PATOLOGIA E TERAPIA DAS ESTRUTURAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PATOLOGIA E TERAPIA DAS ESTRUTURAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PATOLOGIA E TERAPIA DAS ESTRUTURAS INTERVENÇÕES DE REPARO ( RESTAURAÇÕES ) PROF. ÉLVIO MOSCI PIANCASTELLI ESCOLA DE ENGENHARIA

2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO TRATAMENTO DAS SUPERFÍCIES DO CONCRETO E DO AÇO REPAROS Reparos Localizados Superficiais Reparos Localizados Profundos Reparos Superficiais de Grandes Áreas Reparos Devidos a Corrosão de Armaduras Corrosão por Despassivação da Armadura Corrosão pela Presença de Cloretos Proteção Catódica Reparos de Bordas de Consolos Curtos e Dentes Gerber Reparos em Estruturas Submersas Reparos em Fissuras Reparos em Fissuras Inativas Fissuras de Pequena Abertura (0,3 a 1,0mm) em Superfície Vertical ou Inclinada Fissuras de Pequena Abertura (0,3 a 1,0mm) em Superfície Horizontal Fissuras de Grande Abertura (acima de 1 mm) Fissuras Capilares (abertura inferior a 0,3 mm) Reparos em Fissuras Ativas (ou Inativas com Monoliticidade Não Exigida) Reparos Especiais Pinturas e RevestimentoS Estéticos ou Protetores Bibliografia

3 1. INTRODUÇÃO São chamadas de reparos as intervenções que visam corrigir pequenos danos ocorridos em elementos estruturais. Ao falar em pequenos danos, está-se referindo a danos que não comprometem o desempenho estrutural do elemento ou o fazem de forma bem pouco significativa. Na realidade, a linha que separa os reparos das recuperações (intervenções que visam devolver o desempenho original da estrutura) é tênue em função da definição dada para pequenos danos. É importante salientar que alguns casos, à primeira vista de reparos, transformamse em casos de recuperação, devido à intensa redução da seção de concreto exigida no preparo do substrato. Caso típico ocorre nas intervenções devidas a oxidação de armaduras em pilares. Mesmo que de forma não totalmente correta, tendo em vista as recuperações, as intervenções de reparo são chamadas de restaurações. 2. TRATAMENTO DAS SUPERFÍCIES DO CONCRETO E DO AÇO Para o bom desempenho de um reparo é de fundamental importância que o substrato (superfícies de concreto e aço) seja convenientemente tratado. São duas as finalidades básicas do tratamento: retirar todo material deteriorado ou contaminado; propiciar as melhores condições de aderência entre o substrato e o material de reparo. Na sua execução, podem ser adotados os seguintes procedimentos: Escarificação manual (talhadeira, ponteiro, marreta); Escarificação mecânica (martelete, rompedor, fresa); Escovamento manual (escova de aço); Lixamento manual ou elétrico (lixas para concreto e aço, lixadeira elétrica); Hidro-demolição (equipamento específico); Jateamento de areia (equipamento específico); 2

4 Jateamento de água e areia (equipamento específico); Queima controlada com chama (maçarico); Corte de concreto (disco de corte); Jateamento de ar comprimido (equipamento específico); Jateamento de água fria ou quente (equipamento específico); Jateamento de vapor (equipamento específico); Lavagem com soluções ácidas (solução de ácido clorídrico, Reebaklens da Fosroc); Lavagem com soluções alcalinas (solução de soda cáustica ); Aplicação de removedores de óleos e graxas (Reebexol Super, Fosroc); Aplicação de removedores de gordura e ácido úrico - suor (álcool isopropílico, acetona); Umedecimento ou saturação da superfície do concreto com água (aspersão, pano ou areia molhados). Na retirada do concreto deteriorado ou contaminado, deve-se cuidar para que o contorno das aberturas seja bem definido e suas faces laterais apresentem ângulos que favoreçam a aderência, facilitem a aplicação e garantam a espessura mínima do material de reparo. A Figura 1 ilustra o descrito. Figura 1 - Retirada do Concreto Deteriorado ou Contaminado Geometria do Contorno e das Faces das Aberturas 3

5 Em qualquer caso, a superfície do concreto velho, que entrará em contato com o material de reparo, deverá ser apicoada para a retirada da nata de cimento superficial. Essa superfície deverá apresentar-se seca ou úmida (saturada com superfície seca) em função do material a ser utilizado. 3. REPAROS A seguir, são descritos os reparos mais freqüentemente executados. Eles foram nomeados em função de sua extensão e profundidade, da enfermidade, causa ou sintoma, ou, ainda, do elemento estrutural e sua localização. Para alguns tipos de reparo, são apresentados os diversos materiais utilizados e as técnicas e procedimentos correspondentes REPAROS LOCALIZADOS SUPERFICIAIS São, normalmente, chamados de superficiais, os reparos que não ultrapassam a espessura da camada de cobrimento das armaduras. Tais reparos são exigidos em função de disgregações, desagregações, segregações, porosidades ou contaminações que atingem o concreto de cobrimento das armaduras. Podem ser executados com os seguintes materiais e técnicas: A) Reparo com Argamassa Modificada com Polímero - Pré-dosada (Sika Top - 122) ou Preparada na Obra (base acrílica ou SBR). O reparo, ilustrado pela Figura 2, deve ser executado obedecendo-se a seguinte seqüência de procedimentos: a) tratar o substrato e umedecê-lo sem saturação. Para argamassa preparada na obra, aplicar ponte de aderência compatível (cimento+água+polímero, relação água:polímero = 1:1); b) preparar a argamassa; c) aplicá-la pressionando-a contra o substrato, inicialmente com as mãos, e, a seguir, com espátula ou colher de pedreiro, obedecendo-se a espessura máxima 4

6 preconizada pelo fabricante para cada camada e dando-lhe acabamento final com desempenadeira metálica; d) executar cura úmida. A cura através da aplicação de produtos que formam películas (comumente chamada de cura química) pode ser utilizada, devendo-se lembrar, entretanto, que algumas dessas películas impedem ou prejudicam a aderência de pinturas e argamassas de assentamento ou revestimento. Figura 2 - Reparos Localizados Superficiais - Disgregações, Desagregações, Segregações, Porosidades e Contaminações. B) Reparo com Argamassa Grout Tixotrópica - base mineral (Sika Grout -Tix). O reparo, ilustrado, também pela Figura 2, deve ser executado obedecendo-se a seguinte seqüência de procedimentos: a) tratar o substrato; b) umedecê-lo sem saturação; c) preparar o grout, conforme especificações do fabricante; d) aplicar o material pressionando contra o substrato com espátula ou colher de pedreiro, obedecendo-se a espessura máxima por camada preconizada pelo fabricante, e dando-lhe acabamento final com desempenadeira metálica; e) executar cura úmida ou com película. Obs.: Caso o concreto do substrato não apresente boa aderência ao grout, deve-se 5

7 aplicar, sobre o substrato seco, adesivo de base epóxi (Sikadur 31) para servir de ponte de aderência. Para substrato úmido utilizar adesivo de base acrílica ou SBR (cimento + água + polímero, relação água:polímero = 1:1). C) Reparo com Outros Materiais: Neste tipo de reparo, podem ser usados, ainda, outros tipos de argamassas, como as de base epóxi ou poliester, que exigem procedimentos específicos REPAROS LOCALIZADOS PROFUNDOS Convencionou-se chamar de profundos os reparos cujas profundidades ultrapassam a camada de cobrimento das armaduras. Esse tipo de reparo, geralmente, surge devido à ocorrência de segregações, ninhos, ou presença de corpos estranhos ao concreto. Na sua execução, podem ser adotados os seguintes materiais e técnicas: A) Reparo com Concreto Grout ou Argamassa Grout (Sika Grout). O reparo, ilustrado pela Figura 3, deve ser executado obedecendo-se a seguinte seqüência de procedimentos: Figura 3 - Reparos Localizados Profundos 6

8 a) tratar o substrato e umedecê-lo, sem saturá-lo; b) instalar formas com cachimbo (se necessário, aplicar antes adesivo epóxi de elevado pot-life ); c) preparar a argamassa ou o concreto grout (argamassa grout + pedriscos); d) lançar o grout nas formas e adensá-lo; e) antes do completo endurecimento do grout, desformar e, cuidadosamente, retirar seu excesso. Tal excesso pode ser retirado, também, após o total endurecimento (24 horas) através de corte e lixamento. f) executar cura. B) Reparo com Concreto e Ponte de Aderência de Base Epóxi. O concreto deverá ter consistência fluida, baixo fator água/cimento e, preferencialmente, ser aditivado com agente expansor (pó de alumínio, Intraplast N da Sika). O reparo, ilustrado, também, pela Figura 3, deve ser executado conforme a seguinte seqüência de procedimentos: a) tratar o substrato, que deve apresentar-se seco antes da próxima etapa; b) preparar e aplicar o adesivo epóxi de elevado pot-life. Evitar a aplicação do adesivo epóxi sobre as armaduras. Caso isso seja difícil, antes do adesivo, aplicar produto inibidor de corrosão sobre as armaduras (Sika Top 108); c) instalar formas com cachimbo; d) lançar o concreto nas formas e adensá-lo; e) antes do completo endurecimento do concreto, desformar e, cuidadosamente, retirar seu excesso. Tal excesso pode ser retirado, também, após o total endurecimento através de corte e lixamento; f) executar cura. 7

9 C) Reparo com Argamassa Seca ( dry pack ) e Adesivo Epoxídico. A argamassa seca poderá ser de grout específico (Sika Grout - Tix), grout comum (Sika Grout) com pouca água, ou argamassa de cimento e areia, de preferência aditivada com agente expansor (pó de alumínio, Intraplast N da Sika). O reparo, ilustrado pela Figura 4, deve ser executado da seguinte maneira: Figura 4 - Reparos Localizados Profundos - Dry Pack a) tratar o substrato, que deve apresentar-se seco antes da próxima etapa; b) preparar a argamassa seca; c) preparar e aplicar o adesivo epóxi. Evitar a aplicação do adesivo epóxi sobre as armaduras. Caso isso seja difícil, antes do adesivo, aplicar produto inibidor de corrosão sobre as armaduras (Sika Top 108); d) aplicar a argamassa seca em camadas ( 2 cm) socadas contra o substrato; e) dar acabamento e executar cura. 8

10 3.3. REPAROS SUPERFICIAIS DE GRANDES ÁREAS Tais reparos são exigidos em função de disgregações, desagregações, segregações, erosões, desgastes, contaminações ou calcinações que atingem grandes áreas do concreto de cobrimento das armaduras. Podem ser executados com os seguintes materiais e técnicas: A) Reparo com Argamassa Modificada com Polímero, Pré-dosada (Sika Top - 122) ou Preparada na Obra (base acrílica). O reparo, ilustrado pela Figura 5, deve ser executado através da seguinte seqüência de procedimentos: Figura 5 - Reparo Superficial de Grandes Áreas. a) tratar o substrato e umedecê-lo sem saturá-lo; b) preparar a argamassa; c) aplicá-la, em camadas (conforme especificações do fabricante), pressionando-a contra o substrato com desempenadeira ou colher de pedreiro, e dando-lhe acabamento final com desempenadeira de aço; d) executar cura. 9

11 B) Reparo com Argamassa ou Concreto Projetado O reparo, ilustrado, também, pela Figura 5, deve ser executado da seguinte forma: a) tratar o substrato; b) promover, se necessário, o seu umedecimento (tipo saturado - superfície seca); c) executar a projeção; d) dar acabamento sarrafeado e desempenado; e) executar cura. OBS.: Nos casos de erosão ou desgaste, cujas causas não foram eliminadas, é conveniente, após o reparo com qualquer dos dois materiais, aplicar revestimento protetor de base epóxi. A utilização de material de reparo com formulação epoxídica é, também, bastante indicada nesses casos. Como os produtos de base epoxídica são caros, têm-se optado, com ótimos resultados, pela adoção de argamassas ou micro-concretos aditivados com microssílica. Tal material exige, entretanto, uma cuidadosa cura úmida, geralmente feita através de aspersão contínua REPAROS DEVIDOS A CORROSÃO DE ARMADURAS Para que seja possível executar, com eficiência, reparos que visem interromper o processo de corrosão das armaduras, é importante analisar como funciona o sistema de proteção do aço dentro da massa de concreto. Para tanto, é necessário verificar as relações existentes entre o ph do concreto e o potencial de corrosão (potencial eletroquímico) do aço. Essas relações foram estudadas por Pourbaix e são mostradas na Figura 6 através do diagrama que leva o seu nome. 10

12 Figura 6 - Diagrama de Pourbaix - Potencial x ph Pelo diagrama de Pourbaix, observa-se que para manter a proteção do aço dentro do concreto deve-se: manter o ph entre 10,5 e 13 (esta é a proteção naturalmente dada pelo concreto homogêneo e compacto); abaixar o potencial de corrosão (< -0,8 V) a fim de se atingir a faixa da imunidade (o que se obtém com a chamada proteção catódica ); elevar o potencial de corrosão (> +0,8) a fim de que seja atingida a faixa de passivação (princípio da utilização dos inibidores anódicos, como o nitrito de sódio) Corrosão por Despassivação da Armadura A despassivação da armadura ocorre em função da diminuição do ph do concreto, devido à reação entre o hidróxido de cálcio a ele inerente e o CO 2 que nele penetra, no fenômeno denominado carbonatação, facilmente detectado pelo teste de fenolftaleina. Ca(OH) 2 + CO 2 = CaCO 3 + H 2 O (carbonatação) concreto com ph 10 11

13 O reparo, ilustrado pela Figura 7, deve ser executado através dos seguintes procedimentos: a) retirar todo o concreto disgregado; b) limpar a armadura retirando todos os produtos da corrosão (tratamento ao branco, ou seja, com o aço apresentando brilho metálico); c) completar o tratamento do substrato (ver item 2); d) aplicar, sobre as barras, polímeros inibidores de corrosão (Sika Top 108); Alguns fabricantes produzem inibidores de corrosão que são compostos por resinas aditivadas com pó de metais cujos óxidos não são expansivos (NitoPrimer Zn, Fosroc). Esses metais funcionam como anôdos de sacrifício. e) executar o reparo conforme profundidade e extensão da área afetada (itens 3.1 a 3.3); f) em função da carbonatação do concreto ainda não disgregado, é conveniente que a armadura subjacente seja tratada, para que seja evitado o início ou a continuidade do processo de corrosão. Isso pode ser feito através do uso de inibidores de corrosão, aplicados por impregnação do concreto (Sika FerroGuard 330), que repassivam as armaduras. Quando o objetivo for simplesmente impedir o avanço da carbonatação, a aplicação de película impermeabilizante (tinta ou verniz) pode ser adotada, tomando-se os cuidados necessários (ver item 4). Figura 7 - Reparo de Corrosão por Despassivação da Armadura. Obs.1: Em qualquer caso, a necessidade de escoramento da estrutura deve ser verificada. Tal necessidade pode ser reduzida com a execução do reparo por trechos. 12

14 Obs.2: A influência dos procedimentos de reparo, no comportamento estrutural do elemento reparado, deve ser, criteriosamente, avaliada. Em muitos casos fica-se diante de uma recuperação e não de um reparo. Por isso, torna-se perigoso, principalmente no caso de pilares, a atitude de algumas empresas, até mesmo especializadas em recuperação, de considerar dispensável a análise estrutural nos casos de oxidação de armaduras Corrosão pela Presença de Cloretos As intervenções à seguir descritas são bastante eficazes. Entretanto, por serem bastante invasivas, devem ter suas influências sobre o comportamento estrutural do elemento tratado, cuidadosamente, avaliadas. O escoramento da estrutura é, praticamente, inevitável. A filosofia do tratamento consiste no isolamento das barras da armadura, impedindo seu contato com o concreto contaminado. A) Reparo com Aplicação de Polímeros Inibidores de Corrosão (Sika Top 108 ou NitoPrimer Zn - Fosroc). O reparo, ilustrado pela Figura 8, deve ser executado da seguinte forma: Figura 8 - Reparo de Corrosão por Presença de Cloretos - Aplicação de Polímeros Inibidores de Corrosão. a) retirar todo o concreto que envolve as barras da armadura, deixando um espaço maior ou igual a 2 cm entre o concreto e as barras; b) seguir os passos b a d do item 3.4.1; c) restaurar a peça com argamassa modificada com resina acrílica (ver item 3.1-A). 13

15 B) Reparo com Inibidores de Corrosão Adicionados ao Concreto ou Argamassa. O reparo, ilustrado pela Figura 9, deve ser executado da seguinte forma: a) retirar todo o concreto que envolve as armadura, deixando um espaço maior ou igual a 2 cm entre o concreto e as barras; b) limpar as armaduras retirando os produtos da corrosão (tratamento ao branco ); c) completar o tratamento do substrato (ver item 2); Figura 9 - Reparo de Corrosão por Presença de Cloretos - Inibidores de Corrosão Adicionados ao Concreto ou Argamassa. d) preparar e aplicar o material de reparo aditivado com inibidor de corrosão (Sika FerroGuard 901), observando a necessidade de ponte de aderência; e) dar acabamento e promover a cura. Obs.: no Brasil, não se tem, ainda, dados que confirmem a eficiência da técnica Proteção Catódica. A maneira, teoricamente, mais eficiente que se tem para previnir ou interromper um processo corrosivo é a chamada proteção catódica. O processo consiste em abaixar o potencial de corrosão das armaduras (zona de imunidade do Diagrama de Pourbaix), introduzindo-se corrente elétrica no circuito formado por todas as barras da armadura e metal instalado na superfície do concreto. Dessa forma, as armaduras passam a fazer parte da região de cátodo (região não sujeita à corrosão). A proteção catódica pode ser feita por anôdos de sacrifício ou por corrente impressa. Qualquer uma dessas duas técnicas exige manutenção constante por profissionais especializados. 14

16 3.5. REPAROS DE BORDAS DE CONSOLOS CURTOS E DENTES GERBER Os reparos de bordas de consolos ou dentes Gerber são bastante comuns. A quebra de bordas ocorre em função de erros de detalhamento da armadura, por mau posicionamento do aparelhos de apoio ou por sua falta. No reparo podem ser adotados diversos materiais e, na sua execução, comumente, lança-se mão do macaqueamento da estrutura, conforme descrito à seguir. A) Reparo com Concreto Grout ou Argamassa Grout (Sika Grout) Os reparos, mostrados nas Figuras 10-A e 10-B, são, normalmente, executados segundo a seguinte seqüência de procedimentos: Figura 10-A - Reparo de Consolo Curto Figura 10-B - Reparo de Dente Gerber a) içar a viga que se apoia no consolo, ou na viga de base, através de macaqueamento; b) escorá-la e aliviar o macaco; 15

17 c) tratar a superfície do concreto; d) corrigir, se necessário, o detalhamento da armadura: d-1) corte, retificação, soldagem de barra de ancoragem; Figura 11-A - Retificação e Soldagem de Barra de Ancoragem d-2) corte, retificação, instalação de dispositivos de ancoragem (CCL - Fosroc), Figura 11-B - Retificação e Instalação de Dispositivos de Ancoragem d-3) instalação de armadura suplementar. Figura 11-C - Armadura Suplementar 16

18 e) instalar formas estanques e impermeáveis; f) preparar, lançar e adensar o grout; g) iniciar cura úmida do grout aparente (panos molhados) logo após o adensamento; h) após 24 horas, instalar o aparelho de apoio, macaquear, retirar as escoras e, lentamente (escoras cada vez mais curtas), baixar a viga içada; OBS.: O tempo de entrada em carga pode ser menor do que o indicado acima, em função da necessidade e da resistência exigida do grout. B) Reparo com Outros Materiais: Na execução desse tipo de reparo, podem ser utilizados ainda grouts de base epóxi e concreto de alto desempenho inicial (CADI) REPAROS EM ESTRUTURAS SUBMERSAS Esses reparos são exigidos, geralmente, em função de segregações, disgregações ou erosões em estruturas, principalmente, de barragens. Eles podem ser executados com os seguintes materiais e técnicas: A) Reparo com Argamassa Epoxídica (adesivo epóxi especial + agregado miúdo) O reparo é executado por mergulhador, através dos seguintes procedimentos: a) promover o tratamento do substrato; b) preparar a argamassa de epóxi, que deve ter consistência tal que permita a confecção manual de bolas; c) aplicar a argamassa com as mãos, pressionando de baixo para cima a fim de evitar aprisionamento de água, e dar acabamento. 17

19 B) Reparo com Grout para Uso Subaquático (Sikagrout AC, ou Conbextra UW- Fosroc) O reparo, mostrado na Figura 12, é executado, em grande parte por mergulhador, da seguinte forma: Figura 12 - Grouteamento subaquático. a) tratar o substrato; b) instalar forma estanque, suspiro (mangueira transparente) e mangueira para injeção do grout; c) preparar e bombear o grout até este sair pelo suspiro. OBS.: em preenchimento de grandes vazios, estes podem ser preenchidos com agregados graúdos antes do lançamento do grout (Figura 12-A). Figura 12-A 18

20 3.7. REPAROS EM FISSURAS Nos reparos de fissuras, deve ser, inicialmente, determinado se elas são ativas ou inativas. As fissuras causadas por retração hidráulica, recalques estabilizados e juntas de concretagem mal executadas podem ser tratadas como inativas. As devidas a esforços excessivos o podem em muitos casos, principalmente se forem efetuadas intervenções de reforço. As fissuras ativas funcionam como juntas naturais da estrutura, devendo, portanto, ser tratadas como tal. As causadas por variação de temperatura são o exemplo típico. A regra geral é : se o agente causador da fissura não mais atua, ela pode ser tratada como inativa, caso contrário, como ativa. Por outro lado, considerado apenas o aspecto de comportamento do reparo, qualquer fissura pode ser tratada como ativa REPAROS EM FISSURAS INATIVAS O reparo de fissuras inativas geralmente implica na restauração da monoliticidade do concreto. Consiste, portanto, na aplicação de produtos (adesivos) capazes de promover a aderência entre os concretos de suas duas faces. A aplicação dos adesivos pode ser feita por gravidade ou por injeção sob pressão (ar comprimido), conforme o caso Fissuras de Pequena Abertura (0,3 a 1,0mm) em Superfície Vertical ou Inclinada. Essas fissuras são, geralmente, reparadas através da injeção de resinas epoxídicas de grande fluidez (Sikadur 52). O reparo, mostrado na Figura 13, deve ser executado através da seguinte seqüência: 19

21 Figura 13 - Injeção de Adesivo Epóxi a) abrir externamente a fissura, dando-lhe a forma de V; b) executar, com broca de vídea, furos com diâmetro de 12,5 mm espaçados de 5 a 30cm (função da abertura da fissura) e com 3 cm de profundidade; c) retirar o pó através de ar comprimido e escova de pêlo; d) se indispensável, executar lavagem com jato d água; e) com o substrato completamente seco, colar mangueiras plásticas transparentes com resina epóxi tixotrópica (Sikadur 31), bem como calafetar toda a fissura com o mesmo produto; f) verificar a intercomunicação entre os furos com ar comprimido; g) após, no mínimo, 8 horas da calafetagem da fissura, preparar a resina de injeção (Sikadur-52), de maneira a não ocorrer incorporação de ar e nem aquecimento da mistura por agitação excessiva. Aplicá-la, imediatamente, iniciando pela mangueira inferior (primeira mangueira). Quando a resina começar a verter pela segunda mangueira, obstruir a primeira e continuar a injeção pela segunda. Continuar assim até o preechimento total da fissura; h) após 24 horas, retirar as mangueiras plásticas por corte e broqueamento, obturar os orifícios com o adesivo epóxi (Sikadur 31), e dar acabamento por lixamento. Caso seja exigido melhor acabamento, pode-se retirar todo o adesivo epoxídico de calafetamento da fissura e aplicar material de reparo de melhor efeito estético. OBS.: Se a fissura ocorrer dos dois lados do elemento estrutural (fissura passante), adotar os procedimentos acima nas duas faces. Os furos das duas faces deverão ficar defasados, e a injeção ser alternada entre elas. 20

22 Fissuras de Pequena Abertura (0,3 a 1,0mm) em Superfície Horizontal. Essas fissuras são, também, normalmente, reparadas com resinas epoxídicas de grande fluidez (Sikadur 52), aplicadas por injeção ou, em algumas situações, por gravidade. O método de aplicação depende da posição da fissura em relação ao elemento estrutural, de sua abertura mínima e do fato dela ser, ou não, passante. Caso 1: Fissuras Passantes No caso de fissuras passantes em superfície horizontal, é interessante a verificação preliminar da possibilidade de aplicação da resina por gravidade. Esse processo é bem mais simples e barato do que o de injeção por ar comprimido. Tal verificação pode ser feita da seguinte maneira: a) limpar toda a extensão da fissura, através de jato de ar comprimido e jato d água. Em função do tipo de material ou produto que tenha nela, porventura, penetrado, pode ser necessária a utilização de desengordurantes ou solventes específicos, que, posteriormente, deverão ser completamente eliminados através de lavagem; b) após a completa secagem do substrato, lançar a resina (preparada em pequena quantidade) num pequeno trecho da fissura, pela face superior do elemento estrutural, e verificar seu surgimento, ou não, na face inferior. Um bom fluxo de resina pela fissura, na face inferior do elemento estrutural, será sinal de possibilidade de aplicação da resina por gravidade. Caso contrário, a injeção por ar comprimido deverá ser utilizada. Caso 1-A: Fissuras Passantes - Aplicação de Resina por Gravidade. Confirmada a eficiência da aplicação da resina por gravidade, o reparo deve ser continuado (lembrar que a limpeza do substrato já foi executada), dentro da seguinte seqüência de procedimentos: 21

23 a) obturar a fissura na face inferior do elemento, fixando-se, entretanto, mangueiras plásticas, espaçadas em torno de 30cm, que servirão como suspiros (ver sub-ítens de a até e do item ); b) preparar a resina, sem que haja incorporação de ar ou aquecimento por agitação excessiva, e vertê-la de uma extremidade a outra da fissura. No intuito de facilitar a penetração da resina e evitar perdas excessivas, pode-se confeccionar uma pequena canaleta provisória (com gesso ou massa de vidraceiro) envolvendo toda a fissura, conforme ilustra a Figura 13-A. A infiltração da resina pode ser ainda mais favorecida pela execução prévia de furos ao longo da fissura, pela face superior do elemento tratado (ver Figura 13- A). Figura 13-A - Aplicação de Resina Epoxídica por Gravidade. c) à medida que a resina fluir por um suspiro, ele deverá ser vedado; d) após o endurecimento da resina, demolir a canaleta e dar acabamento superficial com lixadeira; Caso 1-B: Fissuras Passantes - Aplicação de Resina por Injeção. Confirmada a ineficiência ou impossibilidade de aplicação da resina por gravidade, a intervenção deverá seguir os passos seguintes: a) abrir externamente a fissura, nas duas faces do elemento estrutural, dando-lhe a forma de V; b) executar, com broca de vídea, furos com diâmetro de 12,5 mm e profundidade igual a 3 cm; espaçados, na face superior (furos de injeção), de 10 a 30cm (função da abertura da fissura), e, na face inferior (furos extravasores), de 50cm c) retirar o pó através de ar comprimido e escova de pêlo; 22

24 d) se indispensável, executar lavagem com jato d água; e) com o substrato completamente seco, colar, com resina epóxi tixotrópica (Sikadur 31), mangueiras plásticas transparentes nos furos, assim como calafetar toda a fissura, nas duas faces, com o mesmo produto; f) verificar, através de ar comprimido, a intercomunicação entre furos contíguos da face superior e dos da face inferior com pelo menos um da outra face. Caso necessário, furos intermediários deverão ser executados; g) após, no mínimo, 8 horas da calafetagem da fissura, preparar a resina de injeção (Sikadur-52), de maneira a não ocorrer incorporação de ar e nem aquecimento da mistura por agitação excessiva. Imediatamente, injetá-la, através das mangueiras, sequencialmente, de uma extremidade a outra da fissura. A mudança de injeção de uma mangueira (que deverá ser tamponada) para a seguinte deverá ser feita quando, nesta última, posicionada na vertical, a resina atingir uma altura de 10cm. A mudança deverá ser feita, também, no caso da resina fluir, simultaneamente, pelas duas mangueiras seguintes. As mangueiras da face inferior deverão ser, permanentemente, observadas e tamponadas tão logo seja observado o extravazamento de resina. A finalidade principal dessas mangueiras é confirmar a penetração da resina em toda a espessura do elemento estrutural. Caso se queira, elas poderão ser utilizadas, também, para injeção de resina. Caso não seja observado o extravasamento de resina por alguma mangueira da face inferior, após 24 horas da primeira injeção, executar dois novos furos em cada lado dela, afastados de 10cm. Nesses furos, deverão ser instaladas mangueiras, e, através delas executada seqüência de injeções; h) após 24 horas, retirar as mangueiras plásticas por corte e broqueamento, obturar os orifícios com o adesivo epóxi (Sikadur 31), e dar acabamento por lixamento. Caso seja exigido melhor acabamento, pode-se retirar todo o adesivo epoxídico de calafetamento da fissura e aplicar material de reparo de melhor efeito estético. Caso 2: Fissuras Apenas na Face Superior. Como no caso de fissuras passantes, nas fissuras que ocorrem apenas na face superior do elemento estrutural, é interessante a verificação inicial da possibilidade de aplicação da resina por gravidade. 23

25 A verificação de tal possibilidade, neste caso, é um pouco mais complexa, mas pode ser desenvolvida da seguinte maneira: a) limpar toda a extensão da fissura, através de jato de ar comprimido e jato d água. Em função do tipo de material ou produto que tenha nela, porventura, penetrado, pode ser necessária a utilização de desengordurantes ou solventes específicos, que, posteriormente, deverão ser completamente eliminados através de lavagem; b) em ponto situado em um dos terços extremos da extensão da fissura, executar furo com broca de vídea (diâmentro de 6 a 10mm) que atravesse toda a espessura do elemento estrutural, e proceder à sua limpeza com ar comprimido e escovação; c) a uma distância do furo igual a duas vezes a espessura do elemento, confeccionar canaleta provisória (ver item Caso 1-A) com 10cm de extensão; d) após a completa secagem do substrato, lançar a resina (preparada em pequena quantidade) dentro da canaleta, e verificar se há, na face inferior do elemento estrutural, extravasamento de resina pelo furo. Um bom fluxo de resina extravasando será sinal de possibilidade de aplicação da resina por gravidade. Caso contrário, a injeção por ar comprimido deverá ser utilizada. Caso 2-A: Fissuras Apenas na Face Superior - Aplicação de Resina por Gravidade. Confirmada a eficiência da aplicação da resina por gravidade, o reparo deve ser continuado (lembrar que a limpeza do substrato já foi executada), adotando-se os procedimentos descritos para o Caso 1-A (Fissuras Passantes - Aplicação de Resina por Gravidade), desprezando-se, obviamente, aqueles que fazem menção à fissura na face inferior do elemento estrutural reparado. Caso 2-B: Fissuras Apenas na Face Superior - Aplicação de Resina por Injeção. Confirmada a ineficiência ou impossibilidade de aplicação da resina por gravidade, a intervenção deverá seguir os procedimentos descritos para o Caso 1-B (Fissuras Passantes - Aplicação de Resina por Injeção), desprezando-se, obviamente, aqueles que fazem menção à fissura na face inferior do elemento estrutural reparado. 24

REGULAMENTAÇÃO DE PREÇOS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO

REGULAMENTAÇÃO DE PREÇOS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PREÇOS E SUBGRUPO: 48.01.00 SERVIÇOS PRELIMINARES 48.01.01 Andaimes tubulares m 3 x mes Fornecimento, montagem e desmontagem de andaime tubular de base quadrada, como também a plataforma de serviços

Leia mais

Construção. Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto. Descrição do produto

Construção. Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto. Descrição do produto Ficha do Produto Edição 22/05/13 Sikadur 43 Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto Construção Descrição do produto é um adesivo estrutural

Leia mais

TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL

TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL Profa. Eliana Barreto Monteiro Você sabia? Que na maioria das vezes a aplicação da argamassa de reparo deve ser manual? A diferença entre reparo superficial e profundo? Procedimentos

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Estruturas de Concreto

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Estruturas de Concreto UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Estruturas de Concreto Concreto Armado Brita Cimento, areia Adições, aditivos + aço Cimento Hidratado Cimento

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens.

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens. Ficha do Produto Edição 22/04/2011 Sikacim Impermeabilizante Construção Sikacim Impermeabilizante Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos Características

Leia mais

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas É composta por uma mistura homogênea de cimento Portland, cal hidratada e agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. O produto é oferecido na cor cinza. 3. Indicação: A argamassa

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE PINTURA

PROCEDIMENTOS DE PINTURA 1 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 2 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 01.00 SISTEMA DE PINTURA PARA ACABAMENTO FINAL EM LATEX PVA 01.01 - PREPARAÇÃO DA SUPERFÍCIE 1. GESSO (PLACA/PASTA) - Aplicar fundo preparador de parede

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST.

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST. UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO: Mistura, transporte, lançamento, adensamento e cura. MATERIAIS E TECNOLOGIA CONSTRUTIVA 1 Prof. Angelo Just da Costa e Silva

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II. Impermeabilização. Prof. André L.

Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil. Construção Civil II. Impermeabilização. Prof. André L. Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil II Impermeabilização Prof. André L. Gamino Normalização ABNT: Termos Gerais NBR 9575 (2010): Impermeabilização

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

ROGERTEC MFC FIBRA DE CARBONO. Reforço Estrutural com AN) (MADE IN JAPAN)

ROGERTEC MFC FIBRA DE CARBONO. Reforço Estrutural com AN) (MADE IN JAPAN) Reforço Estrutural com FIBRA DE CARBONO MFC (MADE IN JAPAN) AN) Fax: (21) 3254-3259 A ROGERTEC é uma empresa nacional voltada para o fornecimento de produtos, equipamentos e tecnologia no setor das recuperações.

Leia mais

Materiais para preenchimento de fissuras no concreto: B. Hillemeier [118]

Materiais para preenchimento de fissuras no concreto: B. Hillemeier [118] EXEMPLO N o 150 : TIPO DE ESTRUTUR : Estrutura de concreto armado ou de concreto protendido. INJEÇÃO EM FISSURS : Materiais para de fissuras no concreto Materiais para preenchimento de fissuras no concreto:.

Leia mais

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS + + desempenho por m² AMP ARGAMASSA MODIFICADA COM POLÍMERO ( + ) MEMBRANA POLIMÉRICA O BAUCRYL ECOVEDA é um polímero

Leia mais

Estruturas de Saneamento. Soluções para impermeabilização e proteção de estruturas que armazenam água e efluentes

Estruturas de Saneamento. Soluções para impermeabilização e proteção de estruturas que armazenam água e efluentes Estruturas de Saneamento Soluções para impermeabilização e proteção de estruturas que armazenam água e efluentes SUMÁRIO Zentrifix Elastic pág. 7-8 MC-RIM pág. 9-10 Xypex pág. 11-12 MC-DUR 1100 Diffusion

Leia mais

Excelente aderência quando aplicado sobre superfícies de concreto ou argamassa;

Excelente aderência quando aplicado sobre superfícies de concreto ou argamassa; VIAPLUS 7000-FIBRAS 1. Descrição Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

assentamento e revestimento ficha técnica do produto

assentamento e revestimento ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa e revestimento é uma argamassa de uso geral que pode ser utilizada para o de elementos de alvenaria de vedação como blocos de concreto, blocos cerâmicos, e tijolos comuns. Também

Leia mais

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I PREPARO, RECEBIMENTO, LANÇAMENTO E CURA DO CONCRETO

Leia mais

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas 10/11/2009 Carlos Chaves LOG Gestão de Obras Subsistemas Deus está nos detalhes Mies van der Rohe (1886-1969) Pavilhão alemão na Feira Mundial de Barcelona

Leia mais

SISTEMAS DE PISO EPOXI

SISTEMAS DE PISO EPOXI SISTEMAS DE PISO EPOXI PRODUTO DESCRIÇÃO VEC-601 TUBOFLOOR TEE-556 AUTONIVELANTE Selador epóxi de dois componentes de baixa viscosidade. Revestimento epóxi com adição de sílica para regularização de pisos.

Leia mais

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro;

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro; VIAPLUS BRANCO 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, semiflexível, bicomponente (A+B), à base de cimentos especiais, aditivos minerais e polímeros de excelentes características impermeabilizantes.

Leia mais

Usinas Hidrelétricas. Soluções para construção, recuperação e estanqueidade de usinas hidrelétricas e barragens

Usinas Hidrelétricas. Soluções para construção, recuperação e estanqueidade de usinas hidrelétricas e barragens Usinas Hidrelétricas Soluções para construção, recuperação e estanqueidade de usinas hidrelétricas e barragens MC-Bauchemie Presente nas principais obras de usinas hidrelétricas do país. O Brasil apresenta

Leia mais

MASTERTOP 1119 Sistema de Pintura Epóxi, sem adição de solventes, de alta resistência química e mecânica.

MASTERTOP 1119 Sistema de Pintura Epóxi, sem adição de solventes, de alta resistência química e mecânica. MASTERTOP 1119 Sistema de Pintura Epóxi, sem adição de solventes, de alta resistência química e mecânica. Descrição do Produto MASTERTOP 1119 é um sistema para pintura epoxídica, bicomponente, isento de

Leia mais

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção Construção Civil Impermeabilização e Injeção Membranas moldadas in loco Vantagens da aplicação moldada in loco Agilidade na aplicação Requer cota mínima Aplicado a frio Molda-se perfeitamente ao substrato

Leia mais

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER 1. INTRODUÇÃO Este Manual de Aplicação do GS-Super demonstra passo a passo o procedimento correto para aplicação do material bem como os cuidados necessários

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA 4:1 é um composto epóxi bi-componente com carga metálica, característica de massa na cor preta, pode ser aplicado com espátula, cura a frio, substituindo de maneira muito

Leia mais

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Serviços Reparo - Proteção Impermeabilização - Graute Atuação em todo território nacional em obras de infraestrutura www.rossetiimper.com.br Aplicador

Leia mais

Construção. Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado. Descrição do Produto. Usos. Características/ Vantagens

Construção. Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado. Descrição do Produto. Usos. Características/ Vantagens Ficha do Produto Edição 18/5/2010 Sika 1 Construção Sika 1 Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado Descrição do Produto Usos Características/ Vantagens Dados do Produto

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos.

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Descrição BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. BIANCO confere maior elasticidade e, assim, maior resistência

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-17/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

Figura 1 : Posição dos furos (F1 e F2) em relação aos cabos "cortados" (C1 e C50)

Figura 1 : Posição dos furos (F1 e F2) em relação aos cabos cortados (C1 e C50) Belo Horizonte, 16 de novembro de 2.009 CEFET-MG Diretoria de Planejamento e Gestão Belo Horizonte MG A/C.: Prof. Mário Basílio (marciobasilio@deii.cefetmg.br) REF.: Prédio administrativo do CEFET-MG,

Leia mais

Monografia "RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO COM INJEÇÃO DE RESINA DE POLIURETANO" Autor: Jerfran Januário Oliveira

Monografia RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO COM INJEÇÃO DE RESINA DE POLIURETANO Autor: Jerfran Januário Oliveira Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia de Materiais e Construção Curso de Especialização em Construção Civil Monografia "RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação.

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação. Produto é uma resina sintética, de alto desempenho, que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Confere maior plasticidade e, assim, maior resistência ao desgaste e

Leia mais

Limpeza das Superfícies do Concreto e Armaduras

Limpeza das Superfícies do Concreto e Armaduras TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL Profa. Eliana Barreto Monteiro Limpeza das Superfícies do Concreto e Armaduras Limpeza das Armaduras O produto de corrosão deve ser removido totalmente, garantindo bom funcionamento

Leia mais

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira ADITIVOS 1. OBJETIVO Reforçar ou introduzir certas características 2. UTILIZAÇÃO Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira 3. FUNÇÕES BÁSICAS DOS ADITIVOS CONCRETO

Leia mais

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto Item a ser atendido Exigência de norma Conforme / Não Conforme Área Impacto

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas

Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas Ficha Técnica de Produto Versão 20-08-2015 Viaplus 7000 1 /5 Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, flexível,

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS 1) INTRODUÇÃO ARGAMASSAS. Aglomerantes + agregados minerais + água (eventualmente aditivos). Intervalo

Leia mais

SANEAMENTO AMBIENTAL SANEAMENTO AMBIENTAL. ETA Pirapama PE

SANEAMENTO AMBIENTAL SANEAMENTO AMBIENTAL. ETA Pirapama PE SANEAMENTO AMBIENTAL SANEAMENTO AMBIENTAL ETA Pirapama PE 202.000 m² de área impermeabilizada, de importância estratégica para milhões de pessoas. Escolha produtos Viapol e garanta a proteção e durabilidade

Leia mais

Contractors. Tecnologia e Conceitos para Reparo e Proteção do Concreto Armado

Contractors. Tecnologia e Conceitos para Reparo e Proteção do Concreto Armado Contractors Tecnologia e Conceitos para Reparo e Proteção do Concreto Armado Controle da Corrosão em s de Concreto Armado Etapas Chave do Processo 1 Inspeção de Avaliação das Condições da 2 Diagnóstico

Leia mais

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade.

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade. Descrição VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade. Adere perfeitamente ao concreto, à alvenaria e à argamassa. VEDATOP não é tinta de acabamento,

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Idade do concreto. Verificação da resistência. Módulo de

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 159

Norma Técnica SABESP NTS 159 Norma Técnica SABESP NTS 159 Esquema de pintura para equipamentos e materiais em aço-carbono ou ferro fundido pintados e em contato direto com esgoto Especificação São Paulo Rev. 1 - Outubro - 2001 NTS

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO

APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO Sistema da Qualidade Páginas: 1 de 11 APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO Sistema da Qualidade Páginas: 2 de 11 SUMÁRIO Página 1. OBJETIVO... 03 2. PREPARAÇÃO DAS SUPERFÍCIES...

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

REVESTIMENTO CIMENTÍCIO AUTONIVELANTE

REVESTIMENTO CIMENTÍCIO AUTONIVELANTE REVESTIMENTO CIMENTÍCIO AUTONIVELANTE DESCRIÇÃO: O Penetron Industrial Self-Leveling Topping é um revestimento cimentício, autonivelante, monocomponente, fluído, bombeável e de rápida liberação ao tráfego

Leia mais

Em toda construção o natural é ter técnica.

Em toda construção o natural é ter técnica. Em toda construção o natural é ter técnica. A TECNIKA iniciou suas atividades em meados de 2003, impulsionada pela demanda do mercado, sempre preocupada em buscar e oferecer soluções técnicas inovadoras,

Leia mais

Construção de Edícula

Construção de Edícula Guia para Construção de Edícula Guia do montador Mais resistência e conforto para sua vida. As paredes com Placas Cimentícias Impermeabilizadas e Perfis Estruturais de Aço Galvanizado para steel framing

Leia mais

KIT Nº 14 KIT Nº 2 0.905

KIT Nº 14 KIT Nº 2 0.905 KIT Nº 1 KIT Nº 2 01 Bandeja Grande Ref.0.2823 01 Rolo de Espuma Pop 23 cm Ref.0.13 com cabo Ref. 0.2072 01 Rolo de Espuma Pop 09 cm com cabo Ref. 0.1109. 01 Rolo de Espuma Pop 05 cm c/ cabo Ref. 0.1105

Leia mais

Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo

Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços de Engenharia para Objeto: RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO ETA RJCS MATV PAREDES EXTERNAS DOS DECANTADORES 3 E 5 GALERIA SOB O CANAL DE ÁGUA DECANTADA

Leia mais

Esta especificação abrange as etapas de preparação de superfície e aplicação dos produtos ELASTRON PREMIX.

Esta especificação abrange as etapas de preparação de superfície e aplicação dos produtos ELASTRON PREMIX. ELASTRON PREMIX APLICAÇÃO GERAL E EM SUPERFÍCIES DE CONCRETO 1.0 USO O ELASTRON PREMIX pode ser usado como revestimento industrial de reservatórios, isolamentos térmicos, proteção anti-corrosiva e como

Leia mais

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar:

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar: COMO INSTALAR : Importante para uma perfeita instalação, obter o resultado especificado pela Revitech Pisos e esperado pelo cliente, a utilização das ferramentas corretas. Ferramentas como a desempenadeira,

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES Prof. Marco Pádua A cobertura é uma fase importante da edificação. Não só a questão estética deve ser considerada, como a escolha dos elementos, a posição

Leia mais

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS MÔNICA DANTAS

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO 1- Generalidades PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Todas as misturas de concreto devem ser adequadamente dosadas para atender aos requisitos de: Economia; Trabalhabilidade; Resistência; Durabilidade. Esses

Leia mais

Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas

Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas António Costa Avaliação do Estado da Estrutura Objectivos: Definir o tipo e as causas da deterioração Definir o nível de deterioração Prever

Leia mais

VEDAJÁ é um revestimento impermeável de alta aderência e de fácil aplicação.

VEDAJÁ é um revestimento impermeável de alta aderência e de fácil aplicação. Descrição VEDAJÁ é um revestimento impermeável de alta aderência e de fácil aplicação. Pode ser aplicado sobre concreto, alvenaria e argamassa. VEDAJÁ proporciona impermeabilidade, mesmo com a ocorrência

Leia mais

SEMINÁRIO TÉCNICAS NÃO TRADICIONAIS DE REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO BETÃO ARMADO. OE Lisboa 25 de Outubro de 2013. José Paulo Costa

SEMINÁRIO TÉCNICAS NÃO TRADICIONAIS DE REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO BETÃO ARMADO. OE Lisboa 25 de Outubro de 2013. José Paulo Costa SEMINÁRIO TÉCNICAS NÃO TRADICIONAIS DE REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO BETÃO ARMADO OE Lisboa 25 de Outubro de 2013 José Paulo Costa TÉCNICAS NÃO TRADICIONAIS DE REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO BETÃO ARMADO 1. REFORÇO

Leia mais

UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES

UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES 200888 Técnicas das Construções I UMIDADES E IMPERMEABILIZAÇÕES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 5 o Impermeabilização é a proteção das construções contra

Leia mais

Mantas pré-fabricadas, a base de asfaltos modificados e estruturadas com armadura de alta performance.

Mantas pré-fabricadas, a base de asfaltos modificados e estruturadas com armadura de alta performance. ATENDEMOS: Aterros Sanitários Bacias de Contenção de Dejetos Box / Banheiros Box / Banheiros Sistema Drywall Espelhos D' água Estações de Tratamento de Água Estações de Tratamento de Efluentes Floreiras

Leia mais

PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA

PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS. IBAPE/AM PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA Resumo Trata-se da solução de um problema de infiltração

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A CONCRETO Profa. Lia Lorena Pimentel CONCRETO 1. DEFINIÇÃO Aglomerado resultante da mistura de cimento, água, agregados

Leia mais

HOSPITAL MUNICIPAL DE MARACANAU CEARÁ HOPSITAL DR. JOÃO ELÍSIO DE HOLANDA ENFERMARIA

HOSPITAL MUNICIPAL DE MARACANAU CEARÁ HOPSITAL DR. JOÃO ELÍSIO DE HOLANDA ENFERMARIA 1 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA HOSPITAL MUNICIPAL DE MARACANAU CEARÁ HOPSITAL DR. JOÃO ELÍSIO DE HOLANDA ENFERMARIA Foto 1. Lateral do antigo Centro Cirúrgico. Abril de 2012 2 INTRODUÇÃO Fundado em 4 de junho

Leia mais

MICROCIM EP. Micro Cimento Decorativo Revisão: Agosto / 2013. DESCRIÇÃO. Sistema MICROCIM EP: Performance: CARACTERÍSTICAS / VANTAGENS

MICROCIM EP. Micro Cimento Decorativo Revisão: Agosto / 2013. DESCRIÇÃO. Sistema MICROCIM EP: Performance: CARACTERÍSTICAS / VANTAGENS Micro Cimento Decorativo Revisão: Agosto / 2013. DESCRIÇÃO O é um sistema de revestimento decorativo de alta performance, de base cimentícia, com apelo estético rústico, agradável ao toque e ao olhar,

Leia mais

Execução de projetos com vista à impermeabilização

Execução de projetos com vista à impermeabilização Execução de projetos com vista à impermeabilização O arquiteto e o engenheiro, ao realizar um projeto para qualquer tipo de construção, devem preocupar-se com os problemas de impermeabilização já durante

Leia mais

APLICAÇÃO DE ELASTRON EM CONCRETO 1,5

APLICAÇÃO DE ELASTRON EM CONCRETO 1,5 APLICAÇÃO DE ELASTRON EM CONCRETO 1,5 1.0 - DESCRIÇÃO Esta literatura tem por finalidade servir de guia de aplicação do Elastron sobre Estruturas de Concreto e a Preparação do Substrato. O Sistema consistirá

Leia mais

CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO. Professora: Mayara Custódio

CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO. Professora: Mayara Custódio CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO Professora: Mayara Custódio CONSISTÊNCIA DO CONCRETO CONSISTÊNCIA TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco que identifica sua maior ou menor aptidão para

Leia mais

Sistema epóxi estrutural para ancoragens

Sistema epóxi estrutural para ancoragens Ficha de Produto Edição 08/10/2012 Identificação no: 02 04 02 06 001 0 000030 Sikadur AnchorFix-4 Sistema epóxi estrutural para ancoragens Descrição do Produto Sikadur AnchorFix-4 é um sistema epóxi bicomponente,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

Prefeitura da Estância Balneária de Praia Grande Estado de São Paulo

Prefeitura da Estância Balneária de Praia Grande Estado de São Paulo ANEXO B - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE OBRAS PROCESSO ADMINISTRATIVO nº 18.478/11 INTRODUÇÃO O presente documento especifica os padrões técnicos mínimos, a serem obrigatoriamente respeitados durante a REGISTRO

Leia mais

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica.

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Descrição VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Características Densidade: 1,02 g/cm 3 Aparência: Cor preta Composição básica: emulsão asfáltica modificada com elastômeros

Leia mais

Resistência à compressão Dureza Barcol 30 40

Resistência à compressão Dureza Barcol 30 40 PROTECTO GLASS 90 é uma série de revestimentos monolíticos termofixos, que têm sido utilizados intensamente nos Estados Unidos e Brasil como uma excelente alternativa técnica para recuperação de equipamentos

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS . PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

TÉCNICAS DE RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO SOB EFEITO DA CORROSÃO DAS ARMADURAS (1)

TÉCNICAS DE RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO SOB EFEITO DA CORROSÃO DAS ARMADURAS (1) Curso de Pós-Graduação em Engenharia Metalúrgica inas da Universidade Federal de Minas Gerais TÉCNICAS DE RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO SOB EFEITO DA CORROSÃO DAS ARMADURAS (1) Clémenceau

Leia mais

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Produto: Parabond 700 é um adesivo de alta qualidade, cura rápida, permanentemente elástico, à base de MS polímero, com

Leia mais

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor 1. CONCEITO: Produto resultante da associação íntima entre um aglomerante mais um agregado miúdo, mais um agregado graúdo e água (+ ferragens). 2. CARACTERÍSTICAS Quanto aos esforços: compressão, tração

Leia mais

Patologia em Revestimentos de Fachada

Patologia em Revestimentos de Fachada PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Revestimentos de 1 Nome:Fernando Marques Ribeiro Matricula: 27667 Docente: Orlando Carlos B. Damin Artigo: Fonte: Editora: Ordem dos Engenheiros Região Norte / 2011 Autores: Ana

Leia mais