PROCEDIMENTO DE ADEQUAÇÃO DO PROJETO PARA FABRICAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO DE ADEQUAÇÃO DO PROJETO PARA FABRICAÇÃO"

Transcrição

1 Página 1 de 44 Revisão Data Descrição das alterações Elaborador Aprovador 0 07/04/08 Emitido A.J.R F.F 1 14/04/08 Geral A.J.R F.F 2 06/05/08 Geral A.J.R F.F 3 16/06/08 Revisão no item 3.5 A.J.R F.F 4 26/05/12 Geral M.C. F.F 1- OBJETIVO: Complementar as propostas consolidadas, a fim de que a fábrica execute projetos conforme maquinas CNC, serviços e padrões previstos na fase orçamentária. Isto de modo que a produtividade e os prazos sejam como planejados. 2- NORMAS APLICÁVEIS: FAM- OP 4000 Procedimento de Detalhamento ABNT NBR 5884 Perfil Soldado - Revisão agosto/2005 ABNT NBR 8800:2008 AISC Steel Construction Manual Fourteenth Edition 14ª AWS Manual de Soldagem D.1.1/ DEFINIÇÕES: 3.1- Escolha e aprovação das ligações: Quando as ligações ainda não tiverem sido calculadas na época da contratação, deverão ser concebidas conforme o presente procedimento e lista de exceções da proposta consolidada. Quando as ligações já estiverem prontas, em desacordo com o presente procedimento, serão modificadas. Quando o projeto for do cliente, a Fam deverá optar, dependendo das características de cada conexão, pelo envio de ligações padrão a serem verificadas pelo cliente para adiantar os trabalhos, ou pelo envio de ligações já calculadas para aprovação Envio de esforços nas ligações, pelo cliente: Não utilizar notas gerais tipo: ``esforço na ligação igual a X% da resistência do perfil, de modo a se evitar perda de produtividade e aumento de custo. Os esforços serão indicados como segue: Ligações rotuladas de vigas- fornecer o maior esforço cortante por tipo de perfil, por área da obra Ligações rotuladas de barras axialmente solicitadas- fornecer os maiores esforços de tração e compressão por tipo de perfil, por área da obra Ligações engastadas- fornecer o esforço axial, momento fletor e cortante, que resultem nas maiores tensões de compressão e tração, sempre por tipo de perfil, por área da obra. Quando necessário, a Fam poderá solicitar memória de calculo de ligações já executadas pelo cliente.

2 Página 2 de Concepção das estruturas: A concepção planejada pela Fam esta descrita nos itens a seguir. Proporciona uma produção CNC rápida, precisa, de maior qualidade e menor preço, garantindo os preços e prazos planejados. Evita deformações excessivas nas peças, reentrâncias críticas para pintura, serviços manuais sujeitos a imprevistos, e perdas de aproveitamento nos transportes. Na montagem, propicia parafusar as vigas principais mesmo engastadas sem que as colunas sejam tiradas de prumo devido a folga de 10 mm de cada lado dos elementos principais, unidos por talas ou cantoneiras. Esta mesma folga de 10 mm entre as vigas secundárias e principais, unidas por cantoneiras, facilita o giro e montagem das peças, sem necessidade de se soltar e reposicionar as vigas principais. As ligações parafusadas facilitam futuras manutenções ou ampliações nas estruturas. Ver no item adiante como é feita a organização para envio de peças avulsas até o canteiro de obras. Ver as figuras em anexo, parte integrante deste procedimento Ligações rotuladas: -Viga com coluna: deverão ser calculadas com cantoneiras parafusadas quando não existir contra vento na ligação, e com ``single plate, quando existir contra vento. Usar cantoneira de apoio para montagem quando necessário. O P.T. (ponto de trabalho) dos contra-ventos verticais deverá ser deslocado de modo que estes sejam parafusados em chapas soldadas nas colunas. -Viga com viga: deverão ser calculadas com cantoneiras parafusadas em ambas as extremidades de modo a se obter economia de peso, e manter a quantidade prevista de vigas avulsas. Para ligações rotuladas ver figuras 1, 2, 3, 4, 5 e Secção mínima das vigas de piso: As vigas de piso deverão ter no mínimo 200 mm de secção, de modo a serem ligadas com cantoneiras e dois parafusos na mesma linha. Usar por ex. W 250 x 17,9 kg/m. Quando, por motivo excepcional, existir perfil menor de 200 mm, que não possa ser substituído, este deverá ter sua ligação com cantoneira desigual parafusada de modo que possibilite a montagem de outra peça no mesmo alinhamento, e permita que as vigas maiores recebam estas menores através de furos na alma, sem necessidade de chapas montadas e soldadas (que encarecem a fabricação e aumentam o peso para o cliente). As cantoneiras desiguais serão agrupadas em barras de chapas dobradas. Ver figuras 6 e Ligação engastada viga x flange de coluna, tipo `` suporte parafusado e ``end plate : Utilizar as figuras 8B e 9 com ligação tipo suporte parafusado- quando os esforços permitirem, para vigas até 70 kg/m sem contra ventos verticais ou com contra ventos verticais em cantoneira. Devido a tolerância dimensional na altura dos perfis laminados e soldados, a ligação deverá ser prevista considerando a altura da secção de cada viga, somada a 3 (três) milímetros. Esta folga deverá ser considerada aumentando-se a distancia, somente para o flange inferior.

3 Página 3 de 44 possível a utilização de ligação por talas conforme figuras 10, 11 e 12 dos itens a seguir. Aumentar a espessura da placa e diâmetro dos parafusos quando necessário, evitando o uso de mísulas e nervuras Ligação engastada viga x flange de coluna, tipo `` tala : Utilizar para vigas acima de 70 kg/m, ou na impossibilidade de se utilizar as ligações tipo suporte, figuras 8B e 9. A construção da ligação soldada na coluna deverá ser o mais curta possível, e efetuada com toco de perfil laminado ou soldado, que devera ser agrupado sem a inclusão de outro tipo de peça. As talas terão recorte para passagem da chapa de contra vento. Observar sempre a distância de 20 mm entre o flange do perfil e o início da tala. Usar as distâncias mínimas entre os furos. Ver figura 10 e nota 1- do item a seguir Ligação engastada viga x alma de coluna, tipo ``tala : Utilizar para vigas de todos os pesos, com ou sem contra ventos em cantoneira, perfil laminado ou soldado. A construção da ligação soldada na coluna deverá ser o mais curta possível, e efetuada com chapa caso esta permaneça dentro da secção do perfil, ou se forem necessários reforços de chapa. A ligação deverá ser projetada com toco de perfil laminado ou soldado, que devera ser agrupado sem a inclusão de outro tipo de peça, caso não haja reforço de chapa e a ligação extrapole as dimensões da secção do perfil. Nota 1- Devido a tolerância dimensional na altura dos perfis laminados, a ligação em chapa deverá ser prevista para estes, considerando a altura total da secção de cada viga, somada a 3mm. Esta folga deverá ser considerada aumentando-se a distancia, somente para o flange inferior. Ver figuras 11 e Ligação com esforços superiores a capacidade do perfil inicialmente calculado, ou com diminuição substancial da área liquida decorrente de furações: Quando for necessária alteração de secção ou espessura em flanges ou alma de perfil, para suportar os esforços de uma dada ligação, o perfil inteiro deverá ser alterado. Idem para casos de diminuição substancial da área liquida em função de furações a serem necessárias para longarinas, terças, etc.. Quando o projeto já estiver pronto, o perfil deverá ser substituído pelo menor possível, que atenda aos requisitos acima Mísulas:

4 Página 4 de 44 Consideradas somente em tesouras de alma cheia, em pórticos de galpões industriais com ponte rolante. Demais perfis deverão ser previstos com a secção total necessária para seu maior momento fletor, sem o uso de mísula Contra ventos horizontais: Formados por barras simples ou duplas, unidas através de parafusos em presilhas e chapas de ligação, de modo a viabilizar a pintura, transporte e velocidade de fabricação. As chapas de ligação deverão ser parafusadas nas vigas, sempre que possível. Ver figuras 13 e 14. Para alternativa em ferro redondo a ser usado em tesouras, pequenas vigas, etc., ver figura Contra ventos verticais: Formados por barras com a concepção idem item anterior, parafusadas em chapas soldadas às colunas. Quando necessário, os pontos de trabalho serão deslocados de modo a se manter as ligações nas colunas. Ver figuras 2, 4, 5, 9, 10 e Ligação para viga contínua passando através de outra viga: Conforme figura 16 (parafusada) e 17 (alternativa soldada) Terças, longarinas, respectivos suportes, correntes rígidas, flexíveis e diagonais: a- terças e longarinas- previstas como peças avulsas, com cortes retos nas extremidades. b- suportes para terças- previstos como peças avulsas, parafusadas conforme figuras 18, 19, 20 e 21 para secções de 127, 150, 200 e 300mm respectivamente. Prever as peças agrupadas em barras de cantoneira dobrada. Estes suportes não se aplicam para telhados com grandes inclinações, utilização de telhas de barro ou canalete. c- suportes parafusados por cima de longarinas- conjuntos soldados conforme figura 22 para longarinas de 127, 150, 200 e 300mm respectivamente. d- suportes parafusados por baixo de longarinas- conjuntos soldados conforme figura 23 (tip). e- correntes rígidas- conforme figura 24 com solda por eletro-rebite. Cantoneira da extremidade padronizada com 51 x 5mm, parafusos de ½. f- corrente flexível e diagonal- ver figura 25. Montagem no campo, prevista içando-se módulos pré-montados, formados por varias terças ou longarinas com respectivos suportes, correntes e diagonais. A conexão dos módulos nas tesouras ou colunas, será entre os suportes das terças ou longarinas e as tesouras ou colunas Conexão das vigas, guarda-corpos e escadas: As vigas deverão ser projetadas para receber guarda-corpos e escadas através de furos nas almas, sem necessidade de chapas soldadas.

5 Página 5 de 44 Os guarda-corpos e escadas é que deverão possuir as ligações necessárias soldadas aos seus montantes. As escadas 45 graus terão seus montantes com as uniões soldadas, os degraus e montantes dos guardacorpos parafusados para efeito de transporte. As escadas tipo marinheiro serão soldadas, e terão suas proteções parafusadas para efeito de transporte Rodapés: Soldados aos guarda-corpos, grades de piso ou chapas xadrez, não soldar às vigas Emendas de colunas, vigas e demais elementos acima de 12 metros: Através de talas parafusadas em ambos os lados Ligações típicas para tesouras: Deverão ser utilizadas ligações tipo tala. Seja na cumeeira, para emendas dos perfis, e na conexão com as colunas. Ver figura 26 incluindo suporte de terça sobre tala. Neste caso em específico, será usada chapa da metade da espessura da tala na segunda linha de terças, abaixo do suporte destas, de modo a se ajustar os níveis para apoio das telhas Apoio de equipamentos ou alargamento de vigas em geral: Os perfis deverão ser previstos com flanges na largura suficiente, ou com chapas de apoio conforme figuras 27A e 27B, de modo a não se criar remendos com soldas de penetração total, ou furos sobre soldas Treliças: Quando possível serão evitadas usando-se perfis soldados esbeltos, com alma de espessura mínima = 5 mm. Quando necessárias, as treliças deverão ser parafusadas. Seus elementos serão formados por peças avulsas Tesouras em alma cheia à serem utilizadas em galpões industriais com porte rolante: Poderão ser de perfis soldados com secção variável, caso seja possível se evitar a utilização de mísulas Tesouras treliçadas: Deverão ser dimensionadas com cantoneiras avulsas para cordas, montantes e diagonais. Ligações através de chapas aparafusadas Colunas em alma cheia para edifícios industriais de grande e pequeno porte: a- grande porte- prever perfil soldado tipo ``I ou ``H para o corpo da coluna. Para apoio da viga de rolamento e coluneta do telhado, prever perfil soldado no sentido horizontal que deverá ser agrupado em barras para efeito de fabricação. Este perfil soldado horizontal receberá furação para fixação da coluneta do telhado e viga de rolamento. Tanto o perfil soldado do corpo da coluna, como o do apoio da viga de rolamento poderão ter espessuras diferentes para cada flange, porém, estas deverão possuir a mesma largura em cada perfil. A espessura de cada flange e alma poderá ser alterada a cada 12 metros.

6 Página 6 de 44 A coluneta do telhado receberá placa de base para ligação com a coluna, e ligação tipo ``tala a fim de receber a tesoura a ser parafusada no campo. Ver figura 28. b- pequeno porte- neste caso, para pontes rolantes até 5 toneladas, prever coluna de mesma secção desde a base até o apoio da tesoura conforme figura 29. Evitar soldas de penetração total substituindo-as por penetração parcial sempre que possível Colunas treliçadas para edifícios industriais: Conforme concepção das figuras 30 e 31, parafusadas. Ligações a serem calculadas por atrito (ex: colunas dos edifícios industriais da fábrica da Fam em Jarinú - SP) Vigas de Rolamento: a- para pontes rolantes maiores que 5 toneladas- a serem concebidas conforme figuras 32 e 33, indicando seus apoios e viga de contenção lateral. Soldas previstas como filete para perfil e nervuras salvo menção específica. Fixação dos trilhos através de furos nos flanges. b- para pontes rolantes até 5 toneladas- vigas compostas por perfis soldados assimétricos quando viável, sem contenção lateral, com fixação dos trilhos sem furos nos flanges, através de grampos. Ver figura Placas de base e barras de cisalhamento para Prédios Comerciais e Industriais de Andares Multiplos: As placas de base serão dimensionadas conforme figuras 35, 36A e 36B, salvo situações especiais. As barras de cisalhamento serão previstas em perfis W ou tocos de perfis soldados a serem agrupados em barras Chumbadores: Previstos em aço ASTM-A-36 conforme figura 37, com arruela quadrada e porca na extremidade ligada ao concreto Ferro redondo para apoio de tubulação em pipe racks: Conforme figura 38, mostrando detalhe em ferro redondo de 19mm soldado a ferro chato, formando conjunto à ser parafusado em vigas de pipe-racks. A solda será intermitente Conectores: Esta prevista quando necessária, alteração de escopo de modo que a instalação de conectores seja executada sempre após a montagem das peças no canteiro de obras Chapa xadrez: Projetar nas maiores dimensões possíveis até módulo de 3m por 1,18m de largura. Cada peça receberá um furo diâmetro 18 mm para transporte e manuseio, situado no centro da lateral menor da figura, a 25 mm da borda. Quando a peça possuir mais que 2 m. adotar 2 furos, na lateral maior, eqüidistantes. A fixação das chapas de piso esta prevista na obra, através de solda intermitente por cima das placas. O desenho do alto relevo das chapas deverá ser o mesmo para cada estrutura e respectiva(s) escada(s).

7 Página 7 de Construções especiais habitualmente não previstas: Salvo menção contrária na proposta consolidada, não é previsto o fornecimento do seguinte tipo de peças ou serviços: a- perfis estruturais tubulares (exceto guarda-corpos), b- perfis tipo caixão soldado ou dobrado, c- perfis U soldados entre as abas e alma, d- perfis soldados assimétricos exceto para vigas de rolamento e tesouras de galpões aporticados com ponte rolante, e- perfis soldados ou laminados tipo ``T. f- vedações com massas, silicones ou solda corrida, g- fornecimento de arabescos, peças decorativas, pinos, travas, serviços de mandrilhamento, frezagem, plaina, tratamento térmico. Pinos, conectores, suportes e furações para fire-proofing e instalações diversas Mix de peças soldadas: Não é prevista a concepção de peças soldadas de fábrica, agrupando-se elementos distintos como por ex: - Vigas incluindo pedaços de coluna formando um único conjunto soldado. - Pequenas vigas e colunas soldadas formando um único conjunto ou pórtico soldado, com largura ou altura superior a 1,5 m. - Viga soldada com passarela formando uma única peça. - Plataformas ou passarelas soldadas formando uma única peça, com medidas superiores a 1,5 m de largura, ou 3 m de comprimento. - Mão-francesa soldada com coluna formando uma única peça. - Trilho soldado em viga de rolamento. Estas e outras situações análogas, deverão ser previstas em elementos distintos a serem parafusados no canteiro de obras Perfis soldados / Açominas, tipos e substituições: Utilizar sempre perfis so ldados com as mesmas larguras de flanges. Quando vantajoso, alterar a espessura de uma das flanges, porém em toda sua extensão. Substituir perfis soldados abaixo de 70 kg/m por perfis laminados Açominas. Substituir perfis Açominas por perfis soldados, quando acima de 350 x 150 mm de secção e 70 kg/m, podendo utilizar chapas ASTM-A-36. Não estão previstas soldas de penetração total para os perfis soldados, exceto menção específica na proposta consolidada Conceito estrutural: As estruturas são sempre previstas engastadas em um sentido. Articuladas e contra ventadas no outro, salvo menção contrária na proposta consolidada Organização para envio de peças avulsas até o canteiro de obras: No projeto todas as peças avulsas recebem siglas especiais inclusas nas figuras e lista de materiais, como segue:

8 Página 8 de 44 - LV- ligações de vigas (chapas, cantoneiras) - LC- ligações de colunas, colunetas, pendurais (talas, cantoneiras, suportes de longarina, etc) - LT- ligações de tesouras (talas, suportes de terças) - CV- ligações de travamentos (talas, cantoneiras, suportes) - ES ligações de escadas e guarda-corpos (eventual peça avulsa) - OT- com as ligações de todos os outros elementos como grampos de grades, pequenos tirantes, ganchos de telhas, e outros. - PA com os conjuntos de parafusos das peças. Na fabrica, no setor de preparação, as peças são furadas, cortadas e marcadas em baixo relevo com equipamentos CNC de ultima geração (exceto para OT). Logo em seguida as peças são acondicionadas em caixas de madeira separadas por obra, prioridade de montagem, identificadas com as mesmas siglas do projeto, seguidas do numero da caixa, exemplo: 826 (obra) 1 (prioridade) LV (sigla do projeto para ligação de vigas) 1 (primeira caixa deste tipo de material). No setor de jateamento e pintura, a caixa com respectiva lista indicando seu conteúdo, é esvaziada e a quantidade de peças contadas para a execução dos serviços. Após o jato e pintura, as peças são contadas novamente durante o novo preenchimento da caixa. Deste modo, estas seguem para o setor de expedição que confere novamente a quantidade de peças e fecha as caixas. As caixas nunca poderão ser transportadas de um setor para outro sem a quantidade completa. Em caso de problema o PCP deverá ser avisado imediatamente Diâmetros de furos para parafusos: Utilizar para parafusos, diâmetros de furos com 14, 18, 21, 24, 27, 34, 40 e 46 mm Cantoneiras: Dimensão mínima = 38 x 38 x 3 mm Dimensão máxima = 203 x 203 x 19 mm Gabaritos de furação conforme AISC Abas (8 ) (6 ) (5 ) (4 ) (3 ) (2 1/2") (2") (1 3/4") (1 1/2") g g g

9 Página 9 de Furos oblongos: Quando realmente indispensáveis na ligação, adotá-los em placas, e não nos perfis Recortes para perfis I, H e U : Respeitar sempre a medida mínima de 20 mm entre o corte e a face interna do flange, ex: 3.8- Espessuras mínimas, máximas e chapas dobradas: - espessuras mínimas para terças e longarinas em chapa dobrada = 2,25 mm. - espessura mínima para chapas = 5 mm. - espessuras mínimas para alma e mesa de perfis soldados, 6 mm e 8 mm respectivamente. Podendo-se utilizar a alma com 5mm considerando leve ondulação. - espessura máxima considerada para chapas dobradas = 12 mm. Nota: as peças em chapa dobrada deverão ser obtidas dobrando-se barras para posterior furação e corte, e não, dobrando-se chapas após furação e corte.

10 Página 10 de Nervuras e ``single plates - desconto de medidas: Para Perfis Soldados- descontar 4 mm entre flanges, (2 de cada lado), e 2 mm na alma, afim de se possibilitar a montagem de fábrica das mesmas. Este desconto deverá ser feito na traçagem eletrônica. Ver Figura Abaixo.

11 Página 11 de Para Perfis Laminados- utilizar desconto igual a zero entre flanges. Já na alma manter os 2 mm. Ver Figura Abaixo Nervuras e ``single plates - utilização, chanfros, escalopes e recortes: Nervuras- não utilizar as nervuras de modo indiscriminado, pois muitas vezes se aumenta desnecessariamente o peso e a quantidade de soldas atrasando os trabalhos. Utilizar quando considerada em memória de cálculo. Single plates- serão utilizadas quando não for possível a utilização de cantoneiras duplas para uma dada ligação. Utilizá-las no tamanho necessário, evitando-se usar a altura total da secção do perfil quando não for necessário. Chanfros- de 15 mm por 25 mm serão utilizados a fim de se possibilitar a passagem de filetes de solda, e se evitar o esmerilhamento destes. Escalopes- ou recortes arredondados nas chapas para passagem de soldas, serão utilizados somente para perfis soldados. Adotar raio de 35 mm para espessura de chapas até 22 mm e 40 mm para espessura de chapas maiores ou iguais a 25 mm.

12 Página 12 de 44 Recortes- para perfis laminados, não utilizar escalopes, adotar recorte reto conforme indicado na tabela abaixo: Tipo Perfil Recorte ( x ) Tipo Perfil Recorte ( x ) Tipo Perfil Recorte ( x ) HP 200 x 53,0 (H) 10x10 W 250 x 32,7 10x10 W 410 x 38,8 12x12 HP 250 x 62,0 (H) 12x12 W 250 x 38,5 10x10 W 410 x 46,1 12x12 HP 250 x 85,0 (H) 12x12 W 250 x 44,8 10x10 W 410 x 53,0 12x12 HP 310 x 125,0 (H) 16x16 W 250 x 73,0 12x12 W 410 x 60,0 12x12 HP 310 x 79,0 (H) 16x16 W 250 x 80,0 (H) 12x12 W 410 x 67,0 12x12 HP 310 x 93,0 (H) 16x16 W 250 x 89,0 (H) 12x12 W 410 x 75,0 12x12 W 150 x 13,0 10x10 W 310 x 107,0 (H) 16x16 W 410 x 85,0 12x12 W 150 x 18,0 10x10 W 310 x 110,0 (H) 16x16 W 460 x 106,0 12x12 W 150 x 22,5 (H) 10x10 W 310 x 117,0 (H) 16x16 W 460 x 52,0 12x12 W 150 x 24,0 12x12 W 310 x 21,0 10x10 W 460 x 60,0 12x12 W 150 x 29,8 (H) 10x10 W 310 x 23,8 10x10 W 460 x 68,0 12x12 W 150 x 37,1 (H) 10x10 W 310 x 28,3 10x10 W 460 x 74,0 12x12 W 200 x 15,0 10x10 W 310 x 32,7 10x10 W 460 x 82,0 12x12 W 200 x 19,3 10x10 W 310 x 38,7 10x10 W 460 x 89,0 12x12 W 200 x 22,5 10x10 W 310 x 44,5 10x10 W 460 x 97,0 12x12 W 200 x 26,6 10x10 W 310 x 52,0 10x10 W 530 x 101,0 16x16 W 200 x 31,3 10x10 W 310 x 97,0 (H) 16x16 W 530 x 109,0 16x16 W 200 x 35,9 (H) 10x10 W 360 x 101,0 17x17 W 530 x 66,0 12x12 W 200 x 41,7 (H) 12x12 W 360 x 110,0 (H) 16x16 W 530 x 72,0 12x12 W 200 x 46,1 (H) 10x10 W 360 x 122,0 (H) 16x16 W 530 x 74,0 12x12 W 200 x 52,0 (H) 12x12 W 360 x 32,9 12x12 W 530 x 82,0 12x12 W 200 x 59,0 (H) 12x12 W 360 x 39,0 12x12 W 530 x 85,0 12x12 W 200 x 71,0 (H) 10x10 W 360 x 44,0 12x12 W 530 x 92,0 12x12 W 200 x 86,0 (H) 12x12 W 360 x 51,0 12x12 W 610 x 101,0 16x16 W 250 x 101,0 (H) 12x12 W 360 x 57,8 12x12 W 610 x 113,0 16x16 W 250 x 115,0 (H) 12x12 W 360 x 64,0 16x16 W 610 x 125,0 16x16 W 250 x 17,9 10x10 W 360 x 72,0 16x16 W 610 x 140,0 16x16 W 250 x 22,3 10x10 W 360 x 79,0 16x16 W 610 x 155,0 16x16 W 250 x 25,3 10x10 W 360 x 91,0 (H) 16x16 W 610 x 174,0 16x16 W 250 x 28,4 10x Recortes, aumento ou diminuição de medidas de chapas para possibilitar passagem de filetes de solda, e evitar o esmerilhamento desnecessário destes: End Plate- trata se de ligação a ser evitada. Quando estiver considerada na proposta consolidada, aumentar 15 mm de cada lado das chapas em relação às dimensões do perfil conectado. Ver figura Nervura de End Plate- evitar quando possível. Caso necessário, aplicar desconto de 15 mm conforme figura 39.

13 Página 13 de Mísula- trata se de ligação a ser evitada. Quando estiver considerada na proposta consolidada, projetá-la na largura do perfil e efetuar recorte de 15 x 25 mm na chegada da mísula com o flange do perfil. Ver figura 40, corte N-N Prever recortes de 15 x 25 mm em: enrijecedores de placas de base, enrijecedores em geral, ``single plates, flange de tocos de ligação com flange de colunas da mesma largura, e para todas as placas onde seja necessário recorte para passagem de solda, de modo a se evitar esmerilhamento desnecessário. Ver figura 40. Quando as chapas excederem os limites da peça, não será possível a aplicação dos recortes acima. Neste caso, aumentar as mesmas em no mínimo 15 mm. Nervuras no inicio ou final das peças serão substituídas por chapas de topo quando possível. Caso contrário, deixar 10 mm de folga para caber o cordão de solda, evitando se a solda de penetração na nervura, quando não for necessária Chapa de contra vento ligada com chapa de base ou topo de colunas- descontar 15mm conforma figura 41. Quando a chapa do contra vento exceder os limites da chapa de base, aumentar a mesma em no mínimo 15 mm Projetar os cantos de todas as chapas com raio mínimo de 3 mm- de modo a se evitar cantos vivos, desperdício com esmerilhamento desnecessário e perda de performance na pintura Soldas e Chanfros: As soldas das ligações principais deverão ser calculadas de modo a atenderem os esforços com garantia e sem desperdícios A ligação de perfil com end plate, chapa de base, e flange de coluna a 90 graus, devera possuir os chanfros e soldas como segue: a- ligação de perfil com flange até 15mm de espessura- será projetada sem chanfro, com filete até 11mm. A dimensão dos filetes nas flanges será como segue: Para espessuras de 6 mm, filetes de 5 mm. Para espessuras de 8 mm, filetes de 6 mm. Para espessuras de 9 mm, filetes de 8 mm. Para espessuras de 13 mm, filetes de 9 mm. Para espessuras de 15 mm, filetes de 11 mm. b- para flanges maiores que 15 até 20 mm de espessura- quando não for possível a utilização de filete devido aos esforços atuantes, utilizar chanfro em ``V, com nariz de 2 mm prevendo penetração parcial, mais filete se necessário. c- para flanges maiores que 20 mm de espessura até 32 mm- quando não for possível a utilização de filete de solda devido aos esforços atuantes, utilizar chanfro duplo para solda em K, com nariz de 2 mm prevendo penetração parcial, mais filete se necessário.

14 Página 14 de 44 d- para flanges maiores que 32 mm de espessura- quando não for possível a utilização de filete de solda devido aos esforços atuantes, utilizar chanfro duplo para solda em K, com nariz de 2 mm prevendo penetração total Os filetes de solda a serem aplicados sobre as soldas de penetração parcial ligando os perfis às end plates, placas de base, ou flanges de colunas, serão dimensionados como segue: Espessura menor da ligação Até 6,35 mm Até 12,5 mm Até 19 mm Acima de 19 mm Espessura mínima da perna do filete 3 mm 5 mm 6 mm 8 mm O nariz da solda de penetração parcial ou total deverá ser de 2 mm Encurtamento de perfis para soldas de penetração: - em caso de penetração total, encurtar 2 mm em cada junta, e indicar nos desenhos. - em caso de penetração parcial, não efetuar desconto As ligações soldadas de todas as peças, com exceção das especiais sujeitas a fadiga, deverão ser calculadas como segue: a- juntas em ângulo- deverão ser dimensionadas com filetes. Quando estes não forem suficientes, dimensionar a junta em ângulo para penetração parcial, e, conforme o caso, para penetração parcial + filete, conforme esforços atuantes. Evitar dimensionar soldas de penetração total para juntas em ângulo onde a espessura chanfrada seja igual ou menor que 32 mm, e o ângulo da junta 90 graus. Sempre que possível, substituir as soldas de penetração total até esta espessura, por penetração parcial + filete. b- juntas de topo- serão consideradas com penetração total para emendas de perfis laminados e chapas de mesma espessura. Ver figura 42. Para juntas de topo com espessuras diferentes prever solda de penetração parcial + filete, sempre que possível. Não é aceita a alteração de espessura de flange de um dado perfil, salvo menção especifica na proposta consolidada. Neste caso, utilizar sempre que possível ligação de topo com penetração parcial e filete conforme figura 43. c- Ligação de aba de perfil com gusset - será preferencialmente através de solda de filete, quando esta puder ser sobreposta a aba do perfil. Ver figuras 30 e 31. Quando não for possível efetuar a ligação conforme acima descrito, o perfil deverá ser substituído por outro com o menor peso possível, cuja aba possibilite a execução da ligação sem o uso de gusset.

15 Página 15 de 44 d- Mísula- trata se de ligação a ser evitada ou modificada. Quando estiver considerada na proposta consolidada, indicar solda de filete na união com o flange do perfil e com a end plate. Procurar utilizar aproximadamente 60 graus e efetuar chanfro de 30 graus na união com a end plate. Ver figura Indicar nos desenhos, em todos os símbolos das soldas de penetração: - PP- para penetração parcial - PT- para penetração total - US- para penetração total com 100% de ensaio de ultra-som. Para simbologias, consultar procedimento OP Lista de divergências: Nenhum serviço ou fornecimento em desacordo ao presente procedimento, poderá ser aceito ou executado sem que esteja em conformidade com a lista de divergências da proposta consolidada, devidamente assinada, de modo a se garantir a conformidade entre o planejado e o real a ser executado.

16 Página 16 de 44

17 Página 17 de 44

18 Página 18 de 44

19 Página 19 de 44

20 Página 20 de 44

21 Página 21 de 44

22 Página 22 de 44

23 Página 23 de 44

24 Página 24 de 44

25 Página 25 de 44

26 Página 26 de 44

27 Página 27 de 44

28 Página 28 de 44

29 Página 29 de 44

30 Página 30 de 44

31 Página 31 de 44

32 Página 32 de 44

33 Página 33 de 44

34 Página 34 de 44

35 Página 35 de 44

36 Página 36 de 44

37 Página 37 de 44

38 Página 38 de 44

39 Página 39 de 44

40 Página 40 de 44

41 Página 41 de 44

42 Página 42 de 44

43 Página 43 de 44

44 Página 44 de 44

CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA: APLICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES NORMATIVAS

CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA: APLICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES NORMATIVAS CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA: APLICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES NORMATIVAS Emmyle Marcon Eng. Civil Setor de Eng. METASA S/A emmylemarcon@hotmail.com Zacarias M. Chamberlain Pravia D. Sc., Professor

Leia mais

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS TORRE ESTAIADA A torre estaiada é a solução mais econômica por atingir grandes alturas e com elevada capacidade de carga, porém exige-se disponibilidade de terreno para sua instalação. Possui seção transversal

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: ESTRUTURAS METALICAS PARA COBERTURA, PASSARELAS E SUFITA.

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: ESTRUTURAS METALICAS PARA COBERTURA, PASSARELAS E SUFITA. 1 MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERÊNCIA: ESTRUTURA METÁLICA OBRA: ESTRUTURAS METALICAS PARA COBERTURA, PASSARELAS E SUFITA. LOCAL: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ-PR. DESENHOS DE REFERÊNCIAS:

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo IV. Colunas

Estruturas Metálicas. Módulo IV. Colunas Estruturas Metálicas Módulo IV Colunas COLUNAS Definição São elementos estruturais cuja finalidade é levar às fundações as cargas originais das outras partes. Sob o ponto de vista estrutural, as colunas

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. DADOS GERAIS: 1.1. Proprietário: Município de Estação/RS CNPJ: 92.406.248/0001-75 1.2. Obra: Cobertura Metálica da Escola Municipal de Ensino Fundamental Pedro Cecconelo 1.3. Local:

Leia mais

PARECER TÉCNICO. O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça:

PARECER TÉCNICO. O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça: PARECER TÉCNICO O referido parecer técnico toma como base o laudo técnico contiguo e reforça: Conforme o resultado apresentado pela simulação no software AutoMETAL 4.1, a atual configuração presente nas

Leia mais

COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS

COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS 5ª Edição 01 Flávio D Alambert Coordenação Técnica:

Leia mais

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas.

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas. ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço Menor tempo de execução: A estrutura metálica é projetada para fabricação industrial e seriada, de preferência, levando a um menor tempo de fabricação

Leia mais

Memorial Descritivo 01/2013 - V01

Memorial Descritivo 01/2013 - V01 Memorial Descritivo P.SQ.07 01/2013 - V01 ÍNDICE Piso em Aço - Modelo AX-1000 Piso em aço Chapa Inferir Estampada Chapa Superior Lisa Concreto Sistema Estrutural Cruzeta Chapa Superior Chapa de Reforço

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Colectores planos Suporte de instalação 6 720 643 442 (2010/03) PT 6720616592.00-1.SD Indice Indice 1 Esclarecimento dos símbolos e indicações de segurança...............................

Leia mais

Norma para Avaliação do Selo de Excelência ABCEM Anexo 01. Identificação: AN01 Revisão: 04 Folha: 1 / 25

Norma para Avaliação do Selo de Excelência ABCEM Anexo 01. Identificação: AN01 Revisão: 04 Folha: 1 / 25 Identificação: AN01 Revisão: 04 Folha: 1 / 25 A - Tolerâncias de Fabricação 1. Referências NBR 5884/2013 Perfil I estrutural de aço soldado por arco elétrico Requisitos NBR 15980/2011 Perfis laminados

Leia mais

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Apresentação Fundada no ano de 000, a TEMEC Terra Maquinas Equipamentos e Construções LTDA é uma empresa especializada no fornecimento de Soluções de Engenharia

Leia mais

Concepções estruturais 1 ª aula. Professores: Nádia Forti João Carlos Rocha Braz

Concepções estruturais 1 ª aula. Professores: Nádia Forti João Carlos Rocha Braz Concepções estruturais 1 ª aula Professores: Nádia Forti João Carlos Rocha Braz Ante - Projeto O que você quer? Satisfazer as necessidades e possibilidades do cliente; Espaços; Volume; Estética. Ante -

Leia mais

Informativo Técnico. 11 3207-8466 vendas@indufix.com.br www.indufix.com.br

Informativo Técnico. 11 3207-8466 vendas@indufix.com.br www.indufix.com.br Informativo Técnico Descrição Os fixadores contidos neste informativo são normalizados pela incorporadora de normas ASTM (American Society for Testing and Materials), com finalidade fixação e união de

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

PARA CONSTRUÇÕES EM STEEL FRAMING

PARA CONSTRUÇÕES EM STEEL FRAMING www.cbca-ibs.org.br DETALHES CONSTRUTIVOS PARA CONSTRUÇÕES EM STEEL FRAMING Tradução do original Low-Rise Residential Construction - Details Publicado originalmente em Março de 2000 www.steelframingalliance.com

Leia mais

Manual Técnico do Sistema MODULAR de Terças para Cobertura e Fechamento. Edição - Julho/2012. modular@modularsc.com.br www.modularsc.com.

Manual Técnico do Sistema MODULAR de Terças para Cobertura e Fechamento. Edição - Julho/2012. modular@modularsc.com.br www.modularsc.com. Manual Técnico do Sistema MODULAR de Terças para Cobertura e Fechamento Edição - Julho/2012 modular@modularsc.com.br CONTEÚDO A EMPRESA 3 SISTEMA DE TERÇAS PARA COBERTURA E FECHAMENTO 4 Apresentação 4

Leia mais

FINALIDADE DESTA ESPECIFICAÇÃO

FINALIDADE DESTA ESPECIFICAÇÃO SESC PANTANAL HOTEL SESC PORTO CERCADO POSTO DE PROTEÇÃO AMBIENTAL SÃO LUIZ BARÃO DE MELGAÇO/MT ESTRUTURAS METÁLICAS PARA COBERTURA DE BARRACÃO DEPÓSITO MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO VI 1. FINALIDADE DESTA

Leia mais

Sistemas Estruturais para Mezaninos

Sistemas Estruturais para Mezaninos Sistemas Estruturais para Mezaninos Concepção Estrutural Alexandre Landesmann FAU-UFRJ UFRJ AMA & PIN Prof Alexandre Landesmann FAU/UFRJ 27/03/2007 1 Funções... Suportar e conduzir as ações a verticais

Leia mais

EMPRESA MISSÃO VISÃO VALORES

EMPRESA MISSÃO VISÃO VALORES EMPRESA A Axxio Pisos Elevados é fruto do compromisso permanente com a satisfação de seus clientes e com a inovação, com o intuito de que todos os serviços sejam cada vez mais ágeis e seguros. Para isso

Leia mais

TecnoMETAL BIM MULTIPLUS. Soluções em Estruturas Metálicas. www.multiplus.com

TecnoMETAL BIM MULTIPLUS. Soluções em Estruturas Metálicas. www.multiplus.com TecnoMETAL BIM Softwares para Detalhamento, Cálculo e Fabricação de Estruturas Metálicas Soluções em Estruturas Metálicas TecnoMETAL BIM é um software para Detalhamento de Estruturas Metálicas e é modulado

Leia mais

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS BIBLIOGRAFIA TÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA VOLUME II LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS Apresentação O setor siderúrgico, através do Centro Brasileiro da Construção em Aço - CBCA,

Leia mais

TABELA DE VÃOS E CARGAS

TABELA DE VÃOS E CARGAS TABELA DE VÃOS E CARGAS Revisado de acordo com a norma brasileira ABNT NBR 88:28 COLETÂNEA DO USO DO AÇO TABELA DE VÃOS E CARGAS 3ª Edição 212 Flávio D Alambert Ivan Lippi Coordenação Técnica: Celio de

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

SOLUÇÕES PARA FACHADA. metax.com.br

SOLUÇÕES PARA FACHADA. metax.com.br SOLUÇÕES PARA FACHADA metax.com.br Passarela para pedestres Estes equipamentos são utilizados em locais onde a instalação do andaime fachadeiro obstrui a passagem de via, ou seja, a fachada do prédio não

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PONTE MISTA DE 18,00M DE COMPRIMENTO E 4,20M DE LARGURA LOCAL: PONTE DOS CÓRREGOS. OBJETIVO: O Objetivo principal deste Memorial é demonstrar e descrever todas e quaisquer informações

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ESTRUTURAS METÁLICAS PARTE 1 LOTE 1

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ESTRUTURAS METÁLICAS PARTE 1 LOTE 1 CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ESTRUTURAS METÁLICAS PARTE 1 LOTE 1 GRUPO ESTRUTURAS METÁLICAS, PARTE 1 LOTE 01 A CAIXA apresenta o grupo de composições de serviços que representam o transporte e

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 24 2 Revisão Bibliográfica 2.1.Introdução Neste capítulo são apresentados detalhes e alternativas para desenvolver este tipo de projeto e, ao mesmo tempo, a terminologia usada neles. De acordo com o Manual

Leia mais

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição Introdução Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Tópicos Especiais em Estruturas (Chapa Dobrada) Professor: Luciano Rodrigues

Leia mais

GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS

GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS 3ª Edição 2005 Volume 3 Flávio D Alambert Coordenação Técnica: Rosângela C. Bastos Martins Colaboração: Christiane Mirian Haddad

Leia mais

ETERMAX. www.eternit.com.br. Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel.

ETERMAX. www.eternit.com.br. Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel. ETERMAX www.eternit.com.br Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel.: (11) 3038-3838 Qualidade aliada à versatilidade Atende às mais variadas soluções arquitetônicas,

Leia mais

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS Série " Manual de Construção em Aço" Galpões para usos gerais Ligações em estruturas metálicas Edifícios de pequeno porte estruturados em aço Alvenarias Painéis de vedação

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO Eduardo M. Batista (1) ; Elaine G. Vazquez (2) ; Elaine Souza dos Santos (3) (1) Programa de Engenharia Civil, COPPE,

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária)

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária) MANUAL TÉCNICO (Proteção Periférica Primária e Secundária). 2 SUMÁRIO Proteção Periférica Primária e Secundária...03 Descrição Técnica...04 Sistema de Ancoragem...06 Norma Regulamentadora NR-18...07 Atualização

Leia mais

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade.

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade. Há mais de 46 anos no mercado, a Torcisão iniciou as suas atividades no desenvolvimento de materiais para a indústria automobilística, que exigia um rigoroso controle técnico e de qualidade. Em 2006, com

Leia mais

ANEXO I C - 2. MEMORIAL DESCRITIVO DE SERVIÇOS E MATERIAIS - Estrutura Metálica

ANEXO I C - 2. MEMORIAL DESCRITIVO DE SERVIÇOS E MATERIAIS - Estrutura Metálica 1/ 10 Porto Alegre, 13 de Outubro de 2010. ANEXO I C - 2 MEMORIAL DESCRITIVO DE SERVIÇOS E MATERIAIS - Estrutura Metálica 2/ 10 3/ 10 Porto Alegre, 13 de Outubro de 2010. DIRETRIZES TÉCNICAS DE ESTRUTURA

Leia mais

Steel frame - Estrutura

Steel frame - Estrutura Página 1 de 9 Parte 2 Steel frame - Estrutura Neste segundo artigo sobre construções em steel frame abordaremos a concepção e montagem da estrutura. De uma maneira geral, qualquer edificação necessita

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PISO ELEVADO ACECOFLOOR PLACA CC1250

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PISO ELEVADO ACECOFLOOR PLACA CC1250 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PISO ELEVADO ACECOFLOOR PLACA CC1250 Dimensões: Pesos: Tolerâncias: Resistências: 600 mm X 600 mm (medida nominal) (59,98cm X 59,98cm) 30 mm de espessura (medida nominal) Peso de

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

PRODUTOS PARA CONsTRUçãO CIVIL E MECÂNICA

PRODUTOS PARA CONsTRUçãO CIVIL E MECÂNICA PRODUTOS PARA CONsTRUçãO CIVIL E MECÂNICA VOTORAÇO VS 50 Construção Civil Principais características dimensionais e de propriedades mecânicas do produto, conforme a ABNT NBR 7480. Especificação Diâmetro

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO -

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Material elaborado pelo departamento técnico da OfficeBrasil Desenvolvimento de Projetos e Produtos Última atualização: Março de 2013 Belo Horizonte, MG Linha Ohra

Leia mais

FIXADORES ASTM A325 FORÇA DE PROTENSÃO MÍN. FORÇA DE RUPTURA MÍN. LBF kgf LBF 1/2-13 UNC 5/8-11 UNC

FIXADORES ASTM A325 FORÇA DE PROTENSÃO MÍN. FORÇA DE RUPTURA MÍN. LBF kgf LBF 1/2-13 UNC 5/8-11 UNC Fixadores de alta resistência, empregados em ligações parafusadas estruturais e indicados em montagens de maior responsabilidade. Fabricados em aço de alta resistência e tratados termicamente, os parafusos

Leia mais

Tanques soldados para armazenamento de petróleo e derivados

Tanques soldados para armazenamento de petróleo e derivados ABR 1983 Tanques soldados para armazenamento de petróleo e derivados NBR 7821 ABNT Av. Treze de Maio, 13-28º andar 20031-901 - Rio de Janeiro - RJ Tel.: + 55 21 3974-2300 Fax: + 55 21 3974-2346 abnt@abnt.org.br

Leia mais

Estruturas de Madeira. Telhados. É a parte superior das construções, destina-se a dar-lhes proteção.

Estruturas de Madeira. Telhados. É a parte superior das construções, destina-se a dar-lhes proteção. Estruturas de Madeira Telhados É a parte superior das construções, destina-se a dar-lhes proteção. Funções básicas: Proteção das partes internas da instalação, contra o sol excessivo, chuva, neve, etc.

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR Sumário Andaime Tubular...03 Montagem Especial...04 Acessórios...05 Modos e Pontos de Ancoragem...06 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09

Leia mais

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Contribuição técnica nº 19 EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Autor: ROSANE BEVILAQUA Eng. Consultora Gerdau SA São Paulo, 01 de setembro de 2010. PROGRAMA Introdução Vantagens da utilização de Edifícios

Leia mais

CRITÉRIO PARA MEDIÇÃO DE ÁREA PARA PINTURA

CRITÉRIO PARA MEDIÇÃO DE ÁREA PARA PINTURA CRITÉRIO PARA MEDIÇÃO DE ÁREA PARA PINTURA 1 EQUIPAMENTOS DE MÉDIO E GRANDE PORTE 1.1 Tanques de Armazenamento: a área será calculada, em metros quadrados, a partir das dimensões básicas de projeto do

Leia mais

Tabelas de Cálculo para Utilização em Estruturas de AMARU PERFILADO

Tabelas de Cálculo para Utilização em Estruturas de AMARU PERFILADO Tabelas de Cálculo para Utilização em Estruturas de AMARU PERFILADO Projeto de capacitação profissional: Plantar Empreendimentos e Produtos Florestais Ltda e Montana Química S.A Tabelas de Cálculo para

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo II. Coberturas

Estruturas Metálicas. Módulo II. Coberturas Estruturas Metálicas Módulo II Coberturas 1 COBERTURAS Uma das grandes aplicações das estruturas metálicas se dá no campo das coberturas de grande vão, especialmente as de caráter industrial. Também devido

Leia mais

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE PROJETO EXECUTIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE MEMORIAL DESCRITIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS - CIE - R40-45 - R01 ESTRUTURA METÁLICA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE Estúdio de Arquitetura: Sustentabilidade Steel Framing Aluna: Gabriela Carvalho Ávila Maio de 2014 ÍNDICE 1 Introdução... 4 2 Sistema Ligth Steel Framing... 5 2.1

Leia mais

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO e MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO Trabalho em Altura Uma das principais causas de acidentes de trabalho graves e fatais se deve a eventos envolvendo quedas de trabalhadores de diferentes

Leia mais

Estantes para picking

Estantes para picking M7 Estantes para picking Sistema de armazenagem de produtos para picking manual que segue o princípio homem a produto. Principais vantagens: - Possibilidade de armazenar produtos de carga média e grande.

Leia mais

Passado, presente e futuro

Passado, presente e futuro Passado, presente e futuro A SteelPack iniciou suas atividades em 1989 com beneficiamento de bobinas laminadas a quente e a frio, decapadas, zincadas e alumínio. Em 2011 ampliou sua capacidade produtiva,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

DEFORMAÇÃO A FRIO UMA ALTERNATIVA MAIS ROBUSTA

DEFORMAÇÃO A FRIO UMA ALTERNATIVA MAIS ROBUSTA SCAFFOLDING DEFORMAÇÃO A FRIO UMA ALTERNATIVA MAIS ROBUSTA TESTE DE CARGA: ALUFASE Vs SOLDADURA Carga (Toneladas) / Deformação (mm) 7 6 O sistema de deformação a frio provou ser 3 vezes mais forte que

Leia mais

Teoria das Estruturas

Teoria das Estruturas Teoria das Estruturas Aula 02 Morfologia das Estruturas Professor Eng. Felix Silva Barreto ago-15 Q que vamos discutir hoje: Morfologia das estruturas Fatores Morfogênicos Funcionais Fatores Morfogênicos

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PREGÃO MOBILIÁRIO 2013.

ESPECIFICAÇÕES PREGÃO MOBILIÁRIO 2013. ESPECIFICAÇÕES PREGÃO MOBILIÁRIO 2013. Processo 56220/2013-73 Pregão 26/2014 GRUPO 1 MESAS E ESTAÇÕES DE TRABALHO 1 MESA RETANGULAR PARA COMPUTADOR 1200X770MM 2 MESA RETANGULAR PARA COMPUTADOR 1600X770MM

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

Catálogo de Produtos. Engenharia de Acesso Andaimes Acessórios Fabricação e Venda

Catálogo de Produtos. Engenharia de Acesso Andaimes Acessórios Fabricação e Venda Catálogo de Produtos Engenharia de Acesso Andaimes Acessórios Fabricação e Venda Acoplation Indústria e Comércio Ltda Fundada em 1997, visa atender a demanda de mercado na fabricação de andaimes, estruturas

Leia mais

andaime tubular aicom

andaime tubular aicom andaime tubular aicom O ANDAIME TUBULAR AICOM é um sistema de andaime destinado a construção, reforma, manutenção industrial e montagem em áreas com grandes interferências. Composto de tubo de aço galvanizado

Leia mais

Crescendo com Você. Montagem de Sistemas

Crescendo com Você. Montagem de Sistemas Crescendo com Você Montagem de Sistemas Estocagem Armazene as chapas em local seco e abrigado. Transporte as chapas de duas em duas. Transporte as chapas na posição vertical. Os calços devem ter 5 cm de

Leia mais

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 Frefer System Estruturas Metálicas Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 www.frefersystem.com.br A

Leia mais

SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM

SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM Ricardo Leli dos Santos (leli@ig.com.br) Aires Gomes Sabino (agsabino@bol.com.br) Cícero Roberto Gonçalves Bezerra (fe3c_w@gmx.net) RESUMO A simbologia de soldagem é a representação

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO Sumário Andaime Fachadeiro...03 Instrução de Montagem...04 Acessórios...06 Modos e Pontos de Ancoragem...07 Dicas Importantes...08 Acesso dos Andaimes...09 Informações

Leia mais

GUIA TÉCNICO DE MONTAGEM

GUIA TÉCNICO DE MONTAGEM TELHAS DE FIBROCIMENTO FIBROTEX - ONDINA - ONDINA PLUS - ONDULADA - COLONIAL ONDA 50 - MAXIPLAC - KALHETA - KALHETA 49 - KALHETÃO 90 GUIA TÉCNICO DE MONTAGEM Indispensável para a montagem correta do telhado.

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Andaimes e Escoras

Transformando aço, conduzindo soluções. Andaimes e Escoras Transformando aço, conduzindo soluções. Andaimes e Escoras TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras aplicações.

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Ao usar a ampla linha de Barras e Perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

GALPÕES PARA USOS GERAIS

GALPÕES PARA USOS GERAIS GALPÕES PARA USOS GERAIS Série " Manual de Construção em Aço" Galpões para usos gerais Ligações em estruturas metálicas Edifícios de pequeno porte estruturados em aço Alvenarias Painéis de vedação Resistência

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

Simples, resistente e fácil de montar.

Simples, resistente e fácil de montar. Simples, resistente e fácil de montar. Economia e resistência são as principais qualidades da telha Vogatex. Possui peso reduzido e simplicidade estrutural, exigindo o mínimo de mão-de-obra e madeiramento

Leia mais

Elegância e beleza valorizando o projeto arquitetônico.

Elegância e beleza valorizando o projeto arquitetônico. Elegância e beleza valorizando o projeto arquitetônico. A telha Modulada contribui de forma marcante para compor a harmonia dos telhados residenciais. Possui as vantagens de um produto funcional, resistente

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA abr/2006 1 de 6 COBERTURAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Edificações. Coberturas. PR 010979/18/DE/2006 ET-DE-K00/005

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA abr/2006 1 de 6 COBERTURAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Edificações. Coberturas. PR 010979/18/DE/2006 ET-DE-K00/005 ESPECIFICÇÃO TÉCNIC abr/2006 1 de 6 TÍTULO COBERTURS ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Edificações. Coberturas. PROVÇÃO PROCESSO PR 010979/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI SEP Secretaria de Estado

Leia mais

( Curso Dimensionamento de Estruturas de Aço CBCA módulo 3)

( Curso Dimensionamento de Estruturas de Aço CBCA módulo 3) GALPÕES (Projeto proposto) A ligação mais imediata que se faz da palavra galpão é com o uso industrial. No entanto galpões podem ser usados para as mais diversas atividades, tais como, hangares, espaços

Leia mais

Manual de Montagem Casa 36m²

Manual de Montagem Casa 36m² Manual de Montagem Casa 36m² cga -gerência de desenvolvimento da aplicação do aço Usiminas - Construção Civil INTRODUÇÃO Solução para Habitação Popular - é uma alternativa econômica, simples e de rápida

Leia mais

Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar.

Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar. Catálogo Técnico Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar. m a t e r i a i s p a r a c o n s t r u i r m e l h o r. Vigas leves de alta resistência A LP Viga I é fabricada pela LP Building

Leia mais

MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA AO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL

MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA AO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA AO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL CONSTRUÇÃO SERVIÇOS INDUSTRIAIS JAHU RENTAL Fundada em 1952, a Mills tornou-se líder na prestação de serviços e soluções de engenharia nas áreas

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA Montagem Estrutura Metálica Em uma obra de estruturas metálicas, a montagem é considerada uma das fases mais importantes por representar uma

Leia mais

TELHA CANALETE 90 8 mm

TELHA CANALETE 90 8 mm Tecnologia avançada para obras de grande porte. Canalete 90 é o perfil ideal para coberturas e fechamentos laterais com segurança e durabilidade. Permite a criação de vãos livres arrojados e amplos beirais.

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

A solução ideal para o projetista, ferramenta fundamental para desenhar e calcular estruturas metálicas, em 2D e 3D. Steel&Graphics srl Via Ca Nova Zampieri, 4/E 37057 San Giovanni Lupatoto Verona Tel.

Leia mais

Uma liderança construída com tradição e qualidade de seus produtos e serviços

Uma liderança construída com tradição e qualidade de seus produtos e serviços MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA COM O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL CONSTRUÇÃO Jahu Uma liderança construída com tradição e qualidade de seus produtos e serviços SERVIÇOS INDUSTRIAIS JAHU A Área de Negócio

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 012310/1-0

MEMORIAL DE CÁLCULO 012310/1-0 1 SSC MEMORIAL DE CÁLCULO 012310/1-0 ANDAIME FACHADEIRO CONTRATANTE: Nopin Brasil Equipamentos para Construção Civil Ltda ENDEREÇO: Rodovia RS 122 nº 7470 Pavilhões 10 e 11 95110-310 Caxias do Sul - RS

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias Estruturas Metálicas Módulo I Normas e Matérias NORMAS DE ESTRUTURA ABNT NBR 8800/2008 PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO EM EDIFICIOS - ABNT NBR 6120/1980 Cargas para o cálculo de estruturas de edificações

Leia mais

MÓDULO 1 ESPECIFICAÇÕES MOBILIÁRIOS REFERENCIAIS

MÓDULO 1 ESPECIFICAÇÕES MOBILIÁRIOS REFERENCIAIS DATA: DESTINO: FORUM CÍVEL MÓDULO 1 (itens 1-2) JUNHO 2015 RESPONSAVÉL: DIVISÃO DE ARQUITETURA ESPECIFICAÇÕES MOBILIÁRIOS REFERENCIAIS ITEM 1 MESAS /GAVETEIROS/CONEXÕES IMPORTANTE: AS MARCAS DE MATERIAIS,

Leia mais

2 - Instalação dos Módulos e Rede de Irrigação

2 - Instalação dos Módulos e Rede de Irrigação - Instalação dos Módulos e Rede de Irrigação APRESENTAÇÃO DO PRODUTO O WallGreen consiste em um sistema desenvolvido para a instalação de Jardins Verticais. O sistema é m o n t a d o f o r m a n d o n

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TERÇAS DE AÇO CONVENCIONAIS EM VIGAS, EM TRELIÇAS PLANAS E EM TRELIÇAS MULTIPLANARES

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TERÇAS DE AÇO CONVENCIONAIS EM VIGAS, EM TRELIÇAS PLANAS E EM TRELIÇAS MULTIPLANARES ESTUDO COMPARATIVO ENTRE TERÇAS DE AÇO CONVENCIONAIS EM VIGAS, EM TRELIÇAS PLANAS E EM TRELIÇAS MULTIPLANARES Rodrigo Cuberos Vieira Prof. Dr. João Alberto Venegas Requena rocv@hotmail.com requena@fec.unicamp.br

Leia mais

APRESENTAÇÃO SG - V02-04/13

APRESENTAÇÃO SG - V02-04/13 APRESENTAÇÃO ÍNDICE GERAL 1 TIPOLOGIAS PÁG. TI-01 a TI-03 2 NORMAS PÁG. NR-01 a NR-08 3 ENSAIOS PÁG. EN-01 a EN-03 4 PERFIS PÁG. PE-01 a PE-15 5 COMPONENTES PÁG. CO-01 a CO-23 6 DETALHES CONSTRUTIVOS PÁG.

Leia mais

érea a A h Lin Linha Aérea

érea a A h Lin Linha Aérea Linha érea Linha érea Linha érea Eletrocalha aramada... 61 Eletrocalhas... 74 Perfilados... 80 Leito para cabos... 85 Eletrocalha ramada Eletrocalha ramada Valemam, também conhecida como leito sanitário,

Leia mais

CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS

CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS Documento: Cliente: ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS Pag: 1 of 9 Título: Estrutura Metálica para o Galpão e para os Pórticos TECHNIP ENGENHARIA S/A

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montagem Paredes com estrutura metálica W11 Construção A paredes consistem de uma estrutura metálica revestida com uma mais s de gesso, aparafusadas de ambos os lados. A estrutura metálica

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial. Módulo IV. Aula 05

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial. Módulo IV. Aula 05 Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 05 Estruturas Metálicas Definição São estruturas formadas por associação de peças metálicas ligadas entre si por solda ou por meio de conectores

Leia mais

Piso Elevado. Alguns Clientes que instalamos:

Piso Elevado. Alguns Clientes que instalamos: Piso Elevado Os pisos elevados são ideais tanto para ambiente de escritório como para ambientes robustos, sendo capaz de adequar-se as necessidades de qualquer projeto. Fabricados de acordo com as normas

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais