ESTRUTURAS METÁLICAS I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRUTURAS METÁLICAS I"

Transcrição

1 PONTIÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ESTRUTURAS METÁLICAS I NOTAS DE AULA 008 Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 0.1

2 Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 0.

3 01. Introdução 1.1. Breve Histórico: 1 Desde mis remot ntigüidde, tem-se notíci do omem utilizr-se de rteftos de ferro. Inicindo-se pel descobert do cobre, que se mostrv demsidmente ductil cpz de deformr-se sob ção de crgs -, o omem primorndo s sus própris relizções, trvés do empreendimento de su cpcidde de pensr e de relizr, estbeleceu os princípios d metlurgi, que n definição de lguns utores, é um síntese; pressupõe o uso coerente de um conjunto de processos, e não prátic de um instrumento único. E esses processos form-se somndo o longo ds necessiddes umns, pois pr síntese d metlurgi ou d forj, juntm-se s percussões (mrtelo), o fogo (fornl), águ (têmper), o r (fole) e os princípios d lvnc. Imgin-se que, provvelmente, o cobre foi descoberto por cso, qundo lgum fogueir de cmpmento ten sido feit sobre pedrs que continm minério cúprico. É presumível que lgum observdor mis rguto ten notdo lgo derretido pelo clor do fogo, reproduzindo, mis trde, o processo propositdmente. Ms, como já se observou, o cobre é por demis mole pr que com ele se fbriquem instrumentos úteis, em especil nos primórdios ds descoberts umns, bstnte crcterizds pels necessiddes de coiss bruts. As técnics de modelgem e de fusão vão se sofisticndo qundo surge primeir lig, o cobre rsênico, composto tão venenoso que logo teri que ser substituído. O psso seguinte foi descobert de que dição o cobre de pens pequen proporção de estno, formv um lig muito mis dur e muito mis útil do que o cobre puro. Er descobert do bronze, que possibilitou o omem modelr um multidão de novos e melores utensílios: vsos, serrs, escudos, mcdos, trombets, sinos e outros. Mis ou menos pelo mesmo período, o omem teri prendido fundir o ouro, prt e o cumbo. Como estbelecem lguns istoridores, um brilnte descobert conduz outr e, dess mneir, logo depois d descobert do cobre e do bronze, tmbém o ferro pssou ser utilizdo. Esse novo metl já er conecido á dois mil nos ntes d er cristã, ms por longo tempo permneceu rro e dispendioso, e seu uso somente foi mplmente estbelecido n Europ, por volt do no 500.C. Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 1-1

4 Todo o ferro primitivo seri oje em di clssificdo como ferro forjdo. O método pr obtê-lo consisti em brir um burco em um encost, forrá-lo com pedrs, encê-lo com minério de ferro e mdeir ou crvão vegetl e ter fogo o combustível. Um vez queimdo todo o combustível, er encontrd um mss poros, pedregos e brilnte entre s cinzs. Ess mss er colid e btid mrtelo, o que tornv o ferro compcto e epulsv s impurezs em um cuv de fguls,. O trugo cbdo, cmdo lup, tin proimdmente o tmno de um btt doce, ds grndes. Com o tempo, o omem prendeu como tornr o fogo mis quente soprndo-o com um fole e construir fornos permnente de tijolos, em vez de mermente escvr um burco no cão. Dess mneir, o ço dí resultnte, er feito pel fusão do minério de ferro com um grnde ecesso de crvão vegetl ou juntndo ferro mleável com crvão vegetl e cozinndo o conjunto durnte vários dis, té que o ferro bsorvesse crvão suficiente pr se trnsformr em ço. Como esse processo er dispendioso e incerto e os fundidores nd sbim d químic do metl com que trblvm, o ço permneceu por muitos nos um metl escsso e dispendioso, e somente tin emprego em coiss de importânci vitl, como s lâmins ds espds. Do ponto de vist istórico, nrrm lguns especilists, que, por volt do século IV d.c., os fundidores indus form cpzes de fundir lguns pilres de ferro que se tornrm fmosos. Um deles, ind eistente em Deli, tem um ltur de mis de sete metros, com outro meio metro bio do solo e um diâmetro que vri de qurent centímetros n bse pouco mis de trint centímetros no topo. Pes mis de seis tonelds, é feito de ferro forjdo e su fundição teri sido impossível, nquele tmno, n Europ, té époc reltivmente recente. Ms, cois mis notável nesse e em outros pilres de su espécie, é usênci de deteriorção ou de qulquer sinl de ferrugem. Após qued do império romno, desenvolveu-se n Espn orj Ctlã, que veio dominr todo o processo de obtenção de ferro e ço durnte Idde Médi, esplndo-se notdmente pel Alemn, Inglterr e rnç. Nesse período, o ferro er obtido como um mss pstos que podi ser moldd pelo uso do mrtelo e não como um líquido que corresse pr um molde, como ocorre tulmente. O fim d Idde Médi que prepr Europ modern pel etensão do mquinismo, é tmbém testemun ds primeirs intervenções do cpitlismo no esforço pr produção industril. Ess evolução é compnd por grndes progressos técnicos, especilmente no que se refere os trnsportes mrítimos e, um impulso semelnte se observ no progresso d metlurgi. A forç idráulic foi plicd os foles ds forjs, ssim obtendo um tempertur mis elevd e regulr, e com crburção mis tiv deu-se fundição, correndo n bse do forno o ferro Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 1-

5 fundido susceptível de fornecer peçs moldds. O forno, que prtir de então se pôde mplir, trnsformou-se em forno de fole e, em seguid, em lto-forno. O lto-forno crvão vegetl, segundo os istoridores, preceu por volt de 160; o primeiro lmindor remont proimdmente o no de Entretnto, o grnde impulso o desenvolvimento d siderurgi ocorreu com o dvento d trção vpor e o surgimento ds ferrovis, primeir ds quis inugurd em 187. Até o fim do século XVIII, mior prte ds máquins industriis erm feits de mdeir. O rápido desenvolvimento dos métodos de refinção e de trblo do ferro briu cmino novs utilizções do metl e à construção de máquins industriis e, por conseqüênci, à produção, em quntidde, de objetos metálicos de uso gerl. Entre s descoberts científics, que grdtivmente im melorndo o processo de produção industril, merece destque utilizção do crvão de pedr pr redução do minério de ferro, que resultou n loclizção dos compleos siderúrgicos e que veio determinr, por privilégios geológicos, o pioneirismo de um nção n siderurgi. A Grã-Bretn foi, relmente, mior beneficiári dess conquist científic, em rzão de possuir, em territórios economicmente próimos, jzids de minério de ferro e de crvão de pedr. Junt-se isto tod um estrutur comercil voltd pr o eterior e já se pode vislumbrr o perfil de um pís que, prticmente sozino, foi cpz de deter o privilégio de domínio do mercdo interncionl de ferro, ponto de ter sido considerd oficin mecânic do mundo. Apesr de não ser o único pís produzir ferro, foi o primeiro produzi-lo em escl comercil. A epnsão d Revolução Industril modificou totlmente metlurgi e o mundo. O uso de máquins vpor pr injeção de r no lto-forno, lminres, tornos mecânicos e o umento d produção, trnsformrm o ferro e o ço no mis importnte mteril de construção. Em 1779, construiu-se primeir ponte de ferro, em Colbrookdle, n Inglterr; em 1787, o primeiro brco de cps de ferro e outrs inovções. As ferrovis, como já menciondo nteriormente, certmente form o mior contributo à epnsão ds tividdes d metlurgi e, no no de 180, entr em operção ferrovi Liverpool-Mncester. No uge d tividde d construção ferroviári, por volt de 1847, estv em ndmento eecução de cerc de dez mil quilômetros de ferrovis. Qundo rede ferroviári britânic tin sido completd, indústri siderúrgic mplid foi cpz de suprir mtéri-prim pr construção de ferrovis em outros píses, onde se destcm os Estdos Unidos que, n décd de 1870, construiu cinqüent e um mil mils de estrds de ferro, o que representv, n époc, tnto qunto se vi construído no restnte do mundo. Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 1-

6 N décd de produção dos ltos-fornos nos Estdos Unidos tornou-se mior do mundo e, ntes de 1900, produção de ço nortemericn ultrpssou tods s demis no mundo. Pr que se ten um idéi do nível de crescimento d produção de ço, pode se perceber nel, um umento vertiginoso, tnto que por volt de 1876, ess produção er de um milão de tonelds/no, pssndo em 196, cinqüent nos depois, pr ordem de cem milões de tonelds no, tingindo, tulmente, lgo em torno de setecentos milões de tonelds de ços ds mis diverss quliddes e proprieddes mecânics, sob form de perfis, cps, brrs, tubos, trilos, etc. Algums obrs notáveis em estruturs metálics e que merecem ser citds, demonstrm, de mneir insofismável, ess grnde conquist do omem moderno. Prtindo-se d já menciond ponte ingles de Colbrookdle em 1779, em ferro fundido com vão de 1 metros, pssmos, logo depois ind n Inglterr, à Britnni Brigde, com dois vãos centris de 140 metros cd; tmbém pel Brookln Bridge em Nov Iorque, nos Estdos Unidos, primeir ds grndes pontes pênseis, com 486 metros de vão livre e construíd em 188; Torre Eiffel, em Pris, dtd de 1889, com 1 metros de ltur; o Empire Stte Building, tmbém em Nov Iorque, com seus 80 metros de ltur e dtdo de 19; Golden Gte Bridge, n cidde de São rncisco, com 180 metros de vão livre, construíd em 197 té o World Trde Center, em Nov Iorque, com seus 410 metros de ltur e seus 110 ndres, construído em 197, e isso pr citrmos lgums. No Brsil, tividde metlúrgic, no início d colonizção er eercid pelos rtífices ferreiros, cldeireiros, funileiros, sempre presentes nos grupos de portugueses que desembrcvm ns recém-fundds cpitnis. A mtériprim sempre foi importd e cr. As primeirs obrs em estruturs metálics no Brsil, têm su origem, ssim como nos demis píses do mundo, prtir ds estrds de ferro. Nrr-se que em outubro de 1888, cegou Bnnl, no Estdo do Rio de Jneiro, estção ferroviári que li seri montd. A mis senscionl estção ferroviári é Estção d Luz, no centro d cidde de São Pulo, pois com lgums modificções, feits pós um incêndio, estção é, fundmentlmente, mesm que se terminou de construir em 1901 e que, imponentemente, mrcv e mrc té oje, pisgem d cpitl pulist. De dt nterior, provvelmente de 1875, encontr-se o Mercdo de São José, no Recife; ms, tmbém, o Mercdo do Peie, em Belém, por muito tempo conecido como o Mercdo de erro, que foi inugurdo em Acredit-se que primeir obr utilizr-se de ferro pudldo processo de refinção do ferro dtdo de 1781, n Inglterr, ptentedo por Henr Cort, Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 1-4

7 descrit como mis pesd form de trblo jmis empreendid pelo omem fbricdo no Brsil, deu-se por volt de 1857, que foi Ponte de Príb do Sul, no Estdo do Rio de Jneiro, com cinco vãos de trint metros, estndo em uso té tulidde. Ms, como mrco de construção, não se poderi deir de citr, em São Pulo, o Viduto Snt Efigêni, que de cordo com o Eng.º Pulo Alcides Andrde, constituiu-se num mrco de São Pulo. A istóri desse viduto, segundo o engeneiro, se inici por volt do no de 1890, qundo se obteve licenç do Conselo de Intendentes pr su construção. A obr, porém, não foi inicid e o contrto pr su construção foi cnceldo. Pr se resumir istóri de um obr replet de vi-e-vém, de ordem burocrátic, el somente teve início no no de 1911 e terminou em 191. A estrutur, totlmente fbricd n Bélgic, foi pens montd no locl, pel união por rebitgem ds peçs numerds processo de ligções estruturis dot n époc e com s furções pronts, sendo inugurd em 6 de setembro de 191. As crcterístics estruturis d obr nos cmm tenção, em especil, por determinds peculiriddes. A ponte é formd por um tbuleiro superior com 55 metros de etensão, poido sobre cinco trmos, sendo três centris com 5,50 metros cd e mis dois vãos com 0,00 metros de vão ns etremiddes. Os três vãos centris, por su vez, são formdos por rcos com flec de 7,50 metros, o que equivle um relção flec/vão de 7 8, vlores esses, té oje utilizdos em dimensionmento de estruturs em rco. 4 A primeir corrid de ço em um usin siderúrgic integrd de grnde porte, no Brsil, deu-se em de juno de 1946, n Usin Presidente Vrgs, d CSN Compni Siderúrgic Ncionl, em Volt Redond, no Estdo do Rio de Jneiro. O pís importv prticmente todo o ço de que necessitv, tnto que s instlções industriis d própri CSN form construíds por empress estrngeirs. Por quele período, à eceção dos produtos plnos (cps) que tinm demnd grntid, os demis produtos, tis como trilos e perfis lmindos, encontrvm dificulddes n su comercilizção, qundo foi propost pel USX United Sttes Steeel, empres norte-mericn fbricnte de ço e fornecedor de estruturs metálics, pós pesquis de mercdo, que CSN instlsse um fábric de estruturs com o objetivo de consumir produção de lmindos e de incentivr o seu uso 4. Nsci, dess mneir, prtir de 195, EM ábric de Estruturs Metálics, crindo um tecnologi brsileir d construção metálic. 4 Roosevelt de Crvlo, n ocsião funcionário d CSN, foi um pesso de fundmentl importânci neste processo. Após breve estágio nos E.U.A.. voltou pr Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 1-5

8 orgnizr n fábric recém-crid, um curso pr detlmento de estruturs metálics. O trblo desenvolvido possibilitou formção de um equipe de primeir lin e trnsformou-se em verddeir escol. Com Pulo rgoso construção metálic coneceu um de seus momentos mis estimulntes. Com implntção d CSN, ele começou se preprr pr colborr no desenvolvimento d nov tecnologi que, creditv, veri de gnr grnde impulso no pís. O vngurdrismo do escritório Pulo rgoso não se limitou pens o rrojo, que propiciou construção ds primeirs grndes edificções de ço no Brsil. Introduziu e perfeiçoou nos seus projetos os conceitos de vigs mists, trzido d Alemn, um dos ftores mis importntes pr vibilizção econômic d solução metálic pr edifícios ltos. Estv deflgrdo o processo que dri início às edificções de ço no Brsil. Dignos de not, muito embor sejm muits s edificções, mencionremos pens lgums desss obrs: Nome Edifício Grgem Améric Edifício Plácio do Comércio Edifício Avenid Centrl Edifício Snt Cruz Áre Construíd m 17 Pvimentos m 1 Pvimentos m 6 Pvimentos m Pvimentos Projeto Arquitetônico Rino Levi Lucjn Korngold Henrique E. Mindlin Jime Lun dos Sntos Projeto Estruturl Pulo R. rgoso Pulo R. rgoso Pulo R. rgoso Pulo R. rgoso bricnte.e.m..e.m..e.m..e.m. Construtor Cvlcnti & Junqueir Lucjn Korngold Cpu & Cpu Ernesto Wöebcke Quntittivo de Aço 948 Ton Ton Ton Ton. Locl - Dt S.P S.P R.J R.S Cronologi do Uso dos Metis Orgnizd por Tomz Mres Gui Brg. Edifícios Industriis em Aço Ildon H. Belle Editor Pini. Eng.º Pulo Andrde mteril disponível n Internet 4. Edificções de Aço no Brsil Luís Andrde de Mttos Dis Zigurte Editor 00. Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 1-6

9 1.. Vntgens e Desvntgens n utilizção do Aço Estruturl: Como todo mteril de utilizção em construção, o ço estruturl é possuidor de crcterístics que trzem benefícios de tod ordem o que, certmente, proporcion vntgens em su utilizção. Muito embor não sej cusdor de mlefícios qundo utilizdo em construções, é tmbém necessário estbelecer lgums desvntgens com relção à su utilizção. Pois bem, vmos els 1, Vntgens: Como principis vntgens d utilizção do ço estruturl, podemos citr: ) Alt resistênci do mteril nos diversos estdos de solicitção trção, compressão, fleão, etc., o que permite os elementos estruturis suportrem grndes esforços pesr ds dimensões reltivmente pequens dos perfis que os compõem. b) Apesr d lt mss específic do ço, n ordem de 78,50 KN/m, s estruturs metálics são mis leves do que, por eemplo, s estruturs de concreto rmdo, proporciondo, ssim, fundções menos oneross. c) As proprieddes dos mteriis oferecem grnde mrgem de segurnç, em vist do seu processo de fbricção que proporcion mteril único e omogêneo, com limites de escomento, ruptur e módulo de elsticidde bem definidos. d) As dimensões dos elementos estruturis oferecem grnde mrgem de segurnç, pois por terem sido fbricdos em oficins, são seridos e su montgem é mecnizd, permitindo przos mis curtos de eecução de obrs. e) Apresent possibilidde de desmontgem d estrutur e seu posterior reproveitmento em outro locl. f) Apresent possibilidde de substituição de perfis componentes d estrutur com fcilidde, o que permite relizção de eventuis reforços de ordem estruturl, cso se necessite estruturs com mior cpcidde de suporte de crgs. g) Apresent possibilidde de mior reproveitmento de mteril em estoque, ou mesmo, sobrs de obr, permitindo emends devidmente dimensionds, que diminuem s perds de mteriis, em gerl corrente em obrs. Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 1-7

10 1... Desvntgens: Como principis desvntgens d utilizção do ço estruturl, podemos citr: ) Limitção de fbricção em função do trnsporte té o locl d montgem finl, ssim como custo desse mesmo trnsporte, em gerl bstnte oneroso. b) Necessidde de trtmento superficil ds peçs estruturis contr oidção devido o contto com o r, sendo que esse ponto tem sido minordo trvés d utilizção de perfis de lt resistênci à corrosão tmosféric, cuj cpcidde está n ordem de qutro vezes superior os perfis de ço crbono convencionis. c) Necessidde de mão-de-obr e equipmentos especilizdos pr fbricção e montgem. d) Limitção, em lgums ocsiões, n disponibilidde de perfis estruturis, sendo sempre conselável ntes do início de projetos estruturis, verificr junto o mercdo fornecedor, os perfis que possm estr em flt nesse mercdo. 1. Estruturs Industriis em Aço Ildon H. Belle Editor Pini.. Estruturs Metálics Antonio Crlos. Brgnç Pineiro Editor Edgrd Blücer Ltd. Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 1-8

11 1.. tores que influencim o custo de Estruturs Metálics: 1 Trdicionlmente o ço tem sido vendido por toneld e, conseqüentemente, discutindo-se o custo de um estrutur de ço impõe-se que se formulem seus custos por toneld de estrutur cbd. N relidde, eiste um gm considerável de outros ftores que se somm n constituição desses vlores e que têm influênci no custo finl dess estrutur, que não somente o seu peso. Como principis ftores que influencim o custo de Estruturs Metálics, podemos citr: ) Seleção do sistem estruturl: o se considerr qul o sistem estruturl que se propõe dimensionr, é necessário levr em cont os ftores de fbricção e posterior montgem, bem como su utilizção futur, no que diz respeito, por eemplo, à iluminção, ventilção e mesmo outros ftores que venm ser cusdores de problems futuros e que possm demndr rrnjos posteriores. b) Projeto dos elementos estruturis: é sempre necessário um cuiddo especil nesse requisito, em vist imens repetitividde dos elementos dimensiondos. Um vez que se dimension um componente estruturl, ele se repete por um numero grnde de vezes, e cso esse elemento ten sido dimensiondo quém de sus necessiddes, os refleos de ordem estruturl se frão notr em tod obr; ssim como, em cso contrário, de dimensionmento dos elementos estruturis lém de sus necessiddes reis, crret custo dicionl, sem dúvid nenum, desnecessário. c) Projeto e Detle ds coneões: d mesm mneir que nos itens nteriores, s coneões, ou s ligções estruturis deverão levr em cont spectos de fbricção. Por eemplo, s ligções de fábric poderão ser soldds, pois esse tipo de trblo o ser relizdo em fábric é feito de mneir reltivmente simples, o psso que, qundo esss ligções são relizds n obr, s condições locis já não são tão fvoráveis um bom processo de montgem, em vist de que, n fábric, trbl-se o nível do cão ou mesmo em bncds proprids, enqunto que no locl d obr, s condições de trblo são, em gerl, eecutds sobre ndimes ou outros elementos; o que nos lev considerrmos pr s ligções de obr utilizção de prfusos. d) Processo de fbricção, especificções pr fbricção e montgem: estão dentre os ftores que mis influencim os custos d obr, pois processos de especificções ml delineds cusm trsos ou mesmo necessidde de retrblo de certs etps de eecução, ssim como montgem d estrutur deverá ser levd em cont mesmo ntes de su contrtção, pr Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 1-9

12 que se verifiquem elementos limitdores dess etp d construção, tis como proimidde de vizinos, lins de energi, tubulções enterrds, movimentção dos equipmentos de montgem, etc. e) Sistems de proteção contr corrosão e incêndio: no primeiro cso, d corrosão, já se citou eistênci, no mercdo, de determindos produtos que minorm ess dificuldde, ms que se deve levr em cont, tmbém, se ofert desses produtos podem ou não onerr obr, vlindo e comprndo o custo de pinturs especiis em relção o mteril ço. De um mneir gerl, principlmente em zons litorânes, de grnde gressividde, utilizção desses perfis especiis é menos oneroso do que pinturs especiis. No cso de combte incêndio, esse specto deve levr em considerção norms específics delineds pelo Corpo de Bombeiros, ms que de um mneir gerl, crescentm, de form significtiv, ônus sobre o custo d obr. Pintur Intumescente: Proteção pssiv em Estruturs Metálics com tints intumescentes de cordo com Legislção do Corpo de Bombeiros. No Brsil, prtir de 1995, est tecnologi foi introduzid, tendo bo ceitção pelo mercdo. O sistem compreende de um primer, tint intumescente tint de cbmento. É necessário um prévio jtemento brsivo e posteriormente plicção d tint de fundo epoimstic vermelo óido n espessur de películ sec de 100 micrometros. O idel pr eecução dos serviços com pintur intumescente, é que s estruturs já estejm montds, com s eventuis lvenris, ou ljes pronts, pois ns fces onde eistem tis mteriis, não será necessári plicção do mteril, porém, locis onde eistm forros ou fecmentos em plcs, os serviços de pintur deverão ser eecutdos ntes desss colocções. A plicção é feit com pessol especilizdo pois é necessário rigoroso controle técnico ns demãos de mteril que não podem ultrpssr os limites estbelecidos por demão, devendo se observr os corretos espços de tempo entre esss demãos. O cbmento é trvés de produto dequdo, cmdo top sel, plicdo com método convencionl de pintur. A tecnologi utilizd ns tints intumescentes, gem prtir d tempertur de 00.ºC, inicindo-se um processo de epnsão volumétric onde são liberdos gses tóicos e, formndo-se um cmd espess de espum semi-rígid n superfície d estrutur metálic, protege mesm, retrdndo ção d tempertur sobre esss. Dependendo do tipo d estrutur (leve, médi ou pesd) e d utilizção (industril, comercil, institucionl) é plicd um espessur dequd de mteril intumescente que irá proteger estrutur, conforme o cso requerido pel legislção, de 0 10 minutos. 1. Edifícios Industriis em Aço Ildon H. Belle Editor Pini Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 1-10

13 1.4. Principis fses n construção de um obr: As obrs de construção, de mneir gerl, estbelecem determinds premisss pr su bo eecução e que podem ser definids ssim: ) Projeto Arquitetônico: ness etp são delineds finliddes d obr, o seu estudo, su composição, ssim como os mteriis que serão utilizdos, crcterístics de ventilção, iluminção. Bem se vê trtr-se de etp ds mis importntes, em vist de que todos os demis projetos complementres fundções, estrutur, instlções, etc serão desenvolvidos prtir ds premisss definids ness etp, necessitndo, portnto, de tempo dequdo pr su bo confecção. b) Projeto estruturl: n seqüênci nturl dos projetos, surge etp onde se dá vestiment o corpo d obr, ou sej, estrutur, qundo todos os componentes desse corpo devem ser devidmente trbldos, de form estbelecer consonânci com o projeto rquitetônico. É não menos importnte do que o nterior, pois se o primeiro delinei s lins básics de um obr, estrutur vem dr conformção àquels lins. 1 Vle qui citção do Jonstom/Lim., em seu livro Bsic Steel Design : Um bom projetist estruturl pens de fto em su estrutur tnto ou mis do que pens no modelo mtemático que us pr verificr os esforços internos, bsedo nos quis ele deverá determinr o mteril necessário, tipo, dimensão e loclizção dos membros que conduzem s crgs. A mentlidde d engenri estruturl é quel cpz de visulizr estrutur rel, s crgs sobre el, enfim sentir como ests crgs são trnsmitids trvés dos vários elementos té s fundções. Os grndes projetists são dotdos dquilo que às vezes se tem cmdo intuição estruturl. Pr desenvolver intuição e sentir, o engeneiro torn-se um observdor rguto de outrs estruturs. Pode té mesmo deter-se pr contemplr o comportmento de um árvore projetd pel nturez pr suportr s tempestdes violents; su fleibilidde é frágil ns fols e nos glos diminuídos, ms crescente em resiet6enci e nunc bndonndo continuidde, n medid em que os glos se confundem com o tronco, que por su vez se espl sob su bse no sistem de rízes, que prevê su fundção e coneão com o solo. c) Sondgens do Solo: é de fundmentl importânci pr o bom delinemento, em especil, do sistem estruturl ser dotdo que, como já vimos, é um dos ftores preponderntes n nálise de custos de um obr em estrutur metálic. A prtir d bo ou má qulidde do solo, o sistem estruturl proposto irá considerr s condições mis propícis pr o poio dess estrutur sobre os elementos estruturis que compõe s fundções, podendo ou não, por eemplo, serem engstdos nesses elementos. Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 1-11

14 d) Detlmento, bricção, Trnsporte e Montgem: nesss etps os ftores que compõem bo eecução d obr devem ser bem delinedos, começr pelo detlmento dos elementos estruturis, peç por peç, visndo tender necessiddes de cronogrms tnto de fbricção qunto de montgem. No cso d fbricção, devem ser observds s premisss de projeto e detlmento, ssim como prever pr s etps de trnsporte e montgem, confecção de estruturs que não eijm, em demsi, contrtção de equipmentos ind mis especiis, tis como veículos especiis ou guindstes tmbém especiis. 1. Edifícios Industriis em Aço Ildon H. Belle Editor Pini Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 1-1

15 1.5. Produtos Siderúrgicos e Produtos Metlúrgicos: Os produtos siderúrgicos, vi de regr, podem ser clssificdos de form gerl em perfis; cps e brrs. As indústris siderúrgics produzem cntoneirs de bs iguis ou desiguis, perfis H, I ou Tê, perfis tipo U, brrs redonds, brrs cts, tubos circulres, qudrdos ou retngulres, cps em bobins, fins ou grosss; enqunto os produtos metlúrgicos são os compostos por cps dobrds tis como perfis tipo U enrijecido ou não, cntoneirs em gerl de bs iguis, perfil crtol, perfil Z ou trpezoidis, ou ind, compostos por cps soldds pr perfis tipo Tê solddo ou I solddo Designção dos perfis: ) Perfis lmindos ou conformdos quente: A designção de perfis metálicos lmindos segue determind ordem Como eemplo de códigos teremos: Código, ltur (mm.), peso (Kg/m) L Cntoneirs de bs iguis ou desiguis I Perfil de seção trnsversl n form d letr I H Perfil de seção trnsversl n form d letr H U Perfil de seção trnsversl n form d letr U T Perfil de seção trnsversl n form d letr Tê Como eemplo de designção de perfis teremos: L 50,46 Perfil L de bs iguis de 50mm e peso de,46 kg/ml L ,71 Perfil L de bs desiguis de 100mm de ltur por 75mm de lrgur e peso de 10,71 kg/ml I 00 7 Perfil I com ltur de 00mm e peso de 7 Kg/ml H 00 7 Perfil H com ltur de 00mm e peso de 7 Kg/ml U 00 7 Perfil U com ltur de 00mm com peso de 7 Kg/ml Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 1-1

16 b) Perfis de cp dobrd ou perfis formdos frio (P): A designção de perfis metálicos de cp dobrd segue determind ordem Tipo, Altur, Ab, Dobr, Espessur (tods s medids em mm) L Cntoneirs de bs iguis ou desiguis U Perfil de seção trnsversl n form d letr U enrijecidos ou não Como eemplo de designção de perfis teremos: L 50 Perfil L de bs iguis de 50mm e espessur de mm L 50 0 Perfil L de bs desiguis de 50mm por 0mm e espessur de mm U Perfil U não enrijecido com ltur de 150mm, b de 60mm e espessur de mm U Perfil U enrijecido com ltur de 150mm, b de 60mm, dobr de 0mm e espessur de mm A designção de perfis solddos seguem especificções dos fbricntes sempre n form de perfil tipo I CS Perfil colun soldd (ltur e bs com mesm dimensão) VS Perfil vig soldd CVS Perfil colun-vig soldd Como eemplo de designção de perfis teremos: CS 50 5 Perfil CS com ltur de 50mm e peso de 5 Kg/ml VS Perfil VS com ltur de 600mm e peso de 95 kg/ml CVS Perfil CVS com ltur de 450mm e peso de 116 Kg/ml Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 1-14

17 c) Outros produtos: Cps fins frio possuem espessurs pdrão de 0,0mm,65mm e fornecids em lrgurs pdronizds de 1.000mm, 1.00mm e 1.500mm e nos comprimentos de.000mm e.000mm, e tmbém sob form de bobins Cps fins quente possuem espessurs pdrão de 1,0mm 5,00mm e fornecids em lrgurs pdronizds de 1.000mm, 1.100mmn, 1.00mm, 1.500mm e 1.800mm e nos comprimentos de.000mm,.000mm e 6.000mm, e tmbém sob form de bobins Cps grosss possuem espessurs pdrão de 6,mm 10mm e fornecids em diverss lrgurs pdronizds de 1.000mm.800mm e em comprimentos de 6.000mm e 1.000mm Brrs redonds presentds em mplo numero de bitols que são utilizds em cumbdores, prfusos e tirntes Brrs cts presentds ns dimensões de 8 4, (mm) Brrs qudrds presentds ns dimensões de 50mm 15mm Tubos estruturis presentdos em mplo numero de dimensões e fornecidos em comprimento pdrão de 6.000mm d) Nomencltur S.A.E. Pr os ços utilizdos n indústri mecânci e por vezes tmbém em construções civis, empreg-se comfreqüênci nomencltur S.A.E. SAE 100 ço-crbono com 0,0% de crbono 1. Estruturs Metálics Antonio Crlos. Brgnç Pineiro Editor Edgrd Blücer Ltd.. Edifícios Industriis em Aço- Ildon H. Belle Editor Pini Ltd. Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 1-15

18 PADRÃO COMERCIAL DE PERIS METÁLICOS Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 1-16

19 1.6. Aplicções Geris ds Estruturs Metálics: Dentre s inúmers plicções ds estruturs metálics, podemos citr: Teldos Edifícios Industriis, Residenciis e Comerciis Residêncis Hngres Pontes e Vidutos Pontes Rolntes e Equipmentos de Trnsporte (Esteirs) Reservtórios Torres Guindstes Postes Pssrels Indústri Nvl Escds Mezninos Silos Helipontos 1. Estruturs Metálics Antonio Crlos. Brgnç Pineiro Editor Edgrd Blücer Ltd. Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 1-17

20 1.7. Principis Norms pr Projeto e Obrs em Estruturs Metálics: Entiddes normtivs são ssocições representtivs de clsse ou orgnismos oficiis que determinm os procedimentos serem seguidos pr eecução de um determind tividde. Pr projetos e eecução de obrs em Estruturs Metálics, eistem norms que prescrevem os mteriis utilizdos (ço, solds, prfusos, etc), metodologi de projetos (crgs, dimensionmento, detlmento) e eecução d obr (fbricção, montgem, sistems de combte corrosão e incêndio). As principis entiddes responsáveis por esses diversos níveis de tividdes são: ABNT Associção Brsileir de Norms Técnics AISC - Americn Institute of Steel Construction ANSI Americn Ntionl Stndrds Institute ASTM Americn Societ for Testing nd Mterils SAE Societ of Automotive Engineers DIN Deutsc Industrie Norm Tendo em vist que no Brsil o órgão que tende às premisss de projeto, cálculo e eecução é ABNT, ess entidde estbelece como prerrogtivs pr s tividdes n áre de Estruturs Metálics s seguintes norms: NB 14 (NBR 8800) Projeto e Eecução de Estruturs de Aço de Edifícios E que, por su vez, estbelece como Norms Técnics complementres: NB 86 (NBR 8681) Ações e Segurnç ns estruturs NB 5 (NBR 610) Crgs pr o Cálculo de Estruturs de Edificções NB 599 (NBR 61) orçs Devido o Ventos em Edificções NBR 14 Dimensionmento pr Estruturs de Aço de Edifícios em Situção de Incêndio NBR 144 Eigêncis de Resistênci o ogo de Elementos Construtivos de Edificções Prof. AUGUSTO CANTUSIO NETO 1-18

3 - A Metalurgia Extrativa

3 - A Metalurgia Extrativa 7 3 - A Metlurgi Extrtiv 3-1. Principis metis A metlurgi extrtiv estud otenção dos metis prtir de fontes mineris d nturez e d suct. Um comprção entre os principis metis produzidos pelo Homem em escl mundil

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

CTM Primeira Lista de Exercícios

CTM Primeira Lista de Exercícios CTM Primeir List de Exercícios. Cite crcterístics típics de cd um ds 5 clsses de mteriis presentds no curso. Metis: resistentes, dúcteis, bons condutores térmicos/elétricos Cerâmics: resistentes, frágeis,

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1 CIV 47 OBRAS DE TERRA Prof. Romero Césr Gomes 1.1 Introdução. 1. Tipos de Estruturs de Contenção. 1.3 Empuxos de Terr. Aul 1 Introdução São estruturs projetds pr resistir

Leia mais

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9 Técnic ds Construções Edmundo Rodrigues 9 2.4. Elborção dos projetos construtivos Os projetos que devem ser elbordos de modo definir todos os procedimentos construtivos clssificm-se como: projeto de rquitetur;

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Rua Guishi Yoshioka, 305 - Itaquera - São Paulo/SP Tel. (011) 6525-9555

Rua Guishi Yoshioka, 305 - Itaquera - São Paulo/SP Tel. (011) 6525-9555 PAULISTEEL Ru Guishi Yoshiok, 0 Itquer São Pulo/SP Tel. (0) 9 0 nos Perfil U pdrão merino Perfil I pdrão merino Perfil H pdrão merino Perfil T Cntoneir s iguis Cntoneir s desiguis Trilhos Perfís As Prlels

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura)

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura) QUESTÕES DE ROVS E TESTES (Flexão ur) (1) Estudo Dirigido 04-02 r cd um ds vigs esquemtizds bixo, com s respectivs seções trnsversis mostrds o ldo, pede-se: ) Trçr o digrm de forçs cortntes, ssinlndo os

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

LINHA DE PRODUTOS MARINE STEEL LIFTING

LINHA DE PRODUTOS MARINE STEEL LIFTING LINHA E PROUTOS Somos um empres especilizd n comercilizção de ferrgens pr embrcções e cessórios pr mrrção e elevção de crgs. Com o objetivo de fcilitr utilizção do nosso ctálogo, clssificmos nossos produtos

Leia mais

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2 Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Função Logrítmic p. (UFSM-RS) Sejm log, log 6 e log z, então z é igul : ) b) c) e) 6 d) log log 6 6 log z z z z (UFMT) A mgnitude de um terremoto é medid

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Escola SENAI Theobaldo De Nigris

Escola SENAI Theobaldo De Nigris Escol SENAI Theobldo De Nigris Conteúdos borddos nos cursos de Preservção 2011 1) CURSO ASSISTENTE DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA (362h) I Étic e históri n conservção (72h): 1. Étic e históri d Conservção/Resturo

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso Ctálogo LFS - UFS LFS - Cnlets de PVC UFS - Cixs de Tomd pr Piso fique conectdo. pense oo. Linh LFS Cnlets de PVC Com lto pdrão estético, s cnlets OBO vlorizm o miente, lém de oferecerem possiilidde de

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434 ABNT-Associção Brsileir de Norms Técnics Sede: Rio de Jneiro Av. Treze de Mio, 13-28º ndr CEP 20003-900 - Cix Postl 1680 Rio de Jneiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fx: (021) 220-1762/220-6436 Endereço

Leia mais

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA Estdo de equilíbrio plástico de Rnkine Pressões lteris de terr (empuxos de terr) f(deslocmentos e deformções d mss de solo) f(pressões plicds) problem indetermindo. É necessário estudr o solo no estdo

Leia mais

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS 1. OBJETIVO O presente documento tem por objetivo presentr s instruções pr projeto de reforço dos pvimentos executdos pel Prefeitur do Município de São Pulo. 2. INTRODUÇÃO Este procedimento estbelece critérios

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO MILITA DE BELO HOIZONTE CONCUSO DE ADMISSÃO 6 / 7 POVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉIE DO ENSINO MÉDIO CONFEÊNCIA: Chefe d Sucomissão de Mtemátic Chefe d COC Dir Ens CPO / CMBH CONCUSO DE ADMISSÃO À 1ª SÉIE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Matemática D Extensivo V. 6

Matemática D Extensivo V. 6 Mtemátic D Extensivo V. 6 Exercícios 0) ) cm Por definição temos que digonl D vle: D = D = cm. b) 6 cm² A áre d lterl é dd pel som ds áres dos qutro ldos que compõe: =. ² =. ( cm)² = 6 cm² c) 96 cm² O

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

UNESP - FEIS - DEFERS

UNESP - FEIS - DEFERS UNESP - FEIS - DEFERS DISCIPLINA: ARMAZENAMENTO E BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Exercício Modelo sobre Secgem de Grãos Como técnico contrtdo pr ssessorr u propriedde produtor de milho pr grãos, efetur u nálise

Leia mais

IP-06 INSTRUÇÃO PARA DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS COM BLOCOS INTERTRAVADOS DE CONCRETO

IP-06 INSTRUÇÃO PARA DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS COM BLOCOS INTERTRAVADOS DE CONCRETO 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é fornecer os subsídios de projeto pr pvimentos com peçs pré-moldds de concreto no Município de São Pulo, orientndo e pdronizndo os procedimentos de cráter técnico.

Leia mais

Seções mistas em vigas

Seções mistas em vigas ESTRUTURAS MISTAS AÇO-CONCRETO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Regulmentção Estrutur mist elementos estruturis (ljes, vigs, pilres e ligções) seções mists ço-concreto. Seções mists em vigs Seções mists em pilres Ljes

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS

ESTRUTURAS METÁLICAS ESTRUTURAS METÁLICAS Disciplina: Projeto e dimensionamento de estruturas de aço em perfis soldados e laminados. Curso: Especialização em Engenharia de Estruturas Professor: Carlos Eduardo Javaroni Mini

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA Acdêmicos: Adenilton Sntos Moreir 123 RESUMO Este rtigo present um projeto de foss biodigestor, que será executdo pelo utor do mesmo, su principl finlidde é

Leia mais

Função de onda e Equação de Schrödinger

Função de onda e Equação de Schrödinger Função de ond e Equção de Schrödinger A U L A 4 Met d ul Introduzir função de ond e Equção de Schrödinger. objetivos interpretr fisicmente função de ond; obter informção sobre um sistem microscópico, prtir

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES ECC 1008 ESTRUTURS DE CONCRETO ESTRUTURS DE FUNDÇÕES Prof. Gerson ocyr Sisniegs lv PPEL DS FUNDÇÕES Trnsmitir s ções d suerestrutur o terreno So o secto d Segurnç: Reseitr resistênci do solo Reseitr resistênci

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios Uso Rcionl de Energi Elétric em Residêncis e Condomínios Css Verifique s Condições ds Instlções : Dimensionmento; Execução; Mnutenção; Conservção. Css Verifique os Hábitos de consumo : Form pessol de utilizção

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

Desempenho de coletores solares planos

Desempenho de coletores solares planos Universidde do Vle do Rio dos Sinos UNISINOS Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Mecânic Energi Solr érmic Desempenho de coletores solres plnos 2 º. semestre, 2015 Os testes seguem norms específics. Brsil:

Leia mais

Introdução à Programação Linear

Introdução à Programação Linear CAPÍTULO. Definição Um problem de PL consiste em determinr vlores não negtivos pr s vriáveis de decisão, de form que stisfçm s restrições imposts e que optimizem (minimizem ou mimizem) um função (rel)

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades Seu pé direito ns melhores fculddes IBMEC 03/junho/007 ANÁLISE QUANTITATIVA E LÓGICA DISCUSIVA 01. O dministrdor de um boliche pretende umentr os gnhos com sus pists. Atulmente, cobr $ 6,00 por um hor

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

14. Geradores de Vapor

14. Geradores de Vapor 14. Gerdores de Vpor 14.1. Introdução Equipmento destindo à produção de por. O por gerdo pode ser utilizdo pr diersos fins: quecimento, processos industriis, como fluido de trblho em máquins motors. Pr

Leia mais

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente Petróleo e Gás Revestimentos com lto desempenho pr indústri de petróleo e gás Desempenho excepcionl, excelente serviço o cliente Representndo Revestimentos de polietileno Revestimentos de polipropileno

Leia mais

D I V I S Ã O D E S O L D A S P A R A B R A S A G E M. Nossas inovações, suas soluções

D I V I S Ã O D E S O L D A S P A R A B R A S A G E M. Nossas inovações, suas soluções D I V I S Ã O D E S O L D A S P A R A B R A S A G E M Nosss inovções, sus soluções ÍICE 03 Sobre Cennbrs / O que é brsgem 04 Vntgens do processo de brsgem / Termos utilizdos nos processos de brsgem 05

Leia mais

SOLDAGEM DE TUBOS DE AÇO PATINÁVEL DE ALTO SI PELO PROCESSO HFIW

SOLDAGEM DE TUBOS DE AÇO PATINÁVEL DE ALTO SI PELO PROCESSO HFIW SOLDAGEM DE TUBOS DE AÇO PATINÁVEL DE ALTO SI PELO PROCESSO HFIW http://dx.doi.org/10.322/tmm.2012.01 Ricrdo Mirnd Alé 1 Adão Vieir de Fri 2 Rmsés Ferreir d Silv 3 Antônio Crlos Depizzol Wgner de Almeid

Leia mais

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é Questão 0) Trlhndo-se com log = 0,47 e log = 0,0, pode-se concluir que o vlor que mis se proxim de log 46 é 0),0 0),08 0),9 04),8 0),64 Questão 0) Pr se clculr intensidde luminos L, medid em lumens, um

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

CECOMETAL. Distribuidora Ltda. CECOMETAL Distribuidora Ltda. A entrega mais rápida e confiável de Campinas

CECOMETAL. Distribuidora Ltda. CECOMETAL Distribuidora Ltda. A entrega mais rápida e confiável de Campinas Distriuidor Ltd A entreg mis rápid e onfiável de Cmpins Ru José Gonçlves Mhdo, 132, Vil Elz Cmpins-SP - CEP: 141-5 Fone/Fx: (1) 3232-7 VIVO: (1) 1-546 ID:7* E-mil: eometl@eometl.om.r CECOMETAL Distriuidor

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade CINÉTICA QUÍMICA Lei de Velocidde LEIS DE VELOCIDADE - DETERMINAÇÃO Os eperimentos em Cinétic Químic fornecem os vlores ds concentrções ds espécies em função do tempo. A lei de velocidde que govern um

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80)

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80) MSc. Pulo Cesr C. Rodrigues pulo.rodrigues@usc.br www.pulorodrigues.pro.br Mestre em Engenhri de Produção MRP Mteril Required Plnning (nos 60) Mnufcturing Resource Plnning (nos 80) MRP = Mteril Requirement

Leia mais

Ondulada Brasilit. Catálogo Técnico

Ondulada Brasilit. Catálogo Técnico Onduld Brsilit Ctálogo Técnico TECNOLOGIA CRFS: CIMENTO REFORÇADO COM FIO SINTÉTICO. A ALTERNATIVA SEGURA DA BRASILIT PARA A SUBSTITUIÇÃO DEFINITIVA DO AMIANTO. Seguindo um tendênci mundil, e em respeito

Leia mais

3 DECISÃO SOB INCERTEZA

3 DECISÃO SOB INCERTEZA 3 DECISÃO SOB INCERTEZA Este cpítulo fz um resumo dos princípios e critérios de decisão so incertez, descrevendo su fundmentção mtemátic e discutindo su plicção. DECISÃO SOB INCERTEZA 4 3. INTRODUÇÃO A

Leia mais

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais.

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais. EXPOENTE 2 3 = 8 RESULTADO BASE Podeos entender potencição coo u ultiplicção de ftores iguis. A Bse será o ftor que se repetirá O expoente indic qunts vezes bse vi ser ultiplicd por el es. 2 5 = 2. 2.

Leia mais

UMA (RE)VISÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS E SEU ENSINO. Hugo de Oliveira Motta Serrano 1, Eugenia Brunilda Opazo Uribe

UMA (RE)VISÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS E SEU ENSINO. Hugo de Oliveira Motta Serrano 1, Eugenia Brunilda Opazo Uribe Encontro de Ensino, Pesquis e Extensão, Presidente Prudente, 5 de outuro, 01 64 UMA (RE)VISÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS E SEU ENSINO Hugo de Oliveir Mott Serrno 1, Eugeni Brunild Opzo Urie Universidde Federl

Leia mais

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles c L I S T A DE E X E R C Í C I O S CÁLCULO INTEGRAL Prof. ADRIANO PEDREIRA CATTAI Somos o que repetidmente fzemos. A ecelênci portnto, não é um feito, ms um hábito. Aristóteles Integrl Definid e Cálculo

Leia mais