Linhas Gerais sobre a História da Universidade Conimbricense. Das suas origens à Reforma Universitária Pombalina de 1772.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Linhas Gerais sobre a História da Universidade Conimbricense. Das suas origens à Reforma Universitária Pombalina de 1772."

Transcrição

1 Linhas Gerais sobre a História da Universidade Conimbricense. Das suas origens à Reforma Universitária Pombalina de Parte 6 A Reforma pombalina dos Estudos. Visita do Marquês a Coimbra Introdução Antes de mais, convém sublinhar que, quando D. João V faleceu em 1750, Portugal encontrava-se em grave situação económica apesar da imensa riqueza em ouro, diamantes e pedras preciosas que nos chegava do Brasil. Entre os problemas de vária ordem que exigiam solução urgente sobressaía o da modernização do nosso aparelho administrativo do qual muitos outros dependiam. O país continuava a governar-se apoiado em estruturas ultrapassadas, desde há muito, e que agora se mostravam quase totalmente caducas, para responderem às exigências de toda a actividade comercial e ultramarina, e que nos últimos dois séculos tinham garantido notável incremento. Nos últimos anos de vida de D. João V já era bem visível a necessidade premente de levar a cabo profundas alterações na máquina estatal, porém a prolongada doença do rei, durante os últimos dez anos do seu reinado terão agravado ainda mais a situação do país. O sucessor, seu filho, D. José, ao subir ao trono tomou, de imediato, a decisão de constituir um Gabinete ministerial com homens que lhe parecessem, capazes de dar a volta às estruturas da governação anterior, ineficiente por hábitos de rotina, que tomasse as providências capazes de implantar as novas estruturas administrativas que o tempo, desde há muito, exigia, mesmo que tais providências viessem a ferir muitos interesses solidamente implantados, como era o caso dos nobres e da Companhia de Jesus. Carlos Jaca 1

2 Assim, D. José, certamente também aconselhado, constituiu um Gabinete formado por três Secretários de Estado: Negócios do Reino, Negócios do Ultramar e Marinha, e Negócios Estrangeiros e da Guerra. Esta última pasta foi sobraçada por um homem já amadurecido, com 51 anos, apadrinhado por certas personalidades influentes, e recomendado como personalidade austera, tenaz e decidida. Tratava-se de Sebastião José de Carvalho e Melo, futuro Conde de Oeiras e Marquês de Pombal, e que tinha desempenhado, anteriormente, funções diplomáticas em Londres e Viena de Áustria. Apesar de muitos juízos serenos, objectivos e bem fundamentados, Carvalho e Melo é ainda hoje uma figura muito discutida, e tudo parece indicar que jamais deixará de o ser, porquanto a sua vida presta-se a várias perspectivas de análise, desde a puramente biográfica, tipológica e, sobretudo, como governante do despotismo iluminado ou, ainda, ao debate sobre a sua orientação política, económica, social, diplomática e cultural. A estada diplomática de Sebastião José de Carvalho e Melo em Londres e Viena de Áustria poderá ter sensibilizado o futuro Marquês de Pombal a tomar em consideração as ideias reformadoras pregadas por homens reconhecidamente prestigiados nos centros da elite cultural europeia refirome a Luís António Verney, Jacob de Castro Sarmento e António Nunes Ribeiro Sanches. E a prova é que, com ligeiras modificações de técnica dispositiva, são as preciosas directrizes dos referidos e ilustres estrangeirados que orientam os elaboradores do Compendio Histórico e dos novos Estatutos Universitários. A reforma universitária pombalina de 1772, factor marcante na História da Cultura Portuguesa, é talvez a obra de mais incontestável mérito do Marquês de Pombal. Sob este aspecto, releve-se a honestidade e isenção exemplares demonstradas pela denominada corrente antipombalista homens que, considerando Carvalho e Melo persona non grata, reconheceram o Carlos Jaca 2

3 mérito ao obreiro da inovadora, embora já tardia, reforma que pretendeu modernizar a mais antiga Universidade portuguesa. Quer se queira quer não, o polémico estadista activou o movimento cultural de carácter iluminista, dando lugar a um espírito científico em moldes metodológicos diferentes e de acordo com o espírito racionalista da época. Com efeito, no seu projecto de reforma do ensino, e particularmente no projecto reformador universitário, «as coordenadas foram-lhe ditadas pelo pensamento iluminista que soube assimilar nas suas estadas pelo estrangeiro, mas fundamentalmente pelas influências de muitos portugueses que na Europa e no País presenciavam, participavam e desejavam uma ruptura cultural com um passado dogmático e estático Ao apresentar nos Estatutos de 1772 a reforma da Universidade, Pombal, por influência de vários iluminados, introduz no ensino uma mudança que apesar de tudo tentou ser, e em parte foi, a substituição da Universidade «medieval», obscura e dogmática, pela Universidade racionalista, experimental e jusnaturalista». (1) Certo que a reforma pela Universidade da vida mental portuguesa é tardia em relação aos vinte e dois anos que Pombal já levava de governo, facto que parece perfeitamente aceitável se se quiser levar em conta que outras preocupações o assoberbavam. Para além da pesada herança (leve em ouro brasileiro), legada pelo reinado anterior, Carvalho e Melo tinha sido abalado pelo terramoto de 1755 e consequentes cuidados de reedificação da cidade; eram os conflitos internos e externos que careciam de rápida e eficaz solução; eram os assuntos de natureza comercial, como a fundação das grandes Companhias monopolistas; a reforma e criação de organismos do Estado; a intensa actividade diplomática desenvolvida pelo antigo Conde de Oeiras acerca da Companhia de Jesus, problema, note-se, com repercussões a nível internacional, acrescentando ainda que o novo ministro tinha entre mãos uma complicada legislação que não podia padecer demora. Efectivamente, só depois de liberto de todas estas situações Pombal poderia lançar as bases da grande reforma, começando pela organização, ou reorganização, dos Estudos Menores. Urgia vencer muitas dificuldades. Carlos Jaca 3

4 Expulsão dos jesuítas e reforma dos Estudos Menores. Prioritária e melindrosa questão era anular a influência jesuítica, incluindo mesmo a sua expulsão, golpe que iria alterar todo o sistema da instrução pública. Quando D. José subiu ao trono, a maior parte do ensino que hoje chamaríamos secundário estava confiado à Companhia de Jesus. Havia, ainda, alguns colégios dirigidos pela Congregação do Oratório, sobretudo desde o reinado de D. João V, e cuja pedagogia tendia deliberadamente a rebater e superar a influência dominante da Companhia. Refira-se, também, que em algumas cidades ou terras de maior importância, onde não havia jesuítas ou oratorianos, existiam algumas escolas geralmente pequenas e quase rudimentares, leccionando especialmente o Latim, base de todo o ensino da época. Acrescente-se, ainda, a existência de alguns professores, denominados particulares, «que ministravam o ensino individual ou a poucos discípulos, especialmente filhos de grandes senhores, que não frequentavam as escolas públicas, ou mesmo a outros rapazes, a quem davam lições, em geral nas próprias casas. Mas todos estes alunos constituíam uma pequena minoria, comparados com os que frequentavam as aulas da Companhia de Jesus. Também havia algumas escolas dos institutos religiosos, mas geralmente reservadas aos seus membros». (2) Foi, de facto, pelo ensino secundário que Pombal iniciou as suas reformas da instrução. E nada há de estranho nisso, porquanto a reforma dos Estudos Menores era a base do Ensino Superior e o remate lógico da guerra de extermínio contra os jesuítas. A Companhia era poderosa e influente. E, se já não predominava tão completamente no ensino como na política, conservava ainda uma situação privilegiada em ambos os sectores quando Carvalho e Melo tomou as rédeas do Poder. Parece, dizem, que os jesuítas tinham sabido sempre tão bem coordenar as suas funções de ensino e de governo, que eles ensinavam para Carlos Jaca 4

5 governar e governavam para poderem estender mais longe o seu ensino e, portanto, a sua influência. Porém, tudo se conjugava para Sebastião José, mediante os trunfos de que dispunha, dar luta e levar de vencida os «filhos de Santo Inácio». Empolava-se, ou considerava-se relevante, que os jesuítas se haviam rebelado contra a soberania portuguesa no Sul do Brasil por via de uma questão de delimitações contra as vizinhas colónias espanholas; o processo como tinham interferido e explorado o terramoto, considerando tal calamidade como um castigo de Deus por causa da dominação pombalina; a responsabilidade que Pombal lhes atribuía na tentativa de regicídio. E mais: os jesuítas haviam-se erguido contra as reformas pombalinas de carácter económico a propósito da Companhia do Alto Douro, chegando o padre Balester a afirmar do alto do púlpito que «quem tivesse relações com semelhante Companhia não podia fazer parte da Companhia de Nosso Senhor Jesus Cristo». Essa luta contra a Ordem é testemunhada por violento requisitório onde Carvalho e Melo, em colaboração com Seabra da Silva, no dizer de alguns historiadores, revela uma espantosa sagacidade, espírito de sequência e aptidão jurídica: sob o aspecto interno, Pombal trata o problema como se tratasse de uma questão de ordem pública com a rapidez e a energia de que já havia dado provas por ocasião do terramoto; sob o ponto de vista internacional, a questão foi tratada directamente com Roma e com os governos de Espanha e França, de tal maneira que, em 1759, pela Lei de 3 de Setembro, foram os regulares da Companhia de Jesus desnaturalizados, proscritos e exterminados do Reino de Portugal, sendo os seus bens confiscados para a Coroa». Para chegar a tal desiderato, Carvalho lançou mão de todos os meios. De alguma coisa havia de servir a prática e a astúcia diplomática adquiridas em Viena de Áustria, para além de não desconhecer, certamente, que Luís António Verney, em 1746, imprimira uma proposta radical de remodelação pedagógica e de mentalidades, onde a Companhia de Jesus era a instituição mais visada e indirectamente responsabilizada por toda a orientação ou estagnação do ensino. Considere-se, no entanto, que já antes da Lei de 3 de Setembro, a Junta Carlos Jaca 5

6 de Inconfidência por alvará de 28 de Junho privara os jesuítas de exercerem o ensino, sendo extintas as suas classes e lançadas as bases ou Instruções para os novos Estudos de Gramática Latina, Grega, Hebraica e de Retórica; no preâmbulo desse alvará, fazia-se uma rápida crítica da decadência em que se achavam os estudos secundários sob a disciplina dos jesuítas. Obviamente, não bastava expulsar os jesuítas das escolas. Era preciso fundar um ensino médio, que não existia fora da Companhia, e criar receita para pagar as despesas de um ensino que deixava de ser gratuito no que dizia respeito aos mestres. É neste ponto que se iniciariam os esforços para a reforma pedagógica que se impunha de um modo inadiável. Assim, fechadas as escolas, era um rude golpe que Pombal vibrava na Companhia, mas também era uma grave obrigação que contraía para com o progresso científico do seu país e para com a civilização do seu tempo. Sebastião de Carvalho viu bem a importância da questão, porquanto não podia, nem devia, mandar fechar os colégios dos jesuítas sem que, imediatamente, providenciasse para que outros fossem abertos, de modo a não criar um vazio quase total no campo das actividades pedagógicas. Foi esse, de facto, o objectivo do célebre Alvará de 28 de Junho de A este propósito, deve levar-se em conta que o facto de Carvalho e Melo ter retirado o ensino da tutela da Companhia de Jesus não impediu qua a Igreja continuasse a dominar superiormente o ensino, porquanto as autoridades pedagógicas, ao mais alto nível, eram, em grande parte eclesiásticas, como o Director-Geral dos Estudos, a chefia e os deputados da Real Mesa Censória, o novo Reitor da Universidade, D. Francisco de Lemos, Bispo de Coimbra e membro da Junta de Providência Literária, bem como outros membros dela, caso de Frei Manuel do Cenáculo. Muitos professores de Latim da nova ordem eram sacerdotes, e as várias ordens religiosas como a dos Oratorianos colaboraram com os seus mestres nas reformas do ensino. Só que, muito provavelmente, alguns, indo contra as suas próprias ideias, ou parte delas, viam-se obrigados a ler pela cartilha do omnipotente ministro, caso contrário eram considerados cartas fora do baralho e, não raramente, sofrendo penas bem gravosas. Significativo: inicialmente, o futuro Marquês de Pombal privilegiou a Congregação do Oratório, cujos compêndios foram em Carlos Jaca 6

7 grande parte aprovados para os novos estudos. Porém, mais tarde, em 1768, 1769, «também os oratorianos foram proibidos de ensinar, sob pretexto de inconfidência (crime de lesa majestade) e de ensinarem doutrinas perniciosas à mocidade e de adesão ao Bispo de Coimbra, D. Frei Miguel da Anunciação. Tudo se resumia, de facto, a não aceitarem as doutrinas jansenistas, regalistas e antipapais que o Marquês queria impor». (3) A reforma pombalina dos Estudos Menores apontava para uma área bem alargada, tinha uma amplitude nacional. Era seu objectivo nomear professores de primeiras letras para todas as cidades e vilas, além de mestres de Gramática Latina e de Grego, assim como de Retórica e de Filosofia, nos principais centros urbanos. A base da reforma consistia na secularização da instrução nacional dirigida pelo governo do rei, na pessoa de um seu delegado imediato, o qual teria a função de averiguar com exactidão o processo dos Estudos, apresentando ao Monarca, no termo de cada ano, uma relação fiel do estado dos referidos Estudos, a fim de erradicar os abusos que se fossem instalando, ao mesmo tempo que lhe propunha as soluções tidas como mais indicadas para a inovação e progresso das Escolas. Para além da inspecção e escolha do corpo docente por meio de concurso, competia-lhe também evitar controvérsias entre os professores, provenientes da contrariedade de opinião, e manter uma perfeita paz e uniformidade de doutrina, de modo que todos contribuam para o progresso da sua profissão e aproveitamento dos seus direitos. A instauração do ensino oficial, dirigido exclusivamente pelo Governo, pretendia ainda impor «um tipo de pedagogia normativo, inflexível, que se julgava superior ao dos jesuítas e conforme às correntes em vigor nas escolas da Europa, esperando-se, por meio dele, obter a formação intelectual e moral da juventude da Nação». (4) O mesmo alvará que privava os jesuítas do exercício do magistério, criava a Directoria Geral dos Estudos e, por Carta Régia de 6 de Junho de 1759, era nomeado D. Tomás de Almeida director-geral, pelo período de três anos, para pôr em execução as disposições da reforma ordenada pelo já citado diploma de 28 de Junho. É inegável o alcance progressista das referidas determinações, porém, Carlos Jaca 7

8 só o eram em teoria, porquanto na prática toda a actividade nacional estava exclusivamente na dependência do ministro de D. José. Conclusão: ao Director dos Estudos competia apenas zelar e impedir que alguém minimamente se desviasse das normas impostas pela autoridade do ministro. Apesar de confrontado com algumas dificuldades o plano pombalino lá se vai efectivando, e quando da sua regulamentação em 1772, pode dizer-se que o que se fez em matéria de Estudos Menores, ainda que insuficiente, é bem superior ao que se fazia sob o regime tradicional. Num despacho de 3 de Novembro de 1759, do ministro português em Viena, e que se guarda no Arquivo da Embaixada, acha-se o seguinte e lisonjeiro testemunho da reputação que se espalhara de Pombal e das suas reformas nos domínios da instrução pública: «The new method for the Latin and Greek classes established in Portugal has been approved ofhere; and the President of the Aulic Council has expressed his desire to see the same method applied in the empire». (5) Entretanto o primeiro-ministro não era indiferente, nem fazia ouvidos de mercador, à voz experiente de Ribeiro Sanches, Verney, D. Frei Manuel do Cenáculo e do próprio D. Francisco de Lemos, que haviam sugerido ou propunham com insistência a necessidade de reformar os estudos portugueses na Universidade de Coimbra, não se cansando de clamar para a necessidade de dar ao país uma fisionomia diferente perante o atraso cientifico e cultural em que se encontrava. Com efeito, lançadas as bases e criadas as condições e as estruturas para uma renovação dos Estudos Menores, impunha-se a reforma do Ensino Superior. A Reforma Pombalina da Universidade data de 1772, porém, o poderoso ministro trazia-a em mente há muitos anos. Refira-se que, já na altura da fundação do Colégio dos Nobres, o então Conde de Oeiras, se preocupava com a reforma da Universidade. Essa preocupação e intenção ressaltam numa passagem de carta datada de 12 de Março de 1761, dirigida a Iacopo Facciolati, professor da Universidade de Pádua, em que Carvalho e Melo pede que lhe envie, além de uma História da Universidade de Pádua de que ele, Facciolati, foi autor, os Estatutos dessa mesma Universidade, pois tem intenção, diz reformar a de Carlos Jaca 8

9 Coimbra. Declara também receber com muito agrado qualquer sugestão de Facciolati a respeito da futura reforma». A Junta de Providência Literária. O Compêndio Histórico. Com a instituição da Junta de Providência Literária por Carta Régia de 23 de Dezembro de 1770, iniciava-se o processo que iria levar, a curto prazo, os estudos universitários à reforma pombalina de Sob a inspecção de Pombal e do Cardeal da Cunha, a Junta integrava como conselheiros D. Frei Manuel do Cenáculo Vilas Boas, Bispo de Beja. José Ricalde Pereira de Castro, José de Seabra da Silva, Francisco António Marques Geraldes, Francisco de Lemos de Faria, Reitor da Universidade e Bispo de Coimbra, Manuel Pereira da Silva e João Pereira Ramos de Azevedo Coutinho. Por determinação de D. José, competia à Junta de Providência Literária examinar as causas da profunda e deplorável decadência da Universidade «e o presente estado da sua ruína; para em tudo prover de sorte, que não só se repare um tão deplorável estrago, mas também sejam as Escolas públicas reedificadas sobre fundamentos tão sólidos, que as Artes, e Ciências possam nelas resplandecer com as luzes mais claras em comum benefício». (6) Depois de examinar com todo o rigor o «status quo» universitário, devia a Junta ponderar sobre soluções a adoptar, cursos e métodos a estabelecer, apresentando ao Rei um plano sistemático de reforma. Passados que foram alguns meses da sua instituição, a Junta dava à luz no Sítio de Nossa Senhora da Ajuda a 28 de Agosto de 1771, em parto prematuro, o «Compêndio Histórico do estado da universidade de Coimbra no tempo da invasão dos denominados Jesuítas e dos estragos feitos nas ciências e nos professores e directores que a regiam pelas maquinações e publicação dos novos Estatutos por eles fabricados». É este o título oficial do célebre Compêndio Histórico, em que a Junta de Providência Literária fundamenta por provas históricas a decadência da Universidade de Coimbra desde o ano de 1555, e propõem os novos métodos pedagógicos que deverão ser determinados pelos Estatutos. Não cabe aqui a intenção de pretender fazer um balanço exaustivo à reforma universitária pombalina, nem tão pouco ajuizar sobre o Compêndio Carlos Jaca 9

10 Histórico mas... o título revela, só por si, um verdadeiro libelo antijesuítico (mas não anticatólico) que não pode, nem deve ser escamoteado. No entanto, parece inegável a idoneidade dos elementos que integravam a Junta de Providência Literária; eram todos filhos da Universidade, conhecendo, por conseguinte, os defeitos e virtudes de sua mãe e, «por mais pombalistas que fossem, não deixavam de ser pessoas de ampla competência e isenção». (7) Esta mesma opinião já não é adoptada por catedráticos como Lopes de Almeida e Mário Brandão, os quais consideram que a Junta não agiu com sinceridade e independência de espírito, uma vez que os seus elementos «obedeceram à voz inspiradora da campanha contra a Companhia, de que Pombal dera o tom empolado e por vezes ridículo na Dedução Chronologica». E mais: que «alguns executores da vontade tenaz do Marquês de Pombal confessaram a violência e procuraram moderá-la, porém na comissão de reforma parecia que trabalhavam de acordo, ao menos no que dizia respeito à sua finalidade». (8) De facto, à partida, é evidente o empenho da Junta de Providência Literária em demonstrar e acumular provas contra a Companhia de Jesus, responsabilizando-a pelo monopólio ou orientação do ensino e pela sua influência nos estatutos vigentes. Saliente-se, e com toda a legitimidade, a abalizada opinião do Prof. Hernâni Cidade que, no Compêndio Histórico, para além de «um sectarismo violento refervendo na linguagem e turbando o juízo crítico», consegue ver-se que o livro não tem apenas carácter destrutivo. Assim, «ao lado da doutrina que considera «venenosa», expõe a que inculca verdadeira e, ao lado do método ou autor repelido, o método ou autor que é preciso seguir». (9) De facto, é com toda uma copiosa documentação, clara e frequente visão crítica e uma completa informação de todos os progressos da ciência do tempo, que a Junta fundamenta o seu libelo contra o ensino imobilizado e imobilizante atribuído à «invasão dos denominados jesuítas». Carlos Jaca 10

11 Decadência das universidades no séc. XVIII. Não era só a nossa Universidade que se encontrava na mais lastimável decadência, o mesmo sucedia às Universidades de países mais civilizados como a França e a Inglaterra. Quanto às espanholas «nem é bom falar, por tal forma a decadência dos estudos e o obscurantismo dos professores desafiavam as censuras dos críticos como Saavedra Fajardo, na República Literária e a veia cómica dos autores de sainetes». (10) O mesmo acontecia às Universidades Italianas, como afirma Ribeiro Sanches. De facto, convém dizer que, no séc. XVIII, as Universidades europeias clássicas estavam em nítido processo de decadência, acontecendo que, em quase todas, o ensino superior processa-se ainda segundo o modelo e a tradição medieval e sem qualquer abertura ao avanço da ciência. As Universidades continuavam e continuaram sem grande renovação. Efectivamente, fora das Universidades, a ciência seguia um processo de renovação, abandonando os trilhos do metafisicismo e deixando cada vez mais de ser verbal para se tornar progressivamente experimental; as ciências biológicas passam da sua fase descrita para um estado analítico que virá, mais tarde, condicionar as grandes sínteses de Darwin e Lamarck. Tais avanços não tinham reflexos dentro das Universidades, porquanto, estas continuavam fechadas ciosamente a essas inovações, verificando-se um divórcio completo entre o estado da ciência cada vez mais progressiva e liberta de todos os preconceitos, e a situação do ensino rotineiro, obsoleto, imobilizado no escolaticismo e tão submisso ao dogmatismo religioso como ao autoritarismo docente. Acerca do estado interno das Universidades francesas, sob o antigo regime, atente-se na magistral descrição de Luiz Liard, na História do Ensino Superior em França de 1789 a 1889: «raras têm bibliotecas; mais raras são ainda as colecções científicas. A Universidade de Medicina de Montpellier não tem gabinete de anatomia; não tem biblioteca; os seus estudantes estavam reduzidos a alugar aos bedeis os livros necessários para o seu estudo. Custa a crer que o exemplar do «Corpus Júris Civilis», comprado em 1789 pelo professor de Bordéus, formava toda a livraria...» No seu documentadíssimo estudo, Liard, conclui: «o antigo regime não teve uma verdadeira noção do Carlos Jaca 11

12 ensino superior; nestas Universidades de dois andares, em nenhuma delas existia um alto ensino das letras, das ciências, do direito e da medicina; a Faculdade de Artes não dava mais do que uma instituição preparatória, e as Faculdades superiores, sobretudo o Direito e a Medicina, obedeciam a vistas estritamente pessoais». A situação das Universidades inglesas no séc. XVIII continuava ainda o espírito do dogmatismo medieval. Referindo-se a este regime pedagógico, escreve Renan: «Não se pode dizer que em Inglaterra um tal regime produzisse resultados de primeira ordem. Oxford e Cambridge tiveram nos séculos XVII e XVIII homens eminentes, mas não foram o teatro de nenhum grande movimento. Estas velhas instituições acabaram por se adormecerem em uma rotina, em uma ignorância, em um grande esquecimento dos grandes interesses do espírito, que se julgariam incuráveis se a Inglaterra não possuísse nas suas liberdades, no acordar e na actividade dos indivíduos o remédio para todos os males». (11) O quadro universitário espanhol era representado por Saavedra Fajardo, na República Literária, nos traços comuns em que se satirizava as Universidades europeias: «Era mais a presunção do que a ciência; era mais o que se duvidava do que o que se aprendia; o tempo, e não o saber, dava os graus de bacharéis, licenciados e doutores, e às vezes unicamente o dinheiro, concedendo em pergaminhos magníficos, com pendentes de fios, faculdade à ignorância para poder explicar os livros e ensinar as ciências e achar-se em um destes graus». Não deixa de ser bem caracterizada esta esterilidade do ensino, que cimentava o pedantismo doutoral, embaraçando o desenvolvimento das ciências experimentais independentes das demonstrações silogísticas. Apenas as Universidades alemãs, nomeadamente Jena e Gottingen, parece terem escapado a esta fase de decadência e imobilismo o que se poderá explicar pela liberdade de exposição e de crítica concedida aos professores, e que eram, sem dúvida, reflexos da liberdade religiosa, não esquecendo que a existência de professores livres os «privat docenten» - em muito contribuiu para o alto nível no ensino superior alemão. Carlos Jaca 12

13 A Universidade portuguesa. Se bem que houvessem sido diversas as reformas por que passou a nossa Universidade através dos séculos XVI, XVII e nos três primeiros quartéis do séc. XVIII, o que é certo é que com elas nada ganhou o ensino. Como diz D. Francisco de Lemos na Relação Geral do Estado da Universidade de Coimbra, «todas as reformas que a este tempo se fizeram limitaram-se à interpretação, declaração, revogação e extensão de alguns Estatutos antigos, e poucas foram as providências que de novo se acrescentaram a benefício das Letras». Os últimos Estatutos (1654) estavam totalmente desajustados em relação às actuais circunstâncias e ao progresso verificado nos diversos ramos do saber. Efectivamente, a Universidade era uma instituição muito mais teocrática que pedagógica, e muito mais destinada à defesa da intangibilidade dos dogmas que a cuidar dos progressos do ensino. O espírito crítico e investigador e, por conseguinte, os métodos do experimentalismo estavam excluídos por definição, sendo toda a vida intelectual, no que toca ao mundo físico, reduzida a comentários: «Comentar livros da Antiguidade, sensibilizar, recomentar, era um sonho de subtilezas formais, um jogo verbal de ilusões aéreas». (12) A crise em que a Universidade mergulhara havia bastante tempo não podia deixar de pôr em confronto o poder civil e o poder eclesiástico, O choque era inevitável, uma vez que o domínio do ensino estava entregue, na sua quase totalidade, a instituições religiosas nomeadamente aos jesuítas, que se inspiravam numa prática pedagógica tradicionalista e retrógrada. Em jeito de parêntesis, refira-se que o Padre Francisco Rodrigues no tomo III do vol. I da sua História da Companhia de Jesus na Assistência de Portugal, afirma que «A Companhia de Jesus em Portugal encheu todo o século XVII». De facto, a afirmação não deixa de ser correcta, porquanto, sem dúvida, a Companhia conseguiu assumir papel de tal modo relevante na vida nacional, ensino, política e missionação (aquém e além mar), que é lícita a afirmação citada, de ter enchido o nosso século XVII. Porém, não pode contestar-se que os padres da Companhia de Jesus, Carlos Jaca 13

14 sistematicamente estacionários ou, se se quiser, nas coisas das ciências tiveram larga parte na decadência dos estudos. Mas... não deve ser-lhes imputada toda a culpa. Não será, de certo modo, muito justo afirmar-se que «desde o ano de mil quinhentos e noventa e oito até agora que governaram a dita Universidade, não há cousa alguma, que se possa aproveitar para objecto da reforma. Muito pelo contrário se contém neles (Sextos e Sétimos Estatutos) um doloso sistema de ignorância artificial, e de impossibilidade para se aprenderem as mesmas Ciências que se fingiu, quererem-se ensinar». E também parece algo exagerado considerar o labor da Companhia como uma oficina perniciosa, cujas máquinas ficaram desde então sinistramente laborando para obstruírem todas as luzes naturais dos felizes engenhos portugueses». (13) Não deixa de ser legítima a análise do Prof. J. Veríssimo Serrão, ao afirmar que a responsabilidade dos inacianos no campo de ensino tinha os limites próprios da sua actuação, não sendo tão profunda nem intensa, «pois dela partilhavam todos os sectores da Universidade, afectando por igual os ensinos não confiados à Companhia de Jesus, como a Jurisprudência e a Medicina. Se não se desenvolvera o ensino da ciência experimental, isso não se fizera por malícia, para impedir o aproveitamento dos alunos, mas apenas porque a reforma da Universidade devia ter-se obrado no tempo próprio, ou seja, no início do Séc. XVIII». (14) Que os jesuítas tiveram as suas culpas na decadência dos estudos, é um dado adquirido. Cabe-lhes entre outras coisas a mais completa responsabilidade «pela obstinada relutância com que mantiveram nos Cursos de Artes os Comentários do Colégio Conimbricense, excluindo do ensino as recentes descobertas, que engrandeciam as ciências de observação e a Filosofia Racional. Acoimá-los, porém, de prejudiciais no ensino das ciências universitárias, que não ensinaram, atribuir-lhes influência nociva na coordenação dos estatutos velhos, que são pouco mais do que a recopiação de leis, praxes e costumes estabelecidos no decurso de um século, é injustiça manifesta, que o juízo imparcial da História como tal reconhece». (15) Obviamente que, os redactores do Compêndio Histórico, como pessoas de absoluta dedicação a Pombal, lisonjear-lhe-iam, naturalmente, a sua jesuitofobia, atribuindo toda a decadência das ciências e mesmo da Carlos Jaca 14

15 Medicina à Companhia de Jesus, exagerando e prejudicando a seriedade do seu exame, porquanto, bastava notar que noutras universidades, onde os jesuítas nunca dominaram, a decadência pedagógica era igualmente profunda e apresentava as mesmas características. Na verdade, outros elementos terão concorrido para que, entre os séculos XVII e XVIII, o ensino universitário estivesse totalmente desajustado em relação às actuais circunstâncias e ao progresso verificado nos diversos ramos do saber. Creio não dever ser omitido o terror, a intolerância e a desumana perseguição do Tribunal do Santo Ofício; o reinado de monarcas como D. João III (desde que se deixou avassalar pelas sugestões do fanatismo), D. Sebastião e o Cardeal-Rei; a perda da nacionalidade e o domínio filipino durante seis décadas. E, ainda, os cuidados e esforços para sustentar a independência recuperada em 1640, que absorviam toda a vitalidade da Nação. Ora, tudo isto foi parte para que os estudos caíssem no lastimoso abatimento a que chegaram. Se se considerar serenamente diz o Professor Hernâni Cidade parece não dever aceitar-se que os jesuítas houvessem «cavilosamente arruinado» a ciência e, menos ainda, tentado tornar irreligiosa a Nação eles que foram expoentes máximos na obra de cristianização do Ultramar e que «só pelo receio da heterodoxia punham entraves ao processo científico. Mas temos o direito de afirmar que se não fora a reacção que os venceu, continuaríamos, e não se sabe até quando, merecendo, pelo anacronismo da nossa cultura, o rótulo de Índios da Europa». (16) Para Teófilo Braga a causa de uma tão longa apatia não pode ser atribuída exclusivamente a factores externos: «incorporação de Portugal na monarquia espanhola, a absorção dos jesuítas quer pelas imposições pedagógicas ou pelas usurpações económicas, nem ainda pela constante intervenção reaccionária do governo absoluto; na essência do próprio estabelecimento, o espírito conservantista pode manter uma severa disciplina escolar e sustentar as ciências e os seus métodos na altura em que foram divulgados, mas evitará sempre as inovações doutrinárias como atentatórias da autoridade académica. Tal é a razão por que as universidades se atrasam e Carlos Jaca 15

16 ficam alheias à corrente intelectual; deu-se isto com a de Paris, com a de Salamanca, e em geral com as dos países meridionais». (17) A cegueira e o ódio visceral de Carvalho e Melo em relação aos jesuítas estariam na base das perseguições aos inacianos, porquanto, em qualquer tempo, uma apreciação serena dos factos tornam despropositadas e carregadas de exagero as invectivas antijesuíticas, atribuindo-lhes a total responsabilidade no que dizia respeito ao estado em que se encontrava o ensino. E mais, tal campanha, parece, igualmente, ter pretendido esquecer ou diminuir o labor da Companhia no Colégio das Artes e de Jesus, bem como uma acção incomparável de heróis, mártires e santos, levada a cabo em territórios desconhecidos, e nas mais difíceis condições, tais como o Brasil, a África e o Oriente. Hoje, julgo, já ninguém de boa fé, ou espírito isento, considerará a Companhia de Jesus como a única causa, ou também a principal causa, da decadência do ensino em Portugal quando Sebastião José de Carvalho e Melo tomou conta do Poder absoluto. Os Estrangeirados. Não obstante alguns esforços de D. João V no sentido de iniciar a batalha para nos fazer reentrar na Europa culta, o meio cultural pouco melhorou, não se tendo conseguido emancipar do ambiente tradicional, ainda que algumas ressonâncias das correntes de além-pirenéus se fizessem sentir vagamente em Portugal. As críticas ao retardamento português eram provenientes de observadores estrangeiros ou de portugueses residentes, há muito, noutros países e que, por essa razão, estavam bem posicionados em termos de uma perspectiva crítica da realidade nacional. Alguns desses observadores eram diplomatas, outros cristãos-novos expatriados por via da repressão inquisitorial. As perseguições da Santa Inquisição espantavam de cá o melhor da intelligentzia portuguesa, e esses emigrados foram, assim, constituindo, Carlos Jaca 16

17 pouco a pouco, a plêiade que muito contribuiu para, como diz António Sérgio, «iluminar, na 2ª metade do Séc. XVIII, a nossa noite intelectual». Embora só através do crivo de uma bem organizada vigilância chegassem a Portugal breves notícias do que se passava pela Europa, muitos portugueses cultos eram receptivos e aspiravam a um novo estilo de vida: eram os «estrangeirados». A divulgação e influência das suas ideias circunscrevia-se a uma área muito limitada, a uma elite, visto que o seu reformismo era geralmente exposto em epistolários que, pelo menos há poucos anos, permaneciam ainda parcialmente inéditos (D. Luís da Cunha, José da Cunha Brochado, etc.). As sementes de reforma e renovação, já visíveis nos finais do reinado de D. João V, mas sufocadas pelo tradicionalismo das escolas jesuítas e bloqueadas pela «asa protectora» do Santo Ofício, viriam, porém, a sofrer o impacto do iluminismo europeu e a influência mais directa e activa dos estrangeirados : «essas componentes, agindo em simultâneo, viriam a produzir um notável efeito desbloqueador, mas só quando se deparassem novos condicionalismos políticos, porque antes... Se alguns apareciam a defender publicamente as novas ideias como Verney ou Ribeiro Sanches «quando desceram à arena da luta vinham quase sempre com uma preocupação de imunidade, garantida por um pseudónimo cauteloso ou assegurada por uma distância de muitos quilómetros. A grande massa do País manteve-se, porém, alheia a polémica em que nem sequer podia participar, pois era analfabeta. Nem poderia ter sido de outro modo: nos países peninsulares, mais do que em qualquer outra nação da Europa Ocidental, quase não houve limites para o domínio da Contra- Reforma que, exercendo-se com uma acção "depuradora" nos veículos da Cultura, e dominando totalmente ou quase a orgânica do ensino público, fizera estagnar e até retroceder o movimento de progresso que se pressentira prestes a surgir na primeira metade do Séc. XVI». (18) De qualquer modo, pode dizer-se que toda a política governativa de Carvalho e Melo na área do ensino veio, de forma determinante, a inserir-se nas «Novas ideias» que esses intelectuais «estrangeirados» como Verney, Carlos Jaca 17

18 Luís da Cunha, Ribeiro Sanches e outros tinham empreendido durante meio século, não se cansando de propalar a urgente necessidade de transmitir ao País uma fisionomia diferente, libertando-o da decadência científica e cultural em que se encontrava. Depois da reforma levada a cabo por D. João III, em 1537, iria verificarse, 250 anos depois, uma remodelação total na velha escola de Coimbra, já que o espírito renascentista que inspirara a orgânica universitária do séc. XVI não se tinha ajustado aos ideais que o progresso científico e filosófico criara. Como diz o Prof. Borges de Macedo, os portugueses não eram totalmente ignorantes nas ciências exactas, «mas o que se sabia estava sobretudo circunscrito a curiosidades individuais ou a necessidades imediatas. Não havia a esse respeito qualquer instituição, seja de ensino seja de registo ou debate (uma Academia por exemplo), onde se realizasse e pudesse empreender uma actividade sistemática. Sabia-se ser urgente a reforma da Universidade de Coimbra para que esta pudesse dispor dos meios de cultivar as ciências exactas e da Natureza e abordar as novas questões da Filosofia. O Marquês de Pombal estimulou uma reforma universitária, e fê-la no sentido de transformar os estudos segundo as correntes de pensamento jurídico e os novos métodos ligados ao Direito Natural e ao Direito Público e das Gentes. A mudança era profunda quanto aos princípios orientadores e teve influência decisiva na mentalidade dos quadros de que o País passou a dispor». (19) O espírito da reforma universitária era já uma realidade, sentindo-se que se tomava urgente reformular totalmente todo o processo de ensino, pondo em prática novos métodos, adoptar livros actualizados e imbuídos de uma mentalidade renovadora Reforma universitária A traços largos, já que no caso presente apenas se trata de colocar as quatro Faculdades tradicionais ao nível das suas congéneres europeias em todos os aspectos, vejamos o que foi essa profunda e eficaz reforma. Acrescente-se, também que as ciências humanas e experimentais foram devidamente tidas em conta, baseando-se os Estatutos em autores célebres, como Pufendorf, Boerhaave e outros. Carlos Jaca 18

19 Mantinha-se a Faculdade de Teologia, como convinha num país eminentemente católico, e cujo programa, definindo um novo espírito, fora elaborado por D. Frei Manuel do Cenáculo e pelo Padre Pereira de Figueiredo. Anteriormente às reformas pombalinas, e segundo D. Francisco de Lemos, o estado do ensino da Teologia era o seguinte: «Basta dizer-se que do século passado para cá até ao princípio do reinado do Senhor Rei D. José... a Teologia que se ensinou nas Escolas Conimbricenses foi a Teologia Escolástica: Teologia que, tendo sido aliada no século XII com a venenosa filosofia de Aristóteles, alterada pelas Explicações e Comentários dos Árabes, se foi pouco a pouco corrompendo até formar um Corpo de Questões, que nunca se tinham ouvido na Igreja, e totalmente inúteis para os fins do Ministério Sagrado». (20) Os métodos aplicados eram obsoletos, sem qualquer inovação e criatividade, sobrepondo-se a autoridade dos autores e dos mestres ao papel da crítica e da análise objectiva do texto. A remodelação dos estudos teológicos apontava agora para um ensino de carácter menos especulativo e escolástico e mais baseado nos conhecimentos da História Sagrada e Eclesiástica, na crítica e na interpretação dos textos gregos e latinos, procurando fazer-se a análise exegética do texto bíblico «visto directamente» à luz conjugada da História e da Filologia. Só assim, dizia, D. Francisco de Lemos, Bispo de Coimbra e Reitor da Universidade, se poderiam formar bons teólogos. As Faculdades Jurídicas constituíam dois cursos: de Direito Civil e de Direito Canónico. O ensino de Direito Canónico limitava-se à estéril lição das Decretais, do Decreto e das Clementinas. Não se ensinava a História Sagrada, a História Eclesiástica, o Direito Público Eclesiástico, o Natural e o das Gentes. Conservava-se a Faculdade de Cânones com o fim de regular e estudar fundamentalmente as normas jurídicas, apresentadas ou aprovadas pelas autoridades eclesiásticas, delimitando e definindo a competência da Igreja. Quanto à Faculdade de Leis, passavam-se cinco anos na «ruminação estupefaciente» do Digesto, das Institutas e do Código. Sobre o que se passava a nível da jurisprudência conimbricense vale a pena transcrever parte de um elucidativo relato de D. Francisco de Lemos: «Todo o exercício literário se reduzia aos Actos, para os quais não era Carlos Jaca 19

20 necessário ter estudado, mas sim que corressem os anos do Curso e chegasse a medida do tempo nele marcado, porque os Pontos e os Argumentos eram já sabidos e muito vulgares; e além disso o estudante na mesma ocasião dos Actos era instruído na matéria deles por um Doutor, o qual acabava de consumar a obra da negligência, inspirando-lhe em casa e na mesma Sala dos Actos, o que ele havia de responder e dizer». A grande inovação introduzida consistiu numa maior atenção às fontes jurídicas verdadeiramente portuguesas, onde, além das várias Ordenações, havia também as leis extravagantes dos últimos reis de Aviz, os comentários às Ordenações, outros diplomas avulsos, processos julgados, etc. O Direito Civil, conforme diziam os estatutos (Tit. Cap. 3), seria «ou o Romano ou o Pátrio, contido nas leis do reino. Dos dois direitos, este é o superior quanto a poder de autoridade; vale como lei; obriga, à falta de disposição específica e em todos os casos onde encontre lance. Quanto ao Romano, esse, é tão só, subsidiário; tem apenas validade como suplemento do Direito Pátrio; somente alcança força legislativa e autoridade aí onde as leis nacionais não cheguem e não chegue outrossim aquele natural jus fundado sobre a boa razão que lhe serve de única base». (21) As Faculdades de Cânones e Leis acabaram por se fundir conforme decreto de Passos Manuel, datado de Notável é a reforma da Faculdade de Medicina, devida em grande parte à colaboração do médico Sacchetti Barbosa e à influência de Ribeiro Sanches. O ensino aqui era puramente livresco, seguia-se Galeno e outros autores que por essa Europa fora já não contavam, e os mestres preocupavam-se mais na utilidade particular de curar do que na pública de ensinar. Ordenavam os Estatutos que se ensinasse a anatomia e se fizessem demonstrações, e se aprendesse a prática da Medicina no hospital, porém «todas estas disposições se iludiam de um modo perfunctório (supérfluo) e inútil». No «Reino Cadaveroso», ou no «Reino da Estupidez» como já alguém chamou ao Portugal setecentista, a anatomia e toda a espécie de ensino prático aparecem, embora de forma caricatural, do modo seguinte: Carlos Jaca 20

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna CENTRO CULTURAL DE BELÉM PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015 Segunda Parte Época Moderna Nuno Gonçalo Monteiro Instituto de Ciências Sociais Universidade de Lisboa Quarta Sessão

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL Aula ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL META Apresentar as razões da expansão da pedagogia (ensino) jesuítica no Brasil-colônia e, posteriormente, a sua expulsão motivada pela reforma da

Leia mais

4522 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 169 22-7-1999 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

4522 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 169 22-7-1999 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 4522 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 169 22-7-1999 Protecção das Obras Literárias e Artísticas, assinada a 9 de Setembro de 1886, completada em Paris a4de Maio de 1896, revista em Berlim a 13 de Novembro

Leia mais

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características:

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características: 14. HISTÓRIA DAS UNIVERSIDADES Um universitário de hoje talvez imagine que a ciência sempre foi parte integrante dessas instituições, mas a ciência chega relativamente tarde à comunidade universitária,

Leia mais

Separação entre Estado e Igreja (20 de Abril de 1911) Cota CMPV/0015 Diários do Governo

Separação entre Estado e Igreja (20 de Abril de 1911) Cota CMPV/0015 Diários do Governo Separação entre Estado e Igreja (20 de Abril de 1911) Cota CMPV/0015 Diários do Governo NEWSLETTER: Dando continuidade à nossa nova rubrica on-line: Páginas de História com Estórias, passamos a apresentar

Leia mais

A CRIAÇÃO DA DIRETORIA GERAL DOS ESTUDOS E O CONTROLE DO TRABALHO DOCENTE 1759/1770. 2. HISTÓRIA DA PROFISSÃO DOCENTE E DAS INSTITUIÇÕES ESCOLARES.

A CRIAÇÃO DA DIRETORIA GERAL DOS ESTUDOS E O CONTROLE DO TRABALHO DOCENTE 1759/1770. 2. HISTÓRIA DA PROFISSÃO DOCENTE E DAS INSTITUIÇÕES ESCOLARES. A CRIAÇÃO DA DIRETORIA GERAL DOS ESTUDOS E O CONTROLE DO TRABALHO DOCENTE 1759/1770. CARLOS EDUARDO DOS REIS. UFSC. 2. HISTÓRIA DA PROFISSÃO DOCENTE E DAS INSTITUIÇÕES ESCOLARES. I. O objetivo desta comunicação

Leia mais

Estatutos da Fundação Spes

Estatutos da Fundação Spes Estatutos da Fundação Spes Por testamento de 24 08 1977, o Senhor D. António Ferreira Gomes, Bispo do Porto, declarou ser sua última vontade criar a Fundação SPES como instituição particular perpétua de

Leia mais

Percurso académico na Universidade de Coimbra, nos séculos XVI a XX (orientações para pesquisa)

Percurso académico na Universidade de Coimbra, nos séculos XVI a XX (orientações para pesquisa) Percurso académico na Universidade de Coimbra, nos séculos XVI a XX (orientações para pesquisa) Ana Maria Leitão Bandeira O presente trabalho foi redigido, tendo em conta as necessidades de elaboração

Leia mais

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas Prefácio Quando a Declaração de Lima, das directivas sobre os princípios do controlo, foi adoptada por unanimidade pelos delegados

Leia mais

21. Convenção sobre a Administração Internacional de Heranças

21. Convenção sobre a Administração Internacional de Heranças 21. Convenção sobre a Administração Internacional de Heranças Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns a fim de facilitar a administração internacional de

Leia mais

Papel dos Bacharéis na formação do Estado nacional (slides) sobre texto de José Murilo de Carvalho

Papel dos Bacharéis na formação do Estado nacional (slides) sobre texto de José Murilo de Carvalho Papel dos Bacharéis na formação do Estado nacional (slides) sobre texto de José Murilo de Carvalho Diferença verificada na libertação das colônias espanhola e portuguesa. 1) Manutenção da unidade política

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

MUNICÍPIO DE BRAGANÇA NOTA JUSTIFICATIVA

MUNICÍPIO DE BRAGANÇA NOTA JUSTIFICATIVA MUNICÍPIO DE BRAGANÇA Arquivo Municipal Regulamento NOTA JUSTIFICATIVA Tendo em conta a necessidade de disciplinar a actuação da autarquia, no referente à produção, organização e gestão integrada dos sistemas

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE MOVIMENTO DE CONTESTAÇÃO AOS DOGMAS DA IGREJA CATÓLICA, APÓS SÉCULOS DE FORTE PODER INFLUÊNCIA NA EUROPA.

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. Instituto Superior de Economia e Gestão

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. Instituto Superior de Economia e Gestão UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA Instituto Superior de Economia e Gestão Faz -se saber que, perante o Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa (adiante designado por Instituto),

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma Ano Lectivo 2010/2011 HISTÓRIA Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 8º Ano Apresentação nº 10 Renascimento e Reforma Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO (Natureza) A Fundação Vodafone Portugal, adiante designada abreviadamente por Fundação, é uma instituição de direito

Leia mais

Diário da República, 1. a série N. o 63 29 de Março de 2007 1933. Decreto Regulamentar n. o 35/2007. Artigo 3. o

Diário da República, 1. a série N. o 63 29 de Março de 2007 1933. Decreto Regulamentar n. o 35/2007. Artigo 3. o Diário da República, 1. a série N. o 63 29 de Março de 2007 1933 Decreto Regulamentar n. o 35/2007 de 29 de Março No âmbito do Programa de Reforma da Administração Central do Estado (PRACE), criado pela

Leia mais

Índice. I. Noção de Bolsa...41 II. Suas características e divisões gerais...42

Índice. I. Noção de Bolsa...41 II. Suas características e divisões gerais...42 31 Índice Prefácio...37 Parte I Noções e Princípios Gerais...39 Capítulo I Noções Gerais...41 I. Noção de Bolsa...41 II. Suas características e divisões gerais...42 Capítulo II Teoria Económica das Bolsas...47

Leia mais

Ora, na verdade, nenhum destes objectivos é minimamente servido:

Ora, na verdade, nenhum destes objectivos é minimamente servido: Grupo Parlamentar Projecto de Resolução n.º 309/XI/2ª Recomenda ao Governo a suspensão imediata da adesão ao denominado Acordo de Londres, no âmbito da Convenção sobre a Concessão de Patentes Europeias,

Leia mais

PARTE I DISPOSIÇÕES GERAIS E INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I. Disposições gerais

PARTE I DISPOSIÇÕES GERAIS E INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I. Disposições gerais 1. Convenção sobre a Patente Europeia PARTE I DISPOSIÇÕES GERAIS E INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Direito europeu de concessão de patentes É instituído pela presente Convenção um

Leia mais

SÉRIE NORMAS INTERNACIONAIS UM MODELO DE LEGISLAÇÃO SOBRE LIBERDADE DE INFORMAÇÃO.

SÉRIE NORMAS INTERNACIONAIS UM MODELO DE LEGISLAÇÃO SOBRE LIBERDADE DE INFORMAÇÃO. SÉRIE NORMAS INTERNACIONAIS UM MODELO DE LEGISLAÇÃO SOBRE LIBERDADE DE INFORMAÇÃO. ARTIGO19 (Campanha Global para a Expressão Livre) CPA(Centro para Alternativas Políticas) INICIATIVA DOS DIREITOS HUMANOS

Leia mais

A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NA COLÔNIA ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL REFLEXÃO AULA 01: TIPOS DE EDUCAÇÃO. HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA

A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NA COLÔNIA ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL REFLEXÃO AULA 01: TIPOS DE EDUCAÇÃO. HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL AULA 01: TIPOS DE EDUCAÇÃO. HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA TÓPICO 02: A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NA COLÔNIA A Educação formal desenvolvida em qualquer tempo e espaço

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE REGULAMENTO DA BOLSA DE AVALIADORES Preâmbulo O processo de avaliação de cursos de Engenharia foi iniciado em Portugal, de forma pioneira,

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

OCS: Observador Online

OCS: Observador Online Observador Online ID: 58199358 04-03-2015 Visitas diárias: 95730 OCS: Observador Online Obra Completa do padre António Vieira é hoje oferecida ao papa Francisco http://observador.pt/2015/03/04/obra-completa-do-padre-antonio-vieira-e-hojeoferecida-ao-papa-francisco/

Leia mais

Evolução histórica da Moral/Ética

Evolução histórica da Moral/Ética (3) Evolução histórica da Moral/Ética Zeila Susan Keli Silva 1º Semestre 2013 1 O homem vive em sociedade, convive com outros homens e, portanto, cabe-lhe pensar e responder à seguinte pergunta: Importância

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 155/X. Exposição de Motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 155/X. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 155/X Exposição de Motivos O novo Estatuto dos Tribunais Administrativos e Fiscais e o Código de Processo nos Tribunais Administrativos, que procederam à reforma do contencioso administrativo,

Leia mais

PARECER N.º 43/CITE/2010

PARECER N.º 43/CITE/2010 PARECER N.º 43/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Despedimento de trabalhadora

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO JUNTA DE FREGUESIA DE SALVATERRA DE MAGOS REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO INTRODUÇÃO I O Plano oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), aprovado pelo Decreto-Lei nº 54-A/99, de 22 de Fevereiro,

Leia mais

PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170

PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170 PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170 166 Como a alma, que não alcançou a perfeição durante a vida corporal,

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE ARTIGO 1º SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE DE SEGUROS 1. O Serviço de Provedoria do Cliente de Seguros é criado por tempo indeterminado e visa a disponibilização

Leia mais

Considerando que o gozo dos direitos e liberdades implica o cumprimento dos deveres de cada um;

Considerando que o gozo dos direitos e liberdades implica o cumprimento dos deveres de cada um; PREAMBULO Os Estados africanos membros da Organização da Unidade Africana, partes na presente Carta que tem o título de "Carta Africana dos Direitos Humanos e dos Povos", Lembrando a decisão 115 (XVI)

Leia mais

Princípios Elementares de Filosofia

Princípios Elementares de Filosofia Pelo Socialismo Questões político-ideológicas com atualidade http://www.pelosocialismo.net Obra editada pela Prelo Editora, SARL, em janeiro de 1975 (4.ª Edição) Colocado em linha em: 2012/01/23 Princípios

Leia mais

DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA

DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA EXARADA EM VINTE E DOIS DE SETEMBRO DE DOIS MIL E QUATRO,

Leia mais

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO Havendo necessidade de regulamentar o funcionamento da Secretaria Provincial

Leia mais

Decreto-Lei n.º 86/99/M. de 22 de Novembro. * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999

Decreto-Lei n.º 86/99/M. de 22 de Novembro. * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999 Decreto-Lei n.º 86/99/M de 22 de Novembro * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999 Na sequência da publicação do Decreto-Lei n.º 40/94/M, de 25 de Julho, que aprova o regime de execução das medidas

Leia mais

Comunicação à 1ª secção

Comunicação à 1ª secção Comunicação à 1ª secção Denomina-se Ordem dos Advogados a associação pública representativa dos licenciados em Direito que, em conformidade com os preceitos deste Estatuto e demais disposições legais aplicáveis,

Leia mais

discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias

discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias 1 discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO (25.07.01) Senhoras, Senhores: A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias do dia-a-dia o desafio de construir o direito vivo, para que melhor

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 244 22 de Dezembro de 2011 5373 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 64/2011 de 22 de Dezembro Modifica os procedimentos de recrutamento, selecção e provimento nos cargos

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Isenções - Prestações de Serviços Médicos Refacturação Redébito - Localização de operações. Processo: nº 1163, por despacho de 2010-11-02, do SDG do

Leia mais

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte A Educação na Constituinte de 1823 Cristiano de Jesus Ferronato 1 - PPG-UFPB O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte de 1823, e documentos contemporâneos ao período

Leia mais

NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO

NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO DIOCESE DE BRAGANÇA MIRANDA NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO Para os Párocos e respetivas comunidades Cristãs, especialmente para os Pais e para os Padrinhos 2012 1 A ESCLARECIMENTO PRÉVIO

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Assembleia Legislativa Decreto Legislativo Regional n.º 12/2009/M Adapta à Região Autónoma da Madeira o Decreto -Lei

Leia mais

Muito no papel, pouco na prática

Muito no papel, pouco na prática PNPSO Muito no papel, pouco na prática Criado em 2003, o Plano Nacional de Promoção da Saúde Oral (PNPSO) «não está a ser aplicado no terreno». A crítica é de Paulo Rompante, um dos criadores do documento

Leia mais

Seminário Final. O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro

Seminário Final. O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro Seminário Final O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro Universidade de Aveiro, 26 de Junho de 2009 CONCLUSÕES Relatora: Maria de Lurdes Correia Fernandes Sessão de abertura: Secretário de

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

Decreto-Lei n.º 164/2007 de 3 de Maio

Decreto-Lei n.º 164/2007 de 3 de Maio Decreto-Lei n.º 164/2007 de 3 de Maio No quadro das orientações definidas pelo Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado (PRACE) e dos objectivos do Programa do Governo no tocante à

Leia mais

Não é sem um certo tremor que se aceita um convite como o que a Directora da nossa Biblioteca me endereçou, o de apresentar em breves palavras esta pequena exposição, uma exposição que despretensiosamente

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E MINORIAS

COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E MINORIAS COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E MINORIAS PROJETO DE LEI N o 1.057, DE 2007 Dispõe sobre o combate a práticas tradicionais nocivas e à proteção dos direitos fundamentais de crianças indígenas, bem como pertencentes

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

Texto final da Lei de Desenvolvimento e Qualidade

Texto final da Lei de Desenvolvimento e Qualidade Texto final da Lei de Desenvolvimento e Qualidade Lei n.º 1/2003, de 6 de Janeiro APROVA O REGIME JURÍDICO DO DESENVOLVIMENTO E DA QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

Duarte Ribeiro de Macedo

Duarte Ribeiro de Macedo BIBLIOTECA DIPLOMÁTICA - Série Ana Maria Homem Leal de Faria A 398608 Duarte Ribeiro de Macedo Um diplomata moderno 1618-1680 Ministério dos Negócios Estrangeiros ÍNDICE Siglas e Abreviaturas 15 Preâmbulo

Leia mais

CAPÍTULO IGUALDADE NATURAL

CAPÍTULO IGUALDADE NATURAL O LIVRO DOS ESPÍRITOS CAPÍTULO 9 LEI DE IGUALDADE Igualdade natural Desigualdade das aptidões Desigualdades sociais Desigualdade das riquezas Provas de riqueza e de miséria Igualdade dos direitos do homem

Leia mais

CONCORDATA ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A SANTA SÉ

CONCORDATA ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A SANTA SÉ Resolução da Assembleia da República n.º 74/2004 Concordata entre a República Portuguesa e a Santa Sé, assinada em 18 de Maio de 2004 na cidade do Vaticano Aprova, para ratificação, a Concordata entre

Leia mais

O primeiro Natal começou a ser celebrado nas vésperas do nascimento de Jesus, quando, segundo a Bíblia, os anjos anunciaram a Sua chegada.

O primeiro Natal começou a ser celebrado nas vésperas do nascimento de Jesus, quando, segundo a Bíblia, os anjos anunciaram a Sua chegada. O primeiro Natal começou a ser celebrado nas vésperas do nascimento de Jesus, quando, segundo a Bíblia, os anjos anunciaram a Sua chegada. Nessa altura o imperador Augusto, determinou o recenseamento de

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

A Santa Sé DISCURSO DO CARDEAL ANGELO SODANO EM NOME DO PAPA JOÃO PAULO II NA ABERTURA DA XXIX CONFERÊNCIA DA FAO* 8 de Novembro de 1997

A Santa Sé DISCURSO DO CARDEAL ANGELO SODANO EM NOME DO PAPA JOÃO PAULO II NA ABERTURA DA XXIX CONFERÊNCIA DA FAO* 8 de Novembro de 1997 A Santa Sé DISCURSO DO CARDEAL ANGELO SODANO EM NOME DO PAPA JOÃO PAULO II NA ABERTURA DA XXIX CONFERÊNCIA DA FAO* 8 de Novembro de 1997 Senhor Presidente Senhor Director-Geral Ilustres Delegados e Observadores

Leia mais

Autoridade Espiritual

Autoridade Espiritual Autoridade Espiritual Romanos 13:1-7 (Submissão à autoridade) 1 Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; por que não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas

Leia mais

Igreja Pentecostal da Bíblia

Igreja Pentecostal da Bíblia Igreja Pentecostal da Bíblia 2014 O Ano de Josué ** Fidelidade Josué cap. 24 ** Pastoreio # 014 Direção Nacional Retorno: Antes do pastoreio #014 é hora de ouvir: Motive os envolvidos no pastoreio a relatar

Leia mais

O QUE É A METAFÍSICA?

O QUE É A METAFÍSICA? Álvaro de Campos O QUE É A METAFÍSICA? O QUE É A METAFÍSICA? Na opinião de Fernando Pessoa, expressa no ensaio «Athena», a filosofia isto é, a metafísica não é uma ciência, mas uma arte. Não creio que

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO DESENVOLVIMENTO E QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR. Proposta de Lei a apresentar à Assembleia da República. Exposição de motivos

REGIME JURÍDICO DO DESENVOLVIMENTO E QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR. Proposta de Lei a apresentar à Assembleia da República. Exposição de motivos REGIME JURÍDICO DO DESENVOLVIMENTO E QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR Proposta de Lei a apresentar à Assembleia da República Exposição de motivos 1. O sistema de ensino superior conheceu nas últimas décadas

Leia mais

Educação e Desenvolvimento Social

Educação e Desenvolvimento Social Educação e Desenvolvimento Social Luiz Antonio Cunha Os Princípios Gerais do Liberalismo O liberalismo é um sistema de crenças e convicções, isto é, uma ideologia. Todo sistema de convicções tem como base

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA A nível mundial, o primeiro papel moeda surgiu na China, no séc. VII, na dinastia Tang, para facilitar aos comerciantes o transporte de grandes quantidades de moeda de metal,

Leia mais

Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância

Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte: Artigo único. É aprovada,

Leia mais

VIDA E ACTIVIDADES DO INSTITUTO (IUDPS)

VIDA E ACTIVIDADES DO INSTITUTO (IUDPS) VIDA E ACTIVIDADES DO INSTITUTO (IUDPS) ESTÁGIOS CURRICULARES Os Estágios Curriculares no ano lectivo 2001/2002 Ao longo do ano lectivo de 2001/2002, a Comissão Coordenadora dos Estágios desenvolveu mais

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 1/X

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 1/X PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 1/X Nos termos da alínea d) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, o Governo apresenta à Assembleia da República a seguinte proposta de Resolução: Aprovar, para ratificação,

Leia mais

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE: R-1283/99 (A6) DATA: Assunto: Código dos Impostos

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB Sem qualquer negociação, o Ministério da Educação anunciou, e está desenvolver, algumas medidas avulsas relacionadas com o 1º Ciclo do Ensino Básico.

Leia mais

Discurso proferido pelo Presidente do Tribunal de Última Instância, Sam Hou Fai, na Cerimónia de Abertura do Ano Judicial 2000-2001

Discurso proferido pelo Presidente do Tribunal de Última Instância, Sam Hou Fai, na Cerimónia de Abertura do Ano Judicial 2000-2001 Discurso proferido pelo Presidente do Tribunal de Última Instância, Sam Hou Fai, na Cerimónia de Abertura do Ano Judicial 2000-2001 da Região Administrativa Especial de Macau Senhor Chefe do Executivo,

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

ESTATUTOS FUNDAÇÃO ESCOLA PROFISSIONAL DE SETÚBAL

ESTATUTOS FUNDAÇÃO ESCOLA PROFISSIONAL DE SETÚBAL ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO ESCOLA PROFISSIONAL DE SETÚBAL Aprovados pelo CA em de 02-12-2008; pela CMS em 10.12.2008; pela AM em 29.12.2008 Escritura celebrada pelo Notário Privativo da CMS em 16.01.2009 Publicado

Leia mais

Revista HISTEDBR On-line

Revista HISTEDBR On-line do livro: ASSUNÇÃO, P. Negócios Jesuíticos: O cotidiano da administração dos bens divinos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004. 512 p. por Flávio Massami Martins Ruckstadter Mestrando

Leia mais

Assembleia Popular Nacional

Assembleia Popular Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Popular Nacional Lei 2-81 Aprova e põe em vigor o OGE para o ano económico de 1981 A Assembleia Popular Nacional, no uso da competência que lhe é

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E AOS VOGAIS

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E AOS VOGAIS PARECER Assunto: Projecto de Portaria que aprova o Regulamento do Procedimento de Seleção de Mediadores para prestar serviços nos Julgados de Paz e nos Sistemas de Mediação Familiar, Laboral e Penal. 1.

Leia mais

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA INTRODUÇÃO O sector da segurança privada, na União Europeia, está em

Leia mais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Revolução Científica do século XVII Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Contexto Crise do Antigo Regime Questionamento dos privilégios do Clero

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Através do Decreto -Lei n.º 212/2006, de 27 de Outubro (Lei Orgânica do Ministério da Saúde), e do Decreto -Lei n.º 221/2007, de 29 de Maio,

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Regulamento das Consultas Externas. Índice

Regulamento das Consultas Externas. Índice Índice CAPÍTULO I...4 DISPOSIÇÕES GERAIS...4 ARTIGO 1º...4 (Noção de Consulta Externa)...4 ARTIGO 2º...4 (Tipos de Consultas Externas)...4 ARTIGO 3º...4 (Objectivos do Serviço de Consulta Externa)...4

Leia mais

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril

Leia mais

REQUERIMENTO. Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil

REQUERIMENTO. Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil REQUERIMENTO Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil Documento elaborado de próprio punho. Eu, inscrito no CPF sob o nº e no RG nº aluno da Escola Diaconal

Leia mais

O PROBLEMA APRECIAÇÃO

O PROBLEMA APRECIAÇÃO Processo: R-727/06 (A2) Entidade visada: EDP Distribuição, S. A. Assunto: Consumo. Electricidade. Facturação. Contribuição para o audio visual. Incidência. Financiamento do serviço público de radiodifusão

Leia mais

Breve Apontamento Biográfico

Breve Apontamento Biográfico Breve Apontamento Biográfico José Rodrigues de Sucena No 80º. Aniversário do seu Falecimento 15.Abril.2005 Conde de Sucena. Quem foi? O que fez? Quando? Serão perguntas que as próximas gerações farão,

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº 37/XI-1ª PROÍBE A APLICAÇÃO DE TAXAS, COMISSÕES, CUSTOS, ENCARGOS OU DESPESAS ÀS OPERAÇÕES DE MULTIBANCO ATRAVÉS DE CARTÕES DE DÉBITO Preâmbulo

Leia mais

Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos do novo quadro legal

Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos do novo quadro legal RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS Arbitragem voluntária tem nova lei a boleia da troika Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Decreto-Lei n.º 145/87 de 24 de Março

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Decreto-Lei n.º 145/87 de 24 de Março MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA Decreto-Lei n.º 145/87 de 24 de Março 1. Com a publicação do Decreto-Lei n.º 448/79, de 13 de Novembro, foi dado um passo fundamental no sentido da valorização da docência

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE AGRICULTORES DO SUL - ACOS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE AGRICULTORES DO SUL - ACOS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE AGRICULTORES DO SUL - ACOS CAPÍTULO PRIMEIRO Denominação, sede e fins. Artigo Primeiro A associação denomina-se ACOS - Associação de Agricultores do Sul e durará por tempo indeterminado

Leia mais