CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA Curso de Graduação em Administração com habilitação em Administração Hoteleira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA Curso de Graduação em Administração com habilitação em Administração Hoteleira"

Transcrição

1 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA Curso de Graduação em Administração com habilitação em Administração Hoteleira MICHELE SILVA ARAÚJO CREDENCIAMENTO DOS ALBERGUES DA JUVENTUDE NA CIDADE DE SALVADOR, LOCALIZADOS NA BARRA E NO CENTRO HISTÓRICO SALVADOR 2005

2 MICHELE SILVA ARAÚJO CREDENCIAMENTO DOS ALBERGUES DA JUVENTUDE NA CIDADE DE SALVADOR, LOCALIZADOS NA BARRA E NO CENTRO HISTÓRICO Monografia apresentada ao Curso de Graduação em Administração com Habilitação em Administração Hoteleira do Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia como requisito obrigatório para obtenção do título de Bacharel em Administração com Habilitação em Administração Hoteleira Orientadora: Glauria Janaina dos Santos SALVADOR 2005

3 TERMO DE APROVAÇÃO MICHELE SILVA ARAÚJO CREDENCIAMENTO DOS ALBERGUES DA JUVENTUDE NA CIDADE DE SALVADOR, LOCALIZADOS NA BARRA E NO CENTRO HISTÓRICO Esta monografia foi julgada e aprovada para obtenção do título de Bacharel em Administração com Habilitação em Administração Hoteleira no Curso de Administração com Habilitação em Administração Hoteleira do Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia. Banca Examinadora PROFª. GLAURIA JANAINA DOS SANTOS - ORIENTADORA PROFº DR. CARLOS ALEX DE CANTUÁRIA CYPRIANO - EXAMINADOR PROFº. DR. NILTON VASCONCELOS JÚNIOR - EXAMINADOR Salvador, 16 de Novembro de 2005

4 Aos meus queridos pais, José Elias e Maria José, por serem o meu suporte, dando-me sempre amor e incentivo, torcendo por minhas vitórias e conquistas, e ao meu companheiro de todas as horas, Pedro, pela paciência, apoio e carinho.

5 AGRADECIMENTOS A Deus por estar sempre presente em minha vida, iluminando meu caminho; A minha família, meu noivo e meus amigos pela compreensão e apoio em todos os momentos e por estarem sempre ao meu lado; Ao Professor Coordenador Alex Cypriano, pelo apoio e colaboração; A Professora, Orientadora e Amiga Glauria Janaina, pelo incentivo, paciência e dedicação constantes; A todos os professores desta Instituição que contribuíram para o meu crescimento acadêmico, e em especial ao Professor Nilton Vasconcelos, pela confiança sempre demonstrada; Aos proprietários e representantes dos estabelecimentos visitados, pela disponibilidade e informações cedidas, em especial a Maria Auxiliadora, funcionária do Laranjeiras Hostel, pela paciência, boa vontade e contribuição indispensáveis para o desenvolvimento desta pesquisa; Enfim, a todos que de alguma forma me ajudaram no desenvolvimento desta pesquisa, contribuindo para o meu desenvolvimento pessoal e profissional.

6 O mundo é como um livro Quem não viaja, só lê uma página. Santo Agostinho

7 RESUMO O Turismo está em constante desenvolvimento e um dos suportes básicos para a concretização das viagens turísticas são os meios de hospedagem. O fato do hóspede ser cada vez mais exigente e diversificado obriga os hoteleiros a se adaptarem às suas necessidades. No Brasil, quem procura um local agradável, de boa qualidade e a um preço acessível, pode recorrer a um Albergue da Juventude, que quando filiado a Federação Brasileira de Albergues da Juventude (FBAJ), atende a um conjunto de requisitos e normas internacionais estipulados pela Federação Internacional de Albergues da Juventude. Sendo assim, o presente estudo tem a finalidade de verificar a possibilidade de credenciamento junto à essa entidade, considerando os albergues localizados no Centro Histórico e na Barra, visto que dos 12 (doze) estabelecimentos desse tipo existentes nessas localidades, somente 03 (três) são credenciados. São analisadas questões físicas e funcionais dos albergues independentes, assim como seu interesse pelo credenciamento. Os resultados obtidos indicam desinteresse e indiferença pela Federação. PALAVRAS-CHAVE: Hospedagem, Turismo da Juventude, Albergues da Juventude, Classificação, Credenciamento.

8 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 - Estrutura Organizacional da IYHF 35 FIGURA 2 - Gráfico comparativo entre a quantidade de itens, relacionados aos quesitos Estrutura, Serviços Obrigatórios e Serviços Desejáveis, cumpridos pelos albergues 58

9 LISTA DE TABELAS TABELA 1 - Classificação por categoria segundo padrão de qualidade e Serviços 39 TABELA 2 - Registro Legal dos albergues não credenciados 44 TABELA 3 - Cálculo Peça/Leito 49 TABELA 4 - Avaliação da conformidade dos critérios estabelecidos pela FBAJ em relação a Estrutura dos albergues 51 TABELA 5 - Avaliação da conformidade dos critérios estabelecidos pela FBAJ em relação aos Serviços Obrigatórios oferecido pelos albergues 54 TABELA 6 - Avaliação da conformidade dos critérios estabelecidos pela FBAJ em relação aos Serviços Desejáveis oferecido pelos albergues 57 TABELA 7 - Comparativo entre as Médias obtidas pelos albergues 59 TABELA 8 - Comparativo entre as Médias obtidas pelos albergues considerando os quesitos relacionados à Estrutura e Serviços Obrigatórios 60

10 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS ABIH - Associação Brasileira da Indústria de Hotéis ALBERJ - Associação de Albergues da Juventude do Estado do Rio de Janeiro APAJ - Associação Paulista de Albergues da Juventude AT - Albergue de Turismo BAHIATURSA - Empresa de Turismo da Bahia CNTUR - Conselho Nacional de Turismo EMBRATUR - Instituto Brasileiro de Turismo FBAJ - Federação Brasileira de Albergues da Juventude FNRH - Ficha Nacional de Registro de Hóspede HI - Hostelling International IBN - International Booking Network INFRAERO - Empresa Brasileira Aeroportuária INMETRO - Instituto Nacional de Metrologia Normalização e Qualidade Industrial IYHF - International Youth Hostel Federation (Federação Internacional de Albergues da Juventude) PROCON - Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequenas Empresas UH - Unidade Habitacional

11 SUMÁRIO f. 1 INTRODUÇÃO 12 2 A ATIVIDADE TURÍSTICA O TURISMO NO BRASIL O Destino Bahia 19 3 A HOTELARIA MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO HOTELEIRO 24 4 TURISMO DA JUVENTUDE CARACTERIZAÇÃO DE ALBERGUE DA JUVENTUDE HOSTELS Histórico do Alberguismo Definição Hostelling International e Federação Brasileira de Albergues da Juventude Procedimentos Preliminares para Credenciamento 37 5 METODOLOGIA APLICADA 40 6 RESULTADOS DA PESQUISA 43 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS 65 APÊNDICE A 67

12 APÊNDICE B 68 APÊNDICE C 69 ANEXO A 72 ANEXO B 73 ANEXO C 74 ANEXO D 75

13 1 INTRODUÇÃO O Turismo abrange diversos tipos de viagens, equipamentos, transportes, passeios locais, mão-de-obra especializada e hospedagens. A hotelaria é parte integrante desse processo, pois não se consegue fazer crescer o Turismo sem locais para que o turista possa descansar e pernoitar. Segundo Chon & Sparrowe (2003), para satisfazer o hóspede, por causa do crescimento econômico geral e do aumento da oferta dos meios de hospedagem, os estabelecimentos de hospedagem mudam continuamente e os hoteleiros vem tentando se diferenciar no mercado oferecendo acomodações cada vez mais especializadas e destinadas a um determinado tipo de hóspede. A variedade dos estabelecimentos de hospedagem cresce conforme a demanda. Jovens viajantes, por exemplo, geralmente optam por quartos mais baratos, com cozinhas comunitárias, oferecidos pelos Albergues da Juventude. Os Albergues da Juventude são hospedagens extra-hoteleiras destinadas predominantemente ao público jovem. Esse tipo de meio de hospedagem existente no Brasil pode ser credenciado a Federação Brasileira de Albergues da Juventude (FBAJ) que, por sua vez, é filiada a Federação Internacional de Albergues da Juventude (IYHF) detentora da marca Hostelling International (HI), ou simplesmente ser um albergue independente. A IYHF estabelece regras para o bom andamento dos Albergues da Juventude pertencentes à Rede. Isso significa que os Albergues da Juventude credenciados a essa entidade seguem normas e critérios internacionais, que são adaptados pelas Federações Nacionais à realidade de cada país.

14 Anualmente, cada Federação inspeciona os Albergues da Juventude de seu país para que se verifique o nível da qualidade do estabelecimento. Caso as normas não estejam sendo adequadamente cumpridas, os mesmos poderão ser descredenciados da Rede (FEDERAÇÃO, 2005). Segundo a FBAJ (2005), no Brasil existem 86 (oitenta e seis) Albergues credenciados à Hostelling International através da FBAJ, dos quais 10 (dez) encontram-se na Bahia. Em Salvador, nas regiões do Centro Histórico e da Barra, existem 12 (doze) Albergues da Juventude sendo que 03 (três) deles são credenciados a FBAJ. Sendo assim, o estudo sugerido justifica-se pela necessidade de conhecer os motivos pelos quais a maioria dos albergues de Salvador não possui o credenciamento junto a FBAJ, fato ainda não documentado. Levando em consideração o sistema de credenciamento e classificação dos Albergues da Juventude adotados pela FBAJ, a presente pesquisa pretende destacar se os albergues, não credenciados, em funcionamento no Centro Histórico de Salvador e na Barra possuem condições de se enquadrar, ou teriam condições de se adaptar aos pré-requisitos exigidos pela FBAJ para a obtenção do credenciamento, ou seja, pretende-se destacar até que ponto os albergues não credenciados não atendem as exigências desta entidade. Além disso, procurou-se verificar os motivos que levam os donos desses albergues a não buscarem o credenciamento junto a FBAJ. Sendo assim, a presente pesquisa assumiu como objetivos: a) Identificar os Albergues da Juventude existentes no Centro Histórico de Salvador e na Barra, dividindo-os em credenciados e não-credenciados a FBAJ;

15 b) Identificar os pré-requisitos a serem atingidos para obtenção do credenciamento junto a FBAJ analisando até que ponto os Albergues não pertencentes à rede não conseguem alcançá-los; c) Identificar os procedimentos adotados pela FBAJ para a análise da possibilidade de credenciamento de um Albergue da Juventude; d) Identificar a taxa de ocupação dos Albergues da Juventude de Salvador credenciados a FBAJ e fazer um comparativo com os Albergues da Juventude que não são credenciados; e) Identificar os motivos que levam os proprietários de Albergues da Juventude de Salvador a se interessarem, ou não, pelo credenciamento junto a IYHF. A análise desses aspectos poderá servir como base para uma estratégia de ação a fim de implementar a qualidade da oferta no setor, transformando o destino Salvador em um dos mais preparados para receber o público alberguista no Brasil. A hipótese que sustenta esta pesquisa é de que a infra-estrutura e os serviços exigidos pela FBAJ, o pagamento de taxa de manutenção da marca e a necessidade de registro junto à EMBRATUR determinam a decisão de não buscar o credenciamento, além da falta de interesse dos proprietários em se adequar às normas da FBAJ. O presente trabalho está dividido em sete capítulos, sendo este o primeiro. No segundo capítulo será abordado brevemente o cenário turístico atual, contextualizando a atividade turística, o Turismo no Brasil e o destino Bahia, focalizando a capital Salvador, cidade do objeto da pesquisa. O terceiro capítulo discorre sobre a hotelaria, os meios de hospedagem e a importância do seu sistema de classificação. O quarto capítulo aborda o Turismo da Juventude e seu principal

16 meio de hospedagem, os Albergues da Juventude, dando definições do que vem a ser o mesmo e como se deu sua criação no mundo e no Brasil. Além disso, esse capítulo também apresenta a Hostelling International e Federação Brasileira de Albergues da Juventude e quais os procedimentos necessários para o credenciamento junto a essa entidade. No quinto capítulo é apresentada a metodologia aplicada para o desenvolvimento desta pesquisa. Os resultados obtidos com a pesquisa serão apresentados no sexto capítulo e no sétimo capítulo serão feitas as considerações finais a cerca da pesquisa realizada.

17 2 A ATIVIDADE TURÍSTICA O Turismo aponta nesse início de terceiro milênio como um dos mais promissores caminhos para aqueles países que acreditam e investem em tal atividade. Ele é um grande movimento na história da humanidade e está em crescimento constante. Souza & Souza (2002) afirmam que este aumento responde a uma série de necessidades do ser humano, como mudança de espaço, bem-estar e repouso, busca de expressões culturais diferenciadas, longe da rotina do dia-a-dia. Segundo Andrade (1998) Turismo é o conjunto de serviços que tem por objetivo o planejamento, a promoção e a execução de viagens, e os serviços de recepção, hospedagem e atendimento aos indivíduos e aos grupos, fora de suas residências habituais. Já Montejano (2001) define Turismo como sendo o conjunto de atividades realizadas pelas pessoas durante suas viagens e estadas em lugares distintos do seu ambiente habitual, por um período de tempo consecutivo inferior a um ano, com finalidades de lazer, negócio e outros motivos. Por ser uma atividade que necessita do imaginário, o Turismo deve permitir a realização dos sonhos dos turistas, uma vez que os turistas buscam realizar seus sonhos e desejos para que, dessa forma, em um curto espaço de tempo, possam se desconectar do seu cotidiano. Para Medeiros (2003) a arte do bem servir e receber torna-se, portanto, uma condição essencial. Segundo a mesma autora, um turista quando viaja busca diferenças de sua localidade, de seus hábitos e costumes. Cada destinação possui uma marca própria, uma peculiaridade que a torna diferente das demais e que, por isso, torna-se um atrativo diferencial. Os turistas olham o novo local com um olhar diferenciado, pois

18 este novo local é considerado algo fora do habitual. Quando as pessoas viajam para locais que desconhecem, o que elas procuram são sinais que caracterizem o local em que eles estão. 2.1 O TURISMO NO BRASIL A partir da década de 90 o Governo Brasileiro começou a fazer investimentos em (...) infra-estrutura, saneamento e recuperação das rodovias com o intuito de elevar o padrão dos pontos turísticos e assim receber e criar condições para que o turista internacional chegasse de vez no Brasil (NASCIMENTO, 2003). Sendo assim, os governantes começaram a articular projetos relacionados ao turismo, visando um aumento dessa atividade de forma que fosse possível gerar divisas econômicas, acarretando geração de emprego, aumento de renda e uma maior arrecadação de impostos. O turismo no Brasil vem apresentando índices de crescimento constante em geração de divisas e em desembarques internacionais e nacionais. Dados da EMBRATUR (2005) revelam que no ano passado, o turismo foi o sexto produto na balança de exportações. O desempenho de janeiro a julho deste ano, com uma receita de US$ 2,1 bilhões, levou o turismo para a terceira posição, atrás apenas do minério de ferro e da soja em grão. Agosto foi o melhor mês no ingresso de dólares de turistas, elevando o acumulado do ano para US$ bilhões. O produto Brasil, por oferecer inúmeros destinos turísticos, preços compatíveis com o mercado, boa infra-estrutura hoteleira e diferenciais criativos,

19 tornou-se um dos países mais procurados pelos turistas internacionais. Segundo a EMBRATUR (2005) as cidades do Rio de Janeiro e Búzios, juntas, recebem mais de 40% dos turistas estrangeiros que vieram ao Brasil em O Rio está em primeiro lugar, seguida de São Paulo, Salvador, Fortaleza, Recife, Foz do Iguaçu, Búzios, Porto Alegre, Florianópolis e Belo Horizonte. Esse ranking mostra que o mesmo turista pode ter visitado mais de uma cidade durante sua estada no país. Os países que mais mandaram turistas ao Brasil, em 2003, foram a Argentina, os Estados Unidos, Alemanha, Uruguai e Portugal. No exterior, as ações de Marketing resultaram em um grande aumento no fluxo turístico, da taxa de permanência e do gasto médio dos visitantes estrangeiros no país. Os desembarques em vôos internacionais somaram, de janeiro a agosto deste ano, mais de 4,5 bilhões de passageiros, número 15,1% superior ao mesmo período de 2004 (EMBRATUR, 2005). Esses números incluem estrangeiros em visita ao país e brasileiros em retorno de viagens ao exterior. É importante destacar que os vôos que tiveram maior destaque em crescimento foram os vôos charters 1. Com relação ao mercado interno, as Campanhas de Marketing valorizaram as belezas naturais e a cultura que o Brasil tem a oferecer, despertando no brasileiro a vontade de conhecer o seu país. O número de desembarques de passageiros em vôos nacionais chegou a 28 bilhões nos oito primeiros meses deste ano, o que mostra um crescimento bastante expressivo, de 19,3%, em relação ao mesmo período de 2004 (EMBRATUR, 2005). Esses dados, contabilizados pela Empresa Brasileira Aeroportuária (Infraero), mostram que os brasileiros têm viajado mais de avião dentro do próprio país, mesmo fora do período de férias. Maior oferta de vôos e preços atrativos têm permitido mais acesso e opção de escolha para viagens de 1 Vôos não-regulares.

20 lazer, de negócios ou familiares O Destino Bahia No que se refere à Bahia, o Turismo é a terceira atividade econômica, por possuir inúmeros atrativos turísticos, como belíssimas praias e uma cultura bastante rica e diversificada. Cláudio Taboada, presidente da Empresa de Turismo da Bahia (BAHIATURSA) 2, afirma que: O grande crescimento alcançado pelo setor entre 2000/2004 é reflexo de um investimento contínuo na promoção do estado. Cada vez mais o envolvimento dos agentes de viagem, das redes hoteleiras, das companhias aéreas e de todos os atores da cadeia do turismo tem colaborado para essa promoção (BAHIATURSA, 2005). A Bahia possui 567 quilômetros quadrados da mais rica diversidade ambiental que, de acordo com a BAHIATURSA (2005) se dividem em destinos turísticos que começam no Norte do Estado - nos Lagos do São Francisco e Caminho das Águas - passando pela Chapada Norte, Chapada Diamantina - com o Ciclo do Ouro e o Ciclo do Diamante - Caminhos do Oeste, e descem rumo ao litoral: Costa dos Coqueiros, Baía de Todos os Santos, Costa do Dendê, Costa do Cacau, 2 A BAHIATURSA foi criada em 1968, com a denominação de Hotéis de Turismo do Estado da Bahia S.A., com a finalidade de construir e ampliar hotéis e pousadas. No início dos anos 70, a BAHIATURSA foi remanejada para a Secretaria da Indústria e Comércio, assumindo a responsabilidade de implementar uma política de Turismo, passando a executar um amplo programa de treinamento de mão-de-obra. Em 1973, a Bahiatursa alterou sua razão social, passando a denominar-se Empresa de Turismo da Bahia, S. A. (BAHIATURSA, 2005).

21 Costa do Descobrimento, Costa das Baleias, Recôncavo, Sertão e Salvador. Por sua condição histórica de destaque na formação do país, pelo legado deixado por povos de outros continentes, pela miscigenação cultural e pelo sincretismo religioso, Salvador é uma cidade que desperta o interesse dos mais diversos públicos que visitam o Brasil, tornando-se o destino mais procurado do estado. A capital baiana possui um importante patrimônio histórico e arquitetônico colonial, onde o turista pode circular pelas diversas ruas com sobrados, casarões e igrejas, contrastando com uma nova Salvador de avenidas, prédios e bairros modernos. Salvador, além de ter sido a primeira capital do Brasil, é considerada a capital cultural do país, berço de grandes nomes nas diversas manifestações artísticas, com destaque nacional e internacional. A atividade cultural e o turismo têm sido reconhecidos pelo governo como importantes geradores de emprego e renda, impulsionando as artes e a preservação dos patrimônios artístico e cultural. Ao chegar em Salvador, um dos primeiros locais que o turista visita são as ruas do Centro Histórico, que o transportam para os primórdios da história da Bahia e do Brasil. O Centro Histórico de Salvador agrada o turista pelo fato de conservar a estrutura urbana original do século XVI, com sua expansão no século seguinte. Outro local bastante procurado pelos turistas é a Barra devido a suas praias, sua orla onde são encontrados hotéis, pousadas, bares e restaurantes, que funcionam todos os dias. Dessa forma, esses locais devem estar preparados para atendê-los procurando desenvolver um dos suportes básicos e fundamentais para concretização da viagem turística, os meios de hospedagem.

22 3 A HOTELARIA O produto turístico é um bem de consumo abstrato, vivido como uma experiência, pois ele só existe enquanto o turista está presente naquele lugar e consumindo os serviços. Seus componentes não podem ser estocados e seus serviços são prestados de forma irregular. De acordo com Souza & Souza (1998) a instabilidade da demanda faz com que se torne difícil prever com exatidão a procura dos serviços turísticos, pois o produto turístico é um conjunto de bens e serviços e só pode ser testado no ato do consumo, ou seja, não pode ser testado antes da compra. Para Vianna (2004), ao se estudar a atividade turística, percebe-se a importância do papel desempenhado pelos meios de hospedagem para o seu desenvolvimento, uma vez que a função básica dos meios de hospedagem é alojar pessoas que não se encontram em seus lares e, portanto, necessitam de um lugar para descansar. A hospedagem, isto é, o conjunto de atividades próprias de um hotel é um produto turístico. A oferta hoteleira é bastante variada e cada meio de hospedagem possui uma característica própria, seja na arquitetura ou nos serviços oferecidos e a principal finalidade da indústria hoteleira é o fornecimento de hospedagem, segurança, alimentação e demais serviços inerentes à atividade de receber o hóspede. Castelli (2001), define o produto hoteleiro como sendo:

23 [...] um conjunto de bens e serviços que objetivam satisfazer o cliente: os bens são constituídos pelos produtos tangíveis como apartamentos, bebidas, refeições etc. e os serviços são constituídos pelo conjunto de ações (intangíveis) que fazem com que o cliente possa usufruir dos bens (CASTELLI, 2001). A empresa hoteleira é a pessoa jurídica (...) que explora ou administra meio de hospedagem e que tenha em seus objetivos sociais o exercício da atividade hoteleira (EMBRATUR, 2005). Uma vez que a principal finalidade da indústria hoteleira é o fornecimento de hospedagem, segurança, alimentação e demais serviços inerentes à atividade de receber o hóspede. 3.1 MEIOS DE HOSPEDAGEM A EMBRATUR (2005), no Regulamento Geral de Meios de Hospedagem, define Meio de Hospedagem o estabelecimento que satisfaça, cumulativamente, às seguintes condições: a) Seja licenciado pelas autoridades competentes para prestar serviço de hospedagem; b) Seja administrado ou explorado comercialmente por empresa hoteleira e que adote, no relacionamento com os hóspedes, contrato de hospedagem, com as características definidas no Regulamento e nas demais legislações aplicáveis. Ainda segundo este Regulamento, os meios de hospedagem devem oferecer ao hóspede, no mínimo:

24 a) Alojamento, para uso temporário do hóspede, em Unidades Habitacionais (UH s) específicas a essa finalidade; c) Portaria/recepção para atendimento e controle permanentes de entrada e saída; d) Guarda de bagagens e objetos de uso pessoal dos hóspedes, em local apropriado; e) Conservação, manutenção, arrumação e limpeza das áreas, instalações e equipamentos (EMBRATUR, 2005). De acordo com a EMBRATUR (2005): Serviços de hospedagem são aqueles prestados por empreendimentos ou estabelecimentos que ofertam alojamento temporário para hóspedes, mediante adoção de contrato, tácito ou expresso, de hospedagem e cobrança de diária 3, pela ocupação da UH. (EMBRATUR, 2005). Montejano (2001), distingui dois tipos de hospedagens turísticas: as hospedagens turísticas hoteleiras que estão sujeitas a uma normativa e classificação específica (da EMBRATUR); e as hospedagens extra-hoteleiras, que oferecem tipos de hospedagem diferentes dos oferecidos pelos hotéis, devido a sua diferente ordenação legal, infra-estrutura, preços e serviços. Os principais tipos de hospedagem extra-hoteleiros são os campings, colônias de férias, albergues da juventude (objeto de estudo deste trabalho), chalés, pensões, pensionatos, acampamento de férias, bed & breakfast e alojamentos de turismo rural. Diante disso, conclui-se que as hospedagens extra-hoteleiras, alternativas 3 Entende-se por diária o preço de hospedagem correspondente à utilização da UH e dos serviços incluídos, observados os horários fixados para entrada (check-in) e saída (check-out).

25 ou não convencionais, fazem parte do chamado Turismo Alternativo 4, já que complementam a oferta de leitos nos destinos turísticos e têm como característica serem mais econômicos que as hospedagens hoteleiras convencionais, oferecendo serviços diferenciados. Atualmente, muitos meios de hospedagem estão modificando suas ofertas através de variados tipos de equipamentos para acomodação e serviços, pois os diferentes tipos de consumidores não querem somente um local para passar a noite e descansar, mas também querem um local onde os serviços prestados sejam de boa qualidade e a preços acessíveis. Com o crescimento da atividade hoteleira, em virtude das constantes mudanças econômicas e sociais, as opções de hospedagem atualmente vão além dos hotéis de luxo ou econômicos. Os hoteleiros estão tentando cada vez mais se diferenciar no mercado, oferecendo acomodações especializadas, visando atender os diferentes perfis do público consumidor, que estão em busca de serviços e preços diferenciados que atendam as suas expectativas. 3.2 SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO HOTELEIRO As categorias de hotéis, no Brasil, são estabelecidas pelo sistema de classificação oficial elaborado pelo Instituto Brasileiro de Turismo (EMBRATUR) e 4 O Turismo Alternativo remete à hospedagem de pequeno porte, de pequenos empreendedores, com características bem simples.

26 Associação Brasileira da Indústria de Hotéis 5 (ABIH). A legislação de classificação hoteleira demorou a ser atualizada porque não havia um entendimento entre governo e setor privado para estabelecer os critérios do novo sistema. Até 1996, era do governo a obrigação de avaliar as exigências para classificação com estrelas. A análise baseava-se na análise da estrutura física, o que levou o sistema a ficar defasado diante dos novos padrões mundiais. Frente a constatação, a EMBRATUR lançou um sistema brasileiro de certificação, no mesmo ano, que não foi aceito pelo setor hoteleiro. Sem consenso a respeito do custo da classificação e o número de exigências a serem determinadas, a ABIH criou um sistema próprio de classificação com base em critérios de conforto, utilizando asteriscos para simbolizar o nível do estabelecimento ao invés das clássicas estrelas. Em 1999, três anos depois da criação do sistema, a ABIH reconheceu que o sistema também era falho. Assim, a ABIH em parceria com a EMBRATUR, consolidou o novo processo de classificação de hotéis, através do Sistema de Classificação dos Meios de Hospedagem (NUNES, 2005). Foi criado o conselho técnico da classificação de hotéis com três representantes do setor hoteleiro e três do governo - EMBRATUR, Instituto Nacional de Metrologia Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO) e Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (PROCON). Segundo Nunes (2005), as novidades da nova matriz de classificação 5 Fundada em 09 de novembro de 1936, por ocasião do I Congresso Nacional de Hoteleiro, a ABIH vem atuando como um órgão técnico e consultivo no estudo e solução dos problemas do setor. Tendo como principal objetivo a arregimentação da classe, visando a defesa dos interesses de ordem jurídica, moral e econômica dos hoteleiros do Brasil, a ABIH consolidou-se no decorrer dos anos como uma confiável fonte de dados e informações relativas ao universo da hotelaria (ASSOCIAÇÃO, 2005).

27 hoteleira, entraram em vigor em abril/ e trouxeram conceitos de responsabilidade ambiental como avaliação de padrão para a concessão de estrelas. A nova matriz, portanto, incentiva os estabelecimentos de hospedagem a fazerem o monitoramento dos gastos de energia e água, da produção e disposição dos resíduos, entre outros itens. Os hotéis devem treinar as equipes para tarefas como separação seletiva de lixo, limpeza dos ambientes com baixo gasto de água e acompanhamento do consumo de energia. Além disso, a nova matriz serve de referência para que os funcionários dos hotéis prestem o melhor serviço, dentro dos parâmetros exigidos pelo sistema, uma vez que a nova matriz também incorpora a avaliação da qualidade de atendimento e dos serviços prestados. As categorias de classificação prevêem diversos tipos de empreendimentos, do cinco estrelas super luxo ao simples. Para Nunes (2005), as necessidades do mercado levaram ao surgimento da categoria econômico de negócios, voltada ao hóspede de negócios que buscam facilidades como acesso a internet no próprio apartamento ou em espaços com micros já conectados e que podem ser acionados via cartões pré-pagos. Por outro lado, pode-se constatar que os hotéis de lazer também passaram por um ciclo evolutivo, de resort a complexo turístico ou megaresorts. Para ter a placa oficial de classificação o hotel tem que estar dentro de todas as normas da sua categoria/classificação pretendida, quanto mais estrelas o hotel quiser alcançar maior serão as regras a serem cumpridas. Percebe-se que o mercado hoteleiro nacional está passando por uma verdadeira transformação. Hotéis de capital nacional e as grandes bandeiras internacionais se multiplicam hoje pelo mercado. E isso pede um termômetro, um 6 Ver ABIH:

28 avaliador a classificação. Para Nunes (2005), (...) a hotelaria nacional está vivendo um momento de expansão, onde a classificação é essencial para se manter a seriedade, credibilidade e transparência do mercado. A classificação de um estabelecimento hoteleiro facilita a escolha do hóspede, uma vez que os auxiliam na verificação da compatibilidade entre a qualidade oferecida e os preços praticados pelos estabelecimentos classificados. Estabelecimentos como hospedarias, albergues, campings e pensões são denominados simples, de acordo com a classificação da EMBRATUR, e cada tipo de estabelecimento determina os serviços mínimos que oferecem aos seus hóspedes. Os Albergues da Juventude, por exemplo, podem ser credenciados a uma Federação Internacional de Albergues da Juventude, a IYHF detentora da marca Hostelling International 7 que por meio do sistema de classificação da IYHF são classificados em Regular, Bom ou Muito Bom. 7 A Hostelling International é um entidade com normas de convivência, regulamento próprio, padrão internacional de atendimento e controle de qualidade em todos os Hostels - Albergues da Juventude da rede.

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

OS ALBERGUES DA JUVENTUDE COMO EQUIPAMENTOS DESTINADOS AO TURISMO SOCIAL NO BRASIL

OS ALBERGUES DA JUVENTUDE COMO EQUIPAMENTOS DESTINADOS AO TURISMO SOCIAL NO BRASIL OS ALBERGUES DA JUVENTUDE COMO EQUIPAMENTOS DESTINADOS AO TURISMO SOCIAL NO BRASIL Renê Corrêa do Nascimento 1 Daniele Suzane Takiyama 2 RESUMO A presente pesquisa consiste em uma análise exploratória

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

368 municípios visitados

368 municípios visitados TURISTAS INTERNACIONAIS 60,3% visitaram o Brasil pela primeira vez 91,4 % Copa como o principal motivo da viagem 83% o Brasil atendeu plenamente ou superou suas expectativas 95% tem intenção de retornar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem 1º Semestre 2013 O Cadastur Registro Hotel, Hotel histórico, hotel de lazer/resort,

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Nº de Entrevistados da Pesquisa: 39.000 pessoas Nº de locais das entrevistas: 27 15 em aeroportos internacionais, que representam 99% do fluxo internacional

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2006-2012

Estudo da demanda turística internacional 2006-2012 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2006-2012 Brasília, agosto de 2013 Sumário 1 Perfil da demanda

Leia mais

BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95

BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95 BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95 INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO A CONSTRUÇÃO OU AMPLIA- ÇÃO DE EDIFICAÇÃO COM FINALIDADE HOTELEIRA,

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo MEIOS DE HOSPEDAGEM DO PARANÁ 2000 2007 HOTELARIA O segmento hoteleiro provoca no turismo um efeito multiplicador na geração de empregos (diretos e indiretos)

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014)

RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014) RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014) Os resultados a seguir são baseados em 2.257 entrevistas realizadas com turistas no período de 14 de junho a

Leia mais

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES.

* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4 do BNDES. HOTEL DE NEGÓCIOS Mary Lessa Alvim Ayres Ilka Gonçalves Daemon Paulo Cesar Siruffo Fernandes* Resumo Muito têm-se falado de hotéis de negócios: oportunidades de investimentos, grupos estrangeiros alardeando

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2005-2011

Estudo da demanda turística internacional 2005-2011 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2005-2011 Brasília, outubro de 2012 Sumário 1 Perfil da demanda

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2007-2013

Estudo da demanda turística internacional 2007-2013 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2007-2013 Brasília, novembro de 2014 Sumário 1 Perfil da

Leia mais

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística 1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014 Logística Economia Brasileira Gráfico 1 Crescimento Econômico Brasileiro e Mundial PIB 2002 a 2016 (em %) 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0 7,5 61 6,1 5,7 4,6 5,3 5,2

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL 3.11 Perfil do turista Os documentos utilizados para a análise do perfil do turista que visita o Ceará são: Relatório de Pesquisa da Demanda Turística via Fortaleza 1999 foram aplicados 4.032 questionários

Leia mais

INDICADORES TURÍSTICOS 2013 ANO BASE 2012

INDICADORES TURÍSTICOS 2013 ANO BASE 2012 1 FUNDAÇÃO DE TURISMO DE MATO GROSSO DO SUL FUNDTUR/MS INDICADORES TURÍSTICOS 2013 ANO BASE 2012 A Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul para acompanhar o andamento da atividade e sua contribuição

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA JULHO DE 2015

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA JULHO DE 2015 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA JULHO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estatística e Indicadores A partir da análise da movimentação

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT) o turismo compreende as atividades realizadas

Leia mais

DESEMPENHO DO SETOR DE TURISMO EM ALAGOAS, PARA SETEMBRO DE 2015

DESEMPENHO DO SETOR DE TURISMO EM ALAGOAS, PARA SETEMBRO DE 2015 DESEMPENHO DO SETOR DE TURISMO EM ALAGOAS, PARA SETEMBRO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Gerência de Estatística e Indicadores Os resultados do turismo no estado

Leia mais

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%)

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%) 3.9 Oferta Turística Para análise da oferta turística em Sergipe, o PDITS Costa dos Coqueirais apresenta a evolução da oferta turística no estado no período 1980-2000. Indica ainda o número atual de quartos

Leia mais

3-5 TURISMO. Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria.

3-5 TURISMO. Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria. Anuário Estatístico do Município de Belém-2012 3-5 TURISMO 1 3-5 TURISMO Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria.

Leia mais

PANORAMA DOS MERCADOS Sul-Americanos

PANORAMA DOS MERCADOS Sul-Americanos Boletim PANORAMA DOS MERCADOS Sul-Americanos Edição nº 1 Julho/2015 Coordenação Geral de Mercados Americanos/Asiático - CGMA Diretoria de Mercados Internacionais - DMINT Apresentação A série Boletim Panorama

Leia mais

PESQUISA DE TURISMO EM IMBITUBA Praia do Rosa

PESQUISA DE TURISMO EM IMBITUBA Praia do Rosa EM IMBITUBA Praia do Rosa SUMÁRIO Perfil do turista e avaliação do destino...3 Perfil dos meios de hospedagem - Praia do Rosa...16 Perfil do turista e avaliação do destino Pesquisa com o turista Buscando

Leia mais

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45%

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45% 1 2 A FECOMÉRCIO SC, com o intuito de mapear o perfil do turista e do empresário do turismo de carnaval em Santa Catarina, realizou uma pesquisa com esses públicos nas quatro cidades de maior movimento

Leia mais

SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro

SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro Rua Santa Luzia, 685 6º, 7º e 9º andares Centro Rio de Janeiro RJ CEP: 20030-041 Presidente do Conselho Deliberativo

Leia mais

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE Divisão de Informações e Estudos Estratégicos do Turismo Secretaria do Turismo Governo do Estado do Rio Grande do Sul Agosto 2013 EQUIPE TÉCNICA Governador

Leia mais

Estimados acadêmicos, Bem-vindos ao Unilasalle!

Estimados acadêmicos, Bem-vindos ao Unilasalle! Estimados acadêmicos, Bem-vindos ao Unilasalle! Estamos prontos para acolher cada um de vocês e juntos realizarmos uma excelente formação acadêmica com nossa experiência de mais de 300 anos de educação

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estatística e Indicadores A análise do setor de Turismo

Leia mais

IDENTIFICANDO O HÓSPEDE EM PONTA GROSSA ATRAVÉS DO MÉTODO DE PESQUISA DE DEMANDA

IDENTIFICANDO O HÓSPEDE EM PONTA GROSSA ATRAVÉS DO MÉTODO DE PESQUISA DE DEMANDA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO (

Leia mais

Plano de Negócio. MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados)

Plano de Negócio. MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados) Plano de Negócio MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados) O Projeto 04 Cenário Econômico A Demanda Concorrência Estratégia Comercial Operação Rentabilidade O Empreendedor 06

Leia mais

PATRÍCIA GARRIDO NERY DA SILVA

PATRÍCIA GARRIDO NERY DA SILVA CEFET-BA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA. DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E PROCESSOS INDUSTRIAIS QUÍMICOS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM HOTELARIA. PATRÍCIA GARRIDO

Leia mais

Industry Insight EDIÇÃO BRASILEIRA. Propriedade Compartilhada 2012: Uma perspectiva de mercado

Industry Insight EDIÇÃO BRASILEIRA. Propriedade Compartilhada 2012: Uma perspectiva de mercado Industry Insight EDIÇÃO BRASILEIRA Propriedade Compartilhada 2012: Uma perspectiva de mercado Índice Análise do mercado brasileiro... 3 Introdução... 5 interessados em adquirir tempo de férias... 6 Questões

Leia mais

WORLD CUP Turistas África do Sul, Junho/2010

WORLD CUP Turistas África do Sul, Junho/2010 WORLD CUP Turistas do Sul, Junho/20 Total: 4.835 entrevistas : 46% (n=2.204) : 4% (n=202) : 41% (n=2.000) : 6% (n=307) : 3% (n=122) Perfil dos entrevistados PRINCIPAL FINANCIADOR DA VIAGEM Está pagando

Leia mais

Dispomos de filiais em Natal/RN, bairro de Ponta Negra.

Dispomos de filiais em Natal/RN, bairro de Ponta Negra. Quem Somos? Atua há 22 anos firmada no mercado como agência especializada na negociação, planejamento, divulgação e execução das atividades turísticas. Empresa esta, devidamente cadastrada pelos órgãos

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Pedro Novais Lima Secretário Executivo Frederico Silva da Costa Secretário Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Colbert Martins da Silva Filho Secretária

Leia mais

3.14 Demanda atual e potencial

3.14 Demanda atual e potencial 3.14 Demanda atual e potencial O Estado do Ceará vem adquirindo, no cenário nacional, uma importância turística crescente. Em 1998, por exemplo, ocupou o terceiro lugar dentre os destinos mais visitados

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Instituto de Geografia. Departamento de Turismo. Material de Apoio

Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Instituto de Geografia. Departamento de Turismo. Material de Apoio Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Geografia Departamento de Turismo Material de Apoio Curso de extensão em Comercialização e Gestão do Turismo Solidário RESUMO DO MATERIAL Este material

Leia mais

COMO VIAJAR BARATO EM 7 SIMPLES PASSOS O Seu guia definitivo para viajar pelo mundo sem gastar uma fortuna.

COMO VIAJAR BARATO EM 7 SIMPLES PASSOS O Seu guia definitivo para viajar pelo mundo sem gastar uma fortuna. COMO VIAJAR BARATO EM 7 SIMPLES PASSOS O Seu guia definitivo para viajar pelo mundo sem gastar uma fortuna. aprendaaviajarbarato.com.br ALINE BALTAZAR 1 Don t let your dreams be dreams... Jack Johnson

Leia mais

A CLASSIFICAÇÃO HOTELEIRA E SUA IMPORTÂNCIA PARA A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS MEIOS DE HOSPEDAGEM.

A CLASSIFICAÇÃO HOTELEIRA E SUA IMPORTÂNCIA PARA A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS MEIOS DE HOSPEDAGEM. A CLASSIFICAÇÃO HOTELEIRA E SUA IMPORTÂNCIA PARA A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS MEIOS DE HOSPEDAGEM. ROIM, Talita Prado Barbosa. Bacharel em Turismo Faculdade de Ciências Humanas FAHU/ACEG Garça

Leia mais

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo:

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo: 4 Turismo O objetivo deste capítulo é apresentar definições de turismo, a relação entre turismo e fontes de emprego, a importância do domínio da língua inglesa para o mercado e o perfil do profissional

Leia mais

MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO

MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO Ministério do Turismo MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO INDICADORES 2012 MAIS TURISMO, MAIS DESENVOLVIMENTO INDICADORES maio - 2013 Lagoa Azul, Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, MA Mais Turismo

Leia mais

ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA INTERNACIONAL 2003

ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA INTERNACIONAL 2003 ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA INTERNACIONAL 2003 Brasília - Brasil Julho 2004 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 09 2 CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS 11 2.1 Objetivo geral 13 2.2 Objetivo específico 13 2.3 Amostra 14 2.4

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 214 vai movimentar o Turismo Brasileiro 9 dias O estudo As empresas Principais conclusões a 9 dias da Copa 1 principais emissores 1 Desempenho das cidades-sede Chegadas internacionais

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO PORTO DE LISBOA

INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO PORTO DE LISBOA INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO PORTO DE LISBOA 2011 1 INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO INTRODUÇÃO Na continuidade do estudo que vem sendo realizado pelo, em conjunto

Leia mais

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA Viviane Santos Salazar 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 O mercado Crescimento da demanda por hospedagem Copa do Mundo Olimpíadas Qual a representatividade

Leia mais

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Turismo de Negócios, Congressos e Eventos 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Visão, Acordos, Compromissos, Estratégias e Ações Porto Alegre,

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais

CONTRATO DE AGENCIAMENTO PARA FORMAÇÃO DE PACOTE DE VIAGENS PARA O FESTIVAL DEFQON1 CHILE - 2015 CONTRATO DFC 002/15

CONTRATO DE AGENCIAMENTO PARA FORMAÇÃO DE PACOTE DE VIAGENS PARA O FESTIVAL DEFQON1 CHILE - 2015 CONTRATO DFC 002/15 CONTRATO DE AGENCIAMENTO PARA FORMAÇÃO DE PACOTE DE VIAGENS PARA O FESTIVAL DEFQON1 CHILE - 2015 CONTRATO DFC 002/15 ESPAÇO DJ BRASIL MARKETING ARTÍSTICO LTDA., pessoa jurídica de direito privado, inscrita

Leia mais

QUEM SOMOS intercâmbio

QUEM SOMOS intercâmbio Inglaterra Mini Programa HIGH SCHOOL QUEM SOMOS intercâmbio O Number One Intercâmbio possui mais de 15 anos de mercado oferecendo as melhores opções de viagem para você e sua família, seja a lazer, trabalho

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS OS BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES DA GESTÃO DE PROJETOS REUNIDAS NO PMBOK NO PLANEJAMENTO TURÍSTICO DE DESTINOS ALUNA: HELENA PERES

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DO SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DO SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM Art. 1º - O presente Regulamento dispõe sobre a classificação oficial dos Meios de Hospedagem. Art. 2º - Fica instituído o Sistema

Leia mais

Turismo do Rio em números

Turismo do Rio em números 1 2 APRESENTAÇÃO A indústria do turismo tanto no Brasil como no Rio de Janeiro enfrenta um grande carência de indicadores estatísticos e econômicos, que possibilitem mensurar de maneira confiável e precisa

Leia mais

GRADUAÇÃO HOTELARIA BACHARELADO. NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação

GRADUAÇÃO HOTELARIA BACHARELADO. NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação TITULAÇÃO: Bacharel em Hotelaria CARGA HORÁRIA: 3.104 horas DURAÇÃO: 2 anos DIFERENCIAL 2 ANOS A Castelli ESH propõe-se a ofertar o Curso de Graduação em Hotelaria,

Leia mais

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU Andriélle Pereira de Oliveira 1 RESUMO As normas de acessibilidade nos meios de hospedagens de Foz do Iguaçu são constituídas

Leia mais

Secretaria de Turismo da Bahia

Secretaria de Turismo da Bahia Secretaria de Turismo da Bahia Secretaria de Turismo do Estado da Bahia SETUR Sustentabilidade do Turismo na Zona Costeira UPB - 24 de março de 2009 Sustentabilidade do Turismo na Zona Costeira Para compreender

Leia mais

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 EQUIPE TÉCNICA DO IPETURIS Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: César Melo Tamiris Martins Viviane Silva Suporte: Gerson

Leia mais

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL Anna Carolina do Carmo Castro Larissa Mongruel Martins de Lara RESUMO: O presente estudo tem por objetivo explicar a

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 1. Localização (discriminação): Municípios de Viçosa do Ceará, Ipú, Tianguá, Ubajara, São Benedito, Carnaubal e Guaraciaba do Norte. (Total de

Leia mais

QUEM SOMOS intercâmbio

QUEM SOMOS intercâmbio alemanha Programa HIGH SCHOOL QUEM SOMOS intercâmbio O Number One Intercâmbio possui mais de 15 anos de mercado oferecendo as melhores opções de viagem para você e sua família, seja a lazer, trabalho ou

Leia mais

Ministério do Turismo. Sistema Nacional de Registro de. Hóspede - SNRHos. Off-line. Manual do Meio de Hospedagem. Manual do Meio de Hospedagem

Ministério do Turismo. Sistema Nacional de Registro de. Hóspede - SNRHos. Off-line. Manual do Meio de Hospedagem. Manual do Meio de Hospedagem Ministério do Turismo Hóspede - SNRHos Off-line Manual do Meio de Hospedagem Manual do Meio de Hospedagem Hóspede SNRHos Off-line Índice 1. INSTALAÇÃO... 4 2. PRIMEIRO ACESSO... 8 3. CADASTRAR MEIO DE

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso...

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso... PORTO SEGURO APRESENTAÇÃO Qualquer forma de desenvolvimento econômico requer um trabalho de planejamento consistente para atingir o objetivo proposto. O turismo é apresentado hoje como um setor capaz de

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil

Estatísticas básicas de turismo. Brasil Estatísticas básicas de turismo Brasil Brasília, outubro de 2010 Estatísticas básicas de turismo Índice Páginas I - Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas internacionais

Leia mais

Estimados acadêmicos, Bem-vindos ao Unilasalle!

Estimados acadêmicos, Bem-vindos ao Unilasalle! Estimados acadêmicos, Bem-vindos ao Unilasalle! Estamos prontos para acolher cada um de vocês e juntos realizarmos uma excelente formação acadêmica com nossa experiência de mais de 300 anos de educação

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DOS RECURSOS HUMANOS DA HOTELARIA DE PONTA GROSSA, PROPOSTA DE UM CURSO DE CAPACITAÇÃO

ANÁLISE DO PERFIL DOS RECURSOS HUMANOS DA HOTELARIA DE PONTA GROSSA, PROPOSTA DE UM CURSO DE CAPACITAÇÃO ANÁLISE DO PERFIL DOS RECURSOS HUMANOS DA HOTELARIA DE PONTA GROSSA, PROPOSTA DE UM CURSO DE CAPACITAÇÃO Larissa Mongruel Martins (UTFPR) larimongruel@hotmail.com Dr. Cezar Augusto Romano (UTFPR) romano.utfpr@gmail.com

Leia mais

Hotelaria e Turismo em Salvador: Top 10 Emissivo Nacional. Panorama Brasil. principais emissores e receptores. Aline Zorthea

Hotelaria e Turismo em Salvador: Top 10 Emissivo Nacional. Panorama Brasil. principais emissores e receptores. Aline Zorthea Hotelaria e Turismo em : panorama e perspectivas Aline Zorthea, 11 de agosto de 2009 Mini Currículo Graduada em turismo (1999) e especialista em gestão e marketing de destinos turísticos pela George Washington

Leia mais

ESTUDO DE DEMANDA RECEPTIVA INTERNACIONAL DO SEGMENTO DE TURISMO BACKPACKER

ESTUDO DE DEMANDA RECEPTIVA INTERNACIONAL DO SEGMENTO DE TURISMO BACKPACKER GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NA REGIÃO DA MATA ATLÂNTICA, SP ESTUDO DE DEMANDA RECEPTIVA INTERNACIONAL DO SEGMENTO DE TURISMO

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

pesquisa HOJE EU POSSO Dados inéditos sobre costumes e comportamento da nova classe média gaúcha.

pesquisa HOJE EU POSSO Dados inéditos sobre costumes e comportamento da nova classe média gaúcha. pesquisa HOJE EU POSSO Dados inéditos sobre costumes e comportamento da nova classe média gaúcha. CLASSE C Trajetórias e Oportunidades METODOLOGIA Para a realização desta pesquisa, foram aplicadas diferentes

Leia mais

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo PERFIL PROFISSIONAL Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo É o profissional que atua em agências de viagens, em meios de hospedagem, em empresas de transportes e de eventos; promove

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM. Art. 1º - O presente Regulamento dispõe sobre os Meios de Hospedagem, estabelecendo:

REGULAMENTO GERAL DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM. Art. 1º - O presente Regulamento dispõe sobre os Meios de Hospedagem, estabelecendo: REGULAMENTO GERAL DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM Art. 1º - O presente Regulamento dispõe sobre os Meios de Hospedagem, estabelecendo: I - o conceito de empresa hoteleira, meio de hospedagem e as expressões usualmente

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM. Art. 1º - O presente Regulamento dispõe sobre os Meios de Hospedagem, estabelecendo:

REGULAMENTO GERAL DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM. Art. 1º - O presente Regulamento dispõe sobre os Meios de Hospedagem, estabelecendo: REGULAMENTO GERAL DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM Art. 1º - O presente Regulamento dispõe sobre os Meios de Hospedagem, estabelecendo: I - o conceito de empresa hoteleira, meio de hospedagem e as expressões usualmente

Leia mais

COMO SE COMPORTAM OS HÓSPEDES?

COMO SE COMPORTAM OS HÓSPEDES? COMO SE COMPORTAM OS HÓSPEDES? INTRODUÇÃO Como uma consultoria em gestão hoteleira, a Mapie acredita no conhecimento como a principal ferramenta de desenvolvimento para empresas e profissionais do setor.

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

PANORAMA DO MERCADO Asiático

PANORAMA DO MERCADO Asiático Boletim PANORAMA DO MERCADO Asiático Edição nº 1 Julho/2015 Coordenação Geral de Mercados Americanos/Asiático - CGMA Diretoria de Mercados Internacionais - DMINT Apresentação A série Boletim Panorama dos

Leia mais

ESTRADA REAL. Melhor época

ESTRADA REAL. Melhor época ESTRADA REAL Bem-vindo(a) ao Brasil do século XVIII. Era ao longo destes caminhos que as coisas aconteciam durante os 100 anos em que este foi o eixo produtivo mais rico do jovem país que se moldava e

Leia mais

2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL

2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL 2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL A análise realizada tem como base principal as estatísticas oficiais e alguns dados quantitativos de elaboração própria. Focamos a atenção nas mudanças

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015 1 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Método e Gestão de Informação Serviço de Conjuntura Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas

Leia mais

Coordenação-geral de Competitividade e Inovação

Coordenação-geral de Competitividade e Inovação Coordenação-geral de Competitividade e Inovação Legislação Turística LEI N º 11.771/2008 DECRETO N 7.381/2010 PORTARIA N 197/20103 PORTARIA Nº 311/2013 Legislação Turística Lei Geral do Turismo 11.771/2008

Leia mais

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015 MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO Rosana Bignami Outubro_2015 ATRATIVOS CIDADES PESSOAS TRANSPORTES SISTEMA DE TRANSPORTE VEÍCULO ATENDE LOCAIS E ATENDE A MINHA EMPRESA ESTÁ PRONTA PARA O MARKETING? OUÇA

Leia mais

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Estatísticas do Turismo 2013 24 de junho de 2014 Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Em 2013, de acordo com os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo,

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO MTUR/DEAOT/CGQT Campinas, 20 de março de 2010 ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO POLÍTICAS DE INCENTIVO AO TURISMO NORMATIZAÇÃO DE CAMPINGS COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS REGISTRO

Leia mais

Plano Preliminar de Marketing Turistíco para o Estado do Paraná 2011

Plano Preliminar de Marketing Turistíco para o Estado do Paraná 2011 Plano Preliminar de Marketing Turistíco para o Estado do Paraná 2011 CONTEÚDO Análise Externa Análise Interna Objetivo Metas Estratégias Público Alvo Mercados e Segmentos Matriz BCG - Falta Posicionamento

Leia mais

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010 Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre Outono 2010 Pesquisa realizada pela SMTur, em parceria com a FARGS e com apoio da Infraero e da Veppo. 22 a 28 de abril Aeroporto área de embarque

Leia mais

Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria

Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria Merielle Barbosa Lobo Pró-Saúde Hospital Materno Infantil Tia Dedé Tocantins Brasil merielle.hmitd@prosaude.org.br A ORIGEM DA ATIVIDADE HOTELEIRA O hotel

Leia mais

AEROPORTOS CAPITAIS DO NORDESTE

AEROPORTOS CAPITAIS DO NORDESTE AEROPORTOS CAPITAIS DO NORDESTE Perfil da Amostra Especificações Técnicas Objetivo Levantar o perfil sócio demográfico, origem-destino e atitudinal em relação a turismo de negócios e de lazer. Buscou também

Leia mais

MOTIVAÇÕES PARA O TURISMO. Djanira Nunes Barbosa. Faculdade Machado de Assis Santa Cruz - Rio de Janeiro - RJ.

MOTIVAÇÕES PARA O TURISMO. Djanira Nunes Barbosa. Faculdade Machado de Assis Santa Cruz - Rio de Janeiro - RJ. MOTIVAÇÕES PARA O TURISMO Djanira Nunes Barbosa Faculdade Machado de Assis Santa Cruz - Rio de Janeiro - RJ. Resumo: O turismo visa uma inter-relação do homem, com o meio onde vive, sua cultura e seus

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.984, DE 2012 (Do Sr. Jorge Tadeu Mudalen)

PROJETO DE LEI N.º 3.984, DE 2012 (Do Sr. Jorge Tadeu Mudalen) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.984, DE 2012 (Do Sr. Jorge Tadeu Mudalen) Altera a Lei nº 11.771, de 2008, para acrescentar incisos estabelecendo horário de entrada e saída de hóspedes em hotéis,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE RESERVAS

REGULAMENTO GERAL DE RESERVAS REGULAMENTO GERAL DE RESERVAS A diretoria do Candeias Esporte, Lazer e Recreação usando das atribuições conferidas pelo Estatuto Social, (art. 91 alínea b), institui o presente "Regulamento Geral de Reservas",

Leia mais

COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 134, DE 19 DE MARÇO DE 2007.

COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 134, DE 19 DE MARÇO DE 2007. COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 134, DE 19 DE MARÇO DE 2007. Aprova as Instruções Gerais para o Funcionamento dos Hotéis de Trânsito do Exército (IG 30-52). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso das atribuições

Leia mais