PortFIR-Grupo de Trabalho Amostragem (GTA)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PortFIR-Grupo de Trabalho Amostragem (GTA)"

Transcrição

1 PortFIR-Grupo de Trabalho Amostragem (GTA) TRABALHO DESENVOLVIDO E PERSPECTIVAS FUTURAS Doutora Silvina Ferro Palma Escola Superior Agrária, Instituto Politécnico de Beja Reunião Anual PortFIR 28 de Outubro 2010

2 Lista de Membros ANCIPA Associação Nacional de Comerciantes e Industriais de Produtos Alimentares ANESA Associação Nacional de Empresas de Segurança Alimentar ANIL - Associação Nacional dos Industriais de Lacticínios ANIRSF Associação Nacional dos Industriais de Refrigerantes e Sumos de Frutos APED Associação Portuguesa das Empresas de Distribuição APIC Associação Portuguesa dos Industriais de Carnes Associação Portuguesa de Dietistas Casa do Azeite Associação do Azeite de Portugal Direcção Geral de Veterinária Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Viana do Castelo Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto GPP Gabinete de Planeamento e Políticas Iberian Salads Agricultura, SA. Instituto Politécnico de Beja Instituto Politécnico de Viana do Castelo Jerónimo Martins Retalho Montebravo Produção e Comercialização de Produtos SGS Silliker Portugal, S.A. Uniself Gestão e Exploração de Restaurantes Empresas, Lda. 28 de Outubro Reunião Anual PortFIR

3 Objectivos do GTA: Elaborar Guia de amostragem de alimentos para determinação da composição química com vista à rotulagem nutricional e respectivo controlo e à produção de dados para bases de dados de composição dos alimentos. Reunião Anual PortFIR 28 de Outubro

4 O objectivo primário da amostragem de géneros alimentícios é recolher amostras de alimentos que sejam representativas para o fim a que se destinam e assegurar que não ocorrem alterações na sua composição durante a colheita, armazenamento e análise. Amostragem corresponde às actividades de selecção e recolha de amostras de alimentos em termos de número, dimensão e natureza. Reunião Anual PortFIR 28 de Outubro

5 Plano de Trabalho do GTA: Estratégia: - Criar o modelo e pedir a informação toda de uma vez. - Enviar o modelo para as associações e recolher informação, aceitando outros formatos. - Abordar Instituições de Ensino e solicitar listagem de teses - Contactar novamente a FIPA com convite para integrar o GTA, contactar também APARDE, DECO e AFLOC, Reunião Anual PortFIR 28 de Outubro

6 O guia deve incluir indicações,. Por alimento ou grupo de alimento e por nutriente,. Sobre a variabilidade daquele nutriente naquele alimento ou grupo de alimentos,. Nível de confiança a atribuir à estimativa da média valor médio, a necessidade de documentar a variabilidade na base de dados (ex. sazonalidade para as vitaminas no leite e a gordura no peixe).método de amostragem (aleatória, estratificada, selectiva, de conveniência). O nível de confiança deve considerar a importância do alimento no aporte do nutriente em causa para a população em geral ou grupo populacional específico. Necessidade de incluir marcas dos produtos industrializados na base de dados e em que tipo de produtos, e sobre a frequência de obtenção de novos dados para a base de dados tendo em conta as alterações da formulação dos produtos. Reunião Anual PortFIR 28 de Outubro

7 O principal objectivo desta Rede é optimizar a utilização dos recursos nacionais para criar, manter e actualizar uma base portuguesa de dados. Primeira actividade a desenvolver é a recolha, junto das Associações Sectoriais de Produção e Distribuidores representados no Grupo, da seguinte informação: - Lista dos produtos; - Lista dos produtos para os quais têm informação nutricional; - Que dados nutricionais dispõem (tipo 1, tipo 2, que nutrientes individuais?), mesmo que não os divulguem para o consumidor. -De que informação nutricional sentem necessidade? -De que forma agrupariam os alimentos que produzem (lista), tendo em conta a sua composição nutricional? Reunião Anual PortFIR 28 de Outubro

8 Mailing com formulários convite à participação. Recepção dos formulários. Tratamento da informação dos formulários recebidos Criação dos Termos de referência do presente Grupo de trabalho PortFIR Reforço de mailing com convites dirigidos a associações sectoriais, ASAE e GPP Constituição GT, com envio da proposta de Termos de Referência (mailing) Discussão e aprovação dos Termos de Referência dogt Reforço de contactos junto da Indústria Alimentar Recolha e tratamento da informação pedida Criação do modelo para recolha de dados Reunião Anual PortFIR 28 de Outubro

9 Definição da informação a incluir no Guia. Definição da metodologia de trabalho Consolidação / Harmonização da informação. Produção do documento mártir do Guia de Amostragem. Revisão do documento Aprovação do Guia pelo GT e envio ao GOC para parecer Foi necessário criar dois Subgrupos de trabalho: GRUPO DE AVALIAÇÃO DE DADOS GRUPO DE CLASSIFICAÇÃO Reunião Anual PortFIR 28 de Outubro

10 Proposta de Sistema de Classificação e Descrição de Alimentos PortFIR Adequado à informação da Tabela de Composição de Alimentos (já implementada e difundida em Portugal), e que corresponda às necessidades da avaliação do risco (químico e microbiano) e à avaliação dos consumos alimentares. Este sistema não pretende substituir-se ao Sistema LanguaL e ao Sistema de Classificação e Descrição de Alimentos em desenvolvimento pela EFSA. Fundamenta-se: A criação dos 19 grupos de alimentos teve em conta a origem dos mesmos, a sua disponibilidade no mercado para consumo e a respectiva composição do alimento. Em paralelo, foram criadas 3 facetas para descrever o alimento e respectivos descritores. Reunião Anual PortFIR 28 de Outubro

11 3 Facetas Nível de (complexidade) de processamento Alimento composto processado Alimento simples processado Alimento composto não processado Alimento simples não processado, Matéria prima agricola, Alimentação animal e Animais vivos Modo de confecção (cru, misto ou cozinhado); Modo de conservação (Temperatura Ambiente, Refrigerado, (Ultra)Congelado, Atmosfera modificada, Enlatado, Fumado, Salgado, Escabechado, Esterilizado, Pasteurizado, Desidratado e Liofilizado. Algumas facetas permitem mais do que um descritor. Se possível criar regras de qualidade dos dados (algumas combinações não são possíveis) Reunião Anual PortFIR 28 de Outubro

12 Denominação dos grupos: 1 Leites, Produtos Lácteos 2 Carne e Derivados, Criação e Caça 3 Pescado (Peixe, Moluscos e Crustáceos) e Derivados 4 Ovos 5 Leguminosas secas, frescas e derivados 6 Cereais e Derivados 7 Batatas, Produtos Hortícolas e Derivados excepto leguminosas 8 Frutos frescos e Derivados 9 Frutos Gordos/Oleaginosos, Amiláceos e Sementes Oleaginosas 10 Azeite, Óleos e Gorduras Reunião Anual PortFIR 28 de Outubro

13 Denominação dos grupos: - 11 Açúcar, Produtos Açucarados, Alternativas e Sucedâneos e Mel 12 Cacau e Derivados 13 Produtos de Pastelaria. 14 Doces e Sobremesas. 15 Produtos Confeccionados 16 Molhos e Caldos, Vinagres e Ervas e Especiarias. 17 Bebidas. 18 Alimentos Destinados à Alimentação Especial 19 Suplementos Alimentares Reunião Anual PortFIR 28 de Outubro

14 SUBGRUPO GTA PRODUTO Modelo de recolha de dados de diferentes produtos Com informação para homogeneizar dados Energia Grupo de Produtos Data da análise Método Designação / Identificação Método Acreditado? (S/N) Valor Unidade nº unidades do produto que contribuiram para o valor Exp: 3 ou 16? peixe ou componente de refeição? Salmão Fumado Escocês 16???? Massa folhada refrigerada Reunião Anual PortFIR 28 de Outubro

15 PARÂMETROS A RECOLHER Agua Proteína Gordura Total Total de H.C. disponíveis Açucares livres Ácidos orgânicos Álcool Amido Oligossacáridos Fibra Alimentar Ácidos Gordos saturados Ácidos Gordos monoinsaturados Ácidos Gordos polinsaturados Ácidos Gordos trans Caroteno Vitamina D α - Tocoferol Tiamina Riboflavina Niacina Triptofano Vitamina B6 Vitamina B12 Vitamina C Folatos Cinza Na K Ca P Mg Fe Zn Reunião Anual PortFIR 28 de Outubro

16 PERSPECTIVAS FUTURAS O GRUPO DE AVALIAÇÃO DE DADOS VAI ARRUMAR OS DADOS NO MODELO, PONDO EM PRÁTICA O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO CRIADO PELO GRUPO DE CLASSIFICAÇÃO TESTANDO O SISTEMA GUIA POR FASCÍCULOS POR GRUPO DE ALIMENTOS

17 Agradecimentos ANCIPA Associação Nacional de Comerciantes e Industriais de Produtos Alimentares ANESA Associação Nacional de Empresas de Segurança Alimentar ANIL - Associação Nacional dos Industriais de Lacticínios Direcção Geral de Veterinária GPP Gabinete de Planeamento e Políticas SGS 28 de Outubro Reunião Anual PortFIR

18 Obrigada pela vossa atenção FIM Reunião Anual PortFIR 28 de Outubro

GRUPO DE TRABALHO APOIO À NORMALIZAÇÃO (GATAN)

GRUPO DE TRABALHO APOIO À NORMALIZAÇÃO (GATAN) GRUPO DE TRABALHO APOIO À NORMALIZAÇÃO (GATAN) Duarte Torres, Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação 28 de Outubro 2010 Lista de Membros AICC - Associação Industrial e Comercial do Café ANIL -

Leia mais

Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008)

Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) 3 500 3 336 3 000 valores em milhares de euros 2 500 2 000 1 500 1 000 1 367 1 279 727 500

Leia mais

ANEXO A.1 Formulário Dietético

ANEXO A.1 Formulário Dietético ANEXO A.1 Formulário Dietético I) As dietas abaixo referidas deverão cumprir com as especificações do anexo A.2 (Capitações dos alimentos de refeições confecionadas e preparações culinárias) e do anexo

Leia mais

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008 Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL É Completa Fornece energia e todos os nutrientes essenciais

Leia mais

Uso de dados de composição de alimentos (incluindo limitações)

Uso de dados de composição de alimentos (incluindo limitações) Uso de dados de composição de alimentos (incluindo limitações) FAO Os slides foram traduzidos para o Português pela Unidade de Tradução da FAO e revisados/revistos por Deborah Markowicz Bastos, Luisa Oliveira

Leia mais

A RODA DOS ALIMENTOS... um guia para a escolha alimentar diária! 1-3 3-5 2-3 1,5-4,5 1-2 3-5 4-11 COMA BEM, VIVA MELHOR! O QUE É UMA PORÇÃO?* POR DIA quantas são necessárias? ** Cereais e derivados, tubérculos

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Uma alimentação equilibrada proporciona uma quantidade correcta

Leia mais

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge PELO SEU BEM ESTAR baixo teor de Gordura e Sódio; é rica em Vitamina B12; fonte de Vitamina D, Energia (Kcal) 83 Gordura (g) 1.4 Ác. gordos saturados (g) 0.2 Ác. gordos monoinsaturados (g) 0.4 Ác. gordos

Leia mais

Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008)

Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) 70 000 62 207 60 000 valores em milhares de euros 50 000 40 000 30 000 20 000 21 786 17 825 8 620 10

Leia mais

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge

VITAMINAS. Valores retirados de Tabela da composição de Alimentos. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge PELO SEU BEM ESTAR Tem alto teor de Proteína; é rico em Cálcio, Fósforo e Vitamina B12; fonte de Vitaminas A, E e B2. Valores de referência do requeijão com 13% proteína Energia (Kcal) 187 Proteína (g)

Leia mais

A roda dos alimentos. A antiga roda dos alimentos

A roda dos alimentos. A antiga roda dos alimentos Ano: 2010/2011 Disciplina: Educação Física Professora: Rita Marques Trabalho realizado por: Andreia Cipriano Catarina Silva Jéssica Pereira Mónica Algares Patrícia Martinho A roda dos alimentos Para se

Leia mais

Trabalho elaborado por: 5/29/2007 USF Valongo. Enf. Anabela Queirós

Trabalho elaborado por: 5/29/2007 USF Valongo. Enf. Anabela Queirós Trabalho elaborado por: Enf. Anabela Queirós O que é a diabetes? Uma doença que dura toda vida Provocada pela ausência ou perda de eficácia da insulina; Provoca a subida de açúcar no sangue A diabetes

Leia mais

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência 1. ALIMENTE-SE MELHOR Prevê-se que em 2025 1, só na Europa, o grupo etário mais idoso (acima dos 80 anos), passe de 21,4

Leia mais

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima Profª. Nensmorena Preza ALIMENTO Toda substância ou mistura de substâncias, no estado sólido, líquido, pastoso ou qualquer

Leia mais

Alimentação saudável. Nídia Braz Outubro, 2012

Alimentação saudável. Nídia Braz Outubro, 2012 Alimentação saudável Nídia Braz Outubro, 2012 A alimentação tradicional portuguesa é variada, usa matérias primas diversas, preparadas de modos muito variado, quer pela indústria quer em casa. 2 Nídia

Leia mais

Qualidade e valor nutricional da carne de coelho. Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I

Qualidade e valor nutricional da carne de coelho. Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I Qualidade e valor nutricional da carne de coelho Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I Vila Real, 25 de Novembro de 2011 Proteínas Funções das proteínas. Aminoácidos; aminoácidos essenciais. Valor

Leia mais

Programa 5 ao Dia. Um Alimentação Saudável está nas nossas mãos.

Programa 5 ao Dia. Um Alimentação Saudável está nas nossas mãos. Programa 5 ao Dia Um Alimentação Saudável está nas nossas mãos. O que é o Programa 5 ao Dia? Enquadramento Conceito Objectivos e Destinatários Associação 5 ao Dia Desenvolvimento Enquadramento Mudança

Leia mais

Monica Caixinha / Maria Palma Mateus Outubro, 2013

Monica Caixinha / Maria Palma Mateus Outubro, 2013 Dieta Mediterrânica e sua importância na Dieta Hospitalar Monica Caixinha / Maria Palma Mateus Outubro, 2013 O que é a Dieta Mediterrânica? Dieta, do grego diaita ESTILO DE VIDA DIETA MEDITERRÂNICA Muito

Leia mais

1. Introdução. 2. O que é a Roda dos Alimentos?

1. Introdução. 2. O que é a Roda dos Alimentos? 1. Introdução Educar para uma alimentação saudável é essencial na tentativa de ajudar os jovens a tornar as escolhas saudáveis escolhas mais fáceis. Educar para comer bem e de uma forma saudável, constitui

Leia mais

Iogurte Sólido com Aroma

Iogurte Sólido com Aroma Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura Engenharia Alimentar Processamento Geral dos Alimentos Iogurte Sólido com Aroma Elaborado por: Joana Rodrigues nº 20703020 José Sousa nº 20708048 Luís Jordão

Leia mais

Anexo A. Descrição e especificação dos tipos de dietas de refeições confeccionadas

Anexo A. Descrição e especificação dos tipos de dietas de refeições confeccionadas Anexo A Descrição e especificação dos tipos de dietas de refeições confeccionadas I) As dietas abaixo referidas deverão cumprir com as especificações do anexo B (Capitações máximas dos alimentos de refeições

Leia mais

Profa Tânia Maria Leite da Silveira

Profa Tânia Maria Leite da Silveira Profa Tânia Maria Leite da Silveira Como o consumidor adquire informações sobre os alimentos? Conhecimento da família Educação Mídia Publicidade Rotulagem Importância da rotulagem Informações corretas

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 26.6.2015 L 161/9 REGULAMENTO (UE) 2015/1005 DA COMISSÃO de 25 de junho de 2015 que altera o Regulamento (CE) n. o 1881/2006 no que diz respeito aos teores máximos de chumbo em certos géneros alimentícios

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DAS EMENTAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DAS EMENTAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DAS EMENTAS DIVISÃO DE EDUCAÇÃO REFEITÓRIOS ESCOLARES ELABORAÇÃO DE EMENTAS Na elaboração das ementas foram tomados em conta vários aspetos, tais como conceitos de alimentação saudável,

Leia mais

Como podemos escolher os alimentos para crescer de forma saudável?

Como podemos escolher os alimentos para crescer de forma saudável? 1. Introdução A vida começa com a alimentação, e esta desempenha uma influência determinante no desenvolvimento emocional, mental, físico e social de cada um. A alimentação consiste em obter do ambiente

Leia mais

Como ler. Quantidade. Denominação do produto. Lista de ingredientes. Durabilidade. Fabricante/ Importador. Junho de 2008

Como ler. Quantidade. Denominação do produto. Lista de ingredientes. Durabilidade. Fabricante/ Importador. Junho de 2008 Como ler Flocos de arroz e de trigo integral, enriquecidos com vitaminas (B1, B2, B3, B6, ácido fólico, B12, C) e ferro Peso líquido: CONSUMIR DE PREFERÊNCIA ANTES DE Junho de 2008 Quantidade Denominação

Leia mais

Balança alimentar portuguesa evidencia desequilíbrio da roda dos alimentos. Figura 1

Balança alimentar portuguesa evidencia desequilíbrio da roda dos alimentos. Figura 1 BALANÇA ALIMENTAR PORTUGUESA 14 de Dezembro de 26 - CONSUMO DE PROTEÍNAS E GORDURAS EM PORTUGAL É TRÊS VEZES SUPERIOR AO RECOMENDADO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS DIMINUI 16% EM 14 ANOS E É ULTRAPASSADO

Leia mais

1ª Reunião da rede PortFir

1ª Reunião da rede PortFir 1ª Reunião da rede PortFir 2 ORIGEM Decreto-Lei n.º 237/2005, de 30 de Dezembro Decreto-Lei nº 274/2007, de 30 de Julho revoga DL n.º 237/2005! 3 ORIGEM Fusão de competências Direcções Regionais de Agricultura

Leia mais

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo?

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos Valor Energético É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem

Leia mais

A questão do Coração. Saiba mais formas de ter um coração saudável. coração

A questão do Coração. Saiba mais formas de ter um coração saudável. coração A questão do Coração Saiba mais formas de ter um coração saudável coração 1 Conteúdo 03 04 12 Uma dieta equilibrada é essencial para dar ao seu corpo o que precisa para ser saudável. Então, para ajudá-lo

Leia mais

Dieta portuguesa afasta-se se das boas práticas nutricionais

Dieta portuguesa afasta-se se das boas práticas nutricionais Dieta portuguesa afasta-se se das boas práticas nutricionais Balança Alimentar Portuguesa 2003-2008 No período entre 2003 e 2008 acentuaram-se os desequilíbrios da dieta alimentar portuguesa. Excesso de

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

No Verão não dispense a hidratação! Sabia que a falta de concentração pode dever-se a falta de água no organismo?

No Verão não dispense a hidratação! Sabia que a falta de concentração pode dever-se a falta de água no organismo? No Verão não dispense a hidratação! Sabia que a falta de concentração pode dever-se a falta de água no organismo? Seja Inverno ou Verão, abrace esta refeição! Sabia que o Pequeno-almoço ajuda a controlar

Leia mais

GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS:

GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS: 1 GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS: 1) MODIFICAÇÃO NA INGESTÃO DE GORDURA: O consumo de menos gordura é um aspecto importante da orientação nutricional para comer de maneira mais saudável, para a protecção

Leia mais

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não especificados anteriormente 0116-4/99 Cultivo de outras

Leia mais

NOVAS REGRAS DE ROTULAGEM

NOVAS REGRAS DE ROTULAGEM NOVAS REGRAS DE ROTULAGEM SESSÃO DE ESCLARECIMENTO Maria Teresa Carrilho, DSNA-DAH SABUGAL - Auditório Municipal, 24 de março de 2015 Alteração do quadro regulamentar Quadro regulamentar nacional Decreto-Lei

Leia mais

Perspetiva da indústria na implementação do Regulamento 1169/2011

Perspetiva da indústria na implementação do Regulamento 1169/2011 Perspetiva da indústria na implementação do Regulamento 1169/2011 Seminário Metrologia no Setor Alimentar Monte da Caparica, 30 de Outubro de 2014 Organização: Apresentação da ANCIPA A ANCIPA (Associação

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE União Metropolitana de Educação e Cultura Faculdade: Curso: NUTRIÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE Disciplina: INTRODUÇÃO A NUTRIÇÃO Carga horária: Teórica 40 Prática 40 Semestre: 1 Turno:

Leia mais

Esclarecimento 8/2014

Esclarecimento 8/2014 Segurança Alimentar Aprovação de estabelecimentos industriais em casas particulares Esclarecimento 8/2014 Resumo: O presente esclarecimento pretende clarificar o enquadramento legal da aprovação e atribuição

Leia mais

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais. Conteúdo Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.... 2 Como ler os rótulos dos alimentos... 5 Dose de produto... 7 Calorias... 7 Quantidade de nutrientes... 8 Explicação da quantificação

Leia mais

Alimentação Saudável. 2008 Teresa Bilhastre - CSCR

Alimentação Saudável. 2008 Teresa Bilhastre - CSCR Ministério da Saúde O Programa de Saúde Escolar insere-se no Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Pretende: Reforçar as acções de promoção da saúde e prevenção da doença em ambiente escolar. Ministério da

Leia mais

Do campo ao garfo: desperdício alimentar em Portugal 13 de Março 2013. Autores: Pedro Baptista Inês Campos Iva Pires Sofia Vaz

Do campo ao garfo: desperdício alimentar em Portugal 13 de Março 2013. Autores: Pedro Baptista Inês Campos Iva Pires Sofia Vaz Do campo ao garfo: desperdício alimentar em Portugal 13 de Março 2013 Autores: Pedro Baptista Inês Campos Iva Pires Sofia Vaz Projecto PERDA Prémio Ideias Verdes 2011 Coordenação David Sousa (Cestras)

Leia mais

Consumo de proteínas e gorduras em Portugal é três vezes superior ao recomendado

Consumo de proteínas e gorduras em Portugal é três vezes superior ao recomendado Consumo de proteínas e gorduras em Portugal é três vezes superior ao recomendado A Balança Alimentar Portuguesa revela que os portugueses apresentam uma dieta alimentar desequilibrada com uma alimentação

Leia mais

Gordura. Monoinsaturada

Gordura. Monoinsaturada No contexto de uma alimentação saudável, as gorduras provenientes de diferentes alimentos são essenciais ao bom funcionamento do nosso organismo e, quando consumidas nas proporções recomendadas (não excedendo

Leia mais

Limite máximo (g/100g ou g/100ml) Legislação. Mistela composta R 04/88

Limite máximo (g/100g ou g/100ml) Legislação. Mistela composta R 04/88 INS 100i CÚRCUMA, CURCUMINA Função: Corante Amargos e aperitivos Cereja em calda (para reconstituição da cor perdida durante processamento) Queijos (exclusivamente na crosta) Iogurtes aromatizados Leites

Leia mais

Alimentação Saudável

Alimentação Saudável Alimentação Saudável O que é a alimentação saudável? A Alimentação Saudável é uma forma racional de comer que assegura variedade, equilíbrio e quantidade justa de alimentos escolhidos pela sua qualidade

Leia mais

APOGOM. Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde

APOGOM. Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde APOGOM Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde É hoje amplamente reconhecido que o aumento significativo de certas doenças não transmissíveis (tais como as doenças

Leia mais

Gomas de mascar com ou sem açúcar. Bebidas prontas à base de mate ou chá. Preparações em pó para a elaboração de bebidas

Gomas de mascar com ou sem açúcar. Bebidas prontas à base de mate ou chá. Preparações em pó para a elaboração de bebidas Abrangência: operações interestaduais entre contribuintes situados em São Paulo e contribuintes situados em Sergipe. Produto: alimentícios. Conteúdo: relação de Margem de Valor Agregado. Base Legal: Protocolo

Leia mais

Índice. Roda dos Alimentos

Índice. Roda dos Alimentos Índice Índice... 2 O que é a roda dos alimentos?... 3 Como é constituída?... 4 Cereais, Leguminosas Secas e Tubérculos Ricos em Hidratos de Carbono... 5 Produtos Hortícolas e Frutos... 6 Conclusão... 7

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL Formação sobre Promoção de Estilos de Vida Saudáveis em Contexto Escolar, Familiar e Envolvente Julho de 2009 ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL TERESA SOFIA SANCHO Gabinete de Nutrição Departamento de Saúde

Leia mais

Alimentação Saudável! Faça mais pela sua Saúde!

Alimentação Saudável! Faça mais pela sua Saúde! Alimentação Saudável! Faça mais pela sua Saúde! Alimentação Saudável! Faça mais pela sua Saúde! Ficha Técnica Título: Direcção Editorial: Concepção: Corpo Redactorial: Produção Gráfica: Propriedade: Alimentação

Leia mais

9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/329 ANEXOS

9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/329 ANEXOS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/329 ANEXOS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/331 ANEXO I LISTA PREVISTA NO ARTIGO 38. o DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS 1842 Diário da República, 1.ª série N.º 104 28 de Maio de 2010 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS Decreto-Lei n.º 54/2010 de 28 de Maio O Decreto -Lei n.º 167/2004, de 7 de

Leia mais

Rotulagem O seu guia para compreender melhor os rótulos alimentares CONTINENTE

Rotulagem O seu guia para compreender melhor os rótulos alimentares CONTINENTE Rotulagem O seu guia para compreender melhor os rótulos alimentares CONTINENTE Índice Introdução 3 Rotulagem 5 Menções obrigatórias 6 Menções adicionais/facultativas 13 Alegação de Saúde 17 Alegação Nutricional

Leia mais

CONSUMO ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE CRIANÇAS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR

CONSUMO ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE CRIANÇAS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR CONSUMO ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE CRIANÇAS EM IDADE PRÉ-ESCOLAR Resultados da coorte Geração 21 1 2 Consumo alimentar e nutricional de crianças em idade pré-escolar: resultados da coorte Geração 21 Autores:

Leia mais

Cursos e-learning sobre Composição de Alimentos

Cursos e-learning sobre Composição de Alimentos Cursos e-learning sobre Composição de Alimentos Maria da Graça Dias Departamento de Alimentação e Nutrição Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, I.P. Sumário Introdução Curso e-learning FAO/INFOODS

Leia mais

CONSIGO DESDE A GRAVIDEZ. É importante que tenha uma alimentação variada, equilibrada e um modo de vida saudável.

CONSIGO DESDE A GRAVIDEZ. É importante que tenha uma alimentação variada, equilibrada e um modo de vida saudável. Siga o seu instinto de protecao desde o 1o dia. CONSIGO DESDE A GRAVIDEZ É importante que tenha uma alimentação variada, equilibrada e um modo de vida saudável. PARABÉNS, ESTÁ GRÁVIDA! O período da gravidez

Leia mais

Questões relevantes levantadas pela Indústria

Questões relevantes levantadas pela Indústria Questões relevantes levantadas pela Indústria Seminário Informação ao Consumidor Novas regras de rotulagem Catarina Dias Sumário O regulamento (UE) 1169/2011 1 O Regulamento (UE) 1169/2011 As razões para

Leia mais

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar.

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2014 COSAN/CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. A Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional COSAN do Programa Nacional

Leia mais

FICHA TÉCNICA. ISBN: 978-989-96506-7-1 Novembro de 2010 APN

FICHA TÉCNICA. ISBN: 978-989-96506-7-1 Novembro de 2010 APN FICHA TÉCNICA Título: A criança e a Diabetes: Aqui aprendes a comer! Direcção Editorial: Alexandra Bento Concepção: Delphine Dias Corpo Redactorial: Delphine Dias, Ana Martins Produção Gráfica: Delphine

Leia mais

Parceiro Logístico para

Parceiro Logístico para Parceiro Logístico para A logística no evento Maio de 2012 www.porlogis.pt Agenda ENQUADRAMENTO CALENDÁRIO LOGÍSTICO DOCUMENTAÇÃO IDENTIFICAÇÃO E EMBALAGEM PLATAFORMAS PARA RECEPÇÃO DOS PRODUTOS CONTACTOS

Leia mais

Produção Processamento de Alimentos Consumo

Produção Processamento de Alimentos Consumo Departamento de Alimentos ALM 024: PROCESSAMENTO DE Quem sou eu? INTRODUÇÃO ACCÁCIA JÚLIA GUIMARÃES PEREIRA MESSANO Primeiro Semestre 2011 Quem são vocês? O que é processamento de alimentos? Processamento

Leia mais

Leite e derivados. UHT, HTST, fermentos, maturação, coalho, flor de cardo.

Leite e derivados. UHT, HTST, fermentos, maturação, coalho, flor de cardo. Leite e derivados Objectivos: Conhecer a composição química e estrutura física do leite. Descrever leite inteiro, meio gordo magro e enriquecido. Descrever manteiga. Descrever natas. Descrever requeijão,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BRÉSCIA SECRETARIA DA AGRICULTURA SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM

Leia mais

Familias, Pediatras y Adolescentes en la Red. Mejores padres, mejores hijos.

Familias, Pediatras y Adolescentes en la Red. Mejores padres, mejores hijos. FAMIPED Familias, Pediatras y Adolescentes en la Red. Mejores padres, mejores hijos. As gorduras na alimentação infantil Autor/es: Ana Martínez Rubio. Pediatra de Atención Primaria. Centro de Salud de

Leia mais

RESOLUÇÃO VISA/SMSA-SUS/BH Nº 002/00

RESOLUÇÃO VISA/SMSA-SUS/BH Nº 002/00 RESOLUÇÃO VISA/SMSA-SUS/BH Nº 002/00 Dispõe sobre Registro e Dispensa da Obrigatoriedade de Registro de Produtos pertinentes à Área de Alimentos no âmbito do Município. A Vigilância Sanitária Municipal,

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE MIGRAÇÃO EM MATERIAIS, EMBALAGENS E EQUIPAMENTOS PLÁSTICOS DESTINADOS A ENTRAR

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE MIGRAÇÃO EM MATERIAIS, EMBALAGENS E EQUIPAMENTOS PLÁSTICOS DESTINADOS A ENTRAR ANEO REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE MIGRAÇÃO EM MATERIAIS, EMBALAGENS E EQUIPAMENTOS PLÁSTICOS DESTINADOS A ENTRAR 1 EM CONTATO COM ALIMENTOS 1. Alcance. O presente Regulamento Técnico estabelece os

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA REGISTRO DE ESTABELECIMENTO

INFORMAÇÕES PARA REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DTB MIAMI CORP. INFORMAÇÕES PARA REGISTRO DE ESTABELECIMENTO Data: (mês/dia/ano) SECTION 1 TIPO DE REGISTO 1a REGISTRO DOMESTICO REGISTRO ESTRANGEIRO 1b REGISTRO INICIAL ATUALIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE REGISTRO

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS ANEXOS

CADERNO DE ENCARGOS ANEXOS CADERNO DE ENCARGOS ANEXOS 1 ANEXOS Anexo I Preço base para as principais refeições Anexo II Listagem de principais suplementos alimentares a fornecer Anexo III Matriz de Reuniões Anexo IV Nível de Serviço

Leia mais

ROTEIRO PARA O CÁLCULO O ÍNDICE DE QUALIDADE DA DIETA_REVISADO (IQD_R)

ROTEIRO PARA O CÁLCULO O ÍNDICE DE QUALIDADE DA DIETA_REVISADO (IQD_R) ROTEIRO PARA O CÁLCULO O ÍNDICE DE QUALIDADE DA DIETA_REVISADO (IQD_R) 1º Passo: Codificação de todos os alimentos e ingredientes reportados de acordo com o quadro abaixo. Exemplos e detalhes de como classificar

Leia mais

Promover evolução nutricional adequada

Promover evolução nutricional adequada Glauce Hiromi Yonamine Nutricionista Supervisora do ambulatório ICr-HCFMUSP Unidade de Alergia e Imunologia/Gastroenterologia ICr HCFMUSP Mestre em Ciências - Depto de Pediatria FMUSP Departamento Científico

Leia mais

31/01/2015. Programa. Paulo Figueiredo paulo@pfigueiredo.org

31/01/2015. Programa. Paulo Figueiredo paulo@pfigueiredo.org Paulo Figueiredo paulo@pfigueiredo.org Programa 1. Processos de alteração dos alimentos: físicos, químicos e biológicos. 2. Processos de conservação de alimentos: métodos fermentativos, conservantes alimentares,

Leia mais

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico.

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico. Nota Técnica Processo n º Solicitante: Dra. Daniele Viana da Silva Juíza da Comarca de Ervália - Mg Data: 07/12/2012 Medicamento/ Dieta Material Procedimento Cobertura x TEMA: Dieta enteral de soja para

Leia mais

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo?

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ROTULAGEM DE ALIMENTOS Profª Ana Paula F. Bernardes Silva A QUEM COMPETE MINISTÉRIO DA SAÚDE: Produtos de origem animal; Vegetais e cereais (grãos) in natura; Bebidas e vinagre; Mel. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA:

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 12 Dezembro 2008

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 12 Dezembro 2008 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 12 Dezembro 2008 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA SOUZA, Weysser Felipe Cândido de 1 MAGALHÃES, Jeysiane Alves 2 SILVA, José Elenilson Ferreira 2 FILHO, Pedro Brito

Leia mais

Alimentação. no primeiro ano de vida

Alimentação. no primeiro ano de vida Alimentação Trv. Noronha, nº5 A Lisboa Telef: 21 394 73 10 Fax: 21 394 73 18 Email: usf.arco@arslvt.minsaude.pt no primeiro ano de vida A diversificação alimentar deve ser iniciada entre os 4-6 meses de

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

GRIA Plataforma de Gestão da Rede de Informação Alimentar. GTOTI Grupo de Trabalho sobre Organização e Transferência de.

GRIA Plataforma de Gestão da Rede de Informação Alimentar. GTOTI Grupo de Trabalho sobre Organização e Transferência de. Nuno Faria GRIA Plataforma de Gestão da Rede de Informação Alimentar GTOTI Grupo de Trabalho sobre Organização e Transferência de Informação 28 de Outubro 2010 Lista de Membros Escola Superior de Biotecnologia

Leia mais

ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES

ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES Os inquéritos foram realizados junto de alunos do 6º ano da Escola EB 2,3 de Matosinhos, durante o mês de Novembro de 24. Responderam ao inquérito 63

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

1. Refere os nutrientes necessários numa alimentação saudável e equilibrada.

1. Refere os nutrientes necessários numa alimentação saudável e equilibrada. DISCIPLINA: Ciências Naturais ANO: 9º ano de escolaridade UNIDADE DIDÁCTICA: Saúde individual e comunitária. O organismo humano em equilíbrio: alimentação. 1. Refere os nutrientes necessários numa alimentação

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

A maioria das pessoas sente-se apta para comer outra vez após a cirurgia, aumentando o seu apetite à medida que os dias passam.

A maioria das pessoas sente-se apta para comer outra vez após a cirurgia, aumentando o seu apetite à medida que os dias passam. Dieta durante o tratamento O que comer e o que evitar de comer Após a cirurgia A maioria das pessoas sente-se apta para comer outra vez após a cirurgia, aumentando o seu apetite à medida que os dias passam.

Leia mais

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado IP/03/1022 Bruxelas, 16 de Julho de 2003 Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado A Comissão Europeia adoptou hoje

Leia mais

Aligal. Uma gama de atmosferas de conservação dedicada aos produtos agroalimentares. www.airliquide.pt

Aligal. Uma gama de atmosferas de conservação dedicada aos produtos agroalimentares. www.airliquide.pt Aligal Uma gama de atmosferas de conservação dedicada aos produtos agroalimentares www.airliquide.pt Preservar a qualidade e a frescura dos seus produtos alimentares Como resposta aos consumidores que

Leia mais

Livro de receitas para os novos

Livro de receitas para os novos Livro de receitas para os novos Ficha Técnica Título: Direcção Editorial: Concepção: Corpo Redactorial: Produção Gráfica: Propriedade: Redacção: Livro de Receitas para os mais novos Alexandra Bento Helena

Leia mais

Preciso saber para fazer render

Preciso saber para fazer render A MELHOR ALIMENTAÇÃO PARA UM MAIOR RENDIMENTO Rosa Santos (Nutricionista) Preciso saber para fazer render A energia que cada um necessita para viver Que energia para aumentar o rendimento Quanta energia

Leia mais

CINZA. É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2.

CINZA. É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2. CINZA É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2. A cinza é constituída principalmente de: Grandes quantidades: K, Na, Ca e Mg; Pequenas

Leia mais

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Ciência e Tecnologia dos Alimentos

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Ciência e Tecnologia dos Alimentos Universitário R.A.Açores Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo 7264 - Corte e Tecnologia de Carnes 541 - Indústrias es Universitário R.A.Açores Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo 7109 -

Leia mais

Alimentação e Saúde. Dr.ª Ana Margarida Fonseca Cardoso Nutricionista da Sub-Região de Saúde de Vila Real Centro de Saúde de Chaves nº n 2

Alimentação e Saúde. Dr.ª Ana Margarida Fonseca Cardoso Nutricionista da Sub-Região de Saúde de Vila Real Centro de Saúde de Chaves nº n 2 Alimentação e Saúde Dr.ª Ana Margarida Fonseca Cardoso Nutricionista da Sub-Região de Saúde de Vila Real Centro de Saúde de Chaves nº n 2 QUANDO ADQUIRIDOS PRECOCEMENTE, OS HÁBITOS H ALIMENTARES CORRECTOS

Leia mais

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal Fernando Cavaco Decreto-Lei 67/98, de 18 de Março Estabeleceu as normas gerais de higiene dos

Leia mais

Rotulagem dos alimentos: impacto do regulamento de informação ao consumidor Perspetiva da distribuição Reg. (UE) nº 1169/2011

Rotulagem dos alimentos: impacto do regulamento de informação ao consumidor Perspetiva da distribuição Reg. (UE) nº 1169/2011 Rotulagem dos alimentos: impacto do regulamento de informação ao consumidor Perspetiva da distribuição Reg. (UE) nº 1169/2011 Encontro de formação OMV Joao Barbosa Isa Rosa Escapa Lisboa, 1 de Dezembro

Leia mais

NUTRIÇÃO DOS ANIMAIS VITAMINAS

NUTRIÇÃO DOS ANIMAIS VITAMINAS NUTRIÇÃO DOS ANIMAIS VITAMINAS COMER BEM, COM QUALIDADE SINÔNIMO DE UMA VIDA SAUDÁVEL. Somos aquilo que comemos, bebemos e fazemos com o nosso organismo, uma alimentação balanceada e equilibrada, faz com

Leia mais

O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011. Amanda Poldi

O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011. Amanda Poldi O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011 Amanda Poldi CRIANÇA-DEFINIÇÃO LEI 11.265/2006 CRIANÇA: indivíduo até 12 (doze) anos de idade incompletos; CRIANÇA DE PRIMEIRA

Leia mais