Simultaneamente se deu o início dos contatos para o concurso de projeto arquitetônico. Destacam-se ainda a montagem e inauguração da exposição sobre

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Simultaneamente se deu o início dos contatos para o concurso de projeto arquitetônico. Destacam-se ainda a montagem e inauguração da exposição sobre"

Transcrição

1

2 RELATÓRIO 2014 O presente relatório tem a finalidade de demonstrar as ações realizadas no ano de 2014, ano que se conclui a gestão que teve início em Por essa razão recuperamos as metas centrais que nortearam as ações nos últimos quatro anos as quais foram realizadas com pleno êxito. As metas gerais traçadas para a gestão , seguiram o Plano Museológico estabelecido pela direção em consonância com o Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) e serviram de base para o planejamento das ações. O Plano de Ação permitiu dar continuidade à excelência no cumprimento das metas gerais segundo a missão do museu, apesar da significante baixa no quadro funcional. Em linhas mestras: a) Manutenção e ampliação das coleções e da edificação, b) Cumprimento do Orçamento, c) Ampliação do Público, d) Manutenção dos trabalhos acadêmicos e editorias, e) Criar mecanismo que consolidem os projetos de posse do terreno e edificação do anexo. f) Elaboração de novo organograma g) Revisão e conclusão do inventário e do manual de política de aquisição O ano foi marcado por um intenso trabalho realizado pelos arquitetos do museu e estagiários das áreas de expografia e obras, para viabilizar a ocupação do terreno vizinho e a adequação da edificação histórica. Foram desenvolvidos os principais acessos e distribuição dos espaços em interfase das duas construções moderna/ histórica. Executar o projeto anexo deverá nortear as ações para as duas próximas gestões visando a celebração do centenário, em É um trabalho grandioso que deixará o museu com novo perfil de modernidade dentro do plano urbano da cidade, já privilegiado com a derrubada da Perimetral. Para a realização do projeto futuro foram tomadas ações que permitiram a desocupação do terreno já cedido, após uma grande negociação com o Departamento de Transito do Estado do Rio de Janeiro (DETRAN), ocorrida em junho de Imediatamente realizou-se a derrubada da edificação e limpeza do terreno, no intuito de iniciar a prospecção arqueológica da área.

3 Simultaneamente se deu o início dos contatos para o concurso de projeto arquitetônico. Destacam-se ainda a montagem e inauguração da exposição sobre a Imperatriz Leopoldina que, junto com o seminário Internacional, lançam a programação para as comemorações do bicentenário, em 2017 e com a parceria entre o Google, IBRAM e o MHN, a inclusão ao acesso de multimídia para equipamentos que utilizam o sistema android, oferecendo uma nova disponibilidade de informação. Com relação ao corpo técnico cabe enfatizar o número de novas aposentadorias que vêm ao longo dos anos se ampliando levando ao fechamento de áreas importantes para conservação das coleções, como o setor de restauro de têxteis. Para tratar da maior coleção do Ministério da Cultura/Instituto Brasileiro de Museus, a instituição conta hoje com o reduzido número de 10 funcionários. Ainda a grande insatisfação dos funcionários com relação ao plano de carreira e salários que levou a greve de mais de 30 dias no primeiro semestre do exercício. As vésperas da Copa do Mundo e no momento que a cidade recebia muitos turistas, a greve prejudicou a visitação do museu. Como nos anos anteriores, voltamos a enfatizar a falta de cargos comissionados para atender as responsabilidades de funcionários junto às coleções e a segurança do maior e mais importante museu nacional. A administração central do IBRAM atendeu com muita atenção as demandas da instituição possibilitando a agilidade dos processos administrativos e liberação de recursos para as situações emergenciais como o telhado do Laboratório de Conservação e Restauração (LACOR) e o Pátio Santiago. Fica registrado o agradecimento à toda equipe do DPGI e da Procuradoria Jurídica que possibilitou a execução dos projetos. Assim como o empenho para a conclusão do projeto do PAC das cidades históricas, por parte da equipe de arquitetos do Rio de Janeiro. Os recursos orçamentários disponibilizados para a manutenção e ações voltadas para as coleções e seminário foram igualmente apoiados pela Associação dos Amigos do Museu Histórico Nacional ( AAMHN). Realça-se a atuação da AAMHN e sua nova diretoria que ativamente colabora em todas as ações do museu procurando encontrar soluções para diferentes questões. Foi dada especial atenção a elaboração de um organograma mais compacto das áreas do museu. Realizado com a colaboração dos técnicos nominados para a Comissão de Inventário e Política de Aquisição em parceria com a Coordenadoria Administrativa. Deverá, ainda, ser complementado com a definição das responsabilidades de cada área para constar da atualização do Plano Museológico para a próxima gestão.

4 Com a entrada de novos itens, a coleção do MHN conta atualmente com objetos que poderá sofre modificação com a revisão do inventário de O acervo exposto está distribuído em m² compreendendo áreas expositivas e outras de circulação. Em decorrência do período da greve dos funcionários no exercício de 2014, o museu recebeu um total de visitantes número inferior ao ano anterior. No final do ano a atual diretora apresentou ao presidente o IBRAM o pedido de afastamento voluntário do cargo de direção solicitando que fosse substituída interinamente pela a Coordenadora Técnica a partir do dia 1 de dezembro.

5 PLANO DE AÇÃO 2014 A finalidade do PLANO DE AÇÃO 2014, como nos anos anteriores, é estabelecer as metas que permitam dar continuidade a excelência no cumprimento das ações gerais da direção desenvolvidas pelas Coordenadorias Administrativa e Museográfica em consonância com a Política Nacional de Museus do IBRAM, Instituto ao qual o Museu Histórico Nacional está subordinado. O Plano de Ação para o ano de 2014 foi elaborado levando em consideração o planejamento para quatro anos de gestão, segundo o Plano Museológico. Está estruturado de maneira a prosseguir com todos os programas que buscam a salvaguarda dos patrimônios imóvel e móvel e a comunicação entre as áreas do museu e seus usuários. Terão continuidade as atividades de: aquisição, preservação, catalogação e pesquisa das coleções, exposições, ações educativas, publicações, manutenção da edificação, segurança. Todos os programas objetivam o funcionamento do museu garantindo o compromisso de alto padrão das áreas. A visibilidade das ações através de diferentes estratégias de comunicação constitui um dos programas prioritários na complexa estrutura de diversidade das áreas visando a ampliação do conhecimento e do público, além da valorização educativa de cidadania como define a missão do museu. As ações voltadas para a manutenção da edificação, segurança e o pleno funcionamento do museu representam atribuições da área meio que viabiliza a execução do orçamento. O conjunto do programa busca melhorar a capacitação dos funcionários para o aprimoramento do desempenho e atendimento ao usuário em geral. O ano de 2014 é marcado pela continuidade das metas estabelecidas em 2013 como: a execução dos projetos ligados ao PAC, que permitirá junto com IPHAN colocar em prática os projetos de obras de manutenção elaborados pelo Museu como: substituição da rede elétrica, refrigeração do terceiro pavimento, banheiros da Biblioteca e Arquivo, infiltração da fachada externa, Laboratório e revisão dos telhados em geral e revisão da impermeabilização do Pátio Santiago e a conclusão da instalação dos sistemas de segurança, além do apoio às ações da área técnica para execução dos programas. O Plano de Ação para o próximo ano já apresenta as modificações terminológicas e de organograma, a saber: substituição da denominação de Coordenadoria Técnica para Coordenadoria Museológica, Setor de Museografia por Expografia, além de direcionar tanto a ASCOM como a PESQUISA subordinadas à Direção. Em decorrência da publicação no DO. Do Estado do Rio de Janeiro, em 25 de novembro de 2013, da cessão permanente do terreno ao lado para a construção de um anexo, desenvolverse-á ações para a realização de um concurso público para atender o projeto de construção da nova edificação e reforma do prédio atual. Para a realização das metas conta-se com orçamento disponibilizado pelo IBRAM, parcerias com instituições culturais e de ensino nacionais e internacionais, além da sempre importante participação da AAMHN, que com seu apoio contribui para a realização de todas as ações.

6 O plano atual reflete o resultado do planejamento de 2010 possibilitando o desenvolvimento de novas ações voltadas para ampliação de resultados e de continuidade com competência. Destaca-se o crescente número de aposentados e a carência em alguns setores de funcionários especializados e a dedicação dos atuais funcionários em atender as demandas. Apesar do quadro atua l ter recebido reforço de mão de obra, conserva-se pequeno para atender as demandas. Metas Gerais: a)- Continuação do programa de manutenção das coleções atualização e revisão do inventário patrimonial, conclusão do manual de política de aquisição, catalogação e segurança de coleções e sua impressão. b)- Prosseguimento do programa de exposições temporárias dentro da política interna de disponibilizar ao público as coleções guardadas em Reserva Técnica/Numismática, Biblioteca, Arquivos Histórico e Institucional para atender a pesquisa e execução da exposição. c)- Prosseguimento e expansão das exposições itinerantes ampliando o público criando meios para que o museu chegue à população impossibilitada de frequentá-lo. Captar recurso para a itinerância do projeto do ônibus O Museu Histórico Nacional em Caravana. d- Prosseguimento no atendimento às exposições que chegam no museu provenientes de outras instituições nacionais e estrangeiras. e) Continuação dos programas de aquisição, pesquisa, catalogação e digitalização e conservação das coleções visando o atendimento ao pesquisador e as demandas de exposições. f)- Prosseguimento das atividades de pesquisa de produção de conhecimento com a realização do Seminário Internacional, cursos e conferências. g)- Continuação da edição dos Anais, Livro do Seminário, catálogos e edições educativas. h)- Prosseguimento e ampliação das atividades educativas no atendimento a professores, escolares, comunidades sociais, terceira idade e população penitenciária. i)- Manutenção da edificação histórica e criação de concurso publico nacional para novo edifício anexo. J )- Concluir as definições de atribuições do organograma e fazer novo regimento interno. A partir das metas as ações serão desenvolvidas. Os relatórios setoriais servirão como meio de acompanhamento da realização das ações que poderão em algumas áreas apresentar resultados positivos ultrapassando as expectativas, ou a diminuição em consequência do grande número de aposentadorias. Mesmo com a realização do concurso promovido pelo IBRAM as necessidades da Instituição não estão de acordo com a importância e o tamanho de sua coleção.

7 DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES O Plano se subdivide em atividades museográficas e administrativas com ações setoriais e pessoais. No corpo do Desenvolvimento das Ações, as áreas de Comunicação e Pesquisa já aparecem seguindo o novo organograma, com a substituição do termo Coordenadoria Técnica por Museográfica e museografia por Expografia. - As atividades museográficas traduzem as ações finalísticas a serem executadas de: preservação do patrimônio arquivístico, bibliográfico e museológico, pesquisa, divulgação das coleções e do museu, da produção de conhecimento e das ações educativas. - As atividades administrativas traduzem as ações meio a serem executadas de: elaboração de planilhas de orçamentárias, realização financeira, relatório contábil, controle patrimonial e almoxarifado, manutenção física preventiva da edificação, segurança e acessibilidade, projetos e recursos humanos. ATIVIDADES MUSEOLÓGICAS Administrar, supervisionar e gerenciar com eficiência e transparência as ações relacionadas na ampliação, manutenção e divulgação das coleções em estreita consonância com a política traçada pela direção do IBRAM e do MHN. I ACERVO: DOCUMENTAÇÃO, PESQUISA E CONSERVAÇÃO Programas Assegurar a conservação e preservação das coleções por meio de plano de conservação e restauração; 1-Documentar os acervos de acordo com as normas técnicas, manutenção atualizada do inventário e banco de imagem; 2-Proceder ao controle de movimentação dos acervos e processos de aquisições; 3-Ampliar a realização de pesquisa sobre as coleções e o museu. 4-Concluir o manual de procedimentos técnicos para publicação, em colaboração com o setor de pesquisa. Ações: Realizar conferência e atualizar o inventário dos acervos, Realizar a restauração dos acervos das coleções museológicas, bibliográficas e arquivísticos, Avaliar o estado de conservação e higienização das obras expostas, Higienizar os acervos em reservas, biblioteca e arquivo histórico e institucional, Continuar o programa de aquisição para complementação das coleções, Organizar a catalogação das coleções, Alimentar os bancos de dados catalográficos e de imagens, Concluir as normas de procedimentos para os setores de acervos nos itens referente a catalogação, conservação e segurança. Preparar o material para impressão. Indicadores de resultados: Envio de relatórios bimestrais explicativos/quantitativos.

8 Público Alvo: Usuários, pesquisadores e funcionários II- EXPOSIÇÕES, PROGRAMAS EDUCATIVOS. Programas: 1- Realizar exposições temporárias com as coleções em reservas, biblioteca e arquivo. Ampliar as exposições itinerantes criando ambiente de inclusão através do acesso à população impossibilitada de comparecer ao museu, como instituições carentes, população carcerária, UPPs, escolas e outras instituições. 2- Executar o projeto Viajando pelo Brasil- O Museu Histórico Nacional em Caravana, após a capitação de recurso. 3- Criar condições de acessibilidade as exposições externas nacionais e internacionais. 4- Criar condições de acessibilidade e atividades educativas nas exposições e espaços do museu contribuindo para a informação e formação de público através das atividades culturais e educacionais ilustradas com publicações viabilizando o melhor aproveitamento do conteúdo museológico; 5- Contribuir para a complementação da educação formal escolar por meio de parcerias com as redes públicas e privadas através dos programas de capacitação dos professores. 6- Em consonância com o programa estabelecido pelo IBRAM realizar as atividades da Semana Nacional e Primavera nos Museus. 7- Realizar palestras, conferências e cursos que possibilitem o intercâmbio de instituições nacionais e internacionais. Ações: Realizar a Exposição Leopoldina A Imperatriz do Brasil, que abrirá as comemorações dos 200 Anos da Chegada de D. Leopoldina ao Brasil, em 2017.Manter as galerias de exposição de longa duração em perfeito estado de conservação de iluminação, vitrines e ambientações, textos e legendas, Duplicar exposição itinerante e manter a higienização e conservação das demais, Organizar as atividades da Semana de Museus e Primavera nos Museus, Manter agendamentos das escolas do projeto Fetransporte e outras, Manter e ampliar agendamento dos programas educativos Conhecendo o Museu, visita monitoradas e datas comemorativas, Manter e ampliar os projetos educativos em áreas carentes da sociedade. Organizar encontro de professores e educadores, Organizar e coordenar a edição das publicações e outros materiais educativos. Indicadores de Resultados Inaugurações, relatórios bimestrais quantitativos/qualitativos, contagem de público e educadores capacitados. Público Alvo Visitantes, estudantes, educadores e publico em geral. III- PESQUISA 1 Realizar Seminário Internacional, cursos, palestras e conferências que propiciem a produção de intercâmbio de conhecimento entre instituições nacionais e internacionais, com a temática referente a Imperatriz Leopoldina; 2 Editar os Anais e Livro do Seminário e outras publicações;

9 3 Em cooperação com a área de exposição realizar pesquisa para a exposição temporária sobre a Imperatriz Leopoldina. Ações: Organizar e coordenar a edição das publicações dos Anais, Livro do Seminário e outros. Organizar e coordenar o Seminário Internacional, Organizar e coordenar o conteúdo dos artigos que compõem as edições dos Anais e Livro do Seminário, do Livro do MHN e catálogo dos 90 Anos, Realizar e dar suporte as pesquisas museológicas e históricas. Indicadores de Resultados Relatórios de pesquisas, edições publicadas, relatórios bimestrais quantitativos/qualitativo. publicações. Público Alvo Público em geral III- COMUNICAÇÃO Programas: Fortalecer a presença do museu nos veículos de comunicação; Assegurar um canal de comunicação eficiente e ágil com o publico através da internet; Prestar informação atualizada sobre as atividades do museu através do BIT e Boletim Eletrônico e da AAMHN; Fornecer clipping de comunicação sobre as matérias da mídias escrita/oral/visual; Criar ações de divulgação; Manter o mailing atualizado; Preparar a correspondência de publicações e convites para expedição; Preservar as atividades do auditório; Coordenar a recepção em suas atividades Ações: Manter o site atualizado com a inserção de relatório anual e atividades, Criar mecanismo para elaboração de um novo site. Divulgar o clipping para conhecimento das demais áreas do museu, Encaminhar material de divulgação como: edições, convites e publicações, Manter o auditório e perfeito estado de conservação do ambiente e dos equipamentos, Realizar a agenda de uso do auditório. Zelar pelo funcionamento da recepção. Indicadores de Resultados: Relatório bimestral qualitativo/quantitativo, contagem dos resultados Público Alvo: Visitantes, pesquisadores, usuários em geral e funcionários ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS Administrar, supervisionar e gerenciar com eficácia, transparência e economicidade as atividades operacionais e administrativas garantindo o funcionamento do museu. I GESTÃO PROJETOS Apesar de constar do Plano de Ação, no momento, por falta de funcionário capacitado para atender as demandas, a área esta desativada. Quando necessário a direção assume.

10 Programas: 1-Criar banco de projetos de maneira a facilitar a captação de recursos para a realização dos programas da instituição 2-Apresentar relatório semestral e anual segundo os dados fornecidos; Ações Executar projetos que permitam a captação de recursos nas leis de incentivo e orçamento do IBRAM visando a preservação da edificação e coleções e a ampliação das instalações. Realizar levantamento das necessidades junto a direção e as coordenadorias técnicas e administrativa, Redigir os projetos seguindo as normas das leis de incentivos e de orçamento, Redigir o relatório anual e enviar a direção até o último dia do ano. Executar editais licitatórios para os projetos do programa PAC. Manter atualizados os conhecimentos das leis de Diretrizes e Base e outros. Atender as exigências da Procuradoria Jurídica e Auditoria do IBRAM. Indicadores de Resultados Relatório semestral e contagem de projetos Público Alvo Área finalista, funcionários e público em geral 1- OBRAS/MANUTENÇÃO Programas: 1- Zelar pela manutenção da edificação histórica. 2- Fornecer suportes técnicos de projetos básicos e executivos dos projetos de obras. 2- Acompanhar e Fiscalizar todas as obras e reparos de manutenção. Ações Realizar levantamento predial dos pontos que necessitam de reparos e obras de manutenção. Acompanhar a execução e fornecer lista de matérias. Estruturar os projetos para o programa PAC. Fornecer os projetos básicos e executivos. Acompanhar e fiscalizar as obras. Fornecer suporte técnico ao programa de concurso para o anexo. Indicadores de Resultado Relatórios bimestrais e prestação de contas e de fiscalização Público Alvo Funcionários e público em geral. 1 - RECURSOS HUMANOS Programa: 1- Manter o controle administrativo sobre a gestão de pessoas em geral, trabalhando na instituição. Ações Controlar mensalmente a frequência dos servidores, estagiários. Organizar e conservar a documentação pertinente aos funcionários, estagiários e voluntários. Providenciar a contratação de estagiários ( bolsistas e curriculares) mantendo o controle sobre todo o processo de contratação. Manter os funcionários informados dos processos administrativos e de seu interesse, além de cursos de capacitação. Estabelecer permanente contato com o IBRAM- sede sobre assuntos relacionados à área.

11 Indicadores de Resultados Relatórios bimensais Público Alvo Todos os servidores do museu. II - LOGÍSTICA 1 Contratos/ Patrimônio 2 Programas: 1 Viabilizar a execução dos projetos através de processos administrativos licitatórios para atender recursos do orçamento oriundo IBRAM; 2 Criar condições para as licitações do programa PAC, ligado ao IPHAN/IBRAM. 3 Manter o controle patrimonial atualizado. Ações Redigir dentro das exigências oficiais os processos contratuais e licitatórios segundo orientação da auditoria e procuradoria do IBRAM,Realizar tomada de preço tanto quanto concorrência,realizar licitação e ou pregão eletrônico dos processos,manter os mapas de controle patrimonial atualizados enviando relação dos bens nos relatórios bimensais.manter o controle do almoxarifado atualizado enviando relação dos mapas nos relatórios bimensais. Indicadores de resultados Atingir um mínimo de 80% de gasto com a receita e relatórios semestrais Publico Alvo Funcionários, fornecedores, patrocinadores e usuário em gera 3 Arquivo Institucional Programas: 1- Manter controle sobre a documentação. 2- Zelar pela conservação e segurança. 3- Manter o controle atualizado do programa informatizado SGI (Sistema de Gerenciamento da Informação) 4- Manter o controle e agilidade no protocolo e correio. Ações Alimentar e ampliar o sistema informatizado de controle do arquivo.realizar programa de conservação com projetos.manter o controle sobre as papeletas internas.despachar os documentos por malotes internos e com o IBRAM.Agilizar do despacho de correio e circulação de correspondência. Indicadores de Resultados Relatórios bimestrais

12 Público Alvo Funcionários e publico em geral. III Financeiro/ Contabilidade Programas: 1-Realizar os procedimentos necessários a execução de pagamentos de serviços e processos licitatórios e tesouraria; 2- Gerar relatórios contábeis/ financeiros. Ações Manter controle sobre os recursos financeiros,executar o recolhimento e o pagamento dos recurso,realizar relatório financeiro dos contratos de gestão. Indicadores de Resultados Atingir 80% dos ativos pagos e relatórios semestrais Público Alvo Funcionários, fornecedores e usuário em geral COORDENADORIA MUSEOGRÁFICA Ligada diretamente à Direção Geral do Museu, a Coordenadoria Técnica tem como principal atribuição coordenar e supervisionar as atividades desenvolvidas nos Departamentos a ela subordinados, que são: Acervo e Dinâmica Cultural. A Coordenadoria Técnica cumpriu as metas do Plano de Ação 2014 garantindo a preservação das coleções, pesquisa e a segurança e o funcionamento do museu para o público em geral, setores e exposições. Deu continuidade às atividades de catalogação e informatização do acervo como também deu início à valoração do acervo do Museu. Por determinação da Direção do MHN os setores de guarda de acervo do DEDAC Arquivo Histórico, Biblioteca, Numismática e Reserva Técnica estão realizando, com o apoio das áreas de informática e patrimônio, à revisão e valoração de todas as peças do MHN. Com o objetivo de atualizar os valores nas tabelas de classificação contábil do patrimônio do MHN, foi criada uma Comissão de Reavaliação do Acervo, Correção do Inventário e Depreciação do Patrimônio do MHN, através da Portaria n.º 12 de 16 de setembro de 2014, publicada no Boletim Administrativo Eletrônico do IBRAM de 22 de setembro de 2014, em atendimento a legislação vigente, com prazo até 31/12/2014 para a conclusão dos trabalhos. Foi também revista a Política de Aquisição e Descarte de Acervos do Museu Histórico Nacional, documento que orienta e regula o crescimento e a incorporação de acervos ao Museu. Este documento já aplicado às novas aquisições e, assim que terminar seu período de teste, será publicado internamente. Os setores ligados a Coordenadoria Técnica são os que mais sentem o esvaziamento de funcionários especializados, com as aposentadorias recentes. Entretanto, buscou-se através de estágios e projetos temporários suprir as necessidades. O comprometimento tanto da

13 coordenadora como de sua equipe vem conseguindo garantir a eficiência do trabalho. Essa situação que se agrava a cada ano, requer uma atenção especial do IBRAM, em Brasília. Neste ano, em função da aposentadoria da técnica Maria do Carmo de Oliveira, restauradora de têxteis, foi fechada a oficina especializada na restauração desse material. É sentida também pelo corpo técnico, a falta de museólogos. Da anterior equipe técnica da Reserva Técnica, composta por 5 museólogos, só restou o técnico Juarez Menezes Guerra que atualmente conta com o auxílio de 3 estagiárias.numa relação acervo / profissional, o técnico é responsável por itens. Através do Setor de Relações Internacionais do IBRAM com instituições internacionais recebeu-se a estudante Caroline Giecode, aluna da École Du Louvre. O projeto considerado de grande importância e contribuição para a formação profissional. Espera-se que a mesma contrapartida seja praticada ao quadro de novos contratados do IBRAM, que necessitam de um aprimoramento em sua formação através do conhecimento de instituições internacionais congêneres. Como ocorre anualmente o setor continua prestando assessoria técnica a diversas instituições salientando no ano de 2014 o atendimento a necessidades de conservação e restauração de acervo do Sitio Burle Marx e à Irmandade da Igreja da Candelária que nos solicitou orientação técnica para armazenamento, conservação e restauração de seu acervo museológico, além de um melhor aproveitamento de seus espaços para a instalação de um pequeno museu. As metas estabelecidas pela Coordenadoria Técnica foram atingidas com os seguintes resultados: a)- Promover, supervisionar e coordenar ações relativas a documentação das coleções e atualização do inventário. b)- Realizar exposição temporária lançando as bases para as comemorações dos 200 anos de chegada da imperatriz Leopoldina ao Brasil, com acervo em reserva técnica e ampliar o c)-ampliar o público escolar ; d)- Revisar e concluir o inventário patrimonial e)- Realizar o Seminário Internacional. DEPARTAMENTO DE ACERVO: DEDAC Tem sob sua responsabilidade As áreas de conservação/restauração, preservação, catalogação, digitalização e pesquisa das coleções arquivísticas, bibliográficas e museológicas. O primeiro semestre de 2014 foi um período de grande atividade no DEDAC, principalmente no sentido de salvaguardar o acervo em função do início da demolição do viaduto da Perimetral. Os técnicos dos setores de guarda Arquivo Histórico, Biblioteca, Numismática e Reserva Técnica e do Laboratório de Conservação dedicaram ainda mais atenção ao estado de conservação das peças, de modo a prevenir possíveis danos causados por acúmulo de

14 poeira e outros detritos oriundos da demolição. Neste período também ocorreu obra de recuperação no telhado do Laboratório de Conservação e restauração. Os setores do DEDAC receberam visitas técnicas que totalizaram 180 visitantes, divididos entre os cursos de Museologia da Universidade Federal de Ouro Preto; da Universidade Federal de Alfenas; da ESDI/UERJ; do curso de Museologia/UNIRIO; do Curso de Guias Turísticos do MHN; do curso de Turismo/UFF; do curso de Introdução à Conservação de Têxteis realizado no MHN e do ensino médio do Colégio Pedro II. Os setores foram procurados por 250 pesquisadores presenciais, realizaram 83 atendimentos virtuais, 32 telefônicos e 1 por correspondência. Foram processados tecnicamente objetos, documentos e publicações e atualizados os dados de objetos, documentos e publicações. Aberto processo para apurar o não retorno de uma peça emprestada ao exército. O processo em andamento deverá ser concluído com a baixa patrimonial de uma placa insígnia da Ordem da Rosa, após o relatório final apresentado pelo Batalhão e o pagamento do seguro. Na Reserva Técnica foram realizadas obras nas paredes e tetos da RT1, bem como reforço nos suportes do mezanino da RT2 e a recomposição da parede afetada com um curto no ventilador. As obras na RT permitiram uma nova arrumação do acervo, bem como a aquisição de novos armários para guarda de peças. Houve a pintura das estantes e a aquisição de armários de aço para redistribuição de acervo. Foram realizadas mudanças de localização de diversas peças, já corrigidas nas bases de dados do acervo, e iniciada a obra na RT2, com reforço nos suportes do mezanino e pintura das paredes. Foram realizados em parceria com a DOCPRO os projetos de digitalização dos processos de aquisição entre os anos de , documentos relativos a Inspetoria de museus e do Curso de Museus, além dos relatórios da Direção de 1922 a 1960 que encontram-se com o papel bastante fragilizado. Participação no projeto de candidatura de reconhecimento pela UNESCO dos dossiês sobre Guerra do Paraguai conjuntamente com o Museu Naval. A proposta apresentada pelo Museu Imperial, ao Programa Memória do Mundo com o tema Iconografia e Cartografia da Guerra do Paraguai em Instituições Brasileiras. As Instituições convidadas foram: MHN, Itamaraty, Biblioteca Nacional, Arquivo Nacional, Arquivo do Exército e Arquivo da Marinha. Foram encaminhadas planilhas preenchidas relacionando acervo do MHN sobre o assunto proposto. A candidatura foi aprovada pela UNESCO. 1 -DEPARTAMENTO INTERNO DE CONTROLE DE PATRIMÔNIOS (DICOP) Responsável pelo controle de entrada de acervo e sua movimentação, assim como o inventário patrimonial dos objetos museológicos, realizou as ações: TOTAL DE ACERVO ADQUIRIDO PELOS SETORES DO DEDAC EM ITENS ARQUIVO HISTÓRICO BIBLIOTECA 353 NUMISMÁTICA 161 RESERVA TÉCNICA 816 Abertura de processos de aquisição de acervo 46 processos EMPRÉSTIMOS DE CURTO PRAZO REALIZADOS EM 2014 EMPRÉSTIMOS DE CURTO PRAZO REALIZADOS NO PERÍODO Papeleta Acervo Instituição Período Exposição

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

MUSEU HISTÓRICO NACIONAL

MUSEU HISTÓRICO NACIONAL MUSEU HISTÓRICO NACIONAL O presente relatório tem como objetivo demonstrar as ações realizadas no exercício de 2013 pela equipe do museu obedecendo as metas traçadas no Plano de Ação. As metas gerais para

Leia mais

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões As oportunidades de trabalho e as novas profissões ligadas à arte contemporânea têm crescido muito nos últimos anos, impulsionadas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES CAMPUS CONGONHAS DEZEMBRO - 2013 INFRA-ESTRUTURA Objetivo

Leia mais

LEI Nº 15.608, DE 28 DE JUNHO DE

LEI Nº 15.608, DE 28 DE JUNHO DE PUBLICADO DOC 29/06/2012, p. 1, 3 c. 3-4, todas LEI Nº 15.608, DE 28 DE JUNHO DE 2012 (Projeto de Lei nº 595/11, do Executivo) Dispõe sobre a criação do Arquivo Histórico de São Paulo, na Secretaria Municipal

Leia mais

M A. Projeto Exposições 2010. Museu Universitário de Arte

M A. Projeto Exposições 2010. Museu Universitário de Arte M A Museu Universitário de Arte Projeto Exposições 2010 Termos para inscrições de artistas, curadores e demais interessados em participar do calendário de exposições do ano de 2010/2011 do Museu Universitário

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA DIRETORIA DO CENTRO DE ESTUDOS DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA DIRETORIA DO CENTRO DE ESTUDOS DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA DIRETORIA DO CENTRO DE ESTUDOS DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO, 3 2 FUNCIONALIDADE ADMINISTRATIVA, 3 2 S ORGANIZACIONAIS DO CENTRO DE ESTUDOS, 3

Leia mais

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 ORGANOGRAMA DA EDUCAÇÃO PROCESSOS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR PARA QUE AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO TENHAM SEUS CURSOS APROVADOS E REGULAMENTADOS, É NECESSÁRIO

Leia mais

Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS

Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1.º O ARQUIVO CENTRAL (ACE) é órgão de natureza complementar da Fundação Universidade

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Regimento Interno da Biblioteca Central Zila Mamede

Regimento Interno da Biblioteca Central Zila Mamede MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFRN BIBLIOTECA CENTRAL ZILA MAMEDE Regimento Interno da Biblioteca Central Zila Mamede Natal RN 2013 UNIVERSIDADE

Leia mais

Como navegar no mar de informações para atender as demandas de um escritório jurídico e seus clientes case Escritório Veirano

Como navegar no mar de informações para atender as demandas de um escritório jurídico e seus clientes case Escritório Veirano Como navegar no mar de informações para atender as demandas de um escritório jurídico e seus clientes case Escritório Veirano Cristina Lerina Patrícia Rocha Eusebia Diniz Simone Bispo edoc 2015 Rio de

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS. Requisitos Salário Bruto* Atribuições

ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS. Requisitos Salário Bruto* Atribuições ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS Secretário Executivo Carga horária 40 h/sanais Cargo Provimento cinco R$ 16.000,00 Assessoria ao liberações

Leia mais

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º As atividades culturais e artísticas desenvolvidas pela POIESIS reger-se-ão pelas normas deste Regimento Interno e pelas demais disposições

Leia mais

Apresentação. Equipe CPMUS

Apresentação. Equipe CPMUS 1 Apresentação Baseada nas publicações existentes sobre a criação de museus, a equipe da Coordenação do Patrimônio Museológico CPMUS, do Departamento de Processos Museais DEPMUS, do Instituto Brasileiro

Leia mais

De 16/03 a 24/04 Mais de 50 reuniões Mais de 100 horas de diálogo Duas viagens à Macapá Leitura de 22 relatórios Acompanhamento de processos,

De 16/03 a 24/04 Mais de 50 reuniões Mais de 100 horas de diálogo Duas viagens à Macapá Leitura de 22 relatórios Acompanhamento de processos, EDUARDO MARGARIT De 16/03 a 24/04 Mais de 50 reuniões Mais de 100 horas de diálogo Duas viagens à Macapá Leitura de 22 relatórios Acompanhamento de processos, licitações e obras Mais de 800 alunos Mais

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE CONTROLE INTERNO 2014

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE CONTROLE INTERNO 2014 Processo nº 2013/174887 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE CONTROLE INTERNO 2014 Novembro/2013 Sumário INTRODUÇÃO... 2 PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES DE CONTROLE INTERNO... 2 1. ÁREA ADMINISTRATIVA... 3 1.1 Acompanhamento

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 A Direção de Ensino do câmpus Curitiba, compreendendo todas as suas seções, com a finalidade

Leia mais

São Paulo, 28 de janeiro de 2013 Caros Docentes, Funcionários e Alunos,

São Paulo, 28 de janeiro de 2013 Caros Docentes, Funcionários e Alunos, São Paulo, 28 de janeiro de 2013 Caros Docentes, Funcionários e Alunos, A Direção da EACH completa mais um ano de gestão, período de intensa atividade acadêmica e administrativa na Escola, o que demandou

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014 São Paulo 2015 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZAÇÕES... 3 2.1 Acervo... 3 2.2 Plano de atualização e expansão do acervo... 3 2.3 Divulgação...

Leia mais

UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS. Versão Preliminar

UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS. Versão Preliminar UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS Versão Preliminar MANUAL 2002 1 Manual editado pela Área de Planejamento da Biblioteca Central da Unicamp. UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE PORTO ALEGRE JOAQUIM JOSÉ FELIZARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE PORTO ALEGRE JOAQUIM JOSÉ FELIZARDO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE PORTO ALEGRE JOAQUIM JOSÉ FELIZARDO TÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º. O Museu de Porto Alegre Joaquim

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL DE APOIO AO MUSEU CASA DE PORTINARI ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS E LOCAÇÕES

ASSOCIAÇÃO CULTURAL DE APOIO AO MUSEU CASA DE PORTINARI ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS E LOCAÇÕES ASSOCIAÇÃO CULTURAL DE APOIO AO MUSEU CASA DE PORTINARI ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS E LOCAÇÕES SUMÁRIO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO CAPÍTULO II DAS COMPRAS Titulo

Leia mais

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA - IESI INDAIATUBA/SP 2 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...

Leia mais

GOVERNO DE MINAS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA SUPERINTENDÊNCIA DE MUSEUS E ARTES VISUAIS. plano museológico

GOVERNO DE MINAS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA SUPERINTENDÊNCIA DE MUSEUS E ARTES VISUAIS. plano museológico GOVERNO DE MINAS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA SUPERINTENDÊNCIA DE MUSEUS E ARTES VISUAIS plano museológico GOVERNO DE MINAS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA SUPERINTENDÊNCIA DE MUSEUS E ARTES VISUAIS

Leia mais

PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014.

PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014. PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014. A Diretora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Campus Uberlândia Centro, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS 1. Objeto: 1.1.1. Contratação de empresa para prestação, sob demanda, de serviços de planejamento, organização, coordenação, execução, fiscalização e avaliação de eventos com a viabilização de infra-estrutura

Leia mais

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura INTRODUÇÃO A Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro (SEC) está coordenando a elaboração do Plano Estadual de Cultura, a partir do diálogo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019 Agosto-2014 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

Leia mais

Anexo V - Descrição dos cargos de provimento efetivo da Carreira Judiciária, atribuições principais e requisitos para ingresso

Anexo V - Descrição dos cargos de provimento efetivo da Carreira Judiciária, atribuições principais e requisitos para ingresso Anexo V - Descrição dos cargos de provimento efetivo da Carreira Judiciária, atribuições principais e requisitos para ingresso (artigo 7º da Lei nº, de de de 2008.) GRUPO OCUPACIONAL DE ATIVIDADES TÉCNICAS

Leia mais

2. ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS

2. ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS PLANO DE TRABALHO 2009 1. INTRODUÇÃO A Fundação Stickel em 2009 dará prosseguimento à sua atuação sócio-cultural, como prevista em sua missão. Na área da assistência social, com a continuidade do Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA ALINE CRISTINA DE FREITAS ANA CLÁUDIA ZANDAVALLE CAMILA RIBEIRO VALERIM FERNANDO DA COSTA PEREIRA

Leia mais

PDI 2014/2017. Sistema de Bibliotecas do IFRS - SiBIFRS

PDI 2014/2017. Sistema de Bibliotecas do IFRS - SiBIFRS PDI 2014/2017 Sistema de Bibliotecas do IFRS - SiBIFRS O Sistema de Bibliotecas do IFRS (SiBIFRS) está em fase de estruturação. Atualmente ele é composto Grupos de Trabalho (GTs) pelas doze Bibliotecas

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO N. 162/2015 Institui o Regimento Interno da Escola Judicial Militar do Estado

Leia mais

LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006.

LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006. LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Dispõe sobre a Estrutura Administrativa e institui organograma da Câmara Municipal de Uruguaiana e dá outras providências. Faço saber,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

MUSEU UNIVERSITÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

MUSEU UNIVERSITÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 1 MUSEU UNIVERSITÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 13 de julho de 2010 1 2 1. APRESENTAÇÃO Este documento contém o resultado do trabalho efetuado durante o encontro Museu Universitário, realizado no dia 5

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES SEMAP

RELATÓRIO DE ATIVIDADES SEMAP RELATÓRIO DE ATIVIDADES SEMAP 2010 Paulo Cesar Roza da Luz Porto Alegre, dezembro de 2010 ÍNDICE - Introdução... 03 - Atividades realizadas... 04 1) Manutenção... 04 2) Almoxarifado... 06 3) Patrimônio...

Leia mais

I Ciclo de Palestras sobre a Gestão Arquivística de Documentos no INPE A Organização da Gestão Documental do MCTI

I Ciclo de Palestras sobre a Gestão Arquivística de Documentos no INPE A Organização da Gestão Documental do MCTI I Ciclo de Palestras sobre a Gestão Arquivística de Documentos no INPE A Organização da Gestão Documental do MCTI Sonia Maria/Ronal Guedes Informações Iniciais Sobre o MCTI Criação e finalidade A unidade

Leia mais

(Favor preencher com letra de forma ou datilografado.) Estado: Pacífico. (6) Pessoa para contato (caso seja diferente da indicada no item (5)).

(Favor preencher com letra de forma ou datilografado.) Estado: Pacífico. (6) Pessoa para contato (caso seja diferente da indicada no item (5)). ASSISTÊNCIA A PROJETOS COMUNITÁRIOS E DE SEGURANÇA HUMANA FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO (Favor preencher com letra de forma ou datilografado.) 1. Requerente (1) Organização: Associação ABC de Amparo à Criança

Leia mais

Museu Nacional da Arte Antiga

Museu Nacional da Arte Antiga Museu Nacional da Arte Antiga Índice 1. Horários e localização: 2. Ingresso 3. História do museu 4. Informações acerca do museu 5. As 10 obras de referência do MNAA 6. Coleções 1 - Horário e Localização

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CACCAU Centro de Atividades Complementares do Curso de Arquitetura e Urbanismo REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Nas

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4011 EDITAL Nº 01/2012 1. Perfil: A 3. Qualificação educacional: Profissional com nível superior em Administração, Ciências Contábeis e/ou Relações

Leia mais

EDITAL Nº 01/2011 ERRATA Nº 01/2011 do Edital nº 01/2011, de Concurso Público e Processo Seletivo, de 28 de Janeiro de 2011

EDITAL Nº 01/2011 ERRATA Nº 01/2011 do Edital nº 01/2011, de Concurso Público e Processo Seletivo, de 28 de Janeiro de 2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE CELSO RAMOS ESTADO DE SANTA CATARINA R. Dom Daniel Hostin, 930 Centro CELSO RAMOS SC - CEP: 88598-000 E-mail: pmcr@celsoramos.sc.gov.br - Telefone: (49) 3547 1211- Fax: (49) 3547

Leia mais

PLANO DE DIRETRIZES E METAS DA AMOSC 2015

PLANO DE DIRETRIZES E METAS DA AMOSC 2015 PLANO DE DIRETRIZES E METAS DA AMOSC 2015 DIRETORIA EXECUTIVA/SECRETARIA EXECUTIVA Anexo 6 EIXOS DE ATUAÇÃO Representação Política Desenvolvimento Regional Assessoria Técnica Capacitação Processos Internos

Leia mais

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Museu Casa de Rui Barbosa: estabelecendo relações com os turistas nacionais e internacionais Coordenador

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 MANUAL DO USUÁRIO Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 Rio de Janeiro INPI/CEDIN 2014 BIBLIOTECA DO INPI Vinculada ao Centro de Disseminação da Informação Tecnológica (CEDIN),

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2006

PLANO DE TRABALHO 2006 PLANO DE TRABALHO 2006 1 INTRODUÇÃO A Fundação Stickel por decisão de seu Conselho Curador e conforme previsto em sua atualização estatutária, iniciou em 2004 o redirecionamento e focalização de sua atuação.

Leia mais

-0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012.

-0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. -0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. Dispõe sobre os critérios e os procedimentos para promoção, organização e participação da ANAC em eventos internos e externos. A DIRETORIA DA AGÊNCIA

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Escola Portuguesa Ruy Cinatti 2013/2014

BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Escola Portuguesa Ruy Cinatti 2013/2014 O Pl Anual de Atividades é o documento que define as linhas orientadoras da ação da Biblioteca Escolar e tem como objetivo último tornar os alunos autónomos e eficientes nas diversas literacias. A adquisição

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Capitulo I - Objetivo. Artigo 1º - O presente regulamento

Leia mais

Organograma do Pronatec/CEDAF 2014

Organograma do Pronatec/CEDAF 2014 Organograma do Pronatec/CEDAF 2014 Supervisor Financeiro Coordenação Geral Apoio Administrativo Supervisor de TI Apoio Financeiro Orientador Pedagógico Apoio Administrativo Avaliação dos Cursos Coordenação

Leia mais

F) 13.392.0168.2650.0001 - Funcionamento de Bibliotecas da União

F) 13.392.0168.2650.0001 - Funcionamento de Bibliotecas da União Brasileira I Vol. de vários autores; Brasileira II Vol. de vários autores; Brasileira III Vol. de vários autores; Brasileira IV Vol. de vários autores; Brasileira V Vol. de vários autores; Editions du

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA ALINE MENIN FERREIRA (alinemenin.ferreira@hotmail.com ) CLÁUDIA REGINA LUIZ ( cacauluiz@bol.com.br ) CRISTIANE

Leia mais

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 O ensino, como a justiça, como a administração, prospera e vive muito mais realmente da verdade e da moralidade, com que se pratica do

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO CRIAÇÃO DO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

DIVISÃO DE CONTROLE E ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO - DICAMP

DIVISÃO DE CONTROLE E ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO - DICAMP MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO DIVISÃO DE CONTROLE E ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO - DICAMP A DICAMP - Divisão de Controle e Administração de Material

Leia mais

FACULDADE INESP ESCOLA TÉCNICA

FACULDADE INESP ESCOLA TÉCNICA FACULDADE INESP ESCOLA TÉCNICA MANUAL DO ALUNO 2011 EDITAL DE MATRÍCULA A Direção da Escola Técnica INESP comunica aos interessados que as matrículas para os Cursos Técnico em Edificações, Técnico em Gerência

Leia mais

RELATÓRIO 2011 MUSEU HISTÓRICO NACIONAL

RELATÓRIO 2011 MUSEU HISTÓRICO NACIONAL RELATÓRIO 2011 MUSEU HISTÓRICO NACIONAL O presente relatório tem por finalidade demonstrar as realizações que, durante o exercício de 2011, foram cumpridas pela equipe do Museu. As metas gerais traçadas

Leia mais

III RELATÓRIO DO DIRETOR DO CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DE DEFESA À REUNIÃO DO CONSELHO DIRETIVO DO CEED

III RELATÓRIO DO DIRETOR DO CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DE DEFESA À REUNIÃO DO CONSELHO DIRETIVO DO CEED III RELATÓRIO DO DIRETOR DO CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DE DEFESA À REUNIÃO DO CONSELHO DIRETIVO DO CEED VIII REUNIÃO DA INSTÂNCIA EXECUTIVA DO CONSELHO DE DEFESA SUL-AMERICANO Lima, 17 de maio, 2013

Leia mais

INSTITUTO RIO - EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA APOIO NO ANO DE 2014

INSTITUTO RIO - EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA APOIO NO ANO DE 2014 INSTITUTO RIO - EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA APOIO NO ANO DE 2014 INTRODUÇÃO O Instituto Rio promove pelo décimo ano consecutivo sua Seleção Anual de Projetos, inaugurada em 2003 como elemento fundamental

Leia mais

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN Padre Miguel, RJ 2012 1 POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN A política de desenvolvimento de coleções

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 01/03 ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 04/96, 24/00, 1/02, 16/02 e 30/02 do Conselho

Leia mais

PROPLAN Diretoria de Informações. Tutorial SisRAA Biblioteca

PROPLAN Diretoria de Informações. Tutorial SisRAA Biblioteca PROPLAN Tutorial SisRAA Biblioteca Ana Carla Macedo da Silva Jaciane do Carmo Ribeiro Diego da Costa Couto Mauro Costa da Silva Filho Dezembro 2014 SUMÁRIO 1. Menu: Acessibilidade... 3 1.1 Opção de menu:

Leia mais

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 1.1 Organização Institucional Q1 Cumprimento da missão da

Leia mais

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos DOC MQB -02 MQB.pdf 1/5 Cargo: Assistente de Laboratório 1. Planejar o trabalho de apoio do laboratório: Interpretar ordens de serviços programadas, programar o suprimento de materiais, as etapas de trabalho,

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

(Favor digitar ou preencher com letra de forma.) Como soube deste programa de assistência?... ... ... (1) Nome da organização:... (2) Endereço:...

(Favor digitar ou preencher com letra de forma.) Como soube deste programa de assistência?... ... ... (1) Nome da organização:... (2) Endereço:... ASSISTÊNCIA A PROJETOS COMUNITÁRIOS E DE SEGURANÇA HUMANA FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO (Favor digitar ou preencher com letra de forma.) SOBRE O PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DO GOVERNO DO JAPÃO Como soube deste

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

Comissão Permanente de Licitação. Servidores que compõem a Comissão Permanente de Licitação. Presidente: Claudia Márcia Oliveira Silva.

Comissão Permanente de Licitação. Servidores que compõem a Comissão Permanente de Licitação. Presidente: Claudia Márcia Oliveira Silva. Comissão Permanente de Licitação Servidores que compõem a Comissão Permanente de Licitação Presidente: Claudia Márcia Oliveira Silva Membros: Elisabeth Ribeiro Leite Silvia Cristina Vasconcelos Ferreira

Leia mais

INSTITUTO RIO - EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA APOIO NO ANO DE 2016 - UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA ZONA OESTE

INSTITUTO RIO - EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA APOIO NO ANO DE 2016 - UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA ZONA OESTE INSTITUTO RIO - EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA APOIO NO ANO DE 2016 - UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA ZONA OESTE INTRODUÇÃO O Instituto Rio promove pelo décimo terceiro ano consecutivo sua Seleção Anual

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 Sumário 1. Mensagem do Presidente... 3 2. Identidade Institucional... 4 2.1 Missão... 4 2.2 Visão... 4 2.3 Valores... 4 2.4 Áreas de atuação... 4 3. Equipe... 5 3.1 Conselho

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES EXTRATOS DE CONTRATO E ADITIVOS 2015.

CÂMARA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES EXTRATOS DE CONTRATO E ADITIVOS 2015. CÂMARA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES EXTRATOS DE CONTRATO E ADITIVOS 2015. CONTRATO Nº. 001/2015 CMJG PROCESSO LICITATORIO Nº. 001/2015 CONVITE Nº. 001/2015 CONTRATADO: CHAVES ASSESSORIA CONTÁBIL.

Leia mais

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 UMUARAMA, DEZEMBRO, 2012 RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome/

Leia mais

14/Mar/2013 :: Edição 31 ::

14/Mar/2013 :: Edição 31 :: 14/Mar/2013 :: Edição 31 :: Cadernos do Poder Executivo Poder Geraldo Julio de Mello Filho Executivo DECRETO Nº 26.993 DE 13 DE MARÇO DE 2013 EMENTA: Descreve as competências e atribuições dos cargos comissionados

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras providências. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO Atualmente a FIBRA encontra-se em novas instalações contando com 33 salas de aula climatizadas, com instalações de equipamentos de multimídia, auditório climatizado com

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

Os sistemas de informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia: contributo para uma perspectiva integrada da gestão da informação

Os sistemas de informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia: contributo para uma perspectiva integrada da gestão da informação Os sistemas de informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia: contributo para uma perspectiva integrada da gestão da informação Encontro Internacional de Arquivos Universidade de Évora 3-4 de Outubro

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL A Profª. Ivânia Maria de Barros Melo dos Anjos Dias, Diretora Geral das Faculdades Integradas Barros Melo, no uso de suas

Leia mais

PROGRAMA DE CULTURA ESPAÇOS VISUAIS REDE SESC DE GALERIAS Edição 2015 Artes Visuais

PROGRAMA DE CULTURA ESPAÇOS VISUAIS REDE SESC DE GALERIAS Edição 2015 Artes Visuais PROGRAMA DE CULTURA ESPAÇOS VISUAIS REDE SESC DE GALERIAS Edição 2015 Artes Visuais INTRODUÇÃO O Serviço Social do Comércio Sesc, Departamento Regional de Santa Catarina, informa aos interessados os procedimentos

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 25 de outubro de 2006. 1 Segundo Vergueiro (1989), a política de desenvolvimento de coleções é um instrumento

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA. Itamaraju, 2011.2

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA. Itamaraju, 2011.2 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA Itamaraju, 2011.2 Bibliotecário Emanuel Vieira Pinto CRB-5/1618 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA Itamaraju, 2011.2 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 5

Leia mais

Anexo Técnico I Programa de Trabalho/Prestação de Serviços (tipo e descrição dos serviços memorial descritivo)

Anexo Técnico I Programa de Trabalho/Prestação de Serviços (tipo e descrição dos serviços memorial descritivo) Anexo Técnico I Programa de Trabalho/Prestação de Serviços (tipo e descrição dos serviços memorial descritivo) OBJETIVO GERAL O objetivo geral da Associação dos Amigos da Pinacoteca do Estado é a implementação

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA

SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA LEGISLAÇÃO: Lei Municipal nº 8.834 de 01/07/2002 e Decreto 550 de 19/09/2007. ATRIBUIÇÕES: 10 - SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA 10.010 - COORDENAÇÃO GERAL

Leia mais

Semana de Arquitetura Riscando o Futuro Universidade Estácio de Sá Campus Akxe 13/05/2013

Semana de Arquitetura Riscando o Futuro Universidade Estácio de Sá Campus Akxe 13/05/2013 Click to edit Master text styles» Fifth level Semana de Arquitetura Riscando o Futuro Universidade Estácio de Sá Campus Akxe 13/05/2013 HISTÓRICO Click to edit Master text styles O Conselho de Arquitetura

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO CUNI Nº 085, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2011. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Lavras, no uso de suas atribuições regimentais, e tendo em vista o que foi deliberado

Leia mais

RELATÓRIO DA VISITA REALIZADA AO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO. 7 de março de 2012

RELATÓRIO DA VISITA REALIZADA AO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO. 7 de março de 2012 RELATÓRIO DA VISITA REALIZADA AO MUSEU NACIONAL DO AZULEJO 7 de março de 2012 No dia 7 de março de 2012, pelas 11 horas, uma delegação da Comissão para a Ética, a Cidadania e a Comunicação, composta pelos

Leia mais