O CLUSTER AUTOMÓVEL EM PORTUGAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CLUSTER AUTOMÓVEL EM PORTUGAL"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS O CLUSTER AUTOMÓVEL EM PORTUGAL Documento de Trabalho Lisboa 2002 As ideias expressas nesta publicação são da exclusiva responsabilidade do respectivo autor, não traduzindo qualquer posição oficial do Departamento de Prospectiva e Planeamento

2 Ministério do Planeamento Departamento de Prospectiva e Planeamento Directora-Geral Alda de Caetano Carvalho Subdirectores-Gerais José Manuel Félix Ribeiro Manuela Proença Ficha Técnica Autor: Joana Chorincas Direcção de Serviços de Macroeconomia e Planeamento Divisão de Desenvolvimento e Organização Espacial Coordenação: José Félix Ribeiro Editor: Departamento de Prospectiva e Planeamento Av. D. Carlos I, Lisboa Fax: (351) Telef: (351) Capa: Concepção PIMC Impressão Quinta Dimensão Edição, Impressão e Acabamento Núcleo de Informação e Comunicação Distribuição: Núcleo de Informação e Comunicação

3 ÍNDICE 1. Introdução Evolução do Sector Automóvel: da Renault à Autoeuropa O Projecto Renault O Projecto AutoEuropa 9 2. Caracterização do Cluster Automóvel Nacional Localização Geográfica Mercados Tecnologia, Qualidade e Recursos Humanos Os actores Empresas Construtoras Empresas Fornecedoras de Componentes Dimensão das empresas Capitais das empresas Investimentos Instituições de I&D Liderança e Visão Comum - parcerias Análise Swot do Cluster Automóvel em Portugal Considerações finais: o Futuro do Cluster Automóvel em Portugal O Projecto Pininfarina? A Inserção no Cluster Automóvel Ibérico? A Deslocalização Empresarial Referências Bibliográficas 63

4

5 O CLUSTER AUTOMÓVEL EM PORTUGAL 1. INTRODUÇÃO Segundo Peter Drucker, considerado por muitos o pai da gestão moderna, a indústria automóvel constitui a maior actividade industrial a nível mundial, a indústria das indústrias. Um automóvel é actualmente composto por cerca de 12 mil componentes fornecidos por uma diversificada rede de fornecedores. Deste modo, a indústria automóvel é tributária de praticamente todos os sectores da indústria transformadora, desde a metalomecânica à borracha, da electrónica ao têxtil, do vidro aos plásticos. Pelas suas características estruturais, a indústria automóvel é, à escala nacional e internacional, uma indústria oligopolística. A concorrência assenta nos preços e privilegia uma diferenciação pela marca, pela política de gama, assistência pós-venda, facilidades de crédito e outras condições de compra. O arranque da produção automóvel em Portugal data de 1937, quando Eduardo Ferreirinha, juntamente com Manuel de Oliveira, lançou uma viatura desportiva equipada com um motor Ford V-8 transformado. Durante anos, e apesar da constituição da Fábrica de Automóveis Portugueses (FAP) em 1950 ou da Lei da Montagem de 1961, a indústria automóvel portuguesa resumiu-se a um conjunto de fornecedores de componentes, orientados para exportação para os grandes construtores de automóveis e para os seus fornecedores de primeira linha. Foi só após a 2ª Lei Quadro para o sector automóvel (1979) que se verificou o desenvolvimento da indústria automóvel portuguesa. Tornou-se a partir de então possível a realização de uma onda de investimentos na indústria portuguesa de componentes, com o grande investimento designado por Projecto Renault que deu nome a uma importante fase de desenvolvimento da indústria automóvel nacional, que teve início em Evolução do Sector Automóvel: da Renault à Autoeuropa O Projecto Renault No início da década de 80, o Governo Português demonstrou interesse em receber propostas para a realização de projectos industriais de forma a criar um complexo industrial rentável e competitivo no quadro da então Comunidade Económica Europeia. Duas propostas mereceram uma análise mais aprofundada: a da Peugeot-Citroen, que previa a instalação de uma linha de montagem recorrendo na sua maioria à importação de componentes, e o Projecto Renault que, embora de menor dimensão em termos de 7

6 montagem, se propunha desenvolver a indústria de componentes automóveis com objectivos de incorporação nacional nos veículos. A preferência do Governo Português pelo Projecto Renault ficou a dever-se aos seus objectivos mais industrializantes, na medida em que, para além da montagem de veículos, integrava produções de órgãos mecânicos como motores, caixas de velocidade e bombas de água, com implementação de unidades nas áreas da fundição e montagem de motores. Depois de complexas e demoradas negociações desde 1977, entre o Governo Português e a Régie Nationale Des Usines Renault, a assinatura do Contrato de Investimento do Projecto Renault foi concretizada a 13 de Janeiro de As grandes linhas deste Projecto sobre as quais se estabeleceu acordo foram as seguintes: criação em Setúbal de uma unidade de montagem de veículos de passageiros, com uma integração mínima nacional de 50% ao fim de quatro anos e destinando cerca de 25% de produção para exportação; criação em Cacia de uma unidade com uma capacidade de produção anual de 80 mil caixas de velocidades (com uma integração nacional média de 60%) e de 220 mil motores (com uma integração nacional média de 80%). Desenvolvimento da indústria horizontal portuguesa visando a crescente incorporação nos veículos e motores montados em Portugal, a exportação de componentes e a introdução de novas tecnologias. Em temos genéricos, um dos principais objectivos deste Projecto era contribuir para o desenvolvimento de um tecido de fornecedores de componentes competitivo em termos europeus, para a crescente incorporação nos veículos e motores montados em Portugal, para a exportação de componentes e para a introdução de novas tecnologias. A Renault não conseguiu criar, na área da fabricação e montagem de veículos, um complexo industrial competitivo e capaz de se manter em mercado aberto (Vale, 1999). Mas, mesmo os autores mais críticos, concordam que este Projecto foi muito importante na criação em Portugal de uma indústria automóvel moderna, principalmente no que se refere ao fabrico de componentes. Tornou-se mesmo o grande projecto da indústria automóvel dos anos 80 no nosso país, não só pelas modernas unidades fabris criadas, mas sobretudo pelo esforço na criação de uma indústria horizontal competitiva e de qualidade. Só com o Projecto Renault se iniciou o desenvolvimento da indústria de componentes em Portugal. De salientar a importância, neste quadro, de incentivos criados pelo PEDIP para a dinamização do investimento nesta indústria e para a instalação de vários fornecedores americanos e europeus, de entre os quais se destacam a Ford Electrónica, a Continental Mabor e a Cofap Europa. A nível industrial, a Renault dispunha de uma capacidade instalada Fábricas de Setúbal, Cacia e Guarda, operacional e adaptada às cadências e características da produção. As 8

7 Fábricas de Cacia e Setúbal foram concebidas e implantadas de raiz, tendo a Fábrica da Guarda sofrido investimentos e a reconversão em A partir do início da década de 90, começou a registar-se uma transferência de investimentos no interior da Europa para os países do Leste Europeu que dispunham de mão-de-obra barata e, a médio prazo, de estabilidade política, para além de condições propícias à captação de novos investimentos. Por estes motivos, a Renault instalou uma fábrica na Eslovénia, que iniciou as suas actividades em 1993 para a produção do modelo Clio, com parte da produção destinada a satisfazer as necessidades do Sul da França (até então satisfeitas pelas fábrica da Renault em Portugal e Espanha). Face à consequente sobre-capacidade produtiva das Fábricas do Grupo Renault (cinco fábricas a produzir o mesmo veículo Clio, situadas em Portugal, Espanha, França, Bélgica e Eslovénia), avistava-se difícil o futuro da fábrica de Setúbal. Surgiram, assim, as primeiras negociações para a instalação de novas unidades de montagem capazes de ultrapassar o encerramento da Renault e consolidar a indústria nacional de componentes. A opinião generalizada é a de que, sem o Projecto Renault, não teria sido possível atrair o investimento da AutoEuropa, que como se verá constituiu o principal investimento estrangeiro efectuado em Portugal, com uma capacidade de produção de 180 mil veículos destinados na sua quase totalidade aos mercados externos O Projecto AutoEuropa O início da década de 90 ficou marcado pela notícia da instalação em Portugal do Projecto AutoEuropa, que resultou de uma ligação entre a Ford Werke, Volkswagen e a Ford of Europe Inc, para produção de um veículo multi-purpose (MPV), com o nome de código VX62 e comercializado a partir de Entre os factores que ditaram a escolha da localização da AutoEuropa em Palmela destacaram-se (Vale, 2000:66): a existência de um mercado de trabalho de grande dimensão, com mão-de-obra jovem e qualificada; a boa localização geográfica e as boas acessibilidades inter e intra-regionais (linha férrea, auto-estrada e porto roll-on roll-off em Setúbal); a disponibilidade de solo industrial infra-estruturado, com clusters desenvolvidos nas áreas de componentes eléctricos, moldes e plásticos; 1 A Fábrica da Guarda, que havia iniciado em 1987 a produção de cablagens conjuntamente com a montagem de Trafic, foi vendida no final de 1989 à Reinshagem do grupo Packard Electric. Esta venda constituíu a primeira reestruturação industrial da Renault Portuguesa, já prevista na assinatura do contrato inicial. 9

8 a experiência anteriormente vivida na região de Setúbal com o Projecto Renault; o conjunto de instrumentos financeiros de grande dimensão devido à implementação da Operação Integrada de Desenvolvimento da Península de Setúbal (OID/PS). A AutoEuropa revolucionou o padrão de relações ao nível da lógica de organização da indústria automóvel, com a aplicação do conceito just-in-time (JIT). Os fornecedores de primeira linha funcionam em JIT e têm que ter a certificação de qualidade, imposta para os fornecedores de primeira e segunda linha. Por outro lado, os componentes chegam à linha de montagem apenas em quantidades adequadas e numa sequência ordenada, tendo-se tornado necessário criar um parque industrial adjacente para os fornecedores principais. De acordo com Vale (1999:317) a rede de fornecedores da AutoEuropa diferencia-se da rede da Renault em três aspectos principais: maior densidade da rede de fornecedores, compreendendo um número muito elevado de empresas, de origem nacional e estrangeira; maior diversidade de segmentos, apesar de a metalomecânica dominar no conjunto das empresas de componentes (estrutura de fornecedores mais equilibrada); alteração da geografia dos fornecedores dada a nova aglomeração de empresas na Grande Lisboa e na Península de Setúbal. Se o projecto Renault foi fundamental para o desenvolvimento da indústria de componentes nacional na década de 80, o Projecto AutoEuropa tornou-se imprescindível para a consolidação do tecido de fornecedores desta indústria a partir dos anos 90. Em termos globais, teve implicações importantes não só para a indústria automóvel mas para a globalidade da economia, tendo representado em 1997 cerca de 2,5% do PNB. Não existem dúvidas de que o impacto da AutoEuropa na indústria automóvel nacional foi muito superior ao da Renault, a nível quer da produção de veículos, quer das exportações e do emprego gerado (permitiu criar 5000 postos de trabalho directos e 7000 indirectos, para uma capacidade instalada de 830 veículos/dia). Considerado o maior investimento jamais realizado em Portugal, a AutoEuropa teve um efeito multiplicador no lançamento em Portugal de uma nova fileira de desenvolvimento industrial, sobretudo na indústria de componentes. Estima-se que no início da década de 90 se tenham instalado em Portugal cerca de 35 novas unidades de produção de componentes para a indústria automóvel, muitas resultantes de joint-ventures entre empresas nacionais e investidores europeus. A instalação da AutoEuropa ilustra assim o paradigma dos espaços aderentes ou novos distritos industriais de Markusen (1996), nomeadamente dos hub-and-spoke industrial districts: o desenvolvimento de um espaço polarizado por uma empresa multinacional que 10

9 incentivou ou atraiu a instalação em seu redor de uma rede de empresas fornecedoras (com o consequente envolvimento dos fornecedores na lógica de funcionamento destes espaços). O Projecto AutoEuropa enquadrou-se perfeitamente no desejo de criação, por parte do Governo de Portugal, de um cluster automóvel, envolvendo a instalação da sua unidade de fabrico, o estabelecimento de joint-ventures com empresas instaladas e a constituição de novos fornecedores de componentes e sistemas. Quanto a perspectivas futuras, no Plano de Desenvolvimento Económico e Social é afirmado que Portugal poderá vir a receber uma nova OEM, possivelmente explorando o novo segmento dos city-cars, acompanhada pela produção de componentes para estes veículos e pela produção em larga escala de scooters eléctricas eventualmente alargando as actividades do pólo instalado na AutoEuropa. Como se verá adiante, e dentro deste cenário prospectivo do PNDES, o actual projecto da indústria automóvel nacional, ainda em estudo, é o denominado Projecto Pininfarina, o projecto de carro de cidade o Metrocubo, com nome de código P3, produzido com materiais e tecnologias ainda não disponíveis no mercado. O desenvolvimento deste carro em Portugal dependerá da capacidade de resposta da indústria nacional de componentes. 2. CARACTERIZAÇÃO DO CLUSTER AUTOMÓVEL NACIONAL Neste documento define-se cluster como um sistema dinâmico formado por um conjunto de actividades interdependentes que interagem entre si, a diferentes níveis, em função de um foco ou actividade central. Considera-se foco do cluster automóvel em Portugal a fabricação de veículos automóveis e suas componentes (CAE Rev ). De acordo com o Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica (GEPE) do Ministério da Economia, o cluster automóvel em Portugal é constituído pelas seguintes actividades: foco (a verde) Conjunto de actividades que originam o produto automóvel ou componentes directamente relacionadas com o fabrico do mesmo (essencialmente integração e montagem automóvel). input (a vermelho) Actividades relacionadas com os produtos necessários à produção do automóvel (produtos incorporados no próprio automóvel). suporte (a azul) Actividades necessárias ao processo de produção do automóvel, não incorporadas fisicamente no produto final, mas essenciais à sua produção e distribuição (em particular equipamentos fundamentais utilizados na produção, a azul claro). complementar (a amarelo) Actividades relacionadas com o foco, não indispensáveis ao processo produtivo, embora permitam agilizá-lo e, nalguns casos, ter um maior 11

10 domínio da cadeia a jusante do foco (visando, entre outros aspectos, proporcionar uma melhor mobilidade individual). AS ACTIVIDADES DO CLUSTER AUTOMÓVEL EM PORTUGAL ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SERVIÇOS FINANCEIROS SERVIÇOS DE SEGUROS SERVIÇOS DE MARKETING INTEGRAÇÃO /MONTAGEM SERVIÇOS DIVERSOS SERVIÇOS RENT-A-CAR /VIAGENS RECICLA GEM LOGÍSTICA SERV. VENDA NOVOS-USADOS /PÓS-VENDA MOLDES MÁQUINAS FERRAMENTAS SISTEMA ELÉCTRICO ELECTRÓNICA COMANDO/ NAVEG. QUÍMICOS DE BASE FUNDIÇÃO DE FERRO FABRICO DE SISTEMAS FABRICO DE COMPONENTES MODULARES AÇO/ ALUMÍNIO CURTUMES ELECTRÓNICA VEÍCULO TÊXTEIS TÉCNICOS MADEIRA E CORTIÇA ELECTRÓNICA AUDIO VIDRO SERVIÇOS DE I&D (DESIGN/ NOVOS MATERIAIS) AUTOMAÇÃO /ROBÓTICA TINTAS ESTAMPAGEM BORRACHA/ PLÁSTICOS EDUCAÇÃO Fonte: GEPE, Documento PROINOV (não publicado). Segundo dados do INE, em 1997 estavam registadas 44 empresas de fabricação de veículos automóveis, 167 empresas produtoras de carroçarias, reboques e semi-reboques e 231 empresas de componentes. No seu conjunto, o número de empresas do foco é reduzido, não atingindo os 0,5% do universo de empresas com actividade na indústria transformadora portuguesa. Em termos de pessoal ao serviço, naquele ano trabalhavam na indústria automóvel (montagem e componentes) um total de indivíduos, o equivalente a 4% do emprego na indústria transformadora. O cluster automóvel português lidera a economia em termos de exportações, contribuindo com 1/5 das exportações nacionais, tem um peso de 7% no PNB e o IDE detém um peso de 18% no total da indústria transformadora. 12

11 CLUSTER AUTOMÓVEL VAB E EMPREGO % NA ECONOMIA PORTUGUESA VAB Emprego Actividades do Foco 0,52 0,79 0,75 0,52 0,54 0,54 Actividades do Cluster 1,13 1,62 1,56 1,03 1,24 1,23 Fonte: GEPE, a partir da Matriz das Contas Nacionais, 95, 96 e 97 Provisória, INE CLUSTER AUTOMÓVEL VAB E EMPREGO % NA INDÚSTRIA (TRANSFORMADORA E EXTRACTIVA) VAB Emprego Foco/Indústria 2,61 3,92 3,78 2,12 2,23 2,26 Cluster/Indústria 5,70 8,08 7,89 4,26 5,14 5,16 Fonte: GEPE, a partir da Matriz das Contas Nacionais, 95, 96 e 97 Provisória, INE Os valores globais do VAB e do Emprego obtidos para o cluster automóvel foram estimados pelo GEPE através da utilização das metodologias de análise matricial para o cálculo dos efeitos directos e indirectos da actividade do automóvel no conjunto da economia e indústria portuguesas Localização Geográfica A maior parte das empresas do foco localiza-se junto à faixa litoral, entre Viana do Castelo e a Península de Setúbal. Porto, Braga, Aveiro e Península de Setúbal são os quatro grandes pólos da indústria automóvel a nível nacional. A repartição regional do foco denota uma forte concentração na região de Lisboa e Vale do Tejo, que detém um peso de 68% do emprego nacional nesta actividade. Uma segunda concentração geográfica de menor dimensão evidencia-se na região Norte, com cerca de 30% do emprego total na indústria automóvel (vd. mapa). 13

12 PESSOAL AO SERVIÇO NO FOCO (EM 1998) N MINHO-LIMA CÁVADO ALTO TRÁS-OS-MONTES AVE GR. PORTO TÂMEGA DOURO E. DOURO E VOUGA R. A. AÇORES BX. VOUGA DÃO-LAFÕES B. INT. NORTE S. ESTRELA BX MONDEGO P. INT. NORTE COVA BEIRA B. INT. SUL P. LITORAL P. INT. SUL R. A. MADEIRA MÉDIO TEJO OESTE LEZÍRIA DO TEJO ALTO ALENTEJO GR. LISBOA ALENTEJO CENTRAL P. SETÚBAL Legenda 1706 a a a a 71 ALENTEJO LITORAL BAIXO ALENTEJO ALGARVE Escala 0Km 40Km 80Km Fonte: MTS, Quadros de Pessoal. De acordo com Mário Vale (1999), o arquipélago da indústria automóvel nacional é caracterizado sobretudo pelo efeito das economias de aglomeração das duas grandes áreas metropolitanas do país (Área Metropolitana de Lisboa AML e Área Metropolitana do Porto AMP) Vd. quadro. 14

13 O ARQUIPÉLAGO DA INDÚSTRIA AUTOMÓVEL EM PORTUGAL Tipo de Espaço Incidência Territorial Lógica industrial Perfil da indústria de componentes AML AML Norte Metropolitana Eléctrico e electrónica; metalomecânica; vidro AML Sul Metropolitana JIT Diversificado AMP e prolongamentos AMP e prolongamentos para Norte e para Sul Metropolitana; Sistema produtivo local Diversificado; Têxtil e interiores e borracha a Norte; plásticos a Sul Centro Litoral Leiria/Marinho Grande Figueira da Foz Sistema local produtivo Plásticos Espaços periféricos às áreas metropolitanas Corredor do IP5 Vendas Novas Abrantes/Ponte de Sôr Custos de trabalho Acessibilidade Metalomecânica Espaços marginais Principalmente sedes de Distrito do interior Custos de trabalho Plataforma exportadora Eléctrico e electrónica Adaptado de: Vale (1999:324) No que respeita à montagem e fabrico de veículos automóveis verifica-se uma tendência para a concentração na faixa litoral (vd. mapa). Os concelhos da Azambuja, onde se concentram as unidades de montagem da Opel (GM) e da Ford, de Vila Nova de Gaia e de Aveiro continuam a demonstrar um importante protagonismo na fabricação automóvel. Até à instalação da AutoEuropa na Península de Setúbal, os concelhos de Setúbal, Lisboa, Azambuja, Vila Nova de Gaia e Aveiro concentravam, individualmente, mais de 10% do emprego na indústria automóvel. Com a instalação da AutoEuropa, a geografia da indústria automóvel nacional alterou-se, embora tenha continuado a tendência para a litoralização da actividade. Destaca-se o concelho de Palmela com mais de ¼ do emprego total nesta actividade, em resultado da AutoEuropa e dos fornecedores que se instalaram no seu parque industrial. Por seu turno, no concelho de Setúbal, em consequência do encerramento de várias unidades de montagem e dos despedimentos efectuados na unidade da Renault, verificouse um decréscimo do emprego nesta actividade. 15

14 Estima-se que cerca de 35% das empresas de componentes existentes em Portugal localizam-se na região de Lisboa e Vale do Tejo. Refira-se que a indústria de componentes para automóveis reflecte as tendências de especialização industrial ao nível espacial: a localização dos fornecedores da indústria automóvel decalca por segmento o modelo de especialização industrial do país, sobretudo na faixa litoral (vd. mapas). Em traços gerais, constata-se uma especialização na produção de componentes metálicos e cablagens no Norte, no fabrico de moldes e injecção de componentes em plásticos na região Centro (concelho de Marinha Grande) e na produção de componentes eléctricos e electrónicos no Sul, nas regiões de Lisboa e Setúbal. 16

15 LOCALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DOS GRUPOS 1 E 2 N VILA NOVA DE CERVEIRA BRAGA TROFA MAIA MATOSINHOS PORTO VILA NOVA DE GAIA OVAR OLIVEIRA DE AZEMEIS AVEIRO TONDELA GUARDA ÁGUEDA FIGUEIRA DA FOZ COIMBRA POMBAL MARINHA GRANDE CALDAS DA RAINHA ABRANTES ALENQUER PONTE DE SOR MAFRA LOURES BENAVENTE SINTRA ALCOCHETE LISBOA VENDAS NOVAS SETÚBAL PALMELA Grupos de Actividade Grupo 1- Motores, transmissões e travões (inclui fundição) Grupo 2 - Componentes de carroçaria, suspensão e chassis (inclui chapa de aço) Total de Empresas Escala 0Km 35Km 70Km Fonte: ICEP; Inteli 17

16 .LOCALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DOS GRUPOS 3, 7 E 9 MONÇÃO N VILA NOVA DE CERVEIRA BRAGA VILA NOVA DE FAMALICÃO MAIA VILA NOVA DE GAIA TROFA SANTO TIRSO AVEIRO SÃO JOÃO DA MADEIRA ESPINHO OVAR OLIVEIRA DE AZEMÉIS AVEIRO ÁGUEDA MANGUALDE GUARDA TONDELA NELAS MEALHADA FIGUEIRA DA FOZ COVILHÃ LEIRIA POMBAL MARINHA GRANDE TORRES NOVAS TOMAR ABRANTES ALCANENA PORTALEGRE SANTARÉM AZAMBUJA CARTAXO PONTE DE SOR LOURES VILA FRANCA DE XIRA SINTRA BENAVENTE CASCAIS LISBOA VENDAS NOVAS Grupos de Actividade SEIXAL PALMELA Grupo 3 - Interiores SETÚBAL Grupo 7 - Moldes Grupo 9 - Volantes, caixa e direcção, pára-choques, radiadores, limpa-brisas, faróis, tubos de escape, acumuladores, espelhos retrovisores, vidros, amortecedores, pedais, fechaduras, porcas e parafusos, "macacos" Total de Empresas Escala Km 35Km 70Km Fonte: ICEP; Inteli. 18

17 LOCALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DOS GRUPOS 4A, 4B E 11 N VIANA DO CASTELO BRAGA GUIMARÃES TROFA VILA REAL SANTO TIRSO PORTO VILA NOVA DE GAIA OVAR GUARDA PONTE DE SÔR SINTRA LISBOA PALMELA SEIXAL Grupos de Actividade Grupo 4A - Cablagens Grupo 4B - Outros eléctricos, instrumentação e ventilação Grupo 11 - Electrónica de consumo Total de Empresas Escala 0Km 35Km 70Km Fonte: ICEP; Inteli. 19

18 LOCALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DOS GRUPOS 6 E 10 N TROFA MATOSINHOS VILA NOVA DE GAIA PORTO GONDOMAR AVEIRO MANGUALDE SOURE ABRANTES AZAMBUJA SINTRA LISBOA PALMELA BARREIRO Grupos de Actividade Grupo 6 - Autocarros, basculantes, carroçarias e reboques Grupo 10 - Montagem e fabrico Total de Empresas Escala 0Km 35Km 70Km 1 2 Fonte: ICEP; Inteli. Verificam-se algumas tendências de organização espacial da indústria de componentes (vd. mapa): a afirmação dos concelhos servidos pelo IP5 (sobretudo Tondela, Nelas e Mangualde), que resulta da combinação das vantagens de acessibilidade ao mercado nacional e espanhol e da existência de uma mão-de-obra barata; 20

19 a afirmação de algumas sedes de Distrito que atraíram o IDE, como são exemplos a Guarda (com a empresa Delphi-Cablesa), Castelo Branco (também com a empresa Delphi-Cablesa), Portalegre (com a Johnson s Controls) e Évora (com a Siemens). Nestas sedes de Distrito predominam as empresas de cablagens, com grande intensidade de mão-de-obra, sobretudo feminina; a emergência do corredor estruturado pelo IP5 e do concelho de Vendas Novas, dada a proximidade e acessibilidade à AMP e à AML, bem como aos clusters da indústria automóvel localizados no estrangeiro, sobretudo em Espanha. Segundo Mário vale (1999:322) o congestionamento das áreas urbanas do Grande Porto e de Grande Lisboa poderá orientar a expansão do foco para Norte, em direcção, respectivamente, a Vila Nova de Cerveira (com boa acessibilidade à AMP e à Galiza) e ao Entroncamento. TENDÊNCIAS DA ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DO FOCO N Escala Linha de Montagem Empresas de componentes Aglomeração da indústria de componentes Tendência de expansão 0Km 35Km 70Km Adaptado de: Vale (1999:323). 21

20 2.2. Mercados O aumento do número de veículos produzidos em Portugal teve um impacto directo na expansão da indústria automóvel (sobretudo a nível das componentes), cuja dimensão triplicou durante a década de 90, acompanhada por um aumento das exportações. Depois de um longo período de grandes desequilíbrios na balança comercial da indústria automóvel, em resultado do elevado volume de importações não compensadas, a AutoEuropa permitiu uma maior taxa de cobertura. Em 1997 as actividades do foco foram responsáveis por 20% do total de exportações nacionais, 9% no caso da montagem de veículos e 11% no caso do fabrico de componentes. O mercado de destino das exportações portuguesas da indústria automóvel decalca a localização das principais OEM e das empresas fabricantes de componentes na Europa, bem como a origem dos investimentos estrangeiros no cluster automóvel português. Deste modo, os principais produtores europeus Alemanha, França e Espanha constituem os principais destinatários das exportações portuguesas. A Itália, apesar de ser um importante produtor no contexto europeu e mundial, ocupa uma posição marginal como destino das exportações portuguesas, facto que, segundo Mário Vale, deriva da ausência de investimentos de vulto em Portugal e da fraca internacionalização do investimento da indústria de componentes transalpina. Numa posição intermédia, de referir os mercados do Reino Unido e da Suécia, países também com tradição na indústria automóvel. Assim, e como comprovam os dados do Sistema de Informação Estratégica BASAUTO (disponibilizados pelo Inteli vd. gráficos), os principais mercados de exportação dos componentes portugueses são os da União Europeia, com destaque para a Alemanha, a França e o Reino Unido. A Alemanha é o principal destino de exportações; porém, estimase que a tendência seja de ligeiro decréscimo do relevo assumido por este país em virtude do reforço das exportações para França e Espanha. PRINCIPAIS DESTINOS DE EXPORTAÇÃO DA INDÚSTRIA DE COMPONENTES NACIONAL 1999 ESTIMATIVAS 2000 Reino Unido 6% França 7% Itália 4% Benelux 3% Outros 3% Alemanha 47% Reino Unido 3% França 20% Itália 1% Benelux 3% Suécia 1% Outros 1% Alemanha 36% Espanha 30% Espanha 35% Fonte: Inteli (2001:87). 22

21 A Eslovénia, o Norte de África (sobretudo Marrocos e Tunísia ao nível das cablagens) e a República Checa apresentam-se como as principais ameaças às empresas portuguesas de componentes Tecnologia, Qualidade e Recursos Humanos Estudos recentes concluíram que as empresas nacionais têm vindo a desenvolver competências na área do desenvolvimento do produto, a par de alguma capacidade de desenvolvimento de processo. Todavia, a inovação tecnológica, associada ao desenvolvimento de projectos de I&D, parece ser ainda um dos maiores obstáculos que as empresas portuguesas do cluster automóvel ainda têm de ultrapassar para se tornarem competitivas internacionalmente. De facto, as empresas deste cluster são, na maior parte dos casos, ainda muito dependentes das suas congéneres internacionais: a maioria das empresas só consegue actuar no mercado de subcontratação ou, nos casos em que estão inseridas em grupos fortes, têm de recorrer à casa-mãe para o desenvolvimento de novos produtos. Por outro lado, não se verifica um inter-relacionamento forte entre os vários actores do cluster ao nível da inovação tecnológica. Regista-se ainda em Portugal a carência de centros de investigação totalmente dedicados ao sector automóvel, que desenvolvam uma actividade em colaboração com as principais empresas do cluster. Ao nível do sistema universitário português, verifica-se a ausência de cursos dedicados à indústria automóvel, como se verifica nos países mais desenvolvidos com a existência de cursos de engenharia automóvel. Ora, a cooperação com outras empresas e com instituições de formação e I&D constitui um vector fundamental no desenvolvimento e consolidação das empresas do cluster. Algumas empresas apresentam, porém, notáveis esforços de I&D sobretudo a nível da investigação experimental (engenharia do produto). No entanto, e como salienta o Inteli (2001:109) apenas 1/3 das empresas são capazes de realizar actividades de desenvolvimento do produto de raiz (black-box), pelo que a capacidade das restantes empresas limita-se à introdução de pequenas alterações ao nível do produto, sobretudo no que concerne a ferramentas de produção (vd. gráfico). 23

22 CAPACIDADE DE DESENVOLVIMENTO DAS EMPRESAS DO CLUSTER (%) I&D Desenvolvimento Black-box Desenvolvimento ferramentas Fonte: Inteli (2001:109). A AutoEuropa induziu desde a sua instalação esforços de modernização tecnológica, no seio da sua rede de fornecedores de componentes. Para terem acesso à rede de fornecedores da AutoEuropa as empresas precisaram de investir em tecnologias de produção (sobretudo através da aquisição de máquinas no estrangeiro), o que indiciou um processo de absorção tecnológica. Assim, a AutoEuropa provocou a necessidade de fornecedores capazes de satisfazerem as mais altas exigências em termos de qualidade, custo e logística, pelo que se estabeleceram inúmeras joint-ventures com indústrias já instaladas e se registaram grandes investimentos na modernização tecnológica e na aquisição de novas competências na região onde se instalou a AutoEuropa. A AutoEuropa utiliza as mais modernas tecnologias na sua linha de montagem. Por exemplo, na montagem de carroçarias são usadas mais de 200 robôs que aplicam automaticamente 60% dos cerca de 5 mil pontos de soldadura, numa moderna secção de carroçarias com uma área de m2. Por outro lado, desenvolveu-se na AutoEuropa um sistema de comunicação avançado entre fornecedores designado por Fordnet e constituído por um electronic data interchange (EDI). Um inquérito realizado por Mário Vale (1999) a empresas do sistema da AutoEuropa (54 fornecedores instalados em Portugal), demonstra que a inovação tecnológica orientada para a inovação do produto não tem sido muito acentuada, quando comparada com a inovação orientada para a expansão da capacidade produtiva e para novas tecnologias de produção (vd. gráfico). 24

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão Gestão da Distribuição e da Logística Gestão de Recursos Humanos Gestão de Sistemas de Informação

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer pelo conjunto

Leia mais

MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001

MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001 Informação à Comunicação Social 25 de Fevereiro de 2003 MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001 Deslocações entre o local de residência e o local de trabalho / estudo PORTUGAL MINISTÉRIO

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas Preparar a Retoma, Repensar a Logística 10 de Novembro NOVOHOTEL SETUBAL Comunicação: Factores de Atractividade da oferta logística do Alentejo Orador: Dr.

Leia mais

Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013

Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013 Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013 Porto, 1 de Outubro de 2009 António Viana 2 Plano da Apresentação Missão OESF 2006 Investimentos 2009-2013 3 Missão da REFER Proporcionar ao mercado

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001

Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001 26 de Setembro de 2003 Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001 PORTUGAL A análise dos movimentos pendulares

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

Setúbal, 15 de Março de 2015

Setúbal, 15 de Março de 2015 Setúbal, 15 de Março de 2015 Península de Setúbal 1 421 Km2 9 concelhos 782 044 pessoas Peso na população nacional População ativa (igual à média nacional) 7% 49% Alcochete Almada Barreiro Moita Montijo

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Apoios ao Investimento em Portugal

Apoios ao Investimento em Portugal Apoios ao Investimento em Portugal AICEP Abril 2015 FINANÇAS Índice Investimento Produtivo Auxílios Estatais Máximos Incentivos Financeiros Incentivos Fiscais Investimento em I&D Empresarial Incentivos

Leia mais

////////////// CLUSTER DA MOBILIDADE OBJECTIVOS EIXOS PROJECTOS PARCEIROS CLUSTER DA MOBILIDADE

////////////// CLUSTER DA MOBILIDADE OBJECTIVOS EIXOS PROJECTOS PARCEIROS CLUSTER DA MOBILIDADE Plano de Acção ////////////// O FUTURO DA. UM FUTURO SUSTENTÁVEL A mobilidade sustentável é um dos principais desafios da Europa. Empresas construtoras de meios de transporte, fornecedores e vários outros

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

XI Jornadas Técnicas. O Sector Marítimo Português

XI Jornadas Técnicas. O Sector Marítimo Português XI Jornadas Técnicas O Sector Marítimo Português Modernização e Inovação na Construção e Reparação Naval J. Ventura de Sousa e Filipe Duarte IST, 25 de Novembro de 2008 A Associação das Indústrias Marítimas

Leia mais

CEGOT Centro de Estudos em Geografia e Ordenamento do Território, rgama@fl.uc.pt

CEGOT Centro de Estudos em Geografia e Ordenamento do Território, rgama@fl.uc.pt DINÂMICA EMPRESARIAL E INOVAÇÃO EM PORTUGAL: ANÁLISE DO COMMUNITY INNOVATION SURVEY 2008 Rui Gama 1 e Ricardo Fernandes 2 RESUMO Num contexto marcado, quer por rápidas mudanças tecnológicas e sociais quer

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km As Regiões de - Região O Território Porquê o? Uma das maiores áreas territoriais de, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km Area (km 2 ): 21.286

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

AC I Ccent. 56/2008 Polytec/Peguform VERSÃO PÚBLICA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

AC I Ccent. 56/2008 Polytec/Peguform VERSÃO PÚBLICA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência AC I Ccent. 56/2008 Polytec/Peguform VERSÃO PÚBLICA Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência (alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho) 14/10/2008 DECISÃO DA AUTORIDADE

Leia mais

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo De acordo com os indicadores demográficos disponíveis relativos a 2007, a população residente em Portugal

Leia mais

Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª. Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais. Exposição de motivos

Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª. Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais. Exposição de motivos Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais Exposição de motivos Os portos comerciais do sistema portuário nacional têm

Leia mais

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização Fórum Exportações AÇORES Caracterização e Potencial das Exportações Regionais Gualter Couto, PhD Ponta Delgada, 27 de Junho de 2011 1. Internacionalização Internacionalização: Processo Estrutura Organizacional

Leia mais

ÍNDICE PERFIL MERCADOS ONDE A A400 ESTÁ PRESENTE VOLUME DE NEGÓCIOS CERTIFICAÇÕES PROJECTOS DE REFERÊNCIA CONTACTOS

ÍNDICE PERFIL MERCADOS ONDE A A400 ESTÁ PRESENTE VOLUME DE NEGÓCIOS CERTIFICAÇÕES PROJECTOS DE REFERÊNCIA CONTACTOS DOSSIER DE IMPRENSA ÍNDICE 1 PERFIL - A Empresa - Os Colaboradores - Os serviços 2 MERCADOS ONDE A A400 ESTÁ PRESENTE - A Internacionalização VOLUME DE NEGÓCIOS 4 CERTIFICAÇÕES 5 PROJECTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

O cluster automóvel em Portugal perspetivas e parcerias

O cluster automóvel em Portugal perspetivas e parcerias A Câmara de Comércio e Indústria organiza Seminário, Almoço e Mesas Redondas O cluster automóvel em Portugal perspetivas e parcerias Panorama do setor O investimento francês em Portugal Parceria entre

Leia mais

Jornadas do Socialismo 2010 Braga, 28 e 29 de Agosto Heitor de Sousa, Economista de Transportes

Jornadas do Socialismo 2010 Braga, 28 e 29 de Agosto Heitor de Sousa, Economista de Transportes Jornadas do Socialismo 2010 Braga, 28 e 29 de Agosto Heitor de Sousa, Economista de Transportes 1 Pressupostos e condicionantes Estratégia de Mobilidade nacional para o transporte de passageiros e de mercadorias:

Leia mais

adaptation to change Modular Platforms as a solution for just-in-time 3 Platform System automotive case study Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. Apr. >> Sep.

adaptation to change Modular Platforms as a solution for just-in-time 3 Platform System automotive case study Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. Apr. >> Sep. Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. Apr. >> Sep. 3 Platform System Modular Platforms as a solution for just-in-time adaptation to change utomotive Industry nalyzes automotive case study he evolution from a anufacturer

Leia mais

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO Em 1977 foi criada no Ministério da Indústria e Energia, a Direcção Geral da Qualidade, actualmente denominada por IPQ, cujo objectivo era o desenvolvimento e divulgação dos

Leia mais

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR PLANO DE AÇÃO DO CLUSTER CONTATOS PARCEIROS 1 INTRODUÇÃO O desafio

Leia mais

Shared Services Center Get the global picture. Estudo de implementação de plataforma de desenvolvimento de centros de serviços partilhados ( CSP )

Shared Services Center Get the global picture. Estudo de implementação de plataforma de desenvolvimento de centros de serviços partilhados ( CSP ) Shared Services Center Get the global picture Estudo de implementação de plataforma de desenvolvimento de centros de serviços partilhados ( CSP ) Enquadramento Shared Services Center: Get the global picture

Leia mais

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 +Inovação +Indústria AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 Fatores que limitam maior capacidade competitiva e maior criação de valor numa economia global Menor capacidade

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

REFERENTE DE NECESSIDADES FORMATIVAS - CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS

REFERENTE DE NECESSIDADES FORMATIVAS - CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS REFERENTE DE NECESSIDADES FORMATIVAS - CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS Nível de prioridade das necessidades formativas dos Cursos de Educação e Formação de Adultos face à dinâmica de emprego,

Leia mais

Várzea de Mesiões - Apartado 177 2354-909 Torres Novas Tel.:249839500-249839509 e-mail:geral@nersant.pt - site:www.nersant.pt

Várzea de Mesiões - Apartado 177 2354-909 Torres Novas Tel.:249839500-249839509 e-mail:geral@nersant.pt - site:www.nersant.pt Várzea de Mesiões - Apartado 177 2354-909 Torres Novas Tel.:249839500-249839509 e-mail:geral@nersant.pt - site:www.nersant.pt Projectos a Desenvolver pela Nersant 2007-2013 Prioridades Estratégicas Nersant

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS Eliminação de Barreiras à livre Prestação de Serviços Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Esquema 1. PORTUGAL- UMA ESPECIALIZAÇÃO COM

Leia mais

Transporte de Passageiros

Transporte de Passageiros Transporte de Passageiros 1997-2006 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. PARQUE DE VEÍCULOS LIGEIROS EM CIRCULAÇÃO... 4 3. EXTENSÃO DA REDE NACIONAL RODOVIÁRIA E DA REDE FERROVIÁRIA... 5 4. TRANSPORTE DE

Leia mais

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Convento de Refoios Ponte de Lima 21 de Junho de 2003 Distribuição Espacial do TER (SIR) Unid: Euros Distritos Nº Projectos Investimento Total Incentivo Aveiro

Leia mais

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA Maio 2013 ATP Associação Têxtil e Vestuário de Portugal A ITV Portuguesa 2012 Volume de Negócios: 5.800 M * Produção: 4.910 M * Emprego: cerca de 150.000* Importações:

Leia mais

Soluções com valor estratégico

Soluções com valor estratégico Soluções com valor estratégico Contexto O ambiente económico e empresarial transformou-se profundamente nas últimas décadas. A adesão de Portugal à U.E., a adopção do euro e o mais recente alargamento

Leia mais

Golfe e Turismo: indústrias em crescimento

Golfe e Turismo: indústrias em crescimento CAPÍTULO I CAPÍTULO I Golfe e Turismo: indústrias em crescimento O universo do golfe, bem visível hoje em muitos territórios, tem desde logo ao nível de contribuição uma relação de causa consequência com

Leia mais

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA 2 PROGRAMA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA A Mota-Engil Indústria e Inovação e a Caixa Capital celebraram um acordo para a concretização de um Programa, designado Internacionalizar

Leia mais

O Concelho de Beja. Localização

O Concelho de Beja. Localização O Concelho de Beja Localização Beja, capital de distrito, situa-se na região do Baixo Alentejo, no coração da vasta planície alentejana. É sede de um dos maiores concelhos de Portugal, com cerca de 1150

Leia mais

As perspetivas de desenvolvimento da região Norte

As perspetivas de desenvolvimento da região Norte INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO FERREIRA DE BARROS, NA SESSÃO DE DEBATE, SOB O TEMA «REGIÃO NORTE QUE PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO?» NA DELEGAÇÃO

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15 IAPMEI/DGAE (www.iapmei.pt / www.dgae.pt) PME Invest (Linha de Crédito com juro bonificado) Linha de Crédito PME Investe III Condições e processo de candidatura A Condições 1. Condições a observar pelas

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

A FRUTICULTURA NO PRODER. Alguns Indicadores

A FRUTICULTURA NO PRODER. Alguns Indicadores A FRUTICULTURA NO PRODER Alguns Indicadores NOTA DE ABERTURA Este documento tem como objetivo a divulgação de um conjunto de indicadores relativos ao setor da fruticultura no âmbito do Programa de Desenvolvimento

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Censos 2011 Resultados Preliminares 30 de Junho de 2011 Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Cem dias após o momento censitário

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Cursos de Aprendizagem Oferta de Formação do IEFP, IP 2013 (atualizada em 2013-03-15)

Cursos de Aprendizagem Oferta de Formação do IEFP, IP 2013 (atualizada em 2013-03-15) Cursos de Aprendizagem Oferta de Formação do IEFP, IP 201 (atualizada em 201-0-15) Guarda 0 21 - Audiovisuais e Produção dos Media Técnico/a de Desenho Gráfico Guarda 2-Set-1 Médio Tejo 2 21 - Audiovisuais

Leia mais

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA.

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. Conferência 6 de Outubro, FC Gulbenkian Lisboa INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO MANUEL CALDEIRA CABRAL DIAGNÓSTICO(S)

Leia mais

Lisboa 2020 Competitividade, Inovação e Cooperação: Estratégia para o Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo

Lisboa 2020 Competitividade, Inovação e Cooperação: Estratégia para o Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Lisboa 2020 Competitividade, Inovação e Cooperação: Estratégia para o Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo LISBOA DE GEOGRAFIA VARIÁVEL... Perspectiva administrativa: Área Metropolitana de

Leia mais

TIC, World Wide Web e infraestrutura digital: análise dos sítios Internet das empresas no Noroeste de Portugal

TIC, World Wide Web e infraestrutura digital: análise dos sítios Internet das empresas no Noroeste de Portugal TIC, World Wide Web e infraestrutura digital: análise dos sítios Internet das empresas no Noroeste de Portugal Ricardo Fernandes 1, Rui Gama 2, Cristina Barros 3 1) Departamento de Geografia da Faculdade

Leia mais

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão plano estratégico del desenvolvimento económico local PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL ECONÓMICO LOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA Equipa técnica: Assessor: João Pedro Guimarães Colaboradores:

Leia mais

Perfil das Ideias e dos Empreendedores

Perfil das Ideias e dos Empreendedores Perfil das Ideias e dos Empreendedores I - Considerações gerais A análise que se segue tem como referência um painel 115 ideias de negócio, com proposta de desenvolvimento por 214 empreendedores, candidatos

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008

ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008 LINHA DE CRÉDITO PARA ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR COM GARANTIA MÚTUA ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008 Comissão de Acompanhamento 29 de Maio de 2008 Introdução, e principais conclusões Este documento

Leia mais

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO Vila Real, Março de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPITULO I Distribuição do alojamento no Território Douro Alliance... 5 CAPITULO II Estrutura

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO DAS PME DA REGIÃO CENTRO NOS PROGRAMAS VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NERGA, 23 DE JULHO

PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO DAS PME DA REGIÃO CENTRO NOS PROGRAMAS VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NERGA, 23 DE JULHO Workshop Vale Mais Centro PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO DAS PME DA REGIÃO CENTRO NOS PROGRAMAS VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NERGA, 23 DE JULHO ÍNDICE 1. O PROGRAMA VALE I&DT 2. O PROGRAMA VALE INOVAÇÃO 3. AS ENTIDADES

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

A Indústria Automóvel em Portugal

A Indústria Automóvel em Portugal Projeto FEUP 2013/2014 -- Mestrado Integrado Engenharia Mecânica : Armando Sousa Teresa Duarte A Indústria Automóvel em Portugal Impacto na Economia Portuguesa Equipa 01: Supervisor: Lucas Silva Monitor:

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 1/1 Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 No cenário da actual conjuntura económica o sistema de garantia mútua é visto quer pelos parceiros

Leia mais

CIP Congresso 2015. Lisboa, 9 de Julho de 2015

CIP Congresso 2015. Lisboa, 9 de Julho de 2015 CIP Congresso 2015 Lisboa, 9 de Julho de 2015 Portugal: Competitividade, atractividade e captação de IDE (sumário para apresentação oral em 20 minutos). António Neto da Silva 1. Em Globalização Competitiva

Leia mais

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa QUIDGEST Q-DAY: INOVAÇÃO CONTRA A CRISE Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa André Magrinho TAGUSPARK: 09 de Setembro 2009 SUMÁRIO 1. Globalização

Leia mais

Sérgio Amaro Bastos. Geografias das Geminações (Estudo de Caso no Minho)

Sérgio Amaro Bastos. Geografias das Geminações (Estudo de Caso no Minho) Sérgio Amaro Bastos Geografias das Geminações (Estudo de Caso no Minho) V Congresso de Geografia Universidade do Minho 14/15 Outubro 2005 GEOGRAFIA DAS GEMINAÇÕES (ESTUDO DE CASO NO MINHO) As geminações

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE CRIAÇÃO E REFORÇO DE COMPETÊNCIAS INTERNAS DE I&DT: NÚCLEOS DE I&DT AVISO N.º 08/SI/2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS

DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Data: Setembro/99 N o 26 DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS Com o recente ciclo de investimentos

Leia mais

INOVAÇÃO, CONHECIMENTO E INDÚSTRIA EM PORTUGAL: UMA ANÁLISE DO COMMUNITY INNOVATION SURVEY 4 (CIS 4)

INOVAÇÃO, CONHECIMENTO E INDÚSTRIA EM PORTUGAL: UMA ANÁLISE DO COMMUNITY INNOVATION SURVEY 4 (CIS 4) INOVAÇÃO, CONHECIMENTO E INDÚSTRIA EM PORTUGAL: UMA ANÁLISE... 217 INOVAÇÃO, CONHECIMENTO E INDÚSTRIA EM PORTUGAL: UMA ANÁLISE DO COMMUNITY INNOVATION SURVEY 4 (CIS 4) Rui Gama Ricardo Fernandes Instituto

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010)

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010) As Regiões de - Região O Território Porquê? Com a maior área territorial de Continental 31.605,2 km2 (1/3 do território nacional) a região do apresenta 179 km de perímetro de linha de costa e 432 km de

Leia mais

INTRODUÇÃO objectivo

INTRODUÇÃO objectivo INTRODUÇÃO O tema central deste trabalho é o sistema de produção just-in-time ou JIT. Ao falarmos de just-in-time surge de imediato a ideia de produção sem stocks, inventários ao nível de zero, produção

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15 Agências de Viagens ÍNDICE Sumário Executivo 3 da procura - inverno 2014/15 Portugal - NUTS II Portugal - Principais NUTS II Principais 4 5 6 da procura - verão

Leia mais

01 - Apresentação QUEM SOMOS

01 - Apresentação QUEM SOMOS 2 01 - Apresentação QUEM SOMOS A Star Extras Line é uma empresa que fabrica e comercializa acessórios para o mercado automóvel after-market nas vertentes de 4X4, BODY PARTS e ACESSÓRIOS TUNING e OPCIONAIS.

Leia mais

BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta COMUNICADO

BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta COMUNICADO BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Tenente Valadim, 284, Porto Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Porto sob o número único de matrícula e identificação fiscal 501 214 534 Capital

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Projecto Nestum Rugby nas Escolas. Balanço 2009/2010

Projecto Nestum Rugby nas Escolas. Balanço 2009/2010 Projecto Nestum Rugby nas Escolas Balanço 2009/2010 No segundo ano (2009/2010) de implementação do projecto Nestum Rugby nas Escolas, projecto este que resulta da parceria entre a Federação Portuguesa

Leia mais

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A.

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A. Portugal 2020 Os Nossos Serviços Onde pode contar connosco? Lisboa Leiria Braga Madrid As Nossas Parcerias Institucionais Alguns dos Nossos Clientes de Referência Bem Vindos à Areagest Índice O QREN;

Leia mais

Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas. Horizonte 2014-2020

Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas. Horizonte 2014-2020 Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas Horizonte 2014-2020 Consensualização de Prioridades O Grupo de Trabalho para as Infraestruturas de Elevado Valor Acrescentado apresentou o seu relatório

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

ATRATIVIDADE EMPRESARIAL E PROJETOS DE ESTIMULO À ECONOMIA DA EUROREGIÃO

ATRATIVIDADE EMPRESARIAL E PROJETOS DE ESTIMULO À ECONOMIA DA EUROREGIÃO ATRATIVIDADE EMPRESARIAL E PROJETOS DE ESTIMULO À ECONOMIA DA EUROREGIÃO O PROJETO PROMOINVEST E A REDE Professor Augusto Medina Sociedade Portuguesa de Inovação FÓRUM DE DISCUSSÃO: A EUROACE e a ligação

Leia mais

IBEROL SOCIEDADE IBÉRICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS E OLEAGINOSAS, SA

IBEROL SOCIEDADE IBÉRICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS E OLEAGINOSAS, SA IBEROL SOCIEDADE IBÉRICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS E OLEAGINOSAS, SA APRESENTAÇÃO A IBEROL foi constituída em 1967, na altura com a denominação social de IBEROL Sociedade Ibérica de Oleaginosas, SARL. Tinha por

Leia mais

Portugal Mapas e Números

Portugal Mapas e Números Plano Anual de Atividades 2011-12 Portugal Mapas e Números Código da atividade ogf3 Destinatários Toda a comunidade educativa da ESSM Intervenientes Responsáveis Prof. Augusto Cebola e Prof. Jorge Damásio

Leia mais

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global aicep Portugal Global missão é: é uma agência pública de natureza empresarial, cuja Atrair investimento

Leia mais

Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos

Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos Escola de EngenhariaUniversidade do Minho Departamento de Sistemas de Informação»«MERCADOS E NEGÓCIOS: DINÂMICAS E ESTRATÉGIAS Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos Eduardo Beira WP

Leia mais