REPRESENTAÇÃO IMAGINÁRIA DO SER PROFESSOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPRESENTAÇÃO IMAGINÁRIA DO SER PROFESSOR"

Transcrição

1 REPRESENTAÇÃO IMAGINÁRIA DO SER PROFESSOR RESUMO Mariza de Andrade Brum O presente texto representa uma busca da compreensão do imaginário do ser professor no século XXI. Essa proposta se justifica, na medida em que, hoje esse profissional ao educar, depara-se com uma sociedade complexa decorrente de profundas mudanças, isto é a crise global. Concluo que o significado do termo imaginário faz parte da linguagem cotidiana, mas a idéia, ou seja, o significado no campo das ciências humanas ainda é um tema novo para o campo da formação contínua do professor. Palavras chave: imaginário, formação contínua, tecnologias. Representação imaginária do ser professor Se não posso, de um lado, estimular os sonhos impossíveis, não devo, de outro, negar a quem sonha o direito de sonhar. (Freire, 2003, p.144) A idéia da escrita nasceu diante da disposição de aventurar-me na escrita sobre o imaginário, então a questão é começar (Marques, 2003). A construção deste texto tem o propósito de refletir sobre o imaginário e assim compreender o que pensam, o que fazem e o que almejam os professores trabalhadores da educação. Diante dessa perspectiva, buscar elementos para desvendar o imaginário deste grupo social, o professor em

2 formação continuada. Estes são sujeitos em constante formação durante sua trajetória profissional, mulheres e homens, somos os únicos seres que social e historicamente, nos tornamos capazes de aprender. Por isso, somos os únicos em quem aprender é uma aventura criadora. (Freire, 2003). Aprender é também evocar o imaginário. O significado conceitual de imaginário é um conjunto de símbolos e atributos de um povo ou de determinado grupo social (Aurélio, 2004). O professor. Silva (2006) em um estudo original As tecnologias do Imaginário escreve que o imaginário é um sonho que realiza a realidade, uma força que impulsiona indivíduos ou grupos (p.12). E é na realidade onde ocorre as transformações materiais. Hoje, esse professor defronta-se com uma sociedade complexa decorrente de mudanças paradigmáticas, sendo uma das conseqüências provocadas pelo fenômeno da globalização. Fenômeno este que atinge todos os setores da sociedade, repercutindo nas interações do conhecimento do indivíduo em nossas instituições de aprendizagem. Santos, (2008) disserta que Vivemos num tempo atónico que ao debruçar-se sobre si próprio descobre que seus pés são cruzamento de sombras, sombras que vêm do passado que ora pensamos já não sermos, ora pensamos não termos ainda deixado de ser, sombras que vêm do futuro que ora pesamos já sermos, ora pensamos nunca vir a ser. [...] (p.13) Para Maffesoli (2005, p.9) as grandes certezas desmoronam regularmente. Os acontecimentos, as mutações e as inovações fazem apelo as novas maneiras de pensar a sociedade. No Brasil nas últimas décadas estamos a viver as maiores e mais radicais mudanças nas interações e na construção dos conhecimentos em todas as áreas. Essas alterações são provocadas pelo avanço das tecnologias, a qual nos liga com o mundo em tempo real, através da popularização da internet. Veiga-Neto (2008, p. 2) relata que tal mudança conecta-se intimamente com as relações entre a liquidez do pós-moderno e a flexibilidade com que hoje é tratada na tecnologia. O sociólogo polonês Zygmunt Bauman, em entrevista exclusiva fala sobre um

3 grande desafio entender as mudanças que afetam a sociedade com a chegada da modernidade líquida. (CPFL Energia e o Fronteiras do Pensamento). Maffesoli (2008), autor contemporâneo, que não trabalha com definições em seu formato de escrita, se diz pensador que reflete a sociedade, que há muito tornou-se global. Diante das mudanças profundas que está a afetar todos os envolvidos na sociedade, consequentemente na educação, o que passa pelo imaginário do professor diante de todas essas transformações? Que ferramentas poderá ele utilizar para sentir-se protagonista na construção do conhecimento? Com a introdução das tecnologias nos espaços, por exemplo, de formação contínua, institui-se nas relações de interação professor x aluno, outro jeito de construir conhecimento e da realização da aprendizagem. Com isso, o ser professor sente-se provocado a transformar o seu pensar, seu fazer e a almejar diferentes percursos para a construção da sua historia de vida. Os seres humanos, diferentemente dos outros animais nascem inconclusos e inacabados (Freire, 2003), e por isso, constrói uma história de vida com seus pares na sociedade percorrem um determinado curso de vida tanto pessoal como profissional (Brum, 2007). Essa inconclusão humana, remete para uma formação/autoformação, de acordo com o pensamento de Larrosa passa a ser olhada como um percurso, uma viagem aberta, uma viagem que não pode ser antecipada [...] que através da relação com as formas mais nobres, fecundas e belas da tradição cultural alguém é levado até si mesmo, pela paixão que se rompe a cada movimento da vida, pela descoberta, pelo encontro consigo mesmo e com os outros.( apud Brum 2007, p.34) Para o pedagogo e filósofo Paulo Freire (2003) [...] a construção da minha presença no mundo, que não se faz no isolamento, isenta da influência das forças sociais, que não se compreende fora da tensão entre o que herdo geneticamente e o que herdo social, cultural e historicamente, tem muito a ver comigo [...] (p.53).

4 Perante estes pensamentos considera-se a ideia de que existem formas diferentes de viver a presença no mundo, pois fazer a vida uma obra de arte, parece que tornou-se uma imposição (Maffesoli, 2005). Muitas literaturas de formação do professor ditam verdadeiras receitas de como ser um bom profissional na educação. Adverte-nos, Maffesoli (2005) que é toda a vida cotidiana que pode ser considerada uma obra de arte. Por isso, urge pensar o cotidiano do professor qualquer que seja o nível de atuação em seu trabalho. Entretanto, o professor que se constitui no modelo da racionalidade técnica ao realizar a compreensão da realidade pensa que é possível superar aquele trabalho rotineiro, inútil, sem esperança e irá modificar a vida profissional ao seguir as regras impostas pela tradição cartesiana. É esta visão reducionista que envolve a racionalidade científica que não permite que a produção do conhecimento considere a complexidade que constitui o indivíduo e a sociedade (Morin, 2001) Com o propósito de entender o imaginário do professor e assim compreender o que fazem, busco auxílio da criação mitológica. Com isso, criar um conjunto de características do imaginário deste grupo social. Em seu cotidiano muitas vezes não seria o professor como o Sísifo, um homem letrado o qual faz de sua profissão uma enorme pedra que levada ao topo de uma montanha para que role morro abaixo e volte a ser erguida no dia seguinte na rotina de seu trabalho que se repete sem criatividade? Por durante longos anos em sua profissão, cada vez mais distanciando-se da criatividade, da realização dos sonhos que impulsionaram o início da profissão? Estaria ele empenhado num grande esforço, num grande sacrifício como profissional que poderia não estar levando a nada como sísifo da mitologia? Estaria ele fadado a essa missão em sua trajetória profissional. Uma trajetória profissional docente onde a realização da formação se dá de maneira contínua poderá gerar nesses profissionais um processo de autoformação, assim como uma atitude reflexiva no seu pensar, no seu fazer e

5 no que almejam. De acordo com Santos (2008) todo conhecimento científico é autoconhecimento. CONCLUSÃO Hoje as necessidades das pessoas para conviver e trabalhar em uma sociedade globalizada é diferente do que há vinte anos atrás. A própria evolução do saber humano encontra-se diferenciada e complexa. Por isso, o professor é chamado para levar em conta o imaginário em sua formação profissional de forma contínua. Pois é através do imaginário que o professor experimenta outra maneira de pensar, de fazer e desejar construir a vida pessoal e profissional como uma obra de arte em seu cotidiano. A educação continuada ao longo de toda vida, pode incitar a utilização da criatividade e a capacidade de reflexão.

6 Referências Bibliográficas BRUM, Mariza de Andrade. O Docente no Ensino Superior, sua História, seu Presente e seu Futuro. Monografia de Especialização (Especialização em educação) - Centro de Educação, Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria, FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 27ª ed. São Paulo: Paz e Terra, LARROSA, J. Pedagogia Profana. Belo Horizonte:Autêntica, MAFFESOLI, Michel No Fundo das Aparências. Tradução, Gurovitz. 3ª Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005 SANTOS, Boaventura de Souza Santos. Um discurso sobre as Ciências, 5ª Ed. São Paulo: Cortez, 2008 (1987) SILVA, Juremir Machado. As tecnologias do imaginário. 2ª Ed. Porto Alegre:Sulina, VEIGA-NETO, Alfredo. Crise da modernidade e inovações curriculares da disciplina para o controle. Programas de Pós-Graduação em Educação Linhas de Pesquisa: Currículo, Profissionalização e Trabalho Docente (UFPEL) Currículo, Cultura e Sociedade (UNISINOS). II SEMINÁRIO DE PESQUISA:

7 POLÍTICAS DA SUBJETIVIDADE E PRÁTICAS DE DIFERENÇA EM EDUCAÇÃO. Pelotas, 2008

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU519 DISCIPLINA: PRATICA EDUCATIVA I - DIDÀTICA CARGA HORÁRIA: 75h EMENTA: OBJETIVOS:

Leia mais

PROFESSORES REFLEXIVOS EM UMA ESCOLA REFLEXIVA. ALARCÃO, ISABEL 4ª ed., São Paulo, Cortez, 2003

PROFESSORES REFLEXIVOS EM UMA ESCOLA REFLEXIVA. ALARCÃO, ISABEL 4ª ed., São Paulo, Cortez, 2003 PROFESSORES REFLEXIVOS EM UMA ESCOLA REFLEXIVA ALARCÃO, ISABEL 4ª ed., São Paulo, Cortez, 2003 CAP. 1 Alunos, professores e escola face à sociedade da informação A sociedade da informação em que vivemos;

Leia mais

1ª Roda de Conversa. Docência Universitária: nossos desafios

1ª Roda de Conversa. Docência Universitária: nossos desafios 1ª Roda de Conversa Docência Universitária: nossos desafios Paulo Freire A prática de pensar a prática é a melhor maneira de aprender a pensar certo. Eixos Espaço aberto de diálogo; Reflexão e estudo sobre

Leia mais

ARTICULAÇÃO CURRICULAR E TRABALHO COLABORATIVO

ARTICULAÇÃO CURRICULAR E TRABALHO COLABORATIVO ARTICULAÇÃO CURRICULAR E TRABALHO COLABORATIVO PONTES PARA UMA PROFISSIONALIDADE DOCENTE MAIS PARTILHADA Carla Guilherme e Filipe Cardoso Universidade Católica Portuguesa Porto 27 de junho de 2012 Resumo

Leia mais

No entanto, não podemos esquecer que estes são espaços pedagógicos, onde o processo de ensino e aprendizagem é desenvolvido de uma forma mais lúdica,

No entanto, não podemos esquecer que estes são espaços pedagógicos, onde o processo de ensino e aprendizagem é desenvolvido de uma forma mais lúdica, PROJETO TECENDO CIDADANIA: PROJETO DE APOIO AO ESTUDO DOS TEMAS TRANSVERSAIS Autores: Leonardo Cristovam de JESUS, aluno do IFC Campus Avançado Sombrio e bolsista do projeto. Ana Maria de MORAES, Pedagoga

Leia mais

A proposta dos institutos federais entende a educação como instrumento de transformação e de enriquecimento

A proposta dos institutos federais entende a educação como instrumento de transformação e de enriquecimento HISTÓRIAS DE VIDA E O PROCESSO DE FORMAÇÃO DOCENTE: UMA INVESTIGAÇÃO NA LICENCIATURA DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA/CÂMPUS SVS Lauren Ausani; Cléia Margarete Macedo da Costa Tonin;

Leia mais

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ-UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DOS ANOS

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CONHECIMENTOS TECIDOS NO COTIDIANO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DA REGIÃO SUL FLUMINENSE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CONHECIMENTOS TECIDOS NO COTIDIANO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DA REGIÃO SUL FLUMINENSE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CONHECIMENTOS TECIDOS NO COTIDIANO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DA REGIÃO SUL FLUMINENSE Educação ambiental e conhecimentos tecidos no cotidiano de uma escola pública da região Sul Fluminense.

Leia mais

Rodas de Histórias como espaços de Interações e Brincadeira A experiência do Projeto Paralapracá em Olinda

Rodas de Histórias como espaços de Interações e Brincadeira A experiência do Projeto Paralapracá em Olinda Rodas de Histórias como espaços de Interações e Brincadeira A experiência do Projeto Paralapracá em Olinda A proposta pedagógica das instituições de Educação Infantil deve ter como objetivo garantir à

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO: PRIMEIRAS MANIFESTAÇÕES DA LEITURA E ESCRITA NA CRIANÇA

ALFABETIZAÇÃO: PRIMEIRAS MANIFESTAÇÕES DA LEITURA E ESCRITA NA CRIANÇA ALFABETIZAÇÃO: PRIMEIRAS MANIFESTAÇÕES DA LEITURA E ESCRITA NA CRIANÇA Ana Paula Martins de Sousa 1 Adrielle Alves Pereira Vilela 2 Jorge Luiz Tolentino de Almeida 3 Yasmin de Jesus Araújo 4 Irondina de

Leia mais

PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli

PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli Freire inicia sua obra esclarecendo o alvo (docentes formados ou em formação), colocando que

Leia mais

Zygmunt Bauman: "Três décadas de orgia consumista resultaram... resultaram em uma sensação de urgência sem fim"

Zygmunt Bauman: Três décadas de orgia consumista resultaram... resultaram em uma sensação de urgência sem fim Aliás! " Últimas Zygmunt Bauman: "Três décadas de orgia consumista resultaram em uma sensação de urgência sem fim" A frouxidão de nossa era está novamente sob escrutínio do sociólogo polonês Zygmunt Bauman.

Leia mais

Pedagogia de Jesus parte 2

Pedagogia de Jesus parte 2 Programa MAIS UM POUCO Formação para Escola Dominical Pedagogia de Jesus parte 2 Andreia Fernandes Oliveira Objetivo Pensar, a partir da pedagogia de Jesus, a prática pedagógica na Escola Dominical. A

Leia mais

Unidades de Aprendizagem: refletindo sobre experimentação em sala de aula no ensino de Química

Unidades de Aprendizagem: refletindo sobre experimentação em sala de aula no ensino de Química Unidades de Aprendizagem: refletindo sobre experimentação em sala de aula no ensino de Química Caroline Pires Ruas 1 ; Viviane Conceição D. Madeira 2 Introdução Esse trabalho é o resultado de duas aplicações

Leia mais

23/08/2013. Pedagogia. Sete princípiosde diferenciaçãoda qualidade profissional docente conforme Pinheiro (2013):

23/08/2013. Pedagogia. Sete princípiosde diferenciaçãoda qualidade profissional docente conforme Pinheiro (2013): Pedagogia Profª Adriana Barroso de Azevedo Planejamento das atividades de ensino: processo de construção de aula e ambiência de aprendizagem Do ensinar conteúdos à ambiência da aprendizagem desafios da

Leia mais

PLANO DE ENSINO. CURSO Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Naturais MATRIZ 763

PLANO DE ENSINO. CURSO Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Naturais MATRIZ 763 Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Ponta Grossa PLANO DE ENSINO CURSO Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Naturais MATRIZ 76 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Resolução 07/11-COGEP

Leia mais

A formação do educador de jovens e adultos na perspectiva da escolarização desafios e as possibilidades

A formação do educador de jovens e adultos na perspectiva da escolarização desafios e as possibilidades A formação do educador de jovens e adultos na perspectiva da escolarização desafios e as possibilidades Márcia Pereira Melo Coordenadora Fórum Goiano de EJA FORMAÇÃO PARA ESCOLARIZAÇÃO A formação de educadores

Leia mais

MODELO DE PLANEJAMENTO ADEQUADO PARA BAIRROS

MODELO DE PLANEJAMENTO ADEQUADO PARA BAIRROS MODELO DE PLANEJAMENTO ADEQUADO PARA BAIRROS Ana Paula CUNHA 1 Wilson de Luces Forte MACHADO 2 RESUMO: O objetivo deste estudo é analisar e comparar dois modelos de planejamento (estratégico e participativo)

Leia mais

Empreendedorismo e Plano de Negócios. Profa. Bruna Panzarini

Empreendedorismo e Plano de Negócios. Profa. Bruna Panzarini Empreendedorismo e Plano de Negócios. Profa. Bruna Panzarini Introdução Estatísticas do SEBRAE indicam que 60% das 500 mil pequenas e micro-empresas que são abertas todos os anos no Brasil fecham as portas

Leia mais

AULA 04. Profª DENISE VLASIC HOFFMANN,Jussara Avaliar respeitar primeiro, educar depois.

AULA 04. Profª DENISE VLASIC HOFFMANN,Jussara Avaliar respeitar primeiro, educar depois. AULA 04 Profª DENISE VLASIC HOFFMANN,Jussara Avaliar respeitar primeiro, educar depois. Jussara Hoffmann Avaliar respeitar primeiro, educar depois Interesse questões avaliativas As crianças permanecem

Leia mais

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU260 DISCIPLINA: ENSINO DA GEOGRAFIA CARGA HORÁRIA: 90h EMENTA: Geografia: conceitos

Leia mais

UMA PROFESSORA INICIANTE: UM SONHO, ALGUMAS DIFICULDADES E A ESPERANÇA DE SUPERAÇÃO

UMA PROFESSORA INICIANTE: UM SONHO, ALGUMAS DIFICULDADES E A ESPERANÇA DE SUPERAÇÃO UMA PROFESSORA INICIANTE: UM SONHO, ALGUMAS DIFICULDADES E A ESPERANÇA DE SUPERAÇÃO Fernanda Oliveira Costa Gomes Pontifícia Universidade Católica de São Paulo fernanda.ocg@terra.com.br Introdução Com

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Planejamento e Avaliação Educacional. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Planejamento e Avaliação Educacional. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO 2016 Curso: Pedagogia Disciplina: Planejamento e Avaliação Educacional Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário resumo) Aspectos históricos e socioeconômicos

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL: UM CAMPO A INVESTIGAR. Leila Nogueira Teixeira, Msc. Ensino de Ciências na Amazônia Especialista em Educação Infantil

EDUCAÇÃO INFANTIL: UM CAMPO A INVESTIGAR. Leila Nogueira Teixeira, Msc. Ensino de Ciências na Amazônia Especialista em Educação Infantil EDUCAÇÃO INFANTIL: UM CAMPO A INVESTIGAR Leila Nogueira Teixeira, Msc. Ensino de Ciências na Amazônia Especialista em Educação Infantil Quem são as crianças? Únicas, possuem saberes, desejos, interesses,

Leia mais

*Formação docente e profissional

*Formação docente e profissional *Formação docente e profissional FORMAR-SE PARA A MUDANÇA E A INCERTEZA 1 1 IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 6.ed. São Paulo: Cortez, 2006.

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY Introdução Este artigo é resultado de uma experiência com formação continuada

Leia mais

Professor(a): Ana Maria Siqueira Silva

Professor(a): Ana Maria Siqueira Silva Professor(a): Ana Maria Siqueira Silva E-mail: anasiqueira_4@hotmail.com WWW.INSTITUTOCONSCIENCIAGO.COM.BR 2. A FORMAÇÃO DE PROFESSORES 2.1. As perspectivas de formação docente 2.2. Formação inicial e

Leia mais

INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE

INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE Profa Dra IVONISE FERNANDES DA MOTTA * Profa Dra SANDRA CONFORTO TSCHIRNER ** RESUMO Um tema bastante abordado na contemporaneidade é a inclusão de pessoas com algum tipo

Leia mais

Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo

Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo Fabiana Chinalia Professora de Metodologia para o Ensino de Ciências Naturais e Meio Ambiente Data: 05 e 06/04/2011 Descobertas sociocientíficas

Leia mais

Currículo Escolar. Contextualização. Instrumentalização. Teleaula 2. Refletir sobre currículo. Profa. Me. Inge R. F. Suhr

Currículo Escolar. Contextualização. Instrumentalização. Teleaula 2. Refletir sobre currículo. Profa. Me. Inge R. F. Suhr Currículo Escolar Teleaula 2 Contextualização Profa. Me. Inge R. F. Suhr Que realidade se põe? Como isso afeta a questão do currículo? Refletir sobre currículo Expansão industrial X finalidade da educação

Leia mais

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA CENÁRIO HISTÓRICO A Sociologia surge como conseqüência das mudanças trazidas por duas grandes revoluções do século XVIII. As mudanças trazidas pelas duas

Leia mais

Algumas palavras sobre Arte e Educação

Algumas palavras sobre Arte e Educação 122 Algumas palavras sobre Arte e Educação Não há dúvida de que toda forma de arte é educativa: aguça nossa sensibilidade, exercita nossa capacidade de refletir, de decifrar metáforas, de simbolizar, de

Leia mais

Alessandro Almeida 20/08/ Semestre de 2013 CCO-NA3

Alessandro Almeida  20/08/ Semestre de 2013 CCO-NA3 Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 20/08/2013 2 Semestre de 2013 CCO-NA3 Inscrições: http://www.bsp.edu.br/eventos/palestras/?id=920 Instituto Beleza Natural: Uma história que poderia ser sua!

Leia mais

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR Profª. Carla Verônica AULA 03 SUPERVISÃO E PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO Identificar os princípios da gestão participativa; Analisar a dialética do ambiente escolar; Perceber

Leia mais

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB )

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) GT 4 LINGUAGENS, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO. Gilmara Teixeira Costa (gilmara-teixeira-01@hotmail.com/ Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) Juliana Maria Soares dos Santos (PPGFP UEPB)¹

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Gestão Escolar I Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo) Evolução e tendências da administração

Leia mais

Manual do Aluno Engenharia Insper i

Manual do Aluno Engenharia Insper i Manual do Aluno Engenharia Insper i Capítulo 1 A visão do Insper para a Engenharia A missão dos cursos de engenharia do Insper é: Desenvolver jovens engenheiros que estarão preparados para reconhecer as

Leia mais

Contribuições dos Mestrados Profissionais em ensino para a formação de professores em Física

Contribuições dos Mestrados Profissionais em ensino para a formação de professores em Física Contribuições dos Mestrados Profissionais em ensino para a formação de professores em Física Mesa redonda 04 XXI SNEF Uberlândia, 27/01/2015 Profa. Eliane A. Veit, UFRGS Vivemos num país com dimensões

Leia mais

Assessoria da Área Pedagógica

Assessoria da Área Pedagógica Assessoria da Área Pedagógica Jane Carla Claudino Tosin jtosin@positivo.com.br 0800 725 3536 Ramal 1171 Imagem: http://escolakids.uol.com.br/dia-das-comunicacoes.htm acesso em 04/05/2016 Educação humanizada

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA

METODOLOGIA CIENTÍFICA METODOLOGIA CIENTÍFICA A CONTRUÇÃO DO CONHECIMENTO ATRAVÉS DA PESQUISA CIENTÍFICA. Metodologia Científica Nasce das raízes históricas do conhecimento científico e seus pressupostos, comparando com outros

Leia mais

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM. CURSO: Pedagogia. Período: Não definido. Semestre de Ingresso: 1º. C.H. Teórica: 40h

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM. CURSO: Pedagogia. Período: Não definido. Semestre de Ingresso: 1º. C.H. Teórica: 40h PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Pedagogia Disciplina: Educação de Jovens e Adultos Professor: Renato Ribeiro Período Letivo: 2 sem/2016 Série: 5ª Série 6ª Série Período: Não definido C.H. Teórica:

Leia mais

SABERES DOCENTES NECESSÁRIOS À PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL TECNOLÓGICA

SABERES DOCENTES NECESSÁRIOS À PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL TECNOLÓGICA SABERES DOCENTES NECESSÁRIOS À PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL TECNOLÓGICA Carmen Célia Barradas Correia Bastos- UNIOESTE/Cascavel/PR Nelci Aparecida

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo **

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Educação e Cinema Education and Cinema Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Rosália Duarte é professora do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação, da PUC do Rio de

Leia mais

CURSO: MÚSICA LICENCIATURA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: MÚSICA LICENCIATURA EMENTAS º PERÍODO CURSO: MÚSICA LICENCIATURA EMENTAS - 2016.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: LINGUAGEM E ESTRUTURAÇÃO MUSICAL II Teoria e Percepção Musical II. Desenvolvimento da leitura musical em quatro claves de referência:

Leia mais

O ESPAÇO NA PEDAGOGIA-EM- -PARTICIPAÇÃO

O ESPAÇO NA PEDAGOGIA-EM- -PARTICIPAÇÃO I O ESPAÇO NA PEDAGOGIA-EM- -PARTICIPAÇÃO Júlia Oliveira-Formosinho Filipa Freire de Andrade Introdução Espaço(s) em Participação Na Pedagogia -em-participação damos muita importância à organização do(s)

Leia mais

Jacques Therrien, UFC/UECE

Jacques Therrien, UFC/UECE Jacques Therrien, UFC/UECE ALGUNS PRINCÍPIOS QUE FUNDAMENTAM PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAR: É O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO E DE RECONSTRUÇÃO CRIATIVA DE SI E DO MUNDO SOCIAL ONDE CONVIVEMOS É

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Didática I Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo) A Didática e os fundamentos educacionais

Leia mais

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA.

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. SANTOS, Sayarah Carol Mesquita UFAL sayarahcarol@hotmail.com INTRODUÇÃO Colocamo-nos a fim de compreender o trabalho na dialética marxista,

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DO NORTE GOIANO OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM Objetivos do curso O Curso de Graduação em Enfermagem tem por objetivo formar bacharel em enfermagem (enfermeiro) capaz de influenciar na construção

Leia mais

PROJETO DE INTERCULTURALIDADE E INTERDISCIPLINARIDADE

PROJETO DE INTERCULTURALIDADE E INTERDISCIPLINARIDADE Portaria de Autorização nº. 65 de 16 de Janeiro de 2009 1-8 CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO NORTE GOIANO FACULDADE DO NORTE GOIANO (FNG) COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO (NUPE) PROJETO DE INTERCULTURALIDADE

Leia mais

O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental. Aula 2

O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental. Aula 2 O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental Aula 2 Objetivos da aula Conhecer os a pluralidade de interpretações sobre os processos de ensino aprendizagem em Ciências; Discutir

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE PESSOAL E FORTE DUQUE DE CAXIAS (CEP/FDC) CURSO DE PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR (CPE) Aprovado pelo BI/ N, de / /.

CENTRO DE ESTUDOS DE PESSOAL E FORTE DUQUE DE CAXIAS (CEP/FDC) CURSO DE PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR (CPE) Aprovado pelo BI/ N, de / /. CENTRO DE ESTUDOS DE PESSOAL E FORTE DUQUE DE CAXIAS (CEP/FDC) CURSO DE PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR (CPE) Aprovado pelo BI/ N, de / /. DISCIPLINA (Fundamentação) PLADIS FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR

Leia mais

COLÉGIO EST. ANTONIO MAXIMILIANO CERETTA ENSINO FUND., MÉDIO E PROFISSIONAL

COLÉGIO EST. ANTONIO MAXIMILIANO CERETTA ENSINO FUND., MÉDIO E PROFISSIONAL COLÉGIO EST. ANTONIO MAXIMILIANO CERETTA ENSINO FUND., MÉDIO E PROFISSIONAL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR 2013 1º SEMESTRE PROFESSORA: ROSANI MARLENE KOELZER SCHUMACHER CURSO: SEGURANÇA NO TRABALHO DISCIPLINA:

Leia mais

PROGRAD / COSEAC PEDAGOGIA - Angra dos Reis - Gabarito

PROGRAD / COSEAC PEDAGOGIA - Angra dos Reis - Gabarito Prova de Conhecimentos Específicos 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) A profissão docente, embora pouco prestigiada na sociedade brasileira, é muito importante, pois ser professor significa, entre outros aspectos,

Leia mais

BONITEZA DE UM SONHO: A OBRA QUE FALA DO SENTIDO DO ATO DE ENSINAR-E-APRENDER

BONITEZA DE UM SONHO: A OBRA QUE FALA DO SENTIDO DO ATO DE ENSINAR-E-APRENDER Resenha Crítica BONITEZA DE UM SONHO: A OBRA QUE FALA DO SENTIDO DO ATO DE ENSINAR-E-APRENDER Elisabeth Maria de Fátima Borges 1 Carlos Roberto Espínola Coelho 2 Débora Moreira Vieira 3 Diego Antunes de

Leia mais

10 Ensinar e aprender Sociologia no ensino médio

10 Ensinar e aprender Sociologia no ensino médio A introdução da Sociologia no ensino médio é de fundamental importância para a formação da juventude, que vive momento histórico de intensas transformações sociais, crescente incerteza quanto ao futuro

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Acompanhamento aos Projetos de Pesquisa I Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º 1 - Ementa (sumário, resumo) Trabalho resultante

Leia mais

CORPOREIDADE: A LINGUAGEM QUE CONSTRÓI E PRODUZ CULTURA CORPORAL NA PROFISSIONALIZAÇÃO CONTINUADA DOS DOCENTES DA UNERJ Dilma Montagnoli (UNERJ)

CORPOREIDADE: A LINGUAGEM QUE CONSTRÓI E PRODUZ CULTURA CORPORAL NA PROFISSIONALIZAÇÃO CONTINUADA DOS DOCENTES DA UNERJ Dilma Montagnoli (UNERJ) 1 CORPOREIDADE: A LINGUAGEM QUE CONSTRÓI E PRODUZ CULTURA CORPORAL NA PROFISSIONALIZAÇÃO CONTINUADA DOS DOCENTES DA UNERJ Dilma Montagnoli (UNERJ) Esta pesquisa teve o intuito de transgredir a prática

Leia mais

Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Título Contextualização Ementa Objetivos gerais CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA A língua portuguesa,

Leia mais

O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE GEOGRAFIA 1

O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE GEOGRAFIA 1 1 O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE GEOGRAFIA 1 INTRODUÇÃO Jeani Delgado Paschoal Moura 2 Este artigo objetiva fazer um balanço sobre a organização do trabalho educativo nas atividades de estágio do

Leia mais

O que um professor de química precisa saber e saber fazer

O que um professor de química precisa saber e saber fazer O que um professor de química precisa saber e saber fazer Contribuições de estudos Visões de ensino como uma técnica, basta combinar, de modo eficaz, os meios e os fins. componentes afetivos processo de

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Gestão Escolar IV Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º 1 - Ementa (sumário, resumo) Dimensões da participação: política,

Leia mais

TEORIA DA HISTÓRIA: O ENSINO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA. A preocupação com o ensino da História tem recaído sobre a finalidade e a

TEORIA DA HISTÓRIA: O ENSINO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA. A preocupação com o ensino da História tem recaído sobre a finalidade e a TEORIA DA HISTÓRIA: O ENSINO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA RACHEL DUARTE ABDALA - UNITAU A preocupação com o ensino da História tem recaído sobre a finalidade e a metodologia atribuída e empregada

Leia mais

O currículo na perspectiva da Interdisciplinaridade: implicações para pesquisa e para a sala de aula

O currículo na perspectiva da Interdisciplinaridade: implicações para pesquisa e para a sala de aula O currículo na perspectiva da Interdisciplinaridade: implicações para pesquisa e para a sala de aula C ELI ESPA SANDIN LOPES U N I V E R S I D AD E C R U Z E I R O D O S U L S O C I E D AD E B R AS I L

Leia mais

Sumário. 1 As pedagogias não institucionais: aprendizagem e educação fora da escola... 1

Sumário. 1 As pedagogias não institucionais: aprendizagem e educação fora da escola... 1 Sumário 1 As pedagogias não institucionais: aprendizagem e educação fora da escola... 1 Antecedentes e referências... 3 Da natureza para a cidade... 4 Da desescolarização às tramas da aprendizagem... 7

Leia mais

FIGURAS PLANAS E ESPACIAIS

FIGURAS PLANAS E ESPACIAIS CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA (4º E 5º ANOS) PROFESSORA ANDRESSA CESANA CEUNES/UFES/DMA FIGURAS PLANAS E ESPACIAIS AGOSTO DE 2015 A PEDAGOGIA DO TEXTO é

Leia mais

REUNIÃO DE PAIS 5ª SÉRIE Compromisso Família e Escola

REUNIÃO DE PAIS 5ª SÉRIE Compromisso Família e Escola REUNIÃO DE PAIS 5ª SÉRIE Compromisso Família e Escola Projeto Educativo Buscamos integrar rigor científico, excelência acadêmica, formação cristã, cultura da solidariedade e da paz, sensibilidade estética,

Leia mais

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio TEMA CADERNO 3 : O CURRÍCULO DO ENSINO MÉDIO, SEUS SUJEITOS E O DESAFIO DA FORMAÇÃO HUMANA INTEGRAL Moderadora: Monica Ribeiro da Silva Produção: Rodrigo

Leia mais

Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático

Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático Ana Maria Boavida Escola Superior de Educação de Setúbal Maria de Fátima Guimarães Escola Superior de

Leia mais

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( )

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( ) A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO Leon S. Vygotsky (1896-1934) O CONTEXTO DA OBRA - Viveu na União Soviética saída da Revolução Comunista de 1917 - Materialismo marxista - Desejava reescrever

Leia mais

II FÓRUM DE INTEGRAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM DA UFG, CAMPUS JATAÍ: A CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO DE INTEGRAÇÃO E FORMAÇÃO.

II FÓRUM DE INTEGRAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM DA UFG, CAMPUS JATAÍ: A CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO DE INTEGRAÇÃO E FORMAÇÃO. II FÓRUM DE INTEGRAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM DA UFG, CAMPUS JATAÍ: A CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO DE INTEGRAÇÃO E FORMAÇÃO. PACHECO 1, Jade Alves de Souza; SOARES 2, Nayana Carvalho; SILVA 3, Bianca Fernandes

Leia mais

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE Viver é isto: ficar se equilibrando o tempo todo entre escolhas e consequências Jean Paul Sartre Jean-Paul Sartre - Paris, 1905 1980.

Leia mais

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias Ano 02

Leia mais

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU236 DISCIPLINA: TEORIAS, PROCESSOS DE ENSINO E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS CARGA HORÁRIA: 90h

Leia mais

PLANEJAMENTO DAS AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE

PLANEJAMENTO DAS AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE PLANEJAMENTO DAS AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE CONCEITO DE SAÚDE Saúde é a resultante das condições de alimento, habitação, educação, renda, meio ambiente, trabalho, transporte, emprego, lazer, liberdade,

Leia mais

SOCIEDADE E INDIVÍDUO EM DISCUSSÃO

SOCIEDADE E INDIVÍDUO EM DISCUSSÃO 1 SOCIEDADE E INDIVÍDUO EM DISCUSSÃO Acadêmica: Raquel Luchese Orientadora: SilandraBadch Rosa Universidade Luterana do Brasil- ULBRA raquelluchese@hotmail.com RESUMO O presente trabalho refere-se ao Estágio

Leia mais

Sala 8 Gestão Pedagógica E. E. PROFA. NIDELSE MARTINS DE ALMEIDA

Sala 8 Gestão Pedagógica E. E. PROFA. NIDELSE MARTINS DE ALMEIDA Expectativas de aprendizagem: transposição do currículo prescrito para a prática docente Sala 8 Gestão Pedagógica E. E. PROFA. NIDELSE MARTINS DE ALMEIDA Professor(es) Apresentador(es): ALEX SILVIO DE

Leia mais

Qual Educação Ambiental desejamos? Caminhos para a Recuperação da EXISTÊNCIA (Boaventura de Souza SANTOS Sociologia das Ausências )

Qual Educação Ambiental desejamos? Caminhos para a Recuperação da EXISTÊNCIA (Boaventura de Souza SANTOS Sociologia das Ausências ) Recuperar a VIDA Qual Educação Ambiental desejamos? Sandro Tonso - sandro@ft.unicamp.br 1.Ecologia do saber novo diálogo de conhecimentos com o estabelecimento de uma nova epistemologia do saber, que valorize

Leia mais

H I STORIA UTOPIAS ANPUH. J ohn M. Monteiro. ORGANIZAÇÃO Ilana Blaj. Associação N acional d e História

H I STORIA UTOPIAS ANPUH. J ohn M. Monteiro. ORGANIZAÇÃO Ilana Blaj. Associação N acional d e História " H I STORIA & UTOPIAS ORGANIZAÇÃO Ilana Blaj J ohn M. Monteiro ANPUH Associação N acional d e História HISTÓRIA & UTOPIAS Textos apresentados no XVII Simpósio Nacional de História Organização John Manuel

Leia mais

Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas

Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas 1. Perfil do

Leia mais

Criar ambientes festivos em que se celebra a leitura, os livros, a solidariedade e a cooperação;

Criar ambientes festivos em que se celebra a leitura, os livros, a solidariedade e a cooperação; Introdução O Homem, desde sempre, utilizou a palavra para transmitir conhecimento, informação e experiências, fosse por meio verbal, fosse por meio escrito. Como a transmissão da informação por meio verbal

Leia mais

PREPARAÇÃO DE PROJETOS, FORMAS DE REGISTRO E AVALIAÇÃO

PREPARAÇÃO DE PROJETOS, FORMAS DE REGISTRO E AVALIAÇÃO PREPARAÇÃO DE PROJETOS, FORMAS DE REGISTRO E AVALIAÇÃO Profª. Ms. Fabiana Chinalia FACULDADES COC 11 e 12 de maio http://verainfedu.files.wordpress.com/2008/10/legal1.gif Vamos conversar um pouco sobre

Leia mais

Mestrado em Educação Revista Profissão Docente. UNIUBE Universidade de Uberaba ISSN:

Mestrado em Educação Revista Profissão Docente. UNIUBE Universidade de Uberaba ISSN: FREITAS, Faraídes M. Sisconeto de Professora do curso de Licenciatura em Letras e aluna do Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba fara.sisconeto@bol.com.br Mario Osorio Marques foi sociólogo,

Leia mais

Todos os direitos reservados. E necessária à autorização previa antes de reproduzir ou publicar parte ou esta obra na íntegra.

Todos os direitos reservados. E necessária à autorização previa antes de reproduzir ou publicar parte ou esta obra na íntegra. Todos os direitos reservados E necessária à autorização previa antes de reproduzir ou publicar parte ou esta obra na íntegra. Enquanto os autores fizeram os melhores esforços para preparar este livro,

Leia mais

COMPETÊNCIAS COLABORATIVAS Garantir Resultados Diferenciados por meio das Competências Colaborativas

COMPETÊNCIAS COLABORATIVAS Garantir Resultados Diferenciados por meio das Competências Colaborativas COMPETÊNCIAS COLABORATIVAS Garantir Resultados Diferenciados por meio das Competências Colaborativas Rogerio Leme rogerio@lemeconsultoria.com.br www.facebook.com/rogeriolemeoficial Rogerio Leme Diretor

Leia mais

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Aluna: Iara Escandiel Colussi Data: 12/06/2015 Introdução Este projeto apresenta algumas situações de dificuldade

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS O curso objetiva a formação de docentes capacitados para atuar no ensino

Leia mais

Cuidado e desmedicalização na atenção básica

Cuidado e desmedicalização na atenção básica Rio de Janeiro, agosto de 2012 Cuidado e desmedicalização na atenção básica Laura Camargo Macruz Feuerwerker Profa. Associada FSP-USP Medicalização e a disputa pela vida Movimento de compreender todos

Leia mais

As vezes eu penso, Sera que tem como voltar no tempo?? pra mim isso pode ser uma possibilidade que os cientistas do mundo inteiro poderiam tentar

As vezes eu penso, Sera que tem como voltar no tempo?? pra mim isso pode ser uma possibilidade que os cientistas do mundo inteiro poderiam tentar O tempo As vezes eu penso, Sera que tem como voltar no tempo?? pra mim isso pode ser uma possibilidade que os cientistas do mundo inteiro poderiam tentar descobrir. mais e claro que o mundo e enorme e

Leia mais

IDENTIDADES. Metamorfose. Nome:Stefany Santos

IDENTIDADES. Metamorfose. Nome:Stefany Santos Metamorfose IDENTIDADES Metamorfose Nome:Stefany Santos ÍNDICE O que significa metamorfose? O que significa metamorfose ambulante? Indagações Metamorfose Frase Citação Musica Considerações finais Dedicado

Leia mais

Diário. da Minha Jornada. Um guia para o meu processo de auto educação

Diário. da Minha Jornada. Um guia para o meu processo de auto educação Diário da Minha Jornada Um guia para o meu processo de auto educação Sobre este Diário Nome: E-mail: Telefone: CONTATO Olá! Muito prazer! Eu estou aqui para te apoiar na criação da SUA JORNADA. - Como

Leia mais

TEORIA DA COMPLEXIDADE E APRENDIZAGENS: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE MORIN E ASSMANN SOBRE SOCIEDADE E EDUCAÇÃO

TEORIA DA COMPLEXIDADE E APRENDIZAGENS: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE MORIN E ASSMANN SOBRE SOCIEDADE E EDUCAÇÃO TEORIA DA COMPLEXIDADE E APRENDIZAGENS: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE MORIN E ASSMANN SOBRE SOCIEDADE E EDUCAÇÃO Glicerinaldo de Sousa Gomes 1 ; Josileide Carmem Belo de Lima 2 1 Universidade Estadual da Paraíba.

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

Didática das Ciências Naturais

Didática das Ciências Naturais ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Didática das Ciências Naturais Prof. Nelson Luiz Reyes Marques ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Necessidades formativas do professor

Leia mais

Representação de áreas de riscos socioambientais: geomorfologia e ensino

Representação de áreas de riscos socioambientais: geomorfologia e ensino II Congresso Internacional de Riscos VI Encontro Nacional de Ricos Coimbra, 22 a 25 de Maio de 2010 Representação de áreas de riscos socioambientais: geomorfologia e ensino Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU254 DISCIPLINA: METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA CARGA HORÁRIA:

Leia mais

GEOGRAFIA DAS IMAGENS: A FOTO QUE FALA

GEOGRAFIA DAS IMAGENS: A FOTO QUE FALA GEOGRAFIA DAS IMAGENS: A FOTO QUE FALA Malena Ramos Silva¹ Marcos Eduardo Nascimento Moraes² Sára de Oliveira Honorato³ Roberto Márcio da Silveira 4 1 malena_mrs@hotmail.com; 2 menmoraes@gmail.com; 3 saryta.94@hotmail.com;

Leia mais

CONHECENDO SUA PROFISSÃO III

CONHECENDO SUA PROFISSÃO III CONHECENDO SUA PROFISSÃO III META Levar o aluno a conhecer a profissão de Biólogo Professor. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar as principais dificuldades encontradas na profissão;

Leia mais

Conexões: a poética das crianças de 0 a 3 anos e a arte contemporânea Relatório trimestral julho de 2016

Conexões: a poética das crianças de 0 a 3 anos e a arte contemporânea Relatório trimestral julho de 2016 Conexões: a poética das crianças de 0 a 3 anos e a arte contemporânea Relatório trimestral julho de 2016 Coordenação geral: Cisele Ortiz Coordenação técnica: Denise Nalini Formadoras: Cinthia Manzano e

Leia mais