LIGAÇÕES PARA ESTRUTURAS DE AÇO GUIA PRÁTICO PARA ESTRUTURAS COM PERFIS LAMINADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LIGAÇÕES PARA ESTRUTURAS DE AÇO GUIA PRÁTICO PARA ESTRUTURAS COM PERFIS LAMINADOS"

Transcrição

1 COLETÂE DO USO DO ÇO LIGÇÕES PR ESTRUTURS DE ÇO GUI PRÁTICO PR ESTRUTURS CO PERFIS LIDOS 3ª Eição 27

2 6 4 nx V COLETÂE DO USO DO ÇO 6 1 Variável LIGÇÕES PR ESTRUTURS DE ÇO GUI PRÁTICO PR ESTRUTURS CO PERFIS LIDOS V Variáv 3ª Eição 6 27 n x Oswalo Teixeira Baião Filho ntonio Carlos Viana Silva V

3 Consultoria: Gilson Queiroz Coorenação Técnica: Fernano Ottoboni Pinho Colaboração: Christiane irian Haa Djaniro Álvaro e Souza Luciano ntinossi Coreiro a ata Ronalo o Carmo Soares Rosângela C. Bastos artins Coorenação Gráfica: nréa Vicentin

4 P R E S E T Ç Ã O Definir as ligações os elementos estruturais é uma as principais etapas no estuo e elaboração e projetos e estruturas e aço, mais precisamente as que utilizam perfis laminaos. lém os aspectos técnicos relacionaos com resistência, qualiae e segurança, é importante levar em consieração que as ligações representam um importante componente no custo a estrutura. racionaliae tornase um fator e competitiviae que poe, inclusive, influenciar a escolha o sistema construtivo. É bom lembrar também que as ligações fazem parte o conjunto e elementos que compõe a estética a construção, principalmente nas estruturas aparentes. Para facilitar a elaboração os projetos, a Gerau çominas lança esta nova publicação técnica, ampliano o acervo estinao aos profissionais o segmento a construção em aço. Tratase e um guia prático, abrangeno os tipos e ligações mais usaos no mercao. Os esenhos, cálculos e recomenações inserias neste manual foram elaboraas e revisaas por profissionais renomaos e altamente qualificaos. Baseiamse nas melhores práticas e técnicas, contemplano situações e cargas específicas, para estruturas e aço projetaas com Perfis Gerau çominas. Os tipos e ligações emonstraos neste manual servem exclusivamente como referência. Sua utilização em projetos requer estuos e aequação pelo engenheiro responsável.

5 1 ITRODUÇÃO Objetivo Responsabiliae COSIDERÇÕES BÁSICS ormas utilizaas Principais uniaes utilizaas ateriais Disposições construtivas Campo e aplicação Tabelas e resistências e cálculo e parafusos LIGÇÕES FLEXÍVEIS CO CTOEIRS LCPP / LCSP Consierações gerais Verificações e cálculo Exemplos e utilização Fórmulas Tabelas e ligações flexíveis com cantoneiras LCPP Tabelas e ligações flexíveis com cantoneiras LCSP LIGÇÕES FLEXÍVEIS CO CHP DE EXTREIDDE LCHE Consierações gerais Verificações e cálculo Exemplo e utilização Fórmulas Tabelas e ligações flexíveis com chapa e extremiae LCHE LIGÇÕES FLEXÍVEIS CO CHP SIPLES LCHS Consierações gerais Verificações e cálculo Exemplo e utilização Fórmulas Tabelas e ligações flexíveis com chapa simples LCHS LIGÇÕES RÍGIDS CO CHPS DE CBEÇ PRFUSDS SSIÉTRICS LP Consierações gerais Verificações e cálculo Exemplos e utilização Fórmulas Tabelas e ligações rígias com chapas e cabeça parafusaa assimétricas LP...17

6 7 LIGÇÕES RÍGIDS SOLDDS SIÉTRICS LSS Consierações gerais Verificações e cálculo Exemplo e utilização Fórmulas Tabelas e ligações rígias solaas simétricas LSS LIGÇÕES RÍGIDS SIÉTRICS CO PERFIS "T" LIDOS LT/LTS Consierações gerais Verificações e cálculo Exemplo e utilização Fórmulas Tabelas e resistência o perfil "t" a tração LT Tabelas e resistência o perfil "t" a tração LTS EED DE PILRES E PERFIS GERDU ÇOIS EP 1/EP Consierações gerais Exemplos e utilização Tabelas para emenas e pilares em Perfis Gerau çominas EP Tabelas para emenas e pilares em Perfis Gerau çominas EP BSES ROTULDS DE PILRES E PERFIS GERDU ÇOIS PBR Consierações gerais Verificações e cálculo Exemplo e utilização Fórmulas Tabelas e bases rotulaas e pilares em Perfis Gerau çominas PBR BSES EGSTDS DE PILRES E PERFIS GERDU ÇOIS PBE Consierações gerais Verificações e cálculo Exemplo e utilização Fórmulas Tabelas e bases engastaas e pilares em Perfis Gerau çominas PBE LIGÇÕES ISTS LI Limitação e uso as ligações mistas paronizaas Cálculo rmauras Fórmulas Tabelas e ligações mistas LI EXOS Bibliografia omenclatura...317

7 6 4 nx V Variável ITRODUÇÃO V Variáv 6 n x V

8 1.1 OBJETIVO Este manual contém os tipos e ligação mais utilizaos entre Perfis Gerau çominas para a fabricação e estruturas metálicas. Testaas em laboratório e amplamente utilizaas, com resultaos práticos eviamente comprovaos, as iferentes ligações contias neste trabalho apresentam alto grau e confiabiliae, consieranose situações semelhantes e aplicação. paronização e a correta escolha o tipo e ligação são fatores que contribuem significativamente para a reução os custos e fabricação e montagem as estruturas metálicas. intenção este manual é oferecer aos profissionais a construção em aço, e forma prática e objetiva, parâmetros que facilitem a elaboração os projetos em toas as suas etapas, ese o cálculo até o etalhamento, bem como a sua execução. 1.2 RESPOSBILIDDE s ligações apresentaas nesta publicação foram calculaas e etalhaas e acoro com princípios e engenharia reconhecios e consagraos. pesar e serem baseaas em normas e tecnologias aceitas pela comuniae técnicocientífica internacional, as informações aqui contias servem exclusivamente como referência e evem ser sempre utilizaas por profissional habilitao e capaz e iscernir quanto à sua aplicabiliae em caa situação específica. Tal profissional será o responsável pela verificação, aequação e utilização no projeto final os conceitos e moelos inserios no manual. as verificações e resistência, não foram contemplaas as referentes aos elementossuportes one se apóiam os perfis com suas respectivas ligações. Salientase, entretanto, que as verificações os elementossuportes são inispensáveis e precisam ser criteriosamente analisaas pelo engenheiro responsável. Os esforços máximos mostraos nas tabelas este manual evem ser comparaos com os esforços solicitantes e cálculo, eterminaos com as ações multiplicaas pelos respectivos coeficientes e poneração, conforme estabelecio pela BR 88. 9

9 6 4 nx V Variável COSIDERÇÕES BÁSICS V Variáv 6 n x V

10 2 COSIDERÇÕES BÁSICS 2.1 ORS UTILIZDS ssociação Brasileira e ormas Técnicas BR 88 "Projeto e Execução e Estruturas e ço e Eifícios" étoo os Estaos Limites merican Institute of Steel Construction "Loa & Resistance Factor Design" Volumes 1 e 2 Seguna Eição. merican Weling Society WS D1.1. "Structural Weling Coe" 1996 merican Society for Testing an aterials High Strength Bolts for Structural Steel Joints ST PRICIPIS UIDDES UTILIZDS Comprimento: cm, mm 2 Área: cm 4 omento e inércia: cm 3 óulo e resistência elástico: cm 3 óulo e resistência plástico: cm Raio e giração: cm Força : k 2 Tensão: k/cm Deslocamento: cm 2.3 TERIIS PERFIS GERDU ÇOIS ST 572 Grau 5 Cantoneiras laminaas Chapas e ligação Parafusos ST 325 tipo 1 Eletroos E 7XX Barras e armaura C 5 Concreto f =2 Pa γ=24 k/m ck c 3 Conectores e cisalhamento: tipo Stu, ateneno às exigências a BR 88/86. 13

11 2.3.1 Compatibiliae e ateriais Devem ser tomaas precauções na utilização e iferentes aços na concepção a mesma ligação. Por exemplo, evese evitar a utilização e elementos com iferentes composições químicas (aços patináveis com aços carbono), sob o risco e que, em certas conições ambientais, ocorra corrosão galvânica. Esse tipo e ataque intensificará a egraação o material menos nobre, que nesse caso é o aço carbono (seja ele ou ST 572). utilização e aços e baixa liga e alta resistência, tais como o ST 572 Grau 5, implica no emprego e parafusos ST 325 Tipo 1, enquanto que, para os aços patináveis, evemos utilizar obrigatoriamente parafusos ST 325 Tipo 3 Grau. Com relação aos eletroos revestios evese utilizar, para os aços e baixa liga e alta resistência tais como o ST 572 Grau 5, eletroos o tipo E 7XX. Para os aços patináveis os eletroos o tipo E 718W ou E 718G são necessários. 2.4 DISPOSIÇÕES COSTRUTIVS Parafusos São utilizaos os seguintes iâmetros e parafusos e alta resistência ST 325: 16 mm (5/8"), 19 mm (3/4"), 22 mm (7/8") e 25 mm (1") Furos para Parafusos São utilizaos os seguintes iâmetros e furos para parafusos: Furo com iâmetro 18 mm para parafusos ø 5/8" Furo com iâmetro 21 mm para parafusos ø 3/4" Furo com iâmetro 24 mm para parafusos ø 7/8" Furo com iâmetro 27 mm para parafusos ø 1" Espaçamento entre Furos otase preferencialmente o espaçamento parão e 6 mm entre furos para parafusos ø 5/8" e e mm para os emais Distância o Furo à Bora otase preferencialmente, a istância e 3 mm o furo à bora para parafusos ø 5/8" e e 4 mm para os emais Gabarito e Furação para Cantoneiras otase o gabarito e 45 mm para as cantoneiras L 76 x 76 x 6,4 e e 65 mm para as cantoneiras L 12 x 12 x 8,. 14

12 2.4.6 Recortes em Vigas Os recortes nas abas superiores as vigas, quano necessários, foram aotaos preferencialmente com altura e comprimento as interferências acrescios e 1 mm. 2.5 CPO DE PLICÇÃO Toos os esforços e cálculo aos nas tabelas e ligações paronizaas são para cargas estáticas. 2.6 TBELS DE RESISTÊCIS DE CÁLCULO DE PRFUSOS COFORE BR 88/86 Tabela 1 Resistência e cálculo à tração e parafusos ST 325, OT: Limite e resistência à tração o aço o parafuso: f Diâmetro nominal o parafuso,, pol. 5/8 3/4 7/8 1 Área nominal o parafuso, cm² 1,98 2,85 3,88 5,7 Resistência e cálculo," φr " nt, k 91,9 132,3 18,1 235,3 Diâmetro nominal o parafuso,, pol. Área nominal o parafuso, cm² 5/8 1,98 Resistência e cálculo," φr v nv", k 44,6 > 82,5 k/cm². Tabela 2 Resistência e cálculo ao cisalhamento simples e um parafuso ST 325, o caso e cisalhamento uplo (quano um parafuso contém uas seções e corte) a resistência e caa parafuso será o obro o valor obtio na tabela. Limite e resistência à tração o aço o parafuso: f > 82,5 k/cm². up 3/4 2,85 64,2 7/8 3,88 87,4 114,2 Tabela 3 Resistência e cálculo ao esmagamento com rasgamento entre furos parão,, consierano a espessura a chapa igual a 1 cm e a istância entre parafusos, "s", igual a 3, vezes o iâmetro "" o parafuso OT: Para espessuras iferentes e 1 cm, a resistência e cálculo será o prouto o valor a tabela 3 pela espessura (em cm) a chapa. Diâmetro nominal o parafuso,, pol. 5/8 3/4 7/ ,7 ço 114,3 137,2 16, 182,9 ço ST 572 Grau 5 128,6 154,4 18, 25,8 up Tabela 4 Resistência e cálculo ao esmagamento com rasgamento entre furos parão e bora,, consierano a espessura a chapa igual a 1 cm e a istância entre furo e bora, "e", igual a 1,5 vezes o iâmetro "" o parafuso OT: Para espessuras iferentes e 1 cm, a resistência e cálculo será o prouto o valor a tabela 4 pela espessura (em cm) a chapa. Diâmetro nominal o parafuso,, pol. 5/8 3/4 7/8 1 ço ço ST 572 Grau 5 71,4 85,7 1, 114,3 8,3 96,4 112,5 128,6 15

13 6 4 nx V Variável LIGÇÕES FLEXÍVEIS CO CTOEIRS LCPP / LCSP V Variáv 6 n x V

14 3 LIGÇÕES FLEXÍVEIS CO CTOEIRS LCPP/LCSP 3.1 COSIDERÇÕES GERIS este manual são previstos ois tipos e ligações flexíveis com cantoneiras: (a) Ligação com uas cantoneiras parafusaas nas uas abas LCPP (ver figura 1.a) (b) Ligação com uas cantoneiras solaas na viga apoiaa e parafusaas no elemento suporte, viga ou pilar LCSP (ver figura 1.b) (a) (b) Disposições Construtivas Figura 1 Ligações Flexíveis com Cantoneiras Para os ois tipos e ligações mencionaos, consieramse as seguintes situações: (a) Viga sem recorte (ver figura 2.a) (b) Viga com um recorte na aba superior (ver figura 2.b) (c) Viga com ois recortes (ver figura 2.c) as ligações mostraas nas fig. 2.b e 2.c, os cantos reentrantes os recortes evem ter um raio e arreonamento mínimo e aproximaamente 12 mm. (a) (b) (c) Figura 2 Recortes nas extremiaes as vigas Para os Perfis W 15 e W 2, a ligação é centraa na viga apoiaa, com espaçamento e 6 mm entre os parafusos e istância e 3 mm o furo à bora a cantoneira. Para os emais Perfis (W 25 a W 61) a istância a face superior a viga apoiaa até o primeiro furo é e mm, o espaçamento entre furos é e mm e a istância o furo à bora a cantoneira é e 4 mm. 19

15 Para os Perfis W 15 e W 2 foram utilizaos parafusos e 16 mm (5/8 ) e cantoneiras L 76 x 76 x 6,4; para os Perfis W 25, W 31, W 36, W 41, W 46 e W 53 foram utilizaos parafusos e 19 mm (3/4 ) e cantoneiras L 76 x 76 x 6,4 e para os Perfis W 61 foram utilizaos parafusos e 22 mm (7/8 ) e cantoneiras L 12 x 12 x 8,. quantiae e parafusos utilizaa para caa tipo e Perfil foi efinia em função a altura a seção, consieranose que: o comprimento a cantoneira eve ser igual ou superior à metae a altura a seção; a istância o furo superior até a face superior a viga eve ser igual ou inferior à istância o furo inferior até a face inferior a viga. a istância entre a extremiae a viga apoiaa e a face externa as cantoneiras é e 1 mm Limitações Para a verificação e flambagem a alma a viga apoiaa, na região a ligação, o maior recorte horizontal previsto é L = 17 mm. hmax força normal e cálculo tabelaa,, é consieraa no centro a ligação, prouzino, portanto, momento fletor na viga apoiaa. 3.2 VERIFICÇÕES DE CÁLCULO Ligação com Duas Cantoneiras Parafusaas nas Duas bas LCPP Corte os parafusos Esmagamento e rasgamento nas cantoneiras Esmagamento sem rasgamento Esmagamento com rasgamento entre ois furos Esmagamento com rasgamento entre furo e bora Esmagamento e rasgamento na alma a viga apoiaa Esmagamento sem rasgamento Esmagamento com rasgamento entre ois furos Esmagamento com rasgamento entre furo e bora Cisalhamento a cantoneira Escoamento a seção bruta Ruptura a seção líquia Cisalhamento a alma a viga apoiaa Viga sem recorte > Escoamento a seção bruta > Ruptura a seção líquia Viga com um recorte > Escoamento a seção bruta > Ruptura a seção líquia 2

16 Viga com ois recortes > Escoamento a seção bruta > Ruptura a seção líquia Colapso por rasgamento as cantoneiras ("block shear") Colapso por rasgamento a alma a viga apoiaa ("block shear") Início e escoamento a seção bruta evio à tensão normal e flexão no Perfil recortao Flambagem local a alma a viga apoiaa na região o recorte Determinação e que, em conjunto com 5% e V, provoca a plastificação as cantoneiras Ligação com Duas Cantoneiras Solaas em uma ba e Parafusaas na Outra LCSP Corte os parafusos Esmagamento e rasgamento nas cantoneiras Cisalhamento a cantoneira Cisalhamento a alma a viga apoiaa Colapso por rasgamento as cantoneiras ("block shear") Colapso por rasgamento a alma a viga apoiaa ("block shear") Início e escoamento a seção bruta evio à tensão normal e flexão no Perfil recortao Flambagem local a alma a viga apoiaa na região o recorte Determinação e, que, em conjunto com 5% e V, provoca a plastificação as cantoneiras Verificação a sola as cantoneiras 21

17 3.3 EXEPLOS DE UTILIZÇÃO Exemplo LCPP Determinar a ligação que everá ser utilizaa, para uma viga W 36 x 51,, cuja reação vertical e cálculo é e 22 k (CP = 8 k; SOB = 6 k). viga, que não está sujeita a esforços e tração ou compressão, apoiase em outra viga W 53 x 92,. Solução: V = 8 x 1,4 + 6 x 1,5 = 22 k Dimensões o W 53 x 92,: b = 29 mm;t = 15,6 mm;t = 1,2 mm f f w Observase que na tabela LCPP que contém o Perfil W 36 x 51, e 3 ø 3/4" para caa aba e cantoneira, temse: Viga com um recorte (superior), L = 13 mm > 99 mm, hmax Exemplo LCSP SOLUÇÃO: V = 1 x 1,4 + 7 x 1,5 = 245 k L = 3 mm > 26 mm vmax V = 257 k, que é superior ao esforço atuante e cálculo, 22 k. (Ok) max Determinar a ligação que everá ser utilizaa para uma viga W 36 x 39,, cuja reação vertical e cálculo é e 245 k (CP = 1 k; SOB =7 k) e que se apoia em outra viga W 36 x 39,. Dimensões o Perfil W 36 x 39,: b = 128 mm; t = 1,7 mm; t = 6,5 mm f f w Quano uma viga é apoiaa em outra e mesma altura, concluise que esta terá ois recortes (superior e inferior): a tabela LCSP, que contém o Perfil W 36 x 39,, temse: Viga com ois recortes: L = 8 mm > 61 mm, L = 3 mm > 21 mm, V = 32 k > 245 k (Ok) hmax vmax max 22

18 3.4 FÓRULS Disposições Construtivas Para os ois tipos e ligações mencionaos, consieramse as seguintes situações: > Viga sem recorte > Viga com um recorte na aba superior > Viga com ois recortes Formulário Utilizao (imensões: k, cm) Formulário utilizao para o cálculo a ligação flexível com uas cantoneiras parafusaas nas uas abas LCPP e com uas cantoneiras solaas em uma aba e parafusaas na outra LCSP Caso 1: Sem força normal na viga apoiaa resistência e cálculo a ligação à força cortante é o menor valor obtio com base nos seguintes itens: Corte os parafusos φr = 2 x,65 x,42 f n p up p Esmagamento e rasgamento nas cantoneiras Esmagamento sem rasgamento φr = 2 x, x 2,4 t f n c uc p Esmagamento com rasgamento entre ois furos φr = 2 x, [(s/),5] t f n c uc p Esmagamento com rasgamento entre furo e bora φr = 2 x, e t f n c uc p Esmagamento e rasgamento na alma a viga apoiaa Esmagamento sem rasgamento φr =, x 2,4 t f n w u p Esmagamento com rasgamento entre ois furos φr =, [(s/),5] t f n w u p Esmagamento com rasgamento entre furo e bora φr =, e t f n w u p 23

19 Cisalhamento a cantoneira Escoamento a seção bruta φr = 2 x,9 x,6 f L t n yc c c Ruptura a seção líquia φr = 2 x, x,6 x f [L ( +,2)] t n uc c p h c Cisalhamento a alma a viga apoiaa Viga sem recorte Escoamento a seção bruta φr =,9 x,6 f H t n y w Ruptura a seção líquia φr =, x,6 f [H ( +,2)] t n u p h w Viga com um recorte Escoamento a seção bruta φr =,9 x,6 f (H L ) t n y v w Ruptura a seção líquia φr =, x,6 f [(H L ) ( +,2)] t n u v p h w Viga com ois recortes Escoamento a seção bruta φr =,9 x,6 f (H 2L ) t n y v w Ruptura a seção líquia φr =, x,6 f [(H 2L ) ( +,2)] t n u v p h w Colapso por rasgamento as cantoneiras ("block shear") Consierano que nos casos calculaos,6 f uc f uc ntc temse : nvc é sempre maior que φr = 2 x, [(,6 f ) + f ] < 2 x, [(,6 f ) + f ] n uc nvc yc gtc uc nvc uc ntc em que: = [( 1) s + e] t gvc p c = (,5) ( +,2) t nvc gvc p h c = [b g] t gtc a c =,5 ( +,2) t ntc gtc h c 24

20 Colapso por rasgamento a alma a viga apoiaa ("block shear"), para vigas com recorte Consierano que nos casos calculaos,6 f uc nvw é sempre maior que f uc ntw temse : φr =, [(,6 f ) + f ] <, [(,6 f ) + f ] n u nvw y gtw u nvw u ntw em que: gvw = (L c 2e + y a L v ) tw nvw = gvw [( p,5) ( h +,2)] t w gtw = (g 1,) t w ntw = gtw,5 ( h +,2) tw Início e escoamento a seção bruta evio à tensão normal ecorrente a flexão no Perfil recortao Viga com um recorte φr = (,9 f W ) / (L + 1,) n y xs h Viga com ois recortes φr = (,9 f W ) / (L +1,) n y 1 h Flambagem local a alma a viga apoiaa na região o recorte a De acoro com ISC 2 E. LRFD vol. II páginas a Para viga com ois recortes: Para Perfis W 15, W 2, W 25 e W 31 foi consierao recorte apenas e 8 mm. Para Perfis W 36, W 41, W 46 e W 53 foram consieraos recortes e 8 mm e 13 mm. Para Perfis W 61 foram consieraos recortes e 8 mm, 13 mm e 17 mm. em que: φr = (φf W ) / (L + 1,) n bc 1 h 2 φf bc = 359 [t w /(L h h o)] [3,5 7,5 (L v / H)] h o = H 2 Lv 25

21 Para viga com um recorte: Com a limitação: em que: _ L < h h φr = (φf W ) / (L + 1,) n bc xs h 2 φf bc = 1665 (t w / h o) f K h o = H Lv f = 2 (L / H) h K = 2,2 (h / L ) o h 1,65 Verificação a sola as cantoneiras (Somente para LCSP) a De acoro com a tabela 842 o ISC LRFD 2 eição, volume II, que etermina a resistência e solas solicitaas excentricamente pelo métoo o centro instantâneo e rotação Ruptura a sola L c R = c b (sola) nφ 4,54 x 2, ,54 Escoamento o metal base junto à sola L c R = c b (sola) nφ 4,54 x 2 x,8748, ,54 Caso 2: Com força normal na viga apoiaa Determinação e, com 5% e V Consierase uma força cortante e cálculo equivalente à metae o valor V obtio no caso 1 e a partir aí eterminase o valor e Consierase uma parte central a espessura t e caa cantoneira estinaa c exclusivamente à força cortante e cálculo V, ficano a parte restante a espessura estinaa a resistir exclusivamente aos efeitos a força normal na viga apoiaa. V z = Q / 2 L c one Q = 5% o valor máximo a força cortante que a ligação resiste, obtia no caso 1. 26

22 t = V / (,54 f ) c z yc (V ) =,54 f (t t ) o x yc c c ( ) =,255 f (t t ) (t + t ) o z yc c c c c () = [(V) (G t R)] / 2 z x c Obeeceno à equação e interação e Drucker, temse: () z + (V) x ( o ) z (V o ) x = L x 2 (V) c x 4 = 1 27

23 3.5 TBELS DE LIGÇÕES FLEXÍVEIS CO CTOEIRS LCPP Variável 45 CTOEIR: W 15 x 13, W 15 x 18, W 15 x 24, L 76 x 76 x 6,4 x nx6 25 V PRFUSOS: 2 ø 5/8" ø 5/8" LCPP 2 LCPP 21 LCPP 22 L h L h L v L v 1 Dimensões em mm. 2 Os valores tabelaos são referentes às resistências e cálculo as ligações, conforme BR Verificar obrigatoriamente o elemento suporte. 4 s vigas evem ser verificaas à flambagem lateral consierano obrigatoriamente os recortes na região a ligação. L (max) = 2 mm L v L h L (max) = 2 mm n Perfis V L h(max) L h(max) Sem recortes W 15 x 13, W 15 x 18, W 15 x 24,

24 L I G Ç Ã O : L C P P W 2 x 15, W 2 x 19,3 45 Variável CTOEIR: W 2 x 22,5 W 2 x 26,6 W 2 x 31,3 L 76 x 76 x 6,4 x nx 3 V PRFUSOS: 2 ø 5/8" 325 ou 2 ø 3/4" ø 5/8" 325 ou 4 ø 3/4" LCPP 2 LCPP 21 LCPP 22 L h L h L v L v 1 Dimensões em mm. 2 Os valores tabelaos são referentes às resistências e cálculo as ligações, conforme BR Verificar obrigatoriamente o elemento suporte. 4 s vigas evem ser verificaas à flambagem lateral consierano obrigatoriamente os recortes na região a ligação. L (max) = 3 mm L v L h L (max) = 2 mm n Perfis V L h(max) L h(max) Sem recortes W 2 x 15, W 2 x 19, W 2 x 22,5 W 2 x 26, W 2 x 31,

25 L I G Ç Ã O : L C P P W 25 x 17,9 W 25 x 22,3 45 Variável W 25 x 25,3 W 25 x 28,4 W 25 x 32,7 W 25 x 38,5 W 25 x 44,8 4 nx 4 V CTOEIR: L 76 x 76 x 6,4 x PRFUSOS: 2 ø 3/4" ø 3/4" LCPP 2B LCPP 21B LCPP 22B L h L h L v L v 1 Dimensões em mm. 2 Os valores tabelaos são referentes às resistências e cálculo as ligações, conforme BR Verificar obrigatoriamente o elemento suporte. 4 s vigas evem ser verificaas à flambagem lateral consierano obrigatoriamente os recortes na região a ligação. L (max) = 3 mm L v L h L (max) = 25 mm n Perfis V L h(max) L h(max) Sem recortes W 25 x 17, W 25 x 22, W 25 x 25,3 W 25 x 28, W 25 x 32, W 25 x 38, W 25 x 44,

26 L I G Ç Ã O : L C P P W 31 x 21, W 31 x 23,8 45 Variável W 31 x 28,3 W 31 x 32,7 W 31 x 38,7 W 31 x 44,5 W 31 x 52, 4 nx 4 V CTOEIR: L 76 x 76 x 6,4 x PRFUSOS: 2 ø 3/4" ø 3/4" LCPP 2B LCPP 21B LCPP 22B L h L h L v L v 1 Dimensões em mm. 2 Os valores tabelaos são referentes às resistências e cálculo as ligações, conforme BR Verificar obrigatoriamente o elemento suporte. 4 s vigas evem ser verificaas à flambagem lateral consierano obrigatoriamente os recortes na região a ligação. L (max) = 3 mm L v L h L (max) = 25 mm n Perfis V L h(max) L h(max) Sem recortes W 31 x 21, W 31 x 23, W 31 x 28,3 W 31 x 32, W 31 x 38, W 31 x 44, W 31 x 52,

27 L I G Ç Ã O : L C P P W 31 x 21, W 31 x 23,8 45 Variável W 31 x 28,3 W 31 x 32,7 W 31 x 38,7 W 31 x 44,5 W 31 x 52, 4 nx 4 V CTOEIR: L 76 x 76 x 6,4 x PRFUSOS: 3 ø 3/4" ø 3/4" LCPP 3B LCPP 31B LCPP 32B L h L h L v L v 1 Dimensões em mm. 2 Os valores tabelaos são referentes às resistências e cálculo as ligações, conforme BR Verificar obrigatoriamente o elemento suporte. 4 s vigas evem ser verificaas à flambagem lateral consierano obrigatoriamente os recortes na região a ligação. L (max) = 3 mm L v L h L (max) = 3 mm n Perfis V L h(max) L h(max) Sem recortes W 31 x 21, W 31 x 23, W 31 x 28, W 31 x 32,7 W 31 x 38, W 31 x 44, W 31 x 52,

28 L I G Ç Ã O : L C P P W 36 x 32,9 W 36 x 39, 45 Variável W 36 x 44, W 36 x 51, W 36 x 57,8 W 36 x 64, W 36 x 72, W 36 x 79, 4 nx 4 V CTOEIR: L 76 x 76 x 6,4 x PRFUSOS: 3 ø 3/4" ø 3/4" LCPP 3B LCPP 31B LCPP 32B L h L h L v L v 1 Dimensões em mm. 2 Os valores tabelaos são referentes às resistências e cálculo as ligações, conforme BR Verificar obrigatoriamente o elemento suporte. 4 s vigas evem ser verificaas à flambagem lateral consierano obrigatoriamente os recortes na região a ligação. L (max) = 3 mm L v L h L (max) = 3 mm n Perfis 2 W 36 x 32,9 W 36 x 39, W 36 x 44, 4 4 W 36 x 51, W 36 x 57,8 W 36 x 64, W 36 x 72, W 36 x 79, V L h(max) L h(max) Sem recortes

29 L I G Ç Ã O : L C P P W 41 x 38,8 W 41 x 46,1 45 Variável W 41 x 53, W 41 x 6, W 41 x 67, W 41 x, W 41 x 85, 4 nx 4 V CTOEIR: L 76 x 76 x 6,4 x PRFUSOS: 3 ø 3/4" ø 3/4" LCPP 3B LCPP 31B LCPP 32B L h L h L v L v 1 Dimensões em mm. 2 Os valores tabelaos são referentes às resistências e cálculo as ligações, conforme BR Verificar obrigatoriamente o elemento suporte. 4 s vigas evem ser verificaas à flambagem lateral consierano obrigatoriamente os recortes na região a ligação. L (max) = 3 mm L v L h L (max) = 3 mm V n Perfis L (max) h Sem recortes L (max) h 13 2 W 41 x 38, W 41 x 46, W 41 x 53, W 41 x 6, W 41 x 67, W 41 x, W 41 x 85,

30 L I G Ç Ã O : L C P P W 41 x 38,8 W 41 x 46,1 45 Variável W 41 x 53, W 41 x 6, W 41 x 67, W 41 x, W 41 x 85, 4 nx 4 V CTOEIR: L 76 x 76 x 6,4 x PRFUSOS: 4 ø 3/4" ø 3/4" LCPP 4B LCPP 41B LCPP 42B L h L h L v L v 1 Dimensões em mm. 2 Os valores tabelaos são referentes às resistências e cálculo as ligações, conforme BR Verificar obrigatoriamente o elemento suporte. 4 s vigas evem ser verificaas à flambagem lateral consierano obrigatoriamente os recortes na região a ligação. L (max) = 3 mm L v L h L (max) = 3 mm V n Perfis L (max) h Sem recortes L (max) h 13 3 W 41 x 38, W 41 x 46, W 41 x 53, W 41 x 6, W 41 x 67, W 41 x, W 41 x 85,

31 L I G Ç Ã O : L C P P W 46 x 52, W 46 x 6, W 46 x 68, W 46 x 74, W 46 x 82, W 46 x 89, W 46 x 97, W 46 x 16, 45 4 nx 4 V Variável CTOEIR: L 76 x 76 x 6,4 x PRFUSOS: 3 ø 3/4" ø 3/4" LCPP 3B LCPP 31B LCPP 32B L h L h L v L v 1 Dimensões em mm. 2 Os valores tabelaos são referentes às resistências e cálculo as ligações, conforme BR Verificar obrigatoriamente o elemento suporte. 4 s vigas evem ser verificaas à flambagem lateral consierano obrigatoriamente os recortes na região a ligação. L (max) = 3 mm L v L h L (max) = 3 mm V n Perfis L (max) h Sem recortes L (max) h 13 2 W 46 x 52, W 46 x 6, W 46 x 68, W 46 x 74, W 46 x 82, W 46 x 89, W 46 x 97, W 46 x 16,

32 L I G Ç Ã O : L C P P W 46 x 52, W 46 x 6, W 46 x 68, W 46 x 74, W 46 x 82, W 46 x 89, W 46 x 97, W 46 x 16, 45 4 nx 4 V Variável CTOEIR: L 76 x 76 x 6,4 x PRFUSOS: 4 ø 3/4" ø 3/4" LCPP 4B LCPP 41B LCPP 42B L h L h L v L v 1 Dimensões em mm. 2 Os valores tabelaos são referentes às resistências e cálculo as ligações, conforme BR Verificar obrigatoriamente o elemento suporte. 4 s vigas evem ser verificaas à flambagem lateral consierano obrigatoriamente os recortes na região a ligação. L (max) = 3 mm L v L h L (max) = 3 mm n 3 Perfis W 46 x 52, V L h(max) L h(max) Sem recortes W 46 x 6, W 46 x 68, W 46 x 74, W 46 x 82, W 46 x 89, W 46 x 97, W 46 x 16,

33 L I G Ç Ã O : L C P P W 46 x 52, W 46 x 6, W 46 x 68, W 46 x 74, W 46 x 82, W 46 x 89, W 46 x 97, W 46 x 16, 45 4 nx 4 V Variável CTOEIR: L 76 x 76 x 6,4 x PRFUSOS: 5 ø 3/4" ø 3/4" LCPP 5B LCPP 51B LCPP 52B L h L h L v L v 1 Dimensões em mm. 2 Os valores tabelaos são referentes às resistências e cálculo as ligações, conforme BR Verificar obrigatoriamente o elemento suporte. 4 s vigas evem ser verificaas à flambagem lateral consierano obrigatoriamente os recortes na região a ligação. L (max) = 3 mm L v L h L (max) = 3 mm n Perfis V L h(max) L h(max) Sem recortes W 46 x 52, W 46 x 6, W 46 x 68, W 46 x 74, W 46 x 82, W 46 x 89, W 46 x 97, W 46 x 16,

LIGAÇÕES PARA ESTRUTURAS DE AÇO

LIGAÇÕES PARA ESTRUTURAS DE AÇO Variável LIGÇÕES PR 65 65 ESTRUTURS DE ÇO Guia Prático para Estruturas com Perfis Laminaos 4 nx 4 6 2ª Eição 25 V Oswalo Teixeira Baião Filho ntonio Carlos Viana Silva 1 Consultor: Gilson Queiroz Coorenaor

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II PROF. IBERÊ 1 / 5 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II RESUO 0: SEÇÃO TÊ FLS E VERDDEIR RDUR SIPLES ES COLBORNTE ação conjunta e lajes e vigas poe ser consieraa meiante

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Questões e rovas e Testes (Deformações na Flexão) UNIVERSIDDE FEDERL FLUMINENSE DERTMENTO DE ENGENHRI IVIL RESISTÊNI DOS MTERIIS XI - Engenharia Mecânica rof. amplona 2004-01 e L w (1) 1 a. Questão - ara

Leia mais

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS BIBLIOGRAFIA TÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA VOLUME II LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS Apresentação O setor siderúrgico, através do Centro Brasileiro da Construção em Aço - CBCA,

Leia mais

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS Série " Manual de Construção em Aço" Galpões para usos gerais Ligações em estruturas metálicas Edifícios de pequeno porte estruturados em aço Alvenarias Painéis de vedação

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA - UNISUL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: ESTRUTURAS DE MADEIRA PROFESSOR: ROBERTO MOTTA BEZ ACADÊMICOS: ESTRUTURAS DE MADEIRA Palhoça, 014. DEFINIÇÕES E PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES 1 INDICE CAPÍTULO 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO... 1 1 INTRODUÇÃO... 1 2 CONCEITOS GERAIS... 1 2.1 Comportamento da seção transversal

Leia mais

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus e Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento e Engenharia Civil Disciplina: 117 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I NOTAS DE AULA FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS Prof.

Leia mais

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS VOLUME 2. 4ª. Edição revisada e atualizada

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS VOLUME 2. 4ª. Edição revisada e atualizada LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS VOLUME 2 4ª. Edição revisada e atualizada Série Manual de Construção em Aço Galpões para Usos Gerais Ligações em Estruturas Metálicas Edifícios de Pequeno Porte Estruturados

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações Universiae e São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento e Engenharia e Estruturas e Funações - Conceitos Funamentais e Dimensionamento e Estruturas e Concreto: Vigas, Lajes e Pilares

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO Luiz Flávio Vaz Silva, Prof. Ronalo Barros Gomes UFG, 74605-220, Brasil luizgo@hotmail.com, rbggomes@gmail.com PALAVRAS-CHAVE: Ancoragem, Armaura e Flexão, Posicionamento

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas Perfis mistos em aço Novas perspectivas Perfis mistos em aço Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da

Leia mais

Média tensão Uso Geral

Média tensão Uso Geral Dimensionamento Os valores e capaciae e conução e correntes constantes as tabelas a seguir foram retiraos a NBR 14039/2003. No caso e cabos iretamente enterraos foi aotao uma resistiviae térmica o terreno

Leia mais

4 Torção em Elementos de Concreto Armado 4.1. Histórico

4 Torção em Elementos de Concreto Armado 4.1. Histórico 4 orção em Elementos e Concreto Armao 4.1. Histórico As teorias para análise e vigas e materiais elásticos, homogêneos e isótropos solicitaas à torção atam os séculos XVIII e XIX. O concreto armao como

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO Eduardo M. Batista (1) ; Elaine G. Vazquez (2) ; Elaine Souza dos Santos (3) (1) Programa de Engenharia Civil, COPPE,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 1.1. PROJETO FINAL DE GRADUAÇÃO 1.2. OBJETIVO 1.3. O EBERICK

1. INTRODUÇÃO 1.1. PROJETO FINAL DE GRADUAÇÃO 1.2. OBJETIVO 1.3. O EBERICK 1. INTRODUÇÃO 1.1. PROJETO FINAL DE GRADUAÇÃO O Curso e Grauação a Escola Politécnica tem como objetivo formar o aluno e prepará-lo para o exercício profissional. Como parte a avaliação o aprenizao o aluno,

Leia mais

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas.

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas. ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço Menor tempo de execução: A estrutura metálica é projetada para fabricação industrial e seriada, de preferência, levando a um menor tempo de fabricação

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil. Pilares

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil. Pilares Universiae Estaual e aringá Centro e Tecnologia Departamento e Engenharia Civil Capítulo 3 Pilares Notas e Aulas Curso: Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto II 1.º Semestre e 008 Bibliografia:

Leia mais

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR 1. Um os granes problemas ambientais ecorrentes o aumento a proução inustrial munial é o aumento a poluição atmosférica. A fumaça, resultante a queima e combustíveis fósseis como carvão ou óleo, carrega

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398

Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 Frefer System Estruturas Metálicas Rua Dianópolis, 122-1º andar CEP: 03125-100 - Parque da Mooca - São Paulo / SP - Brasil Telefone: 55 (11) 2066-3350 / Fax: 55 (11) 2065-3398 www.frefersystem.com.br A

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal.

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal. Universiae Feeral e Alagoas Centro e ecnologia Curso e Engenharia Civil Disciplina: Mecânica os Sólios Cóigo: ECIV030 Professor: Euaro Nobre ages orção em Barras e Seção ransversal Circular Cheia ou Vazaa

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS METÁLICAS: ROTINA COMPUTACIONAL PARA SELEÇÃO DE PERFIS METÁLICOS

DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS METÁLICAS: ROTINA COMPUTACIONAL PARA SELEÇÃO DE PERFIS METÁLICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Matheus Kerkhoff Guanabara DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS METÁLICAS: ROTINA COMPUTACIONAL PARA SELEÇÃO DE

Leia mais

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL 78 PARTE V ANÁISE DIMENSIONA Parte V ANÁISE DIMENSIONA [R] [p] [V] [n] [τ] l 3 θ [R] θ Resposta: [R] θ Uma as principais equações a Mecânica quântica permite calcular a energia E associaa a um fóton e

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Engenharia Civil Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Gisele S. Novo Possato Engenheira, M.Sc., Doutoranda, Programa de Pós-Graduação

Leia mais

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO Capítulo 4 EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO 4.1 OBJETIVOS Meir a constante e ree e ifração utilizano um comprimento e ona conhecio. Meir os comprimentos e

Leia mais

APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS)

APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS) UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS) 1º SEMESTRE DE 2014 PROFa. SANDRA

Leia mais

SAMBLADURAS EM TELHADOS COM ESTRUTURA DE MADEIRA TIPO HOWE EM BELO HORIZONTE

SAMBLADURAS EM TELHADOS COM ESTRUTURA DE MADEIRA TIPO HOWE EM BELO HORIZONTE SAMBLADURAS EM TELHADOS COM ESTRUTURA DE MADEIRA TIPO HOWE EM BELO HORIZONTE Renata Braga e Albuquerque Campos e Sebastião Salvaor Real Pereira, Universiae Feeral, Escola e Engenharia, Departamento e Engenharia

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais

Estruturas Mistas de Aço e Concreto

Estruturas Mistas de Aço e Concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas Mistas de Aço e Concreto Prof. Fernanda Calenzani Programa Detalhado Estruturas Mistas Aço e Concreto 1. Informações Básicas 1.1 Materiais 1.2 Propriedades

Leia mais

ROTEIRO DE PRÁTICAS ESTRUTURAS METÁLICAS

ROTEIRO DE PRÁTICAS ESTRUTURAS METÁLICAS ROTEIRO DE PRÁTICAS ESTRUTURAS METÁLICAS OBJETIVOS O aluno será capaz de determinar os esforços solicitantes em estruturas metálicas, e de dimensionar as principais peças estruturais em aço de acordo com

Leia mais

+ (τ xy ) 2 < σ lim /CS...(9.2.1)

+ (τ xy ) 2 < σ lim /CS...(9.2.1) 9.0 Dimensionamento e eixos e vigas. 9.1 Critérios e Resistência. No imensionamento os elementos e máquinas e estruturas, como os eixos e as vigas, vários são os critérios que poem ser utilizaos para o

Leia mais

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 Seu Pé Direito nas Melhores Faculaes FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 física 01. A energia que um atleta gasta poe ser eterminaa pelo volume e oxigênio por ele consumio na respiração. Abaixo está apresentao

Leia mais

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'.

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'. ". GUINDASTE, -'. Versati iae o equipamento o torna ieal para,. vartos setores Por Fábio lauonio Altos e imponentes, os guinastes têm um papel funamental na elevação e movimentação e cargas e materiais

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo IV. Colunas

Estruturas Metálicas. Módulo IV. Colunas Estruturas Metálicas Módulo IV Colunas COLUNAS Definição São elementos estruturais cuja finalidade é levar às fundações as cargas originais das outras partes. Sob o ponto de vista estrutural, as colunas

Leia mais

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE LIGAÇÕES ESTRUTURAIS REFORÇO DE ESTRUTURAS E ESTRUTURAS MISTAS LIGAÇÕES ENTRE DIFERENTES MATERIAS ESTRUTURAIS LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS ENG. TIAGO ABECASIS

Leia mais

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas.

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Rastreamento e Telemetria e Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Douglas Soares os Santos, Wagner Chiepa Cunha e Cairo L. Nascimento Jr. Instituto Tecnológico e Aeronáutica - Praça Marechal

Leia mais

Teoria das Estruturas

Teoria das Estruturas Teoria das Estruturas Aula 02 Morfologia das Estruturas Professor Eng. Felix Silva Barreto ago-15 Q que vamos discutir hoje: Morfologia das estruturas Fatores Morfogênicos Funcionais Fatores Morfogênicos

Leia mais

flexão pura armadura dupla

flexão pura armadura dupla conteúo 28 flexão pura armaura upla 28.1 Domínio 4 A análise o iagrama e tensão o aço a figura 28.1, fs fy εy 10%o εs om.4 om.3 om.2 Figura 28.1 Diagrama e tensão o aço resulta que no omínio 4 a eformação

Leia mais

ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO 9 ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO NON-LINEAR ANALYSIS OF DEFLECTION IN REINFORCED CONCRETE BEAMS Paulo Roberto Lopes Lima * Cíntia Maria Ariani Fontes ** José Mário Feitosa Lima

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS

ESTRUTURAS METÁLICAS ESTRUTURAS METÁLICAS Disciplina: Projeto e dimensionamento de estruturas de aço em perfis soldados e laminados. Curso: Especialização em Engenharia de Estruturas Professor: Carlos Eduardo Javaroni Mini

Leia mais

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118 Volume 8, Number 4 (August 2015) p. 547-566 ISSN 1983-4195 http://x.oi.org/10.1590/s1983-41952015000400008 Impacts in the structural esign of the 2014 revision of the brazilian stanar ABNT NBR 6118 Impactos

Leia mais

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos viabilizando estruturas para Andares Múltiplos Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da estrutura -aumento

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO

Leia mais

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo)

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo) Força Elétrica 1. (Ueg 01) Duas partículas e massas m 1 e m estăo presas a uma haste retilínea que, por sua vez, está presa, a partir e seu ponto méio, a um fio inextensível, formano uma balança em equilíbrio.

Leia mais

Prof. Jefferson Sidney Camacho

Prof. Jefferson Sidney Camacho UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO: ESTADOS LIMITES DE UTILIZAÇÃO Prof. Jefferson Siney Camacho Ilha Solteira

Leia mais

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil Efeito Raioativo as Emissões e Gases e Efeito Estufa por Parte e Automóveis no Brasil Revista Brasileira e Energia Resumo Luiz Aalberto Barbosa Uria 1 Roberto Schaeffer 2 Este trabalho examina o impacto

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INTALAÇÕE AT E MT. UBETAÇÕE DE DITRIBUIÇÃO Barramentos e ligaores AT e MT Características e ensaios Elaboração: GTRPT Homologação: conforme espacho o CA e 007-0-3 Eição: ª Emissão: EDP Distribuição Energia,.A.

Leia mais

Corte e dobra. Nesta aula, você vai ter uma visão geral. Nossa aula. Princípios do corte e da dobra

Corte e dobra. Nesta aula, você vai ter uma visão geral. Nossa aula. Princípios do corte e da dobra A U A UL LA Corte e dobra Introdução Nesta aula, você vai ter uma visão geral de como são os processos de fabricação por conformação, por meio de estampos de corte e dobra. Inicialmente, veremos os princípios

Leia mais

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição Introdução Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Tópicos Especiais em Estruturas (Chapa Dobrada) Professor: Luciano Rodrigues

Leia mais

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL 1 I. ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL Conforme já foi visto, a tensão representa o efeito de um esforço sobre uma área. Até aqui tratamos de peças submetidas a esforços normais a seção

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0 PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 FABRICANTE: Metalúrgica Rodolfo Glaus Ltda ENDEREÇO: Av. Torquato Severo, 262 Bairro Anchieta 90200 210

Leia mais

TABELAS DE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL PARA EDIFICAÇÕES COM O SISTEMA CONSTRUTIVO EM STEEL FRAMING

TABELAS DE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL PARA EDIFICAÇÕES COM O SISTEMA CONSTRUTIVO EM STEEL FRAMING TABELAS DE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL PARA EDIFICAÇÕES COM O SISTEMA CONSTRUTIVO EM STEEL FRAMING TABELAS DE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL (1) 1 APRESENTAÇÃO O presente documento apresenta alguns detalhes

Leia mais

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula)

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula) UIVERSIDAD FEDERAL DE VIÇOSA CETRO DE CIECIAS AGRARIAS DEPARTAMETO DE IGEIERIA AGRÍCOLA Tel. (03)3899-79 Fax (03)3899-735 e-mail: ea@ufv.br 3657-000 VIÇOSA-MG BRASIL MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (otas e Aula)

Leia mais

CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA: APLICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES NORMATIVAS

CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA: APLICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES NORMATIVAS CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA: APLICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES NORMATIVAS Emmyle Marcon Eng. Civil Setor de Eng. METASA S/A emmylemarcon@hotmail.com Zacarias M. Chamberlain Pravia D. Sc., Professor

Leia mais

DIMENSIONAMENTO AUTOMATIZADO DE LIGAÇÕES VIGA-PILAR

DIMENSIONAMENTO AUTOMATIZADO DE LIGAÇÕES VIGA-PILAR Tema: Ligações Projeto e Elementos de fixação DIMENSIONAMENTO AUTOMATIZADO DE LIGAÇÕES VIGA-PILAR Gustavo Henrique Ferreira Cavalcante¹ José Denis Gomes Lima da Silva² Luciano Barbosa dos Santos³ Resumo

Leia mais

Adail Marcos Lima da Silva (UFCG) - adail.marcos@hotmail.com. Resumo:

Adail Marcos Lima da Silva (UFCG) - adail.marcos@hotmail.com. Resumo: Aferição o custo efetivo final as operações e esconto e uplicatas em bancos comerciais no Brasil para empresas lucro real, lucro presumio e simples nacional Aail Marcos Lima a Silva (UFCG) - aail.marcos@hotmail.com

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO RESUMO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Diego de Medeiros Machado (1), Marcio Vito (2); UNESC

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE:

MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE: MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE: MEMORIAL DE CÁLCULO REFERÊNCIAS: 1 ASTM A193:2003 2 V. Dobrovolsk- Elementos de Máquinas, Ed. MIR, Moscou 7 Joseph

Leia mais

5 Modelos Estruturais

5 Modelos Estruturais 5 Modelos Estruturais 5.1 Introdução Neste capítulo, os modelos estruturais utilizados para avaliação do conforto humano serão descritos segundo suas características geométricas e físicas referentes aos

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo II. Ligações Parafusadas

Estruturas Metálicas. Módulo II. Ligações Parafusadas Estruturas Metálicas Módulo II Ligações Parafusadas 1 LIGAÇÕES PARAFUSADAS 1 Introdução As estruturas metálicas em geral, se observadas cuidadosamente, revelam uma característica de essencial importância

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil UIVERSIDDE ESTDUL PULIST UESP - Camus e auru/sp FCULDDE DE EGEHRI Deartamento e Engenharia Civil Discilina: 33 - ESTRUTURS DE COCRETO III OTS DE UL SPTS DE FUDÇÃO Prof. Dr. PULO SÉRGIO DOS STOS STOS (www.feb.unes.br/bastos)

Leia mais

X X X I J O R N A D A S S U D - A M E R I C A N A S D E I N G E N I E R Í A E S T R U C T U R A L

X X X I J O R N A D A S S U D - A M E R I C A N A S D E I N G E N I E R Í A E S T R U C T U R A L X X X I J O R N A D A S S U D - A M E R I C A N A S D E I N G E N I E R Í A E S T R U C T U R A L Engenheiro Civil Graduado pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Mestrando em Engenharia de Estruturas

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias Estruturas Metálicas Módulo I Normas e Matérias NORMAS DE ESTRUTURA ABNT NBR 8800/2008 PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO EM EDIFICIOS - ABNT NBR 6120/1980 Cargas para o cálculo de estruturas de edificações

Leia mais

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL Física Prof. Rawlinson SOLUÇÃO AE. 1 Através a figura, observa-se que a relação entre os períoos as coras A, B e C: TC TB T A = = E a relação entre as frequências: f =. f =

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

Sistemas de Fixação. Fixadores para Flat Cable PFC 39 FCC25 39 TY8-H1S 39

Sistemas de Fixação. Fixadores para Flat Cable PFC 39 FCC25 39 TY8-H1S 39 Sistemas e Fixação Página Fixaores e lips utoaesivos Fixaores utoaesivos 36 lips utoaesivo R 36 Fixaores utoaesivo SF 38 Fixaores para Flat able PF 39 F25 39 TY8H1S 39 Fixaores NX/NXR e lips para fixação

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

Caixas SB, SAI e STM. www.fcm.ind.br VE-001-SB. Copyright FCM 2001

Caixas SB, SAI e STM. www.fcm.ind.br VE-001-SB. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-SB www.fcm.in.br Caixas SB, SI e STM Copyright FCM 2001 O conteúo este catálogo é e proprieae a empresa FCM - Fábrica e Mancais Curitiba Lta., seno proibia a reproução parcial

Leia mais

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística Conceitos e Gestão e Estoques Análise Probabilística Prof. Ruy Alexanre Generoso CONCEITOS BÁSICOS DE ESTOQUE Estoques: acúmulo e recursos materiais em um sistema e transformação Fase 1 estoque Fase 2

Leia mais

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico Móulo III Clauia Regina Campos e Carvalho Móulo III Carga létrica, orça e Campo létrico Carga létrica: Denomina-se carga elétrica a proprieae inerente a eterminaas partículas elementares, que proporciona

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

A ATUAL NORMA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E MISTAS, A ABNT NBR 8800:2008

A ATUAL NORMA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E MISTAS, A ABNT NBR 8800:2008 A ATUAL NORMA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E MISTAS, A ABNT NBR 8800:2008 EM 2001,, UM GRUPO DE TRABALHO, FORMADO POR PESQUISADORES DE UNIVERSIDADES BRASILEIRAS E POR PROFISSIONAIS RECONHECIDOS, SOB

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

Cálculo de Vigas e Colunas mistas aço-concreto

Cálculo de Vigas e Colunas mistas aço-concreto mcalc_ac Cálculo de Vigas e Colunas mistas aço-concreto Apresentamos a ferramenta que o mercado de estruturas metálicas aguardava: o programa mcalc_ac. O mcalc_ac contempla o cálculo de vigas e colunas

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvios e Física Básica Jason Alfreo Carlson Gallas, professor titular e física teórica, Doutor em Física pela Universiae Luwig Maximilian e Munique, Alemanha Universiae Feeral a Paraíba (João

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montagem Paredes com estrutura metálica W11 Construção A paredes consistem de uma estrutura metálica revestida com uma mais s de gesso, aparafusadas de ambos os lados. A estrutura metálica

Leia mais

EDIFÍCIOS DE PEQUENO PORTE ESTRUTURADOS EM AÇO

EDIFÍCIOS DE PEQUENO PORTE ESTRUTURADOS EM AÇO BIBLIOGRAFIA TÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA VOLUME IV EDIFÍCIOS DE PEQUENO PORTE ESTRUTURADOS EM AÇO Apresentação O setor siderúrgico, através do Centro Brasileiro da Construção

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

Análise da base de pilares pré-moldados na ligação com cálice de fundação

Análise da base de pilares pré-moldados na ligação com cálice de fundação Eimair Bottega Ebeling Análise a base e pilares pré-molaos na ligação com cálice e funação Dissertação apresentaa à Escola e Engenharia e São Carlos a Universiae e São Paulo, como parte os requisitos necessários

Leia mais

FÍSICA. a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s d) 77 s e) 1300 s Resolução V = t = 3,9. 10 8 3,0. 10 8. t = t = 1,3 s

FÍSICA. a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s d) 77 s e) 1300 s Resolução V = t = 3,9. 10 8 3,0. 10 8. t = t = 1,3 s 46 b FÍSICA A istância méia a Terra à Lua é 3,9.10 8 m. Seno a velociae a luz no vácuo igual a 3,0.10 5 km/s, o tempo méio gasto por ela para percorrer essa istância é e: a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s ) 77

Leia mais

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas > REVISTA DE INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL APLICADA (ISSN: XXXXXXX), Vol. X, No. Y, pp. 1-10 1 Alocação Ótima e Banco e Capacitores em Rees e Distribuição Raiais para Minimização as Peras Elétricas A. C.

Leia mais

COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS

COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS 5ª Edição 01 Flávio D Alambert Coordenação Técnica:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO DE REVERSÕES DE FLUXO E JANELAS DE TEMPO DINÂMICAS

SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO DE REVERSÕES DE FLUXO E JANELAS DE TEMPO DINÂMICAS Simpósio Brasileiro e Pesquisa Operacional A Pesquisa Operacional na busca e eficiência nos serviços públicos e/ou privaos Setembro e 2013 SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO

Leia mais

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS DE AÇO UTILIZANDO EMENDAS COM PARAFUSOS DE ALTA RESISTÊNCIA SOLICITADAS NA FLEXÃO SIMPLES

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS DE AÇO UTILIZANDO EMENDAS COM PARAFUSOS DE ALTA RESISTÊNCIA SOLICITADAS NA FLEXÃO SIMPLES 27 LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS DE AÇO UTILIZANDO EMENDAS COM PARAFUSOS DE ALTA RESISTÊNCIA SOLICITADAS NA FLEÃO SIMPLES Connections in steel structures using emendations with high strength screws requested

Leia mais

Exercícios propostos de RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 1

Exercícios propostos de RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 1 Universidade Federal de Uberlândia Exercícios propostos de RESISTÊNI OS MTERIIS 1 PROJETO PIEG olsistas: Renata ristina de astro Gomide Luciano arros da Silva Profª. Eliane Regina Flores Oliveira ÍNIE

Leia mais