UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA UNAMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA UNAMA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA UNAMA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CCET CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ANÁLISE EXPERIMENTAL DE VIGAS REFORÇADAS AO CISALHAMENTO E À TORÇÃO COM CFRP TCC EMERSON ANGELO BATISTA Belém PA 2007

2 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA - UNAMA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA - CCET CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ANÁLISE EXPERIMENTAL DE VIGAS REFORÇADAS AO CISALHAMENTO E À TORÇÃO COM CFRP - TCC EMERSON ANGELO BATISTA Orientador: ANTONIO MASSOUD SALAME Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para obtenção do título de Engenheiro Civil, submetido à banca examinadora do Centro de Ciências Exatas e Tecnologia da Universidade da Amazônia. Belém PA

3 Trabalho de Conclusão de Curso submetido à Congregação do Curso de Engenharia Civil do Centro de Ciências Exatas e Tecnologia da Universidade da Amazônia, como parte dos requisitos para obtenção do título de Engenheiro Civil, sendo considerado satisatório e APROVADO em sua orma inal pela banca examinadora existente. APROVADO POR: ANTONIO MASSOUD SALAME, Mestre (Unama) (ORIENTADOR) EVARISTO CLEMENTINO REZENDE DOS SANTOS JUNIOR, Mestre (Unama) (EXAMINADOR INTERNO) DÊNIO RAMAM CARVALHO DE OLIVEIRA, Doutor (UFPA) (CO-ORIENTADOR EXTERNO) DATA: BELÉM - PA, 19 de Dezembro de

4 LISTA DE TABELAS Capítulo 2 Revisão Bibliográica 2.1 Propriedades da ibra de carbono. Capítulo 3 Procedimento de Ensaio 3.1 Características das vigas. Capítulo 5 Análise dos Resultados 4.1 Resistência a compressão e tração do concreto. 4.2 Características mecânicas das barras de aço. 4.3 Forças de ruptura dos conjuntos de vigas ensaiados. 4

5 LISTA DE FIGURAS Capítulo 2 Revisão Bibliográica 2.1 Analogia de treliça. 2.2 Seção vazada de parede ina submetida a um momento torçor. 2.3 Seção vazada equivalente. 2.4 Rolo de ibra de carbono. 2.5 Diagrama tensão x deormação das ibras. 2.6 Representação esquemática de um sistema CFC. 2.7 Ampliação em microscópio eletrônico do sistema CFC. 2.8 Esquema de execução e materiais componentes. 2.9 Possíveis conigurações de reorço ao cisalhamento Reorço ao cisalhamento em vigas com argamassa epóxi Reorço de vigas com chapas metálicas aderidas com epóxi Reorço de torção em vigas com concreto Reorço de torção em vigas com chapas aderidas com epóxi. Capítulo 3 Sistema Experimental 3.1 Dimensões dos conjuntos de vigas. 3.2 Armaduras das Vigas. 3.3 Detalhe dos reorços com CFRP. 3.4 Posicionamento do estribo no reorço à lexão. 3.5 Execução do reorço com CFRP e aspecto inal das vigas. 3.6 Detalhes da instrumentação das vigas. 3.7 Sistema de ensaio com impedimento das rotações nos apoios. 5

6 Capítulo 4 Análise dos Resultados 4.1 Deslocamentos observados nos conjuntos ensaiados. 4.2 Deslocamentos verticais no centro das ligações. 4.3 Deslocamentos verticais e horizontais dos conjuntos. 4.4 Ângulos de torção estimados utilizando os deslocamentos horizontais. 4.5 Mapas de issuração rontal das vigas bi-engastadas. 4.6 Mapas de issuração rontal das vigas bi-engastadas. 4.7 Fotos das vigas antes das primeiras issuras. 4.8 Detalhes das issuras nos conjuntos ensaiados. 4.9 Gráico tipo do reorço x custo Gráico das cargas de ruptura Gráico comparativo das cargas nominais com de ruptura. 6

7 LISTA DE SÍMBOLOS Letras arábicas b largura da base da viga. bw menor largura da seção, compreendida ao longo da altura útil d. c1 d d de ck yd ywd ywk ct,m ht he n s s t A Ae A Asl Asw E Feq Le Lo distância entre o eixo da barra longitudinal do canto e a ace lateral do elemento estrutural. altura útil da seção. proundidade da lâmina de ibra de carbono para reorço ao cisalhamento. comprimento eetivamente aderido da lâmina de ibra de carbono utilizada. resistência à compressão do concreto característica. tensão de escoamento do aço. tensão na armadura transversal passiva, limitada ao valor yd no caso de estribos e a 70% desse valor no caso de barras dobradas. resistência ao escoamento do aço da armadura transversal; resistência a tração direta, valor médio. espessura equivalente da parede da seção vazada, real ou equivalente. espessura equivalente da parede da seção vazada, real ou equivalente, no ponto considerado. número de camadas da ibra de carbono. espaçamento dos estribos, medido segundo o eixo longitudinal do elemento estrutural. espaçamento entre as lâminas de ibras de carbono. espessura de uma camada de ibra de carbono. área da seção cheia. área limitada pela linha média da parede da seção vazada, real ou equivalente, incluindo a parte vazada. área da seção transversal do reorço. soma das áreas das seções das barras longitudinais. área da seção transversal da armadura de cisalhamento. módulo de elasticidade da ibra de carbono. orça equivalente a um dos macacos hidráulicos. comprimento eetivo de aderência da ibra de carbono. comprimento eetivo de colagem de uma lâmina de ibra de carbono. 7

8 M0 valor do momento letor que anula a tensão normal de compressão na borda da seção. MSd,Max momento letor de cálculo. Pu R TRd,2 TRd,3 TRd,4 TSd carga última. ator de redução da resistência última da ibra de carbono que determina o nível de tensão da ibra na ruptura. representa o limite dado pela resistência das diagonais comprimidas de concreto. representa o limite deinido pela parcela resistida pelos estribos normais ao eixo do elemento estrutural. representa o limite deinido pela parcela resistida pelas barras longitudinais, paralelas ao eixo do elemento estrutural. esorço de cálculo que age concomitantemente na seção. TRk, representa a parcela de resistência à torção proveniente do reorço estrutural com CFRP. u perímetro da seção cheia. VSd Vsd VRd2 VRd3 esorços de cálculo que age concomitantemente na seção. orça cortante resitente de cálculo, na seção; orça cortante resistente de cálculo, relativa à ruína das diagonais comprimidas de concreto. é a orça cortante resistente de cálculo, relativa à ruína por tração diagonal. Vsw w K1 K2 Parcela de orça cortante resistida pela armadura transversal. largura da lâmina da ibra de carbono. ator de multiplicação do comprimento eetivo de aderência estabelecido em unção da resistência do concreto. ator de multiplicação do comprimento eetivo de aderência estabelecido em unção da coniguração adotada para o reorço de cisalhamento. Letras gregas α ângulo de inclinação da armadura transversal em relação ao eixo longitudinal do elemento estrutural. ρl porcentagem de armadura. ξu θ deormação última da ibra de carbono. ângulo de inclinação das diagonais de concreto, arbitrado no intervalo. 8

9 DEDICATÓRIA Belém, 19 de dezembro de 2007 Dedico este trabalho aos Proessores Antônio Salame e Dênio Ramam, pela orientação, incentivo e valiosa contribuição durante este trabalho. A todos os demais proessores da unama e colegas de sala, pelo companheirismo, sem o qual não teríamos plena condição de chegarmos até aqui. Dedico também ao meu grande Pai João Rodrigues Batista (em memória), por hoje estar realizando aquilo que era o maior sonho da sua vida, ser Engenheiro Civil. Emerson Angelo Batista 9

10 AGRADECIMENTOS Belém, 19 de dezembro de 2007 Agradeço Primeiramente a Deus, por sua eterna bondade e misericórdia, por ter me concedido saúde e entendimento para alcançar meus objetivos, a minha amília que em todo tempo me deu apoio, ao meu amigo Leonardo Lago que muito me ajudou nos ensaios no laboratório da Federal. Agradeço de orma relevante a Universidade Federal do Pará (UFPA), por ter ornecido todo material necessário e por ter concedido o espaço de seu laboratório para realização dos ensaios. Onde sem este total apoio jamais teria realizado meu trabalho. Sou grato também a minha querida mãe Fátima e minha irmã Elines que sempre me dedicaram todo amor e paciência, que nesses cinco anos estiveram ao meu lado, me dando orça, coragem e orando por mim, para superar mas esta ase de minha vida. Agradeço a minha namorada Jéssica por ter orado por mim. Ao meu tio Jonas que em momentos importantes me deu todo apoio e companheirismo necessário. - Mãe ninguém merece mais desrutar dessa vitória, do que eu e você. Emerson Angelo Batista 10

11 RESUMO Foram analisados experimentalmente quatro conjuntos de vigas em concreto armado através de ensaios eito no Laboratório de Engenharia Civil da Universidade Federal do Pará, onde os conjuntos oram submetidos à torção. Dois conjuntos de vigas oram para reerência e dois oram reorçados com tecidos de ibra de carbono. A principal variável oi o espaçamento dos estribos, visando simular alhas no posicionamento das armaduras em ligações de vigas. Os reorços oram executados com duas (02) camadas do sistema CFC. As vigas apresentavam seções transversais com dimensões de 100mm x 300mm e comprimentos de 1.700mm e 1.000mm para as vigas bi-engastada e balanço respectivamente. São apresentadas as ormulações de acordo com a NBR 6118 (2003) para cisahamento e torção e ormulações que possibilitam o dimensionamento da ibra de carbono, as propriedades mecânicas do concreto, do aço e do compósito CFRP, os mapas de issuração, orças para surgimento das primeiras issuras e orças e modos de ruína de cada conjunto analisado. Concluiu que o reorço com tecidos de ibra de carbono é apropriado para cisalhamento e torção, uma vez que suprem as necessidades da alta de estribos, apresentam maior rigidez, menor ângulo de torção, maior custo e apresentaram cargas próximas das vigas de reerência. 11

12 ÍNDICE Capítulo Página 1 - INTRODUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO DIMENSIONAMENTO AO CISALHAMENTO DIMENSIONAMENTO À TORÇÃO REFORÇO ESTRUTURAL COM CFRP Histórico da ibra de carbono Obtenção da ibra de carbono Dimensionamento do CFRP ao cisalhamento Dimensionamento do CFRP à torção OUTROS MÉTODOS DE REFORÇO ESTRUTURAL Reorço ao cortante com argamassa epóxi Reorço ao cortante com chapas metálicas aderidas com epóxi Reorço de torção com concreto e armaduras adicionais Reorço de torção com chapas metálicas aderidas com epóxi PROCEDIMENTO DE ENSAIO CARACTERISTICA DAS VIGAS MODELOS EXECUÇÃO DO REFORÇO INSTRUMENTAÇÃO SISTEMA DE ENSAIO E APLICAÇÃO DE FORÇA ANÁLISE DOS RESULTADOS MATERIAIS Concreto Aço DESLOCAMENTOS ÂNGULO DE TORÇÃO FISSURAÇÃO

13 4.5 ANÁLISE DOS CUSTOS DOS REFORÇOS FORÇAS E MODOS DE RUPTURA CONCLUSÕES...54 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...56 ANEXO DIMENSIONAMENTO ANALÍTICO...57 DIMENSIONAMENTO AO CISALHAMENTO...57 DIMENSIONAMENTO AO CISALHAMENTO SEM REFORÇO...57 DIMENSIONAMENTO AO CISALHAMENTO DO REFORÇO...61 DIMENSIONAMENTO À TORÇÃO...66 DIMENSIONAMENTO À TORÇÃO SEM REFORÇO...66 DIMENSIONAMENTO À TORÇÃO DO REFORÇO

14 1 INTRODUÇÃO É comum nas estruturas de concreto armado a ocorrência de patologias associadas a alhas de projeto ou à incidência de agentes agressivos nos elementos estruturais. Problemas decorrentes de alhas de execução também são reqüentes. Uma situação que pode ser observada na prática é a má execução das armaduras, ou por negligência ou por alta de um detalhamento eiciente. Nestes casos, quando a armadura é de cisalhamento, a situação torna-se mais comprometedora, pois além de prejudicar a resistência à orça cortante, também aeta a resistência à torção das peças. Quando do cruzamento entre duas vigas, é comum o aastamento dos estribos da viga de apoio para encaixe das erragens da viga que se apoia, e muitas vezes estes estribos não são reposicionados corretamente, ou ainda, no caso de estruturas com lajes nervuradas com vigotas pré-moldada treliçadas, o aastamento dos estribos para inserção das vigotas. Tais problemas têm gerado issuração nas vigas e elementos não estruturais. O reorço tradicional dos elementos em concreto armado, como a colagem de novos estribos ou chapas de aço, envolve procedimentos trabalhosos e gera comprometimento estético. Assim, a escolha do tipo de reorço está diretamente relacionada a uma série de atores como custo, tempo de execução, modiicação estética da estrutura, durabilidade e coniabilidade. Muitos materiais alternativos têm surgido para minimizar os problemas relacionados ao reorço de estrutura e seus empregos vêm sendo alvo de estudos no mundo inteiro. Os materiais compósitos de ibras de carbono ou CFRP (Carbon Fiber Reinorced Polymers) são materiais lexíveis, altamente resistentes e que podem substituir com vantagens, em alguns casos, os materiais e técnicas tradicionais (MACHADO, 2006). Neste contexto, este trabalho buscou analisar experimentalmente o comportamento de 04 conjuntos de vigas submetidas a ensaios de torção, sem e com reorço de material compósito de ibras de carbono, os quais apresentavam alhas construtivas no que diz respeito ao aastamento incorreto de estribos na região de ligação viga a viga. Com isso visou-se estabelecer uma proposta de reorço estrutural com tecido de ibra de carbono propondo uma solução eiciente e prática para o reorço estrutural de vigas submetidas ao cisalhamento e torção. 14

15 Desta orma, este estudo objetiva concluir se o uso do tecido de ibra de carbono suprirá a insuiciência de estribos, dando mais rigidez à viga de concreto armado, aumentanto assim sua capacidade de carga. E ainda, se os tecidos de ibras de carbono serão bons, práticos e viáveis economicamente para reorço estrutural de vigas de concreto armado submetidas ao esorço de cisalhamento e torção. 15

16 2 - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO O concreto armado oi o material de construção mais utilizado no século vinte (MEHTA e MONTEIRO, 1994). A idéia de associar barras metálicas à pedra ou argamassa, com a inalidade de aumentar a resistência às solicitações de serviço, remonta aos tempos dos romanos que durante a recuperação das ruínas das termas de Caracalha em Roma, notou-se a existência de barras de bronze dentro da argamassa de pozzolana, em pontos onde o vão a vencer era maior que o normal da época. Sendo assim essa associação de pedra natural ao concreto aparece pela primeira vez na estrutura da igreja de Santa Genoveva. Foram executadas por Rondelet, em pedra lavrada, verdadeiras vigas modernas de concreto armado, com barras longitudinais retas na zona de tração, que eram colocadas em uros executados artesanalmente nas pedras (pedras naturais), e barras transversais de cisalhamento. Foi então inventada a associação do erro com a pedra natural para execução de estruturas, visto que no processo de execução de estruturas eram eitas primeiramente a pedra (com uros, cortes, preparo das superícies entre outros) e depois a adição da armadura. Mais tarde, com a pedra artiicial, como era chamado o concreto, a armadura era eita antes e a pedra adicionada depois. Vários anos depois a descoberta da pedra artiicial, é que esse material veio a se chamar cimento Portland endurecido e no mesmo ano montava-se na Alemanha (1855) a primeira ábrica desse cimento.(brito, 2002) A primeira publicação sobre Cimento Armado era essa denominação até mais ou menos 1820 oi do engenheiro rancês Joseph Louis Lambot, que por volta de 1850 começou suas experiências práticas de junção de erragens em uma massa de concreto. Em 1855, Lambot solicitou patente para um barco de concreto que ele mesmo havia construído, e o apresentouna Exposição Universal de Paris (BRITO, 2002). O início do concreto armado no Brasil pouco se conhece, pode-se dizer que este é ruto da Revolução Industrial, pois apresenta uma mistura do uso de máquinas (betoneiras, vibradores e bombas lançadoras) com o tipo de execução artesanal: estruturas de alvenaria, preparo manual das ormas e do escoramento, dobramento e amarração das armaduras, cura e desorma. 16

17 O concreto armado, encontrou no Brasil, um ambiente bastante avorável para seu desenvolvimento, pois além de encontrar um ótimo clima para cura e desorma rápidas, dispunha de mão-de-obra barata, por ainda não ser qualiicada o bastante. Outros atores também contribuíram para esse desenvolvimeto, como a chegada da grande construtora alemã Wayss & Freytag, constituindo talvez o ponto mais importante para o desenvolvimento e omação de engenheiros brasileiros nesta especialização (BRITO, 2002). Vasconcelos (1992) apresenta que a mais antiga notícia possível de alguma aplicação do concreto armado no Brasil, data de 1904, e oi documentada no curso do Pro. Antonio de Paula Freitas, na Escola Polytechnica do Rio de Janeiro. No im de sua publicação Construções de cimento armado, são abordados aplicações no Brasil, onde menciona que os primeiros casos realizados na construção de casas de habitação em Copacabana, cuja execução esteve a cargo do Eng brasileiro Carlos Poma. Este chegou a executar seis obras, dentre elas alguns sobrados onde undações, paredes, vigamentos, assoalhos, tetos, escadas e muros eram de concreto armado. O pro. Sydney Santos supõe, que as primeiras estruturas de concreto armado calculadas no Brasil são de Carlos Euler e de seu auxiliar Mario de Andrade Costa que projetaram a ponte em arco de concreto sobre o Rio Maracanã, anterior a Ao se alar dos primórdios do concreto armado no Brasil não se pode deixar de citar o nome de Willian Fillinger, que aqui chegou em 1912, que inicialmente trabalhou em uma irma denominada Brazilian Ferro-Concrete Company Limited e como realizações teve: o Ediício dos correios e telégraos Santos, o matadouro Di Giulio-Martinelli (atualmente pertencente à cia Swit) em Utinga, o ediício da Rua Antonia de Queiroz em São Paulo (BRITO, 2002). O Brasil conquistou desde os primórdios diversas marcas de recordes, muitos deles mundiais, podendo ser citados dentre os principais, o Jockey Clube do Rio de Janeiro, marquise da tribuna de sócios em balanço de 22,4m; Ponte do Presidente Sodré em cabo rio, arco de 67m de vão e lecha de 10,5m; Prédio Martinelli, constuído em São Paulo, entre 1925 e 1929, com área construída de m²; Elevador Lacerda, na cidade de salvador, com elevação de 59m (altura total de 73m) e a Marquise do Ibirapuera, situado na cidade de São Paulo, inaugurado em 17

18 1954, onde são visitados diariamnete, por se tratarem de monumentos históricos que relatam parte da arquitetura da cidade (BRITO, 2002). 2.2 DIMENSIONAMENTO AO CISALHAMENTO A armadura de cisalhamento pode ser constituída por estribos associados a barras longitudinais curvadas (barras dobradas). Para pequenos valores de orça, enquanto a tensão de tração or inerior à resistência do concreto à tração na lexão, a viga não apresenta issuras, ou seja, as suas seções permanecem no Estádio I. Nessa ase, origina-se um sistema de tensões principais de tração e de compressão. Com o aumento de carregamento, no trecho de momento máximo (entre as orças), a resistência do concreto à tração é ultrapassada e surgem as primeiras issuras de lexão (verticais). Nas seções issuradas a viga encontra-se no Estádio II e a resultante de tração é resistida exclusivamente pelas barras longitudinais. No início da issuração da região central, os trechos junto aos apoios, sem issuras, ainda se encontram no Estádio I. A inclinação das issuras corresponde aproximadamente à inclinação das trajetórias das tensões principais, isto é, aproximadamente perpendicular à direção das tensões principais de tração. Com carregamento elevado, a viga, em quase toda sua extensão, encontra-se no Estádio II. Em geral, apenas as regiões dos apoios permanecem isentas de issuras, até a ocorrência de ruptura (LIBÂNIO, CASSIANE e SANDRO, 2003). O modelo clássico de treliça oi idealizado por Ritter e Mörsch, no início do século XX, e se baseia na analogia entre uma viga issurada e uma treliça (LIBÂNIO, CASSIANE e SANDRO, 2003). Considerando uma viga biapoiada de seção retangular, Mörsch admitiu que, após a issuração, seu comportamento é similar ao de uma treliça como a indicada na Figura

19 Figura 2.1 Analogia de treliça. Fonte: ( LIBÂNIO, CASSIANE e SANDRO, 2003). Segundo a norma brasileira NBR 6118 (ABNT, 2003), a resistência do elemento estrutural à orça cortante, em uma determinada seção transversal, deve ser considerada satisatória quando veriicadas simultaneamente as seguintes seções: Vsd VRd2 onde: Vsd VRd3 = Vc + Vsw Vsd VRd2 orça cortante resitente de cálculo, na seção; orça cortante resistente de cálculo, relativa à ruína das diagonais comprimidas de concreto. VRd3 = Vc + Vsw, é a orça cortante resistente de cálculo, relativa à ruína por tração diagonal, onde Vc é a parcela de orça cortante absorvida por mecanismos complementares ao de treliça e Vsw a parcela resistida pela armadura transversal. Modelo de Cálculo: De acordo com a NBR 6118 o dimensionamento dos elementos resistentes ao cisalhamneto são calculados através das equações 2.1 à 2.6. I Veriicação da compressão diagonal do concreto VRd2 = 0,27.αv2.cd.bw.d (Equação 2.1) onde: αv2 = (1- ck / 250) 19

20 II Cálculo da armadura transversal VRd3 = Vc + Vsw (Equação 2.2) Desprezando-se o valor de Vc, tem-se Vsw igual a: Asw s ( senα + cosα ), : 0,9 d onde ywd (Equação 2.3) Asw s = Vsw 0,9 d + ywd ( senα cosα) (Equação 2.4) Asw s = 0, 9 Vsw d ywd para estribos verticais (Equação 2.5) onde: Vsw Parcela de orça cortante resistida pela armadura transversal Vc = 0 nos elementos estruturais tracionados quando a linha neutra se situa ora da seção; Vc = Vc0 na lexão simples e na lexo-tração com a linha neutra cortando a seção; Vc = Vc0 (1+ Mo / MSd,máx ) 2Vc0 na lexo-compressão Vc0 = 0,6 ctd bw d Fctd = ctk,in/γc onde: bw menor largura da seção, compreendida ao longo da altura útil d. d altura útil da seção. s espaçamento entre elementos da armadura transversal Asw, medido segundo o eixo longitudinal do elemento estrutural. ywd tensão na armadura transversal passiva, limitada ao valor yd no caso de estribos e a 70% desse valor no caso de barras dobradas. α ângulo de inclinação da armadura transversal em relação ao eixo longitudinal do elemento estrutural, podendo-se tomar 45π α 90π. 20

21 M0 valor do momento letor que anula a tensão normal de compressão na borda da seção (tracionada por Md,max), provocada pelas orças normais de diversas origens concomitantes com VSd, sendo essa tensão calculada com valores de γ e γp iguais a 1,0 e 0,9 respectivamente; os momentos correspondentes a essas orças normais não devem ser considerados no cálculo dessa tensão pois são considerados em MSd; devem ser considerados apenas os momentos isostáticos de protensão. MSd,Max momento letor de cálculo, máximo no trecho em análise, que pode ser tomado como o de maior valor no semitramo considerado (para esse cálculo não se consideram os momentos isostáticos de protensão, apenas os hiperestáticos). Taxa geométrica ρsw ρ SW sw = 0, 2 b W A s senα ctm ywk (Equação 2.6) onde: Asw s α bw ywk ct,m área da seção transversal dos estribos; espaçamento dos estribos, medido segundo o eixo longitudinal do elemento estrutural. inclinação dos estribos em relação ao eixo longitudinal do elemento estrutural. largura média da alma, medida ao longo da altura útil da seção. resistência ao escoamento do aço da armadura transversal; resistência a tração direta, valor médio. 2.3 DIMENSIONAMENTO À TORÇÃO O dimensionamento à torção em vigas vem sendo estudado há algum tempo, com base nos conceitos undamentais da Resistência dos Materiais e da Teoria da Elasticidade. Muitos pesquisadores já se dedicaram a compreender os tipos de 21

22 torção, a análise da distribuição das tensões cisalhantes em cada um deles, e, inalmente, à proposição de veriicações que permitam estimar resistências para as peças e impedir sua ruína (LIMA, GUARDA e PINHEIRO, 2003). Quando uma peça prismática é solicitada à torção pura (Torção de Saint- Venant) aparecem somente tensões tangenciais. Isto acontece em barras cujas seções extremas podem empenar livremente na direção do eixo longitudinal e cujo ângulo relativo de torção é constante ao longo da barra mas, na prática, as próprias regiões de apoio (pilares ou outras vigas) tornam praticamente impossível o livre empenamento (SÜSSEKIND,1984). Como conseqüência, surgem tensões normais (de coação) no eixo da peça e há uma certa diminuição da tensão cisalhante. Esse eeito pode ser desconsiderado no dimensionamento das seções mais comuns de concreto armado (peris maciços ou echados, nos quais a rigidez à torção é alta), uma vez que as tensões de coação tendem a cair bastante com a issuração da peça e o restante passa a ser resistido apenas pelas armaduras mínimas. Assim, os princípios básicos de dimensionamento propostos para a torção clássica de Saint-Venant continuam adequados, com uma certa aproximação, para várias situações práticas. No caso de seções delgadas, porém, a inluência do empenamento pode ser considerável, e devem ser utilizadas as hipóteses da lexo-torção de Vlassov para o dimensionamento (LIMA, GUARDA e PINHEIRO, 2003). O dimensionamento à torção undamenta-se nas mesmas condições dos demais esorços: enquanto o concreto resiste às tensões de compressão, as tensões de tração devem ser absorvidas pela armadura. A distribuição dos esorços pode ser eita de diversas ormas, a depender da teoria e do modelo adotado. A teoria que é mais amplamente aceita para a distribuição das tensões decorrentes da torção é a da treliça espacial de Mörsch composta por barras longitudinais e estribos verticais que é capaz de equilibrar o momento torçor solicitante. Com a issuração da peça, sua rigidez à torção cai signiicativamente, reduzindo também o valor do momento atuante. É o que ocorre em vigas de bordo, que tendem a girar devido ao engastamento na laje e são impedidas pela rigidez dos pilares. Por outro lado, se a chamada torção de equilíbrio, que é a resultante da própria condição de equilíbrio da estrutura, não or considerada no dimensionamento de uma peça, pode levar à ruína (LIMA, GUARDA & PINHEIRO, 2003). 22

23 De acordo com a norma brasileira NBR 6118 (ABNT, 2003), admite-se satiseita a resistência do elemento estrutural submetido a torção, para uma dada seção, quando orem veriicadas de maneira simultanea as seguintes condições: Tsd TRd,2 Tsd TRd,3 Tsd TRd,4 onde: TRd,2 TRd,3 TRd,4 representa o limite dado pela resistência das diagonais comprimidas de concreto. representa o limite deinido pela parcela resistida pelos estribos normais ao eixo do elemento estrutural. representa o limite deinido pela parcela resistida pelas barras longitudinais, paralelas ao eixo do elemento estrutural. Geometria da seção resistente Segundo a NBR 6118 a seção vazada equivalente se deine a partir da seção cheia com espessura da parede equivalente he,como mostram as iguras 2.2, 2.3. h e A u h e 2 c 1 (Equação 2.7) (Equação 2.8) onde: A u c1 área da seção cheia. perímetro da seção cheia. distância entre o eixo da barra longitudinal do canto e a ace lateral do elemento estrutural. 23

24 Figura 2.2 Seção vazada de parede ina submetida a um momento torçor Fonte: (BOTELHO; MARCHETTI, 2002). Figura 2.3 Seção vazada equivalente Fonte: (BOTELHO; MARCHETTI, 2002). Modelo de Cálculo: De acordo com a NBR 6118 o dimensionamento dos elementos resistentes à torção são calculados através das equações 2.9 à onde: I Veriicação da compressão diagonal do concreto TRd2 = 0,50.αv2.cd.Ae.he.sen 2 θ (Equação 2.9) 24

25 αv2 = 1 - ck / 250, com ck em megapascal. θ ângulo de inclinação das diagonais de concreto, arbitrado no intervalo 30 θ 45. Ae área limitada pela linha média da parede da seção vazada, real ou equivalente, incluindo a parte vazada. he espessura equivalente da parede da seção vazada, real ou equivalente, no ponto considerado. II Cálculo das armaduras Devem ser consideradas eetivas as armaduras contidas na área correspondente à parede equivalente, quando: i) a resistência decorrente dos estribos normais ao eixo do elemento estrutural atende à expressão: onde: TRd3= (A90 / s) ywd 2Ae cotg θ (Equação 2.10) ywd é a resistência de cálculo do aço da armadura passiva, limitada a 435 MPa. ii) a resistência decorrente das armaduras longitudinais atende à expressão: onde: TRd4= (Asl/ u) 2Ae ywd tg θ (Equação 2.11) Asl u soma das áreas das seções das barras longitudinais. perímetro de Ae. Na combinação de torção com orça cortante, o projeto deve prever ângulos de inclinação das bielas de concreto θ coincidentes para os dois esorços NBR 6118 (ABNT, 2003). Para tanto deve A resistência à compressão diagonal do concreto deve ser satiseita atendendo à expressão: V V Sd Rd 2 T + T Sd Rd 2 1 VSd e TSd são os esorços de cálculo que agem concomitantemente na seção. 25

26 2.4 REFORÇO ESTRUTURAL COM CFRP Histórico da ibra de carbono Diante a ameaça de um violento sismo no distrito de Kanto, que inclui a cidade de Tóquio, o governo japonês toma a decisão, em meados da década de 90, para preparar as construções existentes em particular estrutura do sistema viário. Com isso, a partir da conjugação de esorços das estruturas, surge a idéia de se adaptar a utilização de compósitos de ibra de carbono (CFRP), sendo portanto um material já largamente utilizado em soluções de reorço de alto desempenho, particularmente nas indústrias aeronáutica, aeroespacial, naval e automobilística, e que por sua vez oi aplicado ao reorço das estruturas de concreto armado, tirando o melhor partido de um produto muito resistente, de simples aplicação e que não traz às estruturas de concreto problemas de durabilidade, como os problemas de corrosão das armaduras. Essa tecnologia para reorço de estruturas de concreto com compósitos de ibra de carbono obteve alguns ajustes importantes e ganhou particular desenvolvimento após a ocorrência do sismo de Kobe em 1995 (SOUZA e RIPPER, 1998). A utilização de compósitos reorçados com ibra de carbono, é portanto, um passo evolutivo da indústria da Construção Civil, que em sua constante busca por novas tecnologias, que sejam cada vez mais simples, resitentes e duráveis, para a reabilitação de estruturas de concreto, dando seqüência a um ciclo que antes já passou pelo recurso a metodologias tão distintas quanto o aumento das seções pela aplicação de concreto projetado e/ou de argamassas modiicadas, e pelo reorço de chapas de aço coladas ao concreto. O CFRP na maioria dos casos vem sendo utilizado para otimizar o desempenho dos pilares e pontes, uma vez que os ensaios disponíveis mostram um notável aumento da ductilidade destes elementos de concreto armado quando reorçados, em sistema coninante através dos tecidos de ibras de carbono, os quais são pereitamente capazes de moldar à sua superície lateral (SOUZA e RIPPER, 1998). Os tecidos de ibras de carbono também podem ser utilizados para o aumento da capacidade à lexão e ao esorço transversal de vigas e lajes, na atualidade também utilizada para melhorar o desempenho quanto à torção das estruturas de concreto armado, processos estes que exige muito cuidado no 26

UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL APOSTILA DE CONCRETO ARMADO II CAR2001 Parte I 2º semestre de 2014 Versão baseada

Leia mais

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 25 ago 2010 CISALHAMENTO EM VIGAS Nas vigas, em geral, as solicitações predominantes são o momento fletor e

Leia mais

Estruturas mistas aço-concreto

Estruturas mistas aço-concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas mistas aço-concreto Pro. Fernanda Calenzani Universidade Federal do Espírito Santo Vigas mistas aço-concreto 1 Tipos de Vigas Mistas A transmissão parcial

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Tecido de Fibras de Carbono 2.1. Introdução

2 Reforço Estrutural com Tecido de Fibras de Carbono 2.1. Introdução 2 Reorço Estrutural com Tecido de Fibras de Carbono 2.1. Introdução As primeiras pesquisas relativas ao emprego de materiais compósitos na construção civil oram desenvolvidas no Japão, há aproximadamente

Leia mais

Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono

Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono Roberta Aparecida Tomaz, Flavia Lopes Soares, Paulo Henrique Maciel Barbosa Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix / roberta.tomaz2013@gmail.com

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

Módulo 4 Vigas: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Segurança em Relação aos ELU e ELS

Módulo 4 Vigas: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Segurança em Relação aos ELU e ELS NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo Segurança em Relação aos ELU e ELS ELU Solicitações Normais ELU Elementos Lineares Sujeitos à Força Cortante

Leia mais

3.1.1. Influência do Trabalho a Frio nas Propriedades Mecânicas do Aço

3.1.1. Influência do Trabalho a Frio nas Propriedades Mecânicas do Aço 3 Projeto do Peril 3.1. ntrodução Este capítulo descreve o processo de avaliação da resistência estrutural de seções compostas por chapas de aço dobradas a rio, considerando as características apresentadas

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Ensaios de Stuttgart Reprodução em Laboratório Consorte, Anna Karlla G. Oliveira,

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica Neste capítulo são apresentados trabalhos relacionados ao comprimento de ancoragem e a resistência de aderência do CFC-substrato de concreto. São mostradas de forma resumida as

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO CURSO PRÁTICO DE DIAGNOSTICO, REPARO, PROTEÇÃO E REFORÇO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO PROF. FERNANDO JOSÉ RELVAS frelvas@exataweb.com.br

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

ENSAIOS DE STUTTGART REPRODUÇÃO EM LABORATÓRIO

ENSAIOS DE STUTTGART REPRODUÇÃO EM LABORATÓRIO ENSAIOS DE STUTTGART RERODUÇÃO EM LABORATÓRIO Andrea Corrêa Rocha (1); Maria das Graças Duarte Oliveira (1); aulo Sérgio Oliveira Resende (1); Alberto Vilela Chaer (2) (1) Acadêmicos de Engenharia Civil,

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA

CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA Emmyle Marcon 1, Zacarias M. Chamberlain. Pravia Resumo: Com base nos procedimentos empregados pela ABNT NBR8800:008 [1] para determinar as ligações em estruturas

Leia mais

Detalhamento de Concreto Armado

Detalhamento de Concreto Armado Detalhamento de Concreto Armado (Exemplos Didáticos) José Luiz Pinheiro Melges Ilha Solteira, março de 2009 Exercícios - Detalhamento 1 1. DIMENSIONAR E DETALHAR A VIGA ABAIXO. 1.1 DADOS A princípio, por

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

Estudo do Cisalhamento em Vigas de Concreto Armado

Estudo do Cisalhamento em Vigas de Concreto Armado Estudo do Cisalhamento em Vigas de Concreto Armado Luiz Alves ramos 1, Antonio Alves da Silva 2, luizalvesramos@gmail.com 1 deca_univap@yahoo.com.br 2, guido@univap.br 3, carlos@univap.br 4 Universidade

Leia mais

Vigas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D44 Estruturas de Concreto Armado I. Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT)

Vigas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D44 Estruturas de Concreto Armado I. Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SNP38D44 Vigas Prof.: Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) SINOP - MT 2016 Hipóteses de dimensionamento Seções planas Aderência perfeita

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

2 Projeto de Vigas de Concreto Armado Submetidas à Força Cortante e à Flexão

2 Projeto de Vigas de Concreto Armado Submetidas à Força Cortante e à Flexão 2 Projeto de Vigas de Concreto Armado Submetidas à Força Cortante e à Flexão 2.1. Projeto de Vigas de Concreto Armado Submetidas à Força Cortante Em vigas as tensões principais de tração e de compressão

Leia mais

TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil Disciplina: 1309 - ESTRUTURAS DE CONCRETO II Notas de Aula TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil Disciplina: 33 - ESTRUTURAS DE CONCRETO II Notas de Aula TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Tema 2 - Reabilitação e Reforços de Estruturas Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Leandro Carvalho D Ávila Dias 1,a

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

ANALISE DA EFICIÊNCIA DE ESTRIBOS CONTÍNUOS COMPARADOS AOS ESTRIBOS TRADICIONAIS UTILIZADOS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANALISE DA EFICIÊNCIA DE ESTRIBOS CONTÍNUOS COMPARADOS AOS ESTRIBOS TRADICIONAIS UTILIZADOS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANALISE DA EFICIÊNCIA DE ESTRIBOS CONTÍNUOS COMPARADOS AOS ESTRIBOS TRADICIONAIS UTILIZADOS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO Anderson Borges da Silva (1), Prof. Esp. Alexandre Vargas (2) RESUMO UNESC Universidade

Leia mais

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo ELU e ELS Força Cortante em Dimensionamento de à Punção - Detalhamento - - Conclusões Estado Limite Último

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2.1. Introdução Os materiais estruturais podem ser divididos em quatro grupos: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos (Gibson, 1993). Em

Leia mais

detalhamento da armadura longitudinal da viga

detalhamento da armadura longitudinal da viga conteúdo 36 detalhamento da armadura longitudinal da viga 36.1 Decalagem do diagrama de momentos fletores (NBR6118/2003 Item 17.4.2.2) Quando a armadura longitudinal de tração for determinada através do

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

2 Materiais e Métodos

2 Materiais e Métodos 1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS REFORÇADAS POR ACRÉSCIMO DE CONCRETO À FACE COMPRIMIDA EM FUNÇÃO DA TAXA DE ARMADURA LONGITUDINAL TRACIONADA PRÉ-EXISTENTE Elias Rodrigues LIAH; Andréa Prado Abreu REIS

Leia mais

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária)

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária) cisalhamento - ELU 22 3.6. rmadura de suspensão para cargas indiretas 3.6.1. Carga concentrada indireta (poio indireto de viga secundária) ( b w2 x h 2 ) V 1 ( b w1 x h 1 ) V d1 - viga com apoio ndireto

Leia mais

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos viabilizando estruturas para Andares Múltiplos Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da estrutura -aumento

Leia mais

Estruturas Mistas de Aço e Concreto

Estruturas Mistas de Aço e Concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas Mistas de Aço e Concreto Prof. Fernanda Calenzani Programa Detalhado Estruturas Mistas Aço e Concreto 1. Informações Básicas 1.1 Materiais 1.2 Propriedades

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos.

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos. PRÉ-DIMENSIONAMENTO CAPÍTULO 5 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 3 abr 2003 PRÉ-DIMENSIONAMENTO O pré-dimensionamento dos elementos estruturais é necessário para que se possa calcular

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas

Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Belgo Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios de aço Belgo 60 Nervurado, longitudinais e transversais,

Leia mais

VIGAS E LAJES DE CONCRETO ARMADO

VIGAS E LAJES DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: 6033 - SISTEMAS ESTRUTURAIS I Notas de Aula

Leia mais

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO À FLEXÃO E AO CISALHAMENTO COM TECIDOS DE FIBRA DE CARBONO. Caroline Maia Araújo

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO À FLEXÃO E AO CISALHAMENTO COM TECIDOS DE FIBRA DE CARBONO. Caroline Maia Araújo REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO À FLEXÃO E AO CISALHAMENTO COM TECIDOS DE FIBRA DE CARBONO Caroline Maia Araújo TESE SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas 1 de 9 01/11/2010 23:26 Como construir Lajes com EPS Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas As lajes tipo volterrana abriram a trajetória das lajes pré-moldadas. O sistema utiliza

Leia mais

Este curso consiste de uma introdução ao cálculo estrutural das vigas de concreto armado, ilustrada através do estudo de vigas retas de edifícios.

Este curso consiste de uma introdução ao cálculo estrutural das vigas de concreto armado, ilustrada através do estudo de vigas retas de edifícios. Introdução 1 1. Introdução O objetivo do cálculo de uma estrutura de concreto armado é o de se garantir: uma segurança adequada contra a ruptura decorrente das solicitações; deformações decorrentes das

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS DE ESTRUTURAS DE AÇO USANDO MÉTODOS NUMÉRICOS

DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS DE ESTRUTURAS DE AÇO USANDO MÉTODOS NUMÉRICOS CONSTRUMETAL 21 CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 2 de setembro 21 DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS DE ESTRUTURAS DE AÇO USANDO MÉTODOS NUMÉRICOS Ricardo Ficanha

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA TABELAS E FÓRMULAS PARA DIMENSIONAMENTO DIMENSIONAMENTO DE VIGAS RETANGULARES A FLEXÃO SIMPLES E CISALHAMENTO APLIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Professor: Cleverson Arenhart

Leia mais

TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO UNESP(Bauru/SP) 1309 - Estruturas de Concreto II - Torção em Vigas de Concreto rmado 1 TORÇÃO EM VIGS DE CONCRETO RMDO 1. INTRODUÇÃO Um conjugado que tende a torcer uma peça fazendo-a girar sobre o seu

Leia mais

ANCORAGEM E EMENDA DE ARMADURAS

ANCORAGEM E EMENDA DE ARMADURAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil Disciplina: 2323 - ESTRUTURAS DE CONCRETO II NOTAS DE AULA ANCORAGEM E EMENDA DE ARMADURAS

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO RESUMO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Diego de Medeiros Machado (1), Marcio Vito (2); UNESC

Leia mais

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas Perfis mistos em aço Novas perspectivas Perfis mistos em aço Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da

Leia mais

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal aderência - 1 4. Aderência, ancoragem e emenda por traspasse 4.1. Aderência A solidariedade da barra de armadura com o concreto circundante, que impede o escorregamento relativo entre os dois materiais,

Leia mais

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Erro! Fonte de referência não encontrada. - aje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Prefácio A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil. Disciplina: 1365 - ESTRUTURAS DE CONCRETO IV

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil. Disciplina: 1365 - ESTRUTURAS DE CONCRETO IV UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil Disciplina: 1365 - ESTRUTURAS DE CONCRETO IV NOTAS DE AULA MARQUISES Prof. Dr. PAULO SÉRGIO DOS SANTOS

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA

UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA UTILIZAÇÃO DE FRP PARA REFORÇO DE VIGAS DE MADEIRA Juliano Fiorelli (1); Antonio Alves Dias (2) (1) Aluno de mestrado Escola de Engenharia de São Carlos EESC USP, e-mail: fiorelli@sc.usp.br (2) Professor

Leia mais

Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado

Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado BE8 Encontro Nacional Betão Estrutural 8 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 8 Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado Bruna Catoia 1, Carlos A.T. Justo,

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS

UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS -ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS PREPARO, CONTROLE E RECEBIMENTO DO CONCRETO NBR 12655 Unidade III Continuação Pro. Adailton

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( )

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( ) Física 0 Duas partículas A e, de massa m, executam movimentos circulares uniormes sobre o plano x (x e representam eixos perpendiculares) com equações horárias dadas por xa ( t ) = a+acos ( ωt ), ( t )

Leia mais

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas.

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas. ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço Menor tempo de execução: A estrutura metálica é projetada para fabricação industrial e seriada, de preferência, levando a um menor tempo de fabricação

Leia mais

TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL

TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL Profa. Eliana Barreto Monteiro Você sabia? Que na maioria das vezes a aplicação da argamassa de reparo deve ser manual? A diferença entre reparo superficial e profundo? Procedimentos

Leia mais

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 1 Prof. Emérito / Instituto Militar de Engenharia / Seção de Engenharia de Fortificação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T Hevânio D. de Almeida a b, Rafael A. Guillou a,, Cleilson F. Bernardino

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

Figura 1 : Posição dos furos (F1 e F2) em relação aos cabos "cortados" (C1 e C50)

Figura 1 : Posição dos furos (F1 e F2) em relação aos cabos cortados (C1 e C50) Belo Horizonte, 16 de novembro de 2.009 CEFET-MG Diretoria de Planejamento e Gestão Belo Horizonte MG A/C.: Prof. Mário Basílio (marciobasilio@deii.cefetmg.br) REF.: Prédio administrativo do CEFET-MG,

Leia mais

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição Introdução Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Tópicos Especiais em Estruturas (Chapa Dobrada) Professor: Luciano Rodrigues

Leia mais

ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO

ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO 1 ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO Texto complementar 1. INTRODUÇÃO Os primeiros edifícios com estrutura de concreto armado foram concebidos utilizando-se

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO Curso de Engenharia Civil Universidade Estadual de Maringá Centro de ecnologia Departamento de Engenharia Civil CPÍULO 6: ORÇÃO Revisão de Momento orçor Convenção de Sinais: : Revisão de Momento orçor

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES 1 INDICE CAPÍTULO 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO... 1 1 INTRODUÇÃO... 1 2 CONCEITOS GERAIS... 1 2.1 Comportamento da seção transversal

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos, Thiago Catoia, Bruna Catoia Março de 2010 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior,

Leia mais

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Rigidez à flexão em ligações viga-pilar Bruna Catoia 1 Roberto Chust Carvalho 2 Libânio Miranda Pinheiro 3 Marcelo de

Leia mais

Prof. Eng. VICENTE BUDZINSKI UNIMAR CONCRETO ARMADO I CONCRETO

Prof. Eng. VICENTE BUDZINSKI UNIMAR CONCRETO ARMADO I CONCRETO CONCRETO Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água. Também é frequente o emprego de aditivos e adições. AGLOMERANTES Os aglomerantes

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 04.002 Versão nº 1 Sika CarboShear L Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

2.1 O Comportamento Estrutural

2.1 O Comportamento Estrutural 2 Vigas As vigas consistem basicamente de barras, contínuas ou não, com eixo reto ou curvo, equiibradas por um sistema de apoios, de modo a garantir que essas barras sejam, no mínimo, isostáticas. Estão

Leia mais

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Universidade Federal de Viçosa - Av. P.H. Rolfs s/n - Viçosa MG - 36.570-000

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

Figura 17.1 Laje nervurada bidirecional (FRANCA & FUSCO, 1997)

Figura 17.1 Laje nervurada bidirecional (FRANCA & FUSCO, 1997) ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 17 Libânio M. Pinheiro, Julio A. Razente 01 dez 2003 LAJES NERVURADAS 1. INTRODUÇÃO Uma laje nervurada é constituída por um conjunto de vigas que se cruzam, solidarizadas

Leia mais

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água.

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 1 Libânio M. Pinheiro; Cassiane D. Muzardo; Sandro P. Santos Março de 2004 INTRODUÇÃO Este é o capítulo inicial de um curso cujos objetivos são: os fundamentos do concreto;

Leia mais

Lajes de Edifícios de Concreto Armado

Lajes de Edifícios de Concreto Armado Lajes de Edifícios de Concreto Armado 1 - Introdução As lajes são elementos planos horizontais que suportam as cargas verticais atuantes no pavimento. Elas podem ser maciças, nervuradas, mistas ou pré-moldadas.

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS MANUAL DE MONTAGEM ÍNDICE 1. Tuper lajes mistas nervuradas... 03 2. Especificações... 04 3. Escoramento... 05 4. Armadura de distribuição... 07 5. Nervuras

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica 2.1. Introdução Nesse capitulo são apresentados alguns estudos sobre o comportamento do reforço com CFC em elementos estruturais, de modo a salientar a importância da aderência

Leia mais

BASES PARA CÁLCULO CAPÍTULO 6 BASES PARA CÁLCULO 6.1 ESTADOS LIMITES

BASES PARA CÁLCULO CAPÍTULO 6 BASES PARA CÁLCULO 6.1 ESTADOS LIMITES BASES PARA CÁLCULO CAPÍTULO 6 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 6 maio 2003 BASES PARA CÁLCULO 6.1 ESTADOS LIMITES As estruturas de concreto armado devem ser projetadas de modo

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS B. C. S. Lopes 1, R. K. Q. Souza, T. R. Ferreira 3, R. G. Delalibera 4 Engenharia Civil Campus Catalão 1. bcs_90@hotmail.com;. rhuankarlo_@hotmail.com;

Leia mais

01 projeto / normalização

01 projeto / normalização 01 projeto / normalização revisão_das_práticas_recomendadas para_edificações_de_até_5_pavimentos apresentação O trabalho é uma revisão da primeira versão das PRs, que serve como texto base para a norma

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE Estúdio de Arquitetura: Sustentabilidade Steel Framing Aluna: Gabriela Carvalho Ávila Maio de 2014 ÍNDICE 1 Introdução... 4 2 Sistema Ligth Steel Framing... 5 2.1

Leia mais

Efeito do comportamento reológico do concreto

Efeito do comportamento reológico do concreto Efeito do comportamento reológico do concreto FLECHAS E ELEENTOS DE CONCRETO ARADO 1 - INTRODUÇÃO Todo o cálculo das deformações de barras, devidas à fleão, tem por base a clássica equação diferencial

Leia mais