Mesa Redonda: POLÍTICAS PARA SUSTENTABILIDADE NAS UNIVERSIDADES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mesa Redonda: POLÍTICAS PARA SUSTENTABILIDADE NAS UNIVERSIDADES"

Transcrição

1 Mesa Redonda: POLÍTICAS PARA SUSTENTABILIDADE NAS UNIVERSIDADES PERGUNTAS NORTEADORAS: 1) O que significa ambientalizar a universidade e o que se espera com isso?

2 Ambientalização da universidade é a inserção da dimensão ambiental em qualquer temática universitária, seja ela voltada para o ensino, extensão ou administração Espera-se com isso desenvolver práticas sustentáveis nos diferentes aspectos da vida universitária de modo a criar uma universidade ambientalmente responsável e comprometida com a sociedade, que promova valores democráticos e da cidadania, bem como a melhoria na qualidade de vida no ambiente de trabalho.

3 2) De que forma a gestão dos recursos e o planejamento do território do campus podem incorporar a dimensão ambiental, e quais são os principais desafios para fortalecer seu papel na construção de sociedades responsáveis, solidárias e sustentáveis?

4 A gestão dos recursos dos campi da UFSCar pode incorporar a dimensão ambiental através de: mudança nas prioridades de investimentos com vistas à preservação ambiental, economia de recursos, acessibilidade e aumento da qualidade de vida; implantação de compras e contratação de serviços sustentáveis e socialmente responsáveis; adoção de parâmetros de construções sustentáveis; gestão adequada dos resíduos gerados; economia de recursos naturais utilizados com consequente redução de gastos

5 O planejamento do território dos campi da UFSCar pode incorporar a dimensão ambiental através de: Identificação de áreas com vocação para implantações urbanas ou para preservação de vegetação nativa (ARL) ou proteção de corpos d água (APP); utilização de parâmetros urbanísticos recomendados internacionalmente para manutenção da qualidade de vida ; manutenção de áreas verdes com equipamentos urbanos (parques, praças).

6 Os principais desafios para fortalecer o papel da dimensão ambiental na gestão de recursos e planejamento do território na UFSCar visando a construção de uma universidade mais responsável, solidária e sustentável são: escassez de recursos para implementação de programas específicos; dificuldade de mudança nas prioridades dos investimentos falta de recursos humanos treinamento de recursos humanos dificuldade de mudança de trâmites burocráticos sensibilização da comunidade

7 3) Que estratégias e abordagens metodológicas para a ambientalização das atividades de gestão e planejamento você considera mais efetivas no cenário institucional contemporâneo?

8 construção democrática e participativa de diretrizes ambientais a serem adotadas nos campi; elaboração de planejamento físico-ambiental dos campi; sistematização de dados em programas e atividades específicas para controle de sua eficiência e eventual aperfeiçoamento; elaboração de cartilhas e material de referência específico para cada setor de gestão ou planejamento; estabelecimento de metas e cobrança de resultados; promoção de programas de formação e treinamento de funcionários; construção de mecanismos que possibilitem intercâmbio técnico entre universidades ou outros órgãos públicos; desenvolvimento de softwares específicos que facilitem as atividades burocráticas (de compras, por ex.); difusão de informações sobre a temática ambiental entre os membros da comunidade universitária; desenvolvimento constante de atividades de sensibilização e educação ambiental.

9 4) Quais são os resultados mais significativos na área de ambientalização das atividades de gestão e planejamento que você conhece ou já vivenciou?

10 Campi da UFSCar

11 PDI Plano diretor POLÍTICA AMBIENTAL DA UFSCar Conjunto de diretrizes, medidas e projetos da UFSCar em prol do ambiente CEMA Para implementar a gestão ambiental na universidade

12 Coordenadoria Especial para o Meio Ambiente CEMA - UFSCar Coordenadora: Profa. Dra. Maria da Graça Gama Melão

13 1993 CEMA Criada para tratar as questões ambientais da UFSCar Pioneirismo 1994 atua em programas de manejo de resíduos, educação ambiental, preservação de áreas verdes e conservação de energia elétrica. 1ª campanha reciclagem de lixo economia de energia elétrica

14 Reitoria CEMA Conselho Deliberativo PCE PAE PEAm Prog. controle resíduos e energia Prog. Agro-ecológico Prog. Educação Ambiental UGR Núcleo Educação Ambiental

15

16 EXEMPLOS DE AÇÕES DA UFSCAR: PLANEJAMENTO ASPLA plano global edificações Pedestres Ciclovias Acessibilidade Poços locais de infiltração de águas pluviais Parâmetros urbanísticos acima do recomendado mundialmente Trabalho conjunto EDF + PU + CEMA + ASPLA Plano diretor físico-ambiental

17 GESTÃO DE RESÍDUOS PERIGOSOS Coleta e destinação adequada de resíduos perigosos gerados nos laboratórios de ensino e pesquisa; Treinamento para separação e identificação adequada dos resíduos; Treinamento e orientação em boas práticas de laboratório; Desenvolvimento de software para controle de estoque de reagentes; Manutenção de banco de reagentes na UGR; Descarte seguro de medicamentos; Destinação adequada de lâmpadas fluorescentes, baterias e pilhas; Recuperação de metais pesados (Hg); Recuperação de solventes orgânicos para reutilização nos laboratórios (coluna de destilação)

18 Planta piloto, desenvolvida para recuperação de solventes orgânicos da UFSCar Coluna de recuperação de solventes instalada na UGR traz economia em relação aos gastos com descarte e com a aquisição de novos reagentes

19 GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Coleta seletiva de resíduos sólidos e encaminhamento à cooperativa de catadores (adequação à legislação federal) Encaminhamento de lixo eletrônico para entidades especializadas na reciclagem. EDUCAÇÃO AMBIENTAL Projeto canecas Trilha dos resíduos De olho no óleo

20 GESTÃO DE RECURSOS UTILIZADOS Controle do consumo de água e consumo de energia elétrica pela PU com intervenção em setores específicos quando necessário (Programa de Eficiência e Racionalização no Uso de Energia (PERENE) Aquecimento solar em moradia estudantil Troca de caldeiras no RU GESTÃO DE ÁREAS VERDES Reflorestamento e manejo de áreas protegidas (ARL + APP); Manejo de áreas com plantio florestal (eucaliptos); Mapeamento de incêndios para subsidiar medidas preventivas; Mapeamento do uso e ocupação do solo no campus de SC; Cadastro georeferenciado das árvores na área urbanizada do campus de SC; Plano de arborização urbana; Arquivo histório, fotográfico e documental do uso e ocupação do solo no campus de SC

21 5) Que políticas públicas e institucionais poderiam impulsionar a ambientalização das atividades de gestão e planejamento universitário?

22 Políticas Públicas: - Implantar paulatinamente ações que contemplem os princípios do Programa A 3 P (Agenda Ambiental na Administração Pública) nas atividades administrativas e operacionais do Governo - Promover Programas de sensibilização e treinamento de gestores - Promover desenvolvimento técnico que auxilia na implementação de programas e ações visando à sustentabilidade e responsabilidade social Políticas Institucionais: - Privilegiar empresas ambientalmente responsáveis em compras e contratação de serviços; - Estimular a economia de recursos naturais através da redução do consumo e da compra de produtos com maior eficiência energética; - Promover Programas de sensibilização, conscientização e motivação da comunidade universitária; - Promover programas de capacitação visando ao aperfeiçoamento técnico de gestores e funcionários envolvidos nas atividades administrativas

23 6) De que forma a plataforma sobre sustentabilidade em universidades pode subsidiar a ambientalização das atividades de gestão e planejamento?

24

25 COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Outubro/2011 S. Carlos G = a alunos nos três campi PG = D = 789 (996 nos três campi) TA = 723 (889 nos três campi) Araras G = PG = 89 D = 64 TA = 75 Sorocaba G = PG = 79 D = 143 TA = 91

PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO

PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO E AMBIENTAL SEÇÃO 9: ZONEAMENTO AMBIENTAL URBANO SÃO CARLOS, 03 de Julho de 2013 O Plano Diretor de Desenvolvimento Físico e Ambiental, como peça constituinte do

Leia mais

Universidade de São Paulo Prefeitura do Campus Administrativo de Ribeirão Preto Laboratório de Resíduos Químicos

Universidade de São Paulo Prefeitura do Campus Administrativo de Ribeirão Preto Laboratório de Resíduos Químicos Universidade de São Paulo Prefeitura do Campus Administrativo de Ribeirão Preto Laboratório de Resíduos Químicos Av. Bandeirantes 3.900 14040-900 Ribeirão Preto-SP fone: 16-6023945 www.pcarp.usp.br/lrq

Leia mais

2º ENCONTRO CAIXA/FORNECEDORES

2º ENCONTRO CAIXA/FORNECEDORES 2º ENCONTRO CAIXA/FORNECEDORES PIB Sustentabilidade na Prática Empresarial Jean Rodrigues Benevides GN de Meio Ambiente SN de Assistência Técnica e Desenvolvimento Sustentável Situação Atual Estratégia

Leia mais

SEUMA Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente

SEUMA Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente SEUMA Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente SOBRE FORTALEZA Cerca 50% vive em condição de extrema pobreza (renda familiar per capita mensal igual ou inferior a R$70,00) ou em condição de pobreza

Leia mais

Workshop de Contratação Sustentável Módulo Execução: Elaboração do Termo de Referência

Workshop de Contratação Sustentável Módulo Execução: Elaboração do Termo de Referência Workshop de Contratação Sustentável Módulo Execução: Elaboração do Termo de Referência 25 de novembro de 2015 Centro de Formação, Capacitação e Treinamento - CEFOR da Câmara dos Deputados OBJETIVOS Geral:

Leia mais

Gestão Socioambiental na Administração Pública de Minas Gerais Programa AmbientAÇÃO

Gestão Socioambiental na Administração Pública de Minas Gerais Programa AmbientAÇÃO Gestão Socioambiental na Administração Pública de Minas Gerais Programa AmbientAÇÃO Mirian Cristina Dias Baggio 2016 Programa AmbientAÇÃO O QUE É O AMBIENTAÇÃO? É um programa de comunicação e educação

Leia mais

Relatório de avaliação da 1a Oficina do Projeto Esplanada Sustentável

Relatório de avaliação da 1a Oficina do Projeto Esplanada Sustentável Relatório de avaliação da 1a Oficina do Projeto Esplanada Sustentável 1. Introdução A 1ª Oficina do Projeto Esplanada Sustentável foi realizada na ESAF, entre os dias 06 e 09 de fevereiro de 2012, em caráter

Leia mais

PROGRAMA IFNMG SUSTENTÁVEL Metas a serem alcançadas

PROGRAMA IFNMG SUSTENTÁVEL Metas a serem alcançadas Ações/Programas e Detalhamento PROGRAMA Unidades e áreas envolvidas e respectivos responsáveis Projeto de Boas práticas de gestão do serviço público: Redução dos gastos públicos e racionalização dos recursos

Leia mais

RESÍDUOS AGROSILVOPASTORIS

RESÍDUOS AGROSILVOPASTORIS RESÍDUOS AGROSILVOPASTORIS Diretriz 01: Desenvolvimento e inovação de tecnologias para o aproveitamento de resíduos agrosilvopastoris. >>Redação final: Pesquisa, desenvolvimento e inovação de tecnologias

Leia mais

Gestão Pública Sustentável

Gestão Pública Sustentável Gestão Pública Sustentável Florianópolis/SC outubro/2014 Ministério do Meio Ambiente Sustentabilidade e Setor Público Art. 225 CF/88 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA POLÍTICA AMBIENTAL

CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA POLÍTICA AMBIENTAL CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA POLÍTICA AMBIENTAL Porto Alegre 2014 CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA Reitor e Pró-Reitor de Graduação Roberto Pontes da Fonseca Coordenadora de Graduação Luciane Torezan

Leia mais

Compras Sustentáveis

Compras Sustentáveis OBJETIVO ESTRATÉGICO DO SGAC Alcançar o Nível de Maturidade de uma Empresa de Classe Mundial Evento com Fornecedores dos Correios AÇÃO ESTRATÉGICA Implantar o modelo de gestão ambiental da empresa de acordo

Leia mais

Ações de Sustentabilidade

Ações de Sustentabilidade Ações de Sustentabilidade Visão do GHC Ser reconhecido no Sistema Único de Saúde como modelo de atenção centrado nas pessoas, inovador na gestão e polo de produção de conhecimento, ensino e pesquisa, com

Leia mais

NOSSA POLÍTICA AMBIENTAL

NOSSA POLÍTICA AMBIENTAL A PUMA TAMBORES, com o objetivo de divulgar a sua política ambiental e conscientizar seus fornecedores e prestadores de serviços quanto aos aspectos ambientais, elaborou este Manual de Requisitos Ambientais

Leia mais

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO Etapas do PMMA Organização do processo de elaboração do Plano Municipal da Mata Atlântica MOBILIZAÇÃO QUE CO SO ANÁLISE PRON CO VO Definição da Visão de Futuro DIAGNÓSTICO QUE CO

Leia mais

XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES

XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES Mesa Redonda 2 LEI Nº 12.305/2010, DESAFIOS E PERSPECTIVAS: Logística Reversa e Responsabilidade Compartilhada 30 DE OUTUBRO DE 2011 SÉRGIO LUIS DA SILVA COTRIM ESPECIALISTA

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

Quadro político, jurídico e técnico da gestão de resíduos no Brasil

Quadro político, jurídico e técnico da gestão de resíduos no Brasil Quadro político, jurídico e técnico da gestão de resíduos no Brasil Introdução ao Brazil ~ 205 milhões de habitantes 5.565 municípios Área: 8.502.728,27 Km² ~15% da Água Potável do Planeta A maior biodiversidade

Leia mais

Resultados da Pesquisa Virtual: Consulta aos Profissionais do Setor

Resultados da Pesquisa Virtual: Consulta aos Profissionais do Setor Resultados da Pesquisa Virtual: Consulta aos Profissionais do Setor Anexo Gráficos de resultados Perfil entrevistado Perfil por Região do Brasil Qual setor representa 30,0% 28,5% 26,6% 25,9% 25,0% 20,0%

Leia mais

Campanha Passaporte Verde Plano de Ação do Estabelecimento

Campanha Passaporte Verde Plano de Ação do Estabelecimento Campanha Passaporte Verde Plano de Ação do Estabelecimento CASADAVILLAPOUSADA Cascavel / CE INFORMAÇÕES DO ESTABELECIMENTO Nome: CASADAVILLAPOUSADA Cnpj: 12.434.725/0001-77 Cadastur: 06.069894.20.0001-8

Leia mais

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 1. Recursos SEF 1.1. Custeio - Dotação Básica - Manutenção e Reposição de Equipamentos de Informática - Treinamento de Recursos Humanos

Leia mais

SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL

SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL 1 PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica Criado em 1985 pelo Ministério das Minas e Energia e da Indústria e Comércio Sua função é promover a

Leia mais

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente do Município de Paranatinga. CAPÍTULO I Do Fundo Municipal de Meio Ambiente Art. 1º Fica instituído o Fundo Municipal de

Leia mais

Municípios são essenciais para a conservação da Mata Atlântica

Municípios são essenciais para a conservação da Mata Atlântica Municípios são essenciais para a conservação da Mata Atlântica Categories : Colunistas Convidados A Mata Atlântica, um dos hotspots mundiais de biodiversidade, possui uma das mais atuantes redes institucionais

Leia mais

PLANO DE AÇÃO

PLANO DE AÇÃO INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE AÇÃO 2016-207 São Luís 2016 1 INTRODUÇÃO O plano de ações da CPA define os rumos dos trabalhos que serão desenvolvidas pela

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 118

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 118 PROGRAMA Nº - 118 Manutenção e Operacionalização da SMSP FUNÇÃO: 04 ADMINISTRAÇÃO SUB-FUNÇÃO: 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL Prover a Secretaria Municipal de Serviços Públicos dos recursos necessários ao bom

Leia mais

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO Humberto Minéu IFTM/Câmpus Ituiutaba Doutorando em Geografia/UFU hmineu@gmail.com Ituiutaba, 08 de maio de 2014. EMMAV CAIC 2 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)

Leia mais

Práticas Ambientais na Universidade Feevale

Práticas Ambientais na Universidade Feevale Práticas Ambientais na Universidade Feevale Engenheira de Gerenciamento Ambiental Sheila Maria Leuck Novembro/2014 Universidade Feevale Missão: Promover a produção do conhecimento, a formação dos indivíduos

Leia mais

RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA E LOGÍSTICA REVERSA: IMPLEMENTAÇÃO NO CONTEXTO BRASILEIRO

RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA E LOGÍSTICA REVERSA: IMPLEMENTAÇÃO NO CONTEXTO BRASILEIRO Patrícia Iglecias SETEMBRO, 2013 RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA E LOGÍSTICA REVERSA: IMPLEMENTAÇÃO NO CONTEXTO BRASILEIRO GESTÃO DE RESÍDUOS NA PNRS Não geração Redução Reutilização Reciclagem Tratamento

Leia mais

V CIRCUITO DE ARBORIZAÇÃO URBANA ARAÇUAÍ MAIO 2015

V CIRCUITO DE ARBORIZAÇÃO URBANA ARAÇUAÍ MAIO 2015 V CIRCUITO DE ARBORIZAÇÃO URBANA ARAÇUAÍ MAIO 2015 LUCÍLIA G. S MORAES Engenheira Sanitarista e Ambiental Gerente de Meio Ambiente Secretaria de Obras, Serviços Urbanos e Meio Ambiente Timóteo -MG PROCEDIMENTOS

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL. Coordenadoria de Gestão Ambiental da UFRGS

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL. Coordenadoria de Gestão Ambiental da UFRGS SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Coordenadoria de Gestão Ambiental da UFRGS SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL O SGA é parte do Sistema de Gestão da UFRGS, englobando a estrutura organizacional, as atividades de planejamento,

Leia mais

Brasil terá que investir R$15,59 bi em tratamento de resíduos

Brasil terá que investir R$15,59 bi em tratamento de resíduos Brasil terá que investir R$15,59 bi em tratamento de resíduos Comunicação Ietec A sustentabilidade ambiental é um desafio mundial e, por isso, a produção, coleta e destinação dos resíduos tornaram-se tema

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EIXO 4 ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA VERSÃO PRELIMINAR Contexto O mundo vive atualmente o desafio de seguir com seu processo de desenvolvimento socioeconômico com recursos cada vez mais escassos.

Leia mais

BUSCA SUSTENTANILIDADE

BUSCA SUSTENTANILIDADE BUSCA SUSTENTANILIDADE Sustentabilidade atividade economicamente viável, socialmente justa e ecologicamente correta. Ou seja financeiro+social+ambiente = todos em equilíbrio. Desafios -Desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 ESTRUTURA BÁSICA DO PLANO MUNICIPAL DE

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

BASES PARA AS NOSSAS AÇÕES

BASES PARA AS NOSSAS AÇÕES QUEM SOMOS Uma Instituição sem fins econômicos, voltada para o estudo, pesquisa e divulgação de informações e conhecimentos técnicos e científicos que digam respeito à busca de respostas e soluções economicamente

Leia mais

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente

Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Desafios para a gestão integrada em saúde e meio ambiente Ambiente diferenciado do meio empresarial Campus Santo Amaro - Centro Universitário rio SENAC 120 mil m2 de terreno 21 cursos de graduação e 7

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE GOVERNO

RESUMO DO PLANO DE GOVERNO RESUMO DO PLANO DE GOVERNO GOVERNANÇA 1. Fortalecer os processos de decisão com a promoção dos instrumentos da democracia participativa. 1.1 Continuar a desenvolver uma perspectiva comum e de longo prazo

Leia mais

Sustentabilidade no TJRN: ações da COPEGAM-TJRN

Sustentabilidade no TJRN: ações da COPEGAM-TJRN SEMBRAGIRES - Seminário Brasileiro de Gestão de Resíduos Sólidos Universidade Federal do Rio Grande do Norte 11 a 14 de novembro de 2015 Sustentabilidade no TJRN: ações da COPEGAM-TJRN 1. Fátima Maria

Leia mais

CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MISSÃO DA UNIDADE: Fomentar a atividade acadêmica, promover o intercâmbio da Universidade com órgãos públicos, empresas privadas e

Leia mais

Barreiras à adoção de construções ambientalmente mais sustentáveis em instituições de ensino superior

Barreiras à adoção de construções ambientalmente mais sustentáveis em instituições de ensino superior Barreiras à adoção de construções ambientalmente mais sustentáveis em instituições de ensino superior Cenário atual do setor da construção civil Com a criação de programas de incentivo governamentais para

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DAPARAÍBA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DAPARAÍBA RESOLUÇÃO N o XXX, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Estabelece a Política Ambiental da Universidade Federal da Paraíba. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA, no uso das competências que

Leia mais

RELATÓRIO DE RESPOSTAS OBTIDAS NA PESQUISA DE AUTOAVALIAÇÃO 2016 CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS CCR: MODALIDADE PRESENCIAL

RELATÓRIO DE RESPOSTAS OBTIDAS NA PESQUISA DE AUTOAVALIAÇÃO 2016 CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS CCR: MODALIDADE PRESENCIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO DE RESPOSTAS OBTIDAS NA PESQUISA DE AUTOAVALIAÇÃO 2016 DE CIÊNCIAS RURAIS

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DO ESPAÇO ESCOLAR SUSTENTÁVEL NA PERSPECTIVA DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ. Gilmar Bolsi 1

A IMPLEMENTAÇÃO DO ESPAÇO ESCOLAR SUSTENTÁVEL NA PERSPECTIVA DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ. Gilmar Bolsi 1 A IMPLEMENTAÇÃO DO ESPAÇO ESCOLAR SUSTENTÁVEL NA PERSPECTIVA DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ Gilmar Bolsi 1 INTRODUÇÃO A pesquisa trata de verificar a política e as iniciativas adotadas

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável no Varejo

Desenvolvimento Sustentável no Varejo Desenvolvimento Sustentável no Varejo Daniela de Fiori Outubro de 2006 Desenvolvimento Sustentável As três dimensões Objetivos Econômicos Crescimento Valor para acionistas Eficiência Inovação Objetivos

Leia mais

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola Disciplina de Oferta de Escola 7º e 8º anos do 3º ciclo do Ensino Básico Domínios temáticos, Conceitos, de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades José Carlos Morais Educação Ambiental para

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO ETAPA I MÓDULO I: Organização do processo de elaboração e Mobilização PT/ MOBILIZAÇÃO quecoso Etapas do PMMA ETAPA II proncovo MÓDULO II: Elaboração do Diagnóstico da Situação Atual

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes. Deputado Arnaldo Jardim

Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes. Deputado Arnaldo Jardim SEMINÁRIO POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS Política Nacional de Resíduos Sólidos : formulação e diretrizes Deputado Arnaldo Jardim 21.07.11 Política Nacional de Resíduos SólidosS Diretrizes Internalizar

Leia mais

Seminário de Gestão de Resíduos Industriais

Seminário de Gestão de Resíduos Industriais Seminário de Gestão de Resíduos Industriais "Sistema de Gestão de Resíduos do Instituto de Química da Universidade de São Paulo. Dra. PATRICIA BUSKO DI VITTA pabusko@iq.usp.br (11) 3091-3081 SERVIÇO DE

Leia mais

Tópicos da apresentação

Tópicos da apresentação Tópicos da apresentação Metodologia utilizada; Resultados de Vulnerabilidade e Potencialidade; Classificação final das Zonas; Classificação das bacias do perímetro urbano de Campo Grande; Carta de gestão

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Declaração Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e das

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS Setembro/2014 Você conhece a Política Ambiental Sirtec? Disponível nos murais e no site da empresa PRINCÍPIOS DA POLÍTICA AMBIENTAL - SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 LEI:

LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 LEI: LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE FIGUEIREDO-AM. O PREFEITO MUNICIPAL DE PRESIDENTE FIGUEIREDO,

Leia mais

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Nome: Denise Maria Lara de Souza Seabra Formação: Enga. Civil e Sanitarista Instituição: Caixa Econômica Federal Agenda Contextualização

Leia mais

A AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (A3P) NO CAMPUS I DA UFPB

A AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (A3P) NO CAMPUS I DA UFPB A AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (A3P) NO CAMPUS I DA UFPB RESUMO SILVA 1, Rafaella Rodrigues da/ccen/dgeoc/probex GUTIERRES 2, Henrique Elias Pessoa/ CCEN/DGEOC/PROBEX REIS 3, André Luiz Queiroga/LEA/PROBEX

Leia mais

PNRS e a Logística Reversa. Free Powerpoint Templates Page 1

PNRS e a Logística Reversa. Free Powerpoint Templates Page 1 PNRS e a Logística Reversa Page 1 História Roma de Júlio Cesar e Augusto Page 2 História Geena Fogo eterno Page 3 História Cambridge 1338 São Paulo 1722 Rio de Janeiro 1850 Page 4 Novidades da PNRS Bloco

Leia mais

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE 2009 PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DE GESTORES AMBIENTAIS PNC/PR Elias Araujo Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Texto de apoio

Leia mais

A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas Sustentáveis

A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas Sustentáveis 06/11/12 A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas Sustentáveis A importância desta certificação para as Compras Públicas Sustentáveis Seminário Internacional A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas

Leia mais

E AUTONOMIA DAS MULHERES

E AUTONOMIA DAS MULHERES E AUTONOMIA DAS Faz-se necessário identificar as organizações de mulheres artesãs e possibilitar a articulação das cadeias produtivas de artesanatos geridas por mulheres. o que orienta o Programa O desafio

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Política Nacional de Resíduos Sólidos

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Política Nacional de Resíduos Sólidos MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS BASE LEGAL - AÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS AÇOES DE GESTÃO DE RESÍDUOS - BASE LEGAL Lei nº 11.107/2005 Consórcios Públicos Decreto nº 6017/2007

Leia mais

Programa FIC+Feliz. Maio/2016 Belo Horizonte - MG. Maria Lúcia Rezende Milhorato

Programa FIC+Feliz. Maio/2016 Belo Horizonte - MG. Maria Lúcia Rezende Milhorato Programa FIC+Feliz Maio/2016 Belo Horizonte - MG Maria Lúcia Rezende Milhorato CONTEXTO A Credicom foi piloto no projeto do Índice de Felicidade Interna do Cooperativismo FIC, promovido pelo SESCOOP Nacional

Leia mais

PDI Plano de Desenvolvimento Institucional

PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 2015-2019 Plano de Desenvolvimento Institucional CENÁRIO PDI - 2016 METODOLOGIA DE TRABALHO SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO PAINEL DE BORDO DISPONIBILIDADE NO SITE DA UFERSA PRESENCIAL PAINEL DE BORDO

Leia mais

PRÉ-FABRICAÇÃO E A SUSTENTABILIDADE

PRÉ-FABRICAÇÃO E A SUSTENTABILIDADE Pré-Fabricação:O Contexto Habitacional e Sustentabilidade PRÉ-FABRICAÇÃO E A SUSTENTABILIDADE Roberto José Falcão Bauer 27 de agosto de 2009 CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL UTILIZA ECOMATERIAIS E SOLUÇÕES INTELIGENTES,

Leia mais

Desafios na construção de indicadores para o planejamento estratégico. Alexandre Brandão. 30 de junho. Diretoria de estudos urbanos e ambientais

Desafios na construção de indicadores para o planejamento estratégico. Alexandre Brandão. 30 de junho. Diretoria de estudos urbanos e ambientais Desafios na construção de indicadores para o planejamento estratégico Alexandre Brandão 30 de junho SUMARIO 1. Trabalhos recentes sobre indicadores 2. Questões que permanecem 3. Análise do mapa estratégico

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 183/2013

PROJETO DE LEI Nº 183/2013 PROJETO DE LEI Nº 183/2013 Dispõe sobre diretrizes para instituição do Programa de Coleta Seletiva Contínua de Resíduos Eletrônicos e Tecnológicos e dá outras providências. Art. 1º Esta lei dispõe sobre

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Lei Nº / Decreto Nº 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Lei Nº / Decreto Nº 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei Nº 12.305/2010 - Decreto Nº 7.404/2010 OS DOIS COMITÊS COMITÊ INTERMINISTERIAL C I (DECRETO Nº 7.404/2010) COMITÊ INTERMINISTERIAL

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DA LOJAS RENNER E SUAS CONTROLADAS

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DA LOJAS RENNER E SUAS CONTROLADAS POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DA LOJAS RENNER E SUAS CONTROLADAS 1 INTRODUÇÃO A Lojas Renner acredita que para alcançar a sua meta de ser a maior e melhor loja de departamentos das Américas precisa ir além

Leia mais

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010 SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010 Dispõe sobre os critérios de sustentabilidade ambiental na aquisição de bens, contratação de serviços

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

UFRRJ Pró-reitoria de Assuntos Financeiros ORÇAMENTO /03/2015

UFRRJ Pró-reitoria de Assuntos Financeiros ORÇAMENTO /03/2015 UFRRJ Pró-reitoria de Assuntos Financeiros ORÇAMENTO 2015 01/03/2015 Grupos de Natureza de Despesa Orçamento da UFRRJ - 2009 a 2015 Ano R$ Percentuais do Orçamento Inicial Orçamento Inicial Pessoal e Encargos

Leia mais

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições:

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições: PRORROGAÇÃO DO EDITAL PARA SELEÇÃO DE BOLSISTAS PROJETO CVDS Manaus, 24 de Novembro de 2014. 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Vocacional para o Desenvolvimento Sustentável (CVDS), trata-se de um projeto piloto

Leia mais

POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS

POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS DE RECURSOS HÍDRICOS PRINCÍPIOS BÁSICOS - A ÁGUA É UM BEM DE DOMÍNIO PÚBLICO; - O RECONHECIMENTO DO VALOR ECONÔMICO DA ÁGUA; - USO PRIORITÁRIO PARA CONSUMO

Leia mais

EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação Institucional* Título da Ação (o que?

EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação Institucional* Título da Ação (o que? ANEXO 2 PLANO DE AÇÃO COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO CCSH Questão Geral 1.1 Como você percebe a utilização dos resultados da autoavaliação como subsídio à revisão, proposição e implementação das ações

Leia mais

Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE

Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. Seu objetivo é atuar

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 059-P

FICHA PROJETO - nº 059-P FICHA PROJETO - nº 059-P PADEQ Grande Projeto 1) TÍTULO: Apoio a Alternativas Sustentáveis no Território Portal da Amazônia. 2)MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Nova Guarita, Terra Nova do Norte MT. 3)LINHA

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO 1. CARACTERÍSTICAS NACIONAIS Brasil - um país de dimensões continentais

Leia mais

Acompanhamento do Planejamento

Acompanhamento do Planejamento MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ENSINO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PROPLAN Acompanhamento do Planejamento A

Leia mais

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa 2016 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Missão Oferecer soluções educacionais para elevar a competitividade e a sustentabilidade do setor de autopeças.

Leia mais

Ações ambientais desenvolvidas para os colaboradores e a comunidade 2014

Ações ambientais desenvolvidas para os colaboradores e a comunidade 2014 Ações ambientais desenvolvidas para os colaboradores e a comunidade 2014 Órgão: Ambulatório Médico de Especialidades Maria Zélia Responsável: Gildinha Biazoto Gomes Gestão Ambiental Telefone: (11) 3583-1864

Leia mais

COPA VERDE. Exemplo de sustentabilidade ambiental aliada à inclusão social.

COPA VERDE. Exemplo de sustentabilidade ambiental aliada à inclusão social. COPA VERDE Exemplo de sustentabilidade ambiental aliada à inclusão social. COPA VERDE Inventário e neutralização das emissões de carbono das obras da Arena Pantanal Parceria: Instituto Ação Verde (convênio

Leia mais

COMUNICADO. 1. Ambiente de Negócios 1.2 Contexto dos Pequenos Negócios no Brasil 1.3 Políticas públicas de apoio aos Pequenos Negócios

COMUNICADO. 1. Ambiente de Negócios 1.2 Contexto dos Pequenos Negócios no Brasil 1.3 Políticas públicas de apoio aos Pequenos Negócios COMUNICADO O SEBRAE NACIONAL Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, por meio da Universidade Corporativa SEBRAE, comunica que, na prova, serão avaliados conhecimentos conforme as áreas descritas

Leia mais

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Assegurar água bruta em quantidade e qualidade para o SAA

Leia mais

Introdução à Biblioteconomia e à Ciência da Informação

Introdução à Biblioteconomia e à Ciência da Informação Instituto de Ciência da Informação Biblioteconomia e Documentação Disciplinas Obrigatórias CÓDIGO ICI 014 TÌTULO Introdução à Biblioteconomia e à Ciência da Informação Ementa: Biblioteconomia, Documentação

Leia mais

GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB

GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB MsC. Eng a. Lilian Silva de Oliveira (UnB/PRC/CICE) Prof. Dr. Marco Aurélio Gonçalves de Oliveira (UnB/FT/ENE) HISTÓRICO DE ATIVIDADES RELACIONADAS

Leia mais

Estrutura Geral do Projeto. Propostas e iniciativas internacionais

Estrutura Geral do Projeto. Propostas e iniciativas internacionais Usos Inovadores do Gás Natural (GN) Promoção da eficiência energética em Arranjos Produtivos Locais (APLs) Temas Estrutura Geral do Projeto As investigações em Viena As investigações em Viena Propostas

Leia mais

Produção e caracterização de resíduos da construção civil

Produção e caracterização de resíduos da construção civil 1 Produção e caracterização de resíduos da construção civil 2 Geração de resíduos RCC Brasil 230 a 760 kg/hab.ano RCC Europa 600 a 918 kg/hab.ano Resíduos domiciliares Europa 390 kg/hab.ano 3 Geração de

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CTF - IBAMA

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CTF - IBAMA CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CTF - IBAMA Vitória, 11 de Novembro de 2014 SUSTENTABILIDADE A nova ordem ambiental para o Setor Automotivo As concessionárias devem ser: Cenário Atual Pesquisa in loco" com mais

Leia mais

Resíduos Sólidos Desafios da Logística Reversa. Zilda M. F. Veloso 08abril2014

Resíduos Sólidos Desafios da Logística Reversa. Zilda M. F. Veloso 08abril2014 Resíduos Sólidos Desafios da Logística Reversa Zilda M. F. Veloso 08abril2014 I- CONSIDERAÇÕES GERAIS Objetivos POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERAÇÃO DE RESÍDUOS PANO DE FUNDO: Sem a PNRS, a geração

Leia mais

II Seminário Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico Cases Unidade Aracruz

II Seminário Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico Cases Unidade Aracruz Não é possível exibir esta imagem no momento. II Seminário Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico Cases Unidade Aracruz 1 Longo e grave histórico de conflitos( ES e BA ) Relacionamento com comunidades

Leia mais

ÁREA: Turismo e meio ambiente

ÁREA: Turismo e meio ambiente ÁREA: Turismo e meio ambiente EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO PROPOSTA PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO SUSTENTÁVEL NO PARQUE SALTO DA PEDREIRA LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE RIO AZUL PR COELHO, Mariely de Andrade

Leia mais

PRODUZINDO SUSTENTABILIDADE! MELHORIA DO PROCESSO DE RECICLA- GEM DE LIXO NA COOPERATIVA AÇÃO RECICLAR DE POÇOS DE CALDAS RESUMO

PRODUZINDO SUSTENTABILIDADE! MELHORIA DO PROCESSO DE RECICLA- GEM DE LIXO NA COOPERATIVA AÇÃO RECICLAR DE POÇOS DE CALDAS RESUMO PRODUZINDO SUSTENTABILIDADE! MELHORIA DO PROCESSO DE RECICLA- GEM DE LIXO NA COOPERATIVA AÇÃO RECICLAR DE POÇOS DE CALDAS RESUMO O presente trabalho relata as ações extensionistas desenvolvidas em uma

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Marisa Brasil Engenheira de Alimentos MBA em Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social Especialista em Engenharia Ambiental e Saneamento Básico

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 1 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor 1 - O professor comparece

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 CADERNO DE PROGRAMA AMBIENTAL EDUCACIONAL ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 PROGRAMA DE REDUÇÃO DO VOLUME E DESTINAÇÃO CORRETA DE RESÍDUOS PERIGOSOS GERADOS Programa Nº 04/2016 Sumário

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA Secretaria Nacional de Economia Solidária Ministério do Trabalho e Emprego Seu tamanho no Brasil 21.859 EES 1,7 Milhão de Pessoas 2.934 municípios (52%)

Leia mais

III INTERCÂMBIO DE PRÁTICAS E FERRAMENTAS DE GESTÃO EM ORGANIZAÇÃO DE CATADORES:

III INTERCÂMBIO DE PRÁTICAS E FERRAMENTAS DE GESTÃO EM ORGANIZAÇÃO DE CATADORES: III INTERCÂMBIO DE PRÁTICAS E FERRAMENTAS DE GESTÃO EM ORGANIZAÇÃO DE CATADORES: Modelo de Gestão em coleta seletiva (Bonito de Santa Fé-PB): experiências de gestão dos resíduos sólidos e Sustentabilidade.

Leia mais

Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo

Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo A Lei nº 15.374 de 2011 proíbe a disponibilização de sacolas plásticas descartáveis nos estabelecimentos comerciais do município de São Paulo.

Leia mais