Juliana Fonseca e Censi

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Juliana Fonseca e Censi"

Transcrição

1 Juliana Fonseca e Censi A participação em feiras de negócios como importante estratégia organizacional TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES PÚBLICAS, PROPAGANDA E TURISMO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS São Paulo 2004

2 Juliana Fonseca e Censi A participação em feiras de negócios como importante estratégia organizacional Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, como requisito parcial para a obtenção do título de bacharel em Comunicação Social habilitação em Relações Públicas, sob orientação do Prof. Dr. Luiz Alberto Farias. Universidade de São Paulo Escola de Comunicações e Artes São Paulo 2004

3 Ficha Catalográrica: CENSI, Juliana Fonseca e. A participação em feiras de negócios como importante estratégia organizacional. Trabalho de Conclusão de Curso. São Paulo: ECA/USP, Palavras-chave: Relações Públicas, eventos empresariais, feiras de negócios. 2

4 Banca examinadora Avaliação: 3

5 Agradecimentos Agradeço a todos que me ajudaram de uma forma ou de outra na realização deste trabalho. A Deus, que tornou este momento possível e que me capacitará para desafios maiores, aos meus pais e madrinha, Lourdes, Evaristo e Teresa, pelo apoio e formação que recebi desde a infância, aos meus irmãos, Cauê e Renan, ao Guilherme, pelo carinho e aos amigos Diana, Gabi, Déo, Wile e Márcia pelos momentos de diversão e desabafo. Em especial agradeço ao Prof. Ms. Luiz Alberto Farias que foi muito atencioso na orientação deste trabalho, às pessoas que se dispuseram a serem entrevistadas para a pesquisa e, além disso, forneceram-me material e citaram fontes importantes sobre o tema feiras de negócios. Também agradeço aos profissionais da Fundação Instituto de Administração que me orientaram em meu estágio. Foi na FIA certamente que o interesse em estudar as feiras de negócios surgiu. Não poderia me esquecer de agradecer à universidade, personificada nos professores que foram importantíssimos na construção de um pensamento crítico e aos colegas, pelos momentos inesquecíveis na ECA, dentro ou fora das salas de aula. Como foram gostosas as tardes na ECA, participar da Atlética, ter baile de formatura antes de estar formada. Ly, Jô, Mari, Lúcia, Tato, Camila, foi tudo muito bom! 4

6 Sumário Introdução...11 Capítulo 01: Os eventos empresariais na comunicação integrada Eventos Eventos na comunicação integrada Planejamento estratégico na comunicação organizacional Tipos de eventos Benefícios trazidos pelos eventos empresariais...22 Capítulo 02: Feiras de negócios Definição Feira, salão, exposição Por que participar de uma feira? Vantagens em participar de uma feira Planejamento da participação em uma feira Implementação, avaliação e controle de uma feira...39 Capítulo 03: Mercado de feiras de negócios no Brasil Histórico Mercado de feiras de negócios no Brasil Mercado de feiras de negócios em São Paulo Entidades de Classe...59 Capítulo 04: Pesquisa com profissionais da área de feiras Problema, hipótese e justificativa Planejamento da pesquisa Objetivos da pesquisa e sua operacionalização Fontes de dados Método de pesquisa

7 4.2.4 Forma de coleta de dados Plano de amostragem e tamanho da amostra Elaboração do plano de processamento de dados Execução da pesquisa Resultados da pesquisa: confronto entre teoria e prática...77 Conclusão...87 Bibliografia...91 Anexos

8 Lista de quadros e gráficos: Quadro 1: Ferramentas comuns de comunicação segundo Kotler...7 Quadro 2: Evolução do mercado de feiras no Brasil...54 Quadro 3: Categorias das empresas associadas à Abeoc

9 Resumo Este trabalho contextualiza as feiras de negócios como uma das ferramentas utilizadas na comunicação integrada, em quais casos a organização pode lançar mão delas, quais as vantagens e oportunidades presentes neste tipo de evento, reforçando sempre que a empresa somente deve optar pela presença na feira se tiver um objetivo claro e, obviamente, que possa ser atingido com esta participação, além de recursos materiais e humanos disponíveis. Aponta como elas devem estar inseridas no planejamento estratégico da organização, as etapas e procedimentos que devem ser percorridos a fim de que o processo se dê com segurança, sempre tendo em vista um objetivo a ser alcançado. A avaliação e as ações pós-feira também são ressaltadas como importantes fases, que freqüentemente são esquecidas e que auxiliam participações futuras, corrigindo desvios, e que possibilitam contato com todos os clientes efetivos e potenciais que estiveram presentes no decorrer do evento. Traz ainda dados do mercado de feiras, passando pelo seu histórico e evolução no Brasil e em São Paulo. Os números apontam crescimento de infra-estrutura, com pavilhões sendo construídos; profissionalização dos serviços correlatos, como de montadoras de estande, receptivo turístico; quantidade de feiras e de visitantes brasileiros e estrangeiros, bem como do montante de negócios gerados durante as feiras. Para finalizar, uma pesquisa em profundidade com diferentes profissionais da área, que atuam na Cidade de São Paulo, como expositores, consultores para feiras nacionais e internacionais e professores universitários para checar se todos os procedimentos propostos são realizados e se realmente a participação em feiras é considerada estrategicamente nas empresas que se utilizam desse tipo de evento. 8

10 Abstract This work contextualizes the business fairs as one of the tools from the integrated communication, in which cases the organization may use them, which advantages and opportunities in this kind of event, emphasizing always that the enterprise only should opt for the presence in the fair if it has a clear objective and, obviously, that can be reached with this participation, besides available material and human resources. It points out how they should be inserted in the strategic planning of the organization, the stages and proceedings which should be covered to allow that the process happens with security, always being in view of the objective to be reached. The evaluation and actions after-fair also are reinforced as important phases, that frequently are forgotten and that help future participations correcting errors and let be possible contact with all effective clients and prospects that were presents during the event. It brings too, data from the fairs market, passing by its historical and evolution in Brazil and São Paulo City. The numbers show growth of infrastructure, with pavilions being built; professionalizing of the correlate services, as stand s builders, tourism reception, quantity of fairs and of Brazilian and foreigner visitors, as well as the amount of business generated during the fairs. To finalize, one research with different professionals of the area, that act in São Paulo City, as expositors, consultants for national and international fairs, university teachers, to check if all proposed proceedings are realized and if the participation in fairs really is strategically considered in the enterprises that use this kind of events. 9

11 Introdução 10

12 Introdução As feiras de negócios são realidade no Brasil desde 1956, por iniciativa do empresário Caio de Alcântara Machado. Desde então, este é um mercado que não pára de crescer tanto em número de feiras realizadas, empresas que decidem aderir a estes eventos, variedade e segmentação de temas, especialização de mão-de-obra de empresas correlatas que auxiliam na viabilização das feiras, como em quantidade e qualidade nos pavilhões de exposições. Comecei a trabalhar com feiras de negócios em agosto de 2002, na Fundação Instituto de Administração, instituição conveniada com a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, participando de boa parte do processo como estagiária, auxiliando na contratação de serviços, observação de prazos propostos pela promotora do evento e participação durante a feira, atendendo o público visitante. Daí surgiu o interesse em conhecer mais sobre a teoria existente e também de como se dá a prática com profissionais que se especializaram na área. Diante de tanto crescimento no mercado de feiras de negócios, este trabalho se propõe a estudar este tema, expondo finalidades, benefícios e contextualizando-o na comunicação integrada, como uma das ferramentas disponíveis (e em quais casos deve-se recorrer a ela) e que, portanto, deve estar alinhada às demais e a um planejamento estratégico de comunicação e, conseqüentemente, ao planejamento estratégico da empresa expositora. Porém, nem sempre esta participação é planejada e articulada com outras ações de marketing e comunicação e grande parte dos expositores também não afere os resultados obtidos nas feiras e não realiza todas as ações pós-feira possíveis. Muito dinheiro pode estar sendo desperdiçado caso a participação em feiras não estiver sendo articulada com seu plano global de marketing e comunicação. Caso 11

13 a participação neste tipo de eventos seja encarada de forma mais estratégica e se sua avaliação for bem feita, pode trazer resultados positivos (aumento de vendas de produtos ou serviços e melhora da imagem, fixação da marca). Estes conceitos devem estar claros para que a feira seja estratégica para a empresa e para que cada etapa a ser percorrida vise ao objetivo da empresa em participar do evento. Assim, todas as oportunidades serão aproveitadas, a participação será consciente e se saberá onde se quer chegar e a avaliação será possível, pois esta só tem sentido quando se define o objetivo. Foi feita uma revisão bibliográfica, principalmente nos livros de Giacaglia (2003) e Cesca (1997) que abordaram diretamente e especificamente as feiras de negócios e outros tipos de eventos. Os livros de Kunsch (2003) e Kotler (1998), respectivamente, serviram de sustentação para a teoria de relações públicas, ressaltando a importância do planejamento estratégico e para o composto de marketing, no qual se incluem as feiras de negócios. Após a teoria, há um passeio no mercado de feiras no Brasil, mercado este que se confunde com a industrialização do país, sob o comando de Juscelino Kubitschek, história da primeira feira realizada em São Paulo e a evolução destes eventos, tanto de infra-estrutura, como profissionalização de serviços e sua potencialidade em gerar importantes negócios para estas empresas. Muitas empresas realizam 25% dos negócios anuais nos três a cinco dias de feira, o que certamente são números a serem considerados. A conclusão é que apesar de tanta evolução e crescimento, ainda há espaço e que a tendência é de expansão. A questão é se a velocidade do aumento da infra-estrutura, principalmente física e de logística, que esbarra em impasses burocráticos e legais acompanha a velocidade deste crescimento. 12

14 Para confrontar a prática com a teoria, foi feito um estudo exploratório, com sete entrevistas em profundidade, seguindo um roteiro previamente estabelecido. Foram entrevistados profissionais que trabalham nas feiras de negócios de diversas maneiras: como expositores, consultores de feiras nacionais ou internacionais, como agência que assessora empresas na participação em feiras, montadoras de estandes e professores universitários que ministram disciplinas relacionadas a eventos. Eles contaram um pouco de sua atuação neste mercado, as etapas que percorrem, se planejam, definem objetivos e avaliam a feira, as perspectivas que enxergam para as feiras de negócios. Enfim, a preocupação deste trabalho está em conscientizar que se respeitadas todas as etapas, se vistas como um processo, não como uma série de ações pontuais que não estão conectadas a um objetivo maior, as feiras são uma importante ferramenta que podem gerar novos negócios e manter os antigos, alavancar a imagem institucional da empresa, estreitar relações com o cliente e com o cliente potencial, entre outros benefícios. 13

15 Capítulo 01 Os eventos empresariais na comunicação integrada 14

16 Capítulo 01: Os eventos empresariais na comunicação integrada 1.1. Eventos A definição ou justificativa da existência de eventos e, especificamente os eventos empresariais, vem da inerência dos seres humanos em conviverem e interagirem no meio social em que vivem (família, escola, trabalho, porém nos ateremos a este último, que é o foco desta monografia), de quebrarem a rotina dos afazeres. Temse notícia da realização de eventos e de sua importância tanto nas sociedades atuais quanto nas antigas. Por isso são criadas reuniões, encontros, que são genericamente chamados de eventos, segundo autores da área. Giacaglia (2003, p.3) define como característica principal de um evento propiciar uma ocasião extraordinária ao encontro de pessoas, com finalidade específica, a qual constitui o tema principal do evento e justifica sua realização. 1.2 Eventos na comunicação integrada Os eventos e em especial as feiras de negócios estão inseridos na comunicação integrada (comunicação institucional, mercadológica, interna e administrativa) e, portanto, assim como as ferramentas utilizadas por cada sub-área, devem trabalhar para o mesmo objetivo global, reduzindo conflitos. Muitos profissionais e autores destacam a importância desta integração: Para serem eficazes, as relações públicas têm de atuar em parceria com outras sub-áreas da Comunicação. A comunicação integrada permite que se estabeleça uma política global, em função de uma coerência maior entre os programas, de uma linguagem comum, além de se evitar a sobreposição de tarefas. Os setores trabalham em conjunto, tendo ante os olhos os objetivos gerais da organização. Kunsch (1997, p.116) 15

17 A idéia deste trecho consiste de uma premissa que diversos autores de relações públicas ressaltam: a necessidade de os programas e atividades, não somente de relações públicas, mas de todas as sub-áreas da comunicação integrada estarem alinhados com os objetivos globais de comunicação. Ou seja, todas as ações da comunicação integrada não têm um fim em si mesmas, mas devem colaborar com a consecução dos objetivos globais de comunicação, assim como estes devem colaborar com os objetivos gerais da organização. Acreditamos que desta forma as atividades de comunicação exercem realmente um papel estratégico e atingem maior visibilidade. Kotler (1998, p. 526) fala em composto de comunicação de marketing (abrange pontos da comunicação institucional e mercadológica) e insere eventos como uma das ferramentas de promoção de vendas, vendas pessoais e relações públicas, que por sua vez fazem parte dos cinco modos de comunicação que compõem o composto de comunicação de marketing, a saber: propaganda (conjunto de técnicas e atividades de informação e persuasão destinadas a influenciar as opiniões, os sentimentos e as atitudes do público receptor); promoção de vendas (incentivos a curto prazo para encorajar a experimentação ou compra de um produto ou serviço); relações públicas (programas preparados para promover ou proteger a imagem de uma empresa ou de seus produtos individuais), venda pessoal (interação face-a-face com compradores potenciais), publicidade (divulgação de produtos ou serviços por meio de anúncios geralmente pagos e veiculados sob a responsabilidade de um anunciante identificado, com objetivos de interesses comerciais) e marketing direto (uso de correio, telefone, fax, e outras ferramentas de contato para comunicar ou solicitar resposta de consumidores). Como freqüentemente, nas traduções, há confusão entre a definição de propaganda e publicidade, nos apoiamos no livro de Pinho (1990, 16-22), que corretamente explica o significado destes dois modos de comunicação. 16

18 Abaixo, no Quadro 1, podemos ver as ferramentas de comunicação inerentes a cada um dos modos de comunicação propostos por Kotler, e abrangendo feiras e eventos: Quadro 1: Ferramentas comuns de comunicação segundo Kotler Publicidade e Promoção de vendas Relações Venda pessoal Marketing Direto Propaganda Públicas Anúncios Concursos, sorteios, Kits para a Apresentações Catálogos loterias imprensa de vendas Encartes em embalagens Brindes Treinamento de porta-vozes Programas de incentivo Lista de clientes (mailing list) Catálogos e Amostras grátis Relatórios Distribuição de Telemaketing folhetos anuais amostras Anuários Feiras e convenções Seminários Feiras e Compra eletrônica convenções Displays de ponto de Exposições, Demonstrações e Patrocínios Compra por televisão venda cuponagem Símbolos e logos Programas de fidelização Publicações Fax, , correio de voz Videoteipes Descontos Relações com a comunidade Materiais Financeamento a juros Lobbyng audiovisuais baixos Programas de fidelização Eventos Fonte: Kotler; 1998, p O grifo é nosso e corresponde às ferramentas que trataremos neste trabalho: eventos empresariais, especificamente as feiras de negócios. As ferramentas designadas às relações públicas estão um pouco simplistas e reducionistas, segundo o que identificamos na bibliografia pertinente à área, porém, não faz parte do âmbito deste trabalho discutir se concordamos ou não com estas ferramentas. O importante aqui é saber que as feiras são consideradas ferramentas de relações públicas (já que as feiras são um tipo de evento), de 17

19 promoção de vendas, e de vendas pessoais. Ou seja, neste ponto fica claro que as feiras devem ser pensadas estrategicamente e com sinergia entre as diversas áreas às quais a atividade de relações públicas compete. 1.3 Planejamento estratégico na comunicação organizacional Atualmente, é essencial que as organizações planejem, administrem e pensem estrategicamente a sua comunicação, com vistas a objetivos previamente definidos, considerando as necessidades dos públicos de interesse. Não é mais suficiente apenas resolver situações, desenvolver programas isolados, e entre eles destacamos os eventos, que não estejam alinhados com objetivos globais de comunicação e conseqüentemente da organização. Kunsch (2003, p. 272) insiste que a área de comunicação precisa ter uma postura capaz de agregar valor e contribuir para que a organização alcance a visão estabelecida para o futuro, cumpra sua missão, fixe e consolide seus valores. Para tanto, propõe seis fases que auxiliam o planejamento estratégico na comunicação: Definição da missão, visão e dos valores da comunicação: Estes itens guiarão todos os planos e programas que forem desenvolvidos para todas as sub-áreas da comunicação integrada. Estabelecimento de filosofias e políticas: Pontos de referência que orientam o trabalho de uma organização. A filosofia deve ser integrada para nortear coerentemente as ações comunicacionais. Determinação de objetivos e metas: Quais resultados se pretendem alcançar. As metas são a quantificação destes resultados estabelecidos. Esboço das estratégias gerais: Como fazer para tornar a comunicação organizacional o mais eficiente possível, isto é, excelente. Nesta etapa pensa-se o que deve ser dito, a que público, por quais meios, em qual momento e onde. 18

20 Relacionamento dos projetos e programas específicos: Somente neste ponto do planejamento define-se que programas e projetos estão de acordo com as necessidades detectadas nas etapas anteriores. Montagem do orçamento geral: Previsão de custos diretos e indiretos envolvidos na implementação de um plano. É extremamente necessário que se tenham estas quatro primeiras fases definidas, pois somente de posse delas, de conhecimento da missão, visão e valores da comunicação em uma organização, do estabelecimento de suas filosofias, políticas e estratégias gerais se podem traçar quais os programas ou projetos são mais adequados, efetivos e eficazes. Portanto, insistimos que um programa ou projeto de relações públicas nunca têm início em si mesmos, senão nas guias gerais da comunicação organizacional. Quando não se respeitam estas etapas, confere-se às relações públicas um caráter tático, operacional. Suas bases passam a ser vontades, suposições e não realmente as necessidades da organização. 1.4 Tipos de eventos Os diversos tipos de eventos que uma organização realiza, patrocina ou participa podem ser classificados diante de diversos critérios. Quanto à finalidade, Giacaglia (2003, p.39) os classifica em institucionais ou promocionais; quanto à periodicidade, esporádicos, periódicos ou de oportunidade; quanto à área de abrangência, locais, regionais, nacionais ou internacionais; quanto ao âmbito, internos ou externos; quanto ao público-alvo desejado, corporativo ou para o consumidor; quanto ao nível de participação, patrocinado ou de relação própria. Esta classificação não é excludente, já que um evento pode ser ao mesmo tempo promocional e esporádico. 19

21 A seguir explicaremos e exemplificaremos os eventos de acordo com a classificação interno e externo, por julgarmos ser a tipologia mais simples e clara de se visualizar. Estes eventos também podem ser classificados como patrocinados, internacionais, e todas as formas apresentadas acima. Eventos internos Os diversos tipos de organizações promovem, participam, apóiam ou patrocinam eventos nos âmbitos interno e externo. Os primeiros geralmente têm a finalidade de integrar os colaboradores e sua organização. Na maioria das vezes está sob a responsabilidade do departamento de Recursos Humanos, ou de comissões criadas especificamente para tais momentos. Nos eventos internos podemos listar confraternizações (fim de ano, aniversariantes, festas de acordo com o calendário, jantares, etc.), convenções, treinamentos, inaugurações de unidades, exposições para os funcionários, premiações, entre muitos outros. Alguns desses acontecimentos podem também ser dirigidos não somente ao público interno, mas também para clientes, parceiros, não havendo uma rígida divisão. Eventos externos Já os principais objetivos dos eventos externos (consideramos aqui um evento como externo se ele não estiver dirigido prioritariamente aos colaboradores de uma organização) são inicialmente a troca de informações, experiências, por meio de apresentação e conhecimento de tendências, a fim da empresa se manter atualizada em relação ao que está sendo feito por concorrentes ou esperado por clientes ou outros públicos de interesse, divulgando seu negócio, marca, produtos ou serviços oferecidos. Entre este tipo de evento podemos citar as feiras de negócios (objetivo central deste trabalho), incluindo a promoção, organização e participação de empresas como expositoras, congressos, etc. 20

22 Vale ressaltar que atualmente não se dissociam muito os eventos ditos institucionais, cujo objetivo seria reforço da identidade corporativa e construção de imagem diante dos diversos públicos com o qual uma organização se relaciona e os eventos com claros objetivos comerciais. Porém, direta ou indiretamente estes eventos institucionais recaem no principal objetivo de uma empresa, que é a obtenção de lucro, seja por meio da venda de um produto ou, mais recentemente, da prestação de um serviço. Giaclagia (2003, p.5) nos ajuda a entender melhor essa idéia e explica algumas das causas: A disputa de mercado, marcada pela concorrência e pela crescente dependência das empresas com relação à opinião pública, obriga-as a realizar eventos mais ligados à finalidade principal delas, que é a geração de lucro. É importante explicar a definição de identidade corporativa e imagem, já que estes conceitos serão utilizados no decorrer deste trabalho e muitas vezes causam confusão em seu entendimento, sendo até utilizados como sinônimos. Para tanto, nos apoiamos em Gaudêncio Torquato (1986, p.97): A identidade corporativa refere-se aos valores básicos e às características atribuídas a uma corporação por seus membros, públicos internos ou externos. É a soma das maneiras com que uma organização escolhe para identificar-se perante seus públicos. Imagem, por outro lado, é a percepção da organização por estes públicos. Ou seja, uma organização pode ter uma imagem clara, confusa e até mesmo uma imagem que não é identificada. Isso acontece quando não há percepção por parte dos públicos das ações e mensagens que esta organização emite. Sabe-se que determinada empresa existe, mas não o que ela realmente faz. Este é um dos grandes desafios dos profissionais de relações públicas: minimizar o espaço entre identidade e imagem. 21

23 1.5 Benefícios trazidos pelos eventos empresariais Eventos trazem inúmeros benefícios para as empresas envolvidas, bem como para os clientes. Certamente esses benefícios, listados a seguir e baseados na obra de Giacaglia (2003), são um fator crucial para o impressionante crescimento desse mercado no Brasil 1 entre as empresas de grande, pequeno e médio portes. Estreitamento de relações com os clientes: Oportunidade de interação entre fornecedor e consumidor, além de geração de empatia. Apresentação de produtos e serviços ao seu mercado-alvo: Eventos são elaborados visando a atingir um público dirigido, portanto há maior possibilidade de assimilação das mensagens emitidas. Ganho de novos clientes e geração de um mailing de prospecção: Geralmente estão presentes no evento não somente clientes, como também clientes potenciais. Esta é uma excelente oportunidade de se apresentar e assim atrair novos contatos que podem tornar-se clientes. Obtenção de informações sobre o mercado e os concorrentes: Identificamos esse benefício, sobretudo nas feiras de negócios, onde a concorrência também está apresentando seus produtos/serviços e novidades para o mesmo público de interesse. Ou seja, um cliente potencial o é para todas as empresas do mesmo segmento de atuação. Muitas vezes um estande ou a sua forma de apresentação podem ser decisivos na escolha do consumidor entre as empresas expositoras. Atualização profissional técnica: Eventos como congressos e feiras (concomitantes ou separados) permitem conhecer as novas tendências em determinado segmento de mercado, tanto para as empresas promotoras, que precisam pesquisar sobre os temas que estão mais em pauta, para as expositoras, que têm acesso ao que de mais moderno está sendo oferecido 1 Mais informações sobre o mercado de feiras de negócios no Brasil no capítulo 03 deste trabalho. 22

24 pela concorrência, quanto aos visitantes/congressistas, que aprendem tanto nas palestras como também na visitação aos diversos estandes expostos. Alavancagem da imagem institucional: Produtos e serviços apresentados em eventos empresariais ganham espaço nas mentes dos consumidores, criando ou alavancando imagem institucional. Deve-se tomar cuidado, porque se a participação/organização do evento não for bem planejada ou implementada pode produzir o efeito contrário, de piorar a imagem institucional ou então de não surtir nenhum efeito no público desejado, por exemplo, quando se decide participar de uma feira que não é o foco da empresa e, portanto não atingirá seus públicos de interesse. Estabelecimento de parcerias: Parcerias são formadas a todo o momento em eventos como lançamentos, congressos e feiras, até mesmo em conversas informais. Esses benefícios trazidos pelos eventos estão cada vez mais sendo reconhecidos pelas empresas cujas verbas, antes destinadas somente à publicidade (anúncios) vêm sendo distribuídas para diversas outras ferramentas de comunicação. Kotler (1998, p. 577) aponta para este fato: Há uma década, a proporção entre publicidade e promoção de vendas era de aproximadamente 60:40. Hoje, em muitas empresas de bens de consumo, a promoção de vendas representa de 65 a 75% do orçamento destinado às duas ferramentas. 23

25 Capítulo 02 Feiras de negócios 24

26 Capítulo 02: Feiras de negócios Existem diversas possibilidades e tipos de eventos capazes de atender a objetivos específicos das organizações, como brevemente explicado no capítulo anterior. Neste momento vamos nos ater às feiras de negócios, sua definição, em quais casos a participação é uma boa escolha, benefícios que trazem às organizações, bem como as etapas que devem ser percorridas desde a decisão de participar de um evento deste tipo, até as formas de avaliação Definição Giacaglia (2003, p.42) define feiras como: Eventos direcionados a segmentos específicos de mercado, com duração média de uma semana e são organizados e comercializados por empresas especializadas no ramo. Normalmente ocorrem em pavilhões de exposições especialmente preparados para esta finalidade. São eventos criados para exposição de serviços e produtos industriais, técnicos ou científicos a serem comercializados, nos quais se reúnem comprador, vendedores, fomentadores e financiadores. O planejamento criterioso de uma feira, tanto do ponto de vista do organizador, quanto do expositor e do visitante gera uma relação otimizada de custo/benefício. As feiras são também um forte elemento de sustentação de imagem da empresa e/ou produto que se pretende em evidência; podendo, assim, constituir-se em realizações paralelas aos congressos 2. Embratur, Há ainda, a definição de Cesca (1997, p.17), com proposta para atuação de profissionais de relações públicas organizando ou administrando a organização quando o objetivo for apenas divulgar. Quando for vender, cabe especificamente a marketing e vendas, que poderão contar com assessoria de relações públicas: 2 Disponível em Acesso em 07/05/

27 As feiras são amplas, fixas e visam vender. Neste caso, o profissional de relações públicas da organização que participa do evento poderá executar um trabalho de assessoria ao pessoal de vendas, marketing e publicidade... É a forma de expor mais freqüentemente organizada. 2.2 Feira, salão, exposição Cabe ressaltar aqui a diferença entre feira, salão e exposição. No senso comum, todos acabam sendo chamados de feiras, mas há uma sensível diferença entre eles: Feira pressupõe venda, seja durante o evento ou pedidos feitos na ocasião e que serão entregues depois. Atualmente as empresas consideram aproximadamente 03 semanas o período pós evento no qual os produtos expostos ainda têm efeito sobre os consumidores e este tempo pode se estender caso a transação seja feita entre dois países diferentes. Salão: É um evento promocional com fins nitidamente institucionais, sem finalidade comercial imediata. Exposição: evento onde se promove o produto sem venda direta ao visitante. O Salão do Automóvel e Auto Peças é um tradicional exemplo desta confusão entre as nomenclaturas. A princípio, entende-se que deveria ser um evento promocional sem finalidades comerciais imediatas, porém acaba propiciando a realização de negócios. Salvo as grandes concessionárias, a maioria dos expositores (montadoras menores, lojas e autopeças, etc) participam do evento para realizar negócios em seus estandes. Portanto, neste caso, o nome mais apropriado seria Feira do Automóvel e Auto-Peças. 26

DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS

DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS VITÓRIA 2004 Dicas de como participar de feiras Introdução As feiras são eventos ricos em oportunidades de negócios. São ambientes privilegiados para o incremento das

Leia mais

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil Após um mais de ano de trabalho e experiências adquiridas a CRIC apresenta à diretoria regional as diretrizes que regem

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Questões abordadas no capítulo

Questões abordadas no capítulo AULA 12 Marketing Questões abordadas no capítulo Qual é a função da comunicação de marketing? Como funciona a comunicação de marketing? Quais são as principais etapas do desenvolvimento de uma comunicação

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

Este briefing contém atividades que deverão ser desenvolvidas durante o convênio supracitado.

Este briefing contém atividades que deverão ser desenvolvidas durante o convênio supracitado. Briefing Prestação de Serviços de Comunicação e Marketing para o Instituto Nacional do Plástico Programa de Incentivo à Exportação Think Plastic Brazil Introdução Este briefing propõe e organiza as ações

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

CONCORRÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA DE IMPRENSA

CONCORRÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA DE IMPRENSA CONCORRÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA DE IMPRENSA Período de Execução: 2012 www.reedalcantara.com.br BRIEFING Reed Exhibitions PERFIL A Reed Exhibitions A Reed Exhibitions é a principal organizadora

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

dicas infalíveis para conquistar patrocinadores 6para eventos

dicas infalíveis para conquistar patrocinadores 6para eventos dicas infalíveis para conquistar patrocinadores 6para eventos Introdução Antes de abordar os possíveis patrocinadores Está na hora de apresentar a proposta para o patrocinador 1. Quem é você? 2. Apresentando

Leia mais

Feimafe Informações Gerais

Feimafe Informações Gerais Líder Mundial na Organização de Eventos Qualquer que seja o setor de atuação......criamos contatos, conteúdos e comunidades com o poder de transformar seus negócios. Feimafe Informações Gerais Sumário

Leia mais

Seja um parceiro Xact Tecnologia e ofereça ao mercado nossas soluções, voltadas para gerenciamento total dos processos críticos do negócio.

Seja um parceiro Xact Tecnologia e ofereça ao mercado nossas soluções, voltadas para gerenciamento total dos processos críticos do negócio. Seja um parceiro Xact Tecnologia e ofereça ao mercado nossas soluções, voltadas para gerenciamento total dos processos críticos do negócio. Participe da rede de distribuição dos produtos exclusivos da

Leia mais

5/11/2008. Questões abordadas no capítulo. Comunicação de marketing

5/11/2008. Questões abordadas no capítulo. Comunicação de marketing Capítulo 17 Gerenciamento da comunicação integrada de marketing Questões abordadas no capítulo Qual é a função da comunicação de marketing? Como funciona a comunicação de marketing? Quais são as principais

Leia mais

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO -

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - A estrutura a seguir foi desenvolvida com base no escopo da disciplina de Planejamento Estratégico de Comunicação,

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Capítulo 18 Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Questões abordadas no capítulo Quais são as etapas envolvidas

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

MARKETING DIGITAL PARA PME: APRENDA A DEFINIR QUANDO, COMO E EM QUAIS ESTRATÉGIAS INVESTIR

MARKETING DIGITAL PARA PME: APRENDA A DEFINIR QUANDO, COMO E EM QUAIS ESTRATÉGIAS INVESTIR MARKETING DIGITAL PARA PME: APRENDA A DEFINIR QUANDO, COMO E EM QUAIS ESTRATÉGIAS INVESTIR Introdução 02 A importância de calcular o ROI dos investimentos Capítulo 1 04 Aprendendo a definir os investimentos

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP:

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP: PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP: A oportunidade de se tornar um facilitador de aprendizagem e/ou consultor para o sucesso das micro e pequenas empresas APRESENTAÇÃO Esta cartilha

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

A l e x a n d r a P a u l o

A l e x a n d r a P a u l o A l e x a n d r a P a u l o ESCOLA SECUNDÁRIA SERAFIM LEITE TRABALHO FINAL TÉCNICAS DE VENDA Alexandra Paulo 11ºI Nº 21160 Disciplina: Comercializar e vender Prof: João Mesquita 20-12-2012 2012-2013 1

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

Seminário GVcev Franchising: Tendências e Desafios. Seleção e Recrutamento de Franqueados Filomena Garcia

Seminário GVcev Franchising: Tendências e Desafios. Seleção e Recrutamento de Franqueados Filomena Garcia Seminário GVcev Franchising: Tendências e Desafios Seleção e Recrutamento de Franqueados Filomena Garcia Filomena Garcia Sócia-Diretora do Grupo Cherto: Comercial, Expansão de Franquias e Rede de Negócios

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

Case: ERA Integração de equipes na busca de desenvolvimento da sociedade

Case: ERA Integração de equipes na busca de desenvolvimento da sociedade Case: ERA Integração de equipes na busca de desenvolvimento da sociedade Case: ERA Integração de equipes na busca de desenvolvimento da sociedade Categoria: Projeto Interno Autores: Natália Lima da Silveira

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PATROCÍNIO Nº 01/2014 ANEXO I. Formulário para Solicitação de Patrocínio

CHAMADA PÚBLICA DE PATROCÍNIO Nº 01/2014 ANEXO I. Formulário para Solicitação de Patrocínio CHAMADA PÚBLICA DE PATROCÍNIO Nº 01/2014 ANEXO I Formulário para Solicitação de Patrocínio Procedimentos para o envio de projeto ao CAU/GO: 1. Após preencher o Formulário para Solicitação de Patrocínio

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

AVISO DE RETIFICAÇÃO II CREDENCIAMENTO N.º 502/2009

AVISO DE RETIFICAÇÃO II CREDENCIAMENTO N.º 502/2009 AVISO DE RETIFICAÇÃO II CREDENCIAMENTO N.º 502/2009 O SESI/SENAI - PR, torna pública a RETIFICAÇÃO referente ao Edital de CREDENCIAMENTO N.º 502/2009, conforme segue: Fica Incluído no ANEXO III - ÁREAS

Leia mais

DIRETRIZES PARA O PATROCÍNIO CULTURAL

DIRETRIZES PARA O PATROCÍNIO CULTURAL DIRETRIZES PARA O PATROCÍNIO CULTURAL A Brookfield Incorporações é hoje uma das maiores incorporadoras do país. Resultado da integração de três reconhecidas empresas do mercado imobiliário Brascan Residential,

Leia mais

Catálogo de Merchandising

Catálogo de Merchandising Catálogo de Merchandising 1 Feira SALA DE IMPRENSA O canal perfeito para sua empresa falar com um público sempre bem informado e formador de opinião, composto por jornalistas dos mais conceituado veículos

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas.

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas. INTRODUÇÃO Você, provavelmente, já sabe que colaboradores felizes produzem mais. Mas o que sua empresa tem feito com esse conhecimento? Existem estratégias que de fato busquem o bem-estar dos funcionários

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento

Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento Sumário XXI EDIÇÃO DO CONGRESSO FENABRAVE TERMINA COM PREVISÃO OTIMISTA PARA

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Formulário para Solicitação de Patrocínio Edital 001/2015

Formulário para Solicitação de Patrocínio Edital 001/2015 ANEXO II Formulário para Solicitação de Patrocínio Edital 001/2015 Procedimentos para o envio de projeto ao CAU/MS: 1. Após preencher o Formulário para Solicitação de Patrocínio ao CAU/MS, confira os itens

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES OBJETIVO Combinar peças de mala direta criativas, concisas e sistemáticas com telefonemas, como um meio de formular uma estratégia de exploração e qualificação de prospects (clientes potenciais) mais eficaz

Leia mais

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO Contexto e objetivos CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO O desenvolvimento do plano de negócios, como sistematização das idéias

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES Serviços da Assessoria de Comunicação Social

GUIA DE ORIENTAÇÕES Serviços da Assessoria de Comunicação Social A Assessoria de Comunicação Social (ASCOM) da Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG é uma unidade de apoio e assessoramento da Instituição, diretamente ligada ao Gabinete da Reitoria, que dentre suas

Leia mais

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA O Desafio Criativos da Escola é um concurso promovido pelo Instituto Alana com sede na Rua Fradique Coutinho, 50, 11 o. andar, Bairro Pinheiros São Paulo/SP, CEP

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Propaganda Qualquer forma paga de apresentação não pessoal e promocional

Leia mais

Como Atrair Clientes

Como Atrair Clientes COMO ATRAIR CLIENTES QUESTÕES BÁSICAS Quem são os meus clientes? Quantos sãos? Onde estão? Como fazer para falar com eles? DEFINIÇÃO SEGMENTO DE MERCADO Significa um grupo de consumidores com necessidades

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005 http://www.bvs.br/ Projeto 4 18 de janeiro de 2005 Introdução Diante dos novos desafios e contínuas mudanças, as organizações precisam ser ágeis na tomada de decisão. Coordenar esforços de comunicação

Leia mais

PESQUISA DE MARKETING

PESQUISA DE MARKETING PESQUISA DE MARKETING CONCEITOS É a busca de informação, a investigação do fenômeno que ocorre no processo de transferência de bens ao consumidor Trata da coleta de qualquer tipo de dados que possam ser

Leia mais

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 1. CAPA 2. SUMÁRIO 3. INTRODUÇÃO FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 4. DESCRIÇÃO DA EMPRESA E DO SERVIÇO 4.1 Descrever sua Visão, VISÃO DA EMPRESA COMO VOCÊS IMAGINAM A EMPRESA

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA 4 E ÚLTIMO MÓDULO: Como Ganhar dinheiro com Mala Direta APRESENTAÇÃO PESSOAL Edileuza

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

-0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012.

-0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. -0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. Dispõe sobre os critérios e os procedimentos para promoção, organização e participação da ANAC em eventos internos e externos. A DIRETORIA DA AGÊNCIA

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

São Paulo é o principal centro financeiro, corporativo e mercantil da América Latina.

São Paulo é o principal centro financeiro, corporativo e mercantil da América Latina. Local do Congresso São Paulo - SP São Paulo é o principal centro financeiro, corporativo e mercantil da América Latina. São Paulo é mundialmente conhecida, e exerce significativa influência nacional e

Leia mais

Política de doação de Mídia Social

Política de doação de Mídia Social Política de doação de Mídia Social 1.Objetivo A presente política tem como objetivo definir critérios institucionais para cada modalidade de parceria em Mídia Social estabelecida pela Rede Gazeta e adotada

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

ESPAÇO INOVAÇÃO 2015 ITS

ESPAÇO INOVAÇÃO 2015 ITS CIAB FEBRABAN 2015 25 Anos XXV Congresso e Exposição de Tecnologia da Informação das Instituições Financeiras Transamérica Expo Center 16 a 18 Junho de 2015 INTRODUÇÃO O ITS com apoio da FEBRABAN organizará,

Leia mais

Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte

Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte Pavilhão Amarelo São Paulo BEM VINDO A FRUIT & LOG 2009! ABRINDO

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto 1 Sumário Executivo (O que é o plano de negócios) 2 Agradecimentos 3 Dedicatória 4 Sumário ( tópicos e suas respectivas páginas) 5 Administrativo - Introdução (O que foi feito no módulo administrativo)

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais

Ações de Adaptação de Comunidades e seus Ecossistemas aos Eventos Climáticos

Ações de Adaptação de Comunidades e seus Ecossistemas aos Eventos Climáticos PROCESSO SELETIVO 2011 Ações de Adaptação de Comunidades e seus Ecossistemas aos Eventos Climáticos REGULAMENTO Prezado Gestor, Criado em 2006, o Instituto HSBC Solidariedade é responsável por gerenciar

Leia mais

Proposta para Formataça o de Franquia

Proposta para Formataça o de Franquia Proposta para Formataça o de Franquia 1- O sistema de franchising para o seu negócio Quando falamos de franchising, não estamos falando de algum modismo e, sim, de um sistema de negócios que veio para

Leia mais

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil.

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil. A ABEMD, Associação Brasileira de Marketing Direto, é uma entidade civil, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e constituída por pessoas jurídicas e físicas interessadas na aplicação de estratégias e técnicas

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Produto da Divisão Marketing

Produto da Divisão Marketing Marketing para o Terceiro Setor Produto da Divisão Marketing OBJETIVO Dispor ao mercado de entidades relacionadas ao Terceiro Setor, um leque de atividades relacionados ao marketing e comunicação voltados

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO EVENTO COMO PROMOTOR DE VENDAS. Resumo. Abstract. 1. Introdução

A IMPORTÂNCIA DO EVENTO COMO PROMOTOR DE VENDAS. Resumo. Abstract. 1. Introdução A IMPORTÂNCIA DO EVENTO COMO PROMOTOR DE VENDAS BRITO, Amanda Beatriz Marana SILVA, Tatiana Garrido Pedrosa SILVA, Débora Taciane Pagliaroni Discentes do 7º termo de Turismo - FAHU/ACEG CHEHADE, Michelle

Leia mais

Sua nova ferramenta para gerenciar campanhas de resultados e distribuir prêmios. www.paggapremios.com.br 4003-4733

Sua nova ferramenta para gerenciar campanhas de resultados e distribuir prêmios. www.paggapremios.com.br 4003-4733 Sua nova ferramenta para gerenciar campanhas de resultados e distribuir prêmios Campanha de Incentivos O que é uma campanha de incentivos? É uma ação planejada e orientada para motivar equipes de vendas,

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

Aproveitamos também para colocar a nossa equipe à sua disposição para quaisquer dúvidas ou sugestões.

Aproveitamos também para colocar a nossa equipe à sua disposição para quaisquer dúvidas ou sugestões. Este guia é para auxiliar sua empresa para ter 100% de aproveitamento do evento. Peço que leia o manual por completo e tire todas suas dúvidas sobre o evento. Se em um momento você não encontrar o que

Leia mais