Apresentação Palavra da Diretoria Executiva Projeto Des+envolver Confies Plano de Comunicação...9

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentação... 2. Palavra da Diretoria Executiva...3. 1.Projeto Des+envolver Confies...4. 2. Plano de Comunicação...9"

Transcrição

1 Balanço Anual da Gestão Confies Apresentação... 2 Palavra da Diretoria Executiva...3 Ações estruturadoras: 1.Projeto Des+envolver Confies Plano de Comunicação Estímulo aos Fóruns Regionais...12 Controle inteligente Aproximação com diversas instituições, Coletânea de Entendimentos e Lei Encontro Nacional: 1. Balanço geral Principais temáticas Oficina de Boas Práticas Encontro dos Profissionais Principais resultados e avaliação...21 Perspectivas de atuação e de trabalho para

2 Apresentação A atual gestão do Confies, órgão de representação que visa promover o aprimoramento e a troca de experiências entre suas associadas, bem como defender direitos e prerrogativas comuns a elas, chegou à metade de seu mandato bienal ( ). Transcorrido o ano de 2013, cuja presidência ficou a cargo do Profº Marco Aurelio Crocco, também presidente da Fundep(MG), fez-se necessário elaborar um balanço parcial da gestão no intuito de elencar suas principais atividades. Com a saída de Crocco, a vice-presidente, Profª Suzana Montenegro, assumiu a direção do órgão no início de A gestão tem se baseado em três pilares principais de atuação: diálogo com os órgãos reguladores federais sobre a necessidade de uma legislação específica para fundações de apoio à pesquisa; interlocução com as instituições de fiscalização e controle e difusão de boas práticas de gestão, permitindo o aprimoramento das atividades das associadas. Foram realizadas várias formações, oferecidas para fundações afiliadas que contemplaram todas as regiões do país, visando capacitar os profissionais com temas e conteúdos que contribuam para a prestação de seu serviço, melhor interação entre as afiliadas e troca de experiências. O projeto Des+envolver Confies abordou as legislações aplicáveis às fundações de apoio e contou com a coordenação da Fundep em todas as etapas. Graças à avaliação muito positiva dos participantes, o objetivo é continuar com a iniciativa em 2014, promovendo outros temas formativos. Outra colaboração foi a elaboração e a implementação de um Plano de Comunicação para o Confies. Apesar de seus 25 anos de atuação, o Conselho nunca contou com ações estruturadas e estratégicas nessa área. A principal diretriz do plano é apoiar as atividades da Diretoria Executiva, por meio da publicização, mobilização e integração das instituições associadas, promovendo, ainda, uma pauta positiva no tema fundações. A assessoria de comunicação da Fundep coordenou este trabalho. 2

3 Palavra da Diretoria Suzana Montenegro, Presidente do Confies Vamos dar continuidade às ações desenvolvidas junto às diversas instituições, como o Tribunal de Contas da União, a Controladoria Geral da União, a Advocacia Geral da União, o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação, Ministério da Educação, Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior, Grupo de Apoio Técnico e Profies. Estamos atuando junto à essas instituições no intuito de tornar mais céleres as atuações das fundações junto às Ifes. Marco Aurélio Crocco, ex-presidente do Confies O Confies é um dos setores mais importantes para o desenvolvimento científico-tecnológico do país. Durante minha gestão, passamos por momentos de aprendizado, de convívio profícuo com os diretores, conselheiros e associados. Tenho a plena convicção de que o Confies seguirá em frente, vencendo os desafios a ele impostos, e prevalecerá a nobre missão das fundações. 3

4 Ações Estruturadoras 1.Des+Envolver Confies Nascido da necessidade de promover a formação e o desenvolvimento dos profissionais que atuam nas fundações de apoio afiliadas ao Confies, o Projeto Des+envolver Confies, ao longo deste primeiro ano, promoveu a troca de conhecimento e interação entre fundações Fiotec, Uniselva e Fadespe, das regiões Sudeste (RJ), Centro-Oeste (MT) e Norte e Nordeste (PA), respectivamente. As ações educacionais objetivam contemplar todas as regiões do país, de forma itinerante. Nas três primeiras turmas (RJ, MT e PA), o projeto buscou identificar as necessidades de formação de cada instituição, de modo que cada afiliada apresentasse suas principais demandas. A primeira formação piloto abordou as legislações aplicáveis às fundações de apoio e foi ministrada pelo Bruno Teatini, advogado especializado em Direito Fundacional. Foram realizadas as seguintes ações de comunicação: Desenvolvido um mini site cursos.confies.org.br que apresentou a ementa, o instrutor, os locais, dicas e informações das cidades, visando oferecer informações para os participantes Newsletters com os dados da formação como ementa, carga horária, instrutor, local de realização, valor e forma de pagamento etc. Os slides do instrutor, apostilas, certificados, crachás, lista de presença e ficha de avaliação dos cursos foram personalizados, buscando criar uma referência com a identidade visual do Projeto Des+envolver Confies. Divulgação: Para a efetividade das newsletters, foram necessários uma pesquisa dos contatos das fundações e um atendimento telefônico personalizado. 4

5 Nessa abordagem, foram apresentadas as informações, bem como atualizado o cadastro e observadas as principais adversidades em relação aos cursos, como o valor das inscrições, o custo total, o curto tempo de realização e a demanda de uma formação mais específica (no caso da Região Sul). Logística e articulação: Foi primordial a parceria com as fundações que receberam os cursos Fiotec, Uniselva e Fadespe que contribuíram com a estrutura de realização: Na região Sudeste, a fundação ofereceu o local e os lanches. No Centro-Oeste, toda a infraestrutura foi abarcada pela Uniselva: local do curso, lanche, almoço para todos os participantes e, além disso, investiu na passagem, translado e hospedagem do instrutor e do apoio Em Belém, foram disponibilizadas a estrutura de realização, lanches e almoço para todos os participantes, bem como translado para o instrutor e o apoio. Avaliações: Rio de Janeiro 4,5 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 Estrutura Geral Conteúdo Instrutor Grau de Satisfação 5

6 ESTRUTURA observa questões do local, organização e coffee break. CONTEÚDO observa a relevância e pertinência do curso, didática de apresentação e abordagem dos temas, carga horária, material didático e aplicabilidade do conteúdo. INSTRUTOR observa o conhecimento e domínio, clareza e objetividade na condução do curso, coerência entre programa do curso e discussão realizada, atendimento e esclarecimento de dúvidas, facilidade de comunicação e atendimento aos participantes. GRAU DE SATISFAÇÃO: Superou a expectativa (3); Atingiu as expectativas (2); Não atendeu as expectativas (1) Cuiabá 4,5 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 Estrutura Geral Conteúdo Instrutor Grau de Satisfação ESTRUTURA observa questões do local, organização e coffee break. CONTEÚDO observa a relevância e pertinência do curso, didática de apresentação e abordagem dos temas, carga horária, material didático e aplicabilidade do conteúdo. INSTRUTOR observa o conhecimento e domínio, clareza e objetividade na condução do curso, coerência entre programa do 6

7 curso e discussão realizada, atendimento e esclarecimento de dúvidas, facilidade de comunicação e atendimento aos participantes. GRAU DE SATISFAÇÃO: Superou a expectativa (3); Atingiu as expectativas (2); Não atendeu as expectativas (1) Belém 4,5 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 Estrutura Geral Conteúdo Instrutor Grau de Satisfação ESTRUTURA observa questões do local, organização e coffee break. CONTEÚDO observa a relevância e pertinência do curso, didática de apresentação e abordagem dos temas, carga horária, material didático e aplicabilidade do conteúdo. INSTRUTOR observa o conhecimento e domínio, clareza e objetividade na condução do curso, coerência entre programa do curso e discussão realizada, atendimento e esclarecimento de dúvidas, facilidade de comunicação e atendimento aos participantes. GRAU DE SATISFAÇÃO: Superou a expectativa (3); Atingiu as expectativas (2); Não atendeu as expectativas (1) 7

8 Prestação de contas: Custo Total Evento R$ ,66 Faturamento Total R$ ,00 Saldo R$ ,34 Participantes Totais 116 ANÁLISE : A realização dos cursos requer planejamento criterioso e monitoramento permanente do Confies, pois envolve diversas ações: estrutura, administração de recursos materiais e humanos, comunicação/divulgação, interlocução com parceiros e fornecedores, atendimento e gestão financeira. Premissas para próximo evento: Ampliar tempo de inscrições; Ampliar prazo de divulgação; Ampliar prazo entre finalização das inscrições e realização do evento; Aproveitar mailing gerado para realizar convites de outros eventos; Centralizar conferência de recebimento de pagamentos; Criar relatório de lições aprendidas; Criar cultura de realização de evento em cronogramas específicos anuais exemplo o encontro anual, sempre realizado no mesmo período; 8

9 Equipe especializada em eventos ou treinamentos; Identificar melhor período para realizar as ações; Identificar espaço condizente com o número de inscritos; 2. Plano de Comunicação CONTEXTO A gestão do Confies assume importantes desafios: promover o diálogo com os órgãos reguladores federais sobre a necessidade de uma legislação específica para fundações de apoio à pesquisa; realizar a interlocução com as instituições de fiscalização e controle e difundir boas práticas de gestão, permitindo o aprimoramento das atividades das associadas. Para apoiar essas diretrizes de atuação, torna-se fundamental desenvolver e implementar ações de comunicação para os principais públicos da instituição: fundações afiliadas, órgãos de controle, financiadores e sociedade. OBJETIVOS Público interno: Promover uma comunicação eficiente entre as fundações afiliadas. Públicos externos: Mostrar para a sociedade a importância das fundações de apoio, bem como proporcionar uma pauta positiva em relação a esse tema (fortalecer o Confies como instituição legítima e atuante); Apoiar a discussão do marco regulatório e aprimoramentos junto aos órgãos de controle; Oferecer suporte para o relacionamento com os financiadores. COMUNICAÇÃO NO CONFIES Hoje, a instituição conta com dois veículos de comunicação: portal institucional e com os contatos dos principais representantes das fundações afiliadas. 9

10 Não há profissional de comunicação para a produção de conteúdo e as matérias são incluídas no portal pelo programador contratado. AÇÕES Público interno Newsletter: veículo eletrônico mensal que apresenta informações do trabalho da Diretoria do Confies. Além disso, mostra o trabalho das fundações afiliadas. Atividades: Mapeamento de notícias; Organização de conteúdo; Definição dos critérios de publicização; Estabelecimento da dinâmica de trabalho (fluxos) conjunto para divulgação. Público interno (Diretoria) Gestão de crise de imagem Apoio no gerenciamento da comunicação em situações de crise, por meio de orientações quanto às atitudes a serem tomadas (formação de comitê, definição de fontes, elaboração de nota de esclarecimento/posicionamento e administração de notícias junto à imprensa). Público externo e interno Reformulação do site: tornar o portal mais dinâmico, interativo, moderno e atualizado. Diretrizes para o novo site: - Layout mais leve e moderno - Melhor usabilidade e com ferramentas de acessibilidade - Sistema de gestão de conteúdo intuitivo, de código aberto e com atualizações constantes 10

11 - Melhor indexação pelos mecanismos de busca - Área restrita para as afiliadas - Portal de notícias das afiliadas - Compatível com tablets - Investimento: R$ 20 mil - Público externo Assessoria de imprensa: potencializar o relacionamento com a imprensa para que a sociedade conheça as ações da instituição, provocando uma pauta positiva. Atividades: Mailing: criação de lista de contatos de instituições e profissionais da mídia que possam contribuir com a divulgação dos temas. Programa de relacionamento com jornalistas, por meio de ações como visitas às redações e envio de press kit e material institucional. Potencializar a diretoria do Confies como fonte de informações. Atendimento à imprensa. Assessoria para entrevistas. Público externo Relatório de atividades: publicação anual que apresenta as ações da gestão do Confies e atividades das afiliadas. A peça pode subsidiar o relacionamento com os parceiros do Confies. Público externo Campanha 25 anos de Confies 11

12 Em dezembro, a instituição completa 25 anos de atuação. A data torna-se oportuna para realizar o balanço das atividades, contextualizando com a importância das fundações, e de promover o Confies. Ações: Atividades internas com as afiliadas; Encontros com financiadores, representantes de órgãos reguladores e profissionais da imprensa; Relatório com o histórico; Vídeo institucional; Hot site (dentro do site institucional), com importantes marcos históricos e com as atividades programadas; Revitalização da logomarca e da papelaria. 3. Estímulo aos Fóruns Regionais No início deste ano foi realizado na cidade de Salvador (BA), o 3º Fórum Regional das Fundações de Apoio, promovido pela FAPEX (Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão). E já está programado o Fórum Regional do sudeste, que vai acontecer em Minas Gerais. A diretoria do Confies entende que a realização dos Fóruns Regionais é de extrema importância para as fundações afiliadas e está fortalecendo a sua realização anual, de forma que entrem no calendário oficial do Confies. 12

13 Controle Inteligente No âmbito legal, a recente publicação da Lei /2013 é uma conquista. O novo conjunto de normas apresenta mudanças importantes no que tange ao funcionamento das fundações de apoio. Entre elas, alterou a Lei 8.958/1994, revogando a determinação de que as fundações, para a execução de convênios e contratos, observassem as normas de licitações e contratos e definiu na execução de convênios, contratos, acordos e demais ajustes abrangidos por esta Lei, inclusive daqueles que envolvam recursos provenientes do poder público, as fundações de apoio adotarão regulamento específico de aquisições e contratações de obras e serviços, a ser editado por meio de ato do Poder Executivo federal. O Confies, portanto, tem trabalhado pela elaboração do novo regime de compras. Os resultados alcançados iniciam novos rumos na gestão de projetos de Ciência, Tecnologia e Inovação e incentivam a continuidade do diálogo entre os atores do cenário de C,T&I, que, consequentemente, aprimorará a atuação das fundações de apoio. Para pôr em prática suas diretrizes, a Diretoria Executiva do Confies participou de uma série de fóruns com o objetivo de discutir a implementação de uma nova forma de gestão das fundações, pautada pela agilidade, eficiência, transparência e controle inteligente. Entre elas, integrando uma comissão formada por membros dos Ministérios da Educação (MEC), da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), da Controladoria Geral da União (CGU), da Advocacia-Geral da União (AGU), da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) e do Tribunal de Contas da União (TCU). Um dos resultados do debate foi a revisão da Coletânea de Entendimentos do MEC, que orienta a execução dos recursos orçamentários e financeiros das instituições federais de ensino superior. Os esforços ainda continuam e está previsto o aprimoramento de outras 28 questões (entre as 122 do documento), que também contarão com a participação do Confies. 13

14 Encontro Nacional Balanço Geral - O 31º Confies reuniu fundações de todo o país em Pernambuco para discutir novas diretrizes de atuação O 31º Encontro Nacional das Fundações de Apoio às Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa Científica e Tecnológica - 31º Confies, realizado de 11 a 14 de novembro no Hotel Armação, em Porto de Galinhas - PE, reuniu mais de 80 fundações de todo o país, somando mais de 200 participantes. O encontro foi organizado pela Fundação de Apoio ao Desenvolvimento da Universidade Federal de Pernambuco Fade/UFPE, que montou uma programação composta por dez palestras e seis oficinas, priorizando temas específicos para as instituições, como a legislação das fundações de apoio e a relação entre estas e a Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP). O então Presidente do Confies, Marco Aurélio Crocco enfatizou a importância de o encontro ter conseguido reunir inúmeros atores envolvidos no diálogo com as fundações. Temos aqui presentes a Controladoria Geral da União; a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior Andifes; o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação - MCTI; a Financiadora de Estudos e Projetos Finep; o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES; a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores Anprotec e muitos outros. Conseguimos reunir tanto os órgãos reguladores quanto os órgãos relacionados à ciência e tecnologia. Além deles, o parlamento também está presente detalhou Crocco. A economista Tânia Bacelar abriu oficialmente a grade de palestras, apresentando o Modelo de Desenvolvimento Brasileiro. Entre os palestrantes, muitos eram especialistas na área de Ciência e Tecnologia, criando um ambiente propício para uma forte troca de experiência e informação entre os participantes. A relação das fundações com as Instituições Federais de Ensino Superior - IFES e com as Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs, principalmente no que concerne à administração de projetos e convênios desenvolvidos, incluindo a prestação de contas, foi uma das temáticas mais analisadas durante o evento. 14

15 Também marcou presença no evento o deputado federal Newton Lima, que apresentou o Novo Código de Ciência e Tecnologia, abordando os Projetos de Lei e de Emendas Constitucionais que atingem diretamente as fundações, como o PL 2177/2011, que Institui o Código Nacional de Ciência,Tecnologia e Inovação. Realizamos um encontro de alto nível técnico e acreditamos que, com o conhecimento que foi passado aqui, contribuímos tanto para o aperfeiçoamento das fundações quanto para a aproximação entre elas, concluiu a atual presidente do Confies, Profª Suzana Montenegro. Principais Temas Abordados: Novo Código de Ciência e Tecnologia O Deputado Federal Newton Lima (PT), Presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Indústria Nacional, apresentou as propostas do Novo Código de Ciência e Tecnologia, que fazem parte do Projeto de Lei 2177, que cria a Política Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação com normas, princípios e diretrizes. O Novo Código de C&T estabelece uma política de apoio e geração de conhecimento tecnológico. Um dos objetivos do código é melhorar a inserção do empresariado e das instituições privadas de ensino e pesquisa no âmbito de iniciativas de apoio público. O deputado ainda deixou claro que as ações do Novo Código são pautadas pela confiança na gestão das instituições e que as palavras-chave do processo são agilidade, eficiência, transparência, planejamento e responsabilidade da instituição. Parques Tecnológicos As palestrantes Francilene Garcia e Tecia Vieira apresentaram a palestra Parques Tecnológicos ANPROTEC/FORTEC. Presidente da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (ANPROTEC), Francilene Garcia afirmou existirem, ao todo, 94 Parques Tecnológicos no Brasil, que estão concentrados, em sua maioria, nas regiões Sul e Sudeste. Segundo ela, o país está vivendo em um cenário oportuno para a elaboração de PqTs e é necessário encontrar uma sinergia entre o que é desenvolvido no meio acadêmico e as necessidades do mercado. 15

16 Entre os propósitos para se investir em PqT, estão: atrair empresas e investimentos, apoiar o desenvolvimento de áreas tecnológicas e favorecer a criação e consolidação de micro-empresas. Modelo de Desenvolvimento Brasileiro Com a palestra Modelo de Desenvolvimento Brasileiro, a economista Tânia Bacelar fez uma retrospectiva histórica da situação financeira nacional. Para ela, as consequências do Plano Real - aumento do endividamento público e o aumento da carga tributária - resultaram em um Estado em desmonte, com as Universidades Públicas à míngua. O século XXI, para ela, representou o momento da política de assistência social. O Bolsa Família mexeu com a renda familiar, auxiliando o crescimento da classe C, explicou. É neste momento que as universidades multiplicam-se em 2002 somavam 43 e em 2010 passaram para 230, além de terem sido implantadas no interior. É nas universidades que se constrói o conhecimento legitimado e temos o desafio de manter esse espaço como parte do aparato oficial, além de contribuir para o desenvolvimento do Ensino Básico, diminuindo as desigualdades, ressaltou. Projeto Olá Muito Prazer aproxima Fundações de Apoio O portal é o primeiro espaço virtual colaborativo criado exclusivamente para as fundações de apoio às Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa Científica e Tecnológica Idealizado pela gestora da área de Gestão da Qualidade da Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde - Fiotec, Luanara Damasceno, o portal Olá, Muito Prazer (www.projetoolamuitoprazer.com.br), é um espaço virtual que objetiva aproximar as fundações, além de estimular as boas práticas entre elas. Não havia um espaço de troca de informações online entre as fundações, portanto criamos o projeto para estimular a comunicação entre as afiliadas. Pensei em um nome simples, de fácil compreensão, explicou Luanara. A ideia é que a gestão do site seja itinerante, começando pela Fiotec. Queremos que a administração do portal seja colaborativa e participativa. Os agentes de comunicação das fundações serão os principais responsáveis pela gestão de conteúdo do portal, esclareceu. 16

17 O site ainda visa promover encontros regionais e troca de metodologias, além de possuir fóruns por editoriais e espaço wiki, em que os administradores poderão incluir informações. Para participar, é necessário preencher um formulário encontrado no próprio portal no link downloads Oficinas de Boas Práticas destacam a importância da inovação Através das oficinas, muito do que atualmente é realizado de forma particular pelas fundações pôde ser conhecido, estimulando ações de sucesso No último dia do 31º Confies, os participantes tiveram a oportunidade de conferir uma série de Oficinas de Boas Práticas. Ao todo, foram ministradas seis oficinas, com a finalidade de ampliar os conhecimentos dos funcionários das fundações. Entre os temas, destacaram-se a importância do investimento financeiro para estruturar start ups e a Arte de Viabilizar Projetos, incluindo criatividade, processos e tecnologia. O ex-presidente do Confies, Marco Aurélio Crocco, iniciou as oficinas apresentando o Programa Fundep de Investimentos em empresas emergentes e inovadoras da UFMG. A Fundep criou uma empresa privada com 100% de capital próprio, a Fundep Participações S/A, para fornecer mais um suporte para apoiar empresas dentro da UFMG. Financiamos em até R$ 500 mil por empresa. Nossa lógica é distinta de um fundo de investimento, pois temos comprometimento com as start ups e não com investidores. Buscamos firmar uma relação de confiança com os pesquisadores, além de investirmos em empresas com potencial mercadológico, explicou Crocco. Já o Gerente de Tecnologia da Informação da Fiotec, Evandro Maroni, ministrou a oficina Criatividade, Processos e Tecnologia A Arte de Viabilizar Projetos. Ele ressaltou que a cultura organizacional deve estar aliada à criatividade e em momentos de resiliência, deve-se estimular a inovação e ter foco na excelência. Um exemplo de projeto que está conseguindo incluir essas atividades em sua execução é o Programa de Valorização do Profissional da Atenção Básica (PROVAB), do Governo Federal, que tem incentivado médicos, enfermeiros e dentistas a atuar em áreas pobres, revelou. 17

18 Modelagem de Processos foi a temática abordada pelo Diretor da Fundação Uniselva (MT), Cristiano Maciel na oficina Modelagem de Processos e Gestão da Qualidade da Fundação Uniselva. Criamos um comitê de qualidade e promovemos o 1º Workshop da Gestão da Qualidade, quando nossos colaboradores puderam demonstrar seus processos modelados de formas diversas, explicou. Depois de apresentados, os processos foram padronizados através do modelador BPMN. Chegamos à conclusão de que devemos observar quatro focos principais: satisfação do cliente, excelência operacional, estabelecimento de indicadores de negócios e fortalecimento da imagem, detalhou Maciel. Além das oficinas mencionadas, também foram aplicadas outras, como: Programa de Apoio a Patrocínios (PROAP); Sistema de Apuração de Custos Operacionais na Gestão de Projetos e Estrutura Organizacional da FUNAPE/GO e documentos de referência da gestão. Encontro dos Profissionais Os profissionais puderam discutir sobre a realidade de seus setores nas fundações, trocando experiências e criando propostas para superar dificuldades No primeiro dia do 31º Confies, foram realizados encontros específicos de profissionais, nas categorias procuradores, comunicadores e contadores. Cada um dos encontros foi marcado pelo debate das questões enfrentadas pelas respectivas classes em seu dia a dia. Dentre os encontros, destacou-se o de contadores, que foi realizado pela primeira vez e contou com 21 participantes, um número expressivo para o primeiro encontro. Marcado pelas palestras sobre novidades na área tributária com Jairo Brito, o encontro concluiu que existe uma forte necessidade de tornar públicas as prestações de contas das fundações. A uniformização do processo de produção contábil já está entre as metas da Comissão de Pronunciamentos Contábeis e as fundações também são afetadas pelo processo de convergência, explicou a relatora Alexsandra Araújo, contadora da Fade/UFPE. 18

19 Refletindo a atuação ainda tímida da comunicação nas fundações de apoio, o encontro dos comunicadores contou, em sua maioria, com profissionais de outras formações, demonstrando o quanto as fundações ainda precisam investir na elaboração de planos de comunicação interna. O jornalista Fabrício Mazocco, da FAI/UFSCAR foi o relator do encontro, e em sua apresentação reforçou que a comunicação é uma forma de se chegar à sociedade e que as fundações precisam definir seu público. Além disso, destacou a importância do portal Olá, Muito Prazer, ferramenta online para a troca de arquivos e conteúdo entre as fundações do país. A jornalista Manuella Garcia, da Fiotec explicou: a ideia é que o portal funcione como uma Intranet entre as fundações. Teremos redes de notícias, espaço de wiki para ser construído de forma colaborativa, espaço para downloads e fórum para discussões. Para que as informações das fundações sejam postadas no site, é necessário preencher o formulário no próprio portal (.http://www.projetoolamuitoprazer.com.br/). O monitoramento inicial será feito pela Fiotec, posteriormente a administração será compartilhada entre as fundações.entre as propostas dos comunicadores para os anos seguintes, está a criação de um Fórum Anual de Comunicadores, no intuito de fortalecer a atuação da categoria. O encontro dos procuradores contou com a presença de muitos profissionais dos setores jurídicos que se debruçaram sobre o novo Marco Regulatório das Fundações, a Lei /2013 que alterou a lei das fundações. Entre as alterações está a modificação nas aquisições e contratações dos projetos de obras e serviços e também o fato de que os recursos públicos e privados serão regidos sob a mesma forma, esclareceu a secretária do Colégio de Procuradores do Confies e relatora do encontro, Rebeca Pernambuco, da Fade/UFPE. Ela ainda elucidou que a proposta é para que as aquisições sejam facilitadas, sendo necessária uma prévia cotação no mercado. Além disso, cada processo conterá documentos relativos à cotação prévia, elementos que definam a escolha do fornecedor; documentos comprobatórios da regularidade fiscal da contratada; comprovação do recebimento da mercadoria e documentos comprobatórios do pagamento ao fornecedor, detalhou. 19

20 Os encontros foram de extrema importância para os setores profissionais, que puderam tanto aprender com exemplos de ações realizadas em outras fundações quanto fortalecer suas corporações para propor atividades integradas. 20

21 Resultados Gerais do Encontro Nacional: O evento foi avaliado como excelente por 95,9% do público, que, inclusive, indicaria o evento para outras fundações. Sugestões: Melhor interação entre os participantes. Maior tempo para as palestras. Oficinas para contadores; Tempo maior para palestra de auditoria. Inserir Controladoria no Terceiro Setor no próximo encontro; Maior carga horária; Manter a programação para os próximos anos. Montar colegiado de contadores para padronizar e subsidiar a gestão contábil das fundações; Mais dias. Um encontro nacional apenas para contadores; Apostila para as apresentações; Criar um comitê para discutir e encaminhar as questões contábeis para o Confies. Que nas próximas edições, haja encontro dos contadores todos os dias do evento. Promover reuniões de mudança na área e manter o encontro nas próximas edições; Focar no cumprimento das obrigações acessórias; Criar encontros regionais de contadores. Criar Fóruns de debates. Criar um setor de comunicação; Apresentação de cases. Impacto na Mídia Notícia no site da UFPE; Notícia no site da Fade-UFPE; Notícia no site das demais Fundações de Apoio afiliadas ao Confins. 21

22 Perspectivas de atuação de trabalho para 2014 Durante o ano de 2014, a atual diretoria do Confies, presidida pela Profª Suzana Montenegro, dará continuidade aos projetos já consolidados no primeiro ano da gestão, como o Des+envolver Confies, além de estimular a realização de fóruns regionais. O Plano de Comunicação também está entre as prioridades da gestão, que está implementando o projeto Olá, Muito Prazer, no intuito de integrar as fundações afiliadas em uma plataforma única, permitindo troca de informações em tempo real. A atuação do Confies junto ao Colégio de Procuradores em prol de melhoras na legislação que rege o regime de contração, bolsas e compras das fundações também está entre as prioridades da gestão. 22

Política de. [ comunicação] Forluz

Política de. [ comunicação] Forluz Política de [ comunicação] Forluz Índice Apresentação...4 Missão da Forluz...5 Condições para aplicação deste documento...6 Objetivos da Política de Comunicação...7 Diretrizes da Política de Comunicação...8

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital.

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse terá suas etapas e prazos muito bem definidos, garantindo um processo

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO Brasília, 11 de setembro de 2010 TEMA 1 DIRETRIZES E HORIZONTES DA RELAÇÃO POLÍTICA E INSTITUCIONAL DO SISTEMA COOPERATIVISTA 1.1 - FORTALECER A REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Inserir Timbre do Evento

Inserir Timbre do Evento Relatório do 31º Encontro Nacional das Fundações de Apoio às Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa Tecnológica CONFIES 2013 O 31º Encontro Nacional das Fundações de Apoio às Instituições de Ensino

Leia mais

Projeto Empreendedores Cívicos

Projeto Empreendedores Cívicos Projeto Empreendedores Cívicos I. Conceito Empreendedores Cívicos são agentes de inovação social que fomentam e promovem transformações positivas em benefício da coletividade rumo a um Brasil Sustentável.

Leia mais

Plano de trabalho ABMES 2013

Plano de trabalho ABMES 2013 1. Apoio às IES de pequeno porte (eventos presenciais e a distância) Diretoria, Assessoria, Consultores e IES apoiadoras Realizar seminário na com o objetivo de identificar a situação atual das PMIES Contratar

Leia mais

Programa de Capacitação Gerente Municipal de Convênios e Contratos - GMC

Programa de Capacitação Gerente Municipal de Convênios e Contratos - GMC Programa de Capacitação Gerente Municipal de Convênios e Contratos - GMC Programa de Capacitação - Gerente Municipal de Convênios e Contratos 1 Gerente Municipal de Convênios e Contratos OBJETIVOS GERAIS:

Leia mais

Projeto Corporativo Relacionamento Externo. Apresentação RIALIDE

Projeto Corporativo Relacionamento Externo. Apresentação RIALIDE Projeto Corporativo Relacionamento Externo // 1 Apresentação RIALIDE 25 de novembro de 2014 1 Agenda // 2 Contextualização e Objetivos do Projeto Abordagem Metodológica Etapas do Projeto Benchmarking Segmentação

Leia mais

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2º semestre 2014

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2º semestre 2014 Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2º semestre 2014 Sobre a FNQ História Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ)

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar Ambiente virtual para inovar Secti lança Portal Paraense de Inovação para conectar atores estratégicos e aumentar investimento em inovação no Pará Por Igor de Souza Ana possui uma promissora empresa de

Leia mais

CARTA DE APRESENTAÇÃO

CARTA DE APRESENTAÇÃO 2 CARTA DE APRESENTAÇÃO Todos nós idealizamos planos, projetos, mudanças e perspectivas de novas realizações. Para atingirmos esses objetivos precisamos constituir nossas ações com persistência, entusiasmo

Leia mais

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL 2015 PROJETO BRA/11/023 Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Fundação Habitacional do Exército. José Ricardo GODINHO Rodrigues

Fundação Habitacional do Exército. José Ricardo GODINHO Rodrigues Fundação Habitacional do Exército José Ricardo GODINHO Rodrigues MAPEAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS A 18 de Fundação novembro 1980 POUPEX Habitacional Lei nº. 6.855 Instituição Criada pela pública FHE

Leia mais

Histórico 2006/ 2010

Histórico 2006/ 2010 Histórico 2006/ 2010 Programa Na Mão Certa O Programa Na Mão Certa, uma iniciativa da Childhood Brasil, que tem como objetivo reunir esforços para mobilizar governos, empresas e organizações da sociedade

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 PÚBLICO-ALVO DA GESTÃO ESTRATÉGICA... 4 4 INFORMAÇÕES SOBRE O MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DO TCE/RN... 5 4.1 DIRECIONADORES ESTRATÉGICOS... 5 4.2 OBJETIVOS

Leia mais

Projeto GT de Empresas do Pacto Empresarial pela Integridade e contra a Corrupção

Projeto GT de Empresas do Pacto Empresarial pela Integridade e contra a Corrupção Projeto GT de Empresas do Pacto Empresarial pela Integridade e contra a Corrupção O Pacto Empresarial pela Integridade e Contra a Corrupção Com 3 anos de existência, a secretaria executiva do Pacto Empresarial

Leia mais

PROPOSTA DE PATROCÍNIO 2015

PROPOSTA DE PATROCÍNIO 2015 VII Congresso de Reestruturação e Recuperação de Empresas PROPOSTA DE PATROCÍNIO 2015 LOCAL: HOTEL RENAISSANCE - SP A TMA Brasil TMA Brasil é o capítulo brasileiro da Turnaround Management Association,

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO DA REDE SOCIAL BRASILEIRA POR CIDADES JUSTAS & SUSTENTÁVEIS

PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO DA REDE SOCIAL BRASILEIRA POR CIDADES JUSTAS & SUSTENTÁVEIS PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO DA REDE SOCIAL BRASILEIRA POR CIDADES JUSTAS & SUSTENTÁVEIS Brasília, 09 e 10 de abril de 2015 INESC - Sec. Ex. Movimento Nossa Brasília Moderação: TaEana Spíndola Essência

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes MISSÃO Somos uma rede nacional escoteira de

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Fundação Habitacional do Exército. José Ricardo GODINHO Rodrigues

Fundação Habitacional do Exército. José Ricardo GODINHO Rodrigues Fundação Habitacional do Exército José Ricardo GODINHO Rodrigues MAPEAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS Caso de sucesso na Fundação Habitacional do Exército FHE Desafios e lições aprendidas Resultados gerados

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira

Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira CONHECENDO O FNDE O FNDE é uma Autarquia Federal vinculada ao Ministério da Educação. Sua missão é prestar

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa busca a modernização e a ampliação das ações e dos instrumentos de Comunicação para atender às necessidades de divulgação e alinhamento de informações

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil.

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil. A ABEMD, Associação Brasileira de Marketing Direto, é uma entidade civil, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e constituída por pessoas jurídicas e físicas interessadas na aplicação de estratégias e técnicas

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 A proposta de plano de comunicação elaborada pela Coordenação- Geral de Comunicação e Editoração

Leia mais

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

Fundação de Apoio a Pesquisa - FUNAPE. Plano de Gestão. Plano de Trabalho e Proposta Orçamentária. Aprovado pelo CD em 29/10/2015

Fundação de Apoio a Pesquisa - FUNAPE. Plano de Gestão. Plano de Trabalho e Proposta Orçamentária. Aprovado pelo CD em 29/10/2015 Fundação de Apoio a Pesquisa - FUNAPE Plano de Gestão 2016 Plano de Trabalho e Proposta Orçamentária Aprovado pelo CD em 29/10/2015 Sumário 1 Apresentação 3 2 Metodologia 4 3 Plano de Trabalho_2016 5 3.1

Leia mais

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade 1. Justificativa Geral A Declaração do Milênio deixa clara a importância da participação social ao considerar

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 VISÃO GERAL Objetivo 1 - No âmbito da seção escoteira, apoiar a correta aplicação do método escoteiro, em especial as práticas democráticas previstas

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2014

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2014 Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2014 Sobre a FNQ História Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) procura

Leia mais

MISSÃO VALORES VISÃO OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

MISSÃO VALORES VISÃO OBJETIVOS ESTRATÉGICOS MISSÃO Representar, defender, integrar e dignificar a categoria, assegurando direitos e prerrogativas, garantindo a sua atuação e fortalecendo a importância do tributo na construção de uma sociedade justa,

Leia mais

Plano de Ação da CPA

Plano de Ação da CPA Centro Universitário do Estado do Pará - CESUPA Plano de Ação da CPA Ano 2014 CPA/CESUPA 2014 C o m i s s ã o P r ó p r i a d e A v a l i a ç ã o C P A / C E S U P A APRESENTAÇÃO O plano de ações da CPA

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

Planejamento Estratégico 2007 2008. Quatro Projetos da Equipe 1

Planejamento Estratégico 2007 2008. Quatro Projetos da Equipe 1 Planejamento Estratégico 2007 2008 Objetivo Estratégico: Estimular criação / desenvolvimento e fortalecimento de programas estaduais e setoriais. Quatro Projetos da Equipe 1 revisão em 26/09/2007 Missão:

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

CXXVI Reunião Ordinária Conselho Pleno das Andifes. Temas: Lei 12.863/2013 e Lei 12.813/2013

CXXVI Reunião Ordinária Conselho Pleno das Andifes. Temas: Lei 12.863/2013 e Lei 12.813/2013 CXXVI Reunião Ordinária Conselho Pleno das Andifes Temas: Lei 12.863/2013 e Lei 12.813/2013 Funções da Controladoria-Geral da União 1) Ações de Controle Orientação Auditoria Fiscalização 2) Correição 3)

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. Foz do Iguaçu, Junho/2012

Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. Foz do Iguaçu, Junho/2012 Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores Foz do Iguaçu, Junho/2012 Trajetória 1984 Iniciativa CNPq 1987 Criação da ANPROTEC 1994 Plano Real 2001 II Conferência CTI 2007

Leia mais

NOSSA MISSÃO NOSSA ASPIRAÇÃO NOSSOS CLIENTES

NOSSA MISSÃO NOSSA ASPIRAÇÃO NOSSOS CLIENTES NOSSA MISSÃO Estimular e apoiar as organizações para o desenvolvimento e evolução de sua gestão, por meio da disseminação dos Fundamentos e Critérios de Excelência, para que se tornem sustentáveis, cooperativas

Leia mais

A Produção Animal Frente as Mudanças Climáticas e Tecnológicas

A Produção Animal Frente as Mudanças Climáticas e Tecnológicas A Produção Animal Frente as Mudanças Climáticas e Tecnológicas Prodigy Beach Resort & Conventions Aracaju Barra dos Coqueiros-SE, 29 de julho a 01 de agosto de 2014 www.sbz2014.org.br PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF A estrutura administrativa do Senado Federal está dividida em três áreas que compreendem os órgãos superiores de execução, órgãos de assessoramento superior e órgão supervisionado. Conheça a estrutura

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar:

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar: Introdução É grande a parcela da população das nações mais desenvolvidas do mundo que está se organizando em sociedades e associações civis que defendem interesses comuns. Essas pessoas já perceberam que

Leia mais

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil ONG BRASI 2012 O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Dezembro de 2013 3 EXPEDIENTE Presidenta

Leia mais

Auditoria SUS/BA Organograma proposto DIRETORIA GERAL Assessoria Técnica Colegiado Diretoria de Auditorias de Sistemas e Serviços Diretoria de Gestão e Desenvolvimento Coordenação I Coordenação II

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

MÍDIA KIT C O M U N I C A Ç Ã O I N T E G R A D A CONTEÚDOS INTEGRADOS EM TODOS OS CANAIS DE COMUNICAÇÃO: Redes Sociais

MÍDIA KIT C O M U N I C A Ç Ã O I N T E G R A D A CONTEÚDOS INTEGRADOS EM TODOS OS CANAIS DE COMUNICAÇÃO: Redes Sociais C O M U N I C A Ç Ã O I N T E G R A D A MÍDIA KIT 2015 CONTEÚDOS INTEGRADOS EM TODOS OS CANAIS DE COMUNICAÇÃO: Impresso Web Tablets Smartphones Apps Parceiros Estratégicos Portal da ABF Mailing Exclusivo

Leia mais

PREFEITURA DE RIO BRANCO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO - RBPREV. Programa de Capacitações Exercicio de 2015

PREFEITURA DE RIO BRANCO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO - RBPREV. Programa de Capacitações Exercicio de 2015 Prefeitura Municipal de Rio Branco RBPREV Programa de Capacitações Exercicio de 2015 Equipe do RBPREV Raquel de Araújo Nogueira Diretora-Presidente Maria Gecilda Araújo Ribeiro Diretora de Previdência

Leia mais

FORMULÁRIO RELATO DA INICIATIVA INOVADORA 1

FORMULÁRIO RELATO DA INICIATIVA INOVADORA 1 Nome da iniciativa inovadora: FORMULÁRIO RELATO DA INICIATIVA INOVADORA 1 Painel de BI (Inteligência nos negócios) para publicação dos dados associados ao controle estadual Responsável pela Iniciativa

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

Difusão de Rede de. Conseguir equilíbrio orçamentário. Aumentar superávit com iniciativas e projetos

Difusão de Rede de. Conseguir equilíbrio orçamentário. Aumentar superávit com iniciativas e projetos MISSÃO Missão: Aperfeiçoar e difundir conceitos e práticas do uso de recursos privados para o desenvolvimento do bem comum VISÃO Ser referência global em investimento social privado até 2020 do Cliente

Leia mais

MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA

MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA Mudança da Marca e Posicionamento Esse boletim explicativo tem o objetivo de esclarecer suas dúvidas sobre a nova marca Evolua e de que forma ela será útil para aprimorar os

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO N. 162/2015 Institui o Regimento Interno da Escola Judicial Militar do Estado

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO ABLA

PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO ABLA PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO ABLA Programa Nacional de Capacitação e Qualificação ABLA Convênio nº 635/2007. Objeto: Aumentar a qualidade na prestação de serviços e competitividade dos

Leia mais

PORTARIA PGR/MPF Nº 918 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES

PORTARIA PGR/MPF Nº 918 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES PORTARIA PGR/MPF Nº 918 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 Institui a Política Nacional de Comunicação Social do Ministério Público Federal. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

PAINEL2: IMPORTÂNCIA DOSPARQUES TECNOLÓGICOS EINCUBADORAS PARA

PAINEL2: IMPORTÂNCIA DOSPARQUES TECNOLÓGICOS EINCUBADORAS PARA PAINEL2: IMPORTÂNCIA DOSPARQUES TECNOLÓGICOS EINCUBADORAS PARA ODESENVOLVIMENTOREGIONAL FÓRUMNACIONALCONSECTI PALMAS 31.03.2011 O modelo para promoção do empreendedorismo (inovador) em apoio ao desenvolvimento

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS

SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS GERÊNCIA DE PROGRAMAS E PROJETOS - GPP COMISSÃO DE ORGANIZAÇÃO, NORMAS E PROCEDIMENTOS TERMO DE ABERTURA PROJETO: Centro de Treinamento e Capacitação

Leia mais

Com André Luiz Freitas Leite

Com André Luiz Freitas Leite LEGISLAÇÃO E EXECUÇÃO DE Com André Luiz Freitas Leite 05 e 06 de Novembro de 2014 - Rio de Janeiro - RJ Apresentação: O curso enfoca as diversas etapas do SICONV Sistema de Gestão de Convênios e Contratos

Leia mais

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos RELATÓRIO OFICINA FNEPAS ESTADUAL MINAS GERAIS INTEGRALIDADE E QUALIDADE NA FORMAÇÃO E NAS PRÁTICAS EM SAÚDE: Integrando Formação, Serviços, Gestores e Usuários Local: COBEM Uberlândia Data: 22 de outubro

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

LEGISLAÇÃO E EXECUÇÃO DE

LEGISLAÇÃO E EXECUÇÃO DE LEGISLAÇÃO E EXECUÇÃO DE CONVÊNIOS SICONV E OBTV Carga Horária de 16 Horas 27 e 28 de Outubro Cuiabá - MT Apresentação: O curso enfoca as diversas etapas do SICONV Sistema de Gestão de Convênios e Contratos

Leia mais

Apresentação e contextualização do novo modelo de prestação de contas

Apresentação e contextualização do novo modelo de prestação de contas Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Diretoria Financeira Coordenação-Geral de Contabilidade e Acompanhamento de Prestação de Contas Apresentação e contextualização do novo modelo de prestação

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL 1.1. Histórico da Prática Eficaz A Estácio iniciou sua atividades em 1970 como Faculdade Estácio de Sá oferecendo o curso de Direito e, em

Leia mais

ÍNDICE. I) Introdução. Apresentação e Contextualização. II) O evento. Objetivo. Público-Alvo / Segmentos. Programação. III) O evento em 2013

ÍNDICE. I) Introdução. Apresentação e Contextualização. II) O evento. Objetivo. Público-Alvo / Segmentos. Programação. III) O evento em 2013 ÍNDICE I) Introdução Apresentação e Contextualização II) O evento Objetivo Público-Alvo / Segmentos Programação III) O evento em 2013 Dados Quantitativos Dados Qualitativos Fotos do evento IV) Meios de

Leia mais

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da 1 SUGESTÕES PARA UMA POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO COMITÊ DE POLÍTICAS DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO (CPCOM), REUNIÃO DE 30 DE MARÇO DE 2011 Redesenhado a partir da Constituição

Leia mais

MÍDIA KIT 2014/2015 C O M U N I C A Ç Ã O I N T E G R A D A CONTEÚDOS INTEGRADOS EM TODOS OS CANAIS DE COMUNICAÇÃO: Redes Sociais

MÍDIA KIT 2014/2015 C O M U N I C A Ç Ã O I N T E G R A D A CONTEÚDOS INTEGRADOS EM TODOS OS CANAIS DE COMUNICAÇÃO: Redes Sociais C O M U N I C A Ç Ã O I N T E G R A D A MÍDIA KIT 2014/2015 CONTEÚDOS INTEGRADOS EM TODOS OS CANAIS DE COMUNICAÇÃO: Impresso Web Tablets Smartphones Apps Parceiros Estratégicos Portal da ABF Mailing Exclusivo

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Brasília 2013 SUMÁRIO MOTIVAÇÃO DO RELATÓRIO... 3 INTRODUÇÃO... 3 INICIATIVAS DO SENADO FEDERAL PARA ADEQUAÇÃO À LEI DE

Leia mais

POR QUE SUA EMPRESA DEVE SE ASSOCIAR À AURESIDE? Filiação categoria BETA Empresas de projeto, integração e instalação

POR QUE SUA EMPRESA DEVE SE ASSOCIAR À AURESIDE? Filiação categoria BETA Empresas de projeto, integração e instalação POR QUE SUA EMPRESA DEVE SE ASSOCIAR À AURESIDE? Filiação categoria BETA Empresas de projeto, integração e instalação Representatividade A AURESIDE atua no Brasil desde o ano 2000 e tem participado de

Leia mais

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Programa de Fortalecimento e Barro Alto -

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

Política de Comunicação Fundação Luterana de Diaconia

Política de Comunicação Fundação Luterana de Diaconia Política de Comunicação Fundação Luterana de Diaconia Missão da FLD Apoiar e acompanhar programas e projetos de grupos organizados da sociedade civil que fortaleçam o protagonismo das pessoas e suas comunidades,

Leia mais

PLANO BÁSICO DE ORGANIZAÇÃO ABRAPP - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PLANO BÁSICO DE ORGANIZAÇÃO ABRAPP - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Aprovado na 135ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo, em 18 de dezembro de 2012 1 PLANO BÁSICO DE ORGANIZAÇÃO ABRAPP - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Aprovado

Leia mais

Gerência de Comunicacão

Gerência de Comunicacão Gerência de Comunicacão Quem somos? Representação política e institucional Representação sindical Educação cooperativista, promoção social e monitoramento Gecom Marketing Publicidade e propaganda Assessoria

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho Universitário

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho Universitário Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho Universitário PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ INTERESSADO: Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR ASSUNTO:

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais