A vida e a obra de Caetano Veloso. na época do tropicalismo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A vida e a obra de Caetano Veloso. na época do tropicalismo"

Transcrição

1 MASARYKOVA UNIVERZITA FILOZOFICKÁ FAKULTA ÚSTAV ROMÁNSKÝCH JAZYKŮ A LITERATUR Portugalský jazyk a literatura Lenka Zemanová A vida e a obra de Caetano Veloso na época do tropicalismo Bakalářská diplomová práce Vedoucí práce: Mgr. et Mgr. Vlastimil Váně 2009

2 Prohlašuji, že jsem diplomovou práci vypracovala samostatně s využitím pramenů uvedených na příslušném místě. Tištěná verze práce je shodná s její verzí elektronickou.

3 Na tomto místě bych chtěla poděkovat Mgr. et Mgr. Vlastimilu Váňovi za veškerou pomoc, věnovaný čas a podnětné rady.

4 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO BIOGRAFIA DE CAETANO VELOSO Gilberto Gil o principal companheiro de Caetano Veloso na época A CARACTERÍSTICA DO MOVIMENTO TROPICALISTA A situação política durante o tropicalismo O surgimento do nome do movimento, a época inicial CAETANO VELOSO E A SUA ACTUAÇÃO ARTÍSTICA DURANTE O TEMPO DO TROPICALISMO Os Festivais de Música Popular Brasileira O show na boate Sucata O programa Divino, Maravilhoso A sua passagem pelas drogas O NOVO ACTO E AS SUAS CONSEQUÊNCIAS A prisão O interrogatório principal A prisão «domiciliar» A sua actividade artística em Salvador O show da despedida NO EXÍLIO DE VOLTA NO BRASIL CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA APÊNDICE... 38

5 Caetano é uma luz, um dos artistas mais importantes da minha geração e do Brasil de sempre. Essa luz não iluminou apenas a música brasileira, mas também os nossos cinema, teatro, poesia e até a vida quotidiana dos brasileiros. Cacá Diegues, cineasta

6 1. INTRODUÇÃO A cultura brasileira, com a sua variedade e originalidade, certamente pertence entre as culturas mais ricas do mundo. A parte mais importante da cultura deste país exótico, ou digamos, a que é mais característica do povo brasileiro, é a música. A música brasileira tem passado por grande desenvolvimento e não há dúvidas que no futuro ainda poderá oferecer muito da sua riqueza para todos os gostos. Eu pessoalmente tenho interesse em cultura e música brasileira já há muito tempo, mas o meu primeiro contacto com cantor Caetano Veloso foi só dois anos atrás, quando ouvi por acaso uma sua canção. Comecei a interessar-me tanto pela sua obra como pela sua vida. O tempo do tropicalismo 1 era a época marcante na sua vida. No passado, o movimento, apesar de não ser muito conhecido fora do Brasil, foi uma das coisas mais relevantes para a evolução da música. Naquela época Caetano estava ainda no princípio da carreira, mas conseguiu com sucesso dirigir o movimento tropicalista e instaurar assim uma nova atitude na música popular brasileira, que até hoje inspirou muitos artistas. 2 Este trabalho dedica-se propriamente ao decurso do movimento tropicalista, enfocando-se à vida e à obra de Caetano Veloso como líder principal do movimento. Nos primeiros capítulos vamos explicar as características do tropicalismo e o contexto político que levou com a parte considerável ao seu surgimento. Logo vamos prosseguir ao próprio cantor, descrevendo a sua actuação artística durante os anos principais, os de 1967 e O capítulo seguinte dedicamos à sua estadia na prisão e no exílio, que chegou como o resultado lógico depois das suas provocações e comportamento contra o régime político daquela época. 1 Algumas fontes usam a palavra tropicalismo com a letra maiúscula - «Tropicalismo», mas o termo já passou a ser muito comum, por isso as duas formas são admissíveis. 2 David Byrne, Beck (inspirando gravou uma canção chamada «Tropicalia»), Kurt Cobain etc. Fonte: FARIA, Daniel: O Tropicalismo 'é lindo!' [online].[citado ] Disponível em WWW: -

7 Finalmente, o último capítulo vamos dedicar à sua volta ao Brasil depois de algum tempo vivido em Londres. No espaço de todo o trabalho, ocupamo-nos não só com os factos, mas também os tentamos de enriquecer dos próprios sentimentos e das opiniões de Caetano Veloso para podermos perceber de forma ainda mais larga a sua personalidade e o seu modo do comportamento

8 2. BIOGRAFIA DE CAETANO VELOSO Caetano Emanuel Viana Teles Veloso cantor, compositor, escritor nasceu a 7 de Agosto de 1942 em Santo Amaro da Purificação, na Bahia, como o filho de José Teles Veloso, que trabalhava como Funcionário público do Departamento de Correios e Telégrafos, e de Claudionor Vianna Teles Veloso, que ficou mais conhecida como dona Canô. Tem sete irmãos Nicinha, Clara, Mabel, Irene, Rodrigo, Roberto e a mais conhecida Maria Bethânia (cujo nome foi escolhido por ele por causa de uma valsa do compositor pernambucano Capiba). Desde a sua infância demonstrou interesse pela música, pintura, e depois também pelo cinema. Em 1952 gravou «Feitiço da Vila» e «Mãezinha Querida» acompanhado ao piano por sua irmã mais velha, Nicinha. Esta gravação ainda não teve intenção profissional. Em 1956 morou durante curto período em Guadalupe, no Rio de Janeiro. Aqui frequentou o auditório da Radio Nacional era palco de apresentações dos maiores ídolos musicais brasileiros da época. Em 1959 conheceu o trabalho do músico João Gilberto através do LP «Chega de Saudade». Este músico mais influenciou sua trajetória artística: «No João, parece que é tudo mais justo, necessário: melodia, as vogais, as consoantes, os sentimentos, o respeito por aquela forma, que ele reconheceu ali, o jeito daquelas coisas se expressarem esteticamente. João traduz a canção.» 3 (Songbook Caetano Veloso vol.1) Em 1960, depois de ter concluido o curso ginasial, mudou-se com a família para Salvador, onde concluiu o ensino médio. Entre 1960 e 1962 escreveu críticas de cinema para o Diário de notícias. Nesta época também aprendeu a tocar violão e começou a cantar com a irmã Maria Bethânia em bares de Salvador. Em 1963 ingressou na Faculdade de Filosofia da Universidade de Bahia. Neste ano conheceu o seu ídolo que já conhecia pela TV, Gilberto Gil, e tornou-se o amigo dele. Também conheceu Gal Costa (chamada ainda da Maria da Graça) e Tom Zé. Casou-se com a baiana Dedé Gadelha em 21 de Novembro de No dia 22 de Novembro de Caetano Veloso, Biografia [online].[citado ] Disponível em WWW: io - 8 -

9 nasceu o primeiro filho deles, Moreno Veloso. No dia 7 de Janeiro de 1979 Júlia, que morreu dias depois. Em 1986, já separado de Dedé Veloso, começou a viver com a carioca Paula Lavigne. Com ela teve mais dois filhos Zeca Lavigne Veloso, nascido no dia 7 de Março de 1992, e Tom Lavigne Veloso, nascido em 25 de Janeiro de 1997 em Salvador. 2.1 Gilberto Gil o principal companheiro de Caetano Veloso na época «Caetano! Venha ver aquele preto que você gosta!» Assim a mãe de Caetano chamava-lhe, quando o Gilberto Gil, em 1962 surgia na televisão. Caetano estava com 20 anos, e ficava impressionado ao ver Gil dedilhar o violão. Ouvir o mestre da Bossa Nova pela primeira vez tivera o efeito duma revelação grande na vida do Caetano. Conheceram-se pessoalmente em Principalmente a admiração por João Gilberto surgiu como um definitivo ponto da identidade entre os dois. Gilberto Gil, sem dúvidas, não é menos importante do que o próprio criador do Tropicalismo Caetano Veloso. Quase toda a época passaram os dois cantores juntos, propagando o movimento. Por isso vamos dedicar um pouco de espaço também a vida dele. Gilberto Passos Gil Moreira nasceu em 26 de Junho de 1942 em Salvador. Três semanas depois, segiu junto com o seu pai, o doutor José Gil Moreira e a sua mãe, a professora primária Claudina para Ituaço, no interior da Bahía. Formou-se em Administração, mas desde cedo já demonstrava interesse pela música. Quando resolveu seguir o caminho da música popular, escolheu o violão. Um compacto duplo gravado em 1963 foi o início da sua trajetória de sucesso na música popular brasileira. Junto com o Caetano foi preso e acabou exilado em Londres. No início de 1972 retornou ao Brasil. No final dos anos 80, teve sua primeira experiência como político, tornando-se vereador em Salvador. O definitivo reconhecimento internacional foi em 1998, quando Gil obteve o Prêmio Grammy de melhor disco de World Music por «Quanta Gente Veio Ver». Em 2002 tornou-se Ministro da Cultura de governo de Luís Início Lula da Silva. Hoje em dia segue compondo e fazendo shows

10 3. A CARACTERÍSTICA DO MOVIMENTO TROPICALISTA Tropicalismo foi um movimento musical que teve lugar entre 1967 e 1968 pautado pela intervenção crítico-musical no cenário cultural brasileiro liderado pelo Caetano Veloso. Os outros participantes foram Gilberto Gil e Tom Zé, os poetas Torquato Neto e Capinam, os maestros de formação erudita Rogério Duprat, Damiano Cozzella e Júlio Medaglia, o grupo Os Mutantes, a cantora Gal Costa e o artista plástico Rogério Duarte, entre outros artistas. A música brasileira pós-bossa Nova e a definição da qualidade musical no país estavam cada vez mais dominadas pelas posições tradicionais ou nacionalistas de movimentos cujas ideas foram orientadas à esquerda. Contra essas tendências, os tropicalistas procuraram universalizar a linguagem da música popular brasileira incluindo elementos da cultura jovem mundial, como o rock, a psicodelia, a guitarra eléctrica. As idéias tropicalistas acabaram impulsionando a modernização não só da música, mas também da própria cultura nacional. O fundamento é estético. O movimento foi uma estética de vanguarda, queria que a arte evoluísse. O tropicalismo renovou também a letra da música, seguindo das tradições dos grandes compositores da Bossa Nova e incluindo novas referências e informações do seu tempo. Misturou rock mais bossa nova, mais samba, mais bolero, mais rumba. Sua atuação quebrou as barreiras que permaneciam no país pop x folclore, alta cultura x cultura de massas, tradição x vanguarda. Além dos discos antológicos, que foram produzidos, também a televisão foi outro remédio fundamental de atuação de grupo principalmente os Festivais de Música Popular da época. Na visão tropicalista, não há uma verdade que o compositor tem de anunciar. Caso haver, ela não é conhecida. A realidade está fragmentada, há múltiplos estímulos, factores novos, e o compositor encontra-se perplexo. 4 A tropicália transformou os critérios de gosto não só quanto à música e à política, mas também ao comportamento, ao sexo, ao corpo e ao vestuário. A contracultura hippie foi assimilada, com a moda dos cabelos longos e das roupas coloridas e berrantes. 4 Tropicalismo na ditadura [online].[citado ] Disponível em WWW:

11 O movimento durou pouco mais de um ano e acabou reprimido pelo governo militar. Porém, a cultura do país já estava marcada para sempre pela descoberta dos trópicos. 3.1 A situação política durante a época do tropicalismo Para entendermos melhor o surgimento do movimento tropicalista, explicamos agora aqui em poucas palavras a situação política do país daquela época. Em 1964 o Brasil foi influenciado pela Guerra Fria disputa entre as superpotências dos Estados Unidos e da União Soviética, que alimentava conflitos na América Latina e no país. Em 1959 a Revolução Cubana transformou Fidel Castro e Che Guevara em heróis internacionais e atiçou a pressão do bloco capitalista sobre os países do terceiro mundo. Segundo a opinião de Luiz Carlos Maciel, esta revolução foi o que mais marcou a geração «Foi uma revolução audaciosa, justa, juvenil, romântica enfim, tudo o que sonhávamos.» 5 O presidente João Goulart propôs uma série de reformas para atenuar o grave problema da desigualdade social e as pressões políticas que vinha sofrendo dos movimentos de esquerda. Contra tais propostas, formou-se um movimento da direita e da parte da sociedade que preconizavam uma modernização conservadora. Elites dominantes perceberam os sintomas que podiam resultar em uma possível ruptura com a política de manipulação de massas dia 31 de Março de 1964 concretizaram o Golpe de Estado. O presidente foi depusido e os militares ganharam o poder. O Golpe apoiado pelos americanos rompeu o frágil jogo democrático brasileiro. Castelo Branco tornou-se o primeiro general-presidente ditatorial. Ele queria limpar o Brasil do esquerdismo e da corrupção para poder entregá-lo às modernidades do livre mercado. Num ambiente estudantil, que foi altamente politizado, a música popular funcionava como arena de decisões importantes para a cultura brasileira tão como para a própria soberania nacional. Costa e Silva, seu substituto, governou o país de 1967 a MACIEL, Luiz Carlos: Geração em transe: memórias do tempo do tropicalismo Nova Fronteira: Rio de Janeiro, 1996, op.cit., p

12 Até 1968, movimentos e intelectuais de esquerda podiam agir livremente, só com pequenos problemas com a censura. A política fazia-se presente em todas as áreas teatro, cinema, artes plásticas. A partir de 1967, no campo da música, houve confrontos entre os artistas nacionalistas de esquerda e os vanguardistas do tropicalismo, que se manifestaram contra o autoritarismo e a desigualdade social. Para os tropicalistas, entender a cultura de massas tinha tanta importância quanto entender as massas revolucionárias. As tensões no país chegaram ao máximo em Intesificaram-se as greves operárias e manifestações estudantis. Com o crescimento da oposição, Costa e Silva, na época pressionado pela extrema direita, respondeu com o endurecimento político. Em 13 de Dezembro, o Ato Institucional N 5 decretou o fim das liberdades civis e de expressão até ano 1984, quando o general João Figueiredo deixa a presidência do país. 3.2 O surgimento do nome do movimento, a época inicial O tropicalismo foi influenciado pela exposição do artista Hélio Oiticica Tropicália do Abril de ano 1967, exposta no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, da qual tirou o nome e a fundamentação teórica. Era um ambiente formado por dois penetráveis, cercados por areia, brita e plantas tropicais, labirinto cheio dos vegetais e pássaros. Hélio radicalizava na teoria o projecto de miscigenação cultural e valorização do genuinamente brasileiro. Criticou o consumo imediato e impensado do tropicalismo. 6 Caetano viu esta exposição e resolveu colocar o nome «Tropicália» em uma das suas composições. Depois, o nome tropicalismo foi derivado. Citamos agora as palavras de Caetano sobre o nome do movimento: 6 MACIEL, Luiz Carlos: Geração em transe: memórias do tempo do tropicalismo Nova Fronteira: Rio de Janeiro, 1996, p

13 «[...]me soa não apenas mais bonito: ele me é preferível por não se confundir com o "luso-tropicalismo" de Gilberto Freyre (algo muito mais respeitável) ou com o mero estudo das doenças tropicais, além de estar livre desse sufixo ismo, o qual, justamente por ser redutor, facilita a divulgação com status de movimento do ideário e do repertório criados.» 7 O segundo disco de Caetano apresenta as canções «Tropicália» e «Alegria, alegria», e na capa traz a figura de Caetano rodeada por cores e flores. As canções compostas há mais tempo, mas ajustavam-se perfeitamente ao espírito tropicalista. O texto de «Tropicália» mistura o automatismo surrealista e a prosa jornalística. Caetano usa tal linguagem para construir uma alegoria musical que comenta a conjuntura cultural em geral e o estado da música popular em particular 8 : sobre a cabeça os aviões sob os meus pés os caminhões aponta contra os chapadões meu nariz eu organizo o movimento eu organizo o carnaval eu inauguro o monumento no planalto central do país viva a bossa sa sa viva a palhoça ça ça ça ça... Em 20 de Agosto de 1967, Caetano deixava evidente sua ansiedade por novidades no cenário da música popular brasileira em uma entrevista: 7 Caetano Veloso em: Tropicália um projecto de Ana de Oliveira [online].[citado ] Disponível em WWW: 8 PERRONE, Charles A.: Letras e letras da MPB Elo Editora e Distribuidora Ltda.: Rio de Janeiro, 1988, p

14 «Acho que a música brasileira, depois da bossa nova, ficou discutindo tudo que a bossa nova propôs, mas não saiu dessa esfera, não aconteceu nada maior. Eu, pessoalmente, sinto necessidade de violência. Acho que não pé pra gente ficar se acariciando. Me sinto mal já de estar ouvindo a gente sempre dizer que o samba é bonito e sempre refaz o nosso espírito. Me sinto meio triste com essas coisas e tenho vontade de violentar isso de alguma maneira. É a única que me permite suportar e aceitar a idéia de manter uma carreira musical, porque uma coisa é inegável: a música é a arte mais viva em todo o mundo. O que acho é que a música tem sido utilizada muito pra gente se manter enganado e eu não quero mais. Quero que a gente saiba mesmo, que a gente engula e veja que a gente está num país que não pode nem falar de si mesmo. A gente tem que passar a vergonha toda pra poder arrebentar as coisas.» 9 Numa outra entrevista Caetano declara, que a gente falava sobre a necessidade de um movimento de renovação da música popular brasileira já no ano Gil tinha feito umas reuniões no Rio com os outros compositores e músicos para tentar trasmitir o novo modo de ver. Mas o pessoal não entendeu. Caetano também conversava com os outros músicos sobre a falta de capacidade de aventura do criador de música popular no Brasil, sobre os resguardos dentro do mundo de bom gosto e do politicamente correcto na época, também sobre o preconceito contra o rock. Os outros embora não se interessassem tanto em princípio, tinham uma vitalidade para descobrir as coisas novas Caetano Veloso em: CALADO, Carlos: Tropicália: a história de uma revolução musical Editora 34 Ltda.: São Paulo, 1997, op.cit., p Tropicália um projecto de Ana de Oliveira [online].[citado ] Disponível em WWW:

15 4. CAETANO VELOSO E A SUA ACTUAÇÃO ARTÍSTICA DURANTE O TEMPO DO TROPICALISMO 4.1 Os Festivais de Música Popular Brasileira Na década dos anos 60, o Brasil vivia uma grande efervescência cultural. Uma ponta-de-lança mais importante era a música. Os primeiros ídolos da televisão foram por isso músicos e cantores. Nesse período foram também criados, pela TV Record, os Festivais de Música Popular Brasileira. Marcaram a história da música brasileira pela comoção que instauraram, pelas discussões que detonaram, pelo espaço que ocuparam em meio à ditadura e principalmente através desses espaços o movimento tropicalista pôde eclodir com todo o seu arrojo. Alguns festivais foram especialmente marcantes, como o de ano de Caetano queria compor algo especial, uma canção que pretendia ser uma espécie de manifesto, uma síntese pessoal das conversas e discussões sobre os novos rumos estéticos da música popular brasileira. Decidiu que no festival de 1967 deflagraria, junto com o Gil, a revolução. Queria compor uma canção que fosse fácil de aprender por parte dos espectadores do festival, mas ao mesmo tempo caracterizasse a nova atitude que queriam inaugurar. 11 O resultado foi a canção «Alegria, alegria» apresentada no terceiro Festival de MPB 12 de TV Record de São Paulo. Classificou-se, para desgosto de muitos, em quarto lugar. Toda apresentação da canção nova foi muito rápida. Os Beat Boys, o grupo argentino de rock, acompanhando o Caetano, surgiram no palco do Teatro Paramount, com guitarras e cabelões. Iniciou-se uma vaia que o Caetano interrompi entrando em cena, com uma expressão muito irada, antes que o seu nome fosse anunciado. Isso assustou locutores, directores, produtores e público. A entrada de Caetano foi ainda mais chocante, porque o seu vestido era diferente de todos os cantores, músicos e apresentadores tinha um terno xadrez e uma camisa laranja. O público aplaudiu euforicamente, e o próprio Caetano ficou surpreendido com a rápida mudança de 11 VELOSO, Caetano: Verdade tropical Companhia das Letras: São Paulo, 1997, p «Música popular brasileira» em forma abreviada

16 atitude do público, que primeiro ficou, por causa do susto, quieto. Neste momento inaugurou-se o tropicalismo. Cresceram os desafetos, a violência da platéia. Imediatamente após do festival, «Alegria alegria» era tocada nas rádios de todo o país. Transformou-se em hit, ultrapassou a marca de 100 mil cópias vendidas. A base rítmica da canção foi a tradicional marcha, mas o acompanhamento musical, como já mencionámos, foi feito por um grupo pop. Nos festivais existia o preconceito contra os instrumentos eléctricos, pela maioria eram vistos como uma manifestação de alienação ou de sentimento antinacionalista. A instrumentação dada por Caetano foi uma declaração, relacionada ao refrão, que podia soar como um desafio: «eu vou, por que não?». 13 A letra da canção era completamente inovadora para a MPB. Na letra podemos destacar dois aspectos fundamentais para a compreensão das tendências do tropicalismo a crítica aos intelectuais de esquerda 14 : por entre fotos e nomes sem livros e sem fuzil sem fome, sem telefone no coração do Brasil que pode ser vista como a crítica às «grandes palavras» dos intelectuais, que não se tornaram reais. O outro aspecto é a presença dos meios de comunicação de massa 15 : ela nem sabe, até pensei em cantar na televisão Caetano começou a ser tratado como um popstar. O novo ídolo era recontado em superlativos na grande parte da imprensa: «Caetano Veloso, o homem de maior prestígio no mundo de arte no momento» (O Sol); «o maior ídolo da platéia paulista» (Última Hora); «a personalidade mais discutida da música popular» (Manchete); «o 13 PERRONE, Charles A.: Letras e letras da MPB Elo Editora e Distribuidora Ltda.: Rio de Janeiro, 1988, p Ibid 15 Ibid

17 letrista de maior imaginação criadora» (Tribuna da Imprensa); «o líder de uma juventude que procura novos caminhos» (Fatos & Fotos); «verdadeiro revolucionário de nossa música» (Notícias Populares). 16 Dia 9 de Abril de 1968 Caetano era o astro principal da Discoteca do Chacrinha, o anárquico programa de auditório de Abelardo «Chacrinha» Barbosa da TV Globo no Rio de Janeiro. Por causa daquela noite, que foi anunciada como Noite da Banana, estava a vestir um camisolão estampado com bananas estilizadas. Além de cantar sua «Tropicália», escolheu também algo perfeito para a ocasião a marchinha «Yes, nós temos bananas» (de Braguinha e Alberto Ribeiro). O sucesso desta primeira show provocou mais uma noite dedicada aos tropicalistas. Caetano, Gil e os Mutantes passaram a ser atrações frequentes nos programas de Chacrinha. Os tropicalistas procuravam também alguma coisa que não fosse séria, alguma coisa que sacudisse a estrutura mental européia que os dominava. Chacrinha era «isso», era uma personagem que apresentava uma característica da cultura brasileira, que é a habilidade de transformar situações sérias em situações risíveis. 17 O outro festival importante foi a 15 de Setembro de 1968 em São Paulo Festival Internacional da Canção. Aqui Caetano apresentou sua canção «É proibido proibir», e sofreu uma vaia inimaginável. No ano anterior, apresentando «Alegria, alegria», já havia utilizado o acompanhamento de guitarras eléctricas naquele tempo representou um passo adiante no processo evolutivo da música dos tropicalistas mas o impacto do totalmente novo não permitiu uma reacção adversa do público, que também se calhar neste tempo não considerou a sua música tão direccionada contra o regime. Ao contrário, com «É proibido proibir» a plateia já esperava «o estilo» politicamente incorrecto, acompanhando por guitarras eléctricas de novo, e o recebeu agressivamente mal. A apresentação desta canção transformou-se num happening. Quando os Mutantes começaram a tocar a introdução da música, a plateia já atirava ovos, tomates e pedaços da madeira contra o palco. Desta reacção do público 16 CALADO, Carlos: Tropicália: a história de uma revolução musical Editora 34 Ltda.: São Paulo, 1997, p CYNTRÃO, Sylvia Helena: A forma da festa tropicalismo: a explosão e os seus estilhaços Editora Universidade de Brasília: São Paulo, 2000, p

18 podemos observar que a plateia já sabia muito bem quem ia vaiar, no show não era provocada pelo momento. O Caetano apareceu vestido com roupas de plástico, colares exóticos e bolas do papel. Entrou em cena rebolando, fazendo uma dança erótica, que lembrava uma relação sexual. A plateia ficou escandalizada e deu as costas para o palco. Os Mutantes reagiram imediatamente sem parar de tocar, viraram as costas para o público. Caetano fez um longo discurso, que quase não se podia ouvir pelo barulho dentro do teatro. Citamos agora alguns fragmentos importantes do seu discurso: «Mas é isso que é a juventude que diz que quer tomar o poder? Vocês têm coragem de aplaudir, este ano, uma música, um tipo de música que vocês não teriam coragem de aplaudir no ano passado! São a mesma juventude que vão sempre, sempre, matar amanhã o velhote inimigo que morreu ontem! Vocês não estão entendendo nada, nada, nada, absolutamente nada [...] Gilberto Gil está comigo, para nós acabarmos com o festival e com toda a imbecilidade que reina no Brasil. Acabar com tudo isso de uma vez. Nós só entramos no festival pra isso. Não é Gil? Não fingimos. Não fingimos aqui que desconhecemos o que seja festival, não. Ninguém nunca me ouviu falar assim. Entendeu? Eu só queria dizer isso, baby. Sabe como é? Nós, eu e ele, tivemos coragem de entrar em todas as estruturas e sair de todas. E vocês? Se vocês forem... se vocês, em política, forem como são em estética, estamos feitos!...» 18 O Caetano próprio manifestou-se que este show era possivelmente a mais bem-sucedida peça do tropicalismo. A que melhor expunha os interesses estéticos e a capacidade de realização dos tropicalistas. 19 «É proibido proibir» é uma das composições mais interessantes de Caetano Veloso. Foi feita por sugestão de Guilherme Araújo, que foi o empresário dele, sob inspiração dos acontecimentos em Paris de Maio de 1968, onde os estudantes 18 Caetano Veloso em: Tropicália um projecto de Ana de Oliveira [online].[citado ] Disponível em WWW: op.cit. 19 VELOSO, Caetano: Verdade tropical Companhia das Letras: São Paulo, 1997, p

19 escreviam palavras de ordem nas paredes dos muros. Uma destas foi: «É proibido proibir». Nesta canção Caetano verifica a afirmação repressiva dos valores estabelecidos pela estrutura social vigente restrições sexuais familiares («A mãe da virgem diz que não»), à manipulação das consciências da economia capitalista de consumo («E o anúncio da televisão»), à codificação da ideologia dominante numa superestrutura jurídica e formal («Estava escrito no portão»), ao cerceamento da liberdade artística através da estética tradicional («E o maestro ergueu o dedo»), ao policiamento organizado dos interesses de classe dominante («E além da porta há o porteiro»). Tal tese do estabelecimento é sintetizada numa nota musical a que corresponde a palavra «sim» («E eu digo sim») A estrofe acaba com o refrão negador: «E eu digo não» / E eu digo não ao não / E eu digo é proibido proibir». 20 Caetano também recusa as restrições sexuais («Me dê um beijo meu amor») e convoca ao protesto geral, com uma evocação às manifestações estudantis em Paris («Eles estão nos esperando» / «Os automóveis ardem em chamas»), ele edifica às palavras de ordem do espírito anárquico dessas manifestações que propõem uma reformulação radical de todos os valores estabelecidos («Derrubar as prateleiras / as estantes / as estátuas / as vidraças / louças / livros»). 21 A canção tem sua força. Sua importância liga-se muito ao contexto em que vivia a geração, ao questionamento de valores e crenças que propunhavam na época O show na boate Sucata Caetano ganhou o sucesso popular graças aos Festivais da Canção de São Paulo. Também a primeira explosão dos baianos foi nesta cidade. Mas o primeiro grande show dos tropicalistas aconteceu no Rio, na boate Sucata. O show foi anunciado assim «Um espectáculo violento, diferente de tudo que já foi feito». 23 Neste show, Caetano, Gilberto Gil e os Mutantes mostraram a resposta aos festivais, que tinham favorecido a redundância tradicional, em 20 MACIEL, Luiz Carlos: Geração em transe: memórias do tempo do tropicalismo Nova Fronteira: Rio de Janeiro, 1996, p Ibid 22 Ibid 23 CALADO, Carlos: Tropicália: a história de uma revolução musical Editora 34 Ltda.: São Paulo, 1997, op.cit., p

20 detrimento de vanguarda tropicalista. O show mostrou com clareza que eles estavam a fim de levar às últimas consequências a sua actual posição de vanguarda. O espectáculo era construído com inteligência destinado a envolver progressivamente o espectador. No palco pequeno foram instaladas duas bandeiras, com as inscrições «Yes, nós temos bananas» e «Seja marginal, seja héroi» (seguindo uma outra obra de Hélio Oiticica, criada em homenagem ao bandido Cara de Cavalo, já exposta em outras ocasiões). 24 Primeiro, entravam os Mutantes, com sua alegre ironia. Depois, o Gilberto Gil subiu ao palco. Com ele iniciavam-se os primeiros choques, a entrada de Caetano ficava então preparada. Começava a cantar quietamente sua canção «Saudosismo», composta havia poucos dias, acompanhando-se de um violão. No fim, cantava alguns versos da canção de João Gilberto «Chega de Saudade». Cantava cada vez mais alto, até ficar berrando no palco. Logo a seguir explodiam as guitarras eléctricas dos Mutantes. O surpreendente foi, que a plateia participava de alguma forma também. Além de aplaudir, alguns iam até o palco para dançar ou cantar. Mas havia também espectadores mais agressivos que na impossibilidade de entrarem na boate carregando tomates e ovos, jogavam cubos de gélo e água sobre o palco. O Caetano foi depois acusado de ter cantado o Hino Nacional durante um dos shows, enxertando versos ofensivos às Forças Armadas. 25 O cantor manifestou-se na forma que se segue: 26 «Os militares devem lembrar-se de que o Hino Nacional não é um hino de guerra, nem uma canção militar, mas uma civil, feita para os civis, e que pode ser cantado em qualquer lugar. Nós estamos fazendo um show na Sucata e nesse show acontecem muitas coisas, mas uma coisa que não aconteceu foi o Hino Nacional. Não cantei o Hino Nacional durante a Passeata dos Cem Mil. Prefiro músicas líricas a hinos patrióticos.» CALADO, Carlos: Tropicália: a história de uma revolução musical Editora 34 Ltda.: São Paulo, 1997, p Idem, p Ibid 27 Caetano Veloso em: Ibid, op.cit

A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL

A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL 1 DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES LICENCIATURA EM LETRAS COM A LÍNGUA INGLESA LITERATURA BRASILEIRA JOÃO BOSCO DA SILVA (prof.bosco.uefs@gmail.com) A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL

Leia mais

Obra organizada por Anderson Inácio. Direitos autorais reservados ao site Tropicalia.com.br

Obra organizada por Anderson Inácio. Direitos autorais reservados ao site Tropicalia.com.br Tropicalismo Obra organizada por Anderson Inácio. Direitos autorais reservados ao site Tropicalia.com.br Obra de caráter totalmente educacional. O Movimento O Tropicalismo foi um movimento de ruptura

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais

Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais importantes que marcaram a trajetória da MPB nos últimos

Leia mais

AS APROPRIAÇÕES ESTÉTICAS DA CENA TROPICALISTA. Victor Creti Bruzadelli (Universidade Federal de Goiás)

AS APROPRIAÇÕES ESTÉTICAS DA CENA TROPICALISTA. Victor Creti Bruzadelli (Universidade Federal de Goiás) AS APROPRIAÇÕES ESTÉTICAS DA CENA TROPICALISTA Victor Creti Bruzadelli (Universidade Federal de Goiás) 1-Eu sou terrível/ Eu sou o samba No centro do palco um cantor negro empunhando seu violão. Acompanhado

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação.

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação. O Led Zeppelin sempre foi complicado. Esse era o problema inicial deles. Os shows deles sempre tinham violência masculina. Isso foi um desvio nos anos 1970, que foi uma época muito estranha. Era uma anarquia

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

MPB ou música popular brasileira?

MPB ou música popular brasileira? junho/01 8 o e 9 o anos MPB ou música popular brasileira? A expressão música popular brasileira se refere aos estilos musicais criados no Brasil, por compositores e cantores brasileiros, em língua portuguesa,

Leia mais

Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock

Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock POUCA E BOAS DA MARI - Max, você, o Sté e o Carlinhos tocam juntos desde 2003. Em 2005, o Thiago entrou na banda, foi quando surgiu

Leia mais

VOVÔ DO ILÊ - Fundador e presidente do Ilê Aiyê

VOVÔ DO ILÊ - Fundador e presidente do Ilê Aiyê VOVÔ DO ILÊ - Fundador e presidente do Ilê Aiyê Antônio Carlos dos Santos, ou Vovô do Ilê, como é mais conhecido, foi um dos responsáveis pela criação da Associação Cultural Bloco Carnavalesco Ilê Aiyê.

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DA MÚSICA: Pra não dizer que não falei das flores

ANÁLISE CRÍTICA DA MÚSICA: Pra não dizer que não falei das flores 1 ANÁLISE CRÍTICA DA MÚSICA: Pra não dizer que não falei das flores Patrícia de Paula Padilha 1 1968 Aquele foi um ano de grandes manifestações e marcos para a história, não só no Brasil, mas também na

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson Jaderson é um garoto de 11 anos, portador de insuficiência renal crônica, paciente do Serviço de Hemodiálise Pediátrica do Hospital Roberto Santos em Salvador-BA. É uma criança muito inteligente e talentosa,

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Cultura e política no Brasil: de Getúlio a Ditadura Militar

Cultura e política no Brasil: de Getúlio a Ditadura Militar Cultura e política no Brasil: de Getúlio a Ditadura Militar 1 A Era Vargas (1930-1945) Assumiu após a vitória sobre as oligarquias em 1930. 2ª Guerra Mundial: Início dúbio com posterior alinhamento aos

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin Fotos: Luís Antônio Rodrigues No Perfil & Perfil Em meio às gravações no estúdio Brothers da Lua do músico, juntamente com o gravamos uma entrevista, onde eles nos contam como começou essa amizade e parceria,

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Unidade 1 Caetano Veloso

Unidade 1 Caetano Veloso Unidade 1 Caetano Veloso Pré-leitura O que você sabe sobre Caetano Veloso? Tente responder as seguintes perguntas. Onde ele nasceu? De quem ele é irmão? Que tipo de música ele canta? O que você sabe sobre

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro As festas juninas fazem parte da tradição católica, mas em muitos lugares essas festas perderam essa característica.

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

O QUE FOI A POESIA MARGINAL

O QUE FOI A POESIA MARGINAL O QUE FOI A POESIA MARGINAL A poesia marginal ou a geração Mimeógrafo surgiu na década de 70 no Brasil, de forma a representar o movimento sociocultural que atingiu as artes e principalmente a literatura.

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Quem tem boca vai a Roma

Quem tem boca vai a Roma Quem tem boca vai a Roma AUUL AL A MÓDULO 14 Um indivíduo que parece desorientado e não consegue encontrar o prédio que procura, aproxima-se de outro com um papel na mão: - Por favor, poderia me informar

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Depressão na Gravidez

Depressão na Gravidez De Depressão na Gravidez Um relato de uma mulher com Depressão na Gravidez O E-mail enviado por Gabriela, uma mulher que teve depressão durante a Gravidez e as respostas de apoio e ajudar à essa mulher.

Leia mais

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

DISCÓRDIA Biografias

DISCÓRDIA Biografias A L I C E DISCÓRDIA Biografias Afonso Alves // Voz - Já há algum tempo que queria escrever na língua em que sonho [visto que anteriormente escrevia maioritariamente em inglês]. O Diogo foi o primeiro reflexo

Leia mais

Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita!

Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita! Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita! Hum, essa não é uma novidade. As outras também eram de certa forma inéditas, uma vez que o layout era baseado na estrutura dos Gurus, mas vamos lá,

Leia mais

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos)

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) COLÉGIO PEDRO II DIRETORIA GERAL SECRETARIA DE ENSINO CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO = 2002 = PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) 1) Escreva uma notação rítmica

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas?????

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas????? Há 16 anos quando entrou na MK, a consagrada Diretora Nacional, Gloria Mayfield, não sabia como chegar ao topo, hoje ela dá o seguinte conselho. As lições que eu aprendi na Mary Kay para me tornar uma

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui.

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui. Em 22 de maio de 2014 eu, Rebeca Campos Ferreira, Perita em Antropologia do Ministério Público Federal, estive na Penitenciária de Médio Porte Pandinha, em Porto Velho RO, com os indígenas Gilson Tenharim,

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO.

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. Qualquer hora é hora de falar sobre doação de órgãos. Pode ser à mesa do jantar, no caminho para o trabalho ou até mesmo ao receber este folheto.

Leia mais

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Lagoa Santa, 2015 Mariana Pimenta 2015

Leia mais

1968 foi também uma reação extremada, juvenil, às pressões de mais de vinte anos de Guerra Fria. Uma rejeição aos processos de manipulação da opinião

1968 foi também uma reação extremada, juvenil, às pressões de mais de vinte anos de Guerra Fria. Uma rejeição aos processos de manipulação da opinião Tornou-se um ano mítico porque 1968 foi o ponto de partida para uma série de transformações políticas, éticas, sexuais e comportamentais, que afetaram as sociedades da época de uma maneira irreversível.

Leia mais

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Diferentemente do que se imagina, Dilma Rousseff não participou do maior roubo praticado por organizações de esquerda para financiar a luta armada contra a ditadura

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

Este template é muito diferente e muito, mas muito especial!

Este template é muito diferente e muito, mas muito especial! Esta é nossa última sequência! Este template é muito diferente e muito, mas muito especial! Quero que você olhe para ele com olhos de águia e reflita, e muito, se ele realmente serve para o seu produto

Leia mais

Samba com musicalidade e estilo

Samba com musicalidade e estilo Samba d Ju Samba com musicalidade e estilo A união entre os diversos ingredientes da musicalidade brasileira, misturados com pitadas de criatividade, alegria, carisma, sensualidade e o jeito moleque de

Leia mais

Arquivo Público do Estado de São Paulo

Arquivo Público do Estado de São Paulo Arquivo Público do Estado de São Paulo Oficina: O(s) Uso(s) de documentos de arquivo na sala de aula Ditadura Militar e Anistia (1964 a 1985). Anos de Chumbo no Brasil. Ieda Maria Galvão dos Santos 2º

Leia mais

um filme de MARCELO MACHADO GILBERTO GIL RITA LEE CAETANO VELOSO TOM ZÉ

um filme de MARCELO MACHADO GILBERTO GIL RITA LEE CAETANO VELOSO TOM ZÉ um filme de MARCELO MACHADO GILBERTO GIL RITA LEE CAETANO VELOSO TOM ZÉ Um filme de MARCELO MACHADO Festival Doclisboa - Seleccão Oficial Uma viagem de sons e imagens pela história de um dos mais icónicos

Leia mais

O CONTEÚDO POLÍTICO E A EVOLUÇÃO DA MPB

O CONTEÚDO POLÍTICO E A EVOLUÇÃO DA MPB Luiz Carlos Maciel O CONTEÚDO POLÍTICO E A EVOLUÇÃO DA MPB Chico Buarque: 104 sai o barquinho, entra o conteúdo político Quando Pedro pedreiro, composição de Chico Buarque, foi lançada no início da década

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

PRIMEIRO BLOCO / ossos

PRIMEIRO BLOCO / ossos PRIMEIRO BLOCO / ossos dentes negros final.p65 9 S 10 s dentes negros final.p65 10 S 11 s Ninguém aqui teve infância, ela diz. E agora estamos envenenados até os ossos. Não é mais a típica conversa de

Leia mais

Gratuidade com os outros

Gratuidade com os outros 2ª feira, dia 21 de setembro de 2015 Gratuidade com os outros Bom dia! Com certeza, todos nós já experimentamos como é bom brincar com amigos, como nos faz felizes trocar jogos e brinquedos, como sabe

Leia mais

CD - Pra te dar um beijo

CD - Pra te dar um beijo História FERNANDA PÁDUA começou a se interessar pela música ainda criança. Um Videokê, comprado por seu pai, foi eleito seu brinquedo favorito e, assim, passava as tardes cantando. Destacou-se de tal forma,

Leia mais

tudo tem seu tempo Poesias e pensamentos de Ernesto Wenth Filho e Juliano Simão

tudo tem seu tempo Poesias e pensamentos de Ernesto Wenth Filho e Juliano Simão tudo tem seu tempo Poesias e pensamentos de Ernesto Wenth Filho e Juliano Simão Ribeirão Preto, SP 2013 IELD Locação, Edição e Vendas de Livros Ltda. Rua Amadeu Amaral, 340 cj 42 Vila Seixas Ribeirão Preto-SP

Leia mais

ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão

ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão Zeca Camargo foi o convidado da segunda edição do RBS Debates, dia 23 de Julho, em Florianópolis. O evento reuniu mais de mil estudantes e

Leia mais

Geração Graças Peça: A Páscoa Continua

Geração Graças Peça: A Páscoa Continua Geração Graças Peça: A Páscoa Continua Autora: Tell Aragão Personagens: Cantor Apresentador Maluco Nino Nana Sapinho 1 Sapinho 2 Voz de locutor Cena 1 A cortina abre. As duas crianças estão na sala assistindo

Leia mais

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho Guilherme Argenta Souza Ceres Helena Ziegler Bevilaqua UFSM A obra Chapeuzinho Vermelho é um clássico da literatura universal, apreciada por

Leia mais

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER Edna estava caminhando pela rua com sua sacola de compras quando passou pelo carro. Havia um cartaz na janela lateral: Ela parou. Havia um grande pedaço de papelão grudado na janela com alguma substância.

Leia mais

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 7 por completo do livrotexto Muito Prazer Unidade 7 I Ser + adjetivo Estar + adjetivo Eu sou Eu estou Você/ ele/ ela é Você/ ele/

Leia mais

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL 1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL LUGAR: EUNÁPOLIS(BA) DATA: 05/11/2008 ESTILO: VANEIRÃO TOM: G+ (SOL MAIOR) GRAVADO:16/10/10 PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL VOCÊ É O BERÇO DO NOSSO PAIS. PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL

Leia mais

De Fernando Prado Registrado junto à Biblioteca do Rio de Janeiro / 2001 DRAMATURGIA 1 - Textos Reunidos

De Fernando Prado Registrado junto à Biblioteca do Rio de Janeiro / 2001 DRAMATURGIA 1 - Textos Reunidos Fragmentos Fragmentos Insólitos Fragmentos Insólitos Insólitos Fragmentos Fragmentos Insólitos Insólitos Fragmentos Insólitos Fragmentos Insólitos De Fernando Prado Registrado junto à Biblioteca do Rio

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Entrevista a Carlos Amaral Dias É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Andreia Sanches 04/05/2014 O politicamente correcto implica pensar que a praxe é uma coisa horrível.

Leia mais

Deficiência e Agressividade

Deficiência e Agressividade Deficiência e Agressividade Formadora: Elisa de Castro Carvalho 1 Temperamento e Agressividade Uma percentagem elevada de crianças, especialmente as que se encontram em idade escolar, desenvolve problemas

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE HINÁRIO O CHAVEIRÃO Tema 2012: Flora Brasileira Allamanda blanchetii Glauco Glauco Villas Boas 1 www.hinarios.org 2 01 HÓSPEDE Padrinho Eduardo - Marcha Eu convidei no meu sonho Meu mestre vamos passear

Leia mais

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br APRESENTAÇÃO A timidez é um problema que pode acompanhar um homem a vida inteira, tirando dele o prazer da comunicação e de expressar seus sentimentos, vivendo muitas

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

Seis Anos de Freestyle

Seis Anos de Freestyle 107 Por Daniel Tamenpi Seis Anos de Freestyle Em 2003, surgia no Brasil a Rádio Boomshot, primeira estação online voltada exclusivamente para o rap alternativo e nacional. O momento era propício para a

Leia mais

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre 1 Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre paraplégico, cortando-o ao meio, assim como a sua cadeira

Leia mais

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva SARAMAU Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva CENA 1 Saramau entra no palco leve e com um ar de alegria e paz. ela acaba de compreender que ama de verdade José o seu marido. Ela entra chamando pelo

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE Introdução A CF deste ano convida-nos a nos abrirmos para irmos ao encontro dos outros. A conversão a que somos chamados implica

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

Em primeiro lugar, deverá encaixar a frase 2 dentro da frase 1, tal como nos exemplos seguintes:

Em primeiro lugar, deverá encaixar a frase 2 dentro da frase 1, tal como nos exemplos seguintes: CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO Neste exercício deverá transformar conjuntos de duas frases numa frase apenas. Em primeiro lugar, deverá encaixar a frase 2 dentro da frase 1, tal como nos exemplos seguintes: 1)

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

Edição: Rodrigo Amorim DESENHOS: Lavínya Vieira CORDEL: 1º ANO A 02

Edição: Rodrigo Amorim DESENHOS: Lavínya Vieira CORDEL: 1º ANO A 02 O Cordel, Paixão e Poesia: Castro Alves o poeta da Bahia foi feito pelos alunos do 1º ano A (IF Baiano campus Itapetinga). O cordel é uma grande homenagem ao grande poeta baiano Castro Alves, conhecido

Leia mais

Olá caros amigos..finalmente consegui pegar num computador decente pra falar sobre o que aconteceu aqui..

Olá caros amigos..finalmente consegui pegar num computador decente pra falar sobre o que aconteceu aqui.. Olá caros amigos..finalmente consegui pegar num computador decente pra falar sobre o que aconteceu aqui.. Bem, Ontem, Eu estava na Log Base por volta das 16:50h quando o terremoto aconteceu. Acredite nenhuma

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

Discografia Banda Beijo. * Prove Beijo (1988) * Sem Repressão (1989) * Eu Quero Beijo (1990) * Badameiro (1991) * Axé Music (1992) Carreira Solo

Discografia Banda Beijo. * Prove Beijo (1988) * Sem Repressão (1989) * Eu Quero Beijo (1990) * Badameiro (1991) * Axé Music (1992) Carreira Solo Release Netinho Nascido em Santo Antônio de Jesus, interior da Bahia, no dia 12 de julho de 1966, Ernesto de Souza Andrade Júnior começou sua carreira cedo. Ganhou seu primeiro violão aos 14 anos, um presente

Leia mais

SÉRGIO SIQUEIRA Gerente de criação e produção da Rede Bahia.

SÉRGIO SIQUEIRA Gerente de criação e produção da Rede Bahia. SÉRGIO SIQUEIRA Gerente de criação e produção da Rede Bahia. Formado em administração, é fotógrafo, publicitário, curador e gerente de criação e produção da Rede Bahia, onde dirige o núcleo Bahia Cinema

Leia mais

Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 1 Parte 2 Revisão Verbos irregulares no pretérito perfeito do indicativo:

Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 1 Parte 2 Revisão Verbos irregulares no pretérito perfeito do indicativo: Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 1 Parte 2 Revisão Verbos irregulares no pretérito perfeito do indicativo: 1) Complete as frases abaixo com o pretérito perfeito dos seguintes

Leia mais

Diálogo de Lama Lhundrup com os pacientes a um Hospital em Brasília (2005)

Diálogo de Lama Lhundrup com os pacientes a um Hospital em Brasília (2005) Diálogo de Lama Lhundrup com os pacientes a um Hospital em Brasília (2005) Lhundrup: Sou um monge budista. Estou muito contente em encontrar vocês. Vocês já encontraram um monge budista antes? Uma paciente:

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais