ÍNDICE I. RELATÓRIO DE ATIVIDADES... 3 II. RECURSOS HUMANOS 22 III. GOVERNO DA SOCIEDADE 27 IV - CUMPRIMENTO DAS ORIENTAÇÕES LEGAIS DE INFORMAÇÃO 41

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE I. RELATÓRIO DE ATIVIDADES... 3 II. RECURSOS HUMANOS 22 III. GOVERNO DA SOCIEDADE 27 IV - CUMPRIMENTO DAS ORIENTAÇÕES LEGAIS DE INFORMAÇÃO 41"

Transcrição

1 Relatório e Contas 2011

2 ÍNDICE I. RELATÓRIO DE ATIVIDADES Enquadramento 2. Evolução do Tráfego 3. Atividades desenvolvidas II. RECURSOS HUMANOS 22 III. GOVERNO DA SOCIEDADE Missão, objetivos e políticas da empresa 2. Regulamentos internos e externos 3. Transações relevantes com entidades relacionadas 4. Outras transações 5. Modelo de governo e identificação dos órgãos sociais 6. Remuneração dos membros dos orgãos sociais 7. Análise de sustentabilidade da empresa 8. Avaliação do cumprimento dos Princípios de Bom Governo 9. Código de Ética 10. Informação sobre a existência de um sistema de controlo compatível com a dimensão e complexidade da empresa 11. Identificação dos mecanismos adotados com vista à prevenção de conflitos de interesse 12. Explicitação fundamentada da divulgação de toda a informação atualizada prevista na RCM nº 49/2007, de 28/ Informação sobre o efetivo exercício de poderes de autoridade IV - CUMPRIMENTO DAS ORIENTAÇÕES LEGAIS DE INFORMAÇÃO Objetivos de gestão previstos no artigo 11º do Decreto-Lei nº 300/2007, de 23 de agosto 2. Gestão do Risco Financeiro 3. Prazo Médio de Pagamentos a fornecedores 4. Atrasos nos pagamentos 5. Cumprimentos dos deveres especiais de informação 6. Cumprimento das recomendações do acionista 7. Remunerações 1

3 8. Contratação pública 9. Implementação das medidas previstas no Plano de Estabilidade e Crescimento (PEC), designadamente sobre a adesão da empresa ao Sistema Nacional de Compras Públicas (SNCP) 10. Limites máximos de acréscimo de endividamento definidos para 2011 conforme Despacho nº 155/2011 MEF, de 28 de abril 11. Plano de Redução de Custos definidos para 2011 conforme Despacho nº 155/2011 MEF, de 28 de abril 11. Princípio da Unidade de Tesouraria do Estado previsto no artº 77 da Lei nº 55 A/2010, de 30 de dezembro V EVOLUÇÃO DA TAXA MÉDIA ANUAL DE FINANCIAMENTO 52 VI - ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA 53 VII OBJETIVOS DE GESTÃO.. 63 VIII PROPOSTA DE APLICAÇÃO DE RESULTADOS 64 IX NOTAS FINAIS.. 65 X CONTAS DO EXERCÍCIO 66 XI NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 70 2

4 I. RELATÓRIO DE ATIVIDADES Num ano caracterizado por uma conjuntura europeia e nacional de recessão económica e financeira, o porto de Setúbal, no conjunto da sua comunidade de agentes dinamizadores, demonstrou ser competitivo a avaliar pelos resultados obtidos a nível do movimento de mercadorias, tendo ficado a cerca de 100 mil toneladas de atingir o recorde registado no ano anterior, de sete milhões de toneladas. Os números confirmam o porto como pólo essencial para a economia nacional, sobretudo na sua vertente exportadora e nos segmentos da carga de elevado valor, como sejam contentores e veículos, que bateram recordes de movimentação. Em 2011, o porto de Setúbal viu aumentar a oferta de serviços de linha regular da FLOTA SUARDIAZ, para carga roll-on/roll-off, da SEATRADE, de fruta e carga geral, da MAERSK e da TARROS, para transporte de contentores, o que demonstra a crescente preferência por parte de grandes armadores em escalar este porto. Foi também em 2011 que se assistiu ao primeiro embarque direto de veículos fabricados na Autoeuropa para o exterior da União Europeia, como seja o caso do Japão, a que se seguiu a China. O porto de Setúbal viu assim reforçada a sua posição como um porto de primeira linha na rede logística da Volkswagen, com ligações diretas regulares a portos do Extremo Oriente asseguradas pelos armadores Norvegian Car Carriers e NYK Line. Ao nível dos acessos terrestres ao hinterland, a conclusão da ligação rodoviária do porto de Setúbal às autoestradas A2 e A12, por uma via dedicada sem cruzamento e fora do perímetro urbano, permitiu ganhos significativos de tempo, segurança e congestionamento, facilitando o escoamento das mercadorias com destino ou origem no porto, traduzindo-se num aumento de competitividade para o porto e todos os seus clientes. O impacto económico das atividades desenvolvidas no Porto de Setúbal foi objeto de um estudo realizado pelo ISEG (CEGE), onde se concluiu que os efeitos totais das atividades do porto na economia representam cerca de 10,7 mil milhões de euros de volume de negócios, ou seja, 3,3% da região da Grande Lisboa, e de 2,3 mil milhões de euros de Valor Acrescentado Bruto (VAB), ou seja 5% do VAB da Grande Lisboa, correspondendo a 33,3 mil postos de trabalho. 3

5 1. Enquadramento Segundo dados mais recentes da UNCTAD-United Nations Conference on Trade and Development, a economia mundial deverá ter registado um crescimento de 2,8% em 2011, o que representa um abrandamento em relação ao ano anterior. Para tal contribuiu a elevada taxa de desemprego e a diminuição dos rendimentos disponíveis nas economias desenvolvidas, que constituíram um entrave à recuperação espectável. A redução do crescimento também teve como causa o efeito da crise da dívida soberana nos países da área euro, que se agravou na segunda metade do ano. O comércio mundial, de acordo com os dados da Organização Mundial do Comércio, deverá crescer menos do que inicialmente previsto relativamente a 2011, tendo sido revista a previsão inicial de 6,5% para 5,8%. O transporte marítimo, que representa 80% do volume de comércio mundial e 70% do seu valor, viu reforçadas as rotas marítimas Sul-Sul. A China continua a ser o principal recetor e expedidor de mercadorias, começando a ganhar força nestas relações os países africanos e da América Latina. Segundo o Banco de Portugal, 2011 ficou marcado pela crise das dívidas soberanas na Área Euro resultante das fortes tensões nos mercados financeiros que contribuíram para a perda de acesso do sector público e, em consequência, do sector bancário, a financiamento de mercado em condições normais. Em consequência, Portugal solicitou assistência financeira junto do Fundo Monetário Internacional e da União Europeia, formalizado no Programa de Assistência Económica e Financeira, no qual o governo português se comprometeu a adotar medidas de ajustamento dos desequilíbrios macroeconómicos e de caráter estrutural, mas que terão um inevitável efeito de contração da economia a curto prazo. Principais Indicadores Económicos P PIB em volume (%) Portugal -2,9 1,4-1,6 Índice harmonizado de preços no consumidor (%) Área do Euro -4,2 1,9 [1,5; 1,7] Portugal 2,4 3,5 3,6 Área do Euro 2,2 2,7 [2,6; 2,8] Fonte: Boletim Económico do Banco de Portugal Inverno, Janeiro de 2012; Projeções Macroeconómicas para a Área Euro, Banco Central Europeu, Dezembro de Legenda: (p) - projeções 4

6 2. Evolução do Tráfego Movimento de navios Em 2011, escalaram o porto de Setúbal navios, o que corresponde a uma média de 4,2 navios por dia, a grande maioria dos quais (1.443) veio em atividade comercial e os restantes por outros motivos (visita, reparação, dragagens, etc). O GT médio tem vindo a aumentar com a dimensão média dos navios, implicando ganhos de eficiência e escala nos fretes. Movimento de navios em atividade comercial Var.10/09 Var.11/10 Nº. Nacionais ,7% -34,0% GT (1000 Tons.) Nacionais ,9% -31,6% Nº. Estrangeiros ,1% 3,9% GT (1000 Tons.) Estrangeiros ,8% 2,3% Total Navios ,4% -1,1% Total (1000 Tons.) GT ,7% 0,8% GT Médio (1000 Tons.) 11,05 11,58 11,80 4,8% 1,9% Fonte: APSS, SA Movimento de mercadorias Em 2011, o porto de Setúbal movimentou 6,9 milhões de toneladas, ficando muito próximo de atingir o recorde de sete milhões de toneladas registado no ano anterior. Não obstante o panorama adverso da nossa economia, houve margem para um crescimento bastante significativo na movimentação de carga fracionada e roll-on/roll-off, segmentos nos quais o porto de Setúbal é líder nacional há alguns anos, bem como na carga contentorizada, que tem vindo a assumir um papel expressivo no conjunto da carga geral. Gráfico I Evolução do porto de Setúbal nos últimos cinco anos O porto de Setúbal tem registado, nos últimos anos, um tráfego total situado no intervalo de variação entre as 6 e 7 milhões de toneladas movimentadas, com uma sólida tendência para cargas de maior valor e, mais importante, demonstrando uma vocação exportadora, suportada num hinterland constituído por um tecido empresarial com capacidade competitiva nos mercados externos Total Carga Descarga tons. 5

7 A grande maioria das mercadorias transportadas através do porto de Setúbal teve como origem ou destino o mercado externo, sobretudo países situados fora da União Europeia (como é o caso da Guiné Equatorial, Angola, Argélia, Brasil, Uruguai, entre outros). Importa salientar a recuperação considerável verificada ao nível do comércio com países pertencentes à União Europeia, como é o caso da Espanha, Alemanha, Holanda, Reino Unido, entre os principais. A taxa de cobertura das importações pelas exportações foi de 146%, o que significa que o porto continua a ser essencialmente exportador. O tráfego de cabotagem perdeu peso relativo, certamente devido ao facto de estar suportado em mercadorias como o cimento a granel e produtos petrolíferos, que registaram uma diminuição na movimentação. Movimento de mercadorias por origem/destino Unidade: toneladas Var.10/09 Var.11/10 União Europeia ,5% 12,0% Importação ,5% 10,1% Exportação ,9% 13,7% Restantes países ,9% -2,6% Importação ,7% -7,8% Exportação ,9% 0,9% Total comércio externo ,6% 1,5% Importação ,3% -2,1% Exportação ,0% 4,1% Total cabotagem ,6% -21,2% Cabotagem entrada ,1% -23,5% Cabotagem saída ,8% -19,1% Total geral ,6% -1,6% Fonte: APSS, SA 6

8 Unidade: toneladas País Carga Descarrega Total País Carga Descarrega Total África do Sul Holanda Alemanha Honduras Angola Hong Kong Arábia Saudita Iemen Argélia Índia Argentina Irlanda Austrália Israel Barem Itália Bélgica Japão Benin Jordânia Brasil Kuwait Brunei Letónia Bulgaria Líbano Cabo Verde Líbia Jamahira Árabe Camarões Lituânia Catar Madagáscar Chile Malta China, R.P Marrocos Chipre Mauritânia Colômbia México Comores Mocambique Congo Montenegro Congo, R. D Nicarágua Coreia do Sul Nigéria Costa do Marfim Noruega Costa Rica Panamá Croácia Paraguai Dinamarca Peru Dominicana, República Polonia E.U.A Portugal Egipto Reino Unido Emiratos Árabes Unidos Roménia Equador Russia, Federação da Espanha São Salvador Filipinas São Tomé e Principe Finlândia Senegal França Serra Leoa Gabão Siria, República Árabe Gâmbia Suécia Gana Tailândia Geórgia Taiwan Gibraltar Togo Grécia Tunisia Guatemala Turquia Guiana Ucrânia Guiné Uruguai Guiné Equatorial Venezuela Guiné-Bissau Total Geral Haiti Fonte: APSS, SA 7

9 Analisando o movimento de mercadorias por modo de acondicionamento, destaca-se o crescimento significativo da carga geral em todos os seus segmentos fracionada (28%), contentorizada (48%) e roll-on/roll-off (4%), totalizando cerca de 3,2 milhões de toneladas. Os principais crescimentos registaram-se no movimento de madeiras, cimento ensacado, fruta e produtos metalúrgicos. Destaca-se igualmente a movimentação de cerca de 77 mil TEU, correspondente a 44 mil contentores, o que representa um crescimento de 52% (em TEU) face ao ano anterior (e 45% em número). O número de veículos movimentados atingiu as 175 mil unidades. Por sua vez, o tráfego de granéis, líquidos e sólidos, apresentou uma variação negativa comparativamente a 2010, a qual se ficou a dever à redução verificada quer na movimentação de produtos refinados (fuelóleo, gasóleo e gasolina), quer no clinquer, cimento a granel e carvão/coque. Com variação positiva destaca-se a movimentação de ácidos, madeira a granel (estilha) e minérios. Unidade: toneladas Movimento de mercadorias por Var.10/09 Var.11/10 modo de acondicionamento Granéis líquidos ,0% -10,4% Granéis sólidos ,2% -19,7% Carga geral ,0% 29,3% Carga fracionada ,4% 27,7% Carga contentorizada ,7% 47,7% Carga roll-on/roll-off ,2% 4,0% Total ,6% -1,6% Nº de caixas de 20' e 40' ,4% 44,5% Nº TEU ,9% 52,0% Nº de veículos ,9% 0,6% Fonte: APSS, SA O volume de mercadorias movimentadas nos terminais de serviço público ultrapassou, de forma expressiva, o total registado nos terminais de uso privativo. A explicação reside, por um lado, no crescimento verificado em todos os terminais de serviço público, fortemente suportado em cargas para exportação, totalizando mais de quatro milhões de toneladas; por outro, na redução registada em alguns terminais de uso privativo, que habitualmente movimentam grandes quantidades de carga a granel, como é o caso do carvão, coque, clínquer e produtos refinados. 8

10 Unidade: toneladas Principais mercadorias movimentadas Var.10/09 Var.11/10 Cimento ,9% 8,4% P. Metalúrgicos ,8% 14,4% Clínquer ,5% -45,0% Madeiras ,3% 37,8% Minérios ,1% 86,3% Carvão/Coque ,4% -36,8% Adubos ,4% -11,7% Ro-Ro ,2% 4,0% Gasóleo/Gasolina ,3% -12,6% P. Agrícolas ,4% -18,2% Ácidos ,1% 10,5% Fuelóleo ,3% -29,7% Frutas ,4% 3,1% Pasta de Madeira ,2% -64,9% Pedras Ornamentais ,4% -45,3% Outros ,9% 43,2% Total ,6% -1,6% Fonte: APSS, SA Unidade: toneladas Movimento de mercadorias por cais Var.10/09 Var.11/10 Terminais de serviço público ,0% 23,2% Multiusos - Zona ,5% 12,9% Multiusos - Zona ,3% 33,0% Terminal Roll-On Roll-Off ,6% 14,0% Sapec Granéis Sólidos ,2% 47,0% Sapec - Granéis Líquidos ,1% 5,7% Terminais de uso privativo ,7% -24,1% Termitrena ,6% -42,0% Secil ,1% 5,1% Praias Sado ,4% 3,3% Tanquisado/Eco-Oil ,2% -22,3% Outros ,8% -31,1% Total ,6% -1,6% Rácio Term. serv. púb./uso privat. 0,7 0,9 1,5 39,0% 62,4% Fonte: APSS, SA 9

11 Gráfico II Evolução do tráfego de contentores Entre 2006 e 2011, a movimentação de carga contentorizada quintuplicou, passando de 16 mil para 77 mil TEU, a que certamente não terá sido alheio o esforço comercial de captação deste tráfego e o novo fluxo exportador de papel da fábrica Portucel Soporcel TEU Gráfico III Veículos exportados no Terminal Roll-on/Roll-off A movimentação de veículos em sistema roll-on/roll-off apresenta-se como um segmento estratégico para o 120 porto de Setúbal, aproveitando as afirmando-se como o primeiro porto sinergias que a localização de uma 100 fábrica automóvel permitem obter, nacional neste segmento. A exportação de veículos por modo marítimo apresenta, em 2011, valores idênticos aos verificados em 2006, fruto do sucesso comercial dos modelos 0 fabricados pela AutoEuropa usando o porto de Setúbal como ponto preferencial para o escoamento dos mesmos viaturas Movimento de pescado Em 2011 o volume de pescado transacionado nos portos de Setúbal e Sesimbra registou um crescimento expressivo de 32%, ultrapassando as 21 mil toneladas descarregadas, mais toneladas que no ano anterior. Pescado Var. 2010/2011 (%) Portos Kg /kg Kg /kg Kg /kg Setúbal , ,26-9% 8% -15% Sesimbra , ,20 8% 38% -22% TOTAL , ,21 5% 32% -20% Fonte: Dados Docapesca - Portos e Lotas, SA 10

12 Tráfego fluvial no Rio Sado Em 2011, o movimento de passageiros no Rio Sado atingiu , tendo sido vendidos bilhetes (passes incluídos), de acordo com os dados da Atlantic Ferries, empresa concessionária do serviço de transporte regular entre as duas margens do rio. Nº de Bilhetes vendidos Evolução do Tráfego Fluvial entre as duas margens do Rio Sado Unidade: número de bilhetes VAR abs. VAR % 2010/ /2011 Veículos ,8% Velocípedes ,9% Passageiros ,4% Passes ,6% TOTAL ,1% Fonte: Atlantic Ferries Evolução mensal do tráfego fluvial (por ferry e catamaran) Nº de viagens Jan-11 Mar-11 Mai-11 Jul-11 Set-11 Nov-11 Fonte: Atlantic Ferries 11

13 3. Atividades desenvolvidas No que respeita às intervenções realizadas em 2011, destaca-se, pela importância do investimento e impacto socioeconómico gerado, a conclusão da construção da ponte-cais nº 3 no porto de Sesimbra, cumprindo os prazos e montantes previstos. Com a aprovação do financiamento PROMAR e assegurada a dotação PIDDAC, esta obra foi iniciada em 2010, tendo como objetivo o aumento da frente acostável e melhoria das condições de segurança das embarcações de pesca em Sesimbra. No porto de Sesimbra foram ainda melhoradas as condições de acostagem das embarcações marítimo-turísticas na sequência da instalação do pontão Espadarte entre as pontes-cais nº 1 e 2. No porto de Setúbal, a ligação ferroviária de acesso aos terminais Multiusos Zona 1, Zona 2 e Roll- On/Roll-off foi objeto de uma intervenção de requalificação, a nível do reforço das zonas onde estão instalados os aparelhos de mudança de via, tendo em vista a melhoria das manobras e da circulação ferroviária para os referidos terminais. Ao nível das acessibilidades aos terminais portuários, destaca-se ainda a reparação das juntas de dilatação do viaduto da Cachofarra, melhorando os níveis de segurança numa via de intenso tráfego em ambos os sentidos, sobretudo de veículos pesados. Ao nível da reabilitação e beneficiação de infraestruturas, outras intervenções são merecedoras de destaque, entre elas, a colocação de uma cobertura autoportante sobre o edifício do Cais 3, visando proteger o edifício das intempéries; a reparação do molhe exterior da doca dos pescadores, na sequência dos danos causados à estrutura por um navio em saída do porto; a demolição do Edifício da Salmex; a reparação de uma defensa danificada no Terminal Roll-On/Roll-Off; a elaboração do 12

14 projeto técnico de beneficiação dos corredores laterais e do corpo Sul do edifício Mercado de 2ª venda de pescado de Setúbal (ex-lota); a realização de algumas intervenções de modernização no edifício sede da APSS e na delegação do porto de Sesimbra, entre as principais. Ao nível da gestão de infraestruturas elétricas e unidades de climatização, as intervenções centraram-se na beneficiação geral do sistema de iluminação, montagem de um novo quadro geral e gerador de emergência no edifício sede, bem como a montagem de 78 painéis fotovoltaicos, destinados à produção e venda de energia elétrica à Rede Elétrica Nacional no âmbito do programa de microprodução de energia com tarifa bonificada; na Certificação Energética do edifício-sede; no lançamento de uma campanha com 50 medidas para a poupança de energia no âmbito do Programa ECO.AP (alteração do tipo de iluminação, regulação e controlo, montagem de sistemas de aquecimento solar na pilotagem, etc); na continuação dos trabalhos de preparação da transferência da alimentação elétrica dos edifícios das oficinas, serviços de segurança e CDRN para a EDP; no melhoramento da rede de distribuição de energia em baixa tensão e iluminação pública; na beneficiação geral do posto de transformação do edifício do mercado de 2ª venda (ex-lota); na substituição das unidades de climatização e no melhoramento e substituição de lanternas e farolins do sistema de assinalamento marítimo. A APSS analisou e emitiu cerca de 60 pareceres técnicos relativamente a processos de autorização e de licenciamento de obras particulares, na quase totalidade respeitantes a obras de conservação, bem como participou em diversos grupos de trabalho, designadamente relativos à desafetação de usos na frente ribeirinha de Setúbal, ao Plano Diretor Municipal de Setúbal, à construção de uma rotunda nas Fontainhas, ao Plano Diretor Municipal de Sesimbra, ao reordenamento da marginal de Sesimbra poente e dos apoios de praia da Praia do Ouro, entre os principais. No âmbito do Sistema de Informação Geográfica, procedeu-se à atualização cartográfica, servindo de instrumento de apoio à gestão da campanha de dragagens de manutenção e à gestão do sistema de informação meteorológica APSS. 13

15 Desempenho Ambiental No âmbito da monitorização ambiental, a avaliação da qualidade da água distribuída na área de jurisdição da APSS (Setúbal e Sesimbra) foi feita de acordo com as recomendações do Instituto Regulador de Águas e Resíduos, tendo-se verificado que se encontrava dentro dos parâmetros legislados ou recomendados. Há apenas a referir a baixa concentração de oxigénio dissolvido no edifício dos cacifos de Setúbal. No último trimestre foram ainda realizadas as campanhas de caracterização de sedimentos para apoio às dragagens de manutenção que se realizarão em Tendo como objetivo fomentar uma abordagem que garanta a sustentabilidade ambiental da atividade de construção civil, privilegiando a redução, reutilização e reciclagem de resíduos, foram elaborados Planos de Prevenção e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição para oito empreitadas realizadas pela APSS. Ao nível da gestão de resíduos, em 2011 movimentaram-se nos portos de Setúbal e Sesimbra cerca 230 mil toneladas de resíduos, 47% dos quais seguiram destinos de valorização (armazenamento, reciclagem, refinação) e 53% foram para destruição. Verificou-se um aumento superior a 10% relativamente ao volume movimentado no ano anterior, fruto de intervenções de limpeza de grande dimensão realizadas, assim como a descontaminação de embarcações no Trem Naval, o que explica o volume elevado de resíduos enviados para eliminação. Unidade: kg Tipo de Resíduos movimentados em 2011 Valorização Eliminação Óleos usados Resíduos com hidrocarbonetos (a) Embalagens e absorventes contaminados Filtros de óleo 465 Solventes 65 Lâmpadas (c) (c) Embalagens de madeira e plástico Resíduos de Construções e Demolições Resíduos de Equipamentos, Elétricos e Eletrónicos Redes Resíduos de Navios (b) Resíduos urbanos Outros Total/destino Total geral % %(excluindo os resíduos de navios) (d) Notas: (a) Inclui resíduos de combustíveis; (b) Estes resíduos são obrigatoriamente enviados para eliminação por conterem restos de cozinha e de mesa de transportes internacionais ; (c) Resíduo não contabilizado por ser inserido no circuito integrado de gestão de REEE aquando da aquisição de novos elementos; (d) Excluindo os resíduos de navios cujo destino é obrigatoriamente a eliminação. 14

16 As preocupações com a valorização de resíduos estão em melhoria contínua, verificando-se atualmente, para quase todas as tipologias de resíduos, pelo menos um encaminhamento para destinos de valorização. Registaram-se pela primeira vez, proveitos relacionados com a valorização de resíduos. Outros circuitos de recolha seletiva anteriormente implementados foram mantidos, destacando-se o encaminhamento de óleos usados para a Sogilub Sociedade de Gestão Integrada de Óleos Lubrificantes Usados, Lda. No âmbito do Plano Portuário de Gestão de Resíduos, foram registadas 539 recolhas (face a 350 recolhas no ano anterior), perfazendo um total de kilogramas de resíduos, enviados obrigatoriamente para eliminação por conterem restos de cozinha e de mesa de transportes internacionais. A APSS procedeu à verificação da Declaração de Resíduos dos navios comerciais que utilizaram o Porto de Setúbal e dos procedimentos associados às descargas de resíduos. A APSS continuou em 2011 a remodelar os pontos de recolha de óleos usados permitindo, com as novas estruturas, a adoção de melhores práticas ambientais e a integração paisagística no ambiente envolvente. Na Doca das Fontainhas procedeu-se à substituição e relocalização de um oleão de metal por um depósito em polietileno rotomoldado de alta resistência e com paredes duplas, possibilitando a retenção no seu interior de um eventual derrame, sendo esta ocorrência visível através de um sinalizador exterior. Na Doca dos Pescadores foi instalada uma cobertura de proteção no ponto de recolha de óleos e de outros materiais contaminados. No Trem Naval de Santa Catarina foi instalado um ponto de recolha coberto para óleo usado, embalagens, filtros de óleo e absorventes. Foi igualmente efetuada a sinalização dos diversos contentores de resíduos na APSS. Atendendo à praga do escaravelho das palmeiras, que atacou o sul do país e à importância que esta espécie ornamental assume nas áreas verdes da APSS, foram efetuadas diversas aplicações de pesticida e corte de exemplares de palmeiras no âmbito do combate obrigatório a esta praga. Sistema de Gestão da Qualidade Em 2011, foi concluída a auditoria de acompanhamento ao Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) da APSS, segundo o referencial NP EN ISO 9001:2008. Esta ação inseriu-se no segundo ciclo de 15

17 auditorias levadas a cabo pela Lloyd s Register Quality Assurance, com carácter anual, desde a obtenção do primeiro certificado da Qualidade em Foram também concluídas as auditorias de concessão realizadas pela entidade certificadora Lloyd s Register Quality Assurance, que tiveram como objetivo a confirmação que o Sistema de Gestão da Qualidade e Ambiente da APSS cumpre todos os requisitos da norma de referência NP EN ISO 14001:2004. Procedeu-se a uma revisão da Política da Qualidade de modo a introduzir a componente ambiental no âmbito da Certificação da Qualidade e Ambiente, tendo sido desenvolvida uma matriz que abrange as diversas atividades exercidas pela empresa e a respetiva avaliação dos impactes ambientais, no sentido de controlar e mitigar os seus efeitos. Na ótica da melhoria contínua, foram contabilizados 103 pedidos de ação no âmbito do SGQA dos quais resultaram ações corretivas, preventivas e de melhoria. Igualmente, em 2011, realizaram-se diversas auditorias internas promovidas pela bolsa de auditores dos processos internos, a fim de se avaliar o grau de implementação do Sistema de Gestão da Qualidade e Ambiente nos diversos serviços da APSS. Foi dado seguimento às reclamações apresentadas no ano anterior, bem como se realizaram questionários à satisfação dos clientes do porto, abrangendo a comunidade portuária local e comandantes dos navios que escalaram o porto de Setúbal. A aplicação informática de apoio ao Sistema de Gestão da Qualidade B-Quality foi desenvolvida, nomeadamente no controlo documental, documentos inteligentes, calendarização de atividades internas, plano de manutenção de equipamentos e fichas de funções dos colaboradores, tendo sido estendida ao acompanhamento de concessões e de licenças dominiais. 16

18 Segurança Marítima e Portuária No âmbito da segurança foram realizadas as seguintes ações: Prestação de serviços de tráfego marítimo pelo Centro de Controlo do Tráfego Marítimo (VTS) do Porto de Setúbal em regime permanente, em conformidade com as disposições da Resolução IMO A.857 (20) Guidelines for Vessel Traffic Services ; Realização de várias ações de assessoria técnica internas e externas, e de participação em diversos atos de coordenação com outras entidades e organismos oficiais com competências no âmbito dos serviços de tráfego marítimo, da segurança, da proteção marítimo-portuária, e da prevenção da poluição marítima; Emissão de autorizações na Janela Única Portuária (JUP) para movimentação de mercadorias perigosas (HAZMAT), realização de trabalhos a bordo, fornecimentos a navios; Gestão da manutenção dos equipamentos e sistemas do Centro de Controlo de Tráfego marítimo (VTS), de videovigilância, de deteção e combate a incêndios e poluição no mar por hidrocarbonetos da APSS; Atualização do Plano de Emergência Interno (PEI) e do Plano de Contingência Interno (PCI) para Combate a Derrames Acidentais de Hidrocarbonetos da APSS. Proteção Portuária Participação e envolvimento da APSS em exercícios de proteção envolvendo instalações portuárias, navios de bandeira estrangeira e demais autoridades; Desenvolveu-se o exercício Bomba-Set 2011, com a coordenação da APSS e da Capitania do Porto de Setúbal (Autoridade Marítima), colocando todas as onze instalações portuárias, os navios em porto e o operador de transporte de passageiros do rio Sado a participar simultaneamente num exercício, que envolveu centenas de pessoas da comunidade portuária em estreita colaboração com a Polícia Marítima, PSP, GNR, Unidade de Controlo costeiro, Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Governo Civil, Polícia Judiciária, entre outras. 17

19 Participação da APSS no projeto CASSANDRA - Common assessment and analysis of risk in global supply chains, referente ao 7º Quadro da Comissão Europeia, call security, designadamente na promoção da reunião de arranque do Living-Lab Setúbal-Norte de África, que contou com a presença de diversos parceiros, entre eles, a AICEP, Autoridade Tributária e Aduaneira, Grupo OREY (Atlantic Lusofrete), TARROS, SADOPORT, GMV, TNO, ATOS, etc. Parcerias e cooperação Em Janeiro de 2011, a CP Carga Logística e Transportes Ferroviários de mercadorias, SA e a APSS assinaram um protocolo de colaboração, visando a construção de novas soluções logísticas integrando a componente marítimoferroviária de e para o porto de Setúbal, com o objetivo de expandir o hinterland para as regiões espanholas da Andaluzia e Extremadura. Em Maio de 2011, foi constituída a APLOP-Associação de Portos de Língua Portuguesa que reúne os principais representantes do sector portuário da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, com o objetivo de explorar as oportunidades de negócio e de cooperação entre as economias dos países integrantes. No âmbito do protocolo de cooperação com os portos de Cabo Verde, a APSS participou, através de uma ação de formação, no Seminário Internacional sobre Parcerias Público-Privadas - o Caso das Concessões Portuárias. 18

20 A APSS participou no 4º Curso Focal Gloss, que decorreu a bordo de um navio entre os portos de Barcelona e Civitavecchia, organizado pela APTMCD - Associação Portuguesa para o Transporte Marítimo de Curta Distância. A convite da Escola Europeia de Short-Sea-Shipping, a APSS participou ainda no Curso Life Rail Cargo, sobre Intermodalidade Marítimo-Ferroviária, que se realizou num comboio, onde se deram a conhecer as experiências de sucesso intermodais nos terminais portuários de Setúbal aos participantes, na sua maioria carregadores, transitários e agentes. Ações de Marketing Em 2011, as ações de Marketing desenvolvidas tiveram subjacente a estratégia da APSS de enfoque no cliente e na satisfação das suas expetativas, designadamente através da atuação estruturada e sistemática junto dos operadores de transporte marítimo e carregadores, promovendo um relacionamento de proximidade, o que permitiu identificar necessidades e aspetos de serviço a ajustar às exigências do mercado. O plano anual de acompanhamento de clientes foi integralmente cumprido, tendo-se ainda efetuado diversos contatos com potenciais clientes carregadores e armadores designadamente no segmento de contentores. Procurou-se divulgar a oferta de serviços logísticoportuários do porto de Setúbal, no sentido de aumentar o seu nível de notoriedade junto dos diversos públicos. Para cada iniciativa, foram usados os instrumentos de marketing que se entenderam mais adequados aos targets e objetivos a atingir. Foram editados diversos suportes informativos em papel e assegurada a atualização regular dos conteúdos do site da APSS, para além da dinamização da presença nas redes sociais (Facebook e Youtube). Merece ainda referência a criação do Museu Virtual do Porto de Setúbal, que já se encontra online. Os objetivos do projeto assentaram na preservação de elementos do património histórico da APSS e, por outro lado, na sua disponibilização para consulta virtual, uma vez que representam uma boa fonte de informação para trabalhos científicos ou empresariais e outros de caráter menos estruturado e lúdico. O projeto contemplou a definição da identidade gráfica do Museu Virtual, incluindo criação de logótipo e de layout das páginas Web, apostando no design e na simplicidade da consulta; definição das estruturas de catalogação e de descritores (tags) que permite a pesquisa temática dos 19

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE Princípios do Bom Governo das Cumprir a missão e os objetivos que lhes tenham sido determinados, de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE

MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE Página 1 de 35 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário no período janeiro-dezembro de 2014 0. Movimento por Tipo de Carga e por Porto

Leia mais

Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª. Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais. Exposição de motivos

Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª. Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais. Exposição de motivos Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais Exposição de motivos Os portos comerciais do sistema portuário nacional têm

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África.

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África. Corredor de Nacala Engloba : O Porto de Nacala, elemento central do Corredor; O Sistema ferroviário do Norte de Moçambique O Sistema ferroviário do Malawi; e O troço ferroviário Mchinji/Chipata, que permite

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 1 2 3 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 4 5 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO O COMÉRCIO INDUZ A OPERAÇÃO DE TRANSPORTE Cabe ao Transporte Marítimo

Leia mais

Transporte Marítimo e Portos

Transporte Marítimo e Portos Transporte Marítimo e Portos Disposição de Terminais num Porto - 1 Disposição geral do porto de Leixões. 1 Disposição de Terminais num Porto - 2 Porto de Rotterdam (Holanda), o maior porto europeu. Disposição

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

Começar Global e Internacionalização

Começar Global e Internacionalização Começar Global e Internacionalização Artur Alves Pereira Assessor do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Fevereiro 06, 2014 1 A aicep Portugal Global Missão. A aicep Portugal Global é uma

Leia mais

40 Anos de Internacionalização A Experiência de uma Empresa de Engenharia

40 Anos de Internacionalização A Experiência de uma Empresa de Engenharia A Experiência de uma Empresa de Engenharia Victor Carneiro Presidente da Comissão Executiva da COBA www.coba.pt Fundada em 1962, a COBA, S.A0 é hoje uma das maiores empresas de Consultores de Engenharia

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA.

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida COSEC em resumo

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

Regulamento. de Funcionamento e Utilização do Terminal RO-RO. do Porto de Setúbal

Regulamento. de Funcionamento e Utilização do Terminal RO-RO. do Porto de Setúbal Regulamento de Funcionamento e Utilização do Terminal RO-RO do Porto de Setúbal Decorridos que estão mais de 2 anos desde o início da exploração, por concessionários, dos Terminais Multiusos, Zonas 1 e

Leia mais

SIIG Sistema de Identificação e Informação Geográfica

SIIG Sistema de Identificação e Informação Geográfica Especializações em Transportes e Vias de Comunicação e Sistemas de Informação Geográfica Transportes / SIG / INSPIRE Painel Lisboa 6 novembro 2012 SIIG Sistema de Identificação e Informação Geográfica

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

O programa de Instaladores Qualificados da PROINSO ultrapassa as 2.000 empresas integradas em todo o mundo

O programa de Instaladores Qualificados da PROINSO ultrapassa as 2.000 empresas integradas em todo o mundo O programa de Instaladores Qualificados da PROINSO ultrapassa as 2.000 empresas integradas em todo o mundo PROINSO consolida assim a sua liderança internacional Desde a sua colocação em marcha, em 2010,

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Náutica Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro para

Leia mais

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Senhores Ministros, É com grande satisfação que venho ouvir as políticas de investimento internacional, a nível das infraestruturas,

Leia mais

Redes de Acesso Unificado: Oportunidade ou Necessidade

Redes de Acesso Unificado: Oportunidade ou Necessidade Cisco Innovation Day 20 maio 2014 Porto Estádio do Dragão O que é a APDL? APDL Administração dos Portos do Douro e Leixões, SA - Sociedade Anónima de capitais exclusivamente públicos Tem como função a

Leia mais

Gestão Financeira do Espaço Portuário: Visão Institucional AMADEU ROCHA

Gestão Financeira do Espaço Portuário: Visão Institucional AMADEU ROCHA Gestão Financeira do Espaço Portuário: Visão Institucional AMADEU ROCHA 1. Introdução 2. Modelo de Gestão dos Portos Portugueses 3. O Regime de Gestão Financeira dos Portos 4. Conclusão 2 1. Introdução

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Portugal Acordos Bilaterais Celebrados

Mercados. informação regulamentar. Portugal Acordos Bilaterais Celebrados Mercados informação regulamentar Portugal Acordos Bilaterais Celebrados Janeiro 2013 Índice 5 NOTA DE PRÉVIA 6 ENQUADRAMENTO GERAL A 7 ÁFRICA DO SUL 7 ALBÂNIA 7 ALEMANHA 8 ANDORRA 8 ANGOLA 9 ANGUILLA 10

Leia mais

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 4.3.2014

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 4.3.2014 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 4.3.2014 C(2014) 1229 final REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO de 4.3.2014 que completa o Regulamento (UE) n.º 1299/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho no que

Leia mais

O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS?

O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS? O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS? O ISQ e a ASK querem ajudar empreendedores e empresários à procura de financiamento a obterem o apoio de que necessitam para lançar ou desenvolver os seus

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

REDES E EQUIPAMENTOS ESTRUTURANTES NACIONAIS DE TRANSPORTES E MOBILIDADE SUSTENTÁVEL (FUNDO COESÃO)

REDES E EQUIPAMENTOS ESTRUTURANTES NACIONAIS DE TRANSPORTES E MOBILIDADE SUSTENTÁVEL (FUNDO COESÃO) CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO I REDES E EQUIPAMENTOS ESTRUTURANTES NACIONAIS DE TRANSPORTES E MOBILIDADE SUSTENTÁVEL (FUNDO COESÃO) DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO REDES E EQUIPAMENTOS

Leia mais

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E Paternoster Square Londres ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS Francisco Cary 19 de Maio de 2011 O Mercado dos Países

Leia mais

Políticas de Cobertura para Mercados de Destino das Exportações Portuguesas Seguro de Créditos à Exportação com garantia do Estado

Políticas de Cobertura para Mercados de Destino das Exportações Portuguesas Seguro de Créditos à Exportação com garantia do Estado No âmbito de apólices individuais África do Sul 1 Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Barein Benim Brasil 1 Cabo Verde Camarões Chile China 2 Garantia bancária (decisão casuística). Caso a caso. Garantia

Leia mais

22/11/2012. Principais características / Acessos. Índice. Os SIG aplicados à Gestão Portuária. Porto de Sines Porta Atlântica da Europa

22/11/2012. Principais características / Acessos. Índice. Os SIG aplicados à Gestão Portuária. Porto de Sines Porta Atlântica da Europa 22/11/2012 Índice Enquadramento do Porto de Sines SIG Histórico Porto de Sines Principais Características Os SIG aplicados à Gestão Portuária Projeto SIIG SIIG - Sistema de Identificação e Informação Geográfica

Leia mais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S C T e S P Cursos Técnicos Superiores Profissionais GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS GESTÃO COMERCIAL E DE MARKETING ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

TRÁFEGO MARÍTIMO DE MERCADORIAS PORTOS DO CONTINENTE 2 0 1 4

TRÁFEGO MARÍTIMO DE MERCADORIAS PORTOS DO CONTINENTE 2 0 1 4 TRÁFEGO MARÍTIMO DE MERCADORIAS PORTOS DO CONTINENTE 2 0 1 4 Setembro de 2015 Índice 0. Factos mais relevantes no tráfego marítimo de mercadorias em 2014... 3 1. Introdução... 5 2. Movimento geral de mercadorias...

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS I. Objetivo ATUALIZAÇÕES As Declarações Ambientais (DA) elaboradas no âmbito do Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria, devem

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego Vítor Gaspar Lisboa, 23 de maio de 2013 Início de uma nova fase do processo de ajustamento 1ª fase: Prioridade na consolidação

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado Tabela I Utilização da Infraestrutura de Acesso Aquaviário (Taxas devidas pelo armador ou agente) No. Espécie Incidência Valor() 1. Carregamento, descarga ou baldeação, por tonelada ou fração 3,73 2. Carregamento,

Leia mais

Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006

Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006 Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006 1. Do objeto: O Ministério das Relações Exteriores (MRE), por intermédio do Departamento Cultural (DC), a Coordenação de Aperfeiçoamento

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda.

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Rua Alfredo da Silva, 11B 1300-040 Lisboa Tlf. +351 213 619 380 Fax. +351 213 619 399 profico@profico.pt www.profico.pt INDICE 1. DESCRIÇÃO GERAL DA PROFICO...

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento para o exercício de 2014 Preâmbulo O Plano de Atividades do ano de 2014 foi elaborado de acordo com as expetativas dos

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Qualificação e Internacionalização das PME

Qualificação e Internacionalização das PME Qualificação e Internacionalização das PME Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos

Leia mais

Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020

Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020 Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020 IV Congresso ATEPH Energia e Ambiente no Edifícios Hospitalar 4 de junho de 2015 Dinis Rodrigues Porto, 4 de junho de 2015 AGENDA Tema 1 Enquadramento

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 maio 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

MARÇO EXPORTAR A 1ª VEZ MISSÕES EMPRESARIAIS NORTE DE ÁFRICA MARROCOS ARGÉLIA AMÉRICA DO SUL CHILE & COLÔMBIA. Condições de participação

MARÇO EXPORTAR A 1ª VEZ MISSÕES EMPRESARIAIS NORTE DE ÁFRICA MARROCOS ARGÉLIA AMÉRICA DO SUL CHILE & COLÔMBIA. Condições de participação EXPORTAR NORTE DE ÁFRICA AMÉRICA DO SUL MARROCOS ARGÉLIA CHILE & COLÔMBIA Condições de participação CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO MERCADOS PARTIDA CHEGADA 1 Marrocos 23-03- 26-03- 2 Argélia 23-03- 26-03- 3

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 Nos termos e para efeitos do disposto no n.º 2 do artigo 110.º do Decreto Legislativo Regional n.º 30/2010/A, de 15 de novembro, que estabelece

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio.

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio. Missão Empresarial Moçambique 28 agosto 3 setembro 2014 Moçambique: porta de entrada na África Austral Moçambique é hoje um mercado em expansão com mais de 24 milhões de consumidores, que tem vindo a registar

Leia mais

Prevenção de incêndios

Prevenção de incêndios Prevenção de incêndios 1 Prevenção de incêndios Entre 2008 e 2013, os falsos alarmes de incêndio nos centros comerciais da Sonae Sierra dispararam entre 5.000 a 7.000 vezes por ano. Mesmo não pondo em

Leia mais

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) Global Health Security Agenda (GHSA) Enquadramento A Plataforma de Resposta

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013 SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas CCDRC, 14 fevereiro 2013 PROGRAMA VALORIZAR RCM n.º 7/2013, de 9/01 Valorização do território do interior e de baixa densidade demográfica e

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

MISSÕES EMPRESARIAIS

MISSÕES EMPRESARIAIS EXPORT 2º SEMESTRE 2014 1º SEMESTRE 2015 MISSÕES EMPRESARIAIS ÁFRICA ARGÉLIA TUNÍSIA MOÇAMBIQUE ÁSIA AMÉRICA CHINA CUBA PERU EQUADOR ESTADOS UNIDOS EUROPA POLÓNIA CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO 1 DESCRIÇÃO

Leia mais

1º TRIMESTRE EXPORTAR A 1ª VEZ MISSÕES EMPRESARIAIS. Condições de participação ARGÉLIA CHINA E MACAU MARROCOS TURQUIA FEVEREIRO MARÇO

1º TRIMESTRE EXPORTAR A 1ª VEZ MISSÕES EMPRESARIAIS. Condições de participação ARGÉLIA CHINA E MACAU MARROCOS TURQUIA FEVEREIRO MARÇO FEVEREIRO MARÇO ARGÉLIA CHINA E MACAU MARROCOS TURQUIA ÁFRICA DO SUL E MOÇAMBIQUE COLÔMBIA E CHILE ÍNDIA ISRAEL Condições de participação CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO 1 AS são uma ação financiada pelo FEDER,

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

INTERNACIONAL OIL. Carlos Bayan Ferreira

INTERNACIONAL OIL. Carlos Bayan Ferreira INTERNACIONAL OIL Carlos Bayan Ferreira Agenda 1 A UNIDADE DE NEGÓCIO 2 CATEGORIAS DE FORNECIMENTO (ACTUAIS E FUTURAS) 3 COMPETÊNCIAS QUE VALORIZAMOS 4 MELHORES PRÁTICAS 5 QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES

Leia mais

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Índice 1. Países de Língua Portuguesa/Comunidade de Países de Língua Portuguesa 1.1 Potencialidades da Espaço Lusófono 1.2 Comunidades Económicas Regionais

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.a Promoção do espírito

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 Subsistema de Incentivos para o Desenvolvimento Local Na prossecução da política de crescimento, de emprego

Leia mais

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE Versão do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização adotada em dezembro de 2014. 1. Estrutura do Programa e Indicadores de Resultado

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO FÓRUM ECONÓMICO E DE NEGÓCIOS ANGOLA-ITÁLIA Fevereiro 2014 INDÍCE: Estratégia do Sector 2013-2017; Áreas/Projectos com

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I.

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. Âmbito e Objetivo A Comissão de Auditoria ( CAUD ) no exercício das

Leia mais

MISSÕES EMPRESARIAIS

MISSÕES EMPRESARIAIS EXPORT 2º SEMESTRE 2014 1º SEMESTRE 2015 MISSÕES EMPRESARIAIS ÁFRICA MOÇAMBIQUE ARGÉLIA TUNÍSIA ÁSIA AMÉRICA CHINA PERU EQUADOR CUBA ESTADOS UNIDOS EUROPA POLÓNIA CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO 3 CUSTOS: MOÇAMBIQUE

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Subsistemas Fomento da Base Económica de Exportação Desenvolvimento Local Empreendedorismo

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015 Apoios às empresas no Norte 2020 Eunice Silva Valença 30.06.2015 SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INOVAÇÃO EMPRESARIAL EMPREENDEDORISMO QUALIFICAÇÃO DE PME INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME I&D Produção de

Leia mais

ÍNDICE I. RELATÓRIO DE ATIVIDADES 02 II. CUMPRIMENTO DAS ORIENTAÇÕES LEGAIS 31 III. ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA 45

ÍNDICE I. RELATÓRIO DE ATIVIDADES 02 II. CUMPRIMENTO DAS ORIENTAÇÕES LEGAIS 31 III. ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA 45 ÍNDICE I. RELATÓRIO DE ATIVIDADES 02 1. Principais acontecimentos em 2014 02 2. Atividade Portuária 03 2.1. Enquadramento 03 2.2 Evolução do Tráfego 03 3. Ações desenvolvidas 10 4. Recursos Humanos 24

Leia mais

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA)

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 71/2013, DE 30 DE MAIO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - LEI N.º

Leia mais

MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira

MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira MAR: Registo Internacional de Navios da Madeira S.D.M. - Sociedade de Desenvolvimento da Madeira, S.A. Rua da Mouraria, n.º 9-1.º P. O. Box 4164, 9001-801

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita O CHC, E.P.E. rege-se pelo regime jurídico aplicável às entidades públicas empresariais, com as especificidades previstas

Leia mais