Po r t o s l u s ó f o n o s

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Po r t o s l u s ó f o n o s"

Transcrição

1 Re v i s t a CARGO Transpor ANO XXII * Nº 239/240 * NOVEMBRO/DEZEMBRO 2012 * MENSAL * 4 EUR tes & Logística Po r t o s l u s ó f o n o s e st r e ita m rel ações Maersk quer criar mais serviços em Portugal Movimentação nos portos cresce 3,6% em outubro CE liberta mais de milhões para RTE-T 1

2 Re v i s t a NOVEMBRO/DEZEMBRO 2012 Nº 239/240 ANO XXII CARGOTranspor tes & Logística Olhar para fora Edi t o r i a l Há 21 anos a informar o setor está a terminar, um ano complicado, que trouxe algumas reformas que o setor já necessitava para além de outras medidas justificadas com a necessidade do esforço para satisfazermos as imposições da troika, como as privatizações da TAP, ANA, CP Carga Foi o ano da revisão da legislação sobre o trabalho portuário, com todas as reações normais neste tipo de diplomas, da introdução da esperada TUP Carga, com o objetivo de promover a nossa competitividade. Mas, e 2013? As medidas reformistas terão de continuar precisamos de aumentar as nossas exportações, conseguir gerar riqueza quando as medidas que tivémos de implementar abrandam claramente a economia. Temos aumentado a nossa aposta no mercado dos países de língua portuguesa. A solução será a dinamização das nossas trocas comerciais com estes países? Terá o congresso da APLOP, que decorreu no início do mês em Lisboa, servido para as impulsionar e tentar levar o nosso País, em crise, no meio de uma crise europeia, a ver uma porta para a criação de alianças com os nossos parceiros de língua portuguesa que estão em ciclo inverso? Devemos criar um regime especial para as trocas comerciais no espaço da CPLP, fez questão de referir Sérgio Monteiro. É preciso criar soluções Marítimo 4 Congresso dos Portos de Língua Portuguesa decorreu em Lisboa 8 Movimentação nos portos cresceu 3,6% apesar da greve Susana Rebocho A Di r e t o r a 16 Congresso APLOG: Logística como fator diferenciador nas Exportações Índ i c e 20 Opinião de Vítor Caldeirinha: Organização Portuária nos EUA, UK e Taiwan 10 Alessandro Maldina, Maersk Portugal: Temos planos concretos para trazer novos serviços para Portugal 12 APSS promoveu reflexão sobre a Logística na região de Setúbal 14 Seminário Fernave: Transportes, que futuro? 22 Opinião de J. Augusto Felício: Portos no sistema logístico e papel dos operadores portuários 26 A CARGO há 15 anos CML e APL com visões diferentes para acesso a Alcântara 27 Breves Marítimo Produtos Online: Hom e p a g e CARGO Transportes & Logística NEWSONLINE Rodoferroviário & Logística 28 Sérgio Soares, STEF Portugal: "Soubemos acompanhar as exigências das transformações de mercado" 30 Gonçalo Vieira (Portucel) defende desenvolvimento da ferrovia a nível interno 31 Breves Rodoferroviário & Logística Aéreo 32 Opinião de J. Pereira Coutinho: A sobrevivência da aviação civil num mundo em crise 34 Carga aérea no aeroporto do Porto cresceu 11,3% em novembro 34 Breves Aéreo FROTA.NEWS 3

3 Congresso dos Portos de Língua Portuguesa: Na senda de uma economia APLOP ligada ao mar Vi d eo s d e entrevistas a intervenientes CARGO Ví d eo s O VI Congresso dos Portos de Língua Poryuguesa decorreu em Lisboa, numa organização da APLOP Lisboa voltou a ser palco de encontro dos responsáveis dos portos de língua portuguesa (e também dos diversos atores ligados, direta ou indiretamente, à atividade portuária no espaço lusófono), com a realização do VI Congresso dos Portos de Língua Portuguesa, numa organização da Associação dos Portos de Língua Portuguesa (APLOP) criada a 13 de maio de 2011, precisamente na capital portuguesa. Em entrevista à CARGO Vídeos (que pode ver através do código anexado), José Luís Cacho, presidente da APLOP, fez um balanço muito positivo deste projeto que considera muito ambicioso, recordando que o grande desafio é conseguir criar um conceito de rede entre os portos de língua portuguesa de forma a contribuir para dinamizar as economias dos países. Vincando a importância estratégica para os portos portugueses de uma ligação aos portos da CPLP, visto que o Atlântico Sul é um mar onde se fala português, com o Brasil de um lado e do outro lado os portos africanos, sendo que Portugal, neste triângulo, é a porta de entrada na Europa para esses países, José Luís Cacho terminou o seu depoimento à CARGO com elogios à Janela Única Portuária, que considera estar no topo do que melhor se faz nos portos a nível mundial, referindo que esta é uma das ferramentas que Portugal pode exportar para os países lusófonos: É uma mais valia e um contributo forte que podemos dar ao desenvolvimento desses países. Na intervenção da cerimónia de abertura deste VI Congresso dos Portos de Língua Portuguesa, o presidente da APLOP vincou o imenso espaço de cooperação entre os países lusófonos, mostrando-se agradado com a densificação das linhas de navegação regulares que escalam portos do espaço lusófono. Queremos aumentar o fluxo comercial entre os nossos portos, criar uma economia APLOP ligada ao mar, reiterou o presidente da APLOP, convidando os demais intervenientes no âmbito portuário a juntarem-se a esta Associação: As administrações portuárias não existem isoladas, funcionando antes como um elo cooperativo com uma multiplicidade de stakeholders ( ). Queremos contar com o valor acrescentando dessas empresas, para mais facilmente atingirmos as metas preconizadas. Ligação dos portos à economia do espaço CPLP O primeiro painel trouxe a debate a ligação dos portos à economia do espaço CPLP, tendo Lídia Sequeira, presidente da Administração do Porto de Sines (APS) como moderadora. Sandra Augusto, diretora de Logística da VW Autoeuropa, foi a primeira a intervir, transmitindo a expectativa que a fabricante tem ao nível do desenvolvimento dos portos e do desenvolvimento das suas próprias atividades marítimas. A estratégia da Autoeuropa ao nível dos transportes passa por tornar a nossa localização geográfica numa vantagem competitiva, começou por defender Sandra Augusto, lembrando, porém, que os clientes são, em grande percentagem, da Europa, o que faz com que o transporte seja um custo importante. Então, como é que a VW Autoeuropa pode fazer da localização geográfica uma vantagem competitiva? A resposta é clara: Com uma aposta forte nas vertentes ferroviária e marítima. Temos trabalhado no projeto da ferrovia, referiu a responsável da Autoeuropa, traçando duas rotas essenciais: A rota norte, com o projeto da DB Schenker já em operação; Em projeto existe ainda a rota sul, para arrancar em 2013, entre o sul da Alemanha e Barcelona, sendo que temos que trabalhar na ligação Barcelona-Lisboa. 4

4 Também temos apostado nas vias marítimas e nos portos, para um desenvolvimento mais sustentável, acrescentou, lembrando que o grupo tem construído fábricas na China e que grande parte da cadeia de fornecedores também está aí instalada. É necessário trazer esses produtos para as fábricas da Europa. O que acontece atualmente é que o que vem da China vai para Hamburgo e depois para as fábricas. Estamos a trabalhar para colocar Portugal e os seus portos num papel de hub para a Península Ibérica e até mesmo para o resto da Europa, anunciou Sandra Augusto, vincando ainda ser aqui importante que os portos estejam ligados a outras infra-estruturas, para uma aposta na intermodalidade. O projeto de reabilitação, expansão e modernização do porto do Lobito está praticamente acabado. Quem o garantiu foi Lisender Borges, diretor deste porto angolano, destacando, entre as obras, a reabilitação do porto do Lobito, a construção de um terminal de contentores e a extensão do terminal sul, a construção de um porto seco, a construção de uma ponte sobre o Mangul (que facilita o escoamento das mercadorias) ou a construção de um terminal de minério. Os objetivos deste desenvolvimento passam, segundo o responsável, pela criação de um interface de transportes marítimos e rodo-ferroviários para o centro e sul de Angola mas também para os países vizinhos, mas não só: Criar capacidade para importar e exportar carga geral e contentorizada, criar condições para exportar minério e também para o transporte de petróleo bruto e óleo para a futura refinaria. Enaltecendo as vantagens do porto do Lobito, com destaque para a excelente ligação ferroviária, através do caminho-deferro de Benguela, e as condições naturais excelentes, estando bem protegido e tendo boa profundidade, Lisender Borges recordou que o caminho-de-ferro de Benguela também está a ser alvo, por parte do Governo, de obras de desenvolvimento, o que trará benefícios ao porto do Lobito: Um dos principais objetivos passa pela ligação ao ramal ferroviário da África Austral que, pelo que estamos a ver, conseguiremos muito em breve. Por fim, entre os aspetos a melhorar, o responsável do porto do Lobito destacou as necessárias melhorias ao nível da infraestrutura, tecnologia ao nível dos equipamentos, eficiência e eficácia, prestação de serviços e a importância de criar postos de trabalho. É importante também criar condições para a receção de mercadorias com destino aos países SADC, através da construção de portos secos e centros logísticos e através de uma ferrovia desenvolvida, concluiu. Em representação da Libra Terminais Rio, do grupo brasileiro Libra (com atividades no setor portuário, aeroportuário e logístico), esteve Robledo Gioia. Realçando que, segundo as projeções, o Brasil terá um aumento da procura muito grande ao nível da navegação de longo curso, o orador acrescentou que Portugal pode ter aí um papel importante devido à proximidade não só linguística mas também geográfica. Sobre o terminal do Rio de Janeiro, destacou o projeto de expansão de 120 metros de cais, que entretanto já passou a um aumento de 170 metros, u Sé r g io Mo n t e ir o q u e r r e g i m e especial para as trocas comerciais no espaço da CPLP O secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, encerrou o primeiro dia de trabalhos do VI Congresso dos Portos de Língua Portuguesa, vincando a importância de um espaço comercial entre os países lusófonos, no qual os portos terão um papel essencial. Hoje temos a União Europeia em forte retração. Os nossos principais mercados de destino estão em recessão há algum tempo e agora também toda a Zona Euro. É por isso que plataformas como esta [ndr. APLOP] são tão importantes, salientou Sérgio Monteiro, antes de lançar um repto à plateia e em particular à APLOP: Deixo o desafio de pensar como é que nós conseguimos criar condições no espaço lusófono de, sem violar as regras comunitárias, desenvolver um regime especial para as trocas comerciais que façamos entre nós. Os portos têm lugar central na capacidade dos países dependerem menos das condições internas e na capacidade de exportar produtos, ajudando na balança comercial, referiu Sérgio Monteiro, vincando que pontos como a simplificação administrativa e a intermodalidade nos portos são essenciais, o que ficou espelhado na importância que o PET concedeu a estas matérias. Começámos, no imediato, a estruturar as linhas de caminho-de-ferro com Espanha e França, vincou. O governante recordou também a aposta do Governo na criação de um novo regulador que juntasse o modo ferroviário, rodoviário e marítimo, com o IMT, entidade que pode fazer um trabalho de planeamento para dar uma racionalidade maior aos nossos instrumentos. O secretário de Estado aproveitou a ocasião para abordar o tema quente da atualidade portuária: as sucessivas greves em alguns dos principais portos nacionais. Urge resolver a situação atual apontou o governante, mostrando-se preocupado com a situação particularmente difícil nos portos de Lisboa e Setúbal. Na sua opinião, a nova lei do trabalho portuário permitirá uma maior empregabilidade, o que não significa mais complexidade ou custos. Não queremos precarizar o trabalho ou promover o desemprego, concluiu. 5

5 u anunciando que se prevê a duplicação da sua capacidade operacional já no próximo ano. Os projetos e a logística nos portos O painel da tarde do primeiro dia abordou os projetos em desenvolvimento e a logística nos portos da CPLP. O primeiro a usar da palavra foi Jorge Luiz de Mello, presidente da Companhia Docas do Rio de Janeiro, o qual também falou à CARGO Vídeos (ver entrevista no código anexo). Na sua intervenção, centrada no Projeto de Revitalização do Porto do Rio de Janeiro, Jorge de Mello começou por referir que o setor portuário representa um grande desafio para o Brasil, porque, em quatro anos, a carteira comercial do país cresceu cinco vezes e 90% dos fluxos comerciais do Brasil fazem-se pelo transporte marítimo. Se num primeiro momento aumentámos os volumes, agora estamos a pautar os regulamentos para aumentar a atividade portuária, referiu o responsável da Companhia Docas do Rio de Janeiro, que administra quatro portos: Rio de Janeiro, Angra, Itaguaí e Niterói. Sobre o porto do Rio, recordou que tem vantagens e prejuízos por estar dentro da cidade, tal como o porto de Lisboa, salientando que é o porto brasileiro com produtos de maior valor. Com o projeto de revitalização, ficará dotado, por exemplo, de praticamente dois quilómetros de cais contínuo de terminal de contentores e pronto a responder à crescente procura. A apresentar os projetos de desenvolvimento e de construção de novos portos e linhas-férreas em Moçambique esteve Marta Mapilele, administradora executiva da Caminhos-de-Ferro de Moçambique (CFM). Vincando que as recentes descobertas de recursos no país criaram a necessidade de se encontrar resposta aos vários desafios, Marta Mapilele referiu que a CFM tem trabalhado para garantir escoamento desses recursos. Tendo a província de Tete, no centro do País, como coração das novas indústrias mineiras, a responsável da CFM salientou que os portos e a ferrovia devem responder à procura de logística, centrando-se então nos projetos em desenvolvimento. Um dos projetos em curso passa pela linha de Sena, que já está a escoar carvão através de 575 quilómetros entre Moatize e o porto da Beira. Estamos a proceder a obras para aumentar a capacidade da linha, com um projeto para chegar aos 20 milhões de toneladas por ano em 2014, referiu. Desta forma, As recentes descobertas de recursos em Moçambique criaram necessidade de se encontrar resposta aos vários desafios (...) A CFM tem trabalhado para garantir o escoamento desses recursos" no setor ferroviário, destacam-se novos corredores com ligação entre as indústrias mineiras e os portos: Moatize-Nacala, via Malawi; Moatize- Macuse; Mutarara- Mutuali-Nacala; Moatize-Nacala, numa linha interna de Moçambique. Ao nível portuário, o empenho tem sido colocado nos projetos de desenvolvimento dos portos de Palma, Pemba, no porto comercial de Nacala e no novo terminal de carvão da Beira. O diretor comercial da Iceport Terminal Frigorífico de Navegantes (subsidiária da Portonave), Juliano Perin, foi o último a intervir neste primeiro dia do Congresso, numa apresentação centrada na cadeia logística do frio. Relembrando a presença no estado de Santa Catarina, onde 80% da carga se centra em Itaguaí devido à infra-estrutura logística aí existente, o orador vincou o crescente cariz importador do terminal: Temos crescido muito na importação ao ponto desta ter ultrapassado a exportação no ano de Sobre a carga movimentada, salientou que 43% é carne congelada, o que mostra a força da carga reefer no complexo de Itajaí. Apesar do estado de Santa Catarina produzir metade do que produz o estado do Paraná, este tem exportado muito mais, concluiu o responsável da Iceport, realçando que estes números estão ligados à capacidade portuária e logística da região. As TIC e a formação As tecnologias de informação e de comunicação (TIC) e a formação foram também motivo de debate no VI Congresso dos Portos de Língua Portuguesa. Neste âmbito, o primeiro a intervir foi Abel Amorim, diretor da ENIDH, que começou por abordar, de forma sucinta, as atividades da escola, concedendo destaque ao desafio de apostar no desenvolvimento de projetos internacionais, com especial vocação para os países da CPLP. Temos a vinda de alunos desses países de uma forma intensa, estando connosco vários anos. O peso dos alunos da CPLP no total dos inscritos tem crescido de forma simpática, referiu o diretor da ENIDH, destacando também as diversas parcerias com instituições nos PALOP. Para o futuro, vincou que uma das apostas essenciais passará por aprofundar os laços com a CPLP: Queremos continuar a apostar no aprofundamento destes laços de cooperação e estender a formação de Gestão Portuária a todos os países da CPLP, aproveitando esta plataforma que é a APLOP. O tema da segurança marítima, em voga nos dias de hoje sobretudo pela questão da pirataria que tem tido incidência importante em alguns países da CPLP (Moçambique, Angola ou São Tomé e Príncipe são disso exemplo), ficou a cargo de Henrique Gouveia e Melo, presidente do Observatório de Segurança Marítima (OSM). O orador destacou que é muito importante que a tripulação esteja bem preparada, dando o exemplo de uma tripulação mal preparada, no caso do cruzeiro Costa Concórdia, antes de se centrar em dois temas críticos da segurança marítima: O terrorismo e a pirataria. Sobre a questão da pirataria, considerou que está para ficar e vai tornar-se mais sofisticada nos meios e táticas usadas. Uma das ferramentas que fará a ponte entre Portugal e outros países da CPLP é a Janela Única Portuária. Marinho Dias (Associação dos Portos de Portugal) apresentou este instrumento à plateia, considerando que o desafio atual passa por olhar para o cliente do porto. Os clientes não valorizam a Janela Única Portuária, o e-maritime, o short Sea shipping ou as auto-estradas do mar a menos como instrumentos para a obtenção de benefícios reais e vantagens do mercado, lembrou. Um porto pode ser muito eficiente e é importante que o seja mas terá que ter uma oferta exógena de qualidade, ao nível dos serviços porta-a-porta, acrescentou 6

6 Marinho Dias, terminando com uma série de desafios para a APLOP: Formalizar uma rede pública de serviços logísticos no espaço CPLP; fomentar a cooperação nas infra-estruturas; promover uma oferta harmonizada; concretizar estas ideias. O potencial da cabotagem e o exemplo do Brasil O último painel do Congresso teve como tema a cooperação e o investimento como vetores de desenvolvimento económico do espaço CPLP, com especial incidência no setor da cabotagem. Aqui, o primeiro a tomar a palavra foi Miguel Marques (PwC), numa intervenção sobre a importância da cabotagem no comércio internacional. Considerando que o sucesso dos diversos sistemas de cabotagem pode ser uma peça vital no desenvolvimento do Atlântico Sul e do Índico, Miguel Marques referiu que este tipo de transporte tem a sua importância para o desenvolvimento regional, em particular nos países em desenvolvimento, sendo de importância ainda maior em países sem marinha mercante desenvolvida porque permite a criação de marinha mercante adequada às necessidades. Além disso, lembrou o orador, permite também que cenários de ausência de ferrovia e de estradas tenha alternativa para o movimento de carga e dar continuidade à vertente marítima após o transporte transoceânico, através do feedering. A União Europeia está apostada em desenvolver a cabotagem, tendo como objetivo a sustentabilidade económica e o respeito ambiental assim como a coesão territorial, vincou ainda Miguel Marques. A pergunta que se colocava era a razão pela qual ainda não há muitos casos de cabotagem bem desenvolvidos. O responsável da PwC esclareceu: Há vários obstáculos relacionados com a burocracia, falta de confiança do cliente ou a relação entre os portos. Nesse sentido, considerou essencial a resolução de uma série de problemas : Promover uma maior regularidade, melhorar a relação entre os portos, simplificar os processos administrativos e reduzir a complexidade da cadeia logística. A analisar o estado da cabotagem no Brasil (de uma dimensão ao alcance de poucos paíes, diga-se), esteve Vágner Costa, representante da Secretaria de Portos do Brasil. O Brasil tem uma natureza que favorece a cabotagem, com concentração junto à costa dos sistemas produtivo e consumidor, com 20 mil quilómetros de vias navegáveis para embarcações marítimas e 80% da população a viver no limite de 200 quilómetros da costa, começou por referir Vágner Costa, recordando que no país há reservas da cabotagem para as empresas brasileiras. A infra-estrutura usada para a cabotagem é constituída por 34 portos e 129 terminais de uso privativo. A frota brasileira de cabotagem é composta por 156 embarcações operadas por 31 empresas, acrescentou, salientando que os granéis líquidos são a carga mais importante, num cenário que pode alterar-se no futuro: Os granéis líquidos têm grande importância no total de carga movimentada através da cabotagem mas os contentores apresentam a maior taxa de crescimento. A movimentação na cabotagem nos portos do Brasil pode atingir os 417 milhões de toneladas até 2025 previu o responsável da Secretaria de Portos do Brasil, salientando que, para cumprir estas metas, é importante garantir a redução do custo e um tratamento semelhante ao transporte rodoviário. 7

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Senhores Ministros, É com grande satisfação que venho ouvir as políticas de investimento internacional, a nível das infraestruturas,

Leia mais

Sessã o de Aberturã do VII Congresso dos Portos de Lí nguã Portuguesã

Sessã o de Aberturã do VII Congresso dos Portos de Lí nguã Portuguesã Sessã o de Aberturã do VII Congresso dos Portos de Lí nguã Portuguesã Excelência, Senhor Vice Governador da Província de Benguela, Dr. João Felizardo em representação do Engº Isaac Francisco Maria dos

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

MULTIMODALIDADE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO UMA OFERTA INTEGRADA DE QUALIDADE

MULTIMODALIDADE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO UMA OFERTA INTEGRADA DE QUALIDADE MULTIMODALIDADE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO UMA OFERTA INTEGRADA DE QUALIDADE Enquadramento Comunitário e Nacional Livro Branco Roteiro do espaço único europeu dos transportes, rumo a um sistema de transportes

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

A intermodalidade e o transporte marítimo

A intermodalidade e o transporte marítimo Ana Paula Vitorino Secretária de Estado dos Transportes A intermodalidade e o transporte marítimo 27 A dinâmica da política de transportes, global e europeia, e a posição geoestratégica de Portugal justificam

Leia mais

LOGÍSTICA EM PORTUGAL

LOGÍSTICA EM PORTUGAL LOGÍSTICA EM PORTUGAL 1 LOGÍSTICA EM PORTUGAL SUMÁRIO EXECUTIVO LOGÍSTICA EM PORTUGAL 2 LOGÍSTICA EM PORTUGAL INTRODUÇÃO CONTEXTO ATUAL 4 OBJETIVO 5 PRESSUPOSTOS ORIENTADORES 6 LOGÍSTICA EM PORTUGAL CONTEXTO

Leia mais

III Congresso Mares da Lusofonia

III Congresso Mares da Lusofonia III Congresso Mares da Lusofonia Rio de Janeiro, 23 de maio de 2013 1 Os Portos como Exemplo de Cooperação Lusófona O CASO DA APLOP José Luís Cacho Presidente APLOP - Associação de Portos de Língua Portuguesa

Leia mais

Curso - Prático Intermodalidade Marítima-Ferroviária 3-5 de Dezembro de 2012

Curso - Prático Intermodalidade Marítima-Ferroviária 3-5 de Dezembro de 2012 Curso - Prático Intermodalidade Marítima-Ferroviária 3-5 de Dezembro de 2012 Media partners: Informação e reservas: Escola Europea de Short Sea Shipping 2E3S.eu Telefone:(+34) 93 298 6070 E-mail: info@2e3s.eu

Leia mais

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Renata de Oliveira Carvalho. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Negócios da Universidade

Leia mais

Transportes: projectos prioritários até 2020

Transportes: projectos prioritários até 2020 Alameda dos Oceanos, Lote 1.02.1.1. Z17 1990-302 Lisboa Telef: 210140312 E-Mail: geral@adfersit.pt Site: www.adfersit.pt Transportes: projectos prioritários até 2020 A ADFERSIT (Associação Portuguesa para

Leia mais

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO Arlindo Zandamela Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique (INCM) Lisboa, Portugal Zandamela.arlindo@gmail.com Sumário

Leia mais

Os desafios de competitividade dos portos portugueses J. Augusto Felício. Florianópolis Brasil

Os desafios de competitividade dos portos portugueses J. Augusto Felício. Florianópolis Brasil Os desafios de competitividade dos portos portugueses J. Augusto Felício Florianópolis Brasil Florianópolis Brasil 2 a 4 de Dezembro de 2015 Os desafios de competitividade dos portos portugueses Os desafios

Leia mais

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO No âmbito do procedimento de consulta pública do Plano Estratégico de Transportes 2008-2020 (PET), vem a Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza apresentar o seu parecer. SOBRE OS PRESSUPOSTOS

Leia mais

Transporte Marítimo e Portos

Transporte Marítimo e Portos Transporte Marítimo e Portos Disposição de Terminais num Porto - 1 Disposição geral do porto de Leixões. 1 Disposição de Terminais num Porto - 2 Porto de Rotterdam (Holanda), o maior porto europeu. Disposição

Leia mais

Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª. Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais. Exposição de motivos

Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª. Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais. Exposição de motivos Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais Exposição de motivos Os portos comerciais do sistema portuário nacional têm

Leia mais

21 ANEXO IV MAPA GLOBAL DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS

21 ANEXO IV MAPA GLOBAL DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS ANEXO IV MAPA GLOBAL DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS 1330 .1 SECTOR FERROVIÁRIO PROJETO - PRIV. PUB. RTE-T CORREDOR DA FACHADA ATLÂNTICA 734 0 5 0 2 Conclusão do Plano de Modernização -Linha do Norte 400 300

Leia mais

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África.

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África. Corredor de Nacala Engloba : O Porto de Nacala, elemento central do Corredor; O Sistema ferroviário do Norte de Moçambique O Sistema ferroviário do Malawi; e O troço ferroviário Mchinji/Chipata, que permite

Leia mais

REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES CORREDOR ATLÂNTICO

REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES CORREDOR ATLÂNTICO REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E CORREDOR ATLÂNTICO 2015-06-18 José Cruz Técnico Superior Enquadramento Regulamento (UE) Nº 1315/2013, do Parlamento Europeu e do Conselho de 11 de dezembro de 2013,

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO FÓRUM ECONÓMICO E DE NEGÓCIOS ANGOLA-ITÁLIA Fevereiro 2014 INDÍCE: Estratégia do Sector 2013-2017; Áreas/Projectos com

Leia mais

A FERROVIA E A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS

A FERROVIA E A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS ADFERSIT 2011 A FERROVIA E A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS Eng.º António de Melo Pires Diretor Geral da Volkswagen Autoeuropa 21 de junho de 2011 1 Agenda 1. O papel dos transportes na competitividade das

Leia mais

A Plataforma Logística de Leixões. uma oferta para os clientes que exigem um serviço integrado

A Plataforma Logística de Leixões. uma oferta para os clientes que exigem um serviço integrado A Plataforma Logística de Leixões uma oferta para os clientes que exigem um serviço integrado Junho de 2008 O TERRITÓRIO - A fachada Atlântica O TERRITÓRIO - O Norte e o Centro de Portugal Valença Chaves

Leia mais

19 ANEXO II PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DO GTIEVA

19 ANEXO II PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DO GTIEVA 19 ANEXO II PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DO GTIEVA 534 Conclusões da Discussão Pública A Discussão Pública B Análise Preliminar à Alocação de Fundos Comunitários A Discussão Pública Discussão Pública Metodologia

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

Dados Pessoais: Naturalidade: Beira. Mandato: 2015/2017. Vice-Presidente do Conselho de Administração, WHATANA INVESTMENTS CORP

Dados Pessoais: Naturalidade: Beira. Mandato: 2015/2017. Vice-Presidente do Conselho de Administração, WHATANA INVESTMENTS CORP Dados Pessoais: Data de nascimento: 25 de Março de 1952 Naturalidade: Beira Nacionalidade: Moçambicana Cargo: Presidente do Conselho de Administração Início de Funções: 2015 Mandato: 2015/2017 Cargo que

Leia mais

AS INFRAESTRUTURAS DOS TRANSPORTES EM ANGOLA

AS INFRAESTRUTURAS DOS TRANSPORTES EM ANGOLA AS INFRAESTRUTURAS DOS TRANSPORTES EM ANGOLA LUANDA, 26 DE MAIO DE 2014 INDÍCE: Estratégia do Sector 2013-2017; Potenciais áreas para o investimento público e privado. 1. PRINCIPAL ORIENTAÇÃO DO SECTOR

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

II CONGRESSO ÂNCORA (FEEM) 14 NOVEMBRO 2013 PORTOS E TRANSPORTES MARÍTIMOS TORNAR PORTUGAL NUM IMPORTANTE HUB DE TRANSPORTE MARÍTIMO

II CONGRESSO ÂNCORA (FEEM) 14 NOVEMBRO 2013 PORTOS E TRANSPORTES MARÍTIMOS TORNAR PORTUGAL NUM IMPORTANTE HUB DE TRANSPORTE MARÍTIMO II CONGRESSO ÂNCORA (FEEM) 14 NOVEMBRO 2013 PORTOS E TRANSPORTES MARÍTIMOS TORNAR PORTUGAL NUM IMPORTANTE HUB DE TRANSPORTE MARÍTIMO Miguel de Paiva Gomes (Transinsular Grupo ETE) GRUPO ETE - PORTFÓLIO

Leia mais

Sistemas Logísticos de Portugal e Espanha no Desenvolvimento do Mercado Ibérico. 29 e 30 de Novembro de 2010 ENTIDADES ORGANIZADORAS

Sistemas Logísticos de Portugal e Espanha no Desenvolvimento do Mercado Ibérico. 29 e 30 de Novembro de 2010 ENTIDADES ORGANIZADORAS Sistemas Logísticos de Portugal e Espanha no Desenvolvimento do Mercado Ibérico 29 e 30 de Novembro de 2010 ENTIDADES ORGANIZADORAS A LOGISTEL S.A. é uma Sociedade Anónima de que são Accionistas o Grupo

Leia mais

Plano Estratégico de Transportes. Linhas orientadoras- Horizonte 2011-2015

Plano Estratégico de Transportes. Linhas orientadoras- Horizonte 2011-2015 Plano Estratégico de Transportes Linhas orientadoras- Horizonte 2011-2015 Princípios Orientadores Cumprir os compromissos Portugal tem de cumprir os compromissos assumidos. Quer externamente no âmbito

Leia mais

Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe. Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo

Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe. Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo Senhores Ministros Senhores Embaixadores Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo Senhora representante da Comissão

Leia mais

MOBILIDADE DE MERCADORIAS RODOVIAS, FERROVIAS E PORTOS (MAR E TERRA) Vigo, 1 de março de 2012

MOBILIDADE DE MERCADORIAS RODOVIAS, FERROVIAS E PORTOS (MAR E TERRA) Vigo, 1 de março de 2012 INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO FERREIRA DE BARROS, NA SESSÃO DE DEBATE SOBRE COMUNICAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA NORTE DE PORTUGAL GALIZA, SOB O TEMA «MOBILIDADE

Leia mais

Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas. Horizonte 2014-2020

Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas. Horizonte 2014-2020 Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas Horizonte 2014-2020 Consensualização de Prioridades O Grupo de Trabalho para as Infraestruturas de Elevado Valor Acrescentado apresentou o seu relatório

Leia mais

Seminário. Investimento e Financiamento às Empresas. Uma Ideia para Mudar Portugal. 16 de Junho de 2015. Porto Business School

Seminário. Investimento e Financiamento às Empresas. Uma Ideia para Mudar Portugal. 16 de Junho de 2015. Porto Business School Seminário Investimento e Financiamento às Empresas Uma Ideia para Mudar Portugal 16 de Junho de 2015 Porto Business School Novas soluções para incentivar o IDE em Portugal A possibilidade de desenvolver

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão Gestão da Distribuição e da Logística Gestão de Recursos Humanos Gestão de Sistemas de Informação

Leia mais

Cabo Verde como plataforma no Atlântico: VELHA realidade num NOVO contexto

Cabo Verde como plataforma no Atlântico: VELHA realidade num NOVO contexto Cabo Verde como plataforma no Atlântico: VELHA realidade num NOVO contexto Lisbon Atlantic Conference 2013 Territorial and Neighboring Cooperation. Lisboa, 5 de Dezembro de 2013 Carlos Rocha Administrador

Leia mais

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO PARTE 03 - MERCADOS PRIORITÁRIOS Introdução Nas últimas semanas dedicamos a nossa atenção ao

Leia mais

AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS

AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE Rodoviária Ferroviária De Aeroportos De Portos De Energia Uma distribuição desigual Uma rede melhorada Segura

Leia mais

GESTÃO E ESTRATÉGIA PORTUÁRIA 5 MÓDULOS 2 SEMINÁRIOS VISITAS TÉCNICAS

GESTÃO E ESTRATÉGIA PORTUÁRIA 5 MÓDULOS 2 SEMINÁRIOS VISITAS TÉCNICAS P Ó S - G R A D U A Ç Ã O GESTÃO E ESTRATÉGIA PORTUÁRIA 5 MÓDULOS 2 SEMINÁRIOS VISITAS TÉCNICAS 2ª EDIÇÃO DATA 22 DE MAIO A 29 DE JUNHO E DE 17 A 27 DE SETEMBRO CARGA HORÁRIA 191 HORAS LOCAL CENTRO DE

Leia mais

SMIT, SERVIÇOS MARÍTIMOS DE MOÇAMBIQUE, LIMITADA PARCEIRO MOÇAMBICANO DE SOLUÇÕES MARÍTIMAS

SMIT, SERVIÇOS MARÍTIMOS DE MOÇAMBIQUE, LIMITADA PARCEIRO MOÇAMBICANO DE SOLUÇÕES MARÍTIMAS SMIT, SERVIÇOS MARÍTIMOS DE MOÇAMBIQUE, LIMITADA PARCEIRO MOÇAMBICANO DE SOLUÇÕES MARÍTIMAS 2 QUEM SOMOS 3 UMA EMPRESA LOCAL QUE REÚNE REQUESITOS INTERNACIONAIS A Smit Serviços Marítimos de Moçambique

Leia mais

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura PPA 2004-2007 Caminhos da Bahia: Infra-estrutura e Logística Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura nas áreas de transportes e energia, com o objetivo

Leia mais

PP nº 16 da RTE-T: Ligação ferroviária entre o porto de Sines e Elvas (fronteira)

PP nº 16 da RTE-T: Ligação ferroviária entre o porto de Sines e Elvas (fronteira) PP nº 16 da RTE-T: Ligação ferroviária entre o porto de Sines e Elvas (fronteira) Comissão Arco Atlântico Eduardo Borges Pires, Director de Estudos e Estratégia Sines, 11 de Março de 2011 Procura Transporte

Leia mais

A Secretária de Estado dos Transportes. Eng.ª Ana Paula Vitorino

A Secretária de Estado dos Transportes. Eng.ª Ana Paula Vitorino Intervenção de Sua Excelência, A Secretária de Estado dos Transportes Eng.ª Ana Paula Vitorino por ocasião da Conferência Ibérica Qualidade Global dos Portos Aveiro, 3 de Abril de 2007 (vale a versão lida)

Leia mais

João Franco. Portos e Transportes Marítimos. Presidente do Conselho de Administração Administração do Porto de Sines, S.A.

João Franco. Portos e Transportes Marítimos. Presidente do Conselho de Administração Administração do Porto de Sines, S.A. João Franco Presidente do Conselho de Administração Administração do Porto de Sines, S.A. Lisboa, 14 de novembro de 2013 Portos e Transportes Marítimos 1 Portugal como HUB de transporte marítimo Visão

Leia mais

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do cais (233m) 1950/56 Complementação do cais (total 703m)

Leia mais

ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO

ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO FICHA DE MERCADO ANGOLA BREVE CARACTERIZAÇÃO Situa-se na região da África Subsariana, apresentando uma economia em forte crescimento, que converge para uma economia de mercado. É um país extremamente rico

Leia mais

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira Mauro Dias Diretor-Presidente 1 Seminário Cabotagem Brasileira Agosto 2009 Mercado de Cabotagem de Contêineres O mercado de contêineres

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Que políticas de transportes

Que políticas de transportes Que políticas de transportes 8º ciclo de seminários - Transportes e negócios J. Paulino Pereira (Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa) Professor Universitário e Consultor Aeroportos

Leia mais

GESTÃO TERRITORIAL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE TERRITÓRIOS a REGIÃO como espaço de atuação e inovação

GESTÃO TERRITORIAL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE TERRITÓRIOS a REGIÃO como espaço de atuação e inovação GESTÃO TERRITORIAL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE TERRITÓRIOS a REGIÃO como espaço de atuação e inovação Nova condição territorial Na era da integração econômica regional e global, situações locais são

Leia mais

TRANSPORTE INTERMODAL. Os diferentes modos de transporte deverão funcionar como peças de um puzzle, que se encaixam harmoniosamente

TRANSPORTE INTERMODAL. Os diferentes modos de transporte deverão funcionar como peças de um puzzle, que se encaixam harmoniosamente TRANSPORTE INTERMODAL Os diferentes modos de transporte deverão funcionar como peças de um puzzle, que se encaixam harmoniosamente Rui Rodrigues Site: www.maquinistas.org (Ver Opinião) Email rrodrigues.5@netcabo.pt

Leia mais

MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE

MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE Página 1 de 35 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário no período janeiro-dezembro de 2014 0. Movimento por Tipo de Carga e por Porto

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 1 2 3 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 4 5 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO O COMÉRCIO INDUZ A OPERAÇÃO DE TRANSPORTE Cabe ao Transporte Marítimo

Leia mais

A Cidade Logística. Plataforma Logística do Poceirão

A Cidade Logística. Plataforma Logística do Poceirão A Cidade Logística Plataforma Logística do Poceirão Póvoa de Santa Iria, 03 de Dezembro 2009 1 1. Apresentação Integrado na rede de plataformas nacionais definida pelo Portugal Logístico será desenvolvido

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

2 A 4 ABRIL 2013 Transamerica Expo Center São Paulo Brasil

2 A 4 ABRIL 2013 Transamerica Expo Center São Paulo Brasil SOBRE O EVENTO QUEM VISITA QUEM EXPÕE DEPOIMENTOS COMO PARTICIPAR FEIRA INTERNACIONAL DE LOGÍSTICA, TRANSPORTE DE CARGAS E COMÉRCIO EXTERIOR 2 A 4 ABRIL 2013 Transamerica Expo Center São Paulo Brasil ONDE

Leia mais

V Congresso da Indústria Portuguesa Agro-Alimentar COMPETITIVIDADE E CRESCIMENTO. Intervenção do Presidente da FIPA

V Congresso da Indústria Portuguesa Agro-Alimentar COMPETITIVIDADE E CRESCIMENTO. Intervenção do Presidente da FIPA V Congresso da Indústria Portuguesa Agro-Alimentar COMPETITIVIDADE E CRESCIMENTO Intervenção do Presidente da FIPA Exmo. Secretário de Estado Agricultura, Exmo. Senhor Presidente da CIP, Estimados associados

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Lídia Sequeira Porto de Sines «Porto de Sines tem de ter capacidade para conseguir novos mercados»

Lídia Sequeira Porto de Sines «Porto de Sines tem de ter capacidade para conseguir novos mercados» 7/29/2010 Lídia Sequeira Porto de Sines «Porto de Sines tem de ter capacidade para conseguir novos mercados» A partir de 2013, com a abertura do Canal do Panamá aos navios post-panamax, as rotas mundiais

Leia mais

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA 8º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTES & NEGÓCIOS O PAPEL DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO NAS SOLUÇÕES LOGÍSTICAS Outubro 2006 Preâmbulo Atendendo ao modelo económico de desenvolvimento

Leia mais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Comércio Internacional/Externo: Todas as transações efetuadas entre um país e os restantes países, isto é, entre unidades residentes e unidades não residentes

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza

ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Especialização APRESENTAÇÃO O curso tem como objetivo

Leia mais

Investimento Privado em Angola

Investimento Privado em Angola Abril 2013 Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Sectores económicos prioritários Agricultura e Pecuária Indústria

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa QUIDGEST Q-DAY: INOVAÇÃO CONTRA A CRISE Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa André Magrinho TAGUSPARK: 09 de Setembro 2009 SUMÁRIO 1. Globalização

Leia mais

cooperação internacional

cooperação internacional MG e o mundo Várias regiões no mundo possuem características similares à Minas Gerais _ territórios configurados pela mineração, a siderurgia, a indústria automotiva e seus dispositivos logísticos. Regiões

Leia mais

Seminário "O Mar e os laços da Lusofonia: desafios e oportunidades no contexto económico-industrial e da segurança marítima"

Seminário O Mar e os laços da Lusofonia: desafios e oportunidades no contexto económico-industrial e da segurança marítima Lisboa, 27 de Novembro de 2014 Seminário "O Mar e os laços da Lusofonia: desafios e oportunidades no contexto económico-industrial e da segurança marítima" Instituto da Defesa Nacional SÚMULA DAS CONCLUSÕES

Leia mais

ATRATIVIDADE EMPRESARIAL E PROJETOS DE ESTIMULO À ECONOMIA DA EUROREGIÃO

ATRATIVIDADE EMPRESARIAL E PROJETOS DE ESTIMULO À ECONOMIA DA EUROREGIÃO ATRATIVIDADE EMPRESARIAL E PROJETOS DE ESTIMULO À ECONOMIA DA EUROREGIÃO O PROJETO PROMOINVEST E A REDE Professor Augusto Medina Sociedade Portuguesa de Inovação FÓRUM DE DISCUSSÃO: A EUROACE e a ligação

Leia mais

I Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa. Oportunidades de Investimentos em Cabo Verde: perspectivas e desafios

I Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa. Oportunidades de Investimentos em Cabo Verde: perspectivas e desafios I Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa Centro Cultural de Belém, Lisboa 18 de Outubro de 2012 Alocução do Dr. José armando Duarte Presidente do Conselho de Administração da Cabo Verde Investimentos

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

O Futuro do Transporte de Mercadorias

O Futuro do Transporte de Mercadorias O Futuro do Transporte de Mercadorias A diminuição dos custos de transacção na economia portuguesa é fundamental para o aumento de nossa competitividade. Tal diminuição joga-se fundamentalmente no transporte

Leia mais

A Zils, Zona Industrial e Logística de Sines, sob gestão da aicep Global Parques oferece uma localização com clara vocação atlântica.

A Zils, Zona Industrial e Logística de Sines, sob gestão da aicep Global Parques oferece uma localização com clara vocação atlântica. A Zils, Zona Industrial e Logística de Sines, sob gestão da aicep Global Parques oferece uma localização com clara vocação atlântica. Com fácil e rápido acesso a vias de comunicação nacionais e internacionais

Leia mais

A Região Autónoma dos Açores é composta por nove ilhas localizadas no Atlântico Norte, entre a América do Norte e a Europa;

A Região Autónoma dos Açores é composta por nove ilhas localizadas no Atlântico Norte, entre a América do Norte e a Europa; 1 2 A Região Autónoma dos Açores é composta por nove ilhas localizadas no Atlântico Norte, entre a América do Norte e a Europa; As ilhas encontram-se dispersas por uma extensão de 600km, desde Santa Maria

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Logística e Infra-estrutura

Logística e Infra-estrutura Siderurgia Mineração Cimento Logística e Infra-estrutura CSN apresenta Plataforma Logística CSN em Itaguaí Plataforma Logística CSN em Itaguaí Um projeto alinhado às necessidades do Brasil Plataforma Logística

Leia mais

Serviço Grupagem Aérea para Luanda, agora também disponível com saídas do Porto nos voos de fimde-semana

Serviço Grupagem Aérea para Luanda, agora também disponível com saídas do Porto nos voos de fimde-semana Número 11 6 de Julho 2010 Serviço Grupagem Aérea para Luanda, agora também disponível com saídas do Porto nos voos de fimde-semana Para mais informações contacte-nos através do email comercial.africa@rangel.com

Leia mais

Importância geoestratégica de Portugal

Importância geoestratégica de Portugal GRANDE REPORTAGEM CLUBE EUROPEU AEVILELA Importância geoestratégica de Portugal PORTO DE SINES Porta ideal de entrada num conjunto de mercados CIDADE DA HORTA Telegraph Construction and Maintenance Company

Leia mais

Comunidade Portuária de Sines (CPSS)

Comunidade Portuária de Sines (CPSS) Câmara Municipal Gabinete da Presidência Conferência Impacto do novo Canal do Panamá nos Portos Nacionais APS 14 de Novembro de 2011 Exmºs. Senhores: Comunidade Portuária de Sines (CPSS) Em primeiro lugar

Leia mais

O Cluster do Mar de Cabo Verde No Quadro da Cooperação e Desenvolvimento da Economia Azul no Atlântico Médio. franklim.spencer@enapor.

O Cluster do Mar de Cabo Verde No Quadro da Cooperação e Desenvolvimento da Economia Azul no Atlântico Médio. franklim.spencer@enapor. O Cluster do Mar de Cabo Verde No Quadro da Cooperação e Desenvolvimento da Economia Azul no Atlântico Médio franklim.spencer@enapor.cv ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO ENQUADRAMENTO HIPERCLUSTER DO MAR; ANÁLISE

Leia mais

Novo Aeroporto de Lisboa e privatização da ANA

Novo Aeroporto de Lisboa e privatização da ANA Novo Aeroporto de Lisboa e privatização da ANA O turismo de Portugal não precisa de uma cidade aeroportuária nem de um mega aeroporto; O desenvolvimento do turismo de Portugal, num quadro de coesão territorial

Leia mais

MOBILIDADE DE MERCADORIAS - RODOVIAS, FERROVIAS E PORTOS (MAR E TERRA)

MOBILIDADE DE MERCADORIAS - RODOVIAS, FERROVIAS E PORTOS (MAR E TERRA) MOBILIDADE DE MERCADORIAS - RODOVIAS, FERROVIAS E PORTOS (MAR E TERRA) Vigo, 1 de março de 2012 José António de Barros Presidente de AEP 0 Alguns dados sobre o sector europeu dos transportes Representa

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

A opção por um modo de transporte é fortemente condicionada pelo seu custo.

A opção por um modo de transporte é fortemente condicionada pelo seu custo. CONCEITOS BÁSICOS: MODO DE TRANSPORTE Tipo de veículo utilizado para a deslocação de pessoas e mercadorias. DISTÂNCIAS RELATIVA Distância entre dois lugares, em função de factores sujeitos a variação,

Leia mais

Porto de Lisboa. Desenvolvimento portuário e Competitividade. Dr. Manuel Frasquilho. Presidente do Conselho de Administração do Porto de Lisboa

Porto de Lisboa. Desenvolvimento portuário e Competitividade. Dr. Manuel Frasquilho. Presidente do Conselho de Administração do Porto de Lisboa Porto de Lisboa Desenvolvimento portuário rio, Logística e Competitividade Dr. Manuel Frasquilho Presidente do Conselho de Administração do Porto de Lisboa 18 de Abril de 2007 Porto de Lisboa Porto de

Leia mais

ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil

ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil Sistema Ferroviário: Estagnação ou Desenvolvimento? Alberto Castanho Ribeiro Porto, 21 de Maio de 2011 Estrutura 1. Evolução do Caminho de Ferro 2. Desafios

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

As perspetivas de desenvolvimento da região Norte

As perspetivas de desenvolvimento da região Norte INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO FERREIRA DE BARROS, NA SESSÃO DE DEBATE, SOB O TEMA «REGIÃO NORTE QUE PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO?» NA DELEGAÇÃO

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 MISSÃO EMPRESARIAL ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 ANGOLA Com capital na cidade de Luanda, Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte

Leia mais

REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE

REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE Com a criação da CEE, as trocas comerciais entre membros sofreram enormes aumentos de tráfego, tendo as empresas a oportunidade de aceder a um mercado muito mais vasto.

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

XV CONGRESSO NACIONAL DE TRANSITÁRIOS MONTE REAL 9 e 10 de OUTUBRO

XV CONGRESSO NACIONAL DE TRANSITÁRIOS MONTE REAL 9 e 10 de OUTUBRO XV CONGRESSO NACIONAL DE TRANSITÁRIOS MONTE REAL 9 e 10 de OUTUBRO A INTEROPERABILIDADE DOS TRANSPORTES: O CONTRIBUTO DO TRANSPORTE MARÍTIMO DE CURTA DISTÂNCIA Agenda 1. SSS: procura por uma definição

Leia mais

CPLP: Circulação de Pessoas, Bens, Capitais e Serviços. Prof. Doutor Esmeraldo de Azevedo Centro de Estudos Lusófonos

CPLP: Circulação de Pessoas, Bens, Capitais e Serviços. Prof. Doutor Esmeraldo de Azevedo Centro de Estudos Lusófonos Capitais e Serviços Prof. Doutor Esmeraldo de Azevedo Centro de Estudos Lusófonos 1. Como é do conhecimento, A CPLP apresenta-se como uma organização internacional, intergovernamental, caracterizada pela

Leia mais

O que é o porto de Leixões. O porto de Leixões é o maior porto artificial de Portugal.

O que é o porto de Leixões. O porto de Leixões é o maior porto artificial de Portugal. Porto de leixões O que é o porto de Leixões O porto de Leixões é o maior porto artificial de Portugal. História do porto de Leixões O porto de Leixões foi construído na foz do rio leça, aproveitando três

Leia mais

Bem-vindos à Volkswagen Autoeuropa Encontro com a Imprensa 20 de março de 2013. Volkswagen Autoeuropa

Bem-vindos à Volkswagen Autoeuropa Encontro com a Imprensa 20 de março de 2013. Volkswagen Autoeuropa Bem-vindos à Encontro com a Imprensa 20 de março de 2013 Intervenção do eng.º António de Melo Pires Diretor-Geral Agenda Resultados do Grupo Volkswagen Resultados da Recursos Humanos A estratégia do Grupo

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso Secretário-Executivo do Conselho de Infraestrutura da Confederação Nacional da Indústria CNI Brasília, 4 de maio de 2011 1 Qualidade

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais