GUIA PARA A REABILITAÇÃO SISTEMA ESTRUTURAL. PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA PARA A REABILITAÇÃO SISTEMA ESTRUTURAL. PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus"

Transcrição

1 GUIA PARA A REABILITAÇÃO SISTEMA ESTRUTURAL PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus

2 Autoria do Relatório Consultoria Pavicentro Pré-Fabricação, S.A. Departamento de Engenharia Civil da Universidade de Aveiro

3 Índice 0. Preâmbulo 7 Parte I. Edifícios Tradicionais de Alvenaria 8 1. Anomalias em Fundações Assentamento das fundações devido ao comportamento do terreno de fundação Assentamento das fundações devido à deterioração dos materiais constituintes Anomalias em Paredes de Alvenaria Fissuração em zona corrente e aberturas Fissuração em cunhais Esmagamento da alvenaria Degradação das alvenarias Rotação das paredes para fora do plano Anomalias em Pavimentos Deformação excessiva Ataques biológicos Anomalias em Coberturas Deformação excessiva Ataques biológicos 24 Parte II. Edifícios de Betão Armado Anomalias em Fundações (Superficiais) Assentamento de fundações devido ao comportamento do terreno de fundação Assentamento de fundações devido à deterioração dos materiais constituintes Anomalias em Pilares Fissuração Anomalias em Vigas Fissuração a meio vão Fissuração inclinada nos apoios Anomalias em Lajes Fissuração a meio vão 32

4 4.2 Fissuração nos apoios 33 Bibliografia 36 Anexo Checklist 38

5

6

7 0. PREÂMBULO Neste guia são abordadas algumas das anomalias mais comuns em edifícios, dividindo-se a análise em dois grupos de edifícios, nomeadamente os edifícios tradicionais de alvenaria, cujo sistema estrutural é geralmente constituído por paredes resistentes (geralmente de pedra, adobe, ou tijolo) que dão suporte a pavimentos e coberturas em madeira, e os edifícios de betão armado (sendo o sistema estrutural porticado, constituído por vigas e pilares, o mais comum). Para cada tipologia (alvenaria ou betão armado) a análise é feita agrupando as anomalias em função do elemento estrutural onde as mesmas se desenvolvem. Optou-se neste guia por concentrar a análise nas anomalias associadas a comportamentos anómalos das estruturas, os quais se podem traduzir no aparecimento de fissuras e/ou deformações excessivas dos elementos estruturais. Foram portanto excluídas desta análise muitas das anomalias relacionadas com a degradação dos materiais estruturais. No caso dos edifícios tradicionais de alvenaria, são referidas anomalias em fundações, paredes, pavimentos e coberturas. No caso dos edifícios de betão armado, optou-se por concentrar a análise nas fundações, pilares, vigas e lajes. Foram excluídas desta análise: fundações profundas, paredes resistentes, juntas de dilatação, lajes fungiformes, e outros elementos estruturais menos correntes. Para cada anomalia são referidas as suas principais formas de manifestação e causas mais comuns, e descritas de forma sumária algumas das soluções que podem ser utilizadas na sua correção. Salienta-se que a definição destas soluções de reparação e/ou reforço deverá ser sempre feita atendendo às especificidades de cada caso particular. Reconhece-se a importância da fase preliminar de inspeção e diagnóstico, que deverá sempre preceder uma intervenção estrutural. A partir desta são obtidas as informações necessárias para uma correta interpretação do funcionamento das estruturas, para a avaliação do seu estado de conservação e segurança, e para uma definição rigorosa da necessidade e dos objetivos da reabilitação. Todos os procedimentos a realizar no âmbito de uma intervenção de reabilitação estrutural, desde a inspeção e diagnóstico até à execução das soluções, devem ser sempre executados por profissionais com conhecimento e competências específicas no domínio da reabilitação. 7

8 PARTE I. EDIFÍCIOS TRADICIONAIS DE ALVENARIA 1. ANOMALIAS EM FUNDAÇÕES As fundações podem ser superficiais, em alvenaria de pedra, tijolo ou adobe, ou profundas, em estacaria de madeira. Devido à sua localização, as anomalias desenvolvidas nas fundações são por vezes difíceis de detetar, especialmente quando os seus efeitos não se manifestam imediatamente na parte exposta do edifício. Quando detetadas anomalias, é imperativo avaliar as condições de segurança das fundações. Para tal é geralmente necessário proceder à abertura de poços ou valas de inspeção, procedimentos estes que são muitas vezes de difícil execução e que causam transtorno na utilização do edifício. 1.1 Assentamento das fundações devido ao comportamento do terreno de fundação Descrição/formas de manifestação Assentamento uniforme das fundações: todo o edifício evidencia um rebaixamento do nível de soleira, quando comparado com o de construções ou equipamentos vizinhos de referência; Assentamento diferencial das fundações: o edifício evidencia uma diferença de cotas, provocada pelo assentamento parcial ou não uniforme das suas fundações, permanecendo o restante edifício a um nível superior. Uma das outras possíveis formas de manifestação é o aparecimento de fissuras inclinadas nas paredes; Descompressão lateral do terreno de fundação: o edifício apresenta um assentamento localizado (frequente em zonas próximas de escavações) Causas comuns Assentamento uniforme e assentamento diferencial: estão frequentemen- 8

9 te relacionados com a presença de água no meio envolvente, a qual se pode dever a: Bombagens, realizadas de forma a permitir um abaixamento do nível freático. O espaço que era ocupado pela água entretanto bombada passa a ser ocupado pelo terreno causando a sua descompressão; Construções nas proximidades de cursos de água, que interrompam ou alterem o seu curso natural. O curso de água ao ser interrompido irá definir um novo percurso provocando alterações nas condições do terreno de fundação. Edifícios ou equipamentos vizinhos também podem ser afetados; Rotura de condutas, infiltração de águas pluviais, provocando alterações nas condições do terreno de fundação. Descompressão lateral do terreno de fundação: Surge frequentemente como consequência da realização de escavações nas imediações do edifício Soluções de reabilitação Antes de intervir sobre as fundações é necessário identificar a(s) causa(s) do assentamento e agir sobre a(s) mesma(s) de forma a evitar nova ocorrência da anomalia. Para tal poderá ser necessário proceder, por exemplo, ao desvio de cursos de água que confluam no edifício e à estabilização do nível freático, ou à drenagem de águas pluviais. Estes procedimentos deverão ser sempre definidos e executados por profissionais qualificados Consolidação do terreno de fundação Nos casos em que o terreno de fundação se apresente degradado, será necessário proceder à sua consolidação de modo a instalar as características mecânicas adequadas. Este processo poderá passar pela injeção de caldas de cimento, as quais vão preencher os vazios existentes no terreno. Deverá ser sempre precedido de um estudo geotécnico rigoroso Consolidação do terreno após descompressão lateral Nos casos em que exista uma descompressão lateral do terreno de construção, será necessário proceder à sua consolidação, de forma a instalar as características mecânicas adequadas. A consolidação do terreno poderá ser feita recorrendo a várias técnicas. A título de exemplo referem-se: Execução de pregagens de micro-estacas em betão (Figura 1), de modo a transmitir as cargas da sapata para terreno mais resistente; Execução de recalçamento da zona descomprimida da sapata. Este processo 9

10 deve ser realizado de uma forma faseada, de modo a que a fundação nunca fique completamente suspensa. O material de recalçamento mais comum é o betão. Estes procedimentos deverão ser sempre precedidos de um estudo geotécnico rigoroso. Figura 1 Aplicação de micro-estacas [1]. 1.2 Assentamento das fundações devido à deterioração dos materiais constituintes Descrição/formas de manifestação Assentamento uniforme ou diferencial das fundações (ver 1.1.1) Causas comuns Resulta da deterioração dos materiais constituintes da fundação, a qual se pode dever por exemplo a: Presença de água, que ao passar junto das fundações provoca a erosão da argamassa 10

11 de assentamento e arrasto dos finos constituintes das mesmas, originando uma deterioração de toda a solução; Meteorização das fundações (desagregação da argamassa de assentamento e das unidades da alvenaria), a qual surge associada a uma exposição das fundações após escavações periféricas Soluções de reabilitação Antes de intervir sobre as fundações é necessário identificar a(s) causa(s) do assentamento e agir sobre a(s) mesma(s) de forma a evitar nova ocorrência da anomalia. Para tal poderá ser necessário proceder, por exemplo, ao desvio de cursos de água que confluam no edifício e à estabilização do nível freático, ou à drenagem de águas pluviais. Estes procedimentos deverão ser sempre definidos e executados por profissionais qualificados Consolidação da alvenaria Nos casos em que o assentamento da fundação se deva à degradação da argamassa da alvenaria, deverá ser realizada a consolidação da alvenaria de modo a instalar as características mecânicas adequadas. Isto poderá ser feito recorrendo por exemplo à injeção de caldas de cal hidráulica sob pressão, sendo necessário proceder à escavação de valas laterais em ambos os lados da fundação a fim de permitir o acesso à mesma Confinamento em betão armado Nos casos em que o assentamento resulte da meteorização da alvenaria da fundação, deverá ser feito o seu reforço. Este pode passar pelo confinamento em betão armado, recorrendo-se a grampos para promover a ligação entre a alvenaria e o betão. Este processo implica a necessidade de se proceder à escavação de valas periféricas de modo a garantir o acesso em segurança às fundações. 2. ANOMALIAS EM PAREDES DE ALVENARIA As paredes em edifícios tradicionais de alvenaria são constituídas por blocos ou unidades, em pedra, adobe ou tijolo, ligados por argamassa que compõe as juntas. Existem em Portugal paredes constituídas por outras soluções que não alvenaria, como por exemplo taipa, tabique, paredes Pombalinas, mas que não são analisadas neste guia. 11

12 2.1 Fissuração em zona corrente e aberturas Descrição/formas de manifestação Fissuração em zona corrente (Figura 2): a alvenaria apresenta fissuração que segue as zonas de junta de argamassa de assentamento dos blocos ou unidades de alvenaria, ou propagando-se para outras pré-existentes; Fissuração diagonal em zona corrente (Figura 3): indica geralmente a ocorrência de assentamento das fundações do edifício; Fissuração em zonas de aberturas (Figura 4): surgem junto a aberturas (nomeadamente vãos de portas e janelas) propagando-se na diagonal. Figura 2 Fissuração em zona corrente da parede (cortesia Dora Silveira). Figura 3 Fissuração diagonal (cortesia Dora Silveira). 12

13 Figura 4 Fissuração junto a vãos de portas e janelas (cortesia Dora Silveira) Causas comuns Assentamento das fundações: os assentamentos diferenciais são os que mais afetam a estrutura de alvenaria, provocando fissuração trespassante; Pontos de acumulação de tensões: os cantos de vãos, como portas e janelas, são pontos de acumulação de tensões. A ocorrência de fissuras nestas zonas surge frequentemente associada a deficiências de resistência dos lintéis superiores ou dos arcos de descarga, e devido a esforços de corte que são gerados pela ação sísmica; Propriedades de comportamento distintas entre elementos contíguos Soluções de reabilitação Injeção de caldas de consolidação de alvenaria Consiste na injeção de caldas sobre pressão nas fissuras existentes na alvenaria com o objetivo de repor as condições iniciais da alvenaria Reforço com recurso a elementos metálicos Consiste em ligar os elementos de alvenaria separados pela fissura através de conectores metálicos adequados para o efeito. Para tal é realizado um corte transversal à direção da fissura, limpa a zona de corte e aplicada uma pasta ou argamassa fina de cal hidráulica (ou uma pasta de base epóxi quando se pretenda uma ligação mais forte), procedendo-se depois à colocação dos elementos metálicos. 13

14 Redistribuição de tensões Nos casos em que a fissuração resulte da acumulação de tensões em cantos de vãos, estas tensões deverão ser redistribuídas por uma área maior de alvenaria a fim de minimizar a ocorrência de novas anomalias. A redistribuição das tensões poderá ser conseguida através do reforço destas zonas com elementos metálicos, de betão ou de madeira. Para tal é realizado um corte na alvenaria onde serão posteriormente introduzidos os elementos de reforço. No caso de alvenarias de fraca qualidade este processo deverá ser realizado de forma faseada e também alternada, não se realizando o corte na totalidade da parede de modo a não introduzir anomalias adicionais. A ligação dos novos elementos à alvenaria poderá ser realizada com pasta ou argamassa de cal hidráulica ou de base epóxi. Poderão ainda ser utilizados conectores metálicos para melhorar a ligação. Este processo deverá ser cuidadosamente pensado de modo a assegurar a compatibilidade dos elementos de reforço com a alvenaria existente Reforço das zonas de transição entre materiais Nos casos em que a fissuração esteja associada a uma ligação deficiente entre materiais com diferentes propriedades de comportamento, poderá ser aplicado reboco armado nas zonas de transição entre os materiais com o objetivo de distribuir as tensões acumuladas nestes pontos. Após limpeza da superfície e remoção da argamassa deteriorada nas zonas de transição entre materiais, poderá ser aplicada uma rede de fibra de vidro, devidamente ligada ao suporte de alvenaria e ao material adjacente. Por fim, é aplicada uma argamassa fina com o objetivo de melhorar a ligação. 2.2 Fissuração em cunhais Descrição/formas de manifestação Fissuração junto à interseção com outra parede ortogonal (cunhal). 14

15 Figura 5 - Fissuração na zona do cunhal (à esquerda: [1], Alice Tavares; à direita: cortesia Dora Silveira) Causas comuns Movimentos horizontais da estrutura, os quais podem ser provocados nomeadamente pela ação do vento e pela ação sísmica Soluções de reabilitação A correção desta anomalia passa por melhorar a ligação das paredes nos cunhais fragilizados, o que pode ser conseguido através do reforço destas zonas com elementos metálicos, embebidos ou externos Reforço das ligações de cunhais com recurso a elementos metálicos embebidos Consiste na aplicação de elementos metálicos (por exemplo varões metálicos nervurados ou armaduras de junta) nas juntas de alvenaria a fim de melhorar a ligação das paredes nos cunhais fragilizados. Para tal será necessário realizar cortes nas juntas de argamassa da alvenaria, na zona de interseção das duas paredes, seguindo um procedimento semelhante ao referido em Neste caso particular os cortes devem ter a profundidade necessária para que o reforço fique localizado a meio da espessura da parede. O seu comprimento deve ser o suficiente para permitir uma boa ancoragem dos elementos de reforço e deve ser alternado entre elementos consecutivos. O número de reforços a aplicar deve ser alvo de estudo. 15

16 Reforço das ligações de cunhais com recurso a elementos metálicos externos Consiste na aplicação de elementos de reforço externos com o objetivo de melhorar a ligação das paredes nos cunhais fragilizados. Os reforços podem ser por exemplo do tipo: cantoneira de reforço interior em toda a altura da parede; cantoneira de reforço interior aplicada em pontos específicos; elementos metálicos compostos por elementos internos e externos devidamente ligados, aplicados em pontos específicos do cunhal. A ligação dos elementos de reforço às paredes poderá ser feita com recurso a conectores metálicos, com recurso a argamassas finas ou resinas epóxi. 2.3 Esmagamento da alvenaria Descrição/formas de manifestação Esmagamento localizado junto aos apoios da estrutura de pisos e coberturas ou de outros elementos de massa considerável Causas comuns Acumulação de tensões que podem ocorrer devido a: apoios mal realizados de vigas de suporte de pisos ou asnas de cobertura; colocação de apoios de vigas de substituição de paredes resistentes para realizar aberturas de vãos posteriores à construção Soluções de reabilitação Redistribuição de tensões Nos casos em que o esmagamento resulte da acumulação de tensões, a solução poderá passar pela aplicação de chapas metálicas nas zonas danificadas com o objetivo de distribuir as tensões por uma área maior da parede. O procedimento de aplicação é semelhante ao referido em Degradação das alvenarias Descrição/formas de manifestação Meteorização da alvenaria (Figura 6); Bolhas e empolamentos no revestimento, e destacamento de pinturas (Figura 7); 16

17 Deterioração superficial das alvenarias (Figura 8). Figura 6 Meteorização da alvenaria (cortesia Dora Silveira). Figura 7 Degradação do revestimento (cortesia Dora Silveira). Figura 8 Degradação superficial da alvenaria (cortesia Dora Silveira). 17

18 2.4.2 Causas comuns Poluição: em zonas urbanas; Ciclos de gelo-degelo: em zonas de grande variação térmica atacam a integridade dos blocos ou unidades de alvenaria; Presença de água: com consequências mais graves ao nível do piso térreo Soluções de reabilitação Reconstrução da parede utilizando blocos recuperados Quando a degradação se manifesta sobretudo nas juntas de argamassa, é possível reconstruir a parte afetada da parede utilizando os blocos ou unidades originais. Os blocos (ou unidades) desagregados são removidos, havendo o cuidado de escorar a parede nos pontos necessários. Após limpeza, os blocos são reaplicados na parede, com uma nova argamassa de assentamento, restabelecendo assim as condições iniciais da alvenaria. Nesta ação é necessário garantir a compatibilidade entre a nova argamassa e os elementos que vão ser reutilizados Reconstrução da parede utilizando blocos novos Quando a degradação se manifesta sobretudo ao nível dos blocos ou unidades, a solução mais adequada poderá ser substituir os blocos degradados por outros semelhantes e compatíveis com o existente. Se possível, recomenda-se a utilização de blocos provenientes de outras construções devolutas. Inicia-se com a remoção dos blocos degradados e/ou, se necessário, demolição de secções afetadas da parede. Esta é depois reconstruída utilizando blocos novos, com o cuidado de assegurar a compatibilidade entre a alvenaria nova e a existente Consolidação e reforço da parede Quando a degradação da alvenaria é apenas superficial, não pondo em causa a integridade quer do bloco (ou unidade), quer da junta de argamassa, a solução pode passar pela aplicação de um novo reboco, que pode ser armado com uma malha de reforço (por exemplo metálica, de pvc ou em fibra de vidro), de modo a melhorar as propriedades mecânicas do conjunto. 18

19 Figura 9 Reforço de parede com malha sintética [1]. A superfície da argamassa deve ser limpa e, se necessário, poderá ser aplicado um primário à base de epóxi a fim de melhorar a aderência do novo reboco. A malha de reforço é aplicada e devidamente ancorada à parede com conectores adequados para o efeito. Por fim, é aplicado um reboco de argamassa compatível com a alvenaria existente. 2.5 Rotação das paredes para fora do plano Descrição/formas de manifestação Surge associada à presença de vãos de grandes dimensões, geralmente vencidos em arco, e também a asnas de cobertura. Manifesta-se geralmente sob a forma de desaprumo das paredes de fachada com eventual separação destas relativamente às paredes ortogonais Causas comuns Forças horizontais que solicitam as paredes para fora do seu plano, geralmente devidas a descargas de arcos e de asnas de coberturas, e também a ações sísmicas Soluções de reabilitação Nestes casos, a solução a adotar terá sempre como objetivo contrariar os movimentos que se desenvolvem para fora do plano das paredes Melhoria da ligação entre paredes e piso/cobertura Esta solução tira partido do vigamento existente (vigas de piso e/ou da cobertura), 19

20 ligando as paredes a estes elementos que passam a restringir os movimentos que se podem desenvolver para fora do plano das paredes. A aplicação desta solução poderá passar pela execução de furações nas paredes para realizar a ligação destas às vigas dos pisos e/ou linhas das asnas. Após limpeza dos furos são realizadas as ancoragens, por exemplo com recurso a buchas químicas. Observações: Caso o vigamento existente não seja suficiente para garantir o desempenho desejado para a ligação, esta pode ser complementada com a introdução de novos elementos de acordo com o descrito em Aplicação de tirantes ao nível do piso/cobertura A aplicação de tirantes ao nível dos pisos ou da cobertura (consoante a situação em causa) a ligar paredes opostas tem como objetivo restringir os movimentos que se podem desenvolver nas paredes para fora do seu plano. Figura 10 Aplicação de tirantes ao nível do piso [2]. A aplicação inicia-se com a execução de ancoragens, normalmente trespassantes, nas paredes a ligar. Os tirantes, normalmente metálicos, são depois presos a conectores de modo a promoverem uma boa ligação entre as paredes. 20

21 3. ANOMALIAS EM PAVIMENTOS Os pavimentos de edifícios tradicionais de alvenaria são geralmente constituídos por elementos de madeira. Em alguns casos particulares podem ainda ser realizados em alvenaria (como o caso dos pisos em abóbada ou arco). Nesta parte serão apenas tratadas as anomalias em pavimentos de madeira. 3.1 Deformação excessiva Descrição/formas de manifestação Grandes deformações dos elementos resistentes, nomeadamente das vigas e barrotes, percetíveis a olho nu Causas comuns Deficiências de projeto: o dimensionamento da solução foi mal executado, culminando em secções de dimensão insuficiente; Mudança de utilização do piso: ao longo do tempo de vida do edifício o tipo de utilização foi alterado, passando o piso a estar sujeito a cargas para as quais não foi dimensionado; Execução de tetos falsos demasiado pesados e por vezes com tubagens de equipamentos de AVAC ancorados à estrutura do piso Soluções de reabilitação Reforço dos elementos resistentes principais Consiste no reforço dos elementos existentes, normalmente as vigas principais dos pavimentos, por exemplo através da adição de novos elementos (em madeira, aço ou materiais compósitos) ou da substituição integral do elemento existente. A adição de elementos de reforço deve ser feita de modo a garantir um funcionamento conjunto dos novos elementos com os elementos existentes: Caso o reforço seja realizado em madeira ou aço, os novos elementos devem ser colados com cola especial para o efeito. Poderá ainda recorrer-se a fixações mecânicas adicionais, pregos ou parafusos, nas zonas em que tal se revele necessário; No caso de reforço com materiais compósitos, estes devem ser solidarizados através de resinas próprias para o efeito. 21

22 3.2 Ataques biológicos Descrição/formas de manifestação Fungos de podridão e bolores, que numa fase mais avançada podem conduzir a uma diminuição da secção resistente do vigamento dos pisos Causas comuns Presença de água, associada a um aumento de temperatura, resultando em condições favoráveis ao desenvolvimento de insetos xilófagos como térmitas e carunchos. Observações: Estas anomalias são geralmente de maior gravidade na zona da entrega dos elementos de madeira dos pisos nas paredes, uma vez que esta zona é particularmente suscetível ao aparecimento de infiltrações a partir de caixilharias, paredes ou coberturas. Figura 11 Elementos de madeira atacados por carunchos [3] Soluções de reabilitação Tratamento e reforço dos elementos de madeira Primeiro devem ser identificados e analisados os pontos que permitiram a entrada de água, e cessado o ataque dos agentes biológicos. Para este efeito deverá ser aplicado um produto adequado ao tipo de agente em questão (por exemplo do tipo inseticida, fungicida ou anti térmitas). Deve depois proceder-se ao reforço dos elementos estruturais nas zonas em que se verifique ser necessário. A necessidade de reforço deve ser determinada com base na avaliação da secção resistente da madeira, o que pode ser feito recorrendo a equipamento do tipo registograph, o qual permite avaliar a profundidade do ataque sofrido pela madeira. Nos locais onde a secção seja considerada insuficiente, a reabilitação do elemento afetado poderá ser feita recorrendo a empalmes de madeira ou às técnicas descritas em (quando aplicáveis). Nos casos em que o ataque seja generalizado, poderá eventualmente ser mais viável proceder à substituição 22

23 integral do pavimento, quer em termos económicos quer de execução. 4. ANOMALIAS EM COBERTURAS As coberturas de edifícios tradicionais de alvenaria são na sua grande maioria realizadas em estrutura de madeira, com esquemas estruturais variados (desde sistemas de barrotes com descarga direta em parede ou vigas de frechal, a asnas compostas de modo a vencer grandes vãos). O sistema estrutural mais comum é realizado em asnas simples com apoio direto em paredes de alvenaria. 4.1 Deformação excessiva Descrição/formas de manifestação Grandes deformações dos elementos resistentes e curvatura acentuada na pendente da cobertura, percetíveis a olho nu. Os elementos estruturais mais afetados são geralmente a linha das asnas e os barrotes nos sistemas mais simples. Figura 12 Deformação excessiva da estrutura de suporte da cobertura (cortesia Dora Silveira). 23

24 4.1.2 Causas comuns Deficiências de projeto: o dimensionamento da solução foi mal executado, culminando em secções de dimensão insuficiente; Alterações na cobertura: ao longo do tempo de vida do edifício o tipo de revestimento da cobertura foi alterado, aumentando a carga a que a estrutura está sujeita para níveis superiores à carga para a qual foi dimensionada Soluções de reabilitação Reforço dos elementos resistentes principais Consiste no reforço dos elementos existentes, normalmente as pernas das asnas ou barrotes dos sistemas simples de cobertura, por exemplo através da adição de novos elementos (em madeira, aço ou materiais compósitos) ou da substituição integral do elemento resistente existente por outro de melhor resistência. Deverá ser tido em conta o referido em Ataques biológicos Ver

25 PARTE II. EDIFÍCIOS DE BETÃO ARMADO 1. ANOMALIAS EM FUNDAÇÕES (SUPERFICIAIS) As fundações de edifícios de betão armado podem ser superficiais (sapatas isoladas, na generalidade dos casos, podendo também surgir ensoleiramentos) ou profundas (realizadas com estacas de betão armado na maioria dos casos). Dada a complexidade e especificidade das situações correspondentes às fundações profundas e ensoleiramentos gerais, estes não são tratados neste guia. Devido à sua localização, as anomalias desenvolvidas nas fundações são por vezes difíceis de detetar, especialmente quando os seus efeitos não se manifestam imediatamente na parte exposta do edifício. Quando detetadas anomalias, é imperativo avaliar as condições de segurança das fundações. Para tal é geralmente necessário proceder à abertura de poços ou valas de inspeção, procedimentos estes que são muitas vezes de difícil execução e que causam transtorno na utilização do edifício. 1.1 Assentamento de fundações devido ao comportamento do terreno de fundação Ver 1.1 na parte I. 1.2 Assentamento de fundações devido à deterioração dos materiais constituintes Descrição/formas de manifestação Assentamento uniforme ou diferencial das fundações (ver na parte I) Causas comuns Resulta da deterioração dos materiais constituintes da fundação, a qual se pode dever a: 25

26 Presença de água, que quando associada à existência de fissuras nas fundações cria condições para o desenvolvimento de corrosão das armaduras; Deterioração do betão Soluções de reabilitação Alargamento das sapatas no seu plano Nos casos em que o assentamento não tenha diminuído a resistência da sapata, a solução pode passar pelo alargamento da sapata com recurso a betão armado. Este processo deverá ser iniciado pela escavação de valas laterais à fundação para permitir o acesso a esta. Posteriormente deverá ser realizada uma limpeza do betão degradado da sapata, colocada a nova armadura periférica (garantindo pontos de ligação com a armadura existente), e realizada a nova betonagem Alargamento e reforço das sapatas com rebaixamento Nos casos em que o assentamento da fundação tenha causado a diminuição da resistência da sapata, a solução de alargamento da sapata ( ) deve ser combinada com um reforço em betão armado aplicado sob ou sobre a sapata existente. 2. ANOMALIAS EM PILARES 2.1 Fissuração Descrição/formas de manifestação As fissuras poderão ser acompanhadas da queda do betão de recobrimento com consequente exposição das armaduras (Figura 13), criando condições favoráveis ao desenvolvimento de corrosão das armaduras. 26

27 Figura 13 - Fissuração em pilar com exposição da armadura (cortesia José Melo) Causas comuns São várias as causas, que atuando sozinhas ou em conjunto podem resultar no desenvolvimento de fissuração. Por exemplo: Cargas atuantes superiores às previstas na fase de projeto, devido a utilização indevida da estrutura ou a erros de projeto/execução; Deterioração do betão; Erros de projeto, resultando em inadequada capacidade resistente aos esforços atuantes; Ações acidentais (choques, explosões, incêndios, sismos, etc.) Soluções de reabilitação Observações: Nos casos em que se verifique corrosão das armaduras, deve proceder-se ao seu tratamento. Se a corrosão for muito pronunciada deve ponderar-se a instalação de nova armadura Encamisamento com betão armado Consiste no reforço do pilar através do aumento da sua secção pela aplicação de uma 27

28 nova armadura, na sua periferia (normalmente a envolver toda a secção do pilar), embebida numa nova camada de betão. Em função da quantidade e detalhe da armadura, bem como da pormenorização da sua ligação aos nós/fundação, o reforço pode ser desenvolvido para diferentes esforços (axial, flexão, corte). É uma solução de fácil aplicação, tendo ainda como vantagem o facto de utilizar materiais correntes. No entanto, por razões arquitetónicas o aumento da secção dos elementos poderá não ser sempre desejável. Nestes casos poderá recorrer-se a outras técnicas, tais como as referidas em e Figura 14 Encamisamento de pilar com betão armado (cortesia José Melo). A aplicação desta solução inicia-se pela preparação da superfície, o que pode envolver a limpeza e remoção do betão degradado, o aumento da rugosidade da superfície, a limpeza de poeiras e, se necessário, o tratamento da armadura existente. Estas operações visam melhorar a ligação entre o existente e os novos a elementos a aplicar. É depois instalada a nova armadura e realizada a betonagem da nova camada de betão. A eficiência desta solução depende da ligação entre o betão existente e o betão a aplicar Reforço com recurso a elementos metálicos Consiste no reforço do pilar através da aplicação de chapas metálicas a envolver a sua secção, podendo o reforço ser feito ao longo de todo o comprimento do pilar ou apenas pontualmente. Em função das dimensões dos elementos metálicos, bem 28

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras.

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. 9.7 Notas sobre Desenhos de Projecto 9.7.1 Observações Gerais Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. Os desenhos de dimensionamento

Leia mais

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Construção civil Execução de obras, tais como moradias, edifícios, pontes, barragens, estradas, aeroportos e outras

Leia mais

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL M.T. BRAZ CÉSAR Assistente IPBragança Bragança Portugal

Leia mais

A crescente necessidade de preservar as estruturas em boas condições de operacionalidade tem despertado o interesse no campo da reabilitação.

A crescente necessidade de preservar as estruturas em boas condições de operacionalidade tem despertado o interesse no campo da reabilitação. INTRODUÇÃO A crescente necessidade de preservar as estruturas em boas condições de operacionalidade tem despertado o interesse no campo da reabilitação. Cada vez mais os diferentes tipos de estrutura ganham

Leia mais

Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves. Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt

Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves. Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt Tipos de Fundações Técnicas de Reforço Técnicas de Execução de Caves Casos Práticos Considerações Finais Tipos de Fundações

Leia mais

A Sustentabilidade nos Projectos de Reabilitação de Edifícios

A Sustentabilidade nos Projectos de Reabilitação de Edifícios ENEC 2011 Encontro Nacional de Engenharia Civil A Sustentabilidade nos Projectos de Reabilitação de Edifícios João Appleton 21 de Maio de 2011 A sustentabilidade corresponde a um conceito recente que,

Leia mais

Patologia em Revestimentos de Fachada

Patologia em Revestimentos de Fachada PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Revestimentos de 1 Nome:Fernando Marques Ribeiro Matricula: 27667 Docente: Orlando Carlos B. Damin Artigo: Fonte: Editora: Ordem dos Engenheiros Região Norte / 2011 Autores: Ana

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO Estado de Conservação Exterior FICHA N.º: 01 ID EDIFÍCIO: 42904 1. LOCALIZAÇÃO Zona em estudo: Vila do Olival Freguesia: Gondemaria e Olival Rua / Av. / Pc.: Rua Cimo

Leia mais

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FUNÇÕES E EXIGÊNCIAS FUNCIONAIS Como especificar revestimentos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CONSTRUTIVA E DE ANOMALIAS CORRENTES NOS EDIFÍCIOS DE ALVENARIA DE ADOBE O Caso de Estudo de Aveiro

CARACTERIZAÇÃO CONSTRUTIVA E DE ANOMALIAS CORRENTES NOS EDIFÍCIOS DE ALVENARIA DE ADOBE O Caso de Estudo de Aveiro CARACTERIZAÇÃO CONSTRUTIVA E DE ANOMALIAS CORRENTES NOS EDIFÍCIOS DE ALVENARIA DE ADOBE O Caso de Estudo de Aveiro Carina Fonseca Ferreira * carinafferreira@ua.pt Aníbal Costa agc@ua.pt Romeu Vicente romvic@ua.pt

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DO MODO DE EXECUÇÃO DA OBRA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DO MODO DE EXECUÇÃO DA OBRA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DO MODO DE EXECUÇÃO DA OBRA 1 Obra O presente trabalho refere-se à reabilitação de um aglomerado de habitações em adiantado estado de degradação numa herdade do Alentejo

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES SANITÁRIAS GUIA PARA A REABILITAÇÃO INSTALAÇÕES SANITÁRIAS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria Oliveira & Irmão, S.A. Índice 0. Preâmbulo 5 1. Anomalias no Autoclismo da

Leia mais

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR

REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR António Costa REFORÇO COM PRÉ-ESFORÇO EXTERIOR Aplicação Alteração do sistema estrutural Aumento da capacidade resistente Correcção do comportamento em serviço Exemplos

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

GECoRPA CLASSIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DA ÁREA DA CONSERVAÇÃO DO PATRIMÓNIO ARQUITETÓNICO E DA REABILITAÇÃO DE CONSTRUÇÕES ANTIGAS

GECoRPA CLASSIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DA ÁREA DA CONSERVAÇÃO DO PATRIMÓNIO ARQUITETÓNICO E DA REABILITAÇÃO DE CONSTRUÇÕES ANTIGAS GECoRPA CLASSIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DA ÁREA DA CONSERVAÇÃO DO PATRIMÓNIO ARQUITETÓNICO E DA REABILITAÇÃO DE CONSTRUÇÕES ANTIGAS Grupo I PROJETO, FISCALIZAÇÃO E CONSULTORIA Categoria I.1. Conservação e Restauro

Leia mais

Pedra Natural em Fachadas

Pedra Natural em Fachadas Pedra Natural em Fachadas SELEÇÃO, APLICAÇÃO, PATOLOGIAS E MANUTENÇÃO Real Granito, S.A. Índice Características típicas dos diferentes tipos de Rochas Ensaios para a caracterização de produtos em Pedra

Leia mais

DRENAGEM E APROVEITAMENTO DAS ÁGUAS PLUVIAIS

DRENAGEM E APROVEITAMENTO DAS ÁGUAS PLUVIAIS GUIA PARA A REABILITAÇÃO DRENAGEM E APROVEITAMENTO DAS ÁGUAS PLUVIAIS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria Oliveira & Irmão S.A. Índice 1. Anomalias no Sistema

Leia mais

Cidade antiga: conhecer e agir. Da diversidade dos desafios ao desafio da diversidade na Alta e Baixa de Coimbra.

Cidade antiga: conhecer e agir. Da diversidade dos desafios ao desafio da diversidade na Alta e Baixa de Coimbra. Universidade J. Mendes de da Coimbra Silva Cidade antiga: conhecer e agir. Da diversidade dos desafios ao desafio da diversidade na Alta e Baixa de Coimbra. José Ant. Raimundo Mendes da Silva raimundo@dec.uc.pt

Leia mais

O PATRIMÓNIO CULTURAL CONSTRUÍDO FACE AO RISCO SÍSMICO INTERVIR

O PATRIMÓNIO CULTURAL CONSTRUÍDO FACE AO RISCO SÍSMICO INTERVIR 1 INTERVIR NAS 1. 2. TÉCNICAS REFORÇO 3. DISPOSITIVOS LIGAÇÃO Ã NIKER 4. MECANISMO COLAPSO. COLAPSO MÉTODO - ESTUDO CASO ESTUDO CASO O PATRIMÓNIO CULTURAL CONSTRUÍDO FACE AO RISCO SÍSMICO INTERVIR 1. INTERVIR

Leia mais

Técnicas de Reforço a Usar numa Construção Tradicional Danificada pelo Sismo de 9/7/98 na Ilha do Faial, Açores

Técnicas de Reforço a Usar numa Construção Tradicional Danificada pelo Sismo de 9/7/98 na Ilha do Faial, Açores Técnicas de Reforço a Usar numa Construção Tradicional Danificada pelo Sismo de 9/7/98 na Ilha do Faial, Açores Aníbal Costa Professor Associado da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Porto,

Leia mais

Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono

Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono Roberta Aparecida Tomaz, Flavia Lopes Soares, Paulo Henrique Maciel Barbosa Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix / roberta.tomaz2013@gmail.com

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 04.002 Versão nº 1 Sika CarboShear L Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil CAP. XV ESTACAS CRAVADAS 1/47 1. INTRODUÇÃO 2/47 1 1. INTRODUÇÃO Pré-fabricadas Estacas cravadas Fundações indirectas (profundas) Alternativa às estacas moldadas 3/47 1. INTRODUÇÃO Processo pouco utilizado

Leia mais

Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra. Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas

Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra. Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas Concurso Público para a Empreitada de Forte da Graça Obras de 1ª Intervenção Câmara Municipal de Elvas Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas Não

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO ESTRUTURAL EM COBERTURAS DE MADEIRA O caso da Escola Secundária Rodrigues de Freitas

DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO ESTRUTURAL EM COBERTURAS DE MADEIRA O caso da Escola Secundária Rodrigues de Freitas DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO ESTRUTURAL EM COBERTURAS DE MADEIRA O caso da Escola Secundária Rodrigues de Freitas Tiago Ilharco * tiagoid@fe.up.pt Luís Martins Luís.martins@parque-escolar.min-edu.pt Esmeralda

Leia mais

SEGURANÇA SÍSMICA DAS CONSTRUÇÕES INFORMAÇÃO DE SUPORTE COM RECURSO A ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS IN-SITU

SEGURANÇA SÍSMICA DAS CONSTRUÇÕES INFORMAÇÃO DE SUPORTE COM RECURSO A ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS IN-SITU Seminário - Reabilitação Sísmica dos Edifícios Lisboa, 3 de Junho de 2011 SEGURANÇA SÍSMICA DAS CONSTRUÇÕES INFORMAÇÃO DE SUPORTE COM RECURSO A ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS IN-SITU Carlos Mesquita, Engº. /

Leia mais

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS Hélder Maurício Antunes Cruz * a40472@alunos.uminho.pt José Barroso de Aguiar aguiar@civil.uminho.pt Resumo A presente comunicação reflecte um estudo na

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 RUBIN, Ariane P. 2 ; CERVO, Fernanda 3 ; PALMA, Cleomar 4 ; ALMEIDA, Leonardo 5 ; QUERUZ, Francisco 6 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Arquitetura

Leia mais

N.19 Agosto 2003 ESTUTURAS MISTAS. Mário Fernandes Patrícia Carvalho Ricardo Gouveia Ricardo Gouveia Rute Rodrigues

N.19 Agosto 2003 ESTUTURAS MISTAS. Mário Fernandes Patrícia Carvalho Ricardo Gouveia Ricardo Gouveia Rute Rodrigues N.19 Agosto 2003 ESTUTURAS MISTAS Mário Fernandes Patrícia Carvalho Ricardo Gouveia Ricardo Gouveia Rute Rodrigues EDIÇÃO: CONSTRULINK PRESS Construlink, SA Tagus Park, - Edifício Eastecníca 2780-920 Porto

Leia mais

Redimensionar. Remodelar. Reforçar. Reabilitar

Redimensionar. Remodelar. Reforçar. Reabilitar UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CONSTRUÇÃO E PROCESSOS Tema 5 Remodelação de Edifícios Remodelação de Edifícios Património histórico ou arquitectónico; Novas necessidades funcionais;

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

RECUPERAÇÃO DO PALÁCIO SOTTO MAYOR ESCAVAÇÃO, CONTENÇÃO E RECALÇAMENTO. Recuperação do Palácio Sotto Mayor em Lisboa

RECUPERAÇÃO DO PALÁCIO SOTTO MAYOR ESCAVAÇÃO, CONTENÇÃO E RECALÇAMENTO. Recuperação do Palácio Sotto Mayor em Lisboa RECUPERAÇÃO DO PALÁCIO SOTTO MAYOR ESCAVAÇÃO, CONTENÇÃO E RECALÇAMENTO ÍNDICE Introdução Principais Condicionamentos Soluções Adoptadas Plano de Instrumentação e Observação Considerações Finais Palácio

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. DADOS GERAIS: 1.1. Proprietário: Município de Estação/RS CNPJ: 92.406.248/0001-75 1.2. Obra: Cobertura Metálica da Escola Municipal de Ensino Fundamental Pedro Cecconelo 1.3. Local:

Leia mais

ENGº DANIEL GARCIA DE GARCIA LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA - FORO DA COMARCA PELOTAS

ENGº DANIEL GARCIA DE GARCIA LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA - FORO DA COMARCA PELOTAS ENGº DANIEL GARCIA DE GARCIA LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA - FORO DA COMARCA PELOTAS PORTO ALEGRE MARÇO DE 2013 DADOS DO SERVIÇO: Cliente: DEAM - TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL FORO DA

Leia mais

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Curso de Multiplicadores em Florianópolis, 24/02/2010 Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Eng. Geotécnica Regina Davison Dias, D.Sc. NUGEOTEC/CENTRO TECNOLÓGICO/UNISUL 24/02/2010 UNISUL

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 3 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO ESTRATÉGIAS DE CONSERVAÇÃO Critérios de decisão, técnicas

Leia mais

Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas

Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas Reparação dos Pórticos das Pontes Rolantes do Parque de Chapas António Costa Avaliação do Estado da Estrutura Objectivos: Definir o tipo e as causas da deterioração Definir o nível de deterioração Prever

Leia mais

Estoril Sol Residence, Cascais

Estoril Sol Residence, Cascais Estoril Sol Residence, Cascais 1 O Conceito O Estoril Sol Residence situa-se na Avenida Marginal em Cascais. Está implantado nos terrenos do antigo Hotel Estoril-Sol. A opção arquitetónica desenvolvida

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 PATOLOGIAS EM OBRAS DE MADEIRA . A degradação de elementos de madeira surge como resultado da ação de agentes físicos, químicos, mecânicos ou biológicos aos quais

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé RELATÓRIO TÉCNICO Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé Trabalho realizado para: Câmara Municipal de Alfandega da Fé Trabalho realizado por: António Miguel Verdelho Paula Débora Rodrigues de

Leia mais

Técnicas de Demolições. Construções Antigas. Construções com Estrutura de Betão Armado

Técnicas de Demolições. Construções Antigas. Construções com Estrutura de Betão Armado UNIVERSIDADE DO ALGARVE INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA CONSTRUÇÃO E PROCESSOS Tema 4 Demolições de Edifícios Técnicas de Demolições Construções Antigas Construções com Estrutura de Betão Armado 1 Construções

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GUIA PARA A REABILITAÇÃO REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

NOVOS Webinários Arktec

NOVOS Webinários Arktec NOVOS Webinários Arktec Webinários Arktec Sugestões para os seus projetos Information Technology Solutions NOVOS Webinários U M Ú N I C O P R O G R A M A Arktec Tricalc é um único programa que calcula

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2.1. Introdução Os materiais estruturais podem ser divididos em quatro grupos: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos (Gibson, 1993). Em

Leia mais

REABILITAÇÃO DA ABÓBADA DA CAPELA-MOR DA IGREJA DE N.ª S.ª DA GRAÇA

REABILITAÇÃO DA ABÓBADA DA CAPELA-MOR DA IGREJA DE N.ª S.ª DA GRAÇA REABILITAÇÃO DA ABÓBADA DA CAPELA-MOR DA IGREJA DE N.ª S.ª DA GRAÇA J. MASCARENHAS L. BELGAS F.G. BRANCO Prof. Eng.ª Civil Prof. Eng.ª Civil Prof. Eng.ª Civil IPT IPT Univ. Lúrio Tomar; Portugal Tomar;

Leia mais

TÓPICO 2 Reabilitação e Reforço das Estruturas

TÓPICO 2 Reabilitação e Reforço das Estruturas TÓPICO 2 Reabilitação e Reforço das Estruturas Inspecção, Diagnóstico e Reforço de coberturas antigas de madeira. O caso da Escola Secundária Rodrigues de Freitas Ilharco, T. 1,a, Paupério, E. 2,b, Costa,

Leia mais

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MEMÓRIA DE CÁLCULO ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Hipóteses

Leia mais

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Sapatas Arame Recozido Trançadinho Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo Bekaert Malhas Top Telas Soldadas

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO TUBULÕES A CÉU ABERTO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-06/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a cravação e

Leia mais

PROCESSO DE MONITORIZAÇÃO ADOPTADO NA RECONS- TRUÇÃO DO PANO DE MURALHA SE DO BALUARTE DO CAVALEIRO EM CHAVES

PROCESSO DE MONITORIZAÇÃO ADOPTADO NA RECONS- TRUÇÃO DO PANO DE MURALHA SE DO BALUARTE DO CAVALEIRO EM CHAVES Revista da Associação Portuguesa de Análise Experimental de Tensões ISSN 1646-7078 PROCESSO DE MONITORIZAÇÃO ADOPTADO NA RECONS- TRUÇÃO DO PANO DE MURALHA SE DO BALUARTE DO CAVALEIRO EM CHAVES J. T. Q.

Leia mais

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes SUPRSTRUTUR s estruturas dos edifícios, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade é suportar e distribuir as cargas, permanentes e acidentais, atuantes

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

PROJETO PARA FECHAMENTO DE QUADRA DE ESPORTES E.E.B MARIA DO ROSÁRIO

PROJETO PARA FECHAMENTO DE QUADRA DE ESPORTES E.E.B MARIA DO ROSÁRIO PROJETO PARA FECHAMENTO DE QUADRA DE ESPORTES E.E.B MARIA DO ROSÁRIO MONTE CARLO SC JULHO DE 2015 Fazem parte deste projeto: - Projeto Arquitetônico e Detalhes. - Memorial Descritivo. - Orçamento, Cronograma.

Leia mais

Considerações Preliminares

Considerações Preliminares UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil I Fundações Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Considerações Preliminares Para se optar por uma

Leia mais

FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes)

FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes) FAQ - Frequently Asked Questions (Perguntas Frequentes) 1- Qual tipo de aço da vigota e qual a sua norma? São produzidas com aço estrutura ZAR 345, com revestimento Z275, no qual segue as prescritivas

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

sistema de construção

sistema de construção sistema de construção o que é o ICF ICF é a sigla inglesa de Insulated Concrete Forms usada para designar o sistema de construção constituído por blocos isolantes em poliestireno expandido (EPS), que após

Leia mais

Aula 4 : Desenho de Estruturas

Aula 4 : Desenho de Estruturas Aula 4 : Desenho de Estruturas Índice: UNIDADE 4 DESENHO DE ESTRUTURAS 4.1 Introdução; Fundações: - São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

- Generalidades sobre laje Treliça

- Generalidades sobre laje Treliça - Generalidades sobre laje Treliça São lajes em que a viga pré-fabricada é constituída de armadura em forma de treliça, e após concretada, promove uma perfeita solidarização, tendo ainda a possibilidade

Leia mais

GEF JSTC, Arquitectos FDO 2010

GEF JSTC, Arquitectos FDO 2010 6. ANEXOS Edifícios Paço do Duque Lisboa O conjunto é formado por 3 edifícios (A a C), dos quais um integralmente novo, com 5 caves e 8 pisos elevados, com estrutura maioritariamente em betão armado e

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. 1 semestre/2012

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. 1 semestre/2012 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÃO TEORIA EC8P30/EC9P30 FUNDAÇÕES PROFUNDAS 1 semestre/2012 1. ESTACAS DE DESLOCAMENTO São aquelas introduzidas no terreno através de algum processo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL

MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL I SERVIÇOS DE ENGENHARIA Constitui objeto do presente memorial descritivo uma edificação para abrigar segura e adequadamente equipamentos de rede estabilizada, Grupo Moto-gerador

Leia mais

TEMA 2 Reabilitação e reforço de estruturas

TEMA 2 Reabilitação e reforço de estruturas TEMA 2 Reabilitação e reforço de estruturas SÍNTESE DAS ANÁLISES ESTRUTURAIS REALIZADAS EM 35 EDIFÍCIOS DO CONJUNTO RESIDENCIAL ARTHUR LUNDGREN NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE-PE José Afonso Pereira

Leia mais

Agosto de 2006. MBrace ARI DE PAULA MACHADO

Agosto de 2006. MBrace ARI DE PAULA MACHADO Agosto de 2006 O Sistema Composto 1 CARACTERISTICAS DA FIBRA DE CARBONO UTILIZADA NO SISTEMA Fibra de Carbono do Sistema 2 SISTEMAS COMPOSTOS ESTRUTURADOS COM FIBRAS DE CARBONO FIBRA DE CARBONO MATRIZ

Leia mais

TÉCNICAS DE REABILITAÇÃO EM ESTRUTURAS DE MADEIRA

TÉCNICAS DE REABILITAÇÃO EM ESTRUTURAS DE MADEIRA TÉCNICAS DE REABILITAÇÃO EM ESTRUTURAS DE MADEIRA Maria de Lurdes B. C.Reis > Professora-Adjunta, Departamento de Engenharia Civil, Instituto Politécnico de Tomar > lbelgas@ipt.pt Fernando G. Branco >

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

DESENHO E ARQUITETURA COBERTURA E NOÇÕES DE ESTRUTURA

DESENHO E ARQUITETURA COBERTURA E NOÇÕES DE ESTRUTURA CURSO TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS DESENHO E ARQUITETURA COBERTURA E NOÇÕES DE ESTRUTURA Elisa Furian elisafurian@outlook.com COBERTURAS Constituem estruturas de múltipla função que tem por objetivo:

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL João F. Almeida Júlio Appleton Tiago Abecassis João N. Silva José N. Camara Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil JSJ, IST AP, IST TALPROJECTO AP JSJ,

Leia mais

Listagem de Erros e Omissões

Listagem de Erros e Omissões Listagem de Erros e Omissões - No ponto 13 do caderno de encargos - Critérios de adjudicação, factor preço, uma fórmula matemática, em que uma das parcelas, nomeadamente a PREm - o menor preço proposto,

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montagem Paredes com estrutura metálica W11 Construção A paredes consistem de uma estrutura metálica revestida com uma mais s de gesso, aparafusadas de ambos os lados. A estrutura metálica

Leia mais

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS MÔNICA DANTAS

Leia mais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais CAD 2 Rua Comendador Santos da Cunha, 304, Ap. 2330 4701-904 Braga Tel: 00 351 253 20 94 30 Fax: 00

Leia mais

CRIATIVIDADE VERSUS REGULAMENTAÇÃO DOIS PROJECTOS Adriana Floret

CRIATIVIDADE VERSUS REGULAMENTAÇÃO DOIS PROJECTOS Adriana Floret DOIS PROJECTOS Adriana Floret Existente Existente localização 1. EDIFÍCIO DOS LÓIOS C.H. PORTO Existente Existente localização 1. EDIFÍCIO DOS LÓIOS C.H. PORTO Existente 1ª Visita a obra: Construtivamente:

Leia mais

CAPÍTULO VI SISTEMAS DE ENTIVAÇÃO

CAPÍTULO VI SISTEMAS DE ENTIVAÇÃO CAPÍTULO VI SISTEMAS DE ENTIVAÇÃO 6.1 TALUDES A utilização de taludes pode apresentar-se como alternativa á utilização de um sistema de entivação. O aspecto fundamental a ter em conta para optar pela utilização

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

Gestão da Construção. Especificações, medições e regras de medição. Gestão da Construção

Gestão da Construção. Especificações, medições e regras de medição. Gestão da Construção Especificações, medições e regras de medição 2006/2007 PEÇAS DE PROJECTO PEÇAS ESCRITAS Na prática corrente, os elementos de um projecto classificam-se da seguinte forma: Peças escritas; Peças desenhadas.

Leia mais

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis CONCEITO O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis estruturais capazes de resistir às cargas verticais (telhados e pavimentos), perpendiculares

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA COBERTURA DE QUADRA POLIESPORTIVA

Leia mais

Mestrado em Construções Civis

Mestrado em Construções Civis Mestrado em Construções Civis Guarda, 22 de fevereiro de 2015 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Objetivos do ciclo de estudos... 4 2.1. Objetivos gerais... 4 2.2. Objetivos específicos... 4 3. Competências

Leia mais

TT32 REFORÇO ESTRUTURAL COM FIBRA DE CARBONO

TT32 REFORÇO ESTRUTURAL COM FIBRA DE CARBONO TT32 REFORÇO ESTRUTURAL COM FIBRA DE CARBONO GILBERTO COURI ENGENHEIRO CIVIL (PUC/RJ), MESTRE EM CIÊNCIAS EM ENGENHARIA (PUC/RJ), DOUTORADO EM ENGENHARIA (COPPE/UFRJ). PROFESSOR TITULAR NA FACULDADE DE

Leia mais

localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo

localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo Inspecções e ensaios não destrutivos em pontes localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo Duarte Abecasis, Tiago Ribeiro OZ, Lda. Ambientes agressivos

Leia mais

TÉCNICAS DE REABILITAÇÃO DE ALVENARIAS (Versão Preliminar)

TÉCNICAS DE REABILITAÇÃO DE ALVENARIAS (Versão Preliminar) TÉCNICAS DE REABILITAÇÃO DE ALVENARIAS (Versão Preliminar) 1. PATOLOGIAS EM PAREDES DE ALVENARIA Torna-se necessário efectuar a distinção entre patologias inerentes ao comportamento estrutural (aspectos

Leia mais

SISTEMA DE BARRAS ROSCADAS CORTARTEC VSP

SISTEMA DE BARRAS ROSCADAS CORTARTEC VSP SISTEMA DE BARRAS ROSCADAS CORTARTEC VSP SISTEMAS DE BARRAS ROSCADAS BARRAS ROSCADAS As caracteristicas mais significativas das barras CORTARTEC VSP são: Processo de fabricação mediante laminação a quente.

Leia mais

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011 CONSTRUÇÃO MODULAR SM Rev A 1-7-2011 1 A U.E.M. Unidade de Estruturas Metálicas, SA com 15 anos de actividade, inicialmente direccionada para a fabricação e comercialização dos módulos pré-fabricados que,

Leia mais

FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES. Tutorial. Tutorial. Tutorial. Tutorial. MULTIPLUS www.multiplus.com. MULTIPLUS www.multiplus.

FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES. Tutorial. Tutorial. Tutorial. Tutorial. MULTIPLUS www.multiplus.com. MULTIPLUS www.multiplus. Tutorial Tutorial FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES Hot Line: (11) 3337-5552 SIM /controle/acesso.asp Praça da República, 386 6º and 01045-000 São Paulo - SP Hot Line: (11) 3337-5552 SIM /controle/acesso.asp Praça da

Leia mais