Painel "Logística como Fator de Competitividade. "Importância da Ferrovia Transnordestina para o Complexo de SUAPE".

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Painel "Logística como Fator de Competitividade. "Importância da Ferrovia Transnordestina para o Complexo de SUAPE"."

Transcrição

1

2 Painel "Logística como Fator de Competitividade "Importância da Ferrovia Transnordestina para o Complexo de SUAPE".

3 Agenda Painel "Logística como Fator de Competitividade A Transnordestina Indução de Oportunidades O Transporte O Transporte Ferroviário no estado de Pernambuco A Transnordestina e o Complexo Portuário de Suape A Implantação do Projeto: Trajetória O Conceito Os Recursos Evolução do Mercado O Projeto e o Estado de Pernambuco Fotos 29 Slides

4 PERNAMBUCO UMA GRANDE OPORTUNIDADE Transnordestina - Indutora de Oportunidades Potencialização de Novos polos Investimentos Estruturadores Interiorização do Desenvolvimento Ambiente Sócio-Político Localização Estratégica

5 "Logística como Fator de Competitividade O Transporte Transporte O Transporte representa o elemento mais significativo do custo logístico. Transporte Desempenha papel fundamental na prestação de serviço ao cliente. Transporte Consome até 60% das despesas logísticas. Oscila entre 5% e 25% do faturamento bruto de uma empresa, em muitas situações supera o lucro operacional

6 "Logística como Fator de Competitividade O Transporte Ferroviário em Pernambuco Pernambuco O 1º. Estado do Nordeste e o 2º. do Brasil a ter Estrada de Ferro, Século XIX. A Ferrovia Recife Cabo possuia 31,5 km de extensão. Pernambuco Possue 957,5 km de malha ferroviária interligadas aos seus portos e aos estados limítrofes. Pernambuco O 1º. trem fez tanto sucesso que disputou público com os espetáculos do Teatro Santa Isabel, que na época havia reaberto depois de uma temporada fechado para reformas

7 A Transnordestina e o Complexo de Suape São Projetos Estruturantes que permitirão Pernambuco viver um ciclo de dinamismo econômico Polo Gesseiro Indústria Sucro-Alcooleira Construção Civil Avicultura Fruticultura Siderurgia Refinaria Fertilizantes Manufaturados Ferrovia é infra-estrutura que precisa existir e crescer para que outras atividades prosperem.

8 O Projeto Transnordestina

9 TRAJETÓRIA 2002 Estudos de implantação de novo traçado do Projeto TRANSNORDESTINA 2006 Início da implantação da FERROVIA TRANSNORDESTINA 2008 CFN passa a se chamar TRANSNORDESTINA LOGÍSTICA S.A Previsão de início de operação da FERROVIA TRANSNORDESTINA 1997 Leilão da Malha Ferroviária Nordeste Contrato de Concessão 30 anos 1998 Início do transporte de cargas com a criação da CFN

10 FERROVIA TRANSNORDESTINA Conceito Construir uma solução logística integrada para atender as regiões nordeste e centro-oeste do Brasil com foco no agronegócio e na indústria mineral. Componentes Ferrovia e Terminais Portuários: km de ferrovia ligando Eliseu Martins (PI) aos portos de SUAPE (PE) e Pecém (CE).

11 FUNDING -VALEC

12 FERROVIA TRANSNORDESTINA O Projeto concebido considerando-se: Nova fronteira agrícola O Cerrado Brasileiro > terras-clima-solo Sudeste MA e PÍ e Oeste BA A indústria mineral (reservas) Polo Gesseiro do Araripe; Efeito catalizador > Permite solução logística de alta capacidade e baixo custo.

13 DETALHES DO PROJETO Ferrovia: Ligará Eliseu Martins ao Porto de Suape e ao Porto de Pecém. Bitola larga e mista Rampas: sentido exportação: 0,6% Rampas: sentido importação: 1,0% Curvas mínimas de 400 metros Velocidade máxima de 80 km/h e 32,5 t/eixo Ferrovia de Classe Mundial Terminais: 2 Terminais portuários exportação (granéis sólidos) estrategicamente localizados em relação aos grandes mercados consumidores e em portos capazes de operar navios cape size.

14 EVOLUÇÃO DO MERCADO Em milhões de toneladas

15 TRANSNORDESTINA - PARCERIA Assinatura MOU Out/09 (2,5 Mtpa) ) GIPSITA

16 PRODUTIVIDADE DA FERROVIA Operação Atual Operação Futura Vagões por Trem Toneladas por eixo 18,0 32,5 Locomotivas (hp) hp hp Locomotivas (produtividade) 1,3 mil TKU /hp 15 mil TKU / hp Consumo de Combustível 16 litros / TKU 4,4 litros / TKU Velocidade Cruzeiro (km/h) 18,5 60 Capacidade (t/ano) 1,5 milhões 30 milhões 20 vezes

17 BENEFÍCIOS Empregos gerados na fase de implantação e operação Perspectiva de empregos diretos e indiretos Setores beneficiados: Construção civil (na implantação), agropecuário e rodoviário. FONTE: BNB, Relatório de análise do projeto da Transnordestina Logística S/A, 20/11/08.

18 PERNAMBUCO E A TRANSNORDESTINA SALGUEIRO TRINDADE 163 km ORÇAMENTO R$ 456,7 milhões STATUS DA OBRA: Infra-estrutura Em execução (3 frentes) Super-Estrutura e OAE s Contratada SALGUEIRO SUAPE 522 km ORÇAMENTO R$ 1.773,9 milhões STATUS DA OBRA: LI - Emitida Início da Obra NOVEMBRO/09

19 PERNAMBUCO E A TRANSNORDESTINA PETROLINA PARNAMIRIM Î 180 km Sua implantação dependerá dos estudos de Viabilidade econômica.

20 SUAPE E A TRANSNORDESTINA Terminal Portuário da Transnordestina: * Exportação de Grãos, Gesso; * Importação de Fertilizantes Porto de Suape

21 MISSÃO VELHA - PECÉM 527 km MISSÃO VELHA - PECÉM 527 km ORÇAMENTO R$ 1.672,8 milhões ORÇAMENTO R$ 1.672,8 milhões LI Previsão 30/OUT/09 STATUS LI OBRAS: Previsão INFRA 30/OUT/09 Dez/09 STATUS OBRAS: INFRA Dez/09 ELISEU MARTINS TRINDADE 420 km ELISEU MARTINS TRINDADE 420 km ORÇAMENTO R$ 1270,6 milhões ORÇAMENTO R$ 1270,6 milhões INFRA - Em execução OAE's INFRA - Por Em Contratar execução SUPER OAE's - Contratada Por Contratar SUPER - Contratada MISSÃO VELHA SALGUEIRO 96 km MISSÃO VELHA SALGUEIRO 96 km ORÇAMENTO R$ 247,7 milhões ORÇAMENTO R$ 247,7 milhões INFRA - Término DEZ/09 OAE's INFRA - Término Em execução DEZ/09 SUPER OAE's -O.S Em - NOV/09 execução SUPER O.S - NOV/09 CABO PORTO REAL 550 km CABO PORTO REAL 550 km ORÇAMENTO R$ 111,8 milhões ORÇAMENTO R$ 111,8 milhões INFRA, SUPER e OAES s Em execução INFRA, Previsão SUPER de e término OAES s DEZ/09 Em execução Previsão de término DEZ/09

22 FOTOS Missão Velha - Salgueiro

23 FOTOS Missão Velha - Salgueiro

24 FOTOS Salgueiro - Trindade

25 FOTOS Salgueiro - Trindade

26 FOTOS Trilhos UIC 60 Porto de Suape

27 FOTOS Cabo Porto Real do Colégio

28 FOTOS Cabo Porto Real do Colégio

29

Ferrovia é infra-estrutura que precisa existir e crescer para que outras atividades prosperem.

Ferrovia é infra-estrutura que precisa existir e crescer para que outras atividades prosperem. Ferrovia é infra-estrutura que precisa existir e crescer para que outras atividades prosperem. A EMPRESA Empresa privada de logística, antiga Companhia Ferroviária do Nordeste Opera com 95 locomotivas,

Leia mais

TUFI DAHER FILHO Presidente da Transnordestina

TUFI DAHER FILHO Presidente da Transnordestina TUFI DAHER FILHO Presidente da Transnordestina Juiz de Fora, 28 de outubro de 2011 A g e n d a A TRANSNORDESTINA: O PROJETO: Situação da Malha Atual Clientes Trajetória A Transnordestina Indução de Oportunidades

Leia mais

Apresentação Transnordestina

Apresentação Transnordestina Apresentação Transnordestina Histórico 1998 No contrato de concessão foi previsto a construção pela União e sua operação pela CFN. 2001 DNIT iniciou as providências de implantação (projetos e estudos ambientais).

Leia mais

Afirmações sobre o Futuro

Afirmações sobre o Futuro 1 2 Afirmações sobre o Futuro Algumas das afirmações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam ocasionar variações materiais entre os resultados,

Leia mais

VALEC. Ministério dos Transportes

VALEC. Ministério dos Transportes VALEC Ministério dos Transportes Outubro de 2007 LOCALIZAÇÃO MAPA DA FERROVIA NORTE-SUL AÇAILÂNDIA (MA) / PÁTIO DE ARAGUAÍNA (TO) Extensão: 361 km OBRAS CONCLUÍDAS PÁTIO DE ARAGUAÍNA (TO) / PÁTIO DE GUARAÍ

Leia mais

Discussão Técnica sobre Ferrovias no Paraná

Discussão Técnica sobre Ferrovias no Paraná Discussão Técnica sobre Ferrovias no Paraná Macro fluxos Logísticos Conexões Marítimas e Matriz de Transportes Pretendida 2025 (PNLP) Ponto de Ruptura Fluxo Norte e Sul Matriz de Transportes - PNLP Fluxo

Leia mais

Logística Vale Bienal dos Negócios da Agricultura 21/08/2009

Logística Vale Bienal dos Negócios da Agricultura 21/08/2009 Logística Vale Bienal dos Negócios da Agricultura 21/08/2009 Logística Vale Corredores Logísticos Legenda Ferrovias Estrada de Ferro Carajás - EFC Ferrovia Norte Sul FNS Ferrovia Norte Sul FNS (em construção)

Leia mais

UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046 MALHA FERROVIÁRIA. Aula 06

UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046 MALHA FERROVIÁRIA. Aula 06 UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046 MALHA FERROVIÁRIA Prof. Djalma Pereira Prof. Eduardo Ratton Profa. Gilza Fernandes Blasi Profa. Márcia de Andrade Pereira Aula 06 MALHA FERROVIÁRIA

Leia mais

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS Jean Carlos Pejo J C PEJO CONSUTORES ASSOCIADOS S/C LTDA Mapa da Produção de Soja no Brasil Projeção da Produção de Soja no Brasil Safra Produção Exportação 2009/2010

Leia mais

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel Modal Ferroviário Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel O que é modal? O modal ferroviário caracteriza-se, especialmente, por sua capacidade de transportar grandes volumes,

Leia mais

MRS Logística. Negócios nos Trilhos. Nov

MRS Logística. Negócios nos Trilhos. Nov MRS Logística Negócios nos Trilhos Nov - 2011 Quem somos Concessionária Pública de Transporte Ferroviário, que interliga os três principais centros industriais do país: São Paulo, Rio de Janeiro e Minas

Leia mais

BALANÇO DO SETOR FERROVIÁRIO BRASILEIRO.

BALANÇO DO SETOR FERROVIÁRIO BRASILEIRO. BALANÇO 2003-2005 DO SETOR FERROVIÁRIO BRASILEIRO. No início de 2003, o Governo Federal lançou o Plano de Revitalização das Ferrovias Brasileiras, que estruturou ações de integração e adequação de toda

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS CONCESSIONÁRIAS 1- NOVOESTE Ferrovia Novoeste S.A. 2- FCA Ferrovia Centro-Atlântica S.A. 3- MRS MRS Logística S.A. 4- FTC Ferrovia Tereza Cristina S.A. 5- ALL

Leia mais

VII Seminário sobre Ferrovias Mobilização da Indústria para o Desenvolvimento do Setor Ferroviário. Edifício Sede FIESP São Paulo - SP 19/05/2010

VII Seminário sobre Ferrovias Mobilização da Indústria para o Desenvolvimento do Setor Ferroviário. Edifício Sede FIESP São Paulo - SP 19/05/2010 VII Seminário sobre Ferrovias Mobilização da Indústria para o Desenvolvimento do Setor Ferroviário Edifício Sede FIESP São Paulo - SP 19/05/2010 INFORMAÇÕES GERAIS FCA Com mais de 8 mil quilômetros de

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO NOVEMBRO DE 2016

TRANSPORTE FERROVIÁRIO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE FERROVIÁRIO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Perspectivas de Negócios em Infraestrutura. novembro 2013

Perspectivas de Negócios em Infraestrutura. novembro 2013 Perspectivas de Negócios em Infraestrutura novembro 2013 Brasil no Mundo Globalizado - Importação e exportação manufaturas, commodities e serviços; - Crescimento da economia e aumento do consumo nos países

Leia mais

OS ENTRAVES NA MULTIMODALIDADE E A COMPETITIVIDADE FERROVIAS E TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

OS ENTRAVES NA MULTIMODALIDADE E A COMPETITIVIDADE FERROVIAS E TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS OS ENTRAVES NA MULTIMODALIDADE E A COMPETITIVIDADE FERROVIAS E TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS São Paulo, 11 de maio de 2010 CONCESSÕES FERROVIÁRIAS ATUAIS E FUTURAS FERROVIAS SISTEMA DE BITOLA LARGA Prolongamento

Leia mais

RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS

RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS AGENDA 1 2 3 Situação atual Objetivos Benefícios Estratégia Conclusão Situação atual 3 Fabricantes de vagões de carga 2 Fabricantes de Locomotivas 70 Fabricantes

Leia mais

O BRASIL VIROU GENTE GRANDE E AGORA?

O BRASIL VIROU GENTE GRANDE E AGORA? O BRASIL VIROU GENTE GRANDE E AGORA? A Evolução da Movimentação de Carga no Brasil e no Mundo BRASIL Virando Gente Grande Movimentação do Comércio Exterior no Brasil 1990 = 50 bi 2000 = 110 bi 2004 = 160

Leia mais

Planos de Negócio das Ferrovias de Carga para 2011

Planos de Negócio das Ferrovias de Carga para 2011 01/11/010 Planos de Negócio das Ferrovias de Carga para 011 Planos de Negócio de Carga Geral das Ferrovias da Vale Fabiano Lorenzi AGENDA Logística da Vale Sistema Logístico Norte Sistema Logístico Sudeste

Leia mais

Siderurgia: realidade em duplicação no município de Marabá

Siderurgia: realidade em duplicação no município de Marabá Seminário Oportunidades de Investimentos no Pará Valor Econômico Siderurgia: realidade em duplicação no município de Marabá 02.12.2013 Ian Corrêa Vice-presidente O Aço Como Fator Estruturante das Economias

Leia mais

Concessões RODOVIAS FERROVIAS PORTOS AEROPORTOS

Concessões RODOVIAS FERROVIAS PORTOS AEROPORTOS Concessões RODOVIAS FERROVIAS PORTOS AEROPORTOS Retomada do Planejamento em Logística O Programa de Investimentos em Logística (PIL) é a integração de 2 ações de planejamento do Governo Federal nos últimos

Leia mais

55º Fórum Nacional de Secretários de Planejamento INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA

55º Fórum Nacional de Secretários de Planejamento INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA 55º Fórum Nacional de Secretários de Planejamento INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA Salvador/BA, 06 de Setembro de 2013 PREMISSA BÁSICA O setor de Transportes como catalisador do desenvolvimento nacional Estruturando

Leia mais

FERROVIA EF 267: TODOS JUNTOS PARA. Senhor Presidente, os defensores das ferrovias como o melhor modal para

FERROVIA EF 267: TODOS JUNTOS PARA. Senhor Presidente, os defensores das ferrovias como o melhor modal para Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 06/08/2013. FERROVIA EF 267: TODOS JUNTOS PARA TRONÁ-LA REALIDADE Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, É com muita

Leia mais

Infraestrutura de Santa Catarina para o Desenvolvimento

Infraestrutura de Santa Catarina para o Desenvolvimento Infraestrutura de Santa Catarina para o Desenvolvimento Ministério dos Transportes PAULO SÉRGIO PASSOS Ministro de Estado dos Transportes Florianópolis, 27 de fevereiro de 2013 ASPECTOS NACIONAIS INFRAESTRUTURA

Leia mais

FERROVIAS RESULTADOS 2007 A 2010 FERROVIAS SISTEMA DE BITOLA LARGA. Barcarena. Açailândia. Araguaína. Guaraí. Palmas. Sorriso. Luís Eduardo Magalhães

FERROVIAS RESULTADOS 2007 A 2010 FERROVIAS SISTEMA DE BITOLA LARGA. Barcarena. Açailândia. Araguaína. Guaraí. Palmas. Sorriso. Luís Eduardo Magalhães FERROVIAS 2007 A 2010 FERROVIAS SISTEMA DE BITOLA LARGA Concessão do Trecho Norte Ferrovia Norte-Sul Subtrecho Açailândia/MA-Palmas/TO Prolongamento Norte da Ferrovia Norte-Sul Barcarena/PA-Açailândia/TO

Leia mais

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Enaex Agosto, 2013 Luciano Coutinho Presidente 1 Brasil apresenta fundamentos compatíveis com o crescimento sustentável de Longo Prazo País possui

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia Política Nacional de Transportes Belém, 01 de setembro de 2015 Ministério dos Transportes - Competências Possui como principais

Leia mais

Expansão do Modal Ferroviário Vetores de Investimento e Projeto da Malha Paulista. Julio Fontana São Paulo, 28 de julho de 2016

Expansão do Modal Ferroviário Vetores de Investimento e Projeto da Malha Paulista. Julio Fontana São Paulo, 28 de julho de 2016 Expansão do Modal Ferroviário Vetores de Investimento e Projeto da Malha Paulista 1 Julio Fontana São Paulo, 28 de julho de 2016 AGENDA 1 EXPANSÃO DO MODAL FERROVIÁRIO vetores de investimento 2 PROJETO

Leia mais

FIESP - 8º Encontro de Logística e Transportes A Hora do Investimento Privado

FIESP - 8º Encontro de Logística e Transportes A Hora do Investimento Privado FIESP - 8º Encontro de Logística e Transportes A Hora do Investimento Privado Painel: Logística e Competitividade Mineração e Agronegócio: Superando Obstáculos para o Escoamento da Produção (São Paulo-SP,

Leia mais

NOVOS RUMOS DA FERROVIA NO BRASIL MODERNIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO

NOVOS RUMOS DA FERROVIA NO BRASIL MODERNIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO SEMINÁRIO PERMANENTE DE DESENVOLVIMENTO NOVOS RUMOS DA FERROVIA NO BRASIL MODERNIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO JAIME FERREIRA BARBOZA Superintendente de Planejamento VALEC - Engenharia, Construções e Ferrovias S.A.

Leia mais

Mercado Brasileiro de Vagões de Carga

Mercado Brasileiro de Vagões de Carga Mercado Brasileiro de Vagões de Carga Investimentos Usiminas Mecânica A) Modernização e Ampliação da Fundição ü Investimento de R$ 53 milhões; ü Instalação de moderna linha de moldagem automatizada; ü

Leia mais

Cargas a serem transportadas pelo São Francisco

Cargas a serem transportadas pelo São Francisco Seminário sobre a Hidrovia do São Francisco Cargas a serem transportadas pelo São Francisco Promoção ANTAQ Brasília 17 de abril de 2007 Antônio Alberto Valença Secretaria de Planejamento do Estado da Bahia

Leia mais

PROJETO NORDESTE COMPETITIVO

PROJETO NORDESTE COMPETITIVO PROJETO NORDESTE COMPETITIVO Anexo Lista de Eixos e Projetos Brasilia, Outubro de 2012 Este documento é confidencial e não pode ser fornecido a uma outra parte sem autorização da Macrologística Detalhamento

Leia mais

ZPE CEARÁ. A primeira a operar no Brasil. Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará. zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter.

ZPE CEARÁ. A primeira a operar no Brasil. Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará. zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter. ZPE CEARÁ A primeira a operar no Brasil Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter.com/zpeceara CONCEITO A ZPE Zona de Processamento de Exportação é uma área

Leia mais

LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL Reunião Pública. Novembro 2010

LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL Reunião Pública. Novembro 2010 LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL Reunião Pública Novembro 2010 1 1 As declarações contidas neste material sobre eventos futuros estão expostas a riscos e incertezas e sujeitas a alterações, decorrentes, entre

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Seminário Nacional IV Brasil nos Trilhos Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Nelson Siffert Área de Infraestrutura Brasília -Agosto/2010 O BNDES Evolução dos Ativos 386,6 R$ bilhões 277 151 152 164 175

Leia mais

O SR. JOSUÉ BENGTSON (PTB/PA) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, o

O SR. JOSUÉ BENGTSON (PTB/PA) pronuncia o. seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, o O SR. JOSUÉ BENGTSON (PTB/PA) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, o reaquecimento da economia brasileira a partir do ano passado, deixou em alerta todo o sistema produtivo

Leia mais

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE - ETENE INFORME INDÚSTRIA E SERVIÇOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE - ETENE INFORME INDÚSTRIA E SERVIÇOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE - ETENE INFORME INDÚSTRIA E SERVIÇOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE ANO IV Nº. 6 ABRIL 2010 2 O nosso

Leia mais

PLANO DE INVESTIMENTOS CFN 2008 / 2009

PLANO DE INVESTIMENTOS CFN 2008 / 2009 PLANO DE INVESTIMENTOS CFN 2008 / 2009 SÃO PAULO OUTUBRO DE 2007 COMPANHIA FERROVIÁRIA DO NORDESTE CFN RECUPERAÇÃO DA LINHA SUL ESTADO DE PERNAMBUCO E ALAGOAS RECUPERAÇÃO DA LINHA SUL DETALHAMENTO INICIO

Leia mais

Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário

Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário Guilherme Quintella Chairman UIC South America 13 de Setembro de 2012 UIC União Internacional de Ferrovias» Fundada em 1922 com sede em Paris»

Leia mais

Oportunidades para apoio ao desenvolvimento do Centro Oeste. 25 de junho de 2013.

Oportunidades para apoio ao desenvolvimento do Centro Oeste. 25 de junho de 2013. Oportunidades para apoio ao desenvolvimento do Centro Oeste. 25 de junho de 2013. O Estado de Goiás Goiás, uma das 27 unidades federativas, está situado na região Centro Oeste do País ocupando uma área

Leia mais

SEMINÁRIO DE FUNDIÇÃO

SEMINÁRIO DE FUNDIÇÃO SEMINÁRIO DE FUNDIÇÃO Fundição Mineira no Século XXI A Conquista da Excelência em Fundidos Afonso Gonzaga Presidente do SIFUMG Março de 2005 FUNDIÇÃO MINEIRA NO SÉCULO XXI Conteúdo NÚMEROS DO SETOR ANÁLISE

Leia mais

Desafios no aumento de eficiência na Logística de petróleo e derivados no país

Desafios no aumento de eficiência na Logística de petróleo e derivados no país Desafios no aumento de eficiência na Logística de petróleo e derivados no país 2 O mercado brasileiro de derivados possui uma concentração na costa litorânea e no sul sudeste do país e o potencial de crescimento

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Maio 2015

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Maio 2015 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Maio 2015 O Açu é uma solução estruturante para diversas indústrias Exemplo: evolução da indústria do petróleo nos próximos anos Crescimento esperado de 13% ao ano Crescimento

Leia mais

AUTOR: LEONARDO SOUZA SOARES LEONARDO SOUZA

AUTOR: LEONARDO SOUZA SOARES LEONARDO SOUZA AUTOR: LEONARDO SOUZA SOARES Apresentar proposta de classificação de vias em âmbito nacional, de forma a permitir padronização de conceitos entre as diversas ferrovias brasileiras. Normas e conceitos mundiais;

Leia mais

III VALEC VALEC SUMÁRIO. Constituição Competências

III VALEC VALEC SUMÁRIO. Constituição Competências Gramado 2013 SUMÁRIO I VALEC Constituição Competências II III Estudos e Projetos Panorama/Chapecó Chapecó/Rio Grande Itajaí /Chapecó/Dionísio Cerqueira Lucas do Rio Verde/Vilhena Vilhena/Porto Velho Obras

Leia mais

O NOSSO PORTO. O NOSSO FUTURO.

O NOSSO PORTO. O NOSSO FUTURO. www.portodecaio.ao O NOSSO PORTO. O NOSSO FUTURO. INTRODUÇÃO Bem-vindo ao projecto Porto de Caio, a porta de entrada para o comércio na África. A instalação portuária de classe mundial, parte integral

Leia mais

RESULTADOS DO 3º TRIMESTRE DE Rio de Janeiro Novembro 2012

RESULTADOS DO 3º TRIMESTRE DE Rio de Janeiro Novembro 2012 RESULTADOS DO 3º TRIMESTRE DE 2012 Rio de Janeiro Novembro 2012 DESTAQUES DO TRIMESTRE Emissão de R$ 750 milhões em debêntures Contratante: LLX Açu Operações Portuárias Valor: R$ 750 milhões Prazo: 15

Leia mais

SECRETARIA DOS TRANSPORTES CENÁRIOS DA INFRAESTRUTURA DO RS

SECRETARIA DOS TRANSPORTES CENÁRIOS DA INFRAESTRUTURA DO RS SECRETARIA DOS TRANSPORTES ST CENÁRIOS DA INFRAESTRUTURA DO RS CENÁRIOS INFRAESTRUTURA DO RIO GRANDE DO SUL Cenário encontrado e dificuldades Estradas em más condições 76 municípios sem acesso asfáltico

Leia mais

Organização do Território

Organização do Território Organização do Território 1. No século XXI, a participação do Produto Interno Bruto (PIB) do Nordeste no PIB brasileiro vem aumentando paulatinamente, o que indica que a região passa por um ciclo de crescimento

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Tabela 1 Valor exportado do agronegócio brasileiro

1 INTRODUÇÃO. Tabela 1 Valor exportado do agronegócio brasileiro 1 INTRODUÇÃO O Brasil encontra-se num ambiente favorável de crescimento econômico nos últimos anos. A economia brasileira tem como principais forças o comércio, o setor industrial e o agronegócio. O agronegócio,

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PARA O SETOR METROFERROVIÁRIO

RECURSOS HUMANOS PARA O SETOR METROFERROVIÁRIO RECURSOS HUMANOS PARA O SETOR METROFERROVIÁRIO Módulo I Apresentação do Setor Engº Henrique José Boneti TIISA SA MATRIZ de TRANSPORTES de CARGA Ano 2000 (%)* Ano 2006 (%)** PNLT 2023 Rodoviário 60,49 58

Leia mais

ZONA DE PROCESSAMENTO DE EXPORTAÇÃO - ZPE

ZONA DE PROCESSAMENTO DE EXPORTAÇÃO - ZPE ZONA DE PROCESSAMENTO DE EXPORTAÇÃO - ZPE O Que é uma ZPE? Áreas delimitadas, especialmente designadas a indústrias exportadoras, nas quais estas usufruem de regimes tributário e cambial diferenciados,

Leia mais

Necessidades de Infraestrutura Logística para o Setor de Celulose e Papel Apresentação à Câmara Setorial de Florestas Plantadas

Necessidades de Infraestrutura Logística para o Setor de Celulose e Papel Apresentação à Câmara Setorial de Florestas Plantadas Necessidades de Infraestrutura Logística para o Setor de Celulose e Papel Apresentação à Câmara Setorial de Florestas Plantadas Brasília, Agosto de 2010 Agenda Importância do setor do papel A logística

Leia mais

Portos do Paraná anunciam R$ 5,1 bilhões em investimentos privados

Portos do Paraná anunciam R$ 5,1 bilhões em investimentos privados Comércio exterior, logística, portos, transportes, indústrias, serviços, negócios e economia. Home Anuncie Institucional Fale Conosco Assinatura Pesquisar no site... Home» Destaque, Novidade Portos do

Leia mais

Departamento de Eng. Produção. Estradas de Ferro Introdução

Departamento de Eng. Produção. Estradas de Ferro Introdução Departamento de Eng. Produção Estradas de Ferro Introdução Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 História 3 Provas ou 2 Provas (individual) 1 Trabalho ou 2

Leia mais

O TRANSPORTE DO ETANOL PELA HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ

O TRANSPORTE DO ETANOL PELA HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ O TRANSPORTE DO ETANOL PELA HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ Câmara dos Deputados 2º Seminário de Portos e Vias Navegáveis 22/09/2011 Agenor Junqueira Diretor de Transporte Marítimo Projeção do Aumento da FROTA ANO

Leia mais

Os desafios tecnológicos voltados à logística florestal frente ao crescimento do setor. Wagner H. Itria Jr. Gerente Executivo Florestal

Os desafios tecnológicos voltados à logística florestal frente ao crescimento do setor. Wagner H. Itria Jr. Gerente Executivo Florestal Os desafios tecnológicos voltados à logística florestal frente ao crescimento do setor Wagner H. Itria Jr. Gerente Executivo Florestal 1 Agenda A Suzano Papel e Celulose e seu Ciclo de Crescimento Polos

Leia mais

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades Ferrovias OBJETIVOS Ferrovias Novo modelo de investimento/exploração das ferrovias Quebra do monopólio na oferta de serviços de transporte ferroviário Expansão, modernização e integração da malha ferroviária

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Infraestrutura e os Corredores de Escoamento da Produção Agrícola nos Corredores Centro

Infraestrutura e os Corredores de Escoamento da Produção Agrícola nos Corredores Centro Infraestrutura e os Corredores de Escoamento da Produção Agrícola nos Corredores Centro Oeste e Centro Norte do País Investimentos em Hidrovias, Ferrovias e Portos Senado Federal, 18 de maio de 2012 Engº

Leia mais

História Ferroviária

História Ferroviária História Ferroviária A Estrada de Ferro em SC E. F. Tereza Cristina Felisberto Caldeira Brant Pontes consegue em 1874 a concessão para a construção da ferrovia. A Estrada de Ferro The Donna Thereza Christina

Leia mais

Clique para editar o estilo. Clique para editar os estilos do texto mestre Segundo nível Terceiro nível Quarto nível Quinto nível

Clique para editar o estilo. Clique para editar os estilos do texto mestre Segundo nível Terceiro nível Quarto nível Quinto nível 1 Agenda Clique para editar o estilo 1. Institucional ALL 2. Rotas de Atuação Container 3. Histórico / Projeção 2009 4. Características Mercado / Estratégia Atuação 5. Próximos Passos 1. Institucional

Leia mais

PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006

PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006 PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006 1. Introdução 2. Sistema Ferroviário no Brasil 3. Avaliação dos Principais Corredores Ferroviários 4. Avaliação do Nível de Serviço 5. Conclusões Objetivos Identificar as

Leia mais

TRENS DE ALTA VELOCIDADE

TRENS DE ALTA VELOCIDADE TRENS DE ALTA VELOCIDADE LINHA RIO SÃO PAULO OS PROJETOS AVALIADOS TRANSCORR RSC, desenvolvido sob a coordenação do GEIPOT (empresa vinculada ao MT, atualmente em processo de liquidação), com recursos

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Desafios e Oportunidades do Setor de Petróleo e Gás Natural na próxima década

Desafios e Oportunidades do Setor de Petróleo e Gás Natural na próxima década Desafios e Oportunidades do Setor de Petróleo e Gás Natural na próxima década Roberto Gonçalves Gerente Executivo da Engenharia da Petrobras 8º Encontro Nacional do Prominp 23 de Novembro-São Luis, MA

Leia mais

IV Brasil nos Trilhos

IV Brasil nos Trilhos IV Brasil nos Trilhos Crescimento do Setor Ferroviá Bruno Batista Diretor Executivo CNT Brasília, 11 de agosto de 2010. Objetivos da Pesquisa Identificar as alterações ocorridas no setor nos últimos anos

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE Plataforma Logística Multimodal de Salgueiro Espaço de concentração geográfica de organismos e empresas independentes, relacionadas com: Transporte de

Leia mais

PORTOS E DESENVOLVIMENTO REGIONAL:

PORTOS E DESENVOLVIMENTO REGIONAL: PORTOS E DESENVOLVIMENTO REGIONAL: ALTERNATIVAS ENTRE GATEWAY E PORTO INDÚSTRIA Fernando Seabra Florianópolis, Nov 2016 A. Smith (1776) afirma: Através do transporte marítimo, uma determinada indústria

Leia mais

Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte

Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte Prof. Manoel de Andrade e Silva Reis - FGV 1 Sumário Matriz Brasileira de Transportes Características do Sistema Logístico Brasileiro O Plano

Leia mais

Diálogos Capitais Portos Infraestrutura e Logística para o Desenvolvimento do Nordeste 28 de Janeiro de 2014

Diálogos Capitais Portos Infraestrutura e Logística para o Desenvolvimento do Nordeste 28 de Janeiro de 2014 Diálogos Capitais Portos Infraestrutura e Logística para o Desenvolvimento do Nordeste 28 de Janeiro de 2014 Aluisio Sobreira Diretor Associação de Comércio Exterior do Brasil - AEB O papel da infraestrutura

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL: Avanços e investimentos pós-concessões

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL: Avanços e investimentos pós-concessões Miguel Andrade Comitê de Planejamento da ANTF São Paulo, 12 de maio de 2011 TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL: Avanços e investimentos pós-concessões www.antf.org.br Associadas ANTF Malhas Sul,

Leia mais

Exportação de Frutas e Derivados

Exportação de Frutas e Derivados Exportação de Frutas e Derivados A Importância da Logística e do Transporte Profª Paola Piedrabuena O Brasil é um dos três maiores produtores de frutas. Atrás apenas da China e da Índia 5% da produção

Leia mais

Secretaria de Portos. Ministério dos Transportes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Secretaria de Portos. Ministério dos Transportes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de s Ministério dos Transportes Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Principais Corredores para Escoamento da Safra de Grãos CE Velho PE RN PB SE AL Salvador Ilhéus Hidrovias

Leia mais

MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES. ROAD SHOW LEILÃO 700MHz

MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES. ROAD SHOW LEILÃO 700MHz MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES ROAD SHOW LEILÃO 700MHz INDICADORES DE AMBIENTE 2 POPULAÇÃO BRASILEIRA divisão demográfica Região Norte 16,9 milhões de habitantes Região Nordeste 55,8 milhões de habitantes

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES HIDROVIA DO PARNAÍBA

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES HIDROVIA DO PARNAÍBA MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES HIDROVIA DO PARNAÍBA HIDROVIA DO PARNAÍBA Administração das Hidrovias do Nordeste Utilização dos rios Parnaíba e Balsas, para o transporte de cargas e passageiros, utilizando-se

Leia mais

Perspectivas Mundiais dos Biocombustíveis

Perspectivas Mundiais dos Biocombustíveis Perspectivas Mundiais dos Biocombustíveis Sillas Oliva Filho Maio, 2007 Petrobras e os Biocombustíveis Uso dos Biocombustíveis no Mundo Motivação para os Biocombustíveis Atividades da Petrobras nos Biocombustíveis

Leia mais

Gargalos logísticos e perspectivas

Gargalos logísticos e perspectivas Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Gargalos logísticos e perspectivas Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia ABN AMRO São Paulo SP 26 de janeiro de 2015 1 Produção de grãos cada vez

Leia mais

Apresentação do Estudo Básico de Viabilidade da Ferrovia Transcontinental Brasil-Peru

Apresentação do Estudo Básico de Viabilidade da Ferrovia Transcontinental Brasil-Peru Apresentação do Estudo Básico de Viabilidade da Ferrovia Transcontinental Brasil-Peru Estudo Básico de Viabilidade da Ferrovia Transcontinental Capítulo 1 Introdução Índice Capítulo 2 Aspectos analisados

Leia mais

IV Simpósio de Infraestrutura Metroviária, Ferroviária e Rodoviária. Assunto: Programa de Integridade Estrutural da Estrada de Ferro Carajás

IV Simpósio de Infraestrutura Metroviária, Ferroviária e Rodoviária. Assunto: Programa de Integridade Estrutural da Estrada de Ferro Carajás IV Simpósio de Infraestrutura Metroviária, Ferroviária e Rodoviária Assunto: Programa de Integridade Estrutural da Estrada de Ferro Carajás Tópico: Segurança e Condições de Serviço Autores: Engº João Alberto

Leia mais

INFRA ESTRUTURA. Unidade de Estudos Econômicos

INFRA ESTRUTURA. Unidade de Estudos Econômicos INFRA ESTRUTURA Unidade de Estudos Econômicos Vendas de Combustíveis - 2003 - (m 3 ) Fonte: ANP Brasil Rio Grande do Sul ÓLEO DIESEL 36.583.949 2.635.789 GASOLINA 21.539.654 1.794.099 GLP 11.385.310 789.869

Leia mais

LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL. Setembro 2009

LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL. Setembro 2009 LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL Setembro 2009 1 As declarações contidas neste material sobre eventos futuros estão expostas a riscos e incertezas e sujeitas a alterações, decorrentes, entre outros fatores:

Leia mais

Discurso proferido pelo Deputado COSTA FERREIRA. Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, Juros altos, controle da inflção, ampliação do comércio

Discurso proferido pelo Deputado COSTA FERREIRA. Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, Juros altos, controle da inflção, ampliação do comércio 1 Para que a economia nacional prospere e se sustente é necessário investir em infra-estrutura. Apresento nesse discuro a prioriodade de tratamento às modalidades de transporte, principalmente rodoviário

Leia mais

ALL AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA INICIATIVAS E INVESTIMENTOS NO ESTADO DE SÃO PAULO

ALL AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA INICIATIVAS E INVESTIMENTOS NO ESTADO DE SÃO PAULO Projeto Trainee ALL AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA INICIATIVAS E INVESTIMENTOS NO ESTADO DE SÃO PAULO 1 AGENDA PARTICIPAÇÃO DO MODAL FERROVIÁRIO PORTO DE SANTOS PROJETOS DE EXPANSÃO DO MODAL MALHA NORTE DUPLICAÇÃO

Leia mais

Fernando Fonseca. Diretor Geral Substituto

Fernando Fonseca. Diretor Geral Substituto Fernando Fonseca Diretor Geral Substituto São Paulo, 24 de fevereiro de 2016 Concessão Porto Organizado Total/Parcial de Porto Organizado = Flexibilidade do modelo Direito de exploração de Instalação Portuária

Leia mais

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012 BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012 Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF São Paulo, 03 de Abril de 2013 Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista www.all-logistica.com Ferrovia

Leia mais

AVISO DE INTENÇÃO PRIMEIRO AVISO

AVISO DE INTENÇÃO PRIMEIRO AVISO AVISO DE INTENÇÃO PRIMEIRO AVISO A CCX Colômbia S.A. (doravante CCX ) informa à opinião pública que, de acordo com a Lei 1ª de 1991 e demais normas regulamentares, solicitará à Agência Nacional de Infraestrutura

Leia mais

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Objetivo Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Fim das barreiras à entrada Estímulo à expansão dos investimentos do setor privado Modernização da infraestrutura e da gestão

Leia mais

Uma empresa de logística integrada que proverá soluções de transporte e armazenagem para a Indústria de Açúcar na Região Centro-Sul do Brasil

Uma empresa de logística integrada que proverá soluções de transporte e armazenagem para a Indústria de Açúcar na Região Centro-Sul do Brasil Confidencial 1 RUMO Logística Uma empresa de logística integrada que proverá soluções de transporte e armazenagem para a Indústria de Açúcar na Região Centro-Sul do Brasil Usinas Terminais Ferrovia Porto

Leia mais

Órgãos de desenvolvimento regional: Nordeste: SUDENE (1959); Norte: SUDAM (1966); Centro-Oeste: SUDECO (1967); Sul: SUDESUL (1967).

Órgãos de desenvolvimento regional: Nordeste: SUDENE (1959); Norte: SUDAM (1966); Centro-Oeste: SUDECO (1967); Sul: SUDESUL (1967). Prof. Clésio Revolução de 1930 implementação das indústrias de base e fortalecimento das indústrias de bens de consumo (Sudeste); Governo JK (1956-1961) concentração espacial da indústria no Sudeste

Leia mais

A Cabotagem como Alternativa para o Transporte de Cargas

A Cabotagem como Alternativa para o Transporte de Cargas A Cabotagem como Alternativa para o Transporte de Cargas Sul: Região de opções em terminais portuários Santos* Paranaguá Itapoá São Francisco do Sul Navegantes Itajaí Imbituba Rio Grande *Santos: Santos

Leia mais

MMX: CRIANDO ALTERNATIVAS NO FORNECIMENTO TRANSOCEÂNICO DE MINÉRIO DE FERRO. Rio de Janeiro Janeiro de 2012

MMX: CRIANDO ALTERNATIVAS NO FORNECIMENTO TRANSOCEÂNICO DE MINÉRIO DE FERRO. Rio de Janeiro Janeiro de 2012 MMX: CRIANDO ALTERNATIVAS NO FORNECIMENTO TRANSOCEÂNICO DE MINÉRIO DE FERRO Rio de Janeiro Janeiro de 2012 AVISO Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia

Leia mais

Sistema de Custos Operacionais Ferroviários S I C O F

Sistema de Custos Operacionais Ferroviários S I C O F Sistema de Custos Operacionais Ferroviários S I C O F Superintendência de Infraestrutura e Serviços de Transporte Ferroviário de Cargas - SUFER Roteiro 1. Investimentos em Infraestrutura Ferroviária 2.

Leia mais

Ações do SEBRAE Agreste de Pernambuco

Ações do SEBRAE Agreste de Pernambuco Ações do SEBRAE Agreste de Pernambuco Comissão de Desenvolvimento Regional - Turismo do Senado Federal - CDR Caruaru PE/ACIC Aloísio Ferraz Diretor técnico SEBRAE/PE aloisioferraz@pe.sebrae.com.br Aumento

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016 Apoio do BNDES à Infraestrutura Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016 BNDES Desembolsos do BNDES Infraestrutura representa mais de 1/3 R$ bilhões 168

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA OTIMIZAÇÃO DE EMISSÕES CMTE. LAERT S. GOUVÊA

A IMPORTÂNCIA DA OTIMIZAÇÃO DE EMISSÕES CMTE. LAERT S. GOUVÊA A IMPORTÂNCIA DA OTIMIZAÇÃO DE OPERAÇÕES PARA REDUÇÃO DE EMISSÕES CMTE. LAERT S. GOUVÊA 1 PALESTRANTE: Laert S. Gouvêa Piloto de Linha Aérea: Piloto e instrutor de A 319, A 320 e A 321 na TAM Linhas Aéreas

Leia mais

Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável do Tocantins

Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável do Tocantins Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável do Tocantins Novembro 2015 1 Logística 2 Logística 3 Logística 4 Logística 5 Logística 6 Logística 7 Logística 8 Logística 9 Modais Comparativo

Leia mais

A crise econômica internacional: consequências e oportunidades para o Brasil

A crise econômica internacional: consequências e oportunidades para o Brasil A crise econômica internacional: consequências e oportunidades para o Brasil CEDES - Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico e Social - PE Recife, 27 de julho de 2009 Luciano Coutinho O Brasil está

Leia mais