PLANO DE TRABALHO 2008_2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE TRABALHO 2008_2009"

Transcrição

1 PLANO DE TRABALHO 2008_2009 Rio de Janeiro/RJ Outubro

2 S U M Á R I ORAMA: 1. Apresentação Introdução A Missão do Sistema CFA/CRAs O Conselho Regional de Administração do Rio de Janeiro Organização e Composição do CRA/RJ Unidades Administrativas Competências dos Órgãos do CRA/RJ Programa de Trabalho das Vice-Presidências (VP) Programa de Trabalho da VP de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Desenvolvimento de parcerias e eventos Interiorização do CRA/RJ Responsabilidade social empresarial Fórum da mulher Criação da Comissão de Logística Criação da Comissão de Governança Corporativa Bienal do livro de Administração Plano de comunicação do CRA/RJ 8.2 Programa de Trabalho da VP de Fiscalização e Registro Profissional. Fiscalização do exercício profissional Recadastramento de registrados Readequação da carreira do Administrador no serviço público do estado do Rio de Janeiro Redução da inadimplência Programa de Trabalho da VP de Educação, Estudos e Pesquisas... CRA/RJ vai à faculdade Revista Acadêmica de Administração RAD Pesquisa sobre o perfil profissional Administrador fluminense O profissional de Administração e as estruturas curriculares das instituições de ensino superior no estado do Rio de Janeiro e no Brasil Empresa Júnior Grupo de jovens administradores Ciclo de Palestras Ciclo de Conferências 47 2

3 8.4 Programa de Trabalho da VP de Administração e Finanças... Sede e instalações do CRA/RJ Treinamento e Desenvolvimento de pessoal do CRA/RJ Digitalização e gerenciamento eletrônico de documentos Indicadores de desempenho Auditoria interna e consultoria contábil Plano Diretor de Informática 61 3

4 1. Apresentação CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO - RJ Com satisfação, apresentamos o Plano de Trabalho para o biêno do CRA/RJ, elaborado a partir da análise dos resultados alcançados nos projetos contidos no Plano de Trabalho de 2007 e das finalidades precípuas definidas no art. 8º da Lei 4769/65. Durante sua execução, o Plano de Trabalho poderá sofrer pequenas modificações com a intenção de adequá-lo às necessidades do CRA/RJ, dos Administradores e da Sociedade ou mesmo para atender às mudanças ocorridas na legislação vigente. O Plano de Trabalho constitui-se de um conjunto de projetos no qual são descritas as justificativas, a sua implementação, os objetivos a serem alcançados e metas, sempre que possível quantificáveis e mensuráveis. Sinteticamente, ao final de cada projeto, há a descrição das ações que serão desenvolvidas ao longo do biênio para alcançar o resultado esperado, buscando a defesa dos interesses do Administrador e o reforço da sua importância profissional junto à sociedade, visando ainda: a) Intensificar a Fiscalização; b) Fortalecer a categoria; c) Ampliar a visibilidade da profissão (Marketing da Profissão); d) Ampliar a integração institucional (parcerias); e) Realizar Pesquisas e Estudos Organizacionais; f) Ampliar a Empregabilidade e a Mobilidade Social do Administrador; g) Reorganizar as Delegacias Regionais; e h) Ampliar a oferta de Produtos e Serviços aos Registrados. Estão contempladas, ainda, na elaboração do Plano de Trabalho 2009 do CRA/RJ, as macroestratégias definidas no Planejamento Estratégico do Sistema CFA/CRAs 2007/2010, conforme abaixo: a) Visibilidade; b) Legitimidade; c) Internacionalização; d) Representatividade Pública; e e) Alinhamento da Identidade. O orçamento do CRA/RJ de 2009 foi estruturado para atender às demandas dos projetos contidos nos Programas de Trabalho estabelecidos para as Vice-Presidências de Planejamento e Desenvolvimento Institucional, de Administração e Finanças, de Educação, Estudo e Pesquisas e de Fiscalização e Registro Profissional. A execução dos projetos será de responsabilidade das Vice-Presidências do CRA/RJ. Adm. Rui Otávio Bernardes de Andrade Presidente - CRA/RJ nº

5 2. Introdução O Plano de Trabalho de uma entidade ou empresa deve sempre buscar a realidade e projetar os resultados a serem alcançados. Ao registrar suas ações e objetivos em projetos, uma entidade se organiza para melhor realizar e delimitar suas competências, responsabilidades ou metas, a serem atingidas em curto, médio ou longo prazos. A eficiência organizacional depende primordialmente de estratégias para se concretizar decisões previamente tomadas, com o estudo de experiências de sucesso (ou insucessos), descritas em planos anteriores. Com base nos planos que foram registrados no passado pode-se trilhar o futuro com mais embasamento teórico, além de se aprender com os erros cometidos, no intuito de não mais repetir tais falhas ou enganos. O principal objetivo do Plano de Trabalho do CRA/RJ para 2009 é a constante melhoria na utilização dos recursos humanos, financeiros e materiais, já que este estudo define com clareza os papéis que cada setor da entidade deve desempenhar. Tudo baseado na idéia de otimização, almejando resultados bem definidos, evitando-se o desperdício com a duplicidade na execução de tarefas e os conflitos internos sobre projetos que já passaram por várias etapas de discussões durante sua elaboração. Enfim, este Plano de Trabalho busca atingir um objetivo comum: a promoção da valorização da profissão de Administrador. 5

6 3. A Missão do Sistema CFA/CRAs Sistema CFA/CRAs tem como missão promover a difusão da Ciência da Administração e a valorização da profissão do Administrador, visando à defesa da sociedade. Para o cumprimento de sua missão, o Sistema CFA/CRAs acredita, respeita e aceita como orientadores os seguintes princípios: SOCIEDADE E CIDADANIA A defesa da sociedade deve ser feita em total comprometimento com a cidadania e com irrestrito cumprimento à legislação. MACROAMBIENTE As ações, atitudes e comportamentos devem guardar respeito ao ser humano, à sociedade e ao ambiente. CONHECIMENTO A valorização do conhecimento deve ser considerada fundamental para a profissão, assim como o compromisso com o avanço tecnológico e com as mudanças requeridas pela globalização, demandando a necessidade de aprimoramento contínuo. PROFISSÃO A atuação profissional do Administrador deve ser realizada com independência, mas resguardando o respeito e buscando integração com as outras profissões. PARTICIPAÇÃO A participação e o comprometimento dos Administradores são fatores que valorizam a profissão e devem ser continuamente estimulados. 6

7 4. O Conselho Regional de Administração do Rio de Janeiro Integrante do Sistema CFA/CRAs, o CRA/RJ é uma entidade civil dotada de personalidade jurídica de direito público, com autonomia técnica, administrativa e financeira, criada pela Lei Federal 4.769, de 9 de setembro de 1965, como órgão consultivo, orientador, disciplinador e fiscalizador do exercício da profissão de Administrador. Congrega atualmente cerca de 42 mil profissionais de Administração e empresas que atuam no campo da ciência administrativa. FINALIDADES PRECÍPUAS DO CRA/RJ 1. Baixar atos julgados necessários à fiel observância e execução da legislação referente à profissão do Administrador; 2. Propor ao Conselho Federal de Administração o aperfeiçoamento de atos e normas que são indispensáveis ao cumprimento de suas competências ou ao aprimoramento do exercício profissional; 3. Colaborar com os poderes públicos, instituições de ensino, sindicatos e outras entidades de classe, no estudo de problemas do exercício profissional e do ensino da Administração, propondo e contribuindo para a efetivação de medidas adequadas à sua solução e aprimoramento; 4. Celebrar convênios, contratos e acordos de cooperação técnica, científica, financeira e outros de seu interesse; 5. Dirimir dúvidas ou omissões sobre a aplicação da legislação reguladora do exercício profissional do Administrador; 6. Indicar, por decisão do seu Plenário, representantes, registrados e em dia com o CRA/RJ, para participar de órgão consultivo de entidades da administração pública direta ou indireta, de fundações, organizações públicas e privadas, quando solicitado por quem de direito; 7. Indicar delegados com funções de representação, de orientação ou de observação a congressos, seminários, convenções, encontros, concursos, exames ou eventos similares; 8. Promover estudos, pesquisas, campanhas de valorização profissional, publicações e medidas que objetivem o aperfeiçoamento técnico, científico e cultural do Administrador; 9. Desenvolver o estudo, a pesquisa e os saberes relacionados ao aperfeiçoamento contínuo dos conhecimentos destinados à melhoria da qualidade do ensino de Administração e ao desenvolvimento da ciência da Administração, integrando-os às instituições interessadas; 10. Valorizar, mediante reconhecimento público e premiações, profissionais, personalidades, empresas e instituições públicas e privadas que tenham contribuído significativamente para o desenvolvimento da ciência da Administração e da profissão do Administrador no Brasil e, em especial, na jurisdição do CRA/RJ; 11. Realizar ou apoiar programas que promovam a ampliação do mercado de atuação do Administrador e das organizações afiliadas; 7

8 12. Organizar e manter o registro dos profissionais e das organizações de que tratam os artigos 14 e 15 da Lei nº , de 9 de setembro de 1965, a Lei nº , de 30 de outubro de 1980, as Resoluções Normativas e Deliberações do CFA; e 13. Julgar as infrações e impor as penalidades referidas na Lei nº , de 9 de setembro de 1965, e na legislação vigente. AMA: 8

9 5. Organização e Composição do CRA/RJ O CRA/RJ tem a seguinte estrutura básica: Órgãos Deliberativos: a) Plenário b) Diretoria Executiva c) Tribunal Regional de Ética dos Administradores Órgãos de Direção: a) Presidência b) Vice-Presidências: Planejamento e Desenvolvimento Institucional Fiscalização e Registro Profissional Educação, Estudos e Pesquisas Administração e Finanças Órgãos Técnicos, Científicos e de Apoio: a) Câmaras Setoriais de: Fiscalização e Registro Profissional Educação Estudos e Pesquisas Desenvolvimento Institucional b) Comissão Permanente de Tomada de Contas c) Outras Comissões Permanentes d) Comissões Especiais e) Grupos de Trabalho 9

10 Plenário: Conselheiros Titulares: CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO - RJ Adm. Antonio Rodrigues de Andrade Adm. Carlos Roberto Fernandes de Araujo Adm. Fernando Guilherme Tenório Adm. Francisco Carlos Santos de Jesus Adm. Jorge Araujo Adm. Lizandro de Borborema Tourinho Adm. Paulo César Teixeira Adm. Rui Otávio Bernardes de Andrade Adm. Wallace de Souza Vieira Conselheiros Suplentes: Adm. Antonio de Vasconcelos Fragoso Adm. Dácio Antonio Machado de Souza Adm. Jacaúna de Alcântara Adm. Jonas Pinto Lobato Adm. José Jorge de Castro Adm. Mauro Takao Ikenami Adm. Regina Célia H. Vaz de Carvalho Conselheiro Federal Representante no CFA: Adm. Adilson de Almeida Diretoria Executiva: Presidente Adm. Rui Otávio Bernardes de Andrade Vice-Presidência de Planejamento e Desenvolvimento Institucional: Adm. Wallace de Souza Vieira Vice-Presidente de Administração e Finanças: Adm. Carlos Roberto Fernandes de Araujo Vice-Presidente de Educação, Estudo e Pesquisas: Adm. Antonio Rodrigues de Andrade Vice-Presidente de Fiscalização e Registro Profissional: Adm. Francisco Carlos Santos de Jesus 10

11 Câmaras Setoriais: CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO - RJ Câmara Setorial de Fiscalização e Registro Profissional: Adm. Jorge Araujo Presidente Adm. Dácio Antonio Machado de Souza Vice-Presidente Adm. Francisco Carlos Santos de Jesus Câmara Setorial de Educação: Adm. Paulo César Teixeira Presidente Adm. Regina Célia Hettenhausen Vaz de Carvalho Vice-Presidente Adm. Mauro Takao Ikenami Adm. Antonio Carlos Kronemberg Adm. Antonio Rodrigues Andrade Câmara Setorial de Estudos e Pesquisas: Adm. Fernando Guilherme Tenório Presidente Adm. Jonas Pinto Lobato Vice-Presidente Adm. Carlos César Ferreira Vargas Câmara Setorial de Desenvolvimento Institucional: Adm. Wallace de Souza Vieira Presidente Adm. Lizandro de Borborema Tourinho Vice-Presidente Adm. Antonio de Vasconcelos Fragoso Comissões Permanentes: Comissão Permanente de Tomada de Contas: Adm. Lizandro de Borborema Tourinho Adm. Fernando Guilherme Tenório Adm. Paulo César Teixeira Comissão Permanente de Licitações: Adm. Francisco Carlos Santos de Jesus Presidente Adm. Jorge Araujo Adm. Rômulo Fidélis (funcionário) Adm. Roberta Martins (pregoeira) Comissão Permanente Eleitoral do CRA/RJ: Adm. Carlos Roberto Fernandes de Araujo Adm. Antônio Carlos Kronemberger Adm. Ricardo Augusto de Matos Meira Comissões Especiais: de Inventário do Patrimônio do CRA/RJ 11

12 6. Unidades Administrativas: I- Órgãos Técnico-Administrativos: A) Superintendência Geral B) Gabinete da Presidência C) Coordenadoria de Fiscalização do Exercício Profissional D) Coordenadoria de Administração e Finanças E) Setor de Fiscalização F) Setor de Registro de Pessoa Jurídica G) Setor de Registro de Pessoa Física H) Setor de Dívida Ativa I) Setor de Documentação J) Setor de Recursos Humanos K) Setor de Tecnologia da Informação L) Setor de Delegacias M) Setor de Cobrança N) Setor de Apoio Logístico O) Setor de Contabilidade P) Setor de Tesouraria Q) Central de Atendimento II- Órgãos de Assessoramento: a) Assessoria Jurídica b) Assessoria Técnica I c) Assessoria Tecnica II d) Assessoria Técnica III e) Auditoria Interna f) Assessoria de Relações Acadêmicas g) Assessoria de Recursos Humanos III- Órgãos de Apoio: a) Secretaria da Presidência b) Secretaria Geral 12

13 7. Competências dos Órgãos do CRA/RJ Competência do Plenário do CRA/RJ É competência do Plenário: a) Elaborar e alterar o Regimento do CRA/RJ, submetendo-o ao CFA para a devida aprovação; b) Eleger e empossar os integrantes da Diretoria Executiva, das Câmaras Setoriais e das Comissões Permanentes; c) Emitir Resoluções Normativas e Deliberações que estabeleçam os procedimentos e competências no âmbito do CRA/RJ; d) Aprovar medidas visando aperfeiçoar os serviços e dar cumprimento à fiscalização do exercício profissional, conforme estabelecido na Lei nº /65, sua regulamentação e atos complementares; e) Apreciar e deliberar sobre registro, licença e cancelamento de registro de pessoas físicas e jurídicas; f) Julgar e decidir em primeira instância, na esfera administrativa, os processos de infração à legislação do exercício profissional e do Código de Ética Profissional do Administrador determinando, no que couber, a aplicação das sanções decorrentes do julgamento, na função de Tribunal Regional de Ética dos Administradores; g) Propor ao CFA medidas tendentes ao aperfeiçoamento dos serviços e da fiscalização do exercício profissional no campo da Administração; h) Aprovar a proposta orçamentária e suas reformulações, bem como outros projetos específicos que envolvam dispêndios administrativos e financeiros; i) Aprovar os balancetes mensais e, anualmente, os balanços e relatórios da gestão; j) Decidir sobre a abertura de créditos especiais e suplementares; k) Decidir sobre a aplicação de recursos disponíveis do exercício anterior, observando a legislação pertinente; l) Apreciar e decidir os pedidos de reconsideração interpostos por pessoa física e por pessoa jurídica, encaminhando os recursos ao CFA; m) Apreciar e deliberar sobre matérias administrativas, financeiras e da legislação, de caráter específico, inclusive sobre pareceres e orientações de caráter normativo; n) Homologar ou não as deliberações da Diretoria Executiva e das Câmaras Setoriais, quando ultrapassarem a respectiva competência daquelas; o) Deliberar sobre aquisição e alienação de bens, observada a legislação vigente; p) Decidir sobre descentralização administrativa e regionalização dos serviços, preferencialmente em convênio com entidades dos Administradores situadas na região de abrangência; q) Deliberar sobre critérios e condições de parcelamento de débitos, observada a legislação vigente; r) Aprovar designação de Delegados e Representantes do CRA/RJ; s) Indicar Administradores, em dia com as obrigações para com o CRA/RJ, para funcionarem como Vogais da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro; t) Homologar o Plano de Cargos e Salários e a Tabela Salarial dos Empregados do Quadro de Pessoal do CRA/RJ; 13

14 u) Cumprir e fazer cumprir a legislação e normas vigentes. Competência da Diretoria Executiva do CRA/RJ: a) Dar cumprimento às decisões aprovadas pelo Plenário, pelas Câmaras Setoriais e pelas Comissões; b) Deliberar sobre matérias administrativas, financeiras, técnicas e assuntos de interesse do CRA/RJ no âmbito de sua competência; c) Submeter à apreciação do Plenário as decisões adotadas ad-referendum; d) Distribuir à Câmara Setorial competente os projetos que, em função de sua especificidade, deverão ser decididos pelo Plenário, após estudo e parecer; e) Instituir as Comissões Especiais e os Grupos de Trabalho, homologando a designação de seus integrantes; f) Acompanhar a execução dos trabalhos técnicos e administrativos do CRA/RJ e apreciar seu desempenho, formulando sugestões para o seu aprimoramento; g) Apreciar o orçamento-programa anual do CRA/RJ, encaminhando-o ao Plenário para decisão e, após, ao CFA; h) Apreciar os balancetes mensais do CRA/RJ, submetendo-os ao Plenário; i) Apreciar o parecer relativo à análise das contas procedidas pela Comissão Permanente de Tomada de Contas, para apreciação do Plenário e posterior encaminhamento ao CFA; j) Deliberar sobre a concessão de reajustes, promoções e progressões do Quadro de Pessoal do CRA/RJ, dando conhecimento ao Plenário; k) Deliberar sobre a contratação de serviços, observada a legislação pertinente. Competência das Vice-Presidências do CRA/RJ: a) Coordenar e orientar a elaboração do programa de trabalho, na sua área de competência, envolvendo nessa atividade as unidades administrativas internas e externas associadas à atividade em questão, de modo a integrá-lo ao plano de trabalho do CRA/RJ; b) Orientar o processo destinado ao planejamento, à direção, à coordenação, ao controle, à avaliação e acompanhamento das atividades, de modo a propiciar que o conjunto plano/programas/projetos alcance níveis significativos e crescentes de eficiência, eficácia e efetividade institucional; c) Acompanhar a execução das metas pré-estabelecidas e proceder à avaliação dos resultados; d) Coordenar a preparação dos elementos necessários à formulação do relatório de gestão do CRA/RJ, colhendo informações a partir de relatórios parciais e proceder à redação dos mesmos; e) Estudar e propor medidas destinadas a suprir o conjunto plano/programas/projetos de recursos tecnológicos, físicos, administrativos e humanos necessários à sua execução; 14

15 f) Articular-se com as demais Vice-Presidências, Câmaras Setoriais, Unidades Administrativas internas/externas envolvidas no programa de trabalho da área, de modo a obter os elementos necessários ao desenvolvimento do trabalho sob responsabilidade de cada Vice-Presidência; g) Estudar e propor programas de treinamento de pessoal relacionados ao desenvolvimento profissional dos Empregados, preferencialmente quando ocorrer alterações e/ou aperfeiçoamento nas rotinas associadas a cada Vice-Presidência; h) Participar de reuniões de trabalho, cursos e eventos de interesse da Vice-Presidência; i) Estimular o intercâmbio de experiências entre os CRAs, na área de cada Vice- Presidência; j) Auxiliar o Presidente por meio do gerenciamento das articulações políticoinstitucionais; k) Auxiliar o Presidente a administrar as avaliações, acordos coletivos, promoções e demais procedimentos relativos aos Empregados do CRA/RJ, notadamente na área de cada Vice-Presidência; l) Zelar, cumprir e fazer cumprir, a legislação vigente, inclusive o Regimento do CRA/RJ, na área de atuação de cada Vice-Presidência. Câmara Setorial de Fiscalização e Registro Profissional a) Contribuir para elaborar e manter normas que visem o permanente aperfeiçoamento das atividades de fiscalização e registro profissional, nos padrões requeridos, no que se refere ao cumprimento das normas e padrões de pertinência, em conformidade aos requisitos formais estabelecidos; b) Garantir a coordenação e execução do atendimento às necessidades demandadas nos níveis das competências atribuídas à Câmara Setorial. c) Parágrafo único. Compete à Câmara setorial, como instância intermediária, entre o Plenário, a Diretoria Executiva e os órgãos de coordenação e de linha: d) Estudar e propor ações operacionais destinadas a deliberar sobre processos de fiscalização e registro profissional; e) Participar, como mediadora, nas ações conflitantes, buscando preservar o espaço do Administrador no mercado de trabalho; f) Propor soluções às instâncias superiores, quando o problema ultrapassar os limites de competências a si atribuídas. Câmara Setorial de Educação a) Estudar e propor ações que objetivam a integração entre o CRA/RJ, o Sistema CFA/ CRAs, as Instituições de Ensino Superior e órgãos afins; b) Contribuir com o MEC, através do CFA, na elaboração/ atualização dos Padrões Mínimos de Qualidade para atualização e reconhecimento dos cursos de bacharelado em Administração; c) Incentivar a inserção nos currículos plenos dos cursos de bacharelado em Administração de aspectos relacionados ao mercado de trabalho, às prerrogativas 15

16 do exercício legal da profissão e às competências, habilidades, valores e atitudes requeridos ao Administrador; d) Participar, como mediadora, nas ações conflitantes, buscando preservar o espaço do Administrador no mercado de trabalho; e e) Propor soluções às instâncias superiores quando o problema ultrapassar os limites de competências a si atribuídas. Câmara Setorial de Estudos e Pesquisas 1. Integrar-se com a comunidade acadêmica e de pesquisa, instituições públicas e privadas interessadas no desenvolvimento de estudos e pesquisas para as finalidades a que se refere o caput deste artigo; 2. Participar, como mediadora, nas ações conflitantes, buscando contribuir para o aperfeiçoamento da profissão, da Administração e das organizações; e 3. Propor soluções às instâncias superiores quando o problema ultrapassar os limites de competências a si atribuídas. Câmara Setorial de Desenvolvimento Institucional a) Estudar e propor ações operacionais destinadas a deliberar sobre processos de desenvolvimento organizacional e institucional; b) Estudar e propor soluções associadas às demandas e expectativas do meio ambiente e, sobretudo, ao comprometimento com soluções que antecipem necessidades organizacionais e/ou institucionais futuras, de modo a permitir ao CRA/RJ a autoatualização e adaptação dinâmica às mudanças induzidas interna e/ ou externamente à instituição e/ ou a todo continuum da Administração; c) Estudar e propor soluções destinadas a garantir a máxima integração física, operacional e institucional do sistema operado pelo CRA/RJ com a comunidade usuária de seus serviços e produtos; d) Estudar e propor soluções relacionadas à construção de cenários alternativos futuros e possíveis associados à instituição; e) Participar, como mediadora, nas ações conflitantes, buscando preservar o espaço do Administrador no mercado de trabalho; e f) Propor soluções às instâncias superiores quando o problema ultrapassar os limites de competências a si atribuídas. 16

17 8. Programa de Trabalho das Vice-Presidências (VP) 8.1 Programa de Trabalho da VP de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Projetos: 1. DESENVOLVIMENTO DE PARCERIAS E EVENTOS 2. INTERIORIZAÇÃO DO CRA/RJ 3. RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL 4. FÓRUM DA MULHER 5. CRIAÇÃO DA COMISSÃO DE LOGÍSTICA 6. CRIAÇÃO DA COMISSÃO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA 7. BIENAL DO LIVRO DE ADMINISTRAÇÃO 8. PLANO DE COMUNICAÇÃO DO CRA/RJ 17

18 Responsável: VP de Planejamento e Desenvolvimento Institucional PROJETO DESENVOLVIMENTO DE PARCERIAS E EVENTOS JUSTIFICATIVA: As organizações modernas do mundo globalizado procuram estabelecer parcerias visando agregar valor ao seu produto ou serviço. Para o CRA/RJ, as parcerias constituem-se em fontes de networking que fortalecem a imagem e valorização da profissão de Administrador na sociedade. OBJETIVOS: 1. Criar um calendário de eventos para o CRA/RJ. 2. Identificar parcerias e eventos onde o CRA/RJ possa participar como copromotor e, principalmente, como apoiador institucional, eventualmente com a alocação de stand da entidade. 3. Oferecer cursos de reciclagem e de formação profissional aos registrados no CRA/RJ. METAS: 1. Realizar, pelo menos, um evento para até participantes; 2. Inserir semanalmente eventos de interesse dos profissionais de Administração no Calendário de Eventos; 3. Homenagear anualmente personalidades que contribuíram com a profissão de Administrador por meio do Prêmio Destaque em Administração ; 4. Realizar pelo menos 2 (dois) convênios por mês visando o incremento da oferta de benefícios aos Administradores e Empresas registradas no CRA/RJ, bem como a divulgação da marca CRA/RJ. 5. Ampliar a divulgação do Prêmio Belmiro Siqueira de Administração em todas as IES do Estado do Rio de Janeiro. AÇÕES A DESENVOLVER: 1. Elaborar calendário de eventos 2008/2009, por meio de parcerias com o CFA, IARJ e instituições de educação superior. 2. Estimular a divulgação e participação em prêmios, homenagens e outros espaços/eventos criados pelo Sistema CFA/CRAs. 18

19 3. Propor parcerias e convênios com instituições privadas e públicas para a oferta de benefícios aos Administradores e Empresas registradas no CRA e divulgação da marca do CRA/RJ. 4. Criar uma assessoria para eventos. 5. Organizar programação para o Mês do Administrador (setembro). 6. Buscar patrocínios para subsidiar a edição do livreto Clube de Serviços do Administrador. 7. Apoiar os Programas de Educação Profissional CRA/RJ-IARJ/2008/ Implantar o grupo de discussão sobre temas da Administração via Teletrabalho (trabalho à distância). EXECUTORES: 1. Vice-Presidência de Planejamento e Desenvolvimento Institucional 2. Vice-Presidência de Educação, Estudos e Pesquisas 3. Presidência Para 2009 Cronograma AÇÕES A DESENVOLVER jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Ação Nº 1 Ação Nº 2 Ação Nº 3 Ação Nº 4 Ação Nº 5 Ação Nº 6 Ação Nº 7 Ação Nº 8 19

20 Responsáveis: VP de Planejamento e Desenvolvimento Institucional PROJETO INTERIORIZAÇÃO DO CRA/RJ JUSTIFICATIVA: O CRA/RJ possui jurisdição em todo o Estado do Rio de Janeiro demandando, assim, postos de atendimento em regiões de maior concentração de registrados. Pesquisa aponta que aproximadamente profissionais registrados estão no interior, razão pela qual existem atualmente 8 (oito) Delegacias, distribuídas pelas principais regiões geo-econômicas fluminense. Busca-se com o presente projeto, facilitar o atendimento ao profissional e usuários do CRA/RJ nessas regiões, por meio da aplicação de soluções tecnológicas, dentre outras. OBJETIVOS: 1. Prover, as delegacias regionais do CRA/RJ, de recursos que possam garantir atuação efetiva no campo do registro e fiscalização profissional, de pessoas físicas e jurídicas. 2. Oferecer um atendimento mais adequado aos profissionais e empresas já registrados de forma virtual, agilizando os processos de pedido de registro, emissão de guias, boletos, alvarás ou outros documentos; 3. Permitir maior aproximação com a população acadêmica da região, gerando assim maior receita para o CRA/RJ. 4. Permitir o registro prévio via internet de Pessoas Físicas já formadas, e de formandos, junto às IES da região. 5. Treinar delegados e colaboradores das delegacias. 6. Formar e capacitar um corpo de Representantes do CRA/RJ em locais que não possibilitem a implantação de Delegacias. METAS: 1. Aumentar em 10% os registros profissionais e empresas no interior do Estado; 2. Implantar um sistema de atendimento virtual por meio da internet no prazo de 4 (quatro) meses; 3. Criar e capacitar um corpo de Representantes do CRA/RJ num prazo de 6 (seis) meses no interior do Estado. 20

21 AÇÕES A DESENVOLVER: 1. Fazer um levantamento geográfico das Pessoas Jurídicas sediadas nas regiões de interesse que devem manter-se registradas no CRA/RJ; 2. Contatar PJs e PFs localizadas na região, que se encontrarem com cadastros desatualizados e/ou em débito, visando as suas regularizações; 3. Realizar, em parceria com IESs, Semanas de Administração e palestras/cursos itinerantes para os registrados quites com o CRA/RJ; 4. Realizar estudo para criação, inauguração, reestruturação e/ou expansão das delegacias do CRA/RJ; 5. Identificar necessidades de treinamento nas delegacias; 6. Divulgar as delegacias em suas respectivas jurisdições; 7. Oferecer serviços e eventos no interior do Estado do RJ e demais áreas de interesse; 8. Prover as delegacias de pessoas, material, tecnologia adequados ao seu pleno funcionamento, incluindo a integração com a base de dados cadastrais da sede do CRA/RJ; 9. Realizar avaliação de desempenho dos Delegados do CRA/RJ, frente aos recursos e condições de trabalho que lhes foram disponibilizados. EXECUTORES: 1. Vice-Presidência de Planejamento e Desenvolvimento Institucional 2. Vice-Presidência de Fiscalização e Registro Profissional 3. Vice-Presidência de Educação, Estudos e Pesquisas Para 2009: Cronograma AÇÕES A DESENVOLVER jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Ação Nº 1 Ação Nº 2 Ação Nº 3 Ação Nº 4 Ação Nº 5 Ação Nº 6 Ação Nº 7 Ação Nº 8 Ação Nº9 21

22 Responsável: VP de Planejamento e Desenvolvimento Institucional PROJETO RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL JUSTIFICATIVA: O movimento da Responsabilidade Social Empresarial (RSE) vem se expandindo rapidamente no Brasil. É crescente o número de empresas que vêm adotando a gestão socialmente responsável como estratégia de negócios. É neste cenário que o CRA/RJ busca promover a disseminação das boas práticas de gestão socialmente responsável nas empresas registradas na entidade. OBJETIVOS: 1. Realizar parceria com o Instituto Ethos; 2. Elaborar material bibliográfico sobre o tema para ser distribuído gratuitamente às empresas registradas e Administradores que são Responsáveis Técnicos; 3. Apoiar ou realizar eventos sobre o tema. 4. Divulgar, em forma de cases, as boas práticas de gestão socialmente responsáveis praticadas nas empresas registradas, em nossa Revista/Jornal/Site. METAS: 1. Realizar pelo menos uma campanha anual voltada para ações de voluntariado; 2. Publicar um Guia com o apoio do Instituto Ethos; 3. Publicar anualmente um guia com as melhores práticas de gestão socialmente responsável realizadas pelas empresas registradas no CRA/RJ; AÇÕES A DESENVOLVER: 1. Realizar convênio com o Instituto Ethos visando à disseminação da Responsabilidade Social Empresarial nas empresas registradas no CRA/RJ; 2. Realizar pesquisa junto às empresas registradas a fim de verificar se as mesmas realizam ações voltadas para a responsabilidade social; 3. Estudar ações de responsabilidade social que possam ser criadas e implantadas pelo CRA/RJ, junto aos Administradores e empresas registradas no CRA/RJ, objetivando a prestação de serviços que auxiliem essas comunidades e a sociedade em geral, por meio de ação ativa ou por meio da divulgação nos informativos do CRA/RJ; 22

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 455, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 455, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 455, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014 Aprova o Regulamento do PRÊMIO GUERREIRO RAMOS DE GESTÃO PÚBLICA, e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO, no uso da competência

Leia mais

ATA DE REUNIÃO. Ata da Sessão Plenária nº 3409 Data: 19/02/2013 Folha: 01/02

ATA DE REUNIÃO. Ata da Sessão Plenária nº 3409 Data: 19/02/2013 Folha: 01/02 Ata da Sessão Plenária nº 3409 Data: 19/02/2013 Folha: 01/02 1. PRESENÇAS: 1.1. Conselheiros Titulares: Adm. Wagner Siqueira Presidente Adm. Jorge Humberto Moreira Sampaio V.P. de Planej. e Desenvolv.

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF A estrutura administrativa do Senado Federal está dividida em três áreas que compreendem os órgãos superiores de execução, órgãos de assessoramento superior e órgão supervisionado. Conheça a estrutura

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa busca a modernização e a ampliação das ações e dos instrumentos de Comunicação para atender às necessidades de divulgação e alinhamento de informações

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RELATÓRIO DE QUE? AVALIAÇÃO: Avaliação anual avaliamos a execução durante o ano, a entrega dos produtos e os seus impactos. AVALIAÇÃO PARA QUE? OBJETIVOS: Prestar

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Lei Nº 4.769, de 09 de setembro de 1965 O Presidente da República Dispõe sobre o exercício da profissão de Administrador e dá outras providências (*) (**). Faço saber que o Congresso Nacional decreta e

Leia mais

Plano de trabalho ABMES 2013

Plano de trabalho ABMES 2013 1. Apoio às IES de pequeno porte (eventos presenciais e a distância) Diretoria, Assessoria, Consultores e IES apoiadoras Realizar seminário na com o objetivo de identificar a situação atual das PMIES Contratar

Leia mais

-0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012.

-0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. -0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. Dispõe sobre os critérios e os procedimentos para promoção, organização e participação da ANAC em eventos internos e externos. A DIRETORIA DA AGÊNCIA

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Art. 1

REGIMENTO INTERNO Art. 1 REGIMENTO INTERNO Art. 1 - A Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem da Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Rondonópolis, doravante denominada simplesmente CBMAE ACIR, instituída no

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2010 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Controle Externo

Tribunal de Contas da União. Controle Externo Tribunal de Contas da União Controle Externo 1224 Controle Externo Objetivo Assegurar a efetiva e regular gestão dos recursos públicos federais em benefício da sociedade e auxiliar o Congresso Nacional

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

O Papel do Sistema CFA/CRAs na Construção da Qualidade do Ensino de Administração

O Papel do Sistema CFA/CRAs na Construção da Qualidade do Ensino de Administração Conselho Federal de Administração Câmara de Formação Profissional O Papel do Sistema /CRAs na Construção da Qualidade do Ensino de Administração Prof. Lúcio Mariano Albuquerque Melo adm.luciomelo@gmail.com

Leia mais

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DO ANEXO III DO DECRETO N 2.456, DE 24.09.1982. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 135, inciso

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL Capítulo I Da Instituição Art. 1º - A Escola Nacional da Magistratura (ENM), órgão da Associação dos Magistrados

Leia mais

e) visa estabelecer diretrizes aplicáveis ao posicionamento estratégico de comunicação e marketing das entidades integrantes do Sicoob.

e) visa estabelecer diretrizes aplicáveis ao posicionamento estratégico de comunicação e marketing das entidades integrantes do Sicoob. 1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing: Política Institucional de Comunicação e Marketing a) é elaborada por proposta da área de Comunicação e Marketing da Confederação Nacional das

Leia mais

ONDE. Casa do Administrador

ONDE. Casa do Administrador Bem-Vindos! CRA RJ * Conselho Regional de Administração ONDE Casa do Administrador Um edifício de 7 andares, uma sede própria, para que os administradores tenham todo o pronto atendimento e estrutura

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) PROJETO DE LEI N.º, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) Dispõe sobre a profissão de treinador de recursos humanos coaching e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL 1. Apresentação O Programa de Voluntariado da Classe Contábil, componente do plano de metas estratégicas do Conselho

Leia mais

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas:

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas: CÂMARA DOS DEPUTADOS DIRETORIA-GERAL DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO FORMAÇÃO DOS GRUPOS DE PESQUISA E EXTENSÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 14,

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

Plano de Ação 2011-2012. Preparado para: Site da Apimec Rio Abr/2011

Plano de Ação 2011-2012. Preparado para: Site da Apimec Rio Abr/2011 Plano de Ação 2011-2012 Preparado para: Site da Apimec Rio Abr/2011 Sumário Introdução Resultados 2010 Estrutura Organizacional Plano de Ação 2011 Assuntos Gerais IPTU da Sede Contribuição Nacional Assessoria

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

ATA DE REUNIÃO. Ata da Sessão Plenária nº 3420 Data: 26/03/2013 Folha: 01/03

ATA DE REUNIÃO. Ata da Sessão Plenária nº 3420 Data: 26/03/2013 Folha: 01/03 Ata da Sessão Plenária nº 3420 Data: 26/03/2013 Folha: 01/03 1. PRESENÇAS: 1.1. Conselheiros Titulares: Adm. Wagner Siqueira Presidente Adm. Jorge Humberto Moreira Sampaio V.P. de Planej. e Desenvolv.

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

1. Esta Política institucional de comunicação e marketing:

1. Esta Política institucional de comunicação e marketing: 1. Esta Política institucional de comunicação e marketing: Política Institucional de Comunicação e Marketing a) é elaborada por proposta da área de Comunicação e Marketing da Confederação Nacional das

Leia mais

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais;

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas MG. CEP 37130-000 Fone (35)3299-1350 A Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios

Associação Matogrossense dos Municípios PORTARIA Nº 021/2010 O Presidente da Associação Matogrossense dos Municípios AMM, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas pelo Estatuto Social e Resolução 002/2010 da AMM, RESOLVE: Art.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE Referente ao Projeto de Lei Complementar n. º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE 2007. Publicada no Diário Oficial do Estado nº 4073, de 20.08.07 Autor: Deputado Jorge Amanajás Autoriza

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS 1. Princípios Teórico-Filosóficos A Faculdade da Região dos Lagos vem se destacando como uma das principais instituições na formação de administradores, empresários e gerentes em nossa região. Além disso,

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008.

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. Dispõe sobre modificações no processo de implantação do monitoramento dos programas e ações governamentais, no âmbito da Administração Pública do Estado de Mato

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - 1ª EDIÇÃO 2012

REGULAMENTO DO PRÊMIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - 1ª EDIÇÃO 2012 REGULAMENTO DO PRÊMIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - 1ª EDIÇÃO 2012 1.0 DOS OBJETIVOS A 1ª. Edição do Prêmio Nacional de Educação Fiscal será realizada pela FEBRAFITE com o apoio das associações filiadas

Leia mais

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Referência Ficha Técnica Plano de comunicação Resolução n 1.025, de 30 de outubro de 29 Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Elaboração Projeto ART e Acervo Técnico - Equipe

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2015 CAMPUS NATAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2015 CAMPUS NATAL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL DE EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2015 CAMPUS NATAL 1. EDITAL A Universidade Potiguar UnP, através da Pró-Reitoria Acadêmica, torna

Leia mais

Conselho Federal de Enfermagem. SEMINÁRIO ADMINISTRATIVO Cofen/Conselhos Regionais -Caucaia- CE/Brasil

Conselho Federal de Enfermagem. SEMINÁRIO ADMINISTRATIVO Cofen/Conselhos Regionais -Caucaia- CE/Brasil Conselho Federal de Enfermagem SEMINÁRIO ADMINISTRATIVO Cofen/Conselhos Regionais -Caucaia- CE/Brasil Dos Novos Tempos Cofen à Força da Mudança: a evolução administrativa do Cofen. Manoel Carlos Neri da

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

ATA DE REUNIÃO. Ata da Sessão Plenária nº 3362 Data: 21/08/2012 Folha: 01/02

ATA DE REUNIÃO. Ata da Sessão Plenária nº 3362 Data: 21/08/2012 Folha: 01/02 Ata da Sessão Plenária nº 3362 Data: 21/08/2012 Folha: 01/02 1. PRESENÇAS: 1.1. Conselheiros Titulares: Adm. Wagner Siqueira Presidente Adm. Carlos Roberto Fernandes de Araujo V.P. de Administração e Finanças

Leia mais

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO Brasília, 11 de setembro de 2010 TEMA 1 DIRETRIZES E HORIZONTES DA RELAÇÃO POLÍTICA E INSTITUCIONAL DO SISTEMA COOPERATIVISTA 1.1 - FORTALECER A REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS 1. Objeto: 1.1.1. Contratação de empresa para prestação, sob demanda, de serviços de planejamento, organização, coordenação, execução, fiscalização e avaliação de eventos com a viabilização de infra-estrutura

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22 ÍNDICE Introdução 2 Missão 4 Visão de Futuro 5 Objetivos Estratégicos 6 Mapa Estratégico 7 Metas, Indicadores e Ações 8 Considerações Finais 22 1 INTRODUÇÃO O Plano Estratégico do Supremo Tribunal de Federal,

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PATOLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PATOLOGIA O presente Regimento interno complementará e regulamentará o Estatuto da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP), nas atribuições e competências da sua Diretoria executiva e coordenadores de departamentos,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Artigo 1º - O Centro de Pesquisas Clínicas (CPC)

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Unidade de Auditoria

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE 1 REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE A Escola de Contas Públicas Professor Barreto Guimarães (ECPBG) torna público o regulamento do 1º Concurso Inovação no TCE-PE, que será regido de acordo com

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE GESTÃO PÚBLICA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que em 2020 Santa Maria seja um município que preste Serviços de Qualidade a seus cidadãos, com base

Leia mais

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar:

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar: Introdução É grande a parcela da população das nações mais desenvolvidas do mundo que está se organizando em sociedades e associações civis que defendem interesses comuns. Essas pessoas já perceberam que

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.662, DE 7 DE JUNHO DE 1993. (Mensagem de veto). Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências O

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior

Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior 1. Apresentação Em cumprimento à deliberação 1-F do Eixo Formação, aprovada no 37 0 Encontro Nacional /CRESS,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO PLANO ANUAL DE AUDITORIA (PAA) 2014 Sumário: 1 INTRODUÇÃO... 4 2 DO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP)... 6 3 DAS ATIVIDADES DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO.... 6 3.1 Apoio ao Tribunal de Contas

Leia mais

4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL

4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL Relatório de Atividades - 1 trimestre de 4.1. Planejamento Estratégico 4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL A principal atividade relacionada ao Planejamento Estratégico -2016 do TCE/SC no primeiro

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Nº 001/2015, de 20 de abril de 2015.

RESOLUÇÃO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Nº 001/2015, de 20 de abril de 2015. RESOLUÇÃO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Nº 001/2015, de 20 de abril de 2015. Cria a CONEXÃO EDUCACIONAL, órgão suplementar vinculado à Coordenação Executiva. 1 O PRESIDENTE DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DO INSTITUTO

Leia mais

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE GESTÃO PÚBLICA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que em 2020 Santa Maria seja um município que preste Serviços de Qualidade a seus cidadãos, com base

Leia mais