ENSINO-APRENDIZAGEM DE LINGUA INGLESA: Uma nova ordem do discurso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENSINO-APRENDIZAGEM DE LINGUA INGLESA: Uma nova ordem do discurso"

Transcrição

1 517 ENSINO-APRENDIZAGEM DE LINGUA INGLESA: Uma nova ordem do discurso Tatiana Silvia Andrade dos Santos 1 UNITAU RESUMO. A necessidade de se aprender inglês para o mercado de trabalho já faz parte da memória discursiva do brasileiro. Essa memória existente acaba por impulsionar o mercado de ensino de línguas que tem crescido significativamente e esse mercado traz uma nova ordem do discurso no ensino-aprendizagem de língua inglesa: O discurso capitalista que permeia as relações de professores, alunos e escolas de idiomas. Em decorrência dessa nova ordem do discurso: o ensino, o professor, o aluno e a escola assumem novas posições discursivas. O objetivo deste artigo é investigar na materialidade lingüística da fala dos alunos a vigência desse discurso.. Para a realização dessa pesquisa, a partir da Análise de Discurso de linha francesa, serão tomados por base os conceitos de sujeito, formação discursiva e memória discursiva. Palavras-chave: Análise do Discurso de Linha Francesa Ensino-apredizagem de língua estrangeira discurso capitalista 1. Introdução Slogans do tipo o inglês que você nunca esquece, inglês para a vida toda, você, cidadão do mundo ou você bilíngüe são slogans consagrados de escolas de idiomas, frases que se fixam em nossa mente e atende muito bem ao seu propósito de criar o desejo por tudo o que uma segunda língua pode trazer de benefício à nossa vida. Tais propagandas acabam por reforçar o imaginário de língua inglesa (LI) como essencial em um mundo globalizado assim como o seu público, o que resulta em uma grande procura por inglês, mas muitas vezes, uma procura impulsionada por um ideal que foi discursivamente construído e não pode conta de uma necessidade consistente. Não questionando a capacidade das pessoas de aprender uma segunda língua, mas sim, a motivação para isso que vem de uma tentativa de adequação ordem do discurso vigente sobre a necessidade de se saber inglês em mundo globalizado. Por outro lado, ao passo que o O discurso publicitário, em particular, vai além da prestação de informação, uma vez que visa a provocar um efeito persuasivo e coercitivo em seu interlocutor. (CAVALLARI, 2004, p. 196), há 1 Pesquisa orientada pela profa. Dra. Juliana Santana Cavallari e profa. Dra. Beatriz Eckert-Hoffman

2 518 uma outra verdade sócio-historicamente construída de que o inglês não é para todos. Segundo LEFFA (2009), Numa sociedade competitiva, não solidária, os donos do saber sempre acharão um jeito de restringir o acesso ao conhecimento, para que eles possam manter o prestígio e o poder que esse conhecimento lhes confere. (LEFFA, 2009, p. 116). O autor (2009) chama de autoexclusão o mecanismo que muitos alunos usam para justificarem o não interesse ou a ausência de necessidade para ser estudar inglês. Apesar de o aluno achar que esse dito é seu, ela é na verdade construído na própria sociedade e é assim compartilhada e entendida como verdadeira para muitos. O adulto que procura a escola de inglês pode estar com essa ação tentando fazer parte desse grupo a qual ele não pertence pelo que mencionamos anteriormente, mas por outro lado, pode passar a pertencer; pois, apesar de sua memória discursiva dizer que o inglês não é para ele, a propaganda vem persuadi-lo com ditos que o fazem projetar o que ele quer ser ou onde quer estar. A afirmação de Rajagopalan (2004 apud Garcia 2009, p.30), dialoga com essa questão do lugar sócio-historicamente construído que o inglês ocupa em nossa sociedade: os falantes de língua estrangeira são admirados como pessoas cultas, pois a língua estrangeira sempre representou prestígio. Dessa forma, temos um aluno que de certa maneira tem a angústia do inglês não é para mim em contraste ao desejo de fazer parte desse grupo eletizado. Essa possível motivação pode ser o que guia muitos alunos que não demonstram uma necessidade aparente para estudar o idioma. O desejo de dominar a língua inglesa assim como a negação desse desejo está estritamente relacionado ao lugar que a LI ocupa atualmente: o de língua hegemônica.

3 519 A difusão da LI esteve sempre relacionada a motivos religiosos e políticos: nas colônias britânicas isso se deu por conta das missões protestantes. Lacoste (2005, apud. GARCIA 2009) na questão cultural o inglês foi difundido por meio dos jornais, uma vez que este é muito valorizado pelos ingleses. No plano político, o inglês passou a ser difundido pelos Estados Unidos após o fim da segunda guerra mundial, devido a propagação da influência política e cultural dos Estados Unidos assim como a solidificação de seu lugar na sociedade. Carmagnani (2001) traz uma questão muito pertinente com relação ao aluno e a escola de línguas, depois de analisar varias propagandas que partem do desejo comum pelo inglês, a autora critica a visão simplificadora dos argumentos utilizados nas propagandas que trazem a idéia de exclusão para os que não falam outra língua. Encontramos uma correspondência dessa visão da autora (2001) em Garcia (2009): [...] o ensino de LI parece estar afetado pelo imaginário de colonização e que isso acaba por fortalecer e solidificar o lugar da LI na sociedade, garantindo status àqueles que a adquiram. Garcia 2009, p.35. Segundo a autora (2001, p.115), As propagandas por nós analisadas levam os consumidores a crer que devem fazer parte de um grupo seleto, acionando para isto os componentes psíquicos da ordem da falta e do desejo. Em suas considerações finais Carmagnani (2001, p.133) discorre acerca do foco do discurso das propagandas de escolas de idiomas: fatores emocionais, econômicos e sociais ligados à aprendizagem de línguas, isto é, o que o aluno vai gastar e o que vai ganhar socialmente quando conhecer essa língua, são mais importantes que o processo pelo qual ele irá passar. Garcia (2009) também menciona essa visão capitalista de perpassa o discurso do ensino e aprendizado de inglês: A banalização do ensino de LI não leva em conta as questões ideológicas e culturais que o processo em questão acarreta. Pensa-se, somente nos benefícios profissionais e acadêmicos. (GARCIA 2009, p. 34)

4 520 língua Novos paradigmas: visão capitalista do ensino e aprendizado de Atualmente vivemos uma nova ordem do discurso: a visão capitalista que perpassa as mais diversas relações. Ao pensarmos na escola e na posição discursiva que essa ocupa hoje, principalmente a rede particular de ensino, podemos estabelecer as relações: escola-empresa, professor-vendedor, alunocliente e ensino-produto. A Escola-empresa A escola idioma atualmente vive uma nova ordem do discurso: vender o ensino como produto. Essa tentativa de transformar algo que de certa maneira não pode ser colocado em uma caixa para ser entregue, traz consigo uma variedade de discursos que acabam trazendo incertezas tanto para a escola quanto para alunos e professores. Este nova paradigma acarreta em mudanças de posições subjetivas e discursivas, principalmente por parte do professor que passa a ser constantemente avaliado por seu desempenho e aceitação junto aos alunos. Essa busca de vender o ensino como produto resulta em técnicas para mostrar para o aluno o quanto ele está aprendendo, para quantificar o que ele comprou. Temos assim uma inversão de valores, uma vez que essa preocupação constante de mostrar ao aluno-cliente que ele está recebendo o ensino-produto que comprou, acaba colocando em segundo plano, questões relevantes como: o processo de ensino-aprendizagem e a qualificação do professor, uma vez que em muitas escolas, o preparo do professor e a qualidade de sua formação são suplantados por uma experiência no exterior. O Professor-vendedor Atualmente os professores de maneira geral têm enfrentado várias mudanças em suas posições assumidas. O professor de rede particular especialmente, uma vez que, a escola exige que suas aulas sejam atrativas, atuais e dinâmicas. Mas não com a preocupação em oferecer uma melhor

5 521 formação para os alunos, mas em mantê-los na escola, enquanto clientes. O professor de escola de idioma sente isso mais intensamente, uma vez que, suas turmas são exclusivas, isso acontece na maioria das escolas que trabalham com a abordagem comunicativa, ou seja, o professor fica com aquela turma por 1 semestre ou estágio inteiro. Sendo assim, é de inteira responsabilidade do professor a manutenção e aprendizagem de seus alunos. O professor acaba por assumir algumas características de vendedor, embora fale do lugar socialmente legitimado de professor, sua função se confunde: cumprir meta de manutenção (evasão e rematrícula), persuadir o aluno a continuar na escola: enfatizando o quanto o aluno aprendeu e despertando seu interesse para o que será estudado no próximo livro, em outras palavras, vender a idéia para o aluno. É comum as escolas exigirem resultados de seus professores, afinal, a escola que acaba sendo um empreendimento e visa ter lucros. Mas a questão que se levanta é: a percepção de aprendizagem e o desejo de continuar aprendendo não deveriam acontecer naturalmente? A abordagem aplicada não deveria dar conta disso? Se as ações que a escola se propõe a fazer são tão efetivas, porque tanta esforço para mostrar para o aluno o que ele tem aprendido? Isso não deveria ser resultado de todo o trabalho realizado? Uma outra questão que influencia diretamente o professor é a angustia em lidar com a novidade e tentar livrar-se da tradição. Nós ocidentais somos conhecidos pela tendência de abandono do antigo para apoderar-se do novo. Dessa forma, negamos, se é que é possível, tudo o que já foi utilizado para fazer uso da novidade. Se nossas experiências nos constituem, será que é possível abrir mão de nossas referências para algo novo? No entanto, muitas vezes o professor de idiomas precisa ensinar por meio de um método diferente do qual ele foi ensinado e esse conflito do novo e do antigo, acaba por causar uma outra angústia no professor, que muitas vezes não tem consciência da influência de suas experiências de vida em sua prática docente.

6 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1. Sujeito Para a Análise do Discurso (AD) o sujeito vai além da concepção de indivíduo, uma vez que é interpelado pela ideologia e é constituído sóciohistoricamente. Um outro traço constitutivo do sujeito para a AD é fato de ele ser sujeito no sentido duplo da palavra:... o assujeitamento é a própria possibilidade de se ser sujeito. Essa é a contradição que o constitui: ele está sujeito à (língua) para ser sujeito de (o que diz). (ORLANDI, 2006, p.19) De acordo com M. Pêcheux (1975 apud ORLANDI, 2006, p,18), não podemos pensar o sujeito como origem de si. O sujeito não é dono do seu dizer, mas se esquece disso para que possa se comunicar. Há uma ilusão dupla que nos constitui e se faz necessária para que possamos nos expressar e relacionar. Segundo Pêcheux (1975 apud ORLANDI 2006) o sujeito tem duas formas de esquecimentos: o esquecimento um que se refere a ilusão de ser origem do que diz. O esquecimento número um pode ser exemplificado pelos momentos em que opinamos sobre algum assunto e cremos que aquela opinião dada seja nossa, exclusiva. O esquecimento número dois, da ordem da formulação, trata dos possíveis sentidos que aquilo que dizemos pode produzir. As características daquilo que determina o sujeito estão re-inscritos no discurso do próprio sujeito, ou seja, o que falamos e também o que silenciamos nos constitui. O sujeito se constitui na e pela linguagem. O sujeito para a AD é interpelado pela ideologia, ideologia essa que produz evidências e coloca o homem na relação imaginária com suas condições materiais de existência. ORLANDI (1999)

7 Memória discursiva A noção de esquecimentos de Pêcheux apresentada anteriormente está de certa forma relacionada a memória discursiva. Apesar do termo memória a memória discursiva também se refere ao que aparentemente está esquecido, no entanto, diz respeito a algo mais coletivo e abrangente, ao passo que os esquecimentos parecem estar mais relacionados ao contexto individual. Segundo Orlandi (2006), A memória discursiva é trabalhada pela noção de interdiscurso: algo fala antes, em outro lugar e independentemente. Tratase do que chamamos saber discursivo. É o já dito que constitui todo dizer. ORLANDI, 2006, p. 21. Quando dizemos uma palavra, não temos noção do número de vezes e contextos diferentes em que essa palavra foi empregada, o que constitui sua memória. O fato de nos esquecermos das formulações já utilizadas resulta na constituição de memória pelo esquecimento. (ORLANDI 2006). A noção de interdiscurso é semelhante ao da memória discursiva, uma vez que sua definição também se baliza no conjunto de formulações feitas e já esquecidas que determinam o que dizemos, como afirma Orlandi (1999, p.33) 2.3. Formação Discursiva De acordo com Orlandi (1999), a formação discursiva é o que define o que pode e deve ser dito. Assumimos essas formações de acordo com as posições que vamos adquirindo, há diversas formações discursivas e elas se constituem de acordo com a posição e conjuntura dadas. No tocante ao conceito de formação discursiva, Orlandi (1999) a compreensão de dois aspectos faz-se necessária: 1. As palavras derivam seus sentidos na formação discursiva em que se inscrevem. Dessa forma, no discurso as formações discursivas representam as formações ideológicas e os sentidos determinados ideologicamente. Eles dependem das relações dadas nas/pelas formações discursivas.

8 A compreensão dos diferentes sentidos se dá pela referência à formação discursiva. É por esta razão que iguais podem significar diferentemente por acontecerem em formações discursivas diferentes. Por fim, é pela a formação discursiva que o individuo ocupa seu lugar de sujeito na análise do discurso: 3. Análise dos dados Devemos ainda acrescentar que a interpelação do indivíduo em sujeito do seu discurso se efetua pela identificação do sujeito com a formação discursiva que o domina. ORLANDI, 2006, p. 19. Segundo Pêcheux (1975 apud ORLANDI 1999), todo enunciado é lingüisticamente descritível como uma séria de pontos de deriva possível oferecendo lugar à interpretação.. Em nossa análise, procuraremos buscar na fala dos alunos entrevistados uma possível coerência do discurso publicitário de escolas de idiomas, especialmente de inglês, e o discurso dos próprios alunos ao falarem sobre seu curso. Primeiramente, descreveremos as condições de produção das entrevistas realizadas. A entrevista foi realizada nas dependências de um instituto de idiomas, o qual tem aproximadamente quinhentos alunos, em sua grande maioria alunos adultos. A escola fica localizada na região sul de uma cidade de aproximadamente seiscentos mil habitantes, denominada núcleo industrial, no interior de SP. O instituto tem um laboratório com computadores que os alunos usam para praticar exercícios de fixação e também para realizar os exercícios do portal, parte integrante de seu curso, que corresponde a trinta por cento do total de horas a serem estudadas em cada módulo. Há aproximadamente nove salas de aula no instituto e um auditório. A equipe pedagógica é formada por dez professores, um coordenador pedagógico, um assistente pedagógico e um assistente de alunos. O método de ensino adotado pela escola é a abordagem comunicativa.

9 525 Usaremos nomes fictícios para identificar os entrevistados assim como a instituição escolhida. O entrevistado 1 (E1) tem aproximadamente trinta anos, de classe média alta, professor e do sexo feminino. O entrevistado 2 (E2), por sua vez, está na faixa dos vinte e cinco anos, também de classe média alta, analista de sistemas e do sexo masculino. Analisaremos os enunciados resultantes das perguntas separadamente. Reproduziremos a seguir, parte da entrevista de sete perguntas que foi gravada e transcrita: 1. Por que você estuda inglês? E1 Eu estudo mais por conhecimento porque eu queria aprender outro idioma. E2 ah no começo foi mais por necessidade. Vim/ fui fazer por causa de uma necessidade do mercado de trabalho. Depois a necessidade até passou e agora é porque eu gosto mesmo. Quando perguntados sobre a razão para estudar o inglês, o E1 não apresenta uma razão específica apenas menciona por conhecimento. Já o E2, explicita mais o motivo de estudar inglês ao mencionar que inicialmente fora motivado por uma necessidade do mercado de trabalho. Podemos reconhecer na fala dos entrevistados uma correspondência que as próprias propagandas de escolas de idiomas utilizam: a questão do conhecimento, como um dos slogans mencionados na introdução você bilíngüe, assim como o fato de saber inglês ser uma necessidade do mercado de trabalho, essa concepção a respeito do estudo de inglês, já está marcada/incutida na fala das pessoas, já faz parte da memória discursiva do sujeito dos séculos vinte e vinte um. 4. (a) Por que você escolheu uma escola de idiomas?

10 526 E1 Ah... porque eu queria aprender o... desde o básico, começar desde o começo mesmo então é... e eu moro aqui perto... foi por isso que eu optei pela escola. E2 é porque eu acho que tem mais métodos, tem o portal da internet..., tem os professores..., tem um acesso maior à informação, a dúvidas do que um professor particular. As respostas em relação à escolha de se estudar inglês em uma escola de idiomas apresentam opiniões diferentes, mas coerentes com o que está em voga no momento. Primeiramente, E1 demonstra o interesse em um estudo seqüencial quando menciona desde o básico, o não-dito nessa resposta da entrevistada poderia nos remeter a alguma experiência, referência, verdade sócio-historicamente construída, de que se não for em uma escola de idiomas, talvez o ensino não se inicie desde o básico. Por outro lado, a reposta de E2 aponta para um posicionamento capitalista com relação ao ensino, uma vez que o aluno valoriza a escola pelos recursos que ela oferece como podemos observar nos enunciados: tem mais métodos, o portal da internet, uma acesso maior a informação, ao invés de valorizar seu aprendizado, ou até mesmo, a formação de seu professor. Um outro aspecto interessante nesse enunciado de E2 é a comparação a um professor particular, ao afirmar que em uma escola se tem um acesso maior à informação e à dúvidas do que um professor particular, podemos perceber uma ideologia, uma memória de supervalorização da instituição ao invés do ensino em si, uma vez que um profissional fora de uma instituição teria acesso limitado em comparação a tudo que uma escola pode oferecer. Ainda sobre essa formulação, os recursos mencionados pelo entrevistado não parecem estar fora do alcance de um professor particular: métodos de ensino, portal de exercícios e troca com outros profissionais. 4. (b) Por que a escola X? E1 - Porque fica bem próximo da minha casa. (Só Por isso?) Não, é assim eu já tinha ouvido falar também da escola, que era bom e tal... e por ser mais próxima também, eu fui ver em outras escolas tb, é por ser mais próxima mesmo o da minha casa...

11 527 E2 - Ah.. por referências... O que nos chama atenção nas formulações da pergunta 4b que foca mais especificadamente a opção pela escola X, são as motivações dos alunos para essa escolha. E1 menciona três vezes que a escolha da escola é pelo fato de esta ficar próxima à sua casa. É possível perceber nessa fala uma importância maior a comodidade do que a busca pela qualidade ou até mesmo pelo que se adequaria melhor à sua necessidade. Não questionando a qualidade de ensino da escola X, mas sim, a ausência de preocupação do aluno em procurar uma escola que melhor atenda às suas necessidades e também de fácil acesso, ao invés de primeiramente, ser de fácil acesso. Parece-nos que estamos diante de uma inversão de valores: comodidade suplantando a relevância de um aprendizado direcionado. É possível também perceber por meio dessa busca pelo conforto e comodidade um interdiscurso da cultua capitalista: a relevância do conforto e bem-estar em contraste com o essencial. E2, por sua vez, apenas menciona por referências o que revela uma busca pela aceitação, pois se um número considerável de pessoas estuda e aprova o instituto e a propaganda reforça essa aceitação, o desejo de também quero fazer parte desse grupo é despertado e reforçado. 5. Quais são as coisas que você gosta e não gosta no curso? E2 - eu gosto da forma como é dada a matéria, só não gosto porque às vezes eu acho que... é falta um pouco de mais conversas com temas passados, assim, ter mais temas passados nas conversas. (você diz revisões) é, nas próprias conversas que a gente tem em sala, fica meio que fica no passado algumas coisas que a gente aprende. A resposta de E2 para a pergunta cinco evoca uma grande questão que envolve a abordagem comunicativa que é usada na escola onde a pesquisa foi realizada: primeiramente pelo fato do aluno pedir mais conversações, o que parece paradoxal, uma vez que a abordagem comunicativa é focada em conversação. Além disso, o aluno se refere à

12 528 conversas com temas passados, o que pode ser entendido aqui como uma necessidade de revisões, repetições, ou seja, a forma de ensinar pela a qual o aluno adulto passou na escola regular. E2 marca em seu enunciado um desejo de controle de seu próprio aprendizado, controle esse que se reforça por meio de repetições e revela certa preocupação em esquecer o que foi aprendido: fica no passado algumas coisas que a gente aprende. Diante dessa afirmação, perguntamos: é possível esquecer o que de fato se aprendeu? Ou será que o esquecimento é justamente a denuncia do que não foi aprendido? 7. Como você avalia se aprendeu? E1 - Como eu avalio se eu aprendi... Quando eu faço uma revisão, igual hoje, eu tava fazendo a revisão... e aí no comecinho era uma partizinha que eu já tinha visto antes né e ai tinha coisa que eu lembrava e sabia escrever. As vezes é uma coisinha que por distração se esquece, mas assim, lembra. Mas eu tenho muito dificuldade mesmo é na hora de falar, as vezes na hora que ta fazendo a pergunta ali eu não não lembro e dá aquele branco, mas no mais, quando eu tenho tempo para estudar mesmo... eu lembro E2 - ah consigo conversar com as pessoas em inglês, consigo entender o programa sem a legenda. Sinto a maior... porque antigamente eu não conseguia conversar, não conseguia usar o passado... e nem entender o filme que passasse sem a legenda Finalmente, nessa última formulação de E2 podemos percebe que apesar de se tratar de um método comunicativo, o aluno avalia o quanto aprendeu pela gramática. Como a língua não pode ser medida dada todas as características que ela tem, a gramática assume uma nova posição: a de quantificar o quanto se aprendeu. A busca em transformar o ensino em produto acaba trazendo consigo outros posicionamentos de mercado, o quantificar, por exemplo. Mais uma vez temos a fala do aluno reforçando a nova ordem do discurso de língua como produto. Por outro lado, há alguma outra maneiram senão pela gramática de se medir o quanto o aluno sabe ou o quanto deveria saber?

13 Considerações Finais A análise feita nesse estudo nos propiciou uma reflexão acerca dos novos paradigmas que de certa forma regem o ensino-aprendizagem de língua inglesa e o coloca nessa nova ordem do discurso. A materialidade lingüística das respostas dos entrevistados assim como dos slogans das escolas de idioma esclarece que as formações discursivas: professor-vendedor, escola-empresa, ensino-produto e alunocliente já fazem parte da memória discursiva do brasileiro. Finalmente, as formações discursivas que emergem dos enunciados analisados, nos chamam a atenção para a urgência de um resgate do que é essencial no processo de ensino-aprendizagem de línguas. Sabemos que essas posições discursivas já existentes são irreversíveis e se fazem necessárias para o contexto capitalista em que vivemos, além de serem constitutivas do discurso em voga no momento. No entanto, o acesso que temos por meio da análise do discurso a essas memórias podem nos permitir não deixar o essencial ser suplantado pelo não-essencial. 5. Anexo Perguntas da Entrevista Analisada 1. Por que você estuda inglês? 2. Você gosta de inglês? 3. Há quanto tempo você estuda inglês? 4. Por que você escolheu uma escola de idiomas? Por que a escola X? 5. Do que você gosta e não gosta no curso? 6. Você sente que aprendeu? 7. Como você avalia se aprendeu? Referências CARMAGNANI, Anna Maria G. As escolas de língua e o discurso publicitário: construindo o desejo da língua estrangeira. In: ; GRIGOLETTO, Marisa.

14 530 (Org.). Inglês como língua estrangeira: identidade, práticas e textualidade. Edição Bilíngüe. São Paulo: Humanitas, p CAVALLARI, Juliana Santana. As discursividades que perpassam os slogans da campanha do carnaval de In: Cadernos de Estudos Lingüísticos. Vol. 46 (2).Campinas: Unicamp IEL, p GARCIA, Renata Andrade. Os Parâmetros curriculares Nacionais de língua estrangeira e as representações que incidem no processo de ensino e aprendizagem de língua inglesa. (TCC). Taubaté: Unitau, ORLANDI, Eni. Análise de Discurso. Campinas: Pontes, Discurso e Textualidade. Campinas: Pontes, LEFFA, Vilson José. Por um ensino de idiomas mais includente no contexto social atual. In: LIMA, Diógene de Lima (ORG.). Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa conversas com especialistas. São Paulo: Parábolas, p

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

A LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: INVESTIGANDO AS REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS SOBRE O INGLÊS

A LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: INVESTIGANDO AS REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS SOBRE O INGLÊS A LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: INVESTIGANDO AS REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS SOBRE O INGLÊS Resumo Pauliana Duarte Oliveira IFG 1 Grupo de trabalho: Cultura,

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR POLIVALENTE E O TRABALHO COM RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR POLIVALENTE E O TRABALHO COM RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN: 1981-3031 A FORMAÇÃO DO PROFESSOR POLIVALENTE E O TRABALHO COM RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Juliane dos Santos Medeiros (UFAL) jumedeiros_santos@yahoo.com.br Rosemeire

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 410 O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 RESUMO. O presente estudo se propõe a analisar num artigo, publicado em uma revista de grande circulação no

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

AS PRÁTICAS NEOLIBERAIS NO ENSINO- APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA

AS PRÁTICAS NEOLIBERAIS NO ENSINO- APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA AS PRÁTICAS NEOLIBERAIS NO ENSINO- APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA JULIANA SANTANA CAVALLARI Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem Universidade do Vale do Sapucaí Avenida Prof. Tuany Toledo,

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

Linguística Aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: a oralidade em sala de aula (Juliana Carvalho) A Linguística Aplicada (LA) nasceu há mais ou menos 60 anos, como uma disciplina voltada para o ensino

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF)

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF) RELAÇÕES DICOTÔMICAS NO ENSINO DE INGLÊS EM CURSOS DE IDIOMAS: as implicaturas da (de)formação do professor de línguas que atua nesse contexto de ensinoaprendizagem de língua estrangeira Carlos Fabiano

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS INTRODUÇÃO Ângela Mª Leite Aires (UEPB) (angelamaryleite@gmail.com) Luciana Fernandes Nery (UEPB)

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

UM POUCO ALÉM DA LEITURA INSTRUMENTAL: O ENSINO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA(INGLÊS) NO CURSO TÉCNICO INTEGRADO EM EDIFICAÇÕES DO IFG-CÂMPUS JATAÍ

UM POUCO ALÉM DA LEITURA INSTRUMENTAL: O ENSINO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA(INGLÊS) NO CURSO TÉCNICO INTEGRADO EM EDIFICAÇÕES DO IFG-CÂMPUS JATAÍ UM POUCO ALÉM DA LEITURA INSTRUMENTAL: O ENSINO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA(INGLÊS) NO CURSO TÉCNICO INTEGRADO EM EDIFICAÇÕES DO IFG-CÂMPUS JATAÍ Daniella de Souza Bezerra - daniella@jatai.ifg.edu.br Daniela

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Introdução UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) O projeto História das Ideias Linguísticas 1

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO DISCURSO: UMA ANÁLISE EM REDAÇÕES ESCOLARES RESUMO

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO DISCURSO: UMA ANÁLISE EM REDAÇÕES ESCOLARES RESUMO ELEMENTOS CONSTITUINTES DO DISCURSO: UMA ANÁLISE EM REDAÇÕES ESCOLARES Jamires Nobre Menezes de Oliveira ( UNEB). RESUMO Este trabalho apresenta os elementos constituintes do discurso estabelecidos entre

Leia mais

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA Flávia Santos Silva * José Mozart de Góis * Isa Ursole Brito** Luiz José da Silva*** Sergio Luiz Malta de Azevedo**** INTRODUÇÃO Constituindo-se

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2003 - Érika Nunes Martins Simões Formação do Professor de - Sheila Andrade

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO?

OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO? OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO? Ewerton Felix da Silva Antônio Fernandes Dias Júnior Cristiane Vieira Falcão Maria Glayce Kelly Oliveira

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Autora: MERLI, Angélica de Almeida - UNINOVE - angel.almeida@uninove.edu.br

Leia mais

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA 500 PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA Renata Aparecida de Freitas 1 FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Lorena - SP Este trabalho

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA

CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA Aluna: Tatiana de Alemar Rios Orientador: Magda Pischetola Introdução A partir do estudo realizado pelo Grupo

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT 1. Introdução Adelita Balbinot 1 Olímpia Maluf-Souza 2 As condições de produção dos discursos em torno das

Leia mais

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ Revista Eventos Pedagógicos v.5, n.4 (13. ed.), número regular, p. 115-121, nov./dez. 2014 SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO

Leia mais

LEITURA DOS DIZERES DOS ALUNOS-APRENDIZES DE LÍNGUA ESTRANGEIRA. Maria de Lourdes Marques Moraes (UNINCOR Três Corações)

LEITURA DOS DIZERES DOS ALUNOS-APRENDIZES DE LÍNGUA ESTRANGEIRA. Maria de Lourdes Marques Moraes (UNINCOR Três Corações) LEITURA DOS DIZERES DOS ALUNOS-APRENDIZES DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Maria de Lourdes Marques Moraes (UNINCOR Três Corações) Este texto é produto das reflexões acerca da construção das identidades a partir

Leia mais

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves Encontro: 20 e 21 de Setembro Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves 1 RAÍZES - Habilidades, Qualidades, Valores 2 TRONCO: Nome / Formação 3 GALHOS/FOLHAS: Projetos para o futuro 4 FLORES: Projetos em

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO *

SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO * 1 SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO * Denise Franciane Manfré Cordeiro Garcia (UNESP/São José do Rio Preto) Fernanda Correa Silveira Galli (UNESP/São José

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS?

COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS? COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS? SILVA, Arivan Salustiano da Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem MeEL/UFMT arivanss@yahoo.com

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA Camila Nicola Boeri Universidade de Aveiro Portugal camilaboeri@hotmail.com Márcio Tadeu Vione IFMT - Campus Parecis - MT mtvione@gmail.com

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU

O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU Elda Vieira Tramm/UFBa/EMFoco Jussara G. Araújo Cunha/SEC/Ba/EMFoco Nosso Desafio Construir o m do Mc Donald s

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS FORTES, Gilse Helena Magalhães PUCRS GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora: não contou com financiamento A escola por ciclos,

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Introdução REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Ana Rachel Carvalho Leão 1 Este trabalho tem por objetivo apresentar algumas representações sobre cultura surda

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO SENTIDO NO ENSINO DE INGLÊS: LÍNGUA E CULTURA

A CONSTRUÇÃO DO SENTIDO NO ENSINO DE INGLÊS: LÍNGUA E CULTURA Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (516-520) A CONSTRUÇÃO DO SENTIDO NO ENSINO DE INGLÊS: LÍNGUA E CULTURA Eulia Rejane SILVA (Universidade Federal de Uberlândia) ABSTRACT: This paper aims

Leia mais

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail. Título: Desafios da Orientação Profissional Um caso prático no SPA da UERJ Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.com

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS Verônica Rodrigues Times 1 Texto e Discurso: delimitando

Leia mais

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE Nazaré do Socorro Moraes da Silva Universidade do Estado do Para/UEPA Secretaria Executiva de Educação/SEDUC nazaresocorro@hotmail.com Elise Cristina Pinheiro

Leia mais

O Segredo do Nosso Insucesso

O Segredo do Nosso Insucesso Escola Básica de 2º e 3º Ciclos José Maria dos Santos Pinhal Novo O Segredo do Nosso Insucesso Professor Jorge Pires ( Subcoordenador do Departamento de Línguas ) Na sequência da solicitação do presidente

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução III Seminário sobre Educação Matemática A desigualdade triangular em diferentes mídias Paulo César da Penha pcpenha@terra.com.br GRUCOGEO/USF/ Secretaria da Educação de Itatiba-SP Resumo O relato de experiência

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

PROPOSTA DE PARCERIA WIZARD E Aspuv

PROPOSTA DE PARCERIA WIZARD E Aspuv PROPOSTA DE PARCERIA WIZARD E Aspuv Viçosa Agosto 2015 APRESENTAÇÃO A Wizard Idiomas é a maior rede de franquias no segmento de ensino de idiomas do Brasil. Os dados são da Associação Brasileira de Franchising

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL

AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Élida Cristina de Carvalho Castilho 1 INTRODUÇÃO Indubitavelmente, questões sociais e econômicas sempre

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

Parecer. Conselheiro/Relator: Maria da Conceição Castro Ramos

Parecer. Conselheiro/Relator: Maria da Conceição Castro Ramos Parecer Projeto de Decreto-Lei que procede à revisão do regime jurídico da habilitação profissional para a docência dos educadores e professores dos ensinos básico e secundário Conselheiro/Relator: Maria

Leia mais

SEU INGLÊS ESTÁ PRONTO PARA O CANADÁ?

SEU INGLÊS ESTÁ PRONTO PARA O CANADÁ? SEU INGLÊS ESTÁ PRONTO PARA O CANADÁ? Se você quer aplicar para conseguir o visto de residência permanente no Canadá, vai precisar, antes de mais nada, de um certificado que ateste a sua proficiência na

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com VIII Jornada de Estudos do Discurso NARRANDO A VIDA SOCIAL A FALA DO PROFESSOR DE INGLÊS SOBRE A SUA ATIVIDADE DOCENTE EM CURSOS DE IDIOMAS: POR UM ITINERÁRIO INVESTIGATIVO NA INTERFACE TRABALHO & LINGUAGEM

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

4 Metodologia. 4.1.Metodologia de observação

4 Metodologia. 4.1.Metodologia de observação 56 4 Metodologia O objetivo desse trabalho é observar o uso de textos de multimodais na sala de aula de língua inglesa, assim como a escolha do professor no uso de este ou aquele texto multimodal, de modo

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

Como funciona uma aula de inglês na Language Plus

Como funciona uma aula de inglês na Language Plus Como funciona uma aula de inglês na Language Plus professores nativos de inglês. Sobre os Cursos da Language Plus Os Cursos de Inglês da Language Plus foram desenhados especialmente para os profissionais

Leia mais

Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula

Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida alerta que o currículo escolar não pode continuar dissociado das novas possibilidades tecnológicas

Leia mais