Seis SIGMA Uma resposta à necessidade de fortalecer a competitividade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seis SIGMA Uma resposta à necessidade de fortalecer a competitividade"

Transcrição

1 Nº 126 Junho de Editorial "A Crise na FISIPE" Quando falamos de crise, habitualmente associamos a responsabilidade da mesma à bolha do imobiliário, à falência de alguns Bancos, à falta e ao custo do crédito, ao elevado desemprego, ao corte das despesas dos Estados, etc. Na FISIPE, apesar de logicamente a empresa não estar imune às causas atrás referidas, o seu principal problema e a razão da sua crise tem sido a extrema dificuldade em garantir o abastecimento da matéria-prima principal, o acrilonitrilo. Tal facto resulta de uma escassez de oferta a nível mundial e das falhas sucessivas, por parte dos fornecedores, no cumprimento dos prazos de entrega acordados. A referida escassez de oferta levou a uma escalada nos preços de venda desta matéria-prima, nunca antes verificada, a qual é impossível fazer repercutir nos preços de venda dos nossos produtos, especialmente naqueles mais comuns e com menor valor acrescentado. Esta crise só veio confirmar a premente necessidade de produzir fibras de alto valor acrescentado como são o precursor de fibra de carbono e as fibras de carbono. É esse o caminho que temos vindo a trilhar e para o qual demos passos importantes no semestre agora findo. Temos vindo a recrutar e a formar o pessoal técnico necessário à condução da unidade piloto de produção de fibra de carbono, a qual está em fase final de montagem e corresponde a um investimento de 5 milhões de euros. Estamos também em fase avançada de negociações para a implementação, em associação com empresas brasileiras, de um projecto de produção de fibra de carbono no Brasil. O Brasil tem potencialidades enormes de consumo de fibra de carbono para fins industriais, nomeadamente no fabrico de pás para geradores eólicos, em plataformas de exploração de petróleo a grandes profundidades e em núcleos de cabos eléctricos de alta tensão, isto para já não falarmos da indústria aeronáutica, em que pensamos só ser realista penetrar numa segunda fase. Este é o projecto que estamos empenhados em concretizar e que garantiria o consumo de uma parte importante do precursor de fibra de carbono que iremos produzir em Portugal. Uma vez mais, e apesar da crise, estamos confiantes de que vamos conseguir ultrapassar as dificuldades. João Manuel Dotti Sumário Destaque Como é do conhecimento de todos os colaboradores da FISIPE, as dificuldades na compra da nossa matéria-prima principal, sentidas ao longo do 1º semestre de 2010, acabaram por afectar fortemente a actividade da empresa neste período. 9 Movimento de Pessoal 10 Teodora Silva Artigos 2 Seis Sigma - Uma resposta à necessidade de fortalecer a competitividade 3 Fibra de Carbono - da Ideia ao Negócio 4 A crise económica (parte III) 5 Recursos Humanos - Absentismo Destaque 6 Acrilonitrilo - As razões da crise de abastecimento 8 Sugestões de sites da internet Perfil Notícias FISIPE 11 II Fórum Setúbal Solidária com os Bombeiros Voluntários Estágios na FISIPE Informações 12 Espaço CIRFS / Espaço APEQ Este é o meu IF Presidente da Comissão Executiva

2 Artigos Seis SIGMA Uma resposta à necessidade de fortalecer a competitividade No ambiente competitivo de negócios de hoje em dia, a satisfação do cliente baseada na qualidade / ausência de defeitos nos produtos e serviços é mais importante que nunca. Com vista à melhoria do desempenho das organizações, uma ferramenta tem vindo a ganhar adeptos - o Seis Sigma. O que é o Seis Sigma? O Seis Sigma é um conjunto de práticas que visam a melhoria sistemática de processos por meio da redução na variação do processo, eliminando assim os defeitos. Tratase de uma abordagem sistemática para reduzir falhas que afectam o que é crítico para o Cliente, aumentando a sua satisfação e reduzindo custos. Assume-se como uma metodologia altamente disciplinada, que ajuda a organização a focar-se no desenvolvimento e entrega de produtos e serviços próximos da perfeição. Esta metodologia procura estabelecer a ligação entre qualidade e os objectivos globais da organização, motivando o trabalho de equipa. Os detalhes desta metodologia foram originalmente formulados pela Motorola, em meados da década de 1980, e posteriormente foi utilizada com sucesso em empresas como a ABB, Allied Signal, General Electric, Dupont e Toshiba. No essencial segue a filosofia dos Sistemas de Gestão da Qualidade baseados na ISO 9001 e das abordagens como o Total Quality Management e Zero Defeitos. Da mesma forma, a metodologia Seis Sigma realça o seguinte: l O empenho contínuo em reduzir a variação dos processos é essencial para o sucesso empresarial; l Processos empresariais e de produção podem ser medidos, analisados, controlados e melhorados; l Para conseguir a melhoria constante e contínua de qualidade, é necessário o compromisso de toda a organização, especialmente da Gestão de Topo. A Filosofia A filosofia da metodologia Seis Sigma enfatiza os resultados da organização e a satisfação dos clientes com base na prevenção de defeitos. Esta filosofia tem como fundamento a compreensão de que os defeitos custam dinheiro e causam prejuízos e insatisfação aos clientes, reduzindo a competitividade e a rentabilidade. Clientes satisfeitos significam mais vendas. O objectivo final desta metodologia é fazer com que a empresa melhore os seus resultados, e isto pode ser Defeito é definido como a falta de conformidade de um produto ou serviço com as respectivas especificações O objectivo é a melhoria dos resultados atingido pela melhoria da qualidade e pela eliminação dos desperdícios causados por defeitos, erros e retrabalho. A Abordagem A metodologia Seis Sigma desenvolve uma abordagem em que define, mede, analisa, melhora e controla a qualidade de cada um dos produtos, serviços e processos da empresa, com o objectivo final de eliminar os defeitos que afectam o que é crítico para os clientes e para os resultados. Esta abordagem está estruturada em cinco fases: 1. Definição dos objectivos dos processos e os requisitos do cliente (ouvindo a voz do cliente interno e externo). Nesta etapa são identificados os projectos relevantes para o negócio. Concentrar os recursos de talentos, tempo e dinheiro nos objectivos e projectos certos é um passo fundamental para assegurar o sucesso no fortalecimento da competitividade e rentabilidade. 2. Medição do desempenho actual do processo. Onde estamos e como saber se estamos progredindo? É definido o que é necessário medir para avaliar o desempenho actual, estabelecer um ponto de referência, avaliar os progressos e controlar os processos. 3. Analisar e determinar a causa dos defeitos/défice de desempenho. São analisados os dados sobre o desempenho passado e actual, procurando identificar as possíveis causas dos resultados insatisfatórios. As hipóteses sobre as possíveis relações entre causas e efeitos são desenvolvidas, testadas e analisadas, usando as técnicas e ferramentas estatísticas apropriadas. O objectivo destas análises é identificar os factores com mais impacto no desempenho dos processos ou produtos. 4. Melhorar o processo eliminando as causas dos defeitos/ défice de desempenho. São procuradas alternativas e identificada a melhor solução para eliminar as causas do desempenho insatisfatório. O objectivo é identificar novos meios para fazer melhor, mais rápido e mais barato. As ferramentas usadas nesta etapa incluem o brainstorming e a avaliação de riscos, entre outras. 5. Controlar o desempenho do processo. A documentação dos processos é actualizada e os instrumentos de controlo e medição são desenvolvidos, validados e implementados. Durante algum tempo, a implementação das melhorias é monitorizada e o processo é auditado para assegurar a manutenção dos benefícios. Os Benefícios Alguns dos referidos benefícios traduzem-se em: melhoria da satisfação do cliente, melhoria das entregas e do desempenho da qualidade, melhoria do fluxo dos processos, aumento da produtividade, melhoria da fiabilidade do produto, redução dos defeitos, redução de custos e redução dos desperdícios. 2

3 Artigos Fibra de Carbono - Da Ideia ao Negócio Avizinha-se o ansiado momento do arranque da nova Instalação Piloto para produção de fibra de carbono. Encontramo-nos agora num virar de página particularmente interessante da história da reinvenção do negócio da FISIPE. Um negócio que envolverá a comercialização de novos produtos, em início de ciclo de vida, direccionados para sectores prósperos, como o dos materiais compósitos, e com taxas de crescimento anuais próximas de 20%. Esta história começou em 2006 e teve os seguintes marcos principais: 04 Out 2006 A FISIPE está presente no Congresso Carbon Fibre 2006 (na Hungria) e anuncia publicamente que tenciona entrar neste negócio como produtor de Precursor Fibra de Carbono a matéria-prima para produção de Fibra de Carbono. 21 Dez 2006 A FISIPE aborda um prestigiado laboratório nos EUA - o Oak Ridge National Laboratory (ORNL) - e inicia assim um projecto conjunto de desenvolvimento tecnológico de uma fibra de carbono de baixo custo, partindo de precursor produzido na Instalação Piloto da FISIPE. 01 Out 2007 O ORNL apresenta os primeiros resultados de conversão do Precursor FISIPE em Fibra de Carbono. Os resultados superam de imediato os objectivos estabelecidos no início do projecto. Os trabalhos sucedem-se até hoje e a FISIPE é recentemente contratada como parceiro de desenvolvimento num importante projecto financiado pelo Governo dos EUA. 20 Nov 2008 É fechado o negócio de aquisição de uma linha piloto completa ao maior e mais conceituado fornecedor de equipamento para produção de Fibra de Carbono a HARPER. O negócio contempla um acordo de colaboração entre as duas empresas que prevê a utilização desta infraestrutura de desenvolvimento como show-room para potenciais Clientes de ambas as empresas, para testes promocionais de equipamentos e matérias-primas e para upgrade das tecnologias já desenvolvidas (nela serão testadas as futuras gerações dos equipamentos comercializados pela Harper). 16 Jul 2008 É aprovado o projecto CARBOGEN, que financia através do QREN a actividade de I&DT do Precursor de Fibra de Carbono. 28 Ago 2008 É aprovado o projecto CARBOPAN, que financia através do QREN a aquisição do equipamento Piloto para conversão de Fibra de Carbono e a actividade de I&DT associada ao desenvolvimento da tecnologia de conversão. 29 Jun 2009 Início da construção do edifício (100X15X9m de altura) que abrigará o equipamento adquirido. 04 Jan 2010 Entrega dos primeiros equipamentos e início da instalação dos mesmos. 01 Formação da Nova Equipa responsável pela operação e trabalhos de Desenvolvimento a realizar na Instalação Piloto. Trata-se de uma equipa de 11 colaboradores: 10 Técnicos Especialistas Químicos e 1 Chefia, em dedicação exclusiva à actividade de I&DT. Julho 2010 Previsão do arranque da Nova Instalação Piloto, após intenso ritmo de acções de formação. E a história vai continuar A nova infra-estrutura piloto, por exemplo, ainda não cumpriu a sua missão principal: 1. Validar e optimizar o Precursor de Fibra de Carbono desenvolvido na FISIPE 2. Permitir o acesso à tecnologia de conversão da fibra de Carbono 3. Promover o Precursor de Fibra de Carbono junto de Clientes, permitindo a definição de condições de processo que facilitem a utilização do produto e atestando os resultados finais. Seguir-se-ão outros capítulos desta história, como sejam: l A implementação da tecnologia de produção de Precursor de Fibra de Carbono à escala industrial (que se iniciará com a modificação de uma Linha de Spinning, provavelmente a SPM 3). l A comercialização de Precursor de Fibra de Carbono o momento mais importante, em que todo o esforço anterior trará retorno económico. l O desenvolvimento de diferentes tipologias de Precursor (aumentando a gama de produtos oferecida aos sectores alvo). Esta história tem tido muitos momentos felizes, algumas contrariedades e cada vez mais protagonistas, que assim que são envolvidos ficam seduzidos e quase enfeitiçados pela magia do mundo da fibra de carbono. No final do projecto teremos conquistado não só a entrada num negócio mais próspero e sustentável, mas também o domínio de uma tecnologia complexa que fala português e é só nossa. Será assim um verdadeiro e legítimo motivo de orgulho e de coesão dos 325 protagonistas da FISIPE. Neste momento ocorre apenas o culminar de um capítulo de uma história que todos queremos que tenha um final muito feliz. Um final que todos somos capazes de adivinhar e escrever. Que tal: e assim a FISIPE iniciou um novo e próspero ciclo da sua vida? Só temos que escrever esta história depressa! 3

4 Artigos A crise económica (Parte III) Nos dois últimos IF abordámos as causas que, em nossa opinião, provocaram a crise económica internacional que actualmente vivemos. A resposta à crise por parte dos vários governos, há uns meses atrás, foi a injecção de moeda na economia por parte dos bancos centrais, acompanhada de uma redução nas taxas de juro para níveis próximos do zero. Esperava-se com isto estimular a retoma económica e permitir também aos bancos a concessão de crédito á economia real. Entretanto surgiu a crise Grega a qual, para além de constituir mais um obstáculo á recuperação económica, contagiou os países mais frágeis da área do Euro, propagando-se com uma rapidez alarmante. Quando a dívida pública dos estados ultrapassa 90% do produto interno bruto, os mercados financeiros reagem negativamente, antecipando com maior ou menor acuidade eventuais probabilidades de incumprimento. Nessa altura, as agências de rating (avaliação de risco de crédito) começam a efectuar downgrades no risco e a obtenção de crédito por parte da banca fica mais difícil. Quando se constatou que os prémios de risco associados à divida soberana Grega com maturidade de dois anos se elevaram a cerca de 20 pontos percentuais, valor que tem implícita uma probabilidade significativa de incumprimento por parte do governo Helénico, além de implicar uma dinâmica incomportável ao nível da dívida pública, os mercados financeiros reagiram muito negativamente. Se deixada ao abandono, a Grécia não teria outra alternativa senão a de falhar o pagamento integral da sua dívida. Contudo, essa não seria uma solução viável para o Euro, uma vez que para além das perdas que teriam de ser suportadas pelos bancos Europeus - que detêm cerca de 90% da dívida externa da Grécia - tal desfecho certamente desencadearia um fenómeno de contágio sobre outros estados membros com endividamento excessivo, entre os quais Portugal. Em caso de materialização, este cenário teria consequências trágicas para o sistema financeiro europeu e seria provavelmente fatal para o projecto do euro. Neste contexto, só uma resposta determinada de todos os protagonistas da área do euro, incluindo o BCE, lograria restaurar a normalidade dos seus mercados financeiros. Foi isso que aconteceu. Para atender ao problema Grego importava numa primeira abordagem: tentar reduzir os receios dos investidores através da disponibilização de um pacote que suprisse as necessidades de financiamento de tesouro Grego durante o período de ajustamento orçamental. Este pacote, ultimado no último mês de Abril entre os estados membros da UEM e o FMI, compreende empréstimos no máximo até 110 mil milhões de euros. Numa segunda abordagem, impunha-se travar o efeito de contágio que emana da Grécia para outros países da UEM, tais como Portugal, Espanha, Irlanda e Itália. Para esse efeito, a Comissão Europeia criou um fundo de estabilização financeira de grandes dimensões, que permitirá assistir qualquer estado membro que venha a sentir problemas de financiamento da sua dívida pública. Em complemento, o BCE optou por uma intervenção directa nos mercados da dívida pública e privada com o intuito de restaurar alguma normalidade ao seu financiamento, à semelhança do que foi feito pelos bancos centrais dos EUA, do Japão e do Reino Unido. Portugal, sendo um dos países periféricos da área do Euro com uma dívida pública excessiva, tende a ser visto com desconfiança por parte dos investidores. Neste clima de enorme incerteza, os nossos bancos enfrentam grandes dificuldades de financiamento. Para além disso, estão relutantes em conceder crédito, pois muitos deles ainda se deparam com enormes problemas de incobráveis que afectam os seus balanços. Na FISIPE, as restrições ao crédito não deixarão de fazer-se sentir a curto prazo, pois este será cada vez mais caro e selectivo. Este efeito será sentido a nível dos spreads praticados nas nossas operações de curto prazo, nomeadamente os descontos de facturas dos nossos clientes e a abertura de cartas de crédito de importação destinadas á compra de acrilonitrilo. A concessão de financiamentos irá igualmente ser afectada por esta conjuntura, com os bancos a exigirem cada vez mais garantias adicionais. Fibras pigmentadas Fontes: Millennium Investment Banking; ECR Global Financial Markets 4

5 Recursos Humanos Absentismo O tempo de trabalho, correspondente ao cumprimento dum horário com pontualidade e assiduidade e ao desempenho com zelo e diligência da função ou actividade contratada, constitui o objectivo fundamental de quem contrata, tal como a remuneração paga, no montante, na data e com a regularidade acertada, constitui a principal contrapartida e expectativa legítima do contratado. A ausência e/ou o não exercício da função ou actividade contratada, seja qual for a razão que se possa invocar, corresponde sempre ao não cumprimento do contrato. O elenco de ausências que a Lei menciona e classifica não as torna menos graves em termos de consequências para quem esperava a execução dum trabalho e não obtém nada para além de um justificativo. Não há, objectivamente, situações de ausência ou de não trabalho que sejam equivalentes ao trabalho que, por força e nas condições do contrato, se estava obrigado a prestar. As consequências da ausência vão muito para além da remuneração que pode, sempre que a Lei o permite, não ser paga. As implicações da ausência fazem-se sentir em * O ano de 2009 tem as rubricas ordenadas de forma decrescente em função dos tempos (1-14). Nos restantes anos, o número de horas de absentismo de cada rubrica é antecedido pela indicação da ordem que ocupam, considerando os tempos de cada ano ordenados de forma decrescente. termos de organização/planificação, em custos (trabalho suplementar e descansos compensatórios, por exemplo), no esforço que se pede aos outros membros da equipa, no aumento dos riscos de acidente, etc. Em teoria, aceita-se que não há ausências sem fundamento. Portanto, existe sempre uma razão e os mais habilidosos encontram sempre a justificação adequada e o respectivo documento com os termos precisos que a Lei prevê. Por outro lado, dizem os mesmos, há sempre um motivo que se pode invocar para faltar, cumprindo os preceitos e as normas. O único aspecto verdadeiramente distintivo e revelador de quem é quem nesta matéria é a atitude que cada um assume face à necessidade de faltar. Melhor ainda: constata-se, com o passar dos anos, que, variando em grau, há sempre uns que faltam e outros não. Portanto, não sendo possível discutir os motivos invocados por quem falta, nem, quase sempre, os requisitos dos documentos que apresenta, o que resta à empresa é fixarse no facto objectivamente indesmentível que é a presença pontual e assídua e o desempenho com zelo e diligência da função ou actividade contratada, que, como tal, deve ser valorizada. Os resultados do absentismo de 2009, situado nos 5,7%, representam uma ausência média de 18 pessoas por dia (Gráfico). Ainda que represente uma pequena melhoria em relação a 2008 (5,9%) continua a ser preocupante. Temos o efectivo completo, reduzimos o trabalho suplementar para níveis mais aceitáveis, reduzimos a média etária e, ainda que com um pouco de menos experiência, temos um potencial superior em termos de preparação de base. Falta-nos, então, o quê? Melhorar a atitude! O trabalho que cada um tem, a função que lhe está atribuída, é imprescindível para a FISIPE. Deve constituir motivo de orgulho para quem a exerce e ser objecto da sua atenção constante. Todas as relações do homem e o seu enquadramento são modificáveis. Se reconhecemos que existem as condições mínimas por isso continuamos na FISIPE - podemos, com vontade e determinação, introduzir regularmente as pequenas mudanças de que todas as relações precisam para melhorar, tornando-as mais agradáveis e mais fortes. Dessa forma, o exercício da função será cada vez mais motivo de satisfação e alimento insubstituível de auto-estima. O trabalho não pode ser só fonte de rendimento. Tem que constituir uma das mais importantes vertentes da realização pessoal e profissional, expressa no reconhecimento que determina. Destaques: A Baixa por Doença e a Baixa por Acidentes de Trabalho constituem desde sempre os principais causas de absentismo. A Maternidade/Paternidade surge em 2009 como a 3ª causa de ausência, fruto certamente do rejuvenescimento do nosso efectivo e também das modificações introduzidas na Lei. A Suspensão Disciplinar como 4ª razão de absentismo em 2009 resulta de mais procedimentos disciplinares e de maior rigor nas sanções. O volume de Faltas Injustificadas parece estar a inflectir o seu crescimento, embora continue a ser preocupante. A Assistência à Família mantém a sua expressão. O tempo gasto em Consultas Médicas reduziu-se consideravelmente. As Compensações por Trabalho Suplementar em Dia Útil sofreram uma redução para menos de metade em linha com a redução do próprio Trabalho Suplementar. 5

6 Destaque Acrilonitrilo As razões da crise de abastecimento Como é do conhecimento de todos os colaboradores da FISIPE, as dificuldades na compra da nossa matéria-prima principal, sentidas ao longo do 1º semestre de 2010, acabaram por afectar fortemente a actividade da empresa neste período. A redução da actividade da fábrica e consequentemente o menor volume de vendas, determinaram um mau desempenho económico da empresa, que contrasta com aquilo que se observou em Importa entender as razões desta crise sem prece-dentes no mercado do acrilonitrilo e perspectivar aquilo que poderá acontecer no 2º semestre de A lei da oferta e da procura O acrilonitrilo é um produto químico standard, de base petroquímica, transaccionado internacionalmente à escala global (Europa, EUA, América Latina, Rússia e Ásia) e tem como principais matérias-primas o propileno e a amónia, que por sua vez são produzidos a partir do petróleo ou gás natural. Do lado da oferta, verifica-se que a capacidade de produção de acrilonitrilo está concentrada num número relativamente pequeno de produtores. E da análise do Quadro 1, conclui-se também que a capacidade de produção mundial se manteve constante nos últimos anos e somente em 2011 se prevê um aumento, devido à entrada em funcionamento de uma nova unidade da empresa japonesa Asahi, na Tailândia. Quadro 1. Evolução da produção mundial de acrilonitrilo Fonte: ICIS LOR Reports (os valores em itálico são valores estimados) A partir do valor mínimo observado em 2008, consequência da crise financeira mundial, observouse uma recuperação gradual da produção de acrilonitrilo, suportada pela crescente procura desta matéria-prima. No futuro próximo, prevê-se que esta tendência se mantenha e até se reforce. Mas quais são os sectores que estão de facto a puxar pelo consumo do acrilonitrilo? O acrilonitrilo é consumido em diferentes aplicações e por isso é importante avaliar as diferentes componentes da procura. As duas principais aplicações são a produção de fibras acrílicas e a produção de resinas/plásticos ABS/SAN, muito utilizadas nas indústrias automóvel e de electrodomésticos. Quadro 2. Consumo mundial de acrilonitrilo, por aplicação Fonte: ICIS LOR Reports (os valores em itálico são valores estimados) Da análise do Quadro 2, concluiu-se que apenas os sectores do ABS/SAN e da Acrilamida revelam uma dinâmica de crescimento, sendo o sector das resinas ABS/SAN aquele que mais cresce em valor absoluto. Aliás, em 2011, o consumo de acrilonitrilo no sector do ABS/SAN deverá superar pela 1ª vez o consumo no sector das fibras acrílicas! Por outro lado, o consumo de acrilonitrilo no sector das fibras acrílicas deverá estabilizar em cerca de ton/ano. O declínio no consumo de fibras acrílicas têxteis, por serem demasiado caras face a outras fibras como o Poliéster ou o Algodão, deverá ser compensado pelo crescimento do consumo de fibras acrílicas para aplicações técnicas, em particular os PFC - Precursores de Fibras de Carbono. Os PFC constituem ainda um mercado relativamente pequeno, mas prevê-se que este mercado terá uma taxa de crescimento anual superior a 10% nos próximos anos. Daí a aposta estratégica da FISIPE nesta área! É um facto que o sector das fibras acrílicas tem vindo a perder gradualmente relevância para os produtores de acrilonitrilo, face a outros sectores com forte dinâmica de crescimento e que estão normalmente dispostos a pagar um preço mais elevado para garantir o seu abastecimento. Na verdade, conseguem pagar mais porque fabricam produtos de maior valor acrescentado e com muito menor grau de incorporação de acrilonitrilo (logo são menos sensíveis a flutuações no seu preço). Tipicamente as fibras acrílicas incorporam mais de 90% de acrilonitrilo, enquanto as resinas ABS/SAN incorporam somente 20% a 25%. Portanto, na situação de enorme escassez que se verificou na primeira metade de 2010, os produtores de fibras acrílicas foram colocados perante um dilema, ou aceitavam pagar os elevados preços que 6

7 se praticavam no mercado ou reduziam a sua produção, ou então uma combinação de ambas as coisas. Gráfico 1. - Evolução do preço do acrilonitrilo e do seu custo de produção (Base: propileno + amónia) assinados com fornecedores. Os restantes 30% são adquiridos no mercado livre, também designado por mercado Spot. Como já foi referido anterior-mente, perante a subida excessiva do preço do acrilonitrilo (em especial no mercado Spot), o qual era impossível de repercutir totalmente no preço final da fibra, a empresa optou por se fixar quase exclusivamente nos contratos, com preços mais moderados. No entanto, a gestão das dificuldades no apro-visionamento de acrilonitrilo foram agravadas por incumprimentos sucessivos nos prazos de entrega de lotes contratuais, motivados pelas paragens não programadas em diversas fábricas dos nossos fornecedores habituais. Por este conjunto de razões, a FISIPE só conseguiu trabalhar (praticamente) a plena capacidade nos meses de Março e Junho do corrente ano. Fonte: ICIS LOR Reports Como se pode observar no Gráfico 1, a subida do preço do acrilonitrilo, só em parte é explicada pela subida do preço do propileno e da amónia. Então a que se deveu esta escalada (anormal) no preço do acrilonitrilo? A explicação reside na drástica redução da oferta de acrilonitrilo neste período, resultante da combinação simultânea de várias paragens programadas para manutenção de algumas fábricas com outras paragens totalmente inesperadas, motivadas por avarias diversas. Quando em Nov/Dez de 2009 se iniciou esta escalada nos preços, com uma forte componente especulativa da parte dos produtores e traders de acrilonitrilo, a FISIPE, à semelhança de outros produtores de fibras acrílicas na Europa e Turquia, optou por reduzir a sua produção de forma a tentar contrariar esta tendência. Contudo, a forte procura do sector do ABS, em especial nos EUA e China, e do sector das fibras acrílicas em toda a Ásia (em especial a China e a Índia), agudizaram o desequilíbrio entre a oferta e a procura de acrilonitrilo ao longo do 1º semestre de 2010, facto que forçou a FISIPE a antecipar a sua Paragem Geral da Fábrica para a 1ª quinzena de Maio. Verifica-se historicamente que o preço médio do acrilonitrilo (USD/ton) é cerca de 20 vezes superior ao preço do petróleo (USD/barril). Pois bem, em Maio de 2010 este rácio atingiu um valor máximo de 35x! Nem mesmo quando o petróleo atingiu, em Julho de 2008, os 142,5 USD/ton, o acrilonitrilo esteve tão caro. A FISIPE tem cerca de 70% das suas necessidades de acrilonitrilo cobertas por contratos Fontes: ICIS LOR + DoE (EUA) Perspectivas para o 2º Semestre de 2010 Na segunda metade do ano, prevê-se uma melhoria substancial no aprovisionamento da nossa matéria-prima principal, com a normalização do funcio-namento das principais fábricas produtoras de acrilonitrilo e com a redução da procura na Ásia, sobretudo no sector das fibras acrílicas, a qual se começou a sentir a partir do mês de Junho. Com um melhor equilíbrio entre a oferta e a procura de acrilonitrilo, é expectável uma redução gradual do seu preço a partir de Julho/Agosto e uma menor incerteza nas datas de entrega dos lotes entretanto acordados com os nossos fornecedores. Com a perspectiva de melhoria no aprovisionamento de acrilonitrilo, espera-se também o regresso à normalidade da nossa actividade industrial e comercial. Gráfico 2. - Evolução comparativa do preço do acrilonitrilo e do petróleo Brent 7

8 Sugestões de sites da internet Sabemos hoje em dia qual a importância da informação actualizada e bem estruturada nos processos de decisão e opinião pelo que se sugere um excelente exemplo de organização de dados em informação muito útil: o site PORDATA (www.pordata.pt). Esta importante base de dados é o culminar de um projecto da Fundação Francisco Manuel dos Santos que visa a partilha simples de informação rigorosa sobre Portugal procurando alcançar um público o mais amplo possível. Para o nosso sector de actividade, as páginas do CEFIC (www.cefic.org) e do CIRFS (www.cirfs.org) apresentam diversa informação interessante e notícias actuais sobre a indústria química europeia em geral e as fibras em particular no caso do CIRFS. De salientar que o ano 2011 será dedicado internacionalmente às comemorações dos avanços da Química (www.chemistry2011.org). 8

9 Movimento de Pessoal Reformas Considerando as longas carreiras dos que agora se reformam, a FISIPE quer salientar o esforço e empenhamento que cada um, no exercício da respectiva função, colocou ao serviço da Empresa, sendo nessa medida credores de todo o reconhecimento. MANUEL COSTA ANDRADE Admitido em 13 de Agosto de 1975 por em 29 de Outubro de 1973, passou à situação de reforma no passado dia 28 de Dezembro de 2009, com 64 anos de idade e 36 de antiguidade. Com a categoria de Especialista, exercia funções de Operador Têxtil na Fiação Open End Produção de Fio. EMÍLIO JOAQUIM BARRADAS Admitido em 4 de Julho de 1977, passou à situação de reforma no passado dia 1 de Abril, com 64 anos de idade e 33 de antiguidade. Com a categoria de Chefe de Turno Polivalente, exercia funções de Chefe de Turno na Produção de Produtos Acabados Direcção de Operações. GRACIANO VIEIRA COSTA Admitido em 17 de Maio de 1976 por em 27 de Abril de 1970, passou à situação de reforma no passado dia 1 de Abril, com 59 anos de idade e 40 de antiguidade. Com a categoria de Especialista, exercia funções de Operador Químico na Equipa de Horário Geral do SP Produção de Produtos Intermédios Direcção de Operações. JORGE FERNANDES GOMES Admitido em 13 de Outubro de 1975 por em 2 de Outubro de 1967, passou à situação de reforma no passado dia 1 de Maio, com 59 anos de idade e 43 de antiguidade. Com a categoria de Preparador de Trabalho Principal, exercia funções de Preparador de Trabalho na Manutenção Mecânica Departamento de Manutenção Direcção de Operações. CARLOS ALBERTO PINTO OLIVEIRA AGUIAR Admitido em 1 de Julho de 1975 por em 21 de Abril de 1975, passou à situação de reforma no passado dia 12 de Maio, com 62 anos de idade e 35 de antiguidade. Com a categoria de Chefe de Turno Polivalente, exercia funções de Chefe de Turno na Produção de Produtos Intermédios Direcção de Operações. CARLOS ALBERTO SERRÃO VEIGA Admitido em 15 de Outubro de 1975 por em 27 de Abril de 1970, passou à situação de reforma no passado dia 1 de Junho, com 60 anos de idade e 40 de antiguidade. Com a categoria de Especialista, exercia funções de Operador Químico no DP Produção de Produtos Intermédios Direcção de Operações. ADELINO ANTÓNIO MATOS Admitido em 1 de Outubro de 1975 por em 7 de Junho de 1972, passou à situação de reforma no passado dia 14 de Junho, com 62 anos de idade e 38 de antiguidade. Com a categoria de Especialista, exercia funções de Operador Químico no SR Produção de Polímero, Solvente e Utilidades Direcção de Operações. ARMÉNIO LOURENÇO MANUEL Admitido em 25 de Setembro de 1975 por em 10 de Agosto de 1971, passa à situação de reforma no dia 1 de Julho, com 65 anos de idade e 39 de antiguidade. Com a categoria de Chefe de Turno Polivalente, exercia funções de Chefe de Turno na Produção de Polímero, Solvente e Utilidades Direcção de Operações. Falecimento ANTÓNIO JOSÉ FERNANDES NUNES No passado dia 24 de Março foi com enorme pesar que fomos surpreendidos pela notícia do falecimento do Enfermeiro António Nunes, vítima de um trágico acidente de viação. Com 52 anos de idade, casado, com dois filhos, licenciado em Enfermagem, era natural de Lisboa e residia na Amora Seixal. Entrou para a FISIPE em 15 de Junho de 1992, para exercer as funções de Enfermeiro no Serviço de Medicina do Trabalho. Profissional muito competente, interessava-se viva e intensamente não só por todas as matérias que se relacionavam com a sua função mas também com a Segurança e a Prevenção dos Acidentes. Muito extrovertido, comunicava com grande facilidade, granjeando à sua volta cordialidade, simpatia e a estima que todos lhe tributavam. Admissões Renovando os votos de boas vindas e de êxitos profissionais e pessoais, publicamos neste número as fotografias e identificação dos que, nos últimos meses, depois de um período de contrato a termo, passaram a integrar o nosso quadro de efectivos: DIRECÇÃO DE OPERAÇÕES PPI - SP NELSON ALEXANDRE ANICETO SIMÕES GAPO 1 de Abril DIRECÇÃO DE INOVAÇÃO & DESENVOLVIMENTO RICARDO FILIPE BORGES S. CALDAS Licenciado em Engª Química (IST) 1 de Junho DIRECÇÃO DE OPERAÇÕES DM - GPM NUNO MANUEL TEIXEIRA CAVACO Licenciado em Engª Mecânica (ISEL) 1 de Junho DIRECÇÃO DE OPERAÇÕES DM - MM JOSÉ PAULO DA CRUZ PATULEIA Oficial Especial 1 de Julho 9

10 Perfil «Aprendemos muito com a experiência dos trabalhadores mais antigos» Teodora Silva Teodora Silva, de 30 anos e natural de Alhos Vedros, está entre a minoria de mulheres que trabalham na FISIPE, 24 em cerca de 340 trabalhadores, mas isso não a incomoda de forma alguma. A trabalhar como analista no Laboratório desde 2006, a jovem funcionária sente-se satisfeita com o trabalho que desenvolve, pois está inserida e a adquirir experiência na sua área de formação e a trabalhar próximo de casa. Não fossem as médias altas que a impediram de entrar para um curso de Farmácia, o seu objectivo inicial, e Teodora talvez nunca tivesse descoberto o gosto pela Química, área em que acabou por se licenciar, na Universidade de Évora. Ao terminar o curso, teve a oportunidade de realizar um estágio numa Adega, ainda em Évora, no controlo de qualidade. Mas depois começaram a surgir as dificuldades em encontrar trabalho na sua área e Teodora ainda trabalhou durante algum tempo numa loja de roupa, até ser chamada a participar numa bolsa de investigação do Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação, na área da Química dos Produtos Naturais. Foi precisamente nesse período, no final de 2006, que surgiu a oportunidade de entrar para a FISIPE, na sequência de uma candidatura que tinha apresentado. Por procurar uma situação profissional mais estável e um emprego mais perto da Baixa da Banheira, onde vivia, não hesitou em aceitar a proposta. Apesar de gostar de fazer investigação, encontrou no laboratório da FISIPE um tipo de trabalho que lhe agrada mais. Aqui no laboratório chegamos ao final do dia e temos resultados, enquanto que em investigação andamos meses a trabalhar, chegamos ao final e por vezes nem obtemos nada, compara. Teodora realça também que este não é um trabalho monótono. Quando entrei, comecei por fazer o controlo de qualidade das cores das fibras, depois aprendi os ensaios físicos, as propriedades químicas do produto final e a reprodução de cores. Cada semana estamos num posto de trabalho diferente e quantas mais tarefas soubermos fazer, maior é a rotatividade, explica, demonstrando vontade de aprender cada vez mais. À semelhança de outros sectores da Fábrica, no Laboratório trabalham duas gerações de funcionários: os que estão na FISIPE quase desde o início, há cerca de 35 anos, e os trabalhadores mais jovens, que chegaram à fábrica há menos tempo, como Teodora, que se descreve como uma pessoa tímida, mas que conquista os colegas com a sua simpatia. No entanto, a seu ver, esta diferença de idades acaba por trazer sobretudo vantagens. Nós acabamos o curso e sabemos a teoria, mas eles sabem melhor do que nós como trabalhar com os equipamentos, pela experiência adquirida ao longo dos anos. Acabamos por aprender muito com eles, reconhece. Teodora concilia, neste momento, o trabalho na FISIPE com a fase de habituação à nova vida de casada, que mudou muita coisa. Mas um hábito que mantém é, sempre que pode, rumar até à terra onde a mãe nasceu, a aldeia alentejana de Malarranha, no concelho de Mora. Ainda lá tenho familiares e gosto de lá estar, conta. Para além disso, nos tempos livres, gosta de ir ao cinema, ler, passear, mas também de estar em casa a descansar. Já se dedicou a hobbies como a elaboração de pequenos trabalhos em ponto cruz, mas hoje falta-lhe tempo, confessa. Ao pensar no futuro próximo, tenciona em breve ser mãe, dando uma nova alegria à casa no Alto do Seixalinho, onde hoje vive com o marido e com os seus dois gatos. Mas em termos de objectivos profissionais, quer, para já, continuar na FISIPE, a trabalhar na sua área e a adquirir experiência, que é sempre boa para o currículo. Por isso, deseja que tudo corra bem na FISIPE e que a fábrica continue de vento em popa. B.I. Nome: Teodora Cristina Ferreira Leal da Silva Idade: 30 anos Estado civil: Casada Locais preferidos: Sesimbra, Malarranha Tempos livres: Cinema, Ler, Passear 10

11 Noticias FISIPE II Fórum Setúbal Solidária com os Bombeiros Voluntários O II Fórum Setúbal Solidária com os Bombeiros Voluntários decorreu no dia 20 de Maio, na Escola Superior de Ciências Empresariais do Instituto Politécnico de Setúbal. Estiveram presentes algumas dezenas de representantes das maiores empresas do concelho de Setúbal, bem como público em geral. O Fórum contou com intervenções de: - Rui Higino, vereador da Câmara Municipal de Setúbal - Luísa Carvalho, da Escola Superior de Ciências Empresariais - Carlos Abreu, da SECIL, que abordou o tema da Responsabilidade Social e Ambiental - factor de desenvolvimento na comunidade local - Sónia Neto, da ATEC, que apresentou a oferta formativa desta Academia, que funciona junto da Autoeuropa - Isabel Ucha, da Euronext, a propósito da Bolsa de Valores Sociais - Jorge Regino, da FISIPE, que falou do importância das parcerias entre empresas e bombeiros. Estágios na FISIPE Tem sido, desde há bastante tempo, política da Empresa colaborar com diversas Universidades e Institutos Politécnicos, disponibilizando estágios para os seus alunos. É uma política que tem vantagens para todos os intervenientes: - As escolas podem avaliar o desempenho dos seus alunos e a eficácia do seu ensino através dos relatórios de estágio elaborados pelos estagiários. - Os estagiários têm a possibilidade de contactar com a realidade do mundo do trabalho e da empresa, melhorando o curriculum e aumentando assim a sua empregabilidade. - A empresa beneficia do trabalho realizado pelos estagiários, alguns dos quais com inegável mérito, e tem aí uma boa fonte de recrutamento. Temos actualmente na FISIPE 7 estagiários das seguintes Universidades/Escolas: IST - Instituto Superior Técnico (1), FCT/UNL - Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (3) e ESCE - Escola Superior de Ciências Empresariais/ Instituto Politécnico de Setúbal (3). Estes estagiários estão a realizar trabalhos em diferentes áreas, nomeadamente na DID, no Desenvolvimento de Novos Produtos - estudos de polimerização e desenvolvimento de fibras híbridas e na Engenharia de Processo - estudos de tratamento de efluentes críticos e de alternativas de reciclagem de xarope regenerado. 11

12 Informações Espaço CIRFS Realizou-se, no passado dia 26 de Maio, em Bruxelas, mais uma Assembleia- Geral do CIRFS, com a presença dos produtores europeus de fibra acrílica Montefibra, Dralon, FISIPE e Dolan. A FISIPE esteve, como habitualmente, representada pelo seu Presidente, Engº João Dotti. Desta vez a data da reunião coincidiu com o 60º aniversário da Organização, que foi celebrado com um jantar. Para além dos habituais trabalhos da Assembleia-Geral, realizou-se ainda uma Conferência, que abordou os seguintes temas: - Fibras Químicas na Europa: o passado e o futuro - Crescimento da Índia na produção de fibras químicas: o segundo gigante global - China: o crescimento ou a bolha. Alguns tópicos dos assuntos abordados na Conferência foram: - Para além da inovação (novos produtos, novos processos), sem custos baixos, sem alto nível de qualidade e sem sustentabilidade ambiental não há futuro para a indústria de fibras na Europa. - A produção mundial de fibras químicas era de 9,4 milhões de toneladas/ano em 1950, quando o CIRFS se formou. Hoje, a produção mundial é de 45 milhões de toneladas, sendo a China de longe o maior produtor mundial, com cerca de 25 milhões de toneladas anuais de capacidade. - Nas fibras acrílicas, a China representa hoje 36% da capacidade mundial mas em 2000 representava somente 16%. Em termos de acrilonitrilo, o seu consumo representa 27% do consumo mundial, sendo o seu crescimento responsável, em parte, pela escassez desta matéria-prima no mercado mundial. Espaço APEQ Grupo de Ambiente No dia 16 de Junho realizou-se a reunião do Grupo de Ambiente da APEQ. Nesta reunião, que decorreu nas instalações da MaxamPor, em Alcochete, foram discutidas as últimas evoluções de temas actuais que preocupam a Indústria Química, nomeadamente, Directiva Emissões Industriais, novos aspectos do REACH (Registration, Evaluation, Authorization and Restriction), Directiva Responsabilidade Ambiental, Directiva-Quadro dos Resíduos e CELE - Comércio Europeu de Licenças de Emissão. Ficha Técnica Propriedade: FISIPE Fibras Sintéticas de Portugal, S.A. - Apartado Lavradio Tel / Fax Coordenadora Editorial: Aurora Carreira Colaboradores habituais: Jorge Regino (Notícias FISIPE e APEQ) e Mário Patrício (Movimento do Pessoal). A rubrica Perfil teve a colaboração da jornalista Cristina Pereira. Colaboradores neste número: Jorge Regino ( Seis Sigma ), Ana Paula Vidigal ( Fibra de Carbono Da Ideia ao Negócio ), João Castro Pereira ( A Crise Económica, Parte III), Mário Patrício ( Absentismo ) e Paulo Mota ( Acrilonitrilo As razões da crise de abastecimento ). Produção: FOTOARTE Artes Gráficas, Lda. Tiragem: 600 exemplares Periodicidade: Semestral Distribuição gratuita 12

Notícia: Fisipe produz fibra de carbono

Notícia: Fisipe produz fibra de carbono Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Departamento de Economia, Sociologia e Gestão Licenciatura em Gestão 3ºano/2ºsemestre Unidade curricular: Inovação e Gestão da Mudança Docentes: Carla Marques

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL Agosto de 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 O IMPACTE DO SECTOR FINANCEIRO NAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS... 4 PEGADA CARBÓNICA DO SECTOR

Leia mais

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas?

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas? Que Private Label na Era das Marcas? Vila Nova de Famalicão, 26 de Novembro de 2008 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 2 INTELIGÊNCIA TÊXTIL O Sector Têxtil e Vestuário Português e o seu enquadramento na Economia

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Seminário. Investimento e Financiamento às Empresas. Uma Ideia para Mudar Portugal. 16 de Junho de 2015. Porto Business School

Seminário. Investimento e Financiamento às Empresas. Uma Ideia para Mudar Portugal. 16 de Junho de 2015. Porto Business School Seminário Investimento e Financiamento às Empresas Uma Ideia para Mudar Portugal 16 de Junho de 2015 Porto Business School Novas soluções para incentivar o IDE em Portugal A possibilidade de desenvolver

Leia mais

Portugueses lideram desenvolvimento de novo conceito para carroçarias de autocarros

Portugueses lideram desenvolvimento de novo conceito para carroçarias de autocarros Página Web 1 de 6 As Ciências A Revista Fóruns Dossiers Podcast Classificados Contactos Guia do Ensino Superior Guia Prático Ministros da Competitividade aprovam orçamento para Instituto Europeu de Tecnologia

Leia mais

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO J. Silva Lopes IDEFF, 31 de Janeiro de 2011 1 O ENDIVIDAMENTO PERANTE O EXTERIOR Posições financeiras perante o

Leia mais

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO 1. Breve panorama da evolução histórica Em 1 de Janeiro de 1986, quando Portugal entra na então Comunidade Económica Europeia (CEE), o sector

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA

INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA Empresas INOVAÇÃO PRODUTOS DIMENSÃO MERCADO PRODUÇÃO MARKETING GESTÃO LIDERANÇA FINANCIAMENTO RH COMPETÊNCIAS Empreendedorismo VISÃO ESTRUTURADA

Leia mais

Plano de Marketing Operacional

Plano de Marketing Operacional Plano de Marketing Operacional CONTEÚDO 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação... iii 2. Plano de comunicação... viii 3. Controlo e revisão... xvi ii 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação A

Leia mais

Governação Hospitalar

Governação Hospitalar Aviso: Este projecto encontra-se em fase-piloto e, sem autorização, não pode ser usado para outros fins. Se necessário, contacte o coordenador do DUQuE através de duque@fadq.org Governação Hospitalar em

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

(Não auditadas) Segundo a Norma Internacional de Contabilidade 34. Relato Financeiro Intercalar

(Não auditadas) Segundo a Norma Internacional de Contabilidade 34. Relato Financeiro Intercalar (Não auditadas) Segundo a Norma Internacional de Contabilidade 34 Relato Financeiro Intercalar ÍNDICE Órgãos Sociais 2 A Empresa e a sua Visão Estratégica 3 Grupo de Empresas 4 RELATÓRIO DE GESTÃO 1. Introdução

Leia mais

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7 INDICE Pág. 1. O que é o Factoring 2 2. A quem serve e para que serve 3 3. Modalidades 4 4. Breve resenha histórica internacional 6 5. O mercado de Factoring em Portugal Principais etapas de evolução 7

Leia mais

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Outras conclusões: Recrutamento na área de Marketing Digital registou crescimento de 15%. Área de E- commerce cresceu 6% Remuneração dos profissionais

Leia mais

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Working Draft Last Modified 30/01/2007 18:09:06 GMT Standard Time O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Conferência Mercado Laboral: A responsabilidade social das empresas em tempo de crise OJE

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

O Setor da Construção em Portugal 2011

O Setor da Construção em Portugal 2011 O Setor da Construção em Portugal 2011 1º semestre FEVEREIRO 2012 Ficha Técnica Título: Relatório Semestral do Setor da Construção em Portugal 1º Sem. 2011 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Grécia Oportunidades e Dificuldades do Mercado Março 2011 Índice 1. Oportunidades 3 1.1. Comércio 3 1.2. Investimento de Portugal na Grécia 3 1.3. Investimento da Grécia

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES

NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES Resultado da cimeira "particularmente positivo para Portugal" A cimeira europeia de quinta-feira

Leia mais

Regulamento 2015. 1. Objectivo. 2. Elegibilidade

Regulamento 2015. 1. Objectivo. 2. Elegibilidade Regulamento 2015 1. Objectivo Prémio Empreendedorismo e Inovação Crédito Agrícola 2015 é um concurso que resulta da conjugação de esforços e vontades do Crédito Agrícola, aqui representado pela Caixa Central

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

Instrumentos e Mercados Financeiros A crise do Subprime no mercado Norte-Americano Introdução

Instrumentos e Mercados Financeiros A crise do Subprime no mercado Norte-Americano Introdução Instrumentos e Mercados Financeiros A crise do Subprime no mercado Norte-Americano Introdução Noção do Subprime Causas da crise Consequências da crise A crise subprime em Portugal Previsões para as economias

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16 J. Silva Lopes IDEFF, 4 de Julho de 2011 1 Título do Painel: Que futuro para Portugal Esta apresentação: Perspectivas para a economia portuguesa 2011-16

Leia mais

XII ENCONTRO GESVENTURE DISCURSO DE BOAS VINDAS

XII ENCONTRO GESVENTURE DISCURSO DE BOAS VINDAS XII ENCONTRO GESVENTURE DISCURSO DE BOAS VINDAS Exmo. Senhor Presidente do Grupo Caixa Geral de Depósitos, Engº Fernando Faria de Oliveira Exmo. Senhor Presidente do IAPMEI e da InovCapital, Dr. Luís Filipe

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca Ana Tavares Lara Pereira José Gomes Armindo Fernandes Dezembro de 2011 COMO TUDO COMEÇOU

Leia mais

O Financiamento Bancário no Contexto Atual

O Financiamento Bancário no Contexto Atual Seminário: Modelos de Financiamento de Operações Urbanísticas: desafios e oportunidades O Financiamento Bancário no Contexto Atual José Herculano Gonçalves IST Lisboa, 28 Janeiro 2014 Direção de Financiamento

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011 Lisboa, 29 de Maio de 2013 Estudo revela que os atrasos nos pagamentos entre empresas na região da Ásia - Pacífico se agravaram em 2012 - As empresas estão menos optimistas relativamente à recuperação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

intra Perfil do Gestor

intra Perfil do Gestor Perfil do Gestor 35 Entrevista Dinah J. Kamiske, Autoeuropa A internacionalização economia obriga as empresas a tornarem-se mais competitivas. Entrevista de José Branco Dados publicados recentemente prevêem

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO

CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO ECONOMISTA Janeiro, 2006 Rua Marquês de Pombal, Nº 17 7200-389 Reguengos de Monsaraz Telemóvel: +351 964 895 518 jose.calixto@netcabo.pt C URRICULUM VITAE JOSÉ

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Diário da República, 1.ª série N.º 91 12 de Maio de 2009 2829 Artigo 8.º Garantias do Estado 1 Os créditos concedidos pelo Estado ao abrigo da presente linha de crédito gozam de privilégio imobiliário

Leia mais

Acordo de Parceria para o Investimento

Acordo de Parceria para o Investimento FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Acordo de Parceria para o Investimento Caixa Capital Federação Nacional das Associações de Business Angels 7 de Outubro de 2009 Sociedade

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS Intervenção do Senhor Presidente da CIP Confederação da Indústria Portuguesa, Eng.º Francisco van Zeller, na Audição Pública (CCB, 04/04/2008)

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais

A importância de um MBA

A importância de um MBA A importância de um MBA para dar o salto na carreira O investimento é grande e o retorno está longe de ser garantido, mas, ainda assim, continua a compensar tirar um MBA. Só que o título não chega. O mais

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL Índice de Risco de PORTUGAL Índice de Pagamentos Índice de Risco Explicação dos valores do Índice de Risco 190 180 170 160 150 140 130 120 110 100 2004 2005 2006 2007 2008 100 Nenhuns riscos de pagamento,

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

28 DOSSIER MODELO DE NEGÓCIO PERSPECTIVAS DE GESTÃO NO

28 DOSSIER MODELO DE NEGÓCIO PERSPECTIVAS DE GESTÃO NO 28 DOSSIER MODELO DE NEGÓCIO PERSPECTIVAS DE GESTÃO NO APÓS-VENDA DOSSIER 29 JORGE ZÓZIMO DA FONSECA Se fosse um concessionário, o meu negócio era o após-venda Ao longo das duas últimas décadas o mercado

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA.

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida COSEC em resumo

Leia mais

FW: Questões no âmbito da 42 Consulta Pública

FW: Questões no âmbito da 42 Consulta Pública Alexandra Paulo De: ERSE Enviado: quinta-feira, 20 de Dezembro de 2012 10:27 Para: Revisao Regulamento Gas Natural 2012 Assunto: FW: Questões no âmbito da 42 Consulta Pública Sinal. de seguimento: Estado

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522 Apresentação... 3 Como Empresa... 3 A nossa Visão... 3 A nossa Missão - A SUA VALORIZAÇÃO, A NOSSA MISSÃO!... 3 Os nossos Valores... 3 Porquê fazer um Curso de Especialização?... 4 Formação Certificada...

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Abr. Mai. Mar. separata. Projecto. Empresa UNIÃO EUROPEIA. Fundo Social Europeu

Abr. Mai. Mar. separata. Projecto. Empresa UNIÃO EUROPEIA. Fundo Social Europeu 106 Abr. Mai. Mar. 09 Projecto Empresa UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Abr. Mai. Jun. 2009 Projecto Empresa Por: J. M. Marques Apolinário - Economista; Membro do Conselho Editorial da Dirigir Hoje

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

Legislação Laboral Um Problema sem Solução?

Legislação Laboral Um Problema sem Solução? Legislação Laboral Um Problema sem Solução? SUZANA BORGES * A incerteza que caracteriza o nosso tempo torna extremamente difícil a tarefa de promoção da unidade política e económica da Europa e torna particularmente

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto.

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. <Os Inovadores> <Escola Profissional Atlântico> NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Dezembro de 2011 1 A

Leia mais

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas the world leading fleet and vehicle management company LeasePlan Portugal Lagoas Park - Edifício 6-2740-244 Porto Salvo Ed. Cristal Douro - R. do Campo Alegre, nº 830 - sala 35-4150-171 Porto Tel.: 707

Leia mais

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes O FUTURO DA ZONA EURO José da Silva Lopes IDEFF, 29-11-2011 1 VIAS ALTERNATIVAS PARA FAZER FACE À CRISE DA ZONA EURO As propostas que têm vindo a ser apresentadas por economistas, comentadores e políticas

Leia mais

A PHC atingiu recentemente os 400 clientes Licença Garantida. No mercado há pouco mais de um ano, a modalidade que permite os clientes PHC renovarem a licença do seu software por três anos já representa

Leia mais

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS Eduardo Catroga 0. INTRODUÇÃO Vou analisar as questões principais seguintes: 1. QUAIS AS QUESTÕES ESTRATÉGICAS CHAVE DA ECONOMIA PORTUGUESA? 2. O QUE É QUE

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais