XXIII ENANGRAD. Marketing (MKT) A RESPONSIVIDADE ORGANIZACIONAL ALAVANCADA PELO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO INTERNA. Carolina Aude Fantini

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XXIII ENANGRAD. Marketing (MKT) A RESPONSIVIDADE ORGANIZACIONAL ALAVANCADA PELO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO INTERNA. Carolina Aude Fantini"

Transcrição

1 XXIII ENANGRAD Marketing (MKT) A RESPONSIVIDADE ORGANIZACIONAL ALAVANCADA PELO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO INTERNA Carolina Aude Fantini Elisabete Aparecida Zambelo Erica Morandi Pavelosk Bento Gonçalves, 2012

2 XXIII ENANGRAD Encontro Nacional dos Cursos de Graduação em Administração ÁREA TEMÁTICA: MARKETING (MKT) A RESPONSIVIDADE ORGANIZACIONAL ALAVANCADA PELO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO INTERNA

3 RESUMO Com a influência da globalização e aumento da competitividade entre as empresas, essas devem adaptar-se ao macroambiente dinâmico e refletirem essa flexibilidade em seus processos internos. Este artigo apresenta a comunicação como processo essencial à vantagem competitiva das empresas, de modo que as empresas que investirem em estratégias de comunicação, principalmente de comunicação interna, serão capazes de alavancar o processo de resposta às suas demandas, melhorando produtos e serviços, oferecendo atendimento rápido, responsável e eficaz das demandas dinâmicas do macroambiente. Assim, apresenta-se uma pesquisa de campo com doze empresas, de vários portes, públicas e privadas, da cidade de Bauru e região, as quais responderam a um questionário conciso em 15 questões semi-abertas, fechadas e de múltipla escolha, cuja intenção foi identificar quais eram os meios mais eficazes de comunicação dessas empresas para com seus públicos interno e externo, e como essas empresas viam a comunicação interna em seus processos organizacionais. Os resultados obtidos demonstram que as empresas respondentes consideram a comunicação interna como um valor agregado aos processos organizacionais e como vantagem competitiva. PALAVRAS-CHAVE: Competitividade; Comunicação Interna; Estratégias; Organizações; Responsividade. ABSTRACT Due to the globalization influence and competition increase among organizations, they should adapt to this dynamic macro-environment and consider this flexibility in their internal processes. This research presents communication as an essential process for a company s strategy and competitive advantage, insomuch that the companies which invest on communication strategies, mainly internal communication in order to be more flexible and rise the response process to their demands, improving their products and services, offering quick, responsible and effective attendance to their dynamic macro environment events. Thus the applied methodology was a survey with twelve organizations which were selected in random sizes, public and private sector from Bauru and neighborhood. They answered a questionnaire containing fifteen direct, indirect and multiple choice questions, whose intention was to identify what was the most efficient means of communication among these organizations and their target market, intern and externally. The obtained results showed that the evaluated organizations consider the internal communication as a aggregated value to the organizational processes and competitive advantages. KEY-WORDS: Competitiveness; Internal communication; Strategies; Organizations; Responsiveness.

4 1. Introdução Nos dias de hoje, as organizações têm enfrentado ambientes cada vez mais dinâmicos e competitivos, nos quais a globalização dos mercados, o aparecimento e disseminação de novas tecnologias e a crescente importância da informação, da comunicação e do conhecimento, impõem um ambiente de constantes mudanças, repletos de desafios, obstáculos e também de oportunidades. Neste ambiente de alta concorrência, a empresa que pretende ser dinâmica e competitiva, deve ser ágil e capaz de responder prontamente às demandas e exigências dos clientes e aos desafios dos concorrentes, bem como deve reagir às oportunidades e às ameaças ambientais (CHIAVENATO, 1999). Assim sendo, cabe às organizações e aos administradores responder prontamente a esse mercado mediante a formulação e implementação de estratégias. Entretanto, para que as estratégias contribuam para o êxito das organizações no processo de intercâmbio com o ambiente, torna-se imprescindível o processo de comunicação, já que quando bem formulado, é essencial à divulgação, à disseminação e ao compartilhamento da estratégia. 2. A comunicação e seu processo nas organizações A comunicação adquiriu notoriedade no campo da gestão organizacional, devido ao seu caráter estratégico, que vem sendo reconhecido principalmente pelas empresas que se propõem a acompanhar as transformações e abrir suas portas para os diferentes públicos com os quais se relaciona (MARCHIORI, 2008). Assim, a comunicação dentro da organização pode ser definida como o processo pelo qual a informação é trocada e entendida por duas ou mais pessoas, normalmente com a intenção de motivar ou influenciar o comportamento (DAFT, 2010). Tavares (2007) expressa que sendo a comunicação a base de qualquer processo administrativo, é imprescindível trabalhá-la de forma planejada, e quando isso ocorre, ela tem a capacidade de resultar em fatores positivos à organização. O poder da comunicação viabiliza a concordância em torno de metas e objetivos, valores e normas, meios, políticas e práticas, grau de participação e obrigações de desempenho (TORQUATO, 2002). 3. Comunicação como campo estratégico perante o cenário de globalização e competitividade O mundo está mudando rapidamente e os novos tempos exigem novas posturas e novas soluções para problemas que, cada vez mais, envolvem criatividade, inovação, comprometimento das pessoas envolvidas e, principalmente liderança, motivação e comunicação (CHIAVENATO, 1999). Figueiredo e Giangrande (1999) afirmam que o processo de globalização não seria viável, se não existissem os modernos meios de comunicação. Por isso, em tempos turbulentos, a comunicação torna-se ainda mais importante para as empresas competitivas, porque quando os gerentes incorporam ideias como a comunicação aberta, o dialogo, o feedback, eles estão construindo confiança, promovendo aprendizagem, melhorando a resolução de problemas, e, além disso, estão desenvolvendo habilidades para se comunicar nas crises e para se comunicar tanto com os empregados quanto com o público em circunstâncias excepcionalmente desafiadoras ou assustadoras (DAFT, 2010). Assim, Nassar (2005) afirma que dentro do prisma das mudanças constantes, a comunicação tem um papel estratégico fundamental, porque permeia todo o sistema organizacional. Além disso, o sistema de comunicação dá vigor e consistência às grandes estratégias de planejamento, necessárias para a sobrevivência, expansão e diversificação empresariais (TORQUATO, 1986). Para que não haja dissonância entre todas as facetas da comunicação empresarial, ela deve ser planejada, de forma a integrar todas as suas manifestações. Uma das facetas da comunicação, a comunicação interna, quando bem trabalhada, pode trazer resultados positivos à consecução de objetivos organizacionais e refletir em vantagem competitiva. 4. A comunicação interna A comunicação interna é a comunicação existente entre a empresa e o público interno - funcionários da empresa (TAVARES, 2007).

5 Ainda segundo Tavares (2007, p. 45) a comunicação interna abrange a comunicação entre unidades, departamentos e órgãos, bem como a comunicação entre pessoas destes mesmos departamentos e órgãos; entre as chefias; entre funcionários da chefia direta e da chefia indireta. Já Nassar (2005) contempla que comunicação interna é caracterizada como um conjunto de meios, processos, funções, conteúdos e comportamentos que geram oportunidades para que se estabeleça a convergência entre os valores e objetivos da empresa e os de seus colaboradores, portanto, ela é simultaneamente decorrente da cultura da organização e elemento que consolida os valores próprios dessa cultura. Bahia (1995) defende que a comunicação interna é um modo de difundir entre os empregados a realidade da empresa, de ampliação dos laços de identidade funcional, de prestação de informações e de estímulo ao debate da realidade social, sem intermediários. Para facilitar os processos e comunicação interna muitos veículos, técnicas e canais são utilizados, entre eles: Publicações internas (house organs boletins, jornais, revistas), memorandos, rádio interna, circular, relatório, correio eletrônico, manual de integração, quadros de avisos, murais, cartaz, caixa de sugestões, livro de empresa, newsletters, folders, clipping, intranet, reuniões etc. Abaixo, apresenta-se mais detalhadamente alguns desses veículos de comunicação interna: 4.1 House organs boletins, jornais, revistas Segundo Meneghetti (2001), algumas organizações optam por publicar revistas periódicas e boletins informativos ou jornais para estabelecer um canal de comunicação sistemático com seus públicos. Esses veículos servem também para abordar temas cruciais e para compartilhar experiências. 4.2 Internet, correio eletrônico e a intranet Segundo a autora Cesca (2001), o crescimento das redes virtuais em âmbito organizacional, possibilita agilizar e ampliar a troca de informações, com redução sensível de custos (despesas postais, viagens, deslocamentos). Assim, as redes tornam-se espaços privilegiados para que as pessoas compartilhem interesses comuns, bem como apresentem ideias, projetos, denúncias, manifestos, campanhas etc. 4.3 Quadros de aviso ou murais São meios de informações visuais existentes dentro da empresa. É importante que estejam afixados em locais de alto fluxo de pessoas (TAVARES, 2007). Os murais e quadro de avisos, de acordo com Torquato (2002), são os meios por onde se passam comunicações operacionais, informações normativas, avisos departamentais, informações utilitárias. 5 O processo de comunicação interna e a responsividade No ambiente interno de uma organização existem vários fluxos de comunicação, em vários sentidos, entre pessoas, departamentos, hierarquias e processos. Assim sendo, a comunicação interna deverá ser eficiente na integração destes, já que ela é o início da gestão administrativa de um negócio (TAVARES, 2007). Uma empresa que comunica sólidos valores tem muitas vantagens, entre elas: consegue atrair empregados melhores e mantê-los por mais tempo; tem uma maior produtividade, torna-se mais capaz de lidar com as diferenças dentro da organização, e, além disso, os seus empregados se tornam melhores representantes da empresa para atender aos consumidores (KOTLER; KARTAJAYA; SETIAWAN, 2010). Segundo Tavares (2007), quando a comunicação interna consegue fluir bem em todo o ambiente interno, gerando informação transparente e acessível para todo o público interno, os funcionários participam mais ativamente dos processos organizacionais e com isso, sentem-se mais atuantes no negócio e mais motivados na realização de suas atividades e funções, pois a empresa consegue repassar as informações relacionadas ao seu negócio e ter retorno do público interno sobre elas. Além disso, o público interno consegue passar e repassar informações para a empresa sobre suas contribuições, suas críticas, suas sugestões etc. e receber retorno. E, é por isso que a comunicação interna assume papel estratégico na gestão empresarial, pois é ela quem promove o

6 fluxo de informações, cria nas pessoas o sentimento de pertencer, ajuda a construir o futuro da organização (TAVARES, 2007). A comunicação eficaz a nível interno permite a criação e manutenção de um fluxo de informações que acolhe todos os setores organizacionais, de modo a se compor um fluxo ágil e adequado de captação, treinamento e disseminação de mensagens. Já a comunicação, vinda do fluxo externo, incidirá sobre a eficácia, passando a ditar maior rapidez, clareza na transmissão de mensagens e bilateralidade, o que significa maior engajamento e participação dos empregados nos processos produtivos (TORQUATO, 1986). Entretanto, Daft (2010) explica que a comunicação ineficaz pode causar problemas significativos, incluindo moral baixo dos funcionários, falta de motivação, desempenho declinante e um fracasso em responder às novas ameaças e oportunidades do ambiente. Assim, é possível perceber a importância da comunicação interna na organização, pois ela reflete diretamente nas repostas ao ambiente externo. Por sua vez, Kunsch (2003, p. 85) descreve sobre a comunicação: quando bem conduzida, pode criar condições bastante favoráveis a uma otimização dos recursos e do desempenho organizacional. Dessa maneira, evidentemente os processos internos e os processos produtivos possuirão grande oportunidade de melhorias, contribuindo para produção e melhores produtos e oferta de serviços de alto nível. Figura 01 Influência dos fluxos de comunicação para a melhoria de produtos e serviços. A figura 01 acima mostra resumidamente a importância de fluxos de comunicação interna transparente e acessível para o público interno, trazendo motivação à esses funcionários, que a transformam em participação ativa em suas funções e atividades, que por sua vez melhoram os serviços e produtos que serão oferecidos aos públicos de interesse. Esses por sua vez, ficam satisfeitos com a prontidão na resposta de atendimento as suas necessidades. Assim, conclui-se que, quando um funcionário se sente mais participante nos processos administrativos, a probabilidade de ele desenvolver melhores produtos e serviços poderá ser maior. Em suma, a comunicação interna é a base dos processos administrativos, implicando em melhoria de produtividade do público interno, podendo gerar eficiência nos demais processos organizacionais (TAVARES, 2007). 6 A responsividade organizacional Pode-se definir que o processo de comunicação por modernos e ágeis sistemas, alavanca a responsividade da empresa perante a demanda externa, pois a partir da necessidade dos clientes em receber seu produto e/ou serviço esperado, essa ação vem a repercutir na empresa como um todo. De acordo com Zeithaml e Bitner (2003), fornecer serviços de qualidade não é mais simplesmente uma questão de opção, já que o ritmo acelerado de desenvolvimento de tecnologias e a intensificação da competição no mercado tornam difícil a aquisição de vantagens competitivas estratégicas somente por meio de produtos físicos. A captação rápida de percepções e alterações demandadas pelo seu público-alvo pode conferir vantagens competitivas ao adaptar a comunicação cliente-empresa e empresa-cliente, num

7 processo contínuo, e entregar ofertas customizadas para cada cliente de acordo com suas necessidades (FRIES, 2009). Chiavenato (1999, p. 516) defende que uma empresa que pretende ser dinâmica e competitiva precisa ser ágil e capaz de responder prontamente às demandas e exigências dos clientes e aos desafios dos concorrentes. Assim, na busca da satisfação das necessidades dos clientes, encontramos a responsividade, processo organizacional cuja característica é percebida pelos clientes como o tempo que eles devem esperar por ajuda, reposta ou atenção (ZEITHAML; BITNER, 2003). Além disso, os clientes estão cada vez mais exigentes, pois não esperam somente receber um produto de alta qualidade, mas também tem a expectativa de, junto com esse produto, receber um serviço de alto nível. Assim, a qualidade dos serviços passa a ser característica essencial para empresas que buscam vantagem competitiva (SORATTO, 2004). Entretanto, Soratto (2004) afirma que os serviços apresentam particularidades que tornam difícil a determinação de sua qualidade para o cliente. Contudo, uma determinante utilizada como parâmetro para a avaliação da qualidade de serviços, é a responsividade, que pode ser caracterizada como a atenção e a prontidão no trato com solicitações e problemas de clientes. A responsividade também deve ser entendida como o comportamento de dar resposta, comportamento responsivo, de solucionar, tomar a responsabilidade para si, recepcionar questões e dúvidas no intuito de respondê-las (FRIES, 2009). Tontini e Zanchett (2010) caracterizam a responsividade como a vontade de ajudar os clientes e de prestar serviços sem demora e seus atributos estão ligados com aspectos da rapidez do atendimento. A autora Fries (2009) explica que a empresa busca na responsividade meios para sobreviver e crescer em um ambiente de contínua mudança e incerteza, norteado pela concorrência global, pelas exigências crescentes dos consumidores e o avanço da tecnologia. A responsividade trata da prontidão de atendimento, da rapidez de reposta e do consequente tempo de resposta, portanto, o tempo de resposta do prestador de serviços é uma das medidas de desempenho para a avaliação da responsividade de um serviço. Assim, é possível perceber que existe relevância sobre o tempo de espera percebido, na avaliação da qualidade que os clientes fazem do serviço (SORATTO, 2004). Dessa maneira, percebe-se que a responsividade aos clientes externos é alavancada pela rapidez da operação interna, ou seja, pela rapidez da tomada de decisão, movimentação de materiais e das informações internas. 7 Abordagem Metodológica A metodologia utilizada foi a realização de uma pesquisa de campo, com doze empresas de segmentos diversos públicas e privadas, de Bauru e região, as quais responderam à um questionário conciso com 15 questões semi-abertas, fechadas e de múltipla escolha, enviado via e pessoalmente. O período de realização da pesquisa foi de outubro/2011 a novembro/2011. A intenção era identificar quais os meios mais eficazes de comunicação dessas empresas para com seus públicos interno e externo e como as mesmas viam a comunicação interna em seus processos organizacionais. 8 Análise e discussão dos resultados Os principais resultados são apresentados a seguir. O questionário da pesquisa, em sua primeira pergunta esperava distinguir as empresas selecionadas. Dentre as 12 empresas respondentes, 8 delas eram empresas privadas, 1 empresa pública, 2 indústrias e 1 órgão público. A pergunta 02 tinha por intenção descobrir qual era o número de colaboradores das empresas selecionadas, sendo que 6 delas apresentavam em seu quadro mais de 700 colaboradores e as outras 6 empresas tinham menos de 300 colaboradores. Com relação à terceira pergunta, esta se referia a qual setor/departamento era responsável pelo atendimento ao cliente/consumidor nas empresas selecionadas. Os respondentes poderiam escolher mais de uma alternativa. Desta maneira, encontrou-se como resultado que o departamento de marketing é responsável com 13% das respostas, a central de relacionamento com 40% e outros setores também foram citados com 47%, entre eles: departamento comercial, departamento de relações públicas, departamento de vendas, diretoria de negócios, subcoordenadoria e ouvidoria.

8 A figura 02 abaixo representa as respostas obtidas. Figura 02 Setor/departamento responsável pelo atendimento ao cliente/consumidor. Já sobre o processo de comunicação, a quarta pergunta questiona quais eram os meios de comunicação utilizados para o público interno. A pergunta possibilitava a múltipla escolha das alternativas, assim sendo, observou-se que o house organ foi citado com 18%; os murais/quadro de avisos com 23%; a intranet 20%; o 26%, bem como foram citados outros meios com 13%, entre eles: a TV corporativa, o Outdoor interno, as reuniões, a comunicação cara-a-cara e o sistema interno de dados. Na figura 03, apresentam-se os meios de comunicação utilizados com o público interno. Figura 03 Meios de comunicação para o público interno. Sobre quais os meios de comunicação que as empresas julgavam mais eficazes para se comunicarem com seu público interno, foram apontados o house organ com 22%; os murais/quadro de avisos 11%; a intranet 17%; o 33%, bem como foram apontados outros meios com 17%, como: a TV corporativa, o SMS (mensagem de texto em aparelho celular) e a comunicação cara-acara, conforme figura 04 abaixo. Figura 04 Meios de comunicação mais eficazes para o público interno.

9 Por sua vez, a sexta questão, semi-aberta, apresentava o seguinte questionamento: Vocês vêem a comunicação interna como vantagem competitiva?. Nela, o respondente deveria escolher entre as alternativas SIM e NÃO, e conforme a resposta assinalada, era necessário explicar o porquê de sua escolha. Nesta questão, a resposta SIM foi unânime, demonstrando que para todas as empresas selecionadas, a comunicação interna é vista como estratégia. A figura 05 abaixo apresenta as características mais comuns citadas, tais quais: 1) Sim, porque a comunicação diminui o retrabalho 8%; 2) Sim, porque traz rapidez à tomada de decisão, à busca por soluções e aos processos de negociação 34%; 3) Sim, porque quando os colaboradores têm acesso as informações e aos procedimentos, e, existe feedback entre colaborador-empresa, eles são capazes de atender seus clientes com mais agilidade e eficiência 34%; 4) Sim, porque a comunicação interna desenvolvida de maneira plena, possibilita o engajamento e a motivação do colaborador e isso se reflete na boa imagem e na competitividade da empresa 25%. Figura 05 - A comunicação interna como vantagem competitiva. Fonte: Elaborada pela autora Já na sétima questão: Como a comunicação interna agrega valor à esta empresa?, a resposta era livre, sem alternativas pré-determinadas. Nesta, os respondentes descreveram: 1) A comunicação atinge e integra todos os públicos de interesse da empresa 27%; 2) Com um fluxo organizado de informações, a empresa agiliza seu atendimento, a solução de problemas e faz serviços mais rápidos e mais eficientes 33%; 3) A comunicação permite a transmissão da missão, dos valores e princípios da empresa e promove o entendimento e o diálogo entre seus públicos interno e externo 20%; e 4) Ela traz o engajamento e a motivação de seus colaboradores 20%. Novamente percebe-se o valor que as empresas modernas tem dado à comunicação interna, como fator motivador e estimulador de seus colaboradores internos, bem como processo que integra

10 e promove o entendimento entre os públicos interno e externo. Na figura 06 é possível constatar as respostas. Figura 06 A comunicação interna como valor agregado. Por sua vez, a oitava questão apresentava a pergunta: Os colaboradores internos se sentem mais motivados quando a comunicação interna flui bem?, cujas opções de resposta eram SIM ou NÃO. Nesta questão, a resposta SIM foi unânime, comprovando a pesquisa de que quando a comunicação interna é flui bem, sem ruídos e distorções, os colaboradores se sentem mais motivados e engajados em suas atividades. A questão nove abordava quais eram os meios de comunicação utilizados para o público externo, ou seja, para os fornecedores, clientes, consumidores, distribuidores, etc. A pergunta possibilitava a múltipla escolha das alternativas, assim sendo, notou-se que a mala direta foi apontada com 19%; a mídia de massa (rádio, TV, jornal) 30%; e o site 44%. Outras respostas como: revistas do segmento, o outdoor, telemarketing e panfletos foram apontadas 30%. Na sétima figura constatam-se as respostas. Figura 07.Meios de comunicação com o público externo.

11 Na décima questão, sobre os meios de comunicação que as empresas julgam mais eficazes para com seu público externo, foram apontados mala direta 5%; a mídia de massa (rádio, TV, jornal) 39%; e o site 39%. Outras respostas como: internet em geral, telefonemas, eventos e convenções foram apontadas com 30%. Abaixo, a figura 08 destaca as respostas. Figura 08 Meios de comunicação mais eficazes para o público externo. Com relação às mudanças advindas do processo de globalização, da competitividade e da incessante necessidade e desejo dos clientes por novos e melhores produtos e serviços, foram elaboradas as perguntas onze, doze e treze, descritas a seguir. Para demonstrar e entender a interação entre a organização e seu público externo, foi elaborada a décima primeira questão, que perguntava às empresas por quais meios os seus clientes costumam sugerir mudanças. Nesta, as respostas escolhidas foram: 1) Sugestões através de 37%; 2) Sugestões através do site 17%; 3) Sugestões por telefone 25%. Além dessas, 21% representam outras respostas como: 4) O cliente vai pessoalmente até a empresa para fazer sugestões; 5) Sugestões pela ouvidoria pertencente à empresa; 6) Sugestões nas pesquisas de opinião feitas pela empresa. A figura 09 representa as respostas. Figura 09 Meios de o cliente sugerir mudanças. Por sua vez, na décima segunda questão: Quais mudanças são solicitadas com frequência a esta empresa?, as respostas foram: 1) No produto/serviço 67%; e 2) No atendimento 33%. Nenhum dos respondentes assinalou a alternativa na distribuição. Procurando entender como as empresas selecionadas respondiam as mudanças solicitadas por seus clientes/consumidores, foi elaborada a décima terceira questão, que permitia ao respondente escrever livremente sobre sua resposta, sem alternativas pré-determinadas.

12 A figura 10 demonstra as respostas mais comuns, que são: 1) Procuram atender às necessidades do mercado-alvo prontamente 50%; 2) Atendem o que é concernente e que favorece a maioria 17%; 3) Desenvolvem planos de ação para implantação da mudança, caso seja viável 33%. Figura 10 Como a empresa responde as mudanças solicitadas por seu mercado-alvo. A décima quarta questão indaga sobre a responsividade das empresas, ou seja, se a empresa é capaz de responder prontamente às demandas do mercado, alterando produtos/serviços para atender as mudanças e adaptações nas necessidades e desejos dos clientes. De acordo com a figura 11, todas as empresas selecionadas responderam que sim, isto é, são capazes de atender as aspirações do mercado, e dentre as explicações, encontrou-se: 1) Sim, desde que não prejudique outros clientes e o bem-estar dos colaboradores 8%; 2) Sim, temos feito mudanças constantemente. A prioridade é atender as expectativas dos clientes 42% e 3) Sim, a empresa tem condições de fazer mudanças quando o cliente solicitar 50%. Figura 11 Responsividade das empresas perante as aspirações dos clientes.

13 9 Conclusões O presente artigo consistiu em elaborar um estudo sobre a comunicação dentro das organizações, e tratá-la como um processo essencial à estratégia das empresas, bem como caracterizar a responsividade organizacional, que se refere à prontidão do atendimento e do conseqüente tempo de resposta ao cliente/consumidor. Além disso, foi abordada a relação entre a responsividade organizacional e o processo comunicacional, explicando que a comunicação interna proporciona flexibilidade à organização, e motivação aos seus colaboradores, e, com isso, a organização é capaz de atender mais prontamente as exigências do mercado. Por meio da pesquisa de campo com doze empresas de Bauru e região, foi possível verificar a importância que elas têm dado à comunicação com seus públicos de interesse e foi unânime a resposta de que o processo de comunicação, especialmente a comunicação interna, vem sendo admitido como estratégia para se conquistar vantagens competitivas,. Dessa maneira, com a pesquisa realizada foi possível verificar que as empresas que investem na comunicação interna e a utilizam como estratégia são as empresas que efetivamente têm a responsividade como um diferencial competitivo. Tendo como resultado a percepção pelos seus públicos de interesse. É importante destacar que este trabalho permitiu a percepção de que a comunicação é um fator básico e estratégico às organizações que querem alcançar seus públicos de interesse de forma efetiva e pretendem responder com prontidão às suas aspirações. 10 Referências BAHIA, Benedito Juarez. Introdução à comunicação empresarial. Rio de Janeiro: Mauad, CESCA, Cleusa Gertrudes Gimenes. Comunicação dirigida escrita na empresa: teoria e prática. São Paulo: Summus, CHIAVENATO, Idalberto. Administração nos novos tempos. 2.ed. Rio de Janeiro: Campus, DAFT, Richard L. Administração. São Paulo: Cengage Learning, FIGUEIREDO, José Carlos; GIANGRANDE, Vera. Comunicação sem fronteiras: da Pré-História à era da informação. São Paulo: Editora Gente, FRIES, Fabiane. Responsividade em empresas de manufatura do setor automobilístico: uma analise da aplicação do conceito em múltiplos casos f. Dissertação (Mestrado em Administração) Programa de Pós-Graduação em Administração - Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, KOTLER, Philip; KARTAJAYA, Hermawan; SETIAWAN, Iwan. Marketing 3.0: as forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano. Rio de Janeiro: Elsevier, KUNSCH, Margarida M. Krohling. Planejamento de relações públicas na comunicação integrada. 4. ed. São Paulo: Summus, MARCHIORI, Marlene. Cultura e comunicação organizacional: um olhar estratégico sobre a organização. 2.ed. São Caetano, SP: Difusão Editora, 2008.

14 MENEGHETTI, Sylvia Bojunga. Comunicação e marketing: fazendo a diferença no dia-a-dia de organizações da sociedade civil. São Paulo: Global, NASSAR, Paulo (org.). Comunicação interna: a força das empresas. São Paulo: ABERJE, SORATTO, Alexandre Nixon Raulino. Gerenciamento da responsividade de serviços: uma proposta para agilizar processos e moderar os efeitos da espera. Florianópolis, 2004, 128f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Federal de Santa Catarina. Florianópolis, TAVARES, Maurício. Comunicação empresarial e planos de comunicação: integrando teoria e prática. São Paulo: Atlas, TONTINI, Gérson; ZANCHETT, Ricardo. Atributos de satisfação e lealdade em serviços logísticos. Gestão e Produção. 2010, v.17, n.4, p , out Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/gp/v17n4/a13v17n4.pdf>. Acesso em: 7 nov TORQUATO, Gaudêncio. Comunicação empresarial, comunicação institucional: conceitos, estratégias, sistemas, estrutura, planejamento e técnicas. São Paulo: Summus, Cultura, poder, comunicação e imagem: fundamentos da nova empresa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, ZEITHAML, Valerie A.; BITNER Mary Jo. Marketing de serviços: a empresa com foco no cliente. 2.ed. Porto Alegre: Bookman, APÊNDICE A QUESTIONÁRIO PESQUISA DE CAMPO Caro respondente, Esta é uma pesquisa para verificar como as empresas vêm trabalhando a responsividade (que trata da prontidão de atendimento, da rapidez de resposta e do conseqüente tempo de resposta ao cliente/consumidor). Com esse material procurar-se-á desenvolver um referencial teórico mostrando os fatores que influenciam o tempo de resposta das empresas aos clientes/consumidores. Contamos com a sua ajuda para responder as questões abaixo (não leva mais do que 5 minutos). Obrigada por sua colaboração. "Comprometemo-nos a preservar a identidade do respondente. Apenas as informações conjuntas serão divulgadas" 1) Qual o tipo da empresa? ( ) Empresa Privada ( ) Empresa Pública ( ) Indústria ( ) Outro 2) Qual o atual número de colaboradores? ( ) Menos de 300 ( ) ( ) ( ) Acima de 700

15 3) Qual é o setor/departamento responsável pelo atendimento ao cliente/consumidor? ( ) Depto. Marketing ( ) Central de Relacionamento ( ) Outro 4) Quais são os meios de comunicação utilizados para o público interno? ( ) House organ ( ) Mural/quadro de avisos ( ) Intranet ( ) ( ) Outros 5) Na sua opinião, qual é o meio mais eficaz para comunicar-se com seu público interno? ( ) House organ ( ) Mural/quadro de avisos ( ) Intranet ( ) ( ) Outros 6) Vocês vêem a comunicação interna como vantagem competitiva? ( ) Sim ( ) Não Por quê 7) Como a comunicação interna agrega valor à esta empresa? 8) Os colaboradores internos se sentem mais motivados quando a comunicação interna flui bem? ( ) Sim ( ) Não 9) Quais são os meios de comunicação utilizados para o público externo? ( ) Mala direta ( ) Mídia de massa (Rádio/Tv/Jornal) ( ) Site ( ) Outros 10) Na sua opinião, qual é o meio mais eficaz para comunicar-se com o seu público externo? ( ) Mala direta ( ) Mídia de massa (Rádio/Tv/Jornal) ( ) Site ( ) Outros 11) Como o cliente sugere mudanças? ( ) Através de ( ) Através do site ( ) Por telefone ( ) Outros 12) Quais mudanças são solicitadas com frequência? ( ) No produto/serviço ( ) No atendimento ( ) Na distribuição 13) Como esta empresa responde às mudanças solicitadas no contato diário com o mercado-alvo? 14) A sua empresa tem condições de alterar produtos/serviços para atender às mudanças e adaptações nas necessidades e desejos dos clientes? 15) Críticas/Sugestões

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

Qualidade e o Atendimento na Prestação de Serviço: Um estudo de caso na empresa SECOM

Qualidade e o Atendimento na Prestação de Serviço: Um estudo de caso na empresa SECOM Qualidade e o Atendimento na Prestação de Serviço: Um estudo de caso na empresa SECOM Claudineia Lima de MOURA¹ RGM 081712 claudineia_18@yahoo.com.br Dayane Cristina da SILVA¹ RGM 080225 day_4791@hotmail.com

Leia mais

Comunicação Interna e Externa

Comunicação Interna e Externa Comunicação Interna e Externa Comunicação A origem da palavra comunicar está no latim communicare, que significa pôr em comum. Ela implica em compreensão, pressupondo entendimento entre as partes e, não

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Gustavo Figueiredo 2 Resumo O IBAMETRO - Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade, autarquia ligada

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

O PAPEL DA COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES 1. Luciana Jacomini Faculdade de Agudos - FAAG

O PAPEL DA COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES 1. Luciana Jacomini Faculdade de Agudos - FAAG O PAPEL DA COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES 1 Luciana Jacomini Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO A comunicação interna é uma ferramenta fundamental para as organizações no que se refere à obtenção de excelentes

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES Bruno Rodrigo de Souza Laisa Juliana Zucco Fantini Simone Dallagnoli Sonia Moresco BRUSQUE 14/12/2009 Resumo: O conceito de comunicação

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

A ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA COMUNICAÇÃO INTERNA. Palavras-chave: Comunicação Interna; Público Interno; Relações Públicas.

A ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA COMUNICAÇÃO INTERNA. Palavras-chave: Comunicação Interna; Público Interno; Relações Públicas. A ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA COMUNICAÇÃO INTERNA Thais P. P. Jerônimo Duarte A comunicação permeia todas as atividades de uma organização, uma vez que é por meio dela que todos os públicos

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Palavras-chave: comunicação interna; relacionamento, relações públicas; stakeholder

Palavras-chave: comunicação interna; relacionamento, relações públicas; stakeholder Comunicação Interna na Gestão do Relacionamento com os Funcionários 1 Mestranda Vera Elisabeth Damasceno Corrêa PPGCOM/UFRGS 2 e Professora do Curso de Relações Públicas das Faculdades Integradas de Taquara

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

A COMUNICAÇÃO INTERNA PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE

A COMUNICAÇÃO INTERNA PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE A COMUNICAÇÃO INTERNA PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE LILIANE DE ALMEIDA CARNEIRO 1 RESUMO A qualidade é hoje um diferencial estratégico para as organizações. As empresas buscam arduamente as certificações

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS Daniela Valdez Rodrigues A RELAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO COM RELAÇÕES PÚBLICAS São Leopoldo

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL

ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL Este é um roteiro completo, com pontos gerais e específicos. Na elaboração do plano, procure adaptar os tópicos que o compõe, à realidade da empresa-cliente. Priorize a qualidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE: ESTUDO DE CASO EM UM HOSPITAL DE UROLOGIA EM MARINGÁ

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE: ESTUDO DE CASO EM UM HOSPITAL DE UROLOGIA EM MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE: ESTUDO DE CASO EM UM HOSPITAL DE UROLOGIA EM MARINGÁ Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO Administração SANTOS, Graziela. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: grazzybella@hotmail.com JOSÉ BARBOSA, Reginaldo. Docente da Faculdade

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC)

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC) Título (Limite de 250 caracteres incluindo os espaços) Título: Relações Públicas e Ferramentas de Comunicação um estudo abordando à realidade de Ibitinga A capital nacional do bordado 1 Autores (Incluir

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Profa. Ma. Andrea Morás Comunicação empresarial Envolve todas as ferramentas de comunicação. Atividade multidisciplinar. Envolve conflitos, emoções, potencialidades e

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 RESUMO O marketing é uma função da administração que

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

São distintos os conteúdos expostos pela comunicação interna e externa:

São distintos os conteúdos expostos pela comunicação interna e externa: 31 6 COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Um dos principais objetivos da comunicação institucional é o estabelecimento de relações duradouras com os seus públicos. Isso é possível através de ações personalizadas

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

AULA 5 Utilização da Comunicação Interna nas Organizações

AULA 5 Utilização da Comunicação Interna nas Organizações AULA 5 Utilização da Comunicação Interna nas Organizações Estratégias para Comunicação Oficial Os textos sobre Comunicação Interna apresentam, muitas vezes, um cenário utópico. É preciso sugerir estratégias

Leia mais

A contribuição da comunicação interna na construção e

A contribuição da comunicação interna na construção e A contribuição da comunicação interna na construção e fortalecimento da imagem corporativa O QUE É IMAGEM CORPORATIVA? Para fazer uma comunicação interna que fortaleça a Imagem Corporativa é preciso entender

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS.

TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS. TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS. MICHEL, Murillo Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias murillo@faef.br RESUMO O presente

Leia mais

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Aline Martins Mendes Luciano José Vieira Franco Luis Guilherme Esteves Leocádio Sônia Madali Bosêja

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE ANGOLA FACULDADE DE CIENCIAS ECONÒMICAS E EMPRESARIAIS

UNIVERSIDADE METODISTA DE ANGOLA FACULDADE DE CIENCIAS ECONÒMICAS E EMPRESARIAIS AULA NUMERO 5 A COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES Importância da Comunicação Tipos de Comunicação Formas de Comunicação Níveis de Comunicação Pagina1 Desde os primórdios da existência humana, que se consagrou

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

ENDOMARKETING UM RECURSO ESTRATÉGICO NA MELHORIA DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE EXTERNO ENDOMARKETING A STRATEGIC RESOURCE IN THE IMPROVEMENT OF THE

ENDOMARKETING UM RECURSO ESTRATÉGICO NA MELHORIA DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE EXTERNO ENDOMARKETING A STRATEGIC RESOURCE IN THE IMPROVEMENT OF THE 1 ENDOMARKETING UM RECURSO ESTRATÉGICO NA MELHORIA DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE EXTERNO ENDOMARKETING A STRATEGIC RESOURCE IN THE IMPROVEMENT OF THE RELATIONSHIP WITH THE EXTERNAL CUSTOMER Marciana

Leia mais

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA.

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. 93 SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. ¹Camila Silveira, ¹Giseli Lima ¹Silvana Massoni ²Amilto Müller RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar os estudos realizados

Leia mais

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET CONCEITOS, OBJETIVOS, BENEFÍCIOS E TENDÊNCIAS Renato Schumacher

Leia mais

Comunicação Interna e Publicidade: uma relação de ajuda mútua 1

Comunicação Interna e Publicidade: uma relação de ajuda mútua 1 1 Comunicação Interna e Publicidade: uma relação de ajuda mútua 1 Danielle Rocha Gonzales 2 Resumo: A comunicação de uma organização, para ser eficiente depende de diversos setores e de como os diversos

Leia mais

Desafios no. Desenvolvimento da Liderança reinventando o processo de formação

Desafios no. Desenvolvimento da Liderança reinventando o processo de formação Desafios no Desenvolvimento da Liderança reinventando o processo de formação Julho 2015 Apoio: O termo crise de liderança é cada vez mais usado em diversos setores sociais: políticos, executivos e até

Leia mais

PLANEJAMENTO EM RECURSOS HUMANOS. Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal

PLANEJAMENTO EM RECURSOS HUMANOS. Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal PLANEJAMENTO EM RECURSOS HUMANOS Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal Conteúdo Programático Visão Geral do Planejamento A importância do planejamento estratégico voltado para o mercado; Planejamento

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Capítulo 5 Sistemas de Informação para Vantagem Estratégica

Capítulo 5 Sistemas de Informação para Vantagem Estratégica Capítulo 5 Sistemas de Informação para Vantagem Estratégica SEÇÃO I: Fundamentos da Vantagem Estratégica Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que

Leia mais

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL NA GESTÃO DE PESSOAS: O CASO ITALIANA AUTOMÓVEIS DO RECIFE

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL NA GESTÃO DE PESSOAS: O CASO ITALIANA AUTOMÓVEIS DO RECIFE A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL NA GESTÃO DE PESSOAS: O CASO ITALIANA AUTOMÓVEIS DO RECIFE Saulo Rocine Xavier Barbosa 1 Cynthia de Kássia Pereira Silva 2 Comunicação Social ciências humanas e sociais Facipe

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

UNIVERSIDADE CORPORATIVA: ESSENCIAL PARA A VIABILIZAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS DOS NEGÓCIOS CORPORATE UNIVERISTY: ESSENTIAL FOR BUSINESS STRATEGIES

UNIVERSIDADE CORPORATIVA: ESSENCIAL PARA A VIABILIZAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS DOS NEGÓCIOS CORPORATE UNIVERISTY: ESSENTIAL FOR BUSINESS STRATEGIES UNIVERSIDADE CORPORATIVA: ESSENCIAL PARA A VIABILIZAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS DOS NEGÓCIOS CORPORATE UNIVERISTY: ESSENTIAL FOR BUSINESS STRATEGIES Benedita Josepetti Bassetto 1 Resumo: Com o presente artigo

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social Ana Paula P. Mohr Universidade do Vale do Rio dos Sinos ana.mohr@gerdau.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME Felipe Barbetta Soares da Silva 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC.

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. César Gomes de Freitas, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre, Campus Cruzeiro do Sul/Acre, Brasil

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

Relações Públicas: utilizando a ferramenta essencial para diagnosticar 1

Relações Públicas: utilizando a ferramenta essencial para diagnosticar 1 Relações Públicas: utilizando a ferramenta essencial para diagnosticar 1 Marcio José ARIAS 2 Adriana Simões ESTEVES 3 Ana Aline da SILVA 4 Aline Cristina da ROCHA 5 Mariana de Souza FIGUEIREDO 6 Natalia

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

O SUCESSO NA CULTURA ORGANIZACIONAL

O SUCESSO NA CULTURA ORGANIZACIONAL O SUCESSO NA CULTURA ORGANIZACIONAL Lorete Kosowski (OPET PR) lorete.k@gmail.com 1 Camilla Endler (OPET PR) Karla Lopes (OPET PR) RESUMO Pode-se dizer que a Cultura Organizacional é a identidade da empresa,

Leia mais

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Adriane Hartman (CEFET-PR-PG) adriane.h@terra.com.br Prof. Dr. Dálcio

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

03 e 04 de agosto Passo Fundo. O poder da. Liderança. na superação de. resultados

03 e 04 de agosto Passo Fundo. O poder da. Liderança. na superação de. resultados 03 e 04 de agosto Passo Fundo O poder da Liderança na superação de resultados O poder da Liderança na superação de resultados O CONGREGARH Conexão 2016 terá como pauta dois temas fundamentais no ambiente

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira²

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE UM MELHOR APROVEITAMENTO DO GESTOR NA ORGANIZAÇÃO BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² RESUMO O mundo tem passado por constantes mudanças, que têm

Leia mais

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br BENEFÍCIOS SOCIAIS: um modelo para retenção de talentos Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br Introdução Este artigo aborda

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL. PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. NOME DA EMPRESA

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL. PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. NOME DA EMPRESA PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL NOME DA EMPRESA A pesquisa foi desenvolvida e aplicada pela PERSPECTIVA Consultores Associados. Coordenador Interno: Ricardo Lezana

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 3ª Série Gestão em Marketing CST em Marketing A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto de atividades

Leia mais

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima O Papel Estratégico e Estratégia de Produção

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima O Papel Estratégico e Estratégia de Produção Gestão da Produção e Operações Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima O Papel Estratégico e Estratégia de Produção Objetivos Discutir o papel da função produção nos planos estratégicos da organização e analisar

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Serena Veloso GOMES² Thamara Rocha Ribeiro FAGURY³ Kalyne Menezes SOUZA4 Silvana Coleta Santos PEREIRA5 Universidade Federal

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

AGENDA. Interação entre comunicação interna corporativa e endomarketing. 02 de Julho. Hotel Intercontinental São Paulo/SP 5ª EDIÇÃO.

AGENDA. Interação entre comunicação interna corporativa e endomarketing. 02 de Julho. Hotel Intercontinental São Paulo/SP 5ª EDIÇÃO. AGENDA Interação entre comunicação interna corporativa e endomarketing 5ª EDIÇÃO D 02 de Julho? Hotel Intercontinental São Paulo/SP Realização: www.corpbusiness.com.br Patrocínio Bronze Apoio Realização:

Leia mais

Patrícia Morais da SILVA 2 Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB

Patrícia Morais da SILVA 2 Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB Consultoria de para Micro e Pequenas Empresas de João Pessoa 1 Patrícia Morais da SILVA 2 Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB RESUMO Nossa proposta condiz no relato da primeira etapa da implantação

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional

1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional 1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional Conteúdo 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora Atlas Administração - Teoria, Processo e Prática

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais