CONSIDERANDO a Resolução 172 de 04 de Dezembro de 2014 do CONANDA resolve:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSIDERANDO a Resolução 172 de 04 de Dezembro de 2014 do CONANDA resolve:"

Transcrição

1 BA-Itagibá, 01 de Abril de Resolução nº. 001/CMDCA/2015 Dispõe sobre a CONVOCAÇÃO da Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e outras Providências. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente CMDCA de Itagibá, no uso de suas atribuições legais conferidas pela Lei Municipal n. 652/2010, e; CONSIDERANDO o disposto na Lei Federal n.º 8.069/1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente ECA), com as alterações introduzidas pela Lei Federal n /2009; CONSIDERANDO a Resolução 172 de 04 de Dezembro de 2014 do CONANDA resolve: Art. 1º Convocar a população a participar da I Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, com o tema Política e Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes fortalecendo os Conselhos dos Direitos da Criança e do Adolescente. Art. 2º Estabelecer o dia 14 de maio de 2015 para realização a I Conferencia Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente em Itagibá.

2 CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 3.º A I Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente tem por objetivo geral, mobilizar o sistema de garantia de direitos da população em geral para a implementação e o monitoramento da Política Nacional e o Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes, que traz como tema: "Política e Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes - fortalecendo os Conselhos dos Direitos da Criança e do Adolescente". Art. 4º - A I Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente tem por finalidade: a) Sensibilizar e mobilizar a sociedade em geral em defesa do ECA Estatuto da Criança e do Adolescente; b) Fortalecer a participação da sociedade em geral na formulação, monitoramento e avaliação da Política Estadual e do Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes; c) Fomentar a criação e o fortalecimento de espaços de participação de crianças e adolescentes nos Conselhos de Direitos, nos serviços, nos programas e nos projetos públicos e privados destinados à crianças e adolescência; d) Propor estratégias que promovam o fortalecimento dos Conselhos dos Direitos da Criança e do Adolescente para a implementação da Política e do Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes; e) Articular os atores do SGD Sistema de Garantia dos Direitos para participarem da elaboração e implementação dos Planos Decenais Estadual e Municipais da Bahia. CAPÍTULO II DA REALIZAÇÃO Art. 5.º A I Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente acontecerá no 14 de maio de 2015, na quadra da Escola Raimundo Santiago no Município de Itagibá - BA, segundo programação anexa.

3 CAPÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO Art. 6.º A I Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de será presidida pela Presidente do Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente - CMDCA. Art. 8.º Para a organização e desenvolvimento de suas atividades, a I Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente contará com uma comissão organizadora, que terá as seguintes atribuições: I - definir plano de ação e metodologia de trabalho; II divulgar a comunidade por meios de comunicação a I Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente; III - elaborar a proposta metodológica e a programação da I Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente; IV - promover diligências necessárias à participação dos Delegados para participarem das Conferências Territoriais; V - registrar e sistematizar as propostas de trabalho da Comissão submetendo ao Plenário da Conferência; VII - exercer outras atividades correlatas. 1º A Comissão Organizadora Municipal poderá convidar profissionais do setor público e privado, que desenvolvam atividades relacionadas ao tema objeto da I Conferência, quando entender relevante para a consecução das suas finalidades. CAPÍTULO IV DAS PRÉ-CONFERÊNCIAS E ELEIÇÃO DE DELEGADOS Artigo 9 - As Pré-conferências serão acompanhados por membros e colaboradores da Comissão Organizadora da I Conferência Municipal, havendo necessidade de serem confeccionadas listas de presença dos participantes e ata de reunião.

4 Artigo 10 - Serão considerados delegados à I Conferência Municipal os adolescentes eleitos nas Pré-conferências, com até 5 (cinco) representantes para a Conferência que será realizada no dia 14 de Maio de Parágrafo 1 - Dentre os participantes das Pré-conferências, a inscrição para delegado será nominal. Parágrafo 2 - Somente terão o direito de voto e serem votados os delegados natos ou eleitos pelas Pré-conferências. Artigo 11 - As discussões das Pré-conferências, bem como as propostas, deverão ser pertinentes ao tema proposto pelo CONANDA Política e Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes fortalecendo os Conselhos dos Direitos da Criança e do Adolescente. Parágrafo Único As propostas por ventura elaboradas, divergentes do tema, serão desconsideradas. CAPÍTULO V DOS RELATÓRIOS DAS PRÉ-CONFERÊNCIAS Artigo 12º - Cada atividade das Pré-conferências terá seu relator e coordenador, indicados pela comissão organizadora, cabendo a estes a função de elaborar o relatório das atividades e/ou propostas apresentadas, onde constem todas, inclusive, as divergentes, que serão votadas somente na plenária final. Artigo 13º - Após o término das atividades das Pré-conferências, os relatores elaborarão o relatório e entregarão a Comissão Organizadora, para sistematização das propostas e elaboração do relatório.

5 CAPITULO VI DOS PARTICIPANTES Art. 14.º A I Conferência deverá contar com a participação de adolescentes, membros representantes de órgãos governamentais, não governamentais, entidades de classe, representantes de conselhos setoriais, conselhos de políticas públicas, associações, sindicatos de profissionais da área de atendimento e defesa dos direitos da criança e do adolescente e representantes de universidades. CAPITULO VII DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 15.º Para a organização e desenvolvimento de suas atividades, a I Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente contará com a seguinte comissão organizadora: Representante da Secretaria de Desenvolvimento Social: Jerusa Lopes Calazans de Oliveira Representante da Secretaria Municipal de Saúde: Dalila Lima Aguiar Representante da Sociedade Civil CVI Centro de Vida Independente : Ednólia Conceição Almeida Representante da Sociedade Civil Igreja Católica : Nelson Bispo da Silva Art. 16 Os suportes técnicos, administrativos e financeiros para a organização da I Conferência Municipal serão de responsabilidade da prefeitura Municipal de Itagibá, através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social/SMDS. Art. 17 A Comissão Organizadora da I Conferência deverá promover todas as atividades necessárias ao cumprimento desta Resolução especialmente nos aspectos técnicos, administrativos e financeiros, além de elaborar a sua programação. Art.18 A I Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente será desenvolvida em consonância com as diretrizes estabelecidas no Texto Base elaboradas pelo CECA/CONANDA.

6 Art Esta Resolução entra em vigor na data da sua publicação. Itagibá, 01 de abril de Ednólia Conceição Almeida Presidente do CMDCA Itagibá/BA

7 Resolução nº. 002/CMDCA/2015 BA-Itagibá, 01 de Abril de Dispõe sobre a COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO ESPECIAL para o processo unificado de escolha de membros do Conselho Tutelar no Município de Itagibá/BA e dá outras providencias: O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente CMDCA de Itagibá, no uso de suas atribuições legais conferidas pela Lei Municipal n. 652/2010, e; CONSIDERANDO o disposto na Lei Federal n.º 8.069/1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente ECA), com as alterações introduzidas pela Lei Federal n /2009; CONSIDERANDO a Resolução 170 de 10 de Dezembro de 2014 que altera a Resolução nº 139, de 17 de março de 2010 para dispor sobre o processo de escolha em data unificada em todo o território nacional dos membros do Conselho Tutelar, resolve: Art. 1º - Instituir a Comissão Especial para o processo unificado de escolha dos membros do Conselho Tutelar no Município de Itagibá/BA, com a seguinte composição: Representante da Secretaria Municipal de Educação: Henrique Oliveira Representante da Secretaria Municipal de Esporte: Edson Santos Barreto Representante Sociedade Civil Pastoral da Criança : Edivaldo Sales Santana Representante Sociedade Civil Associação de Pastores de Itagibá : Alessandro Santos de Jesus Art. 2º O processo unificado para a escolha dos membros do Conselho Tutelar contará com o acompanhamento e a fiscalização do Ministério Público e consultoria jurídica da Prefeitura Municipal de Itagibá na pessoa do Sr. Dr. Rogério Pereira. Art.3º - Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação Ednólia Conceição Almeida Presidente do CMDCA Itagibá/BA

LEI MUNICIPAL N 013/97. SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias.

LEI MUNICIPAL N 013/97. SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias. LEI MUNICIPAL N 013/97 SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias. A Câmara Municipal de Carlinda, no uso de suas atribuições legais aprovou e eu, Geraldo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA BASE DE PESQUISA ESTUDOS DO HABITAT - GRUPO DE ESTUDOS EM HABITAÇÃO ARQUITETURA E URBANISMO GEHAU

DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA BASE DE PESQUISA ESTUDOS DO HABITAT - GRUPO DE ESTUDOS EM HABITAÇÃO ARQUITETURA E URBANISMO GEHAU UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA BASE DE PESQUISA ESTUDOS DO HABITAT - GRUPO DE ESTUDOS EM HABITAÇÃO ARQUITETURA E URBANISMO GEHAU OBSERVATÓRIO

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Nobres CNPJ: / LEI MUNICIPAL Nº 1.282/2013 DE 21 DE OUTUBRO DE 2013.

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Nobres CNPJ: / LEI MUNICIPAL Nº 1.282/2013 DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. LEI MUNICIPAL Nº 1.282/2013 DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A ATUALIZAÇÃO ESTRUTURAL E ADMINISTRATIVA DO CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DE NOBRES CMAS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Sr. SEBASTIÃO

Leia mais

Texto compilado Institui o Comitê Gestor e o Grupo Executivo do Programa Mais Médicos e dá outras providências.

Texto compilado Institui o Comitê Gestor e o Grupo Executivo do Programa Mais Médicos e dá outras providências. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.040, DE 8 DE JULHO DE 2013 Texto compilado Institui o Comitê Gestor e o Grupo Executivo do Programa Mais Médicos e dá

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Direito. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística RESOLUÇÃO N o 01/2011, DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ESTATÍSTICA Regulamenta a composição, as competências

Leia mais

DEVEM SER ESCOLHIDOS ATRAVÉS DE AUDIÊNCIA PÚBLICA CONVOCADA POR EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO

DEVEM SER ESCOLHIDOS ATRAVÉS DE AUDIÊNCIA PÚBLICA CONVOCADA POR EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DAS INSTITUIÇÕES E/OU ASSOCIAÇÕES ARTÍSTICAS E CULTURAIS E DA SOCIEDADE CIVIL, COM NOTÓRIA PARTICIAPÇÃO EM ATIVIDADES CULTURAIS PARA COMPOSIÇÃO

Leia mais

Regulamento Específico OlimpiArqui 2016

Regulamento Específico OlimpiArqui 2016 Regulamento Específico OlimpiArqui 2016 TÍTULO I CAPÍTULO I DA FINALIDADE DO EVENTO Art. 1º. A competição tem por finalidade fazer o congraçamento de todos os alunos e colaboradores do Colégio Arquidiocesano.

Leia mais

Lei do Estado de Pernambuco nº , de

Lei do Estado de Pernambuco nº , de Lei do Estado de Pernambuco nº 13.490, de 01.07.2008 Cria o Conselho Estadual das Cidades do Estado de Pernambuco ConCidades-PE, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Faço saber

Leia mais

RESOLUÇÃO CRCMG Nº 352, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CRCMG Nº 352, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CRCMG Nº 352, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Estabelece o Regulamento dos cursos presenciais e a distância realizados pelo CRCMG. O PLENÁRIO DO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE MINAS GERAIS,

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DAS ATIVIDADES ESTÁGIOSUPERVISIONADO INTEGRADO AO TRABALHO DE CURSO Colegiado: -Validar o

Leia mais

DECRETO Nº DE 26 DE JANEIRO DE 1989

DECRETO Nº DE 26 DE JANEIRO DE 1989 DECRETO Nº 8.356 DE 26 DE JANEIRO DE 1989 Dispõe sobre a Estrutura Organizacional da Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes e dá outras providências. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

IX CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CMDCA CAMPINAS II ENCONTRO ESTADUAL DE GESTORES MUNICIPAIS DE CONVÊNIO

IX CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CMDCA CAMPINAS II ENCONTRO ESTADUAL DE GESTORES MUNICIPAIS DE CONVÊNIO II ENCONTRO ESTADUAL DE GESTORES MUNICIPAIS DE CONVÊNIO FUNDO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE FIA O Estatuto da Criança e Adolescente - ECA estabelece a Política de Atendimento a Criança e Adolescente:

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: Professor II: (NR) V -...

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: Professor II: (NR) V -... LEI COMPLEMENTAR N.º 176, DE 04 DE ABRIL DE 2012. ALTERA E REVOGA DISPOSITIVOS QUE ESPECIFICA DA LEI COMPLEMENTAR N.º 45, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2004, COM ALTERAÇÕES SUBSEQUENTES. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Apresentado pelo representante do Ministério das Cidades Histórico Aprovado pelo Conselho de Desenvolvimento

Leia mais

Ciências Biológicas-Modalidade Médica (Biomedicina)

Ciências Biológicas-Modalidade Médica (Biomedicina) REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE DO CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS-MODALIDADE MÉDICA (BIOMEDICINA) Considerando a Resolução nº 01, de 17 de junho de 2010, que normatiza o Núcleo Docente Estruturante

Leia mais

PARECER Nº, DE RELATOR: Senador WILSON MATOS

PARECER Nº, DE RELATOR: Senador WILSON MATOS PARECER Nº, DE 2007 Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 277, de 2007, que acrescenta parágrafo único ao art. 4º da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX

ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX DISPÕE SOBRE O PLANO MUNICIPAL DE APOIO E INCENTIVO À CIÊNCIA E TECNOLOGIA NO MUNICÍPIO DE ARACRUZ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003

PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003 Institui o Programa Nacional para Prevenção e Controle das Hepatites Virais, o Comitê Técnico de Acompanhamento e Assessoramento do Programa e dá outras providências.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PROPOSTA DE REGULAMENTO DE ESTATUINTE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PROPOSTA DE REGULAMENTO DE ESTATUINTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PROPOSTA DE REGULAMENTO DE ESTATUINTE RESOLUÇÃO Nº X de xx de junho de 2014 Regulamenta o processo de elaboração do Estatuto e do Regimento Geral

Leia mais

Etapas para sua construção

Etapas para sua construção Etapas para sua construção O plano é um documento que define metas educacionais para serem alcançadas pelo município em um período de 10 anos (2012 a 2021). Trata-se de uma exigência prevista na Lei Federal

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E FINALIDADE Art.1º O Núcleo de Microscopia e Microanálise (NMM) caracteriza-se pela reunião

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Sexta-feira, 6 de Dezembro de 2013 Ano XIX - Edição N.: 4451 Poder Executivo Secretaria Municipal de Políticas Sociais - CMDCA RESOLUÇÃO CMDCA/BH Nº 102/2013 Dispõe sobre a política municipal para execução

Leia mais

Considerando o acelerado crescimento urbano e industrial brasileiro e da frota de veículos automotores;

Considerando o acelerado crescimento urbano e industrial brasileiro e da frota de veículos automotores; RESOLUÇÃO CONAMA Nº 005, de 15 de junho de 1989 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso VII, do Art. 8º, da Lei nº 6.938 de 31 de agosto de 1981 e

Leia mais

Manual. Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala

Manual. Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala Manual Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala Reuniões de Turma As reuniões com os diretores de turma (no 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e no ensino secundário) ou com

Leia mais

DECRETO Nº , DE 18 DE JULHO DE 2001.

DECRETO Nº , DE 18 DE JULHO DE 2001. DECRETO Nº. 3.872, DE 18 DE JULHO DE 2001. Dispõe sobre o Comitê Gestor da Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - CG ICP-Brasil, sua Secretaria-Executiva, sua Comissão Técnica Executiva e dá outras

Leia mais

NOTA TÉCNICA

NOTA TÉCNICA NOTA TÉCNICA 38 2012 Minuta de Portaria que cria a especificação preceptor e residente no cadastro do médico que atua em qualquer uma das equipes de Saúde da Família previstas na Política Nacional de Atenção

Leia mais

Mostra de Projetos Criando Identidade com Pontal do Paraná. Protegendo a Maternidade. Alimentando Vidas. Qualidade de Vida - Mulheres Coletoras

Mostra de Projetos Criando Identidade com Pontal do Paraná. Protegendo a Maternidade. Alimentando Vidas. Qualidade de Vida - Mulheres Coletoras Mostra de Projetos 2011 Criando Identidade com Pontal do Paraná Protegendo a Maternidade Alimentando Vidas Qualidade de Vida - Mulheres Coletoras Mostra Local de: Pontal do Paraná. Categoria do projeto:

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO

ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO ----- ENTRE ----- A REPÚBLICA DE ANGOLA, A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, A REPÚBLICA DE CABO VERDE, A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU, A REPÚBLICA

Leia mais

Portaria Conjunta CENP/COGSP/ CEI, de

Portaria Conjunta CENP/COGSP/ CEI, de Portaria Conjunta CENP/COGSP/ CEI, de 6 7 2009 Dispõe sobre a Terminalidade Escolar Específica de alunos com necessidades educacionais especiais na área da deficiência mental, das escolas da rede estadual

Leia mais

REGULAMENTO N. 001 /2010 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE ESTÁGIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

REGULAMENTO N. 001 /2010 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE ESTÁGIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA REGULAMENTO N. 001 /2010 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE ESTÁGIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA Simone da Silva Gomes Cardoso, Diretora da FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS

Leia mais

anped Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação

anped Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação RESOLUÇÃO N º01 /2010-ANPED, de 19 de outubro de 2010 Aprova texto do Regulamento do Comitê Científico da ANPEd A Presidente da ASSOCIAÇÃO NACIONAL

Leia mais

PORTARIA/SEE Nº /2015. CONSIDERANDO que a garantia de padrão de qualidade é princípio no qual deve está embasada a oferta do ensino;

PORTARIA/SEE Nº /2015. CONSIDERANDO que a garantia de padrão de qualidade é princípio no qual deve está embasada a oferta do ensino; PORTARIA/SEE Nº. 2.427/2015. INSTITUIR O PROJETO REGULARIZE NO SISTEMA DE ENSINO DO ESTADO DE ALAGOAS. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE, no uso de suas atribuições e prerrogativas legais

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI CONSU RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regimento interno da Diretoria de Relações Internacionais

Leia mais

REGULAMENTO DA CEPA. Regulamentação da Comissão Escolar de Prevenção de Acidentes Revisão. 03

REGULAMENTO DA CEPA. Regulamentação da Comissão Escolar de Prevenção de Acidentes Revisão. 03 REGULAMENTO DA CEPA SUMÁRIO Regulamentação Centro Integrado SESI/SENAI Dona Nenem Scariolli/ETFG... 3 CEPA Comissão Escolar De Prevenção de Acidentes... 3 Objetivo:... 3 Da Constituição:... 3 Da Organização:...

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior RESOLUÇÃO Nº 045 CONSUPER/2015 Dispõe sobre Normas para o estabelecimento de Acordos/Convênios de Cooperação Internacional do IFC. O Presidente do do IFC, Professor Francisco José Montório Sobral, no uso

Leia mais

NORMATIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DO PRONATEC NO IF BAIANO

NORMATIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DO PRONATEC NO IF BAIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO COMITÊ GESTOR DO PRONATEC NORMATIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DO PRONATEC

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II PORTARIA N 582 DE 4 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre a autorização para participação de servidores em eventos de natureza científica, acadêmica e/ ou de capacitação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL II SALÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS. 19 a 23 de outubro de 2015 CAMPUS DO VALE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL II SALÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS. 19 a 23 de outubro de 2015 CAMPUS DO VALE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL II SALÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS 19 a 23 de outubro de 2015 CAMPUS DO VALE REGULAMENTO 1. Objetivo O II Salão de Ações Afirmativas da UFRGS tem como objetivo a divulgação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 002, de 04 de Abril de 2015

RESOLUÇÃO Nº 002, de 04 de Abril de 2015 RESOLUÇÃO Nº 002, de 04 de Abril de 2015 Dispõe sobre as diretrizes de transição para o primeiro processo de escolha dos membros do Conselho Tutelar que ocorrerá em data unificada em todo o território

Leia mais

RESOLUÇÃO CFFa n 272, de 20 de Abril de 2001

RESOLUÇÃO CFFa n 272, de 20 de Abril de 2001 RESOLUÇÃO CFFa n 272, de 20 de Abril de 2001 Dispõe sobre a prática da Acupuntura pelo fonoaudiólogo e dá outras providências O Conselho Federal de Fonoaudiologia, no uso das atribuições legais, conferidas

Leia mais

Meio Ambiente. Ministério do Meio Ambiente FLORESTA NACIONAL DO TAPAJOS FLONA TAPAJÓS. Unidade de Conservação Federal

Meio Ambiente. Ministério do Meio Ambiente FLORESTA NACIONAL DO TAPAJOS FLONA TAPAJÓS. Unidade de Conservação Federal FLORESTA NACIONAL DO TAPAJOS FLONA TAPAJÓS Unidade de Conservação Federal A Gestão Socioambiental da Flona e a sua relacão com o Manejo Florestal e as Pesquisas na UC 2010 Floresta Nacional do Tapajós

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO/FUNDEB Nº 001/2010 DE 19 DE JULHO DE 2010.

EDITAL DE ELEIÇÃO/FUNDEB Nº 001/2010 DE 19 DE JULHO DE 2010. PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO DE SERGIPE Nº 26.047 04/08/2010 GOVERNO DE SERGIPE EDITAL DE ELEIÇÃO/FUNDEB Nº 001/2010 DE 19 DE JULHO DE 2010. PROCESSO ELEITORAL PARA ESCOLHA DOS REPRESENTANTES

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES

Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES CAMPO LIMPO PAULISTA 2014 Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica - Telecomunicações

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA DE HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL

PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA DE HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA DE HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL OUTUBRO/2009 Experiências de Conselhos e Planos Locais de Habitação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Nº 02/2016

REGIMENTO INTERNO Nº 02/2016 Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Formação de Professores Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA PRINCÍPIOS GERAIS O presente regulamento define as normas de funcionamento da Assembleia de Parceiros do Grupo de

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS DE APROFUNDAMENTO DO CURSO PEDAGOGIA/EAD LICENCIATURA CAPITULO I DA REGULAMENTAÇÃO

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS DE APROFUNDAMENTO DO CURSO PEDAGOGIA/EAD LICENCIATURA CAPITULO I DA REGULAMENTAÇÃO REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS DE APROFUNDAMENTO DO CURSO PEDAGOGIA/EAD LICENCIATURA CAPITULO I DA REGULAMENTAÇÃO Art. 1 o O presente Regulamento disciplina os procedimentos para oferta,

Leia mais

Senhores Membros do Congresso Nacional,

Senhores Membros do Congresso Nacional, Mensagem n o 691 Senhores Membros do Congresso Nacional, Nos termos do disposto no art. 49, inciso I, combinado com o art. 84, inciso VIII, da Constituição, submeto à elevada consideração de Vossas Excelências,

Leia mais

BOLETIM DE SERVIÇO EXTRAORDINÁRIO. INSTITUTO FEDERAL Minas Gerais. Publicado em Lei nº 4965 de Janeiro 2016 Nº 1

BOLETIM DE SERVIÇO EXTRAORDINÁRIO. INSTITUTO FEDERAL Minas Gerais. Publicado em Lei nº 4965 de Janeiro 2016 Nº 1 BOLETIM DE SERVIÇO EXTRAORDINÁRIO Publicado em 26 01 2016 Lei nº 4965 de 05 05 1966 Janeiro 2016 Nº 1 INSTITUTO FEDERAL Minas Gerais Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º As Atividades Complementares são exigidas para integralização da do

Leia mais

. ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS

. ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS . ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS ASPECTOS LEGAIS LEI Nº 4.751, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2012 Dispõe sobre o Sistema de Ensino e a Gestão Democrática do Sistema de Ensino Público do Distrito Federal. PORTARIA Nº

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Justificativa

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Justificativa MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE DIREITOS HUMANOS

Leia mais

1 Verificar num primeiro momento as ações para cumprimento das Metas/estratégias com prazo definido para 2015;

1 Verificar num primeiro momento as ações para cumprimento das Metas/estratégias com prazo definido para 2015; Subcomissão permanente para Acompanhar, monitorar e avaliar o processo de implementação das estratégias e do cumprimento das metas do Plano Nacional de Educação PNE sugestões para Plano de Trabalho Consultorias

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA NACIONAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA NACIONAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTRODUÇÃO O Ministério de Educação, nos últimos três anos, vem construindo uma concepção educacional tendo em vista a articulação dos níveis e modalidades de ensino,

Leia mais

DECISÃO COREN/CE Nº 061/2013

DECISÃO COREN/CE Nº 061/2013 DECISÃO COREN/CE Nº 061/2013 APROVA O REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NOS CURSOS REALIZADOS PELO COREN/CE E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. O Conselho Regional de Enfermagem do Ceará COREN/CE, no uso de suas atribuições

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SALESIANO DE SÃO PAULO - UNISAL Campinas - Campus Liceu. V SEMINÁRIO DE EXTENSÃO 24 de setembro de 2016

CENTRO UNIVERSITÁRIO SALESIANO DE SÃO PAULO - UNISAL Campinas - Campus Liceu. V SEMINÁRIO DE EXTENSÃO 24 de setembro de 2016 CENTRO UNIVERSITÁRIO SALESIANO DE SÃO PAULO - UNISAL Campinas - Campus Liceu V SEMINÁRIO DE EXTENSÃO 24 de setembro de 2016 Edital n.º 05 Chamada de Trabalhos Tema: Planeta Terra: O cuidado da casa comum.

Leia mais

Art. 3º O Prêmio será concedido às melhores propostas nas seguintes categorias:

Art. 3º O Prêmio será concedido às melhores propostas nas seguintes categorias: Art. 1º A Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina - FIESC, por meio da Diretoria de Desenvolvimento Institucional e Industrial, lança a 1ª edição do Prêmio Melhores Práticas Sindicais, que

Leia mais

PORTARIA Nº 213, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008.

PORTARIA Nº 213, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. PORTARIA Nº 213, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA E LOGÍSTICA DE ALAGOAS, ENERGIA E LOGÍSTICA, no uso de suas atribuições legais e com fulcro no Decreto

Leia mais

ANEXO I Circular SUSEP nº 07/94

ANEXO I Circular SUSEP nº 07/94 ANEXO I Circular SUSEP nº 07/94 1. Sociedades Seguradoras Nacionais, Sociedades de Capitalização e Sociedades de Previdência Privada Aberta com fins lucrativos. 1.1- ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA - AGE

Leia mais

EDITAL PROEC nº 456 / 2016 PROCESSO DE SELEÇÃO DE SUPERVISORES MÉDICOS PARA O PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA (PROVAB)

EDITAL PROEC nº 456 / 2016 PROCESSO DE SELEÇÃO DE SUPERVISORES MÉDICOS PARA O PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA (PROVAB) EDITAL PROEC nº 456 / 2016 PROCESSO DE SELEÇÃO DE SUPERVISORES MÉDICOS PARA O PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA (PROVAB) A Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), por meio da

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Art.1 o Trabalho de Conclusão de Curso é elemento obrigatório à formação dos alunos regularmente matriculados no Curso de Fisioterapia,

Leia mais

IV CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

IV CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL IV CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL PERNAMBUCO RELATÓRIO FINAL COMISSÃO EECUTIVA Pesqueira/PE Setembro/2011 1 IV CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL ALIMENTAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO OBSERVATÓRIO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DO OBSERVATÓRIO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DO OBSERVATÓRIO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL De acordo com o Plano Estratégico apresentado ao Conselho Geral da Universidade da Madeira (UMa) ficou estabelecida a constituição de um Observatório

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

REGULAMENTO.

REGULAMENTO. www.firjan.com.br REGULAMENTO Regulamento Prêmio Melhores Práticas Sindicais - 2016 APRESENTAÇÃO Art. 1º A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), por meio da Diretoria Executiva

Leia mais

I Encontro Nacional do Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

I Encontro Nacional do Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares I Encontro Nacional do Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares GRUPO DE TRABALHO Municípios das regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul Criação do Grupo Articulador Definir quem é o grupo

Leia mais

Sistema Nacional de Cultura

Sistema Nacional de Cultura Sistema Nacional de Cultura O Sistema Nacional de Cultura (SNC) é um instrumento de gestão compartilhada de políticas públicas de cultura entre os entes federados e a sociedade civil. Seu principal objetivo

Leia mais

PARANAPANEMA EM FOCO

PARANAPANEMA EM FOCO Encontro Ampliado do PIRH Nos dias 15 e 16 de fevereiro, acontece no Hotel Sumatra, em Londrina (PR), o primeiro Encontro Ampliado do Plano Integrado de Recursos Hídricos (PIRH) da Unidade de Gestão dos

Leia mais

Portaria nº 98, de 11 de outubro de 2007

Portaria nº 98, de 11 de outubro de 2007 Portaria nº 98, de 11 de outubro de 2007 Disciplina as formas de colaboração e os procedimentos de escolha dos consultores científicos para fins do assessoramento tratado no artigo 3º do Estatuto da CAPES.

Leia mais

DECRET0 Nº 2.207, DE 22 DE ABRIL DE 2008

DECRET0 Nº 2.207, DE 22 DE ABRIL DE 2008 DECRET0 Nº 2.207, DE 22 DE ABRIL DE 2008 Dispõe sobre a Estrutura Regimental da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer. Publicado no Jornal Correio Paranaense Em, 24.04.2008 O Prefeito Municipal de São

Leia mais

COMISSÃO ELEITORAL EDITAL 03/2016, DE 8 DE SETEMBRO DE 2016

COMISSÃO ELEITORAL EDITAL 03/2016, DE 8 DE SETEMBRO DE 2016 COMISSÃO ELEITORAL EDITAL 03/2016, DE 8 DE SETEMBRO DE 2016 ELEIÇÕES DO CENTRO ACDÊMICO DO CURSO DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS DOM BOSCO. A COMISSÃO ELEITORAL SUBJUGADA

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DE INSTALAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA 26 DE DEZEMBRO DE :00

ATA DA REUNIÃO DE INSTALAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA 26 DE DEZEMBRO DE :00 ATA DA REUNIÃO DE INSTALAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA 26 DE DEZEMBRO DE 2005 17:00 O governo não conseguiu enviar todos os representantes, mas como o quórum mínimo seria de cinqüenta por cento

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 155 /2008

PORTARIA NORMATIVA Nº 155 /2008 Publicada no DOE de 05/11/2008 CENTRO DE ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE PORTARIA NORMATIVA Nº 155 /2008 A PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO CENTRO DE ATENDIMENTO SÓCIO-EDUCATIVO AO ADOLESCENTE FUNDAÇÃO

Leia mais

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 1 PETROBRAS Fundada em 1953, a partir de uma campanha popular O petróleo é nosso. Empresa integrada de energia Sociedade anônima de capital aberto

Leia mais

Publicada no D.O. de RESOLUÇÃO CONJUNTA SEPLAG/SETRAB Nº 265 DE 17 DE ABRIL DE 2013

Publicada no D.O. de RESOLUÇÃO CONJUNTA SEPLAG/SETRAB Nº 265 DE 17 DE ABRIL DE 2013 Publicada no D.O. de 18.04.2013 RESOLUÇÃO CONJUNTA SEPLAG/SETRAB Nº 265 DE 17 DE ABRIL DE 2013 PROMOVE A INSCRIÇÃO DE ENTIDADES SEM FINS LUCRATIVOS PARA QUALIFICAÇÃO COMO ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DE GERAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DA COORDENADORIA DE PROGRAMAS SOCIAIS

REGULAMENTO DA COORDENADORIA DE PROGRAMAS SOCIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRO-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS E COMUNITARIOS COORDENADORIA DE PROGRAMAS SOCIAIS REGULAMENTO DA COORDENADORIA DE PROGRAMAS SOCIAIS Lavras Agosto 2012 CAPITULO I DA COORDENADORIA

Leia mais

Lei nº de 17 de outubro de 2001.

Lei nº de 17 de outubro de 2001. Lei nº 3.103 de 17 de outubro de 2001. Estabelece normas para a escolha de diretores e vice-diretores nas escolas da rede municipal e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Faço saber,

Leia mais

PPP Perfil Profissiográfico Previdenciário quais as prerrogativas do sindicato.

PPP Perfil Profissiográfico Previdenciário quais as prerrogativas do sindicato. Ações do PIS/PASEP (Programa de Integração Social/ Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público e FGTS Detalhes no site www.fsindical.org.br - www.sindicatodosaposentados.org.br PPP Perfil Profissiográfico

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MARABÁ GABINETE DO VEREADOR CORONEL ARAÚJO

CÂMARA MUNICIPAL DE MARABÁ GABINETE DO VEREADOR CORONEL ARAÚJO 1 PROJETO DE LEI N 019 /2013 AFA Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal da Juventude e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE MARABÁ, Estado do Pará, no uso de suas atribuições, faz saber

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF REGULAMENTO N. 007 /2015 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NUEMA DA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF GARÇA/SP Vanessa Zappa, Diretora da FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento visa normatizar as Atividades Complementares do Curso de História. Parágrafo único As Atividades Complementares

Leia mais

EDITAL INTERNO Nº 19/2015-DG/NC/IFRN. Eleição para o Grêmio Estudantil do Campus Nova Cruz

EDITAL INTERNO Nº 19/2015-DG/NC/IFRN. Eleição para o Grêmio Estudantil do Campus Nova Cruz SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS NOVA CRUZ EDITAL INTERNO

Leia mais

LEI Nº0154/97 CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI Nº0154/97 CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº0154/97 CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Santa Bárbara do Leste, por seus representantes aprovou e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte Lei:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 161, DE 30 DE ABRIL DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 161, DE 30 DE ABRIL DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 161, DE 30 DE ABRIL DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 26 inciso

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação RESOLUÇÃO N o 06, DE 10 DE JUNHO DE 2013. Trata de Instruções Normativas para a realização, pela UFJF, de processos de seleção de candidatos aos cursos de Mestrado e Doutorado abrigados pelos Programas

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010.

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. Institui as orientações e as atividades aprovadas para a realização da carga horária de Estágio Supervisionado

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO -PCCV-

SECRETARIA EXECUTIVA DE GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO -PCCV- SECRETARIA EXECUTIVA DE GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO -PCCV- RECIFE, 2013 CONCEITO O Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV) é o conjunto de normas que disciplinam

Leia mais

PODER EXECUTIVO DECRETO Nº DE 15 DE ABRIL DE 2013.

PODER EXECUTIVO DECRETO Nº DE 15 DE ABRIL DE 2013. DECRETO Nº 44.159 DE 15 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO DO RIO CRIATIVO - PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA CRIATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

REGULAMENTO 1º PRÊMIO DE BOAS PRÁTICAS DA REDE BRASILERIA DE OP

REGULAMENTO 1º PRÊMIO DE BOAS PRÁTICAS DA REDE BRASILERIA DE OP REGULAMENTO 1º PRÊMIO DE BOAS PRÁTICAS DA REDE BRASILERIA DE OP O PRÊMIO O 1º prêmio BOAS PRÁTICAS DA REDE BRASILEIRA DE OP é uma distinção anual promovida pela Rede Brasileira de Orçamento Participativo

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo

Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E FINALIDADE Art. 1º. A Frente Parlamentar do Cooperativismo, Frencoop, é uma entidade civil, de interesse

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) BRA/06/005 - OEI - A Educação Como

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS EI Nº 1421/2011 DATA: 15 de fevereiro de 2011 SÚMULA: Cria o Conselho Gestor do Telecentro Comunitário do Município de Sinop/MT e dá outras providências. JUAREZ COSTA, PREFEITO MUNICIPAL DE SINOP, ESTADO

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais,

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais, PORTARIA TRT/GP/DGCA Nº 38/2016 Define a Política de Gerenciamento da Central de Serviços de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Leia mais

Procuradoria Geral do Município

Procuradoria Geral do Município LEI Nº 2.336, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2010 Cria o Conselho Municipal da Cidade de Petrolina CONCIDADE/Petrolina, o Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social FMHIS, e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

REGIMENTO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS COMISSÃO PROPRIA DE AVALIAÇÃO COMISSÃO CENTRAL Avenida Prof.

Leia mais

RESOLUÇÃO 11 / FASE-RS / 07-DG

RESOLUÇÃO 11 / FASE-RS / 07-DG RESOLUÇÃO 11 / FASE-RS / 07-DG Determina normas para a realização de atividades acadêmicas e de pesquisas na FASE-RS. A DIREÇÃO GERAL DA FUNDAÇÃO DE ATENDIMENTO SÓCIO- EDUCATIVO DO RIO GRANDE DO RIO GRANDE

Leia mais