MÍDIA E EDUCAÇÃO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÍDIA E EDUCAÇÃO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA 1"

Transcrição

1 MÍDIA E EDUCAÇÃO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA 1 Suzana Barbosa dos SANTOS/CEDU/UFAL 2 RESUMO Este estudo trata das possibilidades pedagógicas do uso de mídias integradas no ensino de língua estrangeira, envolvendo TV e vídeo clipes, partindo do seguinte questionamento: que potencialidades o uso de vídeo clipes, via TV, pode trazer para despertar nos alunos o interesse pela aprendizagem de uma língua estrangeira? Ao abordar esta questão, este artigo objetiva destacar a importância do uso de mídias na educação como dinamizadoras da aprendizagem e demonstrar como o ensino de língua inglesa pode se tornar atrativo e estimulante quando se utiliza a TV como suporte, programando-a autonomamente com o uso de vídeo clipes. A metodologia deste estudo constitui-se num relato de execução prática de uma experiência de integração de mídias na escola, com uma reflexão teórica acerca do que foi vivenciado. A experiência no ensino de língua estrangeira, utilizando mídias integradas, demonstrou como a aprendizagem pode ser parte de um processo atrativo e estimulante. PALAVRAS - CHAVE: mídia e educação; TV e vídeo clipes; ensino de língua estrangeira 1. Introdução Muitas vezes, quando se trata de mídias na educação, pensa-se em recursos tecnológicos nem sempre disponíveis para todos, como o computador e a Internet, por 1 Este artigo é o trabalho de conclusão do Curso (TCC) de Especialização em Formação de Professores em Mídias na Educação e foi orientado pela professora Drª Georgia Sobreira dos Santos Cêa. 2 Aluna do Curso de Especialização em Formação de Professores em Mídias na Educação - Ciclo avançado, promovido pela Universidade Federal de Alagoas ( ); professora da rede pública estadual de ensino de Alagoas, atuando como professora de língua inglesa. 1

2 exemplo. Mas uma mídia específica, a TV, pode ser de grande importância na prática pedagógica. É fácil perceber que quase todo mundo tem pelo menos um exemplo de alguma moda ou gíria que foi lançada e propagada pela TV: meias ¾ e boinas, como no figurino dos personagens da novela Rebelde, exibida pelo SBT, ou as falas do personagem Cássio na novela Caras e bocas, da emissora Globo: Fiquei rosa-chiclete. As vestimentas e falas das personagens de novelas, filmes, propagandas ou até programas de humor podem ser incorporadas na vida cotidiana de qualquer pessoa, permitindo que façam parte da vida pessoal e escolar de cada um. Tais atitudes reforçam a idéia do espaço que a TV e sua programação ocupam nos limites de cada um. Talvez ela tenha se tornado um hábito rotineiro, automático como acender a luz quando escurece ou trancar as portas antes de dormir, ou ainda ela pode ter se tornado uma companhia, aquela fala que dá a sensação de que você não está sozinho em casa. O fato é que, mesmo permitindo que ela faça companhia é necessário uma análise crítica para que nunca transforme telespectadores em prisioneiros ou indivíduos manipulados, principalmente em se tratando de crianças e jovens, uma vez que a televisão parece ser o meio de comunicação preferido deles. A partir daí, eles podem se tornar vítimas de manipulação (principalmente para o consumo) e alvo de produtos divulgados pela mídia durante a exibição de programas voltados para eles. Por conta disso, um trabalho de conscientização seria muito bem vindo. As escolas podem e devem formar telespectadores críticos e conscientes para interpretar fatos, acontecimentos e propagandas divulgados pela TV para que eles não se deixem manipular. Para isso, a escola deverá propor diálogos e debates sobre esse meio de comunicação de massa, seus propósitos e suas vantagens É prudente reconhecer que a televisão, em termos educacionais, sem acompanhamento ou orientação pode não só não ajudar no processo educacional como apresentar aspectos negativos ou que influenciem negativamente o comportamento de algum jovem (fato facilmente observado nas falas, atos e até vestes dos alunos). Por 2

3 conta disso, torna-se indispensável a seleção de uma programação escolar que propicie o uso da TV de forma direcionada e planejada, pronta para ajudar na formação de alunos críticos e capazes de distinguir o que é prudente ou não influenciar na vida real de cada um, dentro do contexto cultural e social em que vivemos. Sobre a importância da TV, Fischer (2002, p ) ressalta sua versatilidade: [...] a TV, na condição de meio de comunicação social, ou de uma linguagem audiovisual específica ou ainda na condição de simples eletrodoméstico manuseado por nós, cujas imagens cotidianamente consumimos, tem uma participação decisiva na formação das pessoas mais enfaticamente, na própria constituição do sujeito contemporâneo. Além da programação dos canais abertos e fechados de diferentes emissoras, a TV, quando utilizada como um recurso tecnológico, amplia as possibilidades de seu uso: acoplada a outro aparelho, no caso o DVD (digital video disc), é possível definir uma programação própria, flexível e dinâmica, incluindo filmes, noticiários, documentários e vídeo clipes 3, entre outros. Este artigo tratará da articulação da mídia integrada (TV e vídeo clipes) com a educação, partindo do seguinte questionamento: que potencialidades o uso de vídeo clipes, via TV, pode trazer para despertar nos alunos o interesse pela aprendizagem de uma língua estrangeira? Ao abordar esta questão, este artigo objetiva, de forma geral, destacar a importância do uso de mídias na educação como dinamizadoras da aprendizagem. Em termos específicos, objetiva-se aqui demonstrar como o ensino de língua inglesa pode se tornar atrativo e estimulante quando se utiliza a TV como suporte, programando-a autonomamente com o uso de vídeo clipes. A metodologia definida para tratar da questão deste estudo constitui-se num relato de execução prática de uma experiência de integração de mídias na escola, com 3 Vídeo clipe é um vídeo de [...] curta duração onde há o sincronismo da imagem com um som ou música pré-existente. Informação obtida em: <http://www.tudosobretv.com.br/glossa/gloss_v.htm>. 3

4 uma reflexão teórica acerca do que foi vivenciado 4. Para este exercício, foram utilizadas referências teóricas que tratam das relações entre mídia e educação. Na primeira parte do artigo é ressaltada a importância da aproximação entre mídias e escola; num segundo momento, destaca-se a popularidade da TV na sociedade e sua versatilidade tecnológica e pedagógica, especialmente quando utilizada na forma de mídia integrada; na última parte do artigo, é apresentado um relato de experiência sobre o uso pedagógico da TV como meio de exposição de vídeo clipes musicais para o enriquecimento do ensino de língua estrangeira. 2. Mídias e escola: uma aproximação necessária Alguns recursos tecnológicos, como as mídias, ainda parecem ser vistas com certo preconceito, talvez porque muitos profissionais acham que podem não saber usar e temem a dificuldade de lidar com recursos tecnológicos, entretanto, vale lembrar tantos outros utensílios tecnológicos (cafeteira, batedeira, computador, câmera digital, telefone sem fio, aparelho celular, máquina de lavar roupa e máquina de lavar louça também...) para nos dar conforto. Muitos têm medo da TV, outros do computador e da Internet, mas, assim como o carro, a lâmpada e o telefone, todos foram criados para nos dar conforto e nos propiciar novas oportunidades (como estudar à noite ou mesmo fazer compras pela Internet e receber os produtos em casa ou ainda fazer um curso de graduação ou pós-graduação online que tal?). Não cabe aqui enumerar todas as possibilidades que as tecnologias oferecem, porém, cada um como usuário sabe bem usufruir de todas as vantagens que elas oferecem, coisas que há poucos anos atrás nem dava para imaginar (como touch screen, sistema wi-fi para Internet, wireless: conexões sem fio para computador ou outros dispositivos eletrônicos...). 4 Esta opção atende uma das possibilidades apresentadas pela coordenação nas Orientações gerais sobre o Curso de Especialização em Formação de Professores em Mídias na Educação Ciclo avançado para a elaboração do trabalho final. 4

5 Para adequar o ensino à realidade dos alunos é indispensável garantir o uso de quantas mídias forem oportunas para favorecer a aprendizagem. Essa adequação e incorporação de mídias nas aulas já é uma necessidade, uma vez que diversas mídias já são utilizadas em casa e fora dela. As mídias exercem influência nas vidas das pessoas e, por isso, algumas adaptações no meio educacional são bem vindas para que se acompanhe essa evolução tecnológica, social e cultural no nosso meio, em outras palavras, a semente já foi lançada. As tecnologias já estão aí e a população já faz uso delas, cabe aos profissionais da educação adaptar suas aulas utilizando as mídias para o melhor aproveitamento delas, de forma que se promova uma evolução intelectual e social consciente. Em se tratando da televisão e de toda a sua evolução tecnológica, é notório que ela já ganhou um espaço assustador nos lares de todo o Brasil: imagine a copa de futebol e os jogos olímpicos sem TV. Já se imaginou sem o jornal local ou nacional? Não dá para ignorar a proporção fenomenal que esse recurso midiático ganhou na nossa sociedade, nem mesmo fechar os olhos para as inúmeras adaptações por ela feitas para agradar aos diversos e exigentes públicos, até deixar de ser por alguns minutos ou horas um mero meio de entretenimento e propaganda para ser um instrumento de informação e até formação a TV Escola, por exemplo. Sendo assim, uma vez que a TV já faz parte da vida dos alunos e de todas as famílias da sociedade brasileira que têm uma na sala, no quarto, outra na cozinha e, em alguns casos, até no banheiro e varanda!, pode-se adaptar aulas, na quantidade e com metodologia e objetivos a critério de cada profissional da educação, fazendo uso dos meios disponíveis e permitindo uma interação com o meio social que os alunos já vivenciam quando não estão na escola. Pensando na TV como um grande instrumento de forte poder atrativo, parece coerente adaptar conteúdos e aulas deixando-os tão atraentes quanto à programação das principais emissoras. Para isso, uma forma de permitir autonomia no que irá se assistir na TV é utilizá-la em conjunto com outro aparelho, o DVD, na forma de mídia integrada. Isso pode ser pensado no caso do ensino da língua estrangeira. Entretanto, 5

6 este ensino nas escolas públicas do Estado de Alagoas, como na maioria das demais redes públicas escolares do país, parece estar limitado ao uso tradicional dos recursos já calejados no ramo (como quadro e giz, por exemplo). Seria muito conveniente incorporar mais um recurso para se trabalhar, em sala: o uso da TV para reprodução de vídeo clipes A popularidade da TV na sociedade e sua potencialidade tecnológica e pedagógica A imagem desperta mais atenção do que o verbalismo, que, segundo Nélio Parra e Ivone Parra (1985), leva à aprendizagem de palavras vazias, ocas, sem significado. O mesmo autor reitera o provérbio antigo: Uma imagem vale mais que mil palavras. As pessoas que fazem a televisão, ou melhor, o que toda a população assiste, já devem saber o envolvimento e poder de hipnotização que ela causa (KRUGMAN, 1971, apud SETZER, 2000). Daí, vale chamar a atenção para o poder de manipulação que ela pode exercer nos telespectadores, principalmente nas horas das propagandas. Como adverte Centerwall (1992, apud SETZER, 2000), quando diz que o as emissoras de TV vendem audiência para os anunciantes. Esquecendo um pouco as intenções ou escrúpulos das propagandas de televisão é oportuno lembrar que, além de toda a captação de imagens e cores que evocam nossos sentimentos e sensações (GIACOMANTONIO, 1981), muito bem pensadas pelos que fazem a televisão de hoje, parece impossível não ser de alguma forma cercado por toda essa indústria, uma vez que essa tecnologia está em todo lugar. Hoje, é possível encontrar uma TV no banco, nas casas lotéricas, nos supermercados, hospitais, etc., sempre com um apelo de comunicação instantânea no espaço aqui e agora, nos emocionando como se estivéssemos lá naquele lugar onde as imagens estão aparecendo, como quando Ayrton Sena sofreu aquele acidente; o Brasil inteiro chorou sem nem 6

7 conhecê-lo pessoalmente. Daí tem-se noção da proporção que a televisão alcançou nas vidas de todos os brasileiros. Em geral, os indivíduos dedicam muito do seu tempo à televisão. Ela é sua companheira, sua fonte de informação, seu símbolo de identificação, prazer e entretenimento. Colocando toda essa dedicação em resultado quantitativo, Ferrés (1996, p. 8) informa o seguinte: Nos países industrializados o fato de assistir à televisão ocupa o terceiro lugar na escala de atividades à qual os cidadãos adultos dedicam mais tempo, depois do trabalho e do sono, e o segundo lugar no tempo dedicado pelos estudantes. Levando em consideração os fins de semana e as férias, os estudantes passam maior número de horas assistindo à televisão do que em sala de aula. Nos Estados Unidos as crianças da pré-escola dedicam à televisão 1/3 do tempo em que permanecem acordados. Segundo um estudo do conselho da Europa, os jovens europeus uma média de 25 horas semanais diante da televisão. Mantendo-se essa média, quando as crianças de hoje completarem 70 anos terão passado um total de oito anos diante da pequena tela. No Brasil, os dados levantados pela Pesquisa Nacional da Saúde do Escolar (Pense), realizada em 2009 pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mostram que aproximadamente 80% dos estudantes do 9 ano do ensino fundamental (de escolas públicas e privadas), entre 13 e 15 anos, assistem [...] TV por duas horas ou mais por dia, quando duas horas é o limite recomendado pela Organização Mundial de Saúde (IBGE, 2009, p. 1). Diante desses dados, é importante que se pense em televisão também como fonte para uma educação de qualidade ou, ao contrário, seria inadmissível permitir que por horas a televisão desfaça o que pais e educadores passam a vida ensinando. Uma alternativa é ajudar os alunos a interpretar e refletir sobre a programação, prepará-los para serem críticos e reflexivos com relação às atividades para as quais dedicam tanto de seu tempo. Com relação às crianças, é importante sentar ao lado delas enquanto assistem e explicar cenas que possivelmente não entendam, como também ajudá-las a compreender que nem tudo pode ser aplicado à vida real. 7

8 Outra alternativa, da qual estamos tratando neste artigo, é refletir como os conteúdos de aulas podem se tornar atraentes, dinâmicos e coloridos, explorando as potencialidades que o uso da TV apresenta, para além da programação pré-estabelecida pelas emissoras. Pode-se começar pensando o quanto esses conteúdos são necessários e o quanto podem ser adequados ao cotidiano e à realidade dos alunos. É muito possível que a televisão, bem como outras tecnologias também, tenham seus efeitos colaterais, entretanto, pode-se instruir os alunos a esse respeito, estimulando-os a usufruírem daquilo que for proveitoso. A televisão é uma democrática janela para o mundo, como apregoam seus defensores, ou um perigoso meio de desvirtuar crianças e jovens, como querem seus críticos? A resposta depende do uso que fizermos dela (COSTA; FREITAS, 2002, p. 211). A TV pode ser um instrumento de forte poder de persuasão e todo esse poder começa com sua interação e apelo emocional, social e imaginário. Cada um que assiste a um programa com regularidade o faz porque se identifica com ele, daí o segredo de todo bom relacionamento e comunicação. Em se tratando de crianças e adolescentes com mais tempo livre para assistir e pouco tempo de vida (vivido) para se proteger de seus possíveis efeitos colaterais, essa identificação e gradual intimidade parece acontecer com maior intensidade do que em um adulto escolarizado. Assim, Não se pode ignorar a interação social, cultural e imaginária que faz parte da relação de comunicação entre a criança e/ou o adolescente e a TV. É importante compreender que o interesse pela TV pode estimular a leitura, mas atentando para o fato de que os sujeitos da atualidade estão ligados a outro tipo de percepção: a imagem, o movimento, as cores, os sons. Tudo isso atrai crianças e jovens, estimulando sua imaginação, provocando sua curiosidade (COSTA; FREITAS, 2002, p. 212). Como citado acima, os sujeitos da atualidade estão ligados a outro tipo de percepção e às vezes os professores, utilizando metodologias tradicionais, querem que seus alunos leiam, interpretem, calculem, dissertem e ainda gostem de tudo isso quando, 8

9 atualmente, seus interesses estão voltados para outro tipo de percepção. Nesse caso, é necessário refletir sobre isso e experimentar esse outro campo de percepção no ensino. Também aqui a TV aparece como um rico recurso pedagógico, ainda mais quando ela é utilizada como um aparelho que, integrado a outros, permite autonomia na programação a ser assistida. Utilizar a TV em interação com outras mídias, especialmente para a reprodução de vídeo clipes, possibilita trabalhar os conteúdos escolares combinados a imagens, movimentos, cores e sons. É disso que o artigo tratará a seguir. 3. O uso da TV e de vídeo clipes no Ensino de Língua estrangeira: um relato de experiência Este item trata do relato da experiência do uso da TV e de vídeo clipes de músicas nas aulas de língua inglesa em uma escola pública do interior do Estado com a intenção de incentivar o uso de músicas e mídias em sala de aula, com base numa experiência vivida que trouxe resultados satisfatórios para o dia a dia do ensino de língua estrangeira. Como este artigo trata de um relato de experiência, sinto-me confortável para descrever um pouco do contexto em que fui apresentada para iniciar minha prática de ensino de inglês. Eu estava pronta para dar aulas em uma escola pública do interior de Alagoas e meus alunos vinham de povoados pertencentes ao município onde eu estava trabalhando. Eles eram (e são) pessoas muito simples e carentes de informação (entre outras coisas). Assim, quando me deparei com a finalidade de ensinar uma língua estrangeira percebi que estava lidando com um ambiente de fato de língua ESTRANGEIRA. Era tudo muito estranho mesmo para os que já haviam estudado inglês nos anos anteriores. Meus aprendizes estavam completamente desconfortáveis e não possuíam o mínimo de identificação com qualquer que fosse o aspecto da língua que estávamos estudando. Não conseguiam (não importava o quanto eu pedisse) nem repetir a famosa The book is on the table. 9

10 Não muito difícil de adivinhar e nem fácil de admitir, senti-me um pouco desnorteada. Entretanto, comecei a pensar em estratégias para aproximá-los mais da língua e deixá-los mais confortáveis, ganhando intimidade com o que estávamos estudando para que conseguissem ao menos ouvir e repetir (talvez até produzir) algo, sem rir de si mesmos ou dos outros. Para tal situação, uma das soluções que encontrei foi trazer as versões originais (em inglês) de algumas músicas que eles já ouviam em outro ritmo (forró); outra estratégia foi trazer trilhas sonoras de filmes conhecidos (como Titanic, por exemplo) ou de novelas em exibição. A TV e os vídeo clipes, nesse caso, foram valiosos recursos de mídia integrada com potencial educativo. O resultado foi positivo. Deu certo e alcancei os objetivos pretendidos. As aulas que antes eram tensas e completamente fora da realidade deles foram ficando mais tranquilas e foram aos poucos despertando interesse. Finalmente estudar inglês serviria para alguma coisa desabafo de um aluno e acho pensamento coletivo do alunado daquela escola. Aos poucos, toda a teoria e conjunto de regras de gramática e ortografia foram ganhando espaço na mente dos alunos, que passaram a querer aprender a disciplina. Daí por diante, comecei a trazer letras de músicas para trabalhar em sala, realçando aspectos ortográficos, gramaticais ou até culturais que fossem importantes para o entendimento do texto e da língua em geral, como também para a construção do conhecimento deles. Eu queria formar uma espécie de alicerce na mente deles e tinha que ser de uma forma descontraída, mas cautelosa, considerando o meu estudo sobre eles o que todo professor já deve fazer para saber como chegar ao aluno e transmitir da forma mais eficaz possível o assunto pretendido para pouco a pouco fazer com que o inglês ganhasse espaço e sentido na vida escolar deles. A princípio, a idéia e a forma de aceitação da música nas aulas foram muito positivas. Mas, mesmo encarando uma aula bem descontraída e relaxante, as letras de músicas sugeridas traziam informações demais para uma única aula. Além disso, com música a aula podia virar um tédio e ser muito cansativa se cobrasse demais dos alunos, 10

11 por isso, eu destacava apenas poucas coisas para que tudo acontecesse de forma gradual, buscando não cansar os alunos. Assim, destacava tópicos básicos (textos em forma de diálogos e outras letras de música) que seriam vistos em outras situações para que as experiências fossem sendo somadas e assimiladas. Às vezes destacava aspectos culturais importantes para a compreensão de informações contidas nas letras de música trabalhadas em sala de aula, visto que a música é repleta de aspectos culturais sociais, marcas de tempo e espaço que devem ser levados em conta para que o aluno seja inserido num contexto integral de uma língua estrangeira, compreendido em código e cultura (um contexto amplo de aprendizagem). As canções, como forma de expressão cultural, veiculam valores estéticos, ideológicos, morais, religiosos, lingüísticos, etc. Elas possuem, a exemplo de outras produções artísticas, as marcas do tempo e lugar da sua criação. As canções produzem zonas de inserção cultural em sala de aula, pois, quando devidamente escolhidas (a escolha das canções implica em uma veiculação cultural), se constituem também em material autêntico no ensino de EFL [English as a Foreign Language] 5 (LIMA, 2009, p. 6). Os alunos de uma língua estrangeira precisam ser inseridos em contextos de uso da língua para que a mesma não perca sua função de comunicação. Ela deve ser ensinada como uma língua viva, produto social e ideológico constituído na interação verbal (BAKHTIN, 1986). Sobre o ensino de língua estrangeira, compactuo com a idéia de Lopes (2001) de que não é necessário um domínio cultural ou colonização estrangeira, mas uma aproximação do indivíduo de uma cultura diferente da sua, sem o abandono da própria 5 ESL (English as a Second Language) refere-se ao ensino de inglês para estrangeiros que já vivem em país de língua inglesa e precisam aprimorar suas habilidades para melhor se integrarem à sociedade local. É também a sigla usada predominantemente nos Estados Unidos. EFL (English as a Foreign Language) tecnicamente refere-se ao ensino de inglês em países onde o inglês não é falado, como por exemplo o ensino de inglês no Brasil. É também a sigla usada predominantemente na Inglaterra. Hoje também já se fala muito em ESOL (English to Speakers of Other Languages), um termo mais genérico, que abrange ambos os significados: de ESL e EFL (Informação disponível em: É como EFL que a disciplina de inglês é ensinada nas escolas públicas de Alagoas. 11

12 identidade cultural, levando a um melhor entendimento do próprio indivíduo em si mesmo e de sua cultura. Ainda sobre observações de aspectos culturais observados em letras de música, outras mídias também são válidas, como salientam Cullen e Sato (2000): por exemplo, vídeos, CDs, TV, historinhas, jornal, entrevistas, fotografias, Internet, leituras, informações de outros estudantes e etc. Acredito que a principal função da língua é a comunicação e é assim que a língua precisa ser entendida nas salas de aula: como meio de comunicação. Nesse caso, não dá para isolá-la de todo um contexto social e cultural importante para auxiliar nas atividades de tradução e interpretação. Além disso, estudar algo que não existe a menor possibilidade de usar em momento algum da vida parece totalmente fora do contexto educativo. Então, começar entendendo as mensagens passadas pelos artistas/poetas de outras nações dentro do próprio contexto social e cultural onde estão imersas já insere os alunos num campo de uso que deverá estar repleto de dados que facilitarão o entendimento de como se comunicar dentro daquele meio. Trabalhar aspectos culturais e/ou sociais nas letras de música é importante, mas vale lembrar que o trabalho com música vai muito mais além. São muitas as oportunidades que trabalhar com músicas nas aulas de língua estrangeira pode ofertar. Pode-se trabalhar a escuta com a pronúncia na íntegra e sem o sotaque via Brasil, a ortografia e a gramática também, com a vantagem de se ter um texto com todo um sabor diferenciado dentro do seu próprio contexto cultural lembrando que todo esse contexto pode ser indispensável para entender algumas expressões ou chegar a algumas traduções. Além disso, o aluno precisa aprender a lidar com a sua cultura e a cultura da língua que está aprendendo, cada uma com seu valor e espaço conquistados. Assim, [...] o conceito de sociedade multicultural, isto é, de diversas culturas convivendo com suas diferenças em um mesmo espaço, subsidia a noção de que o estudante de EFL deve conscientizar-se de que a socialização possibilitada pelo aprendizado do inglês lhe dará acesso a um mundo multicultural e de diversidade étnica, em que as diferenças culturais devem ser consideradas. Nessa perspectiva, o uso de canções em sala de aula deverá contemplar, por amostragem, tanto 12

13 quanto possível, a diversidade cultural dos povos de língua inglesa, e até mesmo canções em inglês de países não falantes do inglês (world music), para efeito de comparação (LIMA, 2009, p. 6). As possibilidades de trabalho com a música não acabam aí. Existem outras sugestões, segundo Lima (2010): completar lacunas, montar a música a partir dos versos soltos ou usar a música como fundo para que os alunos apenas relaxem ao ouvi-la ou deixem a mente imaginar o que vier, embalados pela melodia. Como visto acima, as possibilidades são variadas e aproximar os alunos dessas possibilidades é dar a eles a oportunidade de ir muito mais além de conhecer o código apenas de forma escrita e descontextualizada. Na minha experiência também ouvia os alunos pedirem para ouvir músicas enquanto copiavam algum assunto; queriam relaxar, e dava certo: se a turma estivesse muito agitada era só colocar uma música de ritmo suave que eles se acalmavam (mesmo utilizando só um mini system e um cd de música popular de ritmo calmo). Com o passar do tempo, a experiência com essa mídia cresceu e percebi que eu já estava ganhando adeptos. Meus colegas de trabalho agora seguiam a mesma estratégia como forma de tornar as aulas mais agradáveis e menos cansativas. Porém, toda essa descoberta frutífera também tinha suas limitações e suas dificuldades. Lembro que estou tratando de uma escola pública e do interior do estado de Alagoas. Daí fica fácil de imaginar: aparelho de TV, DVD e até o mini system quebrado (muito tempo para ir para o conserto e mais tempo ainda para voltar de lá). Muitas vezes dava até para esquecer como é bom trabalhar com mídias quando se passa tanto tempo sem ela. Apesar das dificuldades, o trabalho deu certo. Podia ter sido melhor, mas toda escola tem suas limitações e o resultado dessa experiência com o uso da TV e vídeo clipes de músicas foi muito satisfatório para o cumprimento de meus objetivos, por isso acho muito oportuno o uso dessas mídias em sala de aula. Graças a elas a minha realidade em sala mudou para melhor. Além de aproximar os alunos da língua e todo o contexto onde ela está inserida, deu vida a um conjunto de regras e informações que eles acreditavam ser irreais para a condição deles. Muitas vezes ouvi-os desabafar que 13

14 não sabiam para quê estudar inglês (mesmo com um fluxo de turistas inclusive estrangeiros que chegava com frequência à região). Acredito que hoje o discurso deles seja diferente. 5. Considerações finais: É oportuno dizer que ainda há muito que se estudar sobre o uso da TV como potencializadora de outras mídias nas salas de aula e sobre os efeitos gerais da mesma nas vidas das pessoas, mas todo cidadão e professores devem refletir sobre a necessidade de acompanhar um processo tecnológico que já foi iniciado dentro dos lares e que não é prudente deixar que evolua sem uma orientação de pais e educadores. Ressalto que mesmo para os adeptos da incorporação da TV nas aulas é coerente que esta não seja a única metodologia a ser utilizada na escola. Toda tecnologia pode ser bem vinda, entretanto, é preciso propor reflexão e crítica para que seu uso seja de fato bem aproveitado e para que seus resultados apareçam como frutos para um mundo e sociedade melhor. Nesse aspecto, pela sua versatilidade, a TV se torna um recurso fundamental, podendo ser utilizada de forma integrada a outras mídias. A experiência relatada neste artigo ressalta algumas potencialidades que o uso de vídeo clipes, via TV, pode trazer para despertar nos alunos o interesse pela aprendizagem de uma língua estrangeira, no caso aqui o inglês, tornando tal língua menos estranha à realidade em que vivem. A experiência no ensino de língua estrangeira, utilizando mídias integradas (a TV como suporte, e programada autonomamente com o uso de vídeo clipes), demonstrou como a aprendizagem pode ser parte de um processo atrativo e estimulante. Vale lembrar que os jovens e crianças de hoje têm interesses em atividades com imagens e sons. Nesse caso, o uso da TV e de vídeo clipes pode ir além de uma fonte de entretenimento; pode ser instrumento de formação e informação, que adultos e responsáveis selecionem programas e orientem seus filhos enquanto telespectadores. 14

15 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. 3 ed. São Paulo: Hucitec, CULLEN, Brian; SATO, Kazuyoshi. Practical Techniques for Teaching Culture in the EFL Classroom. Nagoya, Japão. In: The Internet TESL Journal, v. VI, n. 12, dez Disponível em: <http://iteslj.org/techniques/cullen-culture.html>. Acesso em: 25 mai FERNANDES, Paola Cordeiro. A mediação da televisão nas práticas de Leitura e escrita contemporâneas. In: COSTA, Sérgio Roberto; FREITAS, Maria Teresa de Assunção (org). Leitura e escrita na formação de professores. Juiz de Fora: UFJF, 2002, Cap. 6, p FERRÉS, Joan. Televisão e educação. Tradução: Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Artes Médicas, FISCHER, Rosa Bueno. O dispositivo pedagógico da mídia: modos de educar na (e pela) TV. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 28, n. 1, p , jan./jun Disponível em: < Acesso em: 20 mai GIACOMANTONIO, Marcelo. O ensino através dos audiovisuais. Tradução: Danilo Q. Morales e Riccarda Ungar. São Paulo: Summus; EDUSP, IBGE. Pesquisa Nacional da Saúde do Escolar 2009: IBGE revela hábitos, costumes e riscos vividos pelos estudantes das capitais brasileiras. Comunicação Social, 18 dez Disponível em: < visualiza.php?id_noticia=1525>. Acesso em: 22 Mai

16 LIMA, Luciano R. O uso de canções no ensino de inglês como língua estrangeira: a questão cultural. In: Literatura, crítica e teorias. Bahia, jan Disponível em: < em 25 Mai LOPES, Luiz Paulo da Moita. Oficina de lingüística aplicada: a natureza social e educacional dos processos de ensino/aprendizagem de línguas. 3ª reimpressão. São Paulo: Mercado de Letras, NETO, Antônio Fausto. Ensinando à televisão: estratégias de recepção da TV escola. João Pessoa: EDUFPB, PARRA, Nélio; PARRA, Ivone C. da Costa. Técnicas audiovisuais da educação. 5 ed. São Paulo: Pioneira, SETZER, Valdemar W. TV e violência: um casamento perfeito. [São Paulo] Disponível em: <http://www.ime.usp.br/~vwsetzer/tveviolencia.html>. Acesso em: 25 mai

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS GISLAINE HOSANA ARAÚJO FERNANDES SAPIENS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS exibidaboutique@gmail.com INTRODUÇÃO A escola é um ambiente onde acontecem

Leia mais

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Introdução USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho EEEFM Agenor Clemente dos Santos paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke

Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke Instituto Federal do Paraná Licenciatura em Física Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke SUMÁRIO 1 Introdução... 2 2 Justificativa... 4

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Se você acredita que as escolas são o único e provável destino dos profissionais formados em Pedagogia, então, está na hora de abrir os olhos

Se você acredita que as escolas são o único e provável destino dos profissionais formados em Pedagogia, então, está na hora de abrir os olhos Se você acredita que as escolas são o único e provável destino dos profissionais formados em Pedagogia, então, está na hora de abrir os olhos O pedagogo David Bomfin, 50 anos, deixou, há algum tempo, de

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês 3 Truques Para Obter Fluência no Inglês by: Fabiana Lara Atenção! O ministério da saúde adverte: Os hábitos aqui expostos correm o sério risco de te colocar a frente de todos seus colegas, atingindo a

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Fevereiro 2016 A MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O que mais incomoda no discurso/posição que a mulher

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 I A ADAPTAÇÃO Estamos chegando ao final do período de adaptação do grupo IA e a cada dia conhecemos mais sobre cada bebê. Começamos a perceber o temperamento, as particularidades

Leia mais

Índice. 1. Os desafios das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs)...3. Grupo 7.3 - Módulo 17

Índice. 1. Os desafios das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs)...3. Grupo 7.3 - Módulo 17 GRUPO 7.3 MÓDULO 17 Índice 1. Os desafios das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs)...3 2 1. OS DESAFIOS DAS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTICS) Chamam-se Novas Tecnologias

Leia mais

Narrativa reflexiva sobre planejamento de aulas

Narrativa reflexiva sobre planejamento de aulas Narrativa reflexiva sobre planejamento de aulas Jefferson Ebersol da Silva 1 Contexto da narrativa O projeto PIBID, Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica à Docência da FURG, foi desenvolvido

Leia mais

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA Claudson Santana Almeida Junho 2012 Introdução O que o leitor encontrará neste artigo? Uma apresentação do sistema de Ensino a Distância (EAD), conhecer as vantagens e

Leia mais

METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA

METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA Educação Infantil METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA s s s Precisao e organizacao nos conceitos A agitação é a mesma. Com algumas adaptações ao espaço e ao tempo, a rotina e as histórias

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA IVINHEMA MS MAIO DE 2010 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRIZOLA, Silene Francisca dos Santos. (UNEMAT) silenefsb@hotmail.com SILVA, Maria Ivonete da. (UNEMAT) ivonete0304@hotmail.com RESUMO Este projeto foi desenvolvido

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE A CRIANÇA NA PUBLICIDADE Entrevista com Fábio Basso Montanari Ele estuda na ECA/USP e deu uma entrevista para e seu grupo de colegas para a disciplina Psicologia da Comunicação, sobre sua história de vida

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador FORMAÇÃO CONTINUADA: UMA ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO SISMÉDIO NA ESCOLA PROFESSOR JOSÉ SOARES DE CARVALHO- GUARABIRA-PB Gyslâynne Mary dos Santos Hermenegildo Rodrigues EEEFM Professor José Soares de Carvalho

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

FACULDADE REDENTOR ITAPERUNA RJ

FACULDADE REDENTOR ITAPERUNA RJ RESULTADOS DA PESQUISA DE PERCEPÇÃO E SATISFAÇÃO DOS CURSOS DE: MBA - GESTÃO ESTRATÉGICA DOS NEGÓCIOS MBA - GESTÃO ESTRATÉGICA COM PESSOAS FACULDADE REDENTOR 2012 ITAPERUNA RJ MODELO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Resumo A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Ana Regina Donato de Moraes 1 Lourdes Keila Casado Pulucena 2 Lucieni Vaz dos Santos 3 Aprender brincando não é apenas um passatempo, quando se trata de ensinar.

Leia mais

Crianças e adolescentes. Lucas 18:15.17

Crianças e adolescentes. Lucas 18:15.17 Crianças e adolescentes Lucas 18:15.17 Quem tem ensinado as nossas crianças? Nós ou Eles? Jogos eletrônicos Os jogos eletrônicos hoje em dia, cada vez mais próximo da realidade, que incitam a violência,

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO 1 ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO CELINA APARECIDA ALMEIDA PEREIRA ABAR Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Brasil abarcaap@pucsp.br - VIRTUAL EDUCA 2003-1 INTRODUÇÃO

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO Palavras-chave: Idoso, práticas corporais, dança, saúde. INTRODUÇÃO Este relato foi fruto de uma

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

São DVD-ROMs com mais de 1 500 conteúdos digitais, entre aulas, jogos interativos e exercícios, sendo mais de 200 voltados para a Educação Infantil.

São DVD-ROMs com mais de 1 500 conteúdos digitais, entre aulas, jogos interativos e exercícios, sendo mais de 200 voltados para a Educação Infantil. Maternal I O J. Piaget é o primeiro e único Sistema de Ensino do mercado que relaciona totalmente o material multimídia ao material gráfico em todos os segmentos. São DVD-ROMs com mais de 1 500 conteúdos

Leia mais

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional? página 01 Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional A definição de Objeto Educacional, adotada pela equipe do projeto Arte com Ciência, é um

Leia mais

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. não Eu Não r que o f existe coleção Conversas #14 - outubro 2014 - a z fu e r tu r uma fa o para c ul m d im ad? e. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Clip Histórico: As Tecnologias e as Guerras Mundiais. Cursistas: Jean Carlos

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

Os planos de aula que estão descritos a seguir estão orientados para os seguintes objetivos educacionais: Identificar situações que envolvam risco;

Os planos de aula que estão descritos a seguir estão orientados para os seguintes objetivos educacionais: Identificar situações que envolvam risco; Caro Professor, A BM&FBOVESPA preparou para você algumas sugestões de planos de aula. Compreendem atividades que podem ser desenvolvidas em sala de aula para o tratamento de temas econômicos e financeiros.

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Lúcia Helena de Magalhães 1 Maria Cristina de Oliveira 2 Resumo Este artigo

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Projeto: TE Conhecer, aprender, saber...

Projeto: TE Conhecer, aprender, saber... Colégio Pe. João Bagozzi Formação de Educadores Tecnologias da Informação e da Comunicação - TICs http://blog.portalpositivo.com.br/ticbagozzi Projeto: TE Conhecer, aprender, 1 Objetivos e Atividades:

Leia mais

Educação infantil EdiçõEs sm Projeto Educativo sm Educativo Ensino Fundamental i 1º ao 5º ano vida es da América Eir Sabor ação é Eix

Educação infantil EdiçõEs sm Projeto Educativo sm Educativo Ensino Fundamental i 1º ao 5º ano vida es da América Eir Sabor ação é Eix PROjEtO Educativo sm A FunDAçãO SM e o Projeto Educativo sm ilustração do livro Sabores da América ArG MEx CoL dom Pri PEr CHL BrA EsP Países onde a Fundação sm e a sm atuam: Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO Eletiva VOCÊ EM VÍDEO E.E. Princesa Isabel Número da sala e sessão Professor(es) Apresentador(es): Adriana Prado Aparecida Pereira da Silva Realização: Foco A Escola Estadual Princesa Isabel, por meio

Leia mais

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso 6D Estúdio promessa de ir além das 3 dimensões Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso ao design em movimento, em vídeo ou internet. Eles unem diferentes conhecimentos técnicos

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

O uso de jogos no ensino da Matemática

O uso de jogos no ensino da Matemática 607 O uso de jogos no ensino da Matemática Cyntia Luane Silva Godoy 1 Marlene Menegazzi 2 RESUMO Neste trabalho irei abordar a importância do uso de jogos no ensino da Matemática como um recurso didático

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

Associação Lar do Neném

Associação Lar do Neném Criança Esperança 80 Associação Lar do Neném Recife-PE Marília Lordsleem de Mendonça Abraço solidário Todas as crianças são de todos : esse é o lema do Lar do Neném, uma instituição criada há 26 anos em

Leia mais

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO Universidade Estadual de Campinas Fernanda Resende Serradourada A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO INTRODUÇÃO: O Projeto de Desenvolvimento realizado por mim visava à confecção

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

A VISÃO DOS ALUNOS SOBRE AQUECIMENTO GLOBAL A PARTIR DO DOCUMENTÁRIO VERDADE INCONVENIENTE

A VISÃO DOS ALUNOS SOBRE AQUECIMENTO GLOBAL A PARTIR DO DOCUMENTÁRIO VERDADE INCONVENIENTE A VISÃO DOS ALUNOS SOBRE AQUECIMENTO GLOBAL A PARTIR DO DOCUMENTÁRIO VERDADE INCONVENIENTE Érica C. A. Dell Asem & Silvia L. F. Trivelato Universidade de São Paulo/ Instituto de Física erica.asem@gmail.com

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais