Caso BCP esteve parado mais de dois anos por questões processuais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caso BCP esteve parado mais de dois anos por questões processuais"

Transcrição

1 .pt SEGUNDA-FEIRA, 17 DE MARÇO 2014 Nº 5883 PREÇO (IVA INCLUÍDO): CONTINENTE 1,60 EUROS Caso BCP esteve parado mais de dois anos por questões processuais DIRECTOR ANTÓNIO COSTA DIRECTOR EXECUTIVO BRUNO PROENÇA SUBDIRECTORES FRANCISCO FERREIRA DA SILVA, E HELENA CRISTINA COELHO Crimeia vota adesão à Rússia apesar de avisos da Europa e EUA O resultado do referendo não deixou dúvidas. A maioria votou favoravelmente a reunificação da Crimeia com a Rússia. Kiev e Moscovo acordam tréguas temporárias. P16 Depois de uma semana de troca de acusações entre a Justiça, o Banco de Portugal e o advogado de Jardim Gonçalves, ontem até Pedro Passos Coelho comentou a questão. O caso BCP chegou aos tribunais há quatro anos. Em mais de metade desse tempo, o processo esteve parado. P30 GRANDE ENTREVISTA TEODORA CARDOSO Programa cautelar tem vantagens, abriga-nos da instabilidade PGR cria equipa para combater crime económico Benefícios fiscais descem 4,8 mil milhões desde a chegada da troika Governo entrega à troika relatório no âmbito da 11ª avaliação onde faz balanço da redução da despesa fiscal. IVA e IRS concentram o maior esforço com milhões. P10 Página 15 A presidente do Conselho das Finanças Públicas defende o programa cautelar mas, mais importante, é um acordo entre os principais partidos sobre as medidas para a economia e para a consolidação orçamental. A reestruturação da dívida não faz sentido. P4A8 Autoeuropa apoia proposta de mais investimentos no porto de Setúbal Descubra os dez mandamentos para quem procura emprego. SUPLEMENTO O grupo de trabalho para as obras públicas estratégicas até 2020 propôs quatro obras no porto de Setúbal. A Autoeuropa concorda pois permitirá potenciar a exportação de automóveis. P28

2 4 Diário Económico Segunda-feira 17 Março 2014 G GRANDE ENTREVISTA TEODORA CARDOSO Programa cautelar tem vantagens, abriga-nos da instabilidade Teodora Cardoso defende um largo consenso entre os principais partidos à volta do Documento de Estratégia Orçamental. Pós-troika Para a economista, o programa cautelar é o melhor caminho para a saída do programa de assistência porque protege o país de situações de instabilidade interna e externa. Rosário Lira Bruno Proença Teodora Cardoso defende que o programa cautelar é a saída com mais vantagens do programa de assistência financeira. Ainda assim, antes de debater o cautelar ou a saída limpa, prefere salientar a necessidade de um entendimento entre os principais partidos sobre as medidas de política económica e orçamental que faltam adoptar. O Documento de Estratégia Orçamental (DEO) é uma excelente oportunidade. Se esse consenso falhar, então o cautelar é certo. Estamos a chegar ao fim do programa de assistência financeira, Portugal tem condições para dispensar o programa cautelar ou essa deve ser a solução? Há duas coisas diferentes: um programa cautelar não é incompatível com termos uma política própria. As duas coisas são complementares. Portugal precisa, findo o programa e nisso toda a gente está de acordo, de tomar medidas, nomeadamente a nível da reestruturação da economia e de consolidação das finanças públicas. A coisa não terminou, de modo algum, com o fim do programa. Por outro lado, com o nível de dívida que o país tem, pública e privada, não é possível pensar que podemos fazer o que quisermos. Teremos sempre de ter em atenção os mercados financeiros. Além disto, somos membros do euro, o que significa que temos um conjunto de regras a que temos de dar muito mais atenção do que no passado. Tudo isto são coisas compatíveis e necessárias, independentemente de haver ou não programa. O programa cautelar, para já, tem de ser uma decisão do Governo. Quanto a mim, tem algumas vantagens, nomeadamente deixa-nos mais abrigados de situações de instabilidade que podem ser de origem interna ou externa. Somos uma pequeníssima economia aberta com um nível de dívida muito alta e, por consequência, muito vulnerável a qualquer coisa que se passe no mundo e que afecte os mercados financeiros. Esse argumento é suficiente para considerar que não há possibilidade de uma saída limpa? É uma opção. Haverá a possibilidade da saída limpa, mas é mais cauteloso se o fizermos ao abrigo do programa cautelar, que no fundo é um seguro. Mas aos olhos dos credores não é pior? Os mercados não gostam de aventureirismos, preferem jogar pelo seguro. Não vejo que tenham assim tão má opinião se existir um programa cautelar. Podem até pensar o contrário: se não houver um programa cautelar, estamos sujeitos a riscos que podem ser maiores. Mas com as taxas de juro a descer não está criada uma via verde para a saída limpa, para mais quando se percebe que os países do norte da Europa também querem essa solução e há ainda os interesses do Governo em termos de política interna. A política interna é com o Governo, não é comigo. A parte do que os outros países da Europa pensam, tenho mais dúvidas. O que toda a gente deseja é que nós consigamos sair bem e sem grandes solavancos, portanto o programa cautelar seria vantajoso. Aliás, no caso da Irlanda houve três razões para a saída limpa: tinham uma almofada muito considerável de tesouraria que lhes permitia acorrer a algum choque. Nós temos alguma mas é inferior. Estamos a construir essa almofada... Estamos a construir, mas não sei se conseguiremos ter uma almofada tão confortável como a irlandesa. Por outro lado, o programa irlandês terminava no final do ano, o que levaria a que tivessem que ir ao mercado logo a seguir, porque o grande acesso aos mercados faz-se no início do ano. Nós não vamos ter esse problema, porque o nosso programa acaba a meio do ano. Por fim, nós temos beneficiado de uma descida considerável das taxas de juro, mas a deles foi maior. Há várias considerações que são diferentes entre os dois países. Não é uma questão devidaoudemorte.oqueéuma questão de vida ou de morte é termos um programa de medidas definidas por nós e postas em prática por nós, que vão no sentido certo, quer da consolidação orçamental, quer da reestruturação da economia. Isso é que vai criar confiança nos mercados. Mas não há um consenso interno à volta dessas medidas. O Presidente da República tem feito apelos a esse entendimento mas os principais partidos políticos não Se acreditarmos que não é possível - um acordo entre os partidos -, então o programa cautelar faz falta. Eu ainda acredito que é possível. chegam a acordo. Se acreditarmos que não é possível, então o programa cautelar faz falta. Eu ainda acredito que é possível. Há agora uma oportunidade que devia ser aproveitada pelo Governo e pela oposição que é o DEO. O Governo tem de o apresentar até ao final de Abril e seria uma óptima oportunidade para se estabelecer um entendimento quanto a coisas fundamentais. Com medidas ou só com valores. No passado, o DEO tem tido uma trajectória mas não tem tido medidas. Agora o DEO precisa de ter medidas e de ter princípios. Um que mepareceessencialéadefinição de um objectivo para o saldo primário. Portugal tem de reduzir a dívida e, para isso, precisamos de um saldo primário positivo. Qual seria o valor? Não atiro valores, porque vai depender da posição de partida, da situação dos mercados e do crescimento da economia. O crescimento implica uma segunda ordem de entendimentos entre Governo e oposição. No programa foram tomadas medidas de natureza estrutural, mas ainda há muito a fazer para garantir que aquelas medidas não vão ser substituídas. Precisamos de um conjunto de medidas no plano económico e institucional e isso é que devia ser o conteúdo de um programa. Tanto serve a um partidocomoaoutro ops,opsde o CDS são partidos que querem estar no Governo e que desejam que estas coisas aconteçam, que a economia cresça e que a situação orçamental se consolide e estabilize. Portanto, têm de pensar nesses termos e depois as medidas concretas podem e devem ser diferentes entre uns e outros. Estamos num regime democrático. O IRC é Teodora Cardoso defende outro tipo de política fiscal, mais preocupada com a economia. Está a depositar muita esperança no DEO, quando o Conselho das Finanças Públicas foi bastante crítico relativamente ao anterior, lembrando que não tinha uma estratégia orçamental que conduzisse à obtenção de excedentes primários. A situação é muito diferente. Essa era uma crítica objectiva, porque tínhamos o documento à frente. Agora podemos desejar um documento de uma certa natureza enquanto aquele já existia. Era um documento que estava correcto, mas faltavam-

3 Segunda-feira 17 Março 2014 Diário Económico 5 PONTOS CHAVE Teodora Cardoso acredita que o programa cautelar tem vantagens relativamente à saída limpa, pois protege o país da instabilidade interna e externa. Para a economista, os principais partidos deviam chegar a um acordo sobre as medidas que ainda faltam tomar para consolidar as contas públicaseaparaaretoma. Teodora Cardoso rejeita a hipótese da reestruturação da dívida pública. A economista defende que o país tem capacidade para pagar, tal como outros Estados europeus. um exemplo da insuficiência da política fiscal -lhe as medidas que poderiam dar origem a isso. A conjuntura também tinha um problema: estávamos ao abrigo do programa da troika. Aquele documento era uma formalidade, porque o programa a cumprir era o programa da troika. Agora é exactamente o contrário, se cremos sair e avançar pelo nosso caminho, temos de ter uma estratégia que já não é a da troika. O consenso político é mais fácil se estiverem em cima da mesa apenas ideias gerais? Ideias gerais já temos em demasia. Agora faltam ideias concretas. Por exemplo, é necessário pensar a sério na política fiscal como um instrumento de política económica. Até aqui sempre se pensou a política fiscal no É necessário pensar a sério na política fiscal como um instrumento de política económica. Até aqui sempre se pensou a política fiscal no sentido de cobrar receitas para cobrir as despesas. sentido de cobrar receitas para cobrir as despesas. As despesas é que lideram. Os impostos têm um papel importantíssimo numa pequena economia aberta para garantir o crescimento e o emprego. Portanto, têm de ser pensados nessa linha. Não é só descer ou subir um ponto na taxa. Não é disso que se trata, é de repensar o sistema fiscal com estes entendimentos. À semelhança do que foi feito para o IRC? Não. O IRC é um exemplo da insuficiência do tipo de política fiscal que temos. Precisamos de ir muito para além. No IRC ainda não se fez uma coisa básica que é simplificar todo o procedimento. Por outro lado, é preciso acabar com o hábito de alterar os impostos todos os anos no Orçamento do Estado. Se há coisa essencial nos impostos é que sejam simples e estáveis. E gostava que isso fosse feito já? É um princípio que os partidos podem assumir, não é nada de complicado. Depois, assumir qualéataxadoimposto,seo imposto sobre o rendimento é mais progressivo ou menos progressivo, isso já são coisas políticas e têm de ser deixadas ao entendimento de cada um. Quando se mexe nos impostos, mexe-se na economia, mexe- -se na capacidade de atrair investimento e de criar emprego. E isso nunca foi pensado. A nossa forma de ver os impostos é aumentar a receita pública, seja lá como for. E a receita não aumenta quando com isso se dá cabo da economia. PERFIL Economista avalia as contas públicas Teodora Cardoso, presidente do Conselho de Finanças Públicas, é licenciada em Economia pelo ISEG. Foi professora e investigadora, entre outras funções. Em 1984/85 chefiou o grupo técnico de negociação dos acordos com o FMI. Foi consultora da administração do BPI, membro do conselho consultivo do Instituto de Gestão do Crédito Público e esteve na administração do Banco de Portugal. Actualmente preside ao Conselho das Finanças Públicas, que tem como missão avaliar de forma independente o cumprimento e a sustentabilidade da política orçamental.

4 6 Diário Económico Segunda-feira 17 Março 2014 G GRANDE ENTREVISTA TEODORA CARDOSO Recuso a reestruturação da dívida, ainda por cima neste momento Dívida Para Teodora Cardoso, não faz sentido falar em reestruturação da dívida pública portuguesa. Temos condições para a pagar. Já disse que a dívida pública não é sustentável e que são necessários excedentes primários para resolver esse problema. A semana passada foi marcada pela questão da reestruturação da dívida. Devemos avançar para essa reestruturação? A questão está em saber se nós somos ou não capazes de pagar a dívida, basicamente é isso. Penso que o país tem condições para ser capaz de pagar, os próprios mercados estão a acreditar nisso. Isto não significa que não tenhamos de ter o tal saldo positivo e a economia a crescer. RESPOSTAS RÁPIDAS Euro Europa Angela Merkel é uma líder. Banca é uma base da economia. Solidão é uma coisa que não me assusta. País ainda menos. Portugal éumpaís. Eu recuso completamente a ideia da reestruturação da dívida posta na mesa, ainda por cima neste momento. Mas é uma questão a equacionar no futuro? Sempre recusei. No nosso documento sobre o DEO do ano passado apresentámos alguns cenários que são um conjunto de hipóteses que são tratadas de uma maneira coerente entre si. E as hipóteses têm de ser sobre as taxas de juro, o crescimento da economia e sobre o ponto de partida. Ora bem, o ponto de partida não está ainda definido. É melhor esperarmos pelo ponto de partida do final de 2013, entrar com hipóteses razoáveis para 2014, ver a evolução das taxas de juro e depois tentar ver daí por diante duas coisas: quanto é que a economia tem de crescer e qual o saldo primário que é necessário para atingir um determinado rácio da dívida num período que também está a ser definido. E as condições impostas pelo tratado orçamental são cumpríveis? Esse problema não é português, é europeu. Toda a Europa, em média, tem um rácio de dívida bastante superior a 60% do PIB - a Alemanha tem 80%, a Bélgica tem 100%, a Itália tem 130%, mais ou menos como nós. Países muito importantes da União Europeia estão bastantes longe do rácio de 60%. Além disso, têm problemas de envelhecimento da população que vão tornar esse objectivo difícil de alcançar. Quando algumas referências são feitas, a nível internacional, sobre reestruturações de dívida na Europa, é no Toda a Europa, em média, tem um rácio de dívida bastante superior a 60% do PIB - a Alemanha tem 80%, a Bélgica tem 100%, a Itália tem 130%, mais ou menos como nós. seu conjunto que o problema se põe. E se for feito para a Europa, nós entraremos, mas não é por Portugal dizer que não consegue pagar a dívida. Já citei estes números: a Bélgica tinha, em 1994, um rácio de dívida de 134% do PIB, chegou à crise internacional com 80%, depois da crise subiu de novo e agora está nos 100%. Alguém já ouviu dizer à Bélgica que tem de reestruturar a dívida ou que não consegue pagar? Nem tem problemas de acesso ao mercado porque consegue gerir a política orçamental e a economia por forma a conseguir viver com este rácio de dívida. A economista defende um entendimento no DEO para fixar uma meta para o excedente primário. O DEO deve ter um valor indicativo para o excedente primário? Este é o indicador fundamental para perceber a sustentabilidade das contas públicas. Os partidos devem consensualizar um valor? Devia-se fixar um valor que tem de ser acordado, evidentemente. Depois esse valor tem que ser respeitado. Se houver uma conjuntura, se houver uma situação em que ele não possa ser respeitado, tem que haver uma justificação aceitável, que tem de ser apresentada ao Parlamento. É uma coisa solene. Que impacto terá a falta de consenso político relativamente ao Documento de Estratégia Orçamental? O impacto junto dos mercados será negativo. Nesse caso, provavelmente, será mesmo preciso o programa cautelar.

5 8 Diário Económico Segunda-feira 17 Março 2014 G GRANDE ENTREVISTA TEODORA CARDOSO A entrevista decorreu nos estúdios da Antena 1 em Lisboa. as políticas transmitem. É muito importante um consenso entre os políticos para não criarem de novo expectativas que não são atingíveis. Devem-se concentrar em como voltar a pôr esta economia a crescer. Não admito a hipótese de que nós tenhamos que ficar onde estamos. A economia pode crescer, as pessoas podem, e devem, ganhar mais, o emprego pode recuperar Temos que ver as condições para isso e há uma que não pode ser: pensar que fazemos isso à custa de défices orçamentais. Não podemos pensar o crescimento à custa de défices Recuperação A economista acredita na retoma do crescimento e do emprego suportada pelas exportações e nunca pelos défices orçamentais ou pelo consumo das famílias. também e adaptaram a este regime. Tem de ser alterado. Esta crise é suficientemente forte para mudar esse mau hábito? Se não for, então Porque é que em Portugal há tantas dificuldades para termos contas públicas equilibradas? É um problema de estatística, má cultura financeira, institucional? É institucional, é histórico, é cultural. Nós entrámos em democracia com uma dívida pública muito baixa, com despesas públicas muito baixas e com um sector público, claramente, insuficiente. A ideia da democracia foi o Estado deve fazer mais, deve garantir a educação, a saúde, as pensões Também o nível de tributação era baixo. Portanto, no início foi possível aumentar os impostos, aumentar as despesas públicas e haver défices. O pior é que isto não foi transitório e criou-se a ideia de que as despesas é que mandam. Aí entra a contabilidade as despesas nunca foram verdadeiramente geridas nem sequer muito bem quantificadas. Por consequência, era preciso mais dinheiro para cobrir as despesas e havia sempre duas fontes: aumentava-se os impostos ou/e recorria-se à divida. Isto é possível conjunturalmente mas no nosso caso tornou-se numa política constante. Nós nunca tivemos excedentes. Para ter défices nas alturas de crise, é necessário ter excedentes nas alturas que não são de crise, mas essa parte nunca existiu. Nós habituámo- -nos aos défices, por isso é que eu digo que é cultural; é histórico e acabou por ser institucional na medida em que as instituições Mas o país discute se os cortes nos salários, pensões, prestações sociais são transitórios. Aprendemos que havia um nível de despesa que não era suportável pela economia? Temos que aprender. Caso contrário, precisamos mesmo da reestruturação da dívida, ou seja precisamos de andar sempre com uma troika em cima de nós. Eu espero que não. Apesar de tudo, os políticos perceberam o enorme custo que isto tem para eles. As pessoas formam as expectativas com base naquilo que Nós nunca tivemos excedentes. Para ter défices nas alturas de crise, é necessário ter excedentes nas alturas que não são de crise, mas essa parte nunca existiu. Na questão da redução dos salários, pode-se voltar atrás? Tem que se fazer uma coisa mais profunda. A única maneira que nós usamos para reduzir a despesa passa pelos cortes horizontais, porque não há informação suficiente para fazer de outra maneira. As despesas públicas precisam de ser geridas. Cada ministério precisa de ser responsável pela dotação que lhe é dada, precisa de ser responsabilizado por cumpri-la, mas não precisa de andar a cumprir milhares de pequenas rubricas de despesa que depois têm que ser autorizadas pelo Ministério das Finanças que, obviamente, não gerem o que se passa nos ministérios. Isto não é um critério de gestão. Quando não existe esse critério de gestão, os orçamentos são sempre incrementais, de sinal positivo ou de sinal negativo. É esse o caso nos salários do Estado? Não é preciso ficar onde estamos. Temos é que gerir de outra maneira o espaço orçamental que vamos criando. E isso exige contabilidade de custos, exige responsabilização e gestão por parte dos ministérios, que neste momento não têm. A recuperação da economia tem estado baseada nas exportações. É sustentável? O motor tem que ser as exportações. Não pode ser o consumo privado e menos ainda o consumo público e o investimento público. O Orçamento já não tem espaço para isso e o consumo privado também não tem porque nós temos famílias muitíssimo endividadas. Evidentemente se houver uma expansão dos sectores transaccionáveis, que não são só as exportações, são também os que concorrem com as importações, as pessoas têm mais emprego e mais rendimento, vão consumir mais sem aumentar o peso do consumo no rendimento.

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

Ensino Superior: as vagas e os cursos com mais emprego SUPLEMENTO. Bancos gregos reabrem hoje com limite a levantamentos

Ensino Superior: as vagas e os cursos com mais emprego SUPLEMENTO. Bancos gregos reabrem hoje com limite a levantamentos Ensino Superior: as vagas e os cursos com mais emprego SUPLEMENTO 25 anos.pt SEGUNDA-FEIRA, 20 DE JULHO 2015 Nº 6218 PREÇO (IVA INCLUÍDO): CONTINENTE 1,60 EUROS DIRECTOR RAUL VAZ SUBDIRECTORES BRUNO FARIA

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16 J. Silva Lopes IDEFF, 4 de Julho de 2011 1 Título do Painel: Que futuro para Portugal Esta apresentação: Perspectivas para a economia portuguesa 2011-16

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO J. Silva Lopes IDEFF, 31 de Janeiro de 2011 1 O ENDIVIDAMENTO PERANTE O EXTERIOR Posições financeiras perante o

Leia mais

ECONOMIA. Esquema financeiro provoca buraco de 3 mil milhões em empresas públicas. Gostava muito que as gentes não se resignassem

ECONOMIA. Esquema financeiro provoca buraco de 3 mil milhões em empresas públicas. Gostava muito que as gentes não se resignassem JOÃO DUQUE Fundos de arrendamento podem ajudar as famílias E14 LUÍS MARQUES Estamos a caminho de um caos, de um caos político E12 JOÃO VIEIRA PEREIRA Constituição: mais que mudar é preciso incluir limites

Leia mais

10 anos do Sistema Europeu de Bancos Centrais. Conferência

10 anos do Sistema Europeu de Bancos Centrais. Conferência P á g i n a 1 10 anos do Sistema Europeu de Bancos Centrais Conferência A Economia Portuguesa no Contexto da União Económica e Monetária Prof. Doutor António de Sousa Em primeiro lugar, agradeço o convite

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes O FUTURO DA ZONA EURO José da Silva Lopes IDEFF, 29-11-2011 1 VIAS ALTERNATIVAS PARA FAZER FACE À CRISE DA ZONA EURO As propostas que têm vindo a ser apresentadas por economistas, comentadores e políticas

Leia mais

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM?

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM? Entrevista com Klaus Regling, Diretor Executivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM) Valor Econômico, 16 de julho de 2013 Valor: Por que buscar investidores no Brasil agora? Klaus Regling: Visitamos

Leia mais

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura Seminário Orçamento do Estado 2016 3 de Dezembro de 2015 Auditório da AESE Discurso de abertura 1. Gostaria de dar as boas vindas a todos os presentes e de agradecer à AESE, na pessoa do seu Presidente,

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que:

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Declaração ao país António José Seguro 19 de Julho de 2013 Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Não houvesse mais cortes nas reformas e nas pensões Não houvesse mais despedimentos na função

Leia mais

O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal. por Hossein Samiei. Conselheiro, Departamento Europeu do FMI

O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal. por Hossein Samiei. Conselheiro, Departamento Europeu do FMI O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal por Hossein Samiei Conselheiro, Departamento Europeu do FMI Conferência Sobre Reformas Estruturais no Contexto do Programa de

Leia mais

Em 23 de abril de 2010 o governo grego viu-se obrigado a pedir empréstimo de 100 mil milhões da União Europeia

Em 23 de abril de 2010 o governo grego viu-se obrigado a pedir empréstimo de 100 mil milhões da União Europeia GRÉCIA RESGATES E RENEGOCIAÇÃO DA DÍVIDA 11.MAR.2014 Em 23 de abril de 2010 o governo grego viu-se obrigado a pedir empréstimo de 100 mil milhões da União Europeia A Grécia adotou um conjunto de pacotes

Leia mais

RESUMO DE IMPRENSA. Quarta-feira, 9 de Setembro de 2009

RESUMO DE IMPRENSA. Quarta-feira, 9 de Setembro de 2009 RESUMO DE IMPRENSA Quarta-feira, 9 de Setembro de 2009 JORNAL DE NEGÓCIOS 1. Bancos voltam a dar mais crédito às empresas (manchete, pág. 17). Malparado em alta nos empréstimos a famílias e sociedades.

Leia mais

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL Índice de Risco de PORTUGAL Índice de Pagamentos Índice de Risco Explicação dos valores do Índice de Risco 190 180 170 160 150 140 130 120 110 100 2004 2005 2006 2007 2008 100 Nenhuns riscos de pagamento,

Leia mais

Glossário da crise financeira

Glossário da crise financeira Glossário da crise financeira Focus A crise financeira que teve início em 2008 com a falência do banco de investimento norte-americano Lehman Brothers alastrou-se a todo o mundo e transformou-se na pior

Leia mais

Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis. Maria Luís Albuquerque

Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis. Maria Luís Albuquerque Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis Maria Luís Albuquerque 25 de agosto de 2015 Universidade de Verão do PSD Castelo de Vide 25 de agosto de 2015 Tema: Portugal com Futuro: Finanças Públicas

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL INTRODUÇÃO PELO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL

RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL INTRODUÇÃO PELO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL INTRODUÇÃO PELO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL Maio de 2005 INTRODUÇÃO PELO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL 1. Pela segunda vez fui solicitado

Leia mais

Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal

Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal Aese Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal Quando o Fórum para a Competitividade me convidou para esta intervenção, na qualidade de empresário, já se sabia que não haveria Orçamento de Estado

Leia mais

DEZ MEDIDAS PARA O PLANO DE RECUPERAÇÃO DA MADEIRA

DEZ MEDIDAS PARA O PLANO DE RECUPERAÇÃO DA MADEIRA DEZ MEDIDAS PARA O PLANO DE RECUPERAÇÃO DA MADEIRA A DÍVIDA DE ALBERTO JOÃO JARDIM É GIGANTESCA. A Madeira atingiu uma dívida total registada de 6328 milhões de euros e um défice de 1189 milhões. Existem

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Seminário. Investimento e Financiamento às Empresas. Uma Ideia para Mudar Portugal. 16 de Junho de 2015. Porto Business School

Seminário. Investimento e Financiamento às Empresas. Uma Ideia para Mudar Portugal. 16 de Junho de 2015. Porto Business School Seminário Investimento e Financiamento às Empresas Uma Ideia para Mudar Portugal 16 de Junho de 2015 Porto Business School Novas soluções para incentivar o IDE em Portugal A possibilidade de desenvolver

Leia mais

Barómetro das Crises

Barómetro das Crises Barómetro das Crises 10-04-2014 Nº 9 Sustentabilidade da dívida pública: afinal em que ficamos? O debate sobre a dívida chegou finalmente ao espaço público. O que está a ser discutido? A sustentabilidade

Leia mais

Governo, FMI e toda a troika pretendem transformar Portugal num paraíso fiscal para os patrões Pág. 1

Governo, FMI e toda a troika pretendem transformar Portugal num paraíso fiscal para os patrões Pág. 1 Governo, FMI e toda a troika pretendem transformar Portugal num paraíso fiscal para os patrões Pág. 1 O FALSO DILEMA MENOS SAUDE, EDUCAÇÃO E SEGURANÇA SOCIAL OU MAIS IMPOSTOS de Vítor Gaspar, que o diz

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

Protocolo da Entrevista a Maria

Protocolo da Entrevista a Maria Protocolo da Entrevista a Maria 1 O que lhe vou pedir é que me conte o que é que aconteceu de importante desde que acabou o curso até agora. Eu... ah!... em 94 fui fazer um estágio, que faz parte do segundo

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Quero, também, que os Estaleiros Navais de Viana do Castelo sejam capazes de colocar no exterior noutros mercados, projectos

Quero, também, que os Estaleiros Navais de Viana do Castelo sejam capazes de colocar no exterior noutros mercados, projectos DECLARAÇÕES AOS JORNALISTAS DO MINISTRO PAULO PORTAS, EM VIANA DO CASTELO, APÓS REUNIÕES DE TRABALHO COM O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E COM A COMISSÃO DE TRABALHADORES DOS ESTALEIROS NAVAIS DE VIANA DO

Leia mais

PETIÇÃO PARA A REPOSIÇÃO DO IVA NOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO E BEBIDAS

PETIÇÃO PARA A REPOSIÇÃO DO IVA NOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO E BEBIDAS PETIÇÃO PARA A REPOSIÇÃO DO IVA NOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO E BEBIDAS Petição N.º 428/XII/4ª Audição COFAP Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 16.outubro.2014

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

18º Aniversário Uniarme 2 de Abril 2004 Pavilhão Atlãntico, Parque das Nações. Transcrição da comunicação da Drª Teodora Cardoso

18º Aniversário Uniarme 2 de Abril 2004 Pavilhão Atlãntico, Parque das Nações. Transcrição da comunicação da Drª Teodora Cardoso Muito boa tarde. 18º Aniversário Uniarme 2 de Abril 2004 Pavilhão Atlãntico, Parque das Nações CONFERÊNCIA A IDADE DA MAIORIDADE Transcrição da comunicação da Drª Teodora Cardoso Queria em primeiro lugar

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

preta. Não telemóveis

preta. Não telemóveis Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2012 Exame de Economia Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: O examinando apenas pode

Leia mais

15 MEDIDAS IMEDIATAS PARA UMA ECONOMIA DECENTE

15 MEDIDAS IMEDIATAS PARA UMA ECONOMIA DECENTE MEMORANDO, 10 DE MARÇO DE 2010 RESPOSTA DO BLOCO DE ESQUERDA AO GOVERNO SOBRE O PEC 15 MEDIDAS IMEDIATAS PARA UMA ECONOMIA DECENTE O Governo apresentou no dia 8 de Março o resumo das medidas que incluirá

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 46/XII/1.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 46/XII/1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 46/XII/1.ª Tributa as mais-valias mobiliárias realizadas por Sociedades Gestores de Participações Sociais (SGPS), Sociedades de Capital

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 378/XII/2.ª INTRODUZ O REGIME FACULTATIVO DE CONTABILIDADE DE CAIXA DO IVA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

PROJETO DE LEI N.º 378/XII/2.ª INTRODUZ O REGIME FACULTATIVO DE CONTABILIDADE DE CAIXA DO IVA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 378/XII/2.ª INTRODUZ O REGIME FACULTATIVO DE CONTABILIDADE DE CAIXA DO IVA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Exposição de motivos As micro, pequenas e médias empresas

Leia mais

Portugal: Uma crise em várias frentes

Portugal: Uma crise em várias frentes Portugal: Uma crise em várias frentes Luís Alves de Fraga 1 Universidade Autónoma de Lisboa Antecedentes As causas da actual situação portuguesa remontam a várias décadas atrás, nomeadamente aquando da

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

Ministra manda investigar suspeita de crime nas contas da Justiça

Ministra manda investigar suspeita de crime nas contas da Justiça Ministra manda investigar suspeita de crime nas contas da Justiça Entrevista. Paula Teixeira da Cruz suspeita de práticas ilícitas na gestão dos anteriores titulares da Justiça e pediu à PGR para investigar

Leia mais

Resumo de Imprensa. Dos dias, 20 e 21 de Junho de 2009

Resumo de Imprensa. Dos dias, 20 e 21 de Junho de 2009 Resumo de Imprensa Dos dias, 20 e 21 de Junho de 2009 JORNAL DE NOTÍCIAS (dia 21) 1. Turistas low-cost podem gerar mais emprego (pág. 32) Estudo indicam que por cada passageiro nos cruzeiros turísticos

Leia mais

IDEFF/OTOC 4.julho.2011 Cristina Sofia Dias Adida Financeira, Representação Permanente de Portugal Junto da UE

IDEFF/OTOC 4.julho.2011 Cristina Sofia Dias Adida Financeira, Representação Permanente de Portugal Junto da UE IDEFF/OTOC 4.julho.2011 Cristina Sofia Dias Adida Financeira, Representação Permanente de Portugal Junto da UE A crise financeira: causas, respostas e os planos de assistência financeira Índice 1. Da crise

Leia mais

PETIÇÃO PARA A REPOSIÇÃO DO IVA NOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO E BEBIDAS. Petição N.º 428/XII/4ª

PETIÇÃO PARA A REPOSIÇÃO DO IVA NOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO E BEBIDAS. Petição N.º 428/XII/4ª PETIÇÃO PARA A REPOSIÇÃO DO IVA NOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO E BEBIDAS Petição N.º 428/XII/4ª IVA Médio na Europa Taxas de IVA dos Serviços de Alimentação e Bebidas na UEM - União Económica e Monetária

Leia mais

Resumo de Imprensa. Sábado e domingo, 18 e 19 de Outubro de 2008

Resumo de Imprensa. Sábado e domingo, 18 e 19 de Outubro de 2008 Resumo de Imprensa Sábado e domingo, 18 e 19 de Outubro de 2008 PÚBLICO (domingo, 19) 1. Bastaram 20 minutos de chuva intensa para criar o caos em Lisboa (pág. 1 e 25) 2. Contestação ao Governo. Manifestação

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A BANCA PAGA METADE DA TAXA DE IRC, AS REMUNERAÇÕES DOS TRABALHADORES REPRESENTAM APENAS

Leia mais

Famílias falidas esquecem-se do perdão do resto da dívida

Famílias falidas esquecem-se do perdão do resto da dívida Famílias falidas esquecem-se do perdão do resto da dívida ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS Tem meio ano para pedir insolvência Nem sempre é fácil perceber quando se entra em insolvência. Raul Gonzalez dá um

Leia mais

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO 1. A economia cabo-verdiana é fortemente influenciada pela dinâmica da economia internacional, mormente da Zona Euro. 2. Neste contexto, a persistente

Leia mais

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados A proposta do Orçamento

Leia mais

3. Energia. Concursos para mini-hídricas já foram lançados e somam 128 MW. Empresas têm até 25 de Novembro para apresentar projectos. (pág.

3. Energia. Concursos para mini-hídricas já foram lançados e somam 128 MW. Empresas têm até 25 de Novembro para apresentar projectos. (pág. RESUMO DE IMPRENSA Segunda-feira, 25 de Outubro de 2010 JORNAL DE NEGÓCIOS 1. Salário de trabalhadores das empresas do Estado com cortes acima de 20%. Rendimentos menores são os mais afectados. Saiba tudo

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 47/ XII - 1.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 47/ XII - 1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 47/ XII - 1.ª Cria uma nova taxa aplicável às transacções financeiras realizadas no mercado de valores mobiliários 1. Durante a crise financeira,

Leia mais

EUGÉNIO ROSA Economista edr2@netcabo.pt www.eugeniorosa.com

EUGÉNIO ROSA Economista edr2@netcabo.pt www.eugeniorosa.com A TRANSFERÊNCIA DE RENDIMENTOS DO TRABALHO PARA O CAPITAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA contexto, instrumentos utilizados e estimativa dos rendimentos transferidos Aumento da exploração dos trabalhadores da

Leia mais

Ganhar o Futuro com (a) Educação

Ganhar o Futuro com (a) Educação Começo por congratular todos os deputados, na pessoa da nossa Presidente, e, todos os membros do XI Governo, na pessoa do seu Presidente, certa que em conjunto faremos um trabalho profícuo para bem das

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

Crescimento da dívida desde o fim dos anos 90

Crescimento da dívida desde o fim dos anos 90 Justiça na economia Crescimento da dívida desde o fim dos anos 90 Em % do PIB 140% 120% 100% 80% 60% 40% 20% 0% 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Crescimento

Leia mais

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal Visita da missão de PPP do Ministério da Economia da Polónia a Portugal Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO

Leia mais

A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA.

A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA. Exchange A EXCHANGE Quem somos A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA. Resulta de uma Parceria de Sucesso entre o Grupo Onebiz, referência no desenvolvimento de

Leia mais

Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020

Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020 Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020 08 Abril 2015 Há quase três décadas que Portugal recebe fundos europeus, mas o próximo quadro comunitário de apoio está a merecer uma

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social O tempo e a espera Ministro fala de projetos em andamento e ações do governo para a área educacional Entrevista do ministro publicada na Revista Educação no dia 26 de maio de 2004. Tarso Genro é considerado

Leia mais

NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES

NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES Resultado da cimeira "particularmente positivo para Portugal" A cimeira europeia de quinta-feira

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL

POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL O crescimento económico e a redução do desemprego são hoje os grandes desafios que a Europa enfrenta. Em Portugal, a situação económica e social é hoje

Leia mais

Barómetro das Crises

Barómetro das Crises Barómetro das Crises 18-11-2014 Nº 11 Orçamento para 2015: mais custos para pior Estado Oito anos depois do início da Grande Recessão e passados cinco anos de austeridade, o Orçamento do Estado para 2015,

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto.

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. <Os Inovadores> <Escola Profissional Atlântico> NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Dezembro de 2011 1 A

Leia mais

A simplicidade e a instabilidade no sistema fiscal português Prioridades da política fiscal

A simplicidade e a instabilidade no sistema fiscal português Prioridades da política fiscal RA40_AF.qxp:RA40_miolo 21.05.08 20:31 Page 55 José Manuel de Paiva Gomes A simplicidade e a instabilidade no sistema fiscal português Prioridades da política fiscal JAN/MAR 2008 REVISORES AUDITORES 55

Leia mais

School of Economics and Management

School of Economics and Management School of Economics and Management TECHNICAL UNIVERSITY OF LISBON Department of Economics Carlos Pestana Barros & Nicolas Peypoch Pedro Leão Consequências A Comparative Analysis de desequilíbrios of Productivity

Leia mais

A questão da natalidade nos países da União Européia: desafios e alternativas em discussão 1.

A questão da natalidade nos países da União Européia: desafios e alternativas em discussão 1. Universidade do Vale do Itajaí Curso de Relações Internacionais LARI Laboratório de Análise de Relações Internacionais Região de Monitoramento: União Europeia LARI Fact Sheet Abril/Maio de 2011 A questão

Leia mais

IRS 2015 - E-FATURA. Perguntas e Respostas GUIA JNEGÓCIOS

IRS 2015 - E-FATURA. Perguntas e Respostas GUIA JNEGÓCIOS IRS 2015 - E-FATURA Perguntas e Respostas GUIA JNEGÓCIOS IRS 2015 - e-fatura Guia JNegócios 1 INDICE 1. Questões gerais... 2 I. Porque é que as faturas têm de ser confirmadas?... 2 II. Até quando podem

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

IMPRENSA Resumo Diário 15 JUN 2015

IMPRENSA Resumo Diário 15 JUN 2015 1. Laudato Si. Nova encíclica do Papa Francisco declara guerra às multinacionais. Chama-se Laudato si, sobre o cuidado da Terra e é a primeira encíclica da Igreja sobre o Ambiente. O texto, apresentado

Leia mais

1. Greve no Metro de Lisboa, Antena 1 - Notícias, 25-05-2015 1. 2. Greve no Metro de Lisboa, Antena 1 - Notícias, 25-05-2015 2

1. Greve no Metro de Lisboa, Antena 1 - Notícias, 25-05-2015 1. 2. Greve no Metro de Lisboa, Antena 1 - Notícias, 25-05-2015 2 Radios_25_Maio_2015 Revista de Imprensa 1. Greve no Metro de Lisboa, Antena 1 - Notícias, 25-05-2015 1 2. Greve no Metro de Lisboa, Antena 1 - Notícias, 25-05-2015 2 3. PS quer alterar o Código do IVA,

Leia mais

RESUMO DE IMPRENSA. Segunda-feira, 31 de Agosto de 2009

RESUMO DE IMPRENSA. Segunda-feira, 31 de Agosto de 2009 RESUMO DE IMPRENSA Segunda-feira, 31 de Agosto de 2009 JORNAL DE NEGÓCIOS 1. Especial rumo às eleições. Promessas fiscais do PSD são mais generosas para as empresas. Mudanças nos impostos propostas pelos

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Julio Hegedus Assunto: Balanço Semanal InterBolsa BALANÇO SEMANAL 24 DE SETEMBRO DE 2010 BALANÇO SEMANAL 20 A 24/09 CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Capitalização da Petrobras

Leia mais

Sistematização das medidas previstas no Programa de Apoio Económico e Financeiro a Portugal até ao final de 2011

Sistematização das medidas previstas no Programa de Apoio Económico e Financeiro a Portugal até ao final de 2011 Sistematização das medidas previstas no Programa de Apoio Económico e Financeiro a Portugal até ao final de 2011 Do texto divulgado pelo Ministério das Finanças, "Sistematização das medidas do Programa

Leia mais

Sustentabilidade orçamental Conceito, práticas, ideias

Sustentabilidade orçamental Conceito, práticas, ideias Sustentabilidade orçamental Conceito, práticas, ideias Teodora Cardoso Apresentação às Jornadas Parlamentares do PSD Viseu, 24 Março 2014 Sustentabilidade orçamental Um conceito simples Avaliar a sustentabilidade

Leia mais

1. ANALISAR O MERCADO E A PROCURA

1. ANALISAR O MERCADO E A PROCURA Investimento ito regras para investir no Brasil Vários especialistas explicam, em oito passos, o que tem de fazer para financiar e avançar com um projecto imobiliário no Brasil. Brasil tornou-se numa das

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

DEFENDER AS FUNÇÕES SOCIAIS DO ESTADO

DEFENDER AS FUNÇÕES SOCIAIS DO ESTADO DEFENDER AS FUNÇÕES SOCIAIS DO ESTADO Sem Administração Publica não existem Funções Sociais do Estado (Educação, Saúde, Segurança Social, etc.) ENCONTRO / DEBATE ORGANIZADO PELA FRENTE COMUM DE SINDICATOS

Leia mais

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado 17-03-2006 13:11:00. Fonte LUSA. Notícia SIR-7829164 Temas: economia portugal finanças sociedade LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado DATA:. ASSUNTO: Conferência

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

I - Exposição de motivos

I - Exposição de motivos Projeto de Resolução n.º 14/XIII/1ª Recomenda ao Governo a criação de um programa de desenvolvimento social I - Exposição de motivos «Nos últimos quatro anos, Portugal viveu uma situação excecional e venceu-a;

Leia mais

Discurso do Primeiro-Ministro no Fórum Empresarial Portugal-Alemanha. Lisboa, 12 de novembro de 2012. (Só faz fé versão lida)

Discurso do Primeiro-Ministro no Fórum Empresarial Portugal-Alemanha. Lisboa, 12 de novembro de 2012. (Só faz fé versão lida) Discurso do Primeiro-Ministro no Fórum Empresarial Portugal-Alemanha Lisboa, 12 de novembro de 2012 (Só faz fé versão lida) Estamos hoje reunidos neste fórum que corporiza a cooperação entre a política

Leia mais

Análise Independente Anual de Crescimento para 2013 ECLM-IMK-OFCE

Análise Independente Anual de Crescimento para 2013 ECLM-IMK-OFCE Análise Independente Anual de Crescimento para 2013 ECLM-IMK-OFCE Resumo Quatro anos após o início da Grande Recessão, a zona euro permanece em crise. O PIB e o PIB per capita estão abaixo do seu nível

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 2º CADERNO DE EXERCÍCIOS Estudo dos Ciclos Económicos 1. O MERCADO DO PRODUTO 1.1. Modelo Simples

Leia mais

Onde estamos e para onde vamos?

Onde estamos e para onde vamos? Onde estamos e para onde vamos? Carlos da Silva Costa Governador 20º Encontro SAER A nova economia e as novas formas de financiamento Museu do Oriente, 25 de junho de 2014 Onde estamos e para onde vamos?

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Sessão de esclarecimento sobre o euro. impacto nos negócios, na contabilidade e na fiscalidade 1998.Novembro.28. etapas

Sessão de esclarecimento sobre o euro. impacto nos negócios, na contabilidade e na fiscalidade 1998.Novembro.28. etapas Sessão de esclarecimento sobre o euro impacto nos negócios, na contabilidade e na fiscalidade 1998.Novembro.28 Consultores de Gestão etapas 1.Jan.1999 entra em vigor o EURO (moeda escritural) não obrigação

Leia mais

"A difícil transição" in Cadernos de Economia (Março 1990)

A difícil transição in Cadernos de Economia (Março 1990) "A difícil transição" in Cadernos de Economia (Março 1990) Source: Cadernos de Economia. Revista de Análise. dir. de publ. Morgado, Manuela. Janeiro/Março de 1990, n 10; Ano III. Lisboa: Promeios. "A difícil

Leia mais

IVA transmissão de estabelecimento

IVA transmissão de estabelecimento IVA transmissão de estabelecimento É possível, ao abrigo do artigo 3.º, n.º 4 do CIVA transmitir um estabelecimento (isto é, todo o seu activo) de uma sociedade para um empresário em nome individual no

Leia mais

Actualização sobre a Grécia

Actualização sobre a Grécia Actualização sobre a Grécia Definição e contextualização Dia 26 de Janeiro de 2015, Alexis Tsipras, líder do Syriza, foi eleito primeiro-ministro, na sequência de uma campanha com elevada popularidade

Leia mais