Relatório Bimestral FCTY-RTB-ARQ Referência: Programa de Monitoramento Arqueológico. Novembro/2013 e Janeiro/2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Bimestral FCTY-RTB-ARQ-002-01-14. Referência: Programa de Monitoramento Arqueológico. Novembro/2013 e Janeiro/2014"

Transcrição

1 Relatório Bimestral FCTY-RTB-ARQ Referência: Programa de Monitoramento Arqueológico. Novembro/2013 e Janeiro/2014 At: Gerência de Sustentabilidade FCTY Janeiro de 2014

2 1 INTRODUÇÃO LOCALIZAÇÃO O EMPREENDIMENTO O TERRENO O DIAGNÓSTICO E PROSPECÇÃO ARQUEOLÓGICA MONITORAMENTO ARQUEOLÓGICO RETIRADA DA VEGETAÇÃO DE CAPIM BRACHIARIA ESCAVAÇÃO DOS POÇOS PARA COLOCAÇÃO DE ESTACAS E PILARES DE SUSTENTAÇÃO DAS VIGAS CONCLUSÃO EQUIPE TÉCNICA REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO I RELATÓRIO FOTOGRÁFICO E MAPAS RETIRADA DA COBERTURA VEGETAL E VALA PRÓXIMA À ESTRADA DE ACESSO VISTORIA DOS POÇOS PARA SONDAGENS E ESTACAS DE SUSTENTAÇÃO DE VIGAS º Relatório Bimestral. Programa de Monitoramento Arqueológico. FCTY-RTB-ARQ Janeiro/2014

3 1 INTRODUÇÃO O Presente relatório refere-se aos dias 5 de novembro de 2013 e 29 de janeiro de 2014 de Monitoramento Arqueológico, dando continuidade às atividades de implantação do empreendimento SPE Fashion City Brasil Ltda. Durante o mês de dezembro não foi possível realizar monitoramento devido à frequência das precipitações pluviométricas. Também não houve escavação em novas áreas do empreendimento. O Monitoramento Arqueológico é objeto da condicionante ambiental nº 15 da Licença de Instalação nº 143, concedida pelo Conselho Estadual de Política Ambiental durante a 67ª Reunião Ordinária da Unidade Regional Colegiada Rio das Velhas, realizada no dia 27 de Agosto de 2013: Nesta referida licença a condicionante é descrita da seguinte forma: Realizar o monitoramento arqueológico permanente durante as obras, atendendo às diretrizes do Termo de Referência do IPHAN (IPHAN NORMAS E GERENCIAMENTO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO. Organizadores: Rossano L. Bastos e Marise C. Souza ª edição revista, atualizada e ampliada. São Paulo: 2008), por meio de equipe de arqueólogos, com envio de relatórios bimestrais ao IPHAN e SUPRAM. 2 LOCALIZAÇÃO O empreendimento está inserido na região da Área de Proteção Ambiental - APA Carste de Lagoa Santa, criada pelo Governo Federal através do Decreto , de 25 de janeiro de 1990, com hectares abrangendo terras dos municípios de Lagoa Santa, Pedro Leopoldo, Confins, Matozinhos e Funilandia. Situado no município de Pedro Leopoldo, nas proximidades de Confins, o empreendimento localiza-se na vertente de uma colina a sudoeste do sitio arqueológico, espeleológico e paleontológico da Lapa Vermelha (Figura 2.1, Figura 2.2, Figura 2.3). FIGURA 2.1 LOCALIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO COM RELAÇÃO AO MUNICÍPIO DE PEDRO LEOPOLDO. 2º Relatório Bimestral. Programa de Monitoramento Arqueológico. FCTY-RTB-ARQ Janeiro/2014, Pág. 1

4 FIGURA 2.2 LOCALIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO (VERMELHO) COM RELAÇÃO AO SÍTIO ARQUEOLÓGICO LAPA VERMELHA (A NORDESTE) E A CONFINS (A LESTE) E PEDRO LEOPOLDO. Lapa Vermelha FIGURA 2.3 DETALHE DA LOCALIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO (CÍRCULO VERMELHO) COM RELAÇÃO AO SÍTIO ARQUEOLÓGICO LAPA VERMELHA (A NORDESTE) E A CONFINS (A LESTE). 2º Relatório Bimestral. Programa de Monitoramento Arqueológico. FCTY-RTB-ARQ Janeiro/2014, Pág. 2

5 3 O EMPREENDIMENTO O projeto SPE Fashion City Brasil Ltda. está sendo implantado em uma área com cerca de 25 hectares, onde serão construídos um mall atacadista, um hotel e um centro de eventos. O empreendimento será voltado para o turismo de negócios com a temática "moda" com cerca de 500 lojas de venda por atacado, além de aproximadamente 1000 vagas de estacionamento (Figura 3.1). O empreendimento ainda contará com salas e estruturas de apoio para execução de ações de cunho ambiental, turístico e cultural (Figura 3.2), tendo como base o Circuito das Grutas, a Serra do Cipó, a proteção do Carste de Lagoa Santa, os corredores ecológicos e o SAP Vetor Norte; estruturas para capacitação de moradores locais; implantação de medidas de sustentabilidade para eficiência no uso da água e da energia elétrica; e uma Estação de Tratamento de Efluentes (ETE). FIGURA 3.1 MAQUETE DO LAYOUT DO EMPREENDIMENTO. FIGURA 3.2 LOCALIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO COM RELAÇÃO À LAPA VERMELHA, MOSTRANDO A VISADA DESDE O MIRANTE QUE SERÁ CONSTRUÍDO 2º Relatório Bimestral. Programa de Monitoramento Arqueológico. FCTY-RTB-ARQ Janeiro/2014, Pág. 3

6 4 O TERRENO O empreendimento de moda está localizado no limite sudoeste do Planalto Cárstico de Lagoa Santa. O Carste dessa região foi modelado sobre rochas calcárias (Formação Sete Lagoas, do Grupo Bambuí, de idade pré-cambriana). Foi esculpido a partir de uma antiga superfície de aplainamento da Formação Serra de Santa Helena, desenvolvida sobre metapelitos que estão sobrepostos aos calcários do Grupo Bambuí. No limite sudoeste do Planalto ainda existem remanescentes desta antiga superfície de aplainamento preservados nos topos dos alinhamentos estruturais da Serra dos Ferradores e do Sistema de Confins (Foto 4.1, Foto 4.2). A Serra dos Ferradores, com cotas acima de 850 m, apresenta uma cobertura de latossolos sobre uma couraça ferruginosa (Kohler, 1989). FOTO 4.1 VISTA DO NÚCLEO URBANO DE CONFINS PRÓXIMO AO TERRENO DO EMPREENDIMENTO. EM SEGUNDO PLANO OBSERVA-SE O AEROPORTO NA PORÇÃO ELEVADA DO PLANALTO CÁRSTICO DE LAGOA SANTA. FOTO 4.2 POSIÇÃO DA ADA NA PORÇÃO SUPERIOR DA VERTENTE. (FOTO: ARKAIOS, PROGRAMA CONJUNTO DIAGNOSTICO E PROSPECÇÃO ARQUEOLÓGICA RELATÓRIO FINAL, JUNHO DE 2013). A vertente onde está sendo instalado o empreendimento possui caimento para nordeste, com uma declividade muito suave na alta encosta, entre as cotas m, e uma sutil quebra de relevo na media encosta (cota de 830 a 800m), daí seguindo um caimento moderado em direção ao fundo da uvala, cujo sumidouro encontra-se na cota de 718m (Arkaios, Relatório Final, julho 2013). 2º Relatório Bimestral. Programa de Monitoramento Arqueológico. FCTY-RTB-ARQ Janeiro/2014, Pág. 4

7 A área inicialmente estava toda coberta com capim Brachiaria há muitos anos, servindo de pastagem para gado. As machas de calcário utilizado como adubo podem ser vistas ocasionalmente. Em alguns locais o terreno foi cortado para formar leiras de curvas de nível para contenção da erosão. Sendo assim, o solo original tem sido desestruturado ao longo dos anos pelo uso de maquinário para plantio e manutenção da pastagem. Aliado a isto, a remoção da vegetação nativa favorece o carreamento de componentes do solo durante os períodos de chuvas, nem sempre impedido pelas leiras em curva de nível. 5 O DIAGNÓSTICO E PROSPECÇÃO ARQUEOLÓGICA Os trabalhos do Programa Conjunto de Diagnóstico e Prospecção Arqueológica da Área do Complexo Turístico de Negócios Fashion City Brasil foram autorizados pela Portaria nº 18 anexo I, item 45, de 19 de abril de processo nº / Conforme o documento Arkaios, Relatório Final, julho 2013, os trabalhos de campo contemplaram prospecções de subsuperfície do terreno, tendo sido realizadas 43 sondagens (Figura 5.1) com cavadeiras articuladas nas partes menos declivosas e que não foram modificadas pela construção das curvas de nível. Os furos atingiram uma profundidade média entre 50 e 60 cm. Nenhum vestígio de ocupação pré-colonial ou hodierno foi encontrado durante sondagens. FIGURA 5.1 LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE SONDAGEM REALIZADOS DURANTE O PROGRAMA DE DIAGNÓSTICO E PROSPECÇÃO ARQUEOLÓGICA. ARKAIOS, RELATÓRIO FINAL, JULHO A área escolhida para a implantação do empreendimento Fashion City Brasil não apresenta características morfológicas que pudessem ter favorecido o uso daquele espaço por populações indígenas pré-coloniais. 2º Relatório Bimestral. Programa de Monitoramento Arqueológico. FCTY-RTB-ARQ Janeiro/2014, Pág. 5

8 Apesar da proximidade do local com sítios arqueológicos importantes como a Lapa Vermelha de Pedro Leopoldo e a Lapa Mortuária de Confins, nas prospecções realizadas na Área Diretamente Afetada (ADA) e na Área de Entorno (AE) do empreendimento, não foram encontrados vestígios que indicassem que os indígenas que habitaram o Planalto de Lagoa Santa tivessem utilizado aquele espaço. 6 MONITORAMENTO ARQUEOLÓGICO Os trabalhos de monitoramento desta primeira fase foram iniciados em 11/09/2013 e finalizados no dia 27/09/13 por força de fortes chuvas na região. A retomada do desmatamento ocorreu na estiagem no mês de janeiro de 2014, quando se iniciou a segunda etapa de monitoramento. Foram realizados trabalhos de campo nos dias 21, 29 e 30 de janeiro, 11 e 18 de fevereiro de Nesta segunda etapa, os trabalhos de monitoramento consistiram em: (i) finalização da retirada da cobertura vegetal de Brachiaria. (ii) acompanhamento dos furos realizados para colocar as estacas e pilares que sustentarão o edifício. (iii) realizar encontros com os topógrafos da área para a elaboração de um georreferenciamento de maior precisão da área do empreendimento para poder mapear na escala adequada as áreas e locais vistoriados. Foi realizada uma campanha no dia 5 de setembro, foi realizado o reconhecimento do terreno e estabelecida a estratégia de trabalho junto aos responsáveis pela execução da obra, conforme o desenvolvimento da mesma. Esta primeira etapa do trabalho consistiu em desmatar (retirar o capim), realizar o corte do terreno nas partes mais elevadas e aterrar nas mais baixas de modo a obter a plataforma onde será construído o edifício principal. Todavia, fez parte da estratégia de trabalho apenas desmatar na medida do necessário, ou seja, seguindo o ritmo da execução do aterramento. 6.1 RETIRADA DA VEGETAÇÃO DE CAPIM BRACHIARIA Todas as áreas abertas pela escavadeira foram vistoriadas em busca de vestígios arqueológicos antes dos trabalhos de corte e aterro. As atividades de monitoramento foram registradas através de GPS e fotografias (ver ANEXO I). 6.2 ESCAVAÇÃO DOS POÇOS PARA COLOCAÇÃO DE ESTACAS E PILARES DE SUSTENTAÇÃO DAS VIGAS As áreas já terraplanadas, seja de corte ou de aterro, foram marcadas para efetuar os furos e sondagens com vistas a colocar as estacas e pilares de sustentação das vigas e do edifício. No relatório fotográfico consta a ilustração do processo bem como os furos vistoriados. Os furos que foram vistoriados se referem àqueles que se encontrava na linha zero 7 CONCLUSÃO Até o momento não foram encontrados quaisquer vestígio de ocupação humana nem pré-histórica nem histórica. 2º Relatório Bimestral. Programa de Monitoramento Arqueológico. FCTY-RTB-ARQ Janeiro/2014, Pág. 6

9 8 EQUIPE TÉCNICA Equipe Técnica Formação Responsabilidade Empresa Ione Arqueóloga Coordenação Geral Arkaios Maria Elisa Castellanos Solá Arqueóloga Coordenação Campo Arkaios Fabricio Martins Geógrafo Execução Arkaios 9 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARKAIOS. Programa de Diagnóstico e Prospecção Arqueológica. Relatório Final, julho º Relatório Bimestral. Programa de Monitoramento Arqueológico. FCTY-RTB-ARQ Janeiro/2014, Pág. 7

10 10 ANEXO I 10.1 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO E MAPAS RETIRADA DA COBERTURA VEGETAL E VALA PRÓXIMA À ESTRADA DE ACESSO FIGURA 10.1 MAPA DA ÁREA DO EMPREENDIMENTO. EM MARROM AS CURVAS DE NÍVEL, EM LILÁS OS LIMITES DO PROJETO, EM VERMELHO A COTA 00 QUE DIVIDE A ÁREA DE CORTE DA ÁREA DE ATERRO. EM AZUL O CAMINHAMENTO DE OBSERVAÇÃO DA SUPERFÍCIE DO TERRENO APÓS RETIRADA DA COBERTURA VEGETAL. A SUDESTE, O CAMINHAMENTO DE OBSERVAÇÃO DA VALA AO LONGO DA ESTRADA DE ACESSO. 2º Relatório Bimestral. Programa de Monitoramento Arqueológico. FCTY-RTB-ARQ Janeiro/2014, Pág. 8

11 FOTO 10.1 VISTORIA DA VALA PRÓXIMA À ESTRADA DE ACESSO. FOTO 10.2 VISTORIA DA VALA PRÓXIMA À ESTRADA DE ACESSO. FOTO 10.3 VISTORIA DA VALA PRÓXIMA À ESTRADA DE ACESSO. FOTO 10.4 VISTORIA DA VALA PRÓXIMA À ESTRADA DE ACESSO. 2º Relatório Bimestral. Programa de Monitoramento Arqueológico. FCTY-RTB-ARQ Janeiro/2014, Pág. 9

12 FOTO 10.5 VISTORIA DA VALA PRÓXIMA À ESTRADA DE ACESSO. FOTO 10.6 VISTORIA DA VALA PRÓXIMA À ESTRADA DE ACESSO. FOTO 10.7 VISTORIA DA RETIRADA DA COBERTURA VEGETAL. FOTO 10.8 VISTORIA DA RETIRADA DA COBERTURA VEGETAL. FOTO 10.9 INSPEÇÃO DAS ÁREAS DE CORTE. 2º Relatório Bimestral. Programa de Monitoramento Arqueológico. FCTY-RTB-ARQ Janeiro/2014, Pág. 10

13 FOTO INSPEÇÃO DAS ÁREAS DE CORTE E DE REMOÇÃO DA VEGETAÇÃO. FOTO INSPEÇÃO DAS ÁREAS DE CORTE E DE REMOÇÃO DA VEGETAÇÃO. FOTO INSPEÇÃO DAS ÁREAS DE CORTE E DE REMOÇÃO DA VEGETAÇÃO. FOTO INSPEÇÃO DAS ÁREAS DE CORTE E DE REMOÇÃO DA VEGETAÇÃO. FOTO INSPEÇÃO DAS ÁREAS DE CORTE E DE REMOÇÃO DA VEGETAÇÃO. 2º Relatório Bimestral. Programa de Monitoramento Arqueológico. FCTY-RTB-ARQ Janeiro/2014, Pág. 11

14 VISTORIA DOS POÇOS PARA SONDAGENS E ESTACAS DE SUSTENTAÇÃO DE VIGAS. FOTO ATIVIDADES DE CORTE (EM PRIMEIRO PLANO) E ATERRO (AO FUNDO). FOTO AO FUNDO OBSERVA-SE A ÁREA ONDE ESTÃO MARCADOS OS PONTOS DE SONDAGEM E DE CONFECÇÃO DAS ESTACAS E PILARES PARA SUSTENTAR AS VIGAS DO EDIFÍCIO. FOTO AO FUNDO OBSERVA-SE A ÁREA ONDE ESTÃO MARCADOS OS PONTOS DE SONDAGEM E DE CONFECÇÃO DAS ESTACAS E PILARES PARA SUSTENTAR AS VIGAS DO EDIFÍCIO. 2º Relatório Bimestral. Programa de Monitoramento Arqueológico. FCTY-RTB-ARQ Janeiro/2014, Pág. 12

15 FOTO ABERTURA DOS POÇOS PARA CONFECÇÃO DAS ESTACAS. FOTO ABERTURA DOS POÇOS PARA CONFECÇÃO DAS ESTACAS FOTO ABERTURA DOS POÇOS PARA CONFECÇÃO DAS ESTACAS FOTO PLANEJAMENTO DO MONITORAMENTO DOS FUROS DOS POÇOS. IDENTIFICAÇÃO DE SONDAGENS E DOS POÇOS PRÓXIMOS À LINHA 00 DO EMPREENDIMENTO, LIMITE ENTRE O CORTE E O ATERRO. FOTO PLANEJAMENTO DO MONITORAMENTO DOS FUROS DOS POÇOS. IDENTIFICAÇÃO DE SONDAGENS E DOS POÇOS PRÓXIMOS À LINHA 00 DO EMPREENDIMENTO, LIMITE ENTRE O CORTE E O ATERRO. 2º Relatório Bimestral. Programa de Monitoramento Arqueológico. FCTY-RTB-ARQ Janeiro/2014, Pág. 13

16 FOTO MONITORAMENTO DAS ATIVIDADES DE REALIZAÇÃO DOS FUROS. FOTO MONITORAMENTO DAS ATIVIDADES DE REALIZAÇÃO DOS FUROS. FOTO MONITORAMENTO DOS FUROS E PREENCHIMENTO DOS POÇOS. FOTO MONITORAMENTO DOS FUROS E PREENCHIMENTO DOS POÇOS. FOTO MONITORAMENTO DO PREENCHIMENTO DOS POÇOS. FOTO MONITORAMENTO DO PREENCHIMENTO DOS POÇOS. 2º Relatório Bimestral. Programa de Monitoramento Arqueológico. FCTY-RTB-ARQ Janeiro/2014, Pág. 14

17 FOTO MONITORAMENTO DO CORTE DA ESCAVAÇÃO PARA CONFECÇÃO DOS PILARES. NOTA-SE NA SUPERFÍCIE DO TERRENO UMA CAMADA VERMELHA (OU AMARELA) DE ARGILA CORRESPONDENDO A SUPERFÍCIE DE ATERRO REALIZADO. ABAIXO O PERFIL DO SOLO ORIGINAL. FOTO MONITORAMENTO DO CORTE DA ESCAVAÇÃO PARA CONFECÇÃO DOS PILARES. NOTA-SE NA SUPERFÍCIE DO TERRENO UMA CAMADA VERMELHA (OU AMARELA) DE ARGILA CORRESPONDENDO A SUPERFÍCIE DE ATERRO REALIZADO. ABAIXO O PERFIL DO SOLO ORIGINAL. FOTO FINALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONFECÇÃO DAS ESTACAS PARA RECEBER OS PILARES QUE SUSTENTARÃO AS VIGAS DO EDIFÍCIO. FOTO FINALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONFECÇÃO DAS ESTACAS PARA RECEBER OS PILARES QUE SUSTENTARÃO AS VIGAS DO EDIFÍCIO. 2º Relatório Bimestral. Programa de Monitoramento Arqueológico. FCTY-RTB-ARQ Janeiro/2014, Pág. 15

Relatório Bimestral FCTY-RTB-ARQ-003-01-14. Referência: Programa de Monitoramento Arqueológico. Fevereiro/2014 e Março/2014

Relatório Bimestral FCTY-RTB-ARQ-003-01-14. Referência: Programa de Monitoramento Arqueológico. Fevereiro/2014 e Março/2014 Relatório Bimestral FCTY-RTB-ARQ-003-01-14 Referência: Programa de Monitoramento Arqueológico. Fevereiro/2014 e Março/2014 At: Gerência de Sustentabilidade FCTY Agosto de 2014 1 INTRODUÇÃO... 1 2 LOCALIZAÇÃO...

Leia mais

Proc. IPHAN nº 01450.007673/2011-16 - Portaria IPHAN nº 15, de 05 de maio de 2011

Proc. IPHAN nº 01450.007673/2011-16 - Portaria IPHAN nº 15, de 05 de maio de 2011 PROJETO ARQUEOLOGIA PREVENTIVA NAS ÁREAS DE INTERVENÇÃO DA UHE SANTO ANTONIO DO JARI, AP/PA Proc. IPHAN nº 01450.007673/2011-16 - Portaria IPHAN nº 15, de 05 de maio de 2011 LAUDO: 02/2011 SERVIÇO EXECUTADO:

Leia mais

À UNIDADE REGIONAL COLEGIADA RIO DAS VELHAS DO CONSELHO DE POLÍTICA AMBIENTAL DE MINAS GERAIS COPAM/MG.

À UNIDADE REGIONAL COLEGIADA RIO DAS VELHAS DO CONSELHO DE POLÍTICA AMBIENTAL DE MINAS GERAIS COPAM/MG. À UNIDADE REGIONAL COLEGIADA RIO DAS VELHAS DO CONSELHO DE POLÍTICA AMBIENTAL DE MINAS GERAIS COPAM/MG. Empreendimento: Usiminas Mina Taquaril Processo n.º 03172/2008/002/2009 Revalidação de Licença de

Leia mais

Anexo II.5.3-4 Ficha de Sítios Cadastrados por Daivisson Santos Durante a Etapa de Campo para Confecção do Diagnóstico Arquelógico do Gasoduto do

Anexo II.5.3-4 Ficha de Sítios Cadastrados por Daivisson Santos Durante a Etapa de Campo para Confecção do Diagnóstico Arquelógico do Gasoduto do Anexo II.5.3-4 Ficha de Sítios Cadastrados por Daivisson Santos Durante a Etapa de Campo para Confecção do Diagnóstico Arquelógico do Gasoduto do Pará Nome do sítio: Ilha da Montanha Outras designações

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO PLANO BÁSICO AMBIENTAL DO AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica nº 2.2 Detalhar todos os programas de prevenção,

Leia mais

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08)

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) 6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) Curitiba/PR Julho de 2012 1 1 INTRODUÇÃO: A Ingá Engenharia e Consultoria Ltda. vem

Leia mais

PROJETO: MONITORAMENTO ARQUEOLÓGICO NA ÁREA DE IMPLANTAÇÃO DA REFINARIA PREMIUM II (RPRE-II), DUTOVIA, ÁREA AUXILIAR E TERMINAL DO PECÉM (TECEM) - CE

PROJETO: MONITORAMENTO ARQUEOLÓGICO NA ÁREA DE IMPLANTAÇÃO DA REFINARIA PREMIUM II (RPRE-II), DUTOVIA, ÁREA AUXILIAR E TERMINAL DO PECÉM (TECEM) - CE PROJETO: MONITORAMENTO ARQUEOLÓGICO NA ÁREA DE IMPLANTAÇÃO DA REFINARIA PREMIUM II (RPRE-II), DUTOVIA, ÁREA AUXILIAR E TERMINAL DO PECÉM (TECEM) - CE. 2º RELATÓRIO (Dezembro 2013 a Fevereiro, 2014) Recife,

Leia mais

Formas de representação:

Formas de representação: 1 Formas de representação: Curvas de Nível Perfil Topográfico Carta Hipsométrica Maquete de Relevo 2 CURVAS DE NÍVEL São isolinhas de altitude, ou seja linhas que representam todos os pontos de igual altitude

Leia mais

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA DISA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de rosto deste formulário,

Leia mais

III-097- AVALIAÇÃO DE ÁREA PARA IMPLANTAÇÃO DE ATERRO SANITÁRIO ESTUDO DE CASO

III-097- AVALIAÇÃO DE ÁREA PARA IMPLANTAÇÃO DE ATERRO SANITÁRIO ESTUDO DE CASO III-097- AVALIAÇÃO DE ÁREA PARA IMPLANTAÇÃO DE ATERRO SANITÁRIO ESTUDO DE CASO 1 III-097- AVALIAÇÃO DE ÁREA PARA IMPLANTAÇÃO DE ATERRO SANITÁRIO ESTUDO DE CASO Maria Odete Holanda Mariano (1) Engenheira

Leia mais

Laudo Técnico Ambiental

Laudo Técnico Ambiental E-MAIL: tnm_1984@hotmail.com Laudo Técnico Ambiental Atendimento a Notificação Nº 104/2013 Laudo Anual para Atender as exigências da Lei nº 4.123 de 04 de maio de 2007. Ano de referência: 2012 Valinhos

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 INFORMAÇÕES GERAIS A Estação Ecológica de Corumbá é uma unidade de conservação de proteção integral situada no Centro-Oeste de MG, região do Alto São Francisco, na porção

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS

CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS PROF. RENATA SANTOS MOMOLI Eng. Agrônoma Dra. em Solos e Nutrição de Plantas PRINCÍPIOS BÁSICOS 1. Classificação Técnica: diferenciações

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO MÊS: Maio / 2014 OBRA:

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO MÊS: Maio / 2014 OBRA: RELATÓRIO FOTOGRÁFICO MÊS: Maio / 2014 OBRA: Informações da Obra: Att. Aos clientes do Vallentina Vasconcelos Residence. A Iguatemi Construções Ltda. tem a satisfação em informar aos seus clientes sobre

Leia mais

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA Por meio do Projeto de Georreferenciamento e Diagnóstico das Nascentes de Sorocaba, a equipe da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMA) selecionou a Nascente

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Relatório de Andamento N o. 01 (RTA-Jari-ProcessosErosivos-01/12) Preparado por: Especialmente para:

Leia mais

SHOPPING PARK TAQUARAL RELATÓRIO SEMANAL. PERÍODO: 23 a 29 de Dezembro de 2011 EMPREENDIMENTO GERENCIAMENTO

SHOPPING PARK TAQUARAL RELATÓRIO SEMANAL. PERÍODO: 23 a 29 de Dezembro de 2011 EMPREENDIMENTO GERENCIAMENTO SHOPPING PARK TAQUARAL RELATÓRIO SEMANAL PERÍODO: 23 a 29 de Dezembro de 2011 EMPREENDIMENTO GERENCIAMENTO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ATIVIDADES EM DESENVOLVIMENTO... 3 3. STATUS CONTRATUAIS... 4 4.

Leia mais

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Rafael KÖENE e Mário Sérgio de MELO Universidade Estadual de Ponta Grossa A região de Piraí da Serra é um representante remanescente

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM Manaus 28 de Outubro de 2010 LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO CHIBATÃO MANAUS (AM) 1. INTRODUÇÃO Por solicitação do Ministério Público do Estado

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Arqueologia Preventiva e Licenciamento Ambiental de Projetos no Brasil *

Arqueologia Preventiva e Licenciamento Ambiental de Projetos no Brasil * Arqueologia Preventiva e Licenciamento Ambiental de Projetos no Brasil * Solange Bezerra Caldarelli Scientia, Consultoria Científica (Brasil) solange@scientiaconsultoria.com.br Resumo: Apresentam-se, aqui,

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO ( ) Este documento Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; deve ser preenchido e assinado pelo requerente

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES Guilherme Mendonça da Cunha (PETROBRAS), Giovani Schifino Dellamea, Renato Fernandes, Wilson José de Oliveira. RESUMO Este Trabalho apresenta

Leia mais

RELATÓRIO DE VISTORIA. Participaram da vistoria os seguintes representantes:

RELATÓRIO DE VISTORIA. Participaram da vistoria os seguintes representantes: PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA RELATÓRIO DE VISTORIA RELATÓRIO N.º 010/2010 Origem: ATEC PRM/Criciúma Destino: Darlan Airton Dias Procurador da República Ref.: Processo Judicial ACP

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Cartografia Sistemática e Temática (IAD319) Prof. pablosantos@ufba.br 08 a Aula INFORMAÇÃO E REPRESENTAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO PRÍSTINO. IP. 109.2014 Belo Horizonte, 19 de fevereiro de 2014

INSTITUTO PRÍSTINO. IP. 109.2014 Belo Horizonte, 19 de fevereiro de 2014 INSTITUTO PRÍSTINO IP. 109.2014 Belo Horizonte, 19 de fevereiro de 2014 Laudo Técnico em resposta ao Parecer Único Nº 361/2012 Descrição do fato: Análise Técnica à Licença de Operação Corretiva para lavra

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento 11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO 11.1 Zona de Amortecimento Vilhena (2002) menciona que o conceito de zona de amortecimento surgiu pela primeira vez em 1979, com o programa Man and Biosfere,

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ENTORNO DA LAGOA DO SUMIDOURO, APA CARSTE DE LAGOA SANTA, MINAS GERAIS 1

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ENTORNO DA LAGOA DO SUMIDOURO, APA CARSTE DE LAGOA SANTA, MINAS GERAIS 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ENTORNO DA LAGOA DO SUMIDOURO, APA CARSTE DE LAGOA SANTA, MINAS GERAIS 1 Luiz Eduardo Panisset Travassos 2 ; Cláudio Manoel Uemoto Maia 3 ; Cristiano Furst Costa 4 ; Cynthia

Leia mais

DECRETO Nº 25974. de 15 de dezembro de 2008.

DECRETO Nº 25974. de 15 de dezembro de 2008. DECRETO Nº 25974 de 15 de dezembro de 2008. Institui o GEOPARQUE CICLO DO OURO DE GUARULHOS e dá diretrizes para sua estruturação com o objetivo de implantação e forma de gestão. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Palavras Chave: Geomorfologia Urbana, Mapeamento, Danos Ambientais, Planejamento Ambiental.

Palavras Chave: Geomorfologia Urbana, Mapeamento, Danos Ambientais, Planejamento Ambiental. ELABORAÇÃO DO MAPA DE DANOS AMBIENTAIS DA APA PETRÓPOLIS,VOLTADO À PREVISÃO DE MOVIMENTOS DE MASSA - MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS, ESTADO DO RIO DE JANEIRO BRASIL. BONATTO, G. (1), (1) Aluno do Programa de

Leia mais

Anexo 1 - Material Informativo de Comunicação Prévia

Anexo 1 - Material Informativo de Comunicação Prévia Anexo 1 - Material Informativo de Comunicação Prévia LINHA DE TRANSMISSÃO 500 kv Manaus - Boa Vista e Subestações Associadas NO BRASIL, o sistema de transmissão de energia elétrica se desenvolveu utilizando

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM

LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM COLÉGIO FRANCO-BRASILEIRO NOME: N : TURMA: PROFESSOR(A): ANO: 9º DATA: / / 2014 LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM 1. Analise a figura e o texto apresentados a seguir. Atualmente existem três categorias

Leia mais

Ficha de caracterização do meio envolvente da escola

Ficha de caracterização do meio envolvente da escola Ficha de caracterização do meio envolvente da escola 1. Identificação da Equipa Escola: Equipa: Localização Colégio Cidade Roda Os pequenos geólogos Redinha/ Pombal/ Leiria/ Portugal 2. Caracterização

Leia mais

ANEXO XI PLANO DE NEGÓCIOS REFERENCIAL

ANEXO XI PLANO DE NEGÓCIOS REFERENCIAL ANEXO XI PLANO DE NEGÓCIOS REFERENCIAL EXPLORAÇÃO, MEDIANTE CONCESSÃO ADMINISTRATIVA, DA GESTÃO DE ÁREAS DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PARQUE ESTADUAL DO SUMIDOURO, MONUMENTO NATURAL ESTADUAL GRUTA REI DO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1.

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015 Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. Identificação Contratação de consultoria de pessoa física (PF) para diagnóstico

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM Manaus 21 de Novembro de 2012 LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM 1. INTRODUÇÃO Por solicitação da Câmara dos Vereadores da cidade de Manaus,

Leia mais

LEI Nº 11.476 DE 01 DE JULHO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 11.476 DE 01 DE JULHO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Salvador, Bahia Quarta-feira 2 de julho de 2009 Ano XCIII N o 20.022 LEI Nº 11.476 DE 01 DE JULHO DE 2009 Dispõe sobre a criação da Política de Desenvolvimento do Turismo Sustentável nas Áreas de Proteção

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA Londrina, 19 de janeiro de 2012 INTRODUÇÃO A proposta de trabalho desenvolvida em 2011 voltada a realização de compensação de emissões de CO 2 por meio do plantio

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

3. CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO

3. CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO 16 3. CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO De acordo com a o Anuário Estatístico do Município de Belém (2006), o município de Belém, no Estado do Pará, limita-se ao norte com a Baía do Marajó, a sul com o

Leia mais

CONTEXTO linha do tempo

CONTEXTO linha do tempo CONTEXTO linha do tempo CONTEXTO - hoje As terras foram subdivididas em 31 lotes, levando em conta: Localização, acesso e proximidade a centros urbanos Aptidão agrícola mapeamento de tipo de solos, topografia

Leia mais

II SEMINÁRIO ENERGIA E MEIO AMBIENTE PERSPECTIVA LEGAL

II SEMINÁRIO ENERGIA E MEIO AMBIENTE PERSPECTIVA LEGAL II SEMINÁRIO ENERGIA E MEIO AMBIENTE PERSPECTIVA LEGAL PAINEL LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS DO SETOR ELÉTRICO O SETOR ELÉTRICO E AS INTERVENÇÕES SOCIAIS NOS EMPREENDIMENTOS DE GERAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com.br PETOBRAS VITÓRIA. Vitória - ES - 2005

11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com.br PETOBRAS VITÓRIA. Vitória - ES - 2005 PETOBRAS VITÓRIA Vitória - ES - 2005 MEMORIAL O partido tem como premissa a ocupação do território não considerando-o como perímetro, e sim como volume, ou seja, apreende deste sítio, sua estrutura geomorfológica.

Leia mais

16- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a Partir de Cartas Topográficas

16- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a Partir de Cartas Topográficas 16- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a Partir de Cartas Topográficas A carta topográfica é um documento cartográfico que pode ser utilizado para inúmeros fins, como elaboração de bases cartográficas

Leia mais

PROJETO DE SALVAMENTO ARQUEOLÓGICO EM PORTO TROMBETAS/PA RELATÓRIO

PROJETO DE SALVAMENTO ARQUEOLÓGICO EM PORTO TROMBETAS/PA RELATÓRIO PROJETO DE SALVAMENTO ARQUEOLÓGICO EM PORTO TROMBETAS/PA RELATÓRIO Setembro/2006 Coordenação de Ciências Humanas Área de Arqueologia RELATÓRIO DA PROSPECÇÃO NOS PLATÔS ARAMÃ, GREIG E MONTE BRANCO PORTO

Leia mais

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos Carlos A. Nobre Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento - SEPED Ministério de Ciência, Tecnologia

Leia mais

Fatores de formação do solo

Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Clima Organismos Relevo Solo Tempo Material de Origem Fatores de formação do solo: clima Temperatura, precipitação e deficiência e excedente hídrico

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu 13/05/2013 CAR - Cadastro Ambiental Rural - O Cadastro Ambiental Rural é um registro eletrônico, obrigatório para todos os

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15)

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15) RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15) 12 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ 4º RELATÓRIO

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL E PLANO DE AÇÕES PARA A BACIA DO RIBEIRÃO JEQUITIBA

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL E PLANO DE AÇÕES PARA A BACIA DO RIBEIRÃO JEQUITIBA DIAGNÓSTICO AMBIENTAL E PLANO DE AÇÕES PARA A BACIA DO RIBEIRÃO JEQUITIBA Produto 04: Relatório Técnico de Plano de Trabalho RTPA Contrato de Gestão nº 003/IGAM/2009 Ato Convocatório nº 022/2012 Contrato

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA Diferença entre Cartografia e Topografia: A Topografia é muitas vezes confundida com a Cartografia ou Geodésia pois se utilizam dos mesmos equipamentos e praticamente dos mesmos

Leia mais

CONFECÇÃO DE GUIA EDUCACIONAL COMO MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA E CIÊNCIAS

CONFECÇÃO DE GUIA EDUCACIONAL COMO MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA E CIÊNCIAS CONFECÇÃO DE GUIA EDUCACIONAL COMO MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA E CIÊNCIAS ROCHA, Isabel Rodrigues da¹; CABRAL, João Batista Pereira²; SILVA, Hellen Fabiane Franco³; DE PAULA, Makele Rosa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

Estabilidade: Talude e Aterro

Estabilidade: Talude e Aterro Estabilidade: Talude e Aterro Introdução Definições gerais - Talude: É o plano inclinado (declive, rampa) que delimita uma superfície terrosa ou rochosa. - Aterro: Preparação do terreno a fim de obter

Leia mais

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

O futuro decola no Vetor Norte

O futuro decola no Vetor Norte O futuro decola no Vetor Norte Aerotrópole é um conceito de planejamento urbano desenvolvido especificamente a partir de um aeroporto de grande capacidade. Engloba serviços que funcionam de maneira integrada,

Leia mais

DMA. Diretrizes para apresentação de projeto de licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS. Licença Prévia LP

DMA. Diretrizes para apresentação de projeto de licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS. Licença Prévia LP Diretrizes para apresentação projeto licenciamento Licença Prévia LP A documentação técnica abaixo relacionada ve servir para análise e posterior emissão ou inferimento Licença Prévia - LP. A documentação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O LEI N.º 1.453/2013. SÚMULA: Autoriza o Poder Executivo Municipal a promover a Concessão de Direto Real de Uso em favor da Colônia Z-20 de Pescadores de Juína, da área urbana que menciona, e dá outras Providências.

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO VALEC NAVA - 06 1 de 8 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO VALEC NAVA - 06 2 de 8 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES...

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

PARECER ÚNICO PROTOCOLO Nº 0750078/2011 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 10126/2007/001/2008 LIC INDEFERIMENTO

PARECER ÚNICO PROTOCOLO Nº 0750078/2011 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 10126/2007/001/2008 LIC INDEFERIMENTO Superintendência Regional de Regularização Ambiental PARECER ÚNICO PROTOCOLO Nº 0750078/2011 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 10126/2007/001/2008 LIC INDEFERIMENTO Empreendimento:

Leia mais

Processo que leva ao estabelecimento de um conjunto coordenado de ações visando à consecução de determinados objetivos.

Processo que leva ao estabelecimento de um conjunto coordenado de ações visando à consecução de determinados objetivos. Planejamento: Processo que leva ao estabelecimento de um conjunto coordenado de ações visando à consecução de determinados objetivos. Séc XX Planejar: Fazer o plano ou planta de; projetar, traçar. 1881

Leia mais

INTERNATIONAL ORIEENTERING FEDERATION. Sinalética IOF 2004. (Português - Brasil)

INTERNATIONAL ORIEENTERING FEDERATION. Sinalética IOF 2004. (Português - Brasil) INTERNATIONAL ORIEENTERING FEDERATION Sinalética IOF 2004 (Português - Brasil) Sinalética IOF Em vigor a partir de 1º de janeiro de 2004. PRINCIPAIS ALTERAÇÕES À VERSÃO DE 1990: 1) Nomes e descrições tornados

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE Página 1 de 6 SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, através do Departamento de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Prof. Jorge Luiz Pimenta Mello, DS Prof. Leonardo Duarte Batista da Silva, DS OUTUBRO-2006 1 INTRODUÇÃO Os

Leia mais

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia Intervenção em Bens Culturais Edificados Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO NO PATRIMÔNIO EDIFICADO? Compreende-se por Projeto de Intervenção

Leia mais

CAPÍTULO 5 - Disposição de Resíduos Sólidos

CAPÍTULO 5 - Disposição de Resíduos Sólidos CAPÍTULO 5 - Disposição de Resíduos Sólidos Profa. Dra. Andréa Sell Dyminski, asdymi@ufpr.br Referência Bibliográfica Básica: Manual de Gerenciamento Integrado de resíduos sólidos / José Henrique Penido

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Procedimento COPAM nº 01786/2003/009/2014 (nºantigo) nº 32370/2014/005/2015 (nºnovo) Licença de Operação Construção do Terminal de Passageiros 3- TPS 3 do Aeroporto Internacional Tancredo Neves/Aeroporto

Leia mais

USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU

USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU USOS E COSTUMES: LIXO DOMÉSTICO NO MUSEU DA ENERGIA DE ITU O jantar no Brasil, de Jean Baptiste Debret Com este material de apoio é possível entender como os fragmentos arqueológicos nos ajudam a decifrar

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011 Código: 10/2011 Propriedade: Chácara Paraíso Coordenadas (UTM): 556100 L 7662900 S Número de mudas plantadas: 240 (Duzentos e Quarenta) Datas do plantio: 01, 03 e 04 de novembro de 2011 Patrocinador(es):

Leia mais

Bairros Cota na Serra do

Bairros Cota na Serra do Geotecnia Ambiental Bairros Cota na Serra do Mar em Cubatão riscos em ebulição e planos de ação em andamento Os bairros localizados nas encostas da Serra do Mar, na cidade de Cubatão, passam por um processo

Leia mais

ANEXO. Laudo de Vistoria Técnica

ANEXO. Laudo de Vistoria Técnica ANEXO Laudo de Vistoria Técnica 1. CARACTERIZAÇÃO GERAL 1.1. Cadastro Processo AIA/SMA nº: Interessado: Proprietário/Investigado: Assunto: Data de protocolo: Coordenadas UTM Vertical (m): Horizontal (m):

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS)

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) 1. DEFINIÇÃO 1.1. Licença Simplificada (LS) - concedida para a localização, instalação, implantação e operação

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO. Brasil Abril de 2015 Realização

DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO. Brasil Abril de 2015 Realização DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO Este material de apoio ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) faz parte das ações de difusão de boas práticas agrícolas do Programa Agricultura Consciente

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

ARQUEOLOGIA PREVENTIVA NAS ÁREAS DE INTERVENÇÃO DA UHE SANTO ANTONIO. Relatório Trimestral de Andamento de Atividades Julho, Agosto, Setembro de 2011.

ARQUEOLOGIA PREVENTIVA NAS ÁREAS DE INTERVENÇÃO DA UHE SANTO ANTONIO. Relatório Trimestral de Andamento de Atividades Julho, Agosto, Setembro de 2011. ARQUEOLOGIA PREVENTIVA NAS ÁREAS DE INTERVENÇÃO DA UHE SANTO ANTONIO Relatório Trimestral de Andamento de Atividades Julho, Agosto, Setembro de 2011. Processo IPHAN nº 01410.000024/2008-65 Portaria IPHAN

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA

CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA 47 CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA Este capítulo se refere ao estudo das estruturas geológicas rúpteis e do resultado de sua atuação na compartimentação morfoestrutural da área. Para tanto, são

Leia mais

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 C E E A A E C B C C

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 C E E A A E C B C C GABARITO 2ª CHAMADA DISCIPLINA: FÍS./GEO. COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 53 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA QUEM NÃO É O MAIOR TEM QUE SER O MELHOR Rua Frei Vidal, 1621 São João do Tauape/Fone/Fax:

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 ANEXO 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 2 Anexo 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do PEC Foto

Leia mais

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA RELATÓRIO TÉCNICO. Participaram da vistoria os seguintes representantes: BOA VISTA

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA RELATÓRIO TÉCNICO. Participaram da vistoria os seguintes representantes: BOA VISTA PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA RELATÓRIO TÉCNICO RELATÓRIO N.º 023/2012 Origem: ATEC PRM/Criciúma Destino: Darlan Airton Dias Procurador da República Ref.: Processo Judicial 2008.72.04.002971-7

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais