Curso de BPMN - II. Desenho de processo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de BPMN - II. Desenho de processo"

Transcrição

1 Curso de BPMN - II Glauco Reis é Consultor em Java e metodologias OO, e especializado em plataforma IBM. Têm o título de SCJP 1.1 e 1.4, SCJWCD 1.4, e IBM CSE e IBM Websphere Application Server Certified. Escreve há mais de 8 anos sobre o tema Java e trabalha na área de informática há mais de 21 anos, participando também como palestrante COMDEX e FENASOFT. É especialista em WebServices e está envolvido com a tecnologia BPMS, como arquiteto principal na criação de uma solução BPMS nacional. No módulo anterior, exploramos os tipos de diagramas existentes na notação BPMN. Foram comentados os tipos de BPD (Business Process Diagram) existentes. Vamos explorar neste módulo o que encontramos normalmente dentro de um BPD, bem como os elementos básicos desta notação. Desenho de processo Todo desenho de processo (que iremos chamar de fluxo a partir deste momento) têm um início e um final. A simbologia contém uma representação para início e término de fluxo, que basicamente são círculos. O início contém um circulo com linha mais fina, e o final do fluxo com linha mais grossa. Não somos obrigados a representar graficamente o início e término do fluxo, mas caso exista um início, é obrigatória a representação do final. Caso um fluxo não tenha início, todas as atividades que não contiverem uma seta chegando até ela serão consideradas pontos de início. O mesmo é valido para o término. Atividades sem setas de saída serão consideradas atividades finais. Não existe limitação para o número de inícios, nem para o número de términos. Início e término de processo Embora não seja obrigatório, é muito recomendável que todo processo tenha um início e um final explícitos, pois isto torna mais clara a leitura do fluxo. Veja o exemplo de fluxo a seguir, válido sob o ponto de vista de notação, mas pouco visível onde se inicia ou termina : Início e término de fluxo sem o evento indicativo Cada quadrado com as bordas arredondadas representa uma atividade que acontece dentro de

2 um fluxo. Cada seta unindo duas atividades representa uma sequência que será executada. Os dois elementos (fluxo e atividade) serão explorados mais adiante. O que importa neste momento é que este tipo de notação tende a tornar os diagramas menores (pois omite o início e final), mas dificulta por vezes a compreensão. Neste caso, quando uma instância é iniciada, tanto início1 quanto início2 são executados. Uma dúvida que surge neste ponto, principalmente observando o exemplo anterior, é o significado de executar início1 e início2 ao iniciar a instância de processo. As duas atividades serão executadas em paralelo, como threads? Para compreendermos isto, precisamos saber o que significa um Token, que é o que veremos a seguir. Token Existe um conceito que permeia toda a documentação BPMN, que é o conceito de TOKEN. Em uma linguagem de programação como o Java, um token seria algo análogo à uma thread. É algo criado em algum ponto do processo, e sua execução fica ativa durante algum tempo, até desaparecer ou se unir com outras unidades funcionais, que estão sendo executadas de forma independente umas das outras. No caso do BPMN, eles são propagados pelas atividades seguintes no fluxo, até que algo o faça desaparecer ou se juntar aos outros tokens. No diagrama acima, por exemplo, quando uma instância de processo é criada, dois tokens são criados. Tanto início1 quanto início2 são executados ao mesmo tempo. Mas ao contrário de uma thread, onde tudo é executado em paralelo mesmo, a notação BPMN não obriga a criação de mecanismos multithread. Pode ser executada início1 primeiro e início2 depois, ou vice versa. Ou os dois podem ser executados em paralelo, em uma ferramenta workflow que suporte multithread legítimo. O que importa é que, neste caso, a atividade intermediário atua como uma junção de tokens, e intermediário somente é executado quando inicio1 e inicio2 tiverem terminado. Se uma das atividades terminar antes, o token chega até intermediário e fica aguardando até que o outro token chegue até lá, para que o processo prossiga em sua execução. É importante distinguir instâncias de processos de tokens. Uma instância pode ter diversos tokens, mas um token pertence a apenas uma instância de processo. É muito importante a compreensão dos tokens, pois dependendo de como os fluxos forem desenhados haverá variação na forma como eles são criados e destruidos, e utilizaremos neste curso os mesmos termos adotados pela documentação oficial. Uma preocupação ao adotar o termo token foi permitir atividades executando em paralelo, sem forçar o engine de execução a adotar práticas de multithread. Para termos a certeza de que compreendemos o conceito, vamos analisar o seguinte exemplo : Exemplo de tokens Neste caso, dependendo da solução de workflow, poderemos ter as seguintes possibilidades de execução: 1) Uma thread é iniciada, e a atividade a1 é executada, e após esta a atividade a2. Ao mesmo tempo outra thread é iniciada, e a atividade a3 é executada e após a atividade a4.

3 A atividade a5 espera o término das duas threads para iniciar sua execução. O programa segue executando através de a5, com uma única thread. 2) A atividade a1 é executada, e depois a atividade a2. Ou seja, o caminho de cima é executado inteiro, depois o caminho de baixo (a3 e a4). Após a execução dos dois, o caminho a5 continua a execução. 3) Outra possibilidade seria a execução da atividade a1, depois a execução da a3, a2 e depois a4, continuando na sequência a execução de a5. Verificando os exemplos acima, percebemos que pouco importa para o desenhista de processos como a ferramenta de workflow executa o processo. O que importa é que as atividades da bifurcação são executadas antes e que a junção a5 sincroniza as duas execuções. Desta forma, a notação permite a representação de execuções simultâneas, mesmo que a ferramenta não suporte o conceito. Atividade O conceito de atividade é simples, mas por outro lado abrangente. Uma atividade é um passo na execução de um fluxo. Ele é representado por um retângulo com as extremidades arredondadas. Uma atividade pode ser manual ou automática. Uma aprovação de crédito pode ser uma atividade. Um processo inteiro de cobrança pode ser uma atividade. Atividade, portanto, é um termo genérico para algo executado dentro de um processo. O desenho do fluxo já é uma atividade. No nível mais baixo, onde ele não pode mais ser subdividido em unidades menores, é chamado de uma tarefa (task), que é um termo especializado para uma atividade que não têm mais subníveis. Quando uma atividade pode ser aberta em atividades mais especializadas, ela é chamada de subprocesso. Exemplos de tarefas e subprocessos Uma diferença visual entre a tarefa (task) e o subprocesso é o sinal de +, que normalmente fica localizado no centro do lado inferior do subprocesso. Quando o sinal de mais (+) é visível, o fluxo que se encontra dentro não é apresentado. Quando o + é clicado, a atividade é expandida para mostrar o desenho em miniatura do fluxo em seu interior. Não é um comportamento obrigatório, mas facilita a visualização de cada nível inferior. Algumas ferramentas optam por abrir uma outra janela com o desenho do fluxo, quando o + é clicado. Conexão entre elementos O BPMN determina basicamente dois tipos de conexão : As que acontecem dentro de um processo, indicando a passagem de uma atividade para outra, e as conexões que acontecem entre dois processos, que são feitas pela passagem de mensagens. A conexão entre duas atividades de um mesmo processo é representada por uma seta com linha

4 contínua. Algo como : Sequência de fluxo Quando precisamos fazer com que dois fluxos distintos se comuniquem, a única forma é através do envio de mensagens. Mensagens fazem com que os fluxos tenham um baixo acoplamento, reduzindo dependências físicas. A documentação BPMN não especifica o mecanismo utilizado para mensagens. Pode ser SMTP, JMS ou qualquer outro middleware de mensagens. A sugestão é que envios de mensagens aconteçam através de acessos SOAP. Pool Para delinearmos os limites de um fluxo nós utilizamos um pool. A especificação não obriga a representação da pool, mas se um fluxo se iniciar em uma pool, ele deve estar completamente contido dentro dela. Pool No desenho acima, não é correto ter o evento de início dentro da pool, e o evento de término fora dela. O que é permitido é a comunicação de dois pools (lembrando que representam fluxos) através de mensagens. Mensagens entre fluxos

5 No exemplo anterior, temos dois tipos de mensagens. Uma enviada de uma atividade específica para uma atividade em outra pool, e uma conectando as duas pools. Cada mensagem é diferenciada através de uma linha pontilhada, unindo dois elementos. Quando a mensagem é enviada, o fluxo continua normalmente (através da linha contínua). Ela funciona como um aviso ao outro fluxo, algo que será utilizado do outro lado como uma forma de tomar decisão. Veremos mais adiante que podemos controlar o fluxo, fazendo com que uma atividade aguarde pela chegada de uma mensagem. Elas podem ser utilizadas como sincronismo entre fluxos. Embora de utilidade discutível, pode-se enviar mensagens dentro de uma mesma pool. Cada Pool pode ser dividida em unidades menores, chamadas de Lane. Lane Uma Lane pode representar cada papel dentro de um processo. Por exemplo, vendedores, gerentes, diretores podem ser papéis para execução de cada atividade. A documentação não coloca amarras em Lanes, significando meramente subdivisões. Podem ser departamentos, cargos ou mesmo unidades da empresa em países diferentes. Nos diagramas de mais baixo nível (aqueles que irão gerar códigos) o mais razoável é utilizar as Lanes para diferenciar os papeis (cargos), durante a execução. exemplo de Lane Embora bem simplificado, podemos observar algumas coisas interessantes no diagrama acima. Por exemplo, a Pool representa um processo de venda ao cliente. Cada Lane representa um papel que será executado ao longo do processo. Representar os papeis em lanes, ao invés de colocá-los nas próprias atividades torna o desenho mais claro. Quando outro papel assume o controle do processamento, a seta cruza uma lane para chegar até o perfil que irá executar aquela atividade. Algumas ferramentas permitem lanes na horizontal, como o exemplo acima, ou na vertical. A especificação não obriga este tipo de formatação. Gateway No exemplo acima, aparecem dois losangos. Um logo após a entrada da forma de pagamento. Se a forma de pagamento e valores estiverem dentro de algo que possa ser aprovado pelo próprio vendedor, este entra os dados para entrega do produto. Se por outro lado, o vendedor não puder aprovar, ele repassa o caso ao gerente, que avalia se a venda pode ser aprovada ou não. Um gateway, portanto, é algo que permite tomada de decisão. Esta decisão pode ser manual, como este exemplo, ou programática, sobre um determinado valor ou cálculo. Neste caso, o gateway está funcionando de forma exclusiva sobre um dos caminhos. Se o vendedor tiver autonomia, o gerente nem mesmo é acionado durante a execução do processo. Ou se vai para um caminho, ou para o outro. Nunca os dois (neste caso). Naturalmente o set completo do BPMN têm gateways

6 que vão muito além de uma comparação simples como esta. Neste momento, podemos explorar um pouco mais o conceito do token. Neste desenho de processo, o token caminha para um dos lados do gateway, mas nunca para os dois. Na verdade, há um pequeno erro neste desenho, mas como nosso objetivo era simplificar o fluxo, apresentaremos o erro em um outro artigo. Com isto, exploramos o set simplificado do BPMN. Você pode estar decepcionado, e até mesmo dizer que até agora nada foi acrescentado de diferencial, se comparado a um diagrama de atividades da UML. A partir dos próximos artigos estaremos explorando os elementos do set completo, e aí sim veremos o poder e diferencial do BPMN. Vocês irão perceber que existe todo um set de simbolos, para representar as situações mais comuns de desenhos de processos, alguns até mesmo relacionados aos mecanismos de programação. Até a próxima e fique sintonizado no PortalBPM!!

BPMN. Business Process Modeling Notation

BPMN. Business Process Modeling Notation BPMN Business Process Modeling Notation Montar viagem UML (diagrama de atividades) Montar viagem BPMN Tipos de diagrama 1) Private Business Process ou Diagramas de processos privados: usado quando não

Leia mais

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Objetivos Contextualização Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015 BPMN Business Process Modeling Notation Leandro C. López Agosto - 2015 Objetivos Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos de processos Apresentar os conceitos e elementos da notação

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

Controle sobre o processo

Controle sobre o processo Modelagem de processos, Use Cases e ferramentas BPM Glauco Reis (gsrt@terra.com.br) é Consultor em Java e metodologias OO, e especializado em plataforma IBM. Têm o título de SCJP 1.1 e 1.4, SCJWCD 1.4,

Leia mais

BPMN - Business Process Modeling and Notation

BPMN - Business Process Modeling and Notation BPMN - Business Process Modeling and Notation AGENDA Notação Conceito Visão Geral da Notação BPMN Notação BPMN no Escritório de Processos NOTAÇÃO - CONCEITO Segundo o dicionário: Ação de indicar, de representar

Leia mais

Tutorial de BPMN. Visão Geral. Escopo. Elementos

Tutorial de BPMN. Visão Geral. Escopo. Elementos Tutorial de BPMN Visão Geral É um padrão para modelagem de processos de negócio que fornece uma notação gráfica para especificação de processos de negócio em um DPN (Diagrama de Processo de Negócios).

Leia mais

BPM Definições e Contexto Prática Aula 1

BPM Definições e Contexto Prática Aula 1 BPM Definições e Contexto Prática Aula 1 BP Business Process Algumas definições sobre o que é Processos de Negócio (BP) Um processo é um fluxo coordenado e padronizado de atividades executadas por pessoas

Leia mais

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br BPMN (Business Process Modeling Notation) George Valença gavs@cin.ufpe.br 31/10/2012 Introdução Modelagem de processos No ciclo de vida BPM, a etapa de modelagem de processos consiste em um conjunto de

Leia mais

DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI

DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI Harley Caixeta Seixas Márcia Lúcia Borges de Melo Gomes Roberta A. de Mello Bezerra Silvana Dias Soares FERRAMENTA BIZAGI BPMN Business Process Modeling Notation

Leia mais

Manual de Convenções. BPMN Business Process Modelling Notation. 2009 GFI Portugal

Manual de Convenções. BPMN Business Process Modelling Notation. 2009 GFI Portugal Manual de Convenções BPMN Business Process Modelling Notation 2009 GFI Portugal O que é o BPMN? O BPMN é uma notação gráfica para a definição de processos de negócio É o standard internacional para modelação

Leia mais

Manual BizAgi Sistema de Gestão da Qualidade

Manual BizAgi Sistema de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 1. INTRODUÇÃO Este manual apresenta alguns elementos básicos da Notação BPMN (Business Process Modeling Notation Notação para Modelagem de Processos de Negócio) que é a representação gráfica

Leia mais

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 1 INTRODUÇÃO A Business Process Modeling Notation (BPMN), ou Notação de Modelagem de Processos de Negócio, é um conjunto de

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I BPMN I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br 1 + Processo de Negócio 2 n Coleção de atividades relacionadas e estruturadas que produzem um serviço ou produto específico.

Leia mais

Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR. Business Process Modeling Notation BPMN

Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR. Business Process Modeling Notation BPMN Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR Business Process Modeling Notation BPMN BPMN Business Process Modeling Notation A especificação da notação de modelagem

Leia mais

Como-Funciona-Banco-Damus-Excel-Com-VBNet-Em-3-Idiomas

Como-Funciona-Banco-Damus-Excel-Com-VBNet-Em-3-Idiomas Como-Funciona-Banco-Damus-Excel-Com-VBNet-Em-3-Idiomas O objetivo desta revisão no Banco-Damus, foi acrescentar no software Excel existente o Visual Basic Net. Assim o usuário passa a ter mais facilidade

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Outubro/2006. Rafael Bortolini rafael@cryo.com.br Cryo Technologies www.cryo.com.br

BPMN. Business Process Modeling Notation. Outubro/2006. Rafael Bortolini rafael@cryo.com.br Cryo Technologies www.cryo.com.br BPMN Business Process Modeling Notation Outubro/2006 Rafael Bortolini rafael@cryo.com.br Cryo Technologies www.cryo.com.br 1 Agenda Introdução História Especificação Swinlanes Atividades Eventos Gateways

Leia mais

CURSO DE MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE TRABALHO COM BPMN E BIZAGI

CURSO DE MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE TRABALHO COM BPMN E BIZAGI INSTITUTO SERZEDELLO CORRÊA CURSO DE MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE TRABALHO COM BPMN E BIZAGI Exercícios JANEIRO, 2013 Copyright 2013, Tribunal de Contas de União www.tcu.gov.br Permite-se a reprodução desta

Leia mais

Modelagem do Processo de Negócio

Modelagem do Processo de Negócio Análise e Projeto 1 Modelagem do Processo de Negócio Modelos de processos de negócios descrevem as diferentes atividades que, quando combinados, oferecem suporte a um processo de negócio. Processos de

Leia mais

Conceitos de Processos & BPM

Conceitos de Processos & BPM http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte I Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte

Leia mais

5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material

5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material 61 5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material A fim de avaliar as características da arquitetura proposta e a corretude da implementação, realizamos experiências com cenários de

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Estrutura do IP... 3 1.3 Tipos de IP... 3 1.4 Classes de IP... 4 1.5 Máscara de Sub-Rede... 6 1.6 Atribuindo um IP ao computador... 7 2

Leia mais

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO 1. Conceitos de Orientação a Objetos Introdução O paradigma da POO Classes

Leia mais

PortalBPM BPMN. Introdução ao. Capa. Artigos. Principais problemas nas implementações. Entrevista com Thomas Erl. BPM, BPMS e SOA

PortalBPM BPMN. Introdução ao. Capa. Artigos. Principais problemas nas implementações. Entrevista com Thomas Erl. BPM, BPMS e SOA Sumário - Portal BPM PortalBPM Capa Introdução ao BPMN Pág. 6 Artigos Principais problemas nas implementações Pág. 16 Introdução ao BPM, BPMS e SOA Pág. 22 Entrevista com Thomas Erl Pág. 30 Os 10 passos

Leia mais

Como funciona o site treinamento técnico ON-LINE?

Como funciona o site treinamento técnico ON-LINE? Manual do Usuário INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO TREINAMENTO ON LINE A ATIC Tecnologia do Brasil Ltda. com o objetivo de atender aos seus diversos clientes, oferece treinamentos EAD - Educação a Distância

Leia mais

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R 8 DICAS ESSENCIAIS PARA ESCOLHER SUA CORRETORA W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R Aviso Importante O autor não tem nenhum vínculo com as pessoas, instituições financeiras e produtos, citados, utilizando-os

Leia mais

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Antes de iniciar o tutorial, baixar os seguintes arquivos da página do Prof. Wilson: Plataforma reutilizável: http://homepages.dcc.ufmg.br/~wilson/praxis/3.0/praxis.zip

Leia mais

Desenvolvimento de uma Etapa

Desenvolvimento de uma Etapa Desenvolvimento de uma Etapa A Fase Evolutiva do desenvolvimento de um sistema compreende uma sucessão de etapas de trabalho. Cada etapa configura-se na forma de um mini-ciclo que abrange as atividades

Leia mais

Introdução à Bonita BPM

Introdução à Bonita BPM WHITE PAPER Introdução à Bonita BPM Como começar a usar o Bonita BPM para capturar um processo conceitual e transformá-lo em um diagrama de processo Charlotte Adams, Alexandre Bricout e Maria Picard, Bonitasoft

Leia mais

MICROSOFT VISIO 2013 MODELOS ELABORANDO ORGANOGRAMAS

MICROSOFT VISIO 2013 MODELOS ELABORANDO ORGANOGRAMAS MODELOS O Microsoft Office Visio 2013 possui uma ampla variedade de modelos pré-definidos para agilizar a produção de diagramas. A vantagem de escolhermos um modelo é a praticidade de que as formas que

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

INTRODUÇÃO ENTENDENDO O MODO CACHE

INTRODUÇÃO ENTENDENDO O MODO CACHE INTRODUÇÃO A Resolução nº 278/2011 PRES, modificada em parte pela Resolução nº 290/2012 PRES, regulamenta a utilização do correio eletrônico no âmbito da Justiça Federal da Terceira Região. Para atender

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

ICC - DIA Manual de Uso Versão 1.0 Desenvolvido pelo Setor de T.I

ICC - DIA Manual de Uso Versão 1.0 Desenvolvido pelo Setor de T.I ICC - DIA Manual de Uso Versão 1.0 Desenvolvido pelo Setor de T.I Daniela Távora Elidiane Martins Luana Fernandes Índice 1 Introdução... 3 2 Iniciando o DIA... 4 3 Gerando um fluxograma... 7 4 Propriedades

Leia mais

Tutorial Novo Sistema de Negociação da Ligamagic

Tutorial Novo Sistema de Negociação da Ligamagic Tutorial Novo Sistema de Negociação da Ligamagic Índice (ctrl+f + código do item para localizar) Introdução [RF201] Painel de Negociações [RF202] Painel de Referências [RF203] Começando uma Negociação

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE SOCKETS E THREADS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CLIENTE / SERVIDOR: UM ESTUDO EM VB.NET

IMPLEMENTAÇÃO DE SOCKETS E THREADS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CLIENTE / SERVIDOR: UM ESTUDO EM VB.NET 1 IMPLEMENTAÇÃO DE SOCKETS E THREADS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CLIENTE / SERVIDOR: UM ESTUDO EM VB.NET Daniel da Silva Carla E. de Castro Franco Diogo Florenzano Avelino daniel.silva1@ext.mpsa.com

Leia mais

Como já foi dito anteriormente o Excel possui recursos que permitem alterar a aparência de nossas planilhas.

Como já foi dito anteriormente o Excel possui recursos que permitem alterar a aparência de nossas planilhas. Formatação de Células Como já foi dito anteriormente o Excel possui recursos que permitem alterar a aparência de nossas planilhas. O recurso de formatação de células é um recurso muito utilizado. Ele permite

Leia mais

Manual do Participante do Curso de Gestão da Assistência Farmacêutica - EaD

Manual do Participante do Curso de Gestão da Assistência Farmacêutica - EaD Capacitação - HÓRUS Manual do Participante do Curso de Gestão da Assistência Farmacêutica - EaD SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 INFORMAÇÕES SOBRE O CURSO... 3 2.1 Objetivos do curso... 3 2.2 Recursos de Aprendizagem...

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA III APOSTILA VISUAL

INFORMÁTICA APLICADA III APOSTILA VISUAL INFORMÁTICA APLICADA III APOSTILA VISUAL ACRESCENTANDO UMA NOVA COMPOSIÇÃO UNITÁRIA DE CUSTO AO BANCO GERAL DE DADOS (cunitgr.xls) Os arquivos cunitgr.xls e Bennett Profissional 04.xls são "pastas de trabalho"

Leia mais

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Caro aluno da EAD da ULBRA Para você ter acesso às salas das disciplinas ofertadas

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS Consigo rastrear o minha Compra? Sim. As informações mais atualizadas sobre sua Compra e a situação de entrega de sua Compra estão disponíveis em Meus pedidos.

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Curso de Modelagem de Processos CURSO DE MODELAGEM DE PROCESSOS. Tradução e Organização Adinilson Martins

Curso de Modelagem de Processos CURSO DE MODELAGEM DE PROCESSOS. Tradução e Organização Adinilson Martins CURSO DE MODELAGEM DE PROCESSOS Tradução e Organização Adinilson Martins 1 Sumário Introdução... 3 1. Conceito de Processo... 3 2. Análise de Processos... 5 2.1 Identificação dos processos institucionais...5

Leia mais

Business Process Integration Architecture

Business Process Integration Architecture Business Process Integration Architecture Definição, Motivações e Conceitos Base 3/2/2005 José Alves Marques 1 Processo de Negócio A modelação de processos está focada em: Criar e optimizar modelos de

Leia mais

Apresentação. Nossa sugestão é que você experimente e não tenha medo de clicar!!!

Apresentação. Nossa sugestão é que você experimente e não tenha medo de clicar!!! Apresentação Este manual é uma orientação para os participantes de cursos no ambiente Moodle do INSTITUTO PRISMA. Tem como objetivo orientar sobre as ações básicas de acesso e utilização do ambiente virtual

Leia mais

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO 1 Bem-vindo ao Oi Conta Empresa! A Oi tem o orgulho de lançar mais um produto para nossos clientes corporativos, o Oi Conta Empresa. Nele, nossos clientes poderão acessar

Leia mais

Guia Site Empresarial

Guia Site Empresarial Guia Site Empresarial Índice 1 - Fazer Fatura... 2 1.1 - Fazer uma nova fatura por valores de crédito... 2 1.2 - Fazer fatura alterando limites dos cartões... 6 1.3 - Fazer fatura repetindo última solicitação

Leia mais

Tutorial USERADM. Inserindo conteúdos no site

Tutorial USERADM. Inserindo conteúdos no site Tutorial USERADM Inserindo conteúdos no site Como acessar o Administrador de Conteúdos do site? 1. Primeiramente acesse o site de sua instituição, como exemplo vamos utilizar o site da Prefeitura de Aliança-TO,

Leia mais

Fóruns em Moodle (1.6.5+)

Fóruns em Moodle (1.6.5+) (1.6.5+) Ficha Técnica Título Fóruns em Moodle Autor Athail Rangel Pulino Filho Copyright Creative Commons Edição Agosto 2007 Athail Rangel Pulino 2 Índice O que são Fóruns 4 Criando um fórum 5 Nome do

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos I: Threads, virtualização e comunicação via protocolos Prof. MSc. Hugo Souza Nesta primeira parte sobre os Processos Distribuídos iremos abordar: Processos e a comunicação

Leia mais

TUTORIAL: INSTALANDO O SKYPE (VOIP - VOZ SOBRE IP) - ATUALIZAÇÃO

TUTORIAL: INSTALANDO O SKYPE (VOIP - VOZ SOBRE IP) - ATUALIZAÇÃO TUTORIAL: INSTALANDO O SKYPE (VOIP - VOZ SOBRE IP) - ATUALIZAÇÃO Com a popularização da banda larga, uma das tecnologias que ganhou muita força foi o VOIP (Voz sobre IP). Você com certeza já deve ter ouvido

Leia mais

Perguntas mais Frequentes sobre Escalas no AutoCAD e suas Respostas

Perguntas mais Frequentes sobre Escalas no AutoCAD e suas Respostas Perguntas mais Frequentes sobre Escalas no AutoCAD e suas Respostas Cleber Reis Professor de AutoCAD 2D e 3D AC5904-V Compreender as escalas no AutoCAD pode parecer uma tarefa difícil, mas não é. Qual

Leia mais

Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C

Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa. Ameliara Freire Continuando as aulas sobre os fundamentos

Leia mais

Múltiplos Estágios processo com três estágios Inquérito de Satisfação Fase II

Múltiplos Estágios processo com três estágios Inquérito de Satisfação Fase II O seguinte exercício contempla um processo com três estágios. Baseia-se no Inquérito de Satisfação Fase II, sendo, por isso, essencial compreender primeiro o problema antes de começar o tutorial. 1 1.

Leia mais

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Vinicius Lourenço de Sousa vinicius.lourenco.sousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil...

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil... Sumário INTRODUÇÃO... 3 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4 2. Ferramentas e Configurações... 5 2.1 Ver Perfil... 5 2.2 Modificar Perfil... 6 2.3 Alterar Senha... 11 2.4 Mensagens... 11 2.4.1 Mandando

Leia mais

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS Módulo 05 Projeto de Móveis CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS MÓDULO 05 Aula 03 Assuntos a serem abordados: 04. Desenhos que Compõem um Projeto de Detalhamento de

Leia mais

Um Software com mais funcionalidades...a pensar no seu negócio

Um Software com mais funcionalidades...a pensar no seu negócio Manual SM Contratos & Avenças Versão 2.8.4 Um Software com mais funcionalidades...a pensar no seu negócio 1 Índice SoftSolutions, Lda 2000/2012. Todos os direitos reservados...3 Todos os direitos reservados...3

Leia mais

Inventario de produtos

Inventario de produtos Inventario de produtos Parar o TAC. Gerar o inventario. Informações de erros na importação de produtos. Produtos sem código tributário associado. A posse de produtos no Thotau. Como corrigir as posses

Leia mais

OCOMON PRIMEIROS PASSOS

OCOMON PRIMEIROS PASSOS OCOMON PRIMEIROS PASSOS O OCOMON ainda não possui um arquivo de Help para atender a todas questões relacionadas ao sistema. Esse arquivo serve apenas para dar as principais instruções para que você tenha

Leia mais

Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0

Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0 Treinamentos em Gestão por Processos Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0 Representando processos de negócio com a notação mais poderosa do Mercado. BPMN (Business Process Model and Notation)

Leia mais

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO)

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 1 Prof. Cristóvão Cunha Objetivos de aprendizagem

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

Curso de Licenciatura em Informática

Curso de Licenciatura em Informática Curso de Licenciatura em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita EXERCÍCIOS SOBRE MODELAGEM DE CASOS DE USO Exercício 1: construa um Diagrama de Casos de

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

NESSE MANUAL VÃO SER SOLUCIONADAS AS SEGUINTES DÚVIDAS DE USO:

NESSE MANUAL VÃO SER SOLUCIONADAS AS SEGUINTES DÚVIDAS DE USO: NESSE MANUAL VÃO SER SOLUCIONADAS AS SEGUINTES DÚVIDAS DE USO: Sumário NA AGENDA COMO FAÇO PARA VER PACIENTES COM TRATAMENTO EM ABERTO MAIS SEM AGENDAMENTO?... 2 COMO FAÇO PARA PROCURAR UM PACIENTE E IMPRIMIR

Leia mais

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier isupplier Revisão 01 Setembro 2011 Sumário 1 Acesso ao portal isupplier... 03 2 Home Funções da Tela Inicial... 05 3 Ordens de Compra Consultar Ordens de Compra... 07 4 Entregas Consultar Entregas... 13

Leia mais

MANUAL DO ANIMAIL 1.0.0.1142 Terti Software

MANUAL DO ANIMAIL 1.0.0.1142 Terti Software O Animail é um software para criar campanhas de envio de email (email Marketing). Você pode criar diversas campanhas para públicos diferenciados. Tela Principal do sistema Para melhor apresentar o sistema,

Leia mais

&XUVRGH,QWURGXomRDR (GLWRUGH3ODQLOKDV([FHO

&XUVRGH,QWURGXomRDR (GLWRUGH3ODQLOKDV([FHO Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática &XUVRGH,QWURGXomRDR (GLWRUGH3ODQLOKDV([FHO Flaviano Aguiar Liziane Santos Soares Jugurta Lisboa Filho (Orientador) PROJETO UNESC@LA Setembro de

Leia mais

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO (exceto Administradores de Conta)

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO (exceto Administradores de Conta) OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO (exceto Administradores de Conta) 1 Bem-vindo ao Oi Conta Empresa! A Oi tem o orgulho de lançar mais um produto para nossos clientes corporativos, o Oi Conta Empresa.

Leia mais

COMO ATUALIZAR AUTOMATICAMENTE PLANILHAS EM EXCEL OBTENDO INFORMAÇÕES ON-LINE VIA INTERNET

COMO ATUALIZAR AUTOMATICAMENTE PLANILHAS EM EXCEL OBTENDO INFORMAÇÕES ON-LINE VIA INTERNET COMO ATUALIZAR AUTOMATICAMENTE PLANILHAS EM EXCEL OBTENDO INFORMAÇÕES ON-LINE VIA INTERNET! Como atualizar dados de planilhas automaticamente via Internet?! Que tipo de dados podem ser atualizados?! Quais

Leia mais

Gestão inteligente de documentos eletrônicos

Gestão inteligente de documentos eletrônicos Gestão inteligente de documentos eletrônicos MANUAL DE UTILIZAÇÃO VISÃO DE EMPRESAS VISÃO EMPRESAS - USUÁRIOS (OVERVIEW) No ELDOC, o perfil de EMPRESA refere-se aos usuários com papel operacional. São

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Manual do KSystemLog. Nicolas Ternisien

Manual do KSystemLog. Nicolas Ternisien Nicolas Ternisien 2 Conteúdo 1 Usando o KSystemLog 5 1.1 Introdução.......................................... 5 1.1.1 O que é KSystemLog?............................... 5 1.1.2 Recursos.......................................

Leia mais

Programa do Curso de ESW

Programa do Curso de ESW 1 Programa do Curso de ESW Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) Diagramas de Interação: Sequência, Comunicação Processo Unificado (RUP) Métodos Orientados a Objetos

Leia mais

Clarion 7 Gold Julio Cesar Pedroso

Clarion 7 Gold Julio Cesar Pedroso Clarion 7 Gold Algumas considerações Desde o dia 13 de abril estamos trabalhando e testando a versão Gold do Clarion 7, que foi liberado, de maneira muito cautelosa pela SoftVelocity, sem grandes alardes,

Leia mais

Implantação de ERP com sucesso

Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso, atualmente ainda é como um jogo de xadrez, você pode estar pensando que está ganhando na implantação, mas de repente: Check Mate. Algumas

Leia mais

REQUISITOS DE SISTEMAS

REQUISITOS DE SISTEMAS REQUISITOS DE SISTEMAS MÓDULO 2 PROCESSOS DE NEGÓCIOS CONTEÚDO 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS MODELAGEM (BPM e UML) PROCESSOS X REQUISITOS 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 -

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 - GUIA RÁPIDO - 1 - Sumário Introdução...3 Por que utilizar o Construtor de Sites?...3 Vantagens do Construtor de Sites...3 Conceitos básicos...3 Configuração básica do site...5 Definindo o layout/template

Leia mais

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal 29/11/2012 Índice ÍNDICE... 2 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O QUE É E-COMMERCE?... 4 3. LOJA FOCCO... 4 4. COMPRA... 13 5. E-MAILS DE CONFIRMAÇÃO... 14 6.

Leia mais

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Área Responsável Implantação Preparado por: Leonardo Moulin Franco 27 de maio de 2009 Revisão 00 TABELA DE REVISÃO DESTE MANUAL REVISÃO

Leia mais

GUIA MUDANÇA E FORMATAÇÃO DE SERVIDOR - SLIM

GUIA MUDANÇA E FORMATAÇÃO DE SERVIDOR - SLIM GUIA MUDANÇA E FORMATAÇÃO DE SERVIDOR - SLIM ÍNDICE ITEM Página 1. Objetivo... 3 2. Requisitos... 3 3. Diretório do Slim... 3 4. Procedimento para Transferência de Servidor... 3 4.1 Compartilhamento da

Leia mais

MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - NETAULA CURSOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL ALUNO

MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - NETAULA CURSOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL ALUNO MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - NETAULA CURSOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL ALUNO MANUAL NETAULA PERFIL ALUNO Caro aluno da EAD da ULBRA Para você ter acesso às salas das disciplinas ofertadas

Leia mais

Manual Operacional no Modo de Múltiplos Usuários para Fechaduras Modelos 2006 e 2007

Manual Operacional no Modo de Múltiplos Usuários para Fechaduras Modelos 2006 e 2007 Page 1 of 5 Manual Operacional no Modo de Múltiplos Usuários para Fechaduras Modelos 2006 e 2007 Alterar de Múltiplos Usuários para Usuário Duplo Esta alteração de função não-reversível deve ser feita

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais

Integração Sigajuri x RM

Integração Sigajuri x RM Integração Sigajuri x RM Abril/2015 Sumário 1. Contexto de negócio (Introdução)... 3 2. Sistemas Envolvidos... 3 3. Integração... 3 4. Escopo... 6 5. Pré-requisitos instalação/implantação/utilização...

Leia mais

A Estação da Evolução

A Estação da Evolução Microsoft Excel 2010, o que é isto? Micorsoft Excel é um programa do tipo planilha eletrônica. As planilhas eletrônicas são utilizadas pelas empresas pra a construção e controle onde a função principal

Leia mais

Curso Capacitação da Ufms 2012

Curso Capacitação da Ufms 2012 Anexos Excel básico 2007 Anexo1 Subtotais Pode-se destacar duas formas de fazer subtotais, sem uso de tabelas dinâmicas. A Primeira, você vai fazer dois passos, classificar e depois o subtotal. Tomando

Leia mais

Por Ismael de Carvalho Foto: Maciço da Tijuca, Rio de Janeiro

Por Ismael de Carvalho Foto: Maciço da Tijuca, Rio de Janeiro Otimiz ando o Uso do Excel através do Visual Para leigos em programação Por Ismael de Carvalho Foto: Maciço da Tijuca, Rio de Janeiro APRESENTAÇÃO Esta abordagem não esgotará o assunto, já que o nosso

Leia mais

MANUAL HELP-DESK DATACOM AUTOMAÇÕES

MANUAL HELP-DESK DATACOM AUTOMAÇÕES MANUAL HELP-DESK DATACOM AUTOMAÇÕES Esse Manual tem como objetivo explicar todas as funções do novo sistema de abertura de chamados da Datacom Automações. Esse novo programa facilitará o atendimento entre

Leia mais

MANUAL DO LAUDO DE ANALISE

MANUAL DO LAUDO DE ANALISE MANUAL DO LAUDO DE ANALISE Emissão: 17/05/2011 Revisão: 26/05/2015 Revisado por: Juliana INDICE I. Que tipos de LAUDO de ANALISE...03 II. O que é uma PROPRIEDADE...03 III. Como fazer para cadastras as

Leia mais

CURSO DE MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE TRABALHO COM BPMN E BIZAGI

CURSO DE MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE TRABALHO COM BPMN E BIZAGI INSTITUTO SERZEDELLO CORRÊA CURSO DE MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE TRABALHO COM BPMN E BIZAGI Aula 2 Notação BPMN para mapeamento de processos de trabalho JANEIRO, 2013 Copyright 2013, Tribunal de Contas

Leia mais

JBOLETO GENERATOR A maneira mais fácil para trabalhar com boletos bancários. Agradecimentos

JBOLETO GENERATOR A maneira mais fácil para trabalhar com boletos bancários. Agradecimentos Agradecimentos Ao concluir a confecção deste manual, gostaria de agradecer a equipe de desenvolvimento da empresa onde trabalho por ter ajudado e acreditado neste projeto: Márcio Morais (Analista de Sistemas),

Leia mais

INSTITUTO TEOLÓGICO MONTE DAS OLIVEIRAS Site: www.itemol.com.br / E-mail: itemol@itemol.com.br

INSTITUTO TEOLÓGICO MONTE DAS OLIVEIRAS Site: www.itemol.com.br / E-mail: itemol@itemol.com.br INSTITUTO TEOLÓGICO MONTE DAS OLIVEIRAS Site: www.itemol.com.br / E-mail: itemol@itemol.com.br DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES AOS ALUNOS PARA UTILIZAÇÃO DOS CAMPUS

Leia mais