pérez Montanéz (Orientadora) RESUMO Esta investigação tem por objetivos pesquisar, estudar e

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

IMPACTOS DA PROVINHA BRASIL NA REORGANIZAÇÃO DAS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DO PAÍS

IMPACTOS DA PROVINHA BRASIL NA REORGANIZAÇÃO DAS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DO PAÍS IMPACTOS DA PROVINHA BRASIL NA REORGANIZAÇÃO DAS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DO PAÍS MARINILDA MAIA (UFMG). Resumo Este texto faz parte de uma pesquisa que se insere no campo de estudos

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

CRONOGRAMA ESPANHOL 2º ano 1º Bimestre 2014

CRONOGRAMA ESPANHOL 2º ano 1º Bimestre 2014 CRONOGRAMA ESPANHOL 2º ano 2014 Professor(a): Lígia Martins de Matos Total de aulas previstas: +- 10 aulas OBJETIVO GERAL : Oferecer ao aluno, as condições de ensino-aprendizagem para que ele desenvolva

Leia mais

LEITURA DOS DIZERES DOS ALUNOS-APRENDIZES DE LÍNGUA ESTRANGEIRA. Maria de Lourdes Marques Moraes (UNINCOR Três Corações)

LEITURA DOS DIZERES DOS ALUNOS-APRENDIZES DE LÍNGUA ESTRANGEIRA. Maria de Lourdes Marques Moraes (UNINCOR Três Corações) LEITURA DOS DIZERES DOS ALUNOS-APRENDIZES DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Maria de Lourdes Marques Moraes (UNINCOR Três Corações) Este texto é produto das reflexões acerca da construção das identidades a partir

Leia mais

Quem somos? Por que, no KLUB, o aprendizado é tão rápido?

Quem somos? Por que, no KLUB, o aprendizado é tão rápido? plano pedagógico As línguas estrangeiras são seu passaporte intelectual para viagens internacionais, possibilidades acadêmicas e sucesso profissional. Através das línguas, você pode conhecer culturas,

Leia mais

DOUTORADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA

DOUTORADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA ACADÊMICA DOUTORADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA S e l e ç ã o d a 6 ª T u r m a 2014 E D I T A L ABERTURA DE INSCRIÇÃO À SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA O CURSO DE

Leia mais

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO Garanta o sucesso da missão. Garanta o sucesso da missão. A Rosetta Stone ajuda organizações governamentais e sem fins lucrativos a capacitar

Leia mais

A ESCOLA É QUE NÃO ENTENDE: ESTRATÉGIAS FAMILIARES E PROCESSOS DE ESCOLARIZAÇÃO EM CAMADAS POPULARES DO MUNICÍPIO DE POCINHOS PB.

A ESCOLA É QUE NÃO ENTENDE: ESTRATÉGIAS FAMILIARES E PROCESSOS DE ESCOLARIZAÇÃO EM CAMADAS POPULARES DO MUNICÍPIO DE POCINHOS PB. A ESCOLA É QUE NÃO ENTENDE: ESTRATÉGIAS FAMILIARES E PROCESSOS DE ESCOLARIZAÇÃO EM CAMADAS POPULARES DO MUNICÍPIO DE POCINHOS PB. Maria da Guia Costa Araújo Orientanda - Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

Estadia: Onde vou morar?

Estadia: Onde vou morar? Estude em Alberta Perguntas frequentes Observação: Esta seção de "Perguntas frequentes" reflete a prática comum em Alberta, no entanto, depois de decidir onde quer estudar, contate o distrito escolar correspondente

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD)

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) PADILHA, Emanuele Coimbra; SELVERO, Caroline Mitidieri Graduada em Letras-Espanhol pela Universidade Federal de Santa Maria UFSM. E-mail: emanuelecp@hotmail.com

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 INGLÊS INSTRUMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NO PROJETO EQUIDADE NA PÓS-GRADUAÇÃO

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 INGLÊS INSTRUMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NO PROJETO EQUIDADE NA PÓS-GRADUAÇÃO 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Piracicaba, 2000 Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Este trabalho se destina a avaliação da disciplina de Teoria da Comunicação Piracicaba,

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO CARLOS CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável:

Leia mais

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas 54ª Reunião Anual da SBPC Goiânia/GO Julho/2002 O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas João Ferreira de Oliveira (UFG) A universalização do acesso à educação superior constitui-se

Leia mais

O valor da educação Um aprendizado para a vida. Relatório do Brasil

O valor da educação Um aprendizado para a vida. Relatório do Brasil O valor da educação Um aprendizado para a vida Relatório do Brasil A pesquisa O valor da educação é uma pesquisa do consumidor independente sobre tendências globais de educação realizada para o HSBC. O

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB 01. RESUMO Karla Rodrigues de Almeida Graduada em Letras pela UFCG e-mail: karlaalmeida.1@hotmail.com Izanete

Leia mais

Pré-Vestibular Social LETRAS

Pré-Vestibular Social LETRAS Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica LETRAS Quando chegamos ao momento de escolher uma faculdade, começam a pintar diversas dúvidas, por exemplo, se vamos nos sair bem na carreira

Leia mais

CURRÍCULO HISTÓRICO-CRÍTICO E INDIVÍDUOS AUTÔNOMOS 1

CURRÍCULO HISTÓRICO-CRÍTICO E INDIVÍDUOS AUTÔNOMOS 1 1 CURRÍCULO HISTÓRICO-CRÍTICO E INDIVÍDUOS AUTÔNOMOS 1 Michele Rissardi 2 RESUMO: Diante da implantação da pedagogia histórico-crítica, tem-se a idéia corrente de que essa nova pedagogia levaria a formação

Leia mais

Licenciatura em Espanhol

Licenciatura em Espanhol Licenciatura em Espanhol Rebeka Caroça Seixas A arte empregada no ensino da Língua Espanhola: Parte 02 A arte empregada no ensino da Língua Espanhola: Parte 02 Apresentação e Objetivos Caro(a) aluno(a),

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA Lia Gonçalves Gurgel Projeto de pesquisa AQUISIÇÃO DA LÍNGUA DE SINAIS A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA BILÍNGÜE

Leia mais