BARREIRO - PASSADO, PRESENTE E FUTURO RENOVAÇÃO URBANA NA RIBEIRA DE LISBOA THE PLAN OF INTERVENTION TO SAFEGUARD VENICE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BARREIRO - PASSADO, PRESENTE E FUTURO RENOVAÇÃO URBANA NA RIBEIRA DE LISBOA THE PLAN OF INTERVENTION TO SAFEGUARD VENICE"

Transcrição

1 Edição da Grande Área Metropolitana de Lisboa 1º Semestre 2008 BARREIRO - PASSADO, PRESENTE E FUTURO RENOVAÇÃO URBANA NA RIBEIRA DE LISBOA THE PLAN OF INTERVENTION TO SAFEGUARD VENICE FA-UTL PROJECTO URBANO DE FRENTES RIBEIRINHAS

2 Editorial Carlos Humberto de Carvalho Presidente da JML A defesa ambiental do estuário do Tejo Todos sabemos a importância que os estuários assumiram, historicamente, na fixação das populações e no consequente desenvolvimento das grandes cidades portuárias. Pesca, exploração dos solos ribeirinhos, transporte de cargas e pessoas, ligação entre margens, comércio, navegação de longo curso, expansão marítima - há toda uma série de actividades que se encadeiam entre si e se projectam umas às outras no crescente aproveitamento das oportunidades criadas pela natureza. A moderna consciência ecológica veio trazer para este quadro uma grande preocupação pela qualidade da água que alimenta os mesmos estuários. O aumento da população e o desenvolvimento industrial trouxeram problemas novos, que pareciam menos graves ainda há poucas décadas. Era corrente pensar que a natureza tinha capacidades infinitas de regeneração. Hoje sabemos que não é assim, e que a defesa de um ecossistema tão delicado depende agora de uma correcção das intervenções negativas do Homem - o que significa uma vontade política positiva. No caso da foz do Tejo, e da privilegiada situação que ela conferiu a Lisboa e aos outros centros urbanos do seu estuário, a nossa preocupação comum é a de reparar os erros cometidos e restituir a este espaço deslumbrante a sua verdadeira vocação de grande cidade de duas margens. A recente decisão oficial de projectar o novo Aeroporto de Lisboa para a zona de Alcochete, construindo também uma terceira ponte entre Chelas e o Barreiro, vem recentrar de um modo mais correcto, no espaço da Área Metropolitana, concelhos que pareciam condenados a uma situação injustamente periférica, por efeito do recente processo de desactivação de grandes estruturas industriais. É destas matérias que trata a presente edição de Estuarium, com especial referência aos problemas de requalificação da cidade do Barreiro e, de um modo geral, do arco ribeirinho sul. Outro texto faz a história da ribeira industrial de Lisboa e da sua transformação em anos recentes, e uma contribuição especial informa-nos sobre o modo como em Veneza se procura combater a degradação da lagoa, muito danificada por problemas de erosão e poluição industrial, agrícola e urbana. Não nos falta informação sobre os erros cometidos, os riscos e as soluções possíveis. Não nos falta, também, o sentido da importância que tem, para o futuro, a preservação da água que alimenta o incomparável estuário do nosso Tejo. Assim tenhamos, também, o necessário empenhamento político para, num esforço de concertação de todas as entidades intervenientes, construirmos juntos esse futuro.

3 Índice Estudo Caso Município de Almada 04 DAS FÁBRICAS DA CUF A UMA CIDADE Estudo EMPRESARIAL Caso Município DO SECULO de Oeiras XXI CINCO GERAÇÕES DE RENOVAÇÃO URBANA NA Estudo RIBEIRA Caso DE Valência LISBOA THE PLAN OF INTERVENTION TO SAFEGUARD VENICE AND IT S LAGOON Plano ALEGATED de ordenamento TO THE da STATE RENT 18 Reserva Natural do Estuàrio do Tejo 19 FA-UTL PROJECTO URBANO DE FRENTES RIBEIRINHAS 26 Dossier Faculdades: Universidade Autónoma - Projectos da Trienal 25 NOTÍCIAS DOS PORTOS 36 Brochura WATERFRONT ACONTECE Notícias dos portos 37 Aconteceu 40 Directores Carlos Humberto de Carvalho, Carlos Teixeira, Ministro dos Santos Directora Executiva Sofia Lona Cid Coordenação Ana Guerreiro e Ricardo Fernandes Produção Editorial Escrita das Ideias, Comunicação Integrada. Colaboração Arq. José Pinto Barbosa (Câmara Municipal do Barreiro); APL; APSS. Fotografia Capa Guta de Carvalho Fotografias C. M. Barreiro, Arquivo intermédio da C. M. Lisboa, Marta Corrente, Consorzio Venezia Nova, Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa; APL; APSS. Director Criativo Luís Beato Produção Gráfica Papel Press, Lda. Redacção e Propriedade Área Metropolitana de Lisboa Rua Carlos Mayer, nº2, r/c, LISBOA Tel.: Fax: Distribuição gratuita ISSN: Tiragem: exemplares 1º Semestre 2008

4 DAS FÁBRICAS DA CUF A UMA CIDADE EMPRESARIAL DO SÉCULO XXI 1. CONTEXTO ACTUAL A Área Metropolitana de Lisboa foi palco de duas importantes decisões governamentais, - Novo Aeroporto de Lisboa (NAL) e Terceira Travessia do Tejo (TTT), a ponte Chelas Barreiro, definindo os respectivos modos de transporte - ferrovia tradicional e de alta velocidade e rodovia. Estas decisões são particularmente importantes para a prossecução de objectivos centrais de Programas e Planos com incidência na AML: relançar uma dinâmica de recuperação socio-económica da Península de Setúbal e reforçar a estrutura do arco-ribeirinho sul, através da concretização de uma rede urbana polinucleada, e criar uma nova lógica metropolitana centrada no estuário do Tejo e na cidade de duas margens. As perspectivas inerentes a esta transformação são de importância vital para o Concelho do Barreiro o qual, apesar da sua centralidade geográfica no mapa da AML, tem sentido as consequências de politicas de 4

5 Barreiro - Passado, Presente e Futuro ordenamento do território que não valorizaram devidamente o fortalecimento da mobilidade coesão metropolitanas. Assim, a construção da TTT com os modos de transporte ferroviário e rodoviário, poderá contribuir para a inversão da actual situação de periferia central que afecta este concelho com graves repercussões sociais a partir da década de 80 quando se iniciou, de forma acentuada e progressiva, o processo de desindustrialização da península de Setúbal. É neste contexto de resposta às oportunidades, aos desafios e aos riscos inerentes a este processo de profunda transformação urbana, que a Câmara Municipal decide iniciar a elaboração de um Plano de Urbanização (uma área de cerca de 300 ha e 3 km de frente-rio) que tem como objectivo principal a requalificação do território do actual Parque Empresarial da Quimiparque. Esta decisão resulta de um aprofundado trabalho de parceria entre a Câmara e o Conselho de Administração da Quimiparque, realizado no âmbito de um Protocolo de Cooperação, Estratégia e Desenvolvimento, assinado pelas duas entidades em, Maio de O trabalho realizado no quadro deste protocolo tem contado com a assessoria técnica de equipas de reconhecido mérito, designadamente os gabinetes Augusto Mateus e Associados e Risco. A metodologia de ampla participação e intervenção de todos os agentes que desempenham, ou possam vir a desempenhar, um papel relevante neste processo de transformação, teve como natural consequência o alargamento da Comissão de Acompanhamento a outras entidades, entre as quais se realça a Administração do Porto de Lisboa, a Parque Expo e a Refer/Rave. A fase de Diagnóstico e os cenários propostos na Visão Estratégica aprovada em finais de 2007 constituem o quadro de referência para a elaboração do PU. 2. O DIAGNÓSTICO E A VISÃO ESTRATÉGICA O território a reconverter é constituído, na sua maior parte, pelo património público que, na sequência das alterações estruturais de 1974/75, resultaram da transformação do complexo industrial da CUF no Parque Industrial da Quimigal. O processo de desindustrialização que, de forma muito acentuada, ocorreu a partir da década de 80, levou à procura de novas estratégias de adaptação que culminaram no actual modelo de Parque Empresarial da Quimiparque. Este processo de adaptação a novas realidades permitiu atenuar as consequências socio-económicas e emocionais de uma profunda depressão resultante da perda de emprego, apesar das limitações e capacidade de sobrevivência do novo tecido empresarial. As consequências mais relevantes de todo este processo, materializaram-se num acentuado desordenamento do território, na existência de amplas áreas vazias, na existência de actividades ainda instaladas em manifesta incompatibilidade com outras funções urbanas da envolvente e em problemas ambientais que, eventualmente mais atenuados do que em períodos anteriores, continuam a constituir uma problemática central na reconversão do território. Esta percepção é estabelecida num quadro de Diagnóstico, o qual é marcado, de forma mais significativa, por alguns dos seguintes traços: - Declínio industrial com fortes problemas de competitividade e sustentabilidade ambiental nas actividades industriais de especialização (química e material de transporte). - Fraca iniciativa empresarial associada, na maior parte dos casos, a um empreendorismo de sobrevivência que se liga, por sua vez, com problemas de empregabilidade que vão emergindo dos processos de reestruturação, deslocalização ou encerramento empresarial. - Dinâmica progressiva de perda de população, com tendência actual para a estabilização mas com um progressivo envelhecimento populacional. - Forte dependência e consequente pendularidade na relação Lisboa. - Insuficiência de suporte à mobilidade na relação com a margem Norte e com Concelhos vizinhos. - Existência de fortes barreiras físicas que atravessam o território (de natureza ferroviária e rodoviária) que potenciam problemas de interligação do tecido urbano. 5

6 Barreiro - Passado, Presente e Futuro No contexto desta análise, desde logo se estabeleceu o entendimento que a estratégia a definir para a reconversão da Quimiparque deveria extravasar os limites físicos do Parque Empresarial e abordar as relações com a cidade consolidada, de modo a não constituir um pedaço urbano que se soma, mas antes um novo tecido que procure induzir a regeneração de toda a envolvente. As áreas onde mais se faz sentir essa relação são a frente ribeirinha, o actual canal ferroviário e o Bairro das Palmeiras. Os desafios estratégicos que se colocam ao Barreiro impõem uma prévia conceptualização estruturada nos diversos instrumentos de natureza programática que incidem sobre o Concelho no contexto da Península de Setúbal. Deste modo, refere-se que as linhas de qualificação global respeitam as opções estratégicas de nível nacional apontadas no PNPOT e desenvolvidas e consolidadas a nível metropolitano através do PROT-AML e no âmbito sub-regional no PEDESPED. A nível concelhio, e tendo em consideração o facto do PDM do Barreiro se encontrar em processo de revisão, as opções e os novos modelos de organização funcional e territorial desta área, serão vertidos no corpo do futuro PDM. A questão nodal da Visão Estratégica assumida para este projecto consiste na requalificação da Cidade do Barreiro, e no entendimento que esta requalificação e a reconversão dos territórios da Quimiparque são aspectos indissociáveis na procura do êxito de toda a operação. Não acontecerá requalificação urbana sem uma intervenção de reconversão que constitua o motor requalificador da cidade, nem a qualidade pretendida para o processo de reconversão da área empresarial/ industrial ocorrerá de forma desinserida do nível qualitativo da cidade envolvente. 6

7 Barreiro - Passado, Presente e Futuro O Plano de Urbanização que agora se inicia procurará constituir um modelo de organização territorial que suporte aqueles que são, provavelmente, os três vectores determinantes para a evolução deste processo: a natureza conceptual da reconversão do território; a materialização, neste concelho, de um novo paradigma do sistema de mobilidade metropolitana; a interacção e integração numa lógica global de requalificação urbana da cidade. Os princípios metodológicos de ampla participação e debate que ocorreram na fase precedente continuarão a ser adoptados porque se entende que a solução técnica no que concerne ao desenho urbano deve constituir mais do que uma boa síntese funcional e organizacional: deve ela própria materializar uma interpretação do território que induza a compreensão da visão estratégica deste processo de transformação. 7

8 Barreiro - Passado, Presente e Futuro 2A. VECTOR DA NATUREZA CONCEPTUAL DA RECONVERSÃO A mais relevante linha de reconversão deste território orienta-se pela sua reutilização subordinada ao papel de suporte de desenvolvimento económico, reafirmando a sua tradição de pólo de trabalho e de produção de riqueza que, historicamente, o caracteriza e lhe dá sentido. A reinterpretação deste papel histórico deverá agora assumir as contemporâneas perspectivas subjacentes aos processos de reconversão de áreas pós-industriais, apostando na lógica de um urbanismo de carácter misto, diversificado e qualificado, gerando novas centralidades, atraindo estratos populacionais que façam parte integrante das novas realidades empresariais assentes no valor do conhecimento. Deste modo, constituirá um objectivo central a criação de condições para a fixação de actividades geradoras de emprego e, preferencialmente, de qualificação elevada; actividades ligadas a projectos de inovação; actividades emergentes dos desafios ambientais, ecológicos e energéticos; actividades ligadas à produção e às industrias da cultura; actividades na área da prestação de serviços avançados de apoio à competitividade empresarial e actividades relacionadas com o estuário do Tejo e a frente ribeirinha. A fixação destas actividades deverá estruturar-se em torno de projectos-âncora adaptadas a cada uma das zonas funcionais, articuladas pelo sistema de mobilidade interno, pelos equipamentos colectivos estruturantes e por espaços públicos de alta qualidade. 8

9 Barreiro - Passado, Presente e Futuro 2B. VECTOR DO SISTEMA INTEGRADO DE MOBILIDADE A construção da TTT e a consequente integração da ligação ferroviária à margem Norte implicará a profunda revisão do actual panorama da mobilidade quer no âmbito metropolitano, quer no contexto do arco ribeirinho Sul, e irá produzir um significativo impacto territorial na área a reconverter. Deste modo, é imperioso que este desafio seja aproveitado para, de forma simultânea, libertar a cidade das fracturas e bloqueios gerados pelo actual canal ferroviário. A perspectiva estratégica sobre esta transformação demonstra o elevado potencial que o sistema de mobilidade preconizado poderá induzir nas funções logísticas, empresariais e habitacionais a desenvolver na área a reconverter e, também, em toda a actual cidade do Barreiro, a qual integrará o transporte ferroviário clássico de passageiros e mercadorias, o transporte rodoviário de passageiros (TCB) o metro ligeiro de superfície (MST) e o transporte fluvial. A desejável redução da utilização do transporte público individual (que este modelo não exclui) só encontrará condições objectivas para ocorrer quando existir oferta de uma solução de transporte público intermodal, cómoda e eficiente. Este sistema deverá ainda ser interligado com o modo fluvial, sendo certo que as novas lógicas que irão emergir, obrigarão a repensar o papel, a organização e soluções específicas mais flexíveis e diversificadas para este meio de transporte com elevado potencial no estuário do Tejo. 9

10 Barreiro - Passado, Presente e Futuro 2C. VECTOR DE INTEGRAÇÃO NA REQUALIFICAÇÃO DA CIDADE ACTUAL A localização dos territórios a reconverter, na área de expansão natural da cidade, com uma acentuada ligação ao seu núcleo histórico, o Barreiro Antigo e à frente ribeirinha, constitui um factor que poderá influenciar o processo de reconversão. Esta nova cidade ou o desenvolvimento da cidade existente, como se preferir, beneficiará da existência de bons equipamentos de saúde (centros de saúde, hospital distrital), de ensino (básico, secundário e superior), de um dos melhores complexos desportivos a Sul de Lisboa, de equipamentos culturais de nível metropolitano e de vários equipamentos de natureza social infância e terceira idade. Para que esta integração se concretize com êxito é imperioso eliminar a linha de fractura da cidade que é o actual canal ferroviário, transformando o corte urbano num corredor urbano um espaço de coesão e de qualificação ambiental que suporte novos meios de mobilidade, promova a articulação Norte/Sul da cidade, e a estruturação das suas áreas verdes. 10

11 Barreiro - Passado, Presente e Futuro 3. BARREIRO UMA CIDADE EMPRESARIAL DO SÉCULO XXI O Barreiro do Século XXI quer ser uma nova cidade empresarial, potenciada pela função portuária e pelo sistema de mobilidade, afirmando-se como pólo gerador de mais-valias assentes em emprego intensivo em conhecimento, ligado a projectos de inovação e aos novos paradigmas de indústria limpa, de sustentabilidade, das energias renováveis e do lazer associado ao estuário do Tejo. Neste contexto, esta nova cidade pretende ser uma credível candidata a uma centralidade sub-regional de carácter administrativo na margem Sul do estuário. A alavancagem, continuidade e sustentabilidade global do processo de requalificação deverá, deste modo, alicerçar-se numa nova cidade empresarial que esteja suportada pelos pilares da criatividade, mobilidade e proximidade, uma cidade que seja também o principal repositório museológico nacional do período industrial português do séc. XX. A nossa vontade é que esta margem que viu, nos séculos XIX e XX, implantarem-se as industrias da moagem, da cortiça, da química e da metalo-mecânica pesada, veja agora nascer uma relação mais saudável e mais respeitadora do ambiente e da paisagem, onde o trabalho e o lazer das populações se relacionem de forma harmoniosa. A conceptualização desta nova frente ribeirinha determina que às valências que de forma clássica predominam nestas áreas se adicione uma componente empresarial qualificada, como traço distintivo no panorama da AML. E vem-nos à memória uma canção batida do saudoso José Viana, num dos mais emblemáticos quadros da revista à portuguesa alusivo a este magnifico rio...mas o Tejo é sempre novo. Novo e renovado. 11

12 Cinco Gerações de Renovação Urbana na Ribeira de CINCO GERAÇÕES DE RENOVAÇÃO URBANA NA RIBEIRA DE LISBOA João Pedro T. A. Costa, Arquitecto, Prof. FA/UTL Planta Geral da Exposição do Mundo Português, 1940 Sendo matéria de actualidade, fruto da transferência de jurisdição para a Câmara Municipal de Lisboa (CML) de um conjunto de terrenos até hoje sob responsabilidade da Administração do Porto de Lisboa (APL), a transformação da ribeira de Lisboa não é, todavia, um tema novo. No curto artigo que se segue tento apresentar uma leitura da renovação urbana da ribeira de Lisboa, segundo cinco gerações em que se assumiram perspectivas e se adoptaram valores bastante distintos, com o simples objectivo de melhor interpretar as dinâmicas verificadas e assim ajudar a informar as opções presentes. 1. A FORMAÇÃO DA RIBEIRA INDUSTRIAL DE LISBOA COMO PANO DE FUNDO Importa começar por registar que as dinâmicas de transformação da ribeira de Lisboa têm por suporte físico um território que resultou, em grande parte, de um processo de formação associado ao fenómeno da industrialização da cidade. Não esquecendo a realização e ocupação do Aterro da Boavista a partir da segunda metade do século XIX, associado à abertura da Avenida D. Carlos I mediante a realização de várias demolições, a formação da ribeira industrial de Lisboa teve lugar em duas grandes fases: 12

13 Cinco Gerações de Renovação Urbana na Ribeira de Lisboa 1. A campanha realizada a partir da última década do século XIX, até à República, com base no plano geral de João Joaquim de Matos e Adolfo Loureiro, de 1886, executada na ribeira ocidental (Pedrouços Alcântara) pela Real Companhia de Caminhos de Ferro, e na ribeira central (Alcântara Santa Apolónia) pelo Porto de Lisboa [Nabais, Ramos, 1987]; 2. A campanha realizada no período de Duarte Pacheco, na sequência das propostas do Plano Geral de Urbanização e Expansão de Lisboa (PGUEL), iniciado em 1938 com a participação de Etiènne De Gröer, consubstanciada no Plano de Melhoramentos do Porto de Lisboa de 1946 e complementada pelas diversas obras promovidas pela cidade para a modernização industrial, incidindo sobre a ribeira oriental (Santa Apolónia Rio Trancão). Deixando uma mais completa abordagem da formação da ribeira industrial de Lisboa para bibliografia especializada [Costa, 2007], importa todavia registar que esta alteração não se tratou de um momento único no tempo, nem tampouco apresentou características uniformes no espaço: resultou antes de um somatório de acções localizadas, apenas pontualmente observadas a partir de uma perspectiva de conjunto. Como segunda nota de entrada, importa também registar o facto de que, com a formação da sua ribeira industrial, Lisboa conheceu uma mudança de paradigma relativamente à relação com o rio estabelecida até ao final do século XIX; não que se tratasse de uma relação mais intensa, mas, na perspectiva morfológica, verificou-se, de facto, uma alteração na relação física entre a cidade e o rio, com a substituição de um contacto transversal por um corte longitudinal, consubstanciado pela nova infra-estrutura rodoviária, ferroviária e portuária. 2. A RENOVAÇÃO URBANA E A VALORIZAÇÃO DA RIBEIRA NOBRE DA CIDADE, 1938/1940 O primeiro momento na renovação urbana da ribeira industrial de Lisboa teve lugar em simultâneo com a segunda campanha da sua formação, apresentando por base os pressupostos assumidos no PGUEL, de Uma das medidas estruturantes deste importante documento de planeamento da cidade foi a assumpção de determinados troços da ribeira ocidental e central como espaços nobres, devendo caminhar no sentido de se transformarem em espaços de representação, reforçando assim, mediante a valorização física, a carga simbólica que apresentavam associada aos Descobrimentos Portugueses período da história que a «política do espírito» do Estado Novo procurava então exaltar. Por contrapartida, foi definida como zona industrial da cidade a ribeira oriental e áreas rústicas adjacentes, quadro em que devem ser entendidas iniciativas como (1) o traçado da nova estrutura viária industrial, apoiada na abertura da Avenida Infante D. Henrique e eixos transversais, (2) a criação, em 1942, da Zona Industrial do Porto de Lisboa, localizada nos terrenos ribeirinhos existentes e a ganhar ao rio, a nascente de Braço de Prata, Estudo do quarteirão formado pela Rua das Janelas Verdes, Travessa José António Pereira, Escadinhas da Praia e Avenida 24 de Julho, autor ilegível, e (3) o próprio Plano de Melhoramentos do Porto de Lisboa, de O reflexo desta opção política para Lisboa foi a progressiva libertação de diversas ocupações industriais que antes tinham lugar na ribeira central e ocidental, de que constituem exemplo o encerramento do Arsenal da Marinha, em 1938, com a sua relocalização no Alfeite, ou, já em 1944, a transferência da Fábrica de Gás da vizinhança imediata da Torre de Belém para a Matinha. Dispensando a referência a outros exemplos, importa destacar o momento alto que teve lugar em 1940 com a realização da Exposição do Mundo Português. Ideia lançada em 1929 e assumida pelo poder político em 1938, a exposição comemorativa da fundação da nacionalidade em 1140 e da sua restauração em 1640, foi naturalmente acolhida nos 56 hectares do «admirável cenário de Belém, diante dos Jerónimos, símbolo do espaço imperial preservado ao largo dos séculos» [França, 1982, p.23]. Tendo vinculado definitivamente este território ao uso da cidade ainda que mantendo o corredor do caminho-de-ferro e a faixa de jurisdição da administração portuária, a Exposição de 1940 teve por base a construção de uma arquitectura efémera, não gerando uma ocupação definitiva. Este fenómeno teve particular expressão ao nível do edificado não tanto no espaço público tendo apresentado como resultado o derrube de parte substancial dos edifícios depois de 1940, assim fazendo regressar à zona alguma indefinição urbana que só veio a ser resolvida mais tarde, já no final década de 80. Inseparável da reforma de Duarte Pacheco e da assumpção da ribeira oriental como o área industrial de Lisboa, este conjunto de iniciativas de renovação urbana nos terrenos ribeirinhos, ganhos ao Tejo pelo aterro portuário do final do século XIX, apresentou como denominador comum a valorização de troços da ribeira central e ocidental, entendidos como espaços nobres da cidade, no quadro de uma perspectiva global sobre a frente ribeirinha da cidade. 13

14 Cinco Gerações de Renovação Urbana na Ribeira de Lisboa 3. A RENOVAÇÃO URBANA NA DÉCADA DE 60 E OS GRANDES PROJECTOS MODERNISTAS DE SUBSTITUIÇÃO DA RIBEIRA O segundo momento na renovação urbana da ribeira de Lisboa teve lugar nas décadas de 50 a 70, com particular destaque para a década de 60, e conheceu como protagonista os serviços técnicos da CML. Incidindo sobre a ribeira de jurisdição municipal, particularmente nas áreas de encontro entre a ribeira pré-industrial e a ribeira industrial, este segundo momento apresentou como denominador comum a proposta de demolição das áreas intervencionadas e a sua substituição integral por uma nova configuração urbana, muitas vezes sob influência do movimento moderno assim assumindo uma postura renovadora e fortemente intervencionista, associada a uma desvalorização da herança cultural e patrimonial. Como podemos observar e recorrendo a dois exemplos, por sorte grande parte destas propostas não conheceram concretização significativa tendo presente o volume de estudos produzidos pelos serviços municipais neste período, ainda que em muitos casos a existência de grandes estudos de conjunto não realizados seja legível a partir de intervenções singulares, efectivamente concretizadas de acordo com essas propostas. A este conjunto de intervenções de renovação urbana, promovidas pelos serviços municipais, importa acrescer os casos de renovação urbana e/ou loteamento realizados em parcelas industriais de dimensão significativa, por iniciativa de particulares, verificando-se nos actos de gestão municipal a mesma forma de encarar a ribeira. Estudo do Conjunto para a Rua do Mirante, Rua da Bica do Sapato, Rua de Santa Apolónia e Calçada dos Centeiros, autor ilegível, 1973 Um dos exemplos paradigma deste segundo momento pode ser o Estudo do quarteirão formado pela Rua das Janelas Verdes, Travessa José António Pereira, Escadinhas da Praia e Avenida 24 de Julho, datado de 1962, no qual era proposta a substituição integral de todo o quarteirão hoje reconhecido por integrar vários edifícios de valor de diferentes períodos por um conjunto de blocos modernistas sobre pilotís, organizando o interior de quarteirão mediante uma sucessão de blocos perpendiculares, apoiados num muro interior que vencia a diferença de cota existente. Desta proposta, foi apenas efectivamente concretizado um loteamento composto por 4 edifícios: da autoria do arquitecto José Câmara Lumelino, que conheceu aprovação em Um segundo exemplo será a proposta de renovação urbana prevista para a zona de Pedrouços, em documentos de 1962 e de 1964, que se ilustram por extractos constantes em processos municipais. Também aqui foi prevista a demolição total dos tecidos urbanos preexistentes a poente do Largo da Princesa, abrangendo desde o lado norte da Rua da Praia de Pedrouços até à Av. da Índia, incluindo a supressão total do traçado da Rua Fernão Mendes Pinto. Tal como no caso anterior, apenas foram efectivamente concretizadas intervenções localizadas de renovação. Em ambos os exemplos apresentados, os estudos municipais mereceram aprovação por parte do Presidente da CML. A renovação urbana promovida pela cidade nas década de 50 a 70 ficou marcada pela proposta dos grandes projectos modernistas para a substituição da ribeira pré-industrial e industrial sob administração municipal, os grandes conjuntos «modernos», período em que os projectos efectivamente realizados são, felizmente, mínimos os suficientes para servir de testemunho de uma época. Na ribeira oriental, então mais esquecida e menos exposta, esta dinâmica renovadora prolongou-se até década de 80, constituindo exemplos, (1) o Estudo de Conjunto para a Rua do Mirante, Rua da Bica do Sapato, Rua de Santa Apolónia e Calçada dos Centeiros, de 1973, ou (2) a adaptação do edifício de 1888 da Companhia Oriental de Fiação e Tecidos a Centro Empresarial Invil Tejo, a partir de A REDESCOBERTA DA RIBEIRA COMO VALOR CULTURAL, 1980/1994 A década de 80 marcou em Lisboa o início de uma viragem na forma como era encarada a sua frente ribeirinha, através de uma sequência de várias iniciativas que suscitaram um amplo debate e promoveram a emergência de novos valores ligados à história, à cultura e ao património. Nesta mudança, o primeiro momento de maior visibilidade terá sido, eventualmente, o projecto da Casa dos Bicos, cuja carga patrimonial tinha início num edifício de fachada original, construído entre 1521 e 1523, que havia conhecido em 1968 um projecto de adaptação a Casa de Goa por parte do arquitecto Raul Lino executado entre 1969 e 1974, mantendo os 2 pisos com que o edifício tinha ficado depois do terramoto de

15 Cinco Gerações de Renovação Urbana na Ribeira de Lisboa Casa dos Bicos, reconvertida e ampliada em 1981, com coordenação por José Santa-Rita e Manuel Vicente O projecto dos arquitectos José Santa-Rita e Manuel Vicente (1980/81, construído durante 1982 e 1983), veio propor a reposição dos quatro pisos originais, optando por reconstruir os dois pisos superiores. Esta opção suscitou um debate sobre as metodologias de intervenção em edifícios património, tendo incidido particularmente sobre o partido arquitectónico adoptado nessa ampliação e o desenho dos vãos. A intervenção no edifício de propriedade municipal foi ainda coordenada com o projecto do espaço público dianteiro desenvolvido dentro da equipa pelo arquitecto Alberto Oliveira, tendo assim conferido um maior destaque ao edifício dentro do conjunto histórico e da praça onde se integra. Com a projecção que assumiu, esta intervenção na Casa dos Bicos excedeu uma simples transformação à escala da parcela. O assumir do carácter relevante do edifício, a iniciativa pública de o valorizar mediante um destaque urbano, e o debate em torno dos valores e das opções de projecto assumidas na ampliação, constituíram então sinais do início de uma inversão de valores relativamente à forma como a ribeira de Lisboa tinha sido encarada nas décadas anteriores. Ainda que se tenham conhecido grandes projectos de renovação urbana durante a década de 80, o mote estava lançado e veio encontrar o final da década como momento de charneira, em que, definitivamente, a ribeira passou a ser encarada como valor cultural. Dois dos principais marcos dessa alteração foram o Concurso de Ideias organizado pela então Associação de Arquitectos Portugueses (1988), um evento de grande projecção com diversas iniciativas e debates públicos associados, e o Plano de Salvaguarda de Ajuda-Belém (1987/89), coordenado pelo Prof. Manuel da Costa Lobo e realizado a propósito da construção do Centro Cultural de Belém. Citando o primeiro destes exemplos, é este momento que Vítor Matias Ferreira aponta quando se refere à «emergência de uma consciencialização colectiva que reconhece o passado das frentes ribeirinhas ligado a usos mais económicos e tem como preocupações presentes uma sensibilidade de natureza ambiental, estética e lúdica» [FERREIRA, 1997, p.151]. Concurso de ideias para a renovação da zona Ribeirinha de Lisboa, Associação de Arquitectos Portugueses, 1988 Concurso de Ideias para a Renovação da Zona Ribeirinha de Lisboa, Associação de Arquitectos Portugueses,

16 Cinco Gerações de Renovação Urbana na Ribeira de Lisboa 5. O «TRAUMA POZOR»: TRANSFORMAÇÃO DA RIBEIRA NA PEQUENA ESCALA E A ABERTURA À CIDADE, 1995/2003 O ano de 1994 revelou-se rico em acontecimentos relativos à ribeira de Lisboa e marcou a ocorrência de uma forte polémica que tem influenciado as opções de transformação do corredor ribeirinho desde então até à actualidade. Num contexto em que a CML finalizava os trabalhos do Plano Director Municipal de Lisboa e desenvolvia diversos estudos urbanísticos para partes da ribeira p.e., Algés/Pedrouços, Baluarte do Livramento, Bom Sucesso, Alcântara-Rio, a APL decidiu apresentar ao público o Plano de Ordenamento do Porto de Lisboa (POZOR), organizando para o efeito uma exposição com o título o rio como destino privilegiado; inaugurada em 29 de Junho de 1994, na Estação Marítima de Alcântara, que exibia a proposta de Terry Farrell, Miguel Correia e Alcino Soutinho para uma urbanização da frente ribeirinha, inspirada no modelo das Docklands de Londres. Esta proposta deu origem a uma contestação pública generalizada e a uma escala sem precedentes, com reacções contundentes de personalidades dos mais variados sectores e com forte expressão nos meios de comunicação social. O POZOR viria a conhecer uma segunda versão em 1995, virada então para o planeamento da infra-estrutura portuária; contudo, as áreas sem uso portuário não foram alvo de propostas. Desde então, passou a reinar a desconfiança institucional e a CML assumiu uma «colaboração crítica» com a APL. Como consequência, ficou até hoje instituída na sociedade a não-aceitação de nova construção nas áreas sem uso portuário da frente ribeirinha atitude de reacção que designo por «trauma POZOR». Entre 1995 e 2003, as intervenções realizadas pela APL nos seus terrenos foram sempre localizadas, visando a abertura da cidade ao rio e o desenvolvimento de programas de equipamento, espaço público e recreio, numa acção de cooperação silenciosa e discreta com a CML como testemunham os vários escritos deixados por Natércia Rego Cabral e Teresa Craveiro. 6. A RENOVAÇÃO URBANA DA RIBEIRA MUNICIPAL NA VIRAGEM PARA 2000 POZOR-Plano de Ordenamento do Porto de Lisboa, coordenação por Terry Farrel e Miguel Correia. Tendo presente a existência de estudos anteriores em muitas dessas áreas, importa registar a importante expressão que conheceram os projectos urbanos para as grandes áreas de reconversão da ribeira de jurisdição municipal, na viragem para a década de Independentemente das polémicas sobre a figura jurídica adoptada, a ribeira central e ocidental conhece, desde então, projectos para a transformação das grandes áreas industriais desafectadas, de que constituem exemplos: (1) o projecto para o Aterro da Boavista, em curso por Miguel Correia e Norman Foster; (2) a renovação concluída em Alcântara-Rio, incluindo os terrenos da antiga CUF, por Frederico Valssassina, ainda que, os estudos conjuntos com Manuel Mateus para Alcântara XXI tenham aparentemente conhecido a mesma sorte das várias propostas anteriores; (3) a renovação das instalações da antiga Construtora Moderna, em Pedrouços, depois de demolido o edifício da década de 50 de Jorge Segurado; (4) a reconversão do edifício da Fábrica Osram em 2001 por Raul de Abreu e Miguel Varela Gomes. Na ribeira oriental esta dinâmica conhece, igualmente, um significativo desenvolvimento, registando-se o esforço de ordenamento geral, protagonizado pelo Plano de Urbanização da Zona Ribeirinha Oriental (PUZRO) de 2001, entretanto não aprovado na sequência de planos de estrutura ensaiados em 1992 e De igual forma, é sobre as grandes parcelas industriais desafectadas que a renovação urbana vem conhecendo propostas, constituindo como exemplos, entre outros: (1) o projecto de Renzo Piano e Adriano Cale Lucas para Braço de Prata, na sequência de polémicas anteriores chegando a existir, em 2002, estudos para a sua ampliação até à Matinha; (2) o projecto ainda não conhecido para a Matinha, desenvolvido na Gabinete de Manuel Salgado; (3) o loteamento da área sul do recinto dos Olivais da EPAL, sobre a Avenida de Pádua, proposto por José Lamas em 1998, bem como para os terrenos contíguos da Petrogal, por João Paciência. A viragem para 2000 marcou, assim, o início de um processo generalizado de renovação urbana nas grandes parcelas industriais da ribeira de jurisdição municipal; para além das questões associadas à integração destes loteamentos ou planos de pormenor localizados no tecido urbano envolvente e numa visão de conjunto para a ribeira de Lisboa, a principal 16

17 Cinco Gerações de Renovação Urbana na Ribeira de Lisboa dificuldade destas intervenções colocou-se na sua relação com o rio e com a ribeira de jurisdição da APL, matéria que o recente entendimento entre a CML e a APL permite agora contornar permitindo, finalmente, abordar estes territórios na sua globalidade, repondo as ligações transversais, sem o «risco ao meio» administrativo a dividir o planeamento da metade interior do planeamento da metade ribeirinha. 7. A TRANSFORMAÇÃO DA RIBEIRA QUE SE SEGUE, QUE PARADIGMAS? Ainda que com vicissitudes ao nível da sua discussão pública, o projecto dos edifícios da Agência Europeia de Segurança Marítima e Observatório Europeu de Droga e Tóxico-dependência, no Cais do Sodré, desenvolvido por Manuel Tainha desde 2004 hoje em fase de conclusão da obra parece ter constituído um pré-aviso do entendimento agora atingido entre a CML e a APL, consubstanciado na transferência de jurisdição de troços da frente ribeirinha sem utilização portuária, condicionada por propostas prévias de ordenamento e por procedimentos de administração. Encontrando-se este processo em desenvolvimento, importa por agora registar que esta alteração constitui uma oportunidade única para o desenvolvimento de um novo paradigma na transformação da ribeira de Lisboa, ultrapassando dificuldades que, como observado, marcaram estas dinâmicas durante décadas. Significará pois o novo regime o advento de um novo processo de transformação? O primeiro passo agora dado atenção que faltam dar muitos mais de seguida permite inovar em qualidade, por relação aos procedimentos anteriores, criando condições para por exemplo, (1) desenvolver estudos integrados para a transformação de toda a ribeira, ultrapassando o anterior «risco ao meio» administrativo e retomando o tema das ligações transversais, e (2) desenvolver um novo modelo institucional e uma nova capacidade de execução. Com o passo agora dado, a transformação da ribeira de Lisboa pode ser também um «projecto especial» [Busquets, 1998], integrando os terrenos ribeirinhos sem utilização portuária, a infra-estrutura longitudinal de acessibilidade, a ribeira industrial municipal e a ribeira préindustrial, numa realidade territorial coerente finalmente assumindo um conceito único, que é a Ribeira de Lisboa. Bibliografia citada: BUSQUETS, Joan (1998); Barcelona: os proyectos especiais. Motores da nova dinâmica na cidade existente / Barcelona. Los proyectos especiales. Motores de la nueva dinámica en la ciudad existente; in: TRIGUEIROS, Luiz; SAT, Claudio (edición); Lisboa Expo 98; Lisboa; Blau; pp.15/16. COSTA, João Pedro (2007); La Ribera entre Proyectos. Formación y transformación del territorio portuario, a partir del caso de Lisboa; Barcelona; Dissertação de Doutoramento ETSAB-UPC. Disponivel em: FRANÇA, José Augusto coord. (1982). Os anos 40 na arte portuguesa. Lisboa. Fundação Calouste Gulbenkian. NABAIS, António; RAMOS, Paulo (1987); 100 Anos do Porto de Lisboa; Lisboa; APL. FERREIRA, Vitor Matias; et all (1997); Lisboa, a Metrópole e o Rio; Lisboa; Bizâncio. Vista da antiga Fábrica Osram, na Avenida 24 de Julho, reconvertida para habitação por Raul de Abreu e Miguel Varela Gomes,

18 THE PLAN OF INTERVENTION TO SAFEGUARD VENICE AND ITS LAGOON DELEGATED TO THE STATE Consorzio Venezia Nuova for the Ministry of Infrastructure - Venice Water Authority dramatic event which took place on 4 November That day, Venice and the other towns and villages in the lagoon were completely submerged under a metre of water. The severity of the flood which shocked the entire world made the fragility of Venice and its precious ecosystem clearly evident. The State therefore decided to intervene with a body of special legislation defining a series of instruments and guidelines to protect Venice and its lagoon, considered inseparable. Specific responsibilities were identified and attributed to each body involved in safeguarding Venice. In particular, the State, in other words, the Ministry of Infrastructure and its technical organ, the Venice Water Authority, was made Venice. November 4th, Venice, the lagon islands and the lagoon itself were submerged under more than a metre of water. The damage was incalculable. The Venice lagoon is the largest in the Mediterranean with a surface area of 550 km² and separated from the sea by a thin barrier island interrupted by three gaps, the inlets of Lido, Malamocco and Chioggia, through which tides propagate in the lagoon. On the mainland side it is defined by a boundary line. It is both a natural and an artificial environment in equilibrium between land and sea and characterised by a rich and complex morphological fabric whose elements (mudflats, salt marshes, channels and creeks) play a fundamental role in flushing and lagoon biodiversity. To talk about the Italian State s extraordinary commitment to safeguarding Venice and its lagoon ecosystem, you need to go back to a 18

19 The Plan of Intervention to safeguard Venice and it s lagoon delegated to the state responsible for physical protection from flooding and restoring the balance of the lagoon ecosystem. These objectives were translated into systemic and complex action in a General Plan of Interventions which considered the lagoon ecosystem as a single entity to be defended in the complex totality of its aspects. Since then, through the Consorzio Venezia Nuova, concessionary for activities to safeguard Venice and its lagoon, the Water Authority has implemented numerous important measures. Many kilometres of the coastline have been widened and reinforced. Local protection of particularly low-lying parts of built up areas by raising and consolidating quaysides has reached an advanced stage of implementation. Measures to reconstruct and protect morphological elements particularly at risk from erosion have been implemented throughout the lagoon and important action has been taken to secure polluted sites. Finally, Mose, a system designed to protect the lagoon from the devastation of high waters, is being constructed at the inlets of Lido, Malamocco and Chioggia. Venice. High waters 19

20 The Plan of Intervention to safeguard Venice and it s lagoon delegated to the state The Mose System to defend Venice from high waters The lagoon inlets where Mose System is beign Construct. Introduction The flood of 4 November 1966 was a harsh indication of the fragility of Venice and its lagoon ecosystem. Unfortunately, the risk of a similar or even worse event is ever present. But together with the threat of a catastrophic event, since the beginning of the 1900s, flooding has become ever more frequent and intense as a result of the profound change in the relationship between the water and land occurring in particular during the last 100 years. As a result of the combined effect of a rise in sea level (eustatism) and a drop in land level (subsidence), built up areas in the lagoon are today an average of 23 cm lower in relation to sea level than at the beginning of the 20th century. Flooding is causing problems for the inhabitants and damage to architectural structures and buildings over ever greater areas and is becoming ever more critical as the tide level increases. To definitively protect the city and lagoon from all floods including extreme events, a system of mobile barriers has been developed, able to temporarily separate the lagoon and the sea. In normal tidal conditions, the mobile barriers made up of rows of gates rest in caissons on the bed in the inlets, completely invisible and without modifying exchanges between the sea and the lagoon. The gates are normally full of water which weighs them down and keeps them inside the caissons. When a high tide above the protection level is forecast, compressed air is pumped into the gates, replacing the water. Buoyancy causes them to rotate around the axis of the hinge until they emerge and the row of gates thus blocks the tide from entering the lagoon. Opening manoeuvres last 30 minutes, closing manoeuvres, 15 minutes. The gates remain in the raised position throughout the tidal event which lasts an average of 4.5 hours and occurs 20

Reconquista da Frente Ribeirinha de Lisboa Manuel Salgado Câmara Municipal de Lisboa dmprgu.dpru.dpeu@cm- lisboa.pt

Reconquista da Frente Ribeirinha de Lisboa Manuel Salgado Câmara Municipal de Lisboa dmprgu.dpru.dpeu@cm- lisboa.pt Reconquista da Frente Ribeirinha de Lisboa Manuel Salgado Câmara Municipal de Lisboa dmprgu.dpru.dpeu@cm- lisboa.pt A requalificação da frente ribeirinha de Lisboa foram recentemente impulsionadas por

Leia mais

REABILITAÇÃO URBANA E AMBIENTAL MAIO 2015

REABILITAÇÃO URBANA E AMBIENTAL MAIO 2015 REABILITAÇÃO URBANA E AMBIENTAL MAIO 2015 BAIADOTEJO,SA Empresa do Sector Empresarial do Estado Português, criada em 2009 Incorporação, por fusão, da SNESGES Administração e Gestão de Imóveis e Prestação

Leia mais

Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI

Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI Luís Matas de Sousa Director do Projecto de Requalificação Urbana da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Área

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Na frente ribeirinha de Lisboa, a poucos minutos do Parque das Nações, desenvolve-se um novo condomínio que enquadra toda a estrutura pré-existente

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

REGENERAÇÃO URBANA E AMBIENTAL A SUL DE LISBOA II SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA 15 ABRIL 2015

REGENERAÇÃO URBANA E AMBIENTAL A SUL DE LISBOA II SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA 15 ABRIL 2015 REGENERAÇÃO URBANA E AMBIENTAL A SUL DE LISBOA II SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA 15 ABRIL 2015 BAIA DO TEJO, SA Empresa do Sector Empresarial do Estado Português, criada em 2009 Incorporação, por fusão,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 1783 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Decreto n.º 7/2008 de 27 de Março A rede ferroviária de alta velocidade constitui um empreendimento público de excepcional interesse nacional

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines Proposta de Termos de Referência Câmara Municipal de Sines Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente OUTUBRO

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS:

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: Bairro da Laje, freguesia de Porto Salvo: - Parque Urbano Fase IV Os Arranjos Exteriores do Parque Urbano Fase IV do bairro da Laje, inserem-se num vasto plano de reconversão

Leia mais

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO No âmbito do procedimento de consulta pública do Plano Estratégico de Transportes 2008-2020 (PET), vem a Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza apresentar o seu parecer. SOBRE OS PRESSUPOSTOS

Leia mais

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real A referenciação dos percursos como componentes da estrutura edificada (in Magalhães, Manuela; Arquitectura

Leia mais

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra O Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra estabelece a concepção do espaço urbano, para a área de intervenção do Plano, dispondo, designadamente,

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

Conceito territorial Projecto de requalificação Empresa pública Projecto decisivo para a criação da Cidade das duas

Conceito territorial Projecto de requalificação Empresa pública Projecto decisivo para a criação da Cidade das duas Arco Ribeirinho Sul: o que é? Conceito territorial Projecto de requalificação Empresa pública Projecto decisivo para a criação da Cidade das duas margens Oportunidade de reconversão ambiental e urbanística

Leia mais

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Ação Piloto para a Regeneração Urbana Avenida da Liberdade, Braga Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Cientes da importância de promover uma intervenção capaz de revitalizar o centro histórico

Leia mais

Lisboa. predominante. Constituem áreas de enquadramento e valorização dos núcleos históricos edificados. Tipologia dominante dos edifícios.

Lisboa. predominante. Constituem áreas de enquadramento e valorização dos núcleos históricos edificados. Tipologia dominante dos edifícios. Classes Subclasses Categorias Subcategoria Espaço urbano Históricas Áreas históricas habitacionais Consolidadas De estruturação De reconversão Espaços urbanos cujas características morfológicas, arquitectónicas

Leia mais

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS I SISTEMAS EM RUPTURA?... Urbano: fragmentado, densidades extremadas Natural: pressão, desarmonia, descontinuidade Residencial: dormitório unifamiliar ou massivo Económico:

Leia mais

Fernando Nunes da Silva. Mobilidade e Acessibilidade Dois conceitos complementares para a regeneração dos centros urbanos

Fernando Nunes da Silva. Mobilidade e Acessibilidade Dois conceitos complementares para a regeneração dos centros urbanos Fernando Nunes da Silva Mobilidade e Acessibilidade Dois conceitos complementares para a regeneração dos centros urbanos Mobilidade e Acessibilidade MAIO 11 Fonte: terrasdeportugal.wikidot.com dois conceitos

Leia mais

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Cálculo de Mais Valias Janeiro 2014

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Cálculo de Mais Valias Janeiro 2014 CÁLCULO DE MAIS VALIAS DO PLANO PORMENOR DA MARGEM DIREITA DA FOZ DO RIO JAMOR - OEIRAS Câmara Municipal de Oeiras 1 INTRODUÇÃO Considerando que o desenvolvimento das transformações de uso do solo resultantes

Leia mais

Estação central de coimbra

Estação central de coimbra central de coimbra N o v a i n t e r f a c e i n t e r m o d a l e P l a n o d e u r b a n i z a ç ã o ( e n t r a d a p o e n t e ) Na sua história recente tem sido muito influenciada pela localização

Leia mais

Expansão da Plataforma Logística

Expansão da Plataforma Logística CÂMARA U1 Expansão da Plataforma Logística RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DA DISCUSSÃO PÚBLICA DA PROPOSTA DE DELIMITAÇÃO E RESPECTIVO PROGRAMA-BASE DIVISÃO DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO D EZ E M

Leia mais

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial 1 Coimbra - 1941 Coimbra - 2001 2 Pólo II - Estado actual Pólo III - Estado actual 3 Pólo I - Estado actual 4 Pólo I - Estado actual

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO INSTITUCIONAL

ACORDO DE COOPERAÇÃO INSTITUCIONAL ACORDO DE COOPERAÇÃO INSTITUCIONAL Entre: o Município de Lisboa, pessoa coletiva n.º 500051070, com sede na Praça do Município, em Lisboa, neste ato representado pelo Presidente da Câmara Municipal, António

Leia mais

E s t r u t u r a V e r d e

E s t r u t u r a V e r d e Estrutura Verde A. Introdução O conceito de Estrutura Verde insere-se numa estratégia de desenvolvimento sustentado, objecto fundamental das políticas do ordenamento do território. A Estrutura Verde é

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil

ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil Sistema Ferroviário: Estagnação ou Desenvolvimento? Alberto Castanho Ribeiro Porto, 21 de Maio de 2011 Estrutura 1. Evolução do Caminho de Ferro 2. Desafios

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

FÓRUM CIDADE GRUPO 8

FÓRUM CIDADE GRUPO 8 FÓRUM CIDADE GRUPO 8 UMA NOVA POLÍTICA URBANA Durante os doze anos (1990/2001) que esteve à frente dos destinos de Lisboa, a coligação liderada pelo Partido Socialista demonstrou uma vitalidade e uma capacidade

Leia mais

Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010

Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010 A Fábrica do Inglês: reabilitação do património industrial corticeiro Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010 Sumário: O Museu da Cortiça da Fábrica

Leia mais

Transportes: projectos prioritários até 2020

Transportes: projectos prioritários até 2020 Alameda dos Oceanos, Lote 1.02.1.1. Z17 1990-302 Lisboa Telef: 210140312 E-Mail: geral@adfersit.pt Site: www.adfersit.pt Transportes: projectos prioritários até 2020 A ADFERSIT (Associação Portuguesa para

Leia mais

INQUÉRITO À POPULAÇÃO DE BRAGANÇA

INQUÉRITO À POPULAÇÃO DE BRAGANÇA FACULDADE DE LETRAS UNIVERSIDADE DE LISBOA Mestrado em Geografia, Esp. em Urbanização e Ordenamento do Território O planeamento urbano e o ordenamento territorial estratégico: O papel das politicas de

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian. 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com

ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian. 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com Paisagem: designa uma parte do território, tal como é apreendida pelas

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

Termos de Referência do Plano de Urbanização do Vale dos Socorridos ÍNDICE

Termos de Referência do Plano de Urbanização do Vale dos Socorridos ÍNDICE ÍNDICE 1- Introdução... 2 2 - Enquadramento Legal do Plano... 2 3 - Enquadramento Territorial da Área de Intervenção... 3 4 - Base Programática para o Desenvolvimento da Solução Urbanística... 5 4.1 Caracterização

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 1. Análise do Plano Plurianual de Investimentos (PPI) Neste orçamento, o Município ajustou, as dotações para despesas de investimento, ao momento de austeridade que o país

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro www.regiaodeaveiro.pt PIMT de Aveiro, Aveiro TIS.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal

Leia mais

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro?

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Vive-se um tempo de descrédito, generalizado, relativamente às soluções urbanísticas encontradas para o crescimento

Leia mais

Gestão da mobilidade urbana

Gestão da mobilidade urbana Fernando Nunes da Silva Vereador da Mobilidade C. M. Lisboa Fernando Nunes da Silva OE Coimbra JAN 2013 JAN 13 Gestão da mobilidade urbana - dificuldades e soluções uma política de mobilidade para Lisboa:

Leia mais

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO)

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) DEPARTAMENTO DE URBANISMO Divisão de Ordenamento do Território PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA RELATÓRIO JUSTIFICATIVO PARA A NÃO REALIZAÇÃO JULHO 2012

Leia mais

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas Preparar a Retoma, Repensar a Logística 10 de Novembro NOVOHOTEL SETUBAL Comunicação: Factores de Atractividade da oferta logística do Alentejo Orador: Dr.

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

IISEMANA 15 DE ABRIL / 14H30 CONFERÊNCIA SOLOS, REABILITAÇÃO E PERIFERIAS

IISEMANA 15 DE ABRIL / 14H30 CONFERÊNCIA SOLOS, REABILITAÇÃO E PERIFERIAS INSTITUTO DA CONSTRUÇÃO E DO IMOBILIÁRIO IISEMANA DARE- ABILITAÇÃO ASSIMFOI URBANA 15 DE ABRIL / 14H30 CONFERÊNCIA SOLOS, REABILITAÇÃO E PERIFERIAS C o n f e r ê n c i a s E x p o s i ç õ e s Te r t ú

Leia mais

II Convenção Sou de Peniche

II Convenção Sou de Peniche II Convenção Sou de Peniche Apresentação Junho 2008 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1. Caso de Peniche 2. Avaliação e Diagnóstico 3. Factores Críticos 4.Recomendações de Politicas e Acções II Convenção Sou de Peniche

Leia mais

PNAI Plano Nacional de Acção para a Inclusão (2003-2005)

PNAI Plano Nacional de Acção para a Inclusão (2003-2005) V Articulação O PDS deve integrar orientações de outros programas a nível nacional, regional e localmente com os diversos planos, projectos, serviços e sectores específicos do Município, criando sinergias

Leia mais

Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013

Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013 Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013 Porto, 1 de Outubro de 2009 António Viana 2 Plano da Apresentação Missão OESF 2006 Investimentos 2009-2013 3 Missão da REFER Proporcionar ao mercado

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESPAÇO PÚBLICO ACESSIBILIDADE E CIDADANIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A AV. DR. LOURENÇO PEIXINHO FREDERICO MOURA E SÁ

SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESPAÇO PÚBLICO ACESSIBILIDADE E CIDADANIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A AV. DR. LOURENÇO PEIXINHO FREDERICO MOURA E SÁ SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESPAÇO PÚBLICO ACESSIBILIDADE E CIDADANIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A AV. DR. LOURENÇO PEIXINHO FREDERICO MOURA E SÁ 4 DE OUTUBRO DE 2011. AVEIRO EQUIPA: Câmara Municipal de Aveiro

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Matosinhos: território de mobilidades

Matosinhos: território de mobilidades Matosinhos: território de mobilidades O desenvolvimento do tecido urbano, as alterações do modo de vida, a flexibilidade do automóvel particular, associada a uma oferta nem sempre satisfatória de transportes

Leia mais

A intermodalidade e o transporte marítimo

A intermodalidade e o transporte marítimo Ana Paula Vitorino Secretária de Estado dos Transportes A intermodalidade e o transporte marítimo 27 A dinâmica da política de transportes, global e europeia, e a posição geoestratégica de Portugal justificam

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO, DE PROGRAMAÇÃO E DE GESTÃO

INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO, DE PROGRAMAÇÃO E DE GESTÃO INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO, DE PROGRAMAÇÃO E DE GESTÃO Áreas de reabilitação urbana, Planos de pormenor de reabilitação urbana, Programas de Acção Territorial Outros instrumentos 1. Os elementos essenciais

Leia mais

Declaração de Princípios.

Declaração de Princípios. POR UMA NOVA ANTRAM MAIS FORTE E INTERVENTIVA Regular o Mercado Fortalecer as Empresas Modernizando e Qualificando o Sector Reforçar o apoio aos associados. Programa eleitoral da Lista A Candidata aos

Leia mais

O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo. Abril, 2014

O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo. Abril, 2014 O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo Abril, 2014 Porquê uma nova Lei? 1. A atual Lei de Solos data de 1976, encontra-se obsoleta face à atual conjuntura socioeconómica

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Promoção Imobiliária: que futuro para Lisboa?

Promoção Imobiliária: que futuro para Lisboa? REPORTAGEM AUTÁRQUICAS ALMOÇOS APPII reúne se com os candidatos à CML Promoção Imobiliária: que futuro para Lisboa? Antes do sufrágio que decidirá quem liderará os destinos da capital portuguesa durante

Leia mais

Porto de Lisboa. Desenvolvimento portuário e Competitividade. Dr. Manuel Frasquilho. Presidente do Conselho de Administração do Porto de Lisboa

Porto de Lisboa. Desenvolvimento portuário e Competitividade. Dr. Manuel Frasquilho. Presidente do Conselho de Administração do Porto de Lisboa Porto de Lisboa Desenvolvimento portuário rio, Logística e Competitividade Dr. Manuel Frasquilho Presidente do Conselho de Administração do Porto de Lisboa 18 de Abril de 2007 Porto de Lisboa Porto de

Leia mais

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitetura

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitetura Ação Piloto para a Regeneração Urbana Avenida da Liberdade, Braga Concurso de Ideias Profissionais de Arquitetura Cientes da importância de promover uma intervenção capaz de revitalizar o centro histórico

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO 1. MOTIVAÇÕES E PREOCUPAÇÕES Condicionantes à Mobilidade Problemática Específica Articulação entre as decisões urbanísticas

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Luís Jorge Bruno Soares António Perez Babo Robert Stussi Maria Rosário Partidário Bruno Lamas brunosoares@brunosoaresarquitectos.pt

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

A Cidade Logística. Plataforma Logística do Poceirão

A Cidade Logística. Plataforma Logística do Poceirão A Cidade Logística Plataforma Logística do Poceirão Póvoa de Santa Iria, 03 de Dezembro 2009 1 1. Apresentação Integrado na rede de plataformas nacionais definida pelo Portugal Logístico será desenvolvido

Leia mais

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas.

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas. Doc 5. Proposta de Projecto de Lei Sobre a Profissão, a Prática e a Formação do Urbanista A necessidade de implementar uma política consistente de Ordenamento do Território e Urbanismo, tem determinado

Leia mais

A CIDADE- é uma obra de Arte. VIÍCTOR NEVES Dr. Arquitecto/Universidade Lusíada de Lisboa

A CIDADE- é uma obra de Arte. VIÍCTOR NEVES Dr. Arquitecto/Universidade Lusíada de Lisboa 9 Editorial - é uma obra de Arte. VIÍCTOR NEVES Dr. Arquitecto/Universidade Lusíada de Lisboa Key-words: Cidade, Concentração, Dispersão, Informação, info-cidade, eco-sustentabilidade City, Concentration,

Leia mais

PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA

PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA João Craveiro, Margarida Rebelo, Marluci Menezes, Paulo Machado Laboratório Nacional de Engenharia Civil Departamento de Edifícios

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. (ou STCP, S.A.) empresa detida a 100% pelo Estado Português.

Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. (ou STCP, S.A.) empresa detida a 100% pelo Estado Português. Identificação da empresa Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. (ou STCP, S.A.) empresa detida a 100% pelo Estado Português. Breve Historial da STCP A STCP - Sociedade de Transportes Colectivos

Leia mais

Câmara Municipal de Lisboa

Câmara Municipal de Lisboa Câmara Municipal de Lisboa Uma Experiência em Realojamentos Sociais XXXI Programa Iberoamericano de Formación Municipal de la UCCI L i s b o a, 30 de Junho de 2009 Índice de Apresentação 00 Estrutura da

Leia mais

GAPTEC. Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas. Relatório Final Volume II. Maio 2003

GAPTEC. Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas. Relatório Final Volume II. Maio 2003 GAPTEC Departamento de Planeamento Estratégico Divisão do Plano Director Municipal Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas Maio 2003 Relatório Final Volume II EQUIPA Coordenadores

Leia mais

ALTERAÇÃO DO PDM PLATAFORMA LOGÍSTICA (Vale de Murta) e ZONA INDUSTRIAL (Pinhal da Gandra)

ALTERAÇÃO DO PDM PLATAFORMA LOGÍSTICA (Vale de Murta) e ZONA INDUSTRIAL (Pinhal da Gandra) 1. INTRODUÇÃO/ENQUADRAMENTO A região da Figueira da Foz encontra-se perante um conjunto de oportunidades que, devidamente aproveitadas, poderão potenciar novas dinâmicas de desenvolvimento e a atracção

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Encontro-me hoje aqui para, em nome do Governo Regional da Madeira, apresentar a Vossas

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020

CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020 ÍNDICE Esquema resumo..pág. 2 Introdução...pág. 3 Objetivos Temáticos pág. 3 Eixos Prioritários...pág. 4 Eixo 1: Investigação, Desenvolvimento e Inovação..pág. 5 Eixo 2: Competitividade e Internacionalização

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL Deliberação da Reunião Câmara Municipal de 29/11/2011 DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO

Leia mais

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um CARTA DA QUALIDADE DA HABITAÇÃO COOPERATIVA Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um instrumento de promoção, afirmação e divulgação, junto

Leia mais

E O CITY MARKETING O NOSSO CONTRIBUTO PARA FAZER CIDADE

E O CITY MARKETING O NOSSO CONTRIBUTO PARA FAZER CIDADE E O CITY MARKETING O NOSSO CONTRIBUTO PARA FAZER CIDADE O Contributo da Reabilitação da Baixa Portuense e do Centro Histórico para a Cidade do Porto Como Cidade Competitiva Como Cidade Pátria Como Cidade

Leia mais

Coordinator of the FCT Team Project in Lisbon Local Agenda 21 Case Study Bairro do Charquinho

Coordinator of the FCT Team Project in Lisbon Local Agenda 21 Case Study Bairro do Charquinho Coordinator of the FCT Team Project in Lisbon Local Agenda 21 Case Study Agenda 21 Local de Lisboa Ameixoeira, Benfica, Carnide, Charneca e Lumiar Dec 2010 Feb 201 A Project in Partnership Lisbon Local

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 3/A/2004

RECOMENDAÇÃO Nº 3/A/2004 Número: 3/A/2004 Data: 22-03-2004 Entidade visada: Presidente da Câmara Municipal de Castelo de Paiva Processo: P-1/04 Área: A1 Assunto: Concurso Chefe da Divisão Municipal de Planeamento, Urbanismo e

Leia mais

Políticas culturais na Área Metropolitana do Porto 1

Políticas culturais na Área Metropolitana do Porto 1 Políticas culturais na Área Metropolitana do Porto 1 Natália Azevedo 2 Resumo As políticas culturais autárquicas traduzem modos de relação particulares entre o poder político e a cultura. Nos últimos dez

Leia mais

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO MÓDULO MOBILIDADE PESSOAS/ BENS TURISMO NO MUNDO ATUAL MÓDULO 1 PORTUGAL A POPULAÇÃO AS ÁREAS URBANAS AS ÁREAS RURAIS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA ANO LETIVO 201-2015 PLANIFICAÇÃO - CURSO

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

DOCUMENTOS DE PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS NA CONSTRUÇÃO NA TRANSPOSIÇÃO DAS DIRETIVAS COMUNITÁRIAS PARA PORTUGAL

DOCUMENTOS DE PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS NA CONSTRUÇÃO NA TRANSPOSIÇÃO DAS DIRETIVAS COMUNITÁRIAS PARA PORTUGAL DOCUMENTOS DE PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS NA CONSTRUÇÃO NA TRANSPOSIÇÃO DAS DIRETIVAS COMUNITÁRIAS PARA PORTUGAL Susana Sousa 1 José M. Cardoso Teixeira 2 RESUMO A Diretiva Comunitária nº 92/57/CEE

Leia mais

Regulamento do Prémio Municipal de Recuperação do Património de Montemor-o-Velho (1ª alteração)

Regulamento do Prémio Municipal de Recuperação do Património de Montemor-o-Velho (1ª alteração) Regulamento do Prémio Municipal de Recuperação do Património de Montemor-o-Velho () PREÂMBULO A Câmara Municipal de Montemor-o-Velho tem vindo a desenvolver esforços consideráveis na requalificação dos

Leia mais

Importância geoestratégica de Portugal

Importância geoestratégica de Portugal GRANDE REPORTAGEM CLUBE EUROPEU AEVILELA Importância geoestratégica de Portugal PORTO DE SINES Porta ideal de entrada num conjunto de mercados CIDADE DA HORTA Telegraph Construction and Maintenance Company

Leia mais

Lema: "Voltar a ver felicidade no Parque Mayer"

Lema: Voltar a ver felicidade no Parque Mayer IDEIAS PARA O PLANO DE PORMENOR DO PARQUE MAYER Lema: "Voltar a ver felicidade no Parque Mayer" Linha de acção: intervenção MINIMALISTA. Questões Prévias/Condicionantes: * Orçamental; * Interacção Parque

Leia mais

UM FUTURO VIRADO AO RIO. Convenção Autárquica do PS Lisboa. 20 Junho 2015 14:00. Pavilhão do Conhecimento Parque das Nações

UM FUTURO VIRADO AO RIO. Convenção Autárquica do PS Lisboa. 20 Junho 2015 14:00. Pavilhão do Conhecimento Parque das Nações UM FUTURO VIRADO AO RIO Convenção Autárquica do PS Lisboa 20 Junho 2015 14:00 Pavilhão do Conhecimento Parque das Nações O PS de Lisboa, reunido em Convenção Autárquica discutiu Lisboa, um Futuro virado

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO PFR INVEST - SOCIEDADE DE GESTÃO URBANA, EM (MANDATO 2009/2013)

PROGRAMA DE GESTÃO PFR INVEST - SOCIEDADE DE GESTÃO URBANA, EM (MANDATO 2009/2013) PROGRAMA DE GESTÃO DA PFR INVEST - SOCIEDADE DE GESTÃO URBANA, EM (MANDATO 2009/2013) 1 Índice Introdução! 3 Visão! 5 Missão! 6 Valores! 8 Objectivos! 9 Modelo de Gestão! 15 Modelo de Organização! 17 Conclusão!

Leia mais

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL programa Ao evocar os 260 anos do Terramoto de 1755, a Câmara Municipal de Lisboa, através do Programa que agora se apresenta, pretende levar a cabo um conjunto de atividades e manifestações alusivas à

Leia mais

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Nos termos do disposto na alínea a) do artigo 7.º e no n.º 3 do artigo 10.º do Decretolei n.º 305/2009, de 23 de Outubro e dentro dos limites

Leia mais

O Metro Ligeiro de Superfície

O Metro Ligeiro de Superfície UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE O Metro Ligeiro de Superfície AÁrea Metropolitana de Lisboa poderá contar nos próximos anos com uma nova solução de transporte rápido para os concelhos limítrofes de Lisboa, e

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais