O uso dos questionários de qualidade de vida em pacientes reumáticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O uso dos questionários de qualidade de vida em pacientes reumáticos"

Transcrição

1 JAN / FEV / MAR 2010 N o 1 ANO XXXIV O uso dos questionários de qualidade de vida em pacientes reumáticos

2 Melhora de sintomas articulares a longo prazo. 1 Diminuição da dor 2 Ajuda na recuperação da rigidez articular. 2 Glicosamina Estimula a síntese de proteoglicanos. 3 Efeito anti-inflamatório. 3 Condroitina Estimula a síntese de hialuronato e proteoglicanos. 3 Contraindicação: pacientes que apresentem hipersensibilidade a quaisquer componentes de sua fórmula. Interação medicamentosa: é recomendável que pacientes diabéticos monitorem seus níveis sanguíneos de glicose mais frequentemente durante o tratamento com Artrolive. 4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: 1) PAVELKA K. et al. Glucosamine sulfate use and delay of progression of knee osteoarthritis: a 3-year, randomized, placebo-controlled, doubleblind study. Arch. Intern. Med, 162: ; ) REGINSTER J. et al. Naturocetic (glucosamine and chondroitin sulfate) compounds as structure-modifying drugs in the treatment of osteoarthritis. Curr. Opin. Rheumatol, 15: ; ) Seda H & Seda AC. Osteoartrite. Reumatologia Diagnóstico e Tratamento, ; ) Bula do produto: ARTROLIVE (sulfato de glicosamina / sulfato de condroitina). MS INFORMAÇÕES PARA PRESCRIÇÃO: ARTROLIVE. sulfato de glicosamina + sulfato de condroitina. MS INDICAÇÕES: ARTROLIVE é indicado para osteoartrite, osteoartrose ou artrose em todas as suas manifestações. CONTRA-INDICAÇÕES: ARTROLIVE É CONTRA-INDICADO EM PACIENTES QUE APRESENTEM HIPERSENSIBILIDADE A QUAISQUER DOS COMPONENTES DE SUA FÓRMULA; GRAVIDEZ E LACTAÇÃO. PRECAUÇÕES E ADVERTÊNCIAS: SÃO NECESSÁRIOS O DIAGNÓSTICO PRECISO E O ACOMPANHAMENTO CUIDADOSO DE PACIENTES COM SINTOMAS INDICATIVOS DE AFECÇÃO GASTRINTESTINAL, HISTÓRIA PREGRESSA DE ÚLCERA GÁSTRICA OU INTESTINAL, DIABETES MELLITUS, OU A CONSTATAÇÃO DE DISTÚRBIOS DO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO OU DA COAGULAÇÃO SANGUÍNEA ASSIM COMO PORTADORES DE INSUFICIÊNCIA DAS FUNÇÕES RENAL, HEPÁTICA OU CARDÍACA. SE OCORRER EVENTUALMENTE ULCERAÇÃO PÉPTICA OU SANGRAMENTO GASTRINTESTINAL EM PACIENTES SOB TRATAMENTO, A MEDICAÇÃO DEVERÁ SER SUSPENSA IMEDIATAMENTE. DEVIDO À INEXISTÊNCIA DE INFORMAÇÕES TOXICOLÓGICAS DURANTE O PERÍODO GESTACIONAL, ARTROLIVE NÃO ESTÁ INDICADO PARA SER UTILIZADO DURANTE A GRAVIDEZ. NÃO EXISTEM INFORMAÇÕES SOBRE A PASSAGEM DO MEDICAMENTO PARA O LEITE MATERNO SENDO DESACONSELHADO SEU USO NESSAS CONDIÇÕES E AS LACTANTES SOB TRATAMENTO NÃO DEVEM AMAMENTAR. PODE OCORRER FOTOSSENSIBILIZAÇÃO EM PACIENTES SUSCETÍVEIS, PORTANTO PACIENTES COM HISTÓRICO DE FOTOSSENSIBILIDADE A OUTROS MEDICAMENTOS DEVEM EVITAR SE EXPOR À LUZ SOLAR. FORAM DESCRITOS NA LITERATURA, ALGUNS CASOS DE HIPERTENSÃO SISTÓLICA REVERSÍVEL, EM PACIENTES NÃO PREVIAMENTE HIPERTENSOS, NA VIGÊNCIA DO TRATAMENTO COM GLICOSAMINA E CONDROITINA. PORTANTO, A PRESSÃO ARTERIAL DEVE SER VERIFICADA PERIODICAMENTE DURANTE O TRATAMENTO COM ARTROLIVE. FORAM RELATADOS POUCOS CASOS DE PROTEINÚRIA LEVE E AUMENTO DA CREATINO- FOSFOQUINASE (CPK) DURANTE TRATAMENTO COM GLICOSAMINA E CONDROITINA, QUE VOLTARAM AOS NÍVEIS NORMAIS APÓS INTERRUPÇÃO DO TRATAMENTO. INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS: O tratamento concomitante com antiinflamatórios não-esteroidais pode incorrer no agravamento de reações adversas do sistema gastrintestinal, sendo recomendado um acompanhamento médico mais rigoroso nesses casos. Alguns autores da literatura médica descrevem que o uso de glicosamina e condroitina pode incorrer em um aumento da resistência à insulina, porém, esses estudos foram realizados com doses muito superiores às indicadas na terapêutica clínica normal e sua validade ainda é discutida por vários outros autores. Estudos recentes demonstraram que a associação condroitina e glicosamina, quando empregada em pacientes portadores de diabetes mellitus tipo II, não levou a alterações no metabolismo da glicose. Os resultados destes estudos não podem ser extrapolados para pacientes com diabetes mellitus descompensado ou não-controlado. É recomendável que pacientes diabéticos monitorem seus níveis sanguíneos de glicose mais freqüentemente durante o tratamento com ARTROLIVE. O uso concomitante de ARTROLIVE com os inibidores da topoisomerase II (etoposídeo, teniposídeo e doxorrubicina) deve ser evitado, uma vez que a glicosamina induziu resistência in vitro a estes medicamentos em células humanas cancerosas de cólon e de ovário. O tratamento concomitante de ARTROLIVE com anticoagulantes como o acenocoumarol, dicumarol, heparina e varfarina, pode levar ao aumento das chances de sangramento, devido a alterações nos valores de INR (International Normalized Ratio). Há relato de um caso na literatura de potencialização do efeito da varfarina, com conseqüente aumento dos valores sanguíneos de INR. Portanto, o uso concomitante de ARTROLIVE com anticoagulantes orais deve levar em conta avaliações rigorosas do INR. Reações adversas: SISTEMA CARDIOVASCULAR: EDEMA PERIFÉRICO E TAQUICARDIA JÁ FORAM RELATADOS COM O USO DA GLICOSAMINA, PORÉM NÃO FOI ESTABELECIDA UMA RELAÇÃO CAUSAL. FORAM DESCRITOS NA LITERATURA, ALGUNS CASOS DE HIPERTENSÃO SISTÓLICA REVERSÍVEL, EM PACIENTES NÃO PREVIAMENTE HIPERTENSOS, NA VIGÊNCIA DO TRATAMENTO COM GLICOSAMINA E CONDROITINA. PORTANTO, A PRESSÃO ARTERIAL DEVE SER VERIFICADA PERIODICAMENTE DURANTE O TRATAMENTO COM ARTROLIVE. SISTEMA NERVOSO CENTRAL: MENOS DE 1% DOS PACIENTES EM ESTUDOS CLÍNICOS APRESENTARAM CEFALÉIA, INSÔNIA E SONOLÊNCIA NA VIGÊNCIA DO TRATAMENTO COM A GLICOSAMINA. ENDÓCRINO-METABÓLICO: ESTUDOS RECENTES DEMONSTRARAM QUE A ASSOCIAÇÃO CONDROITINA E GLICOSAMINA, QUANDO EMPREGADA EM PACIENTES PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO II, NÃO LEVOU A ALTERAÇÕES NO METABOLISMO DA GLICOSE. OS RESULTADOS DESTES ESTUDOS NÃO PODEM SER EXTRAPOLADOS PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS DESCOMPENSADO OU NÃO-CONTROLADO. É RECOMENDÁVEL QUE PACIENTES DIABÉTICOS MONITOREM SEUS NÍVEIS SANGUÍNEOS DE GLICOSE MAIS FREQUENTEMENTE DURANTE O TRATAMENTO COM ARTROLIVE. GASTRINTESTINAL: NÁUSEA, DISPEPSIA, VÔMITO, DOR ABDOMINAL OU EPIGÁSTRICA, CONSTIPAÇÃO, DIARRÉIA, QUEIMAÇÃO E ANOREXIA TÊM SIDO RARAMENTE DESCRITOS NA LITERATURA NA VIGÊNCIA DE TRATAMENTO COM GLICOSAMINA E CONDROITINA. PELE: ERITEMA, PRURIDO, ERUPÇÕES CUTÂNEAS E OUTRAS MANIFESTAÇÕES ALÉRGICAS DE PELE FORAM REPORTADAS EM ENSAIOS CLÍNICOS COM GLICOSAMINA. PODE OCORRER FOTOSSENSIBILIZAÇÃO EM PACIENTES SUSCETÍVEIS, PORTANTO PACIENTES COM HISTÓRICO DE FOTOSSENSIBILIDADE A OUTROS MEDICAMENTOS DEVEM EVITAR SE EXPOR À LUZ SOLAR. POSOLOGIA: Adultos: Recomenda-se iniciar a terapêutica com a prescrição de 1 cápsula via oral 3 vezes ao dia. Como os efeitos do medicamento se iniciam em média após a terceira semana de tratamento deve-se ter em mente que a continuidade e a não-interrupção do tratamento são fundamentais para se alcançar os benefícios analgésicos e de mobilidade articular. VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA. MB 08 SAP (A) 03/10 - MB 08 SAP (D) 03/10 Material produzido em Dez/2009

3 Editorial O valor da qualidade de vida Está na moda abordar a qualidade de vida, mas não da maneira limitada e superficial como o fazem a publicidade, a imprensa, o ambiente corporativo, os órgãos públicos e até as instituições de ensino. O assunto, com o devido aprofundamento, tem sido a base de muitos estudos que visam ao desenvolvimento de instrumentos de avaliação da qualidade de vida de uso genérico ou específico, particularmente em determinadas doenças crônicas. Como, em nossa área, a medida da resposta ao tratamento muitas vezes depende da impressão do paciente, esses questionários têm grande utilidade para o acompanhamento e o ajuste das diferentes terapêuticas usadas sobretudo para o combate à dor. Contudo, ainda não caíram nas graças do clínico, que prefere os recursos tradicionais. É por conta disso que a Comissão de Epidemiologia de Doenças Reumáticas da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) está fazendo um amplo trabalho de divulgação dos instrumentos já traduzidos e validados para uti- lização em nossa população, os quais são apresentados nesta edição. E já que estamos falando de avaliação, o boletim traz, com exclusividade, uma entrevista com Rina Giorgi e Walber Pinto Vieira, os dois candidatos à presidência da SBR na gestão Dessa forma, você vai poder comparar a trajetória, a experiência e as propostas de ambos e, assim, não terá dúvidas na hora de dar seu voto a um deles durante o próximo Congresso Brasileiro de Reumatologia, em Porto Alegre, sobre o qual, aliás, Fernando Neubarth dá as últimas novidades. Só para ter uma ideia, os organizadores estão esperando cerca de participantes. A gente se vê por lá! Grande abraço e boa leitura! Marcelo Pinheiro, Fábio Jennings e Kaline Medeiros SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA Diretoria Executiva SBR Biênio Presidente Ieda Maria Magalhães Laurindo SP Secretária-geral Claudia Goldenstein Schainberg SP Primeiro-secretário Gilberto Santos Novaes SP Segundo-secretário Francisco José Fernandes Vieira CE Boletim da Sociedade Brasileira de Reumatologia Av. Brig. Luís Antônio, 2.466, conjuntos 93 e São Paulo SP Tel.: (11) / Coordenação editorial Jornalista responsável Diretoria Executiva Solange Arruda (Mtb ) Conselho editorial Marcelo de Medeiros Pinheiro SP Martin Fábio Jennings Simões SP Kaline Medeiros Costa Pereira SP Colaborador: Plínio José do Amaral SP Tesoureiro Manoel Barros Bertolo SP Vice-tesoureiro Célio Roberto Gonçalves SP Diretor científico Eduardo Ferreira Borba Neto SP Presidente eleito Geraldo da Rocha Castelar Pinheiro RJ Layout Sergio Brito Impressão Sistema Gráfico SJS Tiragem: exemplares Índice Palavra da presidente CBR 2010 SBR.doc O melhor do Brasil Primeira fila Coluna Seda Especial Presidenciáveis Dia a dia Notas 3

4 Palavra da presidente Prezados associados: Enquanto nos preparamos para o Congresso Brasileiro de Reumatologia, em Porto Alegre, onde espero rever todos vocês, gostaria de convidá-los para algumas atividades. Nos dias 16 e 17 de julho, realizaremos, em São Paulo, o II Fórum de Novos Recursos em Reumatologia A SBR na Era dos Biológicos, evento que, desta vez, terá o centro de infusão como tema central. Na oportunidade, esperamos definir um posicionamento oficial da Sociedade Brasileira de Reumatologia ao término das palestras e das nossas discussões. Continuando com a tradição de cursos de ultrassonografia antes de jornadas e congressos brasileiros, também estamos organizando um grande curso intermediário e básico entre os dias 4 e 6 de setembro, em São Paulo. Nesse evento, contaremos com a presença de oito docentes, reumatologistas de vasta experiência, professores dos cursos dos congressos da Eular e da Panlar e autores de artigos e livros na área. Será um excelente evento, condizente com o congresso que virá a seguir, de 18 a 22 de setembro, na capital gaúcha. Finalmente, para os médicos com maior experiência nas articulações dos pés, vamos promover, no fim de julho, um outro curso de ultrassom que vai abordar a aquisição de imagens e a padronização de técnicas, além de sonoanatomia e principais patologias. As inscrições para esses três eventos começam no dia 1 o de junho. Reservem essas datas e preparem-se para grandes atividades reumatológicas! Um grande abraço, Ieda Laurindo Presidente da SBR CBR 2010 Neste ano, é Porto Alegre que chama Fernando Neubarth, presidente do Congresso Brasileiro de Reumatologia 2010 O Boletim Informativo entrevistou Fernando Neubarth, presidente da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) no biênio e presidente do Congresso Brasileiro de Reumatologia 2010, que será realizado em Porto Alegre, de 18 a 22 de setembro, e configura o evento máximo da SBR. Além de ser o palco de importantes cursos, tanto pré-evento quanto paralelos às suas atividades oficiais, o congresso também demarca gestões e eleições, funcionando como o cenário ideal para encontros de colegas e amigos. Não por acaso, está sendo aguardado com muito interesse e expectativa pelos associados e organizadores. Como estão os preparativos para o XXVIII Congresso Brasileiro de Reumatologia? Um evento dessa magnitude assemelha-se a um espetáculo, a uma peça de teatro ou a um grande concerto. Há uma preparação, um ensaio cuidadoso e um afinar de vozes, instrumentos e posturas. A apresentação se fará em poucas horas, dias, mas nada poderá falhar. É um trabalho de bastidores, mas com muita gente empenhada, ajudando, preocupando-se e, principalmente, confiando nos afazeres, nos detalhes. Estamos tendo cuidado com o cenário, com a mobilidade e com a programação. O conteúdo científico está sendo elaborado para que não faltem os temas principais do nosso dia a dia nem os últimos conceitos e conhecimentos no diagnóstico e na terapêutica. Também existe a preocupação de dar destaque à produção científica nacional, aos novos, àqueles que, com suas teses e recentes trabalhos, já são o presente e o futuro da Reumatologia Brasileira. E muito também se prepara para a programação social, no intuito de que todos se sintam bem acolhidos em nossa cidade. O que há por trás do símbolo do CBR? Alguma história especial? Sem dúvida. Em geral, a escolha dos símbolos em nossos eventos acaba sendo repetitiva e eles são utilizados à exaustão. Apesar de valorizarmos as figuras do Laçador, a cuia de chimarrão e a Ponte do Guaíba, pensamos em algo que também dissesse um pouco do que pretendemos, do que sentimos que so- 4

5 vante na programação. Os interessados devem ficar atentos aos prazos de inscrição e envio. A data-limite é 15 de junho e os detalhes podem ser encontrados em nossa página na internet. É conveniente lembrar que as premiações oficiais da Sociedade Brasileira de Reumatologia e os prêmios SBR, Luiz Verztman, Edgard Atra e Jovem Talento são tradicionalmente divulgados na abertura dos congressos e têm prazos de inscrição que se aproximam. mos e do que queremos demonstrar. A figura é a imagem do pórtico de nosso cais. Um trabalho especial da artista Cylene Dallegrave, com tratamento digital de fotografia. O pórtico é uma referência histórica do passado, mas também reflete uma preocupação com o futuro. Há um movimento para revitalizar a cidade a partir do cais, como tem sido feito em outras paragens, daí um sentido de renovação, de progresso, de desenvolvimento. Por outro lado, Porto Alegre tem seu nome vinculado a essa vocação para o acolhimento, somos uma terra miscigenada, de muitas culturas. Hoje, mais de 25 grupos étnicos se entendem como gaúchos. O porto simboliza todos esses elementos, o acolhimento, a troca, a chegada e a partida de informações, a capacidade de interlocução, de discutir opiniões, de entender o novo, o diferente. Não foi por acaso que aqui nasceu o Fórum Social Mundial. Queremos tudo isso também para o nosso congresso. Qual é a expectativa da organização em relação ao número de participantes? Estamos vivendo um crescente interesse por nossos últimos congressos, também reflexo da valorização de nossa especialidade, pelas novidades científicas e pelo desenvolvimento institucional. Não nos parece muito otimismo preparar o evento para participantes. Também contamos com a proximidade geográfica com os países do Prata. E posso dizer que a participação estrangeira em nosso congresso será a maior de todos os tempos. A indústria vem querendo trazer personalidades de destaque. Entre os convidados estrangeiros de renome há representantes de muitos países da Europa, da Austrália, dos EUA e de todas as Américas. Não citarei um a um porque todos são igualmente importantes, mas os colegas podem conhecer a lista, ainda parcial, dos confirmados no site do nosso congresso: com.br. Ali existe uma profusão de bandeiras que permite vislumbrar o sucesso e a responsabilidade que todos nós, gaúchos e brasileiros, teremos com esse evento. E como estão as inscrições para os trabalhos científicos? A organização do evento já está recebendo os trabalhos que serão apresentados na forma de pôsteres e/ou temas livres. Também haverá uma avaliação para que sejam incluídos numa sessão de destaques, ao fim do evento, quando teremos um balanço do que foi mais rele- Alguma mensagem final? Quero dizer apenas que o Rio Grande do Sul, em especial Porto Alegre, é também um destino turístico e cultural que poucos conhecem. Uma cidade com jeito de metrópole, mas que guarda ainda amenidades de província. Ares e lugares com marcas de culturas distintas. Nela ainda sobrevivem alguns detalhes arquitetônicos europeus e influências da proximidade com nossos hermanos uruguaios e argentinos. Temos uma grande tradição em teatros, além de importantes museus, e me parece desnecessário falar na riqueza de nossa gastronomia. Nos dias do nosso evento, comemoramse histórias de epopeias que criaram a identidade do Estado e muito por aqui, nessa ocasião, gira em torno dessas tradições, sendo comum nos depararmos com figuras trajadas a caráter, em típica indumentária, cruzando ruas e avenidas movimentadas, assim como gaúchos montados em seus pingos, na companhia inseparável de um cusco. Não se pode falar do clima, mas São Pedro, padroeiro dessa província do Sul, com certeza nos ajudará com uma bela primavera, nessa que é uma das cidades mais arborizadas do Brasil. Quem conhece Porto Alegre sabe do que falo, quem não a conhece vai querer retornar. Faremos tudo para que isso aconteça. E aproveito para agradecer a ajuda de tantos que têm nos auxiliado com a dedicação de muito trabalho ou a solidez da confiança. 5

6 SBR.doc Medidas de avaliação das doenças reumáticas ba tualmente, as medidas de avaliação das doenças reumáticas basea- Adas na opinião do paciente, ou patient report outcomes (PRO), são consideradas importantes instrumentos nas avaliações clínicas e de cuidados com a saúde. Entre elas, destacam-se diversos questionários para mensurar a qualidade de vida relacionada à saúde, como SF 36, HAQ, SLEQoL, FIQ e ASQoL, além de outros métodos, como a escala visual analógica de dor, o DAS 28, o SLEDAI, etc. Esses recursos têm grande utilidade na análise do impacto de doenças crônicas, na identificação de grupos de pacientes com melhor e pior estado de saúde, no rastreamento de distúrbios físicos e psicológicos, na identificação de fatores prognósticos e na escolha de tratamentos. Em algumas enfermidades, como a artrite reumatoide, as medidas de avaliação baseadas na opinião do paciente têm se associado a desfechos clínicos importantes, como incapacidade, mortalidade e utilização de recursos, com desempe- nho superior às medidas clínicas, laboratoriais e radiográficas, tradicionalmente utilizadas para esse fim. É crescente o número de publicações sobre esses instrumentos, tanto a respeito de seu desenvolvimento e seu processo de validação, quanto de suas possibilidades de aplicação. Contudo, o uso dos questionários na prática clínica como meio de avaliar os cuidados prestados aos pacientes ainda é limitado, o que se deve não apenas ao desconhecimento sobre o assunto, mas igualmente a dúvidas so- Questionários de qualidade de vida mais utilizados para a avaliação de doenças do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo Instrumentos genéricos Instrumento Avaliação Nº de Autor Tradução para Validação genérico questões o português SF 36 QV 36 Sherbourne Ciconelli RM Ciconelli RM (Outcomes Study CD, Ware JE 36-Item Short Form Health Survey) NHP (Nottingham QV 38 Hunt S, McEwen Teixeira-Salmela LF Health Profile) J, McKenna SP SF 6D QV - QALY 6 Braizer Campolina AG Campolina AG Instrumentos específicos Vários questionários têm sido desenvolvidos para a avaliação de aspectos específicos relacionados à qualidade de vida de indivíduos com doenças reumáticas. Ao longo do tempo, alguns deles sofreram alterações, tendo sido reduzidos para facilitar sua aplicação e/ou modificados em algumas questões e formas de pontuação. Há instrumentos que foram elaborados especificamente para avaliar um determinado aspecto da qualidade de vida em uma dada doença, mas que novos estudos demonstraram ser também úteis na avaliação de outras moléstias, como o Stanford Health Assessment Questionnaire (HAQ). Instrumento População Avaliação Nº de Autor Tradução para Validação específico questões o português AIMS-2 Artrite QV 78 Meenan RF Brandão L Brandão L (Arthritis Impact reumatoide/ Measurement Scales 2) osteoartrose HAQ Artrite Capacidade 20 Fries JF Ferraz MB Ferraz MB (Stanford Health reumatoide funcional Assessment Questionnaire) ASQoL Espondilite QV 18 Galen Research Torres TM Torres TM (Ankylosing Spondylitis anquilosante Quality of Life Questionnaire) BASDAI Espondilite Capacidade 6 Calin A Cusmanich KG Cusmanich KG (Bath Ankylosing Spondylitis anquilosante funcional/ Disease Activity Index) atividade da doença 6

7 seadas na opinião do paciente bre a relevância de seu emprego no dia a dia, a preocupações com o custo de sua implantação e a incertezas sobre a praticidade de sua administração. Diante disso, a Comissão de Epidemiologia de Doenças Reumáticas da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) criou um espaço, no site da entidade, para divulgar informações básicas sobre qualidade de vida, aí incluindo conceito, formas de avaliação e questionários disponíveis para mensurar esse parâmetro em pacientes reumáticos, com destaque para os modelos já traduzidos, adaptados e validados para nosso idioma. Dessa maneira, a SBR espera ampliar os conhecimentos e o interesse de todos a respeito da qualidade de vida, estimular a aplicação dos instrumentos na prática clínica e estreitar os laços entre os que querem se aprofundar no tema. Compartilhe as novidades Comissão de Epidemiologia da SBR Presidente: Eutília Andrade Medeiros Freire Membros: Ana Beatriz C. Azevedo (SP) Gustavo Paiva (DF) Nazira Mahary (SP) Francisco Bezerra Neto (RN) Boris Cruz (MG) Ana Maria Pereira (ES) Abel Souza Jr. (SP) Para conhecer instrumentos de qualidade de vida e pesquisas desenvolvidas no Brasil, acesse e Se você estiver trabalhando na validação de algum novo instrumento, mande uma mensagem para a fim de manter a informação atualizada e facilitar novas pesquisas na área, otimizando tempo e recursos dos pesquisadores. Instrumento População Avaliação Nº de Autor Tradução para Validação específico questões o português BASFI Espondilite Capacidade 10 Calin A Cusmanich KG Cusmanich KG (Bath Ankylosing anquilosante funcional Spondylitis Functional Index) CHAQ Artrite QV e sinais 37 Singh G Len CA Len CA (Childhood Health idiopática e sintomas Assessment Questionnaire) juvenil FAOS Artrite Capacidade 42 Roos EM Imoto A Imoto A (Foot and Ankle reumatoide funcional Outcome Score) ou outras afecções do pé e tornozelo SLEQoL Lúpus QV 40 Galen Freire EAM Freire EAM (Systemic Lupus eritematoso Research Leong Erythematosus Quality of sistêmico KP et al Life Questionnaire) Lupus Checklist Lúpus QV 38 Grootscholten C Freire EA Freire EA (Systemic Lupus eritematoso Erythematosus sistêmico Symptom Checklist) FIQ Fibromialgia Capacidade 20 Bennett R, Marques AP Marques AP (Australian/Canadian funcional, Burckhardt C, Osteoarthritis Hand Index) QV, sinais Clark S e sintomas WOMAC Osteoartrose QV 24 Bellamy N Fernandes MI Fernandes MI (Western Ontario and McMaster Universities Osteoarthritis Index) OPAQ Osteoporose QV 34 Mason J, Cantarelli FB Cantarelli FB (Osteoporosis Assessment Silverman S Questionnaire) Qualeffo-41 Osteoporose QV 41 Lips P Ferreira NO (International Osteoporosis The IOF Foundation Quality Working Part on of Life Questionnaire) Quality of Life Roland-Morris Lombalgia Capacidade 24 Roland M, Nusbaum L Nusbaum L Questionnaire funcional Morris R 7

8 O melhor do Brasil Mato Grosso do Sul Sorems tem nova diretoria m assembleia ordinária, realizada no dia 25 de fevereiro de 2010, foi eleita a diretoria executiva da Sociedade de Reuma- Etologia do Mato Grosso do Sul (Sorems) para o biênio A Sociedade Brasileira de Reumatologia dá as boas-vindas ao novo grupo, formado por Marcelo Cruz Rezende (presidente), Fabiana Aguiar Vera Cruz Moreno (secretária-geral), Érica Naomi Naka (tesoureira) e Izaías Pereira da Costa (diretor científico), e aproveita para informar o novo endereço de correspondência da entidade: SOCIEDADE DE REUMATOLOGIA DO MATO GROSSO DO SUL Notícias das regionais A/C Marcelo Cruz Rezende Rua Jeribá, 325, sala 18 Chácara Cachoeira, Campo Grande MS Telefax: (67) Ceará Mutirão de atendimento reduz fila de espera por consulta com reumatologista A ultrassonografia osteoarticular foi tema de um curso promovido pela Sociedade Cearense de Reumatologia e pela Sociedade Brasileira de Reumatologia nos dias 19 e 20 de março, em Fortaleza, com 19 participantes. O evento apresentou os principais achados desse método de imagem em mãos e punhos, cotovelos, ombros, quadril, joelhos, tornozelos e pés, além de proeste ano, a Sociedade Cearense de Reumatologia viabilizou, Njunto à Prefeitura de Fortaleza, um mutirão de atendimento aos sábados, com três reumatologistas para atender os pacientes e fazer a triagem dos casos que precisam ser avaliados nos ambulatórios de Reumatologia implantados nas unidades de assistência da prefeitura durante a semana. O projeto nasceu de uma demanda criada pela própria entidade, que há várias gestões tem promovido campanhas de divulgação da especialidade. Por ocasião dessas ações, a comunidade e a imprensa vinham cobrando, da Sociedade Cearense de Reumatologia, uma solução para minimizar a fila de espera para a consulta com o reumatologista. Afinal, apesar de haver três serviços públicos que respondem pelo atendimento de Reumatologia do adulto no SUS o Hospital-Geral de Fortaleza, coordenado pelo Dr. Walber Pinto Vieira, o Hospital Universitário Walter Cantídio, coordenado pelo Dr. Francisco Airton, e o Hospital-Geral Cesar Cals, coordenado pelo Dr. José Gerardo Paiva, todos estão em hospitais terciários e, atualmente, encontramse saturados. Como se não bastasse, grande parte da população necessita mesmo de atenção primária ou secundária. Com esse panorama, portanto, o mutirão iniciou-se em fevereiro com a expectativa de dar conta de toda a fila de espera do município uma meta bem factível, pois, até a primeira semana de março, mais de 500 pacientes já haviam sido atendidos. Após essa primeira fase, a prefeitura se comprometeu a manter o atendimento de Reumatologia nas principais unidades de assistência. Para o presidente da Sociedade Cearense de Reumatologia, Max Victor Carioca Freitas, o mutirão demonstra uma forte inserção da entidade na comunidade nos diferentes níveis de atenção do SUS. Durante anos se consagraram os serviços de atenção terciária, com organização e eficiência reconhecidas, assinala Freitas. Hoje, avançamos nos terrenos fascinantes e desafiadores que constituem a atenção primária e secundária, sempre em busca de um modelo mais eficiente, arremata. Curso mostra, na teoria e na prática, as aplicações do ultrassom na Reumatologia porcionar aos especialistas um workshop prático em cada uma dessas articulações. No decorrer do curso, a organização deixou uma surpresa para o encerramento das atividades, sempre relacionada com o conteúdo. O primeiro dia terminou com uma sessão de discussão de casos clínicos e o segundo, com um quiz. Um sucesso! 8

9 O melhor do Brasil Notícias das regionais Alagoas Cartão-postal de Maceió vira palco de ação para o Dia de Luta contra o Reumatismo Atitude Reumato. Com essa chamada, a Sociedade Alagoana de Reumatologia realizou, em 1º de novembro de 2009, uma ação dirigida ao público leigo na Praia de Ponta Verde, em Maceió, dentro do chamado Dia de Luta contra o Reumatismo. De acordo com a presidente da entidade, Janaína Rozendo, a iniciativa contou com a presença de reumatologistas do Estado, que passaram o dia todo tirando dúvidas, orientando as pessoas interessadas e distribuindo panfletos explicativos. Programamos essa ação com o intuito de esclarecer a população sobre o reumatismo, além de reforçar a importância do diagnóstico precoce, resume Janaína. Goiás Eventos educacionais formam a base das ações da Sociedade Goiana de Reumatologia em 2010 A educação médica dos associados e da população tem sido o foco das atividades da Sociedade Goiana de Reumatologia neste ano. Para os médicos, a diretora científica e a presidente da entidade, as doutoras Jozélia Rego e Eleusa Fleury Taveira, respectivamente, elaboraram um programa de reuniões para a discussão de casos clínicos com a participação dos residentes do Hospital-Geral de Goiânia e do Hospital das Clínicas. Uma delas já ocorreu no último dia 27 de março e a outra está marcada para 21 de agosto. Além disso, a regional planejou, para os próximos meses, duas reuniões em conjunto com outras especialidades da medicina uma com a Dermatologia, de atualização terapêutica nas manifestações dermatológicas das doenças reumáticas, e outra com a Neurologia, a respeito do uso da pregabalina. Ainda ao longo de 2010, a entidade promoverá um encontro científico com a Reumatologia do Distrito Federal. Não vai faltar oportunidade para os especialistas da região se atualizarem! O público leigo, por sua vez, contará com a repetição, em outubro, do evento de maior sucesso da Sociedade Goiana de Reumatologia, o Dia de Luta contra o Reumatismo, cujo objetivo é prestar esclarecimentos à população sobre as principais doenças reumáticas. 9

10 O melhor do Brasil Santa Catarina Sociedade Catarinense de Reumatologia apresenta sua nova diretoria Confira, abaixo, quem são os colegas que, durante todo este ano e o próximo, estarão à frente da Sociedade Catarinense de Reumatologia, cuidando dos interesses e da educação continuada de seus associados e dando maior visibilidade à especialidade na Região Sul do Brasil, sempre em parceria com a Sociedade Brasileira de Reumatologia. Sejam bem-vindos! Presidente: Vice-presidente: Secretária-geral: Primeiro-secretário: Segunda-secretária: Tesoureiro-geral: Primeiro-tesoureiro: Segunda-tesoureira: Comissão Científica: Comissão de Ética e Defesa Profissional: Comissão de Divulgação e Imprensa: Reumatologia Pediátrica: Comissão de Ensino: Comissão de Medicação Especial: Site: Gláucio Ricardo Werner de Castro Pedro Weingrill Sonia Cristina de M. Souza Fialho Vidal de Souza Mara Suzana Loreto Gomes de Pinho Jerônimo Soares Benittes Junior Jorge Teodoro Nicolacópulos Giovana Gomes Ribeiro Ivânio Alves Pereira (diretor) Antônio Carlos Althoff Adriana Fontes Zimmermann Barbara Janke Pretto Maria Amazile Ferreira Toscano Udson Piazza Williams Willrich Luciana Maria Fornari Silvia Dobes Raymundi Jaime Baião Ana Maria Camargo Gallo Pedro Weingrill Caris de Rezende Pena Fabricio de Souza Neves Maria Aparecida Scottini Nadyesda Didieh Brandão Rejane Leal Araújo Adriana Fontes Zimmermann João Elias de Moura Jr. Mara Suzana Loreto Gomes de Pinho Pedro Weingrill Rejane Leal Araujo Williams Willrich Adriana Fontes Zimmermann Ana Maria Camargo Gallo Glaucio Ricardo Werner de Castro Maria Amazile Ferreira Toscano Daniele Fernandes Godoi Jaime Baião Sonia Cristina de M. Souza Fialho Sergipe Notícias das regionais Aracaju vai ter segunda edição da campanha Reumatismo é Coisa Séria Em 2010, a Sociedade Sergipana de Reumatologia está programando repetir a campanha Reumatismo é Coisa Séria, que, em Aracaju, foi realizada pela primeira vez em julho do ano passado e alcançou uma grande repercussão entre a população leiga, alvo da ação, e os meios de comunicação. Tivemos muito espaço na mídia graças ao trabalho da SBR, com entrevistas na Globo, na Record e nas emissoras locais, além da TV Aperipê, nas quais pudemos falar um pouco sobre as doenças reumáticas e divulgar a campanha e seus objetivos, conta a presidente da regional sergipana, Monica Valeria Siqueira Santana de Vechi. Isso sem contar o Jornal da Cidade e o Cinform, que igualmente noticiaram a iniciativa. A campanha, porém, não se limitou à mídia, mas fez o corpo a corpo com a população, instalandose num movimentado shopping da cidade para distribuir folhetos e esclarecer dúvidas. Para 2010, Monica salienta que a ideia é promover a ação nos mesmos moldes de 2009, na mesma ocasião do ano e, claro, com os mesmos parceiros a SBR e a Abbott. Em time que está ganhando não se mexe. Da esquerda para a direita, os médicos Ana Cristina Rocha, José Menezes, Regina Adalva Océa, Monica Valeria, Luciana Calvo e Daniela Ramos durante a ação em Aracaju. 10

11 Primeira fila O que nossos colegas andam estudando Pesquisa clínica Papel dos polimorfismos da lectina ligadora da manose em pacientes com lúpus eritematoso sistêmico* Odirlei André Monticielo 1 João Carlos Tavares Brenol 2 José Artur Bogo Chies 3 Introdução O lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma doença inflamatória crônica autoimune, cuja etiopatogênese envolve fatores genéticos, hormonais, imunológicos e susceptibilidade ambiental. O gene que sintetiza a lectina ligadora da manose (MBL), conhecido como MBL-2, tem emergido como um forte candidato para o desenvolvimento de LES devido ao papel da MBL no sistema imune inato e à possível associação entre sua deficiência e doenças autoimunes. Objetivos Examinar potenciais associações dos alelos G57E, G54D, IVSnt5, R52C e R52H do gene MBL-2 com a susceptibilidade ao LES e com expressões clínicas e laboratoriais dessa doença. Material e métodos Trezentos e vinte e sete pacientes com diagnóstico de LES, segundo o ACR, todos em acompanhamento no Ambulatório de Reumatologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), e 165 controles saudáveis da mesma região geográfica foram genotipados por Restriction Fragment Length Polymorphism - Polimerase Chain Reaction (RFLP-PCR) para os polimorfismos G57E, G54D, IVSnt5, R52C e R52H do gene MBL-2. A metodologia também incluiu a coleta de dados clínicos, demográficos e laboratoriais de todos os participantes do estudo. Resultados Observou-se diferença estatisticamente significativa na frequência do alelo R52C entre pacientes eurodescendentes com LES e os controles (9,6% versus 3,3%, P=0,001, odds ratio 3,01; 95% IC 1,582-6,060; P<0,05). As frequências dos alelos G54D e G57E não se mostraram diferentes em pacientes e controles (G54D: 15,9% versus 18,8%, P=0,317; G57E: 3,6% versus 3,0%, P=0,796). Por fim, os alelos IVSnt5 e R52H não foram encontrados neste estudo. Convém acrescentar que não houve discrepância entre os achados clínicos e laboratoriais nos indivíduos com LES de acordo com a presença ou a ausência das variantes alélicas. Conclusão Os resultados comprovam aumento do risco de desenvolvimento de LES em indivíduos com o alelo R52C. Pacientes com esse alelo têm aproximadamente três vezes mais chance de apresentar a doença quando comparados com os controles. Contudo, tais dados não suportam a associação entre qualquer polimorfismo do gene da MBL com expressões clínicas e laboratoriais do LES em nossa população. * Dissertação apresentada para a obtenção do título de mestre pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, com o apoio da Fipe/HCPA e da Capes. 1 Aluno do doutorado 2 Orientador da tese 3 Coorientador da tese 11

12 Coluna Seda O REUMATISMO DO SENHOR PICKWICK Hilton Seda Clube Pickwick era presidido por Samuel Pickwick, personagem dos mais intrigantes e figura central da Oobra de Charles Dickens intitulada Pickwick Papers, conhecida entre nós como As Aventuras do Sr. Pickwick 1. Essa história, na realidade um verdadeiro romance, com inúmeros personagens, nasceu de um fato inusitado. O famoso artista Robert Seymor fez vários desenhos para ilustrar as reuniões de um clube de esportes e os editores do Morning Chronicle, o jornal londrino de maior circulação, tiveram a ideia de acrescentar textos a essas gravuras, de forma a criar uma publicação seriada mensal. Convidaram Boz, pseudônimo usado por Charles Dickens, que estava com muita popularidade em virtude do sucesso dos seus artigos sobre a vida da classe média londrina. Dickens, entretanto, impôs uma condição: os desenhos é que ilustrariam seus escritos, e não o contrário. Foi assim que nasceu a série sobre o Clube Pickwick. Roberto Seymor sofria de ataques nervosos e só ilustrou os dois primeiros episódios, assim mesmo com grande dificuldade, e suicidou-se a seguir, em 1836, muito moço, pois nascera em De início, a publicação não despertou grande interesse no público, o que levou Dickens a modificar sua estrutura, criando a figura de Samuel (ou Sam) Weller, o criado notável do senhor Pickwick, às vezes comparado ao Sancho Pança de Dom Quixote. Essa mudança caiu nas graças do público e o sucesso da série foi total. 2 O senhor Pickwick era reumático, mas não há informações que permitam definir um diagnóstico, ainda que aproximado, do tipo da doença. Não são muitas as referências ao seu reumatismo. A primeira está no capítulo XVII, cujo título é Em que se evidencia que um acesso de reumatismo pode, em certos casos, obrar como estimulante do engenho inventivo, que se inicia dizendo: O organismo do Sr. Pickwick, embora capaz de suportar uma soma assaz considerável de exercício e de fadiga, não estava à prova de uma combinação de ataques como os que sofrera na noite memorável, referida no capítulo anterior. O sistema de lavar-se à noite, ao ar livre, e de enxugar-se depois num gabinete fechado, é tão perigoso quanto singular. O Sr. Pickwick foi acometido de um acesso de reumatismo. No referido capítulo anterior (XVI), o personagem metera-se em uma aventura para tentar salvar uma jovem de ser levada de um internato por um cidadão inescrupuloso, tendo sofrido bastante para pular o muro do jardim, mas verificado, por fim, que fora logrado ao acreditar em uma história fantasiosa. No capítulo XVIII, nova menção ao seu reumatismo: É o reumatismo que apanhei naquele jardim rematou o Sr. Pickwick, deixou-me coxo neste momento. Um diálogo a seguir confirma que ele estava coxo: Mas hei de esclarecer tudo isso disse o Sr. Pickwick, erguendo a cabeça e martelando a mesa. Vou procurar esses Dodson e Fogg! Irei a Londres amanhã. Amanhã, não disse Wardle. Você está mancando muito. Esclareça-se que Dodson e Fogg eram advogados que o estavam processando por um suposto assédio a uma senhora. No capítulo XXX, o senhor Pickwick afundou em um local onde seu grupo de amigos patinava: Um grande pedaço de gelo desaparecera; a água borbulhava sobre ele; o chapéu, as luvas e o lenço do Sr. Pickwick flutuavam na superfície; e eram os únicos vestígios visíveis de seu dono. Ele foi salvo, voltou a pisar terra firme, foi embrulhado em xales, correu para onde estava hospedado e meteu-se na cama. Seu quarto foi aquecido e serviram-lhe ponche à vontade.... E quando o Sr. Pickwick despertou, na manhã seguinte, não apresentava um único sintoma de reumatismo; o que prova (...) que não há nada como o ponche quente nesses casos; e que, se este deixava, às vezes, de obrar como preventivo, era apenas porque o paciente incidia no erro vulgar de não tomar a dose necessária. 1 O senhor Pickwick passou uma temporada em Bath, cidade inglesa às margens do Avon, famosa como estância termal 3, mas não há referência de que para lá tenha ido por causa do seu reumatismo. Além do reumatismo do senhor Pickwick, há, em Pickwick Papers, outras situações interessantes, curiosas e até inusitadas relacionadas a esse conjunto de doenças. Até a cadeira parecia ter gota O capítulo XIV traz A História do Caixeiro-Viajante. Tom Smart, chegando a certo local onde se iria acomodar, foi conduzido através de um labirinto de quartos e corredores ao 12

13 aposento que lhe fora destinado (...). Era um quarto espaçoso (...); mas o que mais lhe chamou a atenção foi uma cadeira esquisita, de sinistro aspecto, costas altas, talhada de fantástica maneira, com uma almofada estampada de damasco, e com os pés arredondados cuidadosamente envolvidos num pano vermelho, como se tivesse gota nos dedos. (...) Sentouse diante do lume e, durante meia hora, cravou o olhar na velha cadeira; diabos a levassem, era uma velharia tão esquisita que não conseguia desviar os olhos dela. Depois de acordar de um sonho confuso, Tom olhou para a cadeira; e, de repente, enquanto olhava para ela, pareceu-lhe presenciar extraordinária alteração. Os entalhes das costas assumiam gradualmente os traços e a expressão de um velho rosto humano encarquilhado; a almofada de damasco se converteu num colete antigo, com bicos; os pés arredondados de madeira transmudaram-se em pés humanos, envoltos em chinelos vermelhos; e a velha cadeira se tornou semelhante a um velho muito feio, do século anterior. 1 Esse velho tanto podia ter gota como artrose! Há uma passagem muito interessante, no capítulo XX, em que é proposto um tratamento infalível para a gota. Trata-se de um diálogo entre Sam Weller, criado do senhor Pickwick, e seu próprio pai: Muito bem, pai disse Sam, tome cuidado, ou ainda terá notícias da sua velha doença, a gota. Achei um remédio soberano para isso, Sammy disse o Sr. Weller, colocando o copo sobre a mesa. Um remédio soberano para a gota? perguntou o Sr. Pickwick, tomando do livrinho de notas. Qual é? A gota, senhor retrucou o Sr. Weller, a gota é uma doença que vem de um excesso de luxos e comodidades. Se for alguma vez atacado de gota, senhor, case-se com uma viúva que tenha uma boa voz e muita vontade de usá-la, e nunca mais lhe voltará a moléstia. É uma excelente receita, senhor. Uso-a regularmente e posso garantir-lhe que acaba com todos os achaques causados pelos excessos de alegria. O último capítulo do livro (LVI) faz mais uma menção à gota: O velho Sr. Weller andou a guiar uma diligência durante um ano, mas se viu obrigado a aposentarse, depois de um forte ataque de gota. 1 No capítulo XXIV, em virtude do processo que contra ele era movido, o senhor Pickwick deveria ser levado à casa do prefeito. (...) E, precisamente no instante em que os beleguins se dispunham a vencer as objeções do Sr. Pickwick por meio do expediente comum de carregá-lo à força, alguém lembrou que havia no pátio uma velha cadeirinha, originariamente construída para um senhor gotoso e abastado, capaz de comportar o Sr. Pickwick (...). 1 O capítulo XXIX conta o episódio dos duendes que roubaram o coveiro: Infelizmente, porém, foram essas histórias algo prejudicadas pela reaparição inesperada do próprio Gabriel Grub uns dez anos depois, quando era um velho esfarrapado, reumático, mas contente. (...) Visto haver Gabriel Grub sofrido de reumatismo até o fim de seus dias, essa história tem, pelo menos, uma moral, à falta de coisa melhor: quando um homem de mau gênio bebe sozinho na véspera de Natal, pode ter certeza de que não há de sentir-se melhor por causa disso (...). No capítulo XXXII, nova referência a um objeto que lembrava a gota, em uma festa: Os copos da casa eram finos e delgados e os que haviam sido pedidos por empréstimo à taberna eram grandes, hidrópicos e inchados, cada qual apoiado sobre um enorme pé gotoso. 1 No capítulo XXXIII, o pai de Samuel Weller esclarece: A sua madrasta ia à reunião, Sammy, mas ficou com reumatismo e não pôde ir... 1 No capítulo XXXVIII, o doutor Bob Sawyer, sucessor de Nockemorf era comum essa informação àquela época, usa do expediente de enviar, por um menino, remédios de sua farmácia para endereços errados, recuperando-os, depois, com pedido de desculpas pelo engano, como forma de sugerir que tinha uma vasta clientela. Por causa disso, pergunta ao garoto se fez a entrega: Os pós para a criança, na casa grande para onde se mudou aquela família nova, e as pílulas que devem ser tomadas quatro vezes por dia, em casa do velho rabugento que sofre de gota? No capítulo XLI, o senhor Pickwick tomou uma atitude drástica, quando estava na prisão por não ter aceitado uma decisão da Justiça no caso que era movido contra ele, ao investir sobre um cidadão que lhe arrancara da cabeça o barrete de dormir. Saltando da cama, desferiu-lhe forte murro no peito e recuperou a peça que lhe havia sido tirada. Disse o agredido: Muito bem; o senhor é valente, hein? (...) Agora pule outra vez para a cama, pois, do contrário, apanha reumatismo. 1 Referências 1 Dickens C: As Aventuras do Sr. Pickwick, Abril Cultural, São Paulo, Seda H: A gota de Charles Dickens, Bol Soc Reumatol RJ, 36(130): 4-6, Dicionário Enciclopédico Larousse Ilustrado, Editora Abril, São Paulo,

14 Especial - Presidenciáveis Escolha bem seu candidato também na SBR Dois mil e dez é ano de eleição igualmente para os sócios da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), que vão escolher, durante o próximo congresso, em setembro, quem vai comandar os destinos da entidade entre 2012 e A missão não é fácil porque, mais uma vez, a disputa se dá entre dois profissionais extremamente dedicados à formação de novos especialistas, mas que, contudo, não abrem mão da essência de sua profissão: diagnosticar e tratar pacientes. Nesta edição do Boletim Informativo da SBR, preparamos uma entrevista especial com os candidatos para ajudar você a tomar sua decisão. De um lado, a chefe da Seção de Diagnóstico e Terapêutica do Serviço do Reumatologia do Hospital Servidor Público do Estado de São Paulo (HSPE-SP), Rina Giorgi, e, de outro, o chefe do Serviço de Reumatologia do Hospital-Geral de Fortaleza (HGF), Walber Pinto Vieira. Confira a história e as propostas de cada um e ponha certeza em seu voto! Quais são seus planos para a SBR, caso seja eleito(a) presidente para o próximo biênio? Rina Giorgi Planos, sempre temos muitos. Precisamos, porém, discutir metas e linhas de interesse para o desenvolvimento e a visibilidade da nossa especialidade, visando ao profissionalismo, aos meios de sustentabilidade, à maior oferta de serviços e ao acesso crescente às inovações. Programas de sucesso, como o BiobadaBrasil, o Pronuclear, os consensos elaborados em conjunto com a Associação Médica Brasileira e outras iniciativas das gestões em curso, devem ser apoiados e amplificados. Por outro lado, precisamos valorizar nosso associado e dar-lhe ainda mais suporte, implementando módulos de educação continuada presenciais. Não pode faltar o apoio ao ensino da Reumatologia na graduação e às ligas contra o reumatismo, base inicial para tornar a especialidade conhecida entre o corpo médico do País e, assim, atrair jovens estudantes para nossa área. Devemos também zelar pela qualidade do especialista, prestar assessoria jurídica aos nossos associados e apoiá-los nas ações de classe e nas reivindicações por remuneração justa. Por fim, acho ainda importante dar suporte à compra de equipamentos para os serviços formadores de especialistas, a exemplo do ultrassom com Doppler e do capilaroscópio, além de incentivar e captar recursos para programas de pesquisa e epidemiologia de interesse da entidade, coordenados pelos serviços universitários. Walber Pinto Vieira Eu me sentirei muito honrado caso os colegas reumatologistas de todo o Brasil me escolham para dirigir a nossa Sociedade Brasileira de Reumatologia no biênio Nessa oportunidade, gostaria de realizar uma gestão compartilhada, com participação representativa de todas as regiões do Brasil. Nosso país é muito extenso e apresenta variações regionais, tanto do ponto de vista cultural e de costumes quanto étnico, razão pela qual, por exemplo, as mesmas doenças em nossas regiões podem ter comportamento e evolução diferentes. Portanto, considero muito relevante que a nossa administração seja compartilhada. Preocupa-me muito também o desejo de fortalecer a imagem da Reumatologia. Nossa especialidade tem tomado um impulso muito grande nestes últimos anos, o que vem sendo demonstrado pela maior procura pela residência médica, pelo surgimento de novos serviços em varias regiões do Brasil, mesmo em lugares mais remotos, onde nunca houve Reumatologia, e também pelo desenvolvimento de novos tratamentos. O resultado disso é que ganhamos espaço e começamos a chamar a atenção dos gestores da saúde, da indústria farmacêutica, da mídia e de outros profissionais. Considero que o resultado foi muito bom, mas precisamos transformar este momento favorável em ganhos reais e concretos para os reumatologistas. 14

15 Rina Giorgi, chefe da Seção de Diagnóstico e Terapêutica do Serviço de Reumatologia do Hospital Servidor Público do Estado de São Paulo. Walber Pinto Vieira, chefe do Serviço de Reumatologia do Hospital-Geral de Fortaleza, ao lado dos filhos. Como acredita que poderá contribuir para ampliar a visibilidade da Reumatologia nacional? Rina A Reumatologia avançou muito nos últimos 15 anos e se tornou uma especialidade mais resolutiva, apesar de haver ainda muito que pesquisar em nossa área. A SBR possui hoje inúmeros sócios que se destacam no cenário internacional. Da mesma forma, nossos pacientes vêm sendo mais bem tratados e têm acesso aos novos recursos terapêuticos, não só nos grandes centros, mas também em cidades menores, que dispõem de excelentes reumatologistas. Nos últimos concursos para o título de especialista, quase todos os residentes formados em serviços de capitais menores das Regiões Norte, Nordeste e Centro- Oeste obtiveram êxito. É certo, porém, que existem regiões sem reumatologistas e que a SBR precisa incentivar essa migração. Para tanto, pode expor, em seu site, as oportunidades de emprego em cidades menores e os concursos para professor nas inúmeras faculdades existentes, assim como fazer um mapeamento dos municípios com mais de habitantes e sem nenhum reumatologista. Talvez possamos também discutir a possibilidade de oferecer, aos profissionais de regiões mais carentes, estágios em serviços qualificados, com supervisão contínua e pontuação durante cinco anos nas atividades de acreditação, de forma que, assim, eles se sintam estimulados a prestar o título de especialista. Walber O caminho para ampliar a visibilidade da Reumatologia em âmbito nacional passa pela valorização do reumatologista, seja como médico atuando na medicina privada e/ou pública, seja como pesquisador. Todo esse contexto citado anteriormente deve ser revertido nessa valorização. É fundamental que a SBR mantenha os esforços para consolidar a indexação da Revista Brasileira de Reumatologia (RBR). É esperado que, no próximo biênio, a RBR já tenha conseguido a indexação, o que nos trará um desafio diferente, ou seja, sua consolidação. Para isso, precisamos incentivar os pesquisadores em Reumatologia a optarem pela publicação na RBR, não apenas de artigos de revisão ou de relato de casos, mas principalmente de artigos originais, que resultem das dissertações e teses por eles orientadas, assim como dos resultados de seus projetos financiados por entidades como CNPq e fundações de apoio à pesquisa. Logo após a indexação da RBR, a grande meta deve ser conseguir que seus artigos sejam citados e, para isso, é essencial a qualidade. Em futuro não muito distante, é possível imaginar nossa revista sendo mais bem classificada pela Capes, quando, então, esses pesquisadores poderão colher seus frutos. Outro ponto importante será a avaliação periódica das residências médicas em Reumatologia. Como o número de serviços e residências tem aumentado, considero fundamental que a qualidade do profissional egresso desses serviços seja destacada. De forma alguma podemos nos esquecer daquele que é o principal membro dessa sociedade, o médico reumatologista que destina a maior parte do seu tempo em consultório e ambulatório. De modo geral, nosso especialista é muito respeitado como detentor de conhecimento aprofundado e bastante especifico, estando apto a resolver aqueles casos mais complexos e >> 15

16 Especial >> incomuns. Daí porque os programas de educação continuada, assim como o acesso à informação, devem ser oferecidos e facilitados para todos esses profissionais. Um exemplo da eficiência desse processo é a publicação de consensos sobre diversas doenças como resultado da atuação de comitês específicos. Podemos observar que, após essa iniciativa, as condutas tendem a se tornar mais homogêneas, o que valida a atuação dos profissionais em qualquer região do País. O que o(a) levou a concorrer à presidência da SBR? Rina Primeiramente, vontade de concorrer. Conquistei meu título de especialista em 1979 e, desde essa época, sempre participei da Não pode faltar o apoio ao ensino da Reumatologia na graduação e às ligas contra o reumatismo, base inicial para tornar a especialidade conhecida entre o corpo médico do País e, assim, atrair jovens estudantes para a nossa área. Rina Giorgi SBR e me interessei por suas atividades, por suas conquistas e por seu crescimento. Além disso, gosto muito da área administrativa e tenho um senso prático, criativo e prazeroso com esse tipo de atividade. Outra razão foi que, desde jovens, eu e a Dra. Gesabel Marques, infelizmente já falecida, sonhamos em um dia concorrer à presidência da SBR. E o terceiro motivo, e, talvez, o mais relevante, é que venho do HSPE-SP, dirigido pelo professor Wiliam Chahade, que sempre incentivou o trabalho da SBR e soube passar para cada um de seus mais de 200 ex-residentes e especializandos a importância da atividade associativa e do título de especialista para nos tornarmos membros efetivos e, portanto, participativos do desenvolvimento da entidade. Walber Sou membro da SBR desde 1969 e tenho um carinho muito grande pela nossa especialidade. Além disso, mantenho livre trânsito com os todos os colegas, sem nenhuma má querência, atrito ou divergência, e isso me credencia e estimula a galgar a presidência da nossa sociedade. O (a) senhor (a) tem experiência anterior em cargos de comando de sociedades médicas? Quais são suas atividades profissionais atuais e pregressas? Rina Participei de inúmeras comissões, inicialmente da Sociedade Paulista de Reumatologia, tendo sido eleita para presidi-la no biênio Nessa gestão, realizamos, juntamente com o grupo da professora Eloisa Bonfá, em 2000, o XXVIII Congresso Brasileiro de Reumatologia, em São Paulo, que contou com mais de dez convidados internacionais em diferentes áreas e teve um curso pré-congresso de Imunologia básica, uma vez que os avanços na terapêutica das doenças autoimunes já despontavam como uma grata realidade para nossos pacientes. Na SBR, a partir da gestão do professor Ximenes, participei de diversas comissões sucessivamente, que culminaram com a presidência da Comissão de Título de Especialista e de Ensino e Educação. Também tomei parte da presidência da Comissão de Ética em Pesquisa do Seconci-São Paulo durante dez anos, bem como das Comissões de Ética Médica ligadas ao Cremesp, tanto no Seconci como no HSPE-SP. Contudo, é como chefe da Seção de Diagnóstico e Terapêutica do Serviço de Reumatologia do HSPE-SP, onde estou desde 1989, que desenvolvo a medicina de que gosto, tanto na área administrativa quanto na formação de novos especialistas para a realidade de um atendimento humanizado, ético e voltado a uma prática médica em que o conhecimento tem, no paciente, o principal objetivo. Walber Fui diretor científico e presidente da Sociedade Cearense de Reumatologia, presidi o XXII Congresso Brasileiro de Reumatologia e tive a honra de participar da fundação da Sociedade Cearense de Reumatologia, da Sociedade Maranhense de Reumatologia e da Sociedade Paraense de Reumatologia. Da mesma forma, fui um dos idealizadores e responsável pelas Jornadas Regionais de Reumatologia de todo o Brasil. A primeira ocorreu em 1972, aqui em Fortaleza, tendo sido denominada I Jornada Norte/Nordeste do Brasil de Reumatologia. Daí para frente sucederam-se outras, de acordo com cada região do País. Também idealizei e fundei o Grupo de Apoio aos Pacientes Reumáticos do Ceará, o Garce, hoje com mais de 3 mil associados. Qual é sua formação completa? Dentro da Reumatologia, por que linha de pesquisa ou área tem mais interesse? Rina Fiz minha residência médica no HSPE-SP em apenas dois anos ( ), na época, e depois cursei meu mestrado em Reumatologia na Faculdade de Medicina da USP, no serviço do professor Wilson Cossermelli, tendo tido o professor Alexandre Gabriel como orientador e, depois, amigo. Prestei meu título de especialista em 1979, ano em que a SBR era presidida pelo professor Israel Bonomo e a Comissão do Título de Especialista, pelo professor Ronaldo Batista. Minha atual área de interesse é a artrite reumatoide, mas gosto de toda a Reumatologia aliás, gosto mesmo de ver doente, examinar, fazer diagnóstico e tratar. Dentro do HSPE-SP, somos formados para o atendimento do paciente, com uma ampla visão de todas as patologias. Além disso, o ensino médico também me interessa e, hoje, tenho lido muito sobre essa área. 16

17 Nosso país é muito extenso e apresenta variações regionais, razão pela qual as mesmas doenças, em regiões distintas, podem ter comportamento e evolução diferentes. Portanto, considero muito relevante que a nossa administração seja compartilhada. Walber Vieira Walber Fiz residência no Centro de Reumatologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro, no serviço do professor Israel Bonomo. Como membro do corpo clínico do Hospital-Geral de Fortaleza (HGF), fui preceptor de Reumatologia da Residência em Clínica Médica e do Internato da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC) até a criação do serviço de Reumatologia e a instalação da residência médica dessa especialidade, aprovada pelo MEC. Atualmente, sou mestrando em Farmacologia Clínica pela Faculdade de Medicina da UFC, professor-associado da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual do Ceará, chefe do Serviço de Reumatologia do HGF e coordenador da Residência Médica em Reumatologia do mesmo hospital. Por que escolheu a Reumatologia? O que o(a) influenciou? Rina Eu me formei em medicina pela Faculdade de Medicina da FTE Souza Marques, em Na época, havia terminado o científico no Colégio Santo Inácio, no Rio de Janeiro, não fiz cursinho e me questionei muito se deveria fazer novo vestibular. Escolhi não esperar e ficar na Souza Marques, do que não me arrependo, pois a qualidade do ensino foi muito boa. O corpo docente era composto de professores como Berardinelli Tarantino, Doyle Maia, Hildebrando Marinho, Jarbas Porto, Oswaldo Seabra e Anadyl Roseli, entre muitos outros excelentes profissionais. Contudo, a cadeira com que mais me identifiquei foi a de Reumatologia, no quarto ano, que era chefiada pelo professor Luiz Verztman e tinha, como preceptores, os professores Nocy Leite, Jacob Rubinstein, Flamarion Dutra e Maria Lúcia. Certa do que queria, a partir de 1975 passei a assistir a cursos e jornadas da Sociedade de Reumatologia do Rio de Janeiro. No Internato do Hospital da Lagoa, frequentei a enfermaria de Reumatologia, chefiada, na ocasião, pelo Dr. Emílio Medauar e pelo Dr. Roque Ricarte, assim como a Fisiatria, que tinha então à frente o professor Roberto Carneiro. Fiz ainda estágio na Santa Casa com o professor Samuel Roimicher, que era muito amigo de um primo de minha mãe, o Dr. Arnaldo Bonfim. E passei um mês extremamente proveitoso como residente do Hospital de Bonsucesso no serviço do professor Geraldo Castellar Pinheiro, juntamente com os doutores Newton de Azevedo, Cecília Salgado e Fernando Coimbra. O fato é que tive, em minha fase inicial na especialidade, a oportunidade de conviver e aprender com grandes professores da Reumatologia Brasileira. Além de admirá-los profundamente, sou muito grata a todos eles. Walber Fui influenciado para estudar Reumatologia pelo professor Geraldo Gonçalves, nosso mestre pioneiro e primeiro reumatologista do Estado do Ceará. Quando eu cursava o sexto ano de medicina, o professor me chamou para trabalhar com ele, despertando em mim o desejo e a vontade de fazer essa especialidade. Quando não está se dedicando à sua profissão, que outras atividades o(a) encantam, além da medicina? Rina Praticamente só faço medicina, absorvendo-me com a formação de residentes e especializandos do nosso serviço e com toda a atividade decorrente da nossa profissão. Trabalho também no consultório, que tenho muita honra de dividir, há quase 25 anos, com a professora Elda Hirose Pastor, com quem aprendo muito. Fora o trabalho, gosto de pequenas felicidades, como o nascer e o pôr do sol, a lua e paisagens memoráveis. Adoro cozinhar e comer também. Cinema, leitura e história são meus passatempos, sem esquecer das viagens. Sou católica de formação e prática. Se tivesse de fazer uma nova faculdade, seria de geologia ou geografia, pois adoro entender o Universo e o nosso planeta. Mais isso talvez lá pelos 75 anos! Walber Curto muito minha família, minha mulher, meus filhos. Gosto de conversar e trocar ideias com eles e partilhar um ambiente de paz, descontração e tranquilidade. Meus hobbies preferidos são cinema, livros de ficção policial e música, pois, como dizia Artur da Távola, de saudosa memória, música é vida interior e quem tem vida interior jamais padece de solidão. Perfil Carioca de São Paulo A caçula entre oito irmãos, Rina Giorgi nasceu no Rio de Janeiro, no ano de Mudou-se para São Paulo em 1978, para fazer sua residência médica, e da capital paulista não saiu mais, a ponto de se considerar hoje uma típica paulistana. Apesar das saudades das praias do Rio, pondera. Casou-se em 1980 e teve dois filhos, Gabriel, hoje com 29 anos, e Camila, com 24, ambos terminando medicina e administração, respectivamente. Franciscano de nascimento Já Walber Pinto Vieira é natural de Canindé, interior do Ceará, um município famoso pela romaria a São Francisco de Assis. Por ocasião da romaria, mais de um milhão de pessoas visitam essa cidade, orgulha-se. Casado com Maria Luiza há 31 anos, é pai de quatro filhos: o advogado Walber, de 40 anos, o engenheiro mecânico Fábio, de 37 anos, o administrador Haendel, de 29 anos, e o bacharel em comércio exterior Hegel, de 28 anos. 17

18 Dia a dia Por dentro dos questionários de avaliação da qualidade de vida Veja, aqui, como escolher, aplicar, traduzir, adaptar e validar esses instrumentos, que comprovadamente ajudam a melhorar a assistência prestada ao paciente. as últimas décadas, tem se observado um aumento significativo das publicações sobre qualidade de vida, Ncomo descrições de perfis de saúde, avaliações do impacto de novas tecnologias em saúde na qualidade de vida dos pacientes com diferentes doenças e análises econômicas ou árvores de decisão que levam em conta esse parâmetro. Tal preocupação reflete o reconhecimento de que é fundamental incorporar o ponto de vista do paciente como medida de desfecho em estudos na área da saúde. Apesar disso, para a maioria dos profissionais da saúde, a prática da medicina está centrada na doença e focada em problemas, com a atenção concentrada em medidas tradicionais, como a análise de resultados de exames complementares. Entretanto, existem evidências de que a aplicação clínica das ferramentas de avaliação da qualidade de vida baseadas na opinião do paciente traz diversos benefícios que melhoram a assistência médica, da identificação de problemas prioritários à verificação da resposta aos tratamentos instituídos. Os instrumentos mais utilizados na avaliação da qualidade de vida são constituídos por questionários, genéricos ou específicos, compostos de uma série de perguntas que, divididas em subgrupos, permitem investigar grandes dimensões da vida, ou domínios, o termo usado com mais frequência para se referir a determinada área do comportamento ou condição humana. Por exemplo, questões sobre mobilidade e capacidade de autocuidado podem ser agrupadas num domínio que avalie função física, enquanto perguntas sobre depressão e ansiedade podem ser reunidas num outro domínio que avalie o estado emocional. Assim como ocorre com outros meios de avaliação, como as medidas antropométricas e testes diagnósticos, os questionários de qualidade de vida devem ser testados quanto às suas propriedades de medida, entre as quais validade, reprodutibilidade e sensibilidade a mudanças. Na prática, portanto, um bom instrumento deve ter sido adequadamente validado, ser reprodutível e mostrar-se capaz de detectar alterações na qualidade de vida que reflitam as mudanças observadas na condição clínica do indivíduo. Tipos de questionário Os questionários genéricos de qualidade de vida estão divididos entre os que analisam perfis de saúde e os que levantam preferências por estados de saúde e tratamentos, conhecidos em inglês pela expressão utility-measures of quality of life. Os instrumentos destinados à avaliação de perfis de saúde permitem avaliar simultaneamente vários domínios, com escores de pontuação individualizados para cada um deles. Podem ser utilizados em diferentes populações, independentemente das condições clínicas subjacentes, e possibilitam comparações da qualidade de vida de subgrupos com características diferentes. Contudo, nem sempre conseguem identificar mudanças na qualidade de vida relacionadas a modificações numa condição clínica específica. Já o utility-measures of quality of life deriva da teoria econômica de tomada de decisão sob incerteza (Jonh Von Neumann e Oscar Morgenstern, 1944). Esses instrumentos refletem as preferências dos indivíduos por um determinado estado de saúde ou tratamento, considerando diversas variáveis e cenários possíveis, desde a saúde perfeita até a morte. Os resultados obtidos são expressos em um único número que varia de zero a dez, numa escala contínua, na qual zero representa a morte e dez, um estado de saúde perfeita. O escore final das medidas de utility aponta não só o que a pessoa prefere em matéria de saúde, mas também o valor que atribui a esse estado. As medidas de utility são importantes para o cálculo dos anos de vida ajustado pela qualidade (quality-adjusted life years QALYS), o que se emprega nas análises econômicas de custo-benefício e na elaboração de árvores de decisão. Entretanto, o valor final não fornece informações sobre os domínios considerados na avaliação da qualidade de vida. Já os instrumentos específicos servem para a análise de aspectos da qualidade de vida em uma determinada área de interesse, ou seja, podem ser específicos para estudar uma determinada doença, população ou função. A grande vantagem desses questionários é sua maior sensibilidade a mudanças na condição clínica do indivíduo, razão pela qual oferecem grande auxílio na avaliação de estratégias instituídas para 18

19 o tratamento de pacientes, tanto na prática clínica quanto em ensaios clínicos. Formas de administração Os instrumentos de avaliação da qualidade de vida podem ser administrados por entrevistadores treinados ou, então, ser autoadministrados. A aplicação por meio de entrevista confere uma melhor qualidade à coleta de dados, uma vez que garante que todas as questões sejam respondidas e diminui a quantidade de erros relacionada a fatores como interpretação da pergunta e/ou distração no momento de responder ao questionário. A forma autoadministrada, embora mais barata que a conduzida por entrevistador, aumenta a chance de questões não respondidas de maneira adequada por esquecimento ou distração do entrevistado. É claro que a supervisão do preenchimento do instrumento pode amenizar esses problemas. Uma alternativa a essas duas formas é a administração do questionário por telefone, que reduz a possibilidade de perda de dados, mas exige uma estrutura relativamente simples do modelo a ser aplicado. Algumas vezes, a aplicação dos instrumentos pode ser realizada via computador/ internet. A escolha do instrumento A opção por um ou outro questionário depende do objetivo de sua aplicação. Os instrumentos genéricos são mais adequados para documentar o perfil de saúde de uma população geral ou de um grupo de pacientes, considerando-se vários domínios da qualidade de vida, como capacidade funcional, saúde mental e aspectos sociais. Os resultados da avaliação podem ser úteis na comparação do perfil de saúde dos indivíduos estudados com o de outras populações ou grupo de pacientes, mesmo diante de condições clínicas distintas. Por conta disso, as ferramentas de avaliação da qualidade de vida têm sido cada vez mais utilizadas em ensaios clínicos para o estudo de novas opções terapêuticas, seja como medida de desfecho primário, seja como medida de desfecho secundário. Para essa finalidade, os instrumentos específicos têm se mostrado os mais adequados, pois apresentam sensibilidade maior a mudanças no estado clínico do paciente. Muitas vezes, os instrumentos genéricos também entram em ensaios clínicos, porém com o objetivo de complementar as informações sobre as alterações observadas na qualidade de vida dos pacientes com a terapêutica instituída. Uma vez comprovada a eficácia da intervenção em estudo, o interesse passa a se concentrar em estimar o impacto do efeito do novo tratamento na qualidade de vida dos pacientes. Em seguida, é possível elaborar análises econômicas e modelos para a tomada de decisão, os quais auxiliam os gestores do sistema de saúde na avaliação da incorporação de novas tecnologias. Tradução, adaptação cultural e validação Definidos os objetivos da avaliação de qualidade de vida e feita a escolha do tipo de questionário, é preciso checar se o instrumento em questão foi elaborado em uma língua diferente. Se a versão original for de um outro idioma, deve-se verificar se foi traduzida e adaptada culturalmente. Ainda que o processo de tradução tenha sido realizado de forma adequada tradução, back-translation, antes de utilizar o instrumento há necessidade de realizar um teste de sua aplicação para assegurar que a versão obtida seja interpretada da mesma maneira que a original, ou seja, que haja equivalências semântica, idiomática, conceitual e gramatical entre as duas. A validade de um instrumento que mede qualidade de vida, por sua vez, depende de seu número de utilizações. Para garanti-la, portanto, é necessário que o questionário tenha sofrido novo processo de validação na língua para a qual ele foi traduzido. Convém ainda averiguar se o questionário depende de autorização prévia para ser utilizado, já que alguns requerem a obtenção de licença ou permissão, conforme a finalidade do uso. É uma boa prática, antes de iniciar quaisquer utilizações de instrumentos de qualidade de vida com fins de pesquisa, seja para tradução/adaptação cultural/validação, seja para ensaios clínicos ou outros propósitos, fazer contato com seus autores para obter a autorização por escrito, a fim de evitar problemas com consequências legais. Cada um sente a qualidade de vida de um jeito Vários estudos têm demonstrado que a saúde é um dos fatores mais importantes na elaboração do conceito de qualidade de vida, em grande parte influenciado pela definição da própria Organização Mundial da Saúde, que, em 1947, declarou que a saúde não se refere somente à ausência de doença, mas a uma sensação de bem-estar físico, mental e social que, portanto, é muito pessoal. Até o momento, não existe um conceito único de qualidade de vida, mas é possível afirmar que ela consiste numa percepção individual do estado de saúde, avaliado em grandes domínios ou dimensões da vida, o que caracteriza sua face subjetiva e multidimensional. Mais um ponto a favor desses questionários. 19

20 Notas Confira os aprovados na prova do título 2010 É com grande satisfação que a Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) divulga a relação de médicos aprovados na prova de suficiência para a obtenção do título de especialista em Reumatologia, aplicada nos dias 5 e 6 de março, em São Paulo. Contendo questões abrangentes dos diversos campos de atuação do reumatologista, a prova foi elaborada pela Comissão do Título de Especialista da SBR, presidida pela professora doutora Emília Inoue Sato (SP) e constituída pelos membros Alexandre Wagner S. Souza (SP), Cristina Costa Duarte Lanna (MG), Elisa Marins das Neves de Albuquerque (RJ), Fernanda Rodrigues Lima (SP), Jozélia Rego (GO), Nafice Costa Araújo (SP) e Ricardo Machado Xavier (RS). Neste ano, o concurso teve alguns diferenciais importantes, segundo a professora Emília. A prova prática foi composta de duas partes: uma feita em computador, com imagens clínicas, histopatológicas, radiográficas, tomográficas e de ressonância, além de outras imagens radiológicas, e outra de discussão de casos clínicos, conta. Nesses itens, os avaliadores corrigiram as respostas e deram as notas segundo um checklist, criado previamente pela comissão, no qual os candidatos tinham de comentar cada um dos aspectos listados ou a maioria deles, a fim de que a correção fosse a mais homogênea possível. O fato é que a prova está ficando cada vez mais desafiadora. Mais do que nunca, portanto, os aprovados merecem nossos parabéns! Dois momentos do título de especialista 2010: hora de os futuros reumatologistas prestarem a prova e hora de a comissão corrigir a prova. Os aprovados de 2010 Alessandra Cardoso Pereira Aline Assaf Branco Amir Sadalah Fakhouri Ana Cecília Diniz Oliveira Ana Letícia Pirozzi Buosi Ana Luísa Garcia Calich Ana Luísa Vanalle Ferrari Anna Lydia Mol Ferreira Briele Keiserman Camila Lobo Pedroso Carina Mori Frade Gomes Cássia de Fátima Monteiro Franchini Christiane Aguiar Nobre Christina Paesano Marques Garcia Cintia Zumstein Camargo Corina Quental de Menezes Alvarenga Cristiane Junqueira de Carvalho Cristiane Mendes da Silva Daiana Martins de Campos Daniele Souza Freitas Dante Valderato Bianchi Danyele Mylena Lopes de Andrade Azevedo Dias Davi da Costa Furtado Débora Karine Marinello Deise Marcela Piovesan Fabrícia Santos de Melo Kobayashi Felipe César Freire Fernanda Manente Milanez Fernando Henrique Carlos de Souza Fernando Villela Andrigueti Flávia Soares Machado Francieli de Sousa Rabelo Francisco Gustavo Mendes e Ferreira de Araujo Gisele Coelho Pacheco Cabral Gisele Cristine Dyonísio Fernandes Giselle Baptista Maretti Glauce Leão Lima Guilherme de Freitas Barcelos Juliane Mezetti Cunha Karina Rossi Bonfiglioli Leandro Tavares Finotti Letícia Martins Faleiros Luciana Feitosa Muniz Luciano Junqueira Guimarães Luiza Fuoco da Rocha Marina Gonçalves Veras de Morais Natália Pereira Machado Nilton Salles Rosa Neto Osvaldo Antonio Haider Junior Paula Miguel Lara Renata Miossi Robson Luiz Dominoni Tatiane Galdino Leal Calumby Vanessa Miranda Pereira Yadine Alcolumbre 20

CONDROFLEX. sulfato de glicosamina + sulfato de condroitina. Cápsula. 500mg + 400mg

CONDROFLEX. sulfato de glicosamina + sulfato de condroitina. Cápsula. 500mg + 400mg CONDROFLEX sulfato de glicosamina + sulfato de condroitina Cápsula 500mg + 400mg CONDROFLEX sulfato de glicosamina + sulfato sódico de condroitina APRESENTAÇÕES Condroflex 500mg + 400mg. Embalagem com

Leia mais

V CURSO DE REUMATOLOGISTAS

V CURSO DE REUMATOLOGISTAS Remetente: Sociedade Paulista de Reumatologia Rua Maestro Cardim, 354 - cj. 53 01323-000 - São Paulo - SP Tel.: 11 3284-0507 E-mail: reumatologiasp@reumatologiasp.com.br V CURSO DE REUMATOLOGISTAS SÃO

Leia mais

Naxogin nimorazol. Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. Cada comprimido de Naxogin contém 500 mg de nimorazol.

Naxogin nimorazol. Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. Cada comprimido de Naxogin contém 500 mg de nimorazol. Naxogin nimorazol PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Naxogin Nome genérico: nimorazol Forma farmacêutica e apresentações: Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. USO ADULTO USO ORAL Composição:

Leia mais

XIX Encontro Rio-São Paulo XXI Jornada Paulista de. Reumatologia. 8 a 10 de dezembro de 2011 - Maksoud Plaza Hotel. São Paulo, S P

XIX Encontro Rio-São Paulo XXI Jornada Paulista de. Reumatologia. 8 a 10 de dezembro de 2011 - Maksoud Plaza Hotel. São Paulo, S P 8 a 10 de dezembro de 2011 - Maksoud Plaza Hotel São Paulo, S P A presentação: Prezados amigos, Aproxima-se rapidamente a data de mais um evento, dos mais importantes da nossa especialidade. O XIX ENCONTRO

Leia mais

ENTRE FRALDAS E CADERNOS

ENTRE FRALDAS E CADERNOS ENTRE FRALDAS E CADERNOS Entre Fraldas e Cadernos Proposta metodológica: Bem TV Educação e Comunicação Coordenação do projeto: Márcia Correa e Castro Consultoria Técnica: Cláudia Regina Ribeiro Assistente

Leia mais

Aesculus hippocastanum

Aesculus hippocastanum Novarrutina Aesculus hippocastanum FITOTERÁPICO Parte utilizada: semente Nomenclatura botânica Nome científico: Aesculus hippocastanum Nome popular: Castanha da Índia Família: Hippocastanaceae. Formas

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg Capilarema Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos 75 mg CAPILAREMA aminaftona APRESENTAÇÕES Comprimidos simples de 75 mg cartucho contendo 30 ou 60 comprimidos. VIA ORAL - USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido

Leia mais

Benefícios da Suplementação

Benefícios da Suplementação FECHAMENTO AUTORIZADO PODE SER ABERTO PELA ECT Impresso Especial 9912273897 - DR/SPM Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte CORREIOS Nos processos inflamatórios crônicos1 Um novo tempo no tratamento

Leia mais

Betaserc dicloridrato de betaistina

Betaserc dicloridrato de betaistina Betaserc dicloridrato de betaistina MODELO DE BULA PARA O PACIENTE FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES BETASERC (dicloridrato de betaistina) 16 mg: cartuchos com 30 comprimidos. BETASERC (dicloridrato de

Leia mais

Meta 5 Melhorar a saúde das gestantes.

Meta 5 Melhorar a saúde das gestantes. CARTA DENÚNCIA SOBRE O FUNCIONAMENTO DA RESIDÊNCIA DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA DO HOSPITAL REGIONAL DA ASA NORTE DISTRITO FEDERAL Brasília, 24 de setembro 2013 Ao Conselho de Saúde do Distrito Federal A/C

Leia mais

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA 1. Renata Emanuela de Queiroz Rêgo. Faculdade Santa Maria/FSM. Email: renata-emanuela@hotmail.com 2. Ankilma do Nascimento Andrade. Faculdade Santa Maria/FSM.

Leia mais

dicloridrato de betaistina

dicloridrato de betaistina dicloridrato de betaistina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica. Comprimidos 16 mg dicloridrato de betaistina Medicamento Genérico, Lei n o 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES: Comprimidos simples: embalagem

Leia mais

NAXOGIN COMPRIMIDOS. 500 mg

NAXOGIN COMPRIMIDOS. 500 mg NAXOGIN COMPRIMIDOS 500 mg Naxogin nimorazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Naxogin Nome genérico: nimorazol APRESENTAÇÕES Naxogin comprimidos de 500 mg em embalagens contendo 8 comprimidos.

Leia mais

Betaserc dicloridrato de betaistina

Betaserc dicloridrato de betaistina MODELO DE BULA PARA O PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Betaserc dicloridrato de betaistina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES BETASERC (dicloridrato de betaistina) 16 mg: cartuchos com 30 comprimidos.

Leia mais

Reumatologia Avançada

Reumatologia Avançada 19 a 21 de maio - Maksoud Plaza Hotel São Paulo, SP 1 Comunicado Apresentação O XVII Encontro de - ERA se aproxima rapidamente. Novamente teremos a oportunidade de discutir importantes temas tanto básicos

Leia mais

Transamin Ácido Tranexâmico

Transamin Ácido Tranexâmico Transamin Ácido Tranexâmico 250 mg Zydus Nikkho Farmacêutica Ltda Comprimidos Bula do Paciente I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO TRANSAMIN ácido tranexâmico APRESENTAÇÕES Comprimidos de 250 mg. Embalagem

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida.

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. MODELO DE BULA Duphalac lactulose FORMA FARM ACÊUTICA E APRESENTAÇ ÃO DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

loratadina Merck S/A Comprimidos revestidos 10 mg

loratadina Merck S/A Comprimidos revestidos 10 mg loratadina Merck S/A revestidos 10 mg loratadina Medicamento genérico Lei nº 9.797, de 1999 APRESENTAÇÕES revestidos de 10 mg em embalagem com 12 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE

Leia mais

maleato de trimebutina

maleato de trimebutina maleato de trimebutina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica Cápsulas Gelatinosas Mole 200 mg maleato de trimebutina Medicamento genérico Lei n o 9.787, de 1999. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO:

Leia mais

artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares

artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares A artrite reumatoide não é o único desafio na vida dos pacientes. Mas muitos problemas

Leia mais

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml.

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml. Umckan Pelargonium sidoides Extrato Eps 7630 Nomenclatura botânica: Pelargonium sidoides, D.C. Nomenclatura popular: Umckaloabo Família: Geraniaceae Parte utilizada: raízes APRESENTAÇÕES Solução oral extrato

Leia mais

DO PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO A PRIMEIRA ELEIÇÃO MUNICIPAL

DO PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO A PRIMEIRA ELEIÇÃO MUNICIPAL DO PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO A PRIMEIRA ELEIÇÃO MUNICIPAL O processo de emancipação e a primeira eleição municipal de São João da Ponta ocorreram com muitas dificuldades. Para entendermos um pouco mais como

Leia mais

Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína

Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína 1 IDENTIFICAÇÃO MEDICAMENTO DO Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína APRESENTAÇÕES Comprimidos de 7,5 mg de fosfato de codeína e 500 mg de paracetamol em embalagens com 12 comprimidos

Leia mais

ENTREVISTA COM DRA. MÔNICA MARIA HENRIQUE DOS SANTOS

ENTREVISTA COM DRA. MÔNICA MARIA HENRIQUE DOS SANTOS dos Santos, Coordenadora de Assistência Farmacêutica da Funasa, em Pernambuco, e do programa de assistência farmacêutica na saúde indígena. Pelo jornalista Aloísio Brandão, Editor desta revista. m programa

Leia mais

Cobavital cobamamida cloridrato de ciproeptadina

Cobavital cobamamida cloridrato de ciproeptadina MODELO DE BULA DO PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Cobavital cobamamida cloridrato de ciproeptadina APRESENTAÇÕES Microcomprimidos COBAVITAL (1 mg cobamamida + 4 mg cloridrato de ciproeptadina):

Leia mais

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml.

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml. Umckan Pelargonium sidoides Extrato Eps 7630 Nomenclatura botânica: Pelargonium sidoides, D.C. Nomenclatura popular: Umckaloabo Família: Geraniaceae Parte utilizada: raízes APRESENTAÇÕES Solução oral extrato

Leia mais

Terapia Antiplaquetária no Mundo Real: O Que está Acontecendo no Brasil?

Terapia Antiplaquetária no Mundo Real: O Que está Acontecendo no Brasil? Apoiado por uma subvenção educacional independente de empresa Daiichi Sankyo, Inc.; Eli Lilly. Terapia Antiplaquetária no Mundo Real: O Que está Acontecendo no Brasil? Renato Lopes, MD, PhD: Olá e bem

Leia mais

olmesartana medoxomila Comprimido revestido - 20 mg Comprimido revestido - 40 mg

olmesartana medoxomila Comprimido revestido - 20 mg Comprimido revestido - 40 mg olmesartana medoxomila Comprimido revestido - 20 mg Comprimido revestido - 40 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 olmesartana medoxomila Medicamento genérico Lei nº 9.787,

Leia mais

Era o que você esperava? Não, superou todas as minhas expectativas. Ficou lindo. SIRONA.COM.BR

Era o que você esperava? Não, superou todas as minhas expectativas. Ficou lindo. SIRONA.COM.BR É o sonho de consumo de qualquer pessoa ter uma máquina dessa, inclusive o meu. Com o equipamento vou poder ajudar as pessoas a terem o sorriso como o meu e a praticidade também. O que você achou de ser

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG Anais do IX Seminário de Iniciação Científica, VI Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação e Semana Nacional de Ciência e Tecnologia UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 19 a 21 de outubro de 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO

Leia mais

RELATÓRIO DO FÓRUM DO FNEPAS REGIÃO LESTE-NORDESTE DE MINAS GERAIS

RELATÓRIO DO FÓRUM DO FNEPAS REGIÃO LESTE-NORDESTE DE MINAS GERAIS RELATÓRIO DO FÓRUM DO FNEPAS REGIÃO LESTE-NORDESTE DE MINAS GERAIS Nos dias 05 e 06 de outubro do corrente ano, na cidade de Governador Valadares, aconteceu o Fórum Nacional das Profissões da Área de Saúde-FNEPAS

Leia mais

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson Jaderson é um garoto de 11 anos, portador de insuficiência renal crônica, paciente do Serviço de Hemodiálise Pediátrica do Hospital Roberto Santos em Salvador-BA. É uma criança muito inteligente e talentosa,

Leia mais

Título: Parecer sobre Paciente com diagnóstico de ascite quilosa, provocada por fístulas linfático-peritoneais, provavelmente secundárias a trauma.

Título: Parecer sobre Paciente com diagnóstico de ascite quilosa, provocada por fístulas linfático-peritoneais, provavelmente secundárias a trauma. Folha de Informação rubricada sob nº do processo nº (a) Ref. 003/11 Paciente com diagnóstico de ascite quilosa, provocada por fístulas linfático-peritoneais, provavelmente secundárias a trauma. Parecer

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

IRCULANDO CONGRESSO EM DESTAQUE VITÓRIA - ES DE 12 A 14 DE NOVEMBRO Nº 31. Hotel Golden Tulip

IRCULANDO CONGRESSO EM DESTAQUE VITÓRIA - ES DE 12 A 14 DE NOVEMBRO Nº 31. Hotel Golden Tulip Nº 31 IRCULANDO R E V I S TA S E M E S T R A L INFORMATIVO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRCULAÇÃO EXTRACORPÓREA - XVII - 1º SEMESTRE 2015 PATROCINADOR CONGRESSO 2 0 1 5 DE 12 A 14 DE NOVEMBRO VITÓRIA -

Leia mais

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg OMENAX Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg tratar dispepsia, condição que causa acidez, azia, arrotos ou indigestão. Pode ser usado também para evitar sangramento do trato gastrintestinal

Leia mais

MODELO DE BULA. Piascledine 300

MODELO DE BULA. Piascledine 300 MODELO DE BULA Piascledine 300 Persea gratissima Glycine max Extrato insaponificável de abacate e soja MEDICAMENTO FITOTERÁPICO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Cápsulas Caixa com 15 e 30 cápsulas USO

Leia mais

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Xarope Pediátrico 3 mg/ml Xarope Adulto 6 mg/ml Modelo de Bula para Paciente IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Boletim Informativo SIERJ. Continuação da Programação do I Congresso. de Infectologia do Estado do Rio de Janeiro

Boletim Informativo SIERJ. Continuação da Programação do I Congresso. de Infectologia do Estado do Rio de Janeiro Ano 07 Nº 20 Out/Nov/Dez de 2006 Boletim Informativo SIERJ Continuação da Programação do I Congresso de Infectologia do Estado do Rio de Janeiro 04 Congresso promove atualização e troca de experiência

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Edição EXTRA! Coleção Aché de Educação para a Saúde

Edição EXTRA! Coleção Aché de Educação para a Saúde Coleção Aché de Educação para a Saúde Edição EXTRA! Olá, leitor! Você sabia que no Aché nós trabalhamos para melhorar a qualidade de vida das pessoas? Desenvolver medicamentos é uma das formas de aumentar

Leia mais

LORITIL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 10mg

LORITIL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 10mg LORITIL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 10mg MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Loritil loratadina

Leia mais

caixas com 25 ampolas de 1 ml

caixas com 25 ampolas de 1 ml AROVIT Palmitato de retinol (gotas e ampolas) Acetato de retinol (drágeas) VITAMINA A IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO - AROVIT Nomes genéricos Palmitato de retinol (gotas e ampolas) Acetato de retinol (drágeas)

Leia mais

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda.

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda. IDENTIFICAÇÃO DO Loxonin loxoprofeno sódico MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES LOXONIN é comercializado em caixas com 8, 15 ou 30 comprimidos de 60 mg. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido de LOXONIN

Leia mais

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana)

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana) Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros (textos e fotos Maurício Pestana) Responsável pelo parecer do Conselho Nacional de Educação que instituiu, há alguns anos, a obrigatoridade do ensino

Leia mais

1 Organizar de forma integrada rede de ações com as instituições de apoio

1 Organizar de forma integrada rede de ações com as instituições de apoio MISSÃO: ATUAR EM TODO TERRITÓRIO NACIONAL CRIANDO E ARTICULANDO SOLUÇÕES PARA INTEGRAR AS INSTITUIÇÕES DE APOIO E ASSISTÊNCIA ÀS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM CÂNCER, ORGANIZANDO AS NUMA REDE DE AÇÃO, ATRAVÉS

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

ENEMAPLEX fosfato de sódio monobásico monoidratado + fosfato de sódio dibásico heptaidratado. Forma farmacêutica: Solução de enema

ENEMAPLEX fosfato de sódio monobásico monoidratado + fosfato de sódio dibásico heptaidratado. Forma farmacêutica: Solução de enema ENEMAPLEX fosfato de sódio monobásico monoidratado + fosfato de sódio dibásico heptaidratado Forma farmacêutica: Solução de enema 1 MODELO DE BULA ENEMAPLEX fosfato de sódio monobásico monoidratado + fosfato

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos.

Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos. LACTO-PURGA bisacodil 5mg Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (crianças acima de 4 anos) USO ORAL

Leia mais

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO MANUAL DO JOVEM DEPUTADO Edição 2014-2015 Este manual procura expor, de forma simplificada, as regras do programa Parlamento dos Jovens que estão detalhadas no Regimento. Se tiveres dúvidas ou quiseres

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br RELAÇÃO DOS MÉDICOS COM A INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS, ÓRTESES/ PRÓTESE E EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES Conhecer

Leia mais

Propil* propiltiouracila. Propil* comprimidos de 100 mg em embalagem contendo 30 comprimidos.

Propil* propiltiouracila. Propil* comprimidos de 100 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. Propil* propiltiouracila I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Propil* Nome genérico: propiltiouracila APRESENTAÇÕES Propil* comprimidos de 100 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. VIA DE

Leia mais

Tema 1. Redução da Maioridade Penal

Tema 1. Redução da Maioridade Penal Tema 1 Redução da Maioridade Penal Questão que sazonalmente aparece nos meios de comunicação e é matéria de discussão acalorada na sociedade civil diz respeito à redução da idade de imputabilidade penal

Leia mais

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares.

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares. 1 Manual do Paciente Você não está sozinho Qualquer pessoa pode vir a desenvolver algum tipo de câncer ao longo da vida. No ano passado de 2008, mais de 1,3 milhões de novos cânceres foram diagnosticados

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 83 Papo Reto com José Junior 12 de junho de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PROPOSTA DE AÇÃO Sensibilizar os professores sobre a importância de incentivar seus alunos a participarem do Concurso

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo...

Leia mais

Iguassina hidroclorotiazida triantereno

Iguassina hidroclorotiazida triantereno Iguassina hidroclorotiazida triantereno Forma Farmacêutica e Apresentação: Comprimido: Embalagem com 20 comprimidos. USO ADULTO USO ORAL Composição: Cada comprimido contém: hidroclorotiazida 50 mg triantereno

Leia mais

Conjunto de ações estabiliza o Plano

Conjunto de ações estabiliza o Plano AGO SET 2009 Editado pela Assessoria de Comunicação Institucional Conjunto de ações estabiliza o Plano Desde o final do ano passado, a Superintendência de Saúde da Fachesf (PSS) tem desenvolvido um Plano

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Missão 03 Valores Institucionais 03 Escola Especial de Educação Básica 04 Clínica de Audição, Voz e Linguagem Prof. Dr. Mauro Spinelli

Leia mais

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas?????

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas????? Há 16 anos quando entrou na MK, a consagrada Diretora Nacional, Gloria Mayfield, não sabia como chegar ao topo, hoje ela dá o seguinte conselho. As lições que eu aprendi na Mary Kay para me tornar uma

Leia mais

ENSINANDO A APRENDER!

ENSINANDO A APRENDER! ENSINANDO A APRENDER! A hora do estudo da criança em casa pode ser produtiva, eficaz e até prazerosa se você colocar em prática uma série de dicas valiosas dos especialistas. Confira! Estudar é fundamental.

Leia mais

JOSÉ RAIMUNDO Brasil. Edição do dia 14/09/2012 14/09/2012 22h31 - Atualizado em 25/09/2012 22h48

JOSÉ RAIMUNDO Brasil. Edição do dia 14/09/2012 14/09/2012 22h31 - Atualizado em 25/09/2012 22h48 Entenda como funciona a terapia pela imposição das mãos http://g1.globo.com/globo-reporter/noticia/2012/09/entenda-como-funciona-terapia-pela-imposicao-dasmaos.html (assista ao vídeo com a reportagem completa)

Leia mais

A Conciliação. A Campanha 2015. Objetivos da Campanha

A Conciliação. A Campanha 2015. Objetivos da Campanha A Conciliação A Semana Nacional da Conciliação é uma ação institucional do CNJ que ocorre desde 2008. Essa iniciativa, já consolidada, conta com a participação de demais tribunais brasileiros e terá logomarca

Leia mais

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda.

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BENICAR olmesartana medoxomila APRESENTAÇÕES Benicar é apresentado em embalagens com 10 ou 30 comprimidos revestidos de olmesartana medoxomila nas concentrações de 20 mg ou

Leia mais

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Contribuições construídas pelo GT Juventude A avaliação das entidades e grupos que compõe o GT Juventude faz da atuação do Movimento em 2008 é extremamente

Leia mais

Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho

Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho # Tantas # Edição 01 # Ano 01 Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho Editorial Missão e Valores

Leia mais

PLESONAX. (bisacodil)

PLESONAX. (bisacodil) PLESONAX (bisacodil) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Revestido 5mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: PLESONAX bisacodil APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos Embalagem contendo

Leia mais

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas A atratividade da Carreira Docente no Brasil Fundação Carlos Chagas Questões de pesquisa Quais são os fatores relacionados à atratividade das carreiras profissionais? E especificamente da carreira docente?

Leia mais

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. AAS ácido acetilsalicílico

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. AAS ácido acetilsalicílico Modelo de Bula Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. AAS ácido acetilsalicílico FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES AAS Infantil comprimidos

Leia mais

Carboplatina_150_01 1

Carboplatina_150_01 1 Carboplatina DCB 01754 Medicamento genérico Lei nº. 9.787, de 1999 I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORMAS FARMACÊUTICAS, VIAS DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÕES COMERCIALIZADAS Carboplatina é um pó liófilo

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

Tucano nega plano para 2014 e atribui rejeição à ideia, explorada por adversários, de que deixaria prefeitura

Tucano nega plano para 2014 e atribui rejeição à ideia, explorada por adversários, de que deixaria prefeitura Fonte: O Globo 'Ficam dizendo que vou sair de novo' Tucano nega plano para 2014 e atribui rejeição à ideia, explorada por adversários, de que deixaria prefeitura Fernanda da Escóssia, Germano Oliveira,

Leia mais

Reunião do CONABEn em Maceió: Diretoria da ABEn Nacional, Seções e Regionais mostram seus avanços ao longo dos primeiros meses de 2014

Reunião do CONABEn em Maceió: Diretoria da ABEn Nacional, Seções e Regionais mostram seus avanços ao longo dos primeiros meses de 2014 Reunião do CONABEn em Maceió: Diretoria da ABEn Nacional, Seções e Regionais mostram seus avanços ao longo dos primeiros meses de 2014 O Conselho Nacional da Associação Brasileira de Enfermagem (CONABEn)

Leia mais

COLÉGIO BRSILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE RELATÓRIO DE GESTÃO DIREÇÃO NACIONAL BIÊNIO 2007-2009 2009 Fernando Mascarenhas Presidente Dinah Vasconcellos Terra Vice-Presidente Yara Maria de Carvalho Diretora

Leia mais

Convivência. Revista do PEN Clube do Brasil. 2ª Fase - 1º Semestre 2012 - Número 2 - Rio de Janeiro Brasil / ISSN 1518-9996 ESPECIAL

Convivência. Revista do PEN Clube do Brasil. 2ª Fase - 1º Semestre 2012 - Número 2 - Rio de Janeiro Brasil / ISSN 1518-9996 ESPECIAL Convivência Revista do PEN Clube do Brasil 2ª Fase - 1º Semestre 2012 - Número 2 - Rio de Janeiro Brasil / ISSN 1518-9996 ESPECIAL PEN CLUBE DO BRASIL: 76 ANOS (1936-2012) Cláudio Aguiar O sentido de qualquer

Leia mais

Fundado em 19 de MARÇO de 1990 - Diretora: Maria Coeli Galiaço Prata. A grandiosa Feira de Artesanato do Educandário São José!

Fundado em 19 de MARÇO de 1990 - Diretora: Maria Coeli Galiaço Prata. A grandiosa Feira de Artesanato do Educandário São José! JORNAL do Edição Nº 13 De 1º a 30 de SETEMBRO de 2012 Educandário São José Fundado em 19 de MARÇO de 1990 - Diretora: Maria Coeli Galiaço Prata A grandiosa Feira de Artesanato do Educandário São José!

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA E PESQUISA - CEC

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA E PESQUISA - CEC REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA E PESQUISA - CEC CAPÍTULO I - DA COMISSÃO E DE SUAS ATIVIDADES CAPÍTULO I DA COMISSÃO E DE SUAS ATIVIDADES Art.1º - A Comissão de Educação Continuada

Leia mais

Deposteron cipionato de testosterona

Deposteron cipionato de testosterona Deposteron cipionato de testosterona EMS SIGMA PHARMA LTDA Solução I.M. 100 mg/ ml MODELO DE BULA - PACIENTE Deposteron cipionato de testosterona APRESENTAÇÕES Solução oleosa injetável 100 mg/ml em embalagem

Leia mais

sobre pressão alta Dr. Decio Mion

sobre pressão alta Dr. Decio Mion sobre pressão alta Dr. Decio Mion 1 2 Saiba tudo sobre pressão alta Dr. Decio Mion Chefe da Unidade de Hipertensão do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP)

Leia mais

LABIRIN. dicloridrato de betaistina APSEN. FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 24 mg. Caixa com 30 comprimidos.

LABIRIN. dicloridrato de betaistina APSEN. FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 24 mg. Caixa com 30 comprimidos. LABIRIN dicloridrato de betaistina APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos APRESENTAÇÕES Comprimidos de 24 mg. Caixa com 30 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém: 24 mg dicloridrato

Leia mais

www.saude.gov.br (Portal da saúde) Farmácia Popular do Brasil

www.saude.gov.br (Portal da saúde) Farmácia Popular do Brasil www.saude.gov.br (Portal da saúde) Farmácia Popular do Brasil O Governo Federal criou o Programa Farmácia Popular do Brasil para ampliar o acesso aos medicamentos para as doenças mais comuns entre os cidadãos.

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor.

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. MANUAL DO VOLUNTÁRIO Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. Apresentação No decorrer do ano de 2010, muitas mudanças estruturais ocorreram na Casa do Bom Menino. Podemos colher alguns frutos positivos

Leia mais

NURAP 2 NURAP 3. Colaboração: Aprendizes Raquel André Silva

NURAP 2 NURAP 3. Colaboração: Aprendizes Raquel André Silva EXPEDIENTE Ano 3 - Dezembro - Edição 29 NURAP em revista é uma publicação do NURAP ( Núcleo de Aprendizagem Profissional) Destinada aos seus parceiros e aprendizes. Colaboração: Aprendizes Raquel André

Leia mais

Atribuições Clínicas do Farmacêutico

Atribuições Clínicas do Farmacêutico Atribuições Clínicas do Farmacêutico Evolução dos gastos com medicamentos do Ministério da Saúde 650% crescimento R$ Atualizado: 10/02/2014 Fonte: Fundo Nacional de Saúde FNS e CGPLAN/SCTIE/MS Hospitalizações

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

MECLIN. cloridrato de meclizina APSEN

MECLIN. cloridrato de meclizina APSEN MECLIN cloridrato de meclizina APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimido APRESENTAÇÕES Comprimidos de 25 mg em embalagem com 15 comprimidos. Comprimidos de 50 mg em embalagem com 15 comprimidos. USO ORAL USO

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

CLORIDRATO DE TANSULOSINA. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 0,4mg

CLORIDRATO DE TANSULOSINA. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 0,4mg CLORIDRATO DE TANSULOSINA Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 0,4mg MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT APOIO: Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD Casa de Cultura da Beira/CCB CERjovem ATENÇAÕ MULHER MENINA! Fundação Portugal - África RESPOSTAS

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEMCAMT01-P CONHECIMENTO E PRÁTICA DOS DISCENTES DO QUARTO PERÍODO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM SOBRE O AUTO-EXAME DAS MAMAS Ericka Vilar Brandão (1) ; Cleide Rejane Damaso de Araújo (3) Centro de Ciências

Leia mais

Atitudes pela Educação Novembro de 2014

Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Realização: Instituto Paulo Montenegro IBOPE Inteligência Parceiros da pesquisa: Todos Pela Educação Fundação Itaú Social Fundação Maria Cecília Souto Vidigal Fundação

Leia mais

ENTENDENDO AS ETAPAS INSCRIÇÃO

ENTENDENDO AS ETAPAS INSCRIÇÃO ENTENDENDO AS ETAPAS INSCRIÇÃO A inscrição no projeto deverá ser feita na área para professores. Para fazê-la, o educador deverá enviar uma imagem de sua turma, um apelido que a identifique e um breve

Leia mais

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO maleato de timolol 0,5% Medicamento genérico Lei nº 9.787 de 1999

Leia mais

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR Nas contas do ex-reitor da USP, anteprojeto da reforma não atende ao acordo com os reitores REFORMA UNIVERSITÁRIA Gabriel Manzano Filho O aumento de recursos

Leia mais