Avaliação Interna do Curso de Psicologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação Interna do Curso de Psicologia"

Transcrição

1 Avaliação Interna do Curso de Psicologia EVANISA HELENA MAIO DE BRUM COORDENADORA DO CURSO DE PSICOLOGIA CESUCA Faculdade Inedi Cachoeirinha, outubro de 2014

2 Avaliação Interna do Curso de Psicologia A Avaliação Interna do Curso de Psicologia do CESUCA ocorre como um processo contínuo, por meio do qual o curso constrói conhecimento sobre a sua própria realidade, buscando compreender os significados do conjunto de suas atividades para melhorar a qualidade educativa e alcançar maior qualidade acadêmica (Tarnowski, Verdinelli & Macedo, 2011). Esta ação encontra respaldo nas Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Psicologia no Brasil (Resolução nº 5 de 15 de março de 2011) que estabelece, no Artigo 16, que o projeto do curso deverá prever procedimentos de autoavaliação periódica, dos quais deverão resultar informações necessárias para o aprimoramento do curso. Nesse sentido, a Avaliação Interna objetiva: Implementar, de forma sistemática, o processo de acompanhamento dos docentes, discentes e das atividades acadêmicas desenvolvidas pelo Curso de Psicologia; Aferir os padrões de desempenho que promoverão o gerenciamento produtivo do Curso de Psicologia; Propor, a partir dos resultados obtidos com as avaliações, novas estratégias que possam superar as dificuldades detectadas; Divulgar as metodologias e resultados obtidos no processo de avaliação interna para a comunidade acadêmica, nos casos em que os dados não necessitarem de sigilo. A seguir são apresentadas as avaliações realizadas anualmente no curso. Entretanto, destacamos que a versão online deste relatório não possui alguns anexos. A versão completa está sob os cuidados da Coordenação do Curso.

3 Avaliações realizadas em 2010 Questionário de Vivências Acadêmicas O Questionário de Vivências Acadêmicas foi o instrumento escolhido pelo Colegiado do Curso de Psicologia para ser aplicado continuamente nos acadêmicos e encontra-se no anexo 1. O QVA-r foi elaborado em Portugal, por Almeida & Soares (2003), traduzido e adaptado para o contexto brasileiro por Villar (2003). Foi criado com o objetivo de mensurar a integração acadêmica de estudantes universitários e vem sendo utilizado em Universidades e Faculdades no Brasil e no exterior. A versão em português é originalmente composta por 60 itens, sendo que, a partir da análise fatorial realizada no Brasil por Granado (2005), o instrumento foi reduzido para 55 itens. A nova versão está estruturada em uma escala Likert de 5 pontos (1 = nada a ver comigo até 5 = tudo a ver comigo) e se divide em 5 dimensões: pessoal (percepção de bem-estar físico e psicológico), interpessoal (relacionamento com colegas e estabelecimento de relações mais íntimas e significativas), carreira (envolvimento com o curso e desenvolvimento de carreira), estudo (rotina e competências de estudo e gestão do tempo) e institucional (interesse geral pela instituição que frequenta, conhecimento e apreciação dos serviços e infraestrutura da instituição). Com seu uso, objetiva-se acompanhar a integração acadêmica dos alunos do Curso de Psicologia do CESUCA, para que, a partir dos dados analisados sejam tomadas ações que auxiliem os acadêmicos a uma melhor adaptação acadêmica. Foi aplicado pela primeira vez em 2010 nos ingressantes de 2009/2 que na época estavam no segundo semestre do curso e nos ingressantes de 2010/1. A seguir, é apresentado gráfico com os resultados da avaliação realizada com os acadêmicos da primeira turma de Psicologia do CESUCA, que foram avaliados quando estavam no 2º semestre (2010/1).

4 É possível observar que a dimensão com escores mais baixos é a pessoal, revelando que os alunos apresentavam dificuldades com relação a sua percepção de bemestar físico e psicológico. O QVA-r foi aplicado também, como dito acima, nos ingressantes de 2010/1. Os resultados podem ser verificados no gráfico a seguir, no qual é possível observar novamente o escore da dimensão pessoal como o mais baixo. 5 4,5 4 3,5 4,15 3,55 3,75 3,86 3,71 3 2,5 2,45 2 1,5 1 0,5 0 Carreira Institucional Estudo Pessoal - dimensão positiva Pessoal - dimensão negativa Interpessoal

5 Avaliações realizadas em 2011 Avaliação de Desempenho Docente Desde 1977, quando o antigo Departamento de Assuntos Universitários, papel hoje realizado pela SESu e CAPES, discutia temas relacionados à avaliação do ensino com o objetivo de oferecer um ensino de qualidade aos alunos, constatou, através de pesquisas extensivas, que o uso das respostas dos alunos para avaliar o desempenho do professor, contribuem de forma significativa para a compreensão do processo ensino-aprendizagem (Tarnowski, Verdinelli & Macedo, 2011). Sendo assim, a Avaliação de Desempenho Docente do CESUCA foi realizada pela Comissão Permanente de Avaliação (CPA) até 2011/1, momento em que passou a ser responsabilidade da Coordenação do Curso. O processo de Avaliação é composto da Avaliação de Desempenho do Professor, ou seja, sua ação docente dentro de sala, de uma autoavaliação dos acadêmicos e de uma avaliação da disciplina. A avaliação ocorre através da aplicação de um questionário específico (Anexo 2), em que os alunos utilizam uma escala de classificação (1- Ruim; 2 - Regular; 3 - Bom; 4 Muito bom; e, 5 - Excelente) para avaliar todos os itens mencionados anteriormente. O relatório do desempenho individual do professor destaca sua ação em sala de aula na visão dos acadêmicos e propicia ao professor analisá-lo, buscando seu aperfeiçoamento. Dessa forma, espera-se que a avaliação realizada pelos acadêmicos seja um instrumento para o crescimento pessoal e profissional dos docentes. Avaliação dos Pontos Fortes e Fracos do Curso de Psicologia Em 2011/2 foi realizada uma pesquisa qualitativa que objetivou ouvir os acadêmicos em relação aos pontos fortes e fracos do Curso de Psicologia. A sistematização da pesquisa envolveu quatro etapas. A primeira foi a escuta dos acadêmicos, a segunda a análise dos dados coletados que foram agrupados por similaridade. Na terceira etapa os pontos fracos foram submetidos à análise da Direção da Área, da Coordenação do Curso e do Núcleo Docente Estruturante do Curso para que se verificasse a possibilidade de transformá-los em pontos fortes. Na quarta etapa as soluções encontradas foram apresentadas aos acadêmicos. Nos dias 25 e 26 de outubro de 2011, cinco turmas do curso de Psicologia do CESUCA Faculdade Inedi foram ouvidas pela Coordenadora do Curso, Profª Drª Evanisa Helena Maio de Brum, em relação aos pontos fortes e fracos do curso. Dessa forma, a pesquisa envolveu 212 alunos dos 302 que na época estavam matriculados no curso. Abaixo, os resultados apresentados por turma.

6 Disciplina: Métodos e Intervenções em Saúde Mental I Pontos Fortes Os professores utilizam excelente metodologia associando teoria e prática O corpo docente possui formação variada Proximidade dos professores e da coordenação com os alunos A Faculdade oferece eventos variados (Semana Acadêmica, Jornada, Mostra e palestra de qualificação) Preocupação com a qualidade do ensino e dos professores Pontos Fracos Oferecer mais disciplinas de Metodologia Científica e Seminário Quebra de pré-requisito Alguns professores não abrem institucional Psicologia do Trabalho deveria ter 4 créditos Número de alunos elevado em sala de aula: 50 Horário das 18:30 às 19:15 é um excelente momento de acesso aos professores Ótimos laboratórios que privilegiam a prática A Faculdade fornece informação sobre eventos externos Disciplina: Psicofisiologia I Pontos Fortes Qualidade do ensino elevada Qualificação dos professores de alto nível Professores dedicados Pontos Fracos Quebra de pré-requisitos Preocupação com a continuidade do turno da tarde Fazer mais convênios para estágios Diversidade metodológica, mesclando teoria e prática Professores não liberam os alunos mais cedo A cada semestre as disciplinas são trocadas de dia Ter dois turnos: tarde e noite

7 Horário das 18:30 às 19:15 é ótimo para tirar dúvidas com os professores O acesso aos professores é fácil As disciplinas têm links, não são estanques A reformulação do currículo ficou ótima O currículo do curso é voltado à saúde pública com temas atuais Equilíbrio bom entre cobrança e acesso aos professores Sugestões: Que os professores realizem dinâmicas de grupo com os alunos para diminuir as brigas nos trabalhos em grupo. Que seja criado um núcleo de estudantes da psicologia para divulgar eventos científicos e organizar a ida dos alunos a eventos científicos. Disciplina: Processos Psicológicos Básicos Pontos Fortes Laboratório de Psicofisiologia Jornada, Semana Acadêmica e Mostra Científica Excelentes professores Pontos Fracos Dificuldades para aproveitamento de disciplinas; processo demorado e burocrático Oferecer mais workshops na Semana Acadêmica Dificuldades para cursar disciplinas em turno diferente do que estamos matriculados Mais livros na biblioteca Sugestões Disciplinas à distância (EAD) Cine-fórum na próxima Semana Acadêmica Disciplina: Métodos e Intervenções em Saúde Mental II

8 Livros atualizados Pontos Fortes Acesso fácil aos professores Pontos Fracos Mais saídas pedagógicas nas disciplinas Fazer mais convênios para estágio Nível dos professores muito bom, bem como o nível de exigência Humildade de mestres Bolsistas para pesquisa foi divulgado e teve edital Acesso fácil à coordenação Coordenação escuta os acadêmicos e está sempre procurando fazer o melhor Horário 18:30 19:15 facilita para que os alunos tirem as dúvidas Sugestões: Ter mailing dos alunos da psicologia para enviar informações sobre cursos e vagas de estágio. Ter um mural virtual no site do curso de Psicologia Disciplina: Saúde Mental Coletiva I Pontos Fortes Avaliação ampla e dinâmica composta por prova e trabalho Qualidade dos professores Acesso fácil à coordenação Pontos Fracos Alguns professores não tem o perfil da instituição A Faculdade precisa ter mais convênios com locais de estágio Bibliografia precisa ser mais variada Coordenação responde rapidamente aos e- mails Disciplina de português que trabalha reforma do português e nivelamento Ênfase do currículo na saúde é algo atual.

9 Eventos variados: Mostra, Jornada, Semana Acadêmica e teatro. Grade curricular atualizada e com possibilidade de escolha entre duas ênfases Disponibilidade dos professores as 18:30 em sala de aula, momentos excelentes para tirar dúvidas. Sugestões: Ter um mural virtual no site do curso de Psicologia. Projeto para incentivar o tratamento pessoal nos acadêmicos. Convidar mais profissionais de fora para dar palestras nas aulas. Abaixo são apresentados os pontos fortes agrupados em Coordenação, Corpo Docente, Metodologia de Ensino, Qualidade do Ensino, Estrutura Física, Currículo do Curso e outros aspectos destacados pelos acadêmicos. Para tanto, as colocações repetidas foram excluídas: Pontos Fortes Coordenação Acesso fácil à coordenação Proximidade da coordenação com os alunos Coordenação responde rapidamente aos s Coordenação escuta os acadêmicos e está sempre procurando fazer o melhor Corpo Docente O corpo docente possui formação variada Qualificação dos professores é de alto nível Professores dedicados Professores não liberam os alunos mais cedo Equilíbrio bom entre cobrança e acesso aos professores Humildade de mestres

10 Proximidade dos professores com os alunos Acesso fácil aos professores Metodologia de Ensino Avaliação ampla e dinâmica composta por prova e trabalho Os professores utilizam excelente metodologia associando teoria e prática Diversidade metodologia, mesclando teoria e prática Qualidade do Ensino Qualidade do ensino elevada Preocupação com a qualidade do ensino e dos professores Estrutura Física Ótimos laboratórios que privilegiam a prática Currículo do Curso Grade curricular atualizada e com possibilidade de escolha entre duas ênfases A reformulação do currículo ficou ótima Ênfase do currículo na saúde é atual O currículo do curso é voltado à saúde pública com temas atuais As disciplinas têm links, não são estanques Disciplina de português que trabalha reforma do português e serve para nivelamento dos acadêmicos Outros aspectos Horário das 18:30 às 19:15 é um excelente momento de acesso aos professores para tirar dúvidas A Faculdade oferece eventos variados: Semana Acadêmica, Jornada, Mostra e palestra de qualificação A Faculdade fornece informação sobre eventos externos A cada semestre as disciplinas são trocadas de dia Ter dois turnos: tarde e noite Livros atualizados

11 Bolsistas para pesquisa foi divulgado e teve edital Como visto acima, os acadêmicos ressaltam a preocupação da IES com a qualidade do ensino o que a faz buscar professores qualificados, realizar variados eventos de extensão como Semana Acadêmica, Mostra Científica e Jornada. Além disso, tanto a coordenação quanto os professores são acessíveis aos acadêmicos. A reformulação do currículo realizada em 2011 foi reconhecida como um ponto forte do curso, assim como a formação centrada na Saúde Mental e na Saúde Pública. Os laboratórios foram destacados pelos acadêmicos, assim como o horário das 18h30min às 19h15min utilizado para nivelamento junto aos alunos. Foi possível também constatar que os acadêmicos abordaram mais pontos fortes do que fracos. Os pontos fracos apontados pelos alunos foram cuidadosamente trabalhados pela Coordenação do curso junto com a Direção da Área e com o NDE e são apresentados na primeira coluna da tabela abaixo, os itens repetidos foram excluídos. Na segunda coluna são apresentadas as ações que serão tomadas para transformar os pontos fracos em fortes, bem como esclarecimentos. Pontos Fracos Oferecer mais disciplinas de Metodologia Científica e Seminário Número de alunos elevado em sala de aula: 50 Quebra de pré-requisito Ações e Esclarecimentos Foi informado aos alunos que seriam oferecidas mais disciplinas de Metodologia Científica e Seminário no próximo semestre Foi esclarecido aos acadêmicos que a IES segue os padrões estabelecidos pelo MEC em relação ao nº de alunos em sala de aula. Portanto, apesar da percepção dos acadêmicos de que este é um ponto fraco da IES, sabemos que esta questão está organizada de forma adequada e em consonância com o estabelecido para as Instituições de Ensino Superior no Brasil. A quebra de pré-requisito até a data desta pesquisa havia sido cuidadosamente estudada pelo NDE. De 2011 a 2014 algumas reformulações foram realizadas para incluir mais pré-requisitos de forma a qualificar o curso sem deixá-lo engessado. Estas questões podem ser conferidas nas atas de reuniões do NDE. Alguns professores não abrem Na época foi informado aos alunos que esta solicitação seria feita aos professores.

12 institucional Psicologia do trabalho deveria ter 4 créditos Preocupação com a continuidade do turno da tarde Fazer mais convênios para estágios Dificuldades para aproveitar disciplinas; processo demorado e burocrático Oferecer mais workshops na Semana Acadêmica Atualmente a IES só utiliza o institucional para se comunicar com os professores. Dessa forma, a situação foi resolvida. Na época foi esclarecido aos acadêmicos que esta disciplina era apenas a primeira relativa ao tema e por isto apresenta esta carga horária, seu objetivo é a introdução do conteúdo que será posteriormente aprofundado nas demais disciplinas como: Diagnóstico Institucional, Trabalho e Transdisciplinaridade, Teorias Organizacionais do Trabalho, Teoria e Intervenções em Organizações I e II, e, Teoria e Intervenções no Terceiro Setor. Foi esclarecido aos alunos que a IES pretendia manter o curso no turno da tarde, mas, para tanto, seria necessário que existissem alunos matriculados neste turno. Atualmente, o crescimento do turno da tarde tem se configurado como maior do que o da noite. A IES já possuia convênios com as Prefeituras de Cachoeirinha e Gravataí na época da pesquisa. Hoje é possível verificar no site do curso extensa quantidade de convênios. Até 2011/2 os acadêmicos necessitavam preencher uma ficha no protocolo com a relação de disciplinas solicitadas para aproveitamento. A partir de 2012/1 este processo passou a ser realizado online. Na semana acadêmica seguinte foram oferecidos mais workshops. Dificuldades para cursar disciplinas em turno diferente do que estamos matriculados O aluno ao abrir o sistema para rematrícula somente tem acesso ao turno em que está matriculado. Esta é uma forma de priorizar a disponibilidade de disciplinas aos alunos no turno em que estão matriculados. Caso tenha vaga na disciplina, o aluno de outro turno poderá cursá-la desde que realize

13 pessoalmente a rematrícula junto ao protocolo, com autorização da Coordenação. Além disto, o aluno só poderá cursar até 50% da carga horária das disciplinas no turno inverso. Mais livros na biblioteca Mais saídas pedagógicas nas disciplinas Alguns professores não tem o perfil da instituição Quando o curso iniciou a IES tinha todos os títulos para o primeiro ano do curso. Para o 3º, 4º e 5º semestre os livros foram comprados antes dos semestres começarem. No entanto, atualmente todos os livros foram adquiridos pela IES. Na reunião do NDE ocorrida no dia 27/11/2011 foram selecionadas disciplinas que obrigatoriamente passariam a realizar atividades extra-muro, são elas. Além disso, a preocupação da relação teoria e prática é uma constante no curso. Foi esclarecido aos acadêmicos que a IES tem instituído Processo Seletivo de Professores desde E que este processo possui várias etapas e níveis de exigências. Porém, como todo processo, apresenta algumas falhas. Espera-se que sempre se consiga selecionar profissionais com perfil da IES, porém, sabe-se que atingir 100% de eficiência em qualquer processo é impossível. Como é possível verificar na tabela acima foram apontados pelos acadêmicos 13 pontos fracos, dos quais 8 foram atendidos até 2014, os demais pontos foram esclarecidos aos acadêmicos: em relação ao número de alunos em sala de aula estamos de acordo com o que é considerado excelente pelo MEC, a disciplina de psicologia do trabalho é apenas a primeira disciplina desta temática, esperamos manter o turno da tarde, bem como foi esclarecido aos acadêmicos as questões relativas a seleção de professores e as referentes a rematrícula em turno inverso ao qual o aluno está matriculado. Por fim, as sugestões também foram trabalhadas junto ao NDE. Abaixo as resoluções:

14 Sugestões: Que os professores realizem dinâmicas de grupo com os alunos para diminuir as brigas nos trabalhos em grupo. A ação foi implementada em 2012/1. Que seja criado um núcleo de estudantes da psicologia para divulgar eventos científicos e organizar a ida dos alunos. O Núcleo foi criado, entretanto, no último Edital de 2014 não houve inscrição de alunos. Disciplinas à distância (EAD) Foi esclarecido na época da pesquisa que era necessário que o curso tivesse a portaria de reconhecimento para oferecer até 20% da carga horária total do curso em EAD. Atualmente já foram oferecidas disciplinas em EAD. Cine-fórum na próxima Semana Acadêmica Na Semana Acadêmica seguinte foi oferecido Cine-fórum Ter um mural virtual no site do curso de Psicologia Os murais foram criados Projeto para incentivar o tratamento pessoal nos acadêmicos O projeto foi criado e ocorreu em 2012 e Convidar mais profissionais de fora para dar palestras nas aulas. Todo plano é discutido com a coordenação e as disciplinas nas quais se considerar que seja importante incluir convidados isto ocorrerá.

15 Questionário de Vivências Acadêmicas Em 2011/2 o QVA-r foi novamente aplicado na turma dos ingressantes de 2009/1. Abaixo apresentamos a comparação da primeira aplicação realizada em 2010/1 com o de 2011/ ,5 4,9 4,8 4,7 4,3 4,5 4,05 4,24 4,58 4,52 3 2,54 2,74 2ª semestre 5ª semestre Carreira Institucional Estudo Pessoal - dimensões positivas Pessoal - dimensões negativas Interpessoal É possível observar em relação à dimensão carreira um aumento do escore obtido no 2º semestre (4,5) para o do 5º semestre (4,9). Estes dados revelam que os acadêmicos sentem que escolheram bem o curso que estão realizando e que acreditam que o curso de Psicologia do CESUCA possibilitará a eles a realização profissional. Também verificamos aumento do escore na dimensão institucional de 4,3 para 4,8. Dessa forma, constatamos que os acadêmicos gostam da Faculdade que frequentam e que pretendem concluir seu curso de Psicologia no CESUCA. Em relação à dimensão estudo verificamos o aumento de 4,5 para 4,7, o que revela que o acadêmico ao longo do curso vem aperfeiçoando sua forma de estudar. A dimensão pessoal possui questões positivas e negativas: com as positivas é possível constatar que o acadêmico sente-se em condições para dar conta de seus estudos; contudo, com a análise das questões negativas, é possível constatar que o acadêmico, no 5º semestre, apresenta dificuldades em relação a sua saúde psicológica. O aumento de conflitos internos é fato comumente relatado em estudantes de Psicologia. Neste sentido, muitos acadêmicos foram encaminhados ao NOA (Núcleo de Orientação Acadêmico) ou encaminhados a tratamento psicológico fora da IES. A dimensão interpessoal também apresenta diminuição dos escores de 4,58 para 4,52, dados que revelam, entre outras questões, as dificuldades internas do grupo. Estas

16 dificuldades foram visíveis aos professores que trabalharam com esta turma em 2011/2 e discutidas em reunião de professores e do NDE. O QVA-r também foi aplicado nos acadêmicos que ingressaram em 2011/2. Os resultados são apresentados no gráfico abaixo: 5 4,5 4 3,5 3,99 3,57 3,65 3,86 3,75 3 2,5 2 2,29 1,5 1 0,5 0 Carreira Institucional Estudo Pessoal - dimensão positiva Pessoal - dimensão negativa Interpessoal Ao compararmos os escores obtidos dos ingressantes de 2010/1 com os de 2011/2 (conforme gráfico abaixo), foi possível perceber certa similaridade nos escores. Somente na dimensão carreira se constatou que os acadêmicos que ingressaram em 2010/1 apresentavam escores mais elevados, o que indicou maior satisfação com o curso escolhido quando comparado aos que ingressaram em 2011/2. 5 4,5 4 3,5 4,15 3,99 3,75 3,86 3,86 3,55 3,57 3,65 3,71 3,75 3 2,5 2 2,45 2, /1 2011/2 1,5 1 0,5 0 Carreira Institucional Estudo Pessoal - dimensão positiva Pessoal - dimensão negativa Interpessoal

17 Avaliações realizadas em 2012 e 2013 Avaliação de Desempenho Docente Em 2012 e 2013, tanto no primeiro quanto no segundo semestre, foram realizadas avaliações dos professores e disciplinas. Os resultados foram entregues aos professores para que pudessem avaliar seu desempenho docente e, se necessário, melhorá-lo. Questionário de Vivências Acadêmicas Com as avaliações realizadas com o QVA-r até 2011/2 foi possível constatar condições satisfatórias nas dimensões 3, 4 e 5. Entretanto, os resultados apontaram também para dificuldades nas duas primeiras dimensões: Pessoal e Interpessoal. Foi a partir desta constatação que em 2012/2 o NDE formulou o projeto Adaptação Acadêmica dos Alunos da Psicologia do Cesuca ao Ensino Superior: Uma proposta de Avaliação e Intervenção, de autoria de Evanisa Helena Maio de Brum, Fernanda Vaz Hartmann e Débora Silva de Oliveira, o qual pode ser consultado no relatório de pesquisa e extensão. O objetivo deste projeto foi de investigar o perfil do aluno do Curso de Psicologia do CESUCA, bem como o de criar mecanismos e ações de promoção de saúde mental. Destacamos que embora a literatura científica sobre o tema aponte para a importância da avaliação da adaptação dos alunos ao ensino superior, ainda são poucos os estudos voltados à realização de intervenções grupais neste contexto. Em consulta a livros, artigos e a base de dados IndexPsi e Pepsic, no período de 2000 a 2013, utilizando os descritores: universitários e ensino superior combinados com adaptação, saúde psicológica e intervenções, poucos foram os estudos encontrados sobre intervenções que objetivassem auxiliar na adaptação do universitário ao ensino superior (Gomes & Boruchovitch, 2011; Sampaio & Santos, 2002; Wantarabe, 2000; Bonifácio; Silva; Montesano & Padovani, 2011). A maioria destes estudos somente avaliou a adaptação dos universitários ao ensino superior (Teixeira, Castro & Piccolo, 2007; Igui, Bariani & Milanesi, 2008; Teixeira, Dias, Wottrich & Oliveira, 2008; Noronha, Martins, Gurgel & Ambiel, 2009;) e os que realizaram intervenções eram de cunho psicopedagógico relacionados a dificuldades de leitura e interpretação (Gomes & Boruchovitch, 2011; Sampaio & Santos, 2002; Wantarabe, 2000). Portanto, poucos estudos de intervenções com universitários foram encontrados, e poucos objetivaram trabalhar de forma grupal com a saúde psicológica de acadêmicos, a qual impacta diretamente a adaptação acadêmica dos alunos (Bonifácio; Silva, Montesano & Padovani, 2011). Partindo desta preocupação, o presente projeto teve por objetivo investigar e promover o processo de adaptação de todos os estudantes matriculados no curso de

18 psicologia do CESUCA ao ensino superior, bem como criar intervenções para promover esta adaptação. Dessa forma, durante o ano de 2012/1 ocorreu a elaboração do projeto, em 2012/2 iniciaram as capacitações dos professores para que pudessem trabalhar com terapia comunitária e psicodrama em grupo. O projeto começou a ser operacionalizado ainda em 2012/2 com a aplicação dos instrumentos: Ficha dados demográficos, BDI (avaliação de depressão), BAI (avaliação de ansiedade) e QVA-r. Foram realizadas 3 intervenções de terapia comunitária e 2 de psicodrama em 2012/2 e em 2013/1. Ao final das intervenções os alunos foram novamente avaliados com os mesmos instrumentos e os que ainda apresentavam sintomas de depressão e ansiedade foram convidados a participar de psicoterapia em grupo com a abordagem da Psicologia Positiva. Quanto ao perfil dos acadêmicos os resultados revelaram que dos 300 alunos que participaram da pesquisa a maioria estava na faixa etária entre 21 a 30 anos (dp = 1,106); sendo 86,9% do sexo feminino; 77,4% trabalhavam além de estudar. Na amostra 55,7% eram solteiros, 41,8% viviam em co-habitação, 1,3% viúvos, 1,3% divorciados. Além disso, 54,3% residem com algum familiar e 24,4% possuíam filhos. Quanto à escolaridade dos pais dos participantes 89% não possuíam ensino superior. Relativo à presença de psicopatologia na família, 29,3% afirmaram ter algum familiar diagnosticado com transtorno psiquiátrico, deste percentual, 35,5% necessitaram de internação psiquiátrica. Os resultados também revelaram que 19,8% dos acadêmicos já necessitaram de medicação psiquiátrica, sendo essa medicação utilizada para depressão (64,7%), ansiedade (11,8%) ou para outros tipos de transtorno (4,8%). E, por fim, 73,8% dos participantes nunca realizaram tratamento psicológico. Quanto à categoria rotina diária, 51,9% realizavam até três refeições diárias, 67,5% dormiam até 7 horas por dia, 28% realizavam alguma atividade física rotineira, 65,8% possuíam mais que 4 horas para estudo fora da sala de aula. A análise estatística com o teste T revelou que as intervenções foram efetivas para os alunos que apresentavam sinais de depressão (p = 0,034) e ansiedade (p = 0,22). Ou seja, estes alunos apresentaram melhora significativa em relação aos sintomas depressivos e ansiosos após as intervenções de terapia comunitária e psicodrama. Quanto à análise qualitativa, após cada atividade realizada de terapia comunitária e psicodrama, os alunos registravam seu depoimento anonimamente em formato de texto. A análise qualitativa desse material (Bardin, 2011) revelou a existência de sete categorias: 1) possibilidade de integração com os meus colegas; 2) percepção que as dificuldades enfrentadas eram semelhantes às dos colegas, o que gerou sentimento de tranquilidade ou adequação; 3) Sentimento de exposição; 4) Identificação de estratégias para lidar com situações problema; 5) Tomada de consciência de algumas situações e mudança de atitude; 6) Alunos que não

19 gostaram e não tem interesse em participar de outros trabalhos como este; 7) Motivação para concluir o curso depois das intervenções em grupo. Dessa forma, foi possível constatar que somente duas das três categorias abordam aspectos negativos da intervenção. Além disso, ao final das intervenções 22 alunos ainda apresentavam sintomas de ansiedade e depressão e foram convidados a realizar uma psicoterapia positiva em grupo. Destes, sete aceitaram participar da intervenção; os demais não puderam participar, pois estavam com o curso cancelado, trancado ou não conseguiam chegar no horário da intervenção. A intervenção foi pautada pelos princípios da Psicologia Positiva, por ser uma abordagem que objetiva a potencialização dos aspectos positivos do desenvolvimento humano através da promoção do bem-estar, ao invés de focalizar nas deficiências. Ocorreram oito encontros de uma hora e trinta minutos cada. Os sete alunos apresentavam, no pré-teste, pelo menos algum grau de ansiedade ou depressão, conforme a classificação categórica dos instrumentos. O teste de Wilcoxon mostrou uma redução estatisticamente significativa (p<0,05) nos escores do pré para o pós-teste, tanto para ansiedade quanto para depressão, sendo que em todos os casos houve alguma diminuição nos escores totais das escalas. Na classificação categórica da ansiedade, seis casos mudaram sua classificação no nível de ansiedade para um grau abaixo. Em relação à depressão, cinco casos tiveram a classificação diminuída. Dessa forma, todos os alunos que participaram da intervenção de Psicologia Positiva apresentaram melhoras.

20 Avaliações realizadas em 2014 Avaliação do Desempenho Docente Foram realizadas avaliações em 2014/1 dos professores, disciplinas e auto-avaliação dos acadêmicos realizadas. A mesma foi entregue aos professores para que pudessem avaliar seu desempenho na visão dos acadêmicos. O sucesso do aluno do Cesuca é responsabilidade de todos Com a constatação de que 40% dos alunos do curso de Psicologia evadem durante o primeiro ano do curso, foi construído o projeto O sucesso do aluno do Cesuca é responsabilidade de todos, de autoria de Evanisa Helena Maio de Brum e João Antônio da Silva Almeida (o projeto pode ser consultado na íntegra no relatório de pesquisa e extensão do curso). Este projeto piloto envolveu os alunos da Psicologia e de Ciências Contábeis e objetivou auxiliar os acadêmicos em sua adaptação ao ensino superior, bem como na diminuição da evasão. Num primeiro momento foi realizado um levantamento pelo tipo de evasão e encontramos que dos 184 alunos que ingressaram em 2012, 60% estavam cursando; 21% trancaram o curso; 17% cancelaram e 2% solicitaram transferência externa, o que totalizou uma evasão de 40%, conforme gráfico a seguir: Figura 1. Percentuais dos tipos de evasão dos alunos ingressantes em Após foi realizada uma análise sobre os motivos da evasão e encontramos que 37% deixaram de estudar por dificuldades financeiras; 17% referiram não ser o curso de interesse; 10% desistiram por gravidez; 7% pelo horário de trabalho; 3% haviam solicitado

Recredenciamento Portaria MEC 347, de 05.04.2012 - D.O.U. 10.04.2012. Avaliação Interna do Curso de Psicologia

Recredenciamento Portaria MEC 347, de 05.04.2012 - D.O.U. 10.04.2012. Avaliação Interna do Curso de Psicologia Avaliação Interna do Curso de Psicologia Cachoeirinha, setembro de 2012 A Avaliação Interna do Curso de Psicologia do CESUCA ocorre como um processo contínuo, por meio do qual o curso constrói conhecimento

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2014/01 a 2014/02 APRESENTAÇÃO O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Prof. Ana Cláudia Fleck Coordenadora da Academia de Professores da ESPM-Sul

Prof. Ana Cláudia Fleck Coordenadora da Academia de Professores da ESPM-Sul PROGRAMA GUIA ESPM-Sul Programa de Acompanhamento Discente e Excelência Profissional Prof. Ana Cláudia Fleck Coordenadora da Academia de Professores da ESPM-Sul Pensamento ESPM. São Paulo, 25/04/2014.

Leia mais

PROJETO DE RECOMPOSIÇÃO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AUTO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (CPA) FARO

PROJETO DE RECOMPOSIÇÃO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AUTO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (CPA) FARO PROJETO DE RECOMPOSIÇÃO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AUTO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (CPA) FARO PORTO VELHO 2009 PROJETO DA RECOMPOSIÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AUTO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CPA INTRODUÇÃO A avaliação

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 2014 Dados da Instituição FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM Código: 508 Faculdade privada sem fins lucrativos Estado: Minas Gerais

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES São Paulo 2011 1 APRESENTAÇÃO Atividades Complementares de um Curso de Graduação é toda e qualquer atividade que vise à complementação do processo de ensino aprendizagem,

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 A Direção de Ensino do câmpus Curitiba, compreendendo todas as suas seções, com a finalidade

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Arujá - SP 2011 2 SUMÁRIO Dados da Instituição... 3 Considerações iniciais... 4 Desenvolvimento da Avaliação... 4 Dimensões da Autoavaliação...

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ

A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ Luciana L. Brandli brandli@detec.unijui.tche.br Cristina E. Pozzobon pozzobon@unijui.tche.br Universidade Regional

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS O Instituto de Ensino de Garça,

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Palavras-chave: Projeto de ensino; reprovação em Matemática; monitoria.

Palavras-chave: Projeto de ensino; reprovação em Matemática; monitoria. REPROVAÇÃO EM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: UMA TENTATIVA DE REDUZIR OS ALTOS ÍNDICES Profa. Dra. Camila Pinto da Costa Universidade Federal de Pelotas camila.ufpel@gmail.com Profa. Dra. Rejane Pergher

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIREÇÃO ACADÊMICA CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE SÃO LUIS MA 2009 DIRETORIA ACADÊMICA Diretor

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO

NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO TAQUARITINGA / 2015 1 Sumário NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE...3 1- Formas de acesso...3 2- Estímulos à permanência...4 3- Apoio Psicopedagógico, Orientação Pedagógica

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

Plano de Ação da CPA

Plano de Ação da CPA Centro Universitário do Estado do Pará - CESUPA Plano de Ação da CPA Ano 2014 CPA/CESUPA 2014 C o m i s s ã o P r ó p r i a d e A v a l i a ç ã o C P A / C E S U P A APRESENTAÇÃO O plano de ações da CPA

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito

RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito CARIACICA-ES ABRIL DE 2011 FACULDADE ESPÍRITO SANTENSE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Pesquisa direcionada a alunos egressos dos cursos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO 2014 APRESENTAÇÃO O Plano de Ação ora apresentado planeja o processo da Autoavaliação Institucional, que vem se consolidando na Faculdade Norte Capixaba de São

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO JANDAIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO PRAÇA DAS PROFISSÕES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO PRAÇA DAS PROFISSÕES Edital Praça das Nº 1-2015 Seleção de Bolsistas e Voluntários -2016 Aos estudantes dos Cursos de Graduação da UFCG: A Unidade Suplementar Praça das, desta Universidade, nos termos das disposições normativas

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

Relatório de Atividades 2014

Relatório de Atividades 2014 Relatório de Atividades 2014 Aula Inaugural da Psicologia No dia 13 de março de 2014 no auditório da IES ocorreu a aula inaugural do semestre que abordou a temática Psicologia e políticas públicas: reflexões

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Engenharia da Computação RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

DETALHAMENTO DA FORMAÇÃO EM COACHING EM RESILIÊNCIA

DETALHAMENTO DA FORMAÇÃO EM COACHING EM RESILIÊNCIA DETALHAMENTO DA FORMAÇÃO EM COACHING EM RESILIÊNCIA FILOSOFIA DO TREINAMENTO, MODELO E ABORDAGEM O Coaching em Resiliência é uma formação de coaching exclusiva licenciada pela SOBRARE e única especializada

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PROVIC

EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PROVIC CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Guia Fundamental para Gestão de Qualidade em Serviços Objetivo Capacitar os participantes a interpretarem os requisitos da Norma ISO 9001:2008, relacionados aos

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais Oficina de Formação O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais (Data de início: 09/05/2015 - Data de fim: 27/06/2015) I - Autoavaliação

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Núcleo Docente Estruturante (NDE)

Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Núcleo Docente Estruturante (NDE) Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Núcleo Docente Estruturante (NDE) 20/05/2015 Agenda 1 2 3 4 5 6 Introdução e Motivação Resultados da

Leia mais

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Neide Santos neide@ime.uerj.br 2º Seminário de Pesquisa em EAD Experiências e reflexões sobre as relações entre o ensino presencial e a distância

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art.1º. O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é componente curricular obrigatório dos cursos

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SALVADOR AGO / 2015 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...02 2. JUSTIFICATIVA...02 3. OBJETIVO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Curso: Bacharelado em Administração de Empresas São Paulo 2014 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Política de Nivelamento... 3 4. Diretrizes do Nivelamento...

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO (BACHARELADO)

CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO (BACHARELADO) CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO (BACHARELADO) O Curso de Graduação em Turismo da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga foi reformulado no ano de 2008, tendo a proposta de adaptação do seu

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

Estágio Curricular Supervisionado

Estágio Curricular Supervisionado Estágio Curricular Supervisionado CURSO DE ENFERMAGEM O curso de bacharelado em Enfermagem do IPTAN apresenta duas disciplinas em seu plano curricular pleno relativas ao estágio: Estágio Supervisionado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS COLEGIADO DE CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS COLEGIADO DE CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS COLEGIADO DE CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS Anexo 6 Projeto de Acompanhamento e Avaliação do Curso de Ciências Sociais - Bacharelado

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GERENCIAIS 2012 GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS

Leia mais

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 UBERLÂNDIA, MG JANEIRO, 2011 1 Este relatório aqui apresentado foi elaborado pela Comissão Própria de Avaliação da Faculdade

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos

O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos Samile Andréa de Souza Vanz 1 Glória Isabel Sattamini Ferreira 2 Patrícia Mallman Souto Pereira 3 Geraldo Ribas Machado 4 Universidade Federal

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

Boletim CPA/UFRPE Curso de Zootecnia Unidade Acadêmica de Garanhuns Edição n. 01 Ciclo Avaliativo: 2012-2014

Boletim CPA/UFRPE Curso de Zootecnia Unidade Acadêmica de Garanhuns Edição n. 01 Ciclo Avaliativo: 2012-2014 Edição n. 01 Ciclo Avaliativo: 2012-2014 Apresentando o Boletim CPA: É com enorme satisfação que a Comissão Própria de Avaliação (CPA/UFRPE), responsável por coordenar os processos internos de avaliação

Leia mais

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANO 2007 CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS INTRODUÇÃO: Tendo como objetivo propiciar ao aluno um conjunto de oportunidades que se refletirão, de forma direta

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Enfermagem RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM. Belo Horizonte

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM. Belo Horizonte MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM Belo Horizonte 2013 ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 FINALIDADE... 3 3 DEVERES DO COORDENADOR EM RELAÇÃO AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES... 4 4 DEVERES

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10 Curso tecnológico em Redes de Computadores CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS:

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DOS CURSOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DA FACULDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA NÚCLEO DE AVALIAÇÃO DA UNIDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA NÚCLEO DE AVALIAÇÃO DA UNIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA NÚCLEO DE AVALIAÇÃO DA UNIDADE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO NÚCLEO DE AVALIAÇÃO DA UNIDADE (NAU) ODONTOLOGIA, 2014 0 Porto Alegre 2014 1

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM. Coerência do sistema de avaliação

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM. Coerência do sistema de avaliação SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM Coerência do sistema de avaliação Os instrumentos de avaliação, como provas, trabalhos, resolução de problemas, de casos, além das manifestações espontâneas

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO forma: A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte 1. Primeiro contato com a administração e o serviço de supervisão

Leia mais

Estratégias de combate à retenção e à evasão nos cursos de graduação. Prof. Edilson Paes Saraiva DZ/CCA/UFPB edilson@cca.ufpb.br

Estratégias de combate à retenção e à evasão nos cursos de graduação. Prof. Edilson Paes Saraiva DZ/CCA/UFPB edilson@cca.ufpb.br Estratégias de combate à retenção e à evasão nos cursos de graduação Prof. Edilson Paes Saraiva DZ/CCA/UFPB edilson@cca.ufpb.br Evolução do ensino superior brasileiro Introdução 30 % 93% 81% 2 Introdução

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A FACIPLAC compreende a importância do desenvolvimento da Iniciação Científica em uma faculdade de ensino superior como alicerce na construção

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015)

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique, de 1 (mais importante)

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais