UNIVERSIDADE DO MINHO Instituto de Educação e Psicologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO MINHO Instituto de Educação e Psicologia"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO MINHO Instituto de Educação e Psicologia FORMAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE(S) Um Estudo de Caso centrado numa Equipa Multidisciplinar Dissertação apresentada à Universidade do Minho, para a obtenção do grau de Doutora em Educação, na Área de Especialização de Desenvolvimento Curricular, sob orientação do Professor Doutor José Alberto Correia e do Doutor Didier Demazière. Ana Maria Carneiro da Costa e Silva BRAGA, Abril 2005

2 É autorizada a reprodução parcial desta Dissertação apenas para efeitos de investigação e mediante declaração escrita do interessado que a tal se compromete. A reprodução de qualquer um dos anexos deste volume é expressamente proibida.

3 À memória dos meus pais, Joaquim e Francisca, de quem aprendi o sentido e as emoções das pequenas grandes coisas da vida. iii

4 AGRADECIMENTOS O espaço é reduzido e a memória pode atraiçoar-nos, agora, para deixarmos registo e, sobretudo, o reconhecimento do muito que pudemos experienciar de interlocutores vários que nos acompanharam nesta caminhada, cuidando de não nos deixarem sós, tanto no trabalho intelectual como nas lides afectivas. Em primeiro lugar, as pessoas que participaram de uma forma directa na nossa investigação co-autoras anónimas neste trabalho sem as quais não teria sido possível a sua realização, a quem agradecemos o tempo e a vida (ou parte dela) que quiseram partilhar connosco. O Professor Doutor José Alberto Correia, a relação dialogante e o apoio competente, a confiança e o estímulo que persistentemente, ao longo da nossa trajectória de formação, têm constituído uma fonte permanente na procura de sentido(s). O Doutor Didier Demazière, a sua disponibilidade pessoal e institucional, a sua escuta activa e crítica e a abertura de caminhos na reflexão e aprofundamento das metas a que nos propúnhamos. O Professor Doutor José Augusto Pacheco, a compreensão, a confiança e a disponibilidade para acolher e apoiar, para acompanhar e estimular, para abrir caminhos e acreditar nas nossas opções. Os (e as) colegas do Departamento de Currículo e Tecnologia Educativa que nos acompanharam neste processo com importantes estímulos, explícitos ou implícitos, mas sempre mobilizadores para o investimento no trabalho em que nos empenhávamos. iv

5 A Universidade do Minho, instituição a que pertencemos e o Instituto de Educação e Psicologia, que nos concedeu condições essenciais para realizar o trabalho de investigação, nomeadamente a concessão da dispensa de serviço docente. A Fundação para a Ciência e a Tecnologia, cujo apoio foi essencial, através da concessão de uma bolsa de investigação que nos permitiu contactos fundamentais com outras instituições e investigadores estrangeiros, concretamente no Laboratório Printemps com diversos investigadores a ele associados, e cujos espaços-tempos com eles partilhados, em seminários e contactos informais, constituíram estimulantes e motivadoras oportunidades de reflexão sobre a temática que procurávamos aprofundar. Os amigos e os familiares que persistentemente partilharam connosco a compreensão, o carinho e o estímulo indispensáveis nesta trajectória errante. O Henrique, o companheiro de todos os momentos. v

6 RESUMO Este trabalho assume como eixo central a relevância da formação na sociedade contemporânea. Dominados pela urgência da intervenção formativa que decorre dos apelos à aprendizagem ao longo da vida, as organizações e os indivíduos vêm-se confrontados com um modelo de sujeito aprendente, cuja incidência nos merece particular atenção. No trabalho que agora apresentamos incidimos num estudo de caso uma equipa multidisciplinar da administração pública no qual perscrutamos as lógicas subjacentes aos processos de formação, quer dos indivíduos e suas disposições, quer da organização e seus dispositivos, lógicas que se articulam com o trabalho e a profissão e dão conta de (pre)disposições diversificadas por parte dos indivíduos. O estudo que realizámos inscreve-se no paradigma de investigação qualitativa. Tendo sido mobilizadas um conjunto de técnicas e instrumentos no acesso à informação, privilegiámos as narrativas biográficas, centradas nas trajectórias de formação e profissionais, como especialmente pertinentes para o acesso aos significados relevantes do ponto de vista dos indivíduos e das suas experiências biográficas. A epistemologia interpretativa, que nos orientou na análise dos dados de investigação através do recurso à categorização emergente, à comparação constante e à análise estrutural do discurso, permitiu-nos a construção de um texto analíticointerpretativo que visa dar conta de diversas categorias emergentes dos discursos e dos sentidos vividos nas trajectórias biográficas individuais. Salientam-se como elementos relevantes, emergentes da experiência vivida e dos sentidos expressos, lógicas diversificadas e trajectórias idiossincráticas, mas todas elas entrelaçadas por relações densas entre espaços-tempos de formação e espaços-tempos de trabalho. São espacialidades e temporalidades frequentemente heterogéneas; no entanto, povoadas de acções e interacções que contribuem para dinâmicas identitárias (re)construídas no âmago de negociações intensas entre o interior e o exterior, entre expectativas e possibilidades, entre identidade para si e identidade para o outro, ao longo das trajectórias biográficas singulares que desafiam a um olhar crítico para os desígnios da educação e da formação. vi

7 ABSTRACT This work has, as a central core, the relevance of training in contemporary society. Dominated by the urgency of training intervention that comes from the appeals of life-long learning, organizations and individuals are confronted with a model of a learning subject, the incidence of which merits particular attention. In the work we are now presenting, we focus on a case study a multi-disciplinary team of public administration in which we investigate the logics subjacent to training processes, either of individuals and their dispositions, or the organization and its devices, logics that articulate with the work and the profession and take into account diverse (pre)dispositions on the part of the individuals. The study we accomplished is inscribed in the paradigm of qualitative research. Having a group of techniques and tools in accessing information been mobilized, we privileged biographical narratives, centered on the training and professional trajectories, especially pertinent to access relevant meanings from the point of view of individuals and their biographical experiences. The interpretative epistemology, that oriented us in the analysis of the research data through recourse to the emerging categorization, to constant comparison, and to structural analysis of the discourse, allowed the construction of an analyticinterpretative text that has in mind taking into account diverse emerging categories of the discourses and the experienced meanings in the individual biographical trajectories. Diverse logics and idiosyncratic trajectories are enhanced as relevant elements, emerging from lived experience and from expressed meanings, but all of them intertwined by dense relationships between space-times of training and space-times of work. They are frequently heterogeneous spaces and times; however, filled with actions and interactions that contribute to identity dynamics (re)constructed in the heart of intense negotiations between the internal and the external, between expectations and possibilities, between self-identity and identity towards others, throughout the singular biographical trajectories that challenge a critical look for the aims of education and training. vii

8 RESUME L importance de la formation dans la société contemporaine constitue l axe central de ce travail. Dominés par l urgence de l intervention formative qui découle des appels à «l apprentissage tout au long de la vie», les organisations et les individus se retrouvent confrontés à un modèle de «sujet apprenant», dont l incidence mérite une attention toute particulière de notre part. Dans ce travail, nous nous sommes basés sur l étude de cas d une équipe multidisciplinaire de l administration publique, étude dans laquelle nous avons examiné les logiques sous jacentes aux processus de formation, que ce soit ceux des individus et de leurs dispositions ou ceux de l organisation et de ses dispositifs. Ces logiques s articulent avec le travail et la profession et rendent compte de (pré)dispositions diversifiées de la part des individus. L étude que nous sommes réalisés s inscrit dans le paradigme d une recherche qualitative. Un ensemble de techniques et d instruments ayant été mobilisé pour l accès à l information, nous avons privilégié les narratives biographiques centrées sur les trajectoires de formation et les trajectoires professionnelles, celles-ci étant tout particulièrement pertinentes pour l accès aux significations les plus marquantes du point de vue des individus et de leurs expériences biographiques. L épistémologie interprétative, qui nous a orientés dans l analyse des données de recherche à travers le recours à la catégorisation émergente, à la comparaison constante et à l analyse structurelle du discours, nous a permis de construire un texte analytique/interprétatif qui tend à rendre compte des diverses catégories émergentes des discours et des sens vécus lors des trajectoires biographiques individuelles. Nous soulignons, en tant qu éléments relevants, issus de l expérience vécue et des sens exprimés, les logiques diversifiées et les trajectoires idiosyncrasiques, toutes reliées par des relations denses entre espaces-temps de formation et espaces-temps de travail. Ce sont des spatialités et des temporalités fréquemment hétérogènes bien que peuplées d actions et d interactions qui contribuent à des dynamiques identitaires (re)construites au cœur de négociations intenses entre l intérieur et l extérieur, entre attentes et possibilités, entre identité pour soi et identité pour l autre, le long de trajectoires biographiques singulières qui déclenchent un regard critique pour les objectifs de l éducation et de la formation. viii

9 ÍNDICE AGRADECIMENTOS... RESUMO... ABSTRACT... RESUME... iv vi vii viii INTRODUÇÃO PRIMEIRA PARTE FUNDAMENTAÇÃO E CONTEXTUALIZAÇÃO TEÓRICA, PRAGMÁTICA E METODOLÓGICA DO ESTUDO CAPÍTULO 1 FUNDAMENTAÇÃO DO ESTUDO Introdução Referentes para a compreensão do Estudo Campo dos Estudos Curriculares Construção de identidade(s) Formação, trabalho e trajectórias de vida Macro contextos sociais, económicos e culturais e dinâmicas identitárias Referentes para a realização do Estudo Do sentido para a investigadora Do sentido para as autoras participantes Do sentido para a compreensão e para a construção da práxis de/em formação CAPÍTULO 2 CONTEXTUALIZAÇÃO METODOLÓGICA DO ESTUDO DE CASO Introdução Convicção, oportunidade e desafio para investigar qualitativamente O Estudo de Caso Contextualização e caracterização do Caso em estudo O percurso da investigação Estratégias de investigação Fontes de informação e amostragem teórica Técnicas e instrumentos de recolha de informação Entrevista semi-estruturada Pesquisa documental Observação directa Narrativas biográficas orais e escritas Tratamento e análise dos dados A equipa multidisciplinar ix

10 Constituição da EMAT: enquadramento legal e funcional na organização Caracterização da EMAT e das Técnicas que integraram a amostra teórica Sumário SEGUNDA PARTE FORMAÇÃO, TRABALHO E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE(S) CAPÍTULO 3 PROFISSÃO E IDENTIDADE NO TRABALHO Introdução Profissionalização, profissionalismo e identidade: a profissão da relação e de serviço Trabalho, emprego e identidade Trajectórias profissionais e construção de identidades Nómadas por opção Nómadas por necessidade Expectantes O sentido do trabalho e construção de identidade(s) Conteúdo de trabalho e condições para a sua realização O trabalho valorizado e o trabalho constrangedor Tensões e alianças no trabalho: estratégias de (re)construção da profissionalidade Inconformismo Ajustamento Afinidade Sumário CAPÍTULO 4 CONTEXTO DE TRABALHO E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE(S)... Introdução A Organização enquanto sistema cultural, simbólico e imaginário Contexto de trabalho e instâncias mediadoras: organização, equipa e indivíduo A Organização A Equipa Os Indivíduos Relações e emoções no contexto de trabalho Contexto de trabalho: espaço-tempo de (re)construção de representações e de identidade(s) Identidade estruturada no ofício Identidade estruturada no colectivo de trabalho Identidade estruturada na função Sumário x

11 CAPÍTULO 5 FORMAÇÃO, TRABALHO E DINÂMICAS IDENTITÁRIAS Introdução Formação e trabalho: entre encontros prováveis e trajectórias possíveis Da qualificação aos saberes para o trabalho concreto Contextos de formação e de aprendizagem: onde e como se aprende? Dinâmica da Organização de trabalho na construção/renovação dos saberes Produção de saberes a partir de situações de trabalho Os saberes individuais e os saberes do colectivo de trabalho Comunicação e/no trabalho: da partilha do saber à tomada de decisões O sentido da multidisciplinaridade como categoria cognitiva e epistemológica e/ou como categoria sociocomunicacional Formação e construção de identidade(s): porquê e para quê decidir-se a formar-se? Formação: um investimento pessoal Formação: um investimento na actividade profissional Formação: um investimento na trajectória profissional Sumário CAPÍTULO 6 OS MUNDOS SOCIOPROFISSIONAIS: SENTIR, ENCONTRAR, FAZER Introdução O mundo do Sentir O mundo do Encontrar O mundo do Fazer Mundos socioprofissionais e formas identitárias Sumário CAPÍTULO 7 CONCLUSÃO ANEXOS BIBLIOGRAFIA GERAL Livros, Capítulos de Livros e Artigos citados Legislação Consultada e Referenciada Outros Documentos e Textos citados não Oficiais xi

12 ÍNDICE DE QUADROS E TABELAS Capítulo 2 Quadro 2.1 Crenças básicas do Paradigma Construtivista Quadro 2.2 Critérios de excelência nas metodologias qualitativas e nas metodologias quantitativas Quadro 2.3 Perfil da Investigação Qualitativa Quadro 2.4 Processo de aproximação e permanência no campo: acesso à informação e construção da amostragem teórica Quadro 2.5 Caracterização da amostra teórica Quadro 2.6 Situação jurídico-profissional das Técnicas Capítulo 3 Quadro 3.1 Trajectória profissional das autoras até à entrada no trabalho/emprego actual Quadro 3.2 Processos estruturantes das trajectórias profissionais Quadro 3.3 Estratégias de (re)construção da profissionalidade e processos estruturantes das trajectórias profissionais Tabela 3.1 Relação entre trabalho prescrito e trabalho real Tabela 3.2 Relação entre tarefas prescritas, tarefas reais e actividades de trabalho Capítulo 4 Quadro 4.1 Sistematização e articulação entre diferentes modelos propostos sobre as identidades no campo do trabalho Quadro 4.2 Formas identitárias no trabalho Quadro 4.3 Formas identitárias no trabalho identificadas nos anos 90 e no estudo que aqui apresentamos Capítulo 5 Quadro 5.1 Saberes individuais reconhecidos Quadro 5.2 Disposições para a formação e processos estruturantes das formas identitárias xii

13 Capítulo 6 Quadro 6.1 Mundos socioprofissionais, categorias estruturantes e formas identitárias Quadro 6.2 Esquema da narrativa de Maria. Mundo socioprofissional estruturado no Sentir Ser no Ofício Quadro 6.3 Esquema da narrativa de Carlota. Mundo socioprofissional estruturado no Encontrar Estar no Colectivo Quadro 6.4 Esquema da narrativa de Ilda. Mundo socioprofissional estruturado no Fazer Progredir na Organização Quadro 6.5 Ordem categorial e universo de crenças presentes nos mundos socioprofissionais Quadro 6.6 Formas de temporalidade e espaços de trabalho privilegiados Quadro 6.7 Formas identitárias e categorias tipológicas que as estruturam xiii

14 ÍNDICE DE ANEXOS Capítulo 2 Anexo 1a Pedido de Autorização para a Realização da Investigação Anexo 1b Concessão de Autorização para a Realização da Investigação Anexo 2 Guião da Entrevista à Directora do NIS Anexo 3 Guião da Entrevista à Coordenadora da EMAT Anexo 4 Pistas para o Registo Biográfico Escrito Anexo 5 Guião da Narrativa Oral Anexo 6 Sistematização das categorias descritivas e redução em categorias mais abstractas Anexo 7a Organograma do Centro Distrital de Segurança Social Anexo 7b Organograma do Centro Distrital de Segurança Social: Acção Social e EMAT Constituição Anexo 7c Organograma do Centro Distrital de Segurança Social: Acção Social e EMAT Reestruturação Capítulo 3 Anexo 1 Condições de Trabalho Capítulo 4 Anexo 1 Representações do Contexto de Trabalho Capítulo 5 Anexo 1 Opções e Motivações para a Formação Anexo 2 Saberes Reconhecidos e Sentido da Multidisciplinaridade xiv

15 LISTA DE SIGLAS UTILIZADAS AT Assessoria aos Tribunais CD Centro Distrital CDSS Centro Distrital de Segurança Social CDISSS Centro Distrital do Instituto de Solidariedade e Segurança Social CIT Contrato Individual de Trabalho EMAT Equipa Multidisciplinar de Assessoria aos Tribunais IPSS Instituições Privadas de Solidariedade Social IRS Instituto de Reinserção Social ISSS Instituto de Solidariedade e Segurança Social NIS Núcleo de Intervenção Social NLI Núcleos Locais de Inserção PEPT Programa Educação Para Todos PIPSE Programa Interministerial de Promoção do Sucesso Educativo RMG Rendimento Mínimo Garantido UAS Unidade de Acção Social xv

16 Introdução

17 Introdução Este trabalho inscreve-se numa trajectória pessoal que tem privilegiado a formação como objecto de indagação, compreensão e interpretação. Desde a nossa formação inicial em Ciências da Educação que nos questionamos sobre este campo que tem vindo a constituir-se como uma arena, um mito e uma panaceia para uma cada vez mais alargada esfera dos problemas sociais. Tendo merecido a nossa atenção ao longo de mais de uma década, durante a qual temos vindo a interrogar as potencialidades e os malogros da institucionalização crescente da educação e da formação face aos objectivos a que se propõe, incidimos agora num estudo que tem como intenção primeira discernir sobre a dinâmica de formatividade que extravasa o domínio da institucionalização da educação e da formação, embora se articule com ela. O campo da formação é, assim, interpelado, não exclusivamente nem tanto enquanto espaço-tempo com fronteiras delimitadas, como os da sua institucionalização e normativização, mas é sobretudo indagado na sua dinâmica que acompanha o devir do ser-no-mundo em formatividade. É nesta dinâmica que consideramos relevante nomear a relação entre formação e construção de identidade(s), relação que procuramos compreender e interpretar nas biografias narradas e nas experiências expressas em palavras que ao falarem das trajectórias de vida reconhecem nelas momentos diversificados e oportunidades várias de aprendizagens, nomeadamente nos espaçostempos de trabalho. Formação e identidade aparecem como dois movimentos contemporâneos e intrínsecos um ao outro, emergindo como significativos das subjectividades (inter)actuantes; interdependentes um do outro são dinâmicos como o processo permanente de auto-criação dos indivíduos nos espaços-tempos da sua biografia, designadamente de formação e profissional domínios por nós privilegiados neste estudo. Formação e trabalho constituem, assim, dois campos que partilham de um isomorfismo ao nível da normativização que os atravessa, sendo reconhecidos como objectos permutáveis com valor de troca no mercado. Todavia, são também isomorfos se os pensarmos enquanto actividades apropriadas pelos sujeitos no seu valor de uso constituindo-se como espaços-tempos de investimento, de aprendizagem e de (re)construção de sentido(s) individuais e sociais. Este trabalho incide, precisamente, nos sentidos e significados apropriados pelos sujeitos e expressos em narrativas 17

18 Introdução biográficas, reconhecendo nas palavras das suas autoras as potencialidades das apropriações idiossincráticas e locais nas trajectórias de vida, trajectórias biográficas e relacionais (re)significadas na interpretação de diacronias mais ou menos ocultas, mais ou menos silenciadas, às quais procuramos dar visibilidade. Reconhecendo nas políticas e nas práticas gestionárias a tendência crescente para a circunscrição da educação e da formação aos contextos da sua visibilidade social, visibilidade inscrita em processos intermináveis de certificação ao longo da vida que procuram assegurar a competitividade, o acesso e o sucesso no mercado do emprego, mantendo os indivíduos em estado de empregabilidade, quisemos perceber como os indivíduos se reconhecem nestas lógicas predominantemente economicistas e que lógicas eles próprios desenvolvem para assegurarem um sentido de si, para si e para os outros, enquanto seres-no-mundo. Privilegiamos, por isso, neste trabalho, as lógicas dos actores/autores singulares e locais, constituindo estas o espaço central da análise que desenvolvemos. A perspectiva fenomenológica que elegemos para o trabalho de interpretação revelou-se profícua na apropriação e análise dos diferentes elementos que acompanham aquelas lógicas sustentadas por dinâmicas identitárias que asseguram um significado à(s) experiência(s) individual(ais) e, portanto, a sua subjectivação que é também alter(acção). Dito de outro modo, esta perspectiva acompanhou-nos no trabalho de localização e de comparação das subjectividades errantes e das dinâmicas de formação que lhes são subjacentes, contribuindo para esclarecer a familiaridade do(s) sujeito(s) com o seu mundo vivido e as suas práticas, subjectividades localizadas no seu devir e no sentido que lhe atribuem. Neste sentido, o trabalho que apresentamos aspira a constituir-se como um contributo nos domínios das Ciências da Educação em geral e dos Estudos Curriculares em particular, sendo este último assumido como o campo e a comunidade científica de referência em que nos integramos, não descuidando, todavia, as suas relações com outras áreas do saber. Consideramos, por isso, imprescindível a importância e a pertinência destas relações, convocando uma pluralidade de abordagens para a compreensão e interpretação do campo em análise, como condição da apropriação da complexidade que o atravessa. A incidência nas experiências subjectivas, na sua expressão e interpretação posta em palavras por um grupo de pessoas, profissionais licenciadas que integram uma 18

19 Introdução equipa multidisciplinar de uma Organização da Administração Pública, apela à adopção de uma postura compreensiva que ao centrar-se na escuta das palavras das autoras possibilita, por via da sua apropriação interpretativa, a construção de uma perspectiva analítica emergente. Esta postura, indagadora e interpelante, distancia-se de um trabalho de replicação, verificação e confirmação de categorias teórica-epistemológicas previamente produzidas pela comunidade científica. Não sendo estas últimas categorias as mobilizadoras para o trabalho compreensivo em que nos inscrevemos elas são, todavia, frequentemente convocadas a posteriori para a contrastação e consolidação da análise e interpretação emergente, produzida a partir do nosso estudo de caso. Procuramos, neste sentido, evitar a economia das possibilidades com que diversas áreas do conhecimento podem contribuir no labor de tornar mais acessível, compreensível e visível as dinâmicas silenciadas, aqui emergentes e que tratamos de evidenciar. São, assim, convocados diversos trabalhos, inscritos em diferentes áreas do conhecimento, que vão desde a psicopedagogia, a filosofia, a sociologia compreensiva, sociologia das profissões, a sociologia das organizações, a psicodinâmica do trabalho, a ergonomia, o direito, a psicologia social, a pedagogia, a psicossociologia, entre outros. Todavia, no trabalho de investigação, de interpretação dos dados e de construção do texto que agora apresentamos a teoria não antecedeu a acção investigativa; pelo contrário, ela revela-se profícua no trabalho de intermediação, compreensão, recomposição e reabilitação da complexidade tornando-a mais transparente e acessível. É neste pressuposto que são convocados contributos teóricos vários ao longo de todo o trabalho, negando-lhes qualquer possibilidade dicotomizante entre teoria e empiria, registo também presente na organização do trabalho que agora apresentamos. Este trabalho estrutura-se, assim, em duas partes. Na primeira parte, ao longo de dois capítulos, fazemos a sua contextualização situando-o a nível teóricoepistemológico, pragmático e metodológico. Na segunda parte, ao longo de quatro capítulos, apresentamos uma análise interpretativa que evidencia os processos estruturantes das formas identitárias emergentes do estudo realizado. Este trabalho centra-se num estudo de caso, uma equipa multidisciplinar integrada numa Organização da Administração Pública, tomando como recurso central no acesso à informação as narrativas biográficas, de formação e profissionais, das pessoas que integram essa equipa. 19

20 Introdução Os dois primeiros capítulos incidem na identificação do estudo, na sua fundamentação e contextualização teórica-epistemológica e pragmática e na apresentação da metodologia de investigação desenvolvida. No primeiro capítulo de fundamentação do estudo apresentamos os referentes teóricos essenciais para a compreensão do texto analítico interpretativo inscrito na segunda parte deste trabalho. Identificamos, também, os referentes que nos mobilizaram para a realização deste estudo, inscrevendo-o no registo de sentidos vários, mas convergentes: do sentido para nós enquanto investigadora, do sentido para as autoras participantes no estudo empírico e do sentido para a reabilitação da visibilidade social da práxis formativa. No segundo capítulo sistematizamos o processo metodológico que desenvolvemos, esclarecendo das opções epistemológicas, ontológicas e metodológicas que lhe estão subjacentes, das estratégias de investigação privilegiadas, das razões da escolha deste estudo de caso e do percurso seguido no acesso e tratamento da informação. Fazemos, também, a apresentação da equipa multidisciplinar na qual centramos o estudo, sistematizando aqueles elementos que consideramos imprescindíveis para a compreensão da segunda parte deste trabalho. Na segunda parte, ao longo de quatro capítulos, nomeamos as vozes e as palavras das autoras que participaram neste estudo, evidenciando os seus mundos vividos, singulares mas também partilhados. A eleição destes diferentes capítulos e o conteúdo de cada um deles decorre do trabalho analítico, de categorização emergente da informação recolhida que nos deu acesso, através de um processo de comparação constante dos dados e de abstracção progressiva, a diversos campos experienciais presentes nas experiências narradas. São eles: i) o da profissão e do trabalho; ii) o da Organização onde trabalham; iii) o da formação e, finalmente, um transversal a estes três iv) o da autoria. Cada um destes campos interpenetram-se nas experiências vividas e expressas nas palavras das autoras e, embora os tenhamos apresentado em capítulos separados, eles são frequentemente articulados e nomeados ao longo dos diversos capítulos. Em cada capítulo é feita uma introdução que tem como intenção contextualizar os conteúdos abordados ao longo do mesmo e um sumário, no final, que procura sistematizar os aspectos centrais abordados. Ao longo de cada capítulo o texto interpretativo procura articular as experiências locais, singulares e íntimas, com os 20

21 Introdução macro-contextos, mais ou menos conjunturais, políticos, económicos, sociais e culturais, ao mesmo tempo que são convocados diferentes autores e trabalhos teóricos que contribuem para iluminar a problemática em análise. O capítulo terceiro é dedicado à interacção entre profissão e identidade no trabalho. Tomando como eixo central as trajectórias subjectivas e os mundos vividos do/no trabalho articula-os com o valor do trabalho valor de troca e valor de uso e com o sentido da profissão. Evidenciamos como a identidade releva, em grande medida, do sentido vivido pelos actores no trabalho e na profissão, sentido(s) condicionados pelas condições materiais e sociais dos espaços-tempos da sua realização. O capítulo quarto incide na Organização enquanto contexto de trabalho e de (re)definição de identidade(s), nomeadamente profissionais. Fazemos uma abordagem da Organização como um sistema complexo e como um contexto no qual intervêm diferentes instâncias mediadoras a organizacional, a grupal e a individual intervenientes nas dinâmicas de interacção dos actores/autores locais, interacções múltiplas onde as relações e emoções são experienciadas intensamente configurando apropriações importantes na (re)construção da identidade. O capítulo quinto apresenta a afinidade entre formação, trabalho e dinâmicas identitárias, evidenciando diferentes contextos de formação e de aprendizagem, contextos amplos que não se esgotam nos espaços-tempos formalizados, mas se ampliam para além destes inscrevendo-se em temporalidades biográficas e sociais e numa aproximação ao saber que releva dos sentidos e significados atribuídos pelos sujeitos, das suas aproximações epistémicas, identitárias e sociais, ou seja, de aproximações que estabelecem com o mundo, com os outros e consigo mesmos. Ao longo destes três capítulos identificamos diferentes mundos vividos, micromundos singulares mas também partilhados e comparáveis, evidenciando as congruências horizontais e regularidades transversais, relativamente a cada um dos campos em análise, que sistematizamos em ideais-tipo permitindo a identificação de diferentes formas identitárias. O capítulo sexto retoma os aspectos anteriormente interpretados, para dar conta das congruências empíricas verticais presentes em cada biografia. Salientando a análise estrutural do discurso por nós efectuada, identificamos os três mundos socioprofissionais emergentes das várias narrativas biográficas. Começamos por 21

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem sustentar esta aspiração. 2. COMO CONCRETIZAR A MUDANÇA O Projecto Educativo de Escola (PEE) pode constituir um instrumento

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS.

AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS. AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS. Prof. Dr. Isauro Beltrán Nuñez Prof. Dr. Betania Leite Ramalho INTRODUÇÃO A pesquisa que

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas ENQUADRAMENTO DO CURSO As escolas são estabelecimentos aos quais está confiada uma missão de serviço público, que consiste em dotar todos e cada um dos

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

PERSPETIVAS DE UM ATOR ENTRE DOIS MODELOS DE FORMAÇÃO PRÁTICA DE EDUCADORES DE INFÂNCIA

PERSPETIVAS DE UM ATOR ENTRE DOIS MODELOS DE FORMAÇÃO PRÁTICA DE EDUCADORES DE INFÂNCIA 13 PERSPETIVAS DE UM ATOR ENTRE DOIS MODELOS DE FORMAÇÃO PRÁTICA DE EDUCADORES DE INFÂNCIA Maria Cristina Parente Instituto de Educação- Universidade do Minho Centro de Investigação em Estudos da Criança

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS Prof. Domingos Fernandes/Portugal* A avaliação é uma prática social cuja presença é cada vez mais indispensável para caracterizar, compreender, divulgar

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender;

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender; Projecto Educativo - Projecto síntese de actividades/concepções e linha orientadora da acção educativa nas suas vertentes didáctico/pedagógica, ética e cultural documento destinado a assegurar a coerência

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS ÍNDICE Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais Preâmbulo...05 Artigo 1.º - Objecto...07 Artigo 2.º - Finalidades...07 Artigo 3.º - Conceitos...08 Artigo 4.º - Domínios das

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Sobre a Investigação em Serviço Social

Sobre a Investigação em Serviço Social Sobre a Investigação em Serviço Social Dra. Maria Rosa Tomé 1 Em 2001 o Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social e a Veras Editora, no âmbito do Projecto Atlântida, publicaram o livro

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

CAPÍTULO I - Visão geral

CAPÍTULO I - Visão geral CÓDIGO DEONTOLÓGICO DO TÉCNICO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SOCIAL Preâmbulo: O presente Código Deontológico procura estabelecer alguns princípios e algumas regras, no quadro de uma ética profissional, que devem

Leia mais

EBI de Angra do Heroísmo

EBI de Angra do Heroísmo EBI de Angra do Heroísmo ENQUADRAMENTO GERAL Estratégia intervenção Ministério Educação promover o empreendedorismo no ambiente escolar Consonância com linhas orientadoras da Comissão Europeia Projectos

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Saberes da Docência Online

Saberes da Docência Online Saberes da Docência Online Edméa Santos Professora do PROPED-Faculdade de Educação da UERJ E-mail: mea2@uol.com.br Web-site: http://www.docenciaonline.pro.br/moodle http://www.proped..pro.br/moodle Fones

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações Representado por: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Curso de Pedagogia Ementário da Matriz Curricular 2010.2

Curso de Pedagogia Ementário da Matriz Curricular 2010.2 1ª FASE 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL A Biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão neurológica nos processos básicos: os sentidos

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

FICHA DE DISCIPLINAS: ANO LECTIVO DE 2008/09 SERVIÇO SOCIAL. Questões Avançadas em Serviço Social

FICHA DE DISCIPLINAS: ANO LECTIVO DE 2008/09 SERVIÇO SOCIAL. Questões Avançadas em Serviço Social FICHA DE DISCIPLINAS: ANO LECTIVO DE 2008/09 SERVIÇO SOCIAL Nome da disciplina Questões Avançadas em Serviço Social Ciclo de estudos 2º Equipa docente com breve resenha curricular dos docentes (1) Nº de

Leia mais

A abordagem biográfica

A abordagem biográfica A abordagem biográfica no reconhecimento, validação e certificação de competências adquiridas através de experiências de vida Alexandra Aníbal Seminário Abordagens Biográficas, Memória e Histórias de Vida

Leia mais

Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes

Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes 1 II Avaliação de desempenho 1. Introdução A adopção de um modelo de avaliação de desempenho de docentes pressupõe, para a FNE, a consideração

Leia mais

empresas), embora também esta sujeita a interrogações e dúvidas, porque as vantagens nem sempre são sistemáticas e garantidas com base em condições

empresas), embora também esta sujeita a interrogações e dúvidas, porque as vantagens nem sempre são sistemáticas e garantidas com base em condições Prefácio Dezoito anos passados da primeira obra do autor sobre a temática, e olhando o percurso a esta distância, não deixamos de nos surpreender pela evolução realizada no mundo empresarial e na sociedade.

Leia mais

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Planificação Anual da Disciplina de MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2013-2014 1 MÓDULO 1 - DESCOBRINDO

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 31 ANEXO VI EMENTÁRIO EMENTAS: DISCIPLINAS POR PERÍODO RECOMENDADO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PRIMEIRO PERÍODO HDI0123 HFC0065 HFC0067 HFE0068 HFE0051 HFE0054 INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS CIENTÍFICOS EM EDUCAÇÃO

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

PROGRAMA AVES. referencial genérico

PROGRAMA AVES. referencial genérico PROGRAMA AVES referencial genérico PROGRAMA AVES referencial genérico 1. Introdução Tanto o debate sobre a eficácia dos sistemas educativos e das escolas como a larga controvérsia sobre a qualidade das

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

Seminário: Os Novos Papéis Dos Pais na Construção de uma Escola de Qualidade. Míriam Aço DREALG

Seminário: Os Novos Papéis Dos Pais na Construção de uma Escola de Qualidade. Míriam Aço DREALG Seminário: Os Novos Papéis Dos Pais na Construção de uma Escola de Qualidade 1 Míriam Aço DREALG A Parentalidade É o exercício das funções parentais e das representações mentais que a elas se associam,

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos O passado, o presente e o futuro JOAQUIM AZEVEDO 16 MAR 2012 Uma aposta em quê, em particular? Desenvolvimento

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

Curso de Formação Complementar. Apresentação

Curso de Formação Complementar. Apresentação Curso de Formação Complementar I Apresentação O curso de Formação Complementar destina-se a jovens titulares de cursos de Tipo 2, Tipo 3 ou outros cursos de qualificação inicial de nível 2, que pretendam

Leia mais

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Só é educativa a relação que faz crescera educando para uma maior autonomia (Aires Gameiro) Porque não lançar-se à tarefa de ajudar

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais