Subestação Extrema 69/13,8 KV. Estruturas Metálicas de Barramentos e Suportes de Equipamentos. Especificação Técnica SE-20-ET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Subestação Extrema 69/13,8 KV. Estruturas Metálicas de Barramentos e Suportes de Equipamentos. Especificação Técnica 11114-SE-20-ET-4-0006"

Transcrição

1 Referências: SE-20-ET Notas: Re v. Nome da Proj. Visto Aprov. Data Visto Aprov. Projetista Eletrobras CONSÓRCIO LEME/THEMAG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E EXPANSÃO - DP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA E OBRAS DE ALTA TENSÃO - DPR Subestação Extrema 69/13,8 KV Estruturas Metálicas de Barramentos e Suportes de Equipamentos Especificação Técnica Visto: CAK/CMB Aprovado: MS Data: Visto: FRTA Aprovado: FRTA Data: N.º SE-20-ET Rev. 0 Página 1 de 22

2 Í N D I C E 1 OBJETIVO CONDIÇÕES AMBIENTAIS EXTENSÃO DE FORNECIMENTO ITENS INCLUÍDOS NO FORNECIMENTO: ITENS NÃO INCLUÍDOS NO FORNECIMENTO CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DE PROJETO Características Básicas Critérios de Projeto... 6 Onde: k constante em função da vinculação da barra considerada Cálculo Estrutural Dimensões Limites Detalhes dos Projetos das Estruturas Fundações REQUISITOS GERAIS DE FABRICAÇÃO Materiais ENSAIOS ENSAIOS DE CONFORMIDADE Ensaios de Resistência à Tração para Perfis e Parafusos e Cisalhamento para parafusos Ensaios de Galvanização Ensaios de Pré-Montagem ENSAIOS DE TIPO E ESPECIAIS Ensaios de Carga PROVISÕES TÉCNICAS PARA TRANSPORTE MARCAÇÃO DAS PEÇAS COM PUNCIONAMENTO DE AÇO EMBALAGEM INDICAÇÕES DAS EMBALAGENS LISTAS DE EMBARQUE E PROGRAMAÇÃO DE ENTREGAS DESENHOS E DOCUMENTOS A SEREM FORNECIDOS ANEXOS À PROPOSTA TÉCNICA PROJETO EXECUTIVO - DOCUMENTOS PARA ANÁLISE UTILIZAÇÃO DO PROJETO NORMAS DE REFERÊNCIA NORMAS BRASILEIRAS SE-20-ET RA Página 2 de 22

3 8.2 NORMAS ESTRANGEIRAS CASOS OMISSOS GARANTIA TÉCNICA Termo de Garantia Extensão da Garantia SE-20-ET RA Página 3 de 22

4 1 OBJETIVO Esta especificação estabelece os requisitos para o projeto, fabricação, ensaios, aceitação e transporte de estruturas metálicas para barramentos e suportes de equipamentos destinados Subestações de propriedade da EDRO, a serem implantadas e/ou ampliadas no Estado de Rondônia. 2 CONDIÇÕES AMBIENTAIS As estruturas serão instaladas ao tempo em local com as seguintes condições: altitude acima do nível do mar m temperatura do ar: máxima C média (período de 24 horas) C mínima C velocidade do vento: máxima m/s altura m tempo de integração... 3 s tempo de retorno anos sismo... zona 1 precipitação média anual... acima de 1700 mm umidade relativa do ar (média)... acima de 85% 3 EXTENSÃO DE FORNECIMENTO 3.1 ITENS INCLUÍDOS NO FORNECIMENTO: projeto das estruturas de barramentos colunas e vigas das estruturas de barramento parafusos degrau suportes de equipamentos placas de base acessórios para ligação de ferragens acessórios para fixação de equipamentos e projetores hastes pára-raios ensaios embalagem para transporte 3.2 ITENS NÃO INCLUÍDOS NO FORNECIMENTO chumbadores; projeto dos suportes de equipamentos SE-20-ET RA Página 4 de 22

5 4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 4.1 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS As estruturas deverão ser compostas de vigas e colunas treliçadas, formando pórticos de um ou mais vãos. As vigas e colunas deverão ser formadas por perfis de aço galvanizado a quente, interligados por parafusos e/ou chapas galvanizados a quente. Os suportes de equipamentos deverão ser treliçados e galvanizados a quente. 4.2 CARACTERÍSTICAS DE PROJETO Características Básicas As estruturas metálicas constituídas por colunas e vigas treliçadas serão projetadas pelo Fornecedor tomando como base o diagrama de cargas e silhuetas. Os suportes metálicos treliçados para equipamentos obedecerão aos desenhos de "Suporte para Equipamentos" com as silhuetas, dimensões e peso dos suportes cujos projetos detalhados serão enviados após a contratação Cargas de Projeto Deverão ser consideradas como cargas solicitantes no projeto das estruturas conforme abaixo: - Tensões máximas nos cabos condutores e nos cabos pára-raios (disposição de estruturas/esforços); - Pressão de vento sobre cabos condutores, isoladores, cabos pára-raios e equipamentos (ver disposição de estruturas/esforços); - Peso dos cabos condutores, isoladores, cabos pára-raios e equipamentos (ver disposição de estruturas/esforços); - Carga vertical de 2.00 kn proveniente do peso do pessoal de manutenção atuando em qualquer viga, isoladamente; - Peso próprio das vigas, colunas e suportes e pressão do vento sobre a superfície exposta da estrutura; - As cargas solicitantes indicadas nos desenhos são as máximas previstas, sem quaisquer coeficientes de ponderação, e devem ser consideradas atuando simultânea ou isoladamente, na combinação mais desfavorável Dimensões Básicas Deverão ser consideradas no projeto as dimensões indicadas nos desenhos da aquisição. Essas dimensões deverão ser confirmadas pelo FORNECEDOR junto à EDRO, para a elaboração do projeto executivo SE-20-ET RA Página 5 de 22

6 Detalhes de fixação de cadeias, cabos pára-raios e cabos de aterramento. Esses detalhes serão fornecidos pela EDRO antes do início do projeto executivo das estruturas Critérios de Projeto Generalidades O projeto das estruturas deverá ser executado de acordo com o estabelecido na presente Especificação e, onde omissa, com as últimas revisões das Normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Para os itens não abrangidos por esta Especificação e pelas Normas acima citadas, poderão ser utilizadas as indicadas no item 8. Todas as grandezas devem ser indicadas em unidades de medidas pertencentes ao Sistema Internacional de Unidades, de acordo com os padrões do Instituto Nacional de Pesos e Medidas (InMetro). As estruturas deverão ser projetadas para cumprir as seguintes condições: - Todas as partes das estruturas deverão ser projetadas de forma que as estruturas resistam sem apresentar flechas que excedam as abaixo determinadas na mais desfavorável combinação de cargas do projeto. Entende-se como cargas do projeto ao conjunto de esforços indicados nos esquemas de cargas, tensão nos condutores e pára-raios, esforço de vento nos cabos, equipamentos, ferragens, cadeias de isoladores, etc. e respectivos pesos acrescidos do peso próprio da estrutura, cargas de vento atuante, a serem estabelecidos pelo FORNECEDOR para o estado limite de utilização, isto é, coeficiente de ponderação igual a 1,0. Flecha vertical máxima de vigas (centro)... l/250 Flecha horizontal máxima de vigas (centro)... l/250 Flecha horizontal máxima de colunas (topo)... l/200 Onde l é o comprimento da viga ou altura da coluna considerada. - As tensões de trabalho resultantes em todas as barras da estrutura, não deverão ultrapassar a 90 % (noventa por cento) do limite de escoamento do material empregado; - As tensões de comparação para as barras comprimidas serão obtidas em função das fórmulas de flambagem, que levam em conta o material de fabricação da barra, sua esbeltez, compacidade, vinculação e excentricidade da solicitação; para a obtenção desses valores de comparação poderá ser adotado o disposto na NBR 8850; - Para barras submetidas a flexão obliquas compostas (solicitação anormal em estruturas treliçadas) devem ser verificadas atendendo o disposto na NBR 8800; SE-20-ET RA Página 6 de 22

7 - A ação do vento deverá ser calculada para uma velocidade básica de vento (Vo) de 35 m/s atuando em uma altura de 10 m em um terreno aberto e plano com um período de retorno de 50 anos e um tempo de integração de 3 s. As estruturas deverão ser verificadas como sismos resistentes conforme prescrições da NBR (Projeto de estruturas resistentes a sismo Procedimento) para uma zona 1 (ag igual a 0.05g) - Todas as barras do treliçamento situadas na parte superior das vigas, bem como, as treliças das colunas, deverão ter seções suficientes para resistir a acréscimos de carga vertical de 1.5 kn na posição mais desfavorável, provenientes do peso do pessoal e equipamentos, para montagem e manutenção; - Todas as estruturas, submetidas a tensionamento de cabos nas duas faces da viga, coluna ou fixação dos cabos pára-raios deverão ser projetadas para os referidos esforços de tração atuando em um só lado (o mais desfavorável); - As barras do contraventamento com esforços não calculados devem ser projetadas para suportar uma carga igual a 2.5 % (dois e meio por cento) do esforço da barra contraventada; - As ligações devem ser projetadas obedecendo ao disposto na NBR 8800, excetuando os coeficientes de ponderação (minoração dos materiais), que independente da solicitação de cálculo (tração, cisalhamento, esmagamento ou tração combinada com cisalhamento) deverá ser adotado um valor igual a Coeficientes de Sobrecarga As cargas de que trata o item 4.2.1, deverão ser multiplicadas pelos seguintes coeficientes de sobrecarga: - Cargas permanentes - Peso próprio da estrutura Peso do barramento (cabos ou tubos, cadeias, conetores, espaçadores, jumpers, pingos, etc) e dos equipamentos Cargas acidentais - Vento na estrutura e nos barramentos Tração máxima nos cabos Cargas excepcionais -sismo: todas as possíveis combinações de ações conforme prescrito na NBR 8681 (Ações e segurança nas estruturas) SE-20-ET RA Página 7 de 22

8 Limite para relação kl/r (Esbeltez máxima - efetiva) Onde: k constante em função da vinculação da barra considerada l - comprimento livre da barra r - raio de giração da barra. Para o dimensionamento das barras, deverão ser observados os seguintes valores limites para o índice de esbeltez efetivo: Peças comprimidas - Montantes de colunas, peças principais e banzos de vigas barras com esforços calculado barras sem esforços calculados Os limites impostos aplicam-se para membros carregados com cargas concêntricas. No caso de carregamentos excêntricos, as respectivas excentricidades devem ser levadas em consideração através do conceito de "Índice de Esbeltez Efetivo" (NBR 8850) Peças tracionadas - Montantes de colunas, peças principais e banzos de vigas Barras com esforços calculados Barras sem esforços calculados Cálculo Estrutural Quando o método de cálculo utilizado for analítico o FORNECEDOR deverá apresentar a respectiva memória de cálculo. Caso o cálculo estrutural seja feito através de programa computacional, o FORNECEDOR deverá apresentar listagem com os dados de entrada e as saídas do programa. A descrição do programa e o método de cálculo utilizado pelo programa deverão acompanhar as listagens. Para o cálculo das peças sujeitas à flambagem, dever-se-á adotar as recomendações da ASCE, publicadas sob o título de "Design of Latticed Stell Transmission Structures - ASCE 10-97". Sempre que possível, as estruturas deverão ser projetadas empregando-se aço comum de origem nacional. A utilização de aço especial será aceita apenas nos casos em que esforços muito elevados exijam a combinação de dois ou mais perfis de aço tipo comum SE-20-ET RA Página 8 de 22

9 O projeto das estruturas deverá ser feito com as ligações entre barras por meio de parafusos, evitando-se ao máximo a utilização de conexões soldadas. Assim, as diagonais serão parafusadas nas peças principais e entre si, reduzindo-se ao mínimo o emprego de chapas de ligação e, onde inevitáveis deverão ter como espessura mínima a maior das espessuras que fazem parte da conexão respeitando-se sempre o material a ser empregado. O emprego de cantoneiras duplas para as barras principais deve ser evitado ao máximo, sendo admitido somente se não for possível à utilização de cantoneiras simples de aço de alta resistência Dimensões Limites - Máximo comprimento admissível para qualquer peça simples m - Espessura mínima para qualquer perfilado: barras principais mm barras secundárias mm - Diâmetro mínimo dos parafusos para qualquer tipo de aço mm Detalhes dos Projetos das Estruturas Ligações, emendas e furações. Todas as ligações aparafusadas, em tipos similares de estruturas, deverão ser projetadas para o mesmo tipo e diâmetro de parafusos. O detalhamento de todas as ligações deve ser feito de modo a ser evitada a excentricidade do carregamento, tanto quanto possível. Todas as emendas devem resistir a tensão indicada para a barra correspondente. Quando não for possível evitar-se a excentricidade das ligações, os efeitos secundários daí resultantes devem ser levados em consideração nos cálculos. Para as ligações entre peças, além das recomendações já descritas, deverá ser observado o que estabelece a norma NBR 8800, em sua última revisão. Em todas as ligações parafusadas devem ser prevista a utilização de uma arruela lisa, porca e porca de segurança. As emendas deverão ser, onde possível, do tipo junta-sobreposta e a cantoneira interna deverá ser chanfrada para ajustar-se à cantoneira externa, exceto para os perfis de 150x16mm, ou maiores, que deverão ser do tipo junto de topo com cobrejunta. Emendas em colunas devem ser localizadas logo acima de elementos horizontais, sempre que possível. O FORNECEDOR fornecerá contraporcas de aço galvanizado, para todas as ligações aparafusadas, parafusos degrau e parafusos em U SE-20-ET RA Página 9 de 22

10 Parafusos-degrau Uma perna de cada coluna deverá ser provida de parafusos-degrau, espaçados de 400 mm, em lados alternados da cantoneira e estendendo-se desde 2,75 m acima do solo até o topo da coluna. Os parafusos degrau deverão ser de 16 mm de diâmetro por 160 mm de comprimento e deverão ser fixados por 2 porcas hexagonais, rosqueadas o suficiente para prendê-los firmemente nas cantoneiras da perna da coluna. Alternativas poderão ser apresentadas à EDRO para exame e aprovação. Na proximidade dos condutores os parafusos-degrau deverão ser localizados de maneira a não reduzir as distâncias entre os condutores e a estrutura Detalhes para conexões de ferragens e equipamentos Acessórios para ligação de ferragens Farão parte do fornecimento os perfis e ou chapas para a fixação de ferragens que ligam as cadeias de isoladores e cabos pára-raios às vigas e colunas. Estas peças terão furação e espaçamentos adequados, que serão indicados pela EDRO Furos para aterramento da estrutura Nas colunas deverão ser previstos furos de 15 mm de diâmetro, espaçados aproximadamente de 1,50 m, ao longo de uma das pernas. O furo superior deverá ser localizado 300 mm abaixo da ancoragem do cabo pára-raios e o furo inferior a 100 mm acima da chapa de base da fundação Acessórios para fixação de equipamentos Deverão ser previstas ferragens para a fixação de equipamentos e projetores para iluminação. Quando não indicados nos desenhos de especificação, a EDRO os indicará na primeira remessa para aprovação Hastes pára-raios Deverão ser fornecidas hastes pára-raios nos topos das colunas metálicas, quando indicadas nos desenhos de silhuetas das estruturas. As hastes serão tubulares em aço galvanizado, com ponteira do mesmo material Conexões com estrutura existentes Nos casos indicados, deverá ser elaborado o projeto das estruturas de modo a permitir sua conexão com as estruturas existentes. A EDRO fornecerá desenhos detalhados das estruturas existentes para detalhar as ligações necessárias. Em caso de não disponibilidade dos desenhos indicativos caberá ao FORNECEDOR obter as informações necessárias em campo SE-20-ET RA Página 10 de 22

11 4.2.6 Fundações As fundações das estruturas serão de concreto armado. O projeto das fundações e chumbadores será feito pela EDRO após a definição e aprovação do projeto executivo das estruturas. Com esse propósito, deverão ser incluídos na memória de cálculo os valores característicos das cargas na fundação, com coeficiente de ponderação igual a 1,0, para as hipóteses de carregamento consideradas. No cálculo dos chumbadores serão usadas as mesmas cargas e condições de carregamento adotadas para o projeto da estrutura, multiplicadas por um coeficiente de sobrespessura igual a 1, REQUISITOS GERAIS DE FABRICAÇÃO Materiais Aço para estruturas Para a fabricação das estruturas deverão ser empregados os seguintes materiais: - Perfilados e chapas NBR 7007 MR250/AR345 Aços para Perfis Laminados NBR 6648 CG24/26 Chapas Grossas de Aço Carbono NBR 6649 CF24/26 Chapas Finas a Frio de Aço Carbono NBR 6650 CF24/26 Chapas Finas a Quente de Aço Carbono - Parafusos degrau - NBR Parafusos - NBR 8855 Será aceito o emprego de outros materiais que apresentem características mecânicas similares. Essa aceitação, entretanto, fica a critério da EDRO Características dos parafusos, porcas e arruelas. - Os parafusos deverão ter cabeças hexagonais e obedecer a ANSI-B (tolerância 2A). - Os parafusos poderão ter roscas laminadas ou usinadas. As roscas dos parafusos, antes da galvanização, deverão ser da série de filete grosso, tendo uma tolerância de classe 2A de acordo com a ANSI B As porcas poderão ser rosqueadas após a galvanização, para assegurar roscas limpas, mas os parafusos não deverão ser rosqueados ou rerrosqueados após a galvanização. As roscas das porcas deverão ser abertas com maior diâmetro, para ajustar-se às do parafuso, sem folga desnecessária, mas livre o suficiente para permitir que a porca seja virada com os dedos ao longo de todo o filete de rosca do parafuso SE-20-ET RA Página 11 de 22

12 - As porcas deverão ser hexagonais. A superfície de contato deverá ser plana e chanfrada, livre de rebarbas e projeções. - As porcas podem ser chanfradas em apenas uma das faces. A largura entre faces após a galvanização deverá estar de acordo com as dimensões e tolerâncias especificadas na ANSI B As contraporcas (palnut) deverão ser feitas de aço de mola com alta porcentagem de carbono SAE 1045 e deverão ser do tipo com seis ou mais garras elásticas, formadas para ficarem de acordo com o passo da rosca do parafuso. Essas garras deverão ser tais que as suas extremidades estejam dentro do diâmetro externo da rosca do parafuso antes que a contraporca tenha sido apertada. A contraporca deverá ter seis lados revirados formando uma porca hexagonal, possibilitando o engate de uma chave de boca padrão. A contraporca deverá suportar meia volta, além da posição dada pelo aperto com os dedos. - Numa mesma estrutura as porcas utilizadas deverão ser do mesmo tipo, tanto para os parafusos degrau como para os parafusos de ligação. - As arruelas deverão ser redondas ou quadradas conforme ANSI-B Tipo B - estrela (parafuso em polegada) ou ISO (parafuso série métrica) Peças em excesso O FORNECEDOR deverá fornecer pelo menos uma quantidade em excesso de 5% (cinco por cento), por estrutura, de parafusos, porcas, contraporcas, arruelas e parafusos degrau Generalidades Todas as partes das estruturas deverão ser isentas de rebarbas, oxidações, empenos ou torções. Materiais deformados ou empenados não serão aceitos. O corte, furação e o dobramento deverão ser executados com tolerância e precisão tais que evitem a necessidade de novos furos, desvios ou alargamento dos furos durante a montagem. A necessidade de execução desses serviços no campo implicará na rejeição de todas essas peças, sendo necessária nova galvanização. Os cortes e furos serão aceitos somente perfeitamente limpos. Rebarbas provocadas por matrizes desgastadas serão causa de rejeição. Os cortes deverão ser dados nas medidas certas e não deverão apresentar variações nos comprimentos, sendo rejeitada qualquer variação acima de 2 mm. As furações deverão ser feitas com gabarito calibrado ou por outro método usual do FORNECEDOR, de modo a assegurar a precisão exigida para esse tipo de serviço. Não será permitida variação nas distâncias dentro de um grupo de furos e a variação permitida na distância entre os centros dos furos extremos numa peça será de 1 mm. O diâmetro dos furos não poderá exceder mais de 1,6 mm o diâmetro do parafuso, exceto para os chumbadores, cujos furos terão diâmetro 3,2 mm maior que o diâmetro dos parafusos SE-20-ET RA Página 12 de 22

13 Serão rejeitadas as peças com furação errada, enchimento ou solda em furos mal locados. O dobramento deverá obedecer aos desenhos de fabricação. No caso de dobramento a frio, a EDRO terá direito de executar os testes de acordo com a ASTM A A solda deverá ser feita somente onde indicada nos detalhes de fabricação; - Os serviços de solda deverão se executados por soldadores credenciados qualificados pela AWS D Toda solda, onde indicada, será contínua e obedecerá a Especificação "Arc and Gás Welding in Building Construction da AWS (American Welding Society), Standard Code D1.0, ou equivalente. Quando necessária junta de penetração total, deverão ser indicados nos desenhos com símbolo adequado com exame de ultrasom em 100% (ASME, seção V), cujos operadores deverão ter experiência mínima de um ano e curso preparatório de empresa ou entidade reconhecida. - As deformações causadas pela solda deverão ser corrigidas antes da galvanização; - Quando necessário, deverão ser executados o pré-aquecimento antes da solda e o alívio de tensões antes da galvanização; - Todas as soldas deverão ser lisas e uniformes, sem sobreposições ou falhas. Superfícies ásperas, escamas escórias, salpicos de soldas, etc, deverão ser removidos antes da galvanização por métodos adequados; - Na solda sobreposta de dois rebordos, a folga entre as faces de contato não deverá exceder 2 mm Galvanização O material não deverá ser galvanizado antes que todas as operações de fabricação tenham sido terminadas, exceto as porcas que poderão ser rosqueadas após a galvanização. As peças deverão ser galvanizadas a quente, segundo as seguintes normas pertinentes ao assunto e sempre em suas últimas revisões. Para a galvanização deverá ser empregado zinco segundo a norma ASTM B-6. Não deverá permanecer excesso de zinco nas roscas, nos parafusos, nas extremidades das peças e áreas de contato. Após a galvanização, as peças empenadas deverão ser retificadas. Se durante o desempeno houver danos à galvanização, as peças serão rejeitadas SE-20-ET RA Página 13 de 22

14 5 ENSAIOS 5.1 ENSAIOS DE CONFORMIDADE Para execução dos ensaios de conformidade deverão ser seguidas as normas pertinentes e o determinado nos itens do Edital de Licitação relativos a condições gerais de inspeção. Deverão ser executados no mínimo os ensaios abaixo relacionados, porém não limitados a estes Ensaios de Resistência à Tração para Perfis e Parafusos e Cisalhamento para parafusos Ensaios de Galvanização Ensaios de Pré-Montagem Consistem na montagem prévia de uma estrutura (ou suporte) completa de cada tipo, antes de se iniciar a fabricação da mesma. Essa montagem deve ser feita na presença de inspetor da EDRO, sem qualquer dificuldade para a colocação das peças, para o aperto de parafusos, etc, evidenciando a exatidão com que foram calculados os comprimentos das barras e as posições dos furos. 5.2 ENSAIOS DE TIPO E ESPECIAIS Ensaios de Carga Para comprovar a estabilidade da estrutura, a critério da EDRO e sob seu ônus, poderá ser feito em campo o ensaio mecânico de cada tipo de estrutura. Serão aplicadas as cargas constantes do isométrico ou da disposição de estruturas/esforços, simulando as situações mais desfavoráveis e medidas as flechas produzidas nas vigas e colunas. 6 PROVISÕES TÉCNICAS PARA TRANSPORTE 6.1 MARCAÇÃO DAS PEÇAS COM PUNCIONAMENTO DE AÇO Cada peça deverá ser identificada através de punção de aço antes da galvanização. Os caracteres deverão ter, no mínimo 13 mm de altura, e 0,8mm de profundidade. As marcações deverão ser aplicadas nas faces externas dos perfis, próximas da extremidade e visíveis após a galvanização e montagem. Peças iguais deverão ter códigos idênticos cujas marcações deverão ser feitas sempre no mesmo local. Os códigos de marcação determinados nos desenhos de montagem serão sempre os mesmos utilizados nas listas de material e nas listas de embarque. 6.2 EMBALAGEM As peças deverão ser embaladas em volumes que garantam a sua integridade, evitem perdas, permitam facilidades para o manuseio, transporte e possuam SE-20-ET RA Página 14 de 22

15 identificação associada à lista de embarque. Danos decorrentes de inadequação insuficiência ou descuido na embalagem serão de responsabilidade do FORNECEDOR. As peças dos feixes deverão ser travadas com arame galvanizado número 12 AWG através dos furos nas extremidades e envoltas em fitas metálicas protegidas com aniagem. A quantidade de fitas, por volume, deverá atender o seguinte critério: 2 fitas: volume com peças até 2 metros de comprimento 3 fitas: volume com peças acima de 2 metros de comprimento O lote de peças que contiver pequena quantidade de peças e que não possibilitar um volume desejável para embarque, será amarrado com arame galvanizado em ambas as extremidades e agregado a outro(s) antes de receber a fita metálica. O topo das cantoneiras de cada atado será pintado com tinta não lavável em cores para identificação do tipo da estrutura. Os parafusos com porcas, arruelas, degraus de escala, dispositivos de fixação das cadeias e dos cabos pára-raios serão embaladas em latões e aço, ou caixas, com peso máximo de 50 kg. Esses volumes deverão receber reforço externo de duas fitas metálicas. Sacos plásticos deverão ser usados para separar diferentes tipos de parafusos num mesmo volume. A identificação dos parafusos deverá ser externa nos volumes e interna nos sacos plásticos quando houver vários tipos em um volume. 6.3 INDICAÇÕES DAS EMBALAGENS As inscrições externas às caixas, em tinta resistente ao tempo e manuseio, deverão ter as seguintes indicações: nome do comprador; endereço de entrega; conteúdo, denominação e tipo; quantidade; peso bruto, líquido e tara, em kgf; dimensões do volume em cm; número do volume; número da lista de embarque; Internamente às caixas deverá ser colocada uma etiqueta, protegida com plástico, identificando o conteúdo. 6.4 LISTAS DE EMBARQUE E PROGRAMAÇÃO DE ENTREGAS SE-20-ET RA Página 15 de 22

16 As listas de embarque de materiais deverão indicar o número e tipo da peça, tipo da estrutura, quantidade por volume ou caixa e respectivos pesos bruto e líquido. As estruturas serão entregues em lotes conforme a conveniência de implantação do empreendimento definida pela EDRO. 7 DESENHOS E DOCUMENTOS A SEREM FORNECIDOS 7.1 ANEXOS À PROPOSTA TÉCNICA Declaração expressa de que concorda com todas as condições e exigências desta Especificação Técnica, excetuados os desvios e/ou exceções porventura relacionados na PROPOSTA, conforme previsto a seguir. Descrição clara e detalhada de todos os pontos em que o material proposto está em desacordo com esta Especificação Técnica. O PROPONENTE deverá elaborar uma "Relação de Exceções" em separado, com cada item da mesma, referindo-se claramente ao item da Especificação Técnica ao qual a exceção é feita. As exceções não incluídas sob este título não serão aceitas ou consideradas em quaisquer das etapas posteriores do fornecimento. Desenhos preliminares das estruturas ofertadas e lista de material contendo as características básicas dos componentes ofertados e, ainda outras informações que o PROPONENTE julgar interessante na avaliação de sua proposta. Qualquer alteração das informações acima, durante o projeto executivo das estruturas, deverá ser objeto de imediata e específica comunicação pelo FORNECEDOR à EDRO. 7.2 PROJETO EXECUTIVO - DOCUMENTOS PARA ANÁLISE O Fornecedor submeterá à aprovação da EDRO, pelo menos, os seguintes documentos técnicos relativos as estruturas de barramentos. - Lista de documentos técnicos do fornecimento - Memorial de Cálculo e Desenhos do Fabricante O memorial de cálculo deverá conter: Justificativa sobre a concepção estrutural adotada (estruturas isostáticas, hiperestáticas, tipo de trançamento para as treliças); Cálculo dos esforços em todas as barras que compõem as estruturas, com indicação das hipóteses que os originaram, e o dimensionamento das mesmas. Deverá ser apresentado também o dimensionamento de todas as conexões (ligações aparafusadas, soldadas, etc.); Conhecidos os esforços em todas as barras e escolhidas as bitolas para as mesmas, deverão ser calculadas as flechas resultantes no centro da viga e no topo de cada coluna SE-20-ET RA Página 16 de 22

17 Cálculo dos esforços atuantes nas bases com valores característicos e últimos e o dimensionamento dos chumbadores com justificativa da quantidade, locação, diâmetro e comprimento escolhidos, considerando inclusive as características do concreto em que estão imersos. Desenhos esquemáticos de cada tipo de estrutura deverão acompanhar os respectivos cálculos, nos quais serão mostradas todas as dimensões básicas da estrutura, esforços atuantes, incluídas as cargas de vento na estrutura e seu peso próprio, a serem estabelecidos pelo FABRICANTE. - Plantas e Cortes do conjunto do fornecimento - Desenhos de montagem Cada desenho de montagem deverá mostrar o conjunto de peças constituintes da unidade, os seus componentes e demais partes. Cada peça deverá ser identificada pelo seu número de marcação. O número, comprimento e diâmetro dos parafusos, bem como o número e tipo de arruelas exigidas para a montagem correta, deverão ser mostradas em cada ligação. A cada desenho, deverá corresponder uma lista de material relacionando todo material necessário para o conjunto, incluindo todos os parafusos, arruelas e contra porcas. A lista deverá indicar a quantidade de peças exigidas, o número de marcação da peça, a descrição da peça, incluindo bitola, comprimento, pesos unitários e totais. - Desenhos de Detalhes de Fabricação O FORNECEDOR providenciará o preparo dos desenhos completos e detalhes de fabricação das peças, incluindo todas as dimensões, chanfros, furos, dobramentos e as marcas de identificação de cada peça. Quando estes desenhos puderem mostrar os detalhes de todas as peças no conjunto, os respectivos desenhos de montagem serão dispensáveis. Nestas condições, os desenhos de detalhes deverão atender a todos os requisitos estabelecidos no item anterior (Desenhos de Montagem). A aprovação da EDRO não exime o FORNECEDOR das responsabilidades pelo projeto, conformidade à especificação e correto fornecimento das estruturas. Após a aprovação dos documentos e desenhos, qualquer alteração só poderá ser feita com aprovação da EDRO. Qualquer erro nos desenhos e listas de materiais verificados durante a montagem, deverá ser corrigido e os materiais repostos pelo FORNECEDOR. 7.3 UTILIZAÇÃO DO PROJETO Todos os documentos do projeto são de propriedade da EDRO que os utilizará a seu exclusivo critério. 8 NORMAS DE REFERÊNCIA As seguintes normas deverão ser observadas no projeto, especificação de matérias-primas, fabricação, galvanização, ensaios, embalagem e entrega das SE-20-ET RA Página 17 de 22

18 estruturas: 8.1 NORMAS BRASILEIRAS Coletânea de Normas de Desenho Técnico NBR 8196/8402/8403/8404/8993/10067/10068/10126/10582/ NBR-5426 Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos - procedimento. NBR-5875 NBR-5876 NBR-6109 Parafusos, porcas e acessórios. Terminologia e simbologia de roscas Cantoneiras de abas iguais de aço laminado a quente NBR 6118 Projeto e Execução de Obras de Concreto NBR 6123 Forças Devidas ao Vento em Edificações NBR-6159 NBR-6160 NBR-6161 NBR-6323 NBR-6362 NBR-6648 NBR-6649 NBR-6650 NBR-7007 NBR-7397 NBR-7398 NBR-7399 Rosca métrica ISSO - Parte I - Dimensões básicas, diâmetros nominais e passos. Rosca métrica ISO - Parte II - Tolerâncias Rosca métrica ISO - Parte III - Dimensões limites Produtos de aço ou ferro fundido Revestimento de zinco por imersão a quente Perfis de aços laminados a quente, soldados e laminados a frio Chapa grossa de aço carbono para uso estrutural Chapas finas a frio de aço carbono para uso estrutural Chapas finas a quente de aço carbono para uso estrutural Aços para perfis laminados para uso estrutural Produto de aço ou ferro fundido - revestimento de zinco por imersão a quente - determinação da massa por unidade de área Produto de aço ou ferro fundido - revestimento de zinco por imersão a quente - determinação da massa por unidade de área - verificação da aderência do revestimento Produto de aço ou ferro fundido - revestimento de zinco por imersão a quente - determinação da massa por unidade de área - verificação da espessura do revestimento por processo não destrutivo SE-20-ET RA Página 18 de 22

19 NBR-7400 NBR-7808 Produto de aço ou ferro fundido - revestimento de zinco por imersão a quente - determinação da massa por unidade de área - verificação da uniformidade do revestimento Símbolos gráficos para projeto de estruturas NBR 8681 Ações e Segurança nas Estruturas NBR 8800 Projeto e Execução de Estruturas de Aço de Edifïcios NBR-8842 Suportes metálicos treliçados para linha de transmissão - Resistência ao carregamento NBR-8850 NBR-8851 NBR-8852 NBR-8853 NBR-8855 NBR-9763 NBR-9971 NBR-9980 NBR NBR Execução de suportes metálicos treliçados para linhas de transmissão Parafuso sextavado para uso estrutural - Dimensões Porcas sextavadas - Grau de produto C - Dimensões Porca sextavada de segurança para estruturas metálicas de linhas de transmissão e subestações Elementos de fixação - Parafusos - Características mecânicas Aço para perfis laminados, chapas grossas e barras, usados em estruturas fixas Elementos de fixação dos componentes das estruturas metálicas Parafuso de cabeça redonda, para uso como escada de torres de linha de transmissão de energia elétrica Características e dimensões. Dimensionamento de Estruturas de Aço constituídas por perfis formados a frio Projeto de Estruturas Resistentes a Sismo NBR Sistemas de qualidade - Modelo para garantia da qualidade em projetos, desenvolvimento, produção, instalação e assistência técnica. 8.2 NORMAS ESTRANGEIRAS Para os itens não abrangidos pelas normas ABNT, aplicar-se- ão as normas abaixo sempre na revisão mais recente. AISC Manual of Steel Construction, 7th edition ASCE Design of Latticed Stell Transmission Strucutures SE-20-ET RA Página 19 de 22

20 ASTM-A6 ASTM-A36 ASTM-A90 Standard specification for general requirement for delivery of rolled steel plates, shapes, sheet piling and bars for structural use Standard specification for structural steel Standard methods of test for weight of coating on zinc-coated (galvanized) iron or steel articles ASTM-A123 Standard specification for zinc (hot galvanized) coating on products fabricated from rolled, pressed and forged steel shapes,plates, bars and strips ASTM-A143 Recommended practice for safeguarding against embrittlement of hot galvanized structural steel products and procedure of detecting embrittlement ASTM-A153 Standard specification for zinc coating (hot dip) on iron and steel hardware ASTM-A237 Alloy steel forgings for general industrial use ASTM-A239 Standard method of locating thd thinnest spot in a zinc (galvanized) coating on iron and steel articles by the preece test (copper sulfate dip) ASTM-A242 ASTM-A274 ASTM-A275 Standard specification for high strength low-alloy structural steel Alloy steel blooms, billets and slabs for forgings Method for magnetic particte examination of steel forgings ASTM-A283 Standard specification for low and intermediate tensile strength carbon steel plates, of structural quality ASTM-A307 Standard specification for low carbon steel externally and internally threaded standard fasteners ASTM-A325 Standard specification for high strength bolt for structural steel joints including suitable nuts and plain hardened washers ASTM-A354 Standard specification for quenched and tempered alloy steel bolts, studs and other externally threaded fasteners ASTM-A370 Standard methods and definitions for mechanical testing of steel products ASTM-A394 Standard specification for galvanized steel transmission tower bolts and nuts ASTM-A441 Standard specification for highs trength structural manganese vanadiun steel SE-20-ET RA Página 20 de 22

Estruturas Metálicas de Barramentos e Suportes de Equipamentos. Especificação Técnica 11119-SE-20-ET-4-0006 11119-SE-20-ET-4-0006. Referências: Notas:

Estruturas Metálicas de Barramentos e Suportes de Equipamentos. Especificação Técnica 11119-SE-20-ET-4-0006 11119-SE-20-ET-4-0006. Referências: Notas: Referências: 11119-SE-20-ET-4-0006 Notas: 03 02 01 Rev. Nome da Proj. Visto Aprov. Data Visto Aprov. Projetista Eletrobras CONSÓRCIO LEME/THEMAG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E EXPANSÃO - DP DEPARTAMENTO DE

Leia mais

ANEXO V. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA ESTRUTURA METÁLICA (TORRE) 30 m AUTOPORTANTE

ANEXO V. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA ESTRUTURA METÁLICA (TORRE) 30 m AUTOPORTANTE ANEXO V ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA ESTRUTURA METÁLICA (TORRE) 30 m AUTOPORTANTE Dezembro/2010. 1 1. OBJETO. Constitui o objeto a especificação técnica para o fornecimento e instalação de estrutura metálica

Leia mais

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0041 CRUZETAS DE AÇO TUBULAR 1/14

Leia mais

CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS

CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS Documento: Cliente: ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS Pag: 1 of 9 Título: Estrutura Metálica para o Galpão e para os Pórticos TECHNIP ENGENHARIA S/A

Leia mais

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS TORRE ESTAIADA A torre estaiada é a solução mais econômica por atingir grandes alturas e com elevada capacidade de carga, porém exige-se disponibilidade de terreno para sua instalação. Possui seção transversal

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: ESTRUTURAS METALICAS PARA COBERTURA, PASSARELAS E SUFITA.

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: ESTRUTURAS METALICAS PARA COBERTURA, PASSARELAS E SUFITA. 1 MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERÊNCIA: ESTRUTURA METÁLICA OBRA: ESTRUTURAS METALICAS PARA COBERTURA, PASSARELAS E SUFITA. LOCAL: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ-PR. DESENHOS DE REFERÊNCIAS:

Leia mais

Especificação Técnica TOTAL. para Telecomunicações

Especificação Técnica TOTAL. para Telecomunicações Especificação Técnica TOTAL Fornecimento de Estruturas Metálicas DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS Desenhos de Referência: para Telecomunicações DIST. QTDE/TIP ÓRGÃO d c b a GEDOC Rev. Data Feito Visto

Leia mais

PARA TELECOMUNICAÇÕES. Rev. b

PARA TELECOMUNICAÇÕES. Rev. b TOTAL ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA FORNECIMENTO DE ESTRUTURAS MÉTALICAS PARA TELECOMUNICAÇÕES DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS Rev. b Desenhos de Referência: DIST. QTDE/TIP ÓRGÃO d c b 06/08 2007 a FAMP

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA...

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA... 4.3.3 Estruturas DIRETORIA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DIVISÃO DE SUBESTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA... 1 Í N D I C E SEÇÃO I OBJETO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 29 / 07 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para parafuso U 16x270mm utilizado nas Linhas de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS CANOAS - RS

ESTRUTURAS METÁLICAS CANOAS - RS ESTRUTURAS METÁLICAS CANOAS - RS 2 INDICE 1. ESTRUTURAS METÁLICAS... 3 1.1. Estruturas Metálicas Diversas... 3 1.1.1. Qualidade do Material a Ser Empregado... 4 1.1.2. Critérios Gerais para Aceitação do

Leia mais

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE PROJETO EXECUTIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE MEMORIAL DESCRITIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS - CIE - R40-45 - R01 ESTRUTURA METÁLICA

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

PARECER TÉCNICO. O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça:

PARECER TÉCNICO. O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça: PARECER TÉCNICO O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça: Conforme o resultado apresentado pela simulação no software AutoMETAL 4.1, a atual configuração presente nas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE FERRAGENS E ACESSÓRIOS. LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25522

ESPECIFICAÇÃO DE FERRAGENS E ACESSÓRIOS. LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25522 DIRETORIA TECNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO DIVISÃO DE LINHAS ESPECIFICAÇÃO DE FERRAGENS E ACESSÓRIOS LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25522

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA FORNECIMENTO DE ESTRUTURA DE CONCRETO CIRCULAR. LT 138kV LAGES RB VIDAL RAMOS JR LT 25716

ESPECIFICAÇÃO PARA FORNECIMENTO DE ESTRUTURA DE CONCRETO CIRCULAR. LT 138kV LAGES RB VIDAL RAMOS JR LT 25716 DIRETORIA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO DIVISÃO DE LINHAS ESPECIFICAÇÃO PARA FORNECIMENTO DE ESTRUTURA DE CONCRETO CIRCULAR LT 138kV LAGES RB VIDAL RAMOS JR LT 25716

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO

2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO ÍNDICE 1.0 OBJETIVO 2.0 REQUISITOS GERAIS 2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO 2.4. EXTENSÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO Eduardo M. Batista (1) ; Elaine G. Vazquez (2) ; Elaine Souza dos Santos (3) (1) Programa de Engenharia Civil, COPPE,

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. DADOS GERAIS: 1.1. Proprietário: Município de Estação/RS CNPJ: 92.406.248/0001-75 1.2. Obra: Cobertura Metálica da Escola Municipal de Ensino Fundamental Pedro Cecconelo 1.3. Local:

Leia mais

ANEXO I C - 2. MEMORIAL DESCRITIVO DE SERVIÇOS E MATERIAIS - Estrutura Metálica

ANEXO I C - 2. MEMORIAL DESCRITIVO DE SERVIÇOS E MATERIAIS - Estrutura Metálica 1/ 10 Porto Alegre, 13 de Outubro de 2010. ANEXO I C - 2 MEMORIAL DESCRITIVO DE SERVIÇOS E MATERIAIS - Estrutura Metálica 2/ 10 3/ 10 Porto Alegre, 13 de Outubro de 2010. DIRETRIZES TÉCNICAS DE ESTRUTURA

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Estruturas metálicas Características Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A.

Leia mais

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado NBR 7480/1996 Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado OBJETIVO Fixar as condições exigíveis na encomenda, fabricação e fornecimento de barras e fios de aço destinados a armaduras

Leia mais

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea ITEM DESCRIÇÃO QUANT. 1.00 REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.1 Cabo de alumínio com alma de aço (CAA), seção 4/0, diâmetro externo

Leia mais

Suportes de Tubulações

Suportes de Tubulações Suportes de Tubulações Classificação dos Suportes Destinados a sustentar os pesos Fixos Semimóveis Móveis (Suportes de mola e suportes de contrapeso) Destinados a limitar os movimentos dos tubos Dispositivo

Leia mais

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Erro! Fonte de referência não encontrada. - aje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Prefácio A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MA NU AL E SP EC IA L SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0032 ESPECIFICAÇÃO DE CONDUTORES

Leia mais

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação.

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação. 25 / 10 / 2011 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pontalete de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

Esta Norma fixa os requisitos para especificação, fabricação, fornecimento e recebimento de armaduras treliçadas eletrossoldadas.

Esta Norma fixa os requisitos para especificação, fabricação, fornecimento e recebimento de armaduras treliçadas eletrossoldadas. NBR 14862 - MAIO 2002 - Armaduras treliçadas eletrossoldadas - Requisitos Origem: Projeto 18:314.01-004:2001 ABNT/CB-18 - Comitê Brasileiro de Cimento, Concreto e Agregados CE-18:314.01 - Comissão de Estudo

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

CENTRAL HIDRELÉTRICA DE ITAIPU ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESP 002/07 SISTEMA DE PRODUÇÃO, PURIFICAÇÃO, COMPRESSÃO E ARMAZENAMENTO DE HIDROGÊNIO

CENTRAL HIDRELÉTRICA DE ITAIPU ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESP 002/07 SISTEMA DE PRODUÇÃO, PURIFICAÇÃO, COMPRESSÃO E ARMAZENAMENTO DE HIDROGÊNIO BRASIL PARAGUAI CENTRAL HIDRELÉTRICA DE ITAIPU ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESP 002/07 SISTEMA DE PRODUÇÃO, PURIFICAÇÃO, COMPRESSÃO E ARMAZENAMENTO DE HIDROGÊNIO 2 1 No DESCRIÇÕES APROV. DATA REVISÕES Elab. :

Leia mais

Projeto de pontes e viadutos rodoviárias de aço e mistas aço e concreto

Projeto de pontes e viadutos rodoviárias de aço e mistas aço e concreto 1 2 3 Projeto de pontes e viadutos rodoviárias de aço e mistas aço e concreto Design of Highway steel and composite Bridges 4 Prefácio 5 6 7 8 9 10 A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o

Leia mais

PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PARAFUSO E PORCA PARA TALA DE JUNÇÃO ABNT SUMÁRIO

PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PARAFUSO E PORCA PARA TALA DE JUNÇÃO ABNT SUMÁRIO PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL PARAFUSO E PORCA PARA TALA DE JUNÇÃO ABNT SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÃO - CARACTERÍSTICAS - FABRICAÇÃO 3. FORMA - DIMENSÃO 3.1 - PARAFUSO 3.2 - PORCA 4.

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

DER/PR ES-OC 10/05 OBRAS COMPLEMENTARES: PÓRTICOS E SEMIPÓRTICOS DE SINALIZAÇÃO VERTICAL

DER/PR ES-OC 10/05 OBRAS COMPLEMENTARES: PÓRTICOS E SEMIPÓRTICOS DE SINALIZAÇÃO VERTICAL DER/PR ES-OC 10/05 OBRAS COMPLEMENTARES: PÓRTICOS E SEMIPÓRTICOS DE SINALIZAÇÃO VERTICAL Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná

Leia mais

NT MATERIAIS PARA REDES E LINHAS AEREAS URBANAS E RURAIS DE DISTRIBUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA.

NT MATERIAIS PARA REDES E LINHAS AEREAS URBANAS E RURAIS DE DISTRIBUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. REV. Página 1 de 21 1. GENERALIDADES 2. REQUISOS GERAIS 3. CARACTERISTICAS CONSTRUTIVAS 4. CARACTERFSTICAS TÉCNICAS 5. INSPEÇÃO E ENSAIOS 6. ACONDICIONAMENTO 7. INFORMAÇOES A SEREM PRESTADAS NA PROPOSTA

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS. Projeto de Estruturas Metálicas Considerações Gerais. Prof Moniz de Aragão Maj

ESTRUTURAS METÁLICAS. Projeto de Estruturas Metálicas Considerações Gerais. Prof Moniz de Aragão Maj SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO ESTRUTURAS METÁLICAS Projeto de Estruturas Metálicas Considerações Gerais Prof Moniz de Aragão Maj 1 4 Condições gerais de projeto 4.1 Generalidades

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ESTRUTURAS METÁLICAS PARTE 1 LOTE 1

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ESTRUTURAS METÁLICAS PARTE 1 LOTE 1 CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ESTRUTURAS METÁLICAS PARTE 1 LOTE 1 GRUPO ESTRUTURAS METÁLICAS, PARTE 1 LOTE 01 A CAIXA apresenta o grupo de composições de serviços que representam o transporte e

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE:

MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE: MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE: MEMORIAL DE CÁLCULO REFERÊNCIAS: 1 ASTM A193:2003 2 V. Dobrovolsk- Elementos de Máquinas, Ed. MIR, Moscou 7 Joseph

Leia mais

Informativo Técnico. 11 3207-8466 vendas@indufix.com.br www.indufix.com.br

Informativo Técnico. 11 3207-8466 vendas@indufix.com.br www.indufix.com.br Informativo Técnico Descrição Os fixadores contidos neste informativo são normalizados pela incorporadora de normas ASTM (American Society for Testing and Materials), com finalidade fixação e união de

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DEDISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: REVISÃO: PAGINA: 1/33 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma fixa as características básicas de poste de concreto

Leia mais

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO

Leia mais

26/05/2010. Ricardo Hallal Fakury Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) João Alberto Venegas Requena Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

26/05/2010. Ricardo Hallal Fakury Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) João Alberto Venegas Requena Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) 26/05/2010 1. BREVE HISTÓRICO 2. ESCOPO 3. TAMANHO E FORMATO 4. DIMENSIONAMENTO DE BARRAS TRACIONADAS 5. DIMENSIONAMENTO DE BARRAS COMPRIMIDAS 6. ANÁLISE ESTRUTURAL DE TRELIÇAS 7. LIGAÇÕES METÁLICAS 8.

Leia mais

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas.

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas. ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço Menor tempo de execução: A estrutura metálica é projetada para fabricação industrial e seriada, de preferência, levando a um menor tempo de fabricação

Leia mais

Norma para Avaliação do Selo de Excelência ABCEM Anexo 01. Identificação: AN01 Revisão: 04 Folha: 1 / 25

Norma para Avaliação do Selo de Excelência ABCEM Anexo 01. Identificação: AN01 Revisão: 04 Folha: 1 / 25 Identificação: AN01 Revisão: 04 Folha: 1 / 25 A - Tolerâncias de Fabricação 1. Referências NBR 5884/2013 Perfil I estrutural de aço soldado por arco elétrico Requisitos NBR 15980/2011 Perfis laminados

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL ARRUELA DE PRESSÃO DUPLA

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL ARRUELA DE PRESSÃO DUPLA PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL ARRUELA DE PRESSÃO DUPLA SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÃO - CARACTERÍSTICAS - FABRICAÇÃO 3. FORMA DIMENSÕES TOLERÂNCIAS 4. CALIBRES PARA INSPEÇÃO 5. INSPEÇÃO

Leia mais

FINALIDADE DESTA ESPECIFICAÇÃO

FINALIDADE DESTA ESPECIFICAÇÃO SESC PANTANAL HOTEL SESC PORTO CERCADO POSTO DE PROTEÇÃO AMBIENTAL SÃO LUIZ BARÃO DE MELGAÇO/MT ESTRUTURAS METÁLICAS PARA COBERTURA DE BARRACÃO DEPÓSITO MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO VI 1. FINALIDADE DESTA

Leia mais

ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. INTERLIGAÇÃO BRASIL - URUGUAI

ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. INTERLIGAÇÃO BRASIL - URUGUAI 0b Retirado o item 3.9 08/12/2010 KCAR/SMMF 08/12/2010 AQ 0a Revisão de índice, inserido item 3.9 01/12/2010 KCAR/SMMF 01/12/2010 AQ 0 Emissão inicial 05/11/2010 KCAR/SMMF 05/11/2010 AQ N DISCRIMINAÇÃO

Leia mais

REV. Página 1 de 14 DOC. IT CERON NORMA TÉCNICA DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE SISTEMAS N.º 002.11

REV. Página 1 de 14 DOC. IT CERON NORMA TÉCNICA DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE SISTEMAS N.º 002.11 . REV. Página de 4. OBJETIVO. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 6. INSPEÇÃO 7. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO . REV. Página de 4. OBJETIVO.. Esta norma

Leia mais

948-ET-01-R0 CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESTRUTURA METÁLICA. Elementos para Cotação e Fornecimento

948-ET-01-R0 CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESTRUTURA METÁLICA. Elementos para Cotação e Fornecimento 948-ET-01-R0 CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESTRUTURA METÁLICA Elementos para Cotação e Fornecimento CLIENTE: Sistema FIEP OBRA: Centro de Convenções e Exposições LOCAL: Curitiba PR DATA: 11.01.2008

Leia mais

Portaria n.º 114, de 14 de março de 2014. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 114, de 14 de março de 2014. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 114, de 14 de março de 2014. CONSULTA

Leia mais

Defensas metálicas de perfis zincados

Defensas metálicas de perfis zincados MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

0 Emissão inicial 19/11/2010 KCAR/SMMF 19/11/2010 AQ N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO

0 Emissão inicial 19/11/2010 KCAR/SMMF 19/11/2010 AQ N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO 0 Emissão inicial 19/11/2010 KCAR/SMMF 19/11/2010 AQ N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO APROVAÇÃO ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. DATA: MARTE ENGENHARIA RESP.TÉC. Nº CREA CSF

Leia mais

00 28/03/13 EMISSÃO INICIAL JCS/OSM JCS

00 28/03/13 EMISSÃO INICIAL JCS/OSM JCS 00 28/03/13 EMISSÃO INICIAL JCS/OSM JCS N.º DATA REVISÃO ELAB./ VERIF. ENGEPRO APROV. ENGEPRO APROV. CLIENTE ENG10A-LT-001 ATE XVI PROJETO BÁSICO - LOTE A LEILÃO Nº 007/2012 - ANEEL ELAB. VERIF. LT S 500

Leia mais

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS BIBLIOGRAFIA TÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA VOLUME II LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS Apresentação O setor siderúrgico, através do Centro Brasileiro da Construção em Aço - CBCA,

Leia mais

NT MATERIAIS PARA REDES E LINHAS AEREAS URBANAS E RURAIS DE DISTRIBUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA.

NT MATERIAIS PARA REDES E LINHAS AEREAS URBANAS E RURAIS DE DISTRIBUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. REV. Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. REQUISOS GERAIS 3.1. Projeto Geral 3.2. Normas Recomendadas 3.3. Unidade de Medida e Idiomas 3.4. Desenhos 3.5. Garantia 4. DEFINIÇÕES 3.6. Valor Nominal

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO-RIOLUZ DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-14

COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO-RIOLUZ DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-14 DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-14 POSTES DE CONCRETO EMISSÃO 17 08-01-15 Página 1 de 20 1 OBJETIVO. SUMARIO 2 DEFINIÇÕES E CONVENÇÕES. 2.1

Leia mais

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS Série " Manual de Construção em Aço" Galpões para usos gerais Ligações em estruturas metálicas Edifícios de pequeno porte estruturados em aço Alvenarias Painéis de vedação

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D

NORMA TÉCNICA CELG D NORMA TÉCNICA CELG D Ferragens para Linhas de Transmissão e Subestações Especificação e Padronização NTC-70 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. DEFINIÇÕES

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Ao usar a ampla linha de Barras e Perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

Catálogo de Produtos. Engenharia de Acesso Andaimes Acessórios Fabricação e Venda

Catálogo de Produtos. Engenharia de Acesso Andaimes Acessórios Fabricação e Venda Catálogo de Produtos Engenharia de Acesso Andaimes Acessórios Fabricação e Venda Acoplation Indústria e Comércio Ltda Fundada em 1997, visa atender a demanda de mercado na fabricação de andaimes, estruturas

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 02.04.2007 1/6 1. OBJETIVO Esta especificação padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas de concreto armado destinadas ao suporte

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 01 APROVADO POR PAULO J. TAVARES LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO...

Leia mais

FIXADORES ASTM A325 FORÇA DE PROTENSÃO MÍN. FORÇA DE RUPTURA MÍN. LBF kgf LBF 1/2-13 UNC 5/8-11 UNC

FIXADORES ASTM A325 FORÇA DE PROTENSÃO MÍN. FORÇA DE RUPTURA MÍN. LBF kgf LBF 1/2-13 UNC 5/8-11 UNC Fixadores de alta resistência, empregados em ligações parafusadas estruturais e indicados em montagens de maior responsabilidade. Fabricados em aço de alta resistência e tratados termicamente, os parafusos

Leia mais

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade s relativas às instruções Ao trabalhar em zonas com risco de explosão, a segurança de pessoas e equipamentos depende do cumprimento dos regulamentos de segurança relevantes. As pessoas que são responsáveis

Leia mais

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4 SUMÁRIO Pág. 1. Objetivo 1 2. Referências 1 3. Condições gerais 1 4. Condições específicas 1 DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS 02.118-CONEM-0003 5. Inspeção 2 Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas

Leia mais

PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO E ESTRUTURAS MISTAS AÇO-CONCRETO DE EDIFÍCIOS

PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO E ESTRUTURAS MISTAS AÇO-CONCRETO DE EDIFÍCIOS PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO E ESTRUTURAS MISTAS AÇO-CONCRETO DE EDIFÍCIOS Procedimento SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições, notações e unidades 4 Condições gerais de projeto

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES Barramento Elétrico Blindado KSL70 STEMMANN INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. Avenida Stemmann N 204 Bairro Tanque Porto Feliz SP Brasil 18540-000 Fone 55 15 3261-9190 Fax 55 15 3261-9191

Leia mais

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos NBR 7483/2005 Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos OBJETIVO Fixar os requisitos para fabricação, encomenda, fornecimento e recebimento de cordoalhas de aço de alta resistência de três

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011 Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/10/2011 18/10/2011 ELABORAÇÃO Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

4.3 Códigos Padronizados Conforme ANEXO II - ESPECIFICAÇÃO SUCINTA E DETALHADA.

4.3 Códigos Padronizados Conforme ANEXO II - ESPECIFICAÇÃO SUCINTA E DETALHADA. Elaborador: Mário Sérgio de Medeiros Damascena ET - 05.126.00 1 de 20 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de elo fusível para utilização nas

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO e MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO Trabalho em Altura Uma das principais causas de acidentes de trabalho graves e fatais se deve a eventos envolvendo quedas de trabalhadores de diferentes

Leia mais

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Engenharia Civil Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Gisele S. Novo Possato Engenheira, M.Sc., Doutoranda, Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 Frefer System Estruturas Metálicas Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 www.frefersystem.com.br A

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais

ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL

ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL PROJETO ALPHA Engenharia de Estruturas S/C Ltda ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL 1) OBJETO DO TRABALHO Análise técnica da estrutura de alumínio que constitui a cobertura do Pavilhão de

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA: APLICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES NORMATIVAS

CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA: APLICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES NORMATIVAS CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA: APLICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES NORMATIVAS Emmyle Marcon Eng. Civil Setor de Eng. METASA S/A emmylemarcon@hotmail.com Zacarias M. Chamberlain Pravia D. Sc., Professor

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Quando você usa a ampla linha de barras e perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

Manual de Montagem Casa 36m²

Manual de Montagem Casa 36m² Manual de Montagem Casa 36m² cga -gerência de desenvolvimento da aplicação do aço Usiminas - Construção Civil INTRODUÇÃO Solução para Habitação Popular - é uma alternativa econômica, simples e de rápida

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Embalagens Especificação e Padronização NTC-59

NORMA TÉCNICA CELG. Embalagens Especificação e Padronização NTC-59 NORMA TÉCNICA CELG Embalagens Especificação e Padronização NTC-59 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 3 4. CONDIÇÕES GERAIS 4

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO PLUG TERMINAL COM CAPA (PTC) 600 A 8,7 / 15 KV OPERAÇÃO SEM CARGA SUMÁRIO ITEM CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS

ESTRUTURAS METÁLICAS ESTRUTURAS METÁLICAS Disciplina: Projeto e dimensionamento de estruturas de aço em perfis soldados e laminados. Curso: Especialização em Engenharia de Estruturas Professor: Carlos Eduardo Javaroni Mini

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I TUBOS DE PEAD 1 - OBJETIVO 1.1 A presente licitação tem por objeto o fornecimento e entrega, pela empresa a ser CONTRATADA, de tubos de POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE PE 100

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA LOCAL: PONTE DOS CÓRREGOS. OBJETIVO: O Objetivo principal deste Memorial é demonstrar e descrever todas e quaisquer informações

Leia mais

SERVIÇOS DE ESTRUTURAS METÁLICAS

SERVIÇOS DE ESTRUTURAS METÁLICAS SERVIÇOS DE ESTRUTURAS METÁLICAS 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. MATERIAIS 6. CARGAS DE PROJETO 7. PROJETO EXECUTIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS 8. FABRICAÇÃO

Leia mais

. Caixa para medidor polifásico, chave de aferição, transformadores de corrente e disjuntor (CM-3) Desenho 7

. Caixa para medidor polifásico, chave de aferição, transformadores de corrente e disjuntor (CM-3) Desenho 7 2 1 - OBJETIVO 1.1 - Esta Especificação fixa os critérios e as exigências técnicas mínimas relativos à aprovação de modelo, fabricação e ao recebimen;o de Caixas para instalação de medidores de energia

Leia mais