TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO E CONSTRUÇÃO DE PÍER E RAMPA NA PRAIA DO JEQUIÁ - RIBEIRA - ILHA DO GOVERNADOR / RJ-2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO E CONSTRUÇÃO DE PÍER E RAMPA NA PRAIA DO JEQUIÁ - RIBEIRA - ILHA DO GOVERNADOR / RJ-2012"

Transcrição

1 TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO E CONSTRUÇÃO DE PÍER E RAMPA NA PRAIA DO JEQUIÁ - RIBEIRA - ILHA DO GOVERNADOR / RJ OBJETO Contratação de serviço de consultoria especializada, na modalidade de Carta Convite, para desenvolvimento de projeto executivo para construção de PIER e RAMPA na praia do Jequiá s/nº Ribeira - Ilha do Governador RJ, ao lado do imóvel de nº 39 (estaleiro Jasmarte). 2. APRESENTAÇÃO A colônia de pescadores Z-10 localizada na praia de Jequiá s/nº, Ribeira, Ilha do Governador RJ, conta hoje com um atracadouro rudimentar em madeira estaqueada que não fornece condições mínimas de manobrabilidade das embarcações de pesca, dificultando o desembarque do pescado, causando prejuízos financeiros e às famílias de pescadores. Além disto, na conformação atual do píer não existe rampa, uma antiga solicitação dos pescadores para realização de serviços de reparo às embarcações.

2 O píer caracteriza-se como local essencial, ao ser utilizado como área segura de embarque e desembarque já que algumas embarcações não podem atracar junto a Comunidade, pois a altura da ponte que dá acesso a mesma é um fator limitador para algumas embarcações. Hoje no local há cerca de 50 embarcações, 20 embarcações tipo traineira (com cerca de 12 metros de comprimento e 4 metros de largura) e 30 embarcações tipo barco com motor (com cerca de 4 metros de comprimento e 1,20 metro de largura). A realização deste objeto irá contribuir para a melhoria das atividades pesqueira do local e para qualidade do pescado, além de permitir a ascensão social das classes de pescadores lotados na colônia Z OBJETIVOS ESPECÍFICOS a) Substituir o atual atracadouro de barcos de pesca utilizado pela colônia de Pescadores (Z-10); b) Dotar a colônia de Pescadores (Z-10) de píer de atracamento e rampa. 4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 2

3 A área onde se localizará o Píer do JEQUIÁ está no bairro da Ribeira, na Ilha do Governador, município do Rio de Janeiro. O bairro é predominantemente residencial unifamiliar e multifamiliar, contrastando com a presença de estaleiros e grandes empresas na orla marítima. Uma parcela do bairro encontra-se ainda com a presença de um fragmento de cobertura vegetal relevante no Morro do Cabaceiro, mas que não se encontra em Unidade de Conservação. A Unidade de Conservação Municipal mais próxima da área do empreendimento é de Uso Sustentável, a APARU Área de Proteção Ambiental e Recuperação Urbana do JEQUIÁ, criada em agosto de Por tratar-se de um píer, a topografia do terreno é plana, está no nível do mar, na Praia do JEQUIÁ. O acesso se dá principalmente pela Estrada do Galeão, Estrada do Rio JEQUIÁ e Praia do JEQUIÁ. As principais vias do bairro são as Ruas Paramopana e Fernandes da Fonseca, esta última de acesso ao Píer das Barcas S.A. Ribeira. O principal corpo d água que sofrerá influência do empreendimento é a Baía de Guanabara, próximo ao Saco do JEQUIÁ, conforme planta anexa. 5. MEMORIAL DESCRITIVO DO EMPREENDIMENTO 5.1. Taxa de ocupação (T.O.): 6,44% 5.2. Área total edificada (A.T.E.): 459,64 m Área de espelho d água existente: 7.136,30 m Descrição do Cais: O píer a ser construído terá 92,83 m de extensão, na forma de V, formando um ângulo de 135º entre os seguimentos, em concreto pré-moldado, tendo sua maior extensão de 72m, e uma segunda perna com 20,83 m, formando ângulo de 135º com o primeiro. Será também construída uma rampa, em concreto pré-moldado, com uma área de 240m 2 (8 X 30m), para retirada de embarcações da água. As fundações profundas serão de concreto pré-moldado, cravadas por bate estacas montado sobre balsa ou flutuante, nas profundidades previstas, baseadas na sondagem do terreno onde será erguida a construção. O tabuleiro do atracadouro, também será em concreto pré-moldado, sendo soldadas sobre as cabeças de dois ou mais pilares. Haverá uma construção fechada em blocos de concreto, destinada a abrigar a balança de pesagem do pescado. Os materiais a serem empregados estarão inseridos em um conceito sistêmico de sustentabilidade, através da utilização de soluções e técnicas de baixo impacto ambiental e ecologicamente correto Número de vagas secas e molhadas: Não haverá vagas para embarcações fora da água, apenas vagas para embarcações presas ao ancoradouro, dentro da água. As embarcações que usarão este ancoradouro são do tipo canoas ou baleeiros de pesca artesanal, medindo aproximadamente 15 a 33 pés, a maioria com motores de popa, permitindo a atracação de até 20 embarcações de pescadores, simultaneamente Dimensionamento preliminar de áreas destinadas aos diferentes usos prévios: Haverá área destinada apenas ao abrigo de balança destinada a pesagem de pescados trazidos por embarcações de pesca artesanal, da comunidade pesqueira da RIBEIRA, perfazendo uma área de 10,33 m2. Não haverá áreas destinadas a lazer, manutenção, garageamento, abastecimento ou outra atividade relacionada. 3

4 5.7. Especificação e previsão da quantidade de combustível a ser estocado: Não haverá abastecimento de combustível ou estoque do mesmo em qualquer lugar da construção Esquema viário projetado: Não haverá sistema viário projetado, de acesso ao ancoradouro, sendo utilizado o sistema viário existente no bairro e no local onde será implantado o equipamento náutico Para o levantamento sobre a infraestrutura de saneamento foram utilizados dados do IBGE (Censo 2010). Os dados a seguir compreende ao setor censitário , que corresponde ao entrono da área de intervenção Quanto ao abastecimento de água, o local possui abastecimento por rede geral (98% dos domicílios). Quanto ao sistema de esgotamento é feito de forma regular (Rede geral 98% dos domicílios). O Abastecimento de água e tratamento de esgoto é feito pela empresa Nova CEDAE. A Drenagem pluvial atende a 100% dos domicílios, a coleta de lixo é feita por serviço de limpeza da prefeitura do Rio COMLURB, e atende 100% dos domicílios, a coleta é feita 3 vezes na semana. 6. ESPECIFICAÇÃO 6.1. O píer a ser construído terá 92,83 m de extensão, na forma de V, formando um ângulo de 135º entre os seguimentos, em concreto pré-moldado, tendo sua maior extensão de 72m, e uma segunda perna com 20,83 m, formando ângulo de 135º com o primeiro. Será também construída uma rampa, em concreto pré-moldado, com uma área de 240m 2 (8 X 30m), para retirada de embarcações da água e eventuais reparos O projeto a ser desenvolvido e os materiais a serem empregados deverão observar o conceito sistêmico de sustentabilidade, através da utilização de soluções e técnicas de baixo impacto ambiental e ecologicamente correto. Os materiais e equipamentos a serem especificados devem ser pertinentes ao contexto do projeto e à região em que está inserido, conforme condições, quantidades e exigências estabelecidas neste instrumento: 7. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS 7.1. O projeto de engenharia a ser elaborado deverá observar rigorosamente: As normas e especificações constantes deste Termo de Referência; As normas da ABNT; As disposições legais da União e do governo do Estado do Rio de Janeiro; Às disposições legais da Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro; As Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e do Meio Ambiente; As Normas da Autoridade Marítima; As interferências com terceiros e usuário, que se utilizam do local; e Legislação de Segurança contra Incêndio e Pânico do Estado do Rio de Janeiro 4

5 Deverão ser observadas pela contratada durante a execução dos serviços, todas as exigências sobre segurança, higiene e medicina do trabalho, com o estrito cumprimento da legislação vigente (Portaria nº de 08 de junho de 1978) Serviços a serem executados: SONDAGEM DE ÁREA DE CONSTRUÇÃO DE ATRACADOURO. Sondagem SPT (sondagem de simples reconhecimento) de área onde será construído o atracadouro, aproveitando a estrutura do trapiche de madeira atualmente existente no local, com o objetivo de reconhecimento do subsolo, compreendendo três furos de sondagem a percussão, com ensaio de penetração, diâmetro 3". Os furos deverão ser feitos nos seguintes locais na área prevista para a execução do projeto: a) Um furo junto à calçada, na praia, onde será construída rampa e posto de pesagem de peixes. b) Um furo no meio do comprimento total do ancoradouro. c) Um furo no ponto mais extremo do ancoradouro, de acordo com o projeto. LEVATAMENTO PLANOALTIMÉTRICO DE ÁREA ENTRE O LOGRADOURO PÚBLICO E O ÍNÍCIO DA LÂMINA D'ÁGUA DA BAIA DA GUANABARA. Levantamento plano altimétrico de da área compreendida entre a praia, junto ao mar e o logradouro público (calçadas e caixa de rua), de uma área compreendida entre duas linhas paralelas ao eixo do ancoradouro, distando deste eixo 20 (vinte) metros para cada lado. Este levantamento deverá ser apresentando na forma de projeto desenhado em ACAD 2010 ou superior, dois cortes longitudinais, apresentado as cotas de caixa da rua, calçada e praia, na escala 1/200. No levantamento deverão constar em planta todas as obras de arte existente no logradouro, na área delimitada, assim como altura de meio fio, eventual local de rebaixo de meio fio, árvores, muros de arrimo e construções circunvizinhas, constando seus perímetros e alturas. Deverá também ser indicadas caixas de redes de concessionárias públicas de água, gás, esgoto eletricidade e TVs a cabo entre outras. Levantamento topobatimétrico de toda área de implantação do trapiche/píer e rampa, incluindo acesso marítimo desde a área de manobra em escala 1:500; PROJETO DE ESTRUTURA DO ATRACAPOURO. 5

6 Considerando a presença de terreno (leito da Baia da Guanabara) extremamente pouco consistente, atravessando uma lâmina de água e possíveis lençóis subterrâneos. Considerando a necessidade de se evitar derramamento de concreto na Baia da Guanabara. Considerando a metodologia construtiva que deverá ser adotada, para uma obra sobre a lâmina d água, tornando-se muito dispendiosos os métodos de cimbramento metálico telescopável para lançamento de tabuleiros de concreto do ancoradouro. O projeto de estrutura deverá ser calculado em concreto aramado pré-moldado, compreendendo os seguintes elementos: a) Fundações profundas de concreto pré-moldado, cravadas por bate estacas montado sobre balsa ou flutuante, com profundidades previstas baseada na sondagem do terreno onde será erguida a construção. b) Vigas de equilíbrio, para distribuição das cargas do tabuleiro do atracadouro, também deverá ser em concreto pré-moldado, sendo soldadas sobre as cabeças de dois ou mais pilares, conforme projeto de arquitetura em anexo a este Termo de Referência. c) Tabuleiro de ancoradouro deverá ser construído com elementos em concreto armado, podendo ser uma peça única unindo duas vigas de equilíbrio, ou diversas peças justapostas longitudinalmente, igualmente ligando duas vigas de equilíbrio. d) Projeto de contenção de leito de logradouro, onde será feita a ligação entre a calçada pública e o tabuleiro do ancoradouro. e) Projeto de estrutura de prédio destinado a instalação de balança de pesagem de peixes, incluindo pilares, vigas e laje de cobertura. f) Projeto de guarda corpo em concreto pré-moldado, conforme projeto anexo. g) Projeto de escadas localizadas na extremidade e na lateral do ancoradouro, conforme projeto de arquitetura, também em concreto pré-moldado. h) Considerar, além das cargas verticais, cargas laterais de vento, marés, ressacas, além dos esforços causados pela ancoragem de embarcações pesqueiras de pequeno e médio porte. i) As peças de concreto pré-moldado deverão possuir comprimento máximo de 9 (nove) metros, a fim de facilitar o transporte e manuseio no canteiro de obras, assim como facilitar a instalação das peças nos locais indicados no projeto, lembrando sempre que a maior parte destas operações deverá ser executada com o auxílio de guindaste embarcado, incidindo seu uso intensivo no aumento de custo final da obra. j) Deverá ser apresentada memória de cálculo de todas as cargas incidentes, detalhamento de formas e ferragem das peças de concreto armado a serem utilizadas na obra, assim como quadros contendo pesos de ferragem de acordo coma as respectivas bitolas e volumes de concreto, com o Fck previsto no cálculo das peças. PROJETO EXECUTIVO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DO ATRACADOURO, INCLUINDO ÁREA DE PESAGEM. O projeto de instalações elétricas deverá contemplar os seguintes itens: 6

7 a) Projeto de iluminação pública por meio de postes metálicos, com lâmpadas de vapor metálico, localizados sobre o tabuleiro do ancoradouro, conforme projeto de arquitetura. b) Iluminação de posto de pesagem, que deverá conter lâmpadas de vapor metálico em seu interior e arandelas sobre as portas de acesso, dotadas com sensor de luminosidade a fim de que seu acendimento e desligamento sejam automáticos, de acordo com a luz do dia. c) Luzes de aviso, na extremidade do atracadouro e em outros locais, de acordo com as leis da Capitania dos Portos do Rio de janeiro, com acendimento automático conforme a luminosidade do dia. d) Tomadas de energia no interior do posto de pesagem de peixes, para atender eventuais balanças de precisão eletrônicas e outros aparelhos eletroeletrônicos. e) Tomadas de energia de 30 A e 50 A, nas proximidades das escadas projetadas, para eventual atendimento de embarcações com frigoríficos que necessitem de permanecerem ancoradas por um período mais longo de tempo. f) Padrão de entrada de energia e medidor, quadro de distribuição, com cálculo de cargas, contendo disjuntores e elementos de proteção de rede, diagramas unifilar e trifilar. PROJETO DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO ATRACADOURO, INCLUINDO ÁREA DE PESAGEM. O projeto de instalações hidráulicas deverá contemplar os seguintes itens: a) Projeto de fornecimento de água potável para o ancoradouro e para o posto de pesagem, com a previsão de entrada e medidor da concessionária, caixa piezométrica e caixa d água para abastecimento do sistema. b) Previsão para instalação de bomba de recalque, ligado à caixa piezométrica, para abastecimento de caixa d água. c) Projeto de escoamento de águas pluviais de telhado da cobertura do posto de pesagem, assim como a drenagem da retro área do atracadouro. d) Projeto de combate a incêndio, com a instalação de hidrantes e extintores. PROJETO DE PAISAGISMO E URBANIZAÇÃO DE ÁREA RETRO AO ATRACADOURO. Projeto de paisagismo e urbanização de área de acesso ao ancoradouro, com o propósito de melhoria do conforto ambiental, recuperação de vegetação existente no local, compreendendo os seguintes serviços: a) Paginação de calçada, b) Projeto de plantio de mudas de árvores, c) Projeto de mobiliário urbano para a área do ancoradouro. 7

8 TODOS OS PROJETOS DEVERÃO TER OS SEGUINTES ITENS: Memória de cálculo e quantitativos destes serviços, itenizados em forma de planilhas de quantitativos; O projeto deverá conter elementos técnicos com nível de precisão suficiente, para caracterizar a execução da obra, possibilitando a estimativa de seu custo e a definição de método e prazo de execuções factíveis, devendo atender aos seguintes requisitos: Visão global da obra, identificando todos os seus elementos constitutivos e construtivos com clareza; Soluções técnicas globais e localizadas, suficientemente detalhadas, de forma a minimizar a necessidade de reformulação ou de variantes durante as fases de realização; Identificação dos tipos de serviços a executar e de materiais e equipamentos a incorporar, bem como especificações que assegurem os melhores resultados para o empreendimento, sem frustrar o caráter competitivo para sua execução; Subsídios para a montagem do plano de licitação e gestão da obra; Quantitativos de serviços e fornecimentos avaliados com propriedade. 8. DESENVOLVIMENTO E FORMA DE ENTREGA 8.1. Na fase de desenvolvimento do projeto executivo, serão realizadas reuniões na sede da Secretaria de Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca do Estado do Rio de Janeiro SEDRAP-RJ com participação da fiscalização e da empresa contratada, para que sejam dirimidas as dúvidas, levantadas e eliminadas as diversas interferências, com vistas ao bom andamento dos trabalhos de todas as especialidades; 8.2. As especificações técnicas, os memoriais de cálculo e descritivos, os relatórios, as listas de material, o caderno de encargos e demais documentos semelhantes deverão ser apresentados em meio digital. Em software compatível com Microsoft Office Word, com formatações a serem fornecidas oportunamente pela fiscalização, em CD além de 3 (três) cópias impressas em tamanho A4; 8.3. No caso das especificações, deverão possuir nível de detalhamento técnico suficiente para que não haja margem para interpretações diversas a respeito de como deve ser cada material ou equipamento a ser utilizado na obra, os quais deverão estar de acordo com as prescrições das normas da ABNT pertinentes Para cada material e equipamento deverão ser citadas todas as características técnicas necessárias, mais o termo ou similar Os desenhos deverão ser apresentados em arquivo compatível com o programa AutoCAD (formato dwg) em CD ou DVD e 3 (três) cópias impressas; 9. PRAZO DE EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS 8

9 O prazo para execução dos serviços será de 60 (sessenta) dias, a partir da data da ordem de serviço. 10. DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA Os recursos necessários ao atendimento das despesas correrão do convênio 010/2012 firmado entre o Ministério da Pesca e Aquicultura e a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca - SEDRAP, estando assim previsto: Recursos orçamentários do Ministério da Pesca e Aquicultura à conta do Programa de Trabalho TL Apoio à implantação de infraestrutura aquícola e Pesqueira Nacional - PTRES Recursos orçamentários da SEDRAP à conta do Programa de Trabalho Execução de Projetos de Obras Locais e Regionais de infraestrutura. Rio de Janeiro, 18 de março de CARLOS EDUARDO P. DA LUZ SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ABASTECIMENTO E PESCA - SEDRAP 9

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO 1. OBJETIVO 1.1. Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração dos

Leia mais

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Ao: Pró Reitor de Desenvolvimento Institucional ANTÔNIO A. RAITANI JÚNIOR Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense Assunto:

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Projeto executivo para construção do prédio das Promotorias da Infância e Juventude. 2. OBJETIVOS O presente Termo de Referência tem como objetivo nortear a contratação

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica Primeira edição válida a partir

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 )

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 1 1. AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO: Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização

Leia mais

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO PORTO DE NATAL

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO PORTO DE NATAL PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO PORTO DE NATAL CONSTRUÇÃO DO BERÇO Nº 04 DO PORTO DE NATAL, ATRACADOURO PARA PESCA ARTESANAL E SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA COLISÕES DOS PILARES CENTRAIS DA PONTE NEWTON NAVARRO ATRAVÉS

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Nesta Unidade da Disciplina tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nos tratos dos assuntos atinentes a prevenção e

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO GUANHÃES MG INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS EM CONCRETO ARMADO, ESTRUTURAS METÁLICAS OU ESTRUTURAS EM MADEIRA

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS EM CONCRETO ARMADO, ESTRUTURAS METÁLICAS OU ESTRUTURAS EM MADEIRA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS EM CONCRETO ARMADO, ESTRUTURAS METÁLICAS OU ESTRUTURAS EM MADEIRA Blumenau, maio de 2010. 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO...

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011. x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011. x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011 Projeto: FORTALECIMENTO DO PARQUE ESTADUAL DA PEDRA BRANCA - PEPB: OBRAS DE RECUPERAÇÃO E AQUISIÇÃO DE MOBILIÁRIO E EQUIPAMENTOS Protocolo nº: 20110302174043107 Assunto:

Leia mais

UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo

UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo Materiais e Tecnologia Construtiva I Prof. Angelo Just da Costa e Silva Escolha do terreno Demolição Limpeza do terreno CONCEITOS INICIAIS Instalações provisórias

Leia mais

Serviços e Projetos em Engenharia para todos os segmentos.

Serviços e Projetos em Engenharia para todos os segmentos. Apresentação da Empresa Sumário 02 Quem Somos 03 Urbanismo e Infraestrutura 04 Arquitetura e Paisagismo 05 Área de Estruturas 06 Proteção contra Incêndio 07 Área de Hidráulica 08 Instalações Elétricas

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000 PROJETO DE LEI Nº 044-02/2014 Acrescenta dispositivos à Lei Municipal nº 1.621, de 28 de dezembro de 1979, que dispõe sobre os loteamentos e dá outras providências. Art. 1º Além dos dispositivos constantes

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO ESPECIFICAÇÃO

ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO 1. O PROJETO Projeto básico e executivo para construção do prédio das Promotorias de Justiça de Parauapebas. 2. OBJETIVOS O presente Termo de Referência tem como objetivo nortear a contratação

Leia mais

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs.

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs. INSTRUÇÃO TÉCNICA 11 COMUNICAÇÃO VISUAL E SINALIZAÇÃO Revisão 00 jan/2014 1 OBJETIVO 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS VERT RESIDENCIAL CLUBE LOTEAMENTO

INFORMAÇÕES GERAIS VERT RESIDENCIAL CLUBE LOTEAMENTO INFORMAÇÕES GERAIS VERT RESIDENCIAL CLUBE LOTEAMENTO LOCALIZAÇÃO: Os terrenos onde serão implantados os empreendimentos localizam-se na Estrada de Rodagem Venda das Pedras, RJ 114, Km 5 (Estrada Maricá/Itaboraí),

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-10/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 04 PROJETOS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIOS (PCI)

INSTRUÇÃO TÉCNICA 04 PROJETOS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIOS (PCI) INSTRUÇÃO TÉCNICA 04 PROJETOS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIOS (PCI) 1 OBJETIVO 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração

Leia mais

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS MEMORIAL DESCRITIVO: APRESENTAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: LOCALIZAÇÃO: Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS DESCRIÇÃO: Edifício

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura via física e via digital; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURA metodologia em projeto arquitetônico

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURA metodologia em projeto arquitetônico FUNDAMENTOS DE ARQUITETURA metodologia em projeto arquitetônico UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA Curso: Engenharia Civil Profª. Raquel Portes ETAPAS DO PROJETO DE ARQUITETURA

Leia mais

MUSEU DAS TELECOMUNICAÇÕES

MUSEU DAS TELECOMUNICAÇÕES 1 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS (NORMAS E DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA) MUSEU DAS TELECOMUNICAÇÕES ELABORAÇÃO, APROVAÇÃO, DETALHAMENTO E DESENVOLVIMENTO DOS PROJETOS

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS PORTARIA Nº. 24, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta o artigo 18 da Lei nº 2.863/2008 Código de Obras e dá providências para avaliação e aprovação de Projetos de Edificações. O Secretário Municipal

Leia mais

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Terraplenagem nos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS...

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo: TORRE 5 100% executado 98% executado - Revestimento fachada; 100% concluído - Aplicação de textura; 100% concluído - Execução do telhado; 100%

Leia mais

SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.

SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1. ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.4 - APRESENTAÇÃO

Leia mais

SUMÁRIO 2.0 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO E CADASTRAL URBANO

SUMÁRIO 2.0 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO E CADASTRAL URBANO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE TOPOGRAFIA SUMÁRIO 1.0 - INTRODUÇÃO 1.1 - ESPECIFICAÇÕES CORRELATAS 2.0 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO E CADASTRAL URBANO 2.1 - POLIGONAIS DE 1

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo normatizar o direito de utilização e aproveitamento dos lotes, sendo que tais limitações são supletivas

Leia mais

Notas: Aprovada pela Deliberação Ceca nº 868, de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 19 de maio de 1986

Notas: Aprovada pela Deliberação Ceca nº 868, de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 19 de maio de 1986 IT-1815.R-5 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES (PERMANENTES E TRANSITÓRIAS), GRUPAMENTOS DE EDIFICAÇÕES E CLUBES. Notas: Aprovada pela Deliberação

Leia mais

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver!

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver! APRESENTAÇÃO Planejar uma cidade também significa cuidar da circulação das pessoas, garantido segurança e igualdade. Muitas pessoas caminham somente a pé, ultrapassando 30% de todos os deslocamentos de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (SPCI), DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA), E DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO ( GLP)

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (SPCI), DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA), E DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO ( GLP) TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (SPCI), DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA), E DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO ( GLP) EDIFÍCIO SEDE TERRACAP DITEC Diretoria Técnica e de Fiscalização

Leia mais

INFRAESTRUTURA CIVIL - CÂMARAS TRANSFORMADORAS FASCÍCULO. Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras

INFRAESTRUTURA CIVIL - CÂMARAS TRANSFORMADORAS FASCÍCULO. Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras FASCÍCULO Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para elaboração de Projeto Civil de entradas consumidoras que envolvam a implantação de obras civis subterrâneas

Leia mais

Os Levantamentos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs.

Os Levantamentos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs. INSTRUÇÃO TÉCNICA 11 COMUNICAÇÃO VISUAL E SINALIZAÇÃO Revisão 00 jan/2014 1 OBJETIVO Esta Instrução Técnica apresenta os procedimentos, critérios e padrões que deverão ser adotados na execução de serviço

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida APRESENTAÇÃO 9h00 até 9h30: Abertura 9h30 até 11h15: Critérios gerais de análise técnica 11h15 até 11h30: Coffee-break

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREVENTIVAS CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÃO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREVENTIVAS CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÃO 1 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREVENTIVAS CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÃO 2 ÍNDICE Lista de Abreviaturas 03 Introdução 04 Parte I 05 Instruções Gerais 05 Modelo de Selo Padrão 07

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Nova Instalação da SEMMAC LOCAL: Rua Dr. Lamartine Pinto de Avelar, 2338. Setor Ipanema. Catalão GO TIPO DE SERVIÇO: Reforma e Ampliação. 1.0 INTRODUÇÃO A finalidade do presente

Leia mais

BIM BIM. Building Information Modeling no Projeto Estrutural. Impactos e benefícios potenciais. Modelagem de Informação do Edifício Projeto Estrutural

BIM BIM. Building Information Modeling no Projeto Estrutural. Impactos e benefícios potenciais. Modelagem de Informação do Edifício Projeto Estrutural BIM Building Information Modeling no Impactos e benefícios potenciais Nelson Covas BIM Building Information Modeling ou Modelagem de Informação da Construção ou Modelagem de Informação do Edifício Premissas

Leia mais

2013 2014 2015 2016 2017 J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J 01/07

2013 2014 2015 2016 2017 J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J 01/07 ESTALEIRO EISA ALAGOAS S.A. - CRONOGRMA DE CONSTRUÇÃO 45,96 meses 1 LICENÇA AMBIENTAL 29,51 meses 1.1 LICENÇA PRÉVIA 0 meses 1.2 LICENÇA DE INSTALAÇÃO 5,33 meses 1.2.1 PROJETOS EXECUTIVOS 4 meses 1.2.2

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DOS PROJETOS DO PRÉDIO ADMINISTRATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUÁ

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DOS PROJETOS DO PRÉDIO ADMINISTRATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUÁ TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DOS PROJETOS DO PRÉDIO ADMINISTRATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUÁ Sumário A. DESCRIÇÃO DO PROJETO... 4 1. DO OBJETO... 4 1.1. PROJETO ARQUITETÔNICO... 4 1.2.

Leia mais

COMPLEXO. Previsão Torres Residenciais. Previsão Torre Comercial Fase 2. Shopping IGUATEMI Previsão Hotel. Torre Comercial Fase 1 BR 153

COMPLEXO. Previsão Torres Residenciais. Previsão Torre Comercial Fase 2. Shopping IGUATEMI Previsão Hotel. Torre Comercial Fase 1 BR 153 CADERNO TÉCNICO COMPLEXO Previsão Torres Residenciais Previsão Torre Comercial Fase 2 Torre Comercial Fase 1 Shopping IGUATEMI Previsão Hotel BR 153 Marginal BR 153 Imagem preliminar do complexo Iguatemi

Leia mais

VOLUME III TOMO 1. Plano de Requalificação Urbana Plano de Articulação Institucional

VOLUME III TOMO 1. Plano de Requalificação Urbana Plano de Articulação Institucional VOLUME III TOMO 1 Plano de Requalificação Urbana Plano de Articulação Institucional Nota do IBAMA Esta fase do licenciamento ambiental Licença de Instalação se caracteriza pela análise, monitoramento e

Leia mais

Proposta Técnica Projeto de Arquitetura e Projeto Legal

Proposta Técnica Projeto de Arquitetura e Projeto Legal São Paulo, 19 de Outubro de 2012 Proposta Técnica Projeto de Arquitetura e Projeto Legal Cliente Alphaville Urbanismo S.A. Av. Nações Unidas, 8501, 9º Andar 05425-070 Pinheiros São Paulo, SP Empreendimento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA

MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA 1. GENERALIDADES A gleba destinada ao condomínio horizontal de lotes possui superfície de 446.750,54 m², em Atlântida município de Xangrilá-RS, conforme plantas

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA PRELIMINAR CENTRO ESCOLAR DE S.JULIÃO/TAVAREDE PROJECTOS DE ESPECIALIDADES 1 1. Introdução Pretende a Câmara Municipal da Figueira da Foz, desenvolver

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO QUADRA DE ESPORTES A:

MEMORIAL DESCRITIVO QUADRA DE ESPORTES A: DISPOSIÇÕES GERAIS O presente caderno tem por objetivo estabelecer as normas e encargos que presidirão o desenvolvimento da construção de um Quadra de Esportes em terreno de propriedade do Município de

Leia mais

Blumenau, maio de 2010.

Blumenau, maio de 2010. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE ORÇAMENTOS E CRONOGRAMAS Blumenau, maio de 2010. 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 3 4. COMPOSIÇÃO DO ORÇAMENTO... 4 4.1. SERVIÇOS PRELIMINARES/TÉCNICOS...

Leia mais

ANEXO VI PROJETO BÁSICO CONSTRUÇÃO DE MURO PRÉ-MOLDADO TIPO TRAPEZOIDAL E NYLOFOR, PAVIMENTAÇÃO EM PÓ DE PEDRA E PEDRISCO E CALÇADA CASA DO MEL

ANEXO VI PROJETO BÁSICO CONSTRUÇÃO DE MURO PRÉ-MOLDADO TIPO TRAPEZOIDAL E NYLOFOR, PAVIMENTAÇÃO EM PÓ DE PEDRA E PEDRISCO E CALÇADA CASA DO MEL PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS ANEXO VI PROJETO BÁSICO CONSTRUÇÃO DE MURO PRÉ-MOLDADO TIPO TRAPEZOIDAL E NYLOFOR, PAVIMENTAÇÃO EM PÓ DE PEDRA

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO PROJETOS BÁSICO

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO PROJETOS BÁSICO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO PROJETOS BÁSICO 1. Projeto Arquitetônico (estudo preliminar, anteprojeto, projeto definitivo): O projeto arquitetônico compõe-se dos seguintes dados concepcionais suscetíveis

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0 1. OBJETIVO Este informativo técnico tem como objetivo orientar o envio dos documentos e o preenchimento correto da planilha do Projeto Expresso v 2.0 - Caixas Metálicas e planilha do Projeto Expresso

Leia mais

Plano de Manutenção e Conservação de Edificações

Plano de Manutenção e Conservação de Edificações Plano de Manutenção e Conservação de Edificações PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES Apresentação Este plano, preparado pela União das Faculdades de Alta Floresta, mantenedora da Faculdade

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO O

MEMORIAL DESCRITIVO O MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial tem por objetivo estabelecer requisitos técnicos, definir materiais e padronizar os projetos e execuções da obra localizada na Rua Jorge Marcelino Coelho, s/n, Bairro

Leia mais

Blumenau, maio de 2010.

Blumenau, maio de 2010. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELÉTRICO, TELEFÔNICO E CABEAMENTO ESTRUTURADO Blumenau, maio de 2010. 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 3 4. INSTRUÇÕES GERAIS... 4 5. INSTALAÇÕES

Leia mais

LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014

LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 DISPÕE sobre a aprovação de projetos de condomínios residenciais, horizontal e vertical, no perímetro urbano do Município de Não-Me-Toque... TEODORA BERTA SOUILLJEE

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 02) WILLIAN ABREU

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 02) WILLIAN ABREU FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 02) INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Conjunto de atividades que visa a realização de obras de

Leia mais

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS 1. ROTEIRO PARA APROVAÇÃO E LIBERAÇÃO DE PROJETOS E OBRAS: PROJETOS A. Aprovação do Projetos pelo Depto. Técnico da Associação B. Aprovação do Projeto e Solicitação de Alvará de Construção na Prefeitura

Leia mais

PONTE ESTAIADA SOBRE O RIO NEGRO

PONTE ESTAIADA SOBRE O RIO NEGRO SRMM Secretaria de Desenvolvimento Sustentável da Região Metropolitana de Manaus UGPSUL Unidade Gestora do Programa de Desenvolvimento e Integração da Região Sul da Cidade de Manaus PONTE ESTAIADA SOBRE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PESQUEIRA CCI - Controladoria de Controle Interno SCI SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PESQUEIRA CCI - Controladoria de Controle Interno SCI SISTEMA DE CONTROLE INTERNO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO - SCI INSTRUÇÕES NORMATIVAS SOSE Nº 001/2010-1 Aprovação em: 08/01/2010 Versão: 001 Ato de Aprovação: IN SOSE n. 001/2010 Unidade Responsável: Sistema de Obras e Serviços de

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo SUMÁRIO DO PROJETO TORRE 5: 100% executado 95% executado - Revestimento fachada; - 100% concluído - Aplicação de textura; - 95% concluído -

Leia mais

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Contribuição técnica nº 19 EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Autor: ROSANE BEVILAQUA Eng. Consultora Gerdau SA São Paulo, 01 de setembro de 2010. PROGRAMA Introdução Vantagens da utilização de Edifícios

Leia mais

ITEM DESCRIÇÃO UNID. QUANT.

ITEM DESCRIÇÃO UNID. QUANT. I - SERVIÇOS PRELIMINARES SP (LOTES 1 A 9) ETE 1 (CY. 06 / 000.92 / 2369 / 00) PLANO DE DOCUMENTAÇÃO GERAL NAS ETAPAS DE ESTUDO 1 PRELIMINAR EP, PROJETO BÁSICO PB E PROJETO EXECUTIVO PE 1.1 Plano de Documentação

Leia mais

MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE: MI 001/2012

MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE: MI 001/2012 MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE: MI 001/2012 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DOS PROJETOS DO PRÉDIO ADMINISTRATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUÁ Sumário A. DESCRIÇÃO DO PROJETO... 4 1. DO OBJETO...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO TUBULÕES A CÉU ABERTO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-06/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a cravação e

Leia mais

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL FORTALEZA. ANEXO II Memorial Descritivo

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL FORTALEZA. ANEXO II Memorial Descritivo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL FORTALEZA ANEXO II Memorial Descritivo 1. DESCRIÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO. O Empreendimento, comercializado sob Condomínio Residencial Viva Bem, é composto por 04 (quatro) blocos,

Leia mais

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12 Em atenção à solicitação de autorização para construção de Passagem Superior e Inferior, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos abaixo para cada Passagem.

Leia mais

PACOTE TOPOGRAFIA. Cálculos

PACOTE TOPOGRAFIA. Cálculos PACOTE TOPOGRAFIA Cálculos Este aplicativo é responsável pelos cálculos de topografia e UTM do Sistema topograph. As cadernetas de levantamento de campo podem ser introduzidas a partir de dados levantados

Leia mais

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC PLANO DE OUTORGA ANEXO V CADERNO DE ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES E APARELHAMENTO Abril/2014 Sumário

Leia mais

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS Arancibia Rodríguez, Marco A. (1); Novaes, Rogério (2) (1) Eng. Civil, Mestre em Engenharia, Doutorando em

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SERVIÇO DE EDIFICAÇÕES ESCOLARES TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SERVIÇO DE EDIFICAÇÕES ESCOLARES TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA 1. OBJETIVO Este Termo de Referência é parte integrante do Convite nº 01 / 2015. O objetivo deste Termo de Referência é definir as diretrizes

Leia mais

CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO

CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO Serviço: 1ª FASE DO LABORATÓRIO DE ESCOAMENTOS DE MULTIFÁSICOS INDUSTRIAIS - ESTRUTURA E COBERTURA DATA: 9 de novembro de 2010 CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO DESCRIÇÃO UNID. QUANT. PREÇO MAT. (UNIT.)(R$)

Leia mais