A Indústria Automóvel em Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Indústria Automóvel em Portugal"

Transcrição

1 A Indústria Automóvel em Portugal Autores André Vale Gustavo Monteiro Maria Santos Diogo Costa João Pedro Ferreira Paulo Ribeiro Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Armando Sousa Teresa Duarte Equipa 1M5_02 Supervisor: Lucas Silva Monitor: João Ferreira i

2 FEUP 2013 Resumo O presente relatório analisa a indústria automóvel portuguesa e o seu impacto na economia nacional, tendo o intuito de caracterizar esta indústria que se subdivide essencialmente na montagem de veículos e na produção de componentes automóveis. Para esta análise recorreu-se sobretudo a relatórios de associações especializadas, a dados estatísticos, às próprias empresas do setor e a particulares associados ao ramo automóvel. Os dados estatísticos, para cada um dos subsetores acima referidos, foram tratados de forma a permitir concluir quanto à estrutura e importância económica da indústria automóvel em Portugal, que constituem o objetivo principal do presente relatório. Com este intuito, foi feita uma breve retrospetiva histórica da indústria automóvel em Portugal, uma descrição das principais empresas que operam em ambos os subsetores, uma análise da produção de veículos e de componentes, com ênfase na Autoeuropa devido à sua importância relativa, e uma análise das vendas e do contributo para o comércio externo. Concluiu-se que a indústria automóvel é hoje a terceira maior no âmbito da indústria transformadora a nível nacional, tendo um impacto económico relevante. Contudo, a produção automóvel portuguesa, essencialmente concentrada atualmente na Autoeuropa, representa apenas 1% da produção europeia. Uma parcela muito elevada da produção tem como destino a exportação. No âmbito do comércio externo, observa-se que a Balança Comercial Portuguesa do setor automóvel é, na sua globalidade, negativa, apesar de se mostrar equilibrada no subsetor dos componentes. A Indústria Automóvel em Portugal ii

3 FEUP 2013 Palavras-chave Automóvel Produção Volume de produção Volume de vendas Indústria transformadora Componentes automóveis Mercado Montagem Fabricante Autoeuropa Exportação Balança Comercial Produto Interno Bruto (PIB) A Indústria Automóvel em Portugal iii

4 FEUP 2013 Conteúdo 1. Introdução História da Indústria Automóvel em Portugal /76 Mercado protegido /88 Projeto RENAULT Desde o início dos anos 90 Projeto Autoeuropa Empresas Autoeuropa Renault CACIA PSA Peugeot Citroën Toyota Caetano Mitsubishi Fuso Truck Europe Bosch Continental Delphi Faurecia Produção Produção de veículos em Portugal Análise da Autoeuropa Produção de componentes Vendas Vendas de veículos e componentes Comércio externo Divisão por subsetores Projectos e Perspetivas Conclusões Bibliografia Anexos A Indústria Automóvel em Portugal iv

5 FEUP 2013 Lista de Figuras Figura 1: A Indústria automóvel portuguesa em retrospetiva [2] 2 Figura 2: Produção de veículos/unidades de montagem: (AIMA, 2002)... 3 Figura 3: Produção de veículos/unidades de montagem: (AIMA, 2002)... 4 Figura 4: Veículos automóveis produzidos em Portugal [7] Figura 5: Produção automóvel por fábrica em Portugal (2012) [7] Figura 6: Veículos automóveis produzidos pela Autoeuropa [11] Figura 7: Vendas da Autoeuropa [11] Figura 8: Produtividade da Autoeuropa [11] Figura 9: Balança comercial portuguesa no setor automóvel [9] Figura 10: Países de destino das exportações (automóveis e componentes) [9] Figura 11: Peso das exportações do setor automóvel nas exportações totais para o país (2010) [9] Figura 12: Exportações [9] Figura 13: Importações [9] A Indústria Automóvel em Portugal v

6 FEUP 2013 Lista de Tabelas Tabela 1 - Evolução do número de fábricas de montagem em Portugal e a sua produção [7].. 11 Tabela 2 - Distribuição das empresas produtoras de componentes automóveis por CAE [10]. 17 Tabela 3 - Principais fornecedores de Portugal no setor automóvel [9] Tabela 4 - Saldo da balança comercial por segmento em 2010 [9] Tabela 5 - Clientes da exportação de automóveis [97] Tabela 6 - Exportações de veículos (2010) [9] Tabela 7 - Exportações de componentes (2010) [9] Tabela 8 - Vendas de automóveis ligeiros de passageiros..38 A Indústria Automóvel em Portugal vi

7 FEUP 2013 Lista de Acrónimos ACAP Associação Automóvel de Portugal AFIA Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel AICEP Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal INE Instituto Nacional de Estatística CBU Completely Built Up CKD Completely Knock Down A Indústria Automóvel em Portugal vii

8 FEUP 2013 Agradecimentos Recorreu-se, ao longo deste trabalho, a várias empresas e particulares e destaca-se a elevada recetividade e apoio que foi facultado para a execução deste relatório. Agradece-se em especial à ACAP pela disponibilidade de responder a questões colocadas no âmbito do trabalho e pelo facto de ter disponibilizado a consulta de documentos de acesso restrito. Destaca-se também o apoio do monitor João Ferreira ao longo das diversas fases de execução do presente relatório. A Indústria Automóvel em Portugal viii

9 Introdução FEUP Introdução No âmbito da unidade curricular Projeto FEUP foi elaborado o presente relatório relativo à indústria automóvel em Portugal, com o intuito de criar uma síntese informativa direcionada a todos os interessados nesta área. Neste, apresentam-se as principais empresas ligadas ao ramo, tanto a nível da produção de componentes, como da montagem de veículos. Relativamente a estas empresas, analisou-se o volume de negócios dos mercados interno e externo e o seu peso na economia nacional, bem como o contributo para o emprego. De igual modo, tentou-se perspetivar a evolução futura deste tecido industrial da economia portuguesa, apresentando os projetos previstos e os incentivos económicos a nível estatal, assim como, a evolução do mercado automóvel mundial. A Indústria Automóvel em Portugal 1

10 História da Indústria Automóvel em Portugal FEUP História da Indústria Automóvel em Portugal A indústria automóvel portuguesa conta com algumas décadas de história. Ao longo destes anos tem-se vindo a assistir a uma clara evolução deste setor da indústria transformadora. Inicialmente uma indústria pouco qualificada, dispersa e pouco desenvolvida a nível tecnológico, evoluiu no sentido da modernização tecnológica e competitividade. A Figura 1 espelha as três principais fases da história da indústria automóvel portuguesa: - primeiro, caraterizada por elevadas restrições à importação (Lei da Montagem); - posteriormente, entre o final dos anos 70 e o início dos anos 90, caraterizada pela abertura ao mercado, também facilitada pela integração na atual União Europeia, em que dominava o Projeto Renault em Portugal, - finalmente, uma fase de globalização, com mercados abertos e um claro predomínio da Volkswagen Autoeuropa. Figura 1: A Indústria automóvel portuguesa em retrospetiva [2] A Indústria Automóvel em Portugal 2

11 História da Indústria Automóvel em Portugal FEUP /76 Mercado protegido Esta época caracterizou-se por um ciclo económico de restrição às importações. A Lei da Montagem impunha que os veículos montados em Portugal tivessem como destino o mercado doméstico. Esta lei restringiu também a importação de veículos CBU. A importação de veículos CKD foi algo que se manteve legalizado. Como mecanismo de incentivo ao desenvolvimento das indústrias, foi promovida a isenção de direitos aduaneiros dos veículos montados no país de acordo com o nível de incorporação nacional. Como resultado desta política, assistiu-se a uma proliferação de unidades de montagem a nível nacional quer através de operações de investimento direto estrangeiro, quer de contratos de licença (GM/Opel, Ford, Citroen, Fiat, BMC, Renault ), tendo o número de unidades de produção ascendido em 1974 a 21, que produziram cerca de veículos [1]. Estas unidades montavam uma grande diversidade de marcas e modelos e eram caracterizadas pela produção de pequenas séries, ineficiente do ponto de vista económico. A falta de investimento por parte dos construtores resultou na inexistência de uma verdadeira indústria de componentes, que ficou marcada pela presença de inúmeras empresas artesanais de peças com baixos níveis de qualidade e reduzidas competências tecnológicas, organizacionais e comerciais. De facto, as tecnologias das empresas de componentes tinham características rudimentares com ênfase em processos simples de maquinagem. [1] Figura 2: Produção de veículos/unidades de montagem: (AIMA, 2002) A Indústria Automóvel em Portugal 3

12 História da Indústria Automóvel em Portugal FEUP /88 Projeto RENAULT Ao contrário da década anterior, a partir de 1977 houve uma aproximação crescente entre Portugal e outros países europeus. No setor automóvel, o estado seguiu uma política que promovia as exportações e continuava a ser orientada pela restrição à importação de veículos CBU. Quanto aos veículos CKD, com uma percentagem mínima de incorporação nacional, introduziu-se novos limites à importação. Foi efetuado por parte do Governo o lançamento de um concurso para a instalação de construtores europeus e internacionais em Portugal, tendo a Renault e a Citroen feito parte da lista de concorrentes. Em 1980 foi fundada a unidade de motores e de caixas de velocidade de Cacia (Renault) e a linha de montagem de Setúbal (Renault). A Renault teve, assim, um importante papel no progresso da indústria portuguesa de componentes de automóveis, permitindo os primeiros contactos dos fornecedores da indústria global. Depois do encerramento de algumas unidades de montagem em Portugal no final dos anos 80, existiam 10 unidades a nível nacional, que produziam aproximadamente veículos [1]. Foi também nesta altura que se assistiu ao aparecimento e desenvolvimento de novas tecnologias de processo no setor de componentes (estampagem, injeção de plásticos, revestimentos, soldadura ) deixando de ser evidente o domínio de tecnologias rudimentares. Tudo isto permitiu uma evolução muito positiva na indústria dos componentes: na década de 80 o volume de faturação aumentou de 84 milhões de euros para 673 milhões. Figura 3: Produção de veículos/unidades de montagem: (AIMA, 2002) A Indústria Automóvel em Portugal 4

13 História da Indústria Automóvel em Portugal FEUP Desde o início dos anos 90 Projeto Autoeuropa Nesta etapa, assistiu-se a uma intensificação da abertura do mercado nacional à Europa, de forma cada vez mais significativa. O Projeto Autoeuropa foi claramente um projeto estruturante de investimento estrangeiro no setor automóvel em Portugal, tendo-se estabelecido uma rede de fornecedores de empresas de componentes de capital nacional e estrangeiro. O envolvimento com a rede Ford-Volkswagen possibilitou aos fornecedores a consolidação de competências ao nível do custo, qualidade e prazo, regras de funcionamento da indústria automóvel, desenvolvimento de conhecimentos de engenharia de processo, aumento de escala, início de processos de internacionalização e o estabelecimento de ligações com construtores europeus. Esta etapa fica também marcada por um maior domínio das tecnologias de processos de fabrico, em particular na estampagem e na injeção de plásticos. Consequentemente, a indústria de componentes nacionais registou uma evolução muito positiva, com um aumento do volume de faturação de 900 milhões de euros em 1989 para milhões de euros em As exportações aumentaram no mesmo período de cerca de 600 milhões de euros para aproximadamente milhões de euros. Desta forma, o setor de componentes passou a ser um dos setores exportadores com maior importância a nível nacional, a par do setor têxtil e do vestuário. No entanto, é de salientar que a influência da Autoeuropa foi penalizada pelo facto de a unidade se cingir aos aspetos operacionais da produção e logística, sendo a sua intervenção nas áreas de política de produto, conceção e desenvolvimento e marketing diminuta, pelo que para as empresas de componentes mais avançadas o espaço de atuação deixou de ser a esfera nacional e passou a ser a esfera global independentemente da presença da fábrica em Portugal. A Indústria Automóvel em Portugal 5

14 Empresas FEUP Empresas 3.1. Autoeuropa A Autoeuropa é uma das fábricas de produção automóvel pertencente ao Grupo Volkswagen desde Está inserida na região de Palmela e iniciou a sua produção efetiva em 1995, tornando-se a maior e mais avançada fábrica do setor automóvel existente em Portugal. A fábrica tem uma capacidade instalada de montagem de veículos por ano [11]. Representa o maior investimento estrangeiro até hoje feito em Portugal, tendo um impacto muito positivo na economia portuguesa, sobretudo ao nível das exportações, representando 1% do PIB [11], e sendo responsável por 10% das exportações nacionais [11]. Esta é a segunda maior exportadora em Portugal, atrás da Galp Energia, tendo faturado em 2012 cerca de milhões de euros [11]. A fábrica da Volkswagen tem a particularidade de produzir uma gama exclusiva de veículos e de ter uma unidade própria de estampagem, importante para o futuro da fábrica e para o seu desenvolvimento. Atualmente a Autoeuropa produz os modelos Sharan (VW), Alhambra (Seat), Eos (VW) e Sirocco (VW), direcionando a sua aposta futura para os veículos de nicho de mercado. Em 2012 a sua produção atingiu os veículos [11], dos quais foram exportados 99,4% [11] dos veículos da marca Volkswagen. Esta unidade mantém cerca de empregos diretos e indiretos Renault CACIA É uma fábrica do Grupo Renault e produz órgãos e componentes para a indústria automóvel desde A fábrica está localizada num dos mais importantes centros industriais de Portugal Aveiro. As instalações dispõem de sofisticados meios de controlo de qualidade e ensaios, usando metodologias avançadas e recomendadas pelo grupo Renault. A totalidade da sua produção destina-se a fábricas Renault e Nissan de montagem veículos e de mecânica situadas em países da Europa, América e Asia. A Indústria Automóvel em Portugal 6

15 Empresas FEUP 2013 A fábrica tem contratados colaboradores [18] e em 2012 produziu cerca de caixas de velocidades [18]; a Renault CACIA é considerada a segunda maior unidade do setor automóvel português, sendo todo o seu volume de negócio destinado à exportação [19] PSA Peugeot Citroën A unidade PSA Peugeot Citroën encontra-se instalada em Mangualde desde Atualmente esta unidade funciona como que um satélite da unidade que o grupo francês detém em Vigo, não se dedicando a montar nenhum modelo em exclusivo, mas versões de veículos produzidos em Vigo, de onde recebe os componentes [13]. A fábrica da PSA em Portugal apenas dedica-se à montagem de veículos comerciais ligeiros, Peugeot Partner e Citröen Berlingo, desde A fábrica de Mangualde tem a particularidade de ter um processo produtivo inteiramente manual que lhe permite montar quase a totalidade dos veículos do grupo, incluindo os veículos específicos. Hoje em dia, a fábrica é um pouco atípica no panorama da indústria automóvel europeia, uma vez que a produção ainda é pouco automatizada. Os cerca de funcionários do centro, produziam em 2005, cerca de 240 veículos/dia [14], enquanto a média de produção de uma linha de montagem europeia ronda os 720 veículos/dia [14]. Esta fábrica produz aproximadamente 50% de veículos Peugeot e 50% de veículos Citroën. A produção é dirigida exclusivamente ao mercado europeu. A Indústria Automóvel em Portugal 7

16 Empresas FEUP Toyota Caetano Foi fundada em 1946 e iniciou o seu percurso nas carroçarias, atividade que ainda hoje mantém, sendo a localização fábrica em Ovar. As suas áreas de atuação são: importação de automóveis ligeiros de passageiros e de comerciais Toyota; importação e comercialização de peças e máquinas Toyota; montagem de miniautocarros; montagem de veículos ligeiros Toyota Dyna e Toyota Hiace. Mais de metade da sua produção destina-se à exportação para vários mercados europeus, designadamente para países como França, Reino Unido, Espanha, Holanda, Bélgica, Dinamarca, Irlanda, Suíça, Áustria [15] Mitsubishi Fuso Truck Europe A Mitsubishi Fuso é uma marca de veículos comerciais japonesa pertencente ao Grupo Daimler AG detendo esta uma linha de montagem de veículos comerciais de caixa aberta, estabelecida no Tramagal, desde A fábrica Mitsubishi produz o modelo Canter para mais de 30 países da Europa. Todavia, apenas uma pequena parte dos componentes são de produção nacional. Com uma produção inicialmente dedicada ao mercado nacional, a fábrica tem reforçado a partir de 1996 o seu papel exportador, exportando em 2008 cerca de 86% dos veículos montados na sua linha de montagem [17]. A unidade tem manifestado crescimentos significativos, idealizando a amplificação da capacidade de produção. A Indústria Automóvel em Portugal 8

17 Empresas FEUP Bosch A Bosch, em Portugal, é uma filial do Grupo Bosch, uma das maiores sociedades industriais privadas a nível mundial. A Bosch é representada na indústria automóvel nacional pela Bosch Car Multimedia Portugal, S.A, em Braga, que desenvolvem e fabricam uma larga gama de produtos, a maior parte dos quais exportados para os mercados internacionais. Com cerca de colaboradores (2013), a Bosch tornou-se um dos maiores empregadores industriais de Portugal e gerou, em 2012 cerca de 865 milhões de euros em vendas [20]. A unidade de Braga é a principal fábrica da divisão Car Multimedia da Bosch e a maior empresa do Grupo em Portugal, tendo iniciado a sua atividade em Com reconhecido know-how, a fábrica produz um portfólio variado de produtos eletrónicos, principalmente sistemas de navegação e aos autorrádios para a indústria automóvel Continental O grupo Continental em Portugal, que é constituído por cinco empresas, tendo em 2012 um efetivo permanente de trabalhadores e um volume de negócios de mil milhões de euros [21], mais 104 colaboradores e 49 milhões de euros, respetivamente, do que no ano anterior. O grande contribuinte para esta performance foi a Continental Mabor, produtora de pneus instalada em Lousado, Famalicão, que faturou 796 milhões de euros em 2012 [21]. A Indústria Automóvel em Portugal 9

18 Empresas FEUP Delphi A Delphi iniciou a sua atividade em Portugal em 1981, e atualmente detém quatro fábricas e um centro de engenharia de produção. Os clientes da Delphi incluem a maioria produtores automóveis na Europa, assim como em todo o mundo. Em 2012, a Delphi apresentou um volume de vendas na ordem dos 380 milhões de euros, com um ligeiro decréscimo de 1,5% relativamente ao ano anterior. A empresa emprega em Portugal aproximadamente pessoas [22]. Esta empresa produz uma vasta variedade de produtos incluindo: Antenas; Válvulas de controlo; Écrans; Fiação eletrónica; Produtos de Ignição e de navegação; Entretenimento para passageiros de automóveis; Sensores Faurecia Em Portugal, a Faurecia começou a funcionar em 1962, com uma fábrica em São João da Madeira, e até 2001 adquiriu as restantes fábricas em terreno nacional. A empresa Faurecia emprega em Portugal cerca de funcionários entre postos de trabalho diretos e indiretos. Em 2012 teve um volume de negócio de 314 milhões de euros tendo um crescimento relativamente ao ano anterior de 43% [4]. O grupo é especialista em seis grandes módulos (série de componentes combinados para formar uma unidade): Bancos; Portas; Bloco frontal; Sistemas de escapes; Painel de instrumentos; Revestimentos acústico. A Indústria Automóvel em Portugal 10

19 Produção FEUP Produção A indústria automóvel em Portugal divide-se em dois grandes ramos: a produção e montagem de veículos e a produção de componentes automóveis (baterias, vidros, pneus, estofos, rádios, travões, cablagens, caixas de velocidade...) Produção de veículos em Portugal A evolução da política industrial e o investimento estrangeiro, designadamente no que está relacionado com a instalação de unidades de montagem local, têm determinado a evolução do setor automóvel em Portugal. Até ao início da década de 90 predominou o Projeto Renault e mais recentemente a Volkswagen Autoeuropa. A instalação do Projeto Autoeuropa determinou uma forte expansão do setor que até aí tinha tido um crescimento reduzido. A produção de veículos em Portugal é atualmente realizada em cinco fábricas, depois de um processo de consolidação e reestruturação do setor que conduziu à redução do número de produtores (nomeadamente o encerramento da fábrica da Renault em Setúbal e da Ford Lusitana na Azambuja), mas também ao aumento da sua dimensão face aos anos 90. Na tabela seguinte apresenta-se a evolução da produção automóvel portuguesa: Tabela 1 - Evolução do número de fábricas de montagem em Portugal e a sua produção [7] Observa-se que o número de fábricas em Portugal diminuiu para quase metade nos últimos 18 anos. Enquanto que em 1995 havia nove fábricas, que produziam em média cerca de veículos cada uma, em 2008 já só existiam cinco em média, cada uma produzia, contudo, cerca do dobro das unidades. A Indústria Automóvel em Portugal 11

20 Produção FEUP 2013 Destaca-se que a produção média viria a atingir valores mínimos em 2009 e máximos em 2011, apesar do número de fábricas se ter mantido inalterado. A quebra da produção em 2009 coincidiu com o agravar da crise financeira mundial. Como conclusão, pode afirmar-se que as diversas pequenas empresas de montagem de automóveis existentes em Portugal até aos anos 90 tornaram-se, por fusão, falência ou decisão da empresa mãe, em apenas cinco, que dispõem de uma maior capacidade produtiva. Os cinco produtores atualmente são (ordenados pela respetiva dimensão): - Autoeuropa (Palmela); - Peugeot Citroën (Mangualde); - Mitsubishi Fuso Truck Europe (Tramagal); - V.N. Automóveis (Vendas Novas); - Toyota Caetano (Ovar). Em conjunto, estas empresas produziram em 2012 cerca de 164 mil automóveis [7], o que representa uma quebra de 14,9% face ao ano anterior. Na Figura 4 verifica-se que na última década a tendência da produção automóvel em Portugal foi negativa (-33,7% entre os anos 2000 e 2012), não obstante oscilações ocorridas em alguns anos especialmente em 2009 e anos seguintes em que na sequência de uma grande quebra sucedeu uma recuperação com significado mas ainda assim insuficiente para compensar as quedas anteriores. Figura 4: Veículos automóveis produzidos em Portugal [7] A Indústria Automóvel em Portugal 12

21 Produção FEUP 2013 A produção portuguesa de veículos em 2012, apesar de ser um setor com elevada importância na economia nacional, quer em termos de exportações, quer em termos de contributo para o Produto Interno Bruto, representa apenas cerca de 1% da produção europeia, que ascendeu em 2012 a cerca de 16 milhões de veículos [7]. A estrutura da produção de veículos automóveis em Portugal reflete uma elevada concentração na produção de ligeiros de passageiros, seguindo-se, a uma distância significativa, os veículos comerciais ligeiros, enquanto os veículos comerciais pesados têm um peso marginal [7]. De facto, em 2012, dos 164 mil veículos produzidos em Portugal, 71% correspondem a ligeiros de passageiros e 27% a veículos comerciais ligeiros (ver Anexo A veículos automóveis em Portugal). Os 2% remanescentes correspondem a comerciais pesados. O mesmo Anexo A permite concluir que foi este subsetor dos comerciais pesados que melhor se comportou durante a última década, tendo registado uma queda de cerca de 11%, enquanto que os outros subsetores caíram mais de 30%. Na figura seguinte pode observar-se a dimensão relativa de cada produtor: Figura 5: Produção automóvel por fábrica em Portugal (2012) [7] A Autoeuropa é destacadamente a maior das fábricas existentes em Portugal, pelo que tem naturalmente o maior impacto na economia nacional, e justifica uma análise individualizada. A Indústria Automóvel em Portugal 13

22 Produção FEUP Análise da Autoeuropa Esta fábrica arrancou em 1995 com a produção de somente um modelo, embora sob 2 marcas (Ford e Volkswagen). Atualmente a Autoeuropa produz os modelos Eos, Scirocco, Sharan e Alhambra [11]. De acordo com a Figura 6, os números da sua produção anual aumentaram rapidamente nos primeiros anos, atingindo o máximo de cerca de 139 mil unidades em Nos anos seguintes registou-se um acentuado decréscimo, que culminou em 2005 com a produção de apenas cerca de 80 mil unidades, tendo desde então registado uma tendência positiva: Figura 6: Veículos automóveis produzidos pela Autoeuropa [11] Para esta evolução contribuiu decisivamente a decisão da Volkswagen de atribuir à Autoeuropa a produção de mais veículos além do inicial monovolume. De facto, e segundo notícias da época, em 2005 estaria em risco o encerramento desta unidade fabril, uma vez que a procura reduzida do modelo monovolume já não justificava a existência de uma fábrica dedicada. Assim, a introdução do Eos em março de 2006 e do Scirocco em setembro de 2008 [11] tiveram um impacto positivo e fundamental para a manutenção desta fábrica em Portugal. A Indústria Automóvel em Portugal 14

23 Produção FEUP 2013 A figura seguinte demonstra a evolução do volume de vendas da Autoeuropa desde a sua fundação. Constata-se que a curva do valor de vendas (nº de unidades vendidas x preço de venda) segue um perfil semelhante ao das unidades produzidas Valor (mil milhões de euros) Figura 7: Vendas da Autoeuropa [11] Ano Verifica-se que o pico de vendas ocorreu em 2001, sendo que 2011 atingiu valores muito próximos. Um dado curioso é que em 2001 se produziram menos veículos que em 1999 ( e unidades respetivamente de acordo com Anexo B Volkswagen Autoeuropa dados), mas todavia o volume de vendas foi superior em Deste modo, ou em 2001 foram vendidas mais unidades que em 1999 (eventual variação de stocks), ou os preços médios subiram. Não foram encontrados dados relativamente a estas duas variáveis. Do total dos automóveis produzidos pela Autoeuropa, 99,4% destinaram-se à exportação. Noutra perspetiva, as exportações da Autoeuropa representam 4,2% [11] das exportações nacionais totais. Tal representa um peso relativo elevado na estrutura das exportações portuguesas. O impacto no PIB nacional foi, em 2012, de 1,3% (Anexo B Volkswagen Autoeuropa dados). Este contributo tem-se mantido aproximadamente constante desde a criação da empresa em 1995: no final da década de 90 chegou até a ser superior a 2%, tendo vindo, porém, a diminuir desde o ano de Considerando a última década, o impacto médio da produção da Autoeuropa no PIB foi de 1,1%. A Indústria Automóvel em Portugal 15

24 Produção FEUP 2013 Quanto ao número de colaboradores, a Autoeuropa apresentava no ano da sua criação, tendo desde aí este número variado muito pouco. Figura 8: Produtividade da Autoeuropa [11] Este número de trabalhadores, relativamente constante, em conjunto com a oscilação da produção teve consequências ao nível da produtividade da empresa (produtividade = nº de unidades produzidas/nº de colaboradores), a qual atingiu valores mínimos em 2005, antes da decisão de alargar a gama de modelos produzidos na Autoeuropa. Regista-se que a partir de 2005 e apesar da introdução de novos modelos, apenas em 2011 a produtividade viria a retomar os níveis anteriores do início da década de O quadro apresenta a evolução dos níveis da produtividade da empresa. Fonte: Autoeuropa. A Indústria Automóvel em Portugal 16

25 Produção FEUP Produção de componentes A indústria automóvel em Portugal não se resume à produção montagem de veículos. Um subsetor de elevada importância é a produção de componentes automóveis, como por exemplo estofos, vidros, pneus, volantes, caixas de velocidades, cablagens, etc. Ao todo, em Portugal no ano de 2011, havia cerca de 180 empresas [10] que fabricavam componentes e acessórios para automóveis. Fabricavam produtos tão diferentes que estavam divididas em 38 CAE (Classificação das Atividades Económicas por códigos), não obstante terem esta característica comum de produzirem componentes automóveis. Dada esta elevada desagregação importa perceber onde se concentra a maior parte das empresas, o que se encontra descrito na tabela seguinte: Tabela 2 - Distribuição das empresas produtoras de componentes automóveis por CAE [10] Distribuição das empresas produtoras de componentes automóveis por CAE CAE Descrição % 293 Partes e acessórios para veículos a motor 44,40% 222 Partes plásticas 12,80% 257 Cutelaria, ferramentas e "hardware" geral 10,00% 221 Produtos de borracha 5,60% 139 Outros têxteis 5,00% 259 Outros produtos fabricados a partir do metal 4,40% 245 Moldagem do metal 2,80% 255 Forjamento, prensagem e estampagem do metal 1,70% 256 Tratamento e revestimento de metais 1,70% 281 Produção de maquinaria e equipamento com propósitos gerais 1,70% 273 Cablagem 1,70% 264 Televisões, rádios e outros bens similares 1,10% 243 Outras actividades de processamento do aço 1,10% Outros Outros grupos CAE 6,10% Fonte: AFIA Este subsetor fatura anualmente cerca de milhões de euros (média 2007/2011, [10]), e emprega cerca de pessoas [10]. Em 2007 eram , mas este número tem vindo a decrescer (possivelmente devido à crise financeira e à contração de encomendas do setor automóvel). Por outro lado, representa cerca de 5% do total do emprego da indústria transformadora [10] em Portugal. Este indicador tem sido estável ao longo dos últimos anos. 17

26 Vendas FEUP Vendas 5.1. Vendas de veículos e componentes De acordo com as estatísticas de produção industrial do INE, o setor automóvel em Portugal faturou em 2011 cerca de milhões de euros. Tal correspondeu a cerca de milhões relativos a veículos automóveis, e o restante a componentes e acessórios. O peso das vendas do setor automóvel no total das indústrias transformadoras em Portugal representou em 2011 cerca de 8,5% [8]. Trata-se da terceira indústria a nível nacional, tendo o volume de vendas crescido 20,1% face a 2010 e tendo o segundo maior contributo para a variação total das vendas do conjunto da indústria transformadora. Recorda-se que 2011 foi um ano de elevado crescimento da produção automóvel, conforme evidenciado pelos dados antes apresentados, o que se torna especialmente visível na produção da Autoeuropa. Não foram encontrados dados que expliquem inequivocamente a razão subjacente ao aumento da produção automóvel em A Indústria Automóvel em Portugal 18

27 Vendas FEUP Comércio externo A indústria automóvel portuguesa encontra na exportação as maiores oportunidades. De facto, aproximadamente 98% da sua produção de veículos destina-se ao mercado externo, sendo que o total das exportações do setor automóvel representou em 2012 cerca de 11% das exportações nacionais [8] Valor (milhões de euros) Exportações Importações Ano Figura 9: Balança comercial portuguesa no setor automóvel [9] De acordo com a Figura 9, a Balança Comercial Portuguesa (Exportações - Importações) do Setor Automóvel desde 2006 revela um saldo sistematicamente negativo, ou seja, as exportações são inferiores às importações [9]. Esta aparenta ser uma característica estrutural do setor. Grande parte das exportações portuguesas do setor automóvel é direcionada para países europeus. O país não europeu para o qual Portugal mais exporta é Angola, o que é certamente justificado pelo facto de se tratar de uma ex-colónia portuguesa, com quem o país tem afinidades sociais e culturais, e um comércio externo crescente. A Indústria Automóvel em Portugal 19

28 Vendas FEUP 2013 Países de destino Exportações (componentes+automóveis) 17,1% 2,3% 29,5% 2,9% 3,9% 8,8% 15,0% 20,5% Alemanha Espanha França Reino Unido Itália Angola Bélgica Outros Figura 10: Países de destino das exportações (automóveis e componentes) [9] A figura seguinte mostra o peso relativo das exportações do setor automóvel nas exportações totais para esse país. Apesar de Espanha ser o segundo maior cliente de Portugal na indústria automóvel, as exportações deste setor representam apenas 12% das exportações totais para esse mesmo país (apenas 12% daquilo que Espanha importa a Portugal se situa no setor automóvel). Figura 11: Peso das exportações do setor automóvel nas exportações totais para o país (2010) [9] A Indústria Automóvel em Portugal 20

A Indústria Automóvel em Portugal

A Indústria Automóvel em Portugal Projeto FEUP 2013/2014 -- Mestrado Integrado Engenharia Mecânica : Armando Sousa Teresa Duarte A Indústria Automóvel em Portugal Impacto na Economia Portuguesa Equipa 01: Supervisor: Lucas Silva Monitor:

Leia mais

André Vale. Diogo Costa. Gustavo Monteiro. João Pedro Ferreira. Maria João Santos. Paulo Ribeiro. Ano lectivo 2013/2014

André Vale. Diogo Costa. Gustavo Monteiro. João Pedro Ferreira. Maria João Santos. Paulo Ribeiro. Ano lectivo 2013/2014 Ano lectivo 2013/2014 Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Supervisor: Lucas Silva 1M5_02 Monitor: João Ferreira André Vale Diogo Costa Gustavo Monteiro João Pedro Ferreira Maria João Santos Paulo

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

O cluster automóvel em Portugal perspetivas e parcerias

O cluster automóvel em Portugal perspetivas e parcerias A Câmara de Comércio e Indústria organiza Seminário, Almoço e Mesas Redondas O cluster automóvel em Portugal perspetivas e parcerias Panorama do setor O investimento francês em Portugal Parceria entre

Leia mais

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Janeiro Dezembro 2013 1. Análise global Setor Elétrico e Eletrónico Confirma-se uma tendência decrescente na evolução do comércio externo

Leia mais

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267)

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) a) Universo, Dimensão e Emprego Empresarial do Trabalho da Pedra O trabalho da pedra tinha 2.001 empresas em 2004,

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização III 1 novembro 31 dezembro 2014

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização III 1 novembro 31 dezembro 2014 Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização III 1 novembro 31 dezembro 2014 Índice Enquadramento Principais trabalhos no período Análise de resultados Indicadores

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer pelo conjunto

Leia mais

EXPORTAÇÕES AUTOMÓVEL. Indústria. ograndemotor de crescimento da indústria 98%

EXPORTAÇÕES AUTOMÓVEL. Indústria. ograndemotor de crescimento da indústria 98% ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 6074 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Indústria AUTOMÓVEL Mesmo não tendo fábricas em Portugal, muitos marcas recorrem

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento SETEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

XI Jornadas Técnicas. O Sector Marítimo Português

XI Jornadas Técnicas. O Sector Marítimo Português XI Jornadas Técnicas O Sector Marítimo Português Modernização e Inovação na Construção e Reparação Naval J. Ventura de Sousa e Filipe Duarte IST, 25 de Novembro de 2008 A Associação das Indústrias Marítimas

Leia mais

O caso Volkswagen Autoeuropa

O caso Volkswagen Autoeuropa Ciclo de Conferências Factores de competitividade na Economia Portuguesa: «Ferrovia, Logística e competitividade na Economia Portuguesa» O caso Sandra Augusto 15 de Maio de 2012 Agenda 1 Breve apresentação

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro Indice Enquadramento Principais trabalhos no período Análise de resultados Indicadores de

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6%

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% 09 de janeiro de 2012 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2011 Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% No período de setembro a novembro de 2011, as saídas

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento Nuno Netto nnetto@deloitte.pt 28 de Outubro 2014 Agenda 2014. Para informações, contacte Deloitte Consultores, S.A.

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos

Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos Escola de EngenhariaUniversidade do Minho Departamento de Sistemas de Informação»«MERCADOS E NEGÓCIOS: DINÂMICAS E ESTRATÉGIAS Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos Eduardo Beira WP

Leia mais

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA Maio 2013 ATP Associação Têxtil e Vestuário de Portugal A ITV Portuguesa 2012 Volume de Negócios: 5.800 M * Produção: 4.910 M * Emprego: cerca de 150.000* Importações:

Leia mais

carregamento por cada carro ainda só foram vendidos 231 E23

carregamento por cada carro ainda só foram vendidos 231 E23 CARROS ELÉTRICOS: PREÇOS COMEÇAM A CAIRO Renault Twizy vai ser posto à venda em Portugal já em abril por 6990. Atualmente há 4,5 postos de carregamento por cada carro ainda só foram vendidos 231 E23 Tantas

Leia mais

Máquinas- ferramentas AEP / GABINETE DE ESTUDOS

Máquinas- ferramentas AEP / GABINETE DE ESTUDOS Máquinas- ferramentas AEP / GABINETE DE ESTUDOS MAIO DE 2004 A fabricação de máquinas-ferramentas (CAE 294) reunia, em 2001, 156 empresas e 2323 trabalhadores, empregando, cada unidade de produção, em

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde

Leia mais

Nova plataforma Toyota (TNGA) para produzir Carros cada vez Melhores i

Nova plataforma Toyota (TNGA) para produzir Carros cada vez Melhores i Nova plataforma Toyota (TNGA) para produzir Carros cada vez Melhores i "Com as repentinas e drásticas evoluções no mundo automóvel, as formas convencionais de pensar e de fazer negócios já não nos permitem

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

C&A aumenta quota de mercado na Europa em 2011

C&A aumenta quota de mercado na Europa em 2011 Comunicado de Imprensa Abril 2012 Empresa cresce e continua a investir C&A aumenta quota de mercado na Europa em 2011 Investimentos em atuais e novas lojas Aposta nas lojas on-line Aumento nas vendas de

Leia mais

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2009 1 MERCADO AUTOMÓVEL 1. Vendas de ligeiros de passageiros novos na Europa Tendo como fonte o Comunicado de 16 de Janeiro de 2009 divulgado pela ACAP,

Leia mais

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES Inovação EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES DOSSIER 13 JORGE LIZARDO NEVES O futuro é sem dúvida eléctrico Vem aí a Era de motores menos poluentes e mais eficientes. Quem o diz é o Jorge Lizardo Neves,

Leia mais

RESULTADOS ANUAIS 2011

RESULTADOS ANUAIS 2011 RESULTADOS ANUAIS 2011 15 de Fevereiro de 2011 VAA - Vista Alegre Atlantis, SGPS, SA sociedade aberta com sede no Lugar da Vista Alegre em Ílhavo, com o número de contribuinte 500 978 654, matriculada

Leia mais

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Informação 8 de Fevereiro de 2011 Campanha institucional do grupo Portucel Soporcel arranca hoje O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Arranca hoje a nova campanha institucional

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Número de Alunos Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Susana Justo, Diretora Geral da Qmetrics 1. Formação em ensino superior, graduada e pós graduada. Em Portugal continua

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8% Estatísticas do Comércio Internacional Janeiro 2015 12 de Março de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8% As exportações de bens aumentaram 0,9% e as importações

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 7 de Novembro de 2014 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora Enquadramento Evolução Recente Comércio

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Resultados de 2014. »» As vendas consolidadas do Grupo VAA cresceram 20,3% face ao ano anterior atingindo os 65,2 milhões de euros;

Resultados de 2014. »» As vendas consolidadas do Grupo VAA cresceram 20,3% face ao ano anterior atingindo os 65,2 milhões de euros; COMUNICADO Ílhavo, 13 de Março de 2015 Destaques Resultados de 2014»» As vendas consolidadas do Grupo VAA cresceram 20,3% face ao ano anterior atingindo os 65,2 milhões de euros;»» EBITDA de 2,3 milhões

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE NOVEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE NOVEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento NOVEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão Gestão da Distribuição e da Logística Gestão de Recursos Humanos Gestão de Sistemas de Informação

Leia mais

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15 Agências de Viagens ÍNDICE Sumário Executivo 3 da procura - inverno 2014/15 Portugal - NUTS II Portugal - Principais NUTS II Principais 4 5 6 da procura - verão

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 71 Agosto

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 07 julho 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2015 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2014 A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro Em 2014, o Índice de

Leia mais

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno Atividade Turística Novembro de 2014 19 de janeiro de 2015 Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno As dormidas na hotelaria fixaram-se em

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização IV 1 janeiro 28 fevereiro 2015

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização IV 1 janeiro 28 fevereiro 2015 Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização IV 1 janeiro 28 fevereiro 2015 Índice Enquadramento Principais trabalhos no período Análise de resultados Indicadores

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

Apostar na cadeia de valor

Apostar na cadeia de valor Apostar na cadeia de valor 1 Apostar na cadeia de valor A Bosch acredita que uma parte do sucesso empresarial reside na capacidade de alterar e melhorar os processos dos seus fornecedores. Na visão da

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE DEZEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE DEZEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento DEZEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Novembro 2006 Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico de Outubro de 2006 apresenta uma melhoria

Leia mais

Transporte Aéreo de Passageiros em quebra generalizada na Europa E

Transporte Aéreo de Passageiros em quebra generalizada na Europa E 20 de Setembro, de 2010 TRANSPORTES EM FOCO Setembro de 2010 Transporte aéreo de passageiros em e na / Transporte Aéreo de Passageiros em quebra generalizada na Europa E em No contexto da crise económica

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

Transportar mais com menos

Transportar mais com menos Transportar mais com menos Transportar mais com menos Para a Bosch Termotecnologia, líder internacional no fabrico e exportação de sistemas de aquecimento e de água quente, a eficiência logística das cadeias

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos ÍNDICE Introdução.. 3 PORTOS NACIONAIS trocas comerciais com os países lusófonos Trocas comerciais com os países lusófonos em 2003... 9

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE PASTA, DE PAPEL E CARTÃO E SEUS ARTIGOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE PASTA, DE PAPEL E CARTÃO E SEUS ARTIGOS #5 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE PASTA, DE PAPEL E CARTÃO E SEUS ARTIGOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que as empresas do sector

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 Av. Vasco da Gama, 1410 4431-956 Telefone 22-7867000 Fax 22-7867215 Registada na C.R.C. de sob o nº 500239037 Capital Social: Euro 35.000.000 Sociedade Aberta

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de prioridades e um compromisso político

Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de prioridades e um compromisso político Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de e um compromisso político Apresentação ao Conselho Consultivo do Plano Tecnológico 19 de Julho de 26 Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta

Leia mais

AC I Ccent. 56/2008 Polytec/Peguform VERSÃO PÚBLICA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

AC I Ccent. 56/2008 Polytec/Peguform VERSÃO PÚBLICA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência AC I Ccent. 56/2008 Polytec/Peguform VERSÃO PÚBLICA Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência (alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho) 14/10/2008 DECISÃO DA AUTORIDADE

Leia mais

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização I 16 Junho - 31 Agosto 2014

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização I 16 Junho - 31 Agosto 2014 Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização I 16 Junho - 31 Agosto 2014 Indice Enquadramento Principais trabalhos no período Análise de resultados Indicadores de

Leia mais

Economia. Jornal Negócios. Classe: Economia/Negócios. Dimensão: n+ 19 11 2012. Imagem: Página (s): S/Cor 1/6 a 9

Economia. Jornal Negócios. Classe: Economia/Negócios. Dimensão: n+ 19 11 2012. Imagem: Página (s): S/Cor 1/6 a 9 Jornal Negócios /Negócios Dimensão: Página (s): 3306 1/6 a 9 /Negócios Câmara do Comércio Luso Alemã tem Chama Amarela traz indústria Autoeuropa mil sócios e na Alemanha de volta às exportações de 3 600

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

PLANTAS E ERVAS AROMÁTICAS (PAM) ENQUADRAMENTO E OPORTUNIDADES

PLANTAS E ERVAS AROMÁTICAS (PAM) ENQUADRAMENTO E OPORTUNIDADES PLANTAS E ERVAS AROMÁTICAS (PAM) ENQUADRAMENTO E OPORTUNIDADES INTRODUÇÃO PRODUÇÃO, PRODUTORES E ESCOAMENTO VALOR DA PRODUÇÃO PRINCIPAIS ESPÉCIES PARA COMERCIALIZAÇÃO MERCADOS, ENQUADRAMENTO MUNDIAL E

Leia mais

VI Jornadas técnicas de segurança no trabalho da AEVA

VI Jornadas técnicas de segurança no trabalho da AEVA VI Jornadas técnicas de segurança no trabalho da AEVA Agenda Volkswagen Autoeuropa em Portugal Produtos e produção Recursos Humanos Boas práticas preventivas 2/32 Volkswagen Autoeuropa em Portugal 3/32

Leia mais

O COMÉRCIO E A INDÚSTRIA AUTOMÓVEL EM PORTUGAL

O COMÉRCIO E A INDÚSTRIA AUTOMÓVEL EM PORTUGAL ACAP ASSOCIAÇÃO AUTOMÓVEL DE PORTUGAL AUTO INFORMA COMERCIALIZAÇÃO DE ESTUDOS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NO SECTOR AUTOMÓVEL, UNIPESSOAL, LDA. O COMÉRCIO E A INDÚSTRIA AUTOMÓVEL EM PORTUGAL Lisboa 2008 ACAP

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE JULHO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE JULHO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento JULHO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de 2006,

Leia mais

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas?

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas? Que Private Label na Era das Marcas? Vila Nova de Famalicão, 26 de Novembro de 2008 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 2 INTELIGÊNCIA TÊXTIL O Sector Têxtil e Vestuário Português e o seu enquadramento na Economia

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

A MOBILIDADE ELÉCTRICA

A MOBILIDADE ELÉCTRICA A MOBILIDADE ELÉCTRICA Contextualização As significativas alterações climáticas e o aumento do preço dos combustíveis sustentam um dos maiores desafios do século XXI - fiabilidade, segurança e sustentabilidade

Leia mais

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010 Apresentação de Resultados 2009 10 Março 2010 Principais acontecimentos de 2009 Conclusão da integração das empresas adquiridas no final de 2008, Tecnidata e Roff Abertura de Centros de Serviços dedicados

Leia mais

Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade. Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da DGEG

Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade. Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da DGEG Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade A DIRETIVA EUROPEIA SOBRE INFRAESTRUTURAS DE COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da

Leia mais

A atual oferta de financiamento

A atual oferta de financiamento Ciclo de Conferências CIP Crescimento Económico: Diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Nuno Amado 28.nov.14 Centro de Congressos de Lisboa 5 Mitos sobre o financiamento

Leia mais

A Satisfação do Cliente no Sector dos Seguros

A Satisfação do Cliente no Sector dos Seguros A Satisfação do Cliente no Sector dos Seguros Introdução Num contexto de uma economia de mercado em acelerada mudança, afigura-se fundamental que as empresas em geral, e em particular o sector segurador,

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais