+ (τ xy ) 2 < σ lim /CS...(9.2.1)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "+ (τ xy ) 2 < σ lim /CS...(9.2.1)"

Transcrição

1 9.0 Dimensionamento e eixos e vigas. 9.1 Critérios e Resistência. No imensionamento os elementos e máquinas e estruturas, como os eixos e as vigas, vários são os critérios que poem ser utilizaos para o estabelecimento e suas imensões mínimas, compatíveis com as proprieaes mecânicas os materiais utilizaos, obtias nos ensaios em laboratório. Tais critérios surgem quano se busca a resposta à seguinte questão básica: - quano ocorrerá a ruína* o material a peça carregaa? *(entenemos como ruína a eterioração o material, por ruptura, por plastificação, por ser ultrapassao o limite e proporcionaliae, ou e escoamento etc, epeneno e seu uso). Várias poeriam ser as hipóteses (teorias) para sustentar uma resposta a tal questão: - a ruína ocorre quano a maior tensão normal presente ultrapassar o valor a tensão normal ocorrente quano a ruína o corpo e prova no ensaio e tração (ou compressão) o material; - a ruína ocorre quano a maior tensão tangencial presente ultrapassar o valor a tensão tangencial ocorrente quano a ruína o corpo e prova no ensaio o material corresponente; - a ruína ocorre quano a maior eformação longituinal presente ultrapassar o valor a eformação longituinal ocorrente quano a ruína o corpo e prova no ensaio o material; - a ruína ocorre quano a maior energia específica e istorção presente ultrapassar o valor a energia e istorção por uniae e volume ocorrente quano a ruptura o corpo e prova no ensaio o material. - outras... Como se verá, não há resposta única, vália para qualquer situação: o critério que mais se coauna com os resultaos obtios em laboratório epenerá o tipo o material e o tipo o carregamento. 9.2 Teorias as áximas Tensões. Válio para materiais frágeis (uros, quebraiços, que se rompem nos planos one a tensão normal é extrema) é o critério a máxima tensão normal, seguno o qual haverá ruína quano, em certo ponto o corpo, a tensão principal ultrapassar o valor a tensão e ruína no ensaio uniaxial o material. Portanto, o imensionamento, para um ao CS, eve ser feito ateneno ao requisito (Critério e Coulomb): ½ ( x + y ) + [½ ( x - y )] 2 + (τ xy ) 2 < lim /CS...(9.2.1) Para materiais úteis (macios, flexíveis, que se rompem nos planos one a tensão tangencial é extrema), é o critério a máxima tensão tangencial o que melhor se coauna, consierano que haverá ruína quano, em certo ponto, a tensão máxima e cisalhamento ultrapassar o valor a tensão tangencial ocorrente (a 45º) no ensaio e tração o material (τ máx = ½ limite ). O imensionamento (para um ao CS) eve atener a que (Critério e Tresca): [½ ( x - y )] 2 + (τ xy ) 2 < ½ lim /CS...(9.2.2) 28 (a) 45º Planos e Clivagem (b) Fig.9.1 Tipos e fratura no ensaio e tração (a) material frágil; b) material útil (inicialmente, a fratura se á por cisalhamento até que a reução a área provoca a ruptura por tração).

2 Exemplo Dimensionar o eixo maciço a ser fabricao em aço 1020 (tensão limite e escoamento esc = 200Pa), e forma a transmitir um torque T = 10 kn.m, sob um momento fletor = 15 kn.m., com um coeficiente e segurança 1,6 ao escoamento. Solução: Para um eixo e seção circular submetio a um torque T e um momento fletor, o ponto a periferia mais solicitao estará submetio às seguintes tensões (a tensão tangencial evio a Q é esprezível para um eixo maciço) = (Μ/Ι) (/2); τ = (Τ/J P ) (/2); seno J P = π 4 /32 e I = ½ J P Como se trata e um material útil (baixo teor e Carbono), utilizaremos o critério a máxima tensão tangencial. τ máx = [½ ( x - y )] 2 + (τ xy ) 2 = [½ (Μ/Ι)/2] 2 + [(T/J P ) 2 /2] 2 τ máx = [( 2 + T 2 ) 1/2 / J P ] (/2) Interessante notar que o termo ( 2 + T 2 ) 1/2 representa o móulo o vetor momento total atuante na seção ( + T) (chamao momento ieal ). Para o caso em análise, como τ máx =(200/2):1,6 = 62,5Pa teremos: τ máx = 32 ( 2 + T 2 ) 1/2 / π 3 3 = 32 [(10x10 3 ) 2 + (15x10 3 ) 2 ] 1/2 / π (62,5x10 6 = 2,9838x10-3 m 3 = 1,432 x 10-1 m = 143 mm (Resposta) Exemplo Para o perfil I esquematizao, eterminar o coeficiente e segurança para a ruptura o material, supono tratar-se e aço 1080, e alto teor e carbono, ureza Brinell 248, e resistência à tração e 78 kgf/mm 2. Solução: O momento e inércia a seção em relação à LN valerá: I LN = [100 x (165) 3 / 12] [95 (150) 3 / 12 = 10,72 x 10 6 mm 2 ]. Na seção o engastamento teremos: Q = 210 kn e = - 210x10 3 x 0,150 = - 31,5 k. Para o ponto (no topo, one ocorre a máxima tensão normal e tração e one a tensão e cisalhamento é nula), teremos: = (/ I)y = (31,5x10 3 / 10,72x10-6 )x0,083 = 243,9 Pa. Consierano o estao uplo: (tração Pura) - P1 = 243,9Pa P2 = 0,000 τ máx = ½ (243,9)= 121,9Pa Para o ponto C (na LN, one ocorre a máxima tensão tangencial e one a tensão normal é nula), teremos: τ = (Q S / b I ) seno S = (0,008x0,100x0, ,005x0,075x0,0375)=77,26x10-6 m 3 τ = 210x10 3 x77,26x10-6 / 0,005 x 10,72x10-6 = 302,7Pa Consierano o estao uplo: (Corte Puro) - P1 = 302,7Pa P2 = - 302,7Pa τ máx = 302,7Pa τ 121,9 τ 302, ,9 302,7 B C 150 τ kN

3 Para o ponto B (na interface entre a mesa e a alma, one ocorre uma tensão normal elevaa, embora não seja a máxima, estano presente uma tensão tangencial também elevaa, embora não seja a máxima), teremos: = (/ I)y = (31,5x10 3 / 10,72x10-6 )x0,075 = 220,4Pa τ = (Q S / b I) seno S = (0,008x0,100x0,079) = 63,20x10-6 m 3 τ = 210x10 3 x 63,20x10-6 / 0,005 x 10,72x10-6 = 247,6Pa Consierano o estao uplo: (Tração+Corte) - P1 = 381,2Pa P2 = -160,8Pa τ máx = 271Pa Como tg 2θ p = τ xy / ½ ( x - y ) = = -247,6 / ½ (220,4) = - 2,247; 2θ p = - 66,0º; θ p1 = - 33,0º; θ p2 = 57,0º - 160,8 Como (máx) = 78kgf/mm 2 = 765Pa, O coeficiente e segurança para o perfil, seguno o critério e Coulomb valerá 765/381,2 = 2,00 τ 381,2 9.3 Teorias as áximas Energias e eformação Poer-se-á cogitar que a eterioração o material ocorre quano, no ponto consierao, a energia e eformação, por uniae e volume (u), ultrapassar o valor e tal graneza quano a eterioração o material por ocasião o ensaio e tração corresponente (Critério e Saint-Venant). Como vimos nos capítulos 1.7 e 1.8, consierano os planos principais (one não ocorrem tensões tangenciais), em um estao triplo e tensões: u total = U/V = ( ½ ) ( 1 ε ε ε 3 ), seno: ε 1 = (1/E) [ 1 - ν ( )] ε 2 = (1/E) [ 2 - ν ( )] ε 3 = (1/E) [ 3 - ν ( )], que nos leva a: u total = [1/2E] [ ( ν ( )]... (9.3.1) Seguno o critério a máxima energia específica e eformação total não haverá eterioração o material se: ν ( ) < ( limite ) 2... (9.3.2) que, no caso o estao uplo e tensões (com 3 = 0) e consierano um certo C.S., se torna: ν ( 1 2 ) < ( lim /CS ) 2... (9.3.3) Observa-se experimentalmente que os materiais suportam tensões muito mais elevaas o que a ao ensaio uniaxial e tração, quano submetios a estaos hirostáticos e tensão (quano as 3 tensões principais são toas iguais, ficano os círculos e ohr reuzios a um ponto sobre o eixo os ), não ocorreno tensão tangencial em qualquer plano (ficano o estao e tensão efinio pela graneza escalar pressão, invariante para toas as ireções). s rochas sob a crosta terrestre são um bom e- xemplo o que se comenta. Tal comportamento fica compreenio quano se leva em conta que a e- nergia total e eformação poe ser esobraa em uas componentes: a energia para variação e volume e a energia para variação e forma (istorção). ssim é que poemos estabelecer a composição: 2 p θ p 247,6 247,6 220,4 θ = p + p 1 - p p

4 mite-se que a ação inelástica ocorrerá sempre que a energia e istorção exceer o valor corresponente no ensaio e tração (one apenas uma as tensões principais não é nula). Este é o chamao critério a máxima energia e istorção (Von ises). O valor a energia específica e istorção (u ) será computao subtraino o valor a energia total, a parcela corresponente a energia e variação volumétrica ecorrente a tensão méia p, fazeno em (9.3.1) i = p = ( )/3, nos ano: u volume = [(1 2ν)6E]( ) 2. Efetuano a iferença obtem-se: u istorção = [(1+ν)/6E] [( 1 2 ) 2 + ( 2 3 ) 2 + ( 3 1 ) 2 ]... (9.3.4) Seguno tal critério, não haverá a eterioração o material se: [( 1 2 ) 2 + ( 2 3 ) 2 + ( 3 1 ) 2 ] < 2( limite ) 2...(9.3.5) Tratano-se o caso comum e um estao uplo e tensões (com 3 = 0), e ao um certo CS, a equação se torna: 2 2 ( ) < ( lim / CS) 2. Seno 1 = méio + τ máx e 1 = méio - τ máx, obtemos: ( méio 2 + 3τ máx 2 ) < ( limite ) 2...(9.3.6) otou-se certa margem e segurança, consierano como tensão amissível: am = limite / (Coeficiente e Segurança). Interessante comentar que, no caso o estao e corte puro (ocorrente no ensaio e torção e eixos) teremos: 1 = τ r ; 2 = τ r ; 3 = 0; que nos á: 3τ 2 r < ( limite ) 2 τ r < 0,577 limite τ r (valor confirmao experimentalmente para os materiais úteis cerca e 60% a tensão normal o ensaio e tração, e não os 50% preconizaos pelo critério a máxima tensão tangencial). Exemplo O recipiente cilínrico e paree fina esquematizao (iâmetro = 200mm e espessura e = 2,8mm) contém ar comprimio na pressão manométrica e 32 atmosferas e eve ser submetio à uma força F = 10kN para aperto os parafusos e veação. Peese avaliar o coeficiente e segurança ao escoamento amitino que o material a chapa seja aço com tensão normal limite e escoamento 250Pa, E = 210GPa e ν = 0,300, seguno os quatro critérios e resistência estuaos (não consierar os efeitos a proximiae a chapa o funo o recipiente na seção a base one os esforços solicitantes são extremos). Solução: Na seção a base temos: N = p.πd 2 /4= 3,2x10 6 x π (0,200) 2 / 4=100,5kN; Q = 10,0kN; = 10x10 3 x 0,500 = 5,00kN.m; T =10x10 3 x 0,350 = 3,50kN.m. = π D x e = 1,759 x 10-3 m 2 ; J P = x (D/2) 2 = 17,59 x 10-6 m 4 ; I = ½ J P nalisaremos as tensões ocorrentes nos pontos a seção a base (na parte interna, one atua uma tensão e compressão 3 = - p): one a tensão longituinal trativa evio à p se soma à evio à ; B one a tensão tangencial evio ao torque T se soma à evio à Q; C one a tensão longituinal poe ser compressiva C 350 τ r τ p D=200 τ r 10kN B T

5 PONTO PONTO B PONTO C C L L L τ LC p τ LC C τ LC C p p L C C L L C Superfície interna Superfície interna Superfície interna C = pd/2e = = 3,2 x10 6 x 0,2 / 0,0056 = 114,3Pa L = N/ + (/I)(D/2) = = 100,5 x 10 3 / 1,759x (5x10 3 / 8,795x10-6 ) x 0,100 = = 57, ,85 = 114,0 Pa τ LC = (T/J P )(D/2) = =(3,5x10 3 / 17,59x10-6 )x0,100= = 19,90 Pa 3 = -p = -3,2Pa C = pd/2e = = 3,2 x10 6 x 0,2 / 0,0056 = 114,3Pa L = N/ = = 100,5 x 10 3 / 1,759x10-3 = = 57,13 Pa τ LC = (T/J P )(D/2) + ξ(q/) = =(3,5x10 3 / 17,59x10-6 )x0, (10x10 3 / 1,759 x 10-3 ) = = 19, ,37 = 31,27Pa 3 = -p = -3,2Pa C = pd/2e = = 3,2 x10 6 x 0,2 / 0,0056 = 114,3Pa L = N/ - (/I)(D/2) = = 100,5 x 10 3 / 1,759x (5x10 3 / 8,795x10-6 ) x 0,100 = = 57, ,85 = 0,28 Pa τ LC = (T/J P )(D/2) = =(3,5x10 3 / 17,59x10-6 )x0,100= = 19,90 Pa 3 = -p = -3,2Pa méio = ½ (114, ,0) = 114,2 R = {[½ (114,3-114,0)] } 1/2 = =19,90 1 = 114,2 + 19,9 = 134,1Pa 2 = 114,2-19,9 = 94,3Pa 3 = - 3,2Pa τ máx = ½ ( 1 3 ) = =1/2 [134,1 (-3,2)] = 68,65Pa méio = ½ (114,3 + 57,13) = 85,72 R = {[½ (114,3 57,13)] ,27 2 } 1/2 = = 42,37 1 = 85, ,37 = 128,1Pa 2 = 85,72 42,37 = 43,45Pa 3 = - 3,2Pa τ máx = ½ ( 1 3 ) = =1/2 [128,1 (-3,2)] = 65,65Pa méio = ½ (114,3 + 0,28) = 57,29 R = {[½ (114,3 0,28)] } 1/2 = =60,38 1 = 57, ,38 = 117,7Pa 2 = 57,29 60,38 = - 3,09 Pa 3 = - 3,2Pa τ máx = ½ ( 1 3 ) = =1/2 [117,7 (-3,2)] = 60,45Pa τ τ τ Dos pontos analisaos, é o ponto o mais crítico, para o qual teremos: 1 = 134,1Pa; 2 = 94,3 Pa; 1 = -3,20 Pa; τ máx = 68,65 Pa Pelo critério a máxima tensão normal (Coulomb); C.S. = 250 / 134,1 = 1,86. Pelo critério a máxima tensão tangencial (Tresca); C.S. = ½ 250 / 68,65 = 1,82. Pelo critério a máxima energia específica total (Saint-Venant); [( 1 ) 2 + ( 2 ) 2 + ( 3 ) 2 2ν( )] = ( limite /CS) 2 ; (134,1) 2 + (94,3) 2 + (-3,2) 2 2x0,300(134,1x 94,3 + 94,3x(-3,2) + (-3,2)x 134,1=(250/CS) 2 CS = 1,78 Pelo critério a máxima energia específica e istorção (Von ises); [( 1 2 ) 2 + ( 2 3 ) 2 + ( 3 1 ) 2 ] = 2( limite /CS) 2 ; (134,1 94,3) 2 + (94,3 + 3,2) 2 + (-3, ,1) 2 = 2(250 / C.S.) 2 C.S. = 2,10. 32

6 Uma outra forma e representar os estaos limites em função os critérios e resistência aotaos para os materiais úteis é a apresentaa na fig. 9.3, seno os eixos cartesianos representativos as tensões principais 1 2 para um estao uplo e tensões. (a) seguno o critério a máxima tensão tangencial (Tresca) o estao e tensão representao pelo par 1, 2 eve ficar limitao ao hexágono BCDEFH, que correspone às conições: 1 < esc, 2 < esc, para 1 e 2 com o mesmo sinal e 1 2 < esc, caso 1 e 2 tenham sinais contrários. esc D E esc C 0,500 0,577 H esc G F p2 B esc p1 Fig.9.3 Critérios e Tresca e e Von ises (b) seguno o critério a máxima energia e istorção (Von ises) o limite passa a ser a elipse BCDEFGH, para a qual: = esc 2. O caso a torção pura, quano 1 = τ e 2 = τ eviencia a istinção os ois critérios obteno-se τ lim = 0,500 esc (seguno Tresca) e τ lim = 0,577 esc (seguno Von ises). 9.4 Outras teorias. (Teoria e ohr) Observa-se experimentalmente que os materiais frágeis suportam tensões e compressão bem mais elevaas que as e tração (um exemplo clássico é o concreto). Traçano-se os círculos e ohr corresponentes aos ensaios e tração e e compressão o material (bem como o e corte puro, por torção, quano isponível), será lógico amitir (Critério e ohr) que o estao (uplo) e tensões será seguro para um ao material se o círculo e ohr corresponente ficar inteiramente entro a área elimitaa pela envoltória os círculos corresponentes aos aos obtios nos ensaios. ( rupt ) Compressão τ (τ rupt ) Corte ( rupt ) Tração Fig, 9.4 Teoria e ohr para os critérios e ruptura e materiais frágeis em estao plano e tensões plicações. São apresentaos a seguir ois exemplos e aplicação para imensionamento e elementos e máquinas e estruturas. Ex Eixos (árvores). 250 Dimensionar o eixo e aço BCD (E = 200 GPa, ν = 0,3; τ escoam = 125 Pa) utilizano o critério a máxima tensão tangencial, com um coeficiente e segurança 2,5 ao escoamento e para um ângulo e torção amissível e 2,5º/m. Daos: otor Potência: 20 CV Rotação: ω = rpm Polias B e C iâm. = 300 mm Correias planas paralelas: F 1 = 600N; F 2 = 300N; F 3 = 3 F 4 (Obs.: o mancal transmite tão-somente o torque o motor) D F 1 F 2 33 C 450 B 200 F 4 F 3 ω

7 Ex Vigas. Dimensionamento e Vigas e Eixos Solução: P = 20 CV = 20 x 736 = w T otor = x 60 / x 2 π = 81,72 Νm T C = F 1 x r F 2 x r = ( ) x 0,150 = 45,0 D T B = T - T C = 81,72 45 = 36,72 = (F 3 F 4 )x r = = (3F 4 F 4 )x 0,150 F 4 = 122,4N; F 3 = 367,2N. Compono os esforços externos ativos teremos: 650N F 1 + F 2 = 900N; F 3 + F 4 = 489,6N; Os esforços externos reativos valerão: 900x0,250 = y x0,900; y =250N; D y = = 650N 489,6x0,700 = Z x0,900; Z = 380,8N; D Z = 108,8N Os iagramas o torque T e os momentos fletores Y e Z são apresentaos na figura ao lao, estacano-se os seguintes momentos extremos (em ): (B) T=81,72; Y =380,8x0,2=76,16; Z =250x0,2=50,0 (C) T=45,0; Y =108,8x0,25=27,2; Z =650x0,25=162,5 Computano o momento total (enominao momento ieal como visto no ex ): i = ( 2 Y + 2 Z + T 2 ) 1/2, teremos: (B)- i = (76, , ,72 2 ) 1/2 = 122,4 ; (C)- i = (27, , ,0 2 ) 1/2 = 170,8. Verifica-se que a seção o eixo one está enchavetaa a polia C é a mais solicitaa. τ máx = 16 i / π 3 e para o material o eixo: ,8N 900N y 45,0 Diagramas e Esforços C 489,6N z 162,5 45,00 36,72 B 27,2 50,0 250N τ am = 125 / 2,5 = 50 Pa, teremos, pelo critério a máxima tensão tangencial: 3 = 16x 170,8 / π 50x10 6 = 25,9 mm Pelo critério a máxima eformação por torção, teríamos: δθ/l = T / G J P = 32 T / G π 4, seno G = E / 2 (1 + ν) = 200 / 2,6 = 76,9 GPa. No caso: (δθ/l) am = 2,5º/m = 2,5 / 57,3 = 0,04363 ra/m, e z 380,8N 76,16 0,04363 = 32 x 81,72 / 76,9x10 9 x πx 4 = 22,3 mm. Portanto, o iâmetro amissível para o eixo será e 26 mm (Resp.). 67 7,4 2,0m P = 10kN 4,8 2,0m viga B é apoiaa em seus extremos sobre o meio os vãos as vigas CD e EF, seno as três constituías por perfis S100 x 11,5 (I = 2,53 x 10 6 mm 4 ). otano como tensões limites e = 150Pa e τ e = 90Pa, pee-se calcular o coeficiente e segurança o conjunto e vigas. Solução: o cálculo as reações nos apoios e caa uma as vigas e o traçao os respectivos iagramas e momento fletores mostram que as seções críticas as vigas são: VIG B seção junto à carga P = 10kN, no trecho PB, one Q = 9kN e = 3,6 kn.m; VIG EF no meio o vão, junto ao contato em B, one Q = 4,5kN e = 4,05kN.m. C 0,5kN 1kN 1kN 1,0kN.m 4,5kN 3,6m D 0,9m E 0,4m 3,6kN.m 10kN 0,9m B 9kN 9kN x 4,05kN.m 81,72 T F y 4,5kN 102

8 VIG B (tensões no plano a seção transversal crítica) áxima tensão e tração/compressão: (3,6 x 10 3 /2,53x10-6 ) 0,051 =72,57Pa áxima tensão τ: (9,0 x 10 3 x(0,067x0,0074x0, ,0048x0, /2) / / (2,53x10-6 x0,0048) =20,76Pa Tensões na união entre a mesa e a alma o perfil: tensão e tração/compressão: (3,6 x 10 3 /2,53x10-6 ) 0,0436 =62,04Pa tensão τ: (9,0 x 10 3 x(0,067x0,0074x0,0473)/(2,53x10-6 x0,0048) =17,38Pa Consierano o estao triplo e tensões: Nos topos a viga: P1 = 72,57Pa; P2 = 0; P3 = 0; τ máx = ½ 72,57 = 36,29Pa; No ponto méio a alma: : P1 = 20,76Pa; P2 = 0; P3 = - 20,76 Pa; τ máx = 20,76Pa; Nas junções mesa-alma: P1 = ½ (62,04) + [(½ 62,04) ,38 2 ] 1/2 = 31, ,56 = 66,58Pa P2 = 0; P3 = ½ (62,04) - [(½ 62,04) ,38 2 ] 1/2 = 31,02 35,56 = - 4,54 Pa τ máx = [(½ 62,04) ,38 2 ] 1/2 = 35,56Pa Portanto, para a viga B teremos: máx = 72,57 Pa e τ máx = 36,29Pa VIG EF (tensões no plano a seção transversal crítica) áxima tensão e tração/compressão: (4,05 x 10 3 /2,53x10-6 ) 0,051 =81,64Pa áxima tensão τ: (4,5 x 10 3 )x(0,067x0,0074x0, ,0048x0, /2) / / (2,53x10-6 x0,0048) =10,38Pa Tensões na união entre a mesa e a alma o perfil: tensão e tração/compressão: (4,05 x 10 3 /2,53x10-6 ) 0,0436 =69,79Pa tensão τ: (4,5 x 10 3 x(0,067x0,0074x0,0473)/(2,53x10-6 x0,0048) =8,69Pa Consierano o estao triplo e tensões: Nos topos a viga: P1 = 81,64Pa; P2 = 0; P3 = 0; τ máx = ½ 81,64 = 40,82Pa; No ponto méio a alma: : P1 = 8,69 Pa; P2 = 0; P3 = - 8,69 Pa; τ máx = 8,69 Pa; Nas junções mesa-alma: P1 = ½ (69,79) + [(½ 69,79) 2 + 8,69 2 ] 1/2 = 34, ,96 = 70,86Pa P2 = 0; P3 = ½ (69,79) - [(½ 69,79) 2 + 8,69 2 ] 1/2 = 34,90 35,96 = - 1,06 Pa τ máx = [(½ 69,79) 2 + 8,69 2 ] 1/2 = 35,96Pa Portanto, para a viga B teremos: máx = 81,64 Pa e τ máx = 40,82Pa Conclusão: para o conjunto e vigas teremos como tensões extremas: máx = 81,64 Pa e τ máx = 40,82Pa (ocorrentes no meio o vão a viga EF) e, portanto, o coeficiente e segurança será o menor os valores: 150 / 81,64 = 1,837; 90 / 40,82 = 2,20... C.S = 1,84 (Resposta) v y Exercício proposto ostre: I) que, para um par e eixos ortogonais (u,v) efasao e um ângulo θ em relação ao par e referência (x,y), os momentos e proutos e i- nércia e uma área se relacionam através as equações: Ι u = ½ (Ι x + Ι y ) + ½ (Ι x - Ι y ) cos 2θ + ( P xy sen 2θ) - P uv = - ½ (ε x - ε y ) sen 2θ + (- P xy ) cos 2θ. II) que, para os eixos principais e inércia, (P 12 = 0) : Ι 1,2 = (Ι x + Ι y )/2 ± {[(1/ 2) (Ι x - Ι y )] 2 + (-P xy ) 2 } 1/2 (P uv ) máx = {[(1/ 2) (Ι x - Ι y )] 2 + (-P xy ) 2 } 1/2 III) que se poe utilizar o Círculo e ohr para momentos e proutos e inércia, nos mesmos moles em que foi utilizao para as análises as tensões e as eformações. Obs.: u = x cos θ + y sen θ; v = y cos θ - x sen θ. 35 -P u v I 2 x u y I y I 1 I x v I u θ u x

9 tração ω tração compressão ω ω Fig Seção e um eixo fraturao por faiga: (a) Região esmerilhaa; (b) região rugosa; c) alternância o sentio a tensão normal ecorrente o momento fletor, causaa pela rotação o eixo. a b Dimensionamento e Vigas e Eixos 9.6 Cargas Variáveis. Faiga Faiga experiência mostra que uma peça, submetia a uma carga cíclica, em geral se eteriora, epois e um certo tempo, sob tensões muito mais baixas o que as obtias nos ensaios estáticos o respectivo material. É a chamaa fratura por faiga.tal ecorre o fato e que o efeito sobre o material provocao pela ação e uma carga alternativa é iferente aquele prouzio pela carga, quano aplicaa e forma graual, até seu valor final. ruína evio à ação e um esforço estático provoca uma fratura (com superfície rugosa) bem iferente aquela provocaa pela faiga o material (com uas regiões istintas na superfície fraturaa: uma polia, esmerilhaa, e outra rugosa Fig ). Sob o carregamento alternao, uma pequena trinca (em geral na superfície, one as tensões são mais elevaas, tanto as normais evio à flexão, como as tangenciais, evio à torção) provoca uma concentração e tensões no entorno a fena. Como a carga se alterna, inverteno o sentio a tensão, há uma propagação a fena para o interior a peça, iminuino a área a parte aina íntegra a seção, até a anificação total. Tal fenômeno é responsável por mais a metae as quebras os eixos as máquinas e ferramentas, pois, a caa giro, um ponto a periferia o eixo, mesmo submetio a um torque e a um momento fletor invariantes, passa a conição e tracionao a comprimio, retornano a ser tracionao a caa rotação. Por exemplo, num eixo e motor elétrico girano a rpm, a caa seguno ocorrerão 30 esses ciclos e esforços alternaos, provocano um abre e fecha a trinca, que prossegue aprofunano. É importante não confunir tal fenômeno (que ocorre após milhares e ciclos) com o fenômeno a plastificação alternaa, ocorrente quano se provoca eformações ultrapassano o limite e escoamento e materiais úteis, inverteno o sentio a eformação e, após uns poucos ciclos, o material encruao sofre fratura frágil, com grane issipação e energia (caso e arames que ficam aquecios quano partios). máxima tensão alternaa à qual o material poe ser submetio, sem ruptura, mesmo após um milhão (10 6 ) e ciclos e solicitação, é a enominaa tensão limite e faiga ( n ), meia através a máquina e oore (Fig.9.5.2), obteno-se o gráfico representao abaixo (tensão ruptura x nº e ciclos e solicitação). 500 Pa c trinca 90% probabiliae e ruína Corpo e Prova Espelhao otor n % probabiliae e ruína ciclos Carga Conta-Giro 36 Fig áquina e oore (FDIG)

10 lguns ateriais Dimensionamento e Vigas e Eixos Tensão Limite Tensão Limite e Escoamento e Ruptura e (Pa) r (Pa) Tensão Limite e Faiga n (Pa) Relação n / r ço Estrutural ,42 ço 1040 laminao ,45 ço Inoxiável recozio ,46 Ferro Funio Cinzento ,47 lumínio Trabalhao ,28 Os valores aotaos para a tensão limite e resistência à faiga - n (obtios utilizano-se corpo e prova com acabamento superficial espelhao, iâmetro e 7,62mm = 1/3 polegaa, para até 10 6 ciclos, submetio à flexão, a uma temperatura que não ultrapasse 71ºC) evem ser corrigios em função as peculiariaes a peça real (quanto a seu acabamento, tamanho, tipo e solicitação, via limitaa, temperatura e trabalho), através e fatores cujas orens e graneza são apresentaas na tabela a seguir (para aços com tensão e ruptura entre 300 e 600Pa *). f = n (a) (b) (c) () (e)... (9.6.1) (a) acabamento (b) tamanho a peça (c) via limitaa () tipo e solicitação c = = a = Espelhao...1,00 Retificao...0,93 a 0,90 Usinao...0,90 a 0,83 c/ ranhura...0,83 a 0,68 Laminao...0,70 a 0,50 c/ corrosão...0,60 a 0,40 Corrosão água salgaa.....0,42 a 0,28 b = D=10mm...1,0 D=20mm...0,9 D=30mm...0,8 D=50mm...0,7 D=100mm...0,6 D>200mm..0,58 c = (10 6 / n) 0,09 n < 10 6 ciclos Flexão 1,0 xial 0,8 Torção τ = 0,6 (e) temperatura e = e = 1,0 (t< 71ºC) e = 344/ (273 + tºc) para t > 71ºC * (Nota: os valores apresentaos, repete-se, inicam orens e graneza, objetivano, tão-somente, apontar os fatores que evem ser levaos em conta na análise o problema, eveno ser consultaas as normas técnicas e a bibliografia especializaa para a efetiva atribuição as granezas envolvias). 9.7 Concentração e Tensões Como a falha por faiga se á no ponto e alta tensão localizaa, qualquer escontinuiae, seja ela aciental (falha e funição, bolha, risco na usinagem,...) ou intencional (rasgo e chaveta, furo para pino, escalonamento e iâmetro,...) poerá iniciar tal tipo e eterioração. Um coeficiente e segurança (CS) eve ser aotao para cobrir os casos e falha aciental. Já as escontinuiaes previstas no projeto (para montagens, uniões, juntas, etc) evem ser consieraas com aoção e fatores apropriaos (K) relacionaos com a concentração e tensões. ssim, as equações básicas a Resistência os ateriais para cálculo as tensões serão corrigias escreveno-se (*, para o caso e eixos circulares): N = K (N/); = K (/I)y; τ T = K (T/J P )r (*); τ Q = K (Q S /bi) seno os valores e K (coeficiente e concentração e tensões) obtios experimentalmente (Foto-Elasticiae) ou analiticamente (Teoria a Elasticiae). Os gráficos a seguir apresentam alguns exemplos e valores para o coeficiente K. 37

11 4,0 K b Dimensionamento e Vigas e Eixos 15 a K h b 3,0 b 10 Fig. 9.6 h/b = 0,35 2,0 5 h/b = 0,50 h/b > 1,0 1,0 0,0 0,5 Relação /b 1,0 c 1 0,0 0,5 Relação /b 1,0 K 2,0 1,5 D D/ = 1,1 r D/ = 1,5 D/ = 4,0 Observação: Os valores inicaos tanto poem ser utilizaos para eixos circulares com seções torneaas como para barras chatas. 3,0 2,0 K h h/ < 0,33 b h/ > 3 1,0 0,0 0,5 Relação r/ 1,0 e 1,0 0,5 Relação /b 1,0 K 3,0 T D r T K 3,0 D/ = 2 T D r T f 2,0 (D-)/2r = 4 (D-)/2r = 2 2,0 D/ = 1,2 D/ = 1,2 (D-)/2r = 1 1,0 1,0 0,0 0,5 Relação r/ 1,0 0,0 0,05 0,10 0,15 0,20 38 Relação r/

12 9.8 Cargas Pulsantes. No caso e peças submetias a cargas variáveis, que corresponem a um valor e tensão méia iferente e zero ( m ), ao qual se mín sobrepõe um valor alternativo ( v ), observa-se experimentalmente que a falha ocorrerá quano o par e valores ( m ; v ) for plotao acima a v fa /CS linha reta que une o pontos representativos as fa uas tensões limites corresponentes, para a resistência estática ( est ) e para a faiga ( fa ), como mostrao na figura ao lao. equação a reta limite, no plano cartesiano ( m ; v ), será (na forma normal): [ m / ( est )] + [ v / ( fa )] = 1 otano um mesmo coeficiente e segurança (CS) para as tensões consieraas amissíveis, tanto para a faiga como para a resistência estática o material, teremos: Fig Cargas pulsantes var máx mé est /CS est m t [ m / ( est )] + [ v / ( fa )] = 1/(CS)...(9.8.1) (Equação e Soerberg) Como tensão limite para a resistência estática, nos materiais úteis, aota-se a tensão e escoamento ( e ), enquanto que para os materiais frágeis, aota-se a tensão e ruptura ( r ) O efeito a concentração e tensões nos materiais úteis é geralmente ignorao, quano se trata e um carregamento estático, porque o material irá escoar na região e elevaa tensão e o equilíbrio poe se restabelecer por reistribuição as tensões sem qualquer ano. Já se o material é frágil, mesmo uma carga estática poe causar a ruptura pelo efeito a concentração e tensões. Por isso a equação e Soerberg é moificaa para levar em conta o efeito a concentração e tensões nas formas: frágil útil e [ m / ( est )] + [ Κ v / ( fa )] = 1/(CS)...(9.8.2) aterial útil [ m / ( est )] + [ v / ( fa )] = 1/(K. CS)...(9.8.3) aterial Frágil 39

13 Exemplo 9.8: viga bi-apoiaa esquematizaa na figura, fabricaa por laminação em aço com tensão e escoamento 250Pa e tensão limite e faiga 190Pa, tem seção quaraa (90x90 mm 2 ) e um furo vertical circular, e iâmetro 20mm, no meio o vão. viga é submetia a uma carga vertical pulsante P, que varia em móulo entre 8kN e 4kN, na posição inicaa. Pee-se eterminar o coeficiente e segurança consierano a faiga e a concentração e tensões. Dimensionamento e Vigas e Eixos Furo - D = 20mm 2,0m 1,0m 8kN P pulsante entre 8kN e 4kN 1,0m Solução: o iagrama e momentos fletores, para o caso o valor máximo a força P (8kN) nos inica como momentos críticos: = 6k (valor máximo, na seção sob a carga) F = 4k (valor na seção one há o furo). s tensões corresponentes valerão: Μ = {6x10 3 / [(0,090) 4 /12]}0,045= 49,38Pa F ={4x10 3 /[(0,07)(0,09) 3 /12]}0,045= 42,33Pa 2kN F = 4k = 6k 6kN Para o valor mínimo e P (4kN) (metae o valor máximo) as tensões corresponentes terão a metae o valor, o que leva a concluir que as tensões críticas serão: Na seção one é máximo - pulsano entre: 49,38 e 24,69 - m = 37,04; V = 12,35Pa Na seção one há o furo - F pulsano entre: 42,33 e 21,17 - m = 31,35; V = 10,58Pa Tratano-se e material útil e, a favor a segurança, corrigino o limite e faiga inicao ( n = 190Pa) para consierar o acabamento superficial (laminao a = 0,7) e o tamanho a peça (90x90 b = 0,6), teremos f = 190 x 0,7 x 0,6 = 79,8Pa. Consierano o efeito e concentração e tensões provocao pelo furo no meio o vão a viga tiramos o gráfico a fig. 9.4: (para /b = 20/90 = 0,22 e k/ 90/20 = 4,5 > 3) K = 2,4. Teremos então, levano em conta a equação 9.3 (material útil): [ m / ( est )] + [ Κ v / ( fa )] = 1/(CS) a) para a seção sob a carga: (37,04 / 250) + (12,35/79,8) = 1/CS CS = 3,3 b) para a seção no meio o vão (one há o furo): (31,35/250) + 2,4 x (10,58/79,8) = 1/CS CS = 2,3 Resp. CS = 2,3 Exercício proposto: faça um re-imensionamento o eixo analisao no exercício (pág. 33) consierano: que a tensão normal calculaa varia alternaamente evio à rotação ( faiga = 0,7 escoam ) que a tensão tangencial calculaa é constante; que há escalonamentos no iâmetro o eixo para a montagem as polias (K = 1,5); que há chavetas conectano as polias ao eixo (K = 1,7). 40

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Questões e rovas e Testes (Deformações na Flexão) UNIVERSIDDE FEDERL FLUMINENSE DERTMENTO DE ENGENHRI IVIL RESISTÊNI DOS MTERIIS XI - Engenharia Mecânica rof. amplona 2004-01 e L w (1) 1 a. Questão - ara

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro;

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; Critérios de falha - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; - compreensão clara do(s) mecanismo(s) de falha (modos de falha); -aspectos

Leia mais

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II PROF. IBERÊ 1 / 5 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II RESUO 0: SEÇÃO TÊ FLS E VERDDEIR RDUR SIPLES ES COLBORNTE ação conjunta e lajes e vigas poe ser consieraa meiante

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL 78 PARTE V ANÁISE DIMENSIONA Parte V ANÁISE DIMENSIONA [R] [p] [V] [n] [τ] l 3 θ [R] θ Resposta: [R] θ Uma as principais equações a Mecânica quântica permite calcular a energia E associaa a um fóton e

Leia mais

4 Torção em Elementos de Concreto Armado 4.1. Histórico

4 Torção em Elementos de Concreto Armado 4.1. Histórico 4 orção em Elementos e Concreto Armao 4.1. Histórico As teorias para análise e vigas e materiais elásticos, homogêneos e isótropos solicitaas à torção atam os séculos XVIII e XIX. O concreto armao como

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações Universiae e São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento e Engenharia e Estruturas e Funações - Conceitos Funamentais e Dimensionamento e Estruturas e Concreto: Vigas, Lajes e Pilares

Leia mais

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR 1. Um os granes problemas ambientais ecorrentes o aumento a proução inustrial munial é o aumento a poluição atmosférica. A fumaça, resultante a queima e combustíveis fósseis como carvão ou óleo, carrega

Leia mais

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal.

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal. Universiae Feeral e Alagoas Centro e ecnologia Curso e Engenharia Civil Disciplina: Mecânica os Sólios Cóigo: ECIV030 Professor: Euaro Nobre ages orção em Barras e Seção ransversal Circular Cheia ou Vazaa

Leia mais

flexão pura armadura dupla

flexão pura armadura dupla conteúo 28 flexão pura armaura upla 28.1 Domínio 4 A análise o iagrama e tensão o aço a figura 28.1, fs fy εy 10%o εs om.4 om.3 om.2 Figura 28.1 Diagrama e tensão o aço resulta que no omínio 4 a eformação

Leia mais

Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo.

Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo. 47 8. CISALHAMENTO Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo. A tensão de cisalhamento ( ) é obtida

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA - UNISUL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: ESTRUTURAS DE MADEIRA PROFESSOR: ROBERTO MOTTA BEZ ACADÊMICOS: ESTRUTURAS DE MADEIRA Palhoça, 014. DEFINIÇÕES E PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus e Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento e Engenharia Civil Disciplina: 117 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I NOTAS DE AULA FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS Prof.

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico Móulo III Clauia Regina Campos e Carvalho Móulo III Carga létrica, orça e Campo létrico Carga létrica: Denomina-se carga elétrica a proprieae inerente a eterminaas partículas elementares, que proporciona

Leia mais

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO Luiz Flávio Vaz Silva, Prof. Ronalo Barros Gomes UFG, 74605-220, Brasil luizgo@hotmail.com, rbggomes@gmail.com PALAVRAS-CHAVE: Ancoragem, Armaura e Flexão, Posicionamento

Leia mais

Resistência. dos Materiais II

Resistência. dos Materiais II Resistência Prof. MSc Eng Halley Dias dos Materiais II Material elaborado pelo Prof. MSc Eng Halley Dias Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Aplicado ao Curso Técnico de

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo)

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo) Força Elétrica 1. (Ueg 01) Duas partículas e massas m 1 e m estăo presas a uma haste retilínea que, por sua vez, está presa, a partir e seu ponto méio, a um fio inextensível, formano uma balança em equilíbrio.

Leia mais

Tecnologia de Projetos II 2o Ciclo de Mecânica Flexão - Torção - M t deformação Tração - deformação transitória Reta de ação da força Compressão -

Tecnologia de Projetos II 2o Ciclo de Mecânica Flexão - Torção - M t deformação Tração - deformação transitória Reta de ação da força Compressão - Tecnologia e Projetos II RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Na Estática os corpos são consieraos ineformáveis tal hipótese é necessária afim e se conseguir um resultao completamente inepenente as proprieaes a matéria

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler Resistências dos Materiais dos Materiais - Aula 5 - Aula 7 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7 Professor Alberto Dresch Webler 1 Aula 7 Tensão e deformação de cisalhamento; Tensões e cargas admissíveis;

Leia mais

DIFERENÇA DE POTENCIAL. d figura 1

DIFERENÇA DE POTENCIAL. d figura 1 DIFERENÇ DE POTENCIL 1. Trabalho realizao por uma força. Consieremos uma força ue atua sobre um objeto em repouso sobre uma superfície horizontal como mostrao na figura 1. kx Esta força esloca o objeto

Leia mais

Mancais bipartidos 644 645 645 646 647 648 648 660

Mancais bipartidos 644 645 645 646 647 648 648 660 Mancais bipartios Definição e aptiões 644 Séries 645 Variantes 645 Elementos e cálculo: cargas e torques 646 Elementos e montagem: seleção as juntas 647 Características 648 Mancal para rolamentos com bucha

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 10 Ensaio de Torção. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 10 Ensaio de Torção. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 10 Ensaio de Torção Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Torção. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Exemplos de Cálculo. Definições O ensaio de torção consiste em aplicação

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES 1 INDICE CAPÍTULO 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO... 1 1 INTRODUÇÃO... 1 2 CONCEITOS GERAIS... 1 2.1 Comportamento da seção transversal

Leia mais

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula)

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula) UIVERSIDAD FEDERAL DE VIÇOSA CETRO DE CIECIAS AGRARIAS DEPARTAMETO DE IGEIERIA AGRÍCOLA Tel. (03)3899-79 Fax (03)3899-735 e-mail: ea@ufv.br 3657-000 VIÇOSA-MG BRASIL MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (otas e Aula)

Leia mais

Capítulo 6 Transformação de tensões e critérios de falhas

Capítulo 6 Transformação de tensões e critérios de falhas Capítulo 6 Transformação de tensões e critérios de falhas 6.1 Tensões principais no plano- O estado geral de tensão em um ponto é caracterizado por seis componentes independentes da tensão normal e de

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que A UU L AL A Ensaio de torção Diz o ditado popular: É de pequenino que se torce o pepino! E quanto aos metais e outros materiais tão usados no nosso dia-a-dia: o que dizer sobre seu comportamento quando

Leia mais

Exercícios propostos de RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 1

Exercícios propostos de RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 1 Universidade Federal de Uberlândia Exercícios propostos de RESISTÊNI OS MTERIIS 1 PROJETO PIEG olsistas: Renata ristina de astro Gomide Luciano arros da Silva Profª. Eliane Regina Flores Oliveira ÍNIE

Leia mais

Prof. Jefferson Sidney Camacho

Prof. Jefferson Sidney Camacho UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO: ESTADOS LIMITES DE UTILIZAÇÃO Prof. Jefferson Siney Camacho Ilha Solteira

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 1 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Prof.: J. E. Guimarães Revisão 7 20/01/08 2 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Revisão de Matemática Faremos aqui uma pequena revisão de matemática necessária à nossa matéria, e sem

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO Capítulo 4 EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO 4.1 OBJETIVOS Meir a constante e ree e ifração utilizano um comprimento e ona conhecio. Meir os comprimentos e

Leia mais

6.9 - Exercícios... 49 7 - CISALHAMENTO... 50 7.1 - Introdução... 50 7.2 - Tensão de Cisalhamento... 50 7.3 - Tensões de Esmagamento... 53 7.

6.9 - Exercícios... 49 7 - CISALHAMENTO... 50 7.1 - Introdução... 50 7.2 - Tensão de Cisalhamento... 50 7.3 - Tensões de Esmagamento... 53 7. APRESENTAÇÃO RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Comumente observamos que eixos empenam, pinos são esmagados e cortados, vigas deformam, rolamentos se desgastam, chavetas quebram, etc. Mas por que isso acontece?

Leia mais

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118 Volume 8, Number 4 (August 2015) p. 547-566 ISSN 1983-4195 http://x.oi.org/10.1590/s1983-41952015000400008 Impacts in the structural esign of the 2014 revision of the brazilian stanar ABNT NBR 6118 Impactos

Leia mais

Relações entre tensões e deformações

Relações entre tensões e deformações 3 de dezembro de 0 As relações entre tensões e deformações são estabelecidas a partir de ensaios experimentais simples que envolvem apenas uma componente do tensor de tensões. Ensaios complexos com tensões

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvios e Física Básica Jason Alfreo Carlson Gallas, professor titular e física teórica, Doutor em Física pela Universiae Luwig Maximilian e Munique, Alemanha Universiae Feeral a Paraíba (João

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

Estruturas Mistas de Aço e Concreto

Estruturas Mistas de Aço e Concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas Mistas de Aço e Concreto Prof. Fernanda Calenzani Programa Detalhado Estruturas Mistas Aço e Concreto 1. Informações Básicas 1.1 Materiais 1.2 Propriedades

Leia mais

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode. Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.com/blog/ Referência Bibliográfica Hibbeler, R. C. Resistência de materiais.

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais I Estruturas II. Capítulo 5 Torção

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais I Estruturas II. Capítulo 5 Torção Capítulo 5 Torção 5.1 Deformação por torção de um eixo circular Torque é um momento que tende a torcer um elemento em torno de seu eixo longitudinal. Se o ângulo de rotação for pequeno, o comprimento e

Leia mais

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO 1. Uma mola, com comprimento de repouso (inicial) igual a 30 mm, foi submetida a um ensaio de compressão. Sabe-se

Leia mais

D - Torção Pura. ω ω. Utilizador

D - Torção Pura. ω ω. Utilizador 4.0 ORÇÃO PURA D - orção Pura 4.1 MOMENO DE ORÇÃO ORQUE Quando uma barra reta é submetida, exclusivamente, a um momento em torno do eixo da barra, diz-se que estará submetida a um momento torçor (ou torque).

Leia mais

1. Determinar a tensão normal nos pontos das seções S 1 e S 2 da barra da figura.

1. Determinar a tensão normal nos pontos das seções S 1 e S 2 da barra da figura. 16 10 mm 10 mm 1. eterminar a tensão normal nos pontos das seções S 1 e S 2 da barra da figura. S1 S1 20 kn 300 mm 160 mm 50 mm 80 mm S 1 40MPa S 2 3,98MPa 2. Para a barra da figura, determinar a variação

Leia mais

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL 1 I. ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL Conforme já foi visto, a tensão representa o efeito de um esforço sobre uma área. Até aqui tratamos de peças submetidas a esforços normais a seção

Leia mais

Uma estrutura pode estar em equilíbrio ou movimento.

Uma estrutura pode estar em equilíbrio ou movimento. 1. INTRODUÇÃO Uma estrutura pode estar em equilíbrio ou movimento. Existem estruturas que são dimensionadas para estarem em equilíbrio (edifícios, pontes, pórticos, etc.) e as que são dimensionadas para

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 1.1. PROJETO FINAL DE GRADUAÇÃO 1.2. OBJETIVO 1.3. O EBERICK

1. INTRODUÇÃO 1.1. PROJETO FINAL DE GRADUAÇÃO 1.2. OBJETIVO 1.3. O EBERICK 1. INTRODUÇÃO 1.1. PROJETO FINAL DE GRADUAÇÃO O Curso e Grauação a Escola Politécnica tem como objetivo formar o aluno e prepará-lo para o exercício profissional. Como parte a avaliação o aprenizao o aluno,

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO Curso de Engenharia Civil Universidade Estadual de Maringá Centro de ecnologia Departamento de Engenharia Civil CPÍULO 6: ORÇÃO Revisão de Momento orçor Convenção de Sinais: : Revisão de Momento orçor

Leia mais

Processo de Retificação Aspectos Gerais Análise

Processo de Retificação Aspectos Gerais Análise SEM0534 Processos e Fabricação Mecânica Processo e Retificação Prof. Assoc. Renato Goulart Jasinevicius SEM0534 Processos e Fabricação Mecânica Processo e Retificação Aspectos Gerais Análise SEM0534 Processos

Leia mais

ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO 9 ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO NON-LINEAR ANALYSIS OF DEFLECTION IN REINFORCED CONCRETE BEAMS Paulo Roberto Lopes Lima * Cíntia Maria Ariani Fontes ** José Mário Feitosa Lima

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 11 Ensaio de Fadiga. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 11 Ensaio de Fadiga. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 11 Ensaio de Fadiga Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Fadiga. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Tipos de Corpos de Prova. Introdução Quando são aplicados esforços

Leia mais

Propriedades dos Materiais CAP 3

Propriedades dos Materiais CAP 3 Universidade Federal do Ceará Resistência dos Materiais I Propriedades dos Materiais CAP 3 Profa. Tereza Denyse de Araújo Março/2010 Roteiro de aula Ensaio de Cisalhamento Ensaio de Torção Falhas de Materiais

Leia mais

ELEMENTOS DE MÁQUINAS I

ELEMENTOS DE MÁQUINAS I UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA ELEMENTOS DE MÁQUINAS I APOSTILA PARA O CURSO o Semestre de 001 UNIÃO DE COMPONENTES METÁLICOS POR SOLDAGEM AUTOR: P ROF. DR. AUTELIANO

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica Neste capítulo são apresentados trabalhos relacionados ao comprimento de ancoragem e a resistência de aderência do CFC-substrato de concreto. São mostradas de forma resumida as

Leia mais

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler QUESÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rorigo Penna QUESÕES CORRIGIDAS GRAVIAÇÃO 1 ÍNDICE LEIS DE KEPLER 1 GRAVIAÇÃO DE NEWON 4 Leis e Kepler 1. (UERJ/000) A figura ilustra o movimento e um planeta em torno o sol.

Leia mais

Caixas SB, SAI e STM. www.fcm.ind.br VE-001-SB. Copyright FCM 2001

Caixas SB, SAI e STM. www.fcm.ind.br VE-001-SB. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-SB www.fcm.in.br Caixas SB, SI e STM Copyright FCM 2001 O conteúo este catálogo é e proprieae a empresa FCM - Fábrica e Mancais Curitiba Lta., seno proibia a reproução parcial

Leia mais

5 Medição de distâncias e áreas na planta topográfica

5 Medição de distâncias e áreas na planta topográfica António Pestana Elementos e Topografia v1.0 Junho e 006 5 Meição e istâncias e áreas na planta topográfica 5.1 Meição e istâncias na planta topográfica Como as plantas topográficas são projecções horizontais,

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

FÍSICA. a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s d) 77 s e) 1300 s Resolução V = t = 3,9. 10 8 3,0. 10 8. t = t = 1,3 s

FÍSICA. a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s d) 77 s e) 1300 s Resolução V = t = 3,9. 10 8 3,0. 10 8. t = t = 1,3 s 46 b FÍSICA A istância méia a Terra à Lua é 3,9.10 8 m. Seno a velociae a luz no vácuo igual a 3,0.10 5 km/s, o tempo méio gasto por ela para percorrer essa istância é e: a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s ) 77

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil. Pilares

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil. Pilares Universiae Estaual e aringá Centro e Tecnologia Departamento e Engenharia Civil Capítulo 3 Pilares Notas e Aulas Curso: Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto II 1.º Semestre e 008 Bibliografia:

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa B. alternativa E. c) 18 m/s. a) 16 m/s d) 20 m/s. b) 17 m/s e) 40 m/s

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa B. alternativa E. c) 18 m/s. a) 16 m/s d) 20 m/s. b) 17 m/s e) 40 m/s Questão 46 a) 16 m/s ) 0 m/s b) 17 m/s e) 40 m/s c) 18 m/s Num trecho e 500 m, um ciclista percorreu 00 m com velociae constante e 7 km/h e o restante com velociae constante e 10 m/s. A velociae escalar

Leia mais

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES 1. (FELA - 96) Uma ona é estaelecia numa cora, fazeno-se o ponto A oscilar com uma freqüência igual a 1 x 103 Hertz, conforme a figur Consiere as afirmativas:

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

M Questões Corte / Torção Questões de Testes e Provas Corte Puro Torção Pura. 4 cordões de solda a = 4 mm; l =160 mm. 60 k N

M Questões Corte / Torção Questões de Testes e Provas Corte Puro Torção Pura. 4 cordões de solda a = 4 mm; l =160 mm. 60 k N M Questões orte / Torção Questões de Testes e rovas orte uro Torção ura 8 parafusos Φ = 10 mm cordões de solda a = mm; l =160 mm 160 00 60 k N (1) ROV 003-01 O duto esquematizado é fabricado em chapa de

Leia mais

MEMORIAL DE CALCULO 060111 / 1-0

MEMORIAL DE CALCULO 060111 / 1-0 MEMORIAL DE CALCULO 060111 / 1-0 GUINCHO MANUAL COM CABO PASSANTE MODELO RG 400. 1 FABRICANTE: Metalúrgica Rodolfo Glaus Ltda ENDEREÇO: Av. Torquato Severo, 262 Bairro Anchieta 90200 210 - Porto alegre

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Aula 2 Revisão: Análise de alhas Aula 2 Análise de alhas Instituto ederal de Brasília Sumário Sistemas de orças Resistência dos Materiais lambagem alhas Estáticas alhas Dinâmicas

Leia mais

Capacitores. Figura 7.1

Capacitores. Figura 7.1 Capítulo 7 Capacitores 7.1 Introução Capacitor é um ispositivo que armazena energia potencial. Capacitores variam em forma e tamanho, mas a configuração básica consiste e ois conutores e cargas opostas.

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL ESTRUTURAS DE MADEIRA Notas e Aula Prof. Francisco A. Romero Gesualo maio 003 PREFÁCIO Estas Notas e Aula têm como objetivo apresentar subsíios

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INTALAÇÕE AT E MT. UBETAÇÕE DE DITRIBUIÇÃO Barramentos e ligaores AT e MT Características e ensaios Elaboração: GTRPT Homologação: conforme espacho o CA e 007-0-3 Eição: ª Emissão: EDP Distribuição Energia,.A.

Leia mais

Caso (2) X 2 isolado no SP

Caso (2) X 2 isolado no SP Luiz Fernando artha étodo das Forças 6 5.5. Exemplos de solução pelo étodo das Forças Exemplo Determine pelo étodo das Forças o diagrama de momentos fletores do quadro hiperestático ao lado. Somente considere

Leia mais

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos 6/09/010 Equilíbrio Químico rof. Alex Fabiano C. Campos rocessos Reversíveis e Irreversíveis Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração

Leia mais

Média tensão Uso Geral

Média tensão Uso Geral Dimensionamento Os valores e capaciae e conução e correntes constantes as tabelas a seguir foram retiraos a NBR 14039/2003. No caso e cabos iretamente enterraos foi aotao uma resistiviae térmica o terreno

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL ESTRUTURAS DE MADEIRA Notas e Aula Prof. Francisco A. Romero Gesualo maio 003 PREFÁCIO Estas Notas e Aula têm como objetivo apresentar subsíios

Leia mais

Ferramentas rotativas, tipo ABS. para centros de usinagem, linhas de produção e máquinas especiais 10/01

Ferramentas rotativas, tipo ABS. para centros de usinagem, linhas de produção e máquinas especiais 10/01 Ferramentas rotativas, tipo para centros e usinagem, linhas e proução e máquinas especiais KUB Trigon Unisix Kometric HSK UniTurn M03 Spee HSC /0 KOMET O sistema e ferramentas moulares completo Assentos

Leia mais

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 Seu Pé Direito nas Melhores Faculaes FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 física 01. A energia que um atleta gasta poe ser eterminaa pelo volume e oxigênio por ele consumio na respiração. Abaixo está apresentao

Leia mais

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton 1. INODUÇÃO Gravitação Deução as leis empíricas e Kepler a partir a mecânica newtoniana Newton O sistema geocêntrico é um moelo e visão o muno que amite a erra no centro o universo e os emais planetas,

Leia mais

Específica de Férias Prof. Walfredo

Específica de Férias Prof. Walfredo Específica e Férias Prof. Walfreo 01 Aluno(a): /07/01 1. (Unicamp 01) Em 01 foi comemorao o centenário a escoberta os raios cósmicos, que são partículas provenientes o espaço. a) Os neutrinos são partículas

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Profa. Elisa Sotelino Prof. Luiz Fernando Martha Propriedades de Materiais sob Tração Objetivos

Leia mais

2.0 DEFORMAÇÃO POR TORÇÃO DE UM EIXO CIRCULAR

2.0 DEFORMAÇÃO POR TORÇÃO DE UM EIXO CIRCULAR TORÇÃO 1.0 OBJETIVO No estudo da torção serão discutidos os efeitos da aplicação de esforços torcionais em um elemento linear longo, tal como um eixo ou um tubo. Será considerado que o elemento tenha seção

Leia mais

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas > REVISTA DE INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL APLICADA (ISSN: XXXXXXX), Vol. X, No. Y, pp. 1-10 1 Alocação Ótima e Banco e Capacitores em Rees e Distribuição Raiais para Minimização as Peras Elétricas A. C.

Leia mais

LISTA de ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ LISTA e ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ 1. (Unicamp 013)Em 01 foi comemorao o centenário a escoberta os raios cósmicos, que são partículas provenientes o espaço. a) Os neutrinos são partículas que atingem

Leia mais

Forças internas. Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro.

Forças internas. Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro. Forças internas Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro. Generalizar esse procedimento formulando equações que podem ser representadas de

Leia mais

Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785 rrpela@ita.br www.ief.ita.br/~rrpela

Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785 rrpela@ita.br www.ief.ita.br/~rrpela Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785 rrpela@ita.br www.ief.ita.br/~rrpela Onde estamos? Nosso roteiro ao longo deste capítulo A equação do movimento Equação do movimento

Leia mais

PROVAESCRITA CARGO: ENGENHARIA CIVIL I

PROVAESCRITA CARGO: ENGENHARIA CIVIL I MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO QUADRO EFETIVO EDITAL

Leia mais

FÍSICA II. Princípios da Eletrostática ASSUNTOS ABORDADOS. Eletrostática. Carga Elétrica e Estrutura Atômica. Quantização da Carga Elétrica.

FÍSICA II. Princípios da Eletrostática ASSUNTOS ABORDADOS. Eletrostática. Carga Elétrica e Estrutura Atômica. Quantização da Carga Elétrica. ÍSIA II Aula 1 Eletrostática clauios@pitagoras.com.br IÊNIA DA OMPUTAÇÃO ASSUNTOS ABORDADOS arga Elétrica e Estrutura Atômica uantização a arga Elétrica Princípios a Eletrostática onutores e Isolantes

Leia mais

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 Um esforço axial de tração gera os valores máximos de tensão (A) normal na seção transversal e de cisalhamento em um plano a 45 o. (B) normal na seção transversal e de cisalhamento

Leia mais

Mecânica dos Materiais

Mecânica dos Materiais Mecânica dos Materiais Esforços axiais Tensões e Deformações Esforços multiaxiais Lei de Hooke generalizada 2 Tradução e adaptação: Victor Franco Correia (versão 1/2013) Ref.: Mechanics of Materials, Beer,

Leia mais

RT 2.003 Página 1 de 15 TÍTULO: DIMENSIONAMENTO DE POSTE DE CONCRETO COM SEÇÃO CIRCULAR, UTILIZADO EM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

RT 2.003 Página 1 de 15 TÍTULO: DIMENSIONAMENTO DE POSTE DE CONCRETO COM SEÇÃO CIRCULAR, UTILIZADO EM REDE DE DISTRIBUIÇÃO RT 2.003 Página 1 de 15 1. OBJETIVO Estabelecer parâmetros técnicos para subsidiar a padronização dos critérios para dimensionamento de postes de concreto com seção circular padronizados para uso em Redes

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias Estruturas Metálicas Módulo I Normas e Matérias NORMAS DE ESTRUTURA ABNT NBR 8800/2008 PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO EM EDIFICIOS - ABNT NBR 6120/1980 Cargas para o cálculo de estruturas de edificações

Leia mais

E Flexão Pura. Σ F y = 0 Q = q (x) dx + (Q + dq)

E Flexão Pura. Σ F y = 0 Q = q (x) dx + (Q + dq) Cap. 5.0 FLEXAO PURA E Flexão Pura 5.1 INTRODUÇÃO As peças longas, quando sumetidas à flexão, apresentam tensões normais elevadas (por exemplo, para se querar um lápis, com as mãos, jamais se cogitaria

Leia mais

LIGAÇÕES PARA ESTRUTURAS DE AÇO

LIGAÇÕES PARA ESTRUTURAS DE AÇO Variável LIGÇÕES PR 65 65 ESTRUTURS DE ÇO Guia Prático para Estruturas com Perfis Laminaos 4 nx 4 6 2ª Eição 25 V Oswalo Teixeira Baião Filho ntonio Carlos Viana Silva 1 Consultor: Gilson Queiroz Coorenaor

Leia mais

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL Física Prof. Rawlinson SOLUÇÃO AE. 1 Através a figura, observa-se que a relação entre os períoos as coras A, B e C: TC TB T A = = E a relação entre as frequências: f =. f =

Leia mais