José António Pinto Ribeiro Ministro da Cultura. Caldas, cidade cultural. Berlengas Navegando para a Sustentabilidade NOVEMBRO 2008.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "José António Pinto Ribeiro Ministro da Cultura. Caldas, cidade cultural. Berlengas Navegando para a Sustentabilidade NOVEMBRO 2008."

Transcrição

1 9 NOVEMBRO 2008 entrevista José António Pinto Ribeiro Ministro da Cultura reportagem Caldas, cidade cultural destaque Berlengas Navegando para a Sustentabilidade

2 P r o p r i e d a d e CCDR LVT Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Rua Artilharia 1, nº Lisboa Tel.: Fax: lvt.pt D i r e c t o r António Fonseca Ferreira D i r e c t o r e x e c u t i v o Carla Gomes Fo t o g ra f i a s : G u t o Fe r r e i ra [capa e con t ra c a p a ] P r o j e c t o e d i t o r i a l, d e s i g n e p r o d u ç ã o DDLX [www.ddlx.pt] José Teófilo Duarte [Direcção] Eva Monteiro Tânia Reis [Design] Rui Cardoso [Contacto] C o l a b o r a d o r e s Ana Sousa Dias Carla Amaro Carla Maia de Almeida David Lopes Ramos Eduardo Oliveira Fernandes Fernanda Câncio Pedro Almeida Vieira F o t o g r a f i a Guto Ferreira Câmara Ardente, produções fotográficas I m p r e s s ã o e A c a b a m e n t o Euro-Scanner T i r a g e m 2500 exemplares I S S N D e p ó s t i o L e g a l /05 L V T # 9 N o v e m b r o Q u a d r i m e s t r a l

3 índice Editorial Setúbal As novas oportunidades de desenvolvimento... 2 António Fonseca Ferreira Notícias Breves...4 Opinião O mérito da discussão...8 Fernanda Câncio Entrevista José António Pinto Ribeiro Ana Sousa Dias Reportagem Caldas, cidade cultural...22 Carla Amaro Territórios Defender e projectar definitivamente o nosso património edificado é determinante...32 Carla Maia de Almeida Destaque A Energia no ordenamento do território...38 Eduardo Oliveira Fernandes Património Jardim Botânico Seja um amigo também...40 Carla Maia de Almeida Destaque Berlengas Navegando para a sustentabilidade Pedro Almeida Vieira Roteiro Os Petiscos do fado...52 David Lopes Ramos Agenda Cultural...56

4

5 Editorial António Fonseca Ferreira Setúbal As novas oportunidades de desenvolvimento Foi com muita satisfação que assisti, ao fim de tantos anos, a uma conjunção de esforços sem precedentes para reflectir sobre o futuro da Península de Setúbal, que se estendeu inclusivamente ao litoral alentejano. Refiro-me à Conferência «Oportunidades de Desenvolvimento», na qual participaram perto de três centenas de pessoas, entre presidentes e representantes de municípios, empresas, instituições de solidariedade social e organismos da administração central. Reuniram-se em torno de uma mesma ideia a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo (CCDR-LVT), o Governo Civil de Setúbal, a Associação de Municípios da Região de Setúbal (AMRS), a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDRA-A), a Associação de Municípios do Litoral Alentejano (AMLA), a Associação Empresarial da Região de Setúbal (AERSET), a Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra (APSS) e a Associação das Empresas de Construção e Obras Públicas (AECOPS). A acrescentar a estes factos, temos as novas infra-estruturas de internacionalização decididas pelo Governo e de que Mário Lino detalhadamente deu conta na sua intervenção na Conferência desde a maior plataforma logística do país no Poceirão (impulso indispensável para o desenvolvimento portuário) ao novo aeroporto internacional e à travessia do Tejo, com ligação à rede ibérica e europeia de alta velocidade ferroviária. A região de Setúbal tem vivido tempos difíceis. Com o desmantelamento das tradicionais indústrias pesadas construção e reparação naval e siderurgia - deixando sequelas ambientais e económicas, e as cíclicas crises sociais. Instalou-se o cepticismo e um espírito negativo que têm de ser afastados de forma consequente. Os tempos que aí vêm auguram excelentes oportunidades de desenvolvimento. Mas estas só perdurarão, de forma sustentável, se os agentes regionais se unirem e cooperarem, no quadro de uma concertação estratégica de base territorial, transformando oportunidades em projectos, obras, riqueza e coesão social. A elevada representação do Governo, com o ministro das Obras Públicas a fechar os trabalhos e o secretário de Estado do Ordenamento do Território a encerrá-los, é prova de que o próprio executivo está confiante no renascimento da margem Sul do Tejo. Diversos sinais têm evidenciado isso, aliás, nos últimos tempos. O lançamento do projecto Arco Ribeirinho Sul, de que tanto se falava há mais de uma década, ganhou agora um impulso decisivo para revitalizar as áreas industriais degradadas à beira Tejo, em Almada, Seixal e Barreiro. Por toda esta região surge um novo ciclo de investimentos no turismo no novo «turismo residencial», com preocupações inéditas de sustentabilidade assim como na indústria, com o reforço dos investimentos de empresas como a Autoeuropa e a Portucel. A Região de Setúbal terá, nos próximos dez anos, o maior volume de investimentos do país, considerando territórios equivalentes. O eixo Sines/Porto de Setúbal/Plataforma Logística do Poceirão/ Estação de Alta Velocidade/Novo Aeroporto com a lógica ligação ferroviária convencional à Linha do Norte na zona Cartaxo/ Santarém transformar-se-á num «aglomerado» virtuoso de actividades e internacionalização. Apostámos numa visão de futuro, ao lançar este desafio aos actores da Região de Setúbal, um desafio que agora começa a concretizar-se. É com muita satisfação que acolhemos o seu entusiasmo e reunião cooperante. A CCDR-LVT apoiará todas as iniciativas e medidas que tenham por desígnio transformar os recursos deste território em progresso económico e social. Os portos, em particular os de Setúbal e de Sines, revelam uma vitalidade interessante, e têm investimentos significativos em curso e programados para os próximos anos.

6 NOTÍCIAS BREVES Grande Conferência em Setúbal Novo ciclo de oportunidades Perto de três centenas de pessoas assistiram à conferência «Oportunidades de Desenvolvimento», que decorreu em Setúbal a 19 de Setembro e contou com a participação de empresas públicas e privadas, organismos da administração central, universidades e autarquias. A sessão de abertura foi presidida pelo secretário de Estado do Ordenamento do Território e Cidades, João Ferrão. Mário Lino, ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, aproveitou a sessão de encerramento para fazer um ponto de situação sobre os investimentos que vão ter lugar nos próximos anos naquele distrito, como a rede de alta velocidade, o novo aeroporto e nova travessia do Tejo, e exortou os agentes da região a mobilizarem-se para tirarem o máximo partido das «generosas oportunidades» que aí vêm. A iniciativa, lançada pela CCDR-LVT, pretendeu construir uma visão partilhada sobre o desenvolvimento sustentável deste território, congregando as principais entidades representativas da península de Setúbal e litoral alentejano. O objectivo foi também discutir o futuro de Setúbal Pedro Lemos Vieira numa perspectiva optimista, abrindo caminho a um novo ciclo, numa região que tem sido ciclicamente marcada por crises económicas e sociais. São promotores deste evento o Governo Civil de Setúbal, Associação de Municípios da Região de Setúbal (AMRS), Associação de Municípios do Litoral Alentejano (AMLA), Associação Empresarial da Região de Setúbal (AERSET), Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra (APSS) e Associação das Empresas de Construção e Obras Públicas (AECOPS). A organização esteve a cargo do Sem Mais Jornal/Sado O programa prolongou-se por todo o dia, na Estalagem do Sado, tendo focado as áreas do Turismo, Economia do Mar e Zonas Ribeirinhas, Indústria e Grandes Infra- Estruturas. O evento contou com a participação de entidades como o instituto Turismo de Portugal e a Estrutura de Missão para os Assuntos do Mar, para além da participação de empresas como.a Portucel, a Autoeuropa e a LOGZ que tem a seu cargo a Plafatorma Logística do Poceirão. Pode consultar as comunicações da conferência em: Arco Ribeirinho Sul vai ser requalificado António Fonseca Ferreira, presidente da CCDR-LVT, foi nomeado para coordenar o grupo de trabalho do Projecto Arco Ribeirinho Sul, que visa a requalificação urbanística de importantes áreas da margem sul do estuário do Tejo e contribuir para a valorização e competitividade da Área Metropolitana de Lisboa. A resolução do Conselho de Ministros que aprova o plano foi publicada a 12 de Setembro. O grupo de trabalho terá por missão elaborar, no prazo de 90 dias, uma proposta de Plano Estratégico, em estreita articulação com as autarquias envolvidas e com as empresas dos terrenos. Com este projecto pretende-se desenvolver de forma integrada um vasto território, designadamente cerca de 55 hectares na Margueira, concelho de Almada, cerca de 536 hectares na Siderurgia Nacional, concelho do Seixal, e cerca de 290 hectares nos terrenos da Quimiparque, no concelho do Barreiro.

7 Open Days 2008 Lisboa lidera regiões marítimas inovadoras A Região de Lisboa e Vale do Tejo liderou pela segunda vez este ano um consórcio de regiões no âmbito dos OPEN DAYS Semana Europeia das Regiões e dos Municípios, que decorreram de 6 a 9 de Outubro em Bruxelas. O tema escolhido pelo conglomerado liderado pela CCDR-LVT Water-based Competitiveness Network (WBCnet) enquadra-se na temática «Regiões inovadoras: Promoção da investigação, desenvolvimento tecnológico e inovação», tendo um maior enfoque em torno da Economia Marítima. Regiões, o evento contou este ano com o apoio da Presidência francesa da UE e do Parlamento Europeu, assim como com a presença de diversas personalidades, entre elas o Presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, e o Primeiro-Ministro francês, François Fillon. A CCDR-LVT organizou dois seminários em Bruxelas. O primeiro, intitulado «Trends in Maritime Transport Innovation: How can the Regions take advantage?», teve lugar a 7 de Outubro, na Representação Permanente de Portugal junto da União Europeia (REPER). O segundo seminário, «Innovative Maritime Regions: Which bets for tomorrow?» realizou-se também na REPER, no dia 9 de Outubro. A CCDR-LVT também esteve presente no Café dos Investidores - plataforma de contacto entre cidades e regiões, empresas, sector financeiro, grupos de interesse e instituições comunitárias, integrada na Aldeia Temática «Inovação e Investigação» - onde recebeu a visita da Comissária Europeia para a Política Regional, Danuta Hübner (na foto). Por fim, e ainda no âmbito dos Open Days, a CCDR-LVT organizará um evento local dedicado aos media, subordinado ao tema «A Região de Lisboa e Vale do Tejo e o Mar: Projectos de desenvolvimento regional e oportunidades de negócio». O conglomerado liderado por Lisboa e Vale do Tejo deste ano conta com a participação, para além de Lisboa e Vale do Tejo, de oito regiões costeiras europeias e portuárias: Andaluzia (Espanha), Sicília (Itália), Canárias (Espanha), Zelândia (Holanda), Açores (Portugal), Macedónia Oriental e Trácia (Grécia), Ática (Grécia) e Heraklion (Grécia). O mote deste ano para os Open Days foi «Regions and Cities in a Challenging World». Organizados pela Comissão Europeia (DG REGIO) e pelo Comité das Participaram 216 regiões e 32 países, um número recorde. No âmbito deste mega- evento, realizaram-se cerca de 120 sessões em Bruxelas (workshops, seminários e debates), contando o Café dos Investidores com cerca de 120 expositores. Os eventos locais serão cerca de duas centenas. Mais informações em: regional_policy/conferences/od2008/index.cfm

8 Conferências internacionais O Futuro do Turismo e o Fim do Petróleo James Howard Kunstler, que se tornou mundialmente conhecido com o livro «The Geography of Nowhere: The Rise and Decline of America s Man-made Landscape» (1993), autor do recentemente editado em Portugal «Fim do Petróleo» («Long Emergency») esteve em Lisboa no dia 16 de Outubro para uma conferência no âmbito do ciclo «Desenvolvimento Regional em Contexto de Globalização», organizado pela CCDR-LVT e pela Ordem dos Economistas. Para Kunstler, o fim da energia petrolífera barata, a base do modelo das sociedades urbanas industrializadas em que vivemos, irá obrigar a mudanças de carácter político, social, industrial, comercial e económico. Teremos de nos adaptar a novos tempos, onde a energia já não será acessível como hoje. A inevitabilidade do fim das sociedades industrializadas, sustentadas pela energia barata do petróleo, obrigará as pessoas a deixar as cidades para viverem em pequenas comunidades agrárias localizadas? Kunstler acredita que sim. «Energia e Urbanismo» é o tema da conferência em que o autor norte-americano reflecte sobre as consequências da ruptura que se avizinha e sobre a forma como deveremos adaptar-nos às novas circunstâncias. A sua escrita novelística e as suas capacidades enquanto comunicador ajudaram a ganhar o destaque público que actualmente tem, tendo dado palestras no Google, nas universidades de Yale e Harvard e no MIT, entre outros. O próprio descreve as suas palestras como «stand-up comedy com alguns momentos negros». O ciclo internacional de conferências culmina com um tema estratégico para a região e para o país: o Turismo. A convidada é Muriel Muirden, consultora internacionalmente reconhecida e managing director da ERA - Economics Research Associates para a Europa, África e Médio Oriente, que estará no Auditório 3 da Fundação Calouste Gulbenkian no dia 4 de Novembro, pelas 9h30. Luís Patrão, presidente do instituto Turismo de Portugal, será o moderador desta conferência. Muriel Muirden especializou-se no planeamento estratégico de resorts e virá a Lisboa para falar do papel que o turismo residencial terá no desenvolvimento regional e da economia nacional, assim como das novas tendências deste tipo de turismo a nível internacional. A ERA é líder mundial na consultoria de lazer e entretenimento na Europa, trabalhando para organizações públicas e empresas privadas, como a Marks and Spencer e a Aga Khan Development Network. Muriel Muirden estará na Gulbenkian a 4 de Novembro O ciclo conta com o patrocínio da ANA, REN, BES, Galp Energia, Turismo de Portugal e Grupo Pluripar, para além do apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, Companhia das Lezírias, Fundação Luso- Americana, Associação Industrial Portuguesa, Bom Sucesso, Associação de Turismo de Lisboa, Hotel Sheraton e Quintas de Óbidos. A conferência de James Kunstler conta também com o apoio da Fundação Vox Populi. Poderá encontrar mais informações, comunicações e imagens em. Serviços da CCDR-LVT pagos pelo Multibanco Já é possível fazer o pagamento de qualquer serviço da CCDR-LVT através do Multibanco. Lisboa e Vale do Tejo é a primeira CCDR a avançar com este sistema, uma alternativa aos pagamentos presenciais ou por cheque. O novo sistema de pagamentos, previsto no QUAR (Quadro de Avaliação e Responsabilização dos Serviços), está disponível desde 25 de Agosto. Com as guias de depósito é emitida uma referência que permite o pagamento do serviço em qualquer caixa Multibanco do país. Pode ser efectuado desta forma o pagamento de pareceres ou de licenças emitidas pela CCDR-LVT, de acordo com as competências previstas na legislação. O novo sistema de pagamento abrange todos os serviços, quer sejam prestados pelos serviços centrais em Lisboa ou pelas delegações sub-regionais. Esta medida visa melhorar a relação com o cidadão/cliente sejam empresas, particulares, câmaras municipais ou outros organismos e insere-se no projecto de modernização dos serviços da CCDR-LVT. O objectivo, consagrado no QUAR da CCDR LVT para este ano, foi mesmo.superado, face aos prazos inicialmente previstos.

9 Gentilmente cedida pela Câmara de Lisboa CCDR-LVT e Câmara de Lisboa acordam medidas para qualidade do ar A CCDR-LVT e a Câmara de Lisboa celebraram a 16 de Setembro um protocolo que visa a adopção de medidas de melhoria da qualidade do ar no município, em particular nas principais artérias da cidade. Este é o primeiro protocolo a ser celebrado com uma autarquia, na sequência da aprovação do Plano de Melhoria da Qualidade do Ar na Região de Lisboa e Vale do Tejo, em Agosto. O protocolo prevê, entre outras medidas, a redução do tráfego automóvel de atravessamento da cidade, assim como o estacionamento, para além da redução e renovação da frota automóvel municipal e a promoção do uso dos transportes públicos. O tráfego automóvel é a principal fonte de emissão de diversos poluentes com impactos no ambiente e na saúde pública, entre eles as partículas inaláveis (PM10), onde se têm verificado as maiores ultrapassagens face aos valores limite previstos pela legislação nacional e comunitária. No caso da Avenida da Liberdade, considerada uma das mais poluídas da Europa, só em 2007 houve 149 excedências ao valor-limite diário para as partículas, quando o máximo pemitido é de 35 ao longo de um ano. Vice-presidente da CCDR-LVT há três anos Fernanda do Carmo na frente ribeirinha mais 30 contratos assinados No âmbito do Programa Operacional Regional de Lisboa / QREN foram assinados no passado dia 30 de Setembro contratos de financiamento relativos a quatro concursos. A cerimónia decorreu na Fundação Cidade de Lisboa, com a presença do ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Desenvolvimento Regional, Francisco Nunes Correia. Estiveram ainda presentes o secretário de Estado do Ordenamento do Território e Cidades, João Ferrão, o secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, Rui Nuno Baleiras, o secretário de Estado da Educação, Valter Lemos, e o secretário de Estado da Protecção Civil, José Miguel Medeiros, além do presidente da CCDR-LVT, António Fonseca Ferreira, e do presidente da Junta Metropolitana de Lisboa, Carlos Humberto Carvalho. Foram assinados com as entidades beneficiárias, na sua maior parte municípios, 30 contratos nas tipologias de: Requalificação da Rede Escolar do 1º. Ciclo do Ensino Básico e da Educação Pré-Escolar (14 Contratos); Parcerias para a Regeneração Urbana Frentes Ribeirinhas e Marítimas (6 Contratos); Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Imateriais (7 Contratos) e Mobilidade Territorial (3 Contratos). Fernanda do Carmo cessou funções como vice-presidente da CCDR-LVT, tendo assumido na passada semana o cargo de vogal de administração da Sociedade de Reabilitação Urbana Frente Tejo, SA. Na CCDR-LVT, Fernanda do Carmo era vice-presidente para as áreas do Ambiente e Ordenamento do Território desde Setembro de Ao longo do seu percurso profissional passou pelos Ministérios da Presidência (2005, adjunta do ministro) e da Administração Interna (integrada no Gabinete do Comandante-Geral da Guarda Nacional Republicana, ). Foi igualmente directora de Serviços Internos do Centro para o Planeamento e Coordenação do Instituto Geográfico Português ( ), assessora do secretário de Estado do Ordenamento do Território ( ) e técnica superior da CCDR-LVT e da Direcção Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano. O Programa Operacional Regional de Lisboa conta já com 30 concursos abertos e 23 com decisão, que correspondem a 185 candidaturas aprovadas. Dos 307 milhões de euros programados até 2013, 111 milhões já foram submetidos a concurso, estando mais de 60 milhões atribuídos. Como sublinhou o Ministro do Ambiente, a região de Lisboa encontra-se nos 20 por cento de execução do seu programa operacional, acima da média nacional de 16 por cento.

10 O mérito da discussão A denominação tem mudado. O estereótipo não. Aquilo a que se dá agora o nome de «bairros críticos», antes «problemáticos» (como quem diz «perigosos») ou «degradados» (como quem diz pobres) situa-se no pensar colectivo como uma espécie de nódoa na paisagem, uma fronteira intransponível na cidade, lá onde situamos isso a que chamamos «subúrbios», não por definição geográfica mas por deliberação de distância. Ocorrências recentes trouxeram esses lugares de fora para dentro do olhar do público para dentro dos muros da cidade. Para o meio de nós. Opinião Fernanda Câncio Fotografia CA, produções fotográficas

11 Estávamos em Julho quando as imagens de meia dúzia de homens aos tiros numa rua de um bairro social catapultava de novo o tema dos bairros «críticos» para a actualidade política e jornalística. Descobriu se então, de novo como sempre se descobrem as coisas quando se volta a falar delas, uma realidade feita de milhares de pessoas alguém saberá dizer quantas? a viver em bairros de realojamento, milhares de rendas em atraso e de fogos a precisar de obras, milhares de beneficiários do rendimento social de inserção que se suspeita viverem de expedientes e «não quererem trabalhar». Descobriu-se até que isso da pobreza e da destituição económica únicos motivos pelos quais o senso comum admite a concessão de uma habitação social pode compaginar-se com playstations e plasmas e casas que por dentro são, mais coisa menos coisa, como as de toda a gente «remediada», e com uma atitude reivindicativa e até altiva que no imaginário colectivo não condiz com a ideia de pobrezinhos. Depois, em Agosto, veio a «onda de criminalidade». E vieram também as grandes operações policiais nos bairros. Imagens nocturnas de pessoas desgrenhadas e crianças ensonadas à mistura com fardas negras, cães e armas, rusgas gigantes para mostrar ao país que a polícia não dorme nem deixa dormir «os maus», «os outros». Nestas coisas da criminalidade, é fundamental haver «outros»: pessoas e territórios, lugares exteriores onde se vai como ao estrangeiro, como a território inimigo, em incursões punitivas e/ou preventivas que mesmo que não surtam qualquer efeito na criminalidade visam reconfortar-nos a nós, que não somos «eles». No meio de tudo isto, discutiu-se, em jornais, talk-shows e colunas inflamadas, o critério, o motivo e o sentido dos programas de apoio social, das prestações e dos realojamentos. Enquanto uns retomavam, em diferentes declinações, a fórmula do Paulo Portas de 2002 («os ciganos do rendimento mínimo») e defendiam qualquer coisa como «abandonar os malandros à sua sorte», outros, como o historiador Rui Ramos, falavam das experiências feitas pelos cientistas sociais «de esquerda» e seu braço armado, o Estado, com «os pobres». Outros, claro, como o também historiador Rui Tavares, lembravam que isso de deixar os pobres à sua sorte já fora tentado e não dera grande resultado. Quando a discussão estava a ficar interessante, porém, parou. Porque apareceu outra coisa mais excitante para discutir. Ou porque era chegada a altura de, mais ou menos assente o que estava mal, era preciso discutir como fazer melhor. É pena. A discussão devia continuar. E devia trazer à colação um pouco menos de impressões e um pouco mais de realidade vertida em dados mensuráveis. Devia, por exemplo, comparar as conquistas na luta contra a pobreza nos diversos Estados membros da UE e concluir que nos países onde o nível de pobreza está abaixo da média europeia (que é de 16%) isso sucede devido a prestações sociais eficazes. Que esses países que, como a Irlanda, são apresentados sistematicamente como exemplos económicos, investem largamente na melhoria de vida das camadas menos abonadas da população e aplicam há décadas uma política de habitação social e até de rendas controladas, política essa que lhes permite evidenciar um nível de pobreza superior ao de Portugal antes das prestações e inferior após as prestações ou seja, as prestações

12 fazem toda a diferença. Que o problema estará não na existência de «ajudas» mas provavelmente na sua formulação, gestão e fiscalização. Que a erradicação das favelas é obrigatória em todos os países que querem merecer o epíteto de civilizados, e que nessa matéria, como de resto no que à pobreza diz respeito, Portugal fez progressos espantosos nos últimos vinte anos. A discussão devia prosseguir até à tentativa de perceber o que corre mal nos realojamentos. Até perceber se era possível correr realmente bem. Se a ideia de caridade, mesmo a caridade disseminada e sem rosto de um país inteiro, de institutos e autarquias, não transporta sempre consigo o gérmen de um ressentimento qualquer, por mais contraditório e até chocante que tal pareça. E que decerto continuar a estereotipar os bairros sociais e a sua população não é exactamente nem inteligente nem meritório e muito menos eficaz se a ideia é integrar e pacificar. O problema da descontrução de um estereótipo é que o resultado final tende a ser, justamente, o reforço desse mesmo estereótipo. Ou seja, como questionar e interrogar a ideia de bairros críticos sem a reificar? Impossível: qualquer discurso sobre o tema caminha neste paradoxo. Até porque, para ter esta conversa, é preciso admitir que há um problema. Que nestes lugares, de resto tão diversos entre si em tantos aspectos, há algo de comum. E que esse algo necessita de reflexão, de esforço, de soluções. Nenhuma forma pois de fugir a isto: esse nome que queremos desconstruir, esse estereótipo que queremos interrogar e perspectivar correspondem a algo de real. A qualquer coisa de crítico. Nenhuma forma também de evitar que esse gesto, essa atitude, a de isolar estes bairros como um problema a necessitar de solução, os afaste de nós no preciso momento em que deles nos aproximamos. Fazer de algo um objecto tem essa consequência: encontrar estranheza mesmo no que nos é comum. O que será pois um bairro crítico? E porque é que tendemos a identificar os bairros críticos com os subúrbios, e vice-versa? No livro de reportagem que escrevi sobre a noção (e a realidade) de subúrbio (Cidades sem nome/crónicas da vida suburbana CCDR-LVT 2005, Tinta da China 2008), constatei que ninguém ou quase ninguém está pronto a assumir que vive num subúrbio. «Subúrbios são os sítios onde não vivo», era uma espécie de mote do livro. Ninguém quer viver em sítios maus. O lugar onde se vive é o lugar que se escolheu, mal ou bem. Dizer mal é assumir um falhanço, um erro que num país em que a mobilidade habitacional é excepcionalmente reduzida corresponderia a assumir um falhanço sem remédio e portanto um desespero irredimível. Parece pois claro que a ideia de subúrbio, classicamente a querer dizer um lugar fora das muralhas (orbs) da cidade, portanto periférico e de certo modo inferior na sua distância ao centro, não é hoje intrinsecamente má ou boa, mesmo se mantém a ideia de uma ausência de qualificação (qualificada seria a cidade, em teoria). No livro citado escolhi de resto quatro exemplos o mais distintos possível de subúrbios o subúrbio clássico da Brandoa, uma zona rural que nos anos 60 foi loteada e sujeita a construção 10

13 clandestina em altura, o núcleo urbano consolidado suburbanizado pela proximidade de uma grande cidade (Vila Franca de Xira), o condomínio de propagandeado luxo a meia hora da capital (Belas Clube de Campo) e o subúrbio mental, social e económico do Bairro da Bela Vista (Setúbal). Mas as únicas pessoas que encontrei, no âmbito desta e de outras investigações, a assumir viverem em «sítios maus» foram os habitantes dos chamados bairros de realojamento esses bairros que, mesmo se colocados no centro de uma cidade (é aliás o caso do Bairro da Bela Vista), são sempre encarados como «subúrbios» sociais e mentais onde e em relação aos quais se constrói uma distância fantasmática. É como se os habitantes desses sítios se dessem licença para rejeitar o lugar onde vivem e portanto a sua vida, num processo de auto-condenação e de resignação que se dá a ver por exemplo na destruição de equipamentos, no desmazelo das casas que se vão degradando sem que haja por parte dos residentes, de um modo geral (há muitas excepções, claro), um gesto para o evitar. Há uma hipótese de motivo mais ou menos evidente para isso: os bairros de realojamento são sítios para onde se foi transportado por uma lógica exterior, a mando de, por ordem de. As pessoas podiam naturalmente recusar mas isso implicaria perderem a «barraca» sem nada em troca, recusarem uma casa barata/«dada» pela qual haviam esperado muitas vezes anos a fio como pelo paraíso. E que o desgosto que muitas delas viriam a sentir fosse prévio: na maioria dos casos as pessoas receberam a casa nova como uma coisa boa, uma nova oportunidade. Uma vida nova precisamente o que era suposto ser. Que foi, pois, que sucedeu para sobrevir o desgosto e a revolta? A pergunta tem uma resposta ainda mais difícil por ser óbvio que, apesar do que os seus habitantes sustentam, os bairros de realojamento não são, nem do ponto de vista urbanístico nem dos equipamentos, piores que tantos outros «empreendimentos» erguidos nas últimas três/quatro décadas nos arredores de Lisboa e Porto, de arquitecturas quase sempre insalubres e «equipamentos» quase sempre reduzidos ou inexistentes. E sem aquilo a que a socióloga Maria João Freitas, da administração do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana, chama a «cosedura territorial com o existente» a tal conexão com o território urbano consolidado, qualificado, prestigiado. Porque será então que quando se fala em «degradação urbana» se pensa nos chamados bairros de realojamento ou de «habitação social»? Se, como parece óbvio e Freitas faz questão de frisar, não existe no País, devido à proverbial deficiência de ordenamento e planeamento urbanístico, «grande diferença entre o desenho e a localização dos bairros sociais e os dos outros», porque será que a essa má imagem, exterior e interior, se colou só aos bairros ditos sociais, num processo de estigmatização que, frisa a socióloga, «lhes reforça a marginalização»? Autora de uma tese de doutoramento sobre as questões do realojamento e da integração, elaborada na perspectiva «de que era preciso aprender com o que se passara com as políticas francesas dos anos 60 e 70, para tentar não repetir os mesmos erros», Freitas, como as também sociólogas Isabel Guerra (do Centro de Estudos Territoriais do Instituto Superior de Ciências de Trabalho e Empresas) e Dulce Moura (hoje adjunta do secretário de Estado do Ordenamento), constatou que nos anos 90, com o PER (Programa Especial de Realojamento), Portugal copiou fórmulas 11

14 que se haviam já revelado penosamente erradas. A saber, «uma aposta na densificação e na homogeneidade», essa ideia que Isabel Guerra tão bem combateu na frase «as pessoas não são coisas que se metam em gavetas» quando descreve o acto de agarrar na população de um bairro de barracas e transferi-la para um bairro de prédios. Resultado: a «promoção social» almejada não se verifica, o estigma que pesava sobre o primeiro bairro transfere-se para o segundo. Um estigma que, como o antropólogo José Cavaleiro Rodrigues escreve em As lógicas sociais dos processos de realojamento (revista Comunidades e Territórios, 2003), passa muito pela avaliação dos próprios. Sentindo-se «roubados» da nova identidade social sonhada, desenvolvem um «processo acusatório» em relação aos vizinhos. A «sociabilidade e a solidariedade iniciais do bairro de barracas» são substituídas pela «generalização de formas de interacção negativas». É o «gosto pela casa e o desgosto pelo bairro» (mais uma síntese feliz de Guerra), que se dá a ver na destruição, pelos mais jovens, de tudo o que possa ser destruído nesse lugar maldito, das caixas de correio aos candeeiros e aos parques infantis. Uma auto-mutilação que reforça o estigma, num paradoxo que Maria João Freitas lê como uma forma de comunicar «abandono e desagrado». Como quem diz, olhem para o nojo de bairro em que vivemos. Olhem para o nojo que nos deram. Como é que podemos querer viver aqui? Como poderemos ser aqui felizes? «Diz-se que destroem aquilo que é seu», conclui Freitas. «Mas se calhar não sentem aquilo como seu». A casa nova, de que se reclamou incessantemente o direito adquirido, não é afinal a «sua» casa, mas aquela que uma sociedade sem rosto entrega como penhor de uma qualquer «culpa». Uma esmola que ao invés de colmatar a exclusão a confirma e se transforma numa desculpa, em mais um factor adverso, mais um motivo para desistir. O problema da descontrução de um estereótipo é que o resultado final tende a ser, justamente, o reforço desse mesmo estereótipo. Ou seja, como questionar e interrogar a ideia de bairros críticos sem a reificar? Impossível: qualquer discurso sobre o tema caminha neste paradoxo. Até porque, para ter esta conversa, é preciso admitir que há um problema. Que nestes lugares, de resto tão diversos entre si em tantos aspectos, há algo de comum. E que esse algo necessita de reflexão, de esforço, de soluções. Trata-se, afinal, de um processo muito simples e compreensível: chama-se desilusão. Uma desilusão que reforça os sentimentos pelo bairro abandonado, o sítio de onde se foi expulso. Tem de haver sempre um paraíso e se enquanto estavam no bairro antigo os habitantes dos bairros sociais sonhavam com a casa nova, na casa nova (agora menos nova) sonham com o bairro que construíram com as suas mãos, onde não tinham luz nem água corrente nem banheira nem esgotos mas onde se lembram de ter sido felizes. É significativo que nos 10 documentários que, com Abílio Leitão, fiz para a RTP2 (A vida normalmente, exibidos em Setembro/ Outubro de 2008) e que, precisamente, tinham como objectivo programático um olhar interior e desejavelmente desconstrutor de estereótipos dos bairros ditos críticos; o único bairro em que os habitantes afirmaram um apego visceral é o da Cova da Moura, um bairro auto-construído que tem objectivamente, tanto do ponto de vista da tipologia das casas como dos arruamentos, muitos menos condições que a generalidade dos bairros sociais. Estranho, isto. Amargo, até. O bem que se quis fazer porque foi por bem que se destruíram os ditos bairros de barracas e se investiu em novos alojamentos, a estrear resultou assim. Talvez, afinal, as pessoas tenham necessidade de sentir que o que têm se deve a mérito seu, a trabalho seu, a escolha sua. Talvez não se possa decidir-lhes a vida imperialmente, por melhores que sejam as intenções. Talvez tenhamos de pensar isto tudo melhor. Mais e melhor. Todos, incluindo os que se comprazem nas desculpas e os que apostam no abandono. Porque não há problemas que se resolvam colocando-os fora da vista não há sequer isso, fora da vista. Estamos todos na mesma cidade. 12

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

IISEMANA 13 DE ABRIL / 15H00 SESSÃO DE ABERTURA DA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA

IISEMANA 13 DE ABRIL / 15H00 SESSÃO DE ABERTURA DA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA INSTITUTO DA CONSTRUÇÃO E DO IMOBILIÁRIO IISEMANA DARE- ABILITAÇÃO ASSIMFOI URBANA 13 DE ABRIL / 15H00 SESSÃO DE ABERTURA DA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA C o n f e r ê n c i a s E x p o s i

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

08/Junho/2011 5ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO

08/Junho/2011 5ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO 08/Junho/2011 5ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO Aprovação do Relatório de Execução de 2010 Estrutura do Relatório de Execução 2010 Estrutura do Relatório de Execução de 2010 do PORL: 1. Apresentação

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 1783 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Decreto n.º 7/2008 de 27 de Março A rede ferroviária de alta velocidade constitui um empreendimento público de excepcional interesse nacional

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

7.ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ARQUITECTURAS

7.ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ARQUITECTURAS UMA INICIATIVA INTEGRADA NA: URBAVERDE FEIRA DAS CIDADES SUSTENTÁVEIS ª 7.ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ARQUITECTURAS ARRENDAMENTO E REABILITAÇÃO: DINAMIZAR O MERCADO, REGENERAR A CIDADE 12 de Abril de

Leia mais

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Consórcio CGD/IHRU TEKTÓNICA 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Consórcio IHRU/GCGD 18 de Abril de 2012 1 Portugal Evolução de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE IDEIAS CIDADES CRIATIVAS, REFLEXÃO SOBRE O FUTURO DAS CIDADES PORTUGUESAS

REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE IDEIAS CIDADES CRIATIVAS, REFLEXÃO SOBRE O FUTURO DAS CIDADES PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE IDEIAS CIDADES CRIATIVAS, REFLEXÃO SOBRE O FUTURO DAS CIDADES PORTUGUESAS Dirigido aos alunos do 12.º ano da área curricular não disciplinar de Área de Projecto - 1.ª

Leia mais

Senhor Ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Senhor Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia,

Senhor Ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Senhor Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, ATO DE POSSE, 9 DE AGOSTO 2013 Emídio Gomes Presidente da CCDR-N Senhor Ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Senhor Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Senhor Secretário

Leia mais

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008 1. INTRODUÇÃO Em apenas 5 anos os OPEN DAYS Semana Europeia das Regiões e Cidades tornaram-se um evento de grande importância para a demonstração da capacidade das regiões e das cidades na promoção do

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República Continuarei a percorrer o País, de Norte a Sul, a apelar à união de esforços, a levar uma palavra de esperança e a mostrar bons exemplos de resposta à crise. Discurso de Sua Excelência o Presidente da

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional Intervenção do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional

Leia mais

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 17 AGOSTO DE 2011

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 17 AGOSTO DE 2011 REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 17 AGOSTO DE 2011 A Câmara deliberou, por unanimidade, justificar a falta do Senhor Presidente e do Vereador Senhor Eng.º Sérgio Manuel

Leia mais

RECEPÇÃO AO EMBAIXADOR DE ANGOLA

RECEPÇÃO AO EMBAIXADOR DE ANGOLA INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais RECEPÇÃO AO EMBAIXADOR DE ANGOLA LOCAL: Tagus Parque REALIZADO A: 12 de Fevereiro de 2010 Pelas: 12,00 Horas Senhor

Leia mais

IISEMANA 15 DE ABRIL / 14H30 CONFERÊNCIA SOLOS, REABILITAÇÃO E PERIFERIAS

IISEMANA 15 DE ABRIL / 14H30 CONFERÊNCIA SOLOS, REABILITAÇÃO E PERIFERIAS INSTITUTO DA CONSTRUÇÃO E DO IMOBILIÁRIO IISEMANA DARE- ABILITAÇÃO ASSIMFOI URBANA 15 DE ABRIL / 14H30 CONFERÊNCIA SOLOS, REABILITAÇÃO E PERIFERIAS C o n f e r ê n c i a s E x p o s i ç õ e s Te r t ú

Leia mais

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

Licenciamento comercial online chega a todo país Jornal Negócios 09-03-15 Filomena Lança filomenalanca@negocios.pt MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

Licenciamento comercial online chega a todo país Jornal Negócios 09-03-15 Filomena Lança filomenalanca@negocios.pt MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Licenciamento comercial online chega a todo país Jornal Negócios 09-03-15 Filomena Lança filomenalanca@negocios.pt MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Contribuintes podem ir ao site do Fisco nos Espaços do Cidadão

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

ESPECIAL DIVULGAÇÃO DO PROJECTO. O projecto foi dividido em 3 componentes, nomeadamente: Portugal França Holanda Luxemburgo BOLETIM SEMANAL MDC

ESPECIAL DIVULGAÇÃO DO PROJECTO. O projecto foi dividido em 3 componentes, nomeadamente: Portugal França Holanda Luxemburgo BOLETIM SEMANAL MDC BOLETIM SEMANAL MDC ESPECIAL 19 Fev. 2015 Nº 2 DIVULGAÇÃO DO PROJECTO O projecto foi dividido em 3 componentes, nomeadamente: O Projecto RCCVGM, que teve como propósito o apoio à reintegração económica

Leia mais

especiais por ano, garantindo a máxima capacidade de transporte para jogos de futebol, concertos e outras celebrações de massas.

especiais por ano, garantindo a máxima capacidade de transporte para jogos de futebol, concertos e outras celebrações de massas. O Metro do Porto O Metro é um sistema de transportes públicos da Área Metropolitana do Porto e combina uma rede ferroviária subterrânea, no centro da cidade, com linhas à superfície em meio urbano e diversos

Leia mais

ÍNDICE: Novembro de 2009

ÍNDICE: Novembro de 2009 ÍNDICE: 1. Início Ano Lectivo 2. Portugal Tecnológico 3. Gripe A Plano Contingência 4. Espaço de Leitura 5. Sonangol 6. Novos Órgãos Sociais da ETLA 7. Medalha de Mérito Concelho de Santiago do Cacém 8.

Leia mais

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

Discurso do Secretário de Estado do Emprego. Octávio Oliveira. Dia Nacional do Mutualismo. 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa

Discurso do Secretário de Estado do Emprego. Octávio Oliveira. Dia Nacional do Mutualismo. 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa Discurso do Secretário de Estado do Emprego Octávio Oliveira Dia Nacional do Mutualismo 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa Muito boa tarde a todos! Pretendia começar por cumprimentar o Senhor Presidente

Leia mais

Novo Aeroporto de Lisboa e privatização da ANA

Novo Aeroporto de Lisboa e privatização da ANA Novo Aeroporto de Lisboa e privatização da ANA O turismo de Portugal não precisa de uma cidade aeroportuária nem de um mega aeroporto; O desenvolvimento do turismo de Portugal, num quadro de coesão territorial

Leia mais

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores,

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Boa tarde Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Deixem-me dizer-vos que é para mim uma honra participar, na

Leia mais

Excelentíssimo Senhor. Presidente da República Portuguesa. Doutor Aníbal Cavaco Silva

Excelentíssimo Senhor. Presidente da República Portuguesa. Doutor Aníbal Cavaco Silva Excelentíssimo Senhor Presidente da República Portuguesa Doutor Aníbal Cavaco Silva Assunto: carta aberta sobre riscos e oportunidades do novo pacote de Reabilitação Urbana. Pedido de ponderação do exercício

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5 Tema de pesquisa: Internacional 25 de Setembro de 2012 Revista de Imprensa 25-09-2012 1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1 2. (PT) - Jornal de Negócios - Negócios Mais, 25/09/2012, Bluepharma

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe. Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo

Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe. Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo Senhores Ministros Senhores Embaixadores Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo Senhora representante da Comissão

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

INDUSCRIA. PLATAFORMA PARA AS INDÚSTRIAS CRIATIVAS Um Contributo para as Novas Geografias Cosmopolitas

INDUSCRIA. PLATAFORMA PARA AS INDÚSTRIAS CRIATIVAS Um Contributo para as Novas Geografias Cosmopolitas OS CONSULTORES Instituicões & Empresas Associadas: GAB. COORDENADOR da ESTRATÉGIA DE LISBOA e do PLANO TECNOLÓGICO CEDRU_Centro de Estudos e Desenvolv. Regional e Urbano McKINSEY & Company PLMJ ASSOCIADOS_Sociedade

Leia mais

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020 Dotação financeira: 2.155 M FEDER: 1.751

Leia mais

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS:

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: Bairro da Laje, freguesia de Porto Salvo: - Parque Urbano Fase IV Os Arranjos Exteriores do Parque Urbano Fase IV do bairro da Laje, inserem-se num vasto plano de reconversão

Leia mais

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições.

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições. 1. No dia 4 de Dezembro, a União Distrital de Santarém em parceria com Segurança Social, levou a efeito o ultimo dos 5 encontros realizados em várias zonas do distrito, sobre o tema "Encontros de Partilha",

Leia mais

Decreto-Lei n.º 168/2007, de 3 de Maio, Aprova a orgânica do Instituto Português da Juventude, I. P (JusNet 1078/2007)

Decreto-Lei n.º 168/2007, de 3 de Maio, Aprova a orgânica do Instituto Português da Juventude, I. P (JusNet 1078/2007) LEGISLAÇÃO Decreto-Lei n.º 168/2007, de 3 de Maio, Aprova a orgânica do Instituto Português da Juventude, I. P (JusNet 1078/2007) ( DR N.º 85, Série I 3 Maio 2007 3 Maio 2007 ) Emissor: Presidência do

Leia mais

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais

2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA

2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA 2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA Gestão Inteligente e Competitividade 15 de Setembro 2011 Museu da Carris Conheça as estratégias nacionais e internacionais para uma gestão eficiente da mobilidade urbana

Leia mais

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Plano de Ação para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal 2014-2020 Braga, 15 de janeiro 2014 Nuno Fazenda Turismo de Portugal, I.P. TURISMO Importância económica

Leia mais

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Cidade de Guimarães Faixas Etárias do Concelho 65 ou mais 24-64 anos 15-24 anos 0-14 anos 0 20000 40000 60000 80000 100000 População do Concelho 159.576

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA 1 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA ACTA Nº 26/2006 - DEZEMBRO --- DATA DA REUNIÃO: Sete de Dezembro de dois mil e seis. ------------------------- --- LOCAL DA REUNIÃO: Sala

Leia mais

JESSICA no BPI. Tektónica 2012 Seminário Apoios à Reabilitação de Edifícios. FIL Lisboa, 09 Mai 2012

JESSICA no BPI. Tektónica 2012 Seminário Apoios à Reabilitação de Edifícios. FIL Lisboa, 09 Mai 2012 JESSICA no BPI Tektónica 2012 Seminário Apoios à Reabilitação de Edifícios FIL Lisboa, 09 Mai 2012 ÍNDICE 1. JESSICA em Portugal 2. JESSICA no BPI 3. JESSICA para o público-alvo da Tektónica 4. Requisitos

Leia mais

Conselho Regional da RLVT. Referencial para a elaboração do Plano de Ação Regional de Lisboa, 2014-20

Conselho Regional da RLVT. Referencial para a elaboração do Plano de Ação Regional de Lisboa, 2014-20 Conselho Regional da RLVT Referencial para a elaboração do Plano de Ação Regional de Lisboa, 2014-20 19 de fevereiro de 2013 Domínios-Chave Crescimento Inteligente Crescimento Inclusivo Crescimento Sustentável

Leia mais

Portugal está quase lá ENTREVISTA

Portugal está quase lá ENTREVISTA Pág: 12 Área: 19,00 x 26,00 cm² Corte: 1 de 6 ENTREVISTA DeF Portugal está quase lá Não somos os melhores na produtividade, na riqueza, na organização empresarial, na capacidade de confiarmos uns nos outros,

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO No âmbito do procedimento de consulta pública do Plano Estratégico de Transportes 2008-2020 (PET), vem a Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza apresentar o seu parecer. SOBRE OS PRESSUPOSTOS

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Semana Pelo Combate à Pobreza e à Exclusão Social 10 a 19 de outubro de 2015

Semana Pelo Combate à Pobreza e à Exclusão Social 10 a 19 de outubro de 2015 0 a 9 de outubro de 05 Pelo Combate à Pobreza e à Exclusão Social * I Descrição do Projeto O Ano Europeu do Combate à Pobreza e à Exclusão Social (AECPES), celebrado em 00, teve como objetivo reafirmar

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa *Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Financiamento Regional e Portugal 2020. Alexandra Rodrigues Seminário CTCV

Financiamento Regional e Portugal 2020. Alexandra Rodrigues Seminário CTCV Financiamento Regional e Portugal 2020 Alexandra Rodrigues Seminário CTCV 9 abril 2015 Foco Temático no conjunto dos FEEI Sustentabilidade e eficiência no Uso de Recurso 6.259 M 25% Competitividade e Internacionalização

Leia mais

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A.

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A. Portugal 2020 Os Nossos Serviços Onde pode contar connosco? Lisboa Leiria Braga Madrid As Nossas Parcerias Institucionais Alguns dos Nossos Clientes de Referência Bem Vindos à Areagest Índice O QREN;

Leia mais

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 18 dezembro 2014 Colocar os setores do Comércio, Serviços e Restauração virado para o exterior e a liderar a retoma económica

Leia mais

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Carlos Nuno Castel-Branco 2 24-03-2011 Introdução A discussão da ligação entre educação, crescimento económico e desenvolvimento precisa

Leia mais

ajudam a lançar negócios

ajudam a lançar negócios Capa Estudantes portugueses ajudam a lançar negócios em Moçambique Rafael Simão, Rosália Rodrigues e Tiago Freire não hesitaram em fazer as malas e rumar a África. Usaram a sua experiência para construírem

Leia mais

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu RESUMO Ao longo dos séculos, as bibliotecas, os arquivos e os museus em toda a

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA.

Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA. CIP FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA UM NOVO PASSO Seminário 16 de abril de 2012 Intervenção do Presidente da CIP Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA.

Leia mais

Apoios à Reabilitação de Edifícios: a iniciativa Jessica Seminário Tektónica 2012. 9 Maio 2012, FIL, Lisboa

Apoios à Reabilitação de Edifícios: a iniciativa Jessica Seminário Tektónica 2012. 9 Maio 2012, FIL, Lisboa Apoios à Reabilitação de Edifícios: a iniciativa Jessica Seminário Tektónica 2012 9 Maio 2012, FIL, Lisboa Intervenção de ÁLVARO SANTOS Chefe de Gabinete do Secretário de Estado Adjunto da Economia e Desenvolvimento

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Odivelas 2010/2013

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Odivelas 2010/2013 Regimento do Conselho Municipal de Educação de Odivelas 2010/2013 O Decreto-Lei n.º 7/2003, de 15 de Janeiro, tem por objecto os Conselhos Municipais de Educação, regulando as suas competências e composição,

Leia mais

A Participação Cívica dos Jovens

A Participação Cívica dos Jovens A Participação Cívica dos Jovens 2 Parlamento dos Jovens 2009 Nos dias 25 e 26 de Maio de 2009, realizou-se em Lisboa, no Palácio de São Bento, a Sessão Nacional do Parlamento dos Jovens 2009 do Ensino

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA 2015 CONSTITUIÇÃO DO JÚRI Joaquim Sérvulo Rodrigues Membro da Direcção da COTEC Portugal, Presidente do Júri; Carlos Brazão Director Sénior de Vendas

Leia mais

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES NAS EMPRESAS PLANEAR PARA A REDUÇÃO DE CUSTOS E OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES 19 e 20 Fevereiro 2013 Auditório dos CTT- Correios de Portugal Lisboa Horário Laboral: 09h30

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA CÂMARA MUNICIPAL REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIDIGUEIRA

MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA CÂMARA MUNICIPAL REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIDIGUEIRA REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIDIGUEIRA A Lei nº.159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, n.º. 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

25 Anos na União Europeia 25 Anos de Instituto Europeu. Onde estamos? Para onde vamos? Congresso Internacional

25 Anos na União Europeia 25 Anos de Instituto Europeu. Onde estamos? Para onde vamos? Congresso Internacional Organização: 25 Anos na União Europeia 25 Anos de Instituto Europeu Onde estamos? Para onde vamos? Congresso Internacional 28, 29 e 30 de Nov. de 2011 Auditório da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

Palmela, Cidade Europeia do Vinho 2012

Palmela, Cidade Europeia do Vinho 2012 Palmela, Cidade Europeia do Vinho 2012 RELATÓRIO Câmara Municipal de Palmela 15 março 2013 Palmela, Cidade Europeia do Vinho Palmela foi, em 2012, a primeira cidade europeia do vinho, título atribuído

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP Intervenção do Secretário Executivo da CPLP Senhor Presidente, Senhores Ministros, Senhor Secretário de Estado do Turismo, Senhores Embaixadores Senhores Representantes

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Inclusão Social e Emprego Eixo 5 - Emprego e Valorização Económica dos Recursos Endógenos Objectivo Temático 8 - Promoção da sustentabilidade e qualidade

Leia mais

Resumo de Imprensa. Quinta-feira, 19 de Junho de 2008

Resumo de Imprensa. Quinta-feira, 19 de Junho de 2008 Resumo de Imprensa Quinta-feira, 19 de Junho de 2008 DIÁRIO ECONÓMICO 1. Setenta respostas sobre as mudanças na função pública. Últimas medidas arrancam em Janeiro (págs. 1, 14 a 21) Aumentos, reformas,

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

Gabinete de Planeamento Estratégico. Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela

Gabinete de Planeamento Estratégico. Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela Gabinete de Planeamento Estratégico Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela Em 2003, o Município de Palmela tomou a decisão de proceder à revisão

Leia mais

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005, Bissau/2006 e Lisboa/2007) Artigo 1º (Denominação) A Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Id Serviços de Apoio

Id Serviços de Apoio Id Serviços de Apoio Cafetaria do Museu Calouste Gulbenkian e seu prolongamento no jardim. Serviços Centrais Valores em euros Encargos com pessoal 6 219 770 Despesas de funcionamento 9 606 628 Investimento

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

ser difundida para a população: ainda há esperança. Somos capazes de alterar o destino das gerações futuras, dar-lhes um futuro melhor.

ser difundida para a população: ainda há esperança. Somos capazes de alterar o destino das gerações futuras, dar-lhes um futuro melhor. Um futuro melhor Várias vezes me questiono se algum dia serei capaz de me sentir completamente realizada, principalmente quando me encontro entregue somente aos meus pensamentos mais profundos. E posso

Leia mais

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo?

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo? Gostaríamos de iniciar a resposta a este questionário com uma nota prévia relativamente às questões que nos foram colocadas: as questões da discriminação e do racismo constituem, desde o surgimento desta

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

Entrevista Álvaro Barbosa, Director da Faculdade. das Indústrias Criativas. da Universidade de São José

Entrevista Álvaro Barbosa, Director da Faculdade. das Indústrias Criativas. da Universidade de São José Correspondente especial Vanessa Amaro www.usj.edu.mo Formar talentos para contribuir para o sucesso das indústrias criativas em Macau Entrevista Álvaro Barbosa, Director da Faculdade das Indústrias Criativas

Leia mais

INICIATIVAS URBAVERDE

INICIATIVAS URBAVERDE Evento: 7ª UrbaVerde Feira das Cidades Sustentáveis Organização: Jornal Arquitecturas Datas: dias 23, 24 e 25 de Fevereiro de 2011 Local: Centro de Congressos do Estoril A 7ª UrbaVerde, composta por um

Leia mais

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito?

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito? Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões Ultraperiféricas e Cabo Verde: O que foi feito? O que está a ser fit? feito? Resolução do Conselho do Governo nº41/2008,

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

1º - PONTO CRIAÇÃO DE EMPRESA INTERMUNICIPAL DE CAPITAIS PÚBLICOS PARA O ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO

1º - PONTO CRIAÇÃO DE EMPRESA INTERMUNICIPAL DE CAPITAIS PÚBLICOS PARA O ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO 13ª - 19/06/2006 ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE MONTEMOR-O-NOVO REALIZA- DA NO DIA DEZANOVE E DOIS DE JUNHO DE DOIS MIL E SEIS Aos dezanove dias do mês de Junho do ano dois mil e

Leia mais