Escolha, utilização e novas possibilidades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escolha, utilização e novas possibilidades"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE LETRAS ESTRANGEIRAS MODERNAS CURSO DE LETRAS - LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA MÁRCIA MARIA DE SOUZA O RESSOAR DA MÚSICA NAS AULAS DE INGLÊS: Escolha, utilização e novas possibilidades JOÃO PESSOA - PB MARÇO DE 2014

2 MÁRCIA MARIA DE SOUZA O RESSOAR DA MÚSICA NAS AULAS DE INGLÊS: Escolha, utilização e novas possibilidades Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Licenciatura de Letras em Língua Inglesa, da Universidade Federal da Paraíba, como requisito parcial para obtenção do título de Licenciada em Letras - Língua Inglesa, sob a orientação da Profª Drª Poliana Dayse Vasconcelos Leitão. JOÃO PESSOA- PB MARÇO DE 2014

3 S729r Souza, Márcia Maria de. O ressoar da música nas aulas de inglês: escolha, utilização e novas possibilidades / Márcia Maria de Souza.-- João Pessoa, f. Orientadora: Poliana Dayse Vasconcelos Leitão Trabalho de Conclusão de Curso - TCC (Graduação) UFPB/CCHL 1. Língua inglesa e música. 2. Música - motivação - aprendizagem - língua inglesa. 3. Música na sala de aula. UFPB/BC CDU: 802.0:78(043.2)

4 O RESSOAR DA MÚSICA NAS AULAS DE INGLÊS: escolha, utilização e novas possibilidades Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Letras em Língua Inglesa da UFPB, como requisito parcial à obtenção do grau de licenciatura em Letras Inglês. Aprovada em: 18 de março de Banca Examinadora: Profª Drª Poliana Dayse Vasconcelos Leitão (Orientadora) Profª Drª Carla Lynn Reichmann (Examinadora) Profª Ms Mariana Perez Gonçalves da Silva (Examinadora)

5 Dedico este trabalho à minha mãe, meu irmão e meus amigos.

6 Como o amor, o apelo da música é universal. E seus ritmos expressam todas as estações da alma. O homem não sabe o que diz o pássaro ou o córrego ou as ondas ou a chuva. Mas seu coração percebe misteriosamente o sentido de todas essas vozes, que ora o alegram, ora o entristecem. (Khalil Gibran, A Música)

7 AGRADECIMENTOS Agradeço, primeiramente, a Deus, por ter me dado a vida e por ter permitido que eu cursasse o curso de Letras. Agradeço imensamente à minha mãe e ao meu irmão por todo apoio, ajuda e companhia. Agradeço muito a todos os meus amigos, em especial à Bianca, minha grande amiga ao longo de todo o curso, à Paloma, por toda ajuda logo no começo dos meus estudos na universidade, à Avena que me indicou para minha primeira experiência como docente, à Taís, por me ajudar na coleta de dados, à Iara, pela companhia. Enfim, a todos os meus amigos presentes ou distantes, mas sempre em minha memória. Agradeço também à professora Poliana por me orientar tão bem neste trabalho, à professora Célia que tanto me incentivou a fazer parte desta profissão incrível, a todos os professores dos quais eu tive o privilégio de ser aluna desde os mais tenros anos de vida. Aos professores e escolas que abriram mão de seu tempo para participarem desta pesquisa, sem vocês este trabalho ficaria incompleto. Agradeço a todos que direta ou indiretamente me ajudaram ao longo desses anos dentro e fora da universidade, pois acredito que todos nós somos interligados e que de alguma forma nossas ações interferem na vida de cada ser existente na Terra. A todos, agradeço de coração e peço que sejam recompensados da mesma maneira. A todos, os meus eternos agradecimentos.

8 RESUMO A música, por ser um gênero textual que circula em vários ambientes, muitas vezes é uma grande motivadora para a aprendizagem de língua estrangeira, isto porque desperta a atenção e provoca curiosidade em conhecer o significado da letra da música. A música possui ainda a vantagem de ser um material que tem certa autenticidade, pois não sofre muitas alterações para tornar-se mais compreensível para os alunos. Muito se discute sobre a importância da música nas aulas de língua inglesa, porém pouco se sabe em relação a como ela é selecionada e trabalhada pelos professores, a forma como os alunos reagem a este uso e acerca das dificuldades envolvidas neste trabalho. Sendo assim, este trabalho tem como principal objetivo investigar como a música é usada na sala de aula, buscando identificar os objetivos e critérios estabelecidos pelos professores ao escolherem as canções, assim como as maneiras como o professor utiliza a música, os resultados e as dificuldades advindos do uso da música em sala de aula e também sugerir uma atividade que busca utilizar a música considerando não apenas a letra mas também a melodia. Para tanto realizamos uma pesquisa de campo, de caráter exploratório, na qual foi aplicado um questionário e em seguida foi realizada uma entrevista com os participantes. O mesmo questionário ficou disponível online, sendo respondido por professores que não foram entrevistados devido sua participação à distância. Com a análise dos dados, foi possível constatar que a música, nas aulas de inglês, ainda é considerada como um passatempo, como defende Gobbi (2001), e também como um pretexto para ensinar gramática, vocabulário ou listening, se distanciando da proposta de Costa (2005), que sugere um trabalho mais abrangente com a música. PALAVRAS - CHAVE: Música. Gênero textual. Língua inglesa.

9 ABSTRACT Music, due to the fact that it is a textual genre which circulates in various places, many times is a great motivator to learn foreign language, this because evokes attention and causes curiosity to know the meaning of the lyrics. Music also has the advantage of being a material which has a certain authenticity, because it does not suffer many modifications to become more comprehensible to students. Much has been discussed about the importance of music in English classes, nevertheless, little is known in relation to how it is selected and used by teachers, how students react to its use in the classroom and about the difficulties involved in this. This way, this paper aims to investigate how music is used in the classroom, by identifying the objectives and criteria established by teachers when they choose songs, as well as the ways how the teacher uses music, the results and difficulties of the use of music in the classroom and also suggest an activity which aims use music considering not only the lyrics but also the melody. To achieve this, we carried out a field research, with an exploratory approach, in which a questionnaire was applied and after this an interview was made with the participants. The same questionnaire was available online, being answered by teachers who were not interviewed because of their distance participation. With the data analysis, was possible to verify that music, in English classes, is still considered as a pastime, as defends Gobbi (2001), and also as a pretext to teach grammar, vocabulary or listening, drifting away from the proposal of Costa (2005), who suggests a more comprehensive use of music. KEYWORDS: Music. Textual Genre. English Language.

10 LISTA DE GRÁFICOS E TABELA Tabela 1:Quadro resumo do perfil dos professores...38 Gráfico 1: Uso da música em sala de aula...41 Gráfico 2: Razões para o uso da música em sala de aula...42 Gráfico 3: Recursos utilizados...43 Gráfico 4: Frequência de uso da música em sala...46 Gráfico 5: Estilos de música...49 Gráfico 6: Objetivos dos professores ao utilizarem músicas...51 Gráfico 7: Critérios estabelecidos pelos professores para escolha de canções...52 Gráfico 8: Atividades realizadas com música...53 Gráfico 9: Dificuldades no trabalho com música...57

11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO NÃO EXISTE O EU SEM O OUTRO: A IMPORTÂNCIA DAS LÍNGUAS ESTRANGEIRAS Por que inglês? O predomínio do ensino da língua inglesa em relação às outras línguas Entre teoria e prática: as principais concepções de ensino e aprendizagem de língua estrangeira MÚSICA: DA COMPOSIÇÃO À APRESENTAÇÃO Por que usar música? Tirando a música do silêncio: como trabalhar a música em sala de aula A música nas aulas de inglês: um gênero que se transforma ANÁLISE DOS DADOS: ENTRE RUÍDOS E HARMONIAS UMA NOTA RESSOA MUDANÇA Professores como co-compositores do conhecimento: o perfil dos participantes Sintonizando-se com o gênero: o uso da música Do som para as letras: objetivos e critérios Preenchendo as lacunas do ensino de LI: atividades com a música Notas destoantes: as principais dificuldades ao trabalhar com música Fazendo dos ruídos uma possibilidade para uma nova canção: sugestão de atividade CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS APÊNDICES... 73

12 11 INTRODUÇÃO Com a globalização, o mundo está cada vez mais interligado. É impossível negar a convivência que temos com uma língua estrangeira, principalmente a língua inglesa, que está em nomes de estabelecimentos comerciais, como a palavra shopping, por exemplo. Termos de informática, como mouse, internet, também são palavras do inglês que foram incorporadas à língua portuguesa. Há centenas de produtos advindos do exterior e escritos nesse idioma; vocábulos relacionados à alimentação, por exemplo, hot dog, milkshake, cookies, cupcake, entre outros, podem ser vistos se vamos ao supermercado. Resumindo, existem inúmeros exemplos que podem comprovar que a língua estrangeira está bem presente em nosso dia a dia. Também é visível o fato que saber vários idiomas contribui para a obtenção de um melhor cargo e de melhores remunerações, assim como auxilia em viagens, leitura de artigos para pesquisa, e tantas outras vantagens. Porém, a importância do ensino de língua estrangeira não pode ser restrita ao fato de possibilitar uma utilidade prática. O ensino de língua estrangeira contribui muito mais ampla e significativamente para o desenvolvimento do indivíduo, pois é um instrumento importante para a formação de cidadãos, dando-lhes independência para saber usar a língua em qualquer situação e ensinando-lhes a respeitar a cultura do outro assim como a valorizar a sua própria. Além de produtos estrangeiros e de palavras em outro idioma, músicas estrangeiras também estão muito presentes no nosso cotidiano. Elas circulam nos meios de comunicação, nas ruas, nas lojas, ou em vários outros ambientes. Sendo assim, dependendo da canção, é possível que o contato com ela ocorra várias vezes, o que facilita uma maior exposição ao idioma. Mesmo que o ouvinte não entenda o que está sendo dito, pode se interessar pela música e cantá-la. Além disso, a melodia de uma música 1 pode despertar a atenção, os sentimentos, acalmar, relaxar, inspirar, contagiar e, muitas vezes, interligar o idioma e o aprendiz, que, na tentativa de entender o que fala a letra da canção, começa a se interessar em aprender a língua estrangeira. 1 Neste trabalho, adota-se a concepção de música como sendo um gênero textual constituído de letra e melodia e defende-se que esses dois aspectos sejam trabalhados em conjunto na sala de aula.

13 12 Em meio a várias barreiras que afastam o aprendiz da língua estrangeira, podese imaginar que o aluno está em uma margem do processo de ensino-aprendizagem e a língua estrangeira em outra e que, para interligá-los, existe a música estrangeira que faz a ponte, conduzindo, como um maestro, o aprendiz ao conhecimento de uma nova língua. Logo, é impossível não considerar a música como uma ponte capaz de guiar o aprendiz rumo a outro idioma. Este fato fundamenta a justificativa para este trabalho, pois a música é uma excelente ferramenta para o ensino da língua inglesa assim como de outras línguas estrangeiras, pois uma entre tantas outras vantagens, é que a música é lúdica e possibilita aulas mais dinâmicas. E muito se defende que o ensino de qualquer saber fica mais interessante para o aluno quando feito de forma dinâmica, utilizando a realidade deste como base para se construir conhecimentos, e a música, entre outras atividades, é uma maneira de tornar a aula mais atrativa e motivar os alunos. Assim, quanto mais se conhecer sobre esta ferramenta, melhor seu proveito em sala de aula. Em geral, em sala de aula, ainda é muito presente o estilo tradicional no ensino de língua inglesa, com aulas expositivas, cópias de conteúdo no quadro, repetições de regras gramaticais ou de frases prontas. E isso se reflete até mesmo quando se tenta modificar o estilo da aula: é como se ainda ficassem resquícios do expositivo. A música, por exemplo, pode ser trabalhada das mais variadas formas, porém, na maioria das vezes, é usada apenas como pretexto para explicar algum conteúdo gramatical, para passar o tempo, preencher lacunas, traduzir. Ou seja, o tradicional ainda permanece mesmo quando se poderia fugir dele. Pode-se justificar este posicionamento pelo fato de muitos docentes não terem um conhecimento musical muito ampliado e isso limita um trabalho mais eficiente com música. Muito se tem discutido sobre a importância da música em sala de aula de língua estrangeira e de outras disciplinas. Pereira (2007) aborda as crenças dos docentes ao trabalhar com música; Vicentini e Basso (2008) falam da possibilidade de se ensinar inglês através de canções e da eficácia do uso desse material didático; Gomes (2012) investiga o ensino crítico através das músicas; Santos e Pauluk (2008) também abordam a formação crítica e aquisição da língua por meio das canções; Lima (2010) discute o aspecto cultural das músicas; Francisco (2007) estuda como a música facilita o aprendizado da língua inglesa; Gomes e Chaves (2009), assim como Woyciechowski

14 13 (2005), através de relatos de experiências, contam como a música pode ser um material didático para motivar os alunos. Porém, pouco se sabe sobre como o professor escolhe as músicas e como trabalha com elas. Sendo assim, nossas questões de pesquisa buscam descobrir como as músicas são trabalhadas, que fatores interferem nesse trabalho, assim como na escolha das canções, além das barreiras encontradas e quais os benefícios ao se utilizar este material nas aulas de língua inglesa. Portanto, este trabalho tem como objetivo geral: investigar como a música é abordada no processo de ensino e de aprendizagem da língua inglesa. E como objetivos específicos: identificar quais são os objetivos e os critérios que o docente estabelece ao escolher uma música; enumerar as formas utilizadas pelo professor para abordar canções em salas de aula; identificar as dificuldades mais recorrentes e os principais resultados ao se trabalhar com música; sugerir uma atividade que trabalhe a música abordando letra e melodia. Para tanto, foi realizada uma pesquisa de campo, interpretativista, qualiquantitativa e de caráter exploratório. Os professores participantes ministravam aulas em escolas das seguintes esferas: públicas, particulares e de idiomas. Salienta- se que os professores participaram da pesquisa de forma presencial ou à distância. Os dados foram coletados através de questionários e entrevistas. Como o foco deste trabalho está em conhecer como a música é abordada nas aulas de língua inglesa, faz-se necessário trazer um breve panorama falando primeiramente da importância das línguas estrangeiras em geral e posteriormente da língua inglesa, em seguida elenca-se as principais concepções de ensino das línguas estrangeiras. Ambos assuntos serão discutidos no primeiro capítulo. No capítulo seguinte, aborda-se a música como gênero textual, sua importância na sala de aula, como ela deve ser utilizada e como ela é, de fato, utilizada nas aulas de língua inglesa. No terceiro capítulo, realiza-se a análise dos dados e sugere-se uma atividade com

15 música que busca fugir das atividades convencionais. Logo após, apresenta-se as considerações finais. 14

16 1. NÃO EXISTE O EU SEM O OUTRO: A IMPORTÂNCIA DAS LÍNGUAS ESTRANGEIRAS A língua estrangeira traz vários benefícios para o aprendiz: contribui para a memória, pois à medida que aprende algo novo o cérebro é estimulado (KATZ; RUBIN, 2000, p. 31); aumenta as chances de um melhor emprego e de melhores remunerações; amplia nosso conhecimento de mundo, já que através dela se pode conhecer novos países e consequentemente novas culturas, auxilia nos estudos, entre tantas outras vantagens. Porém, muitos consideram que aprender outro idioma é sinal de que não se valoriza a sua própria língua, entretanto, ocorre justamente o inverso. Como afirmam os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN): O distanciamento proporcionado pelo envolvimento do aluno no uso de uma língua diferente o ajuda a aumentar sua autopercepção como ser humano e cidadão. Ao entender o outro e sua alteridade, pela aprendizagem de uma língua estrangeira, ele aprende mais sobre si mesmo e sobre um mundo plural, marcado por valores culturais diferentes e maneiras diversas de organização política e social (BRASIL, 1998, p. 19). Um papel importante da língua estrangeira é fazer com que ao aprender sobre outras culturas, o aprendiz perceba-se como cidadão. Ou seja, além de aprender sobre outras culturas, o aluno aprende sobre a própria cultura. E, tendo noção da sua cultura, o aluno é capaz de se perceber como cidadão. Ao conhecer outras culturas, os alunos podem perceber que não existem comportamentos, costumes ou culturas melhores ou piores, como afirma Alvarez (2012): Ao conhecermos outros modos de categorizar a realidade, poderemos saber que a forma de categorização própria da nossa cultura não é universalmente válida, que ela é apenas a forma de fazê-lo na cultura em que estamos inseridos, pois há outras igualmente legítimas e operativas. (p ) Isto é, conhecendo outras culturas o aluno percebe que se o outro é estranho para ele, ele também é um estranho para o outro. Dessa forma, diminuem as chances de preconceito e de exclusão. E, através da língua estrangeira, é possível discutir os mais variados temas, inclusive sobre os diversos tipos de preconceito, como o cultural. Saber um outro idioma pode diminuir a exclusão do indivíduo da sociedade, que, cada vez mais, está globalizada. Sendo assim, aquele que não possui o conhecimento de uma ou 15

17 mais línguas acaba tornando-se excluído, não apenas do mercado de trabalho, mas da oportunidade de ampliar seu conhecimento como um todo. O conhecimento de um outro idioma é uma das grandes formas de se tentar diminuir as diferenças entre os povos e de fazer com que todos tenham consciência de que estão em uma nação maior chamada mundo. Questões políticas e econômicas provavelmente sempre irão exercer uma forte influência na escolha de uma língua estrangeira no currículo das escolas, porém, acima disso tudo, deve-se compreender que aprender uma língua torna os indivíduos ainda mais incluídos no mundo, pois eles não fazem parte apenas da nação em que vivem, mas, antes de tudo, eles fazem parte do mundo. Assim, de uma forma geral, toda língua estrangeira deve ser valorizada, superando-se ideias, como, por exemplo, de que existem idiomas mais fáceis do que outros ou a de que quem aprende outra língua está negando sua cultura. As línguas estrangeiras devem ser vistas justamente pelo contrário, pois muitas vezes é através delas, que se tem a possibilidade de perceber que todas as culturas têm algo que as tornam únicas, mas também algo que é partilhado por todas elas e que é nas diferenças que cada um existe e se complementa, pois não existe o eu sem o outro. 1.1 Por que inglês? O predomínio do ensino da língua inglesa em relação às outras línguas Dentre as várias línguas estrangeiras, a que mais se destaca no momento é a língua inglesa. Anteriormente, poucos países falavam inglês, como a Inglaterra e os Estados Unidos. Uma justificativa para esse predomínio é devido ao grande poder político e econômico desses países. Atualmente vários países falam a língua inglesa, seja como idioma oficial ou não, dessa forma existem cada vez mais novos falantes não nativos e de diversas regiões que estão falando inglês. Rajagopalan (1997, p. 226) apud Siqueira (2012, p. 338) declara não existir falante nativo do inglês e que esta ideia só é mantida devido ao grande comércio de ensino de inglês. Como a língua inglesa se insere neste contexto, ela é tida como sinônimo de requinte: marcas de roupas, nomes de lojas ou produtos, são, na maioria das vezes, em língua inglesa, justamente para dar a ideia de que é algo de qualidade. Este pensamento vem muitas vezes da crença de que tudo que é de fora é melhor do que o que é produzido no país de origem. 16

18 17 De acordo com os PCN (1998, p. 23), a relevância de um idioma é, em grande parte, influenciado, por questões hegemônicas, e o inglês inclue-se nesta posição devido ao poder e à influência da economia dos Estados Unidos. Este fato força várias pessoas a aprender a língua inglesa ou porque a escola só oferta este idioma, ou porque, para conseguir uma remuneração melhor, é necessário falar inglês, o que limita a aprendizagem do aluno em relação a outras línguas e, consequentemente, em relação a outras culturas. Mas nem sempre foi assim, em se tratando do Brasil, como cita Leffa (1999, p.3-16), no período dos jesuítas, o foco estava no grego e no latim; na Primeira República, após a Reforma de Fernando Lobo, o grego desapareceu e o inglês e alemão foram as opções ofertadas; antes do inglês, a língua estrangeira que predominava era a francesa, porém após a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos como a potência econômica da época, fez com que a língua inglesa se sobressaísse (PINTO, 2002, p. 8). Ainda segundo Leffa (1999) em 1996, a Lei de Diretrizes e Bases (LDB) estabelece o ensino de língua estrangeira como obrigatório, mas não estabelece qual língua será ministrada, ficando a critério da comunidade escolar escolher qual será obrigatória e qual será optativa. E em 2005, a lei estabeleceu o espanhol como disciplina a ser ofertada obrigatoriamente pelas escolas de ensino médio com matrícula facultativa pelo aluno, sendo facultada também a implementação no ensino fundamental de 5ª a 8ª série. O inglês era uma língua pouco valorizada, mas, com o colonialismo, passou a se espalhar pelo mundo, pois para colonizar era necessário antes que os habitantes da colônia soubessem o idioma do colonizador, de outra forma o colonizador não poderia se estabelecer no local sem ser entendido e sem entender o outro. Atualmente o inglês é considerada uma língua franca e passa por uma fase em que ele não pode mais ser considerado como um idioma apenas da Inglaterra ou dos Estados Unidos, pois ele é falado em muitos lugares: a África do Sul, Austrália, Canadá, Irlanda, Jamaica, e tantos outros. Sendo assim, o inglês deve ser ensinado como um instrumento capaz de unir os diferentes povos, e não para priorizar certos povos como o padrão a ser seguido. Dessa forma, como afirma Siqueira (2012, p. 333), o inglês é uma língua do mundo, e como tal, todos os seus falantes devem ser considerados usuários legítimos. Ainda de acordo com o autor, também não é preciso se preocupar se o inglês é britânico, americano,

19 canadense, pois o falante que não pertence a um país anglofalante deve ter o seu falar valorizado tanto quanto o de um falante nativo. Entretanto uma língua que, por ser franca seria capaz de unificar e favorecer a inclusão de mais pessoas à sociedade em todas as suas dimensões, seja de trabalho, educação, lazer, acaba provocando efeitos contrários quando seu ensino é pouco valorizado nas escolas. O aprendizado de idiomas é tão limitado, que as escolas, em sua maioria, não conseguem fazer com que os alunos saibam pelo menos o básico da língua inglesa em relação às quatro habilidades, que são: a escrita, leitura, fala e compreensão auditiva. De acordo com Leffa (2009, p.123), a disciplina que tem mais possibilidade de excluir o aluno é a língua estrangeira, pois, além da falta de condições que possibilitem um ensino mais eficaz para todos, convive com falsas ideias de falta de patriotismo, ameaça à cultura e à língua materna, causando no aluno a autoexclusão. Ou seja, gera no aprendiz, consciente ou inconscientemente, a falta de motivação para o aprendizado da disciplina. Este fato é muito visível no discurso do aluno que pergunta o porquê de estudar inglês. Neste mesmo discurso, percebe-se que ele questiona a relevância de um segundo idioma para seu desenvolvimento como pessoa. Ou seja, além de ser excluído pelos problemas escolares, o próprio aluno se exclui, às vezes por não sentir utilidade em aprender inglês, outras por não se sentir capaz de aprender a língua estrangeira. Ainda segundo Leffa, a falta de conhecimento de um segundo idioma na atualidade é só mais uma forma de garantir a exclusão e preservar os bens que a sociedade reserva para seus poucos eleitos. Considerando o inglês como um conhecimento importante, torna-se ainda mais necessário o ensino deste idioma de uma forma que todos tenham acesso e em condições que possibilitem seu ensino em todas as escolas, sejam elas públicas, particulares ou de idiomas. Desta forma, o aluno não estará reproduzindo um discurso de exclusão e poderá ter mais autonomia para mudar sua realidade. 1.2 Entre teoria e prática: as principais concepções de ensino e aprendizagem de língua estrangeira O ensino-aprendizagem de língua estrangeira no Brasil ainda tem muitos resquícios da teoria behaviorista. De acordo com os PCN (1998, p. 57), a visão 18

20 19 behaviorista acredita que o melhor caminho para se ensinar qualquer língua é através da automatização dos hábitos linguísticos do novo idioma. As principais características dessa visão são a relação entre estímulo, resposta e reforço. Isto é, o professor expõe o conteúdo, em seguida, ele recebe a resposta do aluno e, por fim, o docente realiza a correção. Além dos exercícios de repetição e substituição, o erro é totalmente temido nesta concepção, devendo ser corrigido imediatamente para não interferir de modo prejudicial o aluno e nem a turma como um todo. Nessa concepção o aluno é tido como uma tábula rasa, ou seja, alguém desprovido de qualquer conhecimento prévio sobre a língua. Sendo assim, o foco é posto apenas no professor. Dentro desta categoria, se encaixam os seguintes métodos: Método da Gramática e Tradução, Método da Leitura, o Método Audiolingual e o Método Estrutural-Situacional. Outra concepção de ensino-aprendizagem é a cognitivista. Nesta concepção, divergindo do behaviorismo, o erro é tido como um elemento que indica que o aluno está elaborando hipóteses sobre a nova língua e indica que ele está aprendendo de acordo com seu nível de conhecimento. Isto porque o cognitivismo foca no aluno e nas estratégias utilizadas por este para aprender a língua estrangeira. Segundo os PCN (1998, p. 57), é muito comum o aluno criar estratégias como: supergeneralização, que ocorre quando ele aplica uma regra a uma situação em que não é possível; generalização, quando o aluno acredita que as regras servem para todos os contextos; e a hipercorreção, que acontece quando o aluno por medo de errar acaba corrigindo o que não era necessário. Entendendo estes processos de inferência, o cognitivismo considera o aluno não como uma tábula rasa, mas como alguém que já possui conhecimento anterior, seja apenas sobre sua língua ou sobre outras línguas as quais possa ter tido acesso. Pode-se enumerar como métodos que fazem parte da concepção do cognitivismo o Método Comunitário de Curran e o Método do Silêncio. Uma outra concepção de ensino-aprendizagem é o sociointeracionismo que, diferentemente das duas concepções anteriormente citadas, não considera a aprendizagem como resultado apenas da ação do professor ou do aluno, mas como resultado da interação entre professor e aluno e entre os alunos (PCN, 1998,p. 57). Ainda segundo os PCN (1998, p. 58), a aprendizagem é um processo que se dá pela negociação e controle dos participantes, até que o conhecimento seja adquirido. Assim, a aprendizagem acontece através da coparticipação social, em que um aluno interage

21 20 com um participante que mostra mais conhecimento para tal tarefa, tendo como papel mediador a linguagem. Atualmente a visão sociointeracionista é vista como a concepção que mais adequadamente explica como ocorre o processo de desenvolvimento humano e o fato desse processo ter a linguagem como seu principal mediador. Pode-se incluir nesta concepção o Método Funcional-Nocional, o Ensino Instrumental e a Abordagem Comunicativa. Existe certa distância entre teoria e prática, pois no dia a dia escolar nem toda teoria é aplicável. A realidade do ensino de língua estrangeira é muito conhecida. Sabese que é necessário implementar diversas melhorias, pois o cotidiano do professor é repleto de situações que podem interferir em sua prática, mesmo que ele tenha uma concepção de ensino que vise à plena aprendizagem do aluno. Alguns fatos que mais interferem na qualidade do ensino-aprendizagem são: docentes não fluentes no idioma que se propõe a ensinar; a falta de material didático; pouca carga horária; número excessivo de alunos por sala; falta de estrutura adequada, e entre tantos outros. Entretanto, o fator que pode interferir mais significativamente no processo de ensino-aprendizagem, é a visão do próprio professor sobre o que é língua, sobre como ela é aprendida e sobre como ela deve ser ensinada. Em meio a essas três concepções, o professor pode optar pela que vai ao encontro de sua concepção do que é língua e, mesmo diante de tantos empecilhos como os acima citados, pode tornar o ensino de língua estrangeira mais significativo e colaborar para a real aprendizagem do idioma pelos alunos. Atualmente, é recomendado que os docentes não restrinjam suas práticas apenas a um tipo de método. Brown (2001) apud Pereira (2006, p.31-32) defende a Abordagem Eclética, segundo a qual o professor deve fazer uso de tudo que for mais relevante de cada método e abordagem que conhecer e fazer uma adaptação de acordo com a turma. O mesmo deve ocorrer em relação aos gêneros textuais, pois os alunos devem ser expostos aos mais variados gêneros, para que, possam estar inseridos efetivamente nas práticas sociais de utilização da língua estrangeira, no nosso caso, a língua inglesa. No capítulo seguinte se discutirá sobre música, como ocorre sua utilização nas aulas e de que formas ela pode ser utilizada.

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO.

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: MIDS/Macaé E-mail:mzosilva@yahoo.com.br. RESUMO Na atualidade, é preciso que se crie novos métodos

Leia mais

Aprenda inglês cantando Como ensinar inglês sem saber falá-lo?

Aprenda inglês cantando Como ensinar inglês sem saber falá-lo? Aprenda inglês cantando Como ensinar inglês sem saber falá-lo? Taklit Publishing & Productions 22, rue de Fleurus 75006 Paris France All rights reserved 2012 Você compreende essa frase? This is a cat.

Leia mais

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf 1 Sumário Introdução...04 Passo 1...04 Passo 2...05 Passo 3...05 É possível Aprender Inglês Rápido?...07 O Sonho da Fórmula Mágica...07 Como Posso Aprender Inglês Rápido?...09 Porque isto Acontece?...11

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

CURSOS INGLÊS RÁPIDO Liberdade de Escolha

CURSOS INGLÊS RÁPIDO Liberdade de Escolha 1 Nossos cursos são dirigidos a adolescentes, jovens e adultos que querem aprender inglês de forma rápida e eficiente. Pessoas que já tentaram estudar inglês e tiveram dificuldades vão se surpreender com

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO A INFORMAÇÃO DE DISCIPLINAS NO CENSO ESCOLAR

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO A INFORMAÇÃO DE DISCIPLINAS NO CENSO ESCOLAR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

Linguística Aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: a oralidade em sala de aula (Juliana Carvalho) A Linguística Aplicada (LA) nasceu há mais ou menos 60 anos, como uma disciplina voltada para o ensino

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO?

OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO? OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO? Ewerton Felix da Silva Antônio Fernandes Dias Júnior Cristiane Vieira Falcão Maria Glayce Kelly Oliveira

Leia mais

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás COSTA, Bianca Ribeiro Morais OLIVEIRA, Eliane Carolina de Universidade Federal de Goiás- UFG Programa de

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN Objetivo da aula Conhecer os instrumentos de coleta de dados, suas vantagens e limitações. Caminhos Para a Obtenção de Dados Pesquisa em ciências sociais

Leia mais

3 Pavimentando o caminho: o contexto

3 Pavimentando o caminho: o contexto 46 3 Pavimentando o caminho: o contexto Because it is we practioners (teachers AND learners) who need understandings of what is happening now (Allwright, 2003) Este capítulo é dedicado a situar o contexto

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira.

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Precisa falar inglês no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Aprender um novo idioma é se sentir como uma criança novamente: faltam palavras para se expressar e a insegurança

Leia mais

O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1

O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1 O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1 Gabriel Belinazo 2 gbelinazo@inf.ufsm.br Abstract: In this review article, the main goal is to review and analyze information about social networks

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I Línguas Estrangeiras foi desenvolvido juntamente com as Disciplinas de Aprendizagem Crítico-Reflexiva das Línguas Inglesa, Francesa e Espanhola. O objetivo desse

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES CAMARGO, Victor Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva ZUTTIN, Fabiana Docente da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA Merlânia Lino da Silva (1); Ana Cristina Silva Daxenberger (2) (1) Universidade Federal da Paraíba (CCA), merlaniaareiapb@gmail.com

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC.

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC. 1 O ensino de música extracurricular na Escola Técnica Federal em Florianópolis/SC: relato de experiência sobre uma oficina de improvisação musical realizada Maycon José de Souza 1 Universidade do Estado

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Referência: CHAGURI, J. P. A Importância do Ensino da Língua Inglesa nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental. In: O

Leia mais

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL José Euriques de Vasconcelos Neto (UFCG); Dennis Cláudio Ferreira (UFCG) Resumo O atual sistema educacional tem buscado

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2003 - Érika Nunes Martins Simões Formação do Professor de - Sheila Andrade

Leia mais

QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO.

QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO. RESUMO QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO. Francinilda Raquel Cardoso Silva (1); José Jorge Casimiro dos Santos (2) Faculdade São Francisco da Paraíba raquelmk06@gmail.com ¹

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO: PARAÍBA: ARTE, SABER E CULTURA ATRAVÉS DAS OBRAS DE ARIANO SUASSUNA E LEANDRO GOMES DE BARROS.

PROJETO PEDAGÓGICO: PARAÍBA: ARTE, SABER E CULTURA ATRAVÉS DAS OBRAS DE ARIANO SUASSUNA E LEANDRO GOMES DE BARROS. PROJETO PEDAGÓGICO: PARAÍBA: ARTE, SABER E CULTURA ATRAVÉS DAS OBRAS DE ARIANO SUASSUNA E LEANDRO GOMES DE BARROS. RESUMO SANTOS, Enia Ramalho os UEPB enia.ramalho @hotmail.com SANTOS, Patricia Ferreira

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado.

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Projeto: Música na Escola O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Justificativa De acordo com as diretrizes curriculares, o som é a matériaprima da música;

Leia mais

TRABALHANDO VOCABULÁRIO EM SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

TRABALHANDO VOCABULÁRIO EM SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA TRABALHANDO VOCABULÁRIO EM SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Cristiane Vieira Falcão (PIBID/CAPES/UEPB) crisfalcão@outlook.com.br Maria Glayce Kelly O. da Silva (PIBID/CAPES/UEPB) glayceoliveira20@gmail.com

Leia mais

OBJETIVOS. Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva;

OBJETIVOS. Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva; OBJETIVOS Definir objetivos de estudo a nível pessoal; Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva; Sensibilizar os E.E. para

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS GISLAINE HOSANA ARAÚJO FERNANDES SAPIENS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS exibidaboutique@gmail.com INTRODUÇÃO A escola é um ambiente onde acontecem

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas DOMÍNIO E IMAGEM DE UMA FUNÇÃO: UMA ABORDAGEM POR MEIO DO JOGO BINGO DAS FUNÇÕES Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10 ADELSON CARLOS MADRUGA Universidade

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Dayane Ribeiro da Silva (PICV/PRPPG/ UNIOESTE), Greice da Silva Castela (Orientadora), e-mail: greicecastela@yahoo.com.br

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF)

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF) RELAÇÕES DICOTÔMICAS NO ENSINO DE INGLÊS EM CURSOS DE IDIOMAS: as implicaturas da (de)formação do professor de línguas que atua nesse contexto de ensinoaprendizagem de língua estrangeira Carlos Fabiano

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais