Produção Gráfica I. A esse conjunto de pontos que formam a imagem impressa damos o nome de retícula.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produção Gráfica I. A esse conjunto de pontos que formam a imagem impressa damos o nome de retícula."

Transcrição

1 Produção Gráfica I SISTEMA DE FOTORREPRODUÇÃO RETÍCULA Fotografia preto e branco Se observarmos uma fotografia em preto e branco com uma lupa, vamos notar que existe a imagem é formada de pequenos grãos. Além do preto e do branco, encontramos também vários tons de cinza. 1 2 Nina Rezende - IESP Imagem impressa em máquina offset. Detalhe ampliado da imagem impressa. Numa imagem impressa, os vários níveis de cinza são criados pela presença de pontos. 3 A esse conjunto de pontos que formam a imagem impressa damos o nome de retícula. 4 1

2 Retícula (pequena rede) foi um artifício encontrado para reproduzir imagens por meios mecânicos. Uma imagem em cores ou preto e branco para ser reproduzida graficamente precisa ser decomposta em pontos. As tonalidades claras ou escuras na imagem são obtidas pelo espaçamento e pelo tamanho dos pontos. Áreas escuras (cinza mais escuro) da imagem: os pontos são grandes (se emendam), há mais pontos e pouco espaço em branco entre eles (pouco se vê do papel). 5 Nas áreas mais claras (cinza mais claro): Os pontos são pequenos, tem poucos pontos e o espaço em branco entre eles é grande (vê-se a superfície do papel). 6 PROCESSO DE RETICULAGEM ATUAL Retícula e Lineatura O processo de reticulagem, atualmente, é todo feito por computador. Ou seja, a quebra do original de tom contínuo em milhares de pontos, ou em retícula, é gerenciado por softwares e equipamentos específicos. É a chamada reticulagem digital Depois de feita a reticulagem, a imagem pode ser transferida para um fotolito (através de uma imegesetter) ou direto para a chapa de impressão (através de Vimos que a imagem impressa é formada de pontos (retícula). Então o número de pontos que formam uma imagem vai interferir na sua qualidade. Quando falamos em número de pontos de retícula estamos nos referindo a uma medida chamada Lineatura. Lineatura refere-se a freqüência dos pontos que formam as retículas. Ou seja, quanto mais pontos houver em um determinado espaço da imagem, maior será a sua lineatura. uma platesetter)

3 Lineatura Lineatura alta pontos menores melhor qualidade imagem Lineatura baixa pontos maiores baixa qualidade imagem Quanto maior a lineatura, ou seja maior a freqüência dos pontos (maior número de pontos na imagem), portanto menores serão os pontos e melhor será a qualidade da imagem. Em contrapartida, quanto menor a lineatura, teremos pontos maiores e em menor número formando a imagem. Se os pontos são maiores provavelmente eles serão visíveis a olho nu. Neste caso podemos dizer que a imagem impressa não tem muita qualidade. 9 Medidas de Lineatura A medida da lineatura de uma imagem é dada em:! Lpi (lines per inch ou linhas por polegadas)! Lpc (linhas por cm). Lpc está caindo em desuso. Como a maioria dos softwares de editoração são desenvolvidos em países de língua inglesa, é mais comum se encontrar a medida Lpi. 10 Fator básico que determina a lineatura:! O tipo de papel utilizado Quanto mais absorvente for o papel (sem revestimento e baixo grau de colagem), menor deve ser a lineatura, pois a tendência dos pontos é aumentar de tamanho. Lineatura para papel jornal Como o papel jornal tem baixo grau de colagem e não tem revestimento, sua superfície é áspera e absorvente. Por isso a lineatura da imagem para este tipo de papel não deve ultrapassar 100 Lpi. Ou seja, uma lineatura baixa. Se os pontos aumentam de tamanho eles ficam encostados uns aos outros, prejudicando a nitidez da imagem

4 Lineatura para offset Lineatura para LWC O papel offset tem um grau de colagem maior e sua superfície tem um tratamento melhor que o papel jornal. Além de ter alta alvura. Para trabalhos em papel offset é recomendada uma lineatura entre 120 e 133 lpi. Lineatura média. O LWC já possui um certo revestimento, por isso sua sua superfície não absorve tanto a tinta. Para o LWC a lineatura adequada fica em torno de 133 Lpi, podendo chegar a 150 Lpi. Lineatura média Lineatura para couché Lineatura para dúplex e tríplex O papel couché é um papel revestido com superfície lisa e delicada. Excelente para reproduções coloridas. O couché suporta lineaturas altas, a partir de 150 Lpi. A lineatura para estes tipos de papéis segue a do papel couchê ( a partir de 150 Lpi), pois eles recebem o mesmo tipo de revestimento que o couchê

5 Ganho de ponto (Dot gain) Ganho de ponto (Dot gain) Quando uma imagem é transferida para a chapa de impressão ela vai reticulada, ou seja convertida em milhares de pontos. Pontos na chapa de impressão Pontos impressos no papel. Quando a tinta passa pela chapa e depois para o papel, dependendo da superfície do papel (mais ou menos absorvente) pode ocorrer o GANHO DE PONTO. Ganho de ponto é o aumento no tamanho do ponto, quando a imagem é impressa. 17 Se o aumento dos pontos é muito grande a tendência da imagem é escurecer. Por isso é importante conhecer as características do papel para saber como vai ser o ganho de ponto. Se o papel for muito absorvente, o ganho de ponto será alto. Neste caso a solução é utilizar uma lineatura baixa (menos menos por polegada). 18 Ganho de ponto (Dot gain) No papel jornal o ganho de ponto é muito mais acentuado (maior) que no papel couché. Papel jornal (superfície áspera, muito absorvente): Ganho de ponto alto Lineatura baixa Papel couchê (superfície lisa, pouco absorvente): Ganho de ponto pequeno Lineatura alta BIBLIOGRAFIA BAER, Lorenzo - Produção gráfica. São Paulo: Senac Editora, Curso Burti Fotorreprodução. São Paulo: Editora Gráficos Burti. CRAIG, James. Produção gráfica. São Paulo: Mosaico/EDUSP, OLIVEIRA, Marina. Produção Gráfica para Designers. Rio de Janeiro: 2AB editora Os softwares de editoração eletrônica (Corel, Photoshop, etc) permitem que se façam ajustes no controle do ganho de ponto

RESOLUÇÃO. RESOLUÇÃO DE UMA IMAGEM - A resolução é a medida do detalhe de uma imagem que um dispositivo pode capturar ou reproduzir.

RESOLUÇÃO. RESOLUÇÃO DE UMA IMAGEM - A resolução é a medida do detalhe de uma imagem que um dispositivo pode capturar ou reproduzir. RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO DE UMA IMAGEM - A resolução é a medida do detalhe de uma imagem que um dispositivo pode capturar ou reproduzir. PPI - É a abreviatura de 'pixels per inch' (pixeis por polegada). Refere-se

Leia mais

PAPÉIS PARA IMPRESSÃO GRÁFICA

PAPÉIS PARA IMPRESSÃO GRÁFICA PAPÉIS PARA IMPRESSÃO GRÁFICA Processo de fabricação, características e principais tipos. PAPEL/História O processo de fabricação de papel, que conhecemos hoje, é baseado em um processo chinês, desenvolvido

Leia mais

T I P O M E T R I A. Fournier estabeleceu que: Mais um pouco de história... Mais um pouco de história... o ponto tipográfico valeria = 0,35 mm

T I P O M E T R I A. Fournier estabeleceu que: Mais um pouco de história... Mais um pouco de história... o ponto tipográfico valeria = 0,35 mm Produção Gráfica 1 T I P O M E T R I A Mais um pouco de história... Com a disseminação do sistema de impressão através da tipografia Surgiram os casas de fundição, que fundiam os tipos em metal. Mais um

Leia mais

Imagens Digitais Tratamento de Imagens

Imagens Digitais Tratamento de Imagens Imagens Digitais Imagens de Bitmap Bitmap = Mapa de Bits ou Imagens Raster São as imagens formadas por pixels em oposição às imagens vetoriais. Imagens de Bitmap Imagem de bitmap Imagem vetorial Imagens

Leia mais

Trabalho/arte lineatura do clichê e percentual de pontos Intensidade da aplicação e Substrato

Trabalho/arte lineatura do clichê e percentual de pontos Intensidade da aplicação e Substrato 5 ESPECIFICANDO O ANILOX CORRETAMENTE A especificação correta do Anilox é fundamental, embora não seja a única, para obtenção do resultado esperado em impressão flexográfica. A metodologia para especificação

Leia mais

Quadricromia. e as Retículas AM e FM

Quadricromia. e as Retículas AM e FM Quadricromia e as Retículas AM e FM A retícula A retícula tradicional ou convencional AM (Amplitude Modulada) é composta de pontos eqüidistantes e com dimensões variáveis. A retícula A retícula tradicional

Leia mais

Conteúdo 3 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann

Conteúdo 3 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann Conteúdo 3 - Conceitos básicos de produção gráfica professor Rafael Hoffmann Cor Modelos cromáticos - Síntese aditiva/cor-luz Cores-luz primárias: vermelho, verde e azul. O branco surge quando as três

Leia mais

Tipografia. Tipografia x tipologia. Por que TIPO...? Tipo - vem do grego, Typos, significa molde, sinal.

Tipografia. Tipografia x tipologia. Por que TIPO...? Tipo - vem do grego, Typos, significa molde, sinal. Produção Gráfica 1 Tipografia Parte 1 Tipografia Envolve a seleção e a aplicação de tipos, a escolha do formato da página com objetivo de transmitir uma mensagem do modo mais eficaz possível. Popularmente

Leia mais

Configurando Color Sttings - no CS3 Shift + Ctrl + K

Configurando Color Sttings - no CS3 Shift + Ctrl + K GCR Photoshop CS3 Cores Digitais Primeiramente, vamos entender como é possível substituir o CMY por preto apenas nas áreas cinzas e escuras sem influenciar nas outras cores da foto. Quando um scanner captura

Leia mais

Conteúdo 4 - Papéis e acabamentos. professor Rafael Hoffmann

Conteúdo 4 - Papéis e acabamentos. professor Rafael Hoffmann Conteúdo 4 - Papéis e acabamentos professor Rafael Hoffmann Papéis Papéis Subtítulo Conhecer: - os papéis existentes no mercado; - as suas características; - sua aplicação. Porque: - afeta a qualidade

Leia mais

Definição, RESOLUÇÃO e Renderização

Definição, RESOLUÇÃO e Renderização Definição, RESOLUÇÃO e Renderização (qualidade de imagem) Conceitos para a reprodução digital de imagens Qualidade de imagem A terminologia leva a confusão porque as empresas que lidam com o mundo digital

Leia mais

Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann

Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica professor Rafael Hoffmann Cor Modelos cromáticos - Síntese aditiva/cor-luz Isaac Newton foi o responsável pelo desenvolvimento da teoria das cores. Em

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO 42951 CÓD. DISC. 170.3348.9 UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA MATERIAIS E PROCESSOS GRÁFICOS I ETAPA 3ª CH ANO 2011 OBJETIVO

Leia mais

Aplicações Informáticas B 12º Ano

Aplicações Informáticas B 12º Ano Aplicações Informáticas B 12º Ano Prof. Adelina Maia 2013/2014 AIB_U4A 1 Bases sobre a teoria da cor aplicada aos sistemas digitais (red / Green / blue) Modelo CMYK (cyan / magenta / yellow + Black) Modelo

Leia mais

Oficina de. Multimédia B. Imagem Digital

Oficina de. Multimédia B. Imagem Digital Oficina de Multimédia B Imagem Digital Índice Imagens vetoriais 3 Imagens bitmap 5 Pontilhismo 7 Pixel 9 Redes de pixeis 11 Dimensão da imagem 15 Imagens vetoriais: características 17 Imagens bitmap: características

Leia mais

Adobe FreeHand. Imagem Bitmap:

Adobe FreeHand. Imagem Bitmap: Imagem Bitmap: As imagens bitmap (mapa de bits), são tal como o nome indica, uma colecção de bits que formam uma imagem. A imagem consiste numa matriz de pontos individuais (ou píxeis) em que cada um tem

Leia mais

Imagem digital - 1. A natureza da imagem fotográfica. A natureza da imagem fotográfica

Imagem digital - 1. A natureza da imagem fotográfica. A natureza da imagem fotográfica A natureza da imagem fotográfica PRODUÇÃO GRÁFICA 2 Imagem digital - 1 Antes do desenvolvimento das câmeras digitais, tínhamos a fotografia convencional, registrada em papel ou filme, através de um processo

Leia mais

Conteúdo 5 - Serigrafia e Sublimação. professor Rafael Hoffmann

Conteúdo 5 - Serigrafia e Sublimação. professor Rafael Hoffmann Conteúdo 5 - Serigrafia e Sublimação professor Rafael Hoffmann No processo coloca-se o suporte por baixo da matriz (tela), coloca-se a tinta por cima e com a ajuda de uma espátula faz-se pressão na tinta

Leia mais

Ingressos Itens de segurança Entenda melhor cada item de segurança

Ingressos Itens de segurança Entenda melhor cada item de segurança I. Itens de segurança na frente do ingresso: Item de segurança Função Modelo de ingresso 1. Fundo numismático personalizado duplex Fundo personalizado com duas cores em linhas em dois ângulos sobrepostos.

Leia mais

Processos Tecnologia Gráfica Substratos

Processos Tecnologia Gráfica Substratos Processos Tecnologia Gráfica Substratos Substratos: suportes de impressão Toda superfície que venha a receber uma impressão é chamada de suporte ou substrato na indústria Gráfica. Há uma diversidade enorme

Leia mais

Planejamento Gráfico - AULA 01 - Prof. Me. Sergio Xavier

Planejamento Gráfico - AULA 01 - Prof. Me. Sergio Xavier Planejamento Gráfico - AULA 01-1 Sumário Apresentação Plano de Ensino Objetivos Avaliação Bibliografia A importância do Planejamento Gráfico Conceitos Básicos 2 Apresentação Prof. Me. SERGIO XAVIER 3 2010

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL. Faculdade de Educação - UFG

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL. Faculdade de Educação - UFG MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Faculdade de Educação - UFG INDICE 1. Apresentação 2. Versões 3. Cores 4. Tipografia 5. Reprodução 6, Usos incorretos 7. Redução da marca 8. Arejamento da marca 9. Verão monocromática

Leia mais

Sidnei Costa Souza sid.nat@zaz.com.br RESOLUÇÃO

Sidnei Costa Souza sid.nat@zaz.com.br RESOLUÇÃO Sidnei Costa Sza sid.nat@zaz.com.br RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO A imagem está em alta baixa resolução? Vai serrilhar/pixealizar a imagem? Estas são perguntas muito comuns em um bureau de saída de fotolito. Estas

Leia mais

Organização de Computadores Dispositivos de saída, principais tecnologias (Monitor/Impressora) Professor: Francisco Ary

Organização de Computadores Dispositivos de saída, principais tecnologias (Monitor/Impressora) Professor: Francisco Ary Organização de Computadores Dispositivos de saída, principais tecnologias (Monitor/Impressora) Professor: Francisco Ary Introdução O dispositivo de saída mais utilizado por um computador é o dispositivo

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução Capítulo 2 - Tipos de Originais

Capítulo 1 - Introdução Capítulo 2 - Tipos de Originais Capítulo 1 - Introdução Luz O que É Luz Espectro Eletromagnético Luz Anárquica Cor Interpretação Espectro Visível Sínteses Aditiva e Subtrativa Síntese Aditiva Cores Opostas e Complementares Síntese Subtrativa

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras CÓDIGO 042 CÓD. CURSO 42226 CÓD. DISC. 092.2734.2 PROFESSOR PLANO DE ENSINO UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO Letras Produção Editorial Gráfica Marcos Nepomuceno ETAPA 7 CH 04 T 04 P 00 ANO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA IMPRESSÃO CDURP - LISTA DE MATERIAIS TIRAGEM/ TAMANHO

TERMO DE REFERÊNCIA IMPRESSÃO CDURP - LISTA DE MATERIAIS TIRAGEM/ TAMANHO 1 Banner vinil M² em policromia impresso em vinil adesivo m² 2 Banner lona M² em policromia impresso em lona m² Prova digital reduzida ou parte da arte em escala 1/1 em tamanho A3 Prova digital reduzida

Leia mais

Aula 3 IMPRESSORAS UNICESPI 1º SEM 2011

Aula 3 IMPRESSORAS UNICESPI 1º SEM 2011 Aula 3 IMPRESSORAS UNICESPI 1º SEM 2011 Impressoras Uma impressora ou dispositivo de impressão é um periférico que, quando conectado a um computador ou a uma rede de computadores, tem a função de dispositivo

Leia mais

Imagem bitmap. Gráfico vetorial. gráficos vetoriais

Imagem bitmap. Gráfico vetorial. gráficos vetoriais Sobre imagens bitmap e gráficos vetoriais Os elementos gráficos de um computador podem ser divididos em duas categorias principais -- bitmap e vetor. Imagem bitmap Gráfico vetorial Imagens bitmap são ideais

Leia mais

Índice. Índice...2. Logomarca do Ipasgo...3. Logomarca do Ipasgo em Tons de Cinza...4. Uso do Selo NBR ISO 9001:

Índice. Índice...2. Logomarca do Ipasgo...3. Logomarca do Ipasgo em Tons de Cinza...4. Uso do Selo NBR ISO 9001: 1 Índice Índice...2 Logomarca do Ipasgo...3 Logomarca do Ipasgo em Tons de Cinza...4 Uso do Selo NBR ISO 9001:2008...5 Modelos Vetoriais e Monocromáticos...6 Aplicação de Fundo Escuro...7 Cores...8 Tipografia...9

Leia mais

Professor Gerson Witte Artes - EMI Informática. As Cores. Professor Gerson Witte EMI Informática Artes I

Professor Gerson Witte Artes - EMI Informática. As Cores. Professor Gerson Witte EMI Informática Artes I As Cores Professor Gerson Witte EMI Informática Artes I Apesar de serem o mesmo fenômeno físico, existe duas maneiras de entender as cores. A cor é uma radiação eletromagnética, corresponde à parte do

Leia mais

SIMETRIAS NA IMPRESSÃO OFFSET

SIMETRIAS NA IMPRESSÃO OFFSET SIMETRIAS NA IMPRESSÃO OFFSET Marko Alexandre Lisboa dos Santos UNESP - Universidade Estadual Paulista; Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação; Pós Graduação em Desenho Industrial kakosantos@gmail.com.br

Leia mais

Fundamentos de Computação Gráfica. Editoração Eletrônica

Fundamentos de Computação Gráfica. Editoração Eletrônica Fundamentos de Computação Gráfica Editoração Eletrônica Editoração Eletrônica Também conhecido como Editoração Eletrônica ou simplesmente DTP, é a área da Computação Gráfica que cuida da criação de material

Leia mais

Diferenças entre Roteador, Switch, Hub e Modem

Diferenças entre Roteador, Switch, Hub e Modem Diferenças entre Roteador, Switch, Hub e Modem Hubs, switches, roteadores e modems são equipamentos de distribuição e conexão de rede que, apesar de terem funções parecidas, se distinguem um dos outros

Leia mais

DESCRIÇÃO DETALHADA DOS IMPRESSOS - ELEIÇÕES 2014

DESCRIÇÃO DETALHADA DOS IMPRESSOS - ELEIÇÕES 2014 DESCRIÇÃO DETALHADA DOS IMPRESSOS - ELEIÇÕES 2014 Item 01 Envelope plástico para mídia digital Saco zip em material de polietileno, com zip plástico, espessura minima de 0,08mm, tamanho 14x20cm, acondicionado

Leia mais

Símbolos do Governo da República do Congo MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

Símbolos do Governo da República do Congo MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Símbolos do Governo da República do Congo MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ÍNDICE 2 INTRODUÇÃO... 3 O BRASÃO DE ARMAS...4 A BANDEIRA NACIONAL... 5 CONSTRUÇÃO...6 CORES INSTITUCIONAIS... 7 CORES INSTITUCIONAIS

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Introdução O manual da marca do Consultório na Rua tem a função de ordenar e padronizar o signo que distingue e diferencia o serviço, compreendendo os padrões e regras de aplicação

Leia mais

RECEITUÁRIOS / BLOCOS / TALÕES

RECEITUÁRIOS / BLOCOS / TALÕES RECEITUÁRIOS / BLOCOS / TALÕES Receituários * Impresso em papel sulfite 75 grs * formato 15 x 21 cm * Papel colorido: amarelo, verde, rosa, azul e salmão com acréscimo de R$ 1,00 por bloco * blocos com

Leia mais

MANUAL DE USOS DA IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE USOS DA IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE USOS DA IDENTIDADE VISUAL Este manual tem a função de definir as regras de uso da identidade visual do programa. Deve-se observar cuidadosamente as instruçõespara que a identidade seja aproveitada

Leia mais

INTRODUÇÃO À FOTOGRAFIA O Equipamento Fotográfico. PROFESSOR JORGE FELZ

INTRODUÇÃO À FOTOGRAFIA O Equipamento Fotográfico. PROFESSOR JORGE FELZ INTRODUÇÃO À FOTOGRAFIA O Equipamento Fotográfico PROFESSOR JORGE FELZ jorgefelz@gmail.com textos básicos TRIGO, Thales. equipamento fotográfico. São Paulo: Senac, 2006. LANGFORD, M. Fotografia básica.

Leia mais

Definição de sensoriamento remoto. Professor: Enoque Pereira da Silva

Definição de sensoriamento remoto. Professor: Enoque Pereira da Silva Definição de sensoriamento remoto Professor: Enoque Pereira da Silva Definição de sensoriamento remoto Sensoriamento remoto é um termo utilizado na área das ciências aplicadas que se refere à obtenção

Leia mais

- VANTAGENS O arquivo fechado corretamente; evita ocorrência de problemas de impressão e torna o tempo total de execução do trabalho muito menor.

- VANTAGENS O arquivo fechado corretamente; evita ocorrência de problemas de impressão e torna o tempo total de execução do trabalho muito menor. GUIA DE ARQUIVOS - VANTAGENS O arquivo fechado corretamente; evita ocorrência de problemas de impressão e torna o tempo total de execução do trabalho muito menor. - LINEATURA A lineatura do arquivo fechado

Leia mais

UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA.

UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA. UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA. Imagem digital é a representação de uma imagem bidimensional usando números binários codificados de modo a permitir seu armazenamento, transferência, impressão ou reprodução,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CÓD. CURSO CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH ANO 170.345.23 Materiais e Processos Gráficos II 4ª 2010

Leia mais

Manual de Fechamento de Arquivos

Manual de Fechamento de Arquivos Manual de Fechamento de Arquivos Introdução Para que você tenha um melhor desempenho e agilidade, desenvolvemos este manual para orientar de maneira eficiente o fechamento de arquivos para produção gráfica.

Leia mais

Computação Gráfica Síntese de Cores

Computação Gráfica Síntese de Cores Computação Gráfica Síntese de Cores Professora: Sheila Cáceres Natureza da cor O ser humano é capaz de visualizar só um subconjunto do espectro de luz solar: desde 380 nanômetros (violeta) a 780 nanômetros

Leia mais

Manual da Marca e Identidade Visual

Manual da Marca e Identidade Visual Manual da Marca e Identidade Visual 02 CONCEITO Design A representação gráfica de pessoas, a base do cooperativismo, livres de qualquer discriminação, mobilizadas para atingir o bem comum, apresentado

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO UNIDADE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CÓD. CURSO CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO CÓD. DISC. DISCIPLINA 170.345.23 MATERIAIS E PROCESSOS GRÁFICOS II CRÉDITOS ETAPA 4

Leia mais

Cores em Imagens e Vídeo

Cores em Imagens e Vídeo Aula 05 Cores em Imagens e Vídeo Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Universidade Federal Rural do Semiárido Departamento de Ciências Exatas e Naturais Ciência da Computação Ciência das Cores A cor é fundamentada

Leia mais

Meios transparentes Meios translúcidos Meios opacos

Meios transparentes Meios translúcidos Meios opacos ÓPTICA O que é luz? Definimos costumeiramente luz como sendo a faixa visível do espectro eletromagnético. A Óptica irá, portanto, estudar o comportamento da luz e os fenômenos que ocorrem com ela em diferentes

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO 42951 CÓD. DISC. 170.3452.3 UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA MATERIAIS E PROCESSOS GRÁFICOS II ETAPA 4 CH

Leia mais

Dispositivos e Periféricos de Computador

Dispositivos e Periféricos de Computador Dispositivos e Periféricos de Computador Impressoras O resultado é um conjunto de pontos (como os píxeis nos ecrãs) Pontos vs. píxeis 300-2400 dpi vs. 70-100 píxeis por polegada Os pontos estão on ou off,

Leia mais

PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS

PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS Fundamentos da cor A visão da cor É a capacidade de um organismo ou máquina de distinguir objetos baseando-se nos comprimentos de onda (ou freqüências) da luz sendo refletida,

Leia mais

Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores

Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores As imagens formadas na retina são planas, entretanto, conseguimos enxergar o volume dos objetos, uma das razões disto ocorrer é devido à iluminação nas diferentes

Leia mais

IMPRESSÃO & ACABAMENTO

IMPRESSÃO & ACABAMENTO Gavin Ambrose Paul Harris IMPRESSÃO & ACABAMENTO v. ação de produzir um material impresso v. completar a criação ou decoração do material impresso Tradução: Edson Furmankiewicz Revisão Técnica: Antonio

Leia mais

2/5/2010. Organize. Convença.

2/5/2010. Organize. Convença. Organize Embeleze Convença. 1 Resolução de Imagens Pausa. - 4 grupos - 4 frases - 1 técnica -Neste arquivo você encontrará 4 quadros. Cada um contém uma frase, uma afirmação, um fato ou um desafio. Este

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Utilização de Cores em HTML Cores primárias Cores secundárias 2 Utilização de Cores em HTML Os comprimentos de onda vermelho, amarelo

Leia mais

Manual de identidade visual

Manual de identidade visual Manual de identidade visual 2.0 - Manual de identidade visual 2.1 - Elementos da marca 2.2 - Redução 2.3 - Área de proteção 2.4 - Aplicação 2.5 - Versões PB 2.6 - Malha construtiva 2.7 - Paleta de cores

Leia mais

Manual de Identidade Visual. Normas e padrões de utilização

Manual de Identidade Visual. Normas e padrões de utilização Manual de Identidade Visual Normas e padrões de utilização Apresentação A Fundep - Fundação de Desenvolvimento da pesquisa, vem através deste documento consolidar o bem mais valioso que uma instituição

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ÍNDICE 1. MARCA APRESENTAÇÃO CORES INSTITUCIONAIS FAMÍLIA TIPOGRÁFI CA REPRODUÇÃO DA MARCA USOS INCORRETOS REDUÇÃO DA MARCA AREJAMENTO DA MARCA 04 05 06 07 09 10 11 2. PAPELERIA

Leia mais

Conteúdo 4 - Offset e Rotogravura. professor Rafael Hoffmann

Conteúdo 4 - Offset e Rotogravura. professor Rafael Hoffmann Conteúdo 4 - Offset e Rotogravura professor Rafael Hoffmann Escolha do processo - As vantagens e desvantagens de cada processo e sua adequação às necessidades do projeto. - A tiragem. - O custo médio do

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE APLICAÇÃO DE MARCAS

GUIA RÁPIDO DE APLICAÇÃO DE MARCAS GUIA RÁPIDO DE APLICAÇÃO DE MARCAS INTRODUÇÃO GUIA RÁPIDO DE APLICAÇÃO DE MARCAS Este é o guia rápido de aplicação de marcas do Grupo NotreDame Intermédica. Produzimos esse material para garantir uma unidade

Leia mais

Impressoras a laser 05/11/ IFRN - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

Impressoras a laser 05/11/ IFRN - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Impressoras a laser 05/11/2015 1 Impressoras a laser As impressoras a laser também fazem parte da categoria de não impacto e são muito utilizadas no ambiente corporativo, já que oferecem impressões de

Leia mais

O CONTEXTO SOCIOTÉCNICO CONTEMPORÂNEO Diferentemente dos tradicionais meios de transmissão em massa, as tecnologias digitais são campo de

O CONTEXTO SOCIOTÉCNICO CONTEMPORÂNEO Diferentemente dos tradicionais meios de transmissão em massa, as tecnologias digitais são campo de Docência On Line INTRODUÇÃO A educação a Distância (EAD) se tornou uma realidade necessária nos dias atuais, tendo como objetivo ajudar e qualificar aquelas pessoas que não tiveram a oportunidade de estudarem

Leia mais

Tipos de papéis e substratos

Tipos de papéis e substratos Tipos de papéis e substratos O tipo de papel e de substrato influencia diretamente no resultado final do trabalho. Suas características podem acentuar ou desvalorizar uma informação e prejudicar acabamentos.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Curso PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO Disciplina PRODUÇÃO GRÁFICA I Código da Disciplina 120.3341.3 Professor(es) Norberto Gaudêncio Junior José Luiz

Leia mais

MANUAL.

MANUAL. MANUAL DOUSUÁRIO Siga as normas para produção de seu material gráfico, respeitando-as sempre, muitos trabalhos não são processados em nosso sistema por pequenos detalhes. VERIFIQUE SEMPRE Dimensões especificadas

Leia mais

Manual de Identidade Visual Indústria de Impressoras Tecnológicas da Amazônia Ltda

Manual de Identidade Visual Indústria de Impressoras Tecnológicas da Amazônia Ltda Manual de Identidade Visual INTRODUÇÃO Com a importância que a IITA tem conquistado no Brasil, é essencial que a nossa marca seja utilizada seguindo o Manual de Identidade Visual. Uma marca sempre bem

Leia mais

6.2 USM. Acentuar uma imagem

6.2 USM. Acentuar uma imagem Acentuar uma imagem SilverFast possui uma função de acentuação especialmente desenvolvida, a Máscara de desfocagem (USM, ingl.: Unsharp Masking). O conceito vem da litografia tradicional, quando ainda

Leia mais

NBR 8403 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas

NBR 8403 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas MAR 1984 NBR 8403 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900

Leia mais

Pantógrafo. Nesta aula você vai conhecer, de maneira. Nossa aula. Cópias perfeitas

Pantógrafo. Nesta aula você vai conhecer, de maneira. Nossa aula. Cópias perfeitas A U A UL LA Pantógrafo Nesta aula você vai conhecer, de maneira geral, uma máquina usada para fazer gravações em metais, plásticos e acrílicos. Vai saber como esta máquina é montada e quais são os principais

Leia mais

Conceitos Básicos INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES

Conceitos Básicos INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES FACULDADE DOS GUARARAPES INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES Conceitos Básicos Prof. Rômulo César romulodandrade@gmail.com romulocesar@faculdadeguararapes.edu.br www.romulocesar.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Manual de Branding e Aplicação de Marca

Manual de Branding e Aplicação de Marca Manual de Branding e Aplicação de Marca Introdução Este manual foi criado com o objetivo de explicar / orientar os nossos fornecedores e parceiros nas questões referentes à reprodução e aplicação da nossa

Leia mais

Luz e Visão. Prof. César Bastos

Luz e Visão. Prof. César Bastos Luz e Visão Prof. César Bastos Introdução ao estudo de Luz e Visão Como você explicaria o que é luz? Você seria capaz de explicar a Luz para uma pessoa que não enxerga? Durante muitos anos, desde a Grécia

Leia mais

Sala de Estudos FÍSICA - Lucas 1 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº

Sala de Estudos FÍSICA - Lucas 1 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos FÍSICA - Lucas 1 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Valor: 10 Nota: 1. (G1 - utfpr 2014) Sobre fenômenos ópticos, considere as afirmações abaixo. I. Se uma vela é

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual 5 Apresentação da Marca A marca completa, com slogan, deve ser a versão utilizada preferencialmente. Já a versão marca simplificada, sem o slogan, só será utilizada quando não

Leia mais

PROJETO TRANSFORMAÇÕES PONTUAIS

PROJETO TRANSFORMAÇÕES PONTUAIS Colégio Pedro II Campus Realengo II Informática Educativa 2015 9º ano Professores: Sônia Sá Vianna (Desenho Geométrico), Simone da Costa Lima, Érika Santana e Alexandra Alves (informática Educativa) PROJETO

Leia mais

Curso de Introdução ao Office Apostila. Pacote Office 2007

Curso de Introdução ao Office Apostila. Pacote Office 2007 Apostila Pacote Office 2007 1 Índice Microsoft Office 2007 O que é?...03 Microsoft Office 2007 Pacotes e Requisitos...04 Iniciando o Pacote Office...06 Conclusão...07 Especificações de Publicação...08

Leia mais

Cores. Misturando apenas essas três cores, em proporções e intensidades variadas, podemos obter todas as outras, mesmo as que não estão no

Cores. Misturando apenas essas três cores, em proporções e intensidades variadas, podemos obter todas as outras, mesmo as que não estão no Cores A cor é uma sensação provocada pela luz sobre o órgão da visão, isto é, sobre nossos olhos. A cor-luz pode ser observada através dos raios luminosos. Cor-luz é a própria luz que pode se decompor

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DOMINGOS REBELO

ESCOLA SECUNDÁRIA DOMINGOS REBELO ESCOLA SECUNDÁRIA DOMINGOS REBELO INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DOS CURSOS DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho DISCIPLINA APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B Prova 303/2016

Leia mais

Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01

Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01 Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 06 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Formação: Graduação

Leia mais

Flexografia. Sistemas e processos de impressão: Relevografia tipografia flexografia. Encavografia rotogravura. Planografia litografia offset

Flexografia. Sistemas e processos de impressão: Relevografia tipografia flexografia. Encavografia rotogravura. Planografia litografia offset Sistemas e processos de impressão: Flexografia VILLAS-BOAS, André. Produção gráfica para designers. Rio de Janeiro: 2AB, 2008. 1 Sistemas de impressão Relevografia Matri z em alto-relevo Matriz em baixo-relevo

Leia mais

IMPRESSÕES GRUPO SINOS A MELHOR IMPRESSÃO DA INFORMAÇÃO

IMPRESSÕES GRUPO SINOS A MELHOR IMPRESSÃO DA INFORMAÇÃO IMPRESSÕES GRUPO SINOS A MELHOR IMPRESSÃO DA INFORMAÇÃO Impressos Grupo Sinos é o parque gráfico, ou a unidade de negócios do Grupo, onde são impressos os jornais, periódicos, revistas e peças gráficas

Leia mais

guia de uso da marca

guia de uso da marca guia de uso da marca sumário Clique nos itens abaixo para navegar pelo conteúdo. 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 HISTÓRIA DA MARCA FNQ VERSÕES DA MARCA CONSTRUÇÃO DA MARCA MARGEM DE SEGURANÇA REDUÇÕES MONOCROMIA

Leia mais

Normas Gramaticais da Língua Portuguesa AULA 1. Temas: Tipos de Textos Níveis de Linguagens

Normas Gramaticais da Língua Portuguesa AULA 1. Temas: Tipos de Textos Níveis de Linguagens Normas Gramaticais da Língua Portuguesa AULA 1 Temas: Tipos de Textos Níveis de Linguagens Como você deve recordar, iniciamos o módulo de Redação Oficial comentando sobre o que é o texto, isto é, uma unidade,

Leia mais

PRODUÇÃO GRÁFICA. Processos de Impressão: Offset

PRODUÇÃO GRÁFICA. Processos de Impressão: Offset PRODUÇÃO GRÁFICA Processos de Impressão: Offset PROCESSO DE IMPRESSÃO OFFSET O nome off-set (fora do lugar) vem do fato da impressão ser indireta, ou seja, a tinta passa por um cilindro intermediário,

Leia mais

Litografia e Offset. Planografia: Sistemas e processos de impressão. André Villas-Boas. Planografia. Litografia

Litografia e Offset. Planografia: Sistemas e processos de impressão. André Villas-Boas. Planografia. Litografia digital Sistemas e processos de impressão Planografia: e VILLAS-BOAS, André. Produção gráfica para designers. Rio de Janeiro: 2AB, 2008. André Villas-Boas 1 Sistemas de impressão digital Encavografia Matriz

Leia mais

Sistema Flexográfico Digital Flexcel NX. Tudo. é possível

Sistema Flexográfico Digital Flexcel NX. Tudo. é possível Sistema Flexográfico Digital Flexcel NX Tudo é possível Várias opções de aplicações Ampliando as fronteiras da impressão flexográfica, o Sistema Kodak Flexcel NX permite que você Faça mais com flexo em

Leia mais

Licenciatura em Design e Tecnologia das Artes Gráficas

Licenciatura em Design e Tecnologia das Artes Gráficas Feriado FREQUÊNCIAS 2014/2015 Avaliação Contínua até 13 de junho 00-jan 01-jun 02-jun 03-jun 04-jun 08-jun 09-jun 10-jun 11-jun 12-jun 13-jun 2ª F 2ª F 3ª F 4ª F 5ª F 2ª F 3ª F 4ª F 5ª F 6ª F SÁB Análise

Leia mais

Impressão Fundida no Adesivo

Impressão Fundida no Adesivo Selo Verificação Inicial Impressão Fundida no Adesivo Filme transparente em polímero sintético frontal de alta resistência. Impressão offset dos fundos de segurança e aplicação de holografia fundida no

Leia mais

Porque as. cores mudam?

Porque as. cores mudam? Porque as cores mudam? O que são cores? As cores não existem materialmente. Não possuem corpo, peso e etc. As cores correspondem à interpretação que nosso cérebro dá a certo tipo de radiação eletro-magnética

Leia mais

Índice. Porto Business School

Índice. Porto Business School NORMAS GRÁFICAS Índice O presente manual de normas constitui um guia de consulta com um papel fundamental na aplicação da identidade visual da Porto Business School. Apresenta os elementos básicos que

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA C U R S O S D E E D U C A Ç Ã O E F O R M A Ç Ã O 2 0 1 1 / 2 0 1 2 Se: Nível 2 Tipo 2 Fazes 15 anos até Dezembro Tens o 6º ano de escolaridade Procuras um percurso

Leia mais

Métodos Matemáticos para Gestão da Informação

Métodos Matemáticos para Gestão da Informação Métodos Matemáticos para Gestão da Informação Aula 04 Taxas de variação e função lineares II Dalton Martins dmartins@gmail.com Bacharelado em Gestão da Informação Faculdade de Informação e Comunicação

Leia mais

Há basicamente 3 questões a considerar quando queremos avaliar objetivamente a qualidade de uma imagem:

Há basicamente 3 questões a considerar quando queremos avaliar objetivamente a qualidade de uma imagem: Guia Fotográfico 3 QUALIDADE A palavra qualidade em fotografia é bastante relativa. Quando os detalhes finos de uma fotografia não são bem discerníveis, a cor está fora de balanço e as partes claras da

Leia mais

Carlos Guadix. Programa. Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto 2009/Maio

Carlos Guadix. Programa. Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto 2009/Maio re-produzir : fotolitografia e fotogravura prof. Bethania Souza e prof Carlos Guadix Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto 2009/Maio Programa re-produzir- ciclo de 5 workshops de edição em

Leia mais

PRODUÇÃO GRÁFICA CONCEITO ETAPAS DA PRODUÇÃO GRÁFICA IMPRESSÃO CLASSIFICAÇÃO DAS MATRIZES DE IMPRESSÃO

PRODUÇÃO GRÁFICA CONCEITO ETAPAS DA PRODUÇÃO GRÁFICA IMPRESSÃO CLASSIFICAÇÃO DAS MATRIZES DE IMPRESSÃO PRODUÇÃO GRÁFICA CONCEITO Avaliação da competência, pontualidade e custos de fornecedores terceirizados para contratação de serviços e matérias necessários para a preparação de artes-finais e realização

Leia mais

O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA. José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita

O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA. José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita 1 A Detecção Remota e uma técnica que nos permite obter informação sobre um objecto

Leia mais

Professora Bruna CADERNO 1. Capítulo 4. Fenômenos Ópticos: Refração, Absorção e Dispersão da Luz

Professora Bruna CADERNO 1. Capítulo 4. Fenômenos Ópticos: Refração, Absorção e Dispersão da Luz CADERNO 1 Capítulo 4 Fenômenos Ópticos: Refração, Absorção e Dispersão da Luz FENÔMENOS ÓPTICOS No capítulo anterior demos início ao estudo dos fenômenos ópticos. Um fenômeno óptico ocorre quando a luz

Leia mais

Matrizes e Determinantes

Matrizes e Determinantes Aula 10 Matrizes e Determinantes Matrizes e Determinantes se originaram no final do século XVIII, na Alemanha e no Japão, com o intuito de ajudar na solução de sistemas lineares baseados em tabelas formadas

Leia mais