DO ARSENAL AO PORTO, DA GESTAÇÃO AO PARTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DO ARSENAL AO PORTO, DA GESTAÇÃO AO PARTO"

Transcrição

1 DO ARSENAL AO PORTO, DA GESTAÇÃO AO PARTO Imagens da construção de navios de guerra no Brasil, nas décadas de 1930 e 1940, mostrando a evolução da técnica e os rituais de apresentação de uma ideia de progresso FERNANDO RIBAS DE MARTINI* Volta e meia me perguntam: qual é o seu objeto de estudo? Costumo responder que é um objeto bem grande. Meu tema de pesquisa em história é a construção naval militar, especialmente no Brasil do século XX e focada, no momento, nas décadas de 1930 e Uma atividade industrial que oferece diversas opções de estudo, com variada escolha de pontos de vista: econômico, político, militar, das relações trabalhistas, do impacto da atividade nas relações sociais ou mesmo nas relações internacionais, além do desenvolvimento da ciência, técnica e tecnologia e estas últimas opções estão especialmente no meu foco, entendendo-se a tecnologia como um conceito que se situa na interpenetração entre ciência e técnica (DAUMAS, 1965: xvii). Opções de objetivos não faltam, mas vale a pena não se esquecer do objeto, materialmente falando. Sim, o tal grande objeto ao qual me referi logo acima. Afinal, quando falamos em construção naval militar, nunca é demais lembrar que essa atividade visa produzir um objeto: o navio de guerra. *Universidade de São Paulo Departamento de História mestrando em História Social

2 Alguém interessado nesse assunto vai encontrar, com algum esforço, uma quantidade razoável de documentos escritos para a pesquisa de navios e sua construção. Datas, planejamentos, cronogramas, uma pequena historiografia onde a maioria dos autores é militar ou engenheiro (ou ambos), notícias em jornais, depoimentos transcritos e memórias escritas, relações de materiais, de compras de equipamentos e armamentos diversos em fornecedores brasileiros ou estrangeiros, livros de administração do pessoal que trabalhou no projeto e construção dos navios, manuais técnicos e descrições dos métodos construtivos das embarcações, etc. Uma variedade significativa de fontes escritas para construir, por inferência, a história dessa atividade e de seu objeto conforme qualquer das opções citadas no parágrafo anterior. Mas o que dizer do objeto em si, como realização da atividade de construção? Bastam os textos? Esta última pergunta, num aspecto geral, já recebia uma resposta negativa de Marc Bloch em sua Introdução à História (BLOCH, 1997: 115) escrita na década de 1940, e depois alçada à condição de manual por gerações de historiadores influenciados pela Escola dos Annales. Então, para começar, sejamos pelo menos contemporâneos ao que se teorizava em história naquela mesma década em que, com a Segunda Guerra Mundial em curso, eram construídas algumas das embarcações que vou mostrar neste trabalho. É o mínimo que esses velhos navios merecem : que nossa visão de história não fique presa a concepções mais velhas do que eles próprios, como objetos de estudo. Porém, pode não ser o bastante começar pela concepção de que fontes escritas não bastam, com o perdão do trocadilho. Dizer que não bastam dá a entender que precisam ser complementadas por outras fontes, como as que pertencem à cultura material (imagens, objetos ou seus resquícios). Mas a proposta aqui é, no mínimo, dar a mesma importância a essas outras fontes, fugindo da noção de serem complementares ou usadas somente para provar argumentos textuais. Proponho um exercício diferente: vamos tentar inverter a lógica e começar do objeto, do que é possível apreender de sua materialidade a partir de seus resquícios diretos ou indiretos, como eram feitos e para que finalidade, para só então passar às fontes escritas em buscas de novas respostas e perguntas. Infelizmente, e resguardada uma única exceção que é o monitor Parnaíba (construído entre 1936 e 1938 e ainda em atividade na Marinha do Brasil em Ladário MS), todas as belonaves construídas no país no período que estudo foram desativadas e viraram sucata, não havendo nenhuma preservada (como museu flutuante, por exemplo). Para as finalidades de preservação da memória, restam uns poucos resquícios materiais que faziam parte diretamente desses

3 grandes objetos, como peças expostas na forma de monumentos - e o próprio conjunto de fatos e escolhas que levou à transformação em peça monumental ou de acervo de museu já seria tema para um trabalho específico dentro de meu próprio campo de pesquisas: pode-se questionar por que esses resquícios importam à sociedade, como perguntaria Daniel Miller em seu jogo de palavras entre materialidade e importância quando utiliza a palavra matter em inglês, já no título de seu trabalho (MILLER, 1988: 3). Pode-se aproveitar a presença material dessas sobras para pensá-las no contexto social de ontem e hoje e como parte constituinte do mesmo, como forma de focalizar o objeto em si, ao mesmo tempo em que se evita a simples fetichização, como propõe o mesmo autor (MILLER, 1988: 9). Mas a análise de partes restantes será o foco de outro artigo, pois as questões e métodos acima também podem empregados no estudo de outros resquícios da cultura material ligados a esses navios, e que felizmente são mais abundantes: fotografias. Construção do casco do monitor Parnaíba no Arsenal de Marinha da Ilha das Cobras (AMIC), Rio de Janeiro. Foto via Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha (DPHDM). Imagens como esta acima, que mostra o casco do primeiro navio sendo construído no novo Arsenal da Marinha da Ilha das Cobras (AMIC) na Baía de Guanabara, em frente ao centro do Rio de Janeiro (falaremos um pouco mais do AMIC a seguir). A foto mostra as obras no casco do monitor Parnaíba, citado brevemente mais acima, uma embarcação de relativamente pequeno porte (deslocamento próximo a 700 toneladas), para patrulha fluvial. Embora a

4 fotografia não traga a data impressa, as fontes escritas sobre as obras desse navio, que situam o início da construção em 11 de junho de 1935 e o lançamento em 2 de setembro de 1937 (CÂMARA, 2011: 42-43), podem ser contrastadas ao fato da imagem mostrar a obra do casco já no nível do convés principal. Como a construção ou erguimento de um navio com a tecnologia do período começa de baixo para cima (NEWTON, 1941: 157), isso permite supor que a foto foi tirada entre o final de 1936 e início de Um observador mais informado sobre as técnicas da época, olhando com atenção a estrutura mostrada na foto, vai reparar em furos nas vigas horizontais do alto do casco, no sentido transversal do mesmo. Sequências de furos em partes estruturais são características de técnicas construtivas por rebites, utilizados para união entre peças metálicas. No caso, aço. Trata-se da técnica mais comum ainda na década de 1930, embora a novidade da solda elétrica (que une peças de aço diretamente, sem furos e inserção de rebites) já estivesse ganhando espaço à época mesmo em países com mais tradição em construção por rebitagem, como a Inglaterra mas que por muitos anos ainda empregaria em massa essa técnica mais consagrada (NEWTON, 1941: 16). Além dos furos, no topo da superfície vertical mais à esquerda, que aparenta ser do chapeamento lateral do casco, vemos uma linha de rebites, e junto a essa lateral, pode-se ver peças de conexões das vigas com a estrutura transversal, também unidas por rebitagem. Na foto, os trabalhadores mais atrás, à esquerda, estão junto a um objeto de onde sai fumaça, semelhante a uma churrasqueira dos dias atuais, onde se conecta uma mangueira (provavelmente de gás). A forma do equipamento e o contexto permitem identificá-lo como um aquecedor de rebites, que normalmente recebem aquecimento imediatamente antes de sua introdução nos furos das partes de metal a serem unidas assim, ao resfriar e encolher longitudinalmente, suas cabeças apertam com mais firmeza as peças, pressão que é fundamental estruturalmente e para garantir, juntamente com outras técnicas, um casco à prova d água (NEWTON, 1941: 9-14). Há também escoras de madeira sustentando provisoriamente partes da estrutura de aço. Condições de trabalho ao ar livre (evidenciadas na foto) também podem ser temas de reflexão, como o uso de chapéus de aba larga. Os que cobrem as cabeças do grupo à direita seriam rígidos como os capacetes atuais ou seriam moles? E essa foto, que objetivo estaria por trás dela? Documental, recordação pessoal, confecção de um relatório? Para esta última pergunta, que também é pertinente às demais imagens deste trabalho, vale dizer que o AMIC tinha um serviço fotográfico próprio desde pelo menos a primeira metade daquela década, explicitamente voltado confecção de álbuns históricos e informativos sobre as obras de construção das próprias instalações do Arsenal,

5 conforme relatório das atividades do ano de 1934 (BRASIL, 1935: 58-59). A documentação crescente que era gerada tinha um serviço próprio de arquivo, e é de supor que a imagem acima (e outras) sejam prosseguimento dessa finalidade documental já à época em que se construíram os navios o que não impedia que fossem tiradas, em certos casos, em ângulos bastante privilegiados para também contarem uma história de progresso que vai além da simples documentação, como veremos a seguir. Já que citamos as obras das instalações do AMIC, faz sentido falar um pouco sobre o Arsenal, a partir de fontes escritas. Suas instalações vinham sendo construídas desde a década anterior (especialmente seu grande dique seco) e o AMIC é considerado a maior obra de engenharia realizada no Brasil entre as décadas de 1920 e 1930, apesar das primeiras providências em se utilizar a área disponível na Ilha das Cobras para esse fim específico datarem do início do século (TELLES, 2001: 114). Até a inauguração do prédio da laminação da CSN (Companhia Siderúrgica Nacional, ou Usina de Volta Redonda) em 1945, sua oficina principal de 270 metros de comprimento era a maior construção industrial brasileira (TELLES, 2001: 116). Aliás, o Arsenal e seu maquinário atual e antigo também podem ser objetos para análise, mas agora é hora de focarmos nas imagens. Os trabalhos no Parnaíba serviram como aprendizado e teste para engenheiros e operários (CÂMARA, 2011: 41). Dois anos após o início da construção do monitor fluvial, as duas grandes carreiras (áreas dos estaleiros / arsenais, sobre as quais navios são construídos e depois lançados a uma superfície aquática adjacente) já se encontravam bem ocupadas de obras de embarcações. Havia pressa, ditada pela obsolescência dos navios que compunham a esquadra, e havia também a disponibilidade de recursos (ainda que limitados) e a vontade política para se concretizar um plano de construção naval no próprio país, conforme Programa Naval aprovado em 1932 e ampliado nos anos seguintes (MARTINS, 1985: , , ). A dimensão desse trabalho pode ser percebida na foto da página seguinte, que considero uma das mais significativas para se entender a construção naval militar do Brasil naquele período, pois mostra as obras de forma ampla, mas também com riqueza de detalhes. Usei o parágrafo acima para situar minimamente o leitor no contexto histórico, algo necessário para começar a entender a imagem. Mas a proposta não é utilizar a imagem abaixo só como prova do que é encontrado nas fontes escritas: é partir da imagem para a interpretação / problematização.

6 Arsenal de Marinha da Ilha das Cobras (AMIC), com data de 12 de setembro de 1938 (Foto DPHDM). Num primeiro olhar, percebemos um guindaste se destacando no quadrante superior esquerdo da foto. Ao fundo, os edifícios de uma cidade, onde se vê uma igreja bem à esquerda (cuja cúpula ajuda a identificá-la como a Nossa Senhora da Candelária, na área central do Rio de Janeiro). Ocupando a maior parte da imagem, estão duas grandes carreiras ao ar livre e sob o sol (que aparenta estar bem forte, pelo contraste da sombra que acompanha o lado direito da foto, e que pode ser de um edifício de grande comprimento, fora de quadro). As duas carreiras, lado a lado, são separadas por uma elevação dotada de trilhos sobre os quais se apoia um grande guindaste. Como afirmar que são grandes as carreiras e o guindaste? Usando como referência três pessoas bem ao lado deste último. Mais à direita, há outra elevação dotada de trilhos, e podemos supor que estes servem a um outro guindaste, provavelmente usado como plataforma para a foto. Em pé sobre um desses trilhos, e próxima a uma pilha de chapas de metal, está uma outra pessoa, aparentemente olhando para a carreira maior. Essa pessoa também se presta como referência para atestarmos a dimensão desse conjunto de instalações.

7 Foquemos nos detalhes na carreira maior: podemos contar cinco cascos em construção nessa área, dispostos em dois conjuntos. Os três cascos do conjunto de trás aparentam ser de maior porte que os dois da frente, e suas obras também parecem estar mais adiantadas (ou acumulam mais tempo de construção), com mais estruturas unidas e com andaimes ladeando cada casco - pensando na interação do homem com o objeto, além das informações já citadas sobre método de construção de baixo para cima, quanto mais adiantada está uma obra, mais altos e visíveis são os andaimes, que permitem a esses homens o acesso às partes superiores do casco. Isso fica mais claro comparando a altura das estruturas já montadas nos três cascos de trás com suas contrapartes nos dois da frente. A construção dos navios parece ser feita a partir de uma estrutura longitudinal: trata-se da quilha da futura embarcação, descrita muitas vezes como a espinha dorsal de uma embarcação (NEWTON, 1941: 52). Essa estrutura, na obra vista ao centro da metade inferior da foto, segue paralela ao piso da carreira até curvar para cima nas duas extremidades. Peças no formato de semi-círculo ou meia-lua (com a parte reta para cima) estão colocadas transversalmente sobre a quilha, apoiadas em vigas aparentemente de madeira, e mais à direita, vemos uma delas deitada sobre suportes no piso (que recobrem toda a carreira),, com um trabalhador sobre ela. Essa meia-lua deitada que localizamos, e que na verdade é parte de uma antepara do casco, não é a única visível. Há outra à esquerda do outro casco do conjunto da frente. E há mais uma no conjunto de trás, próxima à obra do casco do meio. Como há homens de pé sobre a metade esquerda dessa peça, podemos concluir que ela é maior do que a que está mais perto da extremidade inferior da foto, onde outros homens servem como referência de tamanho. O conjunto dá a entender que essas anteparas são montadas na horizontal, sobre o piso da carreira, para então serem colocadas na vertical, sobre a quilha e, de fato, é este o procedimento usual de construção na época, com as anteparas instaladas o mais cedo possível na obra, tendo papel tanto estrutural quanto, com o navio pronto, de prover compartimentos estanques em caso de ruptura do casco (NEWTON, 1941: 83-89). E como são instaladas? Essa é provavelmente uma das funções do grande guindaste da foto, que se deslocaria sobre os trilhos para que sua haste pudesse alcançar qualquer parte da carreira. Na próxima página, uma ampliação da imagem acima deixa mais visíveis os detalhes.

8 Podemos ver as superfícies arredondadas de rebites em algumas das partes mostradas, mostrando que essa técnica construtiva era empregada na estrutura do casco. A quilha também pode ser vista com clareza, assim como uma estrutura (aparentemente de madeira) na qual a quilha se apoia para manter seu formato. Sobre a quilha, vê-se uma antepara longitudinal de formato retangular em cada um dos cascos. Vejamos a ampliação de outra parte da foto, que mostra a segunda carreira, à esquerda do grande guindaste. Podemos perceber os contornos mais escuros de dois navios em avançado estágio de construção nessa carreira, e várias pessoas trabalhando.

9 Quando vemos a elevação onde está guindaste, ajudados pelo fato de sua tonalidade ser mais clara, fica bem nítida uma diferença de ângulo, ou inclinação, entre essa elevação e o piso da carreira. Qual das duas estaria inclinada? O guindaste, pelo seu porte, deve ser pesado. E trilhos são adequados a deslocamentos de objetos pesados sobre superfícies niveladas, com o mínimo possível de inclinação para um máximo de eficiência. Imaginando como, depois de prontos, os pesados cascos serão deslocados para a água, concluímos que o piso da carreira é um plano inclinado, com sua parte mais baixa voltada para o mar (a cidade ao fundo ajuda nessa conclusão, assim como a superfície aquática que pode ser vista mais à esquerda da foto). De fato, fontes escritas corroboram que os cascos são construídos sobre um plano inclinado para facilitar seu futuro lançamento ao mar (NEWTON, 1941: 42), e esse plano, a carreira, deve ser suficientemente forte para aguentar o peso dos cascos e as forças envolvidas no próprio lançamento e o projeto das carreiras do AMIC previa estacas como fundação para lages de concreto (BRASIL, 1935: 39). Em resumo, a foto mostra as carreiras do Arsenal em plena atividade, com sete navios em construção simultânea e em estágios diferentes de andamento das obras. Isso em setembro de 1938, (como indica a data escrita no canto inferior direito), apenas dois anos depois do primeiro navio (o monitor Parnaíba) ter iniciada a sua construção. A análise restrita a essa foto, cujo autor encontrou um ângulo que enquadrasse todos os navios nas carreiras, deixa transparecer uma impressão de grandiosidade desse esforço construtivo, de atividade complexa com diversos trabalhadores, técnicas e equipamentos uma atividade que importava, para os envolvidos em seu registro, documentação e, quem sabe, divulgação. E, numa interpretação possível, a foto conta uma história, traz em si uma cronologia da era industrial, uma ideia de passagem do tempo e do progresso (tanto no sentido de cumprimento de fases de obras quanto do progresso material, de realizações) de uma moderna atividade industrial em sua época, bem em frente ao centro da capital do Brasil (ao fundo na foto). Uma grande indústria que produz grandes objetos tecnológicos, que gradualmente podem fazer o caminho do passado ao futuro, do arsenal ao porto, como diz a primeira parte do título deste trabalho, numa cadência industrial de produção em série de complexos produtos. Cada casco, em seu estágio de construção, mostra a passagem do tempo em direção a esse progresso. Chapas cortadas e empilhadas no lado direito são o começo de tudo, e aguardam que o guindaste (que domina a cena) coloque-as na carreira, para comporem peças maiores. Algumas partes são vistas fixadas sobre quilhas, permitindo traçar os primeiros contornos de

10 futuros cascos. Mais atrás, outros cascos maiores representam obras em estágio mais avançado (a bem da verdade, ficarão prontos depois dos que estão mais à frente, pois são navios de maior porte e construção mais complexa e demorada). E, na carreira em segundo plano, à esquerda na foto, dois navios quase completos se aproximam da hora do lançamento. Trabalhadores pontilham a cena, pequenos quando comparados a esse panorama. A foto traz uma narrativa do trabalho e dos frutos desse trabalho, que não são artefatos comuns: são armas de guerra, que saindo dessa instalação industrial podem ser apresentadas à sociedade como garantias de sua segurança contra inimigos que venham do mar. São a renovação da defesa dessa sociedade, armas que ela mesma constrói e que por vários anos (pela durabilidade desse objeto da cultura material) poderão ser vistas ao largo de sua capital ou de outras cidades litorâneas. Ou, quando estiverem em alto-mar, a imagem das mesmas servirá de lembrança. São também evidências materiais presentes de eventos históricos (suas construções e decisões a esse respeito) que aconteceram no passado (JONES, 2007: 3). Mas aí já estou, talvez, extrapolando os limites desta foto. A apresentação dos navios à sociedade é um assunto para a imagem a seguir. Lançamento do contratorpedeiro Marcílio Dias no AMIC em 20 de julho de 1940, ladeado de outros dois navios da mesma classe, em construção (Foto DPHDM).

11 Primeiro, algumas rápidas informações para situar o leitor no contexto: quando a obra de um navio atinge um estágio em que o trabalho pode continuar junto a um cais, o casco é lançado à água, livrando assim o espaço que ocupava na carreira para o início de uma nova construção. Esse momento é retratado na foto acima, onde é lançado o primeiro de três contratorpedeiros cujas obras começaram no mesmo dia, oito de maio de 1937 (CÂMARA, 2011: 58), com uma solenidade de batimento de quilha, que é equivalente à inauguração da pedra fundamental de um edifício. Esse marco do início da construção contou com a presença do próprio presidente Getúlio Vargas. Coube a ele fazer o cravamento do primeiro rebite na estrutura da quilha do Marcílio Dias (M1), usando um martelo hidráulico, enquanto outras autoridades faziam o mesmo nas quilhas do Mariz e Barros (M2) e Greenhalgh (M3) (REVISTA MARÍTIMA BRASILEIRA, 1937: 1168). Pouco mais de três anos e dois meses depois, em vinte de julho de 1940 (CÂMARA, 2011: 58), uma nova cerimônia era realizada: o lançamento do Marcílio Dias, que podemos ver escorregando para o mar nesta foto. Esse navio, com a designação M1 pintada no costado perto da proa, e cuja popa acabou de tocar o mar, é o elemento central da foto. As marolas e a espuma dão a noção de movimento. Também salta aos olhos a presença de uma multidão que ocupa praticamente toda a área seca disponível com exceção de duas popas de navios em construção, onde há menos gente. Mais ao fundo, à direita, estão em formação paralela cinco navios muito semelhantes entre si, e aparentemente fundeados (um deles só aparece parcialmente). Estes, juntamente com o navio em lançamento, as popas de dois outros em construção e a multidão que praticamente emoldura a ação, são os elementos principais perceptíveis num primeiro olhar. Como um todo, esta foto parece mostrar uma celebração, um ato festivo. O navio, elemento central, está embandeirado de proa à popa. Trata-se claramente de uma cerimônia de lançamento, quando um navio é batizado (normalmente com direito à quebra de uma garrafa de champanhe no seu costado por uma madrinha) imediatamente antes de ser lançado. É um ritual que tem sua ordem de eventos, para o qual uma grande quantidade de pessoas é convidada. Vemos pessoas com o uniforme branco da Marinha, mas também muitas outras em trajes civis. A quantidade é tal que elas ocupam não somente as elevações ao lado da carreira (que vimos na foto anterior), mas também o longo quebra-mar que cerca a área de lançamento, tornando-a uma superfície de águas mais calmas. Em suma: é a sociedade sendo apresentada a um novo objeto tecnológico. Ela comemora uma realização, o fato de se ter construído essa grande arma naval que fará parte de sua segurança contra inimigos externos. Já se pode ver o casco esguio, adequado a cortar o mar a grande velocidade, e as duas altas

12 chaminés que também transmitem essa ideia de potência e desempenho. Na sua superestrutura (conjunto de construções acima do convés) já se encontram as marcações circulares de onde serão instalados seus canhões. Aparentemente, não falta muito para que ele seja completado e que, tripulado por militares provenientes dessa sociedade, encontre sua finalidade principal, como arma. Mas, no momento da foto, seu uso é outro: ele é foco de atenção para as realizações materiais dessa sociedade, que mostra do que é capaz. Escrevi que se trata de um ritual, descrevi pessoas testemunhando a saída do navio do local onde foi construído, quando ele toca pela primeira vez num novo elemento onde passará sua vida útil, inicialmente numa área protegida, abrigada dos perigos desse mar, onde já se vê outros navios em formação, que testemunham a chegada do novo integrante de sua família, a esquadra. O leitor pode farejar algum fetichismo nessa visão, mas este pode ser justificado pela própria montagem da cerimônia, que acredito explorar um fetiche por fazer correlações claras entre esse momento marcante da história de um objeto e de um momento que é próprio da vida humana: o parto. E vem daí a segunda parte do título deste artigo. Após a gestação na carreira (e o batimento de quilha que iniciou o processo pode também ser comparado à concepção), o navio nasce para a sociedade. Deixa o elemento onde foi preparado e tomou forma e é expelido para outro, escorregando por um suporte que recebe o nome sugestivo de berço. Sua chegada é comemorada e aparentemente é motivo de orgulho para as pessoas que cercam o recém-chegado. Outras futuras crias dessa sociedade estão próximas, e aguardam a vez de também deixar essa primeira morada e em breve se reunir aos outros membros da família, que podemos ver mais ao longe, à direita. Exagero? Talvez não, quando se confronta a cena à descrição do fato pelo próprio diretor do AMIC à época, almirante Júlio Regis Bittencourt, em suas memórias (fonte lida por este autor somente após já ter desenvolvido esta interpretação da cena): No mar, ao sul da ilha fundearam em linha os seis mineiros, que ali se perfilaram para receber o seu belo irmão, que se encaminhou para o dique para largar o berço que o conduziu. (BITTENCOURT, 2005: 206) Vale a pena dar uma olhada mais de perto nesses irmãos que já estão no mar. Ampliando o canto superior direito da foto, percebemos a tripulação perfilada sobre o convés, nesse momento fazendo do objeto (navio de guerra) um uso diferente do seu principal (navegar e combater). O navio com a tripulação disposta cerimoniosamente representa o respeito à liturgia do momento, ao ritual, às autoridades presentes e à sociedade. E os próprios navios estão em formação, conferindo marcialidade ao momento. Fumaça escura sai da chaminé do

13 mais próximo, demonstrando que caldeiras estão acesas mais abaixo. Vapor branco sai da parte logo à frente da chaminé do outro, onde normalmente se localiza a saída de seu apito. Podemos supor, mesmo sem acessar arquivos sonoros, que o som de apitos saudava o ato. E que navios são estes? Poderia me estender mostrando outras imagens ao leitor para comprovar quais são, mas creio que, já perto do final deste trabalho, basta dizer que pelo menos metade deles estava, dois anos antes, em construção sobre as carreiras mostradas na foto que analisamos antes desta. São da classe Carioca de seis navios-mineiros-varredores de 500 toneladas de deslocamento leve, três vezes menos que o deslocamento do contratorpedeiro que está sendo lançado, e quatro unidades desta classe haviam sido incorporadas ao setor operativo da esquadra apenas um mês antes (CÂMARA, 2011: 48-58), marcando uma nova etapa em seus trajetos do arsenal ao porto. A partir daí, interpreto que essa foto também faz uma narrativa temporal, tendo representações do passado, do presente e do futuro numa mesma cena. Conforme o ponto de partida de quem vê, são duas opções. Em ambas, o presente é o contratorpedeiro M1 sendo lançado. Se começarmos pelos navios em formação ao largo, eles representam o passado, pois já passaram por esse ritual e chegaram à vida adulta. E os dois cascos ainda em construção, que ladeiam o navio lançado, representam o futuro, pois em breve seguirão o caminho deste último. Mas podemos começar a leitura da cena pelos cascos em construção, e assim eles representam o passado do navio que é lançado, ou a etapa de gestação que este já venceu, e os navios ao largo representam o seu futuro, operando na esquadra e, eventualmente, presenciando os rituais de apresentação de novas gerações. Em ambos os casos, o que importa na narrativa é a mesma noção de progresso, de realização material e tecnológica vivenciada por esta sociedade, presenciando o ato naquele momento ou em sua representação por meio da foto, suporte material para reconstruir essa memória nos anos e décadas seguintes.

14 Mas o progresso técnico também aparece na leitura também técnica da imagem. Acima, vemos uma ampliação da área inferior esquerda da foto, mostrando parte da estrutura da popa de um dos contratorpedeiros, ainda por incorporar as chapas que fecharão o convés. Podemos ver vigas transversais e anteparas, como já vimos em fotos anteriores. Mas, nesse caso, não há pequenos furos sequenciais em suas superfícies, onde serão presas as chapas do convés (os furos que se vê são grandes, nas laterais das peças, e servem para reduzir o peso total). Isso indica que, ao menos nessa área da obra, não se está utilizando a técnica de construção por rebites, e sim por solda, numa época em que a solda elétrica ainda estava se disseminando na construção naval de países tradicionais construtores de navios militares, como vimos. A partir daí, podemos levantar problemas sobre a introdução dessa técnica no Brasil, o porquê de a vermos mais claramente nesses navios, de onde foi introduzida e como. Mas isso já é tema para outro artigo, assim como outros navios em construção que aparecem também na foto de lançamento do último classe M, na página de abertura deste trabalho, e que traz uma variação dos mesmos elementos da fotografia do lançamento do primeiro deles. No momento, importa mais ressaltar a ideia de progresso sendo mostrada à sociedade, perpetuada nas imagens. Após toda essa análise baseada em fotos, tomo a liberdade de usar uma fonte textual para reforçar essa interpretação, outra vez com as lembranças do almirante Regis Bittencourt, que as presenciou da posição privilegiada de quem coordenava a própria atividade: Olhavam para os lados, para a frente, para cima, para baixo, perguntando-se se ali era mesmo um pedaço do Brasil, se realmente era verdade que aquele casco esguio, altaneiro, orgulhoso e belo era feito por mãos de seus patrícios, aqueles homens orgulhosos de seu esforço e trabalho que formigavam entre aquela massa tão grande e as carreiras tão bem construídas! (BITTENCOURT, 2005: 206)

15 Bibliografia: BITTENCOURT, Júlio Regis ( ). Memórias de um engenheiro naval: uma vida, uma história. Rio de Janeiro, Serviço de Documentação da Marinha, BLOCH, Marc. Introdução à história. Sintra: Publicações Europa-América, BRASIL. Ministério da Marinha. Directoria de Obras do Novo Arsenal de Marinha na Ilha das Cobras: Relactorio do anno de Rio de Janeiro: Imprensa Naval, CÂMARA, Eduardo G. A construção naval militar brasileira no Século XX. Rio de Janeiro: edição do próprio autor, DALMAS, Maurice (dir). Histoire Générale des Techniques. Paris: Presses Universitaires de France, JONES, Andrew. Memory and material culture. Cambridge, UK: Cambridge University Press, MARTINS, Hélio Leôncio. Forças combatentes, Indústria militar-naval e Evolução da política naval brasileira entre as duas guerras mundiais. In: BRASIL. Ministério da Marinha. História naval brasileira: quinto volume, tomo II. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação Geral da Marinha, MILLER, Daniel (org) Material Cultures: why some things matter. Chicago: The University of Chicago Press, NEWTON, R. N. Practical construction of warships. London: Longmans, Green and co, REVISTA MARÍTIMA BRASILEIRA. Rio de Janeiro. Serviço de Documentação Geral da Marinha: n. 11 e 12, maio e junho de TELLES, Pedro Carlos da Silva. História da Construção Naval no Brasil. Rio de Janeiro: Femar, Imagem da página de abertura: lançamento do contratorpedeiro Grenhalgh no Arsenal de Marinha da Ilha das Cobras, Rio de Janeiro, em 8 de julho de 1941 Foto via Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha DPHDM (Agradeço à DPHDM pela autorização para o uso e publicação das imagens).

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se fôssemos representar

Leia mais

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 2 1 100 1 132 1 000 FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 1. Coloque a caverna do meio sobre o picadeiro a frente da traverssa. Para o barco de 5,2 m a caverna 2, para os barcos maiores a caverna 3. 2. Alinhe

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A A U L A 11 11 Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

Mesa de centro com tabuleiro integrado

Mesa de centro com tabuleiro integrado Mesa de centro com tabuleiro integrado Vamos para a mesa Mesa de centro com tabuleiro integrado Esta mesa de centro é genial: ela dispõe de um tabuleiro para que possa mimar as suas vistas com todo o tipo

Leia mais

Exercícios de Óptica Conceitos básicos

Exercícios de Óptica Conceitos básicos COLÉGIO TIRADENTES DA POLÍCIA MILITAR BARBACENA MG POLÍCIA MILITAR DE MINAS GERAIS Exercícios de Recuperação de Física 1ª prova DATA: SOESP: Profª. Eliane Ensino Médio Série 2º Turmas 201-202-203 1ª etapa

Leia mais

STOL CH 701. 7R3-1 Rear Skin. Note: Tanto o lado superior como o lado inferior do revestimento estão perpendiculares a dobra longitudinal.

STOL CH 701. 7R3-1 Rear Skin. Note: Tanto o lado superior como o lado inferior do revestimento estão perpendiculares a dobra longitudinal. 7R3-1 Rear Skin Note: Tanto o lado superior como o lado inferior do revestimento estão perpendiculares a dobra longitudinal. Manuseia o revestimento Com muita atenção e delicadeza. desta forma você evitará

Leia mais

Construção de um navio full-container. A construção de um navio moderno é fácil, levando-se em consideração o seguinte:

Construção de um navio full-container. A construção de um navio moderno é fácil, levando-se em consideração o seguinte: A construção de um navio moderno é fácil, levando-se em consideração o seguinte: 1. Primeiro você compra um pouco de aço de boa qualidade. 2. Depois você corta o aço, com um super computador. 3. Aí você

Leia mais

PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro

PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro PROJETO DE CHOCADEIRA EM CAIXA DE MADEIRA Capacidade 84 ovos de galinha Autor: Randolfo Ribeiro Este projeto contém

Leia mais

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos VERSÃO FOTOGRAFIA 10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos Existem várias formas de alterar o resultado final de uma foto, seja através do ISO, da velocidade do obturador, da abertura

Leia mais

Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e

Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e A U A UL LA Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e Alberta. O almoço acabou e todos conversam em torno da mesa. - Eu soube que você está interessado em ótica - diz Gaspar a Ernesto.

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

Termos Náuticos Básicos

Termos Náuticos Básicos Termos Náuticos Básicos Adriças: Cabos usados para levantar ou içar as velas Alheta: Parte da embarcação entre o Través e a Popa Amantilho: Cabo preso ao topo do mastro, que suporta a retranca prevenindo

Leia mais

Aquecedor Solar Tubos de Vácuo.

Aquecedor Solar Tubos de Vácuo. Aquecedor Solar Tubos de Vácuo. Manual de instalação Ultrasolar Tel: (11) 3361 3328 Fax: (11) 3361 5810 www.ultrasolar.com.br Aquecedor Solar de Agua. Os aquecedores solares de água a vácuo Ultrasolar,

Leia mais

Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos

Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Introdução Algumas peças apresentam partes arredondadas, elementos arredondados ou furos, como mostram os exemplos abaixo: parte arredondada furo

Leia mais

Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar.

Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar. Catálogo Técnico Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar. m a t e r i a i s p a r a c o n s t r u i r m e l h o r. Vigas leves de alta resistência A LP Viga I é fabricada pela LP Building

Leia mais

Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações

Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações Edição: 5132010 Litoral Paulista, sexta-feira, 20 de agosto Página: 1 Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações w w w. u s i m i n a s.

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM DADOS TÉCNICOS QUANTITATIVO DO SISTEMA WALLGREEN PROJETADO TIGRE. 88 28m 4 7 7. 2,44m. 1,77m CÓDIGO DO PRODUTO: 100.001.108.

MANUAL DE MONTAGEM DADOS TÉCNICOS QUANTITATIVO DO SISTEMA WALLGREEN PROJETADO TIGRE. 88 28m 4 7 7. 2,44m. 1,77m CÓDIGO DO PRODUTO: 100.001.108. DADOS TÉCNICOS 20cm 2,44m 1,77m MANUAL DE MONTAGEM QUANTITATIVO DO SISTEMA WALLGREEN PROJETADO TIGRE CÓDIGO DO PRODUTO: 100.001.108 ESTRUTURAL IRRIGAÇÃO MÓDULO PLACA 01 PLACA 02 PLACA 03 ENCAIXE CAVILHA

Leia mais

Comprovação dos índices de refração

Comprovação dos índices de refração Comprovação dos índices de refração 1 recipiente de vidro; 1 bastão de vidro, e Glicerina. 1. Encha até a metade o recipiente com glicerina, depois basta afundar o bastão de vidro na glicerina e pronto!

Leia mais

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares A UU L AL A Figuras geométricas Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos têm forma, tamanho e outras características próprias. As figuras geométricas foram criadas a partir da observação das formas

Leia mais

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL SUBGERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga 16 Valores Introdução No âmbito da ufcd 5811 Sistemas de transporte e elevação de cargas, foi-nos

Leia mais

Tutorial Parafusadeira Black & Decker

Tutorial Parafusadeira Black & Decker Tutorial Parafusadeira Black & Decker POR DIOGO MIRANDA Passo 1 Fotografias: Ajuste as duas fotografias nas vistas ortográficas como indicado nas fotos, a imagem lateral guiará todo o trabalho basicamente,

Leia mais

Como fazer o seu próprio escudo medieval

Como fazer o seu próprio escudo medieval Dark Ages - idade média www.sec11.cjb.net goshinryukempo@hotmail.com Idade média Como fazer o seu próprio escudo medieval Existem dois métodos, um simples e o outro bem mais elaboro. 1. O método simples:

Leia mais

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

2.5.1 Tecnologia de formas de madeira convencionais

2.5.1 Tecnologia de formas de madeira convencionais 34 2.5 Tecnologia empregada Nesta seção, inicialmente, serão expostas as nomenclaturas empregadas nas peças componentes das formas e escoramento em madeira, conforme a bibliografia descreve. A seguir,

Leia mais

Montagem de Kit Loja de Bolos Passo a Passo

Montagem de Kit Loja de Bolos Passo a Passo Montagem de Kit Loja de Bolos Passo a Passo (o kit pode ser adquirido na www.pequenasartes.com.br) O kit é bem completo e vem com praticamente tudo o que você vai precisar para montar, inclusive cola e

Leia mais

ALINHA ENTO FEI LASER. Visão geral: Ferramentas usadas no alinhamento: Fita adesiva Caneta vermelha Tesoura Chave de fenda Phillips

ALINHA ENTO FEI LASER. Visão geral: Ferramentas usadas no alinhamento: Fita adesiva Caneta vermelha Tesoura Chave de fenda Phillips ALINHA MENTO DO FEIXE LASER. Este tutorial é para ajudar a pessoa de manutenção da máquina laser no alinhamento do feixe laser que é a coisa mais importante para obter um correto funcionamento de sua máquina

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO DISCIPLINA Física II 2º ANO ENSINO MÉDIO MÓDULO DE RECUPERAÇÃO ALUNO(A) Nº TURMA TURNO Manhã 1º SEMESTRE DATA / / 01- A figura representa um feixe de raios paralelos incidentes numa superfície S e os correspondentes

Leia mais

Resumo Histórico. Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas. Resumo Histórico. Setembro/2015. Resumo Histórico Coalbrookedale Bridge

Resumo Histórico. Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas. Resumo Histórico. Setembro/2015. Resumo Histórico Coalbrookedale Bridge Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas Resumo histórico e aspectos gerais Uso e aplicação de estruturas metálicas Composição do aço estrutural FTC-116 Estruturas Metálicas Eng. Wagner Queiroz Silva

Leia mais

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO A história do lançamento do dardo, pode ter sua origem na pré-história. Empregado, inicialmente na caça e, posteriormente na guerra, como arma de combate. É uma das provas

Leia mais

47º Problema de Euclides

47º Problema de Euclides 47º Problema de Euclides Como esquadrejar seu esquadro 1 O 47º Problema de Euclides, também chamado de 47ª Proposição de Euclides, assim como o Teorema de Pitágoras é representado por 3 quadrados. Para

Leia mais

Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia

Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia Recomendações do Ministério das Relações Exteriores da República da Eslovênia para as fotos biométricas: o o tamanho da foto: 3,5 x 4,5 cm o o

Leia mais

PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA.

PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA. PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA. Luís Augusto Piffer 1 José Henrique Coelho Wanderley Costa 2 RESUMO Após 10 anos

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES Na representação dos projetos de edificações são utilizados os seguintes desenhos: _ Planta de situação _ Planta de localização

Leia mais

Quero, também, que os Estaleiros Navais de Viana do Castelo sejam capazes de colocar no exterior noutros mercados, projectos

Quero, também, que os Estaleiros Navais de Viana do Castelo sejam capazes de colocar no exterior noutros mercados, projectos DECLARAÇÕES AOS JORNALISTAS DO MINISTRO PAULO PORTAS, EM VIANA DO CASTELO, APÓS REUNIÕES DE TRABALHO COM O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E COM A COMISSÃO DE TRABALHADORES DOS ESTALEIROS NAVAIS DE VIANA DO

Leia mais

Imagem e memória: o morro do Castelo visto por um fotógrafo amador 1. Nesta apresentação iremos nos deter na análise do olhar do fotógrafo amador

Imagem e memória: o morro do Castelo visto por um fotógrafo amador 1. Nesta apresentação iremos nos deter na análise do olhar do fotógrafo amador Imagem e memória: o morro do Castelo visto por um fotógrafo amador 1 Adriana Maria Martins Pereira Nesta apresentação iremos nos deter na análise do olhar do fotógrafo amador Alberto de Sampaio em duas

Leia mais

PRENSAGEM COM VÁCUO Owens Corning

PRENSAGEM COM VÁCUO Owens Corning Abril 2001 PRENSAGEM COM VÁCUO Os processos para transformar resinas poliéster reforçadas com fibras de vidro podem ser sofisticados e caros, como a prensagem a quente, ou simples e baratos, como a laminação

Leia mais

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TODA DIFUSORES PARA LUMINÁRIAS O conjunto de difusão de ar completamente embutido, contribui para um visual leve e sem distorções. Sua flexibilidade própria,

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

Neste ano estudaremos a Mecânica, que divide-se em dois tópicos:

Neste ano estudaremos a Mecânica, que divide-se em dois tópicos: CINEMÁTICA ESCALAR A Física objetiva o estudo dos fenômenos físicos por meio de observação, medição e experimentação, permite aos cientistas identificar os princípios e leis que regem estes fenômenos e

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP FUNDAÇÃO 1. TIPO DE SOLO A primeira parte da casa a ser construída são suas fundações, que

Leia mais

IFSC - Campus São José Área de Refrigeração e Ar Condicionado Prof. Gilson Desenvolvimento de Chapas

IFSC - Campus São José Área de Refrigeração e Ar Condicionado Prof. Gilson Desenvolvimento de Chapas DESENVOLVIMENTO DE CHAPAS É o processo empregado para transformar em superfície plana, peças, reservatórios, uniões de tubulações e de dutos, normalmente feitos em chapas, razão pela qual este processo

Leia mais

Essas duas questões serão estudadas nesta aula. Além delas, você vai ver quais erros podem ser cometidos na rebitagem e como poderá corrigi-los.

Essas duas questões serão estudadas nesta aula. Além delas, você vai ver quais erros podem ser cometidos na rebitagem e como poderá corrigi-los. A UU L AL A Rebites III Para rebitar peças, não basta você conhecer rebites e os processos de rebitagem. Se, por exemplo, você vai rebitar chapas é preciso saber que tipo de rebitagem vai ser usado - de

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 No início do nível intermediário, falamos brevemente sobre a perspectiva e a aplicação de alguns dos seus elementos, como o ponto de fuga, a linha de horizonte e a relação dos objetos com o olho do observador.

Leia mais

Caderno de Postura. Prof. Luiz Mello

Caderno de Postura. Prof. Luiz Mello Caderno de Postura Prof. Luiz Mello CADERNO DE POSTURA Este caderno de postura tem como objetivo demonstrar os principais pontos relacionados a maneira de como tocar violão e guitarra de uma maneira saudável,

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

Figura 1.1 Utilização de colunas de aço estaiada e protendida durante a montagem do Palco Mundo do Rock in Rio III.

Figura 1.1 Utilização de colunas de aço estaiada e protendida durante a montagem do Palco Mundo do Rock in Rio III. 1 Introdução A busca contínua de sistemas estruturais eficientes como solução para grandes vãos tem sido um dos maiores desafios enfrentados por engenheiros estruturais. Por outro lado, sistemas estruturais

Leia mais

Cotagem de elementos

Cotagem de elementos Cotagem de elementos Introdução Na aula anterior você estudou algumas regras para cotagem e aprendeu como indicar as cotas básicas da peça. Mas, só com essas cotas, não é possível produzir peças que tenham

Leia mais

Corel Draw 12. Enviado por: Jair Marcolino Felix. Rua Dr. Osvaldo Assunção nº 72 Tucano BA Próximo a Escola de Artes e Ofícios (antigo CESG)

Corel Draw 12. Enviado por: Jair Marcolino Felix. Rua Dr. Osvaldo Assunção nº 72 Tucano BA Próximo a Escola de Artes e Ofícios (antigo CESG) Corel Draw 12 Enviado por: Jair Marcolino Felix Corel Draw 12 O Corel Draw é um programa de design gráfico pertencente à Corel.O Corel Draw é um aplicativo de ilustração e layout de página que possibilita

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO Nº 57, DE 1970

DECRETO LEGISLATIVO Nº 57, DE 1970 Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, nos termos do Art. 55, 1º, da Constituição, e eu, João Cleofas, Presidente do Senado Federal, promulgo o seguinte: DECRETO LEGISLATIVO Nº 57, DE 1970 Aprova

Leia mais

KIT Porta IPUMIRIM. Manual técnico e instruções de instalação

KIT Porta IPUMIRIM. Manual técnico e instruções de instalação Manual técnico e instruções de instalação KIT Porta IPUMIRIM Este manual de instalação do Kit Faqueadas Ipumirim vai auxiliar e orientar construtores e consumidores com as informações necessárias com relação

Leia mais

Compreendendo o espaço

Compreendendo o espaço Módulo 1 Unidade 2 Compreendendo o espaço Para início de conversa... A forma como você se locomove na cidade para ir de um lugar a outro tem a ver com as direções que você toma e com o sentido para o qual

Leia mais

1 Fluxo de trabalho de desenho de quadros estruturais

1 Fluxo de trabalho de desenho de quadros estruturais Lição 1 Fluxo de trabalho de desenho de quadros estruturais Visão geral do fluxo de trabalho de desenho de quadro estrutural Você pode criar segmentos de caminho e quadros estruturais usando o aplicativo

Leia mais

Matemática e lógica CONGRUÈNCIA E SEMELHANÇA DE POLÍGoNOS

Matemática e lógica CONGRUÈNCIA E SEMELHANÇA DE POLÍGoNOS - - Matemática e lógica CONGRUÈNCIA E SEMELHANÇA DE POLÍGoNOS ABRINDO NOSSO DIÁLOGO Observando ao nosso redor, vemos inúmeras figuras que parecem iguais ou semelhantes. As simetrias, as ampliações e as

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 24

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 24 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 24 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º ANO DO ENSINO MÉDIO OBJETIVO Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são

Leia mais

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico.

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. Introdução Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. A confecção do experimento permitirá também a observação da dispersão

Leia mais

São grandezas que para que a gente possa descrever 100%, basta dizer um número e a sua unidade.

São grandezas que para que a gente possa descrever 100%, basta dizer um número e a sua unidade. Apostila de Vetores 1 INTRODUÇÃO Fala, galera! Essa é a primeira apostila do conteúdo de Física I. Os assuntos cobrados nas P1s são: Vetores, Cinemática Uni e Bidimensional, Leis de Newton, Conservação

Leia mais

Cinemática Unidimensional

Cinemática Unidimensional Cinemática Unidimensional 1 INTRODUÇÃO Na Cinemática Unidimensional vamos estudar o movimento de corpos e partículas, analisando termos como deslocamento, velocidade, aceleração e tempo.os assuntos que

Leia mais

FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas

FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas Tirar fotos não é apenas uma ação de apontar a máquina e apertar o botão (a menos que essa seja sua intenção artística). É necessário saber o que vai retratar e como vai

Leia mais

1,40 m. 1,20 m. 3,35 m. 2,00 m. 0,30 m. 0,40 m. 0,15 m. Marco Rotário Modelo 1 TUBO DE AÇO GALVANIZADO - 1 - Rotary Club de SÃO PAULO - ÁGUA RASA

1,40 m. 1,20 m. 3,35 m. 2,00 m. 0,30 m. 0,40 m. 0,15 m. Marco Rotário Modelo 1 TUBO DE AÇO GALVANIZADO - 1 - Rotary Club de SÃO PAULO - ÁGUA RASA Marco Rotário Modelo 1 TUBO DE AÇO GALVANIZADO 1,40 m - 1 - RMW\ET-12\c:\arquivos\07\X0737.DOC em 14/07/2013 10:47 R-0 13/07/2013 DETALHE N 0 2 DETALHE N 0 3 0,15 m TRANSVERSINA 1 DETALHE N 0 2 DETALHE

Leia mais

CATÁLOGO 2015 LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA. Metro Form System

CATÁLOGO 2015 LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA. Metro Form System LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA CATÁLOGO 2015 Metro Form System São Paulo Matriz Rua Maria Paula Motta, 239 CEP 07171-140 Guarulhos SP Brasil Fone: (11) 2431-6666 Rio de Janeiro Filial Rua Agaí,

Leia mais

EXPLORANDO OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS ENVOLVIDOS NA CONSTRUÇÃO DE UMA CASA

EXPLORANDO OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS ENVOLVIDOS NA CONSTRUÇÃO DE UMA CASA EXPLORANDO OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS ENVOLVIDOS NA CONSTRUÇÃO DE UMA CASA Sergio da Silva Cambiriba 1 Dante Alves Medeiros Filho 2 RESUMO Nosso trabalho consistiu em explorar alguns conteúdos matemáticos

Leia mais

CT 3.1. PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0

CT 3.1. PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0 CT 3.1 PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0 Informações Gerais Index 1 Prodim Escadas 1.1 A solução para escadas 3 3 2 Protocolo de medição de escadas 2.1 Começando 2.2 Configurando 2.3 Começando

Leia mais

PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA

PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA Como visto, existem os mais variados tipos de plataformas, cada uma com seus requisitos de projetos. Neste capítulo será abordada

Leia mais

Como uma onda no mar...

Como uma onda no mar... Como uma onda no mar... A UU L AL A Certa vez a turma passou férias numa pequena cidade do litoral. Maristela costumava ficar horas a fio admirando a imensidão azul do mar, refletindo sobre coisas da vida

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA

ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA Questão: Como projectar um escorrega para um parque aquático, de um, de modo que os utentes possam cair em segurança numa determinada zona da piscina?

Leia mais

Manual para trabalhos em altura.

Manual para trabalhos em altura. Manual para trabalhos em altura. Montagem de andaimes. O trabalho de montagem de andaimes possui características peculiares, pois em geral, os pontos de ancoragem são o próprio andaime, o que requer uma

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

Escolha e Afiação de Serrotes

Escolha e Afiação de Serrotes Escolha e Afiação de Serrotes 1. Tipo e Escolha do Serrote: O serrote comum é composto de uma lâmina de aço triangular presa a um cabo, em geral de madeira. A lâmina do serrote é bastante maleável, a fim

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

OS FOTÓGRAFOS DA COMPANHIA AGRÍCOLA E COMERCIAL DOS VINHOS DO PORTO (AAF, SA.)

OS FOTÓGRAFOS DA COMPANHIA AGRÍCOLA E COMERCIAL DOS VINHOS DO PORTO (AAF, SA.) OS FOTÓGRAFOS DA COMPANHIA AGRÍCOLA E COMERCIAL DOS VINHOS DO PORTO (AAF, SA.) Paula Montes Leal e Carlos Jorge Barreira Arquivo Histórico da A. A. Ferreira No seguimento da comunicação apresentada ao

Leia mais

Mais que nunca é preciso cortar

Mais que nunca é preciso cortar Mais que nunca é preciso cortar Quando suas unhas estão compridas e é necessário apará-las, qual o modo mais rápido de fazê-lo? Lixando ou cortando? Naturalmente, se você lixar, o acabamento será melhor.

Leia mais

DEFINIÇÕES. Plano diametral plano de simetria ou plano longitudinal Plano de flutuação Plano transversal

DEFINIÇÕES. Plano diametral plano de simetria ou plano longitudinal Plano de flutuação Plano transversal GEOMETRIA DO NAVIO DEFINIÇÕES Plano diametral plano de simetria ou plano longitudinal Plano de flutuação Plano transversal Linha de flutuação: interseção da superfície da água com o contorno exterior do

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NOME: FELIPE VESCOVI ORIENTADOR: FABIO REDIN DO NASCIMENTO CARAZINHO, DEZEMBRO DE 2011. DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES PALAVRA CHAVES:

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Andaimes e Escoras

Transformando aço, conduzindo soluções. Andaimes e Escoras Transformando aço, conduzindo soluções. Andaimes e Escoras TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras aplicações.

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Introdução: Um rebite compõe-se de um corpo em forma de eixo cilíndrico e de uma cabeça. A cabeça pode ter vários formatos. Os rebites

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo V. Torres

Estruturas Metálicas. Módulo V. Torres Estruturas Metálicas Módulo V Torres APLICAÇÕES ESTRUTURAIS - TORRES Introdução Neste capítulo são abordadas as estruturas não classificadas como de edificações nem como de obras de arte, já abordadas

Leia mais

Nivelamento Desenho Técnico

Nivelamento Desenho Técnico Módulo: Nivelamento Desenho Técnico Natanael Gomes da Costa Júnior Curso: FTST - FORMAÇÃO TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO DE NIVELAMENTO DESENHO TÉCNICO Sumário Sumário...2 Competências a serem

Leia mais

CÂMARA ESCURA * Renato Heineck Santos Diez Arribas Departamento de Física ICEG Passo Fundo RS. Resumo

CÂMARA ESCURA * Renato Heineck Santos Diez Arribas Departamento de Física ICEG Passo Fundo RS. Resumo CÂMARA ESCURA * Renato Heineck Santos Diez Arribas Departamento de Física ICEG Passo Fundo RS Resumo Faz-se necessário refletir, de forma sintética, sobre o ensino de ciências/física a partir da realidade

Leia mais

SÉRIE 6: MODOS DE VIDA

SÉRIE 6: MODOS DE VIDA 23 The Bridgeman Art Library SÉRIE 6: MODOS DE VIDA Gustave Caillebotte Esboço para Paris, um dia chuvoso 1877 Óleo sobre tela. 24 Ministério da Cultura e Endesa Brasil apresentam: Arteteca:lendo imagens

Leia mais

ESTRUTURA CONSTRUÇÃO COM TÁBUAS CONSTRUÇÃO EM COMPENSADO. 5 32 x 44. 4 32 x 68. 3 Serrado de. 6 Cavernas do meio do barco. 8 44 x 143 1.

ESTRUTURA CONSTRUÇÃO COM TÁBUAS CONSTRUÇÃO EM COMPENSADO. 5 32 x 44. 4 32 x 68. 3 Serrado de. 6 Cavernas do meio do barco. 8 44 x 143 1. ESTRUTURA 17 18 Serrado de 20 x 193 CONSTRUÇÃO COM TÁBUAS 5 32 x 44 14 16 x 143 4 32 x 68 3 Serrado de 32 x 143 3 Cavernas da popa ao meio do barco: 32 x 143 6 Cavernas do meio do barco até proa: 32 x

Leia mais

Contando os Pontos Números Binários

Contando os Pontos Números Binários Atividade 1 Contando os Pontos Números Binários Sumário Os dados são armazenados em computadores e transmitidos como uma série de zeros e uns. Como podemos representar palavras e números usando apenas

Leia mais

Brincar e aprender: o jogo como ferramenta pedagógica no ensino de Física (guia para o professor)

Brincar e aprender: o jogo como ferramenta pedagógica no ensino de Física (guia para o professor) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Mestrado Profissional em Ensino de Física Brincar e aprender: o jogo como ferramenta pedagógica

Leia mais

OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS

OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS Definição e Responsabilidades Em conformidade com a LEI nº 14.072 de 18 de outubro de 2005, qualquer EVENTO somente poderá ser iniciado após

Leia mais

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO Introdução 03 Descrição da plataforma 04 Instruções de montagem 08 Informações de segurança 12 INTRODUÇÃO O ANDAIME SUSPENSO ELÉTRICO JIRAU é recomendado para trabalhos em altura

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Victor H. A. Okazaki http://okazaki.webs.com Material de Apoio: Desenvolvimento & Aprendizado

Leia mais

Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista.

Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Plantão de Atendimento Horário: terças e quintas-feiras das 14:00 às 16:00. MSN:

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

ARTIMANHA MODELISMO CARAVELA PORTUGUESA REDONDA - Escala 1/50 - Versão da Artimanha Modelismo

ARTIMANHA MODELISMO CARAVELA PORTUGUESA REDONDA - Escala 1/50 - Versão da Artimanha Modelismo Na documentação técnica existem regimentos relativos à construção de caravelas: as caravelas redondas, um nome moderno que vingou na historiografia, pela mesma razão que se chamam redondos navios como

Leia mais

COMO PARTICIPAR? GRAVE O VÍDEO EDITE O VÍDEO

COMO PARTICIPAR? GRAVE O VÍDEO EDITE O VÍDEO Tutorial Inscreva sua história COMO PARTICIPAR? VEJA O TEMA TENHA UMA IDEIA GRAVE O VÍDEO EDITE O VÍDEO COLOQUE UMA TRILHA SONORA INSCREVA-SE! Tema: Inspirando histórias Premissa conceitual: Em comemoração

Leia mais

Publisher. Publisher. versão 2012.2

Publisher. Publisher. versão 2012.2 versão 2012.2 Publisher Publisher Para diagramar, vamos utilizar o Publisher, do pacote de programas Microsoft Office. As instruções valem para as versões 2003, 2007 e 2010 do pacote. Vamos aprender através

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais